SlideShare uma empresa Scribd logo
ProvaFinal
2 | out-dez 2015
[ ÍNDICE ]
3 EDITORIAL
BEM PLANTADO ATÉ O FIM DO ANO
4 EIS-ME AQUI
VOLUNTARIADO
6 DESTAQUES 2015
DESAFIOS
[ Programas ]
8 EMPATIAATODAPROVA
TEMA: ORAÇÃO
10 UMESPÍRITODECONQUISTA
TEMA: MISSÃO CALEBE
12 VOCÊCONSEGUE!
TEMA: CORAGEM
14 DIVERSIDADECULTURALERACISMO
TEMA: PRECONCEITO
16 AIDADEDACIÊNCIAEDASABEDORIA
TEMA: MELHOