SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Dr. André Geyer
APLICAÇÃO DO CONCRETO AUTO-
ADENSÁVEL EM ESTRUTURAS
Experiências de Goiás
Apresentação concreto autodesempenho 123
• A utilização do concreto auto-adensável vem aumentando
nos últimos anos, em Goiânia o seu uso é corrente desde
2004.
• Alguns fatores tem limitado seu uso mais abrangente
IMPORTÂNCIA DO ASSUNTO
Normalização restritiva e não associada a
boa prática
Falta de conhecimento técnico sobre,
aditivos, dosagem e aplicação
Marco Internacional em CAA
Akashi Kaikyo Bridge
Ponte em aço com as ancoragens em concreto
Recorde mundial em vão livre: 1997m
Ancoragens com CAA: 145.000 m3
Prof. Okamura
Apresentação concreto autodesempenho 123
Bloco de ancoragem em CAA
Akashi Kaikyo Bridge
Interior do bloco de ancoragem em CAA
PRIMEIROS EXEMPLOS DE
UTILIZAÇÃO EM GOIÁS
Goiânia – 1997– Arquibancada de Ginásio (testes)
Edifício Sorelli – 2004 ( pioneirismo)
Novo Aeroporto de Goiânia – 2005 - 2006
Shopping Flamboyant – 2006
Goiânia – a partir de 2004 – Edifícios
Ferrovia Norte Sul - Dormentes
Arquibancada do Goiânia Arena
Goiânia Arena
Centro Cultural Oscar Niemeyer
Centro Cultural Oscar Niemeyer
Reforço de Pilar
Centro Cultural Oscar Niemeyer
Reforço de Pilar
Centro Cultural Oscar Niemeyer
Reforço de Pilar
NOVO AEROPORTO INTERNACIONAL DE GOIÂNIA
NOVO AEROPORTO INTERNACIONAL DE GOIÂNIA
NOVO AEROPORTO INTERNACIONAL DE GOIÂNIA
CAA de Alta Resistência Inicial
fc 14 horas > 15 MPa
• Vãos de 15 m com altura de 6m e 30 cm de
espessura ( 27 m3)
• Desforma com 14 horas
• 30 minutos de concretagem
• Economia de tempo: 44%
• Qualidade superior
Apresentação concreto autodesempenho 123
Comparativo de traços
CCV x CAA
Cimento CPII F 32
Silica Ativa
Água
Areia artificial Granulito
Areia Natural
Brita 0
Brita I
Glenium 51 / 3200
390 RB
Materiais
Traço
CAA
360
22
170
572
245
988
2,300
Traço
CCV
387
20
180
514
220
306
714
1,830
2,919
SHOPPING FLAMBOYANT GOIÂNIA
Steel Deck
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
EDIFÍCIOS EM GOIÂNIA
EDIFÍCIOS EM GOIÂNIA
Torre em
CCV
Torre em
CAA
Qualidade do acabamento
Ferrovia Norte Sul
Apresentação concreto autodesempenho 123
Ferrovia Norte Sul
Ferrovia Norte Sul
Edifício Sorelli
Goiânia
Dezembro de 2004
PRÊMIO FALCÃO BAUER
2005
Apresentação concreto autodesempenho 123
Vista da laje
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
Materiais para CAA
• Cimento
• Adições
• Finos
• Areia
• Britas
• Aditivos
Componentes finos
Passantes na peneira 0,125mm
Pozolânicos e aglomerantes (cimento, cinza
volante, sílica ativa, metacaulim...)
Não-pozolânicos (pó de brita)
Ganho ecológico
Finos
Finos
• Pozolânico: Sílica Ativa
• Escórias de alto forno
• Pozolanas
• Não Pozolânico: Finos de calcário, granito,
basalto, etc.
Aditivos
Polifuncionais
Superplastificante (SP)
Modificadores de viscosidade (MV)
Aditivos
CUSTO: vem caindo com o uso
EFICIÊNCIA: trabalhabiliade
TEMPO DE UTILIZAÇÃO: maior que 45 min
GARANTIA DE QUALIDADE: Uniformidade
SUA ESCOLHA É FUNDAMENTAL
AO SUCESSO DO CAA
Superplastificantes
Modificadores de Viscosidade
• Permitem concretos com coesão varíavel
para diferentes situações como concreto
submerso e concreto auto adensável
Modificadores de Viscosidade
Como escolher os aditivos hoje?
• Não pela marca
• Não pela base química
• O que se faz nos países desenvolvidos e está
chegando ao Brasil é manipular o aditivo
específico para cada situação
Custos não mensuráveis
• Segurança do trabalho
• Comprometimento com pontualidade do
fornecimento
