SlideShare uma empresa Scribd logo
Estabilização Química de Solos Para Fins
de Pavimentação Urbana e Rodoviária
 É alterar as propriedades físico-químicas dos solos
através de reações químicas de modo que se
torne um material aproveitável para aplicação na
engenharia.
14/5/2009 2
Histórico da “descoberta” - Existe nos campos da América do Sul uma térmita,
uma espécie de formiga denominada CUPIM, que constrói seus ninhos acima
da superfície do solo, de grandes dimensões, com um complexo emaranhado
de vias internas e demais aposentos, extremamente resistentes ao ataque de
predadores e, principalmente, à ação deletéria da água. Passados muitos anos
depois que estes ninhos foram abandonados pelos seus construtores, tendo
se transformado em morada de corujas, cobras ou outros animais rasteiros,
a estrutura, feita de solo estabilizado, permanece resistente e estável.
14/5/2009 3
A Descoberta
Engenheiros responsáveis pela conservação de estradas rurais sem
revestimento betuminoso, do Estado de São Paulo, observaram que suas
turmas de trabalhadores braçais, contratados localmente, costumavam
destorroar estes ninhos de cupins, e espalhar este solo estabilizado pelos
trechos das estradas mais danificados pela ação das chuvas, e que nunca
mais apresentavam problemas. A observação deste fato levou pesquisadores
do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo/Brasil a
estudar o processo de estabilização utilizado pelas térmitas, resultando
nesta tecnologia, já empregada com muito sucesso no Brasil e em muitos
outros países, desde 1973. Chama-se vulgarmente esta técnica de
estabilização de solos de “tecnologia da baba-de-cupim”,
14/5/2009 4
14/5/2009 5
14/5/2009 6
Os pavimentos com base ou sub-base de solo-cimento são empregados no
Brasil desde 1939, quando foi construída a estrada Caxambu-Areias, em
empreendimento no qual a ABCP juntou-se ao DNER-MG. Desde então, foram
executados no país mais de 25.000 km com essa solução, um marco mundial.
Fonte ABCP (www.abcp.org.br)
Observações posteriores concluem que essa fórmula não gerava
impermeabilidade às bases. Como solução surge no Brasil em 1970, a primeira
marca de estabilizante químico que, junto com o cimento, embora reduzindo
drasticamente a dosagem deste na composição da massa eleva ainda mais a
resistência e produz  impermeabilidade. Desta forma é concebida a durabilidade
destas obras por tempo indeterminado.  E o Brasil, hoje, conta com três marcas
de estabilizantes de solos. Dentre elas:
14/5/2009 7
Tecnologia 100% Brasileira
14/5/2009 8
O que é o ECOLOPAVI ?
O estabilizante de solos ECOLOPAVI é um sal químico de origem orgânica, líquido,
totalmente solúvel em água que atua como um catalisador, promovendo e facilitando
a troca iônica, permitindo maior coesão entre as partículas finas do solo,
impermeabilizando-as. Sua forte ação aglutinante é devida ao fenômeno da troca de
base, eliminando o campo eletro-magnético que se forma no entorno das partículas,
que ioniza as moléculas da água, fazendo-as aderir fortemente à superfície,
formando a camada de água adsorvida, que por sua vez aumenta a distância entre
as superfícies, diminuindo a força atrativa.
14/5/2009 9
Em que consiste estabilizar o solo ?
A estabilização do solo com adição do estabilizante ECOLOPAVI e seus
reagentes, consiste em um método de aproveitar o solo, dando a ele
condições para resistir a carregamentos e intempéries tornando-o impermeável
e aplicável na construção de bases de pavimentos urbanos e rodoviários
14/5/2009 10
Estabilizar as bases dos pavimentos é
uma necessidade ?
Este é um trecho da estrada conhecida em Manaus
como o Ramal do Brasileirinho. Pavimentada em
julho/agosto/2006. O asfaltamento não resistiu ao
primeiro inverno E este é o estado da rodovia apenas
um ano depois. O tráfego removeu a camada de
asfalto e a base se desintegrou surgindo incontáveis
buracos
Este trecho na periferia de Manaus, construído em outubro de
2005. Nesta base foram aplicados ECOLOPAVI, NA
PROPORÇÃO DE 1: 1000 + 2% cimento. Obteve-se um CBR
de 134% e completa impermeabilidade. Observa-se que o
tráfego intenso removeu a imprimação com CM-30. Mas a base
permanece perfeita, sem buracos já no quarto inverno. Pronta
para receber nova camada de asfalto.
11
Tipo de Base
Espessura da
Camada
Coeficiente
estrutural
Quantidade
em espécie
Peso a
transportar
Número
de viagens
Solo-cimento a 8% 13,0 cm 1,4 2.546 sc 127 ton 11
Solo-cal a 8% 15,0 cm 1,2 7.344 sc 147 ton 13
Brita graduada simples 18,0 cm 1,0 1.296 m3
2.722 ton 227
Solo-brita a 70% 18,0 cm 1,0 1.296 m3
2.463 ton 205
Cascalho 22,5 cm 0,8 1.620 m3
3.078 ton 257
Solo arenoso fino laterítico 18,0 cm 1,0 1.296 m3
2.462 ton 205
Solo estabilizado c/ Ecolopavi® 15,0 cm 1,2 9 tb. + 9 sc. 2,3 ton 1
ão de 1,0 quilometro, largura de 7,20 metros, cuja base tem espessura básica de 0,15 cm de brita graduada (coeficiente estrutural k=1,0), e sendo a densidade máxão de 1,0 quilometro, largura de 7,20 metros, cuja base tem espessura básica de 0,15 cm de brita graduada (coeficiente estrutural k=1,0), e sendo a densidade máx
5 – VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO ESTABILIZANTE ECOLOPAVIÒ
É apresentado a seguir um quadro-resumo de quantidades de materiais para pavimentação de uma
hipotética rodovia, com extensão de 1,0 quilometro, largura de 7,20 metros, cuja base tem espessura
básica de 0,15 cm de brita graduada (coeficiente estrutural k=1,0), e sendo a densidade máxima aparente
do solo local γ= 1.700 kg/m3, dispondo-se, para transporte, de caminhões com capacidade máxima de 12
toneladas.
Como pode ser facilmente observado no quadro acima, além da economia em materiais, com
a substituição das soluções tradicionais por camadas de solo local estabilizado quimicamente
com ECOLOPAVIÒ, é também muito significativa a redução do item transporte.
14/5/2009 12
OUTRAS VANTAGENS
a) mesmo que seja preciso importar solo para execução de camadas do pavimento estabilizadas
com ECOLOPAVI®, será bastante reduzido o momento de transporte, por não serem necessários solos com
características especiais, que somente são encontrados a grandes distâncias.
b) o solo estabilizado com ECOLOPAVI® pode ser remanejado em qualquer tempo, pois que não mais
perde suas propriedades adquiridas.
c) quando for necessária a adição de aglomerantes como cal ou cimento, não serão precisos cuidados
especiais, tendo em vista sua pequena percentagem.
d) os equipamentos a serem utilizados para a execução de camadas de solo estabilizado quimicamente
com ECOLOPAVI® são os mesmos utilizados para terraplenagem ou para conservação de estradas rurais,
como motoniveladoras, grades-de-discos, caminhões-pipa, tratores agrícolas, e equipamentos de
compactação de solos argilosos (rolos pé-de-carneiro).
