SlideShare uma empresa Scribd logo
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 1
ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Linhas de
Produtos
Planejamento
do Processo
Produtivo
Capacidade
Produtiva
Programação
da Produção
Entrega
Fabricação
Como?O quê?
Onde?
Com quê?
Plano de
Vendas
Até quando?
Quando?
Custos de
Fabricação
Estoques
Controle
• Eficiência
• Custos
• Prazos
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 2
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 3
Tendo sido elaborado o orçamento de vendas e das receitas correspondentes, é preciso
estimar o quanto será gasto para a obtenção dessas receitas. E o orçamento de produção,
para empresas industriais, é o principal instrumento para a determinação dessas despesas.
Ele consiste basicamente em um plano de produção para o período considerado, visando
atender às vendas orçadas e aos estoques preestabelecidos. Apresenta, por períodos de
tempo, as quantidades de cada produto a serem fabricadas.
É totalmente decorrente do orçamento de vendas. Conforme já foi salientado anteriormente,
no caso de o fator limitante ser a quantidade produzida, entende-se que o orçamento de
vendas é que decorre da quantidade produzida. Porém, para a maior parte das empresas, o
fator limitante é o volume de vendas e, portanto, o orçamento de produção normalmente
decorre do orçamento de vendas.
Saliente-se que o orçamento de produção é quantitativo, não sendo preciso valorizar a
quantidade da produção para fins de orçamento. O orçamento de produção em quantidade
dos produtos a serem fabricados é fundamental para a programação operacional da empresa,
e dele decorre o orçamento de consumo e compra de materiais diretos e indiretos.
São dois dados importantes para o orçamento de produção:
• Orçamento de vendas em quantidades por produto.
• Política de estocagem de produtos acabados.
Com esses dados mais os das atuais quantidades em estoque de produtos acabados, conclui-
se o orçamento de produção. Portanto, a diferença entre a quantidade vendida e a ser
produzida decorre da variação da quantidade do estoque de produtos acabados. Em uma
empresa onde há possibilidade de venda imediata de toda a produção e, portanto, ela
consegue evitar ou não há necessidade de estocagem de produtos acabados, o orçamento de
produção é igual ao orçamento de vendas em quantidades. Este fato pode acontecer em
empresas que produzem por encomenda ou naquelas que conseguem uma perfeita aplicação
do conceito de “just-in-time” para o produto final.
Os estoques, tanto de matérias-primas como de produtos em elaboração e produtos
acabados, consomem grandes fatias do investimento total das empresas, que incorrem em
custos de obtenção dos capitais necessários e em custos de oportunidade, ou seja, o retorno
que se deixa de ganhar quando não se aplicam recursos em investimentos mais lucrativos.
Além disso, os estoques também geram custos nas áreas de armazenamento e por força de
sua manutenção e conservação.
No desenvolvimento do Orçamento de Produção deverão os executivos estar preocupados
com o problema de equilibrar vendas, estoques e o volume de produção, para se chegar a um
custo global mais reduzido.
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 4
As decisões necessárias no desenvolvimento do orçamento de produção são as seguintes:
1) Determinação das necessidades totais em termos de volume produzido (por produto) para
o exercício orçamentário;
2) Determinação das políticas de estoques relativamente a quantidade de produtos
acabados;
3) Determinação da capacidade de produção a instalar envolvendo limites admissíveis para
os desvios da produtividade;
Política de estocagem:
Para muitas empresas, o importante é ter sempre à disposição produtos acabados, para
pronto atendimento do cliente. Para empresas que tem as lojas como principais
representantes, o estoque de produtos acabados é estratégico.
Em geral a política de estocagem de produtos acabados é fixada em dias de vendas e por tipo
de produto. A empresa tem informações e experiência que lhe permitem fixar o estoque
mínimo a ser mantido para atendimento às vendas.
Os cálculos:
O estoque inicial em quantidades é um dado real oriundo do mês anterior. É importante
assinalar que o estoque inicial do mês de janeiro é aquele que consta no balanço patrimonial
encerrado no exercício anterior.
A previsão de pode ser entendida como o total de vendas orçadas (Planilha de orçamento de
vendas) na previsão de vendas em quantidade para o mês que se está elaborando
orçamento.
Estoque final decorre de um calculo realizado com base na política de estocagem em dias de
vendas.
• Previsão de Vendas
• (-) Estoque Inicial (Estoque do mês anterior)
• (+) Estoque Final (Estoque desejado no final do mês)
• (=) Orçamento de Produção ou Produção Prevista
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 5
Exemplo do cálculo da produção anual
Suponha que a empresa Alfa esteja estabelecendo que as vendas para o ano sejam de
1.000.000 de unidades do produto X. Sendo que os executivos planejam um estoque final de
200.000 unidades. Se a empresa possui um estoque inicial de 240.000 unidades, qual será a
produção anual esperada?
Vendas Previstas 1.000.000
(+) Estoque Final previsto 200.000
Total Necessário 1.200.000
(-) Estoque Inicial (240.000)
Produção Prevista 960.000
Programação da Produção e Políticas de Estoque
A programação da produção é um dos pontos cruciais na administração da grande maioria
das empresas industriais. As dificuldades são maiores quando aumentam o número de
operações do processo produtivo.
Supondo que uma empresa apresente a seguinte projeção de vendas, durante os próximos
seis meses sem a existência de estoques iniciais e ausência de política de estoques:
Exemplo: PRODUTO – A Total Semestral = 60.000 unidades
Meses Quantidade Meses Quantidade
Janeiro 12.500 Abril 7.500
Fevereiro 12.500 Maio 7.500
Março 10.000 Junho 10.000
Para atender um volume de produção previsto um gerente de produção tem basicamente três
opções de fabricação:
1 - Produção Constante: De acordo com esta alternativa, a produção teria um nível constante
durante todo o exercício e os excessos ou faltas de produção seriam atendidos pelos
estoques. Este método apresenta, entretanto alguns inconvenientes, tais como: maiores áreas
de estocagem, despesas com manutenção e seguros, além de investimentos financeiros
elevados na sua movimentação.
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 6
Produção + Estoque Inicial – Vendas = Estoque Final
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho
Produção 12.500 12.500 12.500 12.500 12.500 12.500
(+) Estoque
Inicial
0 0 0 2.500 7.500 12.500
(-) Previsão
de Vendas
(12.500) (12.500) (10.000) (7.500) (7.500) (10.000)
(=) Estoque
Final
0 0 2.500 7.500 12.500 15.000
2 - Produção ao Nível de Vendas: De acordo com este método os estoques serão mantidos
ao mínimo e a produção mensal varia em função das vendas. Somente haverá estoques
acumulados se as vendas forem inferiores ou superiores as expectativas. Reduz o impacto em
estoques, porém implica em forte rotação de mão de obra (custos de contratação e dispensa)
e ociosidade produtiva.
Vendas = Produção
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho
Previsão de
Vendas
12.500 12.500 10.000 7.500 7.500 10.000
(-) Estoque
Final
0 0 0 0 0 0
(+) Estoque
Inicial
0 0 0 0 0 0
(=) Produção 12.500 12.500 10.000 7.500 7.500 10.000
3 - Produção com base em Política de Estoques De acordo com este critério existe pela
direção da empresa e do comitê orçamentário um investimento mínimo necessário em
estoques para atender os volumes de vendas e/ou possíveis oscilações de vendas. Neste
caso normalmente o Departamento de Vendas e o de Produção, baseados em suas análises
estipulam as suas metas para o nível de estoques.
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 7
• Meta Estoque Final = 20% das vendas previstas no final de cada mês.
o Produção estimada no semestre = 60.000 unidades.
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho
Previsão de
Vendas
12.500 12.500 10.000 7.500 7.500 10.000
(-) Estoque
Inicial
0 (2.500) (2.500) (2.000) (1.500) (1.500)
(+) Estoque
Final
2.500 2.500 2.000 1.500 1.500 2.000
(=) Produção 15.000 12.500 9.500 7.000 7.500 10.500
Produção = Vendas + Estoque final
• Meta Estoque Final = 20% das Vendas previstas para os próximos 6 meses
• Produção estimada no semestre = 60.000 unidades.
o Projeção do estoque final = 12.000 unidades, sendo um estoque final acumulativo
de 20% das vendas mensais.
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho
Previsão de
Vendas
12.500 12.500 10.000 7.500 7.500 10.000
(-) Estoque
Inicial
0 (2.500) (5.000) (7.000) (8.500) (10.000)
(+) Estoque
Final
2.500
2.500
+2.500
=5.000
5.000
+2.000
=7.000
7.000
+1.500
=8.500
8.500
+1.500
=10.000
10.000
+2.000
=12.000
(=) Produção 15.000 15.000 12.000 9.000 9.000 12.000
Produção = Vendas + Estoque final
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 8
ORÇAMENTO DE CAPACIDADE OPERACIONAL E LOGÍSTICA
Basicamente o que determina o nível de atividade das empresas são as quantidades de
vendas e produção. De fato, o subsistema físico operacional das empresas e de suas
respectivas área de responsabilidade é estruturado para atender determinados níveis de
atividades, com limites de capacidade de vendas e produção.
Nas unidades de negócios já estruturadas e em andamento, as empresas aumentam sua
capacidade de produção de forma gradual, ajustando os recursos de produção e distribuição
pontualmente dentro de um continuo investimento. Isso se deve, entre outros aspectos, ao
fato de as empresas em geral não trabalharem a pleno vapor, elas têm uma ociosidade de
recursos físicos (algo em torno e dez por cento), bem como possibilidade de utilização de
turnos para enfrentar aumentos significativos no nível de atividade. Seja como for, quando o
volume esperado de atividade futura indica que há necessidade de aumentar os recursos
disponíveis para as operações, as empresas precisam avaliar a capacidade atual de seus
recursos, assegurando o atendimento do novo patamar de atividade operacional esperado.
É por essa razão que se faz necessário o orçamento de capacidade operacional, o qual inclui
a capacidade fabril e a capacidade de comercialização. É por essa razão também que toda a
cadeia de suprimento e entrega precisa ser constantemente revista, levando ao orçamento de
logística.
Orçamento de capacidade operacional
O orçamento de capacidade operacional tem como objetivo quantificar a capacidade de cada
equipamento e a produtividade da mão de obra existente, comparando com as necessidades
geradas pelos programas de produção e venda.
Esse orçamento é baseado em três grandes áreas:
1 – capacidade de equipamentos e instalações;
2 – capacidade de mão de obra direta
3 – capacidade dos setores de apoio.
Capacidade de equipamentos e instalações
Todo equipamento ou instalação tem uma capacidade máxima de produção. Uma usina de
cana de açúcar, por exemplo, tem condições de processar determinada tonelagem diária de
cana e, com isso, produzir determinada quantidade de tonelada de açúcar ou litro de álcool.
Caso a usina esteja utilizando sua capacidade máxima e deseje processar 30 por centro a
mais de cana no próximo ano, ela deverá investir em uma nova destilaria ou, no mínimo,
terceirizar o processamento.
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 9
Existem dois tipos básicos de estruturas produtivas:
1 – empresas de processamento contínuo; e
2 – empresas com processamento variado.
Processamento contínuo – são estruturas com base e um único equipamento ou, o que é mais
comum e seguem um processo contínuo de produção – entrada de matéria prima principal,
diversos processo contínuo de transformação em que novas matérias primas ou materiais
auxiliares são adicionados até a obtenção o produto final.
Processamento variado – contam com uma diversidade de equipamentos para seus diversos
produtos intermediários e processos parciais. Nesse tipo de estrutura, a mediação da
capacidade é mais difícil. Afinal, quando se tem um conjunto único de processamento, a
capacidade é conhecida e limitada, mas, quando se têm vários, é necessário verificar a
capacidade de cada um dos equipamentos.
Programa de produção anual por produto Quantidade
Produto Standard 27.450
Produto Especial 13.500
Equipamentos
Capacidade
anual
Unidade
de
medida
Necessidade da capacidade
unitária por produto
Unidade de
