SlideShare uma empresa Scribd logo
APRENDIZAGEM COOPERATIVA II
JUNTOS APRENDEMOS A FAZER AS COISAS SOZINHOS
Formação Maristas Compostela
Abril 2015
#Compostelaenruta
@aggiornamento14
http://www.guiainfantil.com/uploads/educacion/PorqueNinaNoSabeG.jpg
A Aprendizagem cooperativa é…
…um termo geral usado para referir-se a um grupo de procedimentos de ensino
que partem da organização da turma em pequenos grupos mistos e
heterogéneos onde os alunos trabalham em conjunto de forma coordenada
entre si para resolver tarefas académicas e aprofundar a sua própria
aprendizagem.
…aquela situação de aprendizagem em que os objetivos dos participantes
estão estritamente vinculados, de tal forma que cada um deles “só pode
alcançar os seus objetivos se e só se os outros conseguem alcançar os seus”.
… um sistema de interações cuidadosamente desenhado que organiza e induz
a influência recíproca entre os participantes de uma equipa.
GRUPOS
PEQUENOS E
HETEROGÉNEOS
PROCURAR O
ÊXITO DE TODOS
BENEFÍCIO DE
TODOS
ÊXITO
PARTILHADO
RECOMPENSA
ILIMITADA
AVAL. COM CRIT.
PRÉ-ESTABEL.
O DESENVOLVIMENTO HUMANO DEPENDE SOBRETUDO DA
INTERAÇÃO COM FATORES SOCIAIS E CULTURAIS
POR ISSO E PARA ISSO…
… A APRENDIZAGEM COOPERATIVA VISA
- UMA INTERDEPENDÊNCIA POSITIVA - Os alunos precisam uns dos outros
para realizar a tarefa proposta
- UMA PARTICIPAÇÃO EQUITATIVA - Todos podem participar e
contribuem para o êxito do grupo
-UMA RESPONSABILIZAÇÃO INDIVIDUAL - Comprometem-se com as
metas coletivas.
Ter presente a Tríade Cooperativa é o que nos garante que
estamos a fazer trabalho cooperativo e não trabalho em grupo.
COMO FAZER?
IMPLANTANDO UMA ESTRUTURA EM QUE SE POSSA
COOPERAR VERDADEIRAMENTE;
DESENHANDO SITUAÇÕES QUE PERMITAM AOS
ALUNOS APRENDEREM A COOPERAR;
CONSTRUINDO SITUAÇÕES QUE CONVIDEM À
COOPERAÇÃO
ASSIM CONSEGUIREMOS QUE OS ALUNOS:
Aprendizagem cooperativa II abril 2015
A CULTURA DA
APRENDIZAGEM
COOPERATIVA
http://cdns2.freepik.com/foto-gratis/nino--ninez--los-dedos--los-gestos_3211721.jpg
É o momento de rever o
que devemos ter presente
para que a aprendizagem
cooperativa se construa no
nosso colégio
A QUE NÍVEL CHEGARÁS HOJE?
1. Entender o porquê
•Entendemos claramente a decisão de promoção da
aprendizagem cooperativa na nossa escola?
•Percebemos as vantagens que oferece?
•Conhecemos os estudos que a avaliam?
2. Conhecer a importância de trabalhar
adequadamente as Normas de Aprendizagem
Cooperativa
http://4.bp.blogspot.com/-fraXHlwKzVw/UoAZYhCXQ2I/AAAAAAAAAD8/pxqjWsuWVp4/s1600/Asambleaconprofecari.jpg
TÊ-LAS SEMPRE PRESENTES!
É muito mais importante compreender corretamente
estes três pontos-chave do que seguir uma técnica ou
outra…
No documento “Guía para planificar e colocar em prática uma rede de
aprendizagem cooperativa em aula” de F. Zariquiey temos muita pistas para
nos assegurarmos que isto se cumpre.
A SESSÃO
COOPERATIVA
4. A JORNADA COOPERATIVA NO PRÉ-ESCOLAR
Na educação pré-escolar podemos organizar a prática
educativa pelo menos a partir de três cenários distintos:
Rotinas - Reuniões - Tarefas.
E cada um destes cenários pode ser um espaço fecundo
para incorporar técnicas de aprendizagem cooperativa.
5. A sessão cooperativa no Ensino Básico e
Secundário
http://www.visualphotos.com/photo/2x4602252/close_up_of_african_boy_holding_up_four_fingers_BLD062935.jpg
1.Ativação de conhecimentos
prévios;
2.Apresentação dos conteúdos;
3.Processamento da nova
informação;
4.Recapitulação e fecho.
(pag 46-48)
Com quatro momentos:
Mas já todos nós…
•Fazemos ligações com as aulas anteriores;
•Explicamos conteúdos;
•Realizamos práticas;
•Encerramos.
Mas ainda nem todos nós…
Escolhemos as técnicas adequadas para
tornar cada um destes momentos num
momento cooperativo
DAS TÉCNICAS COOPERATIVAS ÀS ROTINAS DE COOPERAÇÃO
Para converter uma técnica cooperativa numa rotina de
cooperação devemos ter presentes três premissas:
1 - 2 - 3
Incorporar a cooperação na dinâmica habitual das
nossas aulas
1
Trabalhar poucas coisas de cada vez.
2
http://assets.babycenter.com/ims/2014/02/88016707_wide.jpg?width=600
Realizar uma técnica várias vezes
3
É muito melhor que o façamos juntos e de forma
concertada.
Portanto é muito melhor optar por trabalhar as
técnicas em lotes de duas ou três propostas
versáteis que todos nos comprometamos a utilizar.
•Poucas coisas,
•Bem feitas,
•Partilhadas por muitos.
ADOTEMOS,POIS, O MODELO
PBP
A QUE NÍVEL CHEGASTE HOJE?
Fuentes
http://www.jrotero.org/index.php/home
Francisco Zariquiey
OBRIGADO!
@aggiornamento14
#Compostelaenredhttp://aggiornamento1314.blogspot.com.es

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Perfil do formador
Perfil do formadorPerfil do formador
Manual Docentes - Parte 1
Manual Docentes - Parte 1Manual Docentes - Parte 1
Manual Docentes - Parte 1
Escola Ecit
 
Apresentação Coaching para a Educação
Apresentação Coaching para a EducaçãoApresentação Coaching para a Educação
Apresentação Coaching para a Educação
Escola Ecit
 
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTACurso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
GRAÇA SANTOS
 
Coaching Educacional
Coaching EducacionalCoaching Educacional
Coaching Educacional
Katia Veloso
 
Coaching educacional
Coaching educacionalCoaching educacional
Coaching educacional
Filipe Vicente
 
O que dificulta o planejamento do professor levando em consideração o perfil ...
O que dificulta o planejamento do professor levando em consideração o perfil ...O que dificulta o planejamento do professor levando em consideração o perfil ...
O que dificulta o planejamento do professor levando em consideração o perfil ...
Francinete Medeiros de Lima
 
Grupos de formação
Grupos de formaçãoGrupos de formação
Para Os Alunos
Para Os AlunosPara Os Alunos
Para Os Alunos
ariomc
 
Aula 2 tutoria
Aula 2 tutoriaAula 2 tutoria
Aula 2 tutoria
Marluce Filipe
 
Cartilha do tutor
Cartilha do tutorCartilha do tutor
Cartilha do tutor
Andrea Fournier
 
Principios de andragogia_para_facilitadores
Principios de andragogia_para_facilitadoresPrincipios de andragogia_para_facilitadores
Principios de andragogia_para_facilitadores
Luis Teixeira Pinto
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
Adilson P Motta Motta
 
Equipe de trabalho
Equipe de trabalhoEquipe de trabalho
Equipe de trabalho
Ligia Coppetti
 
10 Novas Competência para Ensinar
10 Novas Competência para Ensinar10 Novas Competência para Ensinar
10 Novas Competência para Ensinar
Deise Delf
 
Coaching para coordenadores pedagógicos shared
Coaching para coordenadores pedagógicos   sharedCoaching para coordenadores pedagógicos   shared
Coaching para coordenadores pedagógicos shared
Marcos Montes
 
