SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA DE CONTABILIDADE
      Prof. Alessandro Carvalho
2




      ENCERRAMENTO DAS CONTAS DE RESULTADO
              DESPESAS E RECEITAS

No final do Exercício, as Contas de Resultado que compreendem as Contas de
Despesas e Receitas serão encerradas, através da transferência de seus
saldos para uma Conta com o título de RESULTADO DO EXERCÍCIO.

As contas de DESPESAS serão creditadas a débito da conta de Resultado do
Exercício. As contas de RECEITAS serão debitadas a crédito da conta de
Resultado do Exercício.

Encerramento das Contas de Despesas

1)     RESULTADO DO EXERCÍCIO
     a DESPESAS DIVERSAS
       Histórico / $
         a Salários
         a Combustíveis e Lubrificantes
         a Aluguéis Passivos
         a etc


Encerramento das Contas de Receitas

2)     RECEITAS DIVERSAS
     a RESULTADO DO EXERCÍCIO
       Histórico / $
         Juros Ativos
         Receita de Comissões
         Descontos Obtidos

Se a conta RESULTADO DO EXERCÍCIO apresentar Saldo Credor, este valor
será transferido diretamente para a conta LUCROS N/EXERCÍCIO:

3)     RESULTADO DO EXERCÍCIO
     a LUCROS N/EXERCÍCIO
       Histórico / $

Se a conta RESULTADO DO EXERCÍCIO apresentar Saldo Devedor, este
valor será transferido diretamente para a Conta PREJUÍZO N/EXERCÍCIO.

      PREJUÍZO N/EXERCÍCIO
     a RESULTADO DO EXERCÍCIO
       Histórico / $



                            Prof. Alessandro Carvalho
3




EXEMPLO:



    DESPESAS GERAIS                  RECEITAS DIVERSAS
     D              C                  D              C
   300.000,00 1) 300.000,00       2) 900.000,00     900.000,00




RESULTADO DO EXERCÍCIO               LUCRO N/EXERCÍCIO
     D              C                  D              C
 1) 300.000,00 2) 900.000,00                      3) 600.000,00
 3) 600.000,00




                 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Ao final do exercício social, serão elaboradas, com base na escrituração
mercantil da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão
exprimir com clareza a situação patrimonial e as mutações ocorridas no
exercício.
Demonstrações:
      Balanço Patrimonial
      Demonstração de Resultado do Exercício
      Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados
      Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido
      Demonstração de Origens e Aplicação de Recursos
As demonstrações de cada exercício serão publicadas com a indicação dos
valores correspondentes das Demonstrações do exercício anterior, e vale
lembrar que existem as Notas Explicativas (que são parte integrante das
demonstrações contábeis).




                               Prof. Alessandro Carvalho
4




                     BALANÇO PATRIMONIAL


O Balanço Patrimonial é a principal demonstração contábil de uma entidade,
pois retrata a verdadeira situação financeira da companhia, no momento do
encerramento do exercício.
No Balanço, as contas serão classificadas segundo os elementos patrimoniais
que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da
situação financeira da companhia.
Portanto, o Balanço Patrimonial representa a demonstração dos BENS,
DIREITOS e OBRIGAÇÕES de uma entidade.

Estrutura:
De acordo com a Lei nº. 6.404/76 o Balanço Patrimonial deverá ter a seguinte
estrutura:
Modelo 1:
ATIVO                              PASSIVO
ATIVO CIRCULANTE                   PASSIVO CIRCULANTE
ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO     PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
ATIVO PERMANENTE
  INVESTIMENTO                     RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS
  IMOBILIZADO
  DIFERIDO                         PATRIMÔNIO LÍQUIDO
                                      CAPITAL SOCIAL
                                      (-) CAPITAL A REALIZAR
                                      RESERVAS DE CAPITAL
                                      RESERVAS DE REAVALIAÇÃO
                                      RESERVAS DE LUCROS
                                         RESERVA LEGAL
                                         RESERVA ESTATUTÁRIA
                                         RESERVA DE CONTINGÊNCIA
                                      LUCROS ACUMULADOS
                                      (-) PREZUÍZOS ACUMULADOS
                                      (-) AÇÕES EM TESOURARIA
TOTAL DO ATIVO                     TOTAL DO PASSIVO


O Balanço deverá apresentar:
a) A Denominação Social da Companhia
b) Título da Demonstração: BALANÇO PATRIMONIAL
c) Data de Encerramento do Exercício
d) Demonstração comparativa, exercício atual e exercício anterior.



                          Prof. Alessandro Carvalho
5

    O Balanço Patrimonial é uma demonstração obrigatória que de forma
    equacional, sintética e indicando os valores dos componentes patrimoniais
    evidencia toda a estrutura do Patrimônio.

    Apresentação:
    O Balanço Patrimonial pode ser apresentado de forma:



    VERTICAL

                                                    ATIVO


                                                   PASSIVO

                                               PATRIMÔNIO LÍQUIDO




    HORIZONTAL


                                                              PASSIVO
                                       ATIVO
                                                         PATRIMÔNIO LÍQUIDO




    Modelo 2:
                     ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL (LEI Nº. 6.404/76)


                            EXERC.     EXERC.                                       EXERC.    EXERC.
         ATIVO                                                 PASSIVO
                           ANTERIOR    ATUAL                                       ANTERIOR   ATUAL
CIRCULANTE                   $$$        $$$      CIRCULANTE                          $$$       $$$
REALIZÁVEL A LONGO PRAZO     $$$        $$$      EXÍGIVEL A LONGO PRAZO              $$$       $$$
PERMANENTE                   $$$        $$$      RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS     $$$       $$$
  INVESTIMENTOS              $$$        $$$      PATRIMÔNIO LÍQUIDO                  $$$       $$$
  IMOBILIZADO                $$$        $$$        CAPITAL SOCIAL                    $$$       $$$
  DIFERIDO                   $$$        $$$        (-) CAPITAL A REALIZAR            $$$       $$$
                                                   RESERVAS                          $$$       $$$
                                                   LUCROS ACUMULADOS                 $$$       $$$
                                                   (-) PREJUÍZOS ACUMULADOS          $$$       $$$
                                                   (-) AÇÕES EM TESOURARIA           $$$       $$$
TOTAL DO ATIVO               $$$$       $$$$     TOTAL DO PASSIVO                    $$$$     $$$$




                                      Prof. Alessandro Carvalho
6

Obs.: No Balanço Patrimonial, as contas serão avaliadas obedecendo a Critérios de
Avaliação.




   DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO
                    DRE
É uma Demonstração obrigatória a todas as empresas e deve acompanhar o
Balanço Patrimonial, sendo transcrita no Diário, logo após o Balanço
Patrimonial.
A Demonstração do Resultado do Exercício é a apresentação, em forma
resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social,
demonstradas de forma a destacar o resultado líquido do período e
discriminará:

I) A Receita Bruta das Vendas e Serviços, as Deduções das Vendas, os
Abatimentos e os Impostos;
II) A Receita Líquida das Vendas e Serviços, o Custo das Mercadorias e
Serviços Vendidos e o Lucro Bruto;
II) As Despesas com Vendas, as Despesas Financeiras, deduzidas das
Receitas, às Despesas Gerais e Administrativas, e outras Despesas
Operacionais;
IV) O Lucro ou Prejuízo Operacional, as Receitas e as Despesas não-
operacionais.
V) O Resultado do Exercício antes do Imposto de Renda e a Provisão para o
Imposto de Renda;
VI) As Participações de Debêntures (títulos de créditos emitidos pelas
Sociedades por Ações), Empregados, Administradores e Partes Beneficiárias,
e as Contribuições para Instituições ou Fundos de Assistência ou Previdência a
Empregados;
VII) O Lucro ou Prejuízo Líquido do exercício e o seu montante por Ação do
Capital Social.


