SlideShare uma empresa Scribd logo
APOLOGÉTICA II 
LIÇÃO 1 – IGREJA LOCAL 
 INTRODUÇÃO – Os membros de uma 
igreja local não se identificam – se 
como sendo uma denominação. 
 Os participantes da Igreja Local têm 
como importante para sua 
identidade Cristã a rejeição de 
rótulos denominacionais. 
 A Igreja Local juga ser a igreja pura, 
mas na verdade ela atrapalha 
aqueles que desejam crescer na fé.
APOLOGÉTICA II 
LIÇÃO 1 – IGREJA LOCAL 
Texto 1 - Síntese e história da Igreja 
Local 
 A Igreja Local, por mais que tenha 
alguns enfeites evangélicos, é uma 
pálida caricatura da verdadeira Igreja 
de Cristo. 
 Sua doutrina consiste em dizer que o 
fato de haver várias igrejas 
denominacionais, é porque o Diabo 
conseguiu dividir a cristandade.
APOLOGÉTICA II 
LIÇÃO 1 – IGREJA LOCAL 
Continuação – 
 A Igreja Local enxerga o ser humano 
errado, na qual afirma que todos 
nós temos o Diabo, o espírito de 
Adão e o próprio Deus habitando 
simultaneamente. 
 O fundador desta seita se chama 
Witness Lee, o qual tem 
experimentado desta visão há mais 
de 50 anos, onde conta com a 
Editora Árvore da Vida.
APOLOGÉTICA II 
LIÇÃO 1 – IGREJA LOCAL 
 Analisando a história desta seita, 
observamos que seu fundamento 
é de que Deus esta restaurando a 
verdadeira Igreja. 
 Este movimento busca conquistar 
crentes de outras denominações. 
 Sua maneira de enganar cristãos e 
até pastores é por meio de sua 
literatura assinada por Watchman 
Nee.
Texto 2 – A Liderança e a 
Organização da Igreja Local 
 Watchman Nee, exerce grande 
liderança sobre este movimento e 
ele era da igreja metodista, por não 
aceitar a igreja se rotular decidiu 
criar este movimento. 
 Era evangelista e a maior parte de 
seu ministério foi a produção de 
livros e devocionais. 
 Ele teve grande influencia sobre a 
vida de Witness Lee e era da Igreja 
Batista.
Texto 2 – A Liderança e a 
Organização da Igreja Local – cont. 
 Este movimento se organiza como 
tendo semelhança da igreja 
primitiva e até rejeita ser chamada 
de Igreja Local e sim de Lugar em 
que se encontram. 
 Aparentemente este movimento 
recebe bem os irmãos de outras 
denominações, mas o verdadeira 
intuito é alcançar os desavisados.
Texto 3 – As crenças da Igreja 
Local e as Refutações Bíblicas 
 sua crença – ela usa o mesmo 
artificio do mormonismo, fala da 
restauração pelo nome da igreja. 
 Olhas para as outras 
denominações como apostatas. 
 Refutação - a igreja local é uma 
denominação, pois ela mesma cria 
barreiras entre si. 
 Ico 1.12 e 13
Texto 3 – As crenças da Igreja Local e 
as Refutações Bíblicas – cont. 
 modalismo – seu conceito teológico 
nega a doutrina da trindade, dizendo 
que seria um disfarce para triteísmo. 
 Sobre a trindade dizem que não são 
três seres distintos, mas distintas 
manifestaçõe de um mesmo ser. 
 Refutação – a trindade é um mistério 
e não ousamos procurar enteder, ou 
seja, a base da trindade é a 
Divindade é de essência uma.
Texto 4 – As crenças da Igreja Local e 
as Refutações Bíblicas cont. 
 A bíblia não deve ser entendida. 
 A ideia é a de que bastaria que o 
crente lesse a bíblia como que 
orando, repetindo as palavras do 
texto sagrado. 
 Refutação – Mt 6.7 
 Cada homem é um Éden, por apoiar 
que Adão, o Diabo e Deus habitavam 
no homem e que Adão está em 
nosso ego, Satanás, em nosso corpo 
e Deus, em nosso espírito.
Texto 4 – As crenças da Igreja Local e 
as Refutações Bíblicas cont. 
 Refutação – as afirmações de Lee, 
não tem nenhuma base bíblica. 
 O Senhor jamais habitaria no mesmo 
lugar que o Diabo. 
 I Co 3.16. 
 Este movimento é altamente 
exclusivista e ataca as outras 
religiões. 
 Este movimento ainda afirma que 
João Batista é um desviado da fé, por 
não reconhecer o filho de Deus.
LIÇÃO 2 – IGREJA DA 
CIENTOLOGIA 
 Introdução, essa igreja se parece 
com obra de ficção. 
 É uma igreja de artista de 
Hollywood, é provável que muitos 
deles fazem parte desta igreja por 
causa do status que ela confere 
aos seus adeptos. 
 Este movimento usa de ciência 
para curar traumas na vidas de 
seus adeptos.
Texto 1 – Síntese e História da 
Igreja da Cientologia 