medida da
capacidade
Falta ou
excesso de
capacidade
Percentual
Produto
Standard
Produto
Especial
Total
A B C = A – B C/A
Equipamento A 48.000 Quilos 1,0 1,2 43.650 Quilos 4.350 9,1%
Equipamento B 120.000 Metros 3,3 3,5 137.835 Metros (17.835) (14,9%)
Equipamento
C
7.920 Horas 0,2 0,3 9.540 Horas (1.620) (20,5%)
O equipamento A tem capacidade de produção suficiente, com excesso estimado em 9,1%.
Os equipamentos B e C tem capacidade insuficiente, com falta respectivamente de 14,9% e
20,5% da capacidade para atender as necessidades programadas.
Capacidade de mão de obra direta
A capacidade de mão de obra direta para fins normalmente é medida em horas necessárias
para os processos ou com base nas quantidades de produtos ou serviços intermediários ou
finais.
A metodologia de medicação de capacidade de mão de obra direta é similar à utilizada para
medir a capacidade dos equipamentos e segue quatro etapas a seguir:
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 10
1 – Verifica-se a produtividade média de cada mão de obra direta para todos os produtos
finais da empresa levando em conta os processos ou os produtos e serviços. O número
resultante desse cálculo para cada produto deve constar em sua ficha de custo padrão do
processo de fabricação.
2 – Multiplica-se o número a que se chegou na etapa 1 pela quantidade anual do programa de
produção do produto, determinando a necessidade de horas ou de outra medida de
produtividade, dependendo da exigência do programa.
3 – Transformam-se as necessidades dos programas obtidos na etapa 2 em quantidade de
homens diretos.
4 – Compara-se o número a que se chegou na etapa 3 com o de funcionários e suas horas
disponíveis para trabalho nos produtos. A diferença representará excesso ou insuficiência de
mão de obra.
Horas
necessárias
Produtos
Programa
anual de
produção
Para 1
unidade
de
produto
Para a
produção
orçada
Quantidade
de mão de
obra
existente
Horas
anuais
de
trabalho
Total de
horas
disponíveis
Excesso /
insuficiência
de
capacidade
Percentual
Quantidade
de mão de
obra
adicional
necessária
A B C* D = B x.C E = D - A E/D E/C
Produto Standard 27.450 4,00 109.800 65 1.760 114.400 4.600 4,0% (2,6)
Produto Especial 13.500 5.40 72.900 31 1.760 54.560 (18.340) (33,6%) 10,4
Subtotal 40.950 182.700 96 1.760 168.960 (13.740) (8,1%) 7,8
Produtos
Complementares
10.962 5 1.760 8.800 (2.162) (24,6%) 1,2
Total 193.662 101 1.760 177.760 (15.902) (8,9%) 9,0
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 11
Nesse exemplo, apenas a mão de obra direta disponibilizada para o produto standard está
com capacidade suficiente para cumprir o orçamento produção. No conjunto, supondo que se
pode intercambiar a mão de obra direta para todos os produtos, há uma insuficiência de 8,9%
que corresponde a aproximadamente nove homens diretos.
Orçamento de logística
O orçamento de logística ou análise da capacidade da rele logística está bastante ligado às
questões quantitativas e qualitativas relacionadas a suprimentos de materiais, transporte de
materiais e produtos, movimentação interna de materiais, sistemas de armazenamento,
tecnologias de embalagens, comercialização e distribuição de produtos e serviços.
Essa verificação envolve uma séria de itens, e entre eles podemos citar:
- A capacidade de entrega dos fornecedores de insumos chaves;
- A capacidade de entrega de insumos com restrições de lead time;
- A capacidade dos transportadores de materiais e insumos.
- A capacidade dos transportadores de produtos finais;
- A capacidade de comercialização dos vendedores; e
- A capacidade de distribuição.
CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS
MATERIAIS DIRETOS
• Matérias-Primas identificadas e incorporadas ao produto fabricado
• Componentes adquiridos prontos
• Embalagens
MÃO DE OBRA DIRETA
• Fator trabalho - que pode ser medido ou identificado ao produto
CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO
• Demais custos consumidos na produção.
• Exemplos: Depreciação, Energia Elétrica, Mão de Obra de Supervisão, etc.
• São apropriados através de rateio
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 12
EXERCÍCIOS
1) Calcular a Receita bruta com os dados projetados abaixo:
• Preço de Venda unitário e mensal de R$ 32,00.
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL
Quantidade 10.000 11.000 12.000 15.000 16.000 17.000 81.000
Preço de
Venda
Receita
2) Calcular a quantidade a ser produzida considerando um estoque final mensal de 10% das
vendas previstas.
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 13
3) Calcular a quantidade o estoque final considerando uma produção constante de 14.000
unidades mês.
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL
4) Calcular a capacidade de horas trabalhadas por mês, sabendo que a empresa trabalho 8
horas por dia e em média 20 dias mês.
5) Calcular a quantidade de peças produzidas por máquina, sabendo que cada máquina
produz 20 peças por hora.
6) Se a empresa possui 05 máquinas, qual a capacidade de produção total mês.
7) Calcular o custo total mensal de cada máquina, sabendo que o custo unitário de cada
produto produzido é de R$ 3,75.
APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO
Atualizado em 2013.2 14
8) Calcular os custos se a empresa optar por uma produção com estoque final de 10% das
vendas (Exercício 02). O custo para cada unidade parada em estoque é de R$ 0,10 e a
capacidade de produção mensal é de 16.000 unidades. Se houver estouro na capacidade de
produção, cada peça excedida terá um custo de 60% do custo normal.
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL
Custo por
mês
Custo
adicional
Custo de
estocagem
Custo Total
9) Calcular os custos se a empresa optar por uma produção constante (Exercício 03). O custo
para cada unidade parada em estoque é de R$ 0,10 e a capacidade de produção mensal é de
16.000 unidades. Se houver estouro na capacidade de produção, cada peça excedida terá um
custo de 60% do custo normal.
Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL
Custo por
mês
Custo
adicional
Custo de
estocagem
Custo Total
10) Dentro dos dois cenários apresentados, qual seria a melhor alternativa de produção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Daniel Camargos Frade
 
Exercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABCExercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABC
Faculdade Cidade Verde
 
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo FinanceiroCapital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
André Faria Gomes
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
FEARP/USP
 
Administração de materiais 2008_02
Administração de materiais 2008_02Administração de materiais 2008_02
Administração de materiais 2008_02
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
Cadernos PPT
 
MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção
Nara Oliveira
 
Resumo calculo estoque
Resumo calculo estoqueResumo calculo estoque
Resumo calculo estoque
Marcelo Lieuthier
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
Leandro Trelesse Vieira
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
custos contabil
 
Aula 03 dre
Aula 03 dreAula 03 dre
Aula 03 dre
Endryelle Santos
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
custos contabil
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custos
Daniel Moura
 
Analise de custos
Analise de custosAnalise de custos
Analise de custos
zeramento contabil
 
Apostila 05 orçamento de materiais e estoques
Apostila 05   orçamento de materiais e estoquesApostila 05   orçamento de materiais e estoques
Apostila 05 orçamento de materiais e estoques
katiagomide
 
Aula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abcAula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abc
Moises Ribeiro
 
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidadeCap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
capitulocontabil
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
Laercio27
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
Eliseu Fortolan
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
Raylson Rabelo
 

Mais procurados (20)

Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
Logística - Logística e Cadeia de Suprimentos - instagram.com/cursos_de_logis...
 
Exercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABCExercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABC
 
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo FinanceiroCapital de Giro e Ciclo Financeiro
Capital de Giro e Ciclo Financeiro
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
 
Administração de materiais 2008_02
Administração de materiais 2008_02Administração de materiais 2008_02
Administração de materiais 2008_02
 
Gestão Financeira
Gestão FinanceiraGestão Financeira
Gestão Financeira
 
MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção
 
Resumo calculo estoque
Resumo calculo estoqueResumo calculo estoque
Resumo calculo estoque
 
Adm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostasAdm capital de giro - questões com respostas
Adm capital de giro - questões com respostas
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
 
Aula 03 dre
Aula 03 dreAula 03 dre
Aula 03 dre
 
Contabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabaritoContabilidade de custos exercicios gabarito
Contabilidade de custos exercicios gabarito
 
Capitulo 3 sistemas de custos
Capitulo 3   sistemas de custosCapitulo 3   sistemas de custos
Capitulo 3 sistemas de custos
 
Analise de custos
Analise de custosAnalise de custos
Analise de custos
 
Apostila 05 orçamento de materiais e estoques
Apostila 05   orçamento de materiais e estoquesApostila 05   orçamento de materiais e estoques
Apostila 05 orçamento de materiais e estoques
 
Aula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abcAula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abc
 
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidadeCap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
 
Estoque
Estoque Estoque
Estoque
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
 

Mais de katiagomide

Aula 6 adm estr 2014va
Aula 6   adm estr 2014vaAula 6   adm estr 2014va
Aula 6 adm estr 2014va
katiagomide
 
Comunicado simulado
Comunicado simuladoComunicado simulado
Comunicado simulado
katiagomide
 
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm   atividade estratégia va-2014_2_vfAdm   atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
katiagomide
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
katiagomide
 
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm   atividade estratégia va-2014_2_vfAdm   atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
katiagomide
 
Adm estrat escolas pensamentos
Adm estrat    escolas pensamentosAdm estrat    escolas pensamentos
Adm estrat escolas pensamentos
katiagomide
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
katiagomide
 
Adm estrat aula 04 09-14
Adm estrat  aula 04 09-14Adm estrat  aula 04 09-14
Adm estrat aula 04 09-14
katiagomide
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
katiagomide
 
