SlideShare uma empresa Scribd logo
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
Unidade 1 – Sentenças, Representação Simbólica,
Tautologia, Contradição e Contingência.
1 – Introdução e Conceitos Iniciais:
Geralmente nos expressamos, em português, através de gestos da fala e da escrita. No caso
da escrita utilizamos interrogações, exclamações e conjunções expressadas em sentenças, que por
sua vez, podem ser verdadeira ou falsa. Existem sentenças do tipo:
 A nota obtida em lógica depende do número de questões que acertar.
 Dez é menor do que sete.
 Existem formas de vida em outros planetas.
Ou seja, observa-se que as sentenças são passíveis de serem verdadeiras ou falsas. E
justamente a interpretação da veracidade de sentenças que a lógica trata.
Proposição: É um conjunto de símbolos que exprimem um pensamento de sentido
completo. Ou simplesmente, é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. Exemplos:
 A lua é um satélite da terra. (verdadeira)
 5 . (falsa)
 Vasco da Gama descobriu o Brasil. (falsa)
Valores lógicos de uma proposição: O valor lógico de uma proposição é V se a proposição
for verdadeira e F se ela for falsa.
Proposições simples e composta: Proposição simples é aquela que expressa uma única
idéia, ou seja, não contém nenhuma outra proposição como parte integrante de si mesma. Em geral
são referenciadas por letras minúsculas. Já uma proposição composta é aquela formada por uma
combinação de mais de uma proposição simples, estas são em geral referenciadas por letras
maiúsculas. Exemplo:
q: Pedro é estudante.
r: 25 é quadrado perfeito.
Q: Carlos é careca e Pedro é estudante.
R: Se carlos é careta, então é feliz.
Quando deseja-se destacar que uma proposição composta P é formada pela combinação de
proposições simples q, r, s, ...; então escreve-se:
 ,s,r,qP
Na lógica matemática temos duas regras fundamentas:
I – Princípio da não contradição: Uma proposição não pode ser verdadeira e falsa ao
mesmo tempo.
II – Princípio do terceiro excluído: Uma proposição é falsa ou verdadeira, não havendo
um terceiro caso.
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
2 – Conectivos Lógicos:
Os conectivos são expressões utilizadas para compor novas proposições. Exemplos:
 P: O número 6 é par e o número 8 é cubo perfeito.
 Q: Não está chovendo.
 R: O triângulo é retângulo ou isósceles.
 S: O triângulo é equilátero se e somente se é equiângulo.
 T: Se Jorge é engenheiro, então sabe cálculo.
Assim, na lógica, destaca-se os conectivos usuais
e não ou se e somente se se ... então
3 – Tabela Verdade:
No caso de proposições compostas recorre-se ao uso da tabela verdade para verificar o valor
lógico da proposição, ou seja, a tabela retrata todos os possíveis valores lógicos.
Exemplos:
1. Considerando a proposição  r,qp têm-se:
q r
V V
V F
F V
F F
2. Considerando agora a proposição  s,r,qp têm-se:
q r s
V V V
V V F
V F V
V F F
F V V
F V F
F F V
F F F
Temos 422
 combinações
Temos 823
 combinações
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
3. Considerando agora a proposição  t,s,r,qp têm-se:
q r s t
V V V V
V V V F
V V F V
V V F F
V F V V
V F V F
V F F V
V F F F
F V V V
F V V F
F V F V
F V F F
F F V V
F F V F
F F F V
F F F F
A notação mais usual para o valor lógico de uma proposição P é V(P), assim se P é
verdadeira os falsa escreve-se; V(P) = V ou V(P) = F.
Por exemplo, a proposição:
“ R: 2 é raiz da equação 0432
 xx ”
têm valor lógico V(R) = F.
4 – Exercícios:
1. Determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições:
a) O número 17 é primo. resp: verdadeiro b) Tiradentes morreu afogado. resp: falso
c) 0,13131313... é uma dízima periódica.
resp: Verdadeiro
d) As diagonais de um paralelogramo são
iguais. resp: Falso
e) 26030 22
 sensen . resp: Falso f) 0, 4 e -4 são raízes da equação
0163
 xx . resp: verdadeiro
g)   222
5353  . resp: Falso h) b) 71  . resp: falso
i) Todo número divisível por 5 termina
por 5. resp: Falso
j) O número 125 é cubo perfeito. resp:
verdadeiro
k)
64

tgtg  . resp: Falso
l) O produto de dois números ímpares é um
número ímpar. resp: verdadeiro
Temos 1624
 combinações
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
5 – Operações Lógicas Sobre Proposições:
Negação (~): A negação da proposição P é representada por ~P, cuja tabela verdade fica:
P ~P
V F
F V
Exemplo:
1. P: 532  ~P: 532 
2. R: Carlos é mecânico ~R: Carlos não é mecânico
3. S: todos os homens são elegantes ~S: Nem todos os homens são elegantes
4. T: Nenhum homem é elegante ~T: Algum homem é elegante
Conjunção (  , .): Dadas duas proposições P e Q, a conjunção é representada por P  Q ou
P.Q cuja tabela verdade fica:
P Q P  Q
V V V
V F F
F V F
F F F
Exemplo:
1. P: A neve é branca
Q: 52 
P  Q : A neve é branca e 52 
2. R: 4
S: 0
2


sen
R  S: 4 e 0
2


sen
Disjunção (  , +): Dadas duas proposições P e Q, a disjunção é representada por P Q ou
P + Q cuja tabela verdade fica:
P Q P Q
V V V
V F V
F V V
F F F
Exemplo:
1. P: A neve é branca
Q: 52 
P Q : A neve ou branca e 52 
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
2. R: 4
S: 0
2


sen
R S: 4 ou 0
2


sen
Disjunção Exclusiva (

 ,  ): Dadas duas proposições P e Q, a disjunção exclusiva é
representada por P

 Q ou P  Q cuja tabela verdade fica:
A tabela verdade de duas proposições H e K, da disjunção exclusiva fica:
P Q P

 Q
V V F
V F V
F V V
F F F
Exemplo:
1. Considere as proposições P e Q abaixo:
P: Carlos é médico ou professor.
Q: Mário é alagoano ou gaúcho.
Em P, Carlos pode ser médico; pode ser professor ou ainda pode ser médico e professor.
Mas em Q, Mário é alagoano ou gaúcho. Assim em P temos a disjunção inclusiva (ou simplesmente
disjunção) enquanto que em Q temos a disjunção exclusiva.
Condicional ( ): Dadas as proposições P e Q, a condicional é representada por P Q
cuja tabela verdade fica:
P Q P Q
V V V
V F F
F V V
F F V
Exemplo:
1. P: O mês de maio têm 31 dias
Q: A Terra é plana
P Q : Se o mês de maio têm 31 dias, então a
terra é plana
2. R: Dante escreveu os lusíadas
S: Cantor criou a teoria dos
Conjuntos
R S: Se Dante escreveu os lusíadas, então
Cantor criou a teoria dos conjuntos.
OBS: Uma condicional P Q não afirma que o consequente Q se deduz ou é consequência
do antecedente P. O que o condicional afirma é uma relação entre os valores lógicos de P e
Q de acordo com a tabela verdade.
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
Bicondicional (  ): Dadas as proposições P e Q, o bicondicional é representado por
P  Q cuja tabela verdade fica:
P Q P  Q
V V V
V F F
F V F
F F V
O bicondicional também pode ser lido da seguinte maneira:
i) P é condição necessária e suficiente para Q, e
ii) Q é condição necessária e suficiente para P
Exemplo:
1. P: Lisboa é a capital de Portugal
Q: 3
4


tg
P  Q : Lisboa é a capital de Portugal se e
somente se 3
4


tg
2. R: A terra é plana
S: 2 é um número racional
R  S: A terra é plana se e somente se 2 é um
número racional
6 – Exercícios:
1. Sejam as proposições,
P: Está frio
Q: Está chovendo
Traduzir para a linguagem corrente as seguintes proposições.
(a) P~ Não está frio.
(b) QP  Está frio e está chovendo. Está frio e chovendo.
(c) QP  Está frio ou está chovendo. Está frio ou chovendo.
(d) PQ  Está chovendo se e somente se está frio.
2. Determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições:
(a) 1055723  e Resp: F
(b) 42201  Resp: V
(c) Roma é a capital da França ou 145 tg Resp: V
(d) racionalé 1052
Resp: F
(e) 944623  entãoSe Resp: V
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
(f) 2223 0
 Resp: F
(g) 01   sensesomenteesetg Resp: F
(h) 2211  Resp: V
(i) Não é verdade que 12 é um número ímpar. Resp: V
(j)  411733422  Resp: V
(k)  1000  cosousen~ Resp: F
(l)  323
4482  e~ Resp: F
3. Determinar  pV em cada um dos seguintes casos:
(a)     FqpVeFqV  Resp:     FpVouVpV 
(b)     FqpVeFqV  Resp:   FpV 
4. Determinar  pV e  qV em cada um dos seguintes casos:
(a)     FqpVeVqpV  Resp:     VqVeFpV 
(b)     VqpVeVqpV  Resp:     VqVeVpV 
7 – Tabela Verdade de Uma Proposição Composta:
Com as proposições simples do tipo p, q, r, s, ... e fazendo uso dos conectivos
 ,,,~, é possível construir proposições compostas tais como:
   q~p~q,pP 
onde, com o emprego da tabela verdade é possível verificar todas as possibilidades de V e F.
Exemplo:
1. Construir a TV das proposições seguintes.
a)    q~p~q,pP 
p q ~q P ~q  q~p~ 
V V F F V
V F V V F
F V F F V
F F V F V
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
b)    r~qr~pr,q,pP 
p q r ~r p ~r q ~r p ~r  q ~r
V V V F V F F
V V F V V V V
V F V F V F F
V F F V V F F
F V V F F F V
F V F V V V V
F F V F F F V
F F F V V F F
8 – Valor Lógico de Uma Proposição Composta:
Dada uma proposição  ,...s,r,q,pP pode-se determinar seu valor lógico conhecendo, a
priori, os valores lógicos de p, q, r, s, ...
Exemplo:
1. Sabendo que   VpV  e   FqV  , determinar  PV , onde
     q~p~qp~q,pP  .
Resolução:
Mediante os valores lógicos de p e q pode-se obter:
          VFFVFV~F~V~FV~PV 
2. Sejam as proposições 3:p e 0
2