o O fundador deste movimento é 
Lafayette Ron Hubbard, 
especialista em física nuclear, 
segundo ele a humanidade é o 
resultado do extermínio dos 
habitantes excedentes de outros 
planetas que fazem parte de 
outras Galáxias.
Texto 1 – Síntese e História da 
Igreja da Cientologia – cont. 
o A Igreja da Cientologia se organizou 
por volta de 1950 e contou com a 
publicação de seu mais famoso livro 
Dianética, A Ciência Moderna da 
Saúde Mental, na prática era um 
livro de autoajuda. 
o Em 1954, nasce a Igreja da 
Cientologia, na Califórnia e para 
conseguir novos adeptos instituiu o 
projeto celebridades, onde tinham 
preferencia por membros com fartos 
recursos financeiros.
Texto 1 – Síntese e História da 
Igreja da Cientologia – cont. 
o Hubbard, não tinha apoio nem de 
sua própria família porque usava 
de meios fraudulentos para coagir 
seus membros que não 
revelassem o que acontecia no 
meio da seita.
Texto 2 – A Liderança da Igreja da 
Cientologia 
 Seu fundador Lafayette Ron Hubbard, 
está cheio de escândalos, até mesmo de 
sua formação academica. 
 Para os Cientólogos, Hubbard é um 
homem inspirado e inspirador. 
 A doutrina da Cientologia continha 
elementos da religião asiática. 
 As doutrinas e ideias de Hubbard foram 
criadas através de efeito de drogas e 
álcool e tinha um habito de andar a 
noite, chamado e notívago.
Texto 3 – A Organização da Igreja 
da Cientologia 
 Este movimento era organizado de 
uma forma para arrecadar fortunas 
de seus membros e para que isso 
acontecesse eles diziam que 
detinham um segredo que não podia 
ser revelado ou podia revelar 
aqueles que pudessem pagar por 
ele. 
 A igreja da Cientologia em 1952 
abriu centros de instruções que mais 
tarde foram chamados de igreja e 
seus conselheiros de pastores.
Texto 3 – A Organização da Igreja 
da Cientologia 
 Este movimento começou a dividir seus 
adeptos em grupos e eram diferenciados 
pela quantidade de segredos 
cientológicos que cada membro havia 
pago para receber. 
 Os estágios mais altos da organização 
chegavam a custar em torno de $400 mil 
dólares (valores em 2010). 
 Não acreditavam em enfermidade, 
achava que isso era uma fraqueza 
humana e que tinha que ser tratada 
como uma cicatriz espiritual.
Texto 4 – As Crenças da Igreja da 
Cientologia e as Refutações Bíblicas 
 Este movimento utiliza símbolos do 
cristianismo histórico para atrair cristãos 
para sua seita. 
 Acredita na existência de Deus, se seu 
adepto crer e ainda se apoia na 
existência de deuses que se encontram 
acima de outros deuses, que por sua vez 
são separados por outras deidades, 
maiores que o universo. 
 Refutação – o cristianismo acredita em 
uma só divindade, é teísta, acredita em 
um só Deus, no Deus de Abraão, Isaque e 
Jacó – Is. 43.10,11
Texto 4 – As Crenças da Igreja da 
Cientologia e as Refutações Bíblicas 
– cont. 
 Sobre Jesus, eles dizem que está no 
mesmo nível de entendimento que 
Buda e que tinha pertencido aos 
grupos dos essênios uma facção 
religiosa que não acredita na 
ressurreição e por fim que Jesus é 
uma lenda. 
 Refutação – Todas as seitas tomam 
Jesus por empréstimo ao 
cristianismo, não que acreditam no 
filho de Deus e sim que foi um 
homem importante – 2Pe. 1.16
Texto 4 – As Crenças da Igreja da 
Cientologia e as Refutações Bíblicas 
– cont. 
 Sobre o corpo – segundo a doutrina 
cientológica, o corpo é mau e não é parte 
integrante da natureza humana, com isso 
leva os homens a subestimar as 
enfermidades, sendo tratadas 
incorretamente. 
 Refutação – segundo os ensinamentos 
bíblico diz que o homem é um ser 
tricotômico, ou seja uma material e 
outras duas imateriais corpo, alma e 
espírito. 
 O homem não foi criado para o pecado – 
Mt. 26.41
Texto 4 – As Crenças da Igreja da 
Cientologia e as Refutações Bíblicas 
– cont. 
 Para esta seita seus membros são 
classificados como pré-esclarecidos 
e para chegar ao nível 
de esclarecidos é preciso passar 
por um ciclo de purificação que 
são 7 graus, na qual 
desenvolvendo suas habilidades 
podem ser considerados imortais 
por terem poderes de levitar. 
 Refutação – Atos 10.34

