SlideShare uma empresa Scribd logo
Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br
QUER ADQUIRIR A VERAO COMPLETA ENTRE EM
CONTATO POR EMAIL
MARCELOBRMARTINS@GMAIL.COM
TÉCNICAS DE PRODUÇÃO
DE AÇÚCAR, ÁLCOOL E BIOENERGIA
Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia
Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br
Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br
Curso de Açúcar, Álcool e Bioenergia...........................................................................................................................1
MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA..........................................................................................................................................3
MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA –– LLIIMMPPEEZZAA AA SSEECCOO.........................................................................................................3
DDEESSCCAARRRREEGGAAMM EENNTTOO NNAA MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA .............................................................................................3
LLAAGGOOAASS DDEE DDEECCAANNTTAAÇÇÃÃOO.................................................................................................................................4
LLAAGGOOAASS DDEE DDEECCAANNTTAAÇÇÃÃOO.................................................................................................................................4
 Picador nivelador...........................................................................................................................................4
Desfibrador: É responsável pelo preparo da cana, ou seja, Opencell que oscila entre 82% a 85%, de
acordo coma variedade de cana tipo de fibra, impurezas minerais e vegetais, impurezas metálicas
provenientes de resíduos de manutenção feita em máquinas e equipamentos na lavoura canavieira.
É composto de um rotor com93 martelos oscilantes comespessura de 2” e que transcrevemum
diâmetro de 1832mm com 630 rpm, cuja potencia consumida é de 3,5 cv por tonelada de cana
hora.........................................................................................................................................................................6
PENEIRA ROTATIVA.....................................................................................................Error! Bookmark not defined.
TTEERRNNOO DDEE MMOOEENNDDAA...................................................................................................Error! Bookmark not defined.
CCAASSTTEELLOOSS DDEE MM OOEENNDDAA............................................................................................Error! Bookmark not defined.
SSããoo rreessppoonnssáávveeiiss eemm lliimmppaarr ooss ffrriissooss ddooss rroollooss,,vveeddaarr ppaarraa qquuee nnããoo ppaassssee ccaallddoo eennttrree oo ffrriissoo ddoo ppeennttee
ee oo ffrriissoo ddaa mmooeennddaa eevviittaannddoo aa rreeeemmbbeebbiiççããoo ddoo bbaaggaaççoo..............................Error! Bookmark not defined.
PPaassssoo 22””xx 335500 6622mmmm ddoo 1100 aaoo 5500 tteerrnnoo...................................................................Error! Bookmark not defined.
PPaassssoo 11””xx 335500 2277mmmm ddoo 6600 tteerrnnoo..............................................................................Error! Bookmark not defined.
Em aço 1045 fundido, localiza-se entre os rolos de entrada e saída (rolos inferiores) e sob o rolo
superior........................................................................................................................Error! Bookmark not defined.
Função: conduzir o bagaço parcialmente moído do rolo de entrada para o rolo de saída...........Error!
Bookmark not defined.
Pol do bagaço quanto menor melhor,ou seja, menor que 1,5%......................Error! Bookmark not defined.
Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia
Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br
Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia
Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br 1
CURSO DE AÇÚCAR, ÁLCOOL E BIOENERGIA
ORIGEM DA CANA DE AÇÚCAR
Admite-se que a cana de açúcar seja originária da Ásia Meridional entre as regiões de Assan e Bengala (Índia).
No Brasil o primeiro engenho instalado foi fundado em 1533, por Martin Afonso de Souza, na capitania de São
Vicente a 12 km da cidade de Santos com as mudas provenientes da lha da Madeira.
A primeira referência positiva sobre o açúcar na forma sólida, foi na Pércia aproximadamente no ano 500 de
nossa era.
DEFINIÇÕES
Cana-de-açúcar:É uma planta constituída deraízes, colmo,folhas e eventualmente flores,é uma gramínea do gênero Saccharun.
Sacarose: É o açúcar que encontramos em maior quantidade na cana, é o açúcar que se cristaliza
Caldo: Parte líquida da cana-de-açúcar constituída por água contendo, em solução, substancias como
sacarose, glicose, frutose ácidos orgânicos, sais minerais.
Fibra: Matéria seca e insolúvel em água contida na cana-de-açúcar.
Brix: É a concentração de sólidos solúveis contidos numa solução de sacarose quimicamente pura em água.
DEFINIÇÕES
Pol (Abreviação de polarização): É a porcentagem em massa de sacarose aparente contida em uma solução
açucarada e determinada pelo desvio provocado pela solução no plano da luz polarizada.
Pureza: É a relação, em porcentagem, entre a massa de sacarose e a de sólidos solúveis totais de uma solução
açucarada.
Opencell: É o número de células abertas na cana preparada para ser moída no 10 terno.
Embebição: Processo pelo qual água ou caldo é adicionado ao bagaço dos ternos para diluir a sacarose
contida na célula da cana em beneficio da extração.
Extração: É a quantidade de açúcar que se consegue extrair da cana.
Bagaço: É a matéria prima para queima nas caldeiras para geração de vapor.
Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia
2 Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br
PÁTIO DE ESTOCAGEM DO BAGAÇO
BALANÇA DE CANA
PÁTIO DE ESTOCAGEM DE CANA
Local onde todas as cargas de cana são pesadas para se obter controle da quantidade de cana recebida
pela industria para serem processadas.
As cargas previamente definidas para amostragem de impurezas: vegetal e mineral, assim bem como o teor
de sacarose, são enviados os caminhões selecionados para coleta de amostras no laboratório de sacarose.
As cargas que não estão na escala de amostragem seguem para o pátio para estocagem ou direto para as
mesas alimentadoras.
Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia
Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br 3
MESAS ALIMENTADORAS
Mesa 150 ou 250 : Recebem a cana diretamente dos caminhões onde as cargas são descarregadas através de
guinchos hilo, esta carga é distribuída na mesa 450 em camadas para executar uma lavagem eficiente da
mesma.
Mesa 450 : Recebe a cana da mesa 150 ou 250, é onde a cana é lavada e dosada na esteira para ser levada
para os picadores, onde esta é preparada para a moagem.
MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA –– LLIIMMPPEEZZAA AA SSEECCOO
DESCARREGAMENTO NA MESA
LLAAVVAAGGEEMM DDAA CCAANNAA NNAA MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA DDEESSCCAARRRREEGGAAMMEENNTTOO NNAA MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA
Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia
4 Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br
TRATAMENTO DE ÁQUA PARA LAVAGEM DA CANA
LAGOAS DE DECANTAÇÃO
LLAAGGOOAASS DDEE DDEECCAANNTTAAÇÇÃÃOO LLAAGGOOAASS DDEE DDEECCAANNTTAAÇÇÃÃOO
PREPARO DE CANA
É composto por:
 Picador nivelador
 Picador
 Tambor alimentador
 Placa desfibradora
 Desfibrador
PREPARO DE CANA
Picador nivelador: É composto por um rotor e por facas de 1” de espessura
sendo ao todo 54 peças fixadas por parafusos, está instalado a 800mm de altura
da linha das correntes, sua função é de nivelar a camada de cana na esteira. A
potencia instalada esta diretamente ligado ao volume de moagem e ao índice do preparo (Opencell).
PREPARO DE CANA
Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia
Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br 5
Picador : É composto por um rotor e por facas de 2” de espessura sendo ao todo 93 peças oscilantes, está
instalado a 200mm de altura da linha das correntes, transcreve um diâmetro de 1820mm com 650 rpm cuja
potencia consumida é de 3,5 cv por tonelada de cana hora, sua função é de nivelar a camada de cana na
esteira. A potencia instalada esta diretamente ligado ao volume de moagem e ao índice do preparo
(Opencell).
PREPARO DE CANA
Tambor alimentador: É um equipamento com diâmetro 1500mm, gira a 60 rpm, cuja função é a de forçar a
passagem da cana entre o desfibrador e a placa desfibradora.
Placa desfibradora: Fabricada
em chapas de aço ou fundidas,
com formato curvo
acompanhando o diâmetro de
giro dos martelos, possui na sua
face interna saliências formadas
por barras retangulares e é
posicionada na parte superior, o
espaço que fica entre a
extremidade dos martelos é
mínimo.
TAMBOR ALIMENTADOR
Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia
6 Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br
Desfibrador: É responsável pelo preparo da cana, ou seja, Opencell que oscila entre 82% a 85%, de acordo
com a variedade de cana tipo de fibra, impurezas minerais e vegetais, impurezas metálicas provenientes de
resíduos de manutenção feita em máquinas e equipamentos na lavoura canavieira. É composto de um rotor
com 93 martelos oscilantes com espessura de 2” e que transcrevem um diâmetro de 1832mm com 630 rpm,
cuja potencia consumida é de 3,5 cv por tonelada de cana hora.
PPRREEPPAARROO DDEE CCAANNAA
ESPALHADOR DE CANA
Após o sistema de preparo, a altura do colchão de cana é uniformizada por um equipamento chamado
espalhador, que fica no ponto de descarga da esteira metálica para uma correia transportadora de borracha.
Esta correia trabalha em alta velocidade constante (100 m/min) para reduzir a espessura da camada de cana
e facilitar o trabalho do eletroímã.
Eletroímã realiza a operação de remoção de materiais ferrosos, protegendo os equipamentos de extração,
mais especificamente os rolos da moenda.
FLUXOGRAMA DA MOENDA
Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia
Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br 7

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Contabilidade do agronegocio
Contabilidade do agronegocioContabilidade do agronegocio
Contabilidade do agronegocio
andriellifasipe
 
121128 luciano-rodrigues
121128 luciano-rodrigues121128 luciano-rodrigues
121128 luciano-rodrigues
AgroTalento
 
Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
Ricardo Ferreira
 
O pequeno manual do agronegócio
O pequeno manual do agronegócioO pequeno manual do agronegócio
O pequeno manual do agronegócio
Ressurrei
 
Balança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolanteBalança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolante
Camila Oliveira
 
Apresentação Açucar e Alcool
Apresentação Açucar e AlcoolApresentação Açucar e Alcool
Apresentação Açucar e Alcool
Wagner Gonsalez
 
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-AçucarProdução e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Ítalo Arrais
 
Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
Renan Atanázio
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guincho
Andressa Macedo
 
Apostila de administração rural
Apostila de administração ruralApostila de administração rural
Apostila de administração rural
Luiz Oliveira
 
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROAula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
sionara14
 
Livro fundamentos-de-agronegocios
Livro fundamentos-de-agronegociosLivro fundamentos-de-agronegocios
Livro fundamentos-de-agronegocios
Leticia Foratto
 

Destaque (12)

Contabilidade do agronegocio
Contabilidade do agronegocioContabilidade do agronegocio
Contabilidade do agronegocio
 
121128 luciano-rodrigues
121128 luciano-rodrigues121128 luciano-rodrigues
121128 luciano-rodrigues
 
Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
 
O pequeno manual do agronegócio
O pequeno manual do agronegócioO pequeno manual do agronegócio
O pequeno manual do agronegócio
 
Balança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolanteBalança, hilo e ponte rolante
Balança, hilo e ponte rolante
 
Apresentação Açucar e Alcool
Apresentação Açucar e AlcoolApresentação Açucar e Alcool
Apresentação Açucar e Alcool
 
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-AçucarProdução e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
Produção e Utilização dos Produtos de Cana-de-Açucar
 
Apostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcoolApostila açúcar e álcool
Apostila açúcar e álcool
 
Treinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guinchoTreinamento para operação de guincho
Treinamento para operação de guincho
 
Apostila de administração rural
Apostila de administração ruralApostila de administração rural
Apostila de administração rural
 
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROAula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
 
Livro fundamentos-de-agronegocios
Livro fundamentos-de-agronegociosLivro fundamentos-de-agronegocios
Livro fundamentos-de-agronegocios
 

Semelhante a apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1

Gestão da Produção Industrial - Fabricação de cachaça artesanal.pdf
Gestão da Produção Industrial - Fabricação de cachaça artesanal.pdfGestão da Produção Industrial - Fabricação de cachaça artesanal.pdf
Gestão da Produção Industrial - Fabricação de cachaça artesanal.pdf
HELENO FAVACHO
 
1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts
Leandro Cândido
 
Fabricação de cachaça artesanal
Fabricação de cachaça artesanalFabricação de cachaça artesanal
Fabricação de cachaça artesanal
consultoriaacademica3
 
Fabricação de cachaça artesanal
Fabricação de cachaça artesanalFabricação de cachaça artesanal
Fabricação de cachaça artesanal
consultoriaacademica3
 
Fabricação de cachaça artesanal.pdf
Fabricação de cachaça artesanal.pdfFabricação de cachaça artesanal.pdf
Fabricação de cachaça artesanal.pdf
trabalhosnota10sp
 
Fabricação de cachaça artesanal.pdf
Fabricação de cachaça artesanal.pdfFabricação de cachaça artesanal.pdf
Fabricação de cachaça artesanal.pdf
trabalhosnota10sp
 
Guia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseirosGuia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseiros
RANIEL GOMES ALEXANDRE
 
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
Arthur Lira
 
Engenharia de Produção - Uma usina de açúcar e etanol.pdf
Engenharia de Produção - Uma usina de açúcar e etanol.pdfEngenharia de Produção - Uma usina de açúcar e etanol.pdf
Engenharia de Produção - Uma usina de açúcar e etanol.pdf
HELENO FAVACHO
 
AULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdf
AULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdfAULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdf
AULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdf
Ronaldo Fernandes
 
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdfminicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
MarcoJustino2
 
19505541 producao-de-aguardente
19505541 producao-de-aguardente19505541 producao-de-aguardente
19505541 producao-de-aguardente
Ana Paula Guarnieri Bassi
 
Cilésio abel - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil -
Cilésio abel  - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil -Cilésio abel  - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil -
Cilésio abel - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil -
Revista Cafeicultura
 
Cilésio abel
Cilésio abelCilésio abel
Cilésio abel
Revista Cafeicultura
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
STAB Setentrional
 
Catalogo vant
Catalogo vantCatalogo vant
introdução slides 28_07 final.ppt
introdução slides 28_07 final.pptintrodução slides 28_07 final.ppt
introdução slides 28_07 final.ppt
ssuser2b53fe
 
Aumento da eficiencia_industrial
Aumento da eficiencia_industrialAumento da eficiencia_industrial
Aumento da eficiencia_industrial
Amelia Freitas
 
analises mineral e vegetal
analises mineral e vegetalanalises mineral e vegetal
analises mineral e vegetal
aline silva
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
Rodolfo Ferreira
 

Semelhante a apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1 (20)

Gestão da Produção Industrial - Fabricação de cachaça artesanal.pdf
Gestão da Produção Industrial - Fabricação de cachaça artesanal.pdfGestão da Produção Industrial - Fabricação de cachaça artesanal.pdf
Gestão da Produção Industrial - Fabricação de cachaça artesanal.pdf
 
1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts1-Treinamento Pcts
1-Treinamento Pcts
 
Fabricação de cachaça artesanal
Fabricação de cachaça artesanalFabricação de cachaça artesanal
Fabricação de cachaça artesanal
 
Fabricação de cachaça artesanal
Fabricação de cachaça artesanalFabricação de cachaça artesanal
Fabricação de cachaça artesanal
 
Fabricação de cachaça artesanal.pdf
Fabricação de cachaça artesanal.pdfFabricação de cachaça artesanal.pdf
Fabricação de cachaça artesanal.pdf
 
Fabricação de cachaça artesanal.pdf
Fabricação de cachaça artesanal.pdfFabricação de cachaça artesanal.pdf
Fabricação de cachaça artesanal.pdf
 
Guia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseirosGuia praticoproducaodecervejascaseiros
Guia praticoproducaodecervejascaseiros
 
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
Relatório de Estágio - LIRA, A. B.
 
Engenharia de Produção - Uma usina de açúcar e etanol.pdf
Engenharia de Produção - Uma usina de açúcar e etanol.pdfEngenharia de Produção - Uma usina de açúcar e etanol.pdf
Engenharia de Produção - Uma usina de açúcar e etanol.pdf
 
AULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdf
AULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdfAULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdf
AULA_6_PRINCIPIOS_BASICOS_SUCESSO_ORDENHADEIRA_MECANICA.pdf
 
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdfminicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
minicurso-sobre-cachaca-artesanal-de-alambique.pdf
 
19505541 producao-de-aguardente
19505541 producao-de-aguardente19505541 producao-de-aguardente
19505541 producao-de-aguardente
 
Cilésio abel - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil -
Cilésio abel  - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil -Cilésio abel  - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil -
Cilésio abel - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil -
 
Cilésio abel
Cilésio abelCilésio abel
Cilésio abel
 
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...Seminário stab 2013   industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
Seminário stab 2013 industrial - 09. resultados obtidos na usina união e in...
 
Catalogo vant
Catalogo vantCatalogo vant
Catalogo vant
 
introdução slides 28_07 final.ppt
introdução slides 28_07 final.pptintrodução slides 28_07 final.ppt
introdução slides 28_07 final.ppt
 
Aumento da eficiencia_industrial
Aumento da eficiencia_industrialAumento da eficiencia_industrial
Aumento da eficiencia_industrial
 
analises mineral e vegetal
analises mineral e vegetalanalises mineral e vegetal
analises mineral e vegetal
 
Fabricação do alcool
Fabricação do alcoolFabricação do alcool
Fabricação do alcool
 

Último

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 

apostila de procução de açúcar álcool bioenergia 1

  • 1. Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br QUER ADQUIRIR A VERAO COMPLETA ENTRE EM CONTATO POR EMAIL MARCELOBRMARTINS@GMAIL.COM TÉCNICAS DE PRODUÇÃO DE AÇÚCAR, ÁLCOOL E BIOENERGIA
  • 2. Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br
  • 3. Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br Curso de Açúcar, Álcool e Bioenergia...........................................................................................................................1 MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA..........................................................................................................................................3 MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA –– LLIIMMPPEEZZAA AA SSEECCOO.........................................................................................................3 DDEESSCCAARRRREEGGAAMM EENNTTOO NNAA MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA .............................................................................................3 LLAAGGOOAASS DDEE DDEECCAANNTTAAÇÇÃÃOO.................................................................................................................................4 LLAAGGOOAASS DDEE DDEECCAANNTTAAÇÇÃÃOO.................................................................................................................................4  Picador nivelador...........................................................................................................................................4 Desfibrador: É responsável pelo preparo da cana, ou seja, Opencell que oscila entre 82% a 85%, de acordo coma variedade de cana tipo de fibra, impurezas minerais e vegetais, impurezas metálicas provenientes de resíduos de manutenção feita em máquinas e equipamentos na lavoura canavieira. É composto de um rotor com93 martelos oscilantes comespessura de 2” e que transcrevemum diâmetro de 1832mm com 630 rpm, cuja potencia consumida é de 3,5 cv por tonelada de cana hora.........................................................................................................................................................................6 PENEIRA ROTATIVA.....................................................................................................Error! Bookmark not defined. TTEERRNNOO DDEE MMOOEENNDDAA...................................................................................................Error! Bookmark not defined. CCAASSTTEELLOOSS DDEE MM OOEENNDDAA............................................................................................Error! Bookmark not defined. SSããoo rreessppoonnssáávveeiiss eemm lliimmppaarr ooss ffrriissooss ddooss rroollooss,,vveeddaarr ppaarraa qquuee nnããoo ppaassssee ccaallddoo eennttrree oo ffrriissoo ddoo ppeennttee ee oo ffrriissoo ddaa mmooeennddaa eevviittaannddoo aa rreeeemmbbeebbiiççããoo ddoo bbaaggaaççoo..............................Error! Bookmark not defined. PPaassssoo 22””xx 335500 6622mmmm ddoo 1100 aaoo 5500 tteerrnnoo...................................................................Error! Bookmark not defined. PPaassssoo 11””xx 335500 2277mmmm ddoo 6600 tteerrnnoo..............................................................................Error! Bookmark not defined. Em aço 1045 fundido, localiza-se entre os rolos de entrada e saída (rolos inferiores) e sob o rolo superior........................................................................................................................Error! Bookmark not defined. Função: conduzir o bagaço parcialmente moído do rolo de entrada para o rolo de saída...........Error! Bookmark not defined. Pol do bagaço quanto menor melhor,ou seja, menor que 1,5%......................Error! Bookmark not defined.
  • 4. Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br
  • 5. Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br 1 CURSO DE AÇÚCAR, ÁLCOOL E BIOENERGIA ORIGEM DA CANA DE AÇÚCAR Admite-se que a cana de açúcar seja originária da Ásia Meridional entre as regiões de Assan e Bengala (Índia). No Brasil o primeiro engenho instalado foi fundado em 1533, por Martin Afonso de Souza, na capitania de São Vicente a 12 km da cidade de Santos com as mudas provenientes da lha da Madeira. A primeira referência positiva sobre o açúcar na forma sólida, foi na Pércia aproximadamente no ano 500 de nossa era. DEFINIÇÕES Cana-de-açúcar:É uma planta constituída deraízes, colmo,folhas e eventualmente flores,é uma gramínea do gênero Saccharun. Sacarose: É o açúcar que encontramos em maior quantidade na cana, é o açúcar que se cristaliza Caldo: Parte líquida da cana-de-açúcar constituída por água contendo, em solução, substancias como sacarose, glicose, frutose ácidos orgânicos, sais minerais. Fibra: Matéria seca e insolúvel em água contida na cana-de-açúcar. Brix: É a concentração de sólidos solúveis contidos numa solução de sacarose quimicamente pura em água. DEFINIÇÕES Pol (Abreviação de polarização): É a porcentagem em massa de sacarose aparente contida em uma solução açucarada e determinada pelo desvio provocado pela solução no plano da luz polarizada. Pureza: É a relação, em porcentagem, entre a massa de sacarose e a de sólidos solúveis totais de uma solução açucarada. Opencell: É o número de células abertas na cana preparada para ser moída no 10 terno. Embebição: Processo pelo qual água ou caldo é adicionado ao bagaço dos ternos para diluir a sacarose contida na célula da cana em beneficio da extração. Extração: É a quantidade de açúcar que se consegue extrair da cana. Bagaço: É a matéria prima para queima nas caldeiras para geração de vapor.
  • 6. Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia 2 Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br PÁTIO DE ESTOCAGEM DO BAGAÇO BALANÇA DE CANA PÁTIO DE ESTOCAGEM DE CANA Local onde todas as cargas de cana são pesadas para se obter controle da quantidade de cana recebida pela industria para serem processadas. As cargas previamente definidas para amostragem de impurezas: vegetal e mineral, assim bem como o teor de sacarose, são enviados os caminhões selecionados para coleta de amostras no laboratório de sacarose. As cargas que não estão na escala de amostragem seguem para o pátio para estocagem ou direto para as mesas alimentadoras.
  • 7. Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br 3 MESAS ALIMENTADORAS Mesa 150 ou 250 : Recebem a cana diretamente dos caminhões onde as cargas são descarregadas através de guinchos hilo, esta carga é distribuída na mesa 450 em camadas para executar uma lavagem eficiente da mesma. Mesa 450 : Recebe a cana da mesa 150 ou 250, é onde a cana é lavada e dosada na esteira para ser levada para os picadores, onde esta é preparada para a moagem. MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA –– LLIIMMPPEEZZAA AA SSEECCOO DESCARREGAMENTO NA MESA LLAAVVAAGGEEMM DDAA CCAANNAA NNAA MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA DDEESSCCAARRRREEGGAAMMEENNTTOO NNAA MMEESSAA AALLIIMMEENNTTAADDOORRAA
  • 8. Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia 4 Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br TRATAMENTO DE ÁQUA PARA LAVAGEM DA CANA LAGOAS DE DECANTAÇÃO LLAAGGOOAASS DDEE DDEECCAANNTTAAÇÇÃÃOO LLAAGGOOAASS DDEE DDEECCAANNTTAAÇÇÃÃOO PREPARO DE CANA É composto por:  Picador nivelador  Picador  Tambor alimentador  Placa desfibradora  Desfibrador PREPARO DE CANA Picador nivelador: É composto por um rotor e por facas de 1” de espessura sendo ao todo 54 peças fixadas por parafusos, está instalado a 800mm de altura da linha das correntes, sua função é de nivelar a camada de cana na esteira. A potencia instalada esta diretamente ligado ao volume de moagem e ao índice do preparo (Opencell). PREPARO DE CANA
  • 9. Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br 5 Picador : É composto por um rotor e por facas de 2” de espessura sendo ao todo 93 peças oscilantes, está instalado a 200mm de altura da linha das correntes, transcreve um diâmetro de 1820mm com 650 rpm cuja potencia consumida é de 3,5 cv por tonelada de cana hora, sua função é de nivelar a camada de cana na esteira. A potencia instalada esta diretamente ligado ao volume de moagem e ao índice do preparo (Opencell). PREPARO DE CANA Tambor alimentador: É um equipamento com diâmetro 1500mm, gira a 60 rpm, cuja função é a de forçar a passagem da cana entre o desfibrador e a placa desfibradora. Placa desfibradora: Fabricada em chapas de aço ou fundidas, com formato curvo acompanhando o diâmetro de giro dos martelos, possui na sua face interna saliências formadas por barras retangulares e é posicionada na parte superior, o espaço que fica entre a extremidade dos martelos é mínimo. TAMBOR ALIMENTADOR
  • 10. Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia 6 Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br Desfibrador: É responsável pelo preparo da cana, ou seja, Opencell que oscila entre 82% a 85%, de acordo com a variedade de cana tipo de fibra, impurezas minerais e vegetais, impurezas metálicas provenientes de resíduos de manutenção feita em máquinas e equipamentos na lavoura canavieira. É composto de um rotor com 93 martelos oscilantes com espessura de 2” e que transcrevem um diâmetro de 1832mm com 630 rpm, cuja potencia consumida é de 3,5 cv por tonelada de cana hora. PPRREEPPAARROO DDEE CCAANNAA ESPALHADOR DE CANA Após o sistema de preparo, a altura do colchão de cana é uniformizada por um equipamento chamado espalhador, que fica no ponto de descarga da esteira metálica para uma correia transportadora de borracha. Esta correia trabalha em alta velocidade constante (100 m/min) para reduzir a espessura da camada de cana e facilitar o trabalho do eletroímã. Eletroímã realiza a operação de remoção de materiais ferrosos, protegendo os equipamentos de extração, mais especificamente os rolos da moenda. FLUXOGRAMA DA MOENDA
  • 11. Técnicas de Produção de Açúcar, Etanol e Bioenergia Dinâmika Formação Profissional – dinamika@bol.com.br 7