SlideShare uma empresa Scribd logo
CCaappííttuulloo
55PPrreecciippiittaaççããoo
1. DEFINIÇÕES
Precipitação: É o processo pelo qual a água volta à terra, pela condensação do vapor d’água
contido na atmosfera.
Condensação: É o processo inverso da evaporação. Pela condensação, o vapor d’água se
transforma em água. Há uma diferença fundamental entre condensação e precipitação. Pela
condensação do vapor d’água, formam-se as nuvens e nevoeiros. Somente com a coalescência
de várias gotículas de uma nuvem ou nevoeiro, que se unem para formar gotas maiores, é que
pode ocorrer a precipitação. No processo de condensação de 1 grama de vapor d’água, é
liberada uma quantidade de calor correspondente a 590 calorias, denominada “calor latente de
vaporização” (Santos, 1971).
2. FORMAS DE PRECIPITAÇÃO
Precipitação, em Hidrologia, é o termo geral dado a todas as formas de água depositada na superfície
terrestre, tais como chuvisco, chuva, neve, saraiva, granizo, orvalho e geada.
Chuvisco (neblina ou garoa): precipitação muito fina e de baixa intensidade.
Chuva: gotas de água que descem das nuvens para a superfície. É medida em milímetros.
Neve: precipitação em forma de cristais de gelo que, durante a queda, coalescem formando
flocos de dimensões variáveis.
Saraiva: precipitação em forma de pequenas pedras de gelo arredondadas, com diâmetro de
cerca de 5mm.
Granizo: quando as pedras, redondas ou de formato irregular, atingem diâmetro superior a
5mm.
Orvalho: objetos expostos ao ar a noite, amanhecem cobertos por gotículas d'água. Isto se
dá devido ao resfriamento noturno, que baixa a temperatura até o ponto de orvalho.
Geada: é uma camada, geralmente fina, de cristais de gelo formada no solo ou na superfície
vegetal. Processo semelhante ao do orvalho, só que temperaturas inferiores a 0° C.
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
2Capítulo 5 - Precipitação
Comumente os termos precipitação e chuva se confundem, uma vez que a neve é incomum no nosso
país, e as outras formas pouco contribuem para a vazão dos rios.
3. FORMAÇÃO E TIPOS DE CHUVA
2.1. Formação
Embora a umidade atmosférica seja o elemento indispensável para a ocorrência de chuva, ela não
responde sozinha por sua formação, que está intimamente ligada a ascensão das massas de ar.
Quando ocorre esse movimento vertical e o ar é transportado para níveis mais altos, seja por
convecção , relevo ou ação frontal das massas, há uma expansão devido a diminuição da pressão.
Essa expansão é adiabática, uma vez que não há troca de calor com o ambiente. Porém, a
temperatura é reduzida, devido a energia térmica ter sido utilizada em seu processo de expansão. Com
o resfriamento, a massa de ar pode atingir seu ponto de saturação com a conseqüente condensação
do vapor em gotículas (nuvens); sua precipitação dependerá da formação de núcleo higroscópicos
para que atinjam peso suficiente para vencer as forças de sustentação.
2.2. Tipos
Como a ascensão do ar é considerada o estopim da formação das chuvas, nada mais lógico que
classificá-las segundo a causa que gerou este movimento.
Orográficas – o ar é forçado mecanicamente a transpor barreiras impostas pelo
relevo.
Figura 5.1 – Chuvas Orográficas (Fonte: FORSDYKE, 1968)
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
3Capítulo 5 - Precipitação
Convectivas – Devido ao aquecimento diferencial da superfície, podem existir
bolsões menos densos de ar envolto no ambiente, em equilíbrio instável. Este
equilíbrio pede ser rompido facilmente, acarretando a ascensão rápida do ar a grandes
altitudes (típicas de regiões tropicais).
Figura 5.2 – Chuva de convecção (Fonte: FORSDSYKE, 1968)
Ciclônicas – Devido ao movimento de massas de ar de regiões de alta para de baixa
pressões. Podem ser do tipo frontal e não frontal.
a) Frontal - Resulta da ascensão do ar quente sobre ar frio na zona de
contato entre duas massas de ar de características diferentes.
Figura 5.3 – Seção vertical de uma superfície frontal. (Fonte: FORSDSYKE, 1968)
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
4Capítulo 5 - Precipitação
b) Não frontal - É devido a uma baixa barométrica; neste caso o ar é
elevado em conseqüência de uma convergência horizontal em áreas de baixa
pressão.
4. PLUVIOMETRIA
4.1. Grandezas
As grandezas que caracterizam uma chuva são altura, duração e intensidade (Bertoni e Tucci, 1993):
Altura pluviométrica (h): é a espessura média da lâmina d’água precipitada que recobriria a
região atingida pela precipitação, admitindo-se que essa água não evaporasse, não infiltrasse,
nem se escoasse para fora dos limites da região. A unidade de medição habitual é o milímetro
de chuva, definido como a quantidade de chuva correspondente ao volume de 1 litro por metro
quadrado de superfície.
Duração (t): é o período de tempo durante o qual a chuva cai. As unidades normalmente são
o minuto ou a hora.
Intensidade (i): é a precipitação por unidade de tempo, obtida como a relação i=h/t.
Expressa-se, normalmente em mm/h
4.2. Aquisição de dados pluviométricos
A variável precipitação pode ser quantificada pontualmente, através de dois instrumentos
meteorológicos - o pluviômetro e o pluviógrafo – e espacialmente, através de radares.
A diferença básica entre pluviômetro e pluviógrafo é que este último registra automaticamente os
dados, ao contrário do pluviômetro, que requer leituras manuais a intervalos de tempo fixo. Apesar da
Organização Meteorológica Mundial tentar uniformizar a instalação dos aparelhos, existem várias
regras. Mas de uma maneira geral, admite-se que a interceptação da chuva deve ser feita a uma
altura média de 1 a 1,5 metros acima da superfície do solo. O aparelho de deve ficar longe de
qualquer obstáculo que possa prejudicar a medição (prédios, árvores, relevo, etc.).
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
5Capítulo 5 - Precipitação
Figura pág 491, Tucci Hidrologia v. 4
Pluviômetro – consiste de um receptor cilindro-cônico e de uma proveta graduada de vidro.
Consegue medir apenas a altura de precipitação. A área de interceptação não é normalizada. A
princípio o resultado independe da área, mas é preciso atenção ao calcular a lâmina precipitada:
Relação entre altura da chuva medida no pluviômetro (H) e na proveta (h):
Uma chuva de volume V e altura H é relacionada a área A de recepção do pluviômetro por:
A
V
H = , com
4
D
A
2
∏
= , sendo assim
4
D.H
V
2
∏
=
Para graduar a proveta de medição de diâmetro d e na qual o volume V de chuva determina
uma altura h (em mm), procede-se da seguinte forma:
4
d
V
h 2
∏
= ; donde
4
dh
V
2
∏
=
Assim sendo,
4
d.h
4
D.H 22
∏
=
∏
2
D
d
.hH ⎟
⎠
⎞
⎜
⎝
⎛
=
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
6Capítulo 5 - Precipitação
Estabelecida a relação entre os diâmetros da área de recepção do pluviômetro e da proveta, os valores
da chuva H podem ser facilmente estabelecidos.
Figura 5.5 – Pluviômetro
Pluviógrafo – Consiste de um registrador automático, trabalhando em associação a um
mecanismo de relógio; este imprime rotação a um cilindro, envolvido em papel
graduado, sobre o qual uma pena grafa a altura da precipitação registrada.
G. Tambor que contém o
movimento de relojoaria
a. Aro do receptor
b. Funil do receptor
t. Tubo metálico
