SlideShare uma empresa Scribd logo
1Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Programa Agricultura de Precisão
Agricultura de Precisão
na Distribuição
de Corretivos e
Fertilizantes
» Módulo 5: Monitoramento da qualidade de
distribuição de corretivos e fertilizantes
Ficha técnica
2015. Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Goiás - SENAR/AR-GO
INFORMAÇÕES E CONTATO
Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Goiás - SENAR/AR-GO
Rua 87, nº 662, Ed. Faeg,1º Andar: Setor Sul, Goiânia/GO, CEP:74.093-300
(62) 3412-2700 / 3412-8701
E-mail: senar@senargo.org.br
http://www.senargo.org.br/
http://ead.senargo.org.br/
PROGRAMA AGRICULTURA DE PRECISÃO
PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO
Leonardo Ribeiro
TITULARES DO CONSELHO ADMINISTRATIVO
Daniel Klüppel Carrara, Alair Luiz dos Santos, Osvaldo Moreira Guimarães e Tiago Freitas
de Mendonça.
SUPLENTES DO CONSELHO ADMINISTRATIVO
Bartolomeu Braz Pereira, Silvano José da Silva, Eleandro Borges da Silva, Bruno Heuser
Higino da Costa e Tiago de Castro Raynaud de Faria.
SUPERINTENDENTE
Eurípedes Bassamurfo da Costa
GESTORA
Rosilene Jaber Alves
COORDENAÇÃO
Fernando Couto Araújo
IEA - INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S
Conteudistas: Renato Adriane Alves Ruas e Juliana Lourenço Nunes Guimarães
TRATAMENTO DE LINGUAGEM E REVISÃO
IEA: Instituto de Estudos Avançados S/S
DIAGRAMAÇÃO E PROJETO GRÁFICO
IEA: Instituto de Estudos Avançados S/S
3Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Quando você está aplicando as téc-
nicas de agricultura de precisão, é
importante criar meios para asse-
gurar-se de que a aplicação especí-
fica de corretivos e fertilizantes está
sendo realizada. Afinal, é disso que
depende o sucesso da operação e
vai fazer valer todo o planejamento
anterior da cultura.
Esse meio de acompanhar o anda-
mento da aplicação é chamado de
monitoramento, prática que garante
que o produto está sendo distribuí-
do de forma uniforme sobre a área,
mantendo a largura nominal de tra-
balho e proporcionando uma capaci-
dade operacional adequada para a
operação.
As formas de monitoramento variam
de acordo com o tipo de produto e
equipamento utilizados, sendo que as mais eficientes e seguras são aquelas que empregam dis-
positivos eletrônicos.
Neste módulo, portanto, você vai conhecer os principais tipos de dispositivos utilizados no moni-
toramento da deposição de corretivos e fertilizantes, bem como os principais fatores que podem
comprometer esse monitoramento e a deposição de insumos na lavoura.
Atenção! Sempre que finalizar a leitura do conteúdo de um módulo, você deve retornar ao Am-
biente de Estudos para realizar a atividade de aprendizagem.
Siga em frente e faça bom proveito!
Módulo 5
» Monitoramento da qualidade de distribuição de corretivos
e fertilizantes
Fonte: Shutterstock
4Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Fonte: Shutterstock
Aula 1
A importância dos dispositivos de monitoramento
na distribuição de corretivos e fertilizantes
Diversas aplicações de corretivos e fertilizantes são realizadas de modo desuniforme e podem
comprometer seriamente o desenvolvimento das plantas. Assim, torna-se muito importante
realizar o monitoramento constante da aplicação sobre vários aspectos. As formas de monito-
ramento são diversas, dependendo do tipo de produto aplicado, mas em geral, a forma mais
utilizada é a visual, realizada pelos operadores. Mas isso exige a frequente movimentação dos
trabalhadores sobre os equipamentos agrícolas, o que compromete a segurança física sem pro-
porcionar boa qualidade do serviço prestado. O ideal, portanto, é adotar meios eletrônicos de
se realizar esse monitoramento, a fim de criar condições de trabalho mais eficientes e seguras.
Ao fim desta aula, você deve ser capaz de esclarecer as vantagens de se utilizar os dispositivos
de monitoramento nas distribuições de adubo.
5Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Tópico 1
Desafios da aplicação de insumos no campo
Durante todo este curso, você estudou sobre os desafios de fazer uma boa aplicação de insumos
no campo. Isso porque a distribuição de corretivos e fertilizantes nem sempre é realizada de
modo uniforme, devido principalmente às condições climáticas, mas também às condições de
regulagem e estado de conservação inadequado dos distribuidores. Consequentemente, isso
causa prejuízos para a produção, uma vez que a planta não recebe a quantidade de nutrientes e
corretivos necessários ao seu bom desenvolvimento, afetando a sua produtividade final. Além
disso, em alguns casos torna-se necessário realizar nova aplicação, resultando em maiores gas-
tos com horas de máquina, compactação de solo e desperdício de produtos, aumentando a con-
taminação ambiental.
Portanto, faz parte das técnicas de agricultura de precisão conseguir monitorar constantemente
o processo de aplicações dos insumos. Esta pode ser uma tarefa difícil, a depender do tipo de
produto aplicado. Para aqueles produtos de granulometria mais finas, que são aplicados a lanço,
uma análise visual pode fornecer ao operador uma avaliação mais superficial. Geralmente, há
uma grande dispersão desses produtos durante a aplicação e as perdas podem ser consideráveis.
Assim, o operador deverá escolher a melhor hora do dia para aplicar o produto ou mesmo sele-
cionar o sentido de deslocamento mais conveniente, de acordo com a direção do vento. Quando
se trata de produtos de maior massa, esses problemas são atenuados durante a aplicação a lanço
e o que se visualiza é uma distribuição mais uniforme, pelo menos na maioria das vezes.
Além do monitoramento visual do lançamento dos
jatos, deve-se monitorar constantemente também a
quantidade de produto existente no interior dos de-
pósitos. Isso ganha importância porque, em alguns
modelos de distribuidores, a coluna de produtos
sobre os mecanismos dosadores dentro do tanque
proporciona maior distribuição pela área no início da
aplicação e menor ao final. Isso acontece com os me-
canismos rotativos, nos quais o produto desce por
gravidade e cai diretamente sobre os discos. Uma
forma de atenuar esse problema é a colocação de
anteparos vazados para aliviar o peso sobre os me-
canismos dosadores.
Outro fato que justifica o monitoramento da distribuição dos corretivos e fertilizantes é a ne-
cessidade de determinação da largura nominal de trabalho. Em geral, para corretivos aplicados
a lanço, a largura nominal é definida quando se tem sobreposição das laterais dos jatos e uma
variação de até 15% na uniformidade de distribuição transversal.
Fonte: <http://www.basefertil.com.br/
calcario.html>.
6Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Essa informação é relevante para a definição da distância entre passadas e reflete diretamente
na capacidade operacional da aplicação. Larguras de trabalho maiores proporcionam maiores
capacidades operacionais, desde que não haja redução na velocidade de trabalho. Entretanto,
espera-se sempre que o produto seja distribuído uniformemente ao longo dessa largura, caso
contrário, falhas na aplicação reduzirão a capacidade operacional gerando a necessidade de
realizar nova aplicação.
O monitoramento também possibilita que o reservatório do distribuidor seja abastecido nos
momentos corretos, como antes de se iniciar o deslocamento, logo após a realização da ma-
nobra de cabeceira. Nesse caso, o depósito deve ser abastecido se estiver com pouco produto,
pois caso venha a se esvaziar no meio do talhão, terá que retornar vazio até a cabeceira da área
para novo abastecimento. Isso reduz a eficiência da operação pelo fato de aumentar os tempos
perdidos com deslocamentos desnecessários.
O monitoramento mais difícil de ser realizado ocorre nas máquinas distri-
buidoras que colocam o produto diretamente em sulcos que são fechados
logo após a sua deposição. Nesse caso, a avaliação visual da distribuição se
torna inviável, justificando assim a necessidade de se utilizar algum dis-
positivo eletrônico para tal avaliação.
Para as operações de semeadura realizadas com adubação de plantio deve-se atentar para a
colocação do adubo em profundidade maior do que as sementes. Caso a semente entre em
contato direto com o adubo ela poderá se desidratar e não germinar, comprometendo toda a
implantação da lavoura. A posição mais baixa do adubo também se justifica pelo fato de que,
quando as primeiras radículas surgirem e descerem, encontrarão o adubo que proporcionará
maior desenvolvimento à planta. Esse cuidado deve ser tomado inicialmente com a regulagem
adequada dos mecanismos de abertura, deposição, fechamento e cobertura das semeadoras.
Além disso, durante a operação, de tempos em tempos, deve-se abrir um sulco manualmente na
área semeada e verificar se a deposição da semente e do adubo está correta. Esse efeito pode
ser alterado de acordo com o tipo e preparo do solo, necessitando-se assim de maior atenção.
Semente
Adubo
A semente não
pode ficar junto
com o adubo
Semente até 4cm
até 15cm
Adubo
Fonte: Elaborado pelo autor
7Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
De modo geral, a importância do monitoramento também pode ser destacada pela presença
de operários destinados exclusivamente a acompanhar a aplicação durante todo o tempo. Eles
avaliam visualmente a quantidade de produto nos reservatórios, a profundidade de deposição,
dentre outros aspectos. Alguns fabricantes de equipamentos distribuidores até disponibilizam