O movimento Coaching na escola. A mudança no olhar sobre jovens não colaborat...
O movimento Coaching na escola. A mudança no olhar sobre jovens não colaborat...O movimento Coaching na escola. A mudança no olhar sobre jovens não colaborat...
O movimento Coaching na escola. A mudança no olhar sobre jovens não colaborat...
Isa Ladeira
 
Grupos e Equipas de trabalho (RH)
Grupos e Equipas de trabalho (RH)Grupos e Equipas de trabalho (RH)
Grupos e Equipas de trabalho (RH)
Nicole Fernandes
 
Guia prático de Competências Socioemocionais
Guia prático de Competências SocioemocionaisGuia prático de Competências Socioemocionais
Guia prático de Competências Socioemocionais
Manoel Luis Fr. BELEM
 
As relações nos grupos e equipes de trabalho
As relações nos grupos e equipes de trabalhoAs relações nos grupos e equipes de trabalho
As relações nos grupos e equipes de trabalho
Nadia Santana
 

Mais procurados (20)

Perfil do formador
Perfil do formadorPerfil do formador
Perfil do formador
 
Manual Docentes - Parte 1
Manual Docentes - Parte 1Manual Docentes - Parte 1
Manual Docentes - Parte 1
 
Apresentação Coaching para a Educação
Apresentação Coaching para a EducaçãoApresentação Coaching para a Educação
Apresentação Coaching para a Educação
 
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTACurso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
Curso COACHING EDUCACIONAL: ORIENTANDO QUEM ORIENTA
 
Coaching Educacional
Coaching EducacionalCoaching Educacional
Coaching Educacional
 
Coaching educacional
Coaching educacionalCoaching educacional
Coaching educacional
 
O que dificulta o planejamento do professor levando em consideração o perfil ...
O que dificulta o planejamento do professor levando em consideração o perfil ...O que dificulta o planejamento do professor levando em consideração o perfil ...
O que dificulta o planejamento do professor levando em consideração o perfil ...
 
Grupos de formação
Grupos de formaçãoGrupos de formação
Grupos de formação
 
Para Os Alunos
Para Os AlunosPara Os Alunos
Para Os Alunos
 
Aula 2 tutoria
Aula 2 tutoriaAula 2 tutoria
Aula 2 tutoria
 
Cartilha do tutor
Cartilha do tutorCartilha do tutor
Cartilha do tutor
 
Principios de andragogia_para_facilitadores
Principios de andragogia_para_facilitadoresPrincipios de andragogia_para_facilitadores
Principios de andragogia_para_facilitadores
 
Trabalho em equipe
Trabalho em equipeTrabalho em equipe
Trabalho em equipe
 
Equipe de trabalho
Equipe de trabalhoEquipe de trabalho
Equipe de trabalho
 
10 Novas Competência para Ensinar
10 Novas Competência para Ensinar10 Novas Competência para Ensinar
10 Novas Competência para Ensinar
 
Coaching para coordenadores pedagógicos shared
Coaching para coordenadores pedagógicos   sharedCoaching para coordenadores pedagógicos   shared
Coaching para coordenadores pedagógicos shared
 
O movimento Coaching na escola. A mudança no olhar sobre jovens não colaborat...
O movimento Coaching na escola. A mudança no olhar sobre jovens não colaborat...O movimento Coaching na escola. A mudança no olhar sobre jovens não colaborat...
O movimento Coaching na escola. A mudança no olhar sobre jovens não colaborat...
 
Grupos e Equipas de trabalho (RH)
Grupos e Equipas de trabalho (RH)Grupos e Equipas de trabalho (RH)
Grupos e Equipas de trabalho (RH)
 
Guia prático de Competências Socioemocionais
Guia prático de Competências SocioemocionaisGuia prático de Competências Socioemocionais
Guia prático de Competências Socioemocionais
 
As relações nos grupos e equipes de trabalho
As relações nos grupos e equipes de trabalhoAs relações nos grupos e equipes de trabalho
As relações nos grupos e equipes de trabalho
 

Destaque

Seduc coordenadores dos credes
Seduc coordenadores dos credesSeduc coordenadores dos credes
Seduc coordenadores dos credes
Caroline Avendaño
 