s. Haste do flutuador
i. braço do registrador
p. Pena do registrador
T. Tubo de vidro, sifão
V. Vasilha de ferro galvanizado
d. Aba do receptor
Figura 5.6 – Desenho esquemático do Pluviógrafo de
Helmann – Fuess (Fonte: WILKEN, 1978)
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
7Capítulo 5 - Precipitação
Figura 5.7 – Pluviógrafo
Figura 5.8 – Tambor Registrador do Pluviógrafo
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
8Capítulo 5 - Precipitação
Figura 5.9 – Segmento de fita de pluviógrafo (Fonte: WILKEN, 1978)
5. PROCESSAMENTOS DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS
Uma vez coletados, os dados observados em postos pluviométricos devem ser analisados de forma a
evitar conclusões incorretas. São esse os procedimentos:
1. Detecção de erros grosseiros
• dias inexistentes
• valores anormais de precipitação
2. Preenchimento de falhas
• defeito do aparelho ou ausência de observador
• levar em conta os registro pluviométricos de três estações vizinhas
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
9Capítulo 5 - Precipitação
⎟
⎟
⎠
⎞
⎜
⎜
⎝
⎛
++= CBA P.P.P.
3
1
C
x
B
x
A
x
x
P
P
P
P
P
P
P (5.1)
onde: Px – precipitação ausente no posto X
PA, PB, PC - precipitação postos vizinhos A, B e C
XP , AP , BP , CP – precipitação média anual nos postos X, A, B e C
3. Análise de dupla massa
Verifica a homogeneidade dos dados, isto é, se houve alguma anormalidade na estação tais como
mudanças de local, nas condições do aparelho ou no método de observação, indicada pela mudança
na declividade da reta.
Figura 5.10 – Verificação da homogeneidade dos dados. (Fonte: VILLELA, 1975)
o
o
a
P
M
M
Pa .= (5.2)
Onde:
Pa – observações ajustadas às condições atuais.
Po – dados a serem corrigidos.
Mo – declividade da reta período anterior.
Ma – declividade da reta mais recente.
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
10Capítulo 5 - Precipitação
6. PRECIPITAÇÃO MÉDIA EM UMA BACIA
A maioria dos problemas hidrológicos requer a determinação da altura de chuva ocorrida em uma
bacia hidrográfica. Devido a precipitação, pela própria natureza do fenômeno, não ocorrer de modo
uniforme sobre toda a bacia, é necessário calcular a altura média precipitada.
6.1. Método Aritmético
Este método consiste em se calcular a média aritmética de todos os postos situados dentro da área de
estudo. É o de maior simplicidade, porém apresenta algumas restrições quanto ao seu uso, tais como:
os postos devem ser uniformemente distribuídos, os valores de cada posto devem estar próximos ao
da média e o relevo deve ser o mais plano possível.
6.2. Método de Thiessen
Este método pode ser usado para aparelhos não uniformemente distribuídos, uma vez que o mesmo
pondera os valores obtidos em cada posto por sua zona de influência, como se segue:
1. De posse do mapa da bacia hidrográfica unir os postos pluviométricos adjacentes por
linhas retas.
2. Traçar as mediatrizes dessas retas formando polígonos.
3. Os lados dos polígonos são os limites das áreas de influência de cada estação.
4. A precipitação média sobre a bacia é calculada por:
∑
∑=
i
ii
A
A.P
h (5.3)
onde:
Pi = precipitação observada no posto;
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
11Capítulo 5 - Precipitação
Ai = área de influência do postos;
∑A = área total da bacia.
Figura 5.11 – Método de Thiessen
6.3. Métodos das Isoietas
Considerado o mais preciso, este método baseia-se em curvas de igual precipitação. A dificuldade
maior em sua implementação consiste no traçado desta curvas, que requer sensibilidade do analista. O
método é detalhado a seguir:
1. De posse dos dados pluviométricos obtidos nos postos da bacia, traçar curvas de igual
precipitação (ISOIETAS). O procedimento é semelhante ao adotado para curvas de
nível.
2. Calcular para cada par sucessivo de isoietas o valor médio da altura de chuva
precipitada.
3. Planimetrar as áreas entre isoietas sucessivas.
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
12Capítulo 5 - Precipitação
4. Calcular a média ponderada dos valores obtidos no passo 2, tomando como peso a
área planimetrada correspondente. A média obtida corresponde à precipitação média
sobre a bacia em analise.
( )( )
A
A.
2
hh
h
i
i 1i∑ +
+
= (5.4)
onde:
hi = valor da isoieta da origem i
Ai = área entre isoietas sucessivas
A = área total
7. CHUVAS MÁXIMAS
É de grande interesse para a hidrologia o conhecimento das características das precipitações. Para
projetos de vertedores de barragens, dimensionamento de canais, dimensionamento de bueiros, etc, é
necessário o conhecimento, a priori, da magnitude das enchentes que podem acontecer com uma
determinada freqüência. Portanto, é necessário conhecer-se as precipitações máximas esperadas.
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
13Capítulo 5 - Precipitação
Entretanto, deve-se levar em conta também o fator de ordem econômica, e assim corre-se o risco da
obra falhar durante sua vida útil. É necessário, portanto, conhecer esse risco. Para isso, analisa-se
estatisticamente as precipitações observadas nos postos pluviométricos verificando-se com que
freqüência as mesmas assumiram uma determinada magnitude.
7.1. Período de Retorno
O período de retorno (ou tempo de recorrência) de um evento é o tempo médio (em anos) em
que esse evento é superado ou igualado pelo menos uma vez. É definido por:
P
Tr
1
= (5.5)
Se o período de retorno for bem inferior ao número de anos de observação, “F” poderá dar uma
boa idéia do valor real de “P”. Entretanto, para grandes períodos de retorno, as observações deverão
ser ajustadas a uma distribuição de probabilidades, de modo que o cálculo da probabilidade possa ser
efetuado de modo mais correto.
É importante salientar o caráter não-cíclico dos eventos randômicos, ou seja, uma enchente com
período de retorno de 100 anos (que ocorre, em média, a cada 100 anos) pode ocorrer no próximo
ano, ou pode não ocorrer nos próximos 200 anos, (ou ainda pode ser superada diversas vezes nos
próximos 100 anos).
7.2. Série Anual X Série Parcial
Na análise da freqüência de fenômenos hidrológicos, tais como precipitação e vazão, os dados podem
estar dispostos em dois tipos de séries: séries anuais (de valores máximos anuais) e séries parciais
(aquelas que apresentam valores superiores a uma certa base).
Em termos práticos, a seleção de uma das séries deve ser julgada pelo tipo de estrutura ou projeto.
Na série anual, apenas o valor máximo de cada ano é utilizado na análise. Esse tipo de série tem seu
emprego em projetos de dimensionamento para condições críticas, tais como vertedouros de
barragens, onde o valor máximo é que importa, uma vez que a obra já está comprometida quando da
sua ocorrência, não mais importando o segundo ou terceiro maiores valores.
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
14Capítulo 5 - Precipitação
As séries de duração parcial são formadas pela seleção de valores situados acima de determinado
patamar, podendo ser escolhidos mais de um valor para um mesmo ano. Deste modo, não se pode
esperar que os dados desse tipo de série se ajustem a uma distribuição de probabilidades. Esse tipo de
série é freqüentemente utilizado, por exemplo, para avaliar danos em fundações de pontes causadas
pela repetição de enchentes.
É importante observar ainda a diferença entre os significados dos períodos de retorno entre as duas
séries. Na série anual, é o intervalo médio em que o evento tornará a ocorrer com um máximo anual;
na série parcial, é o intervalo médio entre eventos de dados valor, sem considerar a relação com o
ano.
Tabela 5.1 – Correspondência entre os períodos de retorno das séries anual (Tra) e parcial (Trp).
Tra Trp
2 1,44
5 4,48
10 9,49
15 14,49
20 19,47
25 24,50
50 49,50
75 74,63
100 99,01
9. CHUVAS INTENSAS
Para o dimensionamento de estruturas hidráulicas, o hidrólogo deve determinar a chuva de
maior intensidade que se pode esperar que ocorra com uma dada freqüência. A utilização prática
desse dados requer que se estabeleça uma relação analítica entre as grandezas características de uma
precipitação, quais sejam, a intensidade (i), a duração (t) e a freqüência (P).
A equação da chuva, particular de cada localidade, é obtida partir de registros de pluviógrafos,
estabelecendo-se para cada duração de chuva, as máximas intensidades. A representação geral de
uma equação de chuvas intensas tem a forma:
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
15Capítulo 5 - Precipitação
( )b
d
ct
TB
i r
+
= (6.1)
onde: Tr – período de retorno
T - duração
B,d,c,b – constantes
i - mm/h
Equações de chuvas para algumas capitais brasileiras.
Fortaleza
)8t(
T99,506
i
0,61
0,18
t
+
= (6.2)
Rio de Janeiro
)26t(
T154,99
i 1,15
0,217
t
+
= (6.3)
Curitiba
)20t(
T1239
i
0,74
0,15
t
+
= (6.4)
Belo Horizonte
)8t(
T87,1447
i 0,84
0,10
t
+
= (6.5)
Para cidades que não tenham suas equações de chuva estabelecidas, faz-se uso de outros
métodos para a determinação de chuvas intensas para dada duração e período de retorno.
1. Método do Prof. Otto Pfafstetter
Analisando 98 postos pluviométricos, de períodos de observação variados, Otto Pfafstetter
apresenta em seu livro “Chuvas intensas no brasil”, gráficos em escala bilogarítmica, associando a
altura da precipitação ( P ) com seu período de retorno ( T ) e duração ( t ).
No trabalho, foi empregada uma fórmula empírica original, com a expressão analítica:
(( t.c1log.bt.a. ++⎟
⎠
⎞
⎜
⎝
⎛
+= α
α
T
B
TP )) (6.6)
onde a, b, e c são valores característicos de cada posto e α e β são função da duração ( t ).
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
16Capítulo 5 - Precipitação
2. Método de Taborga Torrigo
Sendo limitado o número de informações pluviográficas, notadamente em bacias de pequena
área, Taborga Torrigo propôs um método que prescinde de registros em pluviograma, sendo
suficientes dados diários de pluviômetros.
O método tem por base o estabelecimento de “Isozonas”, os quais constituem zonas geográficas
nas quais a relação entre as alturas de chuva de 1 hora e 24 horas é constante para um dado período
de retorno (Figura 6.12).
Figura 6.12 – Isozonas do Brasil (Fonte: Torrico, 1974)
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
17Capítulo 5 - Precipitação
Exemplo de aplicação:
1. Compor série de precipitações máximas anuais.
Tabela 6.2 – Chuvas máximas diárias anuais observadas em Várzea Alegre no período de 1913/1972.
Ano Chuva(mm) Ano Chuva(mm) Ano Chuva(mm)
1913 64,4 1933 68,8 1953 48,4
1914 114,5 1934 68,0 1954 54,0
1915 60,1 1935 88,0 1955 103,5
1916 64,5 1936 81,3 1956 90,0
1917 85,0 1937 79,0 1957 72,0
1918 63,2 1938 72,2 1958 80,5
1919 46,0 1939 87,8 1959 78,0
1920 69,5 1940 78,0 1960 127,0
1921 63,0 1941 60,7 1961 76,0
1922 57,0 1942 130,2 1962 75,3
1923 60,8 1943 51,0 1963 132,0
1924 80,7 1944 128,0 1964 67,6
1925 61,7 1945 --- 1965 95,0
1926 80,7 1946 118,5 1966 174,5
1927 60,4 1947 --- 1967 74,3
1928 94,7 1948 --- 1968 101,3
1929 59,0 1949 76,5 1969 45,1
1930 82,2 1950 95,6 1970 85,1
1931 79,2 1951 105,2 1971 ---
1932 46,2 1952 70,0 1972 133,0
Fonte: DNOCS – COMAI/Sistema de Informações de Recursos Hídricos – listagem de computador.
2. Ajustar a série a um modelo probabilístico, verificando a qualidade do ajustamento.
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
18Capítulo 5 - Precipitação
Figura 6.13 – Ajustamento à Função Gamma II
3. Obter as precipitações associadas aos diversos períodos de retorno.
TR = 100 anos, P = 154,4 mm
TR = 200 anos, P = 164,7 mm
TR = 500 anos, P = 178,2 mm
TR = 1000 anos, P = 186,2 mm
4. Calcular chuva virtual de 24 horas (P24h = 1,1 P1dia)
Tabela 6.3 – Chuvas virtuais de 24 horas de duração ( P24h) em
Várzea Alegre, para período de retorno de 100, 200, 500
e 1000 anos.
TR(anos) Prec. Diária (mm) P24h (mm)
100 154,4 169,8
200 164,7 181,2
500 178,2 196,0
1000 186,2 204,0
5. Determinação da Isozona a qual pertence a bacia (Figura 6.14)
isozona G
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
19Capítulo 5 - Precipitação
6. Extrair das tabelas das isozonas o valor de R associado a cada período de retorno.
7. Computar, para cada período de retorno, a precipitação de 1 hora de duração.
P1hora = R . P24horas (6.7)
Tabela 6.4 – Valores das precipitações intensas pontual de 1 e 24 horas de duração
para TR = 100, 200, 500 e 1000 anos, em Várzea Alegre.
TR (anos) Po24h (mm) R P1h (mm)
100 169,8 0,459 77,9
200 181,2 0,455* 82,4
500 196,0 0,449* 88,0
1000 204,8 0,445 91,1
* Valores obtidos por interpolação logarítmica.
8. Converter a chuva pontual em chuva espacial, através da relação:
⎟
⎟
⎠
⎞
⎜
⎜
⎝
⎛
−=
Oo
a
A
A
logW1
P
P
(6.8)
Onde:
Pa = precipitação média sobre a bacia;
Po = precipitação no centro de gravidade da bacia, tomada igual a precipitação em Várzea
Alegre;
W = constante que depende do local (0,22 para região Nordeste do Brasil);
A = área da bacia hidrográfica (71,8 km2
);
A0 = área base na qual Pa = P0 (25 km2
).
9,0
P
P
o
a
= (6.9)
No que tange o parâmetro w, normalmente adotado como sendo 0,22 em projetos hidrológicos
na Região Nordeste, Meneses Filho (1991) alerta que seu valor é específico para cada duração de
chuva, indicando, para duração de 1 a 6 dias, os valores 0,16, 0,12, 0,11 0,09, 0,08 e 0,07,
respectivamente. Segundo o autor, a adoção do valor 0,22 conduziria a uma "superestimativa da
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
20Capítulo 5 - Precipitação
redução espacial da chuva, ou seja, a computarem-se menores valores de precipitação média
superficial".
Tabela 6.5 – Valores das precipitações intensas espacial de 1 e 24 horas de
duração para TR = 100, 200, 500 e 1000 anos distribuídos na bacia
do açude Várzea Alegre.
TR (anos) Pa – 24h (mm) Pa – 1h (mm)
100 152,8 70,1
200 163,1 74,2
500 176,4 79,2
1000 184,3 82,0
9. Determinação das precipitações intensas para durações entre 1 e 24 horas – a determinação
das precipitações intensas para essas durações é obtidas plotando-se em papel de probabilidades os
valores para 1 e 24 horas e ligando-se por uma reta (Figura 6.15).
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
21Capítulo 5 - Precipitação
Figura 6.14 – Isozonas Nordeste do do Brasil
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart
22Capítulo 5 - Precipitação
Gráfico IDF
0
50
100
150
200
250
0,1 1 10 100
Tempo de duração (em horas)
Alturadechuva(mm)
100 200 500 1.000
Figura 6.15 – Curvas Altura x Duração x Freqüência. Açude Várzea Alegre
Notas de Aula – Profa
. Ticiana Marinho de Carvalho Studart