acentos para esses operários. Entretanto, trata-se de uma situação de alto risco e a tendência
é que esses operadores sejam substituídos por dispositivos eletrônicos que são mais eficientes
e proporcionam monitoramento simultâneo de maior quantidade de unidades de distribuição,
inclusive durante as aplicações no período noturno.
Recapitulando
Nesta aula, você estudou que o monitoramento da aplicação de corretivos e fertilizantes é uma
prática que deve ser realizada constantemente a fim de garantir o sucesso da operação. O obje-
tivo é assegurar-se de que o produto está sendo distribuído uniformemente sobre a área, man-
tendo a largura nominal de trabalho e proporcionando uma capacidade operacional adequada.
Além disso, visa garantir que os adubos sejam colocados no solo a profundidades apropriadas
de modo a não entrarem em contato direto com a semente, comprometendo o seu desenvolvi-
mento. As formas de monitoramento variam de acordo com os tipos de produto e equipamento
utilizados e as mais eficientes e seguras são aquelas que empregam dispositivos eletrônicos.
8Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Fonte: Shutterstock
Aula 2
Principais tipos de dispositivos de monitoramento
Considerando a importância do monitoramento da deposição dos insumos da lavoura, que você
estudou na aula passada, agora você vai conhecer os principais dispositivos para este fim. Impul-
sionados pela sua importância e favorecidos pelos avanços da Agricultura de Precisão, surgiram
no mercado diversos dispositivos com a função de auxiliar no monitoramento da deposição
de adubos. Geralmente, eles 3realizam em conjunto a deposição do adubo e das sementes. Os
sistemas mais sofisticados realizam o monitoramento completo, ou seja, dose aplicada, fluxo de
descida, velocidade de trabalho e acompanham a redução da quantidade de adubo no reserva-
tório. Para tanto, sensores são espalhados por toda a máquina. O operador deve saber localizar
e entender o funcionamento de cada um desses sensores para fazer uso adequado deles.
Ao final desta aula, você deve ser capaz de:
•	 conhecer os dispositivos de monitoramento utilizados na distribuição de corretivos e fertili-
zantes; e
•	 monitorar a aplicação de corretivos e fertilizantes nos distribuidores.
9Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Tópico 1
Tipos de sensores
Você já estudou que a deposição dos corretivos e fertilizantes pode ser afetada por diversos
fatores climáticos ou mecânicos. Excetuando-se os fatores climáticos, que são contornados por
meio da escolha do momento adequado para a aplicação, os fatores relacionados ao desempe-
nho da máquina devem ser monitorados.
Sensor de velocidade
(na roda ou radar)
Sensores de peso
Monitor de controle e
programação
Unidade eletrônica de
tratamento de informação
Atuadores elétricos
de regulagem de depósito
Fonte: Cemagref (1997)
Os distribuidores mais modernos possuem diversos sensores embarcados responsáveis por mo-
nitorar durante todo instante a distribuição do adubo. Um desses sensores é instalado na parte
debaixo do reservatório. Eles são responsáveis pela medição da massa presente no interior do
depósito através de um mecanismo semelhante a uma célula de carga ou sensor de peso. Essa
informação pode ser visualizada em um monitor diante do operador, que entende a quantidade
de adubo existente dentro dos depósitos e programa as paradas de forma mais conveniente.
Outra vantagem desta tecnologia é que se elimina a necessidade de um operador permanecer
sobre a máquina para conferir a quantidade de adubo restante no interior do reservatório.
Outro sensor muito importante é utilizado para captar informações sobre a velocidade de tra-
balho. Pode ser na forma de um sensor magnético, montado próximo aos rodados, ou um radar
de efeito doppler. A variação da velocidade influencia diretamente no cálculo da dose aplicada
por hectare da seguinte forma: se houver redução da velocidade, por uma patinagem temporá-
ria, por exemplo, o sistema informará ao mecanismo dosador, que fechará a descida de adubo
de modo a manter a mesma dose aplicada. Por sua vez, aumentos na velocidade terão efeito de
abertura no mecanismo dosador.
10Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Um dos principais dispositivos utilizados no monitoramento da distribuição de adubo é o atuador
elétrico ou eletro-hidráulico de comando da abertura das placas de dosagem do adubo. Em geral,
ele é constituído por uma estrutura composta de motor elétrico ou hidráulico, válvulas e senso-
res de rotação. Estes últimos controlam,
com precisão, a distribuição do adubo,
eliminando possíveis variações e falhas
que possam ocorrer com os mecanis-
mos de distribuição convencionais, que
são acionados pelos rodados da máqui-
na. Não raro, observam-se variações de
até 50% nos volumes de adubo depo-
sitados no solo com os distribuidores
convencionais. Assim, se esse tipo de
distribuidor estiver regulado para dis-
tribuir 250 kg ha-1
de adubo, em certos
momentos, poderá distribuir 125 kg ha-1
em outros 375 kg ha-1
. Esse problema
tende a ser potencializado com o au-
mento da velocidade de trabalho.
Os atuadores elétricos ou eletro-hidráulicos são conectados a monitores instalados na cabine
do trator e enviam dados de fluxo de descida e dose aplicada. Também respondem a coman-
dos advindos do monitor, como variações controladas da rotação para elevar ou reduzir a dose
aplicada. Considerando-se as técnicas de Agricultura de Precisão, os monitores são capazes de
receber mapas de aplicação e assim transmitir informações sobre fechamento e abertura do
dosador de acordo com a necessidade de cada mancha demarcada pelo mapa.
Fonte: <www.trimble.com>.
Fonte: Cemagref (1997)
11Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Algumas empresas também têm investido em sensores
isolados que são responsáveis pela medição do fluxo de
descida de adubo. Ele é colocado junto à mangueira de
descida do adubo e registra o fluxo de deposição do pro-
duto.
A principal finalidade desses sensores é medir a quan-
tidade de adubo aplicada. Entretanto, desempenham
importante papel na eventual variação da deposição,
além de informar sobre possíveis entupimento ou esva-
ziamento do reservatório. São os dispositivos de moni-
toramento mais simples disponíveis no mercado. Basi-
camente, são compostos por um monitor de comando,
módulos de distribuição de sensores, cabos de comuni-
cação e sensores.
1
Monitor
Cabo de força
Cabo de comunicação monitor-sensores
Cabo extensão da semeadora-adubadora
Cabo de conexão do sensor 1
1
2
2
3
3
4
4
5
5
Fonte: <http://www.prosolus.com/_GI/pdf/
_modulos/produtos/00008.pdf>.
Fonte: <http://www.lohr.com.br/
?link=produtosdetalhe&idmodelo=338>.
12Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Tópico 2
Funcionamento dos monitores
De modo geral, os monitores possuem interfaces de fácil comunicação com o operador: ao ini-
ciar o plantio, a luz de “monitorando” é acesa no monitor. Em caso de falha por entupimento ou
interrupção do fluxo de semente/adubo a luz de “monitorando” se apaga e então se acende a
de alerta, que é acompanhada de um sinal sonoro. Além disso, o visor indica alternadamente a
mensagem “Er” e o número do sensor (ou dos sensores) que está com problema.
Normalmente, esses sensores são robustos e dotados de um sistema digital de autoajuste con-
tra o acúmulo de sujeira. Isso garante uma maior quantidade de horas de trabalho sem paradas,
elevando a capacidade operacional da atividade. Outra característica é que o operador é infor-
mado quando há necessidade de realizar as limpezas.
Saiba Mais
No site <http://www.prosolus.com/produto.php?id=4> você visualizará mais informações
sobre os dispositivos responsáveis por monitorar a deposição de adubo. Poderá também
assistir a vídeos demonstrativos de como instalar sensores de monitoramento.
Recapitulando
Nesta aula, você estudou os principais tipos de dispositivos utilizados no monitoramento da
deposição de corretivos e fertilizantes. Dentre eles, destacam-se aqueles responsáveis pela me-
dição do fluxo de descida, dose aplicada, quantidade de produto no reservatório, velocidade de
trabalho, dentre outros. Os sistemas mais simples são instalados diretamente no tubo de desci-
da e medem o fluxo de deposição do adubo, podendo indicar eventuais variações, interrupções
ou ausência de produto no reservatório. Esses dispositivos contribuem substancialmente para a
melhoria na deposição de corretivos e fertilizantes.
13Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Fonte: <http://accidentalfarmwife.com>
Aula 3
Fatores que interferem na qualidade da distribuição
A distribuição de corretivos e fertilizantes é essencial para o fornecimento de nutrientes para o
desenvolvimento das culturas. Desta forma, é preciso ter alguns cuidados no momento da apli-
cação, de forma a garantir a eficiência na distribuição destes insumos.
Ao final desta aula, você deve ser capaz de:
•	 enumerar quais fatores interferem na qualidade de distribuição de corretivos e fertilizantes; e
•	 compreender os fatores controláveis e as condições ideais de trabalho.
14Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
A aplicação de corretivos e fertilizantes a lanço deve ser visualizada como um processo no qual
existem fatores que estão interagindo e que darão um resultado final. Se a interação for harmô-
nica ou dentro de um determinado limite tolerável, o resultado será conforme o planejado.
De modo geral, a qualidade da distribuição de corretivos e fertilizantes pode ser afetada por fa-
tores relacionados à condição ambiental, às características do produto e ao modo de aplicação.
Tópico 1
Condições ambientais
As condições ambientais podem prejudicar o deslocamento normal da máquina durante a apli-
cação ou afetar o deslocamento normal do insumo até que ele atinja o solo. Conheça os princi-
pais fatores ambientais que interferem na aplicação.
Umidade do solo
A umidade do solo deve ser baixa o suficiente para permitir o fácil deslocamento do trator
e do distribuidor de calcário e fertilizante por toda a área. Solo muito encharcado pode pro-
vocar patinagem excessiva do trator, deslizamento do distribuidor e desalinhamento entre
os rastros das máquinas, provocando redução na eficiência ou até mesmo inviabilizando a
aplicação. Por outro lado, solos muito secos podem provocar redução no aproveitamento
dos fertilizantes, especialmente os nitrogenados, que são perdidos por volatilização.
Vento
A distribuição de corretivos e fertilizantes a lanço é diretamente afetada por ventos fortes no
momento da aplicação. A condição ideal de aplicação é durante a ocorrência de ventos leves
a moderados. Em condição de ventos fortes, a largura útil da faixa de aplicação fica muito va-
riável e, quanto menor a granulometria do insumo aplicado, especialmente o calcário, mais
sua aplicação é afetada, chegando ao ponto de ocorrerem perdas de produto pela ação do
vento, reduzindo a dose de aplicação ou inviabilizando-a.
Chuva
Em condições de ocorrência de chuva, a eficiência da distribuição de corretivos e fertilizantes
é reduzida devido às dificuldades de escoamento e passagem pelos mecanismos da máqui-
na. Em alguns distribuidores com proteção contra chuva, este problema é minimizado em
caso de chuvas leves. Porém, em aplicações de fertilizantes nitrogenados, este problema é
agravado devido à alta afinidade deste produto com a água, comprometendo a qualidade da
aplicação. Em níveis mais elevados de chuva, o próprio deslocamento da máquina é afetado.
15Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Tópico 2
Características do produto
As características intrínsecas dos insumos podem reduzir a eficiência da aplicação ou mesmo
favorecer a ação indesejada dos fatores ambientais descritos anteriormente. As principais carac-
terísticas dos produtos relacionados à eficiência de aplicação são as seguintes.
Granulometria
Quanto menor a granulometria dos corretivos e fertilizantes, maior a possibilidade de sofre-
rem a ação negativa do vento, diminuindo a eficiência da aplicação, conforme descrito ante-
riormente. Produtos de granulometria fina como o calcário exigem maiores cuidados durante
sua distribuição, devendo ser aplicados em situações de ventos mais leves.
Umidade do insumo
Produtos de granulometria mais fina como o calcário, quando apresentam menor umidade
possuem também menor peso, portanto, sofrem maior ação negativa do vento durante a
distribuição. Assim, o calcário seco necessita de grande atenção durante sua distribuição, de-
vido à sua granulometria fina e ao baixo peso de suas partículas. Por outro lado, insumos com
umidade muito alta podem dificultar o escoamento e a saída pelos mecanismos da máquina.
Especialmente os fertilizantes, quando em contato com umidade, podem formar aglomera-
dos e obstruir a saída do distribuidor.
Armazenamento e conservação
Corretivos e fertilizantes mal armazenados podem sofrer alteração de seu estado físico de-
vido ao aumento da umidade e/ou à formação de aglomerados, o que dificulta sua distribui-
ção, conforme descrito anteriormente. Portanto, para aplicação na agricultura de precisão, os
insumos devem apresentar boas características para a distribuição.
16Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Tópico 3
Modo de aplicação
Outras variáveis relacionadas à distribuição de corretivos e fertilizantes também podem afetar a
eficiência da aplicação, tais como as especificadas abaixo.
Alimentação do software
A inserção dos dados no software da máquina deve ser feita de forma correta pelo operador.
A inserção incorreta do mapa de recomendação ou da largura da faixa útil de aplicação afeta
todo o processo, reduzindo a eficiência da distribuição dos insumos.
Velocidade de deslocamento
A velocidade de deslocamento da máquina durante a distribuição de corretivos e fertilizantes
varia de acordo com o conjunto de máquinas e com a marcha utilizada. Porém, deve-se tra-
balhar em um nível de rotação que garanta 540 rotações por minuto na tomada de potência.
A velocidade não deve ser muito baixa, de forma a proporcionar parco rendimento operacio-
nal, nem tão alta que afete a qualidade da operação.
Conhecimento do operador
O operador da máquina deve ser capacitado para realizar tal operação, de forma a utilizar to-
das as informações de forma correta, acompanhar os dados da aplicação durante a operação
e reconhecer qualquer alteração indesejada durante a distribuição.
Saiba Mais
Além destes fatores que afetam a qualidade da distribuição de corretivos e fertilizantes,
outras características também devem ser consideradas no momento da aplicação.
Para que a planta possa aproveitar o máximo do efeito dos fertilizantes, por exemplo, eles
devem ser aplicados no estágio de desenvolvimento da cultura mais recomendado, no qual
a demanda da planta é mais alta.
Já quando o objetivo é reduzir os custos com insumos e minimizar o impacto ambiental,
deve-se tomar cuidado ao reabastecer o distribuidor de forma a não derramar produto no
chão. Também é preciso dar o devido destino às embalagens dos insumos.
17Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Recapitulando
A distribuição de corretivos e fertilizantes pode ser afetada por diversos fatores, comprometendo
sua eficiência. Conhecer as condições ideais de aplicação é de grande importância para garantir
o sucesso da operação, bem como dos resultados esperados pela aplicação a taxas variadas.
Entre os fatores ambientais, a umidade do solo, os ventos fortes e a presença de chuva são os
principais fatores que afetam a eficiência da distribuição. Da mesma forma, fatores relacionados
ao produto, tais como granulometria, umidade e condição física após o armazenamento também
podem interferir. O conhecimento do operador, a alimentação do software e o deslocamento da
máquina na velocidade ideal também são essenciais para o sucesso da aplicação.
Nas próximas páginas, você vai encontrar a última atividade de aprendizagem para verificar
os conhecimentos construídos ao longo deste módulo. Não esqueça que você deve entrar no
Ambiente de Estudos para registrar as respostas no sistema! Depois desta etapa, será iniciado o
processo para emissão do seu certificado.
18Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
Atividade de aprendizagem
Você chegou ao final do Módulo 5, o último do Curso Agricultura de Precisão na Distribuição de
Corretivos e Fertilizantes. A seguir, você realizará algumas atividades relacionadas ao conteúdo
estudado neste módulo. Lembre-se que as repostas devem ser registradas no Ambiente de Estu-
dos, onde você também terá um feedback, ou seja, uma explicação para cada questão.
1.	 Na Aula 1 você estudou a importância de adotar formas de monitorar a aplicação de correti-
vos e fertilizantes. Agora, assinale a alternativa correta.
a)	 A aplicação de corretivos e fertilizantes não requer maior atenção com relação à distribui-
ção, uma vez que os produtos são aplicados sobre o solo.
b)	 O monitoramento da distribuição a lanço dos corretivos mais finos é geralmente mais
uniforme do que a distribuição daqueles de maior massa.
c)	 O monitoramento da profundidade da colocação do adubo é desnecessário, pois a umida-
de do solo irá distribuí-lo uniformemente.
d)	 O monitoramento da aplicação feito por dispositivos eletrônicos é mais seguro.
2.	 Considerando os dispositivos responsáveis por monitorar a distribuição de corretivos e ferti-
lizantes apresentados na Aula 2, assinale a reposta correta.
a)	 O atuador elétrico ou eletro-hidráulico que comanda a abertura das placas de dosagem
é um dos equipamentos mais importantes no monitoramento da distribuição de adubo.
b)	 Os dispositivos que monitoram a distribuição de corretivos e fertilizantes acompanham
apenas a descida do produto.
c)	 Os dispositivos que medem a velocidade não medem a patinagem das rodas.
d)	 Os dispositivos que monitoram a distribuição de adubos e fertilizantes mais simples ajus-
tam a dose aplicada.
19Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes »
3.	 Sobre os fatores que afetam a qualidade da distribuição de corretivos e fertilizantes, analise
as afirmativas e assinale a correta.
a)	 A alta umidade do solo não interfere na eficiência da distribuição de insumos.
b)	 Conhecer as características intrínsecas do insumo a ser aplicado colabora para o aumento
da eficiência da aplicação.
c)	 A granulometria do insumo é o fator que mais interfere na eficiência de distribuição.
d)	 A experiência do operador não afeta a eficiência da aplicação, uma vez que o processo é
automatizado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Novas tendências na produção de soja.
Novas tendências na produção de soja.Novas tendências na produção de soja.
Novas tendências na produção de soja.
Geagra UFG
 
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
 Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi... Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
Portal Canal Rural
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
Pedro Lacerda
 
Como plantar Algodão
Como plantar AlgodãoComo plantar Algodão
Como plantar Algodão
Leandro Almeida
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
natalia machado
 
Informativo técnico
Informativo técnicoInformativo técnico
Informativo técnico
Professor Renato Mascarenhas
 
Solo - manejo do solo
Solo -  manejo do soloSolo -  manejo do solo
Solo - manejo do solo
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
Dil J. Messias
 
Apicultura básica curso ufrr3
Apicultura básica   curso ufrr3Apicultura básica   curso ufrr3
Apicultura básica curso ufrr3
Silvio Silva
 
Prg aula 2 pragas de pastagens
 Prg aula 2 pragas de pastagens Prg aula 2 pragas de pastagens
Prg aula 2 pragas de pastagens
Carol Castro
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
Rural Pecuária
 
Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013
IF Baiano - Campus Catu
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
Karlla Costa
 
Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
Geagra UFG
 
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes   Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Anderson Santos
 
Importância dos adubos e dos nutrientes
Importância dos adubos e dos nutrientesImportância dos adubos e dos nutrientes
Importância dos adubos e dos nutrientes
Leandro Araujo
 
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivoAplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
Agricultura Sao Paulo
 
Introdução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisãoIntrodução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisão
Lucas Amaral
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
Geagra UFG
 
Fertirrigação
FertirrigaçãoFertirrigação
Fertirrigação
Gustavoif
 

Mais procurados (20)

Novas tendências na produção de soja.
Novas tendências na produção de soja.Novas tendências na produção de soja.
Novas tendências na produção de soja.
 
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
 Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi... Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
 
Pragas do Milho
Pragas do MilhoPragas do Milho
Pragas do Milho
 
Como plantar Algodão
Como plantar AlgodãoComo plantar Algodão
Como plantar Algodão
 
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuaisPragas e doenças do arroz slide culturas anuais
Pragas e doenças do arroz slide culturas anuais
 
Informativo técnico
Informativo técnicoInformativo técnico
Informativo técnico
 
Solo - manejo do solo
Solo -  manejo do soloSolo -  manejo do solo
Solo - manejo do solo
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Apicultura básica curso ufrr3
Apicultura básica   curso ufrr3Apicultura básica   curso ufrr3
Apicultura básica curso ufrr3
 
Prg aula 2 pragas de pastagens
 Prg aula 2 pragas de pastagens Prg aula 2 pragas de pastagens
Prg aula 2 pragas de pastagens
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013
 
Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4Agricultura de precisao modulo 4
Agricultura de precisao modulo 4
 
Preparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgoPreparo do solo e adubação do sorgo
Preparo do solo e adubação do sorgo
 
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes   Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
Apresentação máquinas de aplicação de fertilizantes
 
Importância dos adubos e dos nutrientes
Importância dos adubos e dos nutrientesImportância dos adubos e dos nutrientes
Importância dos adubos e dos nutrientes
 
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivoAplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
 
Introdução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisãoIntrodução à agricultura de precisão
Introdução à agricultura de precisão
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
Fertirrigação
FertirrigaçãoFertirrigação
Fertirrigação
 

Semelhante a Apr3 modulo5 parte 5

Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
Karlla Costa
 
Manual Tecnologia de Aplicação
Manual Tecnologia de AplicaçãoManual Tecnologia de Aplicação
Manual Tecnologia de Aplicação
Adeildo Caboclo
 
Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacaoAndef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Luciano Marques
 
Manual de aplicação de defensivos
Manual de aplicação de defensivos Manual de aplicação de defensivos
Manual de aplicação de defensivos
Leandro Almeida
 
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_webAndef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Márcio Mesquita Barros
 
Leitura - Manual Tecnologia de Aplicacao.pdf
Leitura - Manual Tecnologia de Aplicacao.pdfLeitura - Manual Tecnologia de Aplicacao.pdf
Leitura - Manual Tecnologia de Aplicacao.pdf
CleitonAraujoDomingo
 
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinhaTécnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
EngOrlandoSantos
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
Karlla Costa
 
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantesAs boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
Portal Canal Rural
 
Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1
Karlla Costa
 
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em gradeMonitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
vittacura
 
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_webAndef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Portal Canal Rural
 
Manual de Tecnologia de Aplicação
Manual de Tecnologia de Aplicação Manual de Tecnologia de Aplicação
Manual de Tecnologia de Aplicação
Portal Canal Rural
 
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaSistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Rural Pecuária
 
Ii.4
Ii.4Ii.4
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdfAgricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
SandroPereiraDosSant2
 
Ii.4
Ii.4Ii.4
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A44 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
Juan Carlos Castaneda
 
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A44 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
Juan Carlos Castaneda
 
Manual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de PastagemManual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de Pastagem
Pablo Henrique Batista Souza
 

Semelhante a Apr3 modulo5 parte 5 (20)

Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5Agricultura de precisao modulo 5
Agricultura de precisao modulo 5
 
Manual Tecnologia de Aplicação
Manual Tecnologia de AplicaçãoManual Tecnologia de Aplicação
Manual Tecnologia de Aplicação
 
Andef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacaoAndef manual tecnologia_de_aplicacao
Andef manual tecnologia_de_aplicacao
 
Manual de aplicação de defensivos
Manual de aplicação de defensivos Manual de aplicação de defensivos
Manual de aplicação de defensivos
 
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_webAndef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_web
 
Leitura - Manual Tecnologia de Aplicacao.pdf
Leitura - Manual Tecnologia de Aplicacao.pdfLeitura - Manual Tecnologia de Aplicacao.pdf
Leitura - Manual Tecnologia de Aplicacao.pdf
 
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinhaTécnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
Técnicas de pulverização em fruticultura e em vinha
 
Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3Agricultura de precisao modulo 3
Agricultura de precisao modulo 3
 
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantesAs boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
As boas-praticas-na-compra-de-fertilizantes
 
Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1Agricultura de precisao modulo 1
Agricultura de precisao modulo 1
 
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em gradeMonitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
Monitoramento de fertilidade do solo com a técnica de amostragem em grade
 
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_webAndef manual tecnologia_de_aplicacao_web
Andef manual tecnologia_de_aplicacao_web
 
Manual de Tecnologia de Aplicação
Manual de Tecnologia de Aplicação Manual de Tecnologia de Aplicação
Manual de Tecnologia de Aplicação
 
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da sojaSistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
Sistema Cultivance® Ideal para a rotação de tecnologias na cultura da soja
 
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.4
 
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdfAgricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
 
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.4
 
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A44 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
 
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A44 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
4 - 2016-03-23 - Agromen - Milho - Faz. Santa Fe - Pivo 1 - A4
 
Manual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de PastagemManual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de Pastagem
 

Mais de Leandro Almeida

Geoestatística e multivariada na analise fertilidade do solo
Geoestatística e multivariada na analise fertilidade do soloGeoestatística e multivariada na analise fertilidade do solo
Geoestatística e multivariada na analise fertilidade do solo
Leandro Almeida
 
A agricultura de precisão para a gestão econômica
A agricultura de precisão para a gestão econômica A agricultura de precisão para a gestão econômica
A agricultura de precisão para a gestão econômica
Leandro Almeida
 
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
Leandro Almeida
 
Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros
Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros
Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros
Leandro Almeida
 
Uso sustentável de resíduos suíno
Uso sustentável de resíduos suínoUso sustentável de resíduos suíno
Uso sustentável de resíduos suíno
Leandro Almeida
 
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillumEsempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Leandro Almeida
 
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito naSeveridade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
Leandro Almeida
 
Teste rápido de condutividade elétrica e correlação
Teste rápido de condutividade elétrica e correlaçãoTeste rápido de condutividade elétrica e correlação
Teste rápido de condutividade elétrica e correlação
Leandro Almeida
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
Leandro Almeida
 

Mais de Leandro Almeida (9)

Geoestatística e multivariada na analise fertilidade do solo
Geoestatística e multivariada na analise fertilidade do soloGeoestatística e multivariada na analise fertilidade do solo
Geoestatística e multivariada na analise fertilidade do solo
 
A agricultura de precisão para a gestão econômica
A agricultura de precisão para a gestão econômica A agricultura de precisão para a gestão econômica
A agricultura de precisão para a gestão econômica
 
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
geoestatistica como ferramenta para o manejo sustentavel da fertilizade do so...
 
Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros
Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros
Geoestatistica para analise da viabilidade espacial de micros
 
Uso sustentável de resíduos suíno
Uso sustentável de resíduos suínoUso sustentável de resíduos suíno
Uso sustentável de resíduos suíno
 
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillumEsempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
Esempenho agronômico a campo de híbridos de milho inoculados com azospirillum
 
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito naSeveridade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
Severidade de ferrugem polissora em cultivares de milho e seu efeito na
 
Teste rápido de condutividade elétrica e correlação
Teste rápido de condutividade elétrica e correlaçãoTeste rápido de condutividade elétrica e correlação
Teste rápido de condutividade elétrica e correlação
 
Abacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 pAbacaxi 500 r 500 p
Abacaxi 500 r 500 p
 

