SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA DE REQUALIFICAÇÃO DE
BRIGADISTA PROFISSIONAL
TEMA: APH
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
APH
Atendimento
Pré-Hospitalar
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR (APH)
O nome pré-hospitalar caracteriza-se pelo atendimento à vítima antes da mesma chegar ao
hospital, podendo ser em locais habitados normalmente (ruas, residências, comércios etc.),
locais de difícil acesso como buracos, galerias fluviais, escombros e outros, além do
atendimento aquático; logicamente, para isso, a equipe requer treinamento. Nestes locais
iniciamos a prestação do serviço de saúde básico ou avançado. Após estabilização, a vítima é
encaminhada para o hospital por meio do melhor recurso disponível, entre eles ambulância,
helicóptero ou lancha.
O Bombeiro Profissional Civil: Estará apto para prestar atendimento a vitimas de Trauma no
local do acidente, tendo como objetivo de Salvar a vida mantendo o suporte básico evitando
agravamentos Trauma.
Trauma: É toda lesão sofrida pela vítima, e pode se dividir em dois, 1º e 2ºTrauma.
1º Trauma- Lesões sofridas devido ao acidente
2º Trauma- Lesões ocasionadas pelo emergencista devido ao mau atendimento.
Perfil do Emergencista :
✓ Ter iniciativa;
✓ Estabilidade Emocional;
✓ Capacidade de liderança;
✓ Capaz de Trabalhar em equipe;
✓ Conhecimento técnico.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
LEGISLAÇÃO ESPECIFICA
LEGISLACÃO PARA SUPORTE OPERACIONAL, TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DOS
SOCORRISTAS
A Portaria n.º 2048, de 5 de novembro de 2002 do Ministério da Saúde dispõe sobre a
regulamentação técnica dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência.
Essa regulamentação estabelece os princípios e diretrizes dos Sistemas Estaduais de Urgência
e Emergência, as normas e critérios de funcionamento, classificação e cadastramento de
serviços e envolve temas como a elaboração dos Planos Estaduais de Atendimento às
Urgências e Emergências, Regulação Médica das Urgências e Emergências, atendimento pré-
hospitalar, atendimento pré-hospitalar móvel, atendimento hospitalar, transporte inter-hospitalar
e ainda a criação de Núcleos de Educação em Urgências e proposição de grades curriculares
para capacitação de recursos humanos da área.
Este Regulamento é de caráter nacional, sendo extensivo ao setor privado que atue na área de
urgência e emergência, com ou sem vínculo com a prestação de serviços aos usuários do
Sistema Único de Saúde. Portanto cobre os serviços dos grupos de socorristas voluntários.
PROCEDIMENTOS INICIAIS
Toda pessoa que estiver realizando um atendimento de primeiro socorro deve, antes de tudo,
atentar para sua própria segurança. O impulso de ajudar outra pessoa não justifica a tomada
de atitudes inconsequentes, que acabem o transformando em outra vítima.
A seriedade e respeito são premissas básicas para um bom atendimento de primeiros
socorros. Para tanto evite que a vítima seja exposta desnecessariamente e mantenha o devido
sigilo sobre as informações pessoais que ela revele durante o atendimento.
PRIMEIROS SOCORROS: São os cuidados imediatos prestados a uma pessoa cujo o estado
físico coloca em risco a sua vida ou a sua saúde, com o fim de manter as suas funções vitais e
evitar o agravamento de suas condições, até que receba assistência médica especializada
SOCORRISTA: Atividade regulamentada pelo Ministério da Saúde, segundo a portaria n° 824
de 24 de Junho de 1999.O socorrista possui um treinamento mais amplo e detalhado que uma
pessoa prestadora de socorro.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
ASPECTOS LEGAIS DOS PRIMEIROS SOCORROS
Obrigação Legal
l
Abaixo, condições que será obrigação moral:
1) Quando a função profissional exigir;
2) Quando pré existir uma responsabilidade intrínseca;
3) Após iniciar o atendimento de socorro.
Omissão de Socorro
Segundo o Código Penal Brasileiro, qualquer indivíduo, mesmo o leigo na área da saúde (pertencente a
qualquer outra área de trabalho, ocupação ou estudo), tem o dever de ajudar um necessitado ou
acidentado ou simplesmente chamar ajuda para estes. Do contrário, sofrerá complicações penais.
"Artigo 135”
Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou
extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir,
nesses casos, o socorro da autoridade pública:
Paragráfo único: A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão corporal de natureza
grave, triplica se resulta em morte.
O fato de chamar o socorro especializado, nos casos que a pessoa não possui
treinamento específico ou não se sente seguro para atuar, já descaracteriza a omissão de
socorro
Finalidade
✓ Manter a vida
✓ Reduzir o agravamento das lesões
✓ Encaminhar para socorro adequado
Importante
✓ Segurança da cena;
✓ Estado de consciência;
✓ Vias aéreas;
✓ Respiração;
✓ Circulação.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Segurança da cena
OBJETIVO: preservar a vida do socorrista.
Para atingir esse objetivo é necessário:
✓ Verificar se o ambiente está seguro;
✓ Utilizar equipamentos de segurança;
✓ Sinalizar área
AVALIAÇÃO DO AMBIENTE
Avaliar os riscos que possam colocar em perigo as pessoas prestadoras de primeiros socorros.
Se houver algum perigo em potencial, aguardar a chegada do socorro especializado.
Verificar a possível causa do acidente, o número de vítimas e a gravidade das mesmas e todas
as outras informações que possam ser úteis para a notificação do acidentado.
SINALIZAÇÃO
Efetuar, sempre que necessário, a sinalização do local para evitar a ocorrência de novos
acidentes. Pode ser feita com cones, fitas zebrada ou qualquer objeto que chame a atenção de
outras pessoas para o cuidado com o local, na falta deste recurso, pode-se pedir para uma
pessoa sinalizar a uma certa distância.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
PROCEDIMENTOS
➢ Dê prioridade aos casos de hemorragia abundante, inconsciência, parada
cardiorrespiratória, estado de choque, envenenamento.
➢ Verifique se há lesão na cabeça, quando o acidentado estiver inconsciente. Havendo
hemorragia por ambos os ouvidos ou pelo nariz, pense em fratura de crânio.
➢
➢ Não dê líquidos a pessoas inconsciente.
➢ Recolha, em caso de amputação, a parte seccionada, envolva em um pano limpo para
entrega imediata ao médico;
Certifique-se que qualquer providência a ser tomada não venha a agravar o estado da vítima;
➢ Chame as autoridades competentes ou transporte a vítima, caso necessário;
➢ Forneça as seguintes informações: Local, horário e
➢ condições em que a vítima se encontra;
➢ Inspire confiança, EVITE O PÂNICO.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
AVALIAÇÃO PRIMARIA
A Avaliação primária é uma avaliação realizada sempre que a vítima está inconsciente e é
necessária para se detectar as condições que colocam em risco iminente a vida da vítima. Ela
se desenvolve obedecendo às seguintes etapas:
➢ Avaliar nível de consciência;
➢ Abrir vias aéreas;
➢ Checar respiração;
➢ Checar circulação;
➢ Checar grandes hemorragias.
AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA
O principal propósito da análise secundária é descobrir lesões ou problemas diversos que
possam ameaçar a sobrevivência da vítima, se não forem tratados convenientemente. É um
processo sistemático de obter informações e ajudar a tranqüilizar a vítima, seus familiares e
testemunhas que tenham interesse pelo seu estado, e esclarecer que providências estão
sendo tomadas.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Os elementos que constituem a análise secundária são: Entrevista Objetiva- conseguir
informações através da observação do local e do mecanismo da lesão, questionando a vítima,
seus parentes e as testemunhas.
Exame da cabeça aos pés - realizar um avaliação pormenorizada da vítima, utilizando os
sentidos do tato, da visão, da audição e do olfato.
➢ Sintomas - são as impressões transmitidas pela vítima, tais como: tontura, náusea,
dores, etc.
➢ Sinais vitais - pulso e respiração.
➢ Outros sinais - Cor e temperatura da pele, diâmetro das pupilas, etc
RCP – RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR
Segundo a Aliança dos Comitês de Ressuscitação, as diretrizes são para que leigos executem
as compressões torácicas de forma contínua fazendo manter o fluxo contínuo de sangue para
o coração, cérebro e outros órgãos vitais, permitindo a manutenção da vida por mais tempo.
Estado de Choque
O choque ocorre quando o sistema circulatório falha em mandar sangue para as
diversas partes do corpo.
Sinais e sintomas:
➢ Pulso rápido
➢ Respirações curtas, rápidas e irregulares;
➢ Pele fria e úmida; pálida e arroxeada nas extremidades;
➢ Agitação ou depressão do nível de consciência.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Causas:
➢ Hemorragias e/ou fraturas graves:
➢ Dor intensa
➢ Queimaduras graves
➢ Esmagamentos ou amputações
➢ Exposições prolongadas a frio ou calor extremos
➢ Acidente por choque elétrico
➢ Ferimentos extensos ou graves
➢ Infecções graves
Conduta:
➢ Deitar a vítima de costas, com a cabeça alinhada e cervical imobilizada elevando
os membros inferiores se não houver fraturas;
➢ Se hemorragia, comprimir o local;
➢ Cobrir a vítima;
➢ Providenciar transporte para remoção imediata a serviço de emergência de hospital
HEMORRAGIA
Conceito:
 a perda constante de sangue ocasionada pelo rompimento de um ou mais vasos
Sanguíneos (veias ou artérias).
Classificação:
A hemorragia pode ser externa ou interna.
HEMORRAGIA EXTERNA:
 aquela que é visível, sendo portanto mais fácil identificar. Se não for prestado atendimento,
pode levar ao estado de choque. A hemorragia pode ser arterial ou venosa. Na Arterial, a saída
de sangue acompanha os batimentos cardíacos. Na Venosa, o sangue sai contínuo.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
ATENDIMENTO PARA HEMORRAGIA EXTERNA:
_ Proteger-se com luvas (sempre que em contato com sangue ou fluidos corpóreos).
_ Identificar o local exato da hemorragia, o sangue espalha-se e podemos estar realizando
atendimento no local errado.
_ Colocar um pano limpo dobrado, no local do ferimento que ocasiona a hemorragia.
_ Colocar a atadura em volta ou fazer uma atadura improvisada, com tiras largas ou cintos.
Não utilizar objetos que possam causar dificuldade circulatória (arames, barbante, fios, etc.).
Faça um curativo compressivo, sem prejudicar a circulação daquele membro.
_ Se a hemorragia for em braço ou perna, eleve o membro, só não o faça se houver
fraturas. _ Pressione a área com os seus dedos (ponto de pressão) para auxiliar a estancar
a hemorragia.
_ Caso o sangue continue saindo mesmo após a realização do curativo compressivo, não retire
os panos molhados de sangue. Coloque outro pano limpo em cima e uma nova atadura,
evitando com isso, interferir no processo de coagulação.
_ Evite usar torniquete, pois ele pode levar a amputação cirúrgica de membro se não for
afrouxado corretamente e no tempo certo.
_ Se a hemorragia for abundante, pegue uma camisa ou um cinto, coloque um pouco acima da
hemorragia e de um nó e puxe, fique segurando firme, isso vai diminuir a chegada de sangue
ao local. Esse método é para substituir o torniquete, e não causa lesões circulatórias, pois cada
vez que o socorrista cansar e tiver que "tomar fôlego", vai diminuir a pressão e aquela área
será irrigada com sangue arterial.
Ferimentos
Ferimentos mais comuns
_ Ferimento por arma branca
_ Ferimentos por arma de fogo
_ Acidente automobilístico
_ Queda de altura
_ Atropelamento
_ Agressão
_ Esportes de risco
FRATURA
Definição
Fratura é a quebra de um osso. Pode ser completa (quando ocorre à separação ou ruptura
total de um osso) ou incompleta (fissura), quebra parcial com ou sem desvio dos fragmentos.
Classificação de fraturas
_ fechadas: quando não há solução de continuidade entre a pele e o osso fraturado, (trinca).
_ abertas: quando existe um ferimento no local da fratura, porém o osso não se expõe
_ expostas: quando existe uma abertura na pele, por onde se expõe parte do osso fraturado
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Fig. Fratura exposta e fratura fechada
Fonte: Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado, 7º edição, 2012, p.341.
Como diagnosticar uma fratura:
_ A inchação, a deformidade e a dor são os sintomas mais comuns.
_ Para melhor avaliação estimule o socorrido a mobilizar o membro afetado.
_ Perda de sangue em fraturas
_ As vítimas que apresentarem sinais de fratura do fêmur e fraturas múltiplas na bacia devem
ser levadas ao hospital imediatamente, pois essas fraturas costumam sangrar muito.
_ Ao sofrer uma fratura do fêmur, a vítima poderá perder até 1,5 litros de sangue. Já se
apresentar fraturas múltiplas da bacia este mesmo paciente poderá perder até 3 litros de
sangue.
Sinais e sintomas
_ Dor intensa que aumenta com o movimento
_ Inchação do ponto fraturado
_ Deformidade de contorno
_ Perda de função (Dificuldade de movimento)
_ Posição anormal do membro fraturado
_ Mobilidade insólita de um ponto, como se ali houvesse uma nova
articulação _ Sensação de crepitação.
Conduta
_ Não mover o paciente antes de conhecer a
lesão _ Não lhe permitir levantar-se ou sentar-se _
Não lhe dar álcool ou estimulantes
_ Não remover a vítima, sem uma prévia imobilização
_ Imobilize o local de modo a impedir que o osso fraturado se mexa e danifique as partes
moles. A imobilização costuma reduzir a dor.
_ Não tente de forma alguma colocar o osso no lugar. Se houver ferimento na pele, lave com
água e sabão e coloque uma compressa de gaze cobrindo a região afetada, antes de
imobilizar.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Queimaduras
Causadores
_ Chama, brasa ou fogo;
_ Vapores quentes;
_ Líquidos ferventes;
_ Sólidos superaquecidos ou incandescentes;
_ Substância química;
_ Radiações;
_ Frio excessivo;
_ Eletricidade.
Térmicas
Causadas pela condução do calor através de líquidos, sólidos, gases quentes e do calor
de chamas.
Conduta
Não interessa qual a profundidade da queimadura térmica, o primeiro cuidado é a
interrupção da atividade agressiva aos tecidos orgânicos do agente agressor.
_ Utilização de água corrente na zona lesada
_ NUNCA estoure as bolhas que se poderão formar na queimadura
Elétricas
Causadas pelo contato com a eletricidade de alta e baixa voltagem. O dano é causado
pela produção de calor que ocorre à medida que a corrente elétrica atravessa o corpo.
Conduta
A principal prioridade está em determinar se a vítima ainda permanece em contato com a
rede elétrica.
_ Podem causar paradas cardíacas e a reanimação cardiopulmonar pode ser
necessária _ Encaminhar para o hospital
Químicas
Provocada pelo contato de substâncias corrosivas, líquidas ou sólidas com a pele.
O produto químico continua a reagir até ser totalmente removido . A pele libera água que
permite qualquer reação, portanto é melhor lavar e diluir com grande quantidade de água.
Conduta
_ Retirar a roupa impregnada pela substância
_ A lavagem deve começar imediatamente
Importante: identificar o produto
Radiação
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Resulta da exposição à luz solar ou a fontes nucleares.
A pele libera água que permite qualquer reação, portanto é melhor lavar e diluir com
grande quantidade de água.
Conduta
_ Aplicar água corrente ou toalhas molhadas;
_ Ingerir bastantes líquidos pelo risco de desidratação
Gravidade
Depende da:
_ Causa;
_ Profundidade;
_ Percentual de superfície corporal;
_ Localização;
_ Comprometimento das vias aéreas;
Classificação
Pela
profundidade
(1º, 2º, 3º
graus)
– 1º - vermelhidão, dor, edema.
– 2º - bolhas, dor intensa.
– 3º - pele
esbranquiça
da,
necrose,
indolor
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
O QUE NÃO FAZER?
_ Não toque a área afetada.
_ Nunca fure as bolhas.
_ Não tente retirar pedaços de roupa grudados na pele. Se necessário, recorte em volta
da roupa que está sobre a região afetada.
_ Não use manteiga, pomada, creme dental ou qualquer outro produto doméstico sobre
a queimadura.
_ Não cubra a queimadura com algodão.
_ Não use gelo ou água gelada para resfriar a região.
Desmaio
É a perda súbita e passageira, parcial ou total da consciência, acompanhada de uma
baixa temporária de suprimento sanguíneo e oxigênio no cérebro.
Sinais e sintomas:
_ Visão escurecida
_ Perda parcial ou total da consciência
_ Tontura_ Palidez
Crise convulsiva
