SlideShare uma empresa Scribd logo
CCaappííttuulloo
11HHiiddrroollooggiiaa AApplliiccaaddaa
. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA
Não é a toa que o Planeta Terra é chamado de “o Planeta Azul” - dois terços de sua superfície são
cobertos pela água de mares e oceanos (Figura 1.1). Na realidade, existe água em praticamente todo
lugar: sobre a superfície terrestre, na forma de rios, lagos, mares e oceanos; sob a superfície
terrestre, na forma de água subterrânea e umidade do solo e na atmosfera, na forma de vapor
d’água. A água, em certos locais, pode ocorrer de forma quase ilimitada, como nos oceanos, ou em
quantidades praticamente nulas, como nos desertos.
Figura 1.1 – Planeta Terra
Apesar da maior parte da água do Planeta, em qualquer momento, estar contida nos oceanos, a
mesma está em contínuo movimento, em um ciclo cuja fonte principal de energia é o sol e cuja
principal força atuante é a gravidade. A esta transferência ininterrupta da água do oceano para o
continente e do continente para o oceano (Figura 1.2), dá-se o nome de Ciclo Hidrológico.
Ticiana Studart e Nilson Campos
2Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
OCEANOS CONTINENTE
CICLO HIDROLÓGICO
Figura 1.2 – Transferência da água oceano x continente
1.1. Etimologia e definição de Hidrologia
A palavra HIDROLOGIA é originada das palavras gregas HYDOR, que significa “água” e LOGOS, que
significa “ciência”. Hidrologia é, pois, a ciência que estuda a água.
Definição 1: Hidrologia é a ciência que trata da água na Terra, sua ocorrência, circulação e
distribuição, suas propriedades físicas e químicas, e sua reação com o meio ambiente, incluindo
sua relação com as formas vivas relacionada com toda a água da Terra, sua ocorrência,
distribuição e circulação, suas propriedades físicas e químicas, seu efeito sobre o meio ambiente
e sobre todas as formas da vida. (Definição proposta pelo US Federal Council for Sciences and
Technology (Chow, 1959)).
Por ser muito ampla, é difícil pensar numa ciência que não esteja incluída nesta definição. A Botânica,
ao estudar o transporte de água através dos vegetais ou a Medicina, ao estudar a água no corpo
humano, fariam parte da Hidrologia. Na prática, a definição de Hidrologia é:
Definição 2: A Hidrologia estuda as fases do ciclo hidrológico, descrevendo seu passado,
tentando prever seu futuro.
2. CICLO HIDROLÓGICO
A água diferencia-se dos demais recursos naturais pela notável propriedade de renovar-se
continuamente, graças ao ciclo hidrológico. Embora o movimento cíclico da água não tenha princípio
nem fim, costuma-se iniciar seu estudo descritivo pela evaporação da água dos oceanos, seguida de
sua precipitação sobre a superfície que, coletada pelos cursos d’ água, retorna ao local de partida.
Ticiana Studart e Nilson Campos
3Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
A descrição acima simplifica sobremaneira o processo que realmente ocorre (Figura 1.3), uma vez que
não estão computadas as eventuais interrupções que podem ocorrer em vários estágios (Ex.
precipitação sobre o oceano) e a íntima dependência das intensidade e freqüência do ciclo hidrológico
com a geografia e o clima local.
Figura 1.3 – Ciclo Hidrológico. (Fonte: Dnaee)
Alguns tópicos podem ser destacados:
1. O sol constitui-se na fonte de energia para a realização do ciclo. O calor por ele liberado
atua sobre a superfície dos oceanos, rios e lagos estimulando a conversão da água do
estado líquido para gasoso.
2. A ascensão do vapor d’ água conduz à formação de nuvens, que podem se deslocar, sob a
ação do vento, para regiões continentais.
3. Sob condições favoráveis a água condensada nas nuvens precipita (sob forma de neve,
granizo ou chuva)(1)
podendo ser dispersada de várias formas:
(1) Quando a precipitação se dá sob forma de neve ou granizo, a retenção no solo é mais demorada, até que ali se processe a
fusão.
Ticiana Studart e Nilson Campos
4Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
Retenção temporária ao solo próximo de onde caiu;
Escoamento sobre a superfície do solo ou através do solo para os rios;
Penetração no solo profundo.
4. Atingindo os veios d’ água, a água prossegue seu caminho de volta ao oceano,
completando o ciclo.
5. As depressões superficiais porventura existentes retém a água precipitada
temporariamente. Essa água poderá retornar para compor fases seguintes do ciclo pela
evaporação e transpiração da plantas.
6. Os escoamentos superficial e subterrâneo decorrem da ação da gravidade, podendo parte
desta água ser evaporada ou infiltrada antes de atingir o curso d’ água.
7. Atingindo os veios d’água, a água prossegue seu caminho de volta ao oceano,
completando o ciclo.
8. A evaporação acompanha o ciclo hidrológico em quase todas as suas fases, seja durante a
precipitação, seja durante o escoamento superficial.
Dotado de certa aleatoriedade temporal e espacial, o ciclo hidrológico configura processos bem mais
complexos que os acima descritos. Uma vez que as etapas precedentes à precipitação estão dentro do
escopo da meteorologia, compete ao hidrólogo conhecer principalmente as fases do ciclo que se
processam sobre a superfície terrestre, quais sejam, precipitação, evaporação e transpiração,
escoamento superficial e escoamento subterrâneo.
3. UM POUCO DA HISTÓRIA DA HIDROLOGIA
Os mais antigos trabalhos de drenagem e irrigação em larga escala são atribuídos ao Faraó Menés,
fundador da primeira dinastia egípcia, que barrou o rio Nilo próximo a Mênphis, com uma barragem
de 15m e extensão de aproximadamente 500 metros, para alimentar o canal de irrigação.
Também no Egito encontram-se os primeiros registros sistemáticos de níveis de enchentes. Estes