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Exercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulicaExercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulica
Sérgio Lessa
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Danilo Max
 
Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1
Ronaldo Cesar
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
Jose Luis Prado Sánchez
 
Hidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisHidráulica de Canais
Hidráulica de Canais
Danilo Max
 
Exercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicaExercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulica
fernando correa
 
Taa 6
Taa 6Taa 6
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Danilo Max
 
Aula04 precipitação
Aula04   precipitaçãoAula04   precipitação
Aula04 precipitação
Tener Rodrigues da Rosa
 
Topografia basica
Topografia basicaTopografia basica
Topografia basica
Thalles Barbosa
 
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2   exercício od tratamento de águas residuáriasAula 2   exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Giovanna Ortiz
 
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
Hidrologia UFC
 
Definição..
Definição..Definição..
Definição..
Ronaldo Conceição
 
4 exercícios de hidrodinâmica - 1 2014
4   exercícios de hidrodinâmica - 1  20144   exercícios de hidrodinâmica - 1  2014
4 exercícios de hidrodinâmica - 1 2014
Carolina Patricio
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Danilo Max
 
Livro fenômenos de transporte celso livi
Livro fenômenos de transporte celso liviLivro fenômenos de transporte celso livi
Livro fenômenos de transporte celso livi
Ma Dos Anjos Pacheco
 
Mec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidosMec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidos
Adriana Inokuma
 
Aula método racional
Aula método racionalAula método racional
Aula método racional
Cristhiane Okawa
 
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Giovanna Ortiz
 
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
UFMT
 

Mais procurados (20)

Exercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulicaExercicios resolvidos de_hidraulica
Exercicios resolvidos de_hidraulica
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
 
Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1Hidrologia Aula 1
Hidrologia Aula 1
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
 
Hidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisHidráulica de Canais
Hidráulica de Canais
 
Exercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicaExercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulica
 
Taa 6
Taa 6Taa 6
Taa 6
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
 
Aula04 precipitação
Aula04   precipitaçãoAula04   precipitação
Aula04 precipitação
 
Topografia basica
Topografia basicaTopografia basica
Topografia basica
 
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2   exercício od tratamento de águas residuáriasAula 2   exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
 
Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)Regularização de Vazões (Parte I)
Regularização de Vazões (Parte I)
 
Definição..
Definição..Definição..
Definição..
 
4 exercícios de hidrodinâmica - 1 2014
4   exercícios de hidrodinâmica - 1  20144   exercícios de hidrodinâmica - 1  2014
4 exercícios de hidrodinâmica - 1 2014
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
 
Livro fenômenos de transporte celso livi
Livro fenômenos de transporte celso liviLivro fenômenos de transporte celso livi
Livro fenômenos de transporte celso livi
 
Mec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidosMec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidos
 
Aula método racional
Aula método racionalAula método racional
Aula método racional
 
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
 
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
 

Destaque

Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Danilo Max
 
Hidrologia
HidrologiaHidrologia
Hidrologia
lipemodesto
 
Hidrologia 4
Hidrologia 4Hidrologia 4
Hidrologia 4
lipemodesto
 
Hidrologia 3
Hidrologia 3Hidrologia 3
Hidrologia 3
lipemodesto
 
Hidrologia 2
Hidrologia 2Hidrologia 2
Hidrologia 2
lipemodesto
 
Hidrologia 6
Hidrologia 6Hidrologia 6
Hidrologia 6
lipemodesto
 
Hidrologia 5
Hidrologia 5Hidrologia 5
Hidrologia 5
lipemodesto
 
Hidrologia Geral
Hidrologia GeralHidrologia Geral
Hidrologia Geral
Thalles Barbosa
 
Hidrologia 7
Hidrologia 7Hidrologia 7
Hidrologia 7
lipemodesto
 
Apostila de Hidrologia Aplicada
Apostila de Hidrologia  AplicadaApostila de Hidrologia  Aplicada
Apostila de Hidrologia Aplicada
Roberta Araújo
 

Destaque (11)

Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
 
Hidrologia
HidrologiaHidrologia
Hidrologia
 
Hidrologia 4
Hidrologia 4Hidrologia 4
Hidrologia 4
 
Hidrologia 3
Hidrologia 3Hidrologia 3
Hidrologia 3
 
Hidrologia 2
Hidrologia 2Hidrologia 2
Hidrologia 2
 
Hidrologia 6
Hidrologia 6Hidrologia 6
Hidrologia 6
 
Hidrologia 5
Hidrologia 5Hidrologia 5
Hidrologia 5
 
Hidrologia Geral
Hidrologia GeralHidrologia Geral
Hidrologia Geral
 
Hidrologia 7
Hidrologia 7Hidrologia 7
Hidrologia 7
 
Apostila de Hidrologia Aplicada
Apostila de Hidrologia  AplicadaApostila de Hidrologia  Aplicada
Apostila de Hidrologia Aplicada
 

Semelhante a Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação

Cap 5 precipitacao_2004
Cap 5 precipitacao_2004Cap 5 precipitacao_2004
Cap 5 precipitacao_2004
Danilo Nogueira
 
Precipitação
PrecipitaçãoPrecipitação
Precipitação
Vilobaldo Arquivila
 
Chuva - Aula
Chuva - AulaChuva - Aula
Chuva - Aula
Alinehl
 
Geo clima
Geo climaGeo clima
Geo clima
PedroFrancisco84
 
Aula curso midias virtuais ciclo hidrológico
Aula curso midias virtuais ciclo hidrológicoAula curso midias virtuais ciclo hidrológico
Aula curso midias virtuais ciclo hidrológico
HENIO MELO
 