É uma doença do sistema nervoso, não transmissível, que se caracteriza por
contrações desordenadas da musculatura, geralmente com perda da consciência.
Sintomas:
_ Salivação abundante;
_ Perda de urina;
_ Movimentos desordenados dos membros.
Causas
_ Epilepsia
_ Hipoglicemia
_ Overdose
_ Abstinência Alcoólica
_ Meningite
_ Lesões cerebrais: tumores, derrames
_ Febre alta
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Conduta
_ Avaliar a cena
_ Lateralizar todo corpo
_ Não tentar conter mecanicamente a crise
_ Afastar tudo que possa lesar a pessoa
_ Afrouxar as roupas
_ Pedir ajuda
_ Aguardar cessar a crise
_ Realizar o ABC
Fase de recuperação
Uma crise convulsiva leva em torno de 3 a 7 minutos.
Após vem:
_ O estado de sonolência;
_ Confusão mental;
_ Reorganização do pensamento.
Asfixia
É causada por obstrução das via
aérea. Suas manifestações incluem:
_ Ausência ou dificuldade para
falar _ Angústia respiratória
MANOBRA DE HEIMLICH:
Posicione-se atrás da vítima, envolva-a com os seus braços, cerre o punho de uma das mãos e
o coloque no centro do abdome, logo acima do umbigo, tome cuidado para não colocar a mão
sobre o processo xifóide, e espalme a outra mão e coloque-a sobre a mão que está fechada
sobre o abdome e realize um movimento forte para dentro e para cima, repita por seis vezes
(se necessária) procure manter a calma.
Pode ser ocasionada pela língua ou pela presença de corpos estranhos. Objetos tais como um
pedaço de carne, um chiclete, próteses dentárias, vômito, etc, podem eventualmente obstruir
as vi
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Suporte Básico de Vida
No dia 16 de outubro de 2015 a American Heart Association
(AHA) publicou as novas diretrizes recomendando que os
passos da ressuscitação cardiopulmonar (RCP) sejam
reordenados.
ABRA VIAS AÉREAS
Libere vias aéreas aplicando a técnica de hiperextensão do pescoço e protusão mandibular.
VERIFIQUE O NÍVEL DE
CONSCIÊNCIA DA VÍTIMA.
PERGUNTE:
➢ Oi tudo bem?
➢ Você pode me ouvir?
➢ Pode falar?
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
IMPORTANTE
Se a vítima estiver caída ao solo, o socorrista deverá ajoelhar
ao seu lado e manter sempre um ou os dois joelhos no solo.
VERIFIQUE A CIRCULAÇÃO
Procure sentir o pulso, verificando na artéria carótida se for adulto
ou criança,
em caso de bebê verifique o pulso na artéria braquial.
VERIFIQUE A RESPIRAÇÃO
Observe se o peito da vítima sobe e desce, colocando sua orelha
próxima a boca da vítima. Olhe, ouça e sinta o ar saindo e entrando
por alguns segundos,
para determinar se há ou não presença de respiração.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
QUAL O PROCEDIMENTO CORRETO PARA UMA REANIMAÇÃO CÁRDIO-
PULMONAR
O local da massagem cardíaca externa é achada colocando a mão dois
dedos acima do Apêndice Xifóide ou no meio da linha dos mamilos.
MÃOS NO TÓRAX
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
COMPRESSÕES TORÁCICAS
DE ACORDO COM AS IDADES
COMPRESSÕES TORÁCICAS
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
SE HOUVEREM DOIS SOCORRISTAS, UM VENTILA (COM MASCARA), O
OUTRO COMPRIME!!!
Manter a RCP até a vítima apresentar sinais de que respira, até o Resgate
chegar ou até o socorrista entrar em exaustão.
POSIÇÃO DE RECUPERAÇÃO
Coloque a vítima inconsciente que esteja respirando na posição de recuperação, desta forma
as vias aéreas permanecem liberadas permitindo a eliminação de fluídos pela boca, evitando
também aspiração de conteúdo do estômago caso venha a vomitar. Para a vítima apenas
desmaiada, deverão ser elevadas as pernas da vítima a um nível acima do nível do coração
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Múltiplas vitímas
CONHEÇA A TÁTICA DE TRIAGEM START
A tática de triagem obedece a técnica denominado START (simples triagem e rápido
tratamento) por ser um método simples, que se baseia na avaliação da respiração, circulação e
nível de consciência, dividindo as vítimas em quatro prioridades e utiliza cartões coloridos para
definir cada uma das prioridades. A prioridade de atendimento às vítimas obedece a seguinte
ordem:
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Triagem
Processo utilizado em situações onde a emergência ultrapassa a capacidade de
resposta da equipe de socorro. Utilizado para alocar recursos e hierarquizar o
atendimento de vítimas de acordo com um sistema de prioridades, de forma a
possibilitar o atendimento e o transporte rápido do maior número possível de vítimas.
O primeiro socorrista que chega numa cena da emergência com múltiplas vítimas
enfrenta um grande problema. A situação é diferente e seus métodos usuais de
resposta e operação não são aplicáveis. Este profissional deve modificar sua forma
rotineira de trabalho buscando um novo método de atuação que lhe permita responder
adequadamente a situação.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
CÓDIGO DE CORES NO PROCESSO DE TRIAGEM
Cor Vermelha
Significa primeira prioridade:
São as vítimas que apresentam sinais e sintomas que demonstram um estado crítico
e necessitam tratamento e transporte imediato.
Cor Amarela
Significa segunda prioridade:
São as vítimas que apresentam sinais e sintomas que permitem adiar a atenção e
podem aguardar pelo transporte.
Cor Verde
Significa terceira prioridade:
São as vítimas que apresentam lesões menores ou sinais e sintomas que não
requerem atenção imediata.
Cor Cinza
Significa sem prioridade (morte clínica):
São as vítimas que apresentam lesões obviamente mortais ou para identificação de cadáveres.
Detalhamento das Áreas de Prioridade:
Na área destinada às vítimas com Cartão Vermelho vão todos os pacientes com risco de vida
imediato e que terão uma evolução favorável se os cuidados médicos forem iniciados
imediatamente. Aqui também irão os pacientes que necessitam de um transporte rápido até o
hospital para serem estabilizados no centro cirúrgico.
São os pacientes com:
Choque;
Amputações.
Lesões arteriais;
Hemorragia Severa;
Lesões por inalação;
Queimaduras em face;
Lesão de face e olhos;
Lesões intra-abdominais;
Insuficiência Respiratória;
Pneumotórax Hipertensivo
Lesões extensas de partes moles;
Queimaduras de 2º grau maior que 20% a 40%,ou de 3º grau maior que 10 a 30%;
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
CARTÃO AMARELO
Na área destinada às vítimas com Cartão Amarelo vão aquelas vítimas que necessitam de
algum atendimento médico no local e posterior transporte hospitalar, porém que não possuem
risco de vida imediato.
São os pacientes com:
● Fraturas;
● TCE leve, moderado;
● Queimaduras menores;
● Traumatismos abdominais e torácicos;
● Ferimentos com sangramento que necessitam suturas
CARTÃO VERDE
Na área destinada às vítimas com Cartão Verde vão as vítimas que apresentam pequenas
lesões, geralmente estão sentadas ou andando, sem risco de vida e que podem ser avaliadas
ambulatorialmente. São os pacientes que causam mais problemas na cena do acidente,
geralmente estão com dor e em estado de choque e tendem a ser pouco cooperativos. Não
entendem o fato de estarem agrupados numa certa área recebendo cuidados mínimos. É
extremamente importante um apoio psicológico para manter essas vítimas nessas áreas, pois
do contrário elas tendem a deixar o local, indo sobrecarregar o hospital mais próximo.
São os pacientes com:
● Contusões;
● Hematomas;
● Escoriações;
● Pequenos ferimentos.
CARTÃO PRETO
Na área destinada às vítimas com Cartão Preto vão as vítimas em óbito. Naquelas situações
em que há um desequilíbrio entre os recursos médicos e o número de vítimas, todos os
pacientes com traumatismos severos, com poucas chances de sobrevida, também vão para
essa área de prioridade.
São os pacientes:
● em óbito;
● múltiplos traumas graves;
● queimaduras de 2 e 3 grau extensas.
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM
Pontuação total: de 3 a 15
3 = Coma profundo; (85% de probabilidade de morte; estado vegetativo)
4 = Coma profundo;
7 = Coma intermediário;
11 = Coma superficial;
15 = Normalidade.
Classificação do Trauma cranioencefálico (ATLS, 2005)
3-8 = Grave; (necessidade de intubação imediata)
9-12 = Moderado;
13-15 = Leve
Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR

Metodostart 091108191229-phpapp01
Metodostart 091108191229-phpapp01Metodostart 091108191229-phpapp01
Metodostart 091108191229-phpapp01
Placido Bombeiro
 
Primeiros Socorros NR7_Novo.pptx
Primeiros Socorros NR7_Novo.pptxPrimeiros Socorros NR7_Novo.pptx
Primeiros Socorros NR7_Novo.pptx
HailtonJose1
 
1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx
1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx
1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx
Irisnara Nunes Silva
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS
miguel_ytchu
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
ernandesrodriguesdasilva
 
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdfaula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
Edmar Barbosa
 
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimasS.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
Deise
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
Augusto Santos
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
Oberlania Alves
 
Aula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 nAula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 n
Rosemeire Moreira Souza
 
Aula primeiros socorros eletricistas
Aula primeiros socorros eletricistasAula primeiros socorros eletricistas
Aula primeiros socorros eletricistas
Wesley Campos
 
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
laiscarlini
 
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorroAula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
renataldelucena
 
Aula 2 Primeiros Socorros.pdf
Aula 2 Primeiros Socorros.pdfAula 2 Primeiros Socorros.pdf
Aula 2 Primeiros Socorros.pdf
ontimiza
 
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
ElioenaiAlmeida1
 
Aula Sobre: Primeiros Socorros-Aula 1.pptx
Aula Sobre: Primeiros Socorros-Aula 1.pptxAula Sobre: Primeiros Socorros-Aula 1.pptx
Aula Sobre: Primeiros Socorros-Aula 1.pptx
JooCosme3
 
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptxPrimeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
MeiderLeister1
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
celsoricca
 
Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
marceloteacher
 
Manualdeprimeirossocorros 120519162347-phpapp01
Manualdeprimeirossocorros 120519162347-phpapp01Manualdeprimeirossocorros 120519162347-phpapp01
Manualdeprimeirossocorros 120519162347-phpapp01
Ariana Alves
 

Semelhante a Apostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR (20)