Adm estrat escolas pensamentos
Adm estrat    escolas pensamentosAdm estrat    escolas pensamentos
Adm estrat escolas pensamentos
katiagomide
 
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm   atividade estratégia va-2014_2_vfAdm   atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
katiagomide
 
Apostila 05 b revisão
Apostila 05 b revisãoApostila 05 b revisão
Apostila 05 b revisão
katiagomide
 
Apostila 05 a exercícios cia rio grande
Apostila 05 a exercícios cia rio grandeApostila 05 a exercícios cia rio grande
Apostila 05 a exercícios cia rio grande
katiagomide
 
Apostila 01 planejamento estratégico
Apostila 01   planejamento estratégicoApostila 01   planejamento estratégico
Apostila 01 planejamento estratégico
katiagomide
 
Estacio 2014 2 manual de estagio adm (2)
Estacio 2014 2 manual de estagio adm (2)Estacio 2014 2 manual de estagio adm (2)
Estacio 2014 2 manual de estagio adm (2)
katiagomide
 
Estacio 2014 2 manual de estagio adm
Estacio 2014 2 manual de estagio admEstacio 2014 2 manual de estagio adm
Estacio 2014 2 manual de estagio adm
katiagomide
 
Calendário academico 2014 2º semestre
Calendário academico  2014 2º semestreCalendário academico  2014 2º semestre
Calendário academico 2014 2º semestre
katiagomide
 
Comunicado importante
Comunicado importanteComunicado importante
Comunicado importante
katiagomide
 
Correcao av2
Correcao av2Correcao av2
Correcao av2
katiagomide
 
Dicas para av3
Dicas para av3Dicas para av3
Dicas para av3
katiagomide
 

Mais de katiagomide (20)

Aula 6 adm estr 2014va
Aula 6   adm estr 2014vaAula 6   adm estr 2014va
Aula 6 adm estr 2014va
 
Comunicado simulado
Comunicado simuladoComunicado simulado
Comunicado simulado
 
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm   atividade estratégia va-2014_2_vfAdm   atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
 
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm   atividade estratégia va-2014_2_vfAdm   atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
 
Adm estrat escolas pensamentos
Adm estrat    escolas pensamentosAdm estrat    escolas pensamentos
Adm estrat escolas pensamentos
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
 
Adm estrat aula 04 09-14
Adm estrat  aula 04 09-14Adm estrat  aula 04 09-14
Adm estrat aula 04 09-14
 
Adm estrat aula 2 va
Adm estrat  aula 2 vaAdm estrat  aula 2 va
Adm estrat aula 2 va
 
Adm estrat escolas pensamentos
Adm estrat    escolas pensamentosAdm estrat    escolas pensamentos
Adm estrat escolas pensamentos
 
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm   atividade estratégia va-2014_2_vfAdm   atividade estratégia va-2014_2_vf
Adm atividade estratégia va-2014_2_vf
 
Apostila 05 b revisão
Apostila 05 b revisãoApostila 05 b revisão
Apostila 05 b revisão
 
Apostila 05 a exercícios cia rio grande
Apostila 05 a exercícios cia rio grandeApostila 05 a exercícios cia rio grande
Apostila 05 a exercícios cia rio grande
 
Apostila 01 planejamento estratégico
Apostila 01   planejamento estratégicoApostila 01   planejamento estratégico
Apostila 01 planejamento estratégico
 
Estacio 2014 2 manual de estagio adm (2)
Estacio 2014 2 manual de estagio adm (2)Estacio 2014 2 manual de estagio adm (2)
Estacio 2014 2 manual de estagio adm (2)
 
Estacio 2014 2 manual de estagio adm
Estacio 2014 2 manual de estagio admEstacio 2014 2 manual de estagio adm
Estacio 2014 2 manual de estagio adm
 
Calendário academico 2014 2º semestre
Calendário academico  2014 2º semestreCalendário academico  2014 2º semestre
Calendário academico 2014 2º semestre
 
Comunicado importante
Comunicado importanteComunicado importante
Comunicado importante
 