Apr3 modulo5 parte 5

  • 1. 1Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Programa Agricultura de Precisão Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Módulo 5: Monitoramento da qualidade de distribuição de corretivos e fertilizantes
  • 2. Ficha técnica 2015. Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Goiás - SENAR/AR-GO INFORMAÇÕES E CONTATO Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Goiás - SENAR/AR-GO Rua 87, nº 662, Ed. Faeg,1º Andar: Setor Sul, Goiânia/GO, CEP:74.093-300 (62) 3412-2700 / 3412-8701 E-mail: senar@senargo.org.br http://www.senargo.org.br/ http://ead.senargo.org.br/ PROGRAMA AGRICULTURA DE PRECISÃO PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Leonardo Ribeiro TITULARES DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Daniel Klüppel Carrara, Alair Luiz dos Santos, Osvaldo Moreira Guimarães e Tiago Freitas de Mendonça. SUPLENTES DO CONSELHO ADMINISTRATIVO Bartolomeu Braz Pereira, Silvano José da Silva, Eleandro Borges da Silva, Bruno Heuser Higino da Costa e Tiago de Castro Raynaud de Faria. SUPERINTENDENTE Eurípedes Bassamurfo da Costa GESTORA Rosilene Jaber Alves COORDENAÇÃO Fernando Couto Araújo IEA - INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS S/S Conteudistas: Renato Adriane Alves Ruas e Juliana Lourenço Nunes Guimarães TRATAMENTO DE LINGUAGEM E REVISÃO IEA: Instituto de Estudos Avançados S/S DIAGRAMAÇÃO E PROJETO GRÁFICO IEA: Instituto de Estudos Avançados S/S
  • 3. 3Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Quando você está aplicando as téc- nicas de agricultura de precisão, é importante criar meios para asse- gurar-se de que a aplicação especí- fica de corretivos e fertilizantes está sendo realizada. Afinal, é disso que depende o sucesso da operação e vai fazer valer todo o planejamento anterior da cultura. Esse meio de acompanhar o anda- mento da aplicação é chamado de monitoramento, prática que garante que o produto está sendo distribuí- do de forma uniforme sobre a área, mantendo a largura nominal de tra- balho e proporcionando uma capaci- dade operacional adequada para a operação. As formas de monitoramento variam de acordo com o tipo de produto e equipamento utilizados, sendo que as mais eficientes e seguras são aquelas que empregam dis- positivos eletrônicos. Neste módulo, portanto, você vai conhecer os principais tipos de dispositivos utilizados no moni- toramento da deposição de corretivos e fertilizantes, bem como os principais fatores que podem comprometer esse monitoramento e a deposição de insumos na lavoura. Atenção! Sempre que finalizar a leitura do conteúdo de um módulo, você deve retornar ao Am- biente de Estudos para realizar a atividade de aprendizagem. Siga em frente e faça bom proveito! Módulo 5 » Monitoramento da qualidade de distribuição de corretivos e fertilizantes Fonte: Shutterstock
  • 4. 4Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Fonte: Shutterstock Aula 1 A importância dos dispositivos de monitoramento na distribuição de corretivos e fertilizantes Diversas aplicações de corretivos e fertilizantes são realizadas de modo desuniforme e podem comprometer seriamente o desenvolvimento das plantas. Assim, torna-se muito importante realizar o monitoramento constante da aplicação sobre vários aspectos. As formas de monito- ramento são diversas, dependendo do tipo de produto aplicado, mas em geral, a forma mais utilizada é a visual, realizada pelos operadores. Mas isso exige a frequente movimentação dos trabalhadores sobre os equipamentos agrícolas, o que compromete a segurança física sem pro- porcionar boa qualidade do serviço prestado. O ideal, portanto, é adotar meios eletrônicos de se realizar esse monitoramento, a fim de criar condições de trabalho mais eficientes e seguras. Ao fim desta aula, você deve ser capaz de esclarecer as vantagens de se utilizar os dispositivos de monitoramento nas distribuições de adubo.
  • 5. 5Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Tópico 1 Desafios da aplicação de insumos no campo Durante todo este curso, você estudou sobre os desafios de fazer uma boa aplicação de insumos no campo. Isso porque a distribuição de corretivos e fertilizantes nem sempre é realizada de modo uniforme, devido principalmente às condições climáticas, mas também às condições de regulagem e estado de conservação inadequado dos distribuidores. Consequentemente, isso causa prejuízos para a produção, uma vez que a planta não recebe a quantidade de nutrientes e corretivos necessários ao seu bom desenvolvimento, afetando a sua produtividade final. Além disso, em alguns casos torna-se necessário realizar nova aplicação, resultando em maiores gas- tos com horas de máquina, compactação de solo e desperdício de produtos, aumentando a con- taminação ambiental. Portanto, faz parte das técnicas de agricultura de precisão conseguir monitorar constantemente o processo de aplicações dos insumos. Esta pode ser uma tarefa difícil, a depender do tipo de produto aplicado. Para aqueles produtos de granulometria mais finas, que são aplicados a lanço, uma análise visual pode fornecer ao operador uma avaliação mais superficial. Geralmente, há uma grande dispersão desses produtos durante a aplicação e as perdas podem ser consideráveis. Assim, o operador deverá escolher a melhor hora do dia para aplicar o produto ou mesmo sele- cionar o sentido de deslocamento mais conveniente, de acordo com a direção do vento. Quando se trata de produtos de maior massa, esses problemas são atenuados durante a aplicação a lanço e o que se visualiza é uma distribuição mais uniforme, pelo menos na maioria das vezes. Além do monitoramento visual do lançamento dos jatos, deve-se monitorar constantemente também a quantidade de produto existente no interior dos de- pósitos. Isso ganha importância porque, em alguns modelos de distribuidores, a coluna de produtos sobre os mecanismos dosadores dentro do tanque proporciona maior distribuição pela área no início da aplicação e menor ao final. Isso acontece com os me- canismos rotativos, nos quais o produto desce por gravidade e cai diretamente sobre os discos. Uma forma de atenuar esse problema é a colocação de anteparos vazados para aliviar o peso sobre os me- canismos dosadores. Outro fato que justifica o monitoramento da distribuição dos corretivos e fertilizantes é a ne- cessidade de determinação da largura nominal de trabalho. Em geral, para corretivos aplicados a lanço, a largura nominal é definida quando se tem sobreposição das laterais dos jatos e uma variação de até 15% na uniformidade de distribuição transversal. Fonte: <http://www.basefertil.com.br/ calcario.html>.
  • 6. 6Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Essa informação é relevante para a definição da distância entre passadas e reflete diretamente na capacidade operacional da aplicação. Larguras de trabalho maiores proporcionam maiores capacidades operacionais, desde que não haja redução na velocidade de trabalho. Entretanto, espera-se sempre que o produto seja distribuído uniformemente ao longo dessa largura, caso contrário, falhas na aplicação reduzirão a capacidade operacional gerando a necessidade de realizar nova aplicação. O monitoramento também possibilita que o reservatório do distribuidor seja abastecido nos momentos corretos, como antes de se iniciar o deslocamento, logo após a realização da ma- nobra de cabeceira. Nesse caso, o depósito deve ser abastecido se estiver com pouco produto, pois caso venha a se esvaziar no meio do talhão, terá que retornar vazio até a cabeceira da área para novo abastecimento. Isso reduz a eficiência da operação pelo fato de aumentar os tempos perdidos com deslocamentos desnecessários. O monitoramento mais difícil de ser realizado ocorre nas máquinas distri- buidoras que colocam o produto diretamente em sulcos que são fechados logo após a sua deposição. Nesse caso, a avaliação visual da distribuição se torna inviável, justificando assim a necessidade de se utilizar algum dis- positivo eletrônico para tal avaliação. Para as operações de semeadura realizadas com adubação de plantio deve-se atentar para a colocação do adubo em profundidade maior do que as sementes. Caso a semente entre em contato direto com o adubo ela poderá se desidratar e não germinar, comprometendo toda a implantação da lavoura. A posição mais baixa do adubo também se justifica pelo fato de que, quando as primeiras radículas surgirem e descerem, encontrarão o adubo que proporcionará maior desenvolvimento à planta. Esse cuidado deve ser tomado inicialmente com a regulagem adequada dos mecanismos de abertura, deposição, fechamento e cobertura das semeadoras. Além disso, durante a operação, de tempos em tempos, deve-se abrir um sulco manualmente na área semeada e verificar se a deposição da semente e do adubo está correta. Esse efeito pode ser alterado de acordo com o tipo e preparo do solo, necessitando-se assim de maior atenção. Semente Adubo A semente não pode ficar junto com o adubo Semente até 4cm até 15cm Adubo Fonte: Elaborado pelo autor
  • 7. 7Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » De modo geral, a importância do monitoramento também pode ser destacada pela presença de operários destinados exclusivamente a acompanhar a aplicação durante todo o tempo. Eles avaliam visualmente a quantidade de produto nos reservatórios, a profundidade de deposição, dentre outros aspectos. Alguns fabricantes de equipamentos distribuidores até disponibilizam acentos para esses operários. Entretanto, trata-se de uma situação de alto risco e a tendência é que esses operadores sejam substituídos por dispositivos eletrônicos que são mais eficientes e proporcionam monitoramento simultâneo de maior quantidade de unidades de distribuição, inclusive durante as aplicações no período noturno. Recapitulando Nesta aula, você estudou que o monitoramento da aplicação de corretivos e fertilizantes é uma prática que deve ser realizada constantemente a fim de garantir o sucesso da operação. O obje- tivo é assegurar-se de que o produto está sendo distribuído uniformemente sobre a área, man- tendo a largura nominal de trabalho e proporcionando uma capacidade operacional adequada. Além disso, visa garantir que os adubos sejam colocados no solo a profundidades apropriadas de modo a não entrarem em contato direto com a semente, comprometendo o seu desenvolvi- mento. As formas de monitoramento variam de acordo com os tipos de produto e equipamento utilizados e as mais eficientes e seguras são aquelas que empregam dispositivos eletrônicos.
  • 8. 8Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Fonte: Shutterstock Aula 2 Principais tipos de dispositivos de monitoramento Considerando a importância do monitoramento da deposição dos insumos da lavoura, que você estudou na aula passada, agora você vai conhecer os principais dispositivos para este fim. Impul- sionados pela sua importância e favorecidos pelos avanços da Agricultura de Precisão, surgiram no mercado diversos dispositivos com a função de auxiliar no monitoramento da deposição de adubos. Geralmente, eles 3realizam em conjunto a deposição do adubo e das sementes. Os sistemas mais sofisticados realizam o monitoramento completo, ou seja, dose aplicada, fluxo de descida, velocidade de trabalho e acompanham a redução da quantidade de adubo no reserva- tório. Para tanto, sensores são espalhados por toda a máquina. O operador deve saber localizar e entender o funcionamento de cada um desses sensores para fazer uso adequado deles. Ao final desta aula, você deve ser capaz de: • conhecer os dispositivos de monitoramento utilizados na distribuição de corretivos e fertili- zantes; e • monitorar a aplicação de corretivos e fertilizantes nos distribuidores.
  • 9. 9Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Tópico 1 Tipos de sensores Você já estudou que a deposição dos corretivos e fertilizantes pode ser afetada por diversos fatores climáticos ou mecânicos. Excetuando-se os fatores climáticos, que são contornados por meio da escolha do momento adequado para a aplicação, os fatores relacionados ao desempe- nho da máquina devem ser monitorados. Sensor de velocidade (na roda ou radar) Sensores de peso Monitor de controle e programação Unidade eletrônica de tratamento de informação Atuadores elétricos de regulagem de depósito Fonte: Cemagref (1997) Os distribuidores mais modernos possuem diversos sensores embarcados responsáveis por mo- nitorar durante todo instante a distribuição do adubo. Um desses sensores é instalado na parte debaixo do reservatório. Eles são responsáveis pela medição da massa presente no interior do depósito através de um mecanismo semelhante a uma célula de carga ou sensor de peso. Essa informação pode ser visualizada em um monitor diante do operador, que entende a quantidade de adubo existente dentro dos depósitos e programa as paradas de forma mais conveniente. Outra vantagem desta tecnologia é que se elimina a necessidade de um operador permanecer sobre a máquina para conferir a quantidade de adubo restante no interior do reservatório. Outro sensor muito importante é utilizado para captar informações sobre a velocidade de tra- balho. Pode ser na forma de um sensor magnético, montado próximo aos rodados, ou um radar de efeito doppler. A variação da velocidade influencia diretamente no cálculo da dose aplicada por hectare da seguinte forma: se houver redução da velocidade, por uma patinagem temporá- ria, por exemplo, o sistema informará ao mecanismo dosador, que fechará a descida de adubo de modo a manter a mesma dose aplicada. Por sua vez, aumentos na velocidade terão efeito de abertura no mecanismo dosador.
  • 10. 10Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Um dos principais dispositivos utilizados no monitoramento da distribuição de adubo é o atuador elétrico ou eletro-hidráulico de comando da abertura das placas de dosagem do adubo. Em geral, ele é constituído por uma estrutura composta de motor elétrico ou hidráulico, válvulas e senso- res de rotação. Estes últimos controlam, com precisão, a distribuição do adubo, eliminando possíveis variações e falhas que possam ocorrer com os mecanis- mos de distribuição convencionais, que são acionados pelos rodados da máqui- na. Não raro, observam-se variações de até 50% nos volumes de adubo depo- sitados no solo com os distribuidores convencionais. Assim, se esse tipo de distribuidor estiver regulado para dis- tribuir 250 kg ha-1 de adubo, em certos momentos, poderá distribuir 125 kg ha-1 em outros 375 kg ha-1 . Esse problema tende a ser potencializado com o au- mento da velocidade de trabalho. Os atuadores elétricos ou eletro-hidráulicos são conectados a monitores instalados na cabine do trator e enviam dados de fluxo de descida e dose aplicada. Também respondem a coman- dos advindos do monitor, como variações controladas da rotação para elevar ou reduzir a dose aplicada. Considerando-se as técnicas de Agricultura de Precisão, os monitores são capazes de receber mapas de aplicação e assim transmitir informações sobre fechamento e abertura do dosador de acordo com a necessidade de cada mancha demarcada pelo mapa. Fonte: <www.trimble.com>. Fonte: Cemagref (1997)
  • 11. 11Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Algumas empresas também têm investido em sensores isolados que são responsáveis pela medição do fluxo de descida de adubo. Ele é colocado junto à mangueira de descida do adubo e registra o fluxo de deposição do pro- duto. A principal finalidade desses sensores é medir a quan- tidade de adubo aplicada. Entretanto, desempenham importante papel na eventual variação da deposição, além de informar sobre possíveis entupimento ou esva- ziamento do reservatório. São os dispositivos de moni- toramento mais simples disponíveis no mercado. Basi- camente, são compostos por um monitor de comando, módulos de distribuição de sensores, cabos de comuni- cação e sensores. 1 Monitor Cabo de força Cabo de comunicação monitor-sensores Cabo extensão da semeadora-adubadora Cabo de conexão do sensor 1 1 2 2 3 3 4 4 5 5 Fonte: <http://www.prosolus.com/_GI/pdf/ _modulos/produtos/00008.pdf>. Fonte: <http://www.lohr.com.br/ ?link=produtosdetalhe&idmodelo=338>.
  • 12. 12Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Tópico 2 Funcionamento dos monitores De modo geral, os monitores possuem interfaces de fácil comunicação com o operador: ao ini- ciar o plantio, a luz de “monitorando” é acesa no monitor. Em caso de falha por entupimento ou interrupção do fluxo de semente/adubo a luz de “monitorando” se apaga e então se acende a de alerta, que é acompanhada de um sinal sonoro. Além disso, o visor indica alternadamente a mensagem “Er” e o número do sensor (ou dos sensores) que está com problema. Normalmente, esses sensores são robustos e dotados de um sistema digital de autoajuste con- tra o acúmulo de sujeira. Isso garante uma maior quantidade de horas de trabalho sem paradas, elevando a capacidade operacional da atividade. Outra característica é que o operador é infor- mado quando há necessidade de realizar as limpezas. Saiba Mais No site <http://www.prosolus.com/produto.php?id=4> você visualizará mais informações sobre os dispositivos responsáveis por monitorar a deposição de adubo. Poderá também assistir a vídeos demonstrativos de como instalar sensores de monitoramento. Recapitulando Nesta aula, você estudou os principais tipos de dispositivos utilizados no monitoramento da deposição de corretivos e fertilizantes. Dentre eles, destacam-se aqueles responsáveis pela me- dição do fluxo de descida, dose aplicada, quantidade de produto no reservatório, velocidade de trabalho, dentre outros. Os sistemas mais simples são instalados diretamente no tubo de desci- da e medem o fluxo de deposição do adubo, podendo indicar eventuais variações, interrupções ou ausência de produto no reservatório. Esses dispositivos contribuem substancialmente para a melhoria na deposição de corretivos e fertilizantes.
  • 13. 13Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Fonte: <http://accidentalfarmwife.com> Aula 3 Fatores que interferem na qualidade da distribuição A distribuição de corretivos e fertilizantes é essencial para o fornecimento de nutrientes para o desenvolvimento das culturas. Desta forma, é preciso ter alguns cuidados no momento da apli- cação, de forma a garantir a eficiência na distribuição destes insumos. Ao final desta aula, você deve ser capaz de: • enumerar quais fatores interferem na qualidade de distribuição de corretivos e fertilizantes; e • compreender os fatores controláveis e as condições ideais de trabalho.
  • 14. 14Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » A aplicação de corretivos e fertilizantes a lanço deve ser visualizada como um processo no qual existem fatores que estão interagindo e que darão um resultado final. Se a interação for harmô- nica ou dentro de um determinado limite tolerável, o resultado será conforme o planejado. De modo geral, a qualidade da distribuição de corretivos e fertilizantes pode ser afetada por fa- tores relacionados à condição ambiental, às características do produto e ao modo de aplicação. Tópico 1 Condições ambientais As condições ambientais podem prejudicar o deslocamento normal da máquina durante a apli- cação ou afetar o deslocamento normal do insumo até que ele atinja o solo. Conheça os princi- pais fatores ambientais que interferem na aplicação. Umidade do solo A umidade do solo deve ser baixa o suficiente para permitir o fácil deslocamento do trator e do distribuidor de calcário e fertilizante por toda a área. Solo muito encharcado pode pro- vocar patinagem excessiva do trator, deslizamento do distribuidor e desalinhamento entre os rastros das máquinas, provocando redução na eficiência ou até mesmo inviabilizando a aplicação. Por outro lado, solos muito secos podem provocar redução no aproveitamento dos fertilizantes, especialmente os nitrogenados, que são perdidos por volatilização. Vento A distribuição de corretivos e fertilizantes a lanço é diretamente afetada por ventos fortes no momento da aplicação. A condição ideal de aplicação é durante a ocorrência de ventos leves a moderados. Em condição de ventos fortes, a largura útil da faixa de aplicação fica muito va- riável e, quanto menor a granulometria do insumo aplicado, especialmente o calcário, mais sua aplicação é afetada, chegando ao ponto de ocorrerem perdas de produto pela ação do vento, reduzindo a dose de aplicação ou inviabilizando-a. Chuva Em condições de ocorrência de chuva, a eficiência da distribuição de corretivos e fertilizantes é reduzida devido às dificuldades de escoamento e passagem pelos mecanismos da máqui- na. Em alguns distribuidores com proteção contra chuva, este problema é minimizado em caso de chuvas leves. Porém, em aplicações de fertilizantes nitrogenados, este problema é agravado devido à alta afinidade deste produto com a água, comprometendo a qualidade da aplicação. Em níveis mais elevados de chuva, o próprio deslocamento da máquina é afetado.
  • 15. 15Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Tópico 2 Características do produto As características intrínsecas dos insumos podem reduzir a eficiência da aplicação ou mesmo favorecer a ação indesejada dos fatores ambientais descritos anteriormente. As principais carac- terísticas dos produtos relacionados à eficiência de aplicação são as seguintes. Granulometria Quanto menor a granulometria dos corretivos e fertilizantes, maior a possibilidade de sofre- rem a ação negativa do vento, diminuindo a eficiência da aplicação, conforme descrito ante- riormente. Produtos de granulometria fina como o calcário exigem maiores cuidados durante sua distribuição, devendo ser aplicados em situações de ventos mais leves. Umidade do insumo Produtos de granulometria mais fina como o calcário, quando apresentam menor umidade possuem também menor peso, portanto, sofrem maior ação negativa do vento durante a distribuição. Assim, o calcário seco necessita de grande atenção durante sua distribuição, de- vido à sua granulometria fina e ao baixo peso de suas partículas. Por outro lado, insumos com umidade muito alta podem dificultar o escoamento e a saída pelos mecanismos da máquina. Especialmente os fertilizantes, quando em contato com umidade, podem formar aglomera- dos e obstruir a saída do distribuidor. Armazenamento e conservação Corretivos e fertilizantes mal armazenados podem sofrer alteração de seu estado físico de- vido ao aumento da umidade e/ou à formação de aglomerados, o que dificulta sua distribui- ção, conforme descrito anteriormente. Portanto, para aplicação na agricultura de precisão, os insumos devem apresentar boas características para a distribuição.
  • 16. 16Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Tópico 3 Modo de aplicação Outras variáveis relacionadas à distribuição de corretivos e fertilizantes também podem afetar a eficiência da aplicação, tais como as especificadas abaixo. Alimentação do software A inserção dos dados no software da máquina deve ser feita de forma correta pelo operador. A inserção incorreta do mapa de recomendação ou da largura da faixa útil de aplicação afeta todo o processo, reduzindo a eficiência da distribuição dos insumos. Velocidade de deslocamento A velocidade de deslocamento da máquina durante a distribuição de corretivos e fertilizantes varia de acordo com o conjunto de máquinas e com a marcha utilizada. Porém, deve-se tra- balhar em um nível de rotação que garanta 540 rotações por minuto na tomada de potência. A velocidade não deve ser muito baixa, de forma a proporcionar parco rendimento operacio- nal, nem tão alta que afete a qualidade da operação. Conhecimento do operador O operador da máquina deve ser capacitado para realizar tal operação, de forma a utilizar to- das as informações de forma correta, acompanhar os dados da aplicação durante a operação e reconhecer qualquer alteração indesejada durante a distribuição. Saiba Mais Além destes fatores que afetam a qualidade da distribuição de corretivos e fertilizantes, outras características também devem ser consideradas no momento da aplicação. Para que a planta possa aproveitar o máximo do efeito dos fertilizantes, por exemplo, eles devem ser aplicados no estágio de desenvolvimento da cultura mais recomendado, no qual a demanda da planta é mais alta. Já quando o objetivo é reduzir os custos com insumos e minimizar o impacto ambiental, deve-se tomar cuidado ao reabastecer o distribuidor de forma a não derramar produto no chão. Também é preciso dar o devido destino às embalagens dos insumos.
  • 17. 17Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Recapitulando A distribuição de corretivos e fertilizantes pode ser afetada por diversos fatores, comprometendo sua eficiência. Conhecer as condições ideais de aplicação é de grande importância para garantir o sucesso da operação, bem como dos resultados esperados pela aplicação a taxas variadas. Entre os fatores ambientais, a umidade do solo, os ventos fortes e a presença de chuva são os principais fatores que afetam a eficiência da distribuição. Da mesma forma, fatores relacionados ao produto, tais como granulometria, umidade e condição física após o armazenamento também podem interferir. O conhecimento do operador, a alimentação do software e o deslocamento da máquina na velocidade ideal também são essenciais para o sucesso da aplicação. Nas próximas páginas, você vai encontrar a última atividade de aprendizagem para verificar os conhecimentos construídos ao longo deste módulo. Não esqueça que você deve entrar no Ambiente de Estudos para registrar as respostas no sistema! Depois desta etapa, será iniciado o processo para emissão do seu certificado.
  • 18. 18Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » Atividade de aprendizagem Você chegou ao final do Módulo 5, o último do Curso Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes. A seguir, você realizará algumas atividades relacionadas ao conteúdo estudado neste módulo. Lembre-se que as repostas devem ser registradas no Ambiente de Estu- dos, onde você também terá um feedback, ou seja, uma explicação para cada questão. 1. Na Aula 1 você estudou a importância de adotar formas de monitorar a aplicação de correti- vos e fertilizantes. Agora, assinale a alternativa correta. a) A aplicação de corretivos e fertilizantes não requer maior atenção com relação à distribui- ção, uma vez que os produtos são aplicados sobre o solo. b) O monitoramento da distribuição a lanço dos corretivos mais finos é geralmente mais uniforme do que a distribuição daqueles de maior massa. c) O monitoramento da profundidade da colocação do adubo é desnecessário, pois a umida- de do solo irá distribuí-lo uniformemente. d) O monitoramento da aplicação feito por dispositivos eletrônicos é mais seguro. 2. Considerando os dispositivos responsáveis por monitorar a distribuição de corretivos e ferti- lizantes apresentados na Aula 2, assinale a reposta correta. a) O atuador elétrico ou eletro-hidráulico que comanda a abertura das placas de dosagem é um dos equipamentos mais importantes no monitoramento da distribuição de adubo. b) Os dispositivos que monitoram a distribuição de corretivos e fertilizantes acompanham apenas a descida do produto. c) Os dispositivos que medem a velocidade não medem a patinagem das rodas. d) Os dispositivos que monitoram a distribuição de adubos e fertilizantes mais simples ajus- tam a dose aplicada.
  • 19. 19Agricultura de Precisão na Distribuição de Corretivos e Fertilizantes » 3. Sobre os fatores que afetam a qualidade da distribuição de corretivos e fertilizantes, analise as afirmativas e assinale a correta. a) A alta umidade do solo não interfere na eficiência da distribuição de insumos. b) Conhecer as características intrínsecas do insumo a ser aplicado colabora para o aumento da eficiência da aplicação. c) A granulometria do insumo é o fator que mais interfere na eficiência de distribuição. d) A experiência do operador não afeta a eficiência da aplicação, uma vez que o processo é automatizado.