SlideShare uma empresa Scribd logo
A Regeneração
O que é a Regeneração Marechal Saldanha comanda o pronunciamento militar em Abril de 1851 que põe fim à instabilidade governativa e inicia um novo regime político – a Regeneração, que conciliou as diversas facções do liberalismo e harmonizou os interesses da alta burguesia com os das camadas rurais e da pequena e média burguesias, tendo procedido à revisão da Carta Constitucional e ao rotativismo partidário.
Novos transportes e meios de comunicação A Regeneração dedicou uma atenção especial ao desenvolvimento dos transportes e meios de comunicação:       - construção rodoviária;       - revolução ferroviária (maior aproximação do litoral ao interior);        - construção de pontes;        - construção de portos, instalação do telégrafo e do telefone;         - implantação de reformas no sector dos correios.
Novas vias de comunicação Ponte Internacional de Valença (1886) Ponte D.Luís (1886)  Ponte de Viana do Castelo (1877) Ponte D. Maria Pia (1877)
Novos meios de comunicação Telefone (1880) Telégrafo (1890)
Política económica – Livre-cambismo Fontes Pereira de Melo defendia a liberdade de trocas, isto é, deve haver baixa de impostos e das taxas alfandegárias, o que permitiu a saída dos produtos nacionais, o que vai permitir maior exportação, e consequentemente, entrada de produtos industriais estrangeiros.
Com a abertura dos mercados externos, resultante do livre-câmbio e da dinamização dos transportes, a agricultura obteve alguns benefícios, onde a exploração capitalista se fazia sentir:  - extinção definitiva dos morgadios; - abolição dos baldios e pastos comuns bem como os arroteamentos permitiram aumentar a superfície cultivada; - reduziu-se o pousio e efectuou-se um aproveitamento mais intensivo da terra; - difundiram-se máquinas agrícolas; - cresceu a utilização de adubos químicos; Política Agrícola
Apesar de a agricultura ter sido o domínio de eleição dos governos regeneradores, a agricultura mereceu também necessárias atenções: - criação de ensino industrial, destinado à formação de técnicos; - cresceu o número de unidades industriais e de operários; - houve um aperfeiçoamento tecnológico;  - há expansão das sociedades económicas. Dificuldades no crescimento industrial
No entanto…- as unidades industriais apresentavam uma fraca competitividade internacional; - Portugal só efectuou o seu take-off industrial um século depois relativamente às grandes potências industriais;- o mercado interno nunca se mostrou suficientemente estimulante. - deficiente preparação dos recursos humanos; - falta de matérias-primas;  - falta de capital estrangeiro, de quem Portugal estava fortemente dependente.
Conclusão O novo governo granjeou a paz social no campo e na cidade, através de uma mais equilibrada distribuição da carga fiscal, da melhoria do sistema de crédito, da regularização no pagamento dos vencimentos aos funcionários públicos, da tentativa de estabilização da dívida pública, do progresso material e do alargamento do ensino. A fim de obter capitais para custear as obras públicas, recorreu aos empréstimos estrangeiros e ao aumento dos impostos, opções políticas que desencadearam uma forte oposição.Passadas três décadas da sua instauração, o liberalismo português encontrava, finalmente, a estabilidade política e social e os meios institucionais para promover o capitalismo no país
FIM! Trabalho realizado por:  - Filipa Lima; - José Francisco.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hegemoniaeconomicabritanica
HegemoniaeconomicabritanicaHegemoniaeconomicabritanica
Hegemoniaeconomicabritanica
Pelo Siro
 
Exploração Colonial
Exploração ColonialExploração Colonial
Exploração Colonial
Bianca Pollyanna Swaggart
 
Processo de industrialização brasileira
Processo de industrialização brasileiraProcesso de industrialização brasileira
Processo de industrialização brasileira
alequadrado
 
Comercio em portugal
Comercio em portugalComercio em portugal
Comercio em portugal
Sandro Prates
 