Metodostart 091108191229-phpapp01
Metodostart 091108191229-phpapp01Metodostart 091108191229-phpapp01
Metodostart 091108191229-phpapp01
 
Primeiros Socorros NR7_Novo.pptx
Primeiros Socorros NR7_Novo.pptxPrimeiros Socorros NR7_Novo.pptx
Primeiros Socorros NR7_Novo.pptx
 
1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx
1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx
1 aula PRIMEIROS SOCORROS E EMERGÊNGIA NETS.pptx
 
\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS\'PRIMEIROS_SOCORROS
\'PRIMEIROS_SOCORROS
 
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesmAtendimento pré hospitalar aula 01 iesm
Atendimento pré hospitalar aula 01 iesm
 
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdfaula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
aula-01-primeiros-socorros-introducao1678074901.pdf
 
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimasS.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Slides Primeiros Socorros
Slides Primeiros SocorrosSlides Primeiros Socorros
Slides Primeiros Socorros
 
Aula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 nAula 1 tst01 n
Aula 1 tst01 n
 
Aula primeiros socorros eletricistas
Aula primeiros socorros eletricistasAula primeiros socorros eletricistas
Aula primeiros socorros eletricistas
 
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
0312 protocolos para atendimentos de emergências - Marion
 
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorroAula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
Aula teórica de primeiros socorros com fases do socorro
 
Aula 2 Primeiros Socorros.pdf
Aula 2 Primeiros Socorros.pdfAula 2 Primeiros Socorros.pdf
Aula 2 Primeiros Socorros.pdf
 
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
2- Biossegurança, Avaliação da cena, Avaliação primária e Avaliação do paciente
 
Aula Sobre: Primeiros Socorros-Aula 1.pptx
Aula Sobre: Primeiros Socorros-Aula 1.pptxAula Sobre: Primeiros Socorros-Aula 1.pptx
Aula Sobre: Primeiros Socorros-Aula 1.pptx
 
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptxPrimeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
Primeiros Socorros Avançado - Meider.pptx
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Bombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorrosBombeiro civil primeiros socorros
Bombeiro civil primeiros socorros
 
Manualdeprimeirossocorros 120519162347-phpapp01
Manualdeprimeirossocorros 120519162347-phpapp01Manualdeprimeirossocorros 120519162347-phpapp01
Manualdeprimeirossocorros 120519162347-phpapp01
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 