Equipe 6 p49 - roselany, nízia, wilton
Equipe 6   p49 - roselany, nízia, wiltonEquipe 6   p49 - roselany, nízia, wilton
Amostra Cultural
Amostra CulturalAmostra Cultural
Amostra Cultural
nyce
 
Projeto feira de cultura
Projeto feira de culturaProjeto feira de cultura
Projeto feira de cultura
Luciene Rosa Gugé
 
Projeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlaProjeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karla
karlajanys
 
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na EscolaProjeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Michel Eichelberger
 
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
MARCINHAOLIVEIRA
 
Projeto feira de ciências pdf correto
Projeto feira de ciências pdf corretoProjeto feira de ciências pdf correto
Projeto feira de ciências pdf correto
Michel Eichelberger
 
Sustentabilidade como tema de práticas pedagógicas na escola estadual de educ...
Sustentabilidade como tema de práticas pedagógicas na escola estadual de educ...Sustentabilidade como tema de práticas pedagógicas na escola estadual de educ...
Sustentabilidade como tema de práticas pedagógicas na escola estadual de educ...
bio_fecli
 
Projeto feira de ciências
Projeto feira de ciênciasProjeto feira de ciências
Projeto feira de ciências
Ailton Gordiano
 
Manual de atividades práticas
Manual de atividades práticasManual de atividades práticas
Manual de atividades práticas
Jéssica Rodrigues'
 
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptxProjeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Cycyro Soares
 

Destaque (12)

Seduc coordenadores dos credes
Seduc coordenadores dos credesSeduc coordenadores dos credes
Seduc coordenadores dos credes
 
Equipe 6 p49 - roselany, nízia, wilton
Equipe 6   p49 - roselany, nízia, wiltonEquipe 6   p49 - roselany, nízia, wilton
Equipe 6 p49 - roselany, nízia, wilton
 
Amostra Cultural
Amostra CulturalAmostra Cultural
Amostra Cultural
 
Projeto feira de cultura
Projeto feira de culturaProjeto feira de cultura
Projeto feira de cultura
 
Projeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlaProjeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karla
 
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na EscolaProjeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
Projeto Geral I Feira de Ciências e Mostra Científica na Escola
 
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
A importância da pesquisa para a prática pedagógica dos professores que atuam...
 
Projeto feira de ciências pdf correto
Projeto feira de ciências pdf corretoProjeto feira de ciências pdf correto
Projeto feira de ciências pdf correto
 
Sustentabilidade como tema de práticas pedagógicas na escola estadual de educ...
Sustentabilidade como tema de práticas pedagógicas na escola estadual de educ...Sustentabilidade como tema de práticas pedagógicas na escola estadual de educ...
Sustentabilidade como tema de práticas pedagógicas na escola estadual de educ...
 
Projeto feira de ciências
Projeto feira de ciênciasProjeto feira de ciências
Projeto feira de ciências
 
Manual de atividades práticas
Manual de atividades práticasManual de atividades práticas
Manual de atividades práticas
 
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptxProjeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
Projeto feira de ciências (tecnologia e vida).pptx
 

Semelhante a Aprendizagem cooperativa II abril 2015

Jornadas pedagogicas.pdf
Jornadas pedagogicas.pdfJornadas pedagogicas.pdf
Jornadas pedagogicas.pdf
FtimaCortes4
 
Educação modo de usar - Cláudio de Moura Castro
Educação modo de usar  - Cláudio de Moura CastroEducação modo de usar  - Cláudio de Moura Castro
Educação modo de usar - Cláudio de Moura Castro
Conspiração Mineira pela Educação
 
Métodos e técnicas pedagógicas 2.pdf
Métodos e técnicas pedagógicas 2.pdfMétodos e técnicas pedagógicas 2.pdf
Métodos e técnicas pedagógicas 2.pdf
CamilaJardim23
 
Same avaliação, monitorização e melhoria das escolas
Same avaliação, monitorização e melhoria das escolasSame avaliação, monitorização e melhoria das escolas
Same avaliação, monitorização e melhoria das escolas
José Matias Alves
 
Palestragestores 130915174239-phpapp02 (1)
Palestragestores 130915174239-phpapp02 (1)Palestragestores 130915174239-phpapp02 (1)
Palestragestores 130915174239-phpapp02 (1)
professoramichele
 