• Ambiental: utilização de resíduo
menor consumo de cimento
redução do ruído
reparos de nichos
Apresentação concreto autodesempenho 123
Vantagens Constatadas
• Redução da mão-de-obra
• Melhoria na qualidade do concreto
• Redução nos equipamentos
• Menor desgaste das fôrmas
• Maior velocidade de concretagem
• Redução de custos diretos ( fck > 25 MPa)
• Menor fissuração (menos cimento)
Redução da mão de obra
Concreto pronto
Percentuais relativos de custos diretos para fck de 20
MPa (em %)
0%
20%
40%
60%
80%
100%
120%
Concreto Mão-de-Obra Equipamentos e
Energia Elétrica
TOTAL
Concreto Convencional Concreto Auto-Adensável
Comparativo de custos CC x CAA
Percentuais relativos de custos diretos para fck de 20 MPa (em %)
Convencional CAA Diferença
Concreto
89,08 105,39 + 18,3%
Mão-de-Obra 7,03
2,23
- 68,3%
Equipamentos e Energia
Elétrica
3,89 0,39
- 90,0%
TOTAL 100,00% 108,1% + 8,1%
Apresentação concreto autodesempenho 123
Ed. 15 Pav. fck 40 MPa - BSB
Percentuais relativos de custos diretos para fck de 40
MPa (em %)
0%
20%
40%
60%
80%
100%
Concreto Mão-de-Obra Equipamentos e
Energia Elétrica
TOTAL
Concreto Convencional Concreto Auto-Adensável
Comparativo de custos CC x CAA
ercentuais relativos de custos diretos para fck de 40 MPa (em %)
Convencional CAA Diferença
Concreto 91,43 93,04 + 1,8%
Mão-de-Obra 5,52 1,75 - 68,3%
Equipamentos e Energia
Elétrica
3,05 0,31
- 90,0%
TOTAL 100,00 95,10 - 4,9%
Dissertação Janaína Araújo
Apresentação concreto autodesempenho 123
Ec x fc28
(Geyer & Araujo,2006)
10
15
20
25
30
10 15 20 25 30 35
Resistênica à compressão (MPa)
Módulo
de
elasticidade
(GPa)
Referência Fíler/Glenium 51 Microssílica/Glenium 51 Fíler/Glenium 5i/VMA Microssílica/Glenium 51/VMA
Curvas de dosagem CAA
Método Tutikian (2004)
Resistência x Relação a/c
y = 9,3869x-1,4091
R2
= 0,9887
y = 12,344x
-1,4567
R2
= 0,9756
0,00
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
30,00
35,00
40,00
45,00
0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 1,00
Relação a/c
Resistência
(MPa)
M x Relação a/c
y = 8,676x - 0,814
R2
= 0,9977
0
1
2
3
4
5
6
7
0,00 0,20 0,40 0,60 0,80 1,00
Relação a/c
M
Consumo de cimento x M
y = 5825,9x-1,205
R
2
= 0,9995
0
1
2
3
4
5
6
7
250,00 300,00 350,00 400,00 450,00 500,00 550,00
Consumo de cimento (kg)
M
Condicionantes do uso
• Dosagem adequada
• Atendimento as mesmas exigências mecânicas e
de durabilidade do concreto convencional
• Qualidade das Fôrmas
• Treinamento da Mão de obra
• Qualidade do serviço de fornecimento de concreto
• Uso de aditivos e Controle da qualidade do
concreto fresco
Qualidade das Fôrmas
Vedação das Fôrmas
Qualidade e preparação das Fôrmas
Treinamento da Mão-de -obra
Aditivos
• ESCOLHA DO ADITIVO - MANIPULADO
• Uso de VMA quando não se alcança a coesão
ideal
• SP deve promover e manter
a trabalhabilidade
• SP dosado na obra
Slump Flow Test
SIM (550-700mm) NÃO
TRABALHABILIDADE EM OBRA
Apresentação concreto autodesempenho 123
U-Box Test (R1-R2 < 80mm)
TRABALHABILIDADE
CONCLUSÕES
• Concreto Auto-adensável não é água e sim
concreto!
CONCLUSÕES
Pode-se usar em edifícios o CAA com custos
similares ou até inferiores ao concreto
convencional
Uso com economia fck > 25 Mpa
CAA não é uma nova técnica mas que agora,
aliada a engenharia estrutural poderá contrubuir
muito no avanço e qualidade de nossas
estruturas.
Apresentação concreto autodesempenho 123
Agradecimentos pelas imagens de obras:
• Construtora Arcel
• Construtora Andrade Guitierrez
• Construtora Odebrecht
• Construtora Toctao
• Construtora Warre
• Construtora Via
• Realmix

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação concreto autodesempenho 123

Lubrificação avançada (3)(1)
Lubrificação avançada (3)(1)Lubrificação avançada (3)(1)
Lubrificação avançada (3)(1)
ligiaclaudia
 
Comport termico concreto
Comport termico concretoComport termico concreto
Comport termico concreto
LOUISTELSON MOREIRA∴
 
placas.pdf
placas.pdfplacas.pdf
Afa presentation
Afa presentationAfa presentation
Afa presentation
David Marucci
 
Loadflex poliureia
Loadflex poliureiaLoadflex poliureia
Loadflex poliureia
Roni Roberto Delaide da Silva
 
1 aula16 impermeabilizacao-140908172920-phpapp02
1 aula16 impermeabilizacao-140908172920-phpapp021 aula16 impermeabilizacao-140908172920-phpapp02
1 aula16 impermeabilizacao-140908172920-phpapp02
Elaine Câmera
 
Aula 16 impermeabilizacao
Aula 16   impermeabilizacaoAula 16   impermeabilizacao
Aula 16 impermeabilizacao
Joel Lima Castro Filho
 
Slides - Técnicas para avaliação da corrosão
Slides - Técnicas para avaliação da corrosãoSlides - Técnicas para avaliação da corrosão
Slides - Técnicas para avaliação da corrosão
GeraldoRossoniSisqui
 
Quadrant apresentação revestimento tivar 88 pt
Quadrant   apresentação revestimento tivar 88 ptQuadrant   apresentação revestimento tivar 88 pt
Quadrant apresentação revestimento tivar 88 pt
Marcos Sasaki
 
Tambores Auto acionadoS (TAS) - Tec Tor
Tambores Auto acionadoS (TAS) - Tec TorTambores Auto acionadoS (TAS) - Tec Tor
Tambores Auto acionadoS (TAS) - Tec Tor
Tec Tor Industria e Equipamentos
 
Caderno especificação arquitetura_parque
Caderno especificação arquitetura_parqueCaderno especificação arquitetura_parque
Caderno especificação arquitetura_parque
Silvio POLI
 
Catálogo construção civil
Catálogo construção civilCatálogo construção civil
Catálogo construção civil
Ana Paula Uchôa Mesquita
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
Luiz Henrique
 
Metodologia de seleção de vernizes na proteção ao concreto armado contra a pe...
Metodologia de seleção de vernizes na proteção ao concreto armado contra a pe...Metodologia de seleção de vernizes na proteção ao concreto armado contra a pe...
Metodologia de seleção de vernizes na proteção ao concreto armado contra a pe...
Adriana de Araujo
 
Apresentação_Geocontrole_Br
Apresentação_Geocontrole_BrApresentação_Geocontrole_Br
Apresentação_Geocontrole_Br
M Alfaia
 
Pipe Clean & Test Presentation
Pipe Clean & Test PresentationPipe Clean & Test Presentation
Pipe Clean & Test Presentation
Frau Soares
 
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de EletrônicaRelatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Frederico José S. Gomes
 
PRC+QY 2015-Super Liga de Aço
PRC+QY 2015-Super Liga de AçoPRC+QY 2015-Super Liga de Aço
PRC+QY 2015-Super Liga de Aço
Ana Marotti
 
A dosagem do concreto - FTC - Faculdade de Tecnologia e Ciências.
A dosagem do concreto - FTC - Faculdade de Tecnologia e Ciências.A dosagem do concreto - FTC - Faculdade de Tecnologia e Ciências.
A dosagem do concreto - FTC - Faculdade de Tecnologia e Ciências.
Jean Paulo Mendes Alves
 
Impermeabilização_SENAI -01.pdf
Impermeabilização_SENAI -01.pdfImpermeabilização_SENAI -01.pdf
Impermeabilização_SENAI -01.pdf
EreniltonPeixotodeMa1
 

Semelhante a Apresentação concreto autodesempenho 123 (20)

Lubrificação avançada (3)(1)
Lubrificação avançada (3)(1)Lubrificação avançada (3)(1)
Lubrificação avançada (3)(1)
 
Comport termico concreto
Comport termico concretoComport termico concreto
Comport termico concreto
 
placas.pdf
placas.pdfplacas.pdf
placas.pdf
 
Afa presentation
Afa presentationAfa presentation
Afa presentation
 
Loadflex poliureia
Loadflex poliureiaLoadflex poliureia
Loadflex poliureia
 
1 aula16 impermeabilizacao-140908172920-phpapp02
1 aula16 impermeabilizacao-140908172920-phpapp021 aula16 impermeabilizacao-140908172920-phpapp02
1 aula16 impermeabilizacao-140908172920-phpapp02
 
Aula 16 impermeabilizacao
Aula 16   impermeabilizacaoAula 16   impermeabilizacao
Aula 16 impermeabilizacao
 
Slides - Técnicas para avaliação da corrosão
Slides - Técnicas para avaliação da corrosãoSlides - Técnicas para avaliação da corrosão
Slides - Técnicas para avaliação da corrosão
 
Quadrant apresentação revestimento tivar 88 pt
Quadrant   apresentação revestimento tivar 88 ptQuadrant   apresentação revestimento tivar 88 pt
Quadrant apresentação revestimento tivar 88 pt
 
Tambores Auto acionadoS (TAS) - Tec Tor
Tambores Auto acionadoS (TAS) - Tec TorTambores Auto acionadoS (TAS) - Tec Tor
Tambores Auto acionadoS (TAS) - Tec Tor
 
Caderno especificação arquitetura_parque
Caderno especificação arquitetura_parqueCaderno especificação arquitetura_parque
Caderno especificação arquitetura_parque
 
Catálogo construção civil
Catálogo construção civilCatálogo construção civil
Catálogo construção civil
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Metodologia de seleção de vernizes na proteção ao concreto armado contra a pe...
Metodologia de seleção de vernizes na proteção ao concreto armado contra a pe...Metodologia de seleção de vernizes na proteção ao concreto armado contra a pe...
Metodologia de seleção de vernizes na proteção ao concreto armado contra a pe...
 
Apresentação_Geocontrole_Br
Apresentação_Geocontrole_BrApresentação_Geocontrole_Br
Apresentação_Geocontrole_Br
 
Pipe Clean & Test Presentation
Pipe Clean & Test PresentationPipe Clean & Test Presentation
Pipe Clean & Test Presentation
 
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de EletrônicaRelatório - Curso Técnico de Eletrônica
Relatório - Curso Técnico de Eletrônica
 
PRC+QY 2015-Super Liga de Aço
PRC+QY 2015-Super Liga de AçoPRC+QY 2015-Super Liga de Aço
PRC+QY 2015-Super Liga de Aço
 
A dosagem do concreto - FTC - Faculdade de Tecnologia e Ciências.
A dosagem do concreto - FTC - Faculdade de Tecnologia e Ciências.A dosagem do concreto - FTC - Faculdade de Tecnologia e Ciências.
A dosagem do concreto - FTC - Faculdade de Tecnologia e Ciências.
 
Impermeabilização_SENAI -01.pdf
Impermeabilização_SENAI -01.pdfImpermeabilização_SENAI -01.pdf
Impermeabilização_SENAI -01.pdf
 

Apresentação concreto autodesempenho 123