Apostila APH.- ATENDIMENTO PRE HOSPITALAR

  • 1. APOSTILA DE REQUALIFICAÇÃO DE BRIGADISTA PROFISSIONAL TEMA: APH
  • 2. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM APH Atendimento Pré-Hospitalar
  • 3. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR (APH) O nome pré-hospitalar caracteriza-se pelo atendimento à vítima antes da mesma chegar ao hospital, podendo ser em locais habitados normalmente (ruas, residências, comércios etc.), locais de difícil acesso como buracos, galerias fluviais, escombros e outros, além do atendimento aquático; logicamente, para isso, a equipe requer treinamento. Nestes locais iniciamos a prestação do serviço de saúde básico ou avançado. Após estabilização, a vítima é encaminhada para o hospital por meio do melhor recurso disponível, entre eles ambulância, helicóptero ou lancha. O Bombeiro Profissional Civil: Estará apto para prestar atendimento a vitimas de Trauma no local do acidente, tendo como objetivo de Salvar a vida mantendo o suporte básico evitando agravamentos Trauma. Trauma: É toda lesão sofrida pela vítima, e pode se dividir em dois, 1º e 2ºTrauma. 1º Trauma- Lesões sofridas devido ao acidente 2º Trauma- Lesões ocasionadas pelo emergencista devido ao mau atendimento. Perfil do Emergencista : ✓ Ter iniciativa; ✓ Estabilidade Emocional; ✓ Capacidade de liderança; ✓ Capaz de Trabalhar em equipe; ✓ Conhecimento técnico.
  • 4. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM LEGISLAÇÃO ESPECIFICA LEGISLACÃO PARA SUPORTE OPERACIONAL, TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DOS SOCORRISTAS A Portaria n.º 2048, de 5 de novembro de 2002 do Ministério da Saúde dispõe sobre a regulamentação técnica dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Essa regulamentação estabelece os princípios e diretrizes dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência, as normas e critérios de funcionamento, classificação e cadastramento de serviços e envolve temas como a elaboração dos Planos Estaduais de Atendimento às Urgências e Emergências, Regulação Médica das Urgências e Emergências, atendimento pré- hospitalar, atendimento pré-hospitalar móvel, atendimento hospitalar, transporte inter-hospitalar e ainda a criação de Núcleos de Educação em Urgências e proposição de grades curriculares para capacitação de recursos humanos da área. Este Regulamento é de caráter nacional, sendo extensivo ao setor privado que atue na área de urgência e emergência, com ou sem vínculo com a prestação de serviços aos usuários do Sistema Único de Saúde. Portanto cobre os serviços dos grupos de socorristas voluntários. PROCEDIMENTOS INICIAIS Toda pessoa que estiver realizando um atendimento de primeiro socorro deve, antes de tudo, atentar para sua própria segurança. O impulso de ajudar outra pessoa não justifica a tomada de atitudes inconsequentes, que acabem o transformando em outra vítima. A seriedade e respeito são premissas básicas para um bom atendimento de primeiros socorros. Para tanto evite que a vítima seja exposta desnecessariamente e mantenha o devido sigilo sobre as informações pessoais que ela revele durante o atendimento. PRIMEIROS SOCORROS: São os cuidados imediatos prestados a uma pessoa cujo o estado físico coloca em risco a sua vida ou a sua saúde, com o fim de manter as suas funções vitais e evitar o agravamento de suas condições, até que receba assistência médica especializada SOCORRISTA: Atividade regulamentada pelo Ministério da Saúde, segundo a portaria n° 824 de 24 de Junho de 1999.O socorrista possui um treinamento mais amplo e detalhado que uma pessoa prestadora de socorro.
  • 5. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM ASPECTOS LEGAIS DOS PRIMEIROS SOCORROS Obrigação Legal l Abaixo, condições que será obrigação moral: 1) Quando a função profissional exigir; 2) Quando pré existir uma responsabilidade intrínseca; 3) Após iniciar o atendimento de socorro. Omissão de Socorro Segundo o Código Penal Brasileiro, qualquer indivíduo, mesmo o leigo na área da saúde (pertencente a qualquer outra área de trabalho, ocupação ou estudo), tem o dever de ajudar um necessitado ou acidentado ou simplesmente chamar ajuda para estes. Do contrário, sofrerá complicações penais. "Artigo 135” Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco pessoal, à criança abandonada ou extraviada, ou à pessoa inválida ou ferida, ao desamparo ou em grave e iminente perigo; ou não pedir, nesses casos, o socorro da autoridade pública: Paragráfo único: A pena é aumentada de metade, se da omissão resulta lesão corporal de natureza grave, triplica se resulta em morte. O fato de chamar o socorro especializado, nos casos que a pessoa não possui treinamento específico ou não se sente seguro para atuar, já descaracteriza a omissão de socorro Finalidade ✓ Manter a vida ✓ Reduzir o agravamento das lesões ✓ Encaminhar para socorro adequado Importante ✓ Segurança da cena; ✓ Estado de consciência; ✓ Vias aéreas; ✓ Respiração; ✓ Circulação.
  • 6. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Segurança da cena OBJETIVO: preservar a vida do socorrista. Para atingir esse objetivo é necessário: ✓ Verificar se o ambiente está seguro; ✓ Utilizar equipamentos de segurança; ✓ Sinalizar área AVALIAÇÃO DO AMBIENTE Avaliar os riscos que possam colocar em perigo as pessoas prestadoras de primeiros socorros. Se houver algum perigo em potencial, aguardar a chegada do socorro especializado. Verificar a possível causa do acidente, o número de vítimas e a gravidade das mesmas e todas as outras informações que possam ser úteis para a notificação do acidentado. SINALIZAÇÃO Efetuar, sempre que necessário, a sinalização do local para evitar a ocorrência de novos acidentes. Pode ser feita com cones, fitas zebrada ou qualquer objeto que chame a atenção de outras pessoas para o cuidado com o local, na falta deste recurso, pode-se pedir para uma pessoa sinalizar a uma certa distância.
  • 7. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM PROCEDIMENTOS ➢ Dê prioridade aos casos de hemorragia abundante, inconsciência, parada cardiorrespiratória, estado de choque, envenenamento. ➢ Verifique se há lesão na cabeça, quando o acidentado estiver inconsciente. Havendo hemorragia por ambos os ouvidos ou pelo nariz, pense em fratura de crânio. ➢ ➢ Não dê líquidos a pessoas inconsciente. ➢ Recolha, em caso de amputação, a parte seccionada, envolva em um pano limpo para entrega imediata ao médico; Certifique-se que qualquer providência a ser tomada não venha a agravar o estado da vítima; ➢ Chame as autoridades competentes ou transporte a vítima, caso necessário; ➢ Forneça as seguintes informações: Local, horário e ➢ condições em que a vítima se encontra; ➢ Inspire confiança, EVITE O PÂNICO.
  • 8. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM AVALIAÇÃO PRIMARIA A Avaliação primária é uma avaliação realizada sempre que a vítima está inconsciente e é necessária para se detectar as condições que colocam em risco iminente a vida da vítima. Ela se desenvolve obedecendo às seguintes etapas: ➢ Avaliar nível de consciência; ➢ Abrir vias aéreas; ➢ Checar respiração; ➢ Checar circulação; ➢ Checar grandes hemorragias. AVALIAÇÃO SECUNDÁRIA O principal propósito da análise secundária é descobrir lesões ou problemas diversos que possam ameaçar a sobrevivência da vítima, se não forem tratados convenientemente. É um processo sistemático de obter informações e ajudar a tranqüilizar a vítima, seus familiares e testemunhas que tenham interesse pelo seu estado, e esclarecer que providências estão sendo tomadas.
  • 9. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Os elementos que constituem a análise secundária são: Entrevista Objetiva- conseguir informações através da observação do local e do mecanismo da lesão, questionando a vítima, seus parentes e as testemunhas. Exame da cabeça aos pés - realizar um avaliação pormenorizada da vítima, utilizando os sentidos do tato, da visão, da audição e do olfato. ➢ Sintomas - são as impressões transmitidas pela vítima, tais como: tontura, náusea, dores, etc. ➢ Sinais vitais - pulso e respiração. ➢ Outros sinais - Cor e temperatura da pele, diâmetro das pupilas, etc RCP – RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Segundo a Aliança dos Comitês de Ressuscitação, as diretrizes são para que leigos executem as compressões torácicas de forma contínua fazendo manter o fluxo contínuo de sangue para o coração, cérebro e outros órgãos vitais, permitindo a manutenção da vida por mais tempo. Estado de Choque O choque ocorre quando o sistema circulatório falha em mandar sangue para as diversas partes do corpo. Sinais e sintomas: ➢ Pulso rápido ➢ Respirações curtas, rápidas e irregulares; ➢ Pele fria e úmida; pálida e arroxeada nas extremidades; ➢ Agitação ou depressão do nível de consciência.
  • 10. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Causas: ➢ Hemorragias e/ou fraturas graves: ➢ Dor intensa ➢ Queimaduras graves ➢ Esmagamentos ou amputações ➢ Exposições prolongadas a frio ou calor extremos ➢ Acidente por choque elétrico ➢ Ferimentos extensos ou graves ➢ Infecções graves Conduta: ➢ Deitar a vítima de costas, com a cabeça alinhada e cervical imobilizada elevando os membros inferiores se não houver fraturas; ➢ Se hemorragia, comprimir o local; ➢ Cobrir a vítima; ➢ Providenciar transporte para remoção imediata a serviço de emergência de hospital HEMORRAGIA Conceito:  a perda constante de sangue ocasionada pelo rompimento de um ou mais vasos Sanguíneos (veias ou artérias). Classificação: A hemorragia pode ser externa ou interna. HEMORRAGIA EXTERNA:  aquela que é visível, sendo portanto mais fácil identificar. Se não for prestado atendimento, pode levar ao estado de choque. A hemorragia pode ser arterial ou venosa. Na Arterial, a saída de sangue acompanha os batimentos cardíacos. Na Venosa, o sangue sai contínuo.
  • 11. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM ATENDIMENTO PARA HEMORRAGIA EXTERNA: _ Proteger-se com luvas (sempre que em contato com sangue ou fluidos corpóreos). _ Identificar o local exato da hemorragia, o sangue espalha-se e podemos estar realizando atendimento no local errado. _ Colocar um pano limpo dobrado, no local do ferimento que ocasiona a hemorragia. _ Colocar a atadura em volta ou fazer uma atadura improvisada, com tiras largas ou cintos. Não utilizar objetos que possam causar dificuldade circulatória (arames, barbante, fios, etc.). Faça um curativo compressivo, sem prejudicar a circulação daquele membro. _ Se a hemorragia for em braço ou perna, eleve o membro, só não o faça se houver fraturas. _ Pressione a área com os seus dedos (ponto de pressão) para auxiliar a estancar a hemorragia. _ Caso o sangue continue saindo mesmo após a realização do curativo compressivo, não retire os panos molhados de sangue. Coloque outro pano limpo em cima e uma nova atadura, evitando com isso, interferir no processo de coagulação. _ Evite usar torniquete, pois ele pode levar a amputação cirúrgica de membro se não for afrouxado corretamente e no tempo certo. _ Se a hemorragia for abundante, pegue uma camisa ou um cinto, coloque um pouco acima da hemorragia e de um nó e puxe, fique segurando firme, isso vai diminuir a chegada de sangue ao local. Esse método é para substituir o torniquete, e não causa lesões circulatórias, pois cada vez que o socorrista cansar e tiver que "tomar fôlego", vai diminuir a pressão e aquela área será irrigada com sangue arterial. Ferimentos Ferimentos mais comuns _ Ferimento por arma branca _ Ferimentos por arma de fogo _ Acidente automobilístico _ Queda de altura _ Atropelamento _ Agressão _ Esportes de risco FRATURA Definição Fratura é a quebra de um osso. Pode ser completa (quando ocorre à separação ou ruptura total de um osso) ou incompleta (fissura), quebra parcial com ou sem desvio dos fragmentos. Classificação de fraturas _ fechadas: quando não há solução de continuidade entre a pele e o osso fraturado, (trinca). _ abertas: quando existe um ferimento no local da fratura, porém o osso não se expõe _ expostas: quando existe uma abertura na pele, por onde se expõe parte do osso fraturado
  • 12. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Fig. Fratura exposta e fratura fechada Fonte: Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado, 7º edição, 2012, p.341. Como diagnosticar uma fratura: _ A inchação, a deformidade e a dor são os sintomas mais comuns. _ Para melhor avaliação estimule o socorrido a mobilizar o membro afetado. _ Perda de sangue em fraturas _ As vítimas que apresentarem sinais de fratura do fêmur e fraturas múltiplas na bacia devem ser levadas ao hospital imediatamente, pois essas fraturas costumam sangrar muito. _ Ao sofrer uma fratura do fêmur, a vítima poderá perder até 1,5 litros de sangue. Já se apresentar fraturas múltiplas da bacia este mesmo paciente poderá perder até 3 litros de sangue. Sinais e sintomas _ Dor intensa que aumenta com o movimento _ Inchação do ponto fraturado _ Deformidade de contorno _ Perda de função (Dificuldade de movimento) _ Posição anormal do membro fraturado _ Mobilidade insólita de um ponto, como se ali houvesse uma nova articulação _ Sensação de crepitação. Conduta _ Não mover o paciente antes de conhecer a lesão _ Não lhe permitir levantar-se ou sentar-se _ Não lhe dar álcool ou estimulantes _ Não remover a vítima, sem uma prévia imobilização _ Imobilize o local de modo a impedir que o osso fraturado se mexa e danifique as partes moles. A imobilização costuma reduzir a dor. _ Não tente de forma alguma colocar o osso no lugar. Se houver ferimento na pele, lave com água e sabão e coloque uma compressa de gaze cobrindo a região afetada, antes de imobilizar.
  • 13. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Queimaduras Causadores _ Chama, brasa ou fogo; _ Vapores quentes; _ Líquidos ferventes; _ Sólidos superaquecidos ou incandescentes; _ Substância química; _ Radiações; _ Frio excessivo; _ Eletricidade. Térmicas Causadas pela condução do calor através de líquidos, sólidos, gases quentes e do calor de chamas. Conduta Não interessa qual a profundidade da queimadura térmica, o primeiro cuidado é a interrupção da atividade agressiva aos tecidos orgânicos do agente agressor. _ Utilização de água corrente na zona lesada _ NUNCA estoure as bolhas que se poderão formar na queimadura Elétricas Causadas pelo contato com a eletricidade de alta e baixa voltagem. O dano é causado pela produção de calor que ocorre à medida que a corrente elétrica atravessa o corpo. Conduta A principal prioridade está em determinar se a vítima ainda permanece em contato com a rede elétrica. _ Podem causar paradas cardíacas e a reanimação cardiopulmonar pode ser necessária _ Encaminhar para o hospital Químicas Provocada pelo contato de substâncias corrosivas, líquidas ou sólidas com a pele. O produto químico continua a reagir até ser totalmente removido . A pele libera água que permite qualquer reação, portanto é melhor lavar e diluir com grande quantidade de água. Conduta _ Retirar a roupa impregnada pela substância _ A lavagem deve começar imediatamente Importante: identificar o produto Radiação
  • 14. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Resulta da exposição à luz solar ou a fontes nucleares. A pele libera água que permite qualquer reação, portanto é melhor lavar e diluir com grande quantidade de água. Conduta _ Aplicar água corrente ou toalhas molhadas; _ Ingerir bastantes líquidos pelo risco de desidratação Gravidade Depende da: _ Causa; _ Profundidade; _ Percentual de superfície corporal; _ Localização; _ Comprometimento das vias aéreas; Classificação Pela profundidade (1º, 2º, 3º graus) – 1º - vermelhidão, dor, edema. – 2º - bolhas, dor intensa. – 3º - pele esbranquiça da, necrose, indolor
  • 15. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM O QUE NÃO FAZER? _ Não toque a área afetada. _ Nunca fure as bolhas. _ Não tente retirar pedaços de roupa grudados na pele. Se necessário, recorte em volta da roupa que está sobre a região afetada. _ Não use manteiga, pomada, creme dental ou qualquer outro produto doméstico sobre a queimadura. _ Não cubra a queimadura com algodão. _ Não use gelo ou água gelada para resfriar a região. Desmaio É a perda súbita e passageira, parcial ou total da consciência, acompanhada de uma baixa temporária de suprimento sanguíneo e oxigênio no cérebro. Sinais e sintomas: _ Visão escurecida _ Perda parcial ou total da consciência _ Tontura_ Palidez Crise convulsiva É uma doença do sistema nervoso, não transmissível, que se caracteriza por contrações desordenadas da musculatura, geralmente com perda da consciência. Sintomas: _ Salivação abundante; _ Perda de urina; _ Movimentos desordenados dos membros. Causas _ Epilepsia _ Hipoglicemia _ Overdose _ Abstinência Alcoólica _ Meningite _ Lesões cerebrais: tumores, derrames _ Febre alta