Correcao av2
Correcao av2Correcao av2
Correcao av2
 
Dicas para av3
Dicas para av3Dicas para av3
Dicas para av3
 

Último

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 

Apostila 04 orçamento de produção

  • 1. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 1 ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Linhas de Produtos Planejamento do Processo Produtivo Capacidade Produtiva Programação da Produção Entrega Fabricação Como?O quê? Onde? Com quê? Plano de Vendas Até quando? Quando? Custos de Fabricação Estoques Controle • Eficiência • Custos • Prazos
  • 2. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 2
  • 3. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 3 Tendo sido elaborado o orçamento de vendas e das receitas correspondentes, é preciso estimar o quanto será gasto para a obtenção dessas receitas. E o orçamento de produção, para empresas industriais, é o principal instrumento para a determinação dessas despesas. Ele consiste basicamente em um plano de produção para o período considerado, visando atender às vendas orçadas e aos estoques preestabelecidos. Apresenta, por períodos de tempo, as quantidades de cada produto a serem fabricadas. É totalmente decorrente do orçamento de vendas. Conforme já foi salientado anteriormente, no caso de o fator limitante ser a quantidade produzida, entende-se que o orçamento de vendas é que decorre da quantidade produzida. Porém, para a maior parte das empresas, o fator limitante é o volume de vendas e, portanto, o orçamento de produção normalmente decorre do orçamento de vendas. Saliente-se que o orçamento de produção é quantitativo, não sendo preciso valorizar a quantidade da produção para fins de orçamento. O orçamento de produção em quantidade dos produtos a serem fabricados é fundamental para a programação operacional da empresa, e dele decorre o orçamento de consumo e compra de materiais diretos e indiretos. São dois dados importantes para o orçamento de produção: • Orçamento de vendas em quantidades por produto. • Política de estocagem de produtos acabados. Com esses dados mais os das atuais quantidades em estoque de produtos acabados, conclui- se o orçamento de produção. Portanto, a diferença entre a quantidade vendida e a ser produzida decorre da variação da quantidade do estoque de produtos acabados. Em uma empresa onde há possibilidade de venda imediata de toda a produção e, portanto, ela consegue evitar ou não há necessidade de estocagem de produtos acabados, o orçamento de produção é igual ao orçamento de vendas em quantidades. Este fato pode acontecer em empresas que produzem por encomenda ou naquelas que conseguem uma perfeita aplicação do conceito de “just-in-time” para o produto final. Os estoques, tanto de matérias-primas como de produtos em elaboração e produtos acabados, consomem grandes fatias do investimento total das empresas, que incorrem em custos de obtenção dos capitais necessários e em custos de oportunidade, ou seja, o retorno que se deixa de ganhar quando não se aplicam recursos em investimentos mais lucrativos. Além disso, os estoques também geram custos nas áreas de armazenamento e por força de sua manutenção e conservação. No desenvolvimento do Orçamento de Produção deverão os executivos estar preocupados com o problema de equilibrar vendas, estoques e o volume de produção, para se chegar a um custo global mais reduzido.
  • 4. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 4 As decisões necessárias no desenvolvimento do orçamento de produção são as seguintes: 1) Determinação das necessidades totais em termos de volume produzido (por produto) para o exercício orçamentário; 2) Determinação das políticas de estoques relativamente a quantidade de produtos acabados; 3) Determinação da capacidade de produção a instalar envolvendo limites admissíveis para os desvios da produtividade; Política de estocagem: Para muitas empresas, o importante é ter sempre à disposição produtos acabados, para pronto atendimento do cliente. Para empresas que tem as lojas como principais representantes, o estoque de produtos acabados é estratégico. Em geral a política de estocagem de produtos acabados é fixada em dias de vendas e por tipo de produto. A empresa tem informações e experiência que lhe permitem fixar o estoque mínimo a ser mantido para atendimento às vendas. Os cálculos: O estoque inicial em quantidades é um dado real oriundo do mês anterior. É importante assinalar que o estoque inicial do mês de janeiro é aquele que consta no balanço patrimonial encerrado no exercício anterior. A previsão de pode ser entendida como o total de vendas orçadas (Planilha de orçamento de vendas) na previsão de vendas em quantidade para o mês que se está elaborando orçamento. Estoque final decorre de um calculo realizado com base na política de estocagem em dias de vendas. • Previsão de Vendas • (-) Estoque Inicial (Estoque do mês anterior) • (+) Estoque Final (Estoque desejado no final do mês) • (=) Orçamento de Produção ou Produção Prevista
  • 5. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 5 Exemplo do cálculo da produção anual Suponha que a empresa Alfa esteja estabelecendo que as vendas para o ano sejam de 1.000.000 de unidades do produto X. Sendo que os executivos planejam um estoque final de 200.000 unidades. Se a empresa possui um estoque inicial de 240.000 unidades, qual será a produção anual esperada? Vendas Previstas 1.000.000 (+) Estoque Final previsto 200.000 Total Necessário 1.200.000 (-) Estoque Inicial (240.000) Produção Prevista 960.000 Programação da Produção e Políticas de Estoque A programação da produção é um dos pontos cruciais na administração da grande maioria das empresas industriais. As dificuldades são maiores quando aumentam o número de operações do processo produtivo. Supondo que uma empresa apresente a seguinte projeção de vendas, durante os próximos seis meses sem a existência de estoques iniciais e ausência de política de estoques: Exemplo: PRODUTO – A Total Semestral = 60.000 unidades Meses Quantidade Meses Quantidade Janeiro 12.500 Abril 7.500 Fevereiro 12.500 Maio 7.500 Março 10.000 Junho 10.000 Para atender um volume de produção previsto um gerente de produção tem basicamente três opções de fabricação: 1 - Produção Constante: De acordo com esta alternativa, a produção teria um nível constante durante todo o exercício e os excessos ou faltas de produção seriam atendidos pelos estoques. Este método apresenta, entretanto alguns inconvenientes, tais como: maiores áreas de estocagem, despesas com manutenção e seguros, além de investimentos financeiros elevados na sua movimentação.