Climatologia
Climatologia   Climatologia
Climatologia
Luciano Pessanha
 
Clima 6 umidade atmosférica
Clima 6   umidade atmosféricaClima 6   umidade atmosférica
Clima 6 umidade atmosférica
Walbruni
 
Apostila(cap3 parte1)
Apostila(cap3   parte1)Apostila(cap3   parte1)
Apostila(cap3 parte1)
Carlos G. Soares
 
Clima e tempo cap 14 15 16
Clima e tempo cap 14 15 16Clima e tempo cap 14 15 16
Clima e tempo cap 14 15 16
Christie Freitas
 
Bacias
BaciasBacias
Bacias
BaciasBacias
Bacias
unesp
 
Precipitações, sua classificação, distribuição
Precipitações, sua classificação, distribuiçãoPrecipitações, sua classificação, distribuição
Precipitações, sua classificação, distribuição
ValdemarFonseca1
 
06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf
EdicarlosDourado
 
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Hidrologia básica
Hidrologia básicaHidrologia básica
Hidrologia básica
Micaelle Paixão
 
Causa das influeencia dos clima no mundo
Causa das influeencia dos clima no mundoCausa das influeencia dos clima no mundo
Causa das influeencia dos clima no mundo
Filipe Simão Kembo
 
Sensoriamento remoto
Sensoriamento remotoSensoriamento remoto
Sensoriamento remoto
Pessoal
 
Climatologia variabilidade climática e mudanças climáticas - rangel de oliv...
Climatologia   variabilidade climática e mudanças climáticas - rangel de oliv...Climatologia   variabilidade climática e mudanças climáticas - rangel de oliv...
Climatologia variabilidade climática e mudanças climáticas - rangel de oliv...
rangel1976
 
Hidrometeorologia
Hidrometeorologia Hidrometeorologia
Hidrometeorologia
Hidrologia UFC
 
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.pptaFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
VictorLuisDaSilva1
 

Semelhante a Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação (20)

Cap 5 precipitacao_2004
Cap 5 precipitacao_2004Cap 5 precipitacao_2004
Cap 5 precipitacao_2004
 
Precipitação
PrecipitaçãoPrecipitação
Precipitação
 
Chuva - Aula
Chuva - AulaChuva - Aula
Chuva - Aula
 
Geo clima
Geo climaGeo clima
Geo clima
 
Aula curso midias virtuais ciclo hidrológico
Aula curso midias virtuais ciclo hidrológicoAula curso midias virtuais ciclo hidrológico
Aula curso midias virtuais ciclo hidrológico
 
Climatologia
Climatologia   Climatologia
Climatologia
 
Clima 6 umidade atmosférica
Clima 6   umidade atmosféricaClima 6   umidade atmosférica
Clima 6 umidade atmosférica
 
Apostila(cap3 parte1)
Apostila(cap3   parte1)Apostila(cap3   parte1)
Apostila(cap3 parte1)
 
Clima e tempo cap 14 15 16
Clima e tempo cap 14 15 16Clima e tempo cap 14 15 16
Clima e tempo cap 14 15 16
 
Bacias
BaciasBacias
Bacias
 
Bacias
BaciasBacias
Bacias
 
Precipitações, sua classificação, distribuição
Precipitações, sua classificação, distribuiçãoPrecipitações, sua classificação, distribuição
Precipitações, sua classificação, distribuição
 
06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf
 
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
 
Hidrologia básica
Hidrologia básicaHidrologia básica
Hidrologia básica
 
Causa das influeencia dos clima no mundo
Causa das influeencia dos clima no mundoCausa das influeencia dos clima no mundo
Causa das influeencia dos clima no mundo
 
Sensoriamento remoto
Sensoriamento remotoSensoriamento remoto
Sensoriamento remoto
 
Climatologia variabilidade climática e mudanças climáticas - rangel de oliv...
Climatologia   variabilidade climática e mudanças climáticas - rangel de oliv...Climatologia   variabilidade climática e mudanças climáticas - rangel de oliv...
Climatologia variabilidade climática e mudanças climáticas - rangel de oliv...
 
Hidrometeorologia
Hidrometeorologia Hidrometeorologia
Hidrometeorologia
 
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.pptaFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
aFATORES QUE INFLUENCIAM NOS CLIMAS.ppt
 

Mais de Danilo Max

Prova 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos HídricosProva 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Danilo Max
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Danilo Max
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Danilo Max
 
Prova 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos HídricosProva 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Prova 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos HídricosProva 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Links para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos HídricosLinks para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: InfiltraçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Danilo Max
 
Medidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de VertedoresMedidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de Vertedores
Danilo Max
 
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e CanaisObras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Danilo Max
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
Danilo Max
 
Construção de Obras Hidráulicas
Construção de Obras Hidráulicas Construção de Obras Hidráulicas
Construção de Obras Hidráulicas
Danilo Max
 
Recursos Hídricos no Brasil e no Mundo
Recursos Hídricos no Brasil e no MundoRecursos Hídricos no Brasil e no Mundo
Recursos Hídricos no Brasil e no Mundo
Danilo Max
 

Mais de Danilo Max (20)

Prova 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos HídricosProva 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos Hídricos
 
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
 
Prova 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos HídricosProva 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos Hídricos
 
Prova 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos HídricosProva 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos Hídricos
 
Links para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos HídricosLinks para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos Hídricos
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: InfiltraçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
 
Medidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de VertedoresMedidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de Vertedores
 
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e CanaisObras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
 
Construção de Obras Hidráulicas
Construção de Obras Hidráulicas Construção de Obras Hidráulicas
Construção de Obras Hidráulicas
 
Recursos Hídricos no Brasil e no Mundo
Recursos Hídricos no Brasil e no MundoRecursos Hídricos no Brasil e no Mundo
Recursos Hídricos no Brasil e no Mundo
 

Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação

  • 1. CCaappííttuulloo 55PPrreecciippiittaaççããoo 1. DEFINIÇÕES Precipitação: É o processo pelo qual a água volta à terra, pela condensação do vapor d’água contido na atmosfera. Condensação: É o processo inverso da evaporação. Pela condensação, o vapor d’água se transforma em água. Há uma diferença fundamental entre condensação e precipitação. Pela condensação do vapor d’água, formam-se as nuvens e nevoeiros. Somente com a coalescência de várias gotículas de uma nuvem ou nevoeiro, que se unem para formar gotas maiores, é que pode ocorrer a precipitação. No processo de condensação de 1 grama de vapor d’água, é liberada uma quantidade de calor correspondente a 590 calorias, denominada “calor latente de vaporização” (Santos, 1971). 2. FORMAS DE PRECIPITAÇÃO Precipitação, em Hidrologia, é o termo geral dado a todas as formas de água depositada na superfície terrestre, tais como chuvisco, chuva, neve, saraiva, granizo, orvalho e geada. Chuvisco (neblina ou garoa): precipitação muito fina e de baixa intensidade. Chuva: gotas de água que descem das nuvens para a superfície. É medida em milímetros. Neve: precipitação em forma de cristais de gelo que, durante a queda, coalescem formando flocos de dimensões variáveis. Saraiva: precipitação em forma de pequenas pedras de gelo arredondadas, com diâmetro de cerca de 5mm. Granizo: quando as pedras, redondas ou de formato irregular, atingem diâmetro superior a 5mm. Orvalho: objetos expostos ao ar a noite, amanhecem cobertos por gotículas d'água. Isto se dá devido ao resfriamento noturno, que baixa a temperatura até o ponto de orvalho. Geada: é uma camada, geralmente fina, de cristais de gelo formada no solo ou na superfície vegetal. Processo semelhante ao do orvalho, só que temperaturas inferiores a 0° C. Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 2. 2Capítulo 5 - Precipitação Comumente os termos precipitação e chuva se confundem, uma vez que a neve é incomum no nosso país, e as outras formas pouco contribuem para a vazão dos rios. 3. FORMAÇÃO E TIPOS DE CHUVA 2.1. Formação Embora a umidade atmosférica seja o elemento indispensável para a ocorrência de chuva, ela não responde sozinha por sua formação, que está intimamente ligada a ascensão das massas de ar. Quando ocorre esse movimento vertical e o ar é transportado para níveis mais altos, seja por convecção , relevo ou ação frontal das massas, há uma expansão devido a diminuição da pressão. Essa expansão é adiabática, uma vez que não há troca de calor com o ambiente. Porém, a temperatura é reduzida, devido a energia térmica ter sido utilizada em seu processo de expansão. Com o resfriamento, a massa de ar pode atingir seu ponto de saturação com a conseqüente condensação do vapor em gotículas (nuvens); sua precipitação dependerá da formação de núcleo higroscópicos para que atinjam peso suficiente para vencer as forças de sustentação. 2.2. Tipos Como a ascensão do ar é considerada o estopim da formação das chuvas, nada mais lógico que classificá-las segundo a causa que gerou este movimento. Orográficas – o ar é forçado mecanicamente a transpor barreiras impostas pelo relevo. Figura 5.1 – Chuvas Orográficas (Fonte: FORSDYKE, 1968) Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 3. 3Capítulo 5 - Precipitação Convectivas – Devido ao aquecimento diferencial da superfície, podem existir bolsões menos densos de ar envolto no ambiente, em equilíbrio instável. Este equilíbrio pede ser rompido facilmente, acarretando a ascensão rápida do ar a grandes altitudes (típicas de regiões tropicais). Figura 5.2 – Chuva de convecção (Fonte: FORSDSYKE, 1968) Ciclônicas – Devido ao movimento de massas de ar de regiões de alta para de baixa pressões. Podem ser do tipo frontal e não frontal. a) Frontal - Resulta da ascensão do ar quente sobre ar frio na zona de contato entre duas massas de ar de características diferentes. Figura 5.3 – Seção vertical de uma superfície frontal. (Fonte: FORSDSYKE, 1968) Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 4. 4Capítulo 5 - Precipitação b) Não frontal - É devido a uma baixa barométrica; neste caso o ar é elevado em conseqüência de uma convergência horizontal em áreas de baixa pressão. 4. PLUVIOMETRIA 4.1. Grandezas As grandezas que caracterizam uma chuva são altura, duração e intensidade (Bertoni e Tucci, 1993): Altura pluviométrica (h): é a espessura média da lâmina d’água precipitada que recobriria a região atingida pela precipitação, admitindo-se que essa água não evaporasse, não infiltrasse, nem se escoasse para fora dos limites da região. A unidade de medição habitual é o milímetro de chuva, definido como a quantidade de chuva correspondente ao volume de 1 litro por metro quadrado de superfície. Duração (t): é o período de tempo durante o qual a chuva cai. As unidades normalmente são o minuto ou a hora. Intensidade (i): é a precipitação por unidade de tempo, obtida como a relação i=h/t. Expressa-se, normalmente em mm/h 4.2. Aquisição de dados pluviométricos A variável precipitação pode ser quantificada pontualmente, através de dois instrumentos meteorológicos - o pluviômetro e o pluviógrafo – e espacialmente, através de radares. A diferença básica entre pluviômetro e pluviógrafo é que este último registra automaticamente os dados, ao contrário do pluviômetro, que requer leituras manuais a intervalos de tempo fixo. Apesar da Organização Meteorológica Mundial tentar uniformizar a instalação dos aparelhos, existem várias regras. Mas de uma maneira geral, admite-se que a interceptação da chuva deve ser feita a uma altura média de 1 a 1,5 metros acima da superfície do solo. O aparelho de deve ficar longe de qualquer obstáculo que possa prejudicar a medição (prédios, árvores, relevo, etc.). Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 5. 5Capítulo 5 - Precipitação Figura pág 491, Tucci Hidrologia v. 4 Pluviômetro – consiste de um receptor cilindro-cônico e de uma proveta graduada de vidro. Consegue medir apenas a altura de precipitação. A área de interceptação não é normalizada. A princípio o resultado independe da área, mas é preciso atenção ao calcular a lâmina precipitada: Relação entre altura da chuva medida no pluviômetro (H) e na proveta (h): Uma chuva de volume V e altura H é relacionada a área A de recepção do pluviômetro por: A V H = , com 4 D A 2 ∏ = , sendo assim 4 D.H V 2 ∏ = Para graduar a proveta de medição de diâmetro d e na qual o volume V de chuva determina uma altura h (em mm), procede-se da seguinte forma: 4 d V h 2 ∏ = ; donde 4 dh V 2 ∏ = Assim sendo, 4 d.h 4 D.H 22 ∏ = ∏ 2 D d .hH ⎟ ⎠ ⎞ ⎜ ⎝ ⎛ = Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 6. 6Capítulo 5 - Precipitação Estabelecida a relação entre os diâmetros da área de recepção do pluviômetro e da proveta, os valores da chuva H podem ser facilmente estabelecidos. Figura 5.5 – Pluviômetro Pluviógrafo – Consiste de um registrador automático, trabalhando em associação a um mecanismo de relógio; este imprime rotação a um cilindro, envolvido em papel graduado, sobre o qual uma pena grafa a altura da precipitação registrada. G. Tambor que contém o movimento de relojoaria a. Aro do receptor b. Funil do receptor t. Tubo metálico s. Haste do flutuador i. braço do registrador p. Pena do registrador T. Tubo de vidro, sifão V. Vasilha de ferro galvanizado d. Aba do receptor Figura 5.6 – Desenho esquemático do Pluviógrafo de Helmann – Fuess (Fonte: WILKEN, 1978) Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 7. 