Na determinação do Resultado do Exercício serão computados:

As Receitas e os Rendimentos ganhos no período independentemente da sua
realização em moeda;
Os Custos, Despesas, Encargos e Perdas, pagos ou incorridos,
correspondentes a essas Receitas e Rendimentos.
A Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) é uma peça contábil Vertical
que tem por objetivo mostrar o Resultado Operacional da Empresa.




                             Prof. Alessandro Carvalho
7




 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

RECEITA OPERACIONAL BRUTA
  Receitas de Comercialização
  Receitas de Vendas de Serviços

(-) DEDUÇÕES DA RECEITA
    Vendas Canceladas
    Abatimentos e Descontos Incondicionais
    Impostos Sobre Vendas / Serviços

= RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA
   (-) Custo dos Produtos Vendidos
   (-) Custo dos Serviços Prestados
   (-) Custo de Produção

= RESULTADO OPERACIONAL BRUTO (Lucro ou Prejuízo)

(-) DESPESAS OPERACIONAIS
    Despesas com Vendas
    Despesas Administrativas
    Despesas Financeiras
    (-) Receitas Financeiras
    Resultado de Participações Societárias

OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS

= RESULTADO OPERACIONAL LÍQUIDO (Lucro ou
Prejuízo)

RECEITAS NÃO-OPERACIONAIS

(-) DESPESAS NÃO-OPERACIONAIS

= RESULTADO ANTES DAS PROVISÕES TRIBUTÁRIAS

(-) PROVISÃO PARA O IMPOSTO DE RENDA
(-) PROVISÃO PARA A CONTRIBUIÇÃO SOCIAL

= RESULTADO DEPOIS DOS TRIBUTOS

(-) PARTICIPAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES
    Debêntures
    Empregados
    Administradores


                               Prof. Alessandro Carvalho
8

   Partes Beneficiárias
   Fundos de Assistência aos Empregados

= LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

LUCRO LÍQUIDO POR AÇÃO DO CAPITAL



Conforme disposições legais, quando houver participações no Capital por
Debêntures (título de crédito emitido pelas Sociedades por Ações), por
empregados, administradores, etc, essas participações têm preferência sobre o
Lucro Líquido e deverão ser deduzidas antes que se conheça o Lucro Líquido
Final.

                                   CONCEITOS

Receita Operacional Bruta
Compreende o Produto da venda de mercadorias, produtos ou serviços
prestados. Não se incluem na receita bruta, os impostos não-cumulativos
cobrados destacadamente do comprador, além do preço e dos quais o
vendedor seja mero depositário (IPI).

Impostos Incidentes sobre Vendas
São os tributos que integram o preço das mercadorias, produtos ou serviços
prestados (ICMS, ISS, COFINS, PIS).

Vendas Canceladas
Representam anulações de valores registrados como receita bruta de vendas
de mercadorias, produtos ou serviços.

Descontos Incondicionais
São parcelas redutoras do preço de venda, quando constarem da nota fiscal de
venda, e não dependam, para a sua concessão, de evento posterior à emissão
desse documento.

Receita Operacional Líquida
É a receita líquida das operações principais desenvolvidas pela empresa, com
a qual a empresa pode contar para cobrir seus custos e despesas e gerar o
seu lucro.

Custo das Vendas
É a despesa correspondente ao custo das mercadorias e dos produtos
vendidos ou dos serviços prestados.

Resultado Operacional Bruto
É o resultado das operações principais. Em se tratando de empresa comercial,
também é conhecido como resultado com mercadorias, e, quando positivo,
pode ser chamado de lucro bruto.

Despesas Operacionais



                            Prof. Alessandro Carvalho
9

São as despesas incorridas com a manutenção das atividades principais,
podendo ser classificadas em despesas de administrativas, de vendas, gerais,
financeiras, etc.

Outras Receitas Operacionais
São as receitas oriundas das atividades acessórias desenvolvidas pela
empresa ou receitas auferidas de forma eventual, tais como receitas de
aluguéis, rendimentos de participações societárias, reversão de provisão para
devedores duvidosos, a receita de venda de sucatas ou aparas, quando
eventuais, as variações monetárias ativas, etc.

Outras Despesas Operacionais
São as despesas incorridas com a manutenção das atividades acessórias,
como a manutenção de prédios alugados, as perdas eventuais, as variações
monetárias passivas, etc.

Resultado Operacional Líquido
É o resultado das atividades operacionais da empresa, compreendendo as
atividades principais e acessórias.

Resultado Não Operacional
Compreende a diferença entre as receitas não-operacionais e as despesas
não-operacionais.

Receitas Não-Operacionais
São as receitas provenientes de transações não incluídas nas atividades
principais ou acessórias da empresa, como, por exemplo, a receita obtida com
a venda de bens e direitos do Ativo Permanente, a reversão da provisão para
perdas com a realização de investimentos.

Despesas Não-Operacionais
São as despesas incorridas com as transações não incluídas nas atividades
operacionais da empresa, principais e acessórias, tais como o valor contábil
dos bens e direitos do Ativo Permanente, quando estes forem alienados,
baixados ou liquidados.

Contribuição Social sobre o Lucro
Embora apropriada como Despesas Operacionais, a Contribuição Social tem
como característica o fato de depender da apuração de resultado positivo, ou
seja, lucro, não sendo devida quando empresa incorrer em prejuízo.

Provisão para o Imposto de Renda
Sobre o Lucro Líquido das pessoas jurídicas, incide o Imposto de Renda, cuja
base de cálculo é o Lucro Real, assim compreendendo o resultado do exercício
ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas ou autorizadas
pela legislação do imposto de renda. Aplica-se a alíquota determinada na
legislação para se determinar o valor da provisão para o Imposto de Renda.

Participações nos Lucros



                           Prof. Alessandro Carvalho
10

São as participações nos lucros atribuídas a terceiros, segundo disposição
estatutária ou contratual, tais como a participação de debenturistas, de
empregados, de administradores, de titulares de partes beneficiárias e dos
institutos de previdência e assistência social dos empregados.

Resultado Líquido do Exercício
Este valor deve coincidir com o saldo final da conta de Apuração do Resultado
do Exercício, que foi transferido para o Patrimônio Líquido, através da conta
Lucros ou Prejuízos Acumulados.
      DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS
                                  DLPA
A demonstração de lucros ou prejuízos acumulados é a demonstração contábil
destinada a evidenciar, num determinado período, as mutações nos resultados
acumulados da Entidade, bem como a sua distribuição e movimentação.
Deve-se lembrar que a referida demonstração é também obrigatória para as
sociedades limitadas e outros tipos de empresas, conforme a legislação do
Imposto de Renda.
Uma das vantagens de uma Demonstração isolada somente para o movimento
da conta Lucros ou Prejuízos Acumulados é a não confusão de sua
movimentação com as do Resultado do Exercício, havendo clara definição e
segregação entre ambos.

Forma de Preparação:
A preparação da Demonstração é rápida e simples, pois nada mais representa
do que uma mera transcrição, de forma racional e ordenada, da conta RAZÃO
dos Lucros ou Prejuízos Acumulados. Assim sendo, para sua preparação
deve-se tomar a ficha de razão dessa conta e prepará-la. Todavia, ela
somente deve ser feita após todos os ajustes finais, ou seja, após se ter
levantado o Balanço final do exercício.

     DEMONSTRAÇÃO DOS LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS

SALDO INICIAL

AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES

      EFEITOS DE MUDANÇA DE CRITÉRIO CONTÁBIL
      RETIFICAÇÃO DE ERRO DE EXERCÍCIOS ANTERIORES

PARCELA DE LUCROS INCORPORADA AO CAPITAL

REVERSÃO DE RESERVAS

      DE CONTINGÊNCIAS
      DE LUCROS A REALIZAR

LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO DE DESTINAÇÃO DO LUCRO


                         Prof. Alessandro Carvalho
11



  TRANSFERÊNCIAS PARA RESERVAS
    RESERVA LEGAL
    RESERVA ESTATUTÁRIA
    RESERVAS DE LUCROS A REALIZAR
    RESERVAS DE LUCROS PARA EXPANSÃO
    DIVIDENDOS OU LUCROS A DESTINAR

SALDO FINAL DE LUCROS (PREJUÍZOS) ACUMULADOS
    DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO
                                 DMPL

A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido é a demonstração
contábil destinada a evidenciar, num determinado período, a movimentação
das contas que integram o patrimônio da Entidade.
A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mediante instruções, tornou esta
demonstração e sua publicação de caráter obrigatório, para as companhias
abertas, em substituição à Demonstração dos Lucros ou Prejuízos
Acumulados.




    DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS
                                 DOAR

A Demonstração das origens e aplicações de recursos (mais conhecida como
DOAR), como seu próprio nome indica, tem por objeto apresentar de forma
ordenada e sumariada principalmente as informações relativas às operações
de financiamentos e investimentos da empresa durante o exercício, e
evidenciar as alterações na posição financeira da empresa.
Os financiamentos representam as origens dos recursos; os investimentos, as
aplicações desses recursos.
Logo, essa demonstração não deve ser confundida com as demonstrações que
visam somente ao fluxo das disponibilidades, como o Fluxo de Caixa. De fato,
esta visa tão-somente mostrar as entradas e saídas de dinheiro, ao passo que
a DOAR é mais abrangente, não só por ter as variações em função do Capital
Circulante Líquido, ao invés de Caixa, mas por representar uma demonstração
das mutações na posição financeira como um todo.




                         Prof. Alessandro Carvalho
12




    DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS


1. ORIGEM DE RECURSOS

      LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO
      DEPRECIAÇÃO DO EXERCÍCIO
      RESULTADO DA EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL
      VARIAÇÕES NOS RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS
      REALIZAÇÃO DO CAPITAL SOCIAL
      CONTRIBUIÇÕES PARA RESERVA DE CAPITAL
      AUMENTO DO PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO
      REDUÇÃO DO ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
      ALIENAÇÃO DE INVESTIMENTOS E DO ATIVO IMOBILIZADO
      DIVIDENDOS RECEBIDOS – QUE NÃO TRANSITAM NO RESULTADO DO EXERCÍCIO


2. APLICAÇÕES DE RECURSOS

      DIVIDENDOS DISTRIBUÍDOS
      AQUISIÇÃO DE DIREITOS DO ATIVO IMOBILIZADO
      AUMENTO DO ATIVO INVESTIMENTOS
      AUMENTO DO ATIVO DIFERIDO
      AUMENTO DO ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO
      REDUÇÃO DO PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO

3. AUMENTO OU REDUÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO


      DEMONSTRAÇÃO DA VARIAÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE

ATIVO CIRCULANTE
     INÍCIO DO EXERCÍCIO – FINAL DO EXERCÍCIO = VARIAÇÃO

PASSIVO CIRCULANTE
     INÍCIO DO EXERCÍCIO – FINAL DO EXERCÍCIO = VARIAÇÃO

AUMENTO OU REDUÇÃO
DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO............................ = VARIAÇÃO




                         Prof. Alessandro Carvalho
13


                              FLUXO DE CAIXA

Os assuntos abordados anteriormente demonstraram o que acontece em
relação ao fluxo de folga financeira a curto prazo (capital de giro líquido ou
capital circulante líquido). Entretanto, existe uma demonstração que apresenta
tão-somente as variações que aconteceram no caixa da empresa (incluindo-se
nesse conceito as contas-correntes bancárias) e ela é denominada Fluxo de
Caixa).
O Fluxo de Caixa pode ser apresentado de duas formas: Método Direto e
Método Indireto.
O Indireto é o método no qual os recursos provenientes das atividades
operacionais são demonstrados a partir do lucro líquido, ajustado pelos itens
considerados nas contas de resultado, porém sem afetar o caixa da empresa.


                       NOTAS EXPLICATIVAS

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. As
informações nelas contidas devem ser relevantes, complementares e/ou
suplementares àquelas não suficientemente evidenciadas ou não constantes
nas demonstrações contábeis propriamente ditas.
As notas explicativas incluem informações de natureza patrimonial, econômica,
financeira, legal, física e social bem como os critérios utilizados na elaboração
das demonstrações contábeis e eventos subseqüentes ao balanço.
Segundo disposições na Lei 6.404/76 “as demonstrações serão
complementadas por notas explicativas e outros quadro analíticos ou
demonstrações contábeis necessárias para esclarecimento da situação
patrimonial e dos resultados do exercício”.
Segue abaixo, relação de informações que deverão constar nas notas
explicativas, estabelecendo o que elas deverão indicar:

    Os principais critérios de avaliação dos elementos patrimoniais,
     especialmente os estoques, dos cálculos de depreciação, amortização e
     exaustão, de constituição de provisões para encargos ou riscos, e dos
     ajustes para atender a perdas prováveis na realização de elementos do
     ativo;
    Os investimentos em outras sociedades, quando relevantes;
    O aumento de valor de elementos do ativo resultante de novas
     avaliações;
    Os ônus reais constituídos sobre elementos do ativo, as garantias
     prestadas a terceiros e outras responsabilidades eventuais ou
     contingentes;
    A taxa de juros, as datas de vencimentos e as garantias das obrigações
     a longo prazo;
    O número, espécie e classes do capital social;
    As opções de compra de ações outorgadas e exercidas no exercício;
    Os ajustes de exercícios anteriores;



                           Prof. Alessandro Carvalho
14


    Os eventos subseqüentes à data de encerramento do exercício que
       tenham, ou possam vir a ter efeito relevante sobre a situação financeira
       e os resultados futuros da companhia;
A Lei 6.404/76 menciona os casos que deverão constar em Notas Explicativas,
contudo, podem ocorrer situações que não estão contempladas na referida Lei
e que devem ser mencionadas em nota.
As Normas Brasileiras de Contabilidade editadas pelo Conselho Federal de
Contabilidade também abordam os aspectos a serem observados na
elaboração das notas explicativas.