Crise do feudalismo e particularidades do absolutimso ingles
Crise do feudalismo e particularidades do absolutimso inglesCrise do feudalismo e particularidades do absolutimso ingles
Crise do feudalismo e particularidades do absolutimso ingles
Geovanio Carlos Bezerra Rodrigues
 
Desconcentração industrial no brasil
Desconcentração industrial no brasilDesconcentração industrial no brasil
Desconcentração industrial no brasil
Matheus Alves
 
Crise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasilCrise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasil
Lilian Damares
 
Comércio Internacional
Comércio InternacionalComércio Internacional
Comércio Internacional
Diego Lopes
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
pdcebs
 
A cee
A ceeA cee
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
bolonas
 
A grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudesteA grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudeste
Rosemildo Lima
 
Mercantilismo (aula 21)
Mercantilismo (aula 21)Mercantilismo (aula 21)
Mercantilismo (aula 21)
Rodrigo Vaz Rui
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
Gabi Campos
 
Aula sobre direito comunitário
Aula sobre direito comunitárioAula sobre direito comunitário
Aula sobre direito comunitário
Cláudia Ximenes
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
Ninho Cristo
 
Formao Territ E Globalizao Br
Formao Territ E Globalizao BrFormao Territ E Globalizao Br
Formao Territ E Globalizao Br
CMR
 
As transformações do capitalismo
As transformações do capitalismoAs transformações do capitalismo
As transformações do capitalismo
Nelson Silva
 

Mais procurados (18)

Hegemoniaeconomicabritanica
HegemoniaeconomicabritanicaHegemoniaeconomicabritanica
Hegemoniaeconomicabritanica
 
Exploração Colonial
Exploração ColonialExploração Colonial
Exploração Colonial
 
Processo de industrialização brasileira
Processo de industrialização brasileiraProcesso de industrialização brasileira
Processo de industrialização brasileira
 
Comercio em portugal
Comercio em portugalComercio em portugal
Comercio em portugal
 
Crise do feudalismo e particularidades do absolutimso ingles
Crise do feudalismo e particularidades do absolutimso inglesCrise do feudalismo e particularidades do absolutimso ingles
Crise do feudalismo e particularidades do absolutimso ingles
 
Desconcentração industrial no brasil
Desconcentração industrial no brasilDesconcentração industrial no brasil
Desconcentração industrial no brasil
 
Crise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasilCrise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasil
 
Comércio Internacional
Comércio InternacionalComércio Internacional
Comércio Internacional
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A cee
A ceeA cee
A cee
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudesteA grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudeste
 
Mercantilismo (aula 21)
Mercantilismo (aula 21)Mercantilismo (aula 21)
Mercantilismo (aula 21)
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Aula sobre direito comunitário
Aula sobre direito comunitárioAula sobre direito comunitário
Aula sobre direito comunitário
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
 
Formao Territ E Globalizao Br
Formao Territ E Globalizao BrFormao Territ E Globalizao Br
Formao Territ E Globalizao Br
 
As transformações do capitalismo
As transformações do capitalismoAs transformações do capitalismo
As transformações do capitalismo
 

Destaque

Classificações Futsal 09.03.11
Classificações Futsal 09.03.11Classificações Futsal 09.03.11
Classificações Futsal 09.03.11
sassu
 
Peter Scott H818 15J Conference Poster
Peter Scott H818 15J Conference Poster Peter Scott H818 15J Conference Poster
Peter Scott H818 15J Conference Poster
Peter Scott
 
Theology and Religious Studies (TRS) Library Skills 2012
Theology and Religious Studies (TRS) Library Skills 2012Theology and Religious Studies (TRS) Library Skills 2012
Theology and Religious Studies (TRS) Library Skills 2012
SHewlett
 
Career Direct, Consultoria de Carreira
Career Direct, Consultoria de CarreiraCareer Direct, Consultoria de Carreira
Career Direct, Consultoria de Carreira
Siqueira Filho & Associados
 