Inclusão escolar - Como fazer.pptx
Inclusão escolar -  Como fazer.pptxInclusão escolar -  Como fazer.pptx
Inclusão escolar - Como fazer.pptx
karolaineferreira3
 
Trabalho colaborativo eTrabalho cooperativo
Trabalho colaborativo eTrabalho cooperativoTrabalho colaborativo eTrabalho cooperativo
Trabalho colaborativo eTrabalho cooperativo
MargaridaAb
 
Rotina do coordenador Pedagógico
Rotina do coordenador PedagógicoRotina do coordenador Pedagógico
Rotina do coordenador Pedagógico
Vanderlita Gomes B Marquetti
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Najara Nascimento
 
Trabalho e desenvolvimento profissional docente
Trabalho e desenvolvimento profissional  docenteTrabalho e desenvolvimento profissional  docente
Trabalho e desenvolvimento profissional docente
Carlos Marcelo
 
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
A. Rui Teixeira Santos
 
Miguel fernández pérez pedagogia com projecto
Miguel fernández pérez pedagogia com projectoMiguel fernández pérez pedagogia com projecto
Miguel fernández pérez pedagogia com projecto
josematiasalves
 
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Alexandra Carneiro
 
Ensaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo ivEnsaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo iv
Vania Mendes
 
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
ProfCibellePires
 
Metodologias ativas e Inovadoras
Metodologias ativas e InovadorasMetodologias ativas e Inovadoras
Metodologias ativas e Inovadoras
Universidade Federal de Pernambuco
 
A formação do professor de educação física reflexivo
A formação do professor de educação física reflexivo A formação do professor de educação física reflexivo
A formação do professor de educação física reflexivo
Alan Ciriaco
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
Angela Silva
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
A. Rui Teixeira Santos
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
Ivaneide B S
 

Semelhante a Aprendizagem cooperativa II abril 2015 (20)

Jornadas pedagogicas.pdf
Jornadas pedagogicas.pdfJornadas pedagogicas.pdf
Jornadas pedagogicas.pdf
 
Educação modo de usar - Cláudio de Moura Castro
Educação modo de usar  - Cláudio de Moura CastroEducação modo de usar  - Cláudio de Moura Castro
Educação modo de usar - Cláudio de Moura Castro
 
Métodos e técnicas pedagógicas 2.pdf
Métodos e técnicas pedagógicas 2.pdfMétodos e técnicas pedagógicas 2.pdf
Métodos e técnicas pedagógicas 2.pdf
 
Same avaliação, monitorização e melhoria das escolas
Same avaliação, monitorização e melhoria das escolasSame avaliação, monitorização e melhoria das escolas
Same avaliação, monitorização e melhoria das escolas
 
Palestragestores 130915174239-phpapp02 (1)
Palestragestores 130915174239-phpapp02 (1)Palestragestores 130915174239-phpapp02 (1)
Palestragestores 130915174239-phpapp02 (1)
 
Inclusão escolar - Como fazer.pptx
Inclusão escolar -  Como fazer.pptxInclusão escolar -  Como fazer.pptx
Inclusão escolar - Como fazer.pptx
 
Trabalho colaborativo eTrabalho cooperativo
Trabalho colaborativo eTrabalho cooperativoTrabalho colaborativo eTrabalho cooperativo
Trabalho colaborativo eTrabalho cooperativo
 
Rotina do coordenador Pedagógico
Rotina do coordenador PedagógicoRotina do coordenador Pedagógico
Rotina do coordenador Pedagógico
 
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
Caderno 2 – conselho escolar e a aprendizagem na escola.
 
Trabalho e desenvolvimento profissional docente
Trabalho e desenvolvimento profissional  docenteTrabalho e desenvolvimento profissional  docente
Trabalho e desenvolvimento profissional docente
 
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
Gestão Pública: A aprendizagem organizacional e a mudança na Administração Pú...
 
Miguel fernández pérez pedagogia com projecto
Miguel fernández pérez pedagogia com projectoMiguel fernández pérez pedagogia com projecto
Miguel fernández pérez pedagogia com projecto
 
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
 
Ensaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo ivEnsaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo iv
 
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
 
Metodologias ativas e Inovadoras
Metodologias ativas e InovadorasMetodologias ativas e Inovadoras
Metodologias ativas e Inovadoras
 
A formação do professor de educação física reflexivo
A formação do professor de educação física reflexivo A formação do professor de educação física reflexivo
A formação do professor de educação física reflexivo
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
 
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e... Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
Comportamento humano nas Organizações: atitude comportamental, organização e...
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
 

Mais de ramalhorolim

Voo dos gansos
Voo dos gansosVoo dos gansos
Voo dos gansos
ramalhorolim
 
Voo dos gansos
Voo dos gansosVoo dos gansos
Voo dos gansos
ramalhorolim
 
Apresentação ac 1_site
Apresentação ac 1_siteApresentação ac 1_site
Apresentação ac 1_site
ramalhorolim
 
Apresentação ac site
Apresentação ac siteApresentação ac site
Apresentação ac site
ramalhorolim
 
Apresentação metacognição proposta 2
Apresentação metacognição   proposta 2Apresentação metacognição   proposta 2
Apresentação metacognição proposta 2
ramalhorolim
 
Apresentação de rotinas de pensamento proposta2
Apresentação de rotinas de pensamento   proposta2Apresentação de rotinas de pensamento   proposta2
Apresentação de rotinas de pensamento proposta2
ramalhorolim
 
Teoria das Inteligências Múltiplas
Teoria das Inteligências MúltiplasTeoria das Inteligências Múltiplas
Teoria das Inteligências Múltiplas
ramalhorolim
 

Mais de ramalhorolim (7)

Voo dos gansos
Voo dos gansosVoo dos gansos
Voo dos gansos
 
Voo dos gansos
Voo dos gansosVoo dos gansos
Voo dos gansos
 
Apresentação ac 1_site
Apresentação ac 1_siteApresentação ac 1_site
Apresentação ac 1_site
 
Apresentação ac site
Apresentação ac siteApresentação ac site
Apresentação ac site
 
Apresentação metacognição proposta 2
Apresentação metacognição   proposta 2Apresentação metacognição   proposta 2
Apresentação metacognição proposta 2
 
Apresentação de rotinas de pensamento proposta2
Apresentação de rotinas de pensamento   proposta2Apresentação de rotinas de pensamento   proposta2
Apresentação de rotinas de pensamento proposta2
 
Teoria das Inteligências Múltiplas
Teoria das Inteligências MúltiplasTeoria das Inteligências Múltiplas
Teoria das Inteligências Múltiplas
 

Último

Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 

Aprendizagem cooperativa II abril 2015

  • 1. APRENDIZAGEM COOPERATIVA II JUNTOS APRENDEMOS A FAZER AS COISAS SOZINHOS Formação Maristas Compostela Abril 2015 #Compostelaenruta @aggiornamento14
  • 2. http://www.guiainfantil.com/uploads/educacion/PorqueNinaNoSabeG.jpg A Aprendizagem cooperativa é… …um termo geral usado para referir-se a um grupo de procedimentos de ensino que partem da organização da turma em pequenos grupos mistos e heterogéneos onde os alunos trabalham em conjunto de forma coordenada entre si para resolver tarefas académicas e aprofundar a sua própria aprendizagem. …aquela situação de aprendizagem em que os objetivos dos participantes estão estritamente vinculados, de tal forma que cada um deles “só pode alcançar os seus objetivos se e só se os outros conseguem alcançar os seus”. … um sistema de interações cuidadosamente desenhado que organiza e induz a influência recíproca entre os participantes de uma equipa.
  • 3. GRUPOS PEQUENOS E HETEROGÉNEOS PROCURAR O ÊXITO DE TODOS BENEFÍCIO DE TODOS ÊXITO PARTILHADO RECOMPENSA ILIMITADA AVAL. COM CRIT. PRÉ-ESTABEL. O DESENVOLVIMENTO HUMANO DEPENDE SOBRETUDO DA INTERAÇÃO COM FATORES SOCIAIS E CULTURAIS POR ISSO E PARA ISSO…
  • 4. … A APRENDIZAGEM COOPERATIVA VISA - UMA INTERDEPENDÊNCIA POSITIVA - Os alunos precisam uns dos outros para realizar a tarefa proposta
  • 5. - UMA PARTICIPAÇÃO EQUITATIVA - Todos podem participar e contribuem para o êxito do grupo
  • 6. -UMA RESPONSABILIZAÇÃO INDIVIDUAL - Comprometem-se com as metas coletivas.
  • 7. Ter presente a Tríade Cooperativa é o que nos garante que estamos a fazer trabalho cooperativo e não trabalho em grupo.
  • 9. IMPLANTANDO UMA ESTRUTURA EM QUE SE POSSA COOPERAR VERDADEIRAMENTE; DESENHANDO SITUAÇÕES QUE PERMITAM AOS ALUNOS APRENDEREM A COOPERAR; CONSTRUINDO SITUAÇÕES QUE CONVIDEM À COOPERAÇÃO ASSIM CONSEGUIREMOS QUE OS ALUNOS:
  • 12. http://cdns2.freepik.com/foto-gratis/nino--ninez--los-dedos--los-gestos_3211721.jpg É o momento de rever o que devemos ter presente para que a aprendizagem cooperativa se construa no nosso colégio
  • 13. A QUE NÍVEL CHEGARÁS HOJE?
  • 14. 1. Entender o porquê •Entendemos claramente a decisão de promoção da aprendizagem cooperativa na nossa escola? •Percebemos as vantagens que oferece? •Conhecemos os estudos que a avaliam?
  • 15. 2. Conhecer a importância de trabalhar adequadamente as Normas de Aprendizagem Cooperativa http://4.bp.blogspot.com/-fraXHlwKzVw/UoAZYhCXQ2I/AAAAAAAAAD8/pxqjWsuWVp4/s1600/Asambleaconprofecari.jpg
  • 17. É muito mais importante compreender corretamente estes três pontos-chave do que seguir uma técnica ou outra… No documento “Guía para planificar e colocar em prática uma rede de aprendizagem cooperativa em aula” de F. Zariquiey temos muita pistas para nos assegurarmos que isto se cumpre.
  • 19. 4. A JORNADA COOPERATIVA NO PRÉ-ESCOLAR Na educação pré-escolar podemos organizar a prática educativa pelo menos a partir de três cenários distintos: Rotinas - Reuniões - Tarefas. E cada um destes cenários pode ser um espaço fecundo para incorporar técnicas de aprendizagem cooperativa.
  • 20. 5. A sessão cooperativa no Ensino Básico e Secundário http://www.visualphotos.com/photo/2x4602252/close_up_of_african_boy_holding_up_four_fingers_BLD062935.jpg 1.Ativação de conhecimentos prévios; 2.Apresentação dos conteúdos; 3.Processamento da nova informação; 4.Recapitulação e fecho. (pag 46-48) Com quatro momentos:
  • 21. Mas já todos nós… •Fazemos ligações com as aulas anteriores; •Explicamos conteúdos; •Realizamos práticas; •Encerramos. Mas ainda nem todos nós… Escolhemos as técnicas adequadas para tornar cada um destes momentos num momento cooperativo
  • 22. DAS TÉCNICAS COOPERATIVAS ÀS ROTINAS DE COOPERAÇÃO Para converter uma técnica cooperativa numa rotina de cooperação devemos ter presentes três premissas: 1 - 2 - 3
  • 23. Incorporar a cooperação na dinâmica habitual das nossas aulas 1
  • 24. Trabalhar poucas coisas de cada vez. 2 http://assets.babycenter.com/ims/2014/02/88016707_wide.jpg?width=600
  • 25. Realizar uma técnica várias vezes 3
  • 26. É muito melhor que o façamos juntos e de forma concertada.
  • 27. Portanto é muito melhor optar por trabalhar as técnicas em lotes de duas ou três propostas versáteis que todos nos comprometamos a utilizar.
  • 28. •Poucas coisas, •Bem feitas, •Partilhadas por muitos. ADOTEMOS,POIS, O MODELO PBP
  • 29. A QUE NÍVEL CHEGASTE HOJE?

Notas do Editor

  1. 1