                                EXERCÍCIOS

1) Questionário:
a) O que é “DRE”? E para que serve?



b) Cite uma das informações que devem constar nas notas explicativas.



c) Se a conta de resultado do exercício apresentar saldo devedor, este valor
será transferido diretamente para qual conta?



d) Quais são as formas de apresentação do Balanço Patrimonial?



e) Qual é o objetivo da DOAR?



f) Apresente o conceito de: Receitas Não-Operacionais:



g) Cite o nome de uma Demonstração Financeira / Contábil.



h) O que é a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido?



i) Apresente o conceito de: Descontos Incondicionais:




                          Prof. Alessandro Carvalho
15

j) Cite um item que deve constar, quando da apresentação do Balanço
Patrimonial.



k) Cite uma vantagem da Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados.



2) Elabore um Balanço Patrimonial (do Exercício trabalhado em sala de aula).




                          Prof. Alessandro Carvalho

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contabilidade ANAC - Correção
Contabilidade ANAC - CorreçãoContabilidade ANAC - Correção
Contabilidade ANAC - Correção
Gabrielrabelo87
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
Marina Hilst
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
Mylena Barros
 
Correção contabilidade
Correção   contabilidadeCorreção   contabilidade
Correção contabilidade
Gabrielrabelo87
 
Slides FINANÇAS
Slides FINANÇASSlides FINANÇAS
Slides FINANÇAS
Igor Gabriel Lima
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
contacontabil
 
Correção Contabilidade Geral TRE SP
Correção Contabilidade Geral TRE SPCorreção Contabilidade Geral TRE SP
Correção Contabilidade Geral TRE SP
Gabrielrabelo87
 
Curso de contabilidade geral para concursos públicos
Curso de contabilidade geral para concursos públicosCurso de contabilidade geral para concursos públicos
Curso de contabilidade geral para concursos públicos
J M
 
Contabiliadade para concursos
Contabiliadade para concursosContabiliadade para concursos
Contabiliadade para concursos
zeramento contabil
 
Dmpl e dlpa
Dmpl e dlpaDmpl e dlpa
Dmpl e dlpa
simuladocontabil
 
BalançO Patrimonial
BalançO PatrimonialBalançO Patrimonial
BalançO Patrimonial
rafaelkeidann
 
Teoria da contabilidade i gabarito exercicios lucro_distribu_vel
Teoria da contabilidade i gabarito exercicios lucro_distribu_velTeoria da contabilidade i gabarito exercicios lucro_distribu_vel
Teoria da contabilidade i gabarito exercicios lucro_distribu_vel
gabaritocontabil
 
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
Estratégia Concursos
 
Aula 13 contabilidade
Aula 13 contabilidadeAula 13 contabilidade
Aula 13 contabilidade
contacontabil
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
simuladocontabil
 
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 032014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
Claudio Parra
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
albumina
 
42
4242
Prova bacharel 2011 - 2º
Prova bacharel   2011 - 2ºProva bacharel   2011 - 2º
Prova bacharel 2011 - 2º
Jose Manoel
 

Mais procurados (19)

Contabilidade ANAC - Correção
Contabilidade ANAC - CorreçãoContabilidade ANAC - Correção
Contabilidade ANAC - Correção
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
 
Correção contabilidade
Correção   contabilidadeCorreção   contabilidade
Correção contabilidade
 
Slides FINANÇAS
Slides FINANÇASSlides FINANÇAS
Slides FINANÇAS
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
 
Correção Contabilidade Geral TRE SP
Correção Contabilidade Geral TRE SPCorreção Contabilidade Geral TRE SP
Correção Contabilidade Geral TRE SP
 
Curso de contabilidade geral para concursos públicos
Curso de contabilidade geral para concursos públicosCurso de contabilidade geral para concursos públicos
Curso de contabilidade geral para concursos públicos
 
Contabiliadade para concursos
Contabiliadade para concursosContabiliadade para concursos
Contabiliadade para concursos
 
Dmpl e dlpa
Dmpl e dlpaDmpl e dlpa
Dmpl e dlpa
 
BalançO Patrimonial
BalançO PatrimonialBalançO Patrimonial
BalançO Patrimonial
 
Teoria da contabilidade i gabarito exercicios lucro_distribu_vel
Teoria da contabilidade i gabarito exercicios lucro_distribu_velTeoria da contabilidade i gabarito exercicios lucro_distribu_vel
Teoria da contabilidade i gabarito exercicios lucro_distribu_vel
 
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
Prova Contabilidade Geral e Societária ISS Niterói
 
Aula 13 contabilidade
Aula 13 contabilidadeAula 13 contabilidade
Aula 13 contabilidade
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
 
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 032014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
2014 02 13_análise demonstr. fin. - aula 03
 
Contabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentosContabilidade lançamentos
Contabilidade lançamentos
 
42
4242
42
 
Prova bacharel 2011 - 2º
Prova bacharel   2011 - 2ºProva bacharel   2011 - 2º
Prova bacharel 2011 - 2º
 

Destaque

Low orbit ion cannon
Low orbit ion cannonLow orbit ion cannon
Low orbit ion cannon
Agus Wibowo
 
Presentation L&E Anglais
Presentation L&E AnglaisPresentation L&E Anglais
Software Libre
Software LibreSoftware Libre
Software Libre
Alejandra Williams
 
Your Wedding Checklist
Your Wedding ChecklistYour Wedding Checklist
Your Wedding Checklist
avazendek
 
Analisa perancangan sistem 3
Analisa perancangan sistem 3Analisa perancangan sistem 3
Analisa perancangan sistem 3
iimpunya3
 
Nivelación 7th grade
Nivelación 7th gradeNivelación 7th grade
Nivelación 7th grade
paolo molina
 
Pol 140 bureaucracy SP15 Half
Pol 140 bureaucracy SP15 HalfPol 140 bureaucracy SP15 Half
Pol 140 bureaucracy SP15 Half
atrantham
 
El Preterito e imperfecto
El Preterito e imperfectoEl Preterito e imperfecto
El Preterito e imperfecto
spanishtutor
 
Canton de soluera
Canton de solueraCanton de soluera
Canton de soluera
suizatwins
 
Fyns Kran Udstyr A/S - Præsentation
Fyns Kran Udstyr A/S - Præsentation Fyns Kran Udstyr A/S - Præsentation
Fyns Kran Udstyr A/S - Præsentation
Fyns Kran Udstyr A/S
 
Los ingeniosos analisis acta 5 6
Los ingeniosos analisis acta 5 6Los ingeniosos analisis acta 5 6
Los ingeniosos analisis acta 5 6
Ely Perez
 
Self-quantification in Sports, Fitness and Health
Self-quantification in Sports, Fitness and Health Self-quantification in Sports, Fitness and Health
Self-quantification in Sports, Fitness and Health
Guillaume Tourneur
 
BAB III MINYAK ATSIRI
BAB III MINYAK ATSIRIBAB III MINYAK ATSIRI
BAB III MINYAK ATSIRI
Imroatul Chanifah
 
Ejercicio practico de informatica
Ejercicio practico de informaticaEjercicio practico de informatica
Ejercicio practico de informatica
oscar0409
 
Estrategias de aprendizaje
Estrategias de aprendizajeEstrategias de aprendizaje
Estrategias de aprendizaje
juandavidd27
 

Destaque (15)