e) o custo de conservação de estradas pavimentadas com camadas de solos estabilizados
com ECOLOPAVI® é mínimo, quase inexistente.
f) os solos estabilizados com ECOLOPAVI® adquirem grande trabalhabilidade, tornando-se facilmente
compactáveis.
g) solos estabilizados com ECOLOPAVI® têm reduzida a absorção de água, a ascensão capilar, o poder de
sucção e a expansibilidade, com um proporcional aumento de suporte CBR.
h) A utilização do estabilizante químico de solos ECOLOPAVI® minimiza a agressão ao meio-ambiente, por
tornar desnecessária a exploração de jazidas de solos estabilizados granulometricamente.
14/5/2009 13
Instituto de Desenvolvimento e Educação Social da Amazônia
Rua Tapajós 13, 2o andar, conj 02 -Centro-CEP 69010-150
Manaus - Amazonas
PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA DA AV. ANASTÁCIO BRAGA
CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIPOCA - CE
ESTABILIZAÇÃO DA BASE , COM ESTBILIZANTE ECOLOPAVI M3
UNID
MATERIAL
SOLO NATURAL M3 1,30 1,00 0,39
ESTABILIZANTE ECOLOPAVI LITRO 0,03 12,00 0,30
CIMENTO KG 0,08 2,00 0,1521
Total A 0,8421
EQUIPAMENTO
MOTONIVELADORA H 0,06 120,00 6,60
CAMINHÃO PIPA H 0,06 80,00 4,40
ROLO PÉ DE CARNEIRO H 0,06 65,00 3,575
ROLO LISO H 0,06 60,00 3,30
TRATOR + GRADE DE DISCO H 0,06 45,00 2,475
Total B 20,35
TOTAL A + B 21,1921
BDI 30% 6,35763
TOTAL GERAL 27,54973
Custo do m2 espessura = 20cm 6,5 m2 4,23842
Eng. Raimindo Brito de Almeida CREA 6362-D-PA
CREA 6362-D-CE
CREA 6362-D -MG
Análise de custo de construção
de base de pavimento elaborada
Pelo Eng. Raimundo Brito de
Almeida para a Prefeitura Municipal
de Itapipoca – CE.
Por esse estudo, uma pista de 1km de
comprimeito por 8m de largura com 0,20m de
espessura, ou seja:
R$ 4,23 X 8 = R$ 33,84 X 1.000 =
33.840,00/km
14/5/2009 14
Os reagentes
Cal Hidratada para
solos de
predominância
argilosa
Dosagem usual
2% em relação ao
peso do solo seco.
Cimento Porland para
solos areno-argilosos
Dosagem usual:
2% em relação ao
peso do solo seco.
Sufato de alumínio para
solos de predominância
arenosa
Dosagem usual:
1: 5000
1kg de sulfato para cada
5ton de solos
As dosagens exatas para cada projeto devem
ser esclarecidas através de ensaios em
laboratório
14/5/2009 15
Todo solo que, quando seco, resista à ação das cargas das rodas dos veículos
sem se esboroar, está apto a ser estabilizado com ECOLOPAVI e seus
reagentes.
Partindo desta premissa os solos devem ser submetidos a ensaios em
laboratório para confirmação da possibilidade de sua utilização em camadas de
pavimentos.
O emprego do estabilizante de solos ECOLOPAVI
Ensaios Requeridos
Granulometria
Limites de Plasticidade
Compactação
Determinação do CBR
14/5/2009 16
Equipamentos Utilizados no Processo de Aplicação
Motoniveladora
com escarificador
Trator Agrícola com
Grade de discos
CaminhãoPIPA com barra
Espargidora de água e bomba
Rolo compactador
Pé-de-carneiro
14/5/2009 17
Trecho de estrada vicinal construída para os
participantes do Segundo Seminário Amazônico de
Estabilização de Solos – Manaus – Outubro/2005
Local – Ramal da estrada da Vivenda Verde – Bairro
Tarumã
Procedimentos Executivos
Dimesionamento
Comprimento 250 m
Largura 5 m
Espessura 0,15 m
Área da Pista 1.250 m2
Volume do Solo 187,5 m3
Massa a ser tratada (d=1,8) 337,5 ton
Materiais
Ecolopavi dosg. 1:1.000 337,5 ton
Reagente – cimento (2%) 6,75 ton
14/5/2009 18
Geotecnia
Laboratório de Solos
Concresonda Estudos
Geotécnicos Ltda
Manaus - Amazonas
Ensaios
Granulometria A-2-4(Areia Argilosa)
Compactação Umid Ótima = 13,3%
Índice de Plasticidade 14,41
Determinação do CBR 27,3%
14/5/2009 19
Procedimentos Executivos
Etapa 1 – Seleção do solo
Primeira Etapa – Selecionado o solo, já
procedidos os ensaios em laboratório e
verificada a viabilidade de aplicação.
Foram feitos ensaios de
Granulometria por peneiramento
Limites de Plasticidade
Compactação e
CBR
14/5/2009 20
Procedimentos Executivos
Etapa 1.a
Distribuição do solo sobre a pista
Como parte ainda da
primeira etapa, a
distribuição do solo na
pista para formação da
camada
14/5/2009 21
Etapa 2
Incoporação do reagente (CimentoPortland ao solo)
(cimento portland)
2% sobre a massa do solo. (337,5ton)
2% X 337,5t = 6,75ton (135 sacos de
50kg)
14/5/2009 22
Etapa 3.
A homogeneização solo/reagente
Trabalho realizado com um trator
agrícola equipado
Com grade de discos (arado)
Spreader
14/5/2009 23
Etapa 4.
Cálculo em campo da umidade ótima de compactação
Na pista o laboratorista com o Speed calcula a
umidade presente no solo, que foi de 8,5%. Então já se
encontram no solo 8,5% de 187,5m3 = 15,93m3 (de
água)
Então já se encontram no solo 15,93m3 de água.
Como á umidade ótima é de 25,31m3 = Então vamos
precisar de mais 9,38m3 de água. É nesta água que
vamos diluir o Estabilizante ECOLOPAVI para
lançamento na pista
Volume do solo seco 187,5m3
13,5 % = 25,31m3 de água.
Equipe do laboratório da CONCRESONDA ESTUDOS
GEOTÉCNICOS LTDA, que fez o acompanhamento
técnico nesse projeto
14/5/2009 24
Se o Ecolopavi tem densidade
De 1,06. Então 337,5 X 1.06 = 357,22 litros.
Estamos aplicando desta forma 357,22 litros de
ECOLOPAVI diluídos em 9.390 litros de água.
Daqui por diante, como há evaporação durante a
aplicação,
O controle da umidade é feito manualmente. Aperta-se
na mão um pouco de solo e verifica-se se compactou e
imprimiu as marcas dos dedos.
A aplicação do Estabilizante ECOLOPAVI – Dosagem 1:100A aplicação do Estabilizante ECOLOPAVI – Dosagem 1:100
1kg de ECOLOPAVI PARA 1ton de solo1kg de ECOLOPAVI PARA 1ton de solo
Etapa 6
14/5/2009 25
Etapa 7 Concluindo a mistura
Após a aplicação do ECOLOPAVI
Um novo gradeamento para homogeneizar bem a
mistura,(solo+cimento+ ECOLOPAVI) preparando-a
para a fase final: a compactação
14/5/2009 26
Etapa 8 A Compactação
Equipamento utilizado nesse processo:
Rolo Compactador pé-de-carneiro
Esta operação é feita dez vezes em cada faixa
de tráfego. Na faixa seguinte passar sobre 50%
da faixa anterior.
14/5/2009 27
Após a compactação, uma motoniveladora faz os ajustes do
greid.
Para estradas vicinais a pista está concluída. Para pavimentos
urbanos
Está pronta para receber uma fina camada de asfalto. Uma
capa selante. Jamais vamos esquecer que pavimentação é base
e drenagem
Conclusão - Pista impermeável
com espesura de 0,15m, CBR de 134%.
Tempo de execução – 4 horas.(com operadores de
máquinas não treinados)
14/5/2009 28
A capa asfáltica para base de
solo estabilizado com
ECOLOPAVI.
Várias opções, mas o ideal é uma capa com espessura
de 1 a 2cm de espessura do asfalto tipo A.A.U.Q.
(Areia Asfáltica Usina a Quente – TSS ou TSD) O
Asfalto, neste caso é somente uma questão estética,
como impermeabilizante superficial e mais conforto
aos usuários.Sem nenhuma função estrutural.Grande
economia no custo final da obra. Mais de 50% em
relação aos métodos tradicionais.
14/5/2009 29

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nbr 7211 2009
Nbr 7211   2009Nbr 7211   2009
Nbr 7211 2009
flavio0387
 
Nbr 10905 ensaio de palheta
Nbr 10905 ensaio de palhetaNbr 10905 ensaio de palheta
Nbr 10905 ensaio de palhetaChrystian Santos
 
Patologia das Estruturas de Betão
Patologia das Estruturas de BetãoPatologia das Estruturas de Betão
Patologia das Estruturas de Betão
engenhariacivil91
 
tesouras de madeira
 tesouras de madeira tesouras de madeira
tesouras de madeira
ricardojaru
 
Nbr13969
Nbr13969Nbr13969
Técnicas de Restauração de Pavimentos Rígidos
Técnicas de Restauração de Pavimentos RígidosTécnicas de Restauração de Pavimentos Rígidos
Técnicas de Restauração de Pavimentos Rígidos
Gabriella Ribeiro
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Jupira Silva
 
Fundamentos de pavimentação
Fundamentos de pavimentaçãoFundamentos de pavimentação
Fundamentos de pavimentação
Janilton Cerqueira
 
Aula3 taludes
Aula3 taludesAula3 taludes
Aula3 taludes
Marcelo Avelino
 
Cálculo das calhas
Cálculo das calhasCálculo das calhas
Cálculo das calhas
Luciana Costa
 
Livro curso-basico-de-mecanica-dos-solos-exercicios-resolvidos
Livro curso-basico-de-mecanica-dos-solos-exercicios-resolvidosLivro curso-basico-de-mecanica-dos-solos-exercicios-resolvidos
Livro curso-basico-de-mecanica-dos-solos-exercicios-resolvidos
Samuel Nolasco
 
Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009
Natalia Araújo Storck
 
22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas
gabioa
 
Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
Amália Ribeiro
 
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção   volume 2 - bauer - 5ª ediçãoMateriais de construção   volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
Jose Gentil Balbino Junior
 
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
profNICODEMOS
 
Macadame betuminoso
Macadame betuminosoMacadame betuminoso
Macadame betuminoso
Ana Paula Dias Pacífico
 
Aço para concreto armado
Aço para concreto armadoAço para concreto armado
Aço para concreto armado
David Vasconcelos
 
Memorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouroMemorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouro
kso_01
 
Ensaio de adensamento
Ensaio de adensamentoEnsaio de adensamento
Ensaio de adensamento
Ezequiel Borges
 

Mais procurados (20)

Nbr 7211 2009
Nbr 7211   2009Nbr 7211   2009
Nbr 7211 2009
 
Nbr 10905 ensaio de palheta
Nbr 10905 ensaio de palhetaNbr 10905 ensaio de palheta
Nbr 10905 ensaio de palheta
 
Patologia das Estruturas de Betão
Patologia das Estruturas de BetãoPatologia das Estruturas de Betão
Patologia das Estruturas de Betão
 
tesouras de madeira
 tesouras de madeira tesouras de madeira
tesouras de madeira
 
Nbr13969
Nbr13969Nbr13969
Nbr13969
 
Técnicas de Restauração de Pavimentos Rígidos
Técnicas de Restauração de Pavimentos RígidosTécnicas de Restauração de Pavimentos Rígidos
Técnicas de Restauração de Pavimentos Rígidos
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
 
Fundamentos de pavimentação
Fundamentos de pavimentaçãoFundamentos de pavimentação
Fundamentos de pavimentação
 
Aula3 taludes
Aula3 taludesAula3 taludes
Aula3 taludes
 
Cálculo das calhas
Cálculo das calhasCálculo das calhas
Cálculo das calhas
 
Livro curso-basico-de-mecanica-dos-solos-exercicios-resolvidos
Livro curso-basico-de-mecanica-dos-solos-exercicios-resolvidosLivro curso-basico-de-mecanica-dos-solos-exercicios-resolvidos
Livro curso-basico-de-mecanica-dos-solos-exercicios-resolvidos
 
Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009Apostila drenagem 2009
Apostila drenagem 2009
 
22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas22 tabelas de vigas
22 tabelas de vigas
 
Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
 
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção   volume 2 - bauer - 5ª ediçãoMateriais de construção   volume 2 - bauer - 5ª edição
Materiais de construção volume 2 - bauer - 5ª edição
 
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
 
Macadame betuminoso
Macadame betuminosoMacadame betuminoso
Macadame betuminoso
 
Aço para concreto armado
Aço para concreto armadoAço para concreto armado
Aço para concreto armado
 
Memorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouroMemorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouro
 
Ensaio de adensamento
Ensaio de adensamentoEnsaio de adensamento
Ensaio de adensamento
 

Destaque

rushikesh cv revision 1 8-12-2016
rushikesh cv revision 1 8-12-2016rushikesh cv revision 1 8-12-2016
rushikesh cv revision 1 8-12-2016
Rushikesh Deshpande
 
cuadro comparativo
cuadro comparativo cuadro comparativo
cuadro comparativo
Angel Guerrero
 
Empresa y Calidad Total
Empresa y Calidad TotalEmpresa y Calidad Total
Empresa y Calidad Total
giohangel cañizales
 
historia del telefono
historia del telefonohistoria del telefono
historia del telefono
Carlos Alberto Gomez Betancur
 
Hershey Store Niagara Falls Canada
Hershey Store   Niagara Falls CanadaHershey Store   Niagara Falls Canada
Hershey Store Niagara Falls Canada
terkalas
 
ReachLocal at a Glance
ReachLocal at a GlanceReachLocal at a Glance
ReachLocal at a Glance
Kirk Wright
 
Detecting Multipliers of Jihadism on Twitter
Detecting Multipliers of Jihadism on TwitterDetecting Multipliers of Jihadism on Twitter
Detecting Multipliers of Jihadism on Twitter
Amendra Shrestha
 
Bueiros tubulares de concreto
Bueiros tubulares de concretoBueiros tubulares de concreto
Bueiros tubulares de concreto
Rafael Conter
 
Basic principle of dye sensitized solar cell
Basic principle of dye sensitized solar cellBasic principle of dye sensitized solar cell
Basic principle of dye sensitized solar cell
Leeya Najwa
 
O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana
O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana
O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana
Gabriella Ribeiro
 
ECOLOPAVI_Manual_tecnico_2015
ECOLOPAVI_Manual_tecnico_2015ECOLOPAVI_Manual_tecnico_2015
ECOLOPAVI_Manual_tecnico_2015
Jary Maciel
 
Curso en Cádiz sobre Arte Sacro en Andalucía
Curso en Cádiz sobre Arte Sacro en AndalucíaCurso en Cádiz sobre Arte Sacro en Andalucía
Curso en Cádiz sobre Arte Sacro en Andalucía
FRANCISCO PAVON RABASCO
 
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do MundoSolos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Giovani Leite
 
Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise MeyerSolo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
ECOLOPAVI PORTFOLIO
ECOLOPAVI PORTFOLIOECOLOPAVI PORTFOLIO
ECOLOPAVI PORTFOLIO
Jary Maciel
 
Qubino flush heat__cool_thermostat_user-manual_v1.2_eng
Qubino flush heat__cool_thermostat_user-manual_v1.2_engQubino flush heat__cool_thermostat_user-manual_v1.2_eng
Qubino flush heat__cool_thermostat_user-manual_v1.2_eng
Domotica daVinci
 
Welded
WeldedWelded
Welded
sky hawk
 

Destaque (17)

rushikesh cv revision 1 8-12-2016
rushikesh cv revision 1 8-12-2016rushikesh cv revision 1 8-12-2016
rushikesh cv revision 1 8-12-2016
 
cuadro comparativo
cuadro comparativo cuadro comparativo
cuadro comparativo
 
Empresa y Calidad Total
Empresa y Calidad TotalEmpresa y Calidad Total
Empresa y Calidad Total
 
historia del telefono
historia del telefonohistoria del telefono
historia del telefono
 
Hershey Store Niagara Falls Canada
Hershey Store   Niagara Falls CanadaHershey Store   Niagara Falls Canada
Hershey Store Niagara Falls Canada
 
ReachLocal at a Glance
ReachLocal at a GlanceReachLocal at a Glance
ReachLocal at a Glance
 
Detecting Multipliers of Jihadism on Twitter
Detecting Multipliers of Jihadism on TwitterDetecting Multipliers of Jihadism on Twitter
Detecting Multipliers of Jihadism on Twitter
 
Bueiros tubulares de concreto
Bueiros tubulares de concretoBueiros tubulares de concreto
Bueiros tubulares de concreto
 
Basic principle of dye sensitized solar cell
Basic principle of dye sensitized solar cellBasic principle of dye sensitized solar cell
Basic principle of dye sensitized solar cell
 
O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana
O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana
O Papel do Transporte Privado na Mobilidade Urbana
 
ECOLOPAVI_Manual_tecnico_2015
ECOLOPAVI_Manual_tecnico_2015ECOLOPAVI_Manual_tecnico_2015
ECOLOPAVI_Manual_tecnico_2015
 
Curso en Cádiz sobre Arte Sacro en Andalucía
Curso en Cádiz sobre Arte Sacro en AndalucíaCurso en Cádiz sobre Arte Sacro en Andalucía
Curso en Cádiz sobre Arte Sacro en Andalucía
 
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do MundoSolos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
 
Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise MeyerSolo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
Solo e subsolo erosão prof Ivanise Meyer
 
ECOLOPAVI PORTFOLIO
ECOLOPAVI PORTFOLIOECOLOPAVI PORTFOLIO
ECOLOPAVI PORTFOLIO
 
Qubino flush heat__cool_thermostat_user-manual_v1.2_eng
Qubino flush heat__cool_thermostat_user-manual_v1.2_engQubino flush heat__cool_thermostat_user-manual_v1.2_eng
Qubino flush heat__cool_thermostat_user-manual_v1.2_eng
 
Welded
WeldedWelded
Welded
 

Semelhante a Apresentacao ecolopavi

ApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVIApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVI
Jary Maciel
 
Art resíduos de argamassa de cimento nas propriedades do solo cimento compac...
Art  resíduos de argamassa de cimento nas propriedades do solo cimento compac...Art  resíduos de argamassa de cimento nas propriedades do solo cimento compac...
Art resíduos de argamassa de cimento nas propriedades do solo cimento compac...
Petiano Camilo Bin
 
Art8 n4
Art8 n4Art8 n4
Folheto estradas concreto
Folheto estradas concretoFolheto estradas concreto
Folheto estradas concreto
Daniella Assis
 
Art rc cs na composição de tijolos de solo-cimento. ferraz (2004)
Art  rc cs na composição de tijolos de solo-cimento. ferraz (2004)Art  rc cs na composição de tijolos de solo-cimento. ferraz (2004)
Art rc cs na composição de tijolos de solo-cimento. ferraz (2004)
Petiano Camilo Bin
 
Artigo pavimento
Artigo pavimentoArtigo pavimento
1194.pdf
1194.pdf1194.pdf
1194.pdf
antonio849801
 
Anlise da adio de resduos de concreto nas caractersticas do solo cimento plst...
Anlise da adio de resduos de concreto nas caractersticas do solo cimento plst...Anlise da adio de resduos de concreto nas caractersticas do solo cimento plst...
Anlise da adio de resduos de concreto nas caractersticas do solo cimento plst...
Petiano Camilo Bin
 
Metodologia
Metodologia Metodologia
60CBC1340.pdf
60CBC1340.pdf60CBC1340.pdf
60CBC1340.pdf
milenabsc
 
Art solo cimento + esíduos de concreto- souza et al. (2008)
Art  solo cimento + esíduos de concreto- souza et al. (2008)Art  solo cimento + esíduos de concreto- souza et al. (2008)
Art solo cimento + esíduos de concreto- souza et al. (2008)
Petiano Camilo Bin
 
ECOLOPAVI
ECOLOPAVIECOLOPAVI
ECOLOPAVI
Jary Maciel
 
Aula pavimentos flexíveis e betuminosos
Aula   pavimentos flexíveis e betuminososAula   pavimentos flexíveis e betuminosos
Aula pavimentos flexíveis e betuminosos
Andrea Chociay
 
Historia dos pavimentos
Historia dos pavimentosHistoria dos pavimentos
Historia dos pavimentos
halyssonmafra
 
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesitaSlide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Ramon Dutra Lobo Lobo
 
Ecopavimento
EcopavimentoEcopavimento
Ecopavimento
Tarcila de Paiva
 
Minerva v2-2002.-uso asfaltoborrachaviasurbanas
Minerva v2-2002.-uso asfaltoborrachaviasurbanasMinerva v2-2002.-uso asfaltoborrachaviasurbanas
Minerva v2-2002.-uso asfaltoborrachaviasurbanas
Clovis Gonzatti
 
Apresentação America do Sul - Piso Drenante MT
Apresentação America do Sul - Piso Drenante MTApresentação America do Sul - Piso Drenante MT
Apresentação America do Sul - Piso Drenante MT
Leandro Bosaipo
 
16 aula cimentação de poços
16 aula cimentação de poços16 aula cimentação de poços
16 aula cimentação de poços
Homero Alves de Lima
 
Pratica 04 - teste de carbonatação do concreto-
Pratica 04 -  teste de carbonatação do concreto-Pratica 04 -  teste de carbonatação do concreto-
Pratica 04 - teste de carbonatação do concreto-
cmdantasba
 

Semelhante a Apresentacao ecolopavi (20)

ApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVIApresentacaoECOLOPAVI
ApresentacaoECOLOPAVI
 
Art resíduos de argamassa de cimento nas propriedades do solo cimento compac...
Art  resíduos de argamassa de cimento nas propriedades do solo cimento compac...Art  resíduos de argamassa de cimento nas propriedades do solo cimento compac...
Art resíduos de argamassa de cimento nas propriedades do solo cimento compac...
 
Art8 n4
Art8 n4Art8 n4
Art8 n4
 
Folheto estradas concreto
Folheto estradas concretoFolheto estradas concreto
Folheto estradas concreto
 
Art rc cs na composição de tijolos de solo-cimento. ferraz (2004)
Art  rc cs na composição de tijolos de solo-cimento. ferraz (2004)Art  rc cs na composição de tijolos de solo-cimento. ferraz (2004)
Art rc cs na composição de tijolos de solo-cimento. ferraz (2004)
 
Artigo pavimento
Artigo pavimentoArtigo pavimento
Artigo pavimento
 
1194.pdf
1194.pdf1194.pdf
1194.pdf
 
Anlise da adio de resduos de concreto nas caractersticas do solo cimento plst...
Anlise da adio de resduos de concreto nas caractersticas do solo cimento plst...Anlise da adio de resduos de concreto nas caractersticas do solo cimento plst...
Anlise da adio de resduos de concreto nas caractersticas do solo cimento plst...
 
Metodologia
Metodologia Metodologia
Metodologia
 
60CBC1340.pdf
60CBC1340.pdf60CBC1340.pdf
60CBC1340.pdf
 
Art solo cimento + esíduos de concreto- souza et al. (2008)
Art  solo cimento + esíduos de concreto- souza et al. (2008)Art  solo cimento + esíduos de concreto- souza et al. (2008)
Art solo cimento + esíduos de concreto- souza et al. (2008)
 
ECOLOPAVI
ECOLOPAVIECOLOPAVI
ECOLOPAVI
 
Aula pavimentos flexíveis e betuminosos
Aula   pavimentos flexíveis e betuminososAula   pavimentos flexíveis e betuminosos
Aula pavimentos flexíveis e betuminosos
 
Historia dos pavimentos
Historia dos pavimentosHistoria dos pavimentos
Historia dos pavimentos
 
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesitaSlide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
Slide tcc ii aproveitamento de rejeitos de magnesita
 
Ecopavimento
EcopavimentoEcopavimento
Ecopavimento
 
Minerva v2-2002.-uso asfaltoborrachaviasurbanas
Minerva v2-2002.-uso asfaltoborrachaviasurbanasMinerva v2-2002.-uso asfaltoborrachaviasurbanas
Minerva v2-2002.-uso asfaltoborrachaviasurbanas
 
Apresentação America do Sul - Piso Drenante MT
Apresentação America do Sul - Piso Drenante MTApresentação America do Sul - Piso Drenante MT
Apresentação America do Sul - Piso Drenante MT
 
16 aula cimentação de poços
16 aula cimentação de poços16 aula cimentação de poços
16 aula cimentação de poços
 
Pratica 04 - teste de carbonatação do concreto-
Pratica 04 -  teste de carbonatação do concreto-Pratica 04 -  teste de carbonatação do concreto-
Pratica 04 - teste de carbonatação do concreto-
 

Último

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
cristiano docarmo
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
caduelaia
 

Último (11)

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
 

Apresentacao ecolopavi

  • 1. Estabilização Química de Solos Para Fins de Pavimentação Urbana e Rodoviária
  • 2.  É alterar as propriedades físico-químicas dos solos através de reações químicas de modo que se torne um material aproveitável para aplicação na engenharia. 14/5/2009 2
  • 3. Histórico da “descoberta” - Existe nos campos da América do Sul uma térmita, uma espécie de formiga denominada CUPIM, que constrói seus ninhos acima da superfície do solo, de grandes dimensões, com um complexo emaranhado de vias internas e demais aposentos, extremamente resistentes ao ataque de predadores e, principalmente, à ação deletéria da água. Passados muitos anos depois que estes ninhos foram abandonados pelos seus construtores, tendo se transformado em morada de corujas, cobras ou outros animais rasteiros, a estrutura, feita de solo estabilizado, permanece resistente e estável. 14/5/2009 3 A Descoberta
  • 4. Engenheiros responsáveis pela conservação de estradas rurais sem revestimento betuminoso, do Estado de São Paulo, observaram que suas turmas de trabalhadores braçais, contratados localmente, costumavam destorroar estes ninhos de cupins, e espalhar este solo estabilizado pelos trechos das estradas mais danificados pela ação das chuvas, e que nunca mais apresentavam problemas. A observação deste fato levou pesquisadores do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado de São Paulo/Brasil a estudar o processo de estabilização utilizado pelas térmitas, resultando nesta tecnologia, já empregada com muito sucesso no Brasil e em muitos outros países, desde 1973. Chama-se vulgarmente esta técnica de estabilização de solos de “tecnologia da baba-de-cupim”, 14/5/2009 4
  • 6. 14/5/2009 6 Os pavimentos com base ou sub-base de solo-cimento são empregados no Brasil desde 1939, quando foi construída a estrada Caxambu-Areias, em empreendimento no qual a ABCP juntou-se ao DNER-MG. Desde então, foram executados no país mais de 25.000 km com essa solução, um marco mundial. Fonte ABCP (www.abcp.org.br) Observações posteriores concluem que essa fórmula não gerava impermeabilidade às bases. Como solução surge no Brasil em 1970, a primeira marca de estabilizante químico que, junto com o cimento, embora reduzindo drasticamente a dosagem deste na composição da massa eleva ainda mais a resistência e produz  impermeabilidade. Desta forma é concebida a durabilidade destas obras por tempo indeterminado.  E o Brasil, hoje, conta com três marcas de estabilizantes de solos. Dentre elas:
  • 8. 14/5/2009 8 O que é o ECOLOPAVI ? O estabilizante de solos ECOLOPAVI é um sal químico de origem orgânica, líquido, totalmente solúvel em água que atua como um catalisador, promovendo e facilitando a troca iônica, permitindo maior coesão entre as partículas finas do solo, impermeabilizando-as. Sua forte ação aglutinante é devida ao fenômeno da troca de base, eliminando o campo eletro-magnético que se forma no entorno das partículas, que ioniza as moléculas da água, fazendo-as aderir fortemente à superfície, formando a camada de água adsorvida, que por sua vez aumenta a distância entre as superfícies, diminuindo a força atrativa.
  • 9. 14/5/2009 9 Em que consiste estabilizar o solo ? A estabilização do solo com adição do estabilizante ECOLOPAVI e seus reagentes, consiste em um método de aproveitar o solo, dando a ele condições para resistir a carregamentos e intempéries tornando-o impermeável e aplicável na construção de bases de pavimentos urbanos e rodoviários
  • 10. 14/5/2009 10 Estabilizar as bases dos pavimentos é uma necessidade ? Este é um trecho da estrada conhecida em Manaus como o Ramal do Brasileirinho. Pavimentada em julho/agosto/2006. O asfaltamento não resistiu ao primeiro inverno E este é o estado da rodovia apenas um ano depois. O tráfego removeu a camada de asfalto e a base se desintegrou surgindo incontáveis buracos Este trecho na periferia de Manaus, construído em outubro de 2005. Nesta base foram aplicados ECOLOPAVI, NA PROPORÇÃO DE 1: 1000 + 2% cimento. Obteve-se um CBR de 134% e completa impermeabilidade. Observa-se que o tráfego intenso removeu a imprimação com CM-30. Mas a base permanece perfeita, sem buracos já no quarto inverno. Pronta para receber nova camada de asfalto.
  • 11. 11 Tipo de Base Espessura da Camada Coeficiente estrutural Quantidade em espécie Peso a transportar Número de viagens Solo-cimento a 8% 13,0 cm 1,4 2.546 sc 127 ton 11 Solo-cal a 8% 15,0 cm 1,2 7.344 sc 147 ton 13 Brita graduada simples 18,0 cm 1,0 1.296 m3 2.722 ton 227 Solo-brita a 70% 18,0 cm 1,0 1.296 m3 2.463 ton 205 Cascalho 22,5 cm 0,8 1.620 m3 3.078 ton 257 Solo arenoso fino laterítico 18,0 cm 1,0 1.296 m3 2.462 ton 205 Solo estabilizado c/ Ecolopavi® 15,0 cm 1,2 9 tb. + 9 sc. 2,3 ton 1 ão de 1,0 quilometro, largura de 7,20 metros, cuja base tem espessura básica de 0,15 cm de brita graduada (coeficiente estrutural k=1,0), e sendo a densidade máxão de 1,0 quilometro, largura de 7,20 metros, cuja base tem espessura básica de 0,15 cm de brita graduada (coeficiente estrutural k=1,0), e sendo a densidade máx 5 – VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DO ESTABILIZANTE ECOLOPAVIÒ É apresentado a seguir um quadro-resumo de quantidades de materiais para pavimentação de uma hipotética rodovia, com extensão de 1,0 quilometro, largura de 7,20 metros, cuja base tem espessura básica de 0,15 cm de brita graduada (coeficiente estrutural k=1,0), e sendo a densidade máxima aparente do solo local γ= 1.700 kg/m3, dispondo-se, para transporte, de caminhões com capacidade máxima de 12 toneladas. Como pode ser facilmente observado no quadro acima, além da economia em materiais, com a substituição das soluções tradicionais por camadas de solo local estabilizado quimicamente com ECOLOPAVIÒ, é também muito significativa a redução do item transporte.
  • 12. 14/5/2009 12 OUTRAS VANTAGENS a) mesmo que seja preciso importar solo para execução de camadas do pavimento estabilizadas com ECOLOPAVI®, será bastante reduzido o momento de transporte, por não serem necessários solos com características especiais, que somente são encontrados a grandes distâncias. b) o solo estabilizado com ECOLOPAVI® pode ser remanejado em qualquer tempo, pois que não mais perde suas propriedades adquiridas. c) quando for necessária a adição de aglomerantes como cal ou cimento, não serão precisos cuidados especiais, tendo em vista sua pequena percentagem. d) os equipamentos a serem utilizados para a execução de camadas de solo estabilizado quimicamente com ECOLOPAVI® são os mesmos utilizados para terraplenagem ou para conservação de estradas rurais, como motoniveladoras, grades-de-discos, caminhões-pipa, tratores agrícolas, e equipamentos de compactação de solos argilosos (rolos pé-de-carneiro). e) o custo de conservação de estradas pavimentadas com camadas de solos estabilizados com ECOLOPAVI® é mínimo, quase inexistente. f) os solos estabilizados com ECOLOPAVI® adquirem grande trabalhabilidade, tornando-se facilmente compactáveis. g) solos estabilizados com ECOLOPAVI® têm reduzida a absorção de água, a ascensão capilar, o poder de sucção e a expansibilidade, com um proporcional aumento de suporte CBR. h) A utilização do estabilizante químico de solos ECOLOPAVI® minimiza a agressão ao meio-ambiente, por tornar desnecessária a exploração de jazidas de solos estabilizados granulometricamente.