  • 16. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Conduta _ Avaliar a cena _ Lateralizar todo corpo _ Não tentar conter mecanicamente a crise _ Afastar tudo que possa lesar a pessoa _ Afrouxar as roupas _ Pedir ajuda _ Aguardar cessar a crise _ Realizar o ABC Fase de recuperação Uma crise convulsiva leva em torno de 3 a 7 minutos. Após vem: _ O estado de sonolência; _ Confusão mental; _ Reorganização do pensamento. Asfixia É causada por obstrução das via aérea. Suas manifestações incluem: _ Ausência ou dificuldade para falar _ Angústia respiratória MANOBRA DE HEIMLICH: Posicione-se atrás da vítima, envolva-a com os seus braços, cerre o punho de uma das mãos e o coloque no centro do abdome, logo acima do umbigo, tome cuidado para não colocar a mão sobre o processo xifóide, e espalme a outra mão e coloque-a sobre a mão que está fechada sobre o abdome e realize um movimento forte para dentro e para cima, repita por seis vezes (se necessária) procure manter a calma. Pode ser ocasionada pela língua ou pela presença de corpos estranhos. Objetos tais como um pedaço de carne, um chiclete, próteses dentárias, vômito, etc, podem eventualmente obstruir as vi
  • 17. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Suporte Básico de Vida No dia 16 de outubro de 2015 a American Heart Association (AHA) publicou as novas diretrizes recomendando que os passos da ressuscitação cardiopulmonar (RCP) sejam reordenados. ABRA VIAS AÉREAS Libere vias aéreas aplicando a técnica de hiperextensão do pescoço e protusão mandibular. VERIFIQUE O NÍVEL DE CONSCIÊNCIA DA VÍTIMA. PERGUNTE: ➢ Oi tudo bem? ➢ Você pode me ouvir? ➢ Pode falar?
  • 18. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM IMPORTANTE Se a vítima estiver caída ao solo, o socorrista deverá ajoelhar ao seu lado e manter sempre um ou os dois joelhos no solo. VERIFIQUE A CIRCULAÇÃO Procure sentir o pulso, verificando na artéria carótida se for adulto ou criança, em caso de bebê verifique o pulso na artéria braquial. VERIFIQUE A RESPIRAÇÃO Observe se o peito da vítima sobe e desce, colocando sua orelha próxima a boca da vítima. Olhe, ouça e sinta o ar saindo e entrando por alguns segundos, para determinar se há ou não presença de respiração.
  • 19. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM QUAL O PROCEDIMENTO CORRETO PARA UMA REANIMAÇÃO CÁRDIO- PULMONAR O local da massagem cardíaca externa é achada colocando a mão dois dedos acima do Apêndice Xifóide ou no meio da linha dos mamilos. MÃOS NO TÓRAX
  • 20. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM COMPRESSÕES TORÁCICAS DE ACORDO COM AS IDADES COMPRESSÕES TORÁCICAS
  • 21. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM SE HOUVEREM DOIS SOCORRISTAS, UM VENTILA (COM MASCARA), O OUTRO COMPRIME!!! Manter a RCP até a vítima apresentar sinais de que respira, até o Resgate chegar ou até o socorrista entrar em exaustão. POSIÇÃO DE RECUPERAÇÃO Coloque a vítima inconsciente que esteja respirando na posição de recuperação, desta forma as vias aéreas permanecem liberadas permitindo a eliminação de fluídos pela boca, evitando também aspiração de conteúdo do estômago caso venha a vomitar. Para a vítima apenas desmaiada, deverão ser elevadas as pernas da vítima a um nível acima do nível do coração
  • 22. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Múltiplas vitímas CONHEÇA A TÁTICA DE TRIAGEM START A tática de triagem obedece a técnica denominado START (simples triagem e rápido tratamento) por ser um método simples, que se baseia na avaliação da respiração, circulação e nível de consciência, dividindo as vítimas em quatro prioridades e utiliza cartões coloridos para definir cada uma das prioridades. A prioridade de atendimento às vítimas obedece a seguinte ordem:
  • 23. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Triagem Processo utilizado em situações onde a emergência ultrapassa a capacidade de resposta da equipe de socorro. Utilizado para alocar recursos e hierarquizar o atendimento de vítimas de acordo com um sistema de prioridades, de forma a possibilitar o atendimento e o transporte rápido do maior número possível de vítimas. O primeiro socorrista que chega numa cena da emergência com múltiplas vítimas enfrenta um grande problema. A situação é diferente e seus métodos usuais de resposta e operação não são aplicáveis. Este profissional deve modificar sua forma rotineira de trabalho buscando um novo método de atuação que lhe permita responder adequadamente a situação.
  • 24. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM CÓDIGO DE CORES NO PROCESSO DE TRIAGEM Cor Vermelha Significa primeira prioridade: São as vítimas que apresentam sinais e sintomas que demonstram um estado crítico e necessitam tratamento e transporte imediato. Cor Amarela Significa segunda prioridade: São as vítimas que apresentam sinais e sintomas que permitem adiar a atenção e podem aguardar pelo transporte. Cor Verde Significa terceira prioridade: São as vítimas que apresentam lesões menores ou sinais e sintomas que não requerem atenção imediata. Cor Cinza Significa sem prioridade (morte clínica): São as vítimas que apresentam lesões obviamente mortais ou para identificação de cadáveres. Detalhamento das Áreas de Prioridade: Na área destinada às vítimas com Cartão Vermelho vão todos os pacientes com risco de vida imediato e que terão uma evolução favorável se os cuidados médicos forem iniciados imediatamente. Aqui também irão os pacientes que necessitam de um transporte rápido até o hospital para serem estabilizados no centro cirúrgico. São os pacientes com: Choque; Amputações. Lesões arteriais; Hemorragia Severa; Lesões por inalação; Queimaduras em face; Lesão de face e olhos; Lesões intra-abdominais; Insuficiência Respiratória; Pneumotórax Hipertensivo Lesões extensas de partes moles; Queimaduras de 2º grau maior que 20% a 40%,ou de 3º grau maior que 10 a 30%;
  • 25. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM CARTÃO AMARELO Na área destinada às vítimas com Cartão Amarelo vão aquelas vítimas que necessitam de algum atendimento médico no local e posterior transporte hospitalar, porém que não possuem risco de vida imediato. São os pacientes com: ● Fraturas; ● TCE leve, moderado; ● Queimaduras menores; ● Traumatismos abdominais e torácicos; ● Ferimentos com sangramento que necessitam suturas CARTÃO VERDE Na área destinada às vítimas com Cartão Verde vão as vítimas que apresentam pequenas lesões, geralmente estão sentadas ou andando, sem risco de vida e que podem ser avaliadas ambulatorialmente. São os pacientes que causam mais problemas na cena do acidente, geralmente estão com dor e em estado de choque e tendem a ser pouco cooperativos. Não entendem o fato de estarem agrupados numa certa área recebendo cuidados mínimos. É extremamente importante um apoio psicológico para manter essas vítimas nessas áreas, pois do contrário elas tendem a deixar o local, indo sobrecarregar o hospital mais próximo. São os pacientes com: ● Contusões; ● Hematomas; ● Escoriações; ● Pequenos ferimentos. CARTÃO PRETO Na área destinada às vítimas com Cartão Preto vão as vítimas em óbito. Naquelas situações em que há um desequilíbrio entre os recursos médicos e o número de vítimas, todos os pacientes com traumatismos severos, com poucas chances de sobrevida, também vão para essa área de prioridade. São os pacientes: ● em óbito; ● múltiplos traumas graves; ● queimaduras de 2 e 3 grau extensas.
  • 26. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM Pontuação total: de 3 a 15 3 = Coma profundo; (85% de probabilidade de morte; estado vegetativo) 4 = Coma profundo; 7 = Coma intermediário; 11 = Coma superficial; 15 = Normalidade. Classificação do Trauma cranioencefálico (ATLS, 2005) 3-8 = Grave; (necessidade de intubação imediata) 9-12 = Moderado; 13-15 = Leve
  • 27. Tel.: (31) 3787-0694 / (31) 98838-2851/ 98725-4525 RUA PEDRO NEVES 173/BETIM