Low orbit ion cannon
Low orbit ion cannonLow orbit ion cannon
Low orbit ion cannon
 
Presentation L&E Anglais
Presentation L&E AnglaisPresentation L&E Anglais
Presentation L&E Anglais
 
Software Libre
Software LibreSoftware Libre
Software Libre
 
Your Wedding Checklist
Your Wedding ChecklistYour Wedding Checklist
Your Wedding Checklist
 
Analisa perancangan sistem 3
Analisa perancangan sistem 3Analisa perancangan sistem 3
Analisa perancangan sistem 3
 
Nivelación 7th grade
Nivelación 7th gradeNivelación 7th grade
Nivelación 7th grade
 
Pol 140 bureaucracy SP15 Half
Pol 140 bureaucracy SP15 HalfPol 140 bureaucracy SP15 Half
Pol 140 bureaucracy SP15 Half
 
El Preterito e imperfecto
El Preterito e imperfectoEl Preterito e imperfecto
El Preterito e imperfecto
 
Canton de soluera
Canton de solueraCanton de soluera
Canton de soluera
 
Fyns Kran Udstyr A/S - Præsentation
Fyns Kran Udstyr A/S - Præsentation Fyns Kran Udstyr A/S - Præsentation
Fyns Kran Udstyr A/S - Præsentation
 
Los ingeniosos analisis acta 5 6
Los ingeniosos analisis acta 5 6Los ingeniosos analisis acta 5 6
Los ingeniosos analisis acta 5 6
 
Self-quantification in Sports, Fitness and Health
Self-quantification in Sports, Fitness and Health Self-quantification in Sports, Fitness and Health
Self-quantification in Sports, Fitness and Health
 
BAB III MINYAK ATSIRI
BAB III MINYAK ATSIRIBAB III MINYAK ATSIRI
BAB III MINYAK ATSIRI
 
Ejercicio practico de informatica
Ejercicio practico de informaticaEjercicio practico de informatica
Ejercicio practico de informatica
 
Estrategias de aprendizaje
Estrategias de aprendizajeEstrategias de aprendizaje
Estrategias de aprendizaje
 

Semelhante a Apostila

Apostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadoresApostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadores
Marcus Oliveira
 
Apostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadoresApostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadores
MVPO
 
Apostila contabilidade facil
Apostila contabilidade facilApostila contabilidade facil
Apostila contabilidade facil
apostilacontabil
 
S3 parte ii - capitulo 3. - as demonst. financeiras e o bal. patrim. (1)
S3   parte ii  -  capitulo 3.  - as demonst. financeiras e o bal. patrim. (1)S3   parte ii  -  capitulo 3.  - as demonst. financeiras e o bal. patrim. (1)
S3 parte ii - capitulo 3. - as demonst. financeiras e o bal. patrim. (1)
Valnei Bast
 
Gestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentáriaGestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentária
Denis Carlos Sodré
 
Exercicio factae lab
Exercicio factae labExercicio factae lab
Exercicio factae lab
simuladocontabil
 
2 - CONTABILIDADE GERAL.pdf
2 - CONTABILIDADE GERAL.pdf2 - CONTABILIDADE GERAL.pdf
2 - CONTABILIDADE GERAL.pdf
LeandroBrando21
 
Graduação em ciências contábeis estrutura das demonstrações contábeis 2014.2
Graduação em ciências contábeis estrutura das demonstrações contábeis 2014.2Graduação em ciências contábeis estrutura das demonstrações contábeis 2014.2
Graduação em ciências contábeis estrutura das demonstrações contábeis 2014.2
Eduardo Baroni
 
Encerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultadoEncerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultado
razonetecontabil
 
Ccnccap6 dlpa
Ccnccap6 dlpaCcnccap6 dlpa
Ccnccap6 dlpa
capitulocontabil
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
zeramento contabil
 
Exercicios relatorio contabil
Exercicios relatorio contabilExercicios relatorio contabil
Exercicios relatorio contabil
zeramento contabil
 
Teoria da contabilidade i exercicios relatorio contabil
Teoria da contabilidade i exercicios relatorio contabilTeoria da contabilidade i exercicios relatorio contabil
Teoria da contabilidade i exercicios relatorio contabil
gabaritocontabil
 
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras respostas exercicios
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras   respostas exerciciosEstrutura da demonstra das demonstracoes financeiras   respostas exercicios
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras respostas exercicios
Claudio Parra
 
Administração financeira análise de balanços
Administração financeira   análise de balançosAdministração financeira   análise de balanços
Administração financeira análise de balanços
Kleber Mantovanelli
 
2 demonstrações financeiras
2   demonstrações financeiras2   demonstrações financeiras
2 demonstrações financeiras
Fabio Teixeira
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
Claudia Marinho
 
Contabilidade i resumo 01
Contabilidade i   resumo 01Contabilidade i   resumo 01
Contabilidade i resumo 01
geral contabil
 
Contabilidade i resumo 02
Contabilidade i   resumo 02Contabilidade i   resumo 02
Contabilidade i resumo 02
apostilacontabil
 
Apostila contabilidade geral
Apostila contabilidade geralApostila contabilidade geral
Apostila contabilidade geral
Danny Monhife Junior
 

Semelhante a Apostila (20)

Apostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadoresApostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadores
 
Apostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadoresApostila contabilidade para_nao_contadores
Apostila contabilidade para_nao_contadores
 
Apostila contabilidade facil
Apostila contabilidade facilApostila contabilidade facil
Apostila contabilidade facil
 
S3 parte ii - capitulo 3. - as demonst. financeiras e o bal. patrim. (1)
S3   parte ii  -  capitulo 3.  - as demonst. financeiras e o bal. patrim. (1)S3   parte ii  -  capitulo 3.  - as demonst. financeiras e o bal. patrim. (1)
S3 parte ii - capitulo 3. - as demonst. financeiras e o bal. patrim. (1)
 
Gestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentáriaGestão fiscal e orçamentária
Gestão fiscal e orçamentária
 
Exercicio factae lab
Exercicio factae labExercicio factae lab
Exercicio factae lab
 
2 - CONTABILIDADE GERAL.pdf
2 - CONTABILIDADE GERAL.pdf2 - CONTABILIDADE GERAL.pdf
2 - CONTABILIDADE GERAL.pdf
 
Graduação em ciências contábeis estrutura das demonstrações contábeis 2014.2
Graduação em ciências contábeis estrutura das demonstrações contábeis 2014.2Graduação em ciências contábeis estrutura das demonstrações contábeis 2014.2
Graduação em ciências contábeis estrutura das demonstrações contábeis 2014.2
 
Encerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultadoEncerramento das contas de resultado
Encerramento das contas de resultado
 
Ccnccap6 dlpa
Ccnccap6 dlpaCcnccap6 dlpa
Ccnccap6 dlpa
 
Apostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancadaApostila contabilidade avancada
Apostila contabilidade avancada
 
Exercicios relatorio contabil
Exercicios relatorio contabilExercicios relatorio contabil
Exercicios relatorio contabil
 
Teoria da contabilidade i exercicios relatorio contabil
Teoria da contabilidade i exercicios relatorio contabilTeoria da contabilidade i exercicios relatorio contabil
Teoria da contabilidade i exercicios relatorio contabil
 