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Luan Almeida
 
Porquê acreditar em algo?
Porquê acreditar em algo?Porquê acreditar em algo?
Porquê acreditar em algo?
Apologética em Português
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
Daladier Lima
 
Introdução a seitas e heresias
Introdução a seitas e heresiasIntrodução a seitas e heresias
Introdução a seitas e heresias
ETENAC - Escola Teológica Nova Aliança em Cristo
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
PIBJA
 
Aula 1 - Apologética e suas Metodologias
Aula 1 - Apologética e suas MetodologiasAula 1 - Apologética e suas Metodologias
Aula 1 - Apologética e suas Metodologias
Gustavo Zimmermann
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Luan Almeida
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
PIBJA
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
Marcia Marcone
 
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasMormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
Ricardo Gondim
 
34
3434
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e HeresiasMovimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Luan Almeida
 
Seitas e heresias o império das seitas vol 2 - walter mart
Seitas e heresias   o império das seitas vol 2 - walter martSeitas e heresias   o império das seitas vol 2 - walter mart
Seitas e heresias o império das seitas vol 2 - walter mart
Ionara Pereira
 
Perguntas E Respostas Apologéticas
Perguntas E Respostas ApologéticasPerguntas E Respostas Apologéticas
Perguntas E Respostas Apologéticas
Alexandre Santos
 
Ensinai seitas e heresias 04
Ensinai seitas e heresias 04Ensinai seitas e heresias 04
Ensinai seitas e heresias 04
Nivaldo R. Santos
 
21609620 seitas-e-heresias-estudos
21609620 seitas-e-heresias-estudos21609620 seitas-e-heresias-estudos
21609620 seitas-e-heresias-estudos
Luciana Santos
 
Seitas, heresias e modismos
Seitas, heresias e modismosSeitas, heresias e modismos
Seitas, heresias e modismos
Vilmar Nascimento
 
Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)
Andréia Eufrazio
 

Mais procurados (19)

Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - IntroduçãoSeitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
Seitas, heresias e falsos ensinos - Introdução
 