registros datam de 3.500 a.C. e indicavam aos agricultores a época oportuna de romper os diques para
inundar e fertilizar as terras agricultáveis. Nota-se que, aos egípcios, pouco importava o estudo da
Hidrologia como ciência e sim. A sua utilização.
Ticiana Studart e Nilson Campos
5Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
Muitos conceitos errôneos e falhas de compreensão atravessaram o desenvolvimento da engenharia
no seu sentido atual. Os gregos foram os primeiros filósofos que estudaram seriamente a Hidrologia,
com Aristóteles sugerindo que os rios eram alimentados pelas chuvas. Sua maior dificuldade eram
explicar a origem da água subterrânea. Somente na época de Leonardo da Vinci (por volta de 1.500
d.C)a idéia da alimentação dos rios pela precipitação começou a ser aceita. No entanto, foi apenas no
ano de 1694 que Perrault, através de medidas pluviométricas na bacia do rio Sena, demonstrou,
quantitativamente, que o volume precipitado ao longo do ano era suficiente para manter o volume
escoado.
O astrônomo inglês Halley, em 1693, provou que a evaporação da água do mar era suficiente para
responder por todas as nascentes e fluxos d’água. Mariotte, 1em 1686, mediu a velocidade do rio
Sena. Estes primeiros conhecimentos de Hidrologia permitiram inúmros avanços no Século XVIII,
incluindo o teorema de Bernoulli, o Tubo Pitot e a Fórmula de Chèzy, que formam a base da Hidráulica
e da Mecânica dos Fluidos.
Durante o Século XIX, foram feitos significantes avanços na teoria da água subterrânea, incluindo a
Lei de Darcy. No que se refere à Hidrologia de águas superficiais, muitas fórmulas e instrumentos de
medição foram criados.
Chow (1954) chamou o período compreendido entre 1900 e 1930 ficou conhecido como o Período do
Empirismo. O período de 1930 a 1950 seria o Período da Racionalização. Datam desta época o
Hidrograma Unitário de Sherman (1932) e a Teoria da Infiltração de Horton (1933). Entre 1940 a 1950
foram feitos significantes avanços no entendimento do processo de evaporação. Em 1958, Gumbel
llança as bases da moderna hidrologia estocástica. A partir da década de 70, a Hidrologia passa a
contar com o avanços computacionais, o que levaram ao desenvolvimento de muitos modelos de
simulação
4. DISPONIBILIDADES HÍDRICAS MUNDIAIS
Segundo Lvovich (apud Raudikivi, 1979), a ordem de grandeza e a distribuição das disponibilidades
hídricas no mundo são as mostradas na Tabela 1.1.
Ticiana Studart e Nilson Campos
6Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
Tabela 1.1 – Distribuição das disponibilidades hídricas no mundo
Fonte Superfície
(106
Km2
)
Volume
(106
Km2
)
% do Volume Total
Oceanos 360 1.370.323 93,93
Águas Subterrâneas - 64.000 4,39
Geleiras e Neve Perpétua 16 24.000 1,65
Lagos - 230 0,016
Umidade do Solo - 75 0,005
Água na Atmosfera 510 14 0,001
Rios 1,2 0,0001
Total 1.458.643 100
Fonte: Raudikivi (1979)
Deste total, cerca de 94% é de água salgada e apenas 6%, de água doce. Desconsiderando a
quantidade de água doce sob forma de geleiras, águas subterrâneas e umidade atmosférica, ínfimos
0,0161% do total da água do Planeta estão disponíveis em rios e lagos (Figura 1.4), os quais não se
encontram eqüitativamente distribuídos sobre todo o Planeta.
Figura 1.4 – Água doce disponível em lagos e rios
Para se dar uma pequena idéia da má distribuição espacial da água, cita-se o exemplo do Brasil, que
possui cerca de 12% das reservas hídricas superficiais do mundo, mas com aproximadamente 65%
destes recursos concentrados na Amazônia.
Ticiana Studart e Nilson Campos
7Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
Questões a se pensar:
1. Por que se preocupar com as várias fases do ciclo hidrológico?
2. Se o estudo da Hidrologia não era importante há 30-40 anos atrás, por que o deveria
ser hoje?
3. Se essa quantidade de água doce nunca foi motivo de grandes preocupações, por que o
seria agora?
5. A ÁGUA E O DESENVOLVIMENTO
A água sempre desempenhou um papel fundamental na história da humanidade. O surgimento das
cidades sempre se deu ao longo os rios. Entretanto, não se tinha a percepção da importância da água
como hoje, uma vez que sua qualidade e quantidade eram adequadas às necessidades da época –
abastecimento, diluição de dejetos, pesca, geração de energia, entre outros. Como as fontes hídricas
não eram desenvolvidas no limite de sua possibilidades, havia pouco interesse em se obter dados e
conhecimento a respeito de suas capacidades máximas, e assim a Hidrologia, como ciência, pouco
se desenvolveu.
Hoje, o cenário é outro. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o consumo mundial de
água doce dobrou nos últimos 50 anos e corresponde, atualmente, à metade de todos os recursos
hídricos acessíveis. Explorar tais recursos foi o motor do desenvolvimento econômico de muitos países,
sobretudo na agricultura, abastecimento humano e animal, geração de energia, indústria e transporte.
Porém a competição por água entre tais setores vem degradando as fontes naturais, das quais o
mundo depende. O ciclo natural da água tem sido interrompido ou alterado em regiões muito
artificializadas, como as megacidades.
É consenso geral que a gestão das águas é uma necessidade. E assim, a Hidrologia ressurge, hoje,
como ferramenta indispensável para tal fim, uma vez é a ciência que trata do entendimento dos
processos naturais que dão base aos projetos de suprimento de água. Só ela pode avaliar como e
quanto o ciclo hidrológico pode ser modificado pelas atividades humanas.
No passado, já existiam estes sinais de desconhecimento da Hidrologia, mas os mesmos só afetavam
pequenas parcelas da população e tinham pouca divulgação. Isto tem mudado significativamente nos