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras respostas exercicios
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras   respostas exerciciosEstrutura da demonstra das demonstracoes financeiras   respostas exercicios
Estrutura da demonstra das demonstracoes financeiras respostas exercicios
 
Administração financeira análise de balanços
Administração financeira   análise de balançosAdministração financeira   análise de balanços
Administração financeira análise de balanços
 
2 demonstrações financeiras
2   demonstrações financeiras2   demonstrações financeiras
2 demonstrações financeiras
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
 
Contabilidade i resumo 01
Contabilidade i   resumo 01Contabilidade i   resumo 01
Contabilidade i resumo 01
 
Contabilidade i resumo 02
Contabilidade i   resumo 02Contabilidade i   resumo 02
Contabilidade i resumo 02
 
Apostila contabilidade geral
Apostila contabilidade geralApostila contabilidade geral
Apostila contabilidade geral
 

Apostila

  • 1. APOSTILA DE CONTABILIDADE Prof. Alessandro Carvalho
  • 2. 2 ENCERRAMENTO DAS CONTAS DE RESULTADO DESPESAS E RECEITAS No final do Exercício, as Contas de Resultado que compreendem as Contas de Despesas e Receitas serão encerradas, através da transferência de seus saldos para uma Conta com o título de RESULTADO DO EXERCÍCIO. As contas de DESPESAS serão creditadas a débito da conta de Resultado do Exercício. As contas de RECEITAS serão debitadas a crédito da conta de Resultado do Exercício. Encerramento das Contas de Despesas 1) RESULTADO DO EXERCÍCIO a DESPESAS DIVERSAS Histórico / $ a Salários a Combustíveis e Lubrificantes a Aluguéis Passivos a etc Encerramento das Contas de Receitas 2) RECEITAS DIVERSAS a RESULTADO DO EXERCÍCIO Histórico / $ Juros Ativos Receita de Comissões Descontos Obtidos Se a conta RESULTADO DO EXERCÍCIO apresentar Saldo Credor, este valor será transferido diretamente para a conta LUCROS N/EXERCÍCIO: 3) RESULTADO DO EXERCÍCIO a LUCROS N/EXERCÍCIO Histórico / $ Se a conta RESULTADO DO EXERCÍCIO apresentar Saldo Devedor, este valor será transferido diretamente para a Conta PREJUÍZO N/EXERCÍCIO. PREJUÍZO N/EXERCÍCIO a RESULTADO DO EXERCÍCIO Histórico / $ Prof. Alessandro Carvalho
  • 3. 3 EXEMPLO: DESPESAS GERAIS RECEITAS DIVERSAS D C D C 300.000,00 1) 300.000,00 2) 900.000,00 900.000,00 RESULTADO DO EXERCÍCIO LUCRO N/EXERCÍCIO D C D C 1) 300.000,00 2) 900.000,00 3) 600.000,00 3) 600.000,00 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Ao final do exercício social, serão elaboradas, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão exprimir com clareza a situação patrimonial e as mutações ocorridas no exercício. Demonstrações: Balanço Patrimonial Demonstração de Resultado do Exercício Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido Demonstração de Origens e Aplicação de Recursos As demonstrações de cada exercício serão publicadas com a indicação dos valores correspondentes das Demonstrações do exercício anterior, e vale lembrar que existem as Notas Explicativas (que são parte integrante das demonstrações contábeis). Prof. Alessandro Carvalho
  • 4. 4 BALANÇO PATRIMONIAL O Balanço Patrimonial é a principal demonstração contábil de uma entidade, pois retrata a verdadeira situação financeira da companhia, no momento do encerramento do exercício. No Balanço, as contas serão classificadas segundo os elementos patrimoniais que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da situação financeira da companhia. Portanto, o Balanço Patrimonial representa a demonstração dos BENS, DIREITOS e OBRIGAÇÕES de uma entidade. Estrutura: De acordo com a Lei nº. 6.404/76 o Balanço Patrimonial deverá ter a seguinte estrutura: Modelo 1: ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO ATIVO PERMANENTE INVESTIMENTO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS IMOBILIZADO DIFERIDO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CAPITAL SOCIAL (-) CAPITAL A REALIZAR RESERVAS DE CAPITAL RESERVAS DE REAVALIAÇÃO RESERVAS DE LUCROS RESERVA LEGAL RESERVA ESTATUTÁRIA RESERVA DE CONTINGÊNCIA LUCROS ACUMULADOS (-) PREZUÍZOS ACUMULADOS (-) AÇÕES EM TESOURARIA TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO O Balanço deverá apresentar: a) A Denominação Social da Companhia b) Título da Demonstração: BALANÇO PATRIMONIAL c) Data de Encerramento do Exercício d) Demonstração comparativa, exercício atual e exercício anterior. Prof. Alessandro Carvalho
  • 5. 5 O Balanço Patrimonial é uma demonstração obrigatória que de forma equacional, sintética e indicando os valores dos componentes patrimoniais evidencia toda a estrutura do Patrimônio. Apresentação: O Balanço Patrimonial pode ser apresentado de forma: VERTICAL ATIVO PASSIVO PATRIMÔNIO LÍQUIDO HORIZONTAL PASSIVO ATIVO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Modelo 2: ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL (LEI Nº. 6.404/76) EXERC. EXERC. EXERC. EXERC. ATIVO PASSIVO ANTERIOR ATUAL ANTERIOR ATUAL CIRCULANTE $$$ $$$ CIRCULANTE $$$ $$$ REALIZÁVEL A LONGO PRAZO $$$ $$$ EXÍGIVEL A LONGO PRAZO $$$ $$$ PERMANENTE $$$ $$$ RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS $$$ $$$ INVESTIMENTOS $$$ $$$ PATRIMÔNIO LÍQUIDO $$$ $$$ IMOBILIZADO $$$ $$$ CAPITAL SOCIAL $$$ $$$ DIFERIDO $$$ $$$ (-) CAPITAL A REALIZAR $$$ $$$ RESERVAS $$$ $$$ LUCROS ACUMULADOS $$$ $$$ (-) PREJUÍZOS ACUMULADOS $$$ $$$ (-) AÇÕES EM TESOURARIA $$$ $$$ TOTAL DO ATIVO $$$$ $$$$ TOTAL DO PASSIVO $$$$ $$$$ Prof. Alessandro Carvalho
  • 6. 6 Obs.: No Balanço Patrimonial, as contas serão avaliadas obedecendo a Critérios de Avaliação. DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE É uma Demonstração obrigatória a todas as empresas e deve acompanhar o Balanço Patrimonial, sendo transcrita no Diário, logo após o Balanço Patrimonial. A Demonstração do Resultado do Exercício é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido do período e discriminará: I) A Receita Bruta das Vendas e Serviços, as Deduções das Vendas, os Abatimentos e os Impostos; II) A Receita Líquida das Vendas e Serviços, o Custo das Mercadorias e Serviços Vendidos e o Lucro Bruto; II) As Despesas com Vendas, as Despesas Financeiras, deduzidas das Receitas, às Despesas Gerais e Administrativas, e outras Despesas Operacionais; IV) O Lucro ou Prejuízo Operacional, as Receitas e as Despesas não- operacionais. V) O Resultado do Exercício antes do Imposto de Renda e a Provisão para o Imposto de Renda; VI) As Participações de Debêntures (títulos de créditos emitidos pelas Sociedades por Ações), Empregados, Administradores e Partes Beneficiárias, e as Contribuições para Instituições ou Fundos de Assistência ou Previdência a Empregados; VII) O Lucro ou Prejuízo Líquido do exercício e o seu montante por Ação do Capital Social. Na determinação do Resultado do Exercício serão computados: As Receitas e os Rendimentos ganhos no período independentemente da sua realização em moeda; Os Custos, Despesas, Encargos e Perdas, pagos ou incorridos, correspondentes a essas Receitas e Rendimentos. A Demonstração de Resultado do Exercício (DRE) é uma peça contábil Vertical que tem por objetivo mostrar o Resultado Operacional da Empresa. Prof. Alessandro Carvalho