Porquê acreditar em algo?
Porquê acreditar em algo?Porquê acreditar em algo?
Porquê acreditar em algo?
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
Introdução a seitas e heresias
Introdução a seitas e heresiasIntrodução a seitas e heresias
Introdução a seitas e heresias
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
 
Aula 1 - Apologética e suas Metodologias
Aula 1 - Apologética e suas MetodologiasAula 1 - Apologética e suas Metodologias
Aula 1 - Apologética e suas Metodologias
 
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeiraPor que o Cristianismo e a única religião verdadeira
Por que o Cristianismo e a única religião verdadeira
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 3
 
Seitas e heresias
Seitas e heresiasSeitas e heresias
Seitas e heresias
 
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e HeresiasMormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
Mormonismo (IJCSUD) - Seitas e Heresias
 
Seitas e Heresias
Seitas e HeresiasSeitas e Heresias
Seitas e Heresias
 
34
3434
34
 
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e HeresiasMovimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
Movimento celular (G12, M12, MIR, MDA, Encontro com Deus) - Seitas e Heresias
 
Seitas e heresias o império das seitas vol 2 - walter mart
Seitas e heresias   o império das seitas vol 2 - walter martSeitas e heresias   o império das seitas vol 2 - walter mart
Seitas e heresias o império das seitas vol 2 - walter mart
 
Perguntas E Respostas Apologéticas
Perguntas E Respostas ApologéticasPerguntas E Respostas Apologéticas
Perguntas E Respostas Apologéticas
 
Ensinai seitas e heresias 04
Ensinai seitas e heresias 04Ensinai seitas e heresias 04
Ensinai seitas e heresias 04
 
21609620 seitas-e-heresias-estudos
21609620 seitas-e-heresias-estudos21609620 seitas-e-heresias-estudos
21609620 seitas-e-heresias-estudos
 
Seitas, heresias e modismos
Seitas, heresias e modismosSeitas, heresias e modismos
Seitas, heresias e modismos
 
Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)Teologia sistematica (Stanley Horton)
Teologia sistematica (Stanley Horton)
 

Semelhante a Apologética II

Como identificar uma seita
Como identificar uma seitaComo identificar uma seita
Como identificar uma seita
Instituto Teológico Gamaliel
 
Visão
VisãoVisão
O que é uma seita - Muito importante e interessante
O que é uma seita - Muito importante e interessanteO que é uma seita - Muito importante e interessante
O que é uma seita - Muito importante e interessante
ToshioPereiraSasaki2
 
Definição e características das seitas
Definição e características das seitasDefinição e características das seitas
Definição e características das seitas
Alberto Simonton
 
STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1
Milton JB Sobreiro
 
Seitas
SeitasSeitas
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptxIBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
Rubens Sohn
 
Igrejas e Crenças
Igrejas e CrençasIgrejas e Crenças
Igrejas e Crenças
Vinicius Paes Lima
 
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
PIB Penha - SP
 
SEITAS E HERESIAS: Heresia deriva da palavra grega háiresis e significa: "esc...
SEITAS E HERESIAS: Heresia deriva da palavra grega háiresis e significa: "esc...SEITAS E HERESIAS: Heresia deriva da palavra grega háiresis e significa: "esc...
SEITAS E HERESIAS: Heresia deriva da palavra grega háiresis e significa: "esc...
MiltonCesarAquino1
 
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja LocalLição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Hamilton Souza
 
STNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3ASTNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3A
Milton JB Sobreiro
 
testemunhasdejeov-slides
testemunhasdejeov-slidestestemunhasdejeov-slides
testemunhasdejeov-slides
FelipePereiradaSilva20
 
História da Igreja Moderna
História da Igreja ModernaHistória da Igreja Moderna
História da Igreja Moderna
Alberto Simonton
 
Aespiritualidadeeoreino
AespiritualidadeeoreinoAespiritualidadeeoreino
Aespiritualidadeeoreino
Leonardo Marques
 