sen:q . Determine o valor lógico da
proposição:      qppqpq,pP  .
Resolução:
Como   FPV  e   FqV  então têm-se:
        VVVFFVFFFFFPV 
9 – Precedência e Eliminação de Parêntesis:
O uso de parêntesis se faz necessário para evitar qualquer ambiguidade, assim, por exemplo,
a proposição rqp  pode ser escrita como:
1)   rqp 
2)  rqp 
que não têm o mesmo significado (basta construir a TV de ambas ).
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
A ordem de precedência para os conectivos é
1) ~, o mais fraco
2)  e
3) 
4)  , o mais forte,
portanto se tivéssemos a proposição rsqp  , concluiríamos que ela é bicondicional. Para
convertê-la numa condicional ou numa conjuntiva deve-se escrevê-las respectivamente nas formas:
 rsqp 
  rsqp  .
Pode-se fazer a eliminação de parêntesis quando um mesmo conectivo aparece
sucessivamente repetido, fazendo associação a partir da esquerda, por exemplo,
      p~qp~~        p~qp~~ 
  p~qp~~     p~rq~p 
10 – Exercícios:
1. Sejam as proposições,
P: Está frio
Q: Está chovendo
Traduzir para a linguagem corrente as seguintes proposições.
(a) Q~P  Se está frio, então não está chovendo.
(b) Q~P Está frio ou não está chovendo.
(c) Q~P~  Não está frio e não está chovendo.
(d) Q~P  Está frio se e somente se não está chovendo.
(e) PQ~P  Se está frio e não está chovendo, então está frio.
2. Sejam as proposições,
P: João é gaúcho
Q: Jaime é paulista
Traduzir para a linguagem corrente as seguintes proposições.
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
(a)  Q~P~  Não é verdade que João é gaúcho e Jaime não é paulista.
(b) P~~ Não é verdade que João não é gaúcho.
(c)  Q~P~~  Não é verdade que João não é gaúcho ou que Jaime não é
paulista.
(d) Q~P  Se João é gaúcho, então Jaime não é paulista.
(e) Q~P~  João não é gaúcho se e somente se Jaime não é paulista.
(f)  PQ~~  Não é verdade que, se Jaime não é paulista, então João é
gaúcho.
3. Sejam as proposições,
P: Marcos é alto
Q: Marcos é elegante
Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições.
(a) Marcos é alto e elegante. QP 
(b) Marcos é alto, mas não é elegante. Q~P
(c) Não é verdade que marcos é baixo ou elegante.  QP~~ 
(d) Marcos não é nem alto e nem elegante. Q~P~ 
(e) Marcos é alto ou é baixo e elegante.  QP~P 
(f) É falso que Marcos é baixo ou que não é elegante.  Q~P~~ 
4. Construir a T.V. das seguintes proposições:
(a) PQ~P 
(b) Q~P~ 
(c)  Q~P~~ 
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
11 – Lista de Exercícios. 1
1. Sejam as proposições,
P: Suely é rica
Q: Suely é feliz
Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições.
(a) Suely é pobre e infeliz. Resp: Q~P~ 
(b) Suely é pobre ou rica, mas é infeliz. Resp:   Q~PP~ 
2. Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições matemáticas.
(a)   000  zouzeyx Resp:   000  zzyx
(b)  00  zouxzyex Resp:  00  zxzyx
(c)  000  yexoux Resp:  000  yxx
(d)    0 zeyxoutzeyx Resp:   0 zyxtzyx
(e) 20  yentãoxSe Resp: 20  yx
(f) 02  zentãoyxSe Resp: 02  zyx
3. Determinar o valor lógico (V ou F) da proposição r~qp  , sabendo que
    VrVpV  .
Resolução:
Em termos de valor lógico temos que: Se   VqV  , então
  FFVFVVV~VVr~qpV  . Mas, se   FqV  , então
  FFVFFVV~FVr~qpV  . Portanto, independentemente do
valor lógico de q a proposição será sempre falsa.
4. Suprimir o maior número possível de parêntesis na proposição
       q~~pqrq  .
Resolução:
       q~~pqrq        q~~pqrq 
   q~~pqrq 
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
5. Determinar o valor lógico (V ou F) das seguintes proposições:
a) rpqp  , sabendo que     VrVpV  . Resp: Verdadeira
b)    rp~q~p  , sabendo que   FqV  e   VrV  . Resp: Verdadeira
6. Suprimir o maior número possível de parêntesis nas proposições:
a)        qrqq~~p  Resp:  qrqq~~p 
b)           qrq~r~qp  Resp:    qrq~r~qp 
7. Sabendo que as proposições “ 0x ” e “ yx  ” são verdadeiras e que as proposições
“ zy  ” e “ ty  ” são falsas, determinar o valor lógico de cada uma das seguintes
proposições:
a) zyyxx  0 Resp: Verdadeira
b) tyzyyx  Resp: Falsa
8. Sabendo que os valores lógicos das proposições p e q são respectivamente F e V,
determinar o valor lógico da proposição      p~qq~p~pq~p  .
Resp: falsa
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
12 – Tautologia, Contradição e Contingência:
Tautologia é toda proposição composta que é verdadeira independentemente dos valores
verdade das proposições simples que há compõem.
Exemplo:
1. Construir a TV das seguintes proposições:
a)  p~p~ 
p ~p p ~p  p~p~ 
V F F V
F V F V
b)   pq~qp 
P q ~q q ~q  q~qp    pq~qp 
V V F F V V
V F V F V V
F V F F F V
F F V F F V
Observação: Se  ...,r,q,pP é uma tautologia, então  ...,R,Q,PP 000 também é
tautologia, quaisquer que sejam as proposições 000 R,Q,P .
Contradição é toda proposição cujo valor lógico não é tautológico, ou seja, a última coluna
é sempre falsa.
Exemplo
1. Construir a TV das seguintes proposições:
a) p~p
p ~p p ~p
V F F
F V F
tautologia
tautologia
contradição
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
b)  q~pp~ 
p q ~q q~p p~  q~pp~ 
V V F F F F
V F V V F F
F V F F V F
F F V F V F
Observação: Se  ...,r,q,pP é uma contradição, então  ...,R,Q,PP 000 também é
contradição, quaisquer que sejam as proposições 000 R,Q,P .
Contingência é toda proposição composta que não é tautológica nem contradição.
Exemplo:
3. Construir a TV da seguinte proposição:
 33  xyxx
3x yx  3x 3 xyx  33  xyxx
V V F F F
V F F V V
F V V V F
F F V V F
13 - Exercício:
1. Determinar quais das seguintes proposições são tautológicas, contraditórias, ou
contingentes:
a)  qp~p  b)  qpqp~ 
c)   pqqp  d)    pqqp 
e)  q~pq~p  f)  qpq~p~ 
g)   rqpp  h)  rqpqp 
Resp: (a), (b), (c), (g), (h) tautológicas (d), (e), (f) contingências
contradição
contingência
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
14 – Implicação lógica:
A palavra “implicar” significa: Originar, produzir como conseqüência, ser causa de: ...uma
filosofia definitiva, ...implicaria a imobilidade do pensamento humano (Antero de Quental).
[ DICMAXI Michaelis Português - Moderno Dicionário da Língua Portuguesa ]
(Teorema):    ...,r,q,pQ...,r,q,pP  se e somente se a condicional,
   ...,r,q,pQ...,r,q,pP  é tautológica.
Aqui, deve-se reforçar que: os símbolos  e  são distintos pois,
 O condicional é o resultado de uma operação lógica. Por exemplo, se
considerarmos as proposições p e q, pode-se obter uma nova proposição expressa
por qp  .
 Já a implicação, estabelece uma relação. Por exemplo, que a condicional qp 
é tautologia.
Exemplo:
1. Demonstre, mediante o teorema acima descrito, que qp~p  .
Resolução:
Para provarmos que qp~p  deve-se mostrar que qp~p  é tautológica, ou seja; da
T. V. têm-se:
p q p~ p~p qp~p 
V V F F V
V F F F V
F V V F V
F F V F V
assim pelo teorema têm-se que qp~p  .
2. Considere a proposição   44  xxyx , o que se poderia concluir a respeito de
x e y ?
Resolução:
yx  4x 4 xyx
V V V F F
V F V V V
F V V F F
F F F V F
tautologia
  44  xxyx4x
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
Mediante a T. V. pode-se dizer que
  yxxxyx  44
  yxxxyx  44
15 – Equivalência Lógica
A palavra “equivalência” significa: Igualdade de valor, estimação entre duas coisas;
correspondência. [DICMAXI Michaelis Português - Moderno Dicionário da Língua Portuguesa]
(Teorema):    ...,r,q,pQ...,r,q,pP  se e somente se a bicondicional,
   ...,r,q,pQ...,r,q,pP  é tautológica.
È importante lembrar que os símbolos  e  são distintos pois,
 O bicondicional é o resultado de uma operação lógica, enquanto que a
equivalência estabelece uma relação. Por exemplo, que a condicional qp  é
tautologia.
Exemplo:
1. Demonstre, mediante o teorema acima descrito, que a proposição bicondicional
   qpcq~p  é uma equivalência; onde   FcV  .
Resolução:
Para provarmos que    qpcq~p  representa    qpcq~p  deve-se
mostrar que    qpcq~p  é tautológica, ou seja; da T. V. têm-se:
p q c q~ q~p cq~p  qp     qpcq~p 
V V F F F V V V
V F F V V F F V
F V F F F V V V
F F F V F V V V
assim pelo teorema têm-se que    qpcq~p  .
2. Considerando as seguintes proposições verifique a equivalência mediante a T. V:
a) pp~~ 
Resolução: A T. V. para a proposição é dada como:
tautologia
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
p p~ p~~
V F V
F V F
b) ppp~ 
Resolução: A T. V. para a proposição é dada como:
p p~ pp~ 
V F V
F V F
c) qp~qp 
Resolução: A T. V. para a proposição é dada como:
p q p~ qp~  qp 
V V F V V
V F F F F
F V V V V
F F V V V
OBS: Esta equivalência é de grande importância, pois aqui a condicional pode ser trocada
por uma disjunção !
d)    pqqpqp 
Resolução: A T. V. para a proposição é dada como:
p q qp  pq     pqqp  qp 
V V V V V V
V F F V F F
F V V F F F
F F V V V V
OBS: Esta equivalência também é de grande importância, pois aqui a bicondicional pode ser
trocada por uma conjunção !
idênticas
idênticas
idênticas
idênticas
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
16 – Exercícios
1. Mostre que as equivalências são verdadeiras
a)     rqprqp  é verdadeira.
Resolução:
p q r qp  rqp  rq   rqp      rqprqp 
V V V V V V V V
V V F V F F F V
V F V F V V V V
V F F F V V V V
F V V F V V V V
F V F F V F V V
F F V F V V V V
F F F F V V V V
b)    q~p~qpqp 
Resolução: A T. V. para a proposição é dada como:
p q qp  qp  p~ q~ q~p~     q~p~qp 
V V V V F F F V
V F F F F V F F
F V F F V F F F
F F V F V V V V
OBS: Esta equivalência é importante, pois a bicondicional pode ser trocada por uma disjunção !
tautologia
idênticas
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
17 – Lista de Exercícios. 2
1. Sejam as proposições P: Carlos fala Francês, Q: Carlos fala Inglês, R: Carlos fala
Alemão. Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições:
a) Carlos fala Francês ou Inglês, mas não fala Alemão.
b) Carlos fala Francês e Inglês, ou não fala Francês e Alemão.
c) É falso que Carlos fala Francês mas que não fala Alemão.
d) É falso que Carlos fala Inglês ou Alemão mas que não fala Francês.
2. Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições matemáticas.
a) 121  yentãozouxSe .
b) 215  xexentãoZSe .
c) 55  zyezxentãoyxSe .
3. Determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições:
a) 1284972  e
b) irracionalé310 
c)
42
22

tgsen 
d)
2
1
6
01 

senentãoSe
e) 223
3


tg
f) 1
42
1 

cossen
4. Determinar  pV em cada um dos seguintes casos:
a)     VqpVeFqV  b)     FqpVeVqV 
5. Determinar  pV e  qV em cada um dos seguintes casos:
(a)     FqpVeVqpV  (b)     Vqp~VeFqpV 
Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica
6. Construir as tabelas verdade das seguintes proposições:
a)  q~p~ 
b)   pqq~p 
c) pq~q 
d) r~qrp 
7. Sejam as proposições    xctgxtg:P  e 2:Q . Determinar o valor lógico de
cada uma das seguintes proposições:
a)   q~p~qp~ 
b)     q~p~qp~p 
8. Sabendo que a condicional qp  é verdadeira, determinar o valor lógico da condicional
rqrp  .
9. Mostrar que:
a) qpq  b) pqpq  c)   00  xyxyxx
10. Mostre que qpimplicanãoq~p  .
11. Mostre que as proposições p e q são equivalentes em cada um dos seguintes casos:
a)   1631431
2
 :q;:p
b) 0010  cos;sen:p
c)  Rz,y,xzyzx:q;yx:p 
d) ab:q;ba:p 
e) 222
cba:q;AemretânguloéABCtriânguloO:p 
12. Demonstre por tabela verdade as seguintes equivalências:
a)   pqpp 
b)   q~r~prqp 
c)     rqprpqp 
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das
Proposições)
1 – Introdução:
A álgebra das proposições constitui-se numa ferramenta matemática de grande importância,
pois através dela pode-se operar sobre proposições utilizando-se de equivalências “notáveis”.
Uma de suas aplicações consiste no fato da simplificação de trechos de códigos
computacionais, pois quanto mais simples o código mais simples será de ser entendido e poderá ser
executado com maior rapidez.
2 – Propriedades da Conjunção:
Considerando as proposições q,p e r ; e sejam as proposições t e c tal que   VtV  e
  FcV  . Assim são válidas as seguintes propriedades:
a) INDEPOTENTE: ppp 
Ex.: 111  xxx
Obs.: Dizer por exemplo, que é válida a propriedade indepotente é o mesmo que verificar o
teorema relativo à equivalência (página 19), ou seja:
p pp  ppp 
V V V
F F V
como ppp  é tautológica, então pelo teorema da equivalência temos que ppp  .
Daqui por diante, para as próximas propriedades, as equivalências descritas são válidas, uma
vez que sua validade pode ser aferida segundo o mesmo raciocínio descrito para a propriedade
indepotente.
b) COMUTATIVA: pqqp 
Ex.: 3443  
c) ASSOCIATIVA:    rqprqp 
Ex.:    310310  xxxxxx
d) IDENTIDADE: ptp  e ccp 
Ex.: 101  xxx e 001  xxx
Elemento absorventeElemento neutro
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
3 – Propriedades da Disjunção:
Considerando novamente as proposições q,p e r ; e ainda t e c onde   VtV  e
  FcV  , então são válidas as seguintes propriedades:
a) INDEPOTENTE: ppp 
Ex.: 111  xxx
b) COMUTATIVA: pqqp 
Ex.: bacbcbba 
c) ASSOCIATIVA:    rqprqp 
Ex.:    421421  xxxxxx
d) IDENTIDADE: ttp  e pcp 
Ex.: 001  xxx e 000 2
 xxx
4 – Propriedades da Conjunção e Disjunção:
Sejam as proposições q,p e r ; então têm-se que:
a) DISTRIBUTIVAS:
(i)      rpqprqp  (ii)      rpqprqp 
b) ABSORÇÃO:
(i)   pqpp  (ii)   pqpp 
c) REGRAS DE DE MORGAN (1806-1871):
(i)   q~p~qp~  (ii)   q~p~qp~ 
5 – Negação da Condicional e da Bicondicional:
Dadas as proposições q,p têm-se que a negação da condicional é:
  q~pqp~ 
e a negação da bicondicional será;
     qp~q~pqp~  .
Elemento absorvente Elemento neutro
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
6 – Exercícios:
1. Dar a negação em linguagem corrente da proposição:
“ Rosas são vermelhas e violetas são azuis”.
Resolução:
Denotando azuissãovioletas:qevermelhassãorosas:p , então teremos que a prop.
Composta é:
qpP 
logo a negação de P será:
  q~p~qp~P~ 
Portanto em linguagem corrente teremos
“Rosas não são vermelhas ou violetas não são azuis”
2. Demonstrar as seguintes regras de DE MORGAN para três proposições:
a)   r~q~p~rqp~  b)   r~q~p~rqp~ 
3. Simplifique a expressão condicional, abaixo, de um trecho de programa pascal, após reescreva o
comando.
IF (FLUXOEXT>FLUXOINT) AND NOT ( (FLUXOEXT>FLUXOINT) AND (PRESSÃO<1000) ) THEN
COMANDO 1
ELSE
COMANDO 2.
Resolução:
Denotando 1000 pressão:bint;fluxofluxoext:a , então teremos que a expressão
condicional será dada por
 ba~aE 
que pode ser simplificada conforme:
           b~ab~aFb~aa~ab~a~aba~aE 
portanto teremos que
 b~aE 
que é equivalente a expressão original.
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
4. Considere o seguinte fragmento de um programa pascal:
for contador := 1 to 5 do
begin
read (a);
if        1505710205 .a*.sqrtor.a*and.a  then
writeln (a);
end;
Os valores de entrada para a são 1.0, 5.1, 2.4, 7.2 e 5.3. Quais são os valores de saída ?
Resolução:
Saídas:
5. Reescreva o programa pascal a seguir com uma expressão condicional simplificada:
6. (a) Verifique que BA  é equivalente a BA  . (b) usando a parte (a) e outras equivalências,
escreva a negação da sentença “ Se Pedro passar em seu curso de física, então ele se formará.”
    
    numerooddandvalorvalornotor
numerooddorvalorvalornot
21
21


comando1
else
comando2;
if
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
7 – Regras de inferência para a lógica Proposicional:
Dadas as proposições nP...,,P,P,P 321 e Q (proposições quaisquer), denomina-se
“ argumento ”, a toda afirmação de que; dada a sequência
nP...,,P,P,P 321
têm-se como consequência uma proposição final Q .
As proposições nP...,,P,P,P 321 são denominadas premissas do argumento e Q é
denominada conclusão do argumento. Em geral indica-se um argumento como:
nP...,,P,P,P 321  Q
ou na forma mais usual
Q
P
P
P
P
n

3
2
1
e este é válido se e somente se a conclusão Q é verdadeira toda vez que as premissas
nP...,,P,P,P 321 são verdadeiras, logo dizemos que a verdade das premissas é incompatível com a
falsidade da conclusão.
OBSERVAÇÃO: As premissas são verdadeiras ou admitidas como tal, a lógica só se preocupa com
a validade dos argumentos e não com a verdade ou falsidade das premissas e das conclusões. A
validade de um argumento depende exclusivamente da relação existente entre as premissas e a
conclusão. Portanto dizer que um argumento é válido significa afirmar que as premissas estão
relacionadas de tal modo com a conclusão que não é possível ter a conclusão falsa se as premissas
são verdadeiras.
Para demonstrar o argumento nP...,,P,P,P 321  Q , pode-se fazer uso da T. V. e do
teorema anterior. Se tivéssemos cinco proposições simples compondo um argumento,
necessitaríamos construir uma T. V. de 3225
 linhas, tarefa esta muito trabalhosa, porém correta.
Para contornar este tipo de problema, faz-se a validação de uma argumentação através das regras de
inferência, minimizando assim o trabalho a ser desenvolvido.
Teorema: Um argumento nP...,,P,P,P 321  Q é válido se e somente se a condicional
QP...,,P,P,P n 321 é tautológica.
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
Uma outra consideração a ser comentada é: Considerando o argumento
chamamos de condicional associada a forma        sr~s~qr~pq~p  .
Por outro lado, se considerarmos a condicional associada
       q~pssrqs~rqp 
o argumento correspondente a esta condicional será
srq,s,~rqp   q~ps  ,
que também pode ser expressado sob a forma
q~ps
srq
s~
rqp



.
8 – Argumentos válidos Fundamentais:
Os argumentos válidos fundamentais são utilizados para executar passo a passo uma
dedução ou demonstração de um outro argumento mais complexo. Os argumentos fundamentais
são:
1) Adição (AD)
i)
qp
p

ii)
pq
p

2) Simplificação (SIMP)
i)
p
qp 
ii)
q
qp 
3) Conjunção (CONJ)
i)
qp
q
p

ii)
pq
q
p

s~q,r~p,q~p    sr~ 
1P 2P 3P Q
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
4) Absorção (ABS)
 qpp
qp


5) Modus Ponens (MP)
q
p
qp 
6) Modus Tollens (MT)
p~
q~
qp 
7) Silogismo Disjuntivo (SJ)
i)
q
p~
qp 
ii)
p
q~
qp 
8) Silogismo Hipotético (SH)
rp
rq
qp



9) Dilema Construtivo (DC)
sq
rp
sr
qp




10) Dilema Destrutivo
r~p~
s~q~
sr
qp




Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
A validade dos 10 argumentos pode ser facilmente verifica mediante o teorema anterior, por
exemplo, a seguir é verificada a validade do argumento Silogismo Hipotético
p q r qp  rq  rp  rqqp     rprqqp 
V V V V V V V V
V V F V F F F V
V F V F V V F V
V F F F V F F V
F V V V V V V V
F V F V F V F V
F F V V V V V V
F F F V V V V V
Com o auxílio das regras de inferência pode-se deduzir outras regras, ou demonstrar a
validade de outras regras, por exemplo; o que se pode concluir, abaixo, a partir das premissas
dadas ?
Exemplo: Verifique a validade do argumento: rp,qp   q .
9 – Exercícios de Aprendizagem:
1. Demonstre a validade dos seguintes argumentos:
a) srp,qp   sp  b)   p,qp,rqp   r
c) je,j~t~,se   st  d) st,qt,p,r.qp   s
2. O argumento abaixo é válido ?
zxzy,zyzx,zxyx,zxyx   zy 
DD
 
  q~qp~:Q
sr~r~:P
srq:P
rqp:P




3
2
1
q
p
rp
qp




4
3
2
1
2, SIM
1,2, MP
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
3. Prove que o argumento seguinte é válido:
“Admitindo a linguagem assembly.
Se usamos a linguagem asssembly, então o programa será executado mais rapidamente.
Se usamos a linguagem asssembly, o programa terá mais linhas de código.
Portanto o programa será executado mais rapidamente e terá mais linhas de código”
4. Verifique a validade dos seguintes argumentos:
a)
1616
1616



xy
xy
youx,Logo
yx
yxentão,yexSe
b)
.lógicaemreprovadofui,totanPor
.Trabalhei.lógicaemaprovadosereiouTrabalho
.estudarpossonãotrabalhoSe
Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições)
10 – Lista de Exercícios:
1. Usando todas as equivalências já estudadas até o momento e as propriedades da álgebra de
proposições simplifique as seguintes proposições:
a)  q~p~~  , sugestão use a equivalência 
b)    qp~qp~  c)  q~p~ 
d)  qp~~  e)  q~p~~ 
f)   p~qp  g)    qp~qp 
h)    q~pqpp 
2. Provar t dadas as premissas:
rq.
tr.s.
q.p.
sp.



4
3
2
1
2. Prove que os seguintes argumentos são válidos
a) st,r~,rt   s
b)        srrtqtq.s 
3. Provar que 5 yx dadas as premissas
 
523
2113932
931131



yxy.
yyxx.
xyx.
Resposta:
1. (a) qp~  (b) p~ (c) qp~  (d) qp  (e) qp 
(f) qp~  (g) q (h) F (falsa)
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
1 – Introdução:
Considere a sentença dada por “para todo x , 0x ”, admitindo que seja verdadeira sobre
inteiros, não é possível expressar a sentença, apenas, através de proposições e ou conectivos
lógicos. Pois ela contém dois elementos novos que são: “para todo x ” e “ 0x ”.
O elemento “para todo” é denominado quantificador e o elemento 0x é denominado
predicado. O quantificador “para todo” é mais precisamente denominado como quantificador
universal e simbolizado por “ ”, este pode ser expresso também como “qualquer que seja” ou
“para todo o valor de”.
Portanto a sentença “para todo x , 0x ” pode ser simbolizada como   0 xx , já uma
expressão genérica, relacionada ao quantificador universal, pode ser simbolicamente escrita na
forma     xPx , onde  xP é um predicado qualquer.
Considere agora a sentença “existe x tal que 0x ”, admitindo que seja verdadeira
também sobre inteiros, não é possível expressar a sentença, apenas, através de proposições e ou
conectivos lógicos, devido ao fato de conter também dois elementos novos; “existe x ” e “ 0x ”.
O quantificador “existe” é denominado quantificador existencial e simbolizado por “ ”, este é
equivalente também a, “existe um” ou “para pelo menos um” ou ainda “para algum”.
Sendo assim, a sentença “existe x , 0x ” pode ser simbolizada sob a forma   0 xx ,
já uma expressão genérica pode ser expressada por     xPx , onde  xP é um predicado
qualquer.
2 – Quantificadores:
Quantificador Universal:
Seja  xP uma sentença em um conjunto não vazio A e seja PV o seu conjunto verdade,
onde   xPAx/xVP  . Quando AVP  , isto é, todos os elementos do conjunto A
satisfazem a sentença  xP , pode-se afirmar que:
x
AVP 
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
 para todo elemento x de A ,  xP é verdadeira;
 ou, qualquer que seja o elemento x de A ,  xP é verdadeira;
simbolicamente indica-se tal fato por
     AVxPAx P  .
Quando A é um conjunto finito, isto é,  na...,,a,a,a,aA 4321 têm-se que
               naP...aPaPaPaPxPAx  4321 .
Exemplo:
1) Seja  753 ,,A  e   primoéx:xP , descreva como é a expressão predicada
  primoéxAx 
2) Verifique a veracidade das proposições
a)  35  nNn b)  73  nNn c)  02
 xRx
Quantificador Existencial:
Seja  xP uma sentença em um conjunto não vazio A e PV o seu conjunto verdade onde
  xPAx/xVP  . Quando PV não é vazio, então pelo menos um elemento do conjunto A
satisfaz a sentença  xP , assim pode-se afirmar que:
 existe pelo menos um elemento x de A tal que  xP é verdadeira;
 ou que para algum elemento x de A ,  xP é verdadeira;
simbolicamente indica-se tal fato por
     PVxPAx  .
Quando A é um conjunto finito, isto é,  na...,,a,a,a,aA 4321 têm-se que
               naP...aPaPaPaPxPAx  4321 .
x
PV
A
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
Exemplo:
3) Seja  753 ,,A  e   paréx:xP , descreva como é a expressão predicada
  paréxAx 
4) Verifique a veracidade das proposições
a)  84  nNn b)  35  nNn c)  02
 xRx
Quantificador de Existência e Unicidade:
Considere a seguinte sentença em R ;
i) 162
x ii) 273
x .
Os valores em R que satisfazem (i) são: 4a e 4b , então podemos escrever,
  babaRb,a  1616 22
Agora, o valor em R que satisfaz (ii) é 3c , logo escrevemos
  273
 cRc .
Como o único valor que satisfaz o quantificador acima é 3c , então dizemos que existe
um único número real. Desta forma a expressão quantificada (ii) é expressa na forma
  273
 xRx! .
Existem muitas proposições que enunciam afirmações de existência e unicidade, assim por
exemplo, no universo R , é verdadeiro afirmar que
   nmxx!nm  0 .
Exemplo:
5) Verifique a veracidade das proposições
a)  092
 xNx! b)  11  xZx! c)  0 xRx!
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
3 – Negação de Proposições Quantificadas
Sejam as proposições;
i) Toda pessoa fala inglês; ii) Alguém foi a lua.
A negação dessas proposições é dada por
i´) Nem toda pessoa fala inglês; ii´) Ninguém foi a lua.
assim a negação de proposições quantificadas é expressa como:
           xp~AxxpAx~ 
           xp~AxxpAx~ 
que são denominadas como segundas regras de De Morgan.
Exemplos:
1) Dê a negação das seguintes proposições:
a)   82  nNn
b)   053  xRx
c)     0 xsenRx
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
4 – Lista de Exercícios
1. Sendo R o conjunto dos números reais, determinar o valor lógico de cada uma das seguintes
proposições:
a)   xxRx  b)   xxRx  2
c)   0 xRx
d)   xxRx  2 e)   xxRx  1 f)   xxRx  2
2. Sendo  54321 ,,,,A  , determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições:
a)   103  xAx b)   103  xAx c)   53  xAx
d)   73  xAx e)   723  x
Ax f)   1522
 xxAx
3. Dar a negação das proposições abaixo:
a)   xxRx  b)   xxRx  2
c)   0 xRx
d)   xxRx  2 e)   xxRx  1 f)   xxRx  2
4. Sendo  54321 ,,,,A  , dar a negação das proposições abaixo
a)   103  xAx b)   103  xAx c)   53  xAx
d)   73  xAx e)   723  x
Ax f)   1522
 xxAx
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
5 – Contra - Exemplo
Para mostrar que uma proposição da forma     xpAx  é falsa basta mostrar que a sua
negação,     xp~Ax  , é verdadeira. Isto é, que existe pelo menos um elemento Ax 0 tal que
 0xp é uma proposição falsa. O elemento 0x é chamado de contra – exemplo para a proposição
    xpAx  .
Exemplos:
1. Mostre que as proposições abaixo são falsas, exibindo um contra exemplo:
a)   2
2 nNn n
 b)   0 xRx
c)   xxRx  2
d)     42 22
 xxRx
6 – Lista de Exercícios
1. Sendo  95432 ,...,,,,A  , dar um contra exemplo para cada uma das seguintes proposições:
a)   125  xAx b)   primoéxAx  c)   12
 xAx
d)   paréxAx  e)   00  x
Ax
2. Sendo  54321 ,,,,A  , dar a negação das proposições abaixo
a)   103  xAx b)   103  xAx c)   53  xAx
d)   73  xAx e)   723  x
Ax f)   1522
 xxAx
3. Sendo A um conjunto qualquer, dar a negação de cada uma das seguintes proposições:
a)         xqAxxpAx  b)          xqAxxpAx 
c)          xq~Axxp~Ax  d)          xq~AxxpAx 
4. Dar a negação de cada uma das seguintes sentenças:
a)     3172 2
 xxxx b)      75292
 xxxAx
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
7 – Quantificação de Sentenças Abertas com Mais de Uma Variável
Quantificação Parcial
Considere o conjunto  54321 ,,,,A  o universo das variáveis y,x e considere também a
seguinte sentença,
  72  yxAx .
Essa sentença não pode ser considerada uma proposição, pois o seu valor lógico não
depende da variável x (variável aparente), mais sim da variável y (variável livre). Desta forma
chama-se essa sentença de sentença aberta em y; cujo conjunto verdade é  4321 ,,, , pois somente
para 5y não existe Ax  tal que 72  yx .
Analogamente, seja o conjunto  54321 ,,,,A  o universo das variáveis y,x e considere
também a seguinte sentença,
  102  yxAy .
Essa sentença também não pode ser considerada uma proposição, pois o seu valor lógico não
depende da variável y (variável aparente), mais sim da variável x (variável livre). Assim, temos
que essa sentença é na verdade uma sentença aberta em x; cujo conjunto verdade é  21, , pois
somente para 1x ou 2x se tem 102  yx para todo Ay  .
Quantificação Múltipla
Toda sentença aberta precedida de quantificadores, um para cada variável, é uma
proposição, pois assume um dos valores lógicos V ou F. São exemplos de proposições as
seguintes expressões:
     y,xpByAx 
     y,xpByAx 
      z,y,xpCzByAx 
Exercícios:
1) Considere os conjuntos  Paulo,Claudio,JorgeH  ,  Carmen,SuelyM  e seja
 y,xp a sentença aberta em :MH “x é irmão de y”. Discuta o significado das proposições:
     y,xpMyHx:A       y,xpHxMy:B 
2) Interprete, e discuta a equivalência
        222222
yxyxNy,xyxyxNyNx 
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
3) Verifique o valor lógico de
  Ny,x,yxyx  222
  Ry,x,yxyx  222
4) Considere os conjuntos  4321 ,,,A  e  86420 ,,,,B  e a sentença aberta em
:BA ” 82  yx “. Verifique o valor lógico das proposições:
   82  yxByAx:S
   82  yxAxBy:M
   82  yxAxBy:N
   82  yxByAx:T
Operações Sobre Quantificadores
Quantificadores de mesma espécie podem ser comutados, ou seja,
           y,xpxyy,xpyx 
           y,xpxyy,xpyx  .
Quantificadores de espécies diferentes não podem em geral ser comutados;
Exemplo: Seja x, y variáveis no universo dos números naturais. A proposição
   xyyx 
é verdadeira, mas a proposição
   xyxy 
é falsa .
Exercício:
4) Sendo  109321 ,...,,,,A  , determinar o valor lógico de cada uma das seguintes
proposições:
   14 yxAyAx:M    14 yxAxAy:N
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
Negação de Proposições com Quantificadores
A negação de proposições com mais de um quantificador se obtém mediante a aplicação
sucessiva das regras de negação para proposições com um único quantificador, assim têm-se, por
exemplo que;
1)                    y,xp~yxy,xpy~xy,xpyx~ 
2)                    y,xp~yxy,xpy~xy,xpyx~ 
3)                    y,xp~yxy,xpy~xy,xpyx~ 
4)                    y,xp~yxy,xpy~xy,xpyx~ 
5)                       z,y,xp~zyxz,y,xpzy~xz,y,xpzyx~ 
etc. ...
8 - Lista de Exercícios
1) Sendo  54321 ,,,, o universo das variáveis x e y, determinar o conjunto verdade de cada uma
das seguintes sentenças abertas:
a)   72  yxy b)   102  yxx
2) Sendo  321 ,, o universo das variáveis x e y, determinar o valor lógico de cada uma das
seguintes proposições:
a)    12
 yxyx b)    1222
 yxyx
c)    1222
 yxyx d)    1022
 yxyx
e)    1022
 yxyx f)    1022
 yxyx
g)    1022
 yxyx
3) Sendo  321 ,, o universo das variáveis x, y e z, determinar o valor lógico de cada uma das
seguintes proposições:
a)     222
2zyxzyx  b)     222
2zyxzyx 
Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade
4) Sendo R o conjunto dos números reais, determinar o valor lógico de cada uma das seguintes
proposições:
a)    yyxRxRy  b)    0 yxRyRx
c)    1 y.xRyRx d)    xyRxRy 
5) Dar a negação de cada uma das seguintes proposições:
a)        yqxpyx  b)        yq~xpyx 
c)        yq~xpxy  d)        yqy,xpyx 
e)        y,xqy,xpyx 
6) Indique o valor verdade de cada uma das proposições abaixo onde o domínio consiste nos
estados do Brasil;
  ydenorteaoéx:y,xQ
  pletraacomcomeçax:xP e
Paranáéa .
a)     xPx b)           z,xQz,yQy,xQzyx 
c)     x,yQxy  d)        y,xQyPyx 
e)     y,aQy

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

fisica 2 - principio de arquimedes
fisica 2 - principio de arquimedesfisica 2 - principio de arquimedes
fisica 2 - principio de arquimedes
Kmilly Campos
 
Expressoes Numericas
Expressoes NumericasExpressoes Numericas
Expressoes Numericas
Professora Rakell
 
Aula 17 medidas separatrizes
Aula 17   medidas separatrizesAula 17   medidas separatrizes
Exercícios resolvidos de máximo e mínimo de função
Exercícios resolvidos de máximo e mínimo de funçãoExercícios resolvidos de máximo e mínimo de função
Exercícios resolvidos de máximo e mínimo de função
Diego Oliveira
 
Raciocinio Lógico
Raciocinio LógicoRaciocinio Lógico
Raciocinio Lógico
Superprovas Software
 
Múltiplos e divisores
Múltiplos e divisoresMúltiplos e divisores
Múltiplos e divisores
earana
 
Estatistica resumo
Estatistica   resumoEstatistica   resumo
Estatistica resumo
Paulo Martins
 
Ordem de grandeza
Ordem de grandezaOrdem de grandeza
Ordem de grandeza
fisicaatual
 
Cálculo Diferencial e Integral - Sucessões - Exercicios resolvidos e propostos
Cálculo Diferencial e Integral - Sucessões - Exercicios resolvidos e propostosCálculo Diferencial e Integral - Sucessões - Exercicios resolvidos e propostos
Cálculo Diferencial e Integral - Sucessões - Exercicios resolvidos e propostos
Maths Tutoring
 
Construção da tabela verdade
Construção da tabela verdadeConstrução da tabela verdade
Construção da tabela verdade
Aristóteles Meneses
 
Razao e proporção
Razao e proporçãoRazao e proporção
Razao e proporção
Jéssica Oliveira
 
Função logarítmica
Função logarítmicaFunção logarítmica
Função logarítmica
NathalyNara
 
Regra de três simples e composta
Regra de três simples e compostaRegra de três simples e composta
Regra de três simples e composta
Marcelo Pinheiro
 
Adição e subtração
Adição e subtraçãoAdição e subtração
Adição e subtração
Maria José Ferreira Justino
 
Lógica matemática (exercícios resolvidos)
Lógica matemática (exercícios resolvidos)Lógica matemática (exercícios resolvidos)
Lógica matemática (exercícios resolvidos)
wilkerfilipel
 
Expressões numéricas
Expressões numéricasExpressões numéricas
Expressões numéricas
Helena Borralho
 
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma funçãoDomínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
Dosvaldo Alves
 
Aula de LOGARITMOS
Aula de LOGARITMOSAula de LOGARITMOS
Aula de LOGARITMOS
José Junior Barreto
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
Marcelo Pinheiro
 
Aula 8 inducao matematica
Aula 8   inducao matematicaAula 8   inducao matematica
Aula 8 inducao matematica
wab030
 

Mais procurados (20)

fisica 2 - principio de arquimedes
fisica 2 - principio de arquimedesfisica 2 - principio de arquimedes
fisica 2 - principio de arquimedes
 
Expressoes Numericas
Expressoes NumericasExpressoes Numericas
Expressoes Numericas
 
Aula 17 medidas separatrizes
Aula 17   medidas separatrizesAula 17   medidas separatrizes
Aula 17 medidas separatrizes
 
Exercícios resolvidos de máximo e mínimo de função
Exercícios resolvidos de máximo e mínimo de funçãoExercícios resolvidos de máximo e mínimo de função
Exercícios resolvidos de máximo e mínimo de função
 
Raciocinio Lógico
Raciocinio LógicoRaciocinio Lógico
Raciocinio Lógico
 
Múltiplos e divisores
Múltiplos e divisoresMúltiplos e divisores
Múltiplos e divisores
 
Estatistica resumo
Estatistica   resumoEstatistica   resumo
Estatistica resumo
 
Ordem de grandeza
Ordem de grandezaOrdem de grandeza
Ordem de grandeza
 
Cálculo Diferencial e Integral - Sucessões - Exercicios resolvidos e propostos
Cálculo Diferencial e Integral - Sucessões - Exercicios resolvidos e propostosCálculo Diferencial e Integral - Sucessões - Exercicios resolvidos e propostos
Cálculo Diferencial e Integral - Sucessões - Exercicios resolvidos e propostos
 
Construção da tabela verdade
Construção da tabela verdadeConstrução da tabela verdade
Construção da tabela verdade
 
Razao e proporção
Razao e proporçãoRazao e proporção
Razao e proporção
 
Função logarítmica
Função logarítmicaFunção logarítmica
Função logarítmica
 
Regra de três simples e composta
Regra de três simples e compostaRegra de três simples e composta
Regra de três simples e composta
 
Adição e subtração
Adição e subtraçãoAdição e subtração
Adição e subtração
 
Lógica matemática (exercícios resolvidos)
Lógica matemática (exercícios resolvidos)Lógica matemática (exercícios resolvidos)
Lógica matemática (exercícios resolvidos)
 
Expressões numéricas
Expressões numéricasExpressões numéricas
Expressões numéricas
 
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma funçãoDomínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
 
Aula de LOGARITMOS
Aula de LOGARITMOSAula de LOGARITMOS
Aula de LOGARITMOS
 
Conjuntos numéricos
Conjuntos numéricosConjuntos numéricos
Conjuntos numéricos
 
Aula 8 inducao matematica
Aula 8   inducao matematicaAula 8   inducao matematica
Aula 8 inducao matematica
 

Destaque

Contrução da tabela verdade
Contrução da tabela verdadeContrução da tabela verdade
Contrução da tabela verdade
Aristóteles Meneses
 
1 serie exercicios_logica
1 serie exercicios_logica1 serie exercicios_logica
1 serie exercicios_logica
Rodrigo Silveira
 
Exercicios java básico
Exercicios java básicoExercicios java básico
Exercicios java básico
Alessandro Plaviak
 
Lógica Formal
Lógica FormalLógica Formal
Lógica Formal
Chromus Master
 
Lógica Matemática
Lógica MatemáticaLógica Matemática
Lógica Matemática
Gomes Gomes
 
Exprsaõ logicas e tabela verdade exercicios
Exprsaõ logicas e tabela verdade exerciciosExprsaõ logicas e tabela verdade exercicios
Exprsaõ logicas e tabela verdade exercicios
Joãopedro Machado
 
RACIOCINIO LOGICO - EXERCICIOS RESOLVIDOS.
RACIOCINIO LOGICO - EXERCICIOS RESOLVIDOS.RACIOCINIO LOGICO - EXERCICIOS RESOLVIDOS.
RACIOCINIO LOGICO - EXERCICIOS RESOLVIDOS.
CONCURSO PM BA 2012.
 

Destaque (7)

Contrução da tabela verdade
Contrução da tabela verdadeContrução da tabela verdade
Contrução da tabela verdade
 
1 serie exercicios_logica
1 serie exercicios_logica1 serie exercicios_logica
1 serie exercicios_logica
 
Exercicios java básico
Exercicios java básicoExercicios java básico
Exercicios java básico
 
Lógica Formal
Lógica FormalLógica Formal
Lógica Formal
 
Lógica Matemática
Lógica MatemáticaLógica Matemática
Lógica Matemática
 
Exprsaõ logicas e tabela verdade exercicios
Exprsaõ logicas e tabela verdade exerciciosExprsaõ logicas e tabela verdade exercicios
Exprsaõ logicas e tabela verdade exercicios
 
RACIOCINIO LOGICO - EXERCICIOS RESOLVIDOS.
RACIOCINIO LOGICO - EXERCICIOS RESOLVIDOS.RACIOCINIO LOGICO - EXERCICIOS RESOLVIDOS.
RACIOCINIO LOGICO - EXERCICIOS RESOLVIDOS.
 

Semelhante a Apostilam01 tabela verdade

Resumo a lógica matemática para concursos
Resumo a lógica matemática para concursosResumo a lógica matemática para concursos
Resumo a lógica matemática para concursos
Luiz Ladeira
 
Aula 01 - Introducao a logica.pdf
Aula 01 - Introducao a logica.pdfAula 01 - Introducao a logica.pdf
Aula 01 - Introducao a logica.pdf
SamileMatos2
 
Aula 03 logica de argumentacao
Aula 03   logica de argumentacaoAula 03   logica de argumentacao
Aula 03 logica de argumentacao
J M
 
Raciocínio lógico aula 3-6 - lógica de argumentaçao
Raciocínio lógico   aula 3-6 - lógica de argumentaçaoRaciocínio lógico   aula 3-6 - lógica de argumentaçao
Raciocínio lógico aula 3-6 - lógica de argumentaçao
J M
 
Aula 2 raciocínio lógico
Aula 2   raciocínio lógicoAula 2   raciocínio lógico
Inss raciocinio-garcia
Inss raciocinio-garciaInss raciocinio-garcia
Inss raciocinio-garcia
Neon Online
 
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
Neon Online
 
Condições
CondiçõesCondições
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
Neon Online
 
Aula 03 logica de argumentacao
Aula 03   logica de argumentacaoAula 03   logica de argumentacao
Aula 03 logica de argumentacao
Mcxs Silva
 
Aula 03 logica de argumentacao
Aula 03   logica de argumentacaoAula 03   logica de argumentacao
Aula 03 logica de argumentacao
Helio Kentron
 
1657721272624.pdf
1657721272624.pdf1657721272624.pdf
1657721272624.pdf
LarissaCaye1
 
Modulo i
Modulo iModulo i
Modulo i
EvelyneBorges
 
Caderno - Lógica
Caderno - LógicaCaderno - Lógica
Caderno - Lógica
Cadernos PPT
 
Unidade 3 cap 1.2 (b) e cap 1.3
Unidade 3 cap 1.2 (b) e cap 1.3Unidade 3 cap 1.2 (b) e cap 1.3
Unidade 3 cap 1.2 (b) e cap 1.3
Manuel Matos
 
Apostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo iApostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo i
trigono_metrico
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Lauda Produções Kátia Guedes
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
iran rodrigues
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Lizandra Guarnieri Gomes
 
Aula 02
Aula 02Aula 02

Semelhante a Apostilam01 tabela verdade (20)

Resumo a lógica matemática para concursos
Resumo a lógica matemática para concursosResumo a lógica matemática para concursos
Resumo a lógica matemática para concursos
 
Aula 01 - Introducao a logica.pdf
Aula 01 - Introducao a logica.pdfAula 01 - Introducao a logica.pdf
Aula 01 - Introducao a logica.pdf
 
Aula 03 logica de argumentacao
Aula 03   logica de argumentacaoAula 03   logica de argumentacao
Aula 03 logica de argumentacao
 
Raciocínio lógico aula 3-6 - lógica de argumentaçao
Raciocínio lógico   aula 3-6 - lógica de argumentaçaoRaciocínio lógico   aula 3-6 - lógica de argumentaçao
Raciocínio lógico aula 3-6 - lógica de argumentaçao
 
Aula 2 raciocínio lógico
Aula 2   raciocínio lógicoAula 2   raciocínio lógico
Aula 2 raciocínio lógico
 
Inss raciocinio-garcia
Inss raciocinio-garciaInss raciocinio-garcia
Inss raciocinio-garcia
 
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
 
Condições
CondiçõesCondições
Condições
 
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
05 raciocínio lógico 2014 - agente-pf
 
Aula 03 logica de argumentacao
Aula 03   logica de argumentacaoAula 03   logica de argumentacao
Aula 03 logica de argumentacao
 
Aula 03 logica de argumentacao
Aula 03   logica de argumentacaoAula 03   logica de argumentacao
Aula 03 logica de argumentacao
 
1657721272624.pdf
1657721272624.pdf1657721272624.pdf
1657721272624.pdf
 
Modulo i
Modulo iModulo i
Modulo i
 
Caderno - Lógica
Caderno - LógicaCaderno - Lógica
Caderno - Lógica
 
Unidade 3 cap 1.2 (b) e cap 1.3
Unidade 3 cap 1.2 (b) e cap 1.3Unidade 3 cap 1.2 (b) e cap 1.3
Unidade 3 cap 1.2 (b) e cap 1.3
 
Apostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo iApostila 1 calculo i
Apostila 1 calculo i
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
 
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursosApostila raciocicnio-logico-para-concursos
Apostila raciocicnio-logico-para-concursos
 
Aula 02
Aula 02Aula 02
Aula 02
 

Mais de João moreira

Usando o qr code
Usando o qr codeUsando o qr code
Usando o qr code
João moreira
 
Linux mint apostila
Linux mint apostilaLinux mint apostila
Linux mint apostila
João moreira
 
Apostila(1)
Apostila(1)Apostila(1)
Apostila(1)
João moreira
 
Apostila esssa
Apostila   esssaApostila   esssa
Apostila esssa
João moreira
 
Estudos culturais
Estudos culturaisEstudos culturais
Estudos culturais
João moreira
 
Lógica de programação algoritmos em pseudo codigos pela facat
Lógica de programação   algoritmos em pseudo codigos pela facatLógica de programação   algoritmos em pseudo codigos pela facat
Lógica de programação algoritmos em pseudo codigos pela facat
João moreira
 
Como escrever mais rápido 11 passos (com imagens)
Como escrever mais rápido  11 passos (com imagens)Como escrever mais rápido  11 passos (com imagens)
Como escrever mais rápido 11 passos (com imagens)
João moreira
 
Atividade aula hoje
Atividade aula hojeAtividade aula hoje
Atividade aula hoje
João moreira
 
Apresentação 20130805 algoritmos
Apresentação 20130805 algoritmos Apresentação 20130805 algoritmos
Apresentação 20130805 algoritmos
João moreira
 
Apresentacao sobre varias coisas1
Apresentacao sobre varias coisas1Apresentacao sobre varias coisas1
Apresentacao sobre varias coisas1
João moreira
 
Apresentacao sobre varias coisas
Apresentacao sobre varias coisasApresentacao sobre varias coisas
Apresentacao sobre varias coisas
João moreira
 

Mais de João moreira (11)

Usando o qr code
Usando o qr codeUsando o qr code
Usando o qr code
 
Linux mint apostila
Linux mint apostilaLinux mint apostila
Linux mint apostila
 
Apostila(1)
Apostila(1)Apostila(1)
Apostila(1)
 
Apostila esssa
Apostila   esssaApostila   esssa
Apostila esssa
 
Estudos culturais
Estudos culturaisEstudos culturais
Estudos culturais
 
Lógica de programação algoritmos em pseudo codigos pela facat
Lógica de programação   algoritmos em pseudo codigos pela facatLógica de programação   algoritmos em pseudo codigos pela facat
Lógica de programação algoritmos em pseudo codigos pela facat
 
Como escrever mais rápido 11 passos (com imagens)
Como escrever mais rápido  11 passos (com imagens)Como escrever mais rápido  11 passos (com imagens)
Como escrever mais rápido 11 passos (com imagens)
 
Atividade aula hoje
Atividade aula hojeAtividade aula hoje
Atividade aula hoje
 
Apresentação 20130805 algoritmos
Apresentação 20130805 algoritmos Apresentação 20130805 algoritmos
Apresentação 20130805 algoritmos
 
Apresentacao sobre varias coisas1
Apresentacao sobre varias coisas1Apresentacao sobre varias coisas1
Apresentacao sobre varias coisas1
 
Apresentacao sobre varias coisas
Apresentacao sobre varias coisasApresentacao sobre varias coisas
Apresentacao sobre varias coisas
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 

Apostilam01 tabela verdade

  • 1. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica Unidade 1 – Sentenças, Representação Simbólica, Tautologia, Contradição e Contingência. 1 – Introdução e Conceitos Iniciais: Geralmente nos expressamos, em português, através de gestos da fala e da escrita. No caso da escrita utilizamos interrogações, exclamações e conjunções expressadas em sentenças, que por sua vez, podem ser verdadeira ou falsa. Existem sentenças do tipo:  A nota obtida em lógica depende do número de questões que acertar.  Dez é menor do que sete.  Existem formas de vida em outros planetas. Ou seja, observa-se que as sentenças são passíveis de serem verdadeiras ou falsas. E justamente a interpretação da veracidade de sentenças que a lógica trata. Proposição: É um conjunto de símbolos que exprimem um pensamento de sentido completo. Ou simplesmente, é uma frase que pode ser apenas verdadeira ou falsa. Exemplos:  A lua é um satélite da terra. (verdadeira)  5 . (falsa)  Vasco da Gama descobriu o Brasil. (falsa) Valores lógicos de uma proposição: O valor lógico de uma proposição é V se a proposição for verdadeira e F se ela for falsa. Proposições simples e composta: Proposição simples é aquela que expressa uma única idéia, ou seja, não contém nenhuma outra proposição como parte integrante de si mesma. Em geral são referenciadas por letras minúsculas. Já uma proposição composta é aquela formada por uma combinação de mais de uma proposição simples, estas são em geral referenciadas por letras maiúsculas. Exemplo: q: Pedro é estudante. r: 25 é quadrado perfeito. Q: Carlos é careca e Pedro é estudante. R: Se carlos é careta, então é feliz. Quando deseja-se destacar que uma proposição composta P é formada pela combinação de proposições simples q, r, s, ...; então escreve-se:  ,s,r,qP Na lógica matemática temos duas regras fundamentas: I – Princípio da não contradição: Uma proposição não pode ser verdadeira e falsa ao mesmo tempo. II – Princípio do terceiro excluído: Uma proposição é falsa ou verdadeira, não havendo um terceiro caso.
  • 2. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 2 – Conectivos Lógicos: Os conectivos são expressões utilizadas para compor novas proposições. Exemplos:  P: O número 6 é par e o número 8 é cubo perfeito.  Q: Não está chovendo.  R: O triângulo é retângulo ou isósceles.  S: O triângulo é equilátero se e somente se é equiângulo.  T: Se Jorge é engenheiro, então sabe cálculo. Assim, na lógica, destaca-se os conectivos usuais e não ou se e somente se se ... então 3 – Tabela Verdade: No caso de proposições compostas recorre-se ao uso da tabela verdade para verificar o valor lógico da proposição, ou seja, a tabela retrata todos os possíveis valores lógicos. Exemplos: 1. Considerando a proposição  r,qp têm-se: q r V V V F F V F F 2. Considerando agora a proposição  s,r,qp têm-se: q r s V V V V V F V F V V F F F V V F V F F F V F F F Temos 422  combinações Temos 823  combinações
  • 3. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 3. Considerando agora a proposição  t,s,r,qp têm-se: q r s t V V V V V V V F V V F V V V F F V F V V V F V F V F F V V F F F F V V V F V V F F V F V F V F F F F V V F F V F F F F V F F F F A notação mais usual para o valor lógico de uma proposição P é V(P), assim se P é verdadeira os falsa escreve-se; V(P) = V ou V(P) = F. Por exemplo, a proposição: “ R: 2 é raiz da equação 0432  xx ” têm valor lógico V(R) = F. 4 – Exercícios: 1. Determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: a) O número 17 é primo. resp: verdadeiro b) Tiradentes morreu afogado. resp: falso c) 0,13131313... é uma dízima periódica. resp: Verdadeiro d) As diagonais de um paralelogramo são iguais. resp: Falso e) 26030 22  sensen . resp: Falso f) 0, 4 e -4 são raízes da equação 0163  xx . resp: verdadeiro g)   222 5353  . resp: Falso h) b) 71  . resp: falso i) Todo número divisível por 5 termina por 5. resp: Falso j) O número 125 é cubo perfeito. resp: verdadeiro k) 64  tgtg  . resp: Falso l) O produto de dois números ímpares é um número ímpar. resp: verdadeiro Temos 1624  combinações
  • 4. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 5 – Operações Lógicas Sobre Proposições: Negação (~): A negação da proposição P é representada por ~P, cuja tabela verdade fica: P ~P V F F V Exemplo: 1. P: 532  ~P: 532  2. R: Carlos é mecânico ~R: Carlos não é mecânico 3. S: todos os homens são elegantes ~S: Nem todos os homens são elegantes 4. T: Nenhum homem é elegante ~T: Algum homem é elegante Conjunção (  , .): Dadas duas proposições P e Q, a conjunção é representada por P  Q ou P.Q cuja tabela verdade fica: P Q P  Q V V V V F F F V F F F F Exemplo: 1. P: A neve é branca Q: 52  P  Q : A neve é branca e 52  2. R: 4 S: 0 2   sen R  S: 4 e 0 2   sen Disjunção (  , +): Dadas duas proposições P e Q, a disjunção é representada por P Q ou P + Q cuja tabela verdade fica: P Q P Q V V V V F V F V V F F F Exemplo: 1. P: A neve é branca Q: 52  P Q : A neve ou branca e 52 
  • 5. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 2. R: 4 S: 0 2   sen R S: 4 ou 0 2   sen Disjunção Exclusiva (   ,  ): Dadas duas proposições P e Q, a disjunção exclusiva é representada por P   Q ou P  Q cuja tabela verdade fica: A tabela verdade de duas proposições H e K, da disjunção exclusiva fica: P Q P   Q V V F V F V F V V F F F Exemplo: 1. Considere as proposições P e Q abaixo: P: Carlos é médico ou professor. Q: Mário é alagoano ou gaúcho. Em P, Carlos pode ser médico; pode ser professor ou ainda pode ser médico e professor. Mas em Q, Mário é alagoano ou gaúcho. Assim em P temos a disjunção inclusiva (ou simplesmente disjunção) enquanto que em Q temos a disjunção exclusiva. Condicional ( ): Dadas as proposições P e Q, a condicional é representada por P Q cuja tabela verdade fica: P Q P Q V V V V F F F V V F F V Exemplo: 1. P: O mês de maio têm 31 dias Q: A Terra é plana P Q : Se o mês de maio têm 31 dias, então a terra é plana 2. R: Dante escreveu os lusíadas S: Cantor criou a teoria dos Conjuntos R S: Se Dante escreveu os lusíadas, então Cantor criou a teoria dos conjuntos. OBS: Uma condicional P Q não afirma que o consequente Q se deduz ou é consequência do antecedente P. O que o condicional afirma é uma relação entre os valores lógicos de P e Q de acordo com a tabela verdade.
  • 6. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica Bicondicional (  ): Dadas as proposições P e Q, o bicondicional é representado por P  Q cuja tabela verdade fica: P Q P  Q V V V V F F F V F F F V O bicondicional também pode ser lido da seguinte maneira: i) P é condição necessária e suficiente para Q, e ii) Q é condição necessária e suficiente para P Exemplo: 1. P: Lisboa é a capital de Portugal Q: 3 4   tg P  Q : Lisboa é a capital de Portugal se e somente se 3 4   tg 2. R: A terra é plana S: 2 é um número racional R  S: A terra é plana se e somente se 2 é um número racional 6 – Exercícios: 1. Sejam as proposições, P: Está frio Q: Está chovendo Traduzir para a linguagem corrente as seguintes proposições. (a) P~ Não está frio. (b) QP  Está frio e está chovendo. Está frio e chovendo. (c) QP  Está frio ou está chovendo. Está frio ou chovendo. (d) PQ  Está chovendo se e somente se está frio. 2. Determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: (a) 1055723  e Resp: F (b) 42201  Resp: V (c) Roma é a capital da França ou 145 tg Resp: V (d) racionalé 1052 Resp: F (e) 944623  entãoSe Resp: V
  • 7. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica (f) 2223 0  Resp: F (g) 01   sensesomenteesetg Resp: F (h) 2211  Resp: V (i) Não é verdade que 12 é um número ímpar. Resp: V (j)  411733422  Resp: V (k)  1000  cosousen~ Resp: F (l)  323 4482  e~ Resp: F 3. Determinar  pV em cada um dos seguintes casos: (a)     FqpVeFqV  Resp:     FpVouVpV  (b)     FqpVeFqV  Resp:   FpV  4. Determinar  pV e  qV em cada um dos seguintes casos: (a)     FqpVeVqpV  Resp:     VqVeFpV  (b)     VqpVeVqpV  Resp:     VqVeVpV  7 – Tabela Verdade de Uma Proposição Composta: Com as proposições simples do tipo p, q, r, s, ... e fazendo uso dos conectivos  ,,,~, é possível construir proposições compostas tais como:    q~p~q,pP  onde, com o emprego da tabela verdade é possível verificar todas as possibilidades de V e F. Exemplo: 1. Construir a TV das proposições seguintes. a)    q~p~q,pP  p q ~q P ~q  q~p~  V V F F V V F V V F F V F F V F F V F V
  • 8. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica b)    r~qr~pr,q,pP  p q r ~r p ~r q ~r p ~r  q ~r V V V F V F F V V F V V V V V F V F V F F V F F V V F F F V V F F F V F V F V V V V F F V F F F V F F F V V F F 8 – Valor Lógico de Uma Proposição Composta: Dada uma proposição  ,...s,r,q,pP pode-se determinar seu valor lógico conhecendo, a priori, os valores lógicos de p, q, r, s, ... Exemplo: 1. Sabendo que   VpV  e   FqV  , determinar  PV , onde      q~p~qp~q,pP  . Resolução: Mediante os valores lógicos de p e q pode-se obter:           VFFVFV~F~V~FV~PV  2. Sejam as proposições 3:p e 0 2   sen:q . Determine o valor lógico da proposição:      qppqpq,pP  . Resolução: Como   FPV  e   FqV  então têm-se:         VVVFFVFFFFFPV  9 – Precedência e Eliminação de Parêntesis: O uso de parêntesis se faz necessário para evitar qualquer ambiguidade, assim, por exemplo, a proposição rqp  pode ser escrita como: 1)   rqp  2)  rqp  que não têm o mesmo significado (basta construir a TV de ambas ).
  • 9. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica A ordem de precedência para os conectivos é 1) ~, o mais fraco 2)  e 3)  4)  , o mais forte, portanto se tivéssemos a proposição rsqp  , concluiríamos que ela é bicondicional. Para convertê-la numa condicional ou numa conjuntiva deve-se escrevê-las respectivamente nas formas:  rsqp    rsqp  . Pode-se fazer a eliminação de parêntesis quando um mesmo conectivo aparece sucessivamente repetido, fazendo associação a partir da esquerda, por exemplo,       p~qp~~        p~qp~~    p~qp~~     p~rq~p  10 – Exercícios: 1. Sejam as proposições, P: Está frio Q: Está chovendo Traduzir para a linguagem corrente as seguintes proposições. (a) Q~P  Se está frio, então não está chovendo. (b) Q~P Está frio ou não está chovendo. (c) Q~P~  Não está frio e não está chovendo. (d) Q~P  Está frio se e somente se não está chovendo. (e) PQ~P  Se está frio e não está chovendo, então está frio. 2. Sejam as proposições, P: João é gaúcho Q: Jaime é paulista Traduzir para a linguagem corrente as seguintes proposições.
  • 10. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica (a)  Q~P~  Não é verdade que João é gaúcho e Jaime não é paulista. (b) P~~ Não é verdade que João não é gaúcho. (c)  Q~P~~  Não é verdade que João não é gaúcho ou que Jaime não é paulista. (d) Q~P  Se João é gaúcho, então Jaime não é paulista. (e) Q~P~  João não é gaúcho se e somente se Jaime não é paulista. (f)  PQ~~  Não é verdade que, se Jaime não é paulista, então João é gaúcho. 3. Sejam as proposições, P: Marcos é alto Q: Marcos é elegante Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições. (a) Marcos é alto e elegante. QP  (b) Marcos é alto, mas não é elegante. Q~P (c) Não é verdade que marcos é baixo ou elegante.  QP~~  (d) Marcos não é nem alto e nem elegante. Q~P~  (e) Marcos é alto ou é baixo e elegante.  QP~P  (f) É falso que Marcos é baixo ou que não é elegante.  Q~P~~  4. Construir a T.V. das seguintes proposições: (a) PQ~P  (b) Q~P~  (c)  Q~P~~ 
  • 11. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 11 – Lista de Exercícios. 1 1. Sejam as proposições, P: Suely é rica Q: Suely é feliz Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições. (a) Suely é pobre e infeliz. Resp: Q~P~  (b) Suely é pobre ou rica, mas é infeliz. Resp:   Q~PP~  2. Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições matemáticas. (a)   000  zouzeyx Resp:   000  zzyx (b)  00  zouxzyex Resp:  00  zxzyx (c)  000  yexoux Resp:  000  yxx (d)    0 zeyxoutzeyx Resp:   0 zyxtzyx (e) 20  yentãoxSe Resp: 20  yx (f) 02  zentãoyxSe Resp: 02  zyx 3. Determinar o valor lógico (V ou F) da proposição r~qp  , sabendo que     VrVpV  . Resolução: Em termos de valor lógico temos que: Se   VqV  , então   FFVFVVV~VVr~qpV  . Mas, se   FqV  , então   FFVFFVV~FVr~qpV  . Portanto, independentemente do valor lógico de q a proposição será sempre falsa. 4. Suprimir o maior número possível de parêntesis na proposição        q~~pqrq  . Resolução:        q~~pqrq        q~~pqrq     q~~pqrq 
  • 12. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 5. Determinar o valor lógico (V ou F) das seguintes proposições: a) rpqp  , sabendo que     VrVpV  . Resp: Verdadeira b)    rp~q~p  , sabendo que   FqV  e   VrV  . Resp: Verdadeira 6. Suprimir o maior número possível de parêntesis nas proposições: a)        qrqq~~p  Resp:  qrqq~~p  b)           qrq~r~qp  Resp:    qrq~r~qp  7. Sabendo que as proposições “ 0x ” e “ yx  ” são verdadeiras e que as proposições “ zy  ” e “ ty  ” são falsas, determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: a) zyyxx  0 Resp: Verdadeira b) tyzyyx  Resp: Falsa 8. Sabendo que os valores lógicos das proposições p e q são respectivamente F e V, determinar o valor lógico da proposição      p~qq~p~pq~p  . Resp: falsa
  • 13. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 12 – Tautologia, Contradição e Contingência: Tautologia é toda proposição composta que é verdadeira independentemente dos valores verdade das proposições simples que há compõem. Exemplo: 1. Construir a TV das seguintes proposições: a)  p~p~  p ~p p ~p  p~p~  V F F V F V F V b)   pq~qp  P q ~q q ~q  q~qp    pq~qp  V V F F V V V F V F V V F V F F F V F F V F F V Observação: Se  ...,r,q,pP é uma tautologia, então  ...,R,Q,PP 000 também é tautologia, quaisquer que sejam as proposições 000 R,Q,P . Contradição é toda proposição cujo valor lógico não é tautológico, ou seja, a última coluna é sempre falsa. Exemplo 1. Construir a TV das seguintes proposições: a) p~p p ~p p ~p V F F F V F tautologia tautologia contradição
  • 14. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica b)  q~pp~  p q ~q q~p p~  q~pp~  V V F F F F V F V V F F F V F F V F F F V F V F Observação: Se  ...,r,q,pP é uma contradição, então  ...,R,Q,PP 000 também é contradição, quaisquer que sejam as proposições 000 R,Q,P . Contingência é toda proposição composta que não é tautológica nem contradição. Exemplo: 3. Construir a TV da seguinte proposição:  33  xyxx 3x yx  3x 3 xyx  33  xyxx V V F F F V F F V V F V V V F F F V V F 13 - Exercício: 1. Determinar quais das seguintes proposições são tautológicas, contraditórias, ou contingentes: a)  qp~p  b)  qpqp~  c)   pqqp  d)    pqqp  e)  q~pq~p  f)  qpq~p~  g)   rqpp  h)  rqpqp  Resp: (a), (b), (c), (g), (h) tautológicas (d), (e), (f) contingências contradição contingência
  • 15. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 14 – Implicação lógica: A palavra “implicar” significa: Originar, produzir como conseqüência, ser causa de: ...uma filosofia definitiva, ...implicaria a imobilidade do pensamento humano (Antero de Quental). [ DICMAXI Michaelis Português - Moderno Dicionário da Língua Portuguesa ] (Teorema):    ...,r,q,pQ...,r,q,pP  se e somente se a condicional,    ...,r,q,pQ...,r,q,pP  é tautológica. Aqui, deve-se reforçar que: os símbolos  e  são distintos pois,  O condicional é o resultado de uma operação lógica. Por exemplo, se considerarmos as proposições p e q, pode-se obter uma nova proposição expressa por qp  .  Já a implicação, estabelece uma relação. Por exemplo, que a condicional qp  é tautologia. Exemplo: 1. Demonstre, mediante o teorema acima descrito, que qp~p  . Resolução: Para provarmos que qp~p  deve-se mostrar que qp~p  é tautológica, ou seja; da T. V. têm-se: p q p~ p~p qp~p  V V F F V V F F F V F V V F V F F V F V assim pelo teorema têm-se que qp~p  . 2. Considere a proposição   44  xxyx , o que se poderia concluir a respeito de x e y ? Resolução: yx  4x 4 xyx V V V F F V F V V V F V V F F F F F V F tautologia   44  xxyx4x
  • 16. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica Mediante a T. V. pode-se dizer que   yxxxyx  44   yxxxyx  44 15 – Equivalência Lógica A palavra “equivalência” significa: Igualdade de valor, estimação entre duas coisas; correspondência. [DICMAXI Michaelis Português - Moderno Dicionário da Língua Portuguesa] (Teorema):    ...,r,q,pQ...,r,q,pP  se e somente se a bicondicional,    ...,r,q,pQ...,r,q,pP  é tautológica. È importante lembrar que os símbolos  e  são distintos pois,  O bicondicional é o resultado de uma operação lógica, enquanto que a equivalência estabelece uma relação. Por exemplo, que a condicional qp  é tautologia. Exemplo: 1. Demonstre, mediante o teorema acima descrito, que a proposição bicondicional    qpcq~p  é uma equivalência; onde   FcV  . Resolução: Para provarmos que    qpcq~p  representa    qpcq~p  deve-se mostrar que    qpcq~p  é tautológica, ou seja; da T. V. têm-se: p q c q~ q~p cq~p  qp     qpcq~p  V V F F F V V V V F F V V F F V F V F F F V V V F F F V F V V V assim pelo teorema têm-se que    qpcq~p  . 2. Considerando as seguintes proposições verifique a equivalência mediante a T. V: a) pp~~  Resolução: A T. V. para a proposição é dada como: tautologia
  • 17. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica p p~ p~~ V F V F V F b) ppp~  Resolução: A T. V. para a proposição é dada como: p p~ pp~  V F V F V F c) qp~qp  Resolução: A T. V. para a proposição é dada como: p q p~ qp~  qp  V V F V V V F F F F F V V V V F F V V V OBS: Esta equivalência é de grande importância, pois aqui a condicional pode ser trocada por uma disjunção ! d)    pqqpqp  Resolução: A T. V. para a proposição é dada como: p q qp  pq     pqqp  qp  V V V V V V V F F V F F F V V F F F F F V V V V OBS: Esta equivalência também é de grande importância, pois aqui a bicondicional pode ser trocada por uma conjunção ! idênticas idênticas idênticas idênticas
  • 18. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 16 – Exercícios 1. Mostre que as equivalências são verdadeiras a)     rqprqp  é verdadeira. Resolução: p q r qp  rqp  rq   rqp      rqprqp  V V V V V V V V V V F V F F F V V F V F V V V V V F F F V V V V F V V F V V V V F V F F V F V V F F V F V V V V F F F F V V V V b)    q~p~qpqp  Resolução: A T. V. para a proposição é dada como: p q qp  qp  p~ q~ q~p~     q~p~qp  V V V V F F F V V F F F F V F F F V F F V F F F F F V F V V V V OBS: Esta equivalência é importante, pois a bicondicional pode ser trocada por uma disjunção ! tautologia idênticas
  • 19. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 17 – Lista de Exercícios. 2 1. Sejam as proposições P: Carlos fala Francês, Q: Carlos fala Inglês, R: Carlos fala Alemão. Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições: a) Carlos fala Francês ou Inglês, mas não fala Alemão. b) Carlos fala Francês e Inglês, ou não fala Francês e Alemão. c) É falso que Carlos fala Francês mas que não fala Alemão. d) É falso que Carlos fala Inglês ou Alemão mas que não fala Francês. 2. Traduzir para a linguagem simbólica as seguintes proposições matemáticas. a) 121  yentãozouxSe . b) 215  xexentãoZSe . c) 55  zyezxentãoyxSe . 3. Determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: a) 1284972  e b) irracionalé310  c) 42 22  tgsen  d) 2 1 6 01   senentãoSe e) 223 3   tg f) 1 42 1   cossen 4. Determinar  pV em cada um dos seguintes casos: a)     VqpVeFqV  b)     FqpVeVqV  5. Determinar  pV e  qV em cada um dos seguintes casos: (a)     FqpVeVqpV  (b)     Vqp~VeFqpV 
  • 20. Unidade 1 – Sentenças e Representação simbólica 6. Construir as tabelas verdade das seguintes proposições: a)  q~p~  b)   pqq~p  c) pq~q  d) r~qrp  7. Sejam as proposições    xctgxtg:P  e 2:Q . Determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: a)   q~p~qp~  b)     q~p~qp~p  8. Sabendo que a condicional qp  é verdadeira, determinar o valor lógico da condicional rqrp  . 9. Mostrar que: a) qpq  b) pqpq  c)   00  xyxyxx 10. Mostre que qpimplicanãoq~p  . 11. Mostre que as proposições p e q são equivalentes em cada um dos seguintes casos: a)   1631431 2  :q;:p b) 0010  cos;sen:p c)  Rz,y,xzyzx:q;yx:p  d) ab:q;ba:p  e) 222 cba:q;AemretânguloéABCtriânguloO:p  12. Demonstre por tabela verdade as seguintes equivalências: a)   pqpp  b)   q~r~prqp  c)     rqprpqp 
  • 21. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) 1 – Introdução: A álgebra das proposições constitui-se numa ferramenta matemática de grande importância, pois através dela pode-se operar sobre proposições utilizando-se de equivalências “notáveis”. Uma de suas aplicações consiste no fato da simplificação de trechos de códigos computacionais, pois quanto mais simples o código mais simples será de ser entendido e poderá ser executado com maior rapidez. 2 – Propriedades da Conjunção: Considerando as proposições q,p e r ; e sejam as proposições t e c tal que   VtV  e   FcV  . Assim são válidas as seguintes propriedades: a) INDEPOTENTE: ppp  Ex.: 111  xxx Obs.: Dizer por exemplo, que é válida a propriedade indepotente é o mesmo que verificar o teorema relativo à equivalência (página 19), ou seja: p pp  ppp  V V V F F V como ppp  é tautológica, então pelo teorema da equivalência temos que ppp  . Daqui por diante, para as próximas propriedades, as equivalências descritas são válidas, uma vez que sua validade pode ser aferida segundo o mesmo raciocínio descrito para a propriedade indepotente. b) COMUTATIVA: pqqp  Ex.: 3443   c) ASSOCIATIVA:    rqprqp  Ex.:    310310  xxxxxx d) IDENTIDADE: ptp  e ccp  Ex.: 101  xxx e 001  xxx Elemento absorventeElemento neutro
  • 22. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) 3 – Propriedades da Disjunção: Considerando novamente as proposições q,p e r ; e ainda t e c onde   VtV  e   FcV  , então são válidas as seguintes propriedades: a) INDEPOTENTE: ppp  Ex.: 111  xxx b) COMUTATIVA: pqqp  Ex.: bacbcbba  c) ASSOCIATIVA:    rqprqp  Ex.:    421421  xxxxxx d) IDENTIDADE: ttp  e pcp  Ex.: 001  xxx e 000 2  xxx 4 – Propriedades da Conjunção e Disjunção: Sejam as proposições q,p e r ; então têm-se que: a) DISTRIBUTIVAS: (i)      rpqprqp  (ii)      rpqprqp  b) ABSORÇÃO: (i)   pqpp  (ii)   pqpp  c) REGRAS DE DE MORGAN (1806-1871): (i)   q~p~qp~  (ii)   q~p~qp~  5 – Negação da Condicional e da Bicondicional: Dadas as proposições q,p têm-se que a negação da condicional é:   q~pqp~  e a negação da bicondicional será;      qp~q~pqp~  . Elemento absorvente Elemento neutro
  • 23. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) 6 – Exercícios: 1. Dar a negação em linguagem corrente da proposição: “ Rosas são vermelhas e violetas são azuis”. Resolução: Denotando azuissãovioletas:qevermelhassãorosas:p , então teremos que a prop. Composta é: qpP  logo a negação de P será:   q~p~qp~P~  Portanto em linguagem corrente teremos “Rosas não são vermelhas ou violetas não são azuis” 2. Demonstrar as seguintes regras de DE MORGAN para três proposições: a)   r~q~p~rqp~  b)   r~q~p~rqp~  3. Simplifique a expressão condicional, abaixo, de um trecho de programa pascal, após reescreva o comando. IF (FLUXOEXT>FLUXOINT) AND NOT ( (FLUXOEXT>FLUXOINT) AND (PRESSÃO<1000) ) THEN COMANDO 1 ELSE COMANDO 2. Resolução: Denotando 1000 pressão:bint;fluxofluxoext:a , então teremos que a expressão condicional será dada por  ba~aE  que pode ser simplificada conforme:            b~ab~aFb~aa~ab~a~aba~aE  portanto teremos que  b~aE  que é equivalente a expressão original.
  • 24. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) 4. Considere o seguinte fragmento de um programa pascal: for contador := 1 to 5 do begin read (a); if        1505710205 .a*.sqrtor.a*and.a  then writeln (a); end; Os valores de entrada para a são 1.0, 5.1, 2.4, 7.2 e 5.3. Quais são os valores de saída ? Resolução: Saídas: 5. Reescreva o programa pascal a seguir com uma expressão condicional simplificada: 6. (a) Verifique que BA  é equivalente a BA  . (b) usando a parte (a) e outras equivalências, escreva a negação da sentença “ Se Pedro passar em seu curso de física, então ele se formará.”          numerooddandvalorvalornotor numerooddorvalorvalornot 21 21   comando1 else comando2; if
  • 25. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) 7 – Regras de inferência para a lógica Proposicional: Dadas as proposições nP...,,P,P,P 321 e Q (proposições quaisquer), denomina-se “ argumento ”, a toda afirmação de que; dada a sequência nP...,,P,P,P 321 têm-se como consequência uma proposição final Q . As proposições nP...,,P,P,P 321 são denominadas premissas do argumento e Q é denominada conclusão do argumento. Em geral indica-se um argumento como: nP...,,P,P,P 321  Q ou na forma mais usual Q P P P P n  3 2 1 e este é válido se e somente se a conclusão Q é verdadeira toda vez que as premissas nP...,,P,P,P 321 são verdadeiras, logo dizemos que a verdade das premissas é incompatível com a falsidade da conclusão. OBSERVAÇÃO: As premissas são verdadeiras ou admitidas como tal, a lógica só se preocupa com a validade dos argumentos e não com a verdade ou falsidade das premissas e das conclusões. A validade de um argumento depende exclusivamente da relação existente entre as premissas e a conclusão. Portanto dizer que um argumento é válido significa afirmar que as premissas estão relacionadas de tal modo com a conclusão que não é possível ter a conclusão falsa se as premissas são verdadeiras. Para demonstrar o argumento nP...,,P,P,P 321  Q , pode-se fazer uso da T. V. e do teorema anterior. Se tivéssemos cinco proposições simples compondo um argumento, necessitaríamos construir uma T. V. de 3225  linhas, tarefa esta muito trabalhosa, porém correta. Para contornar este tipo de problema, faz-se a validação de uma argumentação através das regras de inferência, minimizando assim o trabalho a ser desenvolvido. Teorema: Um argumento nP...,,P,P,P 321  Q é válido se e somente se a condicional QP...,,P,P,P n 321 é tautológica.
  • 26. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) Uma outra consideração a ser comentada é: Considerando o argumento chamamos de condicional associada a forma        sr~s~qr~pq~p  . Por outro lado, se considerarmos a condicional associada        q~pssrqs~rqp  o argumento correspondente a esta condicional será srq,s,~rqp   q~ps  , que também pode ser expressado sob a forma q~ps srq s~ rqp    . 8 – Argumentos válidos Fundamentais: Os argumentos válidos fundamentais são utilizados para executar passo a passo uma dedução ou demonstração de um outro argumento mais complexo. Os argumentos fundamentais são: 1) Adição (AD) i) qp p  ii) pq p  2) Simplificação (SIMP) i) p qp  ii) q qp  3) Conjunção (CONJ) i) qp q p  ii) pq q p  s~q,r~p,q~p    sr~  1P 2P 3P Q
  • 27. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) 4) Absorção (ABS)  qpp qp   5) Modus Ponens (MP) q p qp  6) Modus Tollens (MT) p~ q~ qp  7) Silogismo Disjuntivo (SJ) i) q p~ qp  ii) p q~ qp  8) Silogismo Hipotético (SH) rp rq qp    9) Dilema Construtivo (DC) sq rp sr qp     10) Dilema Destrutivo r~p~ s~q~ sr qp    
  • 28. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) A validade dos 10 argumentos pode ser facilmente verifica mediante o teorema anterior, por exemplo, a seguir é verificada a validade do argumento Silogismo Hipotético p q r qp  rq  rp  rqqp     rprqqp  V V V V V V V V V V F V F F F V V F V F V V F V V F F F V F F V F V V V V V V V F V F V F V F V F F V V V V V V F F F V V V V V Com o auxílio das regras de inferência pode-se deduzir outras regras, ou demonstrar a validade de outras regras, por exemplo; o que se pode concluir, abaixo, a partir das premissas dadas ? Exemplo: Verifique a validade do argumento: rp,qp   q . 9 – Exercícios de Aprendizagem: 1. Demonstre a validade dos seguintes argumentos: a) srp,qp   sp  b)   p,qp,rqp   r c) je,j~t~,se   st  d) st,qt,p,r.qp   s 2. O argumento abaixo é válido ? zxzy,zyzx,zxyx,zxyx   zy  DD     q~qp~:Q sr~r~:P srq:P rqp:P     3 2 1 q p rp qp     4 3 2 1 2, SIM 1,2, MP
  • 29. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) 3. Prove que o argumento seguinte é válido: “Admitindo a linguagem assembly. Se usamos a linguagem asssembly, então o programa será executado mais rapidamente. Se usamos a linguagem asssembly, o programa terá mais linhas de código. Portanto o programa será executado mais rapidamente e terá mais linhas de código” 4. Verifique a validade dos seguintes argumentos: a) 1616 1616    xy xy youx,Logo yx yxentão,yexSe b) .lógicaemreprovadofui,totanPor .Trabalhei.lógicaemaprovadosereiouTrabalho .estudarpossonãotrabalhoSe
  • 30. Unidade 2 – Lógica Proposicional (Álgebra das Proposições) 10 – Lista de Exercícios: 1. Usando todas as equivalências já estudadas até o momento e as propriedades da álgebra de proposições simplifique as seguintes proposições: a)  q~p~~  , sugestão use a equivalência  b)    qp~qp~  c)  q~p~  d)  qp~~  e)  q~p~~  f)   p~qp  g)    qp~qp  h)    q~pqpp  2. Provar t dadas as premissas: rq. tr.s. q.p. sp.    4 3 2 1 2. Prove que os seguintes argumentos são válidos a) st,r~,rt   s b)        srrtqtq.s  3. Provar que 5 yx dadas as premissas   523 2113932 931131    yxy. yyxx. xyx. Resposta: 1. (a) qp~  (b) p~ (c) qp~  (d) qp  (e) qp  (f) qp~  (g) q (h) F (falsa)
  • 31. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade 1 – Introdução: Considere a sentença dada por “para todo x , 0x ”, admitindo que seja verdadeira sobre inteiros, não é possível expressar a sentença, apenas, através de proposições e ou conectivos lógicos. Pois ela contém dois elementos novos que são: “para todo x ” e “ 0x ”. O elemento “para todo” é denominado quantificador e o elemento 0x é denominado predicado. O quantificador “para todo” é mais precisamente denominado como quantificador universal e simbolizado por “ ”, este pode ser expresso também como “qualquer que seja” ou “para todo o valor de”. Portanto a sentença “para todo x , 0x ” pode ser simbolizada como   0 xx , já uma expressão genérica, relacionada ao quantificador universal, pode ser simbolicamente escrita na forma     xPx , onde  xP é um predicado qualquer. Considere agora a sentença “existe x tal que 0x ”, admitindo que seja verdadeira também sobre inteiros, não é possível expressar a sentença, apenas, através de proposições e ou conectivos lógicos, devido ao fato de conter também dois elementos novos; “existe x ” e “ 0x ”. O quantificador “existe” é denominado quantificador existencial e simbolizado por “ ”, este é equivalente também a, “existe um” ou “para pelo menos um” ou ainda “para algum”. Sendo assim, a sentença “existe x , 0x ” pode ser simbolizada sob a forma   0 xx , já uma expressão genérica pode ser expressada por     xPx , onde  xP é um predicado qualquer. 2 – Quantificadores: Quantificador Universal: Seja  xP uma sentença em um conjunto não vazio A e seja PV o seu conjunto verdade, onde   xPAx/xVP  . Quando AVP  , isto é, todos os elementos do conjunto A satisfazem a sentença  xP , pode-se afirmar que: x AVP 
  • 32. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade  para todo elemento x de A ,  xP é verdadeira;  ou, qualquer que seja o elemento x de A ,  xP é verdadeira; simbolicamente indica-se tal fato por      AVxPAx P  . Quando A é um conjunto finito, isto é,  na...,,a,a,a,aA 4321 têm-se que                naP...aPaPaPaPxPAx  4321 . Exemplo: 1) Seja  753 ,,A  e   primoéx:xP , descreva como é a expressão predicada   primoéxAx  2) Verifique a veracidade das proposições a)  35  nNn b)  73  nNn c)  02  xRx Quantificador Existencial: Seja  xP uma sentença em um conjunto não vazio A e PV o seu conjunto verdade onde   xPAx/xVP  . Quando PV não é vazio, então pelo menos um elemento do conjunto A satisfaz a sentença  xP , assim pode-se afirmar que:  existe pelo menos um elemento x de A tal que  xP é verdadeira;  ou que para algum elemento x de A ,  xP é verdadeira; simbolicamente indica-se tal fato por      PVxPAx  . Quando A é um conjunto finito, isto é,  na...,,a,a,a,aA 4321 têm-se que                naP...aPaPaPaPxPAx  4321 . x PV A
  • 33. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade Exemplo: 3) Seja  753 ,,A  e   paréx:xP , descreva como é a expressão predicada   paréxAx  4) Verifique a veracidade das proposições a)  84  nNn b)  35  nNn c)  02  xRx Quantificador de Existência e Unicidade: Considere a seguinte sentença em R ; i) 162 x ii) 273 x . Os valores em R que satisfazem (i) são: 4a e 4b , então podemos escrever,   babaRb,a  1616 22 Agora, o valor em R que satisfaz (ii) é 3c , logo escrevemos   273  cRc . Como o único valor que satisfaz o quantificador acima é 3c , então dizemos que existe um único número real. Desta forma a expressão quantificada (ii) é expressa na forma   273  xRx! . Existem muitas proposições que enunciam afirmações de existência e unicidade, assim por exemplo, no universo R , é verdadeiro afirmar que    nmxx!nm  0 . Exemplo: 5) Verifique a veracidade das proposições a)  092  xNx! b)  11  xZx! c)  0 xRx!
  • 34. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade 3 – Negação de Proposições Quantificadas Sejam as proposições; i) Toda pessoa fala inglês; ii) Alguém foi a lua. A negação dessas proposições é dada por i´) Nem toda pessoa fala inglês; ii´) Ninguém foi a lua. assim a negação de proposições quantificadas é expressa como:            xp~AxxpAx~             xp~AxxpAx~  que são denominadas como segundas regras de De Morgan. Exemplos: 1) Dê a negação das seguintes proposições: a)   82  nNn b)   053  xRx c)     0 xsenRx
  • 35. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade 4 – Lista de Exercícios 1. Sendo R o conjunto dos números reais, determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: a)   xxRx  b)   xxRx  2 c)   0 xRx d)   xxRx  2 e)   xxRx  1 f)   xxRx  2 2. Sendo  54321 ,,,,A  , determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: a)   103  xAx b)   103  xAx c)   53  xAx d)   73  xAx e)   723  x Ax f)   1522  xxAx 3. Dar a negação das proposições abaixo: a)   xxRx  b)   xxRx  2 c)   0 xRx d)   xxRx  2 e)   xxRx  1 f)   xxRx  2 4. Sendo  54321 ,,,,A  , dar a negação das proposições abaixo a)   103  xAx b)   103  xAx c)   53  xAx d)   73  xAx e)   723  x Ax f)   1522  xxAx
  • 36. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade 5 – Contra - Exemplo Para mostrar que uma proposição da forma     xpAx  é falsa basta mostrar que a sua negação,     xp~Ax  , é verdadeira. Isto é, que existe pelo menos um elemento Ax 0 tal que  0xp é uma proposição falsa. O elemento 0x é chamado de contra – exemplo para a proposição     xpAx  . Exemplos: 1. Mostre que as proposições abaixo são falsas, exibindo um contra exemplo: a)   2 2 nNn n  b)   0 xRx c)   xxRx  2 d)     42 22  xxRx 6 – Lista de Exercícios 1. Sendo  95432 ,...,,,,A  , dar um contra exemplo para cada uma das seguintes proposições: a)   125  xAx b)   primoéxAx  c)   12  xAx d)   paréxAx  e)   00  x Ax 2. Sendo  54321 ,,,,A  , dar a negação das proposições abaixo a)   103  xAx b)   103  xAx c)   53  xAx d)   73  xAx e)   723  x Ax f)   1522  xxAx 3. Sendo A um conjunto qualquer, dar a negação de cada uma das seguintes proposições: a)         xqAxxpAx  b)          xqAxxpAx  c)          xq~Axxp~Ax  d)          xq~AxxpAx  4. Dar a negação de cada uma das seguintes sentenças: a)     3172 2  xxxx b)      75292  xxxAx
  • 37. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade 7 – Quantificação de Sentenças Abertas com Mais de Uma Variável Quantificação Parcial Considere o conjunto  54321 ,,,,A  o universo das variáveis y,x e considere também a seguinte sentença,   72  yxAx . Essa sentença não pode ser considerada uma proposição, pois o seu valor lógico não depende da variável x (variável aparente), mais sim da variável y (variável livre). Desta forma chama-se essa sentença de sentença aberta em y; cujo conjunto verdade é  4321 ,,, , pois somente para 5y não existe Ax  tal que 72  yx . Analogamente, seja o conjunto  54321 ,,,,A  o universo das variáveis y,x e considere também a seguinte sentença,   102  yxAy . Essa sentença também não pode ser considerada uma proposição, pois o seu valor lógico não depende da variável y (variável aparente), mais sim da variável x (variável livre). Assim, temos que essa sentença é na verdade uma sentença aberta em x; cujo conjunto verdade é  21, , pois somente para 1x ou 2x se tem 102  yx para todo Ay  . Quantificação Múltipla Toda sentença aberta precedida de quantificadores, um para cada variável, é uma proposição, pois assume um dos valores lógicos V ou F. São exemplos de proposições as seguintes expressões:      y,xpByAx       y,xpByAx        z,y,xpCzByAx  Exercícios: 1) Considere os conjuntos  Paulo,Claudio,JorgeH  ,  Carmen,SuelyM  e seja  y,xp a sentença aberta em :MH “x é irmão de y”. Discuta o significado das proposições:      y,xpMyHx:A       y,xpHxMy:B  2) Interprete, e discuta a equivalência         222222 yxyxNy,xyxyxNyNx 
  • 38. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade 3) Verifique o valor lógico de   Ny,x,yxyx  222   Ry,x,yxyx  222 4) Considere os conjuntos  4321 ,,,A  e  86420 ,,,,B  e a sentença aberta em :BA ” 82  yx “. Verifique o valor lógico das proposições:    82  yxByAx:S    82  yxAxBy:M    82  yxAxBy:N    82  yxByAx:T Operações Sobre Quantificadores Quantificadores de mesma espécie podem ser comutados, ou seja,            y,xpxyy,xpyx             y,xpxyy,xpyx  . Quantificadores de espécies diferentes não podem em geral ser comutados; Exemplo: Seja x, y variáveis no universo dos números naturais. A proposição    xyyx  é verdadeira, mas a proposição    xyxy  é falsa . Exercício: 4) Sendo  109321 ,...,,,,A  , determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições:    14 yxAyAx:M    14 yxAxAy:N
  • 39. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade Negação de Proposições com Quantificadores A negação de proposições com mais de um quantificador se obtém mediante a aplicação sucessiva das regras de negação para proposições com um único quantificador, assim têm-se, por exemplo que; 1)                    y,xp~yxy,xpy~xy,xpyx~  2)                    y,xp~yxy,xpy~xy,xpyx~  3)                    y,xp~yxy,xpy~xy,xpyx~  4)                    y,xp~yxy,xpy~xy,xpyx~  5)                       z,y,xp~zyxz,y,xpzy~xz,y,xpzyx~  etc. ... 8 - Lista de Exercícios 1) Sendo  54321 ,,,, o universo das variáveis x e y, determinar o conjunto verdade de cada uma das seguintes sentenças abertas: a)   72  yxy b)   102  yxx 2) Sendo  321 ,, o universo das variáveis x e y, determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: a)    12  yxyx b)    1222  yxyx c)    1222  yxyx d)    1022  yxyx e)    1022  yxyx f)    1022  yxyx g)    1022  yxyx 3) Sendo  321 ,, o universo das variáveis x, y e z, determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: a)     222 2zyxzyx  b)     222 2zyxzyx 
  • 40. Unidade 3 – Quantificadores, Predicados e validade 4) Sendo R o conjunto dos números reais, determinar o valor lógico de cada uma das seguintes proposições: a)    yyxRxRy  b)    0 yxRyRx c)    1 y.xRyRx d)    xyRxRy  5) Dar a negação de cada uma das seguintes proposições: a)        yqxpyx  b)        yq~xpyx  c)        yq~xpxy  d)        yqy,xpyx  e)        y,xqy,xpyx  6) Indique o valor verdade de cada uma das proposições abaixo onde o domínio consiste nos estados do Brasil;   ydenorteaoéx:y,xQ   pletraacomcomeçax:xP e Paranáéa . a)     xPx b)           z,xQz,yQy,xQzyx  c)     x,yQxy  d)        y,xQyPyx  e)     y,aQy