  • 7. 7 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO RECEITA OPERACIONAL BRUTA Receitas de Comercialização Receitas de Vendas de Serviços (-) DEDUÇÕES DA RECEITA Vendas Canceladas Abatimentos e Descontos Incondicionais Impostos Sobre Vendas / Serviços = RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA (-) Custo dos Produtos Vendidos (-) Custo dos Serviços Prestados (-) Custo de Produção = RESULTADO OPERACIONAL BRUTO (Lucro ou Prejuízo) (-) DESPESAS OPERACIONAIS Despesas com Vendas Despesas Administrativas Despesas Financeiras (-) Receitas Financeiras Resultado de Participações Societárias OUTRAS RECEITAS OPERACIONAIS = RESULTADO OPERACIONAL LÍQUIDO (Lucro ou Prejuízo) RECEITAS NÃO-OPERACIONAIS (-) DESPESAS NÃO-OPERACIONAIS = RESULTADO ANTES DAS PROVISÕES TRIBUTÁRIAS (-) PROVISÃO PARA O IMPOSTO DE RENDA (-) PROVISÃO PARA A CONTRIBUIÇÃO SOCIAL = RESULTADO DEPOIS DOS TRIBUTOS (-) PARTICIPAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES Debêntures Empregados Administradores Prof. Alessandro Carvalho
  • 8. 8 Partes Beneficiárias Fundos de Assistência aos Empregados = LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO LUCRO LÍQUIDO POR AÇÃO DO CAPITAL Conforme disposições legais, quando houver participações no Capital por Debêntures (título de crédito emitido pelas Sociedades por Ações), por empregados, administradores, etc, essas participações têm preferência sobre o Lucro Líquido e deverão ser deduzidas antes que se conheça o Lucro Líquido Final. CONCEITOS Receita Operacional Bruta Compreende o Produto da venda de mercadorias, produtos ou serviços prestados. Não se incluem na receita bruta, os impostos não-cumulativos cobrados destacadamente do comprador, além do preço e dos quais o vendedor seja mero depositário (IPI). Impostos Incidentes sobre Vendas São os tributos que integram o preço das mercadorias, produtos ou serviços prestados (ICMS, ISS, COFINS, PIS). Vendas Canceladas Representam anulações de valores registrados como receita bruta de vendas de mercadorias, produtos ou serviços. Descontos Incondicionais São parcelas redutoras do preço de venda, quando constarem da nota fiscal de venda, e não dependam, para a sua concessão, de evento posterior à emissão desse documento. Receita Operacional Líquida É a receita líquida das operações principais desenvolvidas pela empresa, com a qual a empresa pode contar para cobrir seus custos e despesas e gerar o seu lucro. Custo das Vendas É a despesa correspondente ao custo das mercadorias e dos produtos vendidos ou dos serviços prestados. Resultado Operacional Bruto É o resultado das operações principais. Em se tratando de empresa comercial, também é conhecido como resultado com mercadorias, e, quando positivo, pode ser chamado de lucro bruto. Despesas Operacionais Prof. Alessandro Carvalho
  • 9. 9 São as despesas incorridas com a manutenção das atividades principais, podendo ser classificadas em despesas de administrativas, de vendas, gerais, financeiras, etc. Outras Receitas Operacionais São as receitas oriundas das atividades acessórias desenvolvidas pela empresa ou receitas auferidas de forma eventual, tais como receitas de aluguéis, rendimentos de participações societárias, reversão de provisão para devedores duvidosos, a receita de venda de sucatas ou aparas, quando eventuais, as variações monetárias ativas, etc. Outras Despesas Operacionais São as despesas incorridas com a manutenção das atividades acessórias, como a manutenção de prédios alugados, as perdas eventuais, as variações monetárias passivas, etc. Resultado Operacional Líquido É o resultado das atividades operacionais da empresa, compreendendo as atividades principais e acessórias. Resultado Não Operacional Compreende a diferença entre as receitas não-operacionais e as despesas não-operacionais. Receitas Não-Operacionais São as receitas provenientes de transações não incluídas nas atividades principais ou acessórias da empresa, como, por exemplo, a receita obtida com a venda de bens e direitos do Ativo Permanente, a reversão da provisão para perdas com a realização de investimentos. Despesas Não-Operacionais São as despesas incorridas com as transações não incluídas nas atividades operacionais da empresa, principais e acessórias, tais como o valor contábil dos bens e direitos do Ativo Permanente, quando estes forem alienados, baixados ou liquidados. Contribuição Social sobre o Lucro Embora apropriada como Despesas Operacionais, a Contribuição Social tem como característica o fato de depender da apuração de resultado positivo, ou seja, lucro, não sendo devida quando empresa incorrer em prejuízo. Provisão para o Imposto de Renda Sobre o Lucro Líquido das pessoas jurídicas, incide o Imposto de Renda, cuja base de cálculo é o Lucro Real, assim compreendendo o resultado do exercício ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas ou autorizadas pela legislação do imposto de renda. Aplica-se a alíquota determinada na legislação para se determinar o valor da provisão para o Imposto de Renda. Participações nos Lucros Prof. Alessandro Carvalho
  • 10. 10 São as participações nos lucros atribuídas a terceiros, segundo disposição estatutária ou contratual, tais como a participação de debenturistas, de empregados, de administradores, de titulares de partes beneficiárias e dos institutos de previdência e assistência social dos empregados. Resultado Líquido do Exercício Este valor deve coincidir com o saldo final da conta de Apuração do Resultado do Exercício, que foi transferido para o Patrimônio Líquido, através da conta Lucros ou Prejuízos Acumulados. DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS DLPA A demonstração de lucros ou prejuízos acumulados é a demonstração contábil destinada a evidenciar, num determinado período, as mutações nos resultados acumulados da Entidade, bem como a sua distribuição e movimentação. Deve-se lembrar que a referida demonstração é também obrigatória para as sociedades limitadas e outros tipos de empresas, conforme a legislação do Imposto de Renda. Uma das vantagens de uma Demonstração isolada somente para o movimento da conta Lucros ou Prejuízos Acumulados é a não confusão de sua movimentação com as do Resultado do Exercício, havendo clara definição e segregação entre ambos. Forma de Preparação: A preparação da Demonstração é rápida e simples, pois nada mais representa do que uma mera transcrição, de forma racional e ordenada, da conta RAZÃO dos Lucros ou Prejuízos Acumulados. Assim sendo, para sua preparação deve-se tomar a ficha de razão dessa conta e prepará-la. Todavia, ela somente deve ser feita após todos os ajustes finais, ou seja, após se ter levantado o Balanço final do exercício. DEMONSTRAÇÃO DOS LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS SALDO INICIAL AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES EFEITOS DE MUDANÇA DE CRITÉRIO CONTÁBIL RETIFICAÇÃO DE ERRO DE EXERCÍCIOS ANTERIORES PARCELA DE LUCROS INCORPORADA AO CAPITAL REVERSÃO DE RESERVAS DE CONTINGÊNCIAS DE LUCROS A REALIZAR LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO DE DESTINAÇÃO DO LUCRO Prof. Alessandro Carvalho
  • 11. 11 TRANSFERÊNCIAS PARA RESERVAS RESERVA LEGAL RESERVA ESTATUTÁRIA RESERVAS DE LUCROS A REALIZAR RESERVAS DE LUCROS PARA EXPANSÃO DIVIDENDOS OU LUCROS A DESTINAR SALDO FINAL DE LUCROS (PREJUÍZOS) ACUMULADOS DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO DMPL A Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido é a demonstração contábil destinada a evidenciar, num determinado período, a movimentação das contas que integram o patrimônio da Entidade. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mediante instruções, tornou esta demonstração e sua publicação de caráter obrigatório, para as companhias abertas, em substituição à Demonstração dos Lucros ou Prejuízos Acumulados. DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS DOAR A Demonstração das origens e aplicações de recursos (mais conhecida como DOAR), como seu próprio nome indica, tem por objeto apresentar de forma ordenada e sumariada principalmente as informações relativas às operações de financiamentos e investimentos da empresa durante o exercício, e evidenciar as alterações na posição financeira da empresa. Os financiamentos representam as origens dos recursos; os investimentos, as aplicações desses recursos. Logo, essa demonstração não deve ser confundida com as demonstrações que visam somente ao fluxo das disponibilidades, como o Fluxo de Caixa. De fato, esta visa tão-somente mostrar as entradas e saídas de dinheiro, ao passo que a DOAR é mais abrangente, não só por ter as variações em função do Capital Circulante Líquido, ao invés de Caixa, mas por representar uma demonstração das mutações na posição financeira como um todo. Prof. Alessandro Carvalho
  • 12. 12 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1. ORIGEM DE RECURSOS LUCRO (PREJUÍZO) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO DEPRECIAÇÃO DO EXERCÍCIO RESULTADO DA EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL VARIAÇÕES NOS RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS REALIZAÇÃO DO CAPITAL SOCIAL CONTRIBUIÇÕES PARA RESERVA DE CAPITAL AUMENTO DO PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO REDUÇÃO DO ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO ALIENAÇÃO DE INVESTIMENTOS E DO ATIVO IMOBILIZADO DIVIDENDOS RECEBIDOS – QUE NÃO TRANSITAM NO RESULTADO DO EXERCÍCIO 2. APLICAÇÕES DE RECURSOS DIVIDENDOS DISTRIBUÍDOS AQUISIÇÃO DE DIREITOS DO ATIVO IMOBILIZADO AUMENTO DO ATIVO INVESTIMENTOS AUMENTO DO ATIVO DIFERIDO AUMENTO DO ATIVO REALIZÁVEL A LONGO PRAZO REDUÇÃO DO PASSIVO EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 3. AUMENTO OU REDUÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO DEMONSTRAÇÃO DA VARIAÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE ATIVO CIRCULANTE INÍCIO DO EXERCÍCIO – FINAL DO EXERCÍCIO = VARIAÇÃO PASSIVO CIRCULANTE INÍCIO DO EXERCÍCIO – FINAL DO EXERCÍCIO = VARIAÇÃO AUMENTO OU REDUÇÃO DO CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO............................ = VARIAÇÃO Prof. Alessandro Carvalho
  • 13. 13 FLUXO DE CAIXA Os assuntos abordados anteriormente demonstraram o que acontece em relação ao fluxo de folga financeira a curto prazo (capital de giro líquido ou capital circulante líquido). Entretanto, existe uma demonstração que apresenta tão-somente as variações que aconteceram no caixa da empresa (incluindo-se nesse conceito as contas-correntes bancárias) e ela é denominada Fluxo de Caixa). O Fluxo de Caixa pode ser apresentado de duas formas: Método Direto e Método Indireto. O Indireto é o método no qual os recursos provenientes das atividades operacionais são demonstrados a partir do lucro líquido, ajustado pelos itens considerados nas contas de resultado, porém sem afetar o caixa da empresa. NOTAS EXPLICATIVAS As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. As informações nelas contidas devem ser relevantes, complementares e/ou suplementares àquelas não suficientemente evidenciadas ou não constantes nas demonstrações contábeis propriamente ditas. As notas explicativas incluem informações de natureza patrimonial, econômica, financeira, legal, física e social bem como os critérios utilizados na elaboração das demonstrações contábeis e eventos subseqüentes ao balanço. Segundo disposições na Lei 6.404/76 “as demonstrações serão complementadas por notas explicativas e outros quadro analíticos ou demonstrações contábeis necessárias para esclarecimento da situação patrimonial e dos resultados do exercício”. Segue abaixo, relação de informações que deverão constar nas notas explicativas, estabelecendo o que elas deverão indicar:  Os principais critérios de avaliação dos elementos patrimoniais, especialmente os estoques, dos cálculos de depreciação, amortização e exaustão, de constituição de provisões para encargos ou riscos, e dos ajustes para atender a perdas prováveis na realização de elementos do ativo;  Os investimentos em outras sociedades, quando relevantes;  O aumento de valor de elementos do ativo resultante de novas avaliações;  Os ônus reais constituídos sobre elementos do ativo, as garantias prestadas a terceiros e outras responsabilidades eventuais ou contingentes;  A taxa de juros, as datas de vencimentos e as garantias das obrigações a longo prazo;  O número, espécie e classes do capital social;  As opções de compra de ações outorgadas e exercidas no exercício;  Os ajustes de exercícios anteriores; Prof. Alessandro Carvalho
  • 14. 14  Os eventos subseqüentes à data de encerramento do exercício que tenham, ou possam vir a ter efeito relevante sobre a situação financeira e os resultados futuros da companhia; A Lei 6.404/76 menciona os casos que deverão constar em Notas Explicativas, contudo, podem ocorrer situações que não estão contempladas na referida Lei e que devem ser mencionadas em nota. As Normas Brasileiras de Contabilidade editadas pelo Conselho Federal de Contabilidade também abordam os aspectos a serem observados na elaboração das notas explicativas. EXERCÍCIOS 1) Questionário: a) O que é “DRE”? E para que serve? b) Cite uma das informações que devem constar nas notas explicativas. c) Se a conta de resultado do exercício apresentar saldo devedor, este valor será transferido diretamente para qual conta? d) Quais são as formas de apresentação do Balanço Patrimonial? e) Qual é o objetivo da DOAR? f) Apresente o conceito de: Receitas Não-Operacionais: g) Cite o nome de uma Demonstração Financeira / Contábil. h) O que é a Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido? i) Apresente o conceito de: Descontos Incondicionais: Prof. Alessandro Carvalho
  • 15. 15 j) Cite um item que deve constar, quando da apresentação do Balanço Patrimonial. k) Cite uma vantagem da Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados. 2) Elabore um Balanço Patrimonial (do Exercício trabalhado em sala de aula). Prof. Alessandro Carvalho