APOSTILAS SEITAS.pdf
APOSTILAS SEITAS.pdfAPOSTILAS SEITAS.pdf
APOSTILAS SEITAS.pdf
NayronCrates
 
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
Uilson Nunnes
 
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasilantonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - AmericanoO Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
Yury Fontão
 
Remanescente 1 - Realidade ou Ilusão?
Remanescente 1 - Realidade ou Ilusão?Remanescente 1 - Realidade ou Ilusão?
Remanescente 1 - Realidade ou Ilusão?
Walter Mendes
 

Semelhante a Apologética II (20)

Como identificar uma seita
Como identificar uma seitaComo identificar uma seita
Como identificar uma seita
 
Visão
VisãoVisão
Visão
 
O que é uma seita - Muito importante e interessante
O que é uma seita - Muito importante e interessanteO que é uma seita - Muito importante e interessante
O que é uma seita - Muito importante e interessante
 
Definição e características das seitas
Definição e características das seitasDefinição e características das seitas
Definição e características das seitas
 
STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1STNB-SMR - M1
STNB-SMR - M1
 
Seitas
SeitasSeitas
Seitas
 
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptxIBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
IBADEP BÁSICO - HERESIOLOGIA - CAPITULO 1.pptx
 
Igrejas e Crenças
Igrejas e CrençasIgrejas e Crenças
Igrejas e Crenças
 
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
14 - O cristianismo na idade moderna1.pptx
 
SEITAS E HERESIAS: Heresia deriva da palavra grega háiresis e significa: "esc...
SEITAS E HERESIAS: Heresia deriva da palavra grega háiresis e significa: "esc...SEITAS E HERESIAS: Heresia deriva da palavra grega háiresis e significa: "esc...
SEITAS E HERESIAS: Heresia deriva da palavra grega háiresis e significa: "esc...
 
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja LocalLição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
 
STNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3ASTNB-SMR-M3A
STNB-SMR-M3A
 
testemunhasdejeov-slides
testemunhasdejeov-slidestestemunhasdejeov-slides
testemunhasdejeov-slides
 
História da Igreja Moderna
História da Igreja ModernaHistória da Igreja Moderna
História da Igreja Moderna
 
Aespiritualidadeeoreino
AespiritualidadeeoreinoAespiritualidadeeoreino
Aespiritualidadeeoreino
 
APOSTILAS SEITAS.pdf
APOSTILAS SEITAS.pdfAPOSTILAS SEITAS.pdf
APOSTILAS SEITAS.pdf
 
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
EBD - A NATUREZA DA IGREJA.................
 
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasilantonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
antonio inacio ferraz-Congregaçáo Cristã do Brasil
 
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - AmericanoO Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
O Fundamentalismo Cristão Norte - Americano
 
Remanescente 1 - Realidade ou Ilusão?
Remanescente 1 - Realidade ou Ilusão?Remanescente 1 - Realidade ou Ilusão?
Remanescente 1 - Realidade ou Ilusão?
 

Último

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 

Último (20)

Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 

Apologética II

  • 1. APOLOGÉTICA II LIÇÃO 1 – IGREJA LOCAL  INTRODUÇÃO – Os membros de uma igreja local não se identificam – se como sendo uma denominação.  Os participantes da Igreja Local têm como importante para sua identidade Cristã a rejeição de rótulos denominacionais.  A Igreja Local juga ser a igreja pura, mas na verdade ela atrapalha aqueles que desejam crescer na fé.
  • 2. APOLOGÉTICA II LIÇÃO 1 – IGREJA LOCAL Texto 1 - Síntese e história da Igreja Local  A Igreja Local, por mais que tenha alguns enfeites evangélicos, é uma pálida caricatura da verdadeira Igreja de Cristo.  Sua doutrina consiste em dizer que o fato de haver várias igrejas denominacionais, é porque o Diabo conseguiu dividir a cristandade.
  • 3. APOLOGÉTICA II LIÇÃO 1 – IGREJA LOCAL Continuação –  A Igreja Local enxerga o ser humano errado, na qual afirma que todos nós temos o Diabo, o espírito de Adão e o próprio Deus habitando simultaneamente.  O fundador desta seita se chama Witness Lee, o qual tem experimentado desta visão há mais de 50 anos, onde conta com a Editora Árvore da Vida.
  • 4. APOLOGÉTICA II LIÇÃO 1 – IGREJA LOCAL  Analisando a história desta seita, observamos que seu fundamento é de que Deus esta restaurando a verdadeira Igreja.  Este movimento busca conquistar crentes de outras denominações.  Sua maneira de enganar cristãos e até pastores é por meio de sua literatura assinada por Watchman Nee.
  • 5. Texto 2 – A Liderança e a Organização da Igreja Local  Watchman Nee, exerce grande liderança sobre este movimento e ele era da igreja metodista, por não aceitar a igreja se rotular decidiu criar este movimento.  Era evangelista e a maior parte de seu ministério foi a produção de livros e devocionais.  Ele teve grande influencia sobre a vida de Witness Lee e era da Igreja Batista.
  • 6. Texto 2 – A Liderança e a Organização da Igreja Local – cont.  Este movimento se organiza como tendo semelhança da igreja primitiva e até rejeita ser chamada de Igreja Local e sim de Lugar em que se encontram.  Aparentemente este movimento recebe bem os irmãos de outras denominações, mas o verdadeira intuito é alcançar os desavisados.
  • 7. Texto 3 – As crenças da Igreja Local e as Refutações Bíblicas  sua crença – ela usa o mesmo artificio do mormonismo, fala da restauração pelo nome da igreja.  Olhas para as outras denominações como apostatas.  Refutação - a igreja local é uma denominação, pois ela mesma cria barreiras entre si.  Ico 1.12 e 13
  • 8. Texto 3 – As crenças da Igreja Local e as Refutações Bíblicas – cont.  modalismo – seu conceito teológico nega a doutrina da trindade, dizendo que seria um disfarce para triteísmo.  Sobre a trindade dizem que não são três seres distintos, mas distintas manifestaçõe de um mesmo ser.  Refutação – a trindade é um mistério e não ousamos procurar enteder, ou seja, a base da trindade é a Divindade é de essência uma.
  • 9. Texto 4 – As crenças da Igreja Local e as Refutações Bíblicas cont.  A bíblia não deve ser entendida.  A ideia é a de que bastaria que o crente lesse a bíblia como que orando, repetindo as palavras do texto sagrado.  Refutação – Mt 6.7  Cada homem é um Éden, por apoiar que Adão, o Diabo e Deus habitavam no homem e que Adão está em nosso ego, Satanás, em nosso corpo e Deus, em nosso espírito.
  • 10. Texto 4 – As crenças da Igreja Local e as Refutações Bíblicas cont.  Refutação – as afirmações de Lee, não tem nenhuma base bíblica.  O Senhor jamais habitaria no mesmo lugar que o Diabo.  I Co 3.16.  Este movimento é altamente exclusivista e ataca as outras religiões.  Este movimento ainda afirma que João Batista é um desviado da fé, por não reconhecer o filho de Deus.
  • 11. LIÇÃO 2 – IGREJA DA CIENTOLOGIA  Introdução, essa igreja se parece com obra de ficção.  É uma igreja de artista de Hollywood, é provável que muitos deles fazem parte desta igreja por causa do status que ela confere aos seus adeptos.  Este movimento usa de ciência para curar traumas na vidas de seus adeptos.
  • 12. Texto 1 – Síntese e História da Igreja da Cientologia o O fundador deste movimento é Lafayette Ron Hubbard, especialista em física nuclear, segundo ele a humanidade é o resultado do extermínio dos habitantes excedentes de outros planetas que fazem parte de outras Galáxias.
  • 13. Texto 1 – Síntese e História da Igreja da Cientologia – cont. o A Igreja da Cientologia se organizou por volta de 1950 e contou com a publicação de seu mais famoso livro Dianética, A Ciência Moderna da Saúde Mental, na prática era um livro de autoajuda. o Em 1954, nasce a Igreja da Cientologia, na Califórnia e para conseguir novos adeptos instituiu o projeto celebridades, onde tinham preferencia por membros com fartos recursos financeiros.
  • 14. Texto 1 – Síntese e História da Igreja da Cientologia – cont. o Hubbard, não tinha apoio nem de sua própria família porque usava de meios fraudulentos para coagir seus membros que não revelassem o que acontecia no meio da seita.
  • 15. Texto 2 – A Liderança da Igreja da Cientologia  Seu fundador Lafayette Ron Hubbard, está cheio de escândalos, até mesmo de sua formação academica.  Para os Cientólogos, Hubbard é um homem inspirado e inspirador.  A doutrina da Cientologia continha elementos da religião asiática.  As doutrinas e ideias de Hubbard foram criadas através de efeito de drogas e álcool e tinha um habito de andar a noite, chamado e notívago.
  • 16. Texto 3 – A Organização da Igreja da Cientologia  Este movimento era organizado de uma forma para arrecadar fortunas de seus membros e para que isso acontecesse eles diziam que detinham um segredo que não podia ser revelado ou podia revelar aqueles que pudessem pagar por ele.  A igreja da Cientologia em 1952 abriu centros de instruções que mais tarde foram chamados de igreja e seus conselheiros de pastores.
  • 17. Texto 3 – A Organização da Igreja da Cientologia  Este movimento começou a dividir seus adeptos em grupos e eram diferenciados pela quantidade de segredos cientológicos que cada membro havia pago para receber.  Os estágios mais altos da organização chegavam a custar em torno de $400 mil dólares (valores em 2010).  Não acreditavam em enfermidade, achava que isso era uma fraqueza humana e que tinha que ser tratada como uma cicatriz espiritual.
  • 18. Texto 4 – As Crenças da Igreja da Cientologia e as Refutações Bíblicas  Este movimento utiliza símbolos do cristianismo histórico para atrair cristãos para sua seita.  Acredita na existência de Deus, se seu adepto crer e ainda se apoia na existência de deuses que se encontram acima de outros deuses, que por sua vez são separados por outras deidades, maiores que o universo.  Refutação – o cristianismo acredita em uma só divindade, é teísta, acredita em um só Deus, no Deus de Abraão, Isaque e Jacó – Is. 43.10,11
  • 19. Texto 4 – As Crenças da Igreja da Cientologia e as Refutações Bíblicas – cont.  Sobre Jesus, eles dizem que está no mesmo nível de entendimento que Buda e que tinha pertencido aos grupos dos essênios uma facção religiosa que não acredita na ressurreição e por fim que Jesus é uma lenda.  Refutação – Todas as seitas tomam Jesus por empréstimo ao cristianismo, não que acreditam no filho de Deus e sim que foi um homem importante – 2Pe. 1.16
  • 20. Texto 4 – As Crenças da Igreja da Cientologia e as Refutações Bíblicas – cont.  Sobre o corpo – segundo a doutrina cientológica, o corpo é mau e não é parte integrante da natureza humana, com isso leva os homens a subestimar as enfermidades, sendo tratadas incorretamente.  Refutação – segundo os ensinamentos bíblico diz que o homem é um ser tricotômico, ou seja uma material e outras duas imateriais corpo, alma e espírito.  O homem não foi criado para o pecado – Mt. 26.41
  • 21. Texto 4 – As Crenças da Igreja da Cientologia e as Refutações Bíblicas – cont.  Para esta seita seus membros são classificados como pré-esclarecidos e para chegar ao nível de esclarecidos é preciso passar por um ciclo de purificação que são 7 graus, na qual desenvolvendo suas habilidades podem ser considerados imortais por terem poderes de levitar.  Refutação – Atos 10.34