  • 6. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 6 Produção + Estoque Inicial – Vendas = Estoque Final Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Produção 12.500 12.500 12.500 12.500 12.500 12.500 (+) Estoque Inicial 0 0 0 2.500 7.500 12.500 (-) Previsão de Vendas (12.500) (12.500) (10.000) (7.500) (7.500) (10.000) (=) Estoque Final 0 0 2.500 7.500 12.500 15.000 2 - Produção ao Nível de Vendas: De acordo com este método os estoques serão mantidos ao mínimo e a produção mensal varia em função das vendas. Somente haverá estoques acumulados se as vendas forem inferiores ou superiores as expectativas. Reduz o impacto em estoques, porém implica em forte rotação de mão de obra (custos de contratação e dispensa) e ociosidade produtiva. Vendas = Produção Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Previsão de Vendas 12.500 12.500 10.000 7.500 7.500 10.000 (-) Estoque Final 0 0 0 0 0 0 (+) Estoque Inicial 0 0 0 0 0 0 (=) Produção 12.500 12.500 10.000 7.500 7.500 10.000 3 - Produção com base em Política de Estoques De acordo com este critério existe pela direção da empresa e do comitê orçamentário um investimento mínimo necessário em estoques para atender os volumes de vendas e/ou possíveis oscilações de vendas. Neste caso normalmente o Departamento de Vendas e o de Produção, baseados em suas análises estipulam as suas metas para o nível de estoques.
  • 7. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 7 • Meta Estoque Final = 20% das vendas previstas no final de cada mês. o Produção estimada no semestre = 60.000 unidades. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Previsão de Vendas 12.500 12.500 10.000 7.500 7.500 10.000 (-) Estoque Inicial 0 (2.500) (2.500) (2.000) (1.500) (1.500) (+) Estoque Final 2.500 2.500 2.000 1.500 1.500 2.000 (=) Produção 15.000 12.500 9.500 7.000 7.500 10.500 Produção = Vendas + Estoque final • Meta Estoque Final = 20% das Vendas previstas para os próximos 6 meses • Produção estimada no semestre = 60.000 unidades. o Projeção do estoque final = 12.000 unidades, sendo um estoque final acumulativo de 20% das vendas mensais. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Previsão de Vendas 12.500 12.500 10.000 7.500 7.500 10.000 (-) Estoque Inicial 0 (2.500) (5.000) (7.000) (8.500) (10.000) (+) Estoque Final 2.500 2.500 +2.500 =5.000 5.000 +2.000 =7.000 7.000 +1.500 =8.500 8.500 +1.500 =10.000 10.000 +2.000 =12.000 (=) Produção 15.000 15.000 12.000 9.000 9.000 12.000 Produção = Vendas + Estoque final
  • 8. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 8 ORÇAMENTO DE CAPACIDADE OPERACIONAL E LOGÍSTICA Basicamente o que determina o nível de atividade das empresas são as quantidades de vendas e produção. De fato, o subsistema físico operacional das empresas e de suas respectivas área de responsabilidade é estruturado para atender determinados níveis de atividades, com limites de capacidade de vendas e produção. Nas unidades de negócios já estruturadas e em andamento, as empresas aumentam sua capacidade de produção de forma gradual, ajustando os recursos de produção e distribuição pontualmente dentro de um continuo investimento. Isso se deve, entre outros aspectos, ao fato de as empresas em geral não trabalharem a pleno vapor, elas têm uma ociosidade de recursos físicos (algo em torno e dez por cento), bem como possibilidade de utilização de turnos para enfrentar aumentos significativos no nível de atividade. Seja como for, quando o volume esperado de atividade futura indica que há necessidade de aumentar os recursos disponíveis para as operações, as empresas precisam avaliar a capacidade atual de seus recursos, assegurando o atendimento do novo patamar de atividade operacional esperado. É por essa razão que se faz necessário o orçamento de capacidade operacional, o qual inclui a capacidade fabril e a capacidade de comercialização. É por essa razão também que toda a cadeia de suprimento e entrega precisa ser constantemente revista, levando ao orçamento de logística. Orçamento de capacidade operacional O orçamento de capacidade operacional tem como objetivo quantificar a capacidade de cada equipamento e a produtividade da mão de obra existente, comparando com as necessidades geradas pelos programas de produção e venda. Esse orçamento é baseado em três grandes áreas: 1 – capacidade de equipamentos e instalações; 2 – capacidade de mão de obra direta 3 – capacidade dos setores de apoio. Capacidade de equipamentos e instalações Todo equipamento ou instalação tem uma capacidade máxima de produção. Uma usina de cana de açúcar, por exemplo, tem condições de processar determinada tonelagem diária de cana e, com isso, produzir determinada quantidade de tonelada de açúcar ou litro de álcool. Caso a usina esteja utilizando sua capacidade máxima e deseje processar 30 por centro a mais de cana no próximo ano, ela deverá investir em uma nova destilaria ou, no mínimo, terceirizar o processamento.
  • 9. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 9 Existem dois tipos básicos de estruturas produtivas: 1 – empresas de processamento contínuo; e 2 – empresas com processamento variado. Processamento contínuo – são estruturas com base e um único equipamento ou, o que é mais comum e seguem um processo contínuo de produção – entrada de matéria prima principal, diversos processo contínuo de transformação em que novas matérias primas ou materiais auxiliares são adicionados até a obtenção o produto final. Processamento variado – contam com uma diversidade de equipamentos para seus diversos produtos intermediários e processos parciais. Nesse tipo de estrutura, a mediação da capacidade é mais difícil. Afinal, quando se tem um conjunto único de processamento, a capacidade é conhecida e limitada, mas, quando se têm vários, é necessário verificar a capacidade de cada um dos equipamentos. Programa de produção anual por produto Quantidade Produto Standard 27.450 Produto Especial 13.500 Equipamentos Capacidade anual