últimos 30 anos. Hoje já se tem o entendimento que a prosperidade e a sobrevivência da humanidade
é função da disponibilidade de água doce e potável e que, a cada ano nascem mais alguns milhões de
consumidores e não é criada, sequer, uma gota d’água a mais no Planeta.
Ticiana Studart e Nilson Campos
8Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
Os múltiplos usos e usuários disputando um mesmo litro de água e a perspectiva de demandas
ainda maiores no futuro indicam que mais e mais profissionais – e não somente o engenheiro –
necessitam ter conhecimentos de Hidrologia. Somente assim os tomadores de decisão poderão avaliar
as vantagens e desvantagens de cada alteração proposta no ciclo hidrológico.
Exemplos da falta de conhecimentos de Hidrologia na sociedade moderna:
1. Construção nas planícies aluviais de rios
2. Reservatórios superdimensionados
3. Problemas de drenagem urbana
4. Construção e reservatórios pouco profundos em regiões com altas taxas de evaporação
5. Perfuração de poços secos em regiões cristalinas
6. Problemas de salinização de solos em projetos de irrigação em regiões áridas e semi-
áridas
Exemplo concreto 1: o Açude Cedro – Ce
O Açude Cedro foi construído em 1906, no município de Quixadá, Ceará. Exemplo clássico de falta de
conhecimento hidrológico, o reservatório foi superdimensionado, construído com capacidade de
acumulação equivalente a seis vezes seu volume afluente anual. Tendo sangrado pouquíssimas vezes
desde sua construção, a Figura 1.5 mostra uma das ocasiões em que esvaziou totalmente, em 2001.
Figura 1.5 - Açude Cedro – Ce (vazio em novembro de 2001)
Ticiana Studart e Nilson Campos
9Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
Exemplo concreto 2: Inundação em Fortaleza, Ce
A Figura 1.6 mostra um problema de drenagem urbana característicos das grandes cidades, no caso,
Fortaleza, Ce.
Figura 1.6--Enchente em Fortaleza, Ce em 1997
6. APLICAÇÕES DA HIDROLOGIA À ENGENHARIA
A Hidrologia não é uma ciência pura, uma vez que o objeto de estudo é usualmente dirigido para
aplicações práticas, sendo assim, o termo “Hidrologia Aplicada” é freqüentemente utilizado. Eis
algumas das aplicações da hidrologia:
Escolha de fontes de abastecimento de água
Subterrânea - locação do poço e capacidade de bombeamento
Superficial – locação da barragem, estimativa da vazão afluente e da vazão a ser
regularizada, dimensionamento do reservatório e do sangradouro
Drenagem urbana – dimensionamento de bueiros
Drenagem de rodovias – dimensionamento de pontes e pontilhões
Irrigação – fonte de abastecimento, estimativa da evapotranspiração da cultura
Ticiana Studart e Nilson Campos
10Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
Controle de enchentes – dragagem do leito do rio, construção de reservatórios de controle
de cheias
Exemplo concreto 1: cheias e secas no rio Capibaribe
A Bacia do rio Capibaribe, Pernambuco, tem sua história intimamente ligada a episódios de cheias
catastróficas, notadamente na Região Metropolitana de Recife. Entretanto, nos últimos anos, a cidade
vem sendo atingida por uma grave crise no abastecimento d’água, sendo obrigatório o uso extensivo
de carros-pipa. Os quatro maiores açudes da bacia – Jucazinho, Carpina, Goitá e Tapacurá,
representam cerca de 91% do total acumulado nos açudes mais importantes da bacia e são utilizados
tanto para controle de cheias como para o abastecimento. A operação de reservatórios com múltiplas
finalidades é feita tradicionalmente com a divisão do volume total armazenável em zonas para o
atendimento de seus diferentes objetivos. Na prática, a divisão consiste em se alocar volumes de
reserva para as respectivas finalidades. Objetivos diametralmente conflitantes, como controle de
cheias – que requer que a parte do volume destinada a este fim permaneça seca para que a cheia
possa assim ser contida – e conservação – que precisa que a água seja efetivamente armazenada
para usos futuros em irrigação e abastecimento municipal e industrial – não são fáceis de conciliar.
As figuras 1.7 e 1.8 mostram, respectivamente, um esquema da bacia hidrográfica do rio Capibaribe
com seus barramentos construídos ao longo de seu leito, e Recife em um episódio de inundação.
Figura 1.7 -- Bacia hidrográfica do rio Capibaribe (Pe) e seus barramentos
Ticiana Studart e Nilson Campos
11Capítulo 1 Hidrologia Aplicada
Figura 1.6--Enchente em Recife, Pe
7. RELAÇÃO DA HIDROLOGIA COM OUTRAS CIÊNCIAS
Devido a natureza complexa do ciclo hidrológico e suas relações com os padrões climáticos, tipos de
solos, topografia e geologia, as fronteiras entre a hidrologia e as outras ciências da terra, tais como
meteorologia, geologia, ecologia e oceanografia não são muito distintas. Na realidade, tais ciências
também podem ser consideradas ramos da hidrologia:
Meteorologia e Hidrometeorologia – estudo da água atmosférica.
Oceanografia – estudo dos oceanos.
Hidrografia – estudo das águas superficiais.
Potamologia – estudo dos rios.
Limnologia – estudo dos lagos e reservatórios.
Hidrogeologia – estudo das águas subterrâneas.
Sendo assim, poucos problemas hidrológicos podem ficar limitados a apenas um desses ramos.
Freqüentemente, devido a grande inter-relações do fenômeno, a solução do problema só pode ser
dada através de uma discussão interdisciplinar com profissionais de um ou mais desses ramos. Muitas
outras ciências podem ainda ser utilizadas na Hidrologia, tais como física, química, geologia, geografia,
mecânica dos fluidos, estatística, economia, computação, direito, etc.
Ticiana Studart e Nilson Campos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Solos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do SulSolos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do Sul
Alessandro Samuel-Rosa
 
Erosão
ErosãoErosão
A representacao do espaco geográfico
A representacao do espaco geográficoA representacao do espaco geográfico
A representacao do espaco geográfico
dantasrdl
 
Introdução à geomorfologia aula 1
Introdução à geomorfologia aula 1Introdução à geomorfologia aula 1
Introdução à geomorfologia aula 1
Dione DO Nascimento Oliveira
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Ediney Dias
 
Topografia exercícios propostos com solução
Topografia    exercícios  propostos com soluçãoTopografia    exercícios  propostos com solução
Topografia exercícios propostos com solução
Maíra Barros
 
Cartografia aula 9 - sistemas de coordenadas - utm
Cartografia   aula 9 - sistemas de coordenadas - utmCartografia   aula 9 - sistemas de coordenadas - utm
Cartografia aula 9 - sistemas de coordenadas - utm
Fabrício Almeida
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Thamires Bragança
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
Rosa Pereira
 
Revisão de geografia 3º bimestre-biosfera- 6º ano
Revisão de geografia  3º bimestre-biosfera- 6º anoRevisão de geografia  3º bimestre-biosfera- 6º ano
Revisão de geografia 3º bimestre-biosfera- 6º ano
Simone Aguiar
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
Murilo Sierro
 
Cartografia HistóRia
Cartografia   HistóRiaCartografia   HistóRia
Cartografia HistóRia
Mateus Silva
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
Omar Fürst
 
Solos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terraSolos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terra
Roberto Nunes
 
Sistemas de Referência Terrestre
Sistemas de Referência TerrestreSistemas de Referência Terrestre
Sistemas de Referência Terrestre
naiararohling
 
A Terra no Sistema Solar
A Terra no Sistema SolarA Terra no Sistema Solar
A Terra no Sistema Solar
Gabrielly Peixoto
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
Professor
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
Romulo Vinicius Tio Rominho
 

Mais procurados (20)

Solos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do SulSolos do Rio Grande do Sul
Solos do Rio Grande do Sul
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
A representacao do espaco geográfico
A representacao do espaco geográficoA representacao do espaco geográfico
A representacao do espaco geográfico
 
Introdução à geomorfologia aula 1
Introdução à geomorfologia aula 1Introdução à geomorfologia aula 1
Introdução à geomorfologia aula 1
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
 
Topografia exercícios propostos com solução
Topografia    exercícios  propostos com soluçãoTopografia    exercícios  propostos com solução
Topografia exercícios propostos com solução
 
Cartografia aula 9 - sistemas de coordenadas - utm
Cartografia   aula 9 - sistemas de coordenadas - utmCartografia   aula 9 - sistemas de coordenadas - utm
Cartografia aula 9 - sistemas de coordenadas - utm
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
Powerpoint Solo
Powerpoint   SoloPowerpoint   Solo
Powerpoint Solo
 
Revisão de geografia 3º bimestre-biosfera- 6º ano
Revisão de geografia  3º bimestre-biosfera- 6º anoRevisão de geografia  3º bimestre-biosfera- 6º ano
Revisão de geografia 3º bimestre-biosfera- 6º ano
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
 
Cartografia HistóRia
Cartografia   HistóRiaCartografia   HistóRia
Cartografia HistóRia
 
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVOAGENTES INTERNOS DO RELEVO
AGENTES INTERNOS DO RELEVO
 
Solos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terraSolos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terra
 
Sistemas de Referência Terrestre
Sistemas de Referência TerrestreSistemas de Referência Terrestre
Sistemas de Referência Terrestre
 
A Terra no Sistema Solar
A Terra no Sistema SolarA Terra no Sistema Solar
A Terra no Sistema Solar
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
 
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 

Destaque

Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: PrecipitaçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Danilo Max
 
Hidrologia 2
Hidrologia 2Hidrologia 2
Hidrologia 2
lipemodesto
 
Introducao hidrologia
Introducao hidrologiaIntroducao hidrologia
Introducao hidrologia
Cleide Soares
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
frankfranklyn
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasil
Professor
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
Bia Bernardino
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
RafaelBorges3
 

Destaque (8)

Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: PrecipitaçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
 
Hidrologia 2
Hidrologia 2Hidrologia 2
Hidrologia 2
 
Introducao hidrologia
Introducao hidrologiaIntroducao hidrologia
Introducao hidrologia
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasil
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
 

Semelhante a Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Aplicada

Hidrologia analítica aula1
Hidrologia analítica aula1Hidrologia analítica aula1
Hidrologia analítica aula1
Gustavo Quaresimin Cordeiro
 
Recursos Hidricos.ppt
Recursos Hidricos.pptRecursos Hidricos.ppt
Recursos Hidricos.ppt
RicardoNeto60
 
Recursos aquáticos e marítimos geográficos
Recursos aquáticos e marítimos geográficosRecursos aquáticos e marítimos geográficos
Recursos aquáticos e marítimos geográficos
HectorMolina92
 
Apostila hidrologia aplicada_uergs
Apostila hidrologia aplicada_uergsApostila hidrologia aplicada_uergs
Apostila hidrologia aplicada_uergs
Geo Silva
 
Agua pernambuco
Agua pernambucoAgua pernambuco
Agua pernambuco
Maria Dioceli
 
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIAHIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
Patrícia Éderson Dias
 
Ciclo hidrológico
Ciclo hidrológicoCiclo hidrológico
Ciclo hidrológico
Chrislanne Michelle
 
Hidrologia aula 02
Hidrologia aula 02Hidrologia aula 02
Hidrologia aula 02
Ronaldo Cesar
 
Ciclo Hidrologico
Ciclo HidrologicoCiclo Hidrologico
Ciclo Hidrologico
Chrislanne Michelle
 
Ciclo Da áGua
Ciclo Da áGuaCiclo Da áGua
Ciclo Da áGua
ecsette
 
Ciclo da água
Ciclo da águaCiclo da água
Ciclo da água
Wesley Germano Otávio
 
Agua
AguaAgua
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
Carolina Corrêa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
Caminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdfCaminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdf
potiragomes27
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
Danilo Max
 
Manual de aulas teoricas de hidrologia
Manual de aulas teoricas de hidrologiaManual de aulas teoricas de hidrologia
Manual de aulas teoricas de hidrologia
Hernandes30
 
Ciencias o ciclo da agua
Ciencias   o ciclo da aguaCiencias   o ciclo da agua
Ciencias o ciclo da agua
Gustavo Soares
 
Ciclo da agua
Ciclo da aguaCiclo da agua
Ciclo da agua
NiltonNhantumbo
 

Semelhante a Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Aplicada (20)

Hidrologia analítica aula1
Hidrologia analítica aula1Hidrologia analítica aula1
Hidrologia analítica aula1
 
Recursos Hidricos.ppt
Recursos Hidricos.pptRecursos Hidricos.ppt
Recursos Hidricos.ppt
 
Recursos aquáticos e marítimos geográficos
Recursos aquáticos e marítimos geográficosRecursos aquáticos e marítimos geográficos
Recursos aquáticos e marítimos geográficos
 
Apostila hidrologia aplicada_uergs
Apostila hidrologia aplicada_uergsApostila hidrologia aplicada_uergs
Apostila hidrologia aplicada_uergs
 
Agua pernambuco
Agua pernambucoAgua pernambuco
Agua pernambuco
 
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIAHIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
HIDROGEOGRAFIA E HIDROLOGIA
 
Ciclo hidrológico
Ciclo hidrológicoCiclo hidrológico
Ciclo hidrológico
 
Hidrologia aula 02
Hidrologia aula 02Hidrologia aula 02
Hidrologia aula 02
 
Ciclo Hidrologico
Ciclo HidrologicoCiclo Hidrologico
Ciclo Hidrologico
 
Ciclo Da áGua
Ciclo Da áGuaCiclo Da áGua
Ciclo Da áGua
 
Ciclo da água
Ciclo da águaCiclo da água
Ciclo da água
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
Caminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdfCaminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdf
 
Águas Subterrâneas
Águas SubterrâneasÁguas Subterrâneas
Águas Subterrâneas
 
Manual de aulas teoricas de hidrologia
Manual de aulas teoricas de hidrologiaManual de aulas teoricas de hidrologia
Manual de aulas teoricas de hidrologia
 
Ciencias o ciclo da agua
Ciencias   o ciclo da aguaCiencias   o ciclo da agua
Ciencias o ciclo da agua
 
Ciclo da agua
Ciclo da aguaCiclo da agua
Ciclo da agua
 

Mais de Danilo Max

Prova 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos HídricosProva 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Danilo Max
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Danilo Max
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Danilo Max
 
Prova 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos HídricosProva 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Prova 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos HídricosProva 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Links para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos HídricosLinks para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: InfiltraçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Danilo Max
 
Medidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de VertedoresMedidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de Vertedores
Danilo Max
 
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e CanaisObras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Danilo Max
 
Construção de Obras Hidráulicas
Construção de Obras Hidráulicas Construção de Obras Hidráulicas
Construção de Obras Hidráulicas
Danilo Max
 

Mais de Danilo Max (20)

Prova 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos HídricosProva 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos Hídricos
 
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
 
Prova 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos HídricosProva 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos Hídricos
 
Prova 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos HídricosProva 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos Hídricos
 
Links para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos HídricosLinks para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos Hídricos
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: InfiltraçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
 
Medidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de VertedoresMedidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de Vertedores
 
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e CanaisObras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
 
Construção de Obras Hidráulicas
Construção de Obras Hidráulicas Construção de Obras Hidráulicas
Construção de Obras Hidráulicas
 

Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Aplicada

  • 1. CCaappííttuulloo 11HHiiddrroollooggiiaa AApplliiccaaddaa . INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA Não é a toa que o Planeta Terra é chamado de “o Planeta Azul” - dois terços de sua superfície são cobertos pela água de mares e oceanos (Figura 1.1). Na realidade, existe água em praticamente todo lugar: sobre a superfície terrestre, na forma de rios, lagos, mares e oceanos; sob a superfície terrestre, na forma de água subterrânea e umidade do solo e na atmosfera, na forma de vapor d’água. A água, em certos locais, pode ocorrer de forma quase ilimitada, como nos oceanos, ou em quantidades praticamente nulas, como nos desertos. Figura 1.1 – Planeta Terra Apesar da maior parte da água do Planeta, em qualquer momento, estar contida nos oceanos, a mesma está em contínuo movimento, em um ciclo cuja fonte principal de energia é o sol e cuja principal força atuante é a gravidade. A esta transferência ininterrupta da água do oceano para o continente e do continente para o oceano (Figura 1.2), dá-se o nome de Ciclo Hidrológico. Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 2. 2Capítulo 1 Hidrologia Aplicada OCEANOS CONTINENTE CICLO HIDROLÓGICO Figura 1.2 – Transferência da água oceano x continente 1.1. Etimologia e definição de Hidrologia A palavra HIDROLOGIA é originada das palavras gregas HYDOR, que significa “água” e LOGOS, que significa “ciência”. Hidrologia é, pois, a ciência que estuda a água. Definição 1: Hidrologia é a ciência que trata da água na Terra, sua ocorrência, circulação e distribuição, suas propriedades físicas e químicas, e sua reação com o meio ambiente, incluindo sua relação com as formas vivas relacionada com toda a água da Terra, sua ocorrência, distribuição e circulação, suas propriedades físicas e químicas, seu efeito sobre o meio ambiente e sobre todas as formas da vida. (Definição proposta pelo US Federal Council for Sciences and Technology (Chow, 1959)). Por ser muito ampla, é difícil pensar numa ciência que não esteja incluída nesta definição. A Botânica, ao estudar o transporte de água através dos vegetais ou a Medicina, ao estudar a água no corpo humano, fariam parte da Hidrologia. Na prática, a definição de Hidrologia é: Definição 2: A Hidrologia estuda as fases do ciclo hidrológico, descrevendo seu passado, tentando prever seu futuro. 2. CICLO HIDROLÓGICO A água diferencia-se dos demais recursos naturais pela notável propriedade de renovar-se continuamente, graças ao ciclo hidrológico. Embora o movimento cíclico da água não tenha princípio nem fim, costuma-se iniciar seu estudo descritivo pela evaporação da água dos oceanos, seguida de sua precipitação sobre a superfície que, coletada pelos cursos d’ água, retorna ao local de partida. Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 3. 3Capítulo 1 Hidrologia Aplicada A descrição acima simplifica sobremaneira o processo que realmente ocorre (Figura 1.3), uma vez que não estão computadas as eventuais interrupções que podem ocorrer em vários estágios (Ex. precipitação sobre o oceano) e a íntima dependência das intensidade e freqüência do ciclo hidrológico com a geografia e o clima local. Figura 1.3 – Ciclo Hidrológico. (Fonte: Dnaee) Alguns tópicos podem ser destacados: 1. O sol constitui-se na fonte de energia para a realização do ciclo. O calor por ele liberado atua sobre a superfície dos oceanos, rios e lagos estimulando a conversão da água do estado líquido para gasoso. 2. A ascensão do vapor d’ água conduz à formação de nuvens, que podem se deslocar, sob a ação do vento, para regiões continentais. 3. Sob condições favoráveis a água condensada nas nuvens precipita (sob forma de neve, granizo ou chuva)(1) podendo ser dispersada de várias formas: (1) Quando a precipitação se dá sob forma de neve ou granizo, a retenção no solo é mais demorada, até que ali se processe a fusão. Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 4. 4Capítulo 1 Hidrologia Aplicada Retenção temporária ao solo próximo de onde caiu; Escoamento sobre a superfície do solo ou através do solo para os rios; Penetração no solo profundo. 4. Atingindo os veios d’ água, a água prossegue seu caminho de volta ao oceano, completando o ciclo. 5. As depressões superficiais porventura existentes retém a água precipitada temporariamente. Essa água poderá retornar para compor fases seguintes do ciclo pela evaporação e transpiração da plantas. 6. Os escoamentos superficial e subterrâneo decorrem da ação da gravidade, podendo parte desta água ser evaporada ou infiltrada antes de atingir o curso d’ água. 7. Atingindo os veios d’água, a água prossegue seu caminho de volta ao oceano, completando o ciclo. 8. A evaporação acompanha o ciclo hidrológico em quase todas as suas fases, seja durante a precipitação, seja durante o escoamento superficial. Dotado de certa aleatoriedade temporal e espacial, o ciclo hidrológico configura processos bem mais complexos que os acima descritos. Uma vez que as etapas precedentes à precipitação estão dentro do escopo da meteorologia, compete ao hidrólogo conhecer principalmente as fases do ciclo que se processam sobre a superfície terrestre, quais sejam, precipitação, evaporação e transpiração, escoamento superficial e escoamento subterrâneo. 3. UM POUCO DA HISTÓRIA DA HIDROLOGIA Os mais antigos trabalhos de drenagem e irrigação em larga escala são atribuídos ao Faraó Menés, fundador da primeira dinastia egípcia, que barrou o rio Nilo próximo a Mênphis, com uma barragem de 15m e extensão de aproximadamente 500 metros, para alimentar o canal de irrigação. Também no Egito encontram-se os primeiros registros sistemáticos de níveis de enchentes. Estes registros datam de 3.500 a.C. e indicavam aos agricultores a época oportuna de romper os diques para inundar e fertilizar as terras agricultáveis. Nota-se que, aos egípcios, pouco importava o estudo da Hidrologia como ciência e sim. A sua utilização. Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 5. 5Capítulo 1 Hidrologia Aplicada Muitos conceitos errôneos e falhas de compreensão atravessaram o desenvolvimento da engenharia no seu sentido atual. Os gregos foram os primeiros filósofos que estudaram seriamente a Hidrologia, com Aristóteles sugerindo que os rios eram alimentados pelas chuvas. Sua maior dificuldade eram explicar a origem da água subterrânea. Somente na época de Leonardo da Vinci (por volta de 1.500 d.C)a idéia da alimentação dos rios pela precipitação começou a ser aceita. No entanto, foi apenas no ano de 1694 que Perrault, através de medidas pluviométricas na bacia do rio Sena, demonstrou, quantitativamente, que o volume precipitado ao longo do ano era suficiente para manter o volume escoado. O astrônomo inglês Halley, em 1693, provou que a evaporação da água do mar era suficiente para responder por todas as nascentes e fluxos d’água. Mariotte, 1em 1686, mediu a velocidade do rio Sena. Estes primeiros conhecimentos de Hidrologia permitiram inúmros avanços no Século XVIII, incluindo o teorema de Bernoulli, o Tubo Pitot e a Fórmula de Chèzy, que formam a base da Hidráulica e da Mecânica dos Fluidos. Durante o Século XIX, foram feitos significantes avanços na teoria da água subterrânea, incluindo a Lei de Darcy. No que se refere à Hidrologia de águas superficiais, muitas fórmulas e instrumentos de medição foram criados. Chow (1954) chamou o período compreendido entre 1900 e 1930 ficou conhecido como o Período do Empirismo. O período de 1930 a 1950 seria o Período da Racionalização. Datam desta época o Hidrograma Unitário de Sherman (1932) e a Teoria da Infiltração de Horton (1933). Entre 1940 a 1950 foram feitos significantes avanços no entendimento do processo de evaporação. Em 1958, Gumbel llança as bases da moderna hidrologia estocástica. A partir da década de 70, a Hidrologia passa a contar com o avanços computacionais, o que levaram ao desenvolvimento de muitos modelos de simulação 4. DISPONIBILIDADES HÍDRICAS MUNDIAIS Segundo Lvovich (apud Raudikivi, 1979), a ordem de grandeza e a distribuição das disponibilidades hídricas no mundo são as mostradas na Tabela 1.1. Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 6. 6Capítulo 1 Hidrologia Aplicada Tabela 1.1 – Distribuição das disponibilidades hídricas no mundo Fonte Superfície (106 Km2 ) Volume (106 Km2 ) % do Volume Total Oceanos 360 1.370.323 93,93 Águas Subterrâneas - 64.000 4,39 Geleiras e Neve Perpétua 16 24.000 1,65 Lagos - 230 0,016 Umidade do Solo - 75 0,005 Água na Atmosfera 510 14 0,001 Rios 1,2 0,0001 Total 1.458.643 100 Fonte: Raudikivi (1979) Deste total, cerca de 94% é de água salgada e apenas 6%, de água doce. Desconsiderando a quantidade de água doce sob forma de geleiras, águas subterrâneas e umidade atmosférica, ínfimos 0,0161% do total da água do Planeta estão disponíveis em rios e lagos (Figura 1.4), os quais não se encontram eqüitativamente distribuídos sobre todo o Planeta. Figura 1.4 – Água doce disponível em lagos e rios Para se dar uma pequena idéia da má distribuição espacial da água, cita-se o exemplo do Brasil, que possui cerca de 12% das reservas hídricas superficiais do mundo, mas com aproximadamente 65% destes recursos concentrados na Amazônia. Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 7. 7Capítulo 1 Hidrologia Aplicada Questões a se pensar: 1. Por que se preocupar com as várias fases do ciclo hidrológico? 2. Se o estudo da Hidrologia não era importante há 30-40 anos atrás, por que o deveria ser hoje? 3. Se essa quantidade de água doce nunca foi motivo de grandes preocupações, por que o seria agora? 5. A ÁGUA E O DESENVOLVIMENTO A água sempre desempenhou um papel fundamental na história da humanidade. O surgimento das cidades sempre se deu ao longo os rios. Entretanto, não se tinha a percepção da importância da água como hoje, uma vez que sua qualidade e quantidade eram adequadas às necessidades da época – abastecimento, diluição de dejetos, pesca, geração de energia, entre outros. Como as fontes hídricas não eram desenvolvidas no limite de sua possibilidades, havia pouco interesse em se obter dados e conhecimento a respeito de suas capacidades máximas, e assim a Hidrologia, como ciência, pouco se desenvolveu. Hoje, o cenário é outro. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o consumo mundial de água doce dobrou nos últimos 50 anos e corresponde, atualmente, à metade de todos os recursos hídricos acessíveis. Explorar tais recursos foi o motor do desenvolvimento econômico de muitos países, sobretudo na agricultura, abastecimento humano e animal, geração de energia, indústria e transporte. Porém a competição por água entre tais setores vem degradando as fontes naturais, das quais o mundo depende. O ciclo natural da água tem sido interrompido ou alterado em regiões muito artificializadas, como as megacidades. É consenso geral que a gestão das águas é uma necessidade. E assim, a Hidrologia ressurge, hoje, como ferramenta indispensável para tal fim, uma vez é a ciência que trata do entendimento dos processos naturais que dão base aos projetos de suprimento de água. Só ela pode avaliar como e quanto o ciclo hidrológico pode ser modificado pelas atividades humanas. No passado, já existiam estes sinais de desconhecimento da Hidrologia, mas os mesmos só afetavam pequenas parcelas da população e tinham pouca divulgação. Isto tem mudado significativamente nos últimos 30 anos. Hoje já se tem o entendimento que a prosperidade e a sobrevivência da humanidade é função da disponibilidade de água doce e potável e que, a cada ano nascem mais alguns milhões de consumidores e não é criada, sequer, uma gota d’água a mais no Planeta. Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 8. 8Capítulo 1 Hidrologia Aplicada Os múltiplos usos e usuários disputando um mesmo litro de água e a perspectiva de demandas ainda maiores no futuro indicam que mais e mais profissionais – e não somente o engenheiro – necessitam ter conhecimentos de Hidrologia. Somente assim os tomadores de decisão poderão avaliar as vantagens e desvantagens de cada alteração proposta no ciclo hidrológico. Exemplos da falta de conhecimentos de Hidrologia na sociedade moderna: 1. Construção nas planícies aluviais de rios 2. Reservatórios superdimensionados 3. Problemas de drenagem urbana 4. Construção e reservatórios pouco profundos em regiões com altas taxas de evaporação 5. Perfuração de poços secos em regiões cristalinas 6. Problemas de salinização de solos em projetos de irrigação em regiões áridas e semi- áridas Exemplo concreto 1: o Açude Cedro – Ce O Açude Cedro foi construído em 1906, no município de Quixadá, Ceará. Exemplo clássico de falta de conhecimento hidrológico, o reservatório foi superdimensionado, construído com capacidade de acumulação equivalente a seis vezes seu volume afluente anual. Tendo sangrado pouquíssimas vezes desde sua construção, a Figura 1.5 mostra uma das ocasiões em que esvaziou totalmente, em 2001. Figura 1.5 - Açude Cedro – Ce (vazio em novembro de 2001) Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 9. 9Capítulo 1 Hidrologia Aplicada Exemplo concreto 2: Inundação em Fortaleza, Ce A Figura 1.6 mostra um problema de drenagem urbana característicos das grandes cidades, no caso, Fortaleza, Ce. Figura 1.6--Enchente em Fortaleza, Ce em 1997 6. APLICAÇÕES DA HIDROLOGIA À ENGENHARIA A Hidrologia não é uma ciência pura, uma vez que o objeto de estudo é usualmente dirigido para aplicações práticas, sendo assim, o termo “Hidrologia Aplicada” é freqüentemente utilizado. Eis algumas das aplicações da hidrologia: Escolha de fontes de abastecimento de água Subterrânea - locação do poço e capacidade de bombeamento Superficial – locação da barragem, estimativa da vazão afluente e da vazão a ser regularizada, dimensionamento do reservatório e do sangradouro Drenagem urbana – dimensionamento de bueiros Drenagem de rodovias – dimensionamento de pontes e pontilhões Irrigação – fonte de abastecimento, estimativa da evapotranspiração da cultura Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 10. 10Capítulo 1 Hidrologia Aplicada Controle de enchentes – dragagem do leito do rio, construção de reservatórios de controle de cheias Exemplo concreto 1: cheias e secas no rio Capibaribe A Bacia do rio Capibaribe, Pernambuco, tem sua história intimamente ligada a episódios de cheias catastróficas, notadamente na Região Metropolitana de Recife. Entretanto, nos últimos anos, a cidade vem sendo atingida por uma grave crise no abastecimento d’água, sendo obrigatório o uso extensivo de carros-pipa. Os quatro maiores açudes da bacia – Jucazinho, Carpina, Goitá e Tapacurá, representam cerca de 91% do total acumulado nos açudes mais importantes da bacia e são utilizados tanto para controle de cheias como para o abastecimento. A operação de reservatórios com múltiplas finalidades é feita tradicionalmente com a divisão do volume total armazenável em zonas para o atendimento de seus diferentes objetivos. Na prática, a divisão consiste em se alocar volumes de reserva para as respectivas finalidades. Objetivos diametralmente conflitantes, como controle de cheias – que requer que a parte do volume destinada a este fim permaneça seca para que a cheia possa assim ser contida – e conservação – que precisa que a água seja efetivamente armazenada para usos futuros em irrigação e abastecimento municipal e industrial – não são fáceis de conciliar. As figuras 1.7 e 1.8 mostram, respectivamente, um esquema da bacia hidrográfica do rio Capibaribe com seus barramentos construídos ao longo de seu leito, e Recife em um episódio de inundação. Figura 1.7 -- Bacia hidrográfica do rio Capibaribe (Pe) e seus barramentos Ticiana Studart e Nilson Campos
  • 11. 11Capítulo 1 Hidrologia Aplicada Figura 1.6--Enchente em Recife, Pe 7. RELAÇÃO DA HIDROLOGIA COM OUTRAS CIÊNCIAS Devido a natureza complexa do ciclo hidrológico e suas relações com os padrões climáticos, tipos de solos, topografia e geologia, as fronteiras entre a hidrologia e as outras ciências da terra, tais como meteorologia, geologia, ecologia e oceanografia não são muito distintas. Na realidade, tais ciências também podem ser consideradas ramos da hidrologia: Meteorologia e Hidrometeorologia – estudo da água atmosférica. Oceanografia – estudo dos oceanos. Hidrografia – estudo das águas superficiais. Potamologia – estudo dos rios. Limnologia – estudo dos lagos e reservatórios. Hidrogeologia – estudo das águas subterrâneas. Sendo assim, poucos problemas hidrológicos podem ficar limitados a apenas um desses ramos. Freqüentemente, devido a grande inter-relações do fenômeno, a solução do problema só pode ser dada através de uma discussão interdisciplinar com profissionais de um ou mais desses ramos. Muitas outras ciências podem ainda ser utilizadas na Hidrologia, tais como física, química, geologia, geografia, mecânica dos fluidos, estatística, economia, computação, direito, etc. Ticiana Studart e Nilson Campos