CS4344 09/10 Lecture 3: Dead Reckoning and Local Perception Filter
CS4344 09/10 Lecture 3: Dead Reckoning and Local Perception FilterCS4344 09/10 Lecture 3: Dead Reckoning and Local Perception Filter
CS4344 09/10 Lecture 3: Dead Reckoning and Local Perception Filter
Wei Tsang Ooi
 
José carlos duarte ibm - painel 4
José carlos duarte   ibm - painel 4José carlos duarte   ibm - painel 4
José carlos duarte ibm - painel 4
Unomarketing
 
Tutorial prerregistro beca SEP - OPORTUNIDADES
Tutorial prerregistro beca SEP - OPORTUNIDADESTutorial prerregistro beca SEP - OPORTUNIDADES
Tutorial prerregistro beca SEP - OPORTUNIDADES
CBTA 52
 
Texto de courbet pt
Texto de courbet ptTexto de courbet pt
Texto de courbet pt
Home
 
Препорака 2 Филип Лазаревски.PDF
Препорака 2 Филип Лазаревски.PDFПрепорака 2 Филип Лазаревски.PDF
Препорака 2 Филип Лазаревски.PDFFilip Lazarevski
 
mengira nombor 1 hingga 10
mengira nombor 1 hingga 10mengira nombor 1 hingga 10
mengira nombor 1 hingga 10
hudanadia
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
rafi040370
 
Presentation3 presentation-2
Presentation3 presentation-2Presentation3 presentation-2
Presentation3 presentation-2
sumandaspersonal
 
TURMA 400 EM...O RECREIO FANTÁSTICO
TURMA 400 EM...O RECREIO FANTÁSTICOTURMA 400 EM...O RECREIO FANTÁSTICO
TURMA 400 EM...O RECREIO FANTÁSTICO
Mary Santos
 
6 ocupacional
6 ocupacional6 ocupacional
6 ocupacional
elannialins
 
How to build a Top 10 game on Facebook
How to build a Top 10 game on FacebookHow to build a Top 10 game on Facebook
How to build a Top 10 game on Facebook
Wooga
 
Palestra com Rejane Cantoni
Palestra com Rejane CantoniPalestra com Rejane Cantoni
Palestra com Rejane Cantoni
Priscila Souza
 
Lista inscritos
Lista inscritosLista inscritos
Lista inscritos
alfarnate
 
Visita del director a las aulas
Visita del director a las aulasVisita del director a las aulas
Visita del director a las aulas
emmstone
 
Axi Muniain (prensa)
Axi Muniain (prensa)Axi Muniain (prensa)
Axi Muniain (prensa)
BASQUETEAM
 

Destaque (20)

Classificações Futsal 09.03.11
Classificações Futsal 09.03.11Classificações Futsal 09.03.11
Classificações Futsal 09.03.11
 
Peter Scott H818 15J Conference Poster
Peter Scott H818 15J Conference Poster Peter Scott H818 15J Conference Poster
Peter Scott H818 15J Conference Poster
 
Theology and Religious Studies (TRS) Library Skills 2012
Theology and Religious Studies (TRS) Library Skills 2012Theology and Religious Studies (TRS) Library Skills 2012
Theology and Religious Studies (TRS) Library Skills 2012
 
Career Direct, Consultoria de Carreira
Career Direct, Consultoria de CarreiraCareer Direct, Consultoria de Carreira
Career Direct, Consultoria de Carreira
 
CS4344 09/10 Lecture 3: Dead Reckoning and Local Perception Filter
CS4344 09/10 Lecture 3: Dead Reckoning and Local Perception FilterCS4344 09/10 Lecture 3: Dead Reckoning and Local Perception Filter
CS4344 09/10 Lecture 3: Dead Reckoning and Local Perception Filter
 
José carlos duarte ibm - painel 4
José carlos duarte   ibm - painel 4José carlos duarte   ibm - painel 4
José carlos duarte ibm - painel 4
 
Tutorial prerregistro beca SEP - OPORTUNIDADES
Tutorial prerregistro beca SEP - OPORTUNIDADESTutorial prerregistro beca SEP - OPORTUNIDADES
Tutorial prerregistro beca SEP - OPORTUNIDADES
 
Texto de courbet pt
Texto de courbet ptTexto de courbet pt
Texto de courbet pt
 
Препорака 2 Филип Лазаревски.PDF
Препорака 2 Филип Лазаревски.PDFПрепорака 2 Филип Лазаревски.PDF
Препорака 2 Филип Лазаревски.PDF
 
mengira nombor 1 hingga 10
mengira nombor 1 hingga 10mengira nombor 1 hingga 10
mengira nombor 1 hingga 10
 
Programa
ProgramaPrograma
Programa
 
Presentation3 presentation-2
Presentation3 presentation-2Presentation3 presentation-2
Presentation3 presentation-2
 
TURMA 400 EM...O RECREIO FANTÁSTICO
TURMA 400 EM...O RECREIO FANTÁSTICOTURMA 400 EM...O RECREIO FANTÁSTICO
TURMA 400 EM...O RECREIO FANTÁSTICO
 
6 ocupacional
6 ocupacional6 ocupacional
6 ocupacional
 
How to build a Top 10 game on Facebook
How to build a Top 10 game on FacebookHow to build a Top 10 game on Facebook
How to build a Top 10 game on Facebook
 
Palestra com Rejane Cantoni
Palestra com Rejane CantoniPalestra com Rejane Cantoni
Palestra com Rejane Cantoni
 
Lista inscritos
Lista inscritosLista inscritos
Lista inscritos
 
Visita del director a las aulas
Visita del director a las aulasVisita del director a las aulas
Visita del director a las aulas
 
7
77
7
 
Axi Muniain (prensa)
Axi Muniain (prensa)Axi Muniain (prensa)
Axi Muniain (prensa)
 

Semelhante a Apresenta..

00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
Vítor Santos
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
Vítor Santos
 
Resumos historia
Resumos historiaResumos historia
Resumos historia
Elisa Dias
 
Paises de dificil industrialização
Paises de dificil industrializaçãoPaises de dificil industrialização
Paises de dificil industrialização
Dora Alexandra Batista de Sousa Rocha
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
Luís Ferreira
 
O mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixO mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xix
Elisabete Pinto
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
helenaimendes
 
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
Carlos Vaz
 
industrialização e urbanização na america espanhola.pptx
industrialização e urbanização na america espanhola.pptxindustrialização e urbanização na america espanhola.pptx
industrialização e urbanização na america espanhola.pptx
karinasantiago54
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
BarbaraSilveira9
 
Heg 2010
Heg 2010Heg 2010
Heg 2010
Yuri Silver
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
cattonia
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
Euna Machado
 
Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileira
hsjval
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
Ana Batista
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Laboratório de História
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
Vítor Santos
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Carlos Duarte Castanheira
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Jojo Cruz
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
EmanuelRadamel
 

Semelhante a Apresenta.. (20)

00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
Resumos historia
Resumos historiaResumos historia
Resumos historia
 
Paises de dificil industrialização
Paises de dificil industrializaçãoPaises de dificil industrialização
Paises de dificil industrialização
 
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIXHIS - PORTUGAL NO SEC XIX
HIS - PORTUGAL NO SEC XIX
 
O mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xixO mundo industrializado do séc. xix
O mundo industrializado do séc. xix
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)C3   portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
C3 portugal na segunda metade do século xix (1ª parte)
 
industrialização e urbanização na america espanhola.pptx
industrialização e urbanização na america espanhola.pptxindustrialização e urbanização na america espanhola.pptx
industrialização e urbanização na america espanhola.pptx
 
A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90A crise financeira de 1880-90
A crise financeira de 1880-90
 
Heg 2010
Heg 2010Heg 2010
Heg 2010
 
A civilização industrial
A civilização industrialA civilização industrial
A civilização industrial
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
 
Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileira
 
RevoluçAo Industrial
RevoluçAo IndustrialRevoluçAo Industrial
RevoluçAo Industrial
 
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
Caderno diário As Transformações Económicas na Europa e no Mundo n.º10 1415
 
H2 o caso português
H2 o caso portuguêsH2 o caso português
H2 o caso português
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
O mercantilismo
O mercantilismoO mercantilismo
O mercantilismo
 

Apresenta..