  • 13. 14/5/2009 13 Instituto de Desenvolvimento e Educação Social da Amazônia Rua Tapajós 13, 2o andar, conj 02 -Centro-CEP 69010-150 Manaus - Amazonas PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA DA AV. ANASTÁCIO BRAGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIPOCA - CE ESTABILIZAÇÃO DA BASE , COM ESTBILIZANTE ECOLOPAVI M3 UNID MATERIAL SOLO NATURAL M3 1,30 1,00 0,39 ESTABILIZANTE ECOLOPAVI LITRO 0,03 12,00 0,30 CIMENTO KG 0,08 2,00 0,1521 Total A 0,8421 EQUIPAMENTO MOTONIVELADORA H 0,06 120,00 6,60 CAMINHÃO PIPA H 0,06 80,00 4,40 ROLO PÉ DE CARNEIRO H 0,06 65,00 3,575 ROLO LISO H 0,06 60,00 3,30 TRATOR + GRADE DE DISCO H 0,06 45,00 2,475 Total B 20,35 TOTAL A + B 21,1921 BDI 30% 6,35763 TOTAL GERAL 27,54973 Custo do m2 espessura = 20cm 6,5 m2 4,23842 Eng. Raimindo Brito de Almeida CREA 6362-D-PA CREA 6362-D-CE CREA 6362-D -MG Análise de custo de construção de base de pavimento elaborada Pelo Eng. Raimundo Brito de Almeida para a Prefeitura Municipal de Itapipoca – CE. Por esse estudo, uma pista de 1km de comprimeito por 8m de largura com 0,20m de espessura, ou seja: R$ 4,23 X 8 = R$ 33,84 X 1.000 = 33.840,00/km
  • 14. 14/5/2009 14 Os reagentes Cal Hidratada para solos de predominância argilosa Dosagem usual 2% em relação ao peso do solo seco. Cimento Porland para solos areno-argilosos Dosagem usual: 2% em relação ao peso do solo seco. Sufato de alumínio para solos de predominância arenosa Dosagem usual: 1: 5000 1kg de sulfato para cada 5ton de solos As dosagens exatas para cada projeto devem ser esclarecidas através de ensaios em laboratório
  • 15. 14/5/2009 15 Todo solo que, quando seco, resista à ação das cargas das rodas dos veículos sem se esboroar, está apto a ser estabilizado com ECOLOPAVI e seus reagentes. Partindo desta premissa os solos devem ser submetidos a ensaios em laboratório para confirmação da possibilidade de sua utilização em camadas de pavimentos. O emprego do estabilizante de solos ECOLOPAVI Ensaios Requeridos Granulometria Limites de Plasticidade Compactação Determinação do CBR
  • 16. 14/5/2009 16 Equipamentos Utilizados no Processo de Aplicação Motoniveladora com escarificador Trator Agrícola com Grade de discos CaminhãoPIPA com barra Espargidora de água e bomba Rolo compactador Pé-de-carneiro
  • 17. 14/5/2009 17 Trecho de estrada vicinal construída para os participantes do Segundo Seminário Amazônico de Estabilização de Solos – Manaus – Outubro/2005 Local – Ramal da estrada da Vivenda Verde – Bairro Tarumã Procedimentos Executivos Dimesionamento Comprimento 250 m Largura 5 m Espessura 0,15 m Área da Pista 1.250 m2 Volume do Solo 187,5 m3 Massa a ser tratada (d=1,8) 337,5 ton Materiais Ecolopavi dosg. 1:1.000 337,5 ton Reagente – cimento (2%) 6,75 ton
  • 18. 14/5/2009 18 Geotecnia Laboratório de Solos Concresonda Estudos Geotécnicos Ltda Manaus - Amazonas Ensaios Granulometria A-2-4(Areia Argilosa) Compactação Umid Ótima = 13,3% Índice de Plasticidade 14,41 Determinação do CBR 27,3%
  • 19. 14/5/2009 19 Procedimentos Executivos Etapa 1 – Seleção do solo Primeira Etapa – Selecionado o solo, já procedidos os ensaios em laboratório e verificada a viabilidade de aplicação. Foram feitos ensaios de Granulometria por peneiramento Limites de Plasticidade Compactação e CBR
  • 20. 14/5/2009 20 Procedimentos Executivos Etapa 1.a Distribuição do solo sobre a pista Como parte ainda da primeira etapa, a distribuição do solo na pista para formação da camada
  • 21. 14/5/2009 21 Etapa 2 Incoporação do reagente (CimentoPortland ao solo) (cimento portland) 2% sobre a massa do solo. (337,5ton) 2% X 337,5t = 6,75ton (135 sacos de 50kg)
  • 22. 14/5/2009 22 Etapa 3. A homogeneização solo/reagente Trabalho realizado com um trator agrícola equipado Com grade de discos (arado) Spreader
  • 23. 14/5/2009 23 Etapa 4. Cálculo em campo da umidade ótima de compactação Na pista o laboratorista com o Speed calcula a umidade presente no solo, que foi de 8,5%. Então já se encontram no solo 8,5% de 187,5m3 = 15,93m3 (de água) Então já se encontram no solo 15,93m3 de água. Como á umidade ótima é de 25,31m3 = Então vamos precisar de mais 9,38m3 de água. É nesta água que vamos diluir o Estabilizante ECOLOPAVI para lançamento na pista Volume do solo seco 187,5m3 13,5 % = 25,31m3 de água. Equipe do laboratório da CONCRESONDA ESTUDOS GEOTÉCNICOS LTDA, que fez o acompanhamento técnico nesse projeto
  • 24. 14/5/2009 24 Se o Ecolopavi tem densidade De 1,06. Então 337,5 X 1.06 = 357,22 litros. Estamos aplicando desta forma 357,22 litros de ECOLOPAVI diluídos em 9.390 litros de água. Daqui por diante, como há evaporação durante a aplicação, O controle da umidade é feito manualmente. Aperta-se na mão um pouco de solo e verifica-se se compactou e imprimiu as marcas dos dedos. A aplicação do Estabilizante ECOLOPAVI – Dosagem 1:100A aplicação do Estabilizante ECOLOPAVI – Dosagem 1:100 1kg de ECOLOPAVI PARA 1ton de solo1kg de ECOLOPAVI PARA 1ton de solo Etapa 6
  • 25. 14/5/2009 25 Etapa 7 Concluindo a mistura Após a aplicação do ECOLOPAVI Um novo gradeamento para homogeneizar bem a mistura,(solo+cimento+ ECOLOPAVI) preparando-a para a fase final: a compactação
  • 26. 14/5/2009 26 Etapa 8 A Compactação Equipamento utilizado nesse processo: Rolo Compactador pé-de-carneiro Esta operação é feita dez vezes em cada faixa de tráfego. Na faixa seguinte passar sobre 50% da faixa anterior.
  • 27. 14/5/2009 27 Após a compactação, uma motoniveladora faz os ajustes do greid. Para estradas vicinais a pista está concluída. Para pavimentos urbanos Está pronta para receber uma fina camada de asfalto. Uma capa selante. Jamais vamos esquecer que pavimentação é base e drenagem Conclusão - Pista impermeável com espesura de 0,15m, CBR de 134%. Tempo de execução – 4 horas.(com operadores de máquinas não treinados)
  • 28. 14/5/2009 28 A capa asfáltica para base de solo estabilizado com ECOLOPAVI. Várias opções, mas o ideal é uma capa com espessura de 1 a 2cm de espessura do asfalto tipo A.A.U.Q. (Areia Asfáltica Usina a Quente – TSS ou TSD) O Asfalto, neste caso é somente uma questão estética, como impermeabilizante superficial e mais conforto aos usuários.Sem nenhuma função estrutural.Grande economia no custo final da obra. Mais de 50% em relação aos métodos tradicionais.