7Capítulo 5 - Precipitação Figura 5.7 – Pluviógrafo Figura 5.8 – Tambor Registrador do Pluviógrafo Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 8. 8Capítulo 5 - Precipitação Figura 5.9 – Segmento de fita de pluviógrafo (Fonte: WILKEN, 1978) 5. PROCESSAMENTOS DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS Uma vez coletados, os dados observados em postos pluviométricos devem ser analisados de forma a evitar conclusões incorretas. São esse os procedimentos: 1. Detecção de erros grosseiros • dias inexistentes • valores anormais de precipitação 2. Preenchimento de falhas • defeito do aparelho ou ausência de observador • levar em conta os registro pluviométricos de três estações vizinhas Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 9. 9Capítulo 5 - Precipitação ⎟ ⎟ ⎠ ⎞ ⎜ ⎜ ⎝ ⎛ ++= CBA P.P.P. 3 1 C x B x A x x P P P P P P P (5.1) onde: Px – precipitação ausente no posto X PA, PB, PC - precipitação postos vizinhos A, B e C XP , AP , BP , CP – precipitação média anual nos postos X, A, B e C 3. Análise de dupla massa Verifica a homogeneidade dos dados, isto é, se houve alguma anormalidade na estação tais como mudanças de local, nas condições do aparelho ou no método de observação, indicada pela mudança na declividade da reta. Figura 5.10 – Verificação da homogeneidade dos dados. (Fonte: VILLELA, 1975) o o a P M M Pa .= (5.2) Onde: Pa – observações ajustadas às condições atuais. Po – dados a serem corrigidos. Mo – declividade da reta período anterior. Ma – declividade da reta mais recente. Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 10. 10Capítulo 5 - Precipitação 6. PRECIPITAÇÃO MÉDIA EM UMA BACIA A maioria dos problemas hidrológicos requer a determinação da altura de chuva ocorrida em uma bacia hidrográfica. Devido a precipitação, pela própria natureza do fenômeno, não ocorrer de modo uniforme sobre toda a bacia, é necessário calcular a altura média precipitada. 6.1. Método Aritmético Este método consiste em se calcular a média aritmética de todos os postos situados dentro da área de estudo. É o de maior simplicidade, porém apresenta algumas restrições quanto ao seu uso, tais como: os postos devem ser uniformemente distribuídos, os valores de cada posto devem estar próximos ao da média e o relevo deve ser o mais plano possível. 6.2. Método de Thiessen Este método pode ser usado para aparelhos não uniformemente distribuídos, uma vez que o mesmo pondera os valores obtidos em cada posto por sua zona de influência, como se segue: 1. De posse do mapa da bacia hidrográfica unir os postos pluviométricos adjacentes por linhas retas. 2. Traçar as mediatrizes dessas retas formando polígonos. 3. Os lados dos polígonos são os limites das áreas de influência de cada estação. 4. A precipitação média sobre a bacia é calculada por: ∑ ∑= i ii A A.P h (5.3) onde: Pi = precipitação observada no posto; Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 11. 11Capítulo 5 - Precipitação Ai = área de influência do postos; ∑A = área total da bacia. Figura 5.11 – Método de Thiessen 6.3. Métodos das Isoietas Considerado o mais preciso, este método baseia-se em curvas de igual precipitação. A dificuldade maior em sua implementação consiste no traçado desta curvas, que requer sensibilidade do analista. O método é detalhado a seguir: 1. De posse dos dados pluviométricos obtidos nos postos da bacia, traçar curvas de igual precipitação (ISOIETAS). O procedimento é semelhante ao adotado para curvas de nível. 2. Calcular para cada par sucessivo de isoietas o valor médio da altura de chuva precipitada. 3. Planimetrar as áreas entre isoietas sucessivas. Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 12. 12Capítulo 5 - Precipitação 4. Calcular a média ponderada dos valores obtidos no passo 2, tomando como peso a área planimetrada correspondente. A média obtida corresponde à precipitação média sobre a bacia em analise. ( )( ) A A. 2 hh h i i 1i∑ + + = (5.4) onde: hi = valor da isoieta da origem i Ai = área entre isoietas sucessivas A = área total 7. CHUVAS MÁXIMAS É de grande interesse para a hidrologia o conhecimento das características das precipitações. Para projetos de vertedores de barragens, dimensionamento de canais, dimensionamento de bueiros, etc, é necessário o conhecimento, a priori, da magnitude das enchentes que podem acontecer com uma determinada freqüência. Portanto, é necessário conhecer-se as precipitações máximas esperadas. Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 13. 13Capítulo 5 - Precipitação Entretanto, deve-se levar em conta também o fator de ordem econômica, e assim corre-se o risco da obra falhar durante sua vida útil. É necessário, portanto, conhecer esse risco. Para isso, analisa-se estatisticamente as precipitações observadas nos postos pluviométricos verificando-se com que freqüência as mesmas assumiram uma determinada magnitude. 7.1. Período de Retorno O período de retorno (ou tempo de recorrência) de um evento é o tempo médio (em anos) em que esse evento é superado ou igualado pelo menos uma vez. É definido por: P Tr 1 = (5.5) Se o período de retorno for bem inferior ao número de anos de observação, “F” poderá dar uma boa idéia do valor real de “P”. Entretanto, para grandes períodos de retorno, as observações deverão ser ajustadas a uma distribuição de probabilidades, de modo que o cálculo da probabilidade possa ser efetuado de modo mais correto. É importante salientar o caráter não-cíclico dos eventos randômicos, ou seja, uma enchente com período de retorno de 100 anos (que ocorre, em média, a cada 100 anos) pode ocorrer no próximo ano, ou pode não ocorrer nos próximos 200 anos, (ou ainda pode ser superada diversas vezes nos próximos 100 anos). 7.2. Série Anual X Série Parcial Na análise da freqüência de fenômenos hidrológicos, tais como precipitação e vazão, os dados podem estar dispostos em dois tipos de séries: séries anuais (de valores máximos anuais) e séries parciais (aquelas que apresentam valores superiores a uma certa base). Em termos práticos, a seleção de uma das séries deve ser julgada pelo tipo de estrutura ou projeto. Na série anual, apenas o valor máximo de cada ano é utilizado na análise. Esse tipo de série tem seu emprego em projetos de dimensionamento para condições críticas, tais como vertedouros de barragens, onde o valor máximo é que importa, uma vez que a obra já está comprometida quando da sua ocorrência, não mais importando o segundo ou terceiro maiores valores. Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 14. 14Capítulo 5 - Precipitação As séries de duração parcial são formadas pela seleção de valores situados acima de determinado patamar, podendo ser escolhidos mais de um valor para um mesmo ano. Deste modo, não se pode esperar que os dados desse tipo de série se ajustem a uma distribuição de probabilidades. Esse tipo de série é freqüentemente utilizado, por exemplo, para avaliar danos em fundações de pontes causadas pela repetição de enchentes. É importante observar ainda a diferença entre os significados dos períodos de retorno entre as duas séries. Na série anual, é o intervalo médio em que o evento tornará a ocorrer com um máximo anual; na série parcial, é o intervalo médio entre eventos de dados valor, sem considerar a relação com o ano. Tabela 5.1 – Correspondência entre os períodos de retorno das séries anual (Tra) e parcial (Trp). Tra Trp 2 1,44 5 4,48 10 9,49 15 14,49 20 19,47 25 24,50 50 49,50 75 74,63 100 99,01 9. CHUVAS INTENSAS Para o dimensionamento de estruturas hidráulicas, o hidrólogo deve determinar a chuva de maior intensidade que se pode esperar que ocorra com uma dada freqüência. A utilização prática desse dados requer que se estabeleça uma relação analítica entre as grandezas características de uma precipitação, quais sejam, a intensidade (i), a duração (t) e a freqüência (P). A equação da chuva, particular de cada localidade, é obtida partir de registros de pluviógrafos, estabelecendo-se para cada duração de chuva, as máximas intensidades. A representação geral de uma equação de chuvas intensas tem a forma: Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 15. 15Capítulo 5 - Precipitação ( )b d ct TB i r + = (6.1) onde: Tr – período de retorno T - duração B,d,c,b – constantes i - mm/h Equações de chuvas para algumas capitais brasileiras. Fortaleza )8t( T99,506 i 0,61 0,18 t + = (6.2) Rio de Janeiro )26t( T154,99 i 1,15 0,217 t + = (6.3) Curitiba )20t( T1239 i 0,74 0,15 t + = (6.4) Belo Horizonte )8t( T87,1447 i 0,84 0,10 t + = (6.5) Para cidades que não tenham suas equações de chuva estabelecidas, faz-se uso de outros métodos para a determinação de chuvas intensas para dada duração e período de retorno. 1. Método do Prof. Otto Pfafstetter Analisando 98 postos pluviométricos, de períodos de observação variados, Otto Pfafstetter apresenta em seu livro “Chuvas intensas no brasil”, gráficos em escala bilogarítmica, associando a altura da precipitação ( P ) com seu período de retorno ( T ) e duração ( t ). No trabalho, foi empregada uma fórmula empírica original, com a expressão analítica: (( t.c1log.bt.a. ++⎟ ⎠ ⎞ ⎜ ⎝ ⎛ += α α T B TP )) (6.6) onde a, b, e c são valores característicos de cada posto e α e β são função da duração ( t ). Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 16. 16Capítulo 5 - Precipitação 2. Método de Taborga Torrigo Sendo limitado o número de informações pluviográficas, notadamente em bacias de pequena área, Taborga Torrigo propôs um método que prescinde de registros em pluviograma, sendo suficientes dados diários de pluviômetros. O método tem por base o estabelecimento de “Isozonas”, os quais constituem zonas geográficas nas quais a relação entre as alturas de chuva de 1 hora e 24 horas é constante para um dado período de retorno (Figura 6.12). Figura 6.12 – Isozonas do Brasil (Fonte: Torrico, 1974) Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 17. 17Capítulo 5 - Precipitação Exemplo de aplicação: 1. Compor série de precipitações máximas anuais. Tabela 6.2 – Chuvas máximas diárias anuais observadas em Várzea Alegre no período de 1913/1972. Ano Chuva(mm) Ano Chuva(mm) Ano Chuva(mm) 1913 64,4 1933 68,8 1953 48,4 1914 114,5 1934 68,0 1954 54,0 1915 60,1 1935 88,0 1955 103,5 1916 64,5 1936 81,3 1956 90,0 1917 85,0 1937 79,0 1957 72,0 1918 63,2 1938 72,2 1958 80,5 1919 46,0 1939 87,8 1959 78,0 1920 69,5 1940 78,0 1960 127,0 1921 63,0 1941 60,7 1961 76,0 1922 57,0 1942 130,2 1962 75,3 1923 60,8 1943 51,0 1963 132,0 1924 80,7 1944 128,0 1964 67,6 1925 61,7 1945 --- 1965 95,0 1926 80,7 1946 118,5 1966 174,5 1927 60,4 1947 --- 1967 74,3 1928 94,7 1948 --- 1968 101,3 1929 59,0 1949 76,5 1969 45,1 1930 82,2 1950 95,6 1970 85,1 1931 79,2 1951 105,2 1971 --- 1932 46,2 1952 70,0 1972 133,0 Fonte: DNOCS – COMAI/Sistema de Informações de Recursos Hídricos – listagem de computador. 2. Ajustar a série a um modelo probabilístico, verificando a qualidade do ajustamento. Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 18. 18Capítulo 5 - Precipitação Figura 6.13 – Ajustamento à Função Gamma II 3. Obter as precipitações associadas aos diversos períodos de retorno. TR = 100 anos, P = 154,4 mm TR = 200 anos, P = 164,7 mm TR = 500 anos, P = 178,2 mm TR = 1000 anos, P = 186,2 mm 4. Calcular chuva virtual de 24 horas (P24h = 1,1 P1dia) Tabela 6.3 – Chuvas virtuais de 24 horas de duração ( P24h) em Várzea Alegre, para período de retorno de 100, 200, 500 e 1000 anos. TR(anos) Prec. Diária (mm) P24h (mm) 100 154,4 169,8 200 164,7 181,2 500 178,2 196,0 1000 186,2 204,0 5. Determinação da Isozona a qual pertence a bacia (Figura 6.14) isozona G Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 19. 19Capítulo 5 - Precipitação 6. Extrair das tabelas das isozonas o valor de R associado a cada período de retorno. 7. Computar, para cada período de retorno, a precipitação de 1 hora de duração. P1hora = R . P24horas (6.7) Tabela 6.4 – Valores das precipitações intensas pontual de 1 e 24 horas de duração para TR = 100, 200, 500 e 1000 anos, em Várzea Alegre. TR (anos) Po24h (mm) R P1h (mm) 100 169,8 0,459 77,9 200 181,2 0,455* 82,4 500 196,0 0,449* 88,0 1000 204,8 0,445 91,1 * Valores obtidos por interpolação logarítmica. 8. Converter a chuva pontual em chuva espacial, através da relação: ⎟ ⎟ ⎠ ⎞ ⎜ ⎜ ⎝ ⎛ −= Oo a A A logW1 P P (6.8) Onde: Pa = precipitação média sobre a bacia; Po = precipitação no centro de gravidade da bacia, tomada igual a precipitação em Várzea Alegre; W = constante que depende do local (0,22 para região Nordeste do Brasil); A = área da bacia hidrográfica (71,8 km2 ); A0 = área base na qual Pa = P0 (25 km2 ). 9,0 P P o a = (6.9) No que tange o parâmetro w, normalmente adotado como sendo 0,22 em projetos hidrológicos na Região Nordeste, Meneses Filho (1991) alerta que seu valor é específico para cada duração de chuva, indicando, para duração de 1 a 6 dias, os valores 0,16, 0,12, 0,11 0,09, 0,08 e 0,07, respectivamente. Segundo o autor, a adoção do valor 0,22 conduziria a uma "superestimativa da Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 20. 20Capítulo 5 - Precipitação redução espacial da chuva, ou seja, a computarem-se menores valores de precipitação média superficial". Tabela 6.5 – Valores das precipitações intensas espacial de 1 e 24 horas de duração para TR = 100, 200, 500 e 1000 anos distribuídos na bacia do açude Várzea Alegre. TR (anos) Pa – 24h (mm) Pa – 1h (mm) 100 152,8 70,1 200 163,1 74,2 500 176,4 79,2 1000 184,3 82,0 9. Determinação das precipitações intensas para durações entre 1 e 24 horas – a determinação das precipitações intensas para essas durações é obtidas plotando-se em papel de probabilidades os valores para 1 e 24 horas e ligando-se por uma reta (Figura 6.15). Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 21. 21Capítulo 5 - Precipitação Figura 6.14 – Isozonas Nordeste do do Brasil Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart
  • 22. 22Capítulo 5 - Precipitação Gráfico IDF 0 50 100 150 200 250 0,1 1 10 100 Tempo de duração (em horas) Alturadechuva(mm) 100 200 500 1.000 Figura 6.15 – Curvas Altura x Duração x Freqüência. Açude Várzea Alegre Notas de Aula – Profa . Ticiana Marinho de Carvalho Studart