  • 2.
  • 3. O que é a Regeneração Marechal Saldanha comanda o pronunciamento militar em Abril de 1851 que põe fim à instabilidade governativa e inicia um novo regime político – a Regeneração, que conciliou as diversas facções do liberalismo e harmonizou os interesses da alta burguesia com os das camadas rurais e da pequena e média burguesias, tendo procedido à revisão da Carta Constitucional e ao rotativismo partidário.
  • 4. Novos transportes e meios de comunicação A Regeneração dedicou uma atenção especial ao desenvolvimento dos transportes e meios de comunicação: - construção rodoviária; - revolução ferroviária (maior aproximação do litoral ao interior); - construção de pontes; - construção de portos, instalação do telégrafo e do telefone; - implantação de reformas no sector dos correios.
  • 5. Novas vias de comunicação Ponte Internacional de Valença (1886) Ponte D.Luís (1886) Ponte de Viana do Castelo (1877) Ponte D. Maria Pia (1877)
  • 6. Novos meios de comunicação Telefone (1880) Telégrafo (1890)
  • 7. Política económica – Livre-cambismo Fontes Pereira de Melo defendia a liberdade de trocas, isto é, deve haver baixa de impostos e das taxas alfandegárias, o que permitiu a saída dos produtos nacionais, o que vai permitir maior exportação, e consequentemente, entrada de produtos industriais estrangeiros.
  • 8. Com a abertura dos mercados externos, resultante do livre-câmbio e da dinamização dos transportes, a agricultura obteve alguns benefícios, onde a exploração capitalista se fazia sentir: - extinção definitiva dos morgadios; - abolição dos baldios e pastos comuns bem como os arroteamentos permitiram aumentar a superfície cultivada; - reduziu-se o pousio e efectuou-se um aproveitamento mais intensivo da terra; - difundiram-se máquinas agrícolas; - cresceu a utilização de adubos químicos; Política Agrícola
  • 9. Apesar de a agricultura ter sido o domínio de eleição dos governos regeneradores, a agricultura mereceu também necessárias atenções: - criação de ensino industrial, destinado à formação de técnicos; - cresceu o número de unidades industriais e de operários; - houve um aperfeiçoamento tecnológico; - há expansão das sociedades económicas. Dificuldades no crescimento industrial
  • 10. No entanto…- as unidades industriais apresentavam uma fraca competitividade internacional; - Portugal só efectuou o seu take-off industrial um século depois relativamente às grandes potências industriais;- o mercado interno nunca se mostrou suficientemente estimulante. - deficiente preparação dos recursos humanos; - falta de matérias-primas; - falta de capital estrangeiro, de quem Portugal estava fortemente dependente.
  • 11. Conclusão O novo governo granjeou a paz social no campo e na cidade, através de uma mais equilibrada distribuição da carga fiscal, da melhoria do sistema de crédito, da regularização no pagamento dos vencimentos aos funcionários públicos, da tentativa de estabilização da dívida pública, do progresso material e do alargamento do ensino. A fim de obter capitais para custear as obras públicas, recorreu aos empréstimos estrangeiros e ao aumento dos impostos, opções políticas que desencadearam uma forte oposição.Passadas três décadas da sua instauração, o liberalismo português encontrava, finalmente, a estabilidade política e social e os meios institucionais para promover o capitalismo no país
  • 12. FIM! Trabalho realizado por: - Filipa Lima; - José Francisco.