Unidade de medida Necessidade da capacidade unitária por produto Unidade de medida da capacidade Falta ou excesso de capacidade Percentual Produto Standard Produto Especial Total A B C = A – B C/A Equipamento A 48.000 Quilos 1,0 1,2 43.650 Quilos 4.350 9,1% Equipamento B 120.000 Metros 3,3 3,5 137.835 Metros (17.835) (14,9%) Equipamento C 7.920 Horas 0,2 0,3 9.540 Horas (1.620) (20,5%) O equipamento A tem capacidade de produção suficiente, com excesso estimado em 9,1%. Os equipamentos B e C tem capacidade insuficiente, com falta respectivamente de 14,9% e 20,5% da capacidade para atender as necessidades programadas. Capacidade de mão de obra direta A capacidade de mão de obra direta para fins normalmente é medida em horas necessárias para os processos ou com base nas quantidades de produtos ou serviços intermediários ou finais. A metodologia de medicação de capacidade de mão de obra direta é similar à utilizada para medir a capacidade dos equipamentos e segue quatro etapas a seguir:
  • 10. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 10 1 – Verifica-se a produtividade média de cada mão de obra direta para todos os produtos finais da empresa levando em conta os processos ou os produtos e serviços. O número resultante desse cálculo para cada produto deve constar em sua ficha de custo padrão do processo de fabricação. 2 – Multiplica-se o número a que se chegou na etapa 1 pela quantidade anual do programa de produção do produto, determinando a necessidade de horas ou de outra medida de produtividade, dependendo da exigência do programa. 3 – Transformam-se as necessidades dos programas obtidos na etapa 2 em quantidade de homens diretos. 4 – Compara-se o número a que se chegou na etapa 3 com o de funcionários e suas horas disponíveis para trabalho nos produtos. A diferença representará excesso ou insuficiência de mão de obra. Horas necessárias Produtos Programa anual de produção Para 1 unidade de produto Para a produção orçada Quantidade de mão de obra existente Horas anuais de trabalho Total de horas disponíveis Excesso / insuficiência de capacidade Percentual Quantidade de mão de obra adicional necessária A B C* D = B x.C E = D - A E/D E/C Produto Standard 27.450 4,00 109.800 65 1.760 114.400 4.600 4,0% (2,6) Produto Especial 13.500 5.40 72.900 31 1.760 54.560 (18.340) (33,6%) 10,4 Subtotal 40.950 182.700 96 1.760 168.960 (13.740) (8,1%) 7,8 Produtos Complementares 10.962 5 1.760 8.800 (2.162) (24,6%) 1,2 Total 193.662 101 1.760 177.760 (15.902) (8,9%) 9,0
  • 11. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 11 Nesse exemplo, apenas a mão de obra direta disponibilizada para o produto standard está com capacidade suficiente para cumprir o orçamento produção. No conjunto, supondo que se pode intercambiar a mão de obra direta para todos os produtos, há uma insuficiência de 8,9% que corresponde a aproximadamente nove homens diretos. Orçamento de logística O orçamento de logística ou análise da capacidade da rele logística está bastante ligado às questões quantitativas e qualitativas relacionadas a suprimentos de materiais, transporte de materiais e produtos, movimentação interna de materiais, sistemas de armazenamento, tecnologias de embalagens, comercialização e distribuição de produtos e serviços. Essa verificação envolve uma séria de itens, e entre eles podemos citar: - A capacidade de entrega dos fornecedores de insumos chaves; - A capacidade de entrega de insumos com restrições de lead time; - A capacidade dos transportadores de materiais e insumos. - A capacidade dos transportadores de produtos finais; - A capacidade de comercialização dos vendedores; e - A capacidade de distribuição. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS MATERIAIS DIRETOS • Matérias-Primas identificadas e incorporadas ao produto fabricado • Componentes adquiridos prontos • Embalagens MÃO DE OBRA DIRETA • Fator trabalho - que pode ser medido ou identificado ao produto CUSTOS INDIRETOS DE FABRICAÇÃO • Demais custos consumidos na produção. • Exemplos: Depreciação, Energia Elétrica, Mão de Obra de Supervisão, etc. • São apropriados através de rateio
  • 12. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 12 EXERCÍCIOS 1) Calcular a Receita bruta com os dados projetados abaixo: • Preço de Venda unitário e mensal de R$ 32,00. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL Quantidade 10.000 11.000 12.000 15.000 16.000 17.000 81.000 Preço de Venda Receita 2) Calcular a quantidade a ser produzida considerando um estoque final mensal de 10% das vendas previstas. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL
  • 13. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 13 3) Calcular a quantidade o estoque final considerando uma produção constante de 14.000 unidades mês. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL 4) Calcular a capacidade de horas trabalhadas por mês, sabendo que a empresa trabalho 8 horas por dia e em média 20 dias mês. 5) Calcular a quantidade de peças produzidas por máquina, sabendo que cada máquina produz 20 peças por hora. 6) Se a empresa possui 05 máquinas, qual a capacidade de produção total mês. 7) Calcular o custo total mensal de cada máquina, sabendo que o custo unitário de cada produto produzido é de R$ 3,75.
  • 14. APOSTILA DE ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Atualizado em 2013.2 14 8) Calcular os custos se a empresa optar por uma produção com estoque final de 10% das vendas (Exercício 02). O custo para cada unidade parada em estoque é de R$ 0,10 e a capacidade de produção mensal é de 16.000 unidades. Se houver estouro na capacidade de produção, cada peça excedida terá um custo de 60% do custo normal. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL Custo por mês Custo adicional Custo de estocagem Custo Total 9) Calcular os custos se a empresa optar por uma produção constante (Exercício 03). O custo para cada unidade parada em estoque é de R$ 0,10 e a capacidade de produção mensal é de 16.000 unidades. Se houver estouro na capacidade de produção, cada peça excedida terá um custo de 60% do custo normal. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho TOTAL Custo por mês Custo adicional Custo de estocagem Custo Total 10) Dentro dos dois cenários apresentados, qual seria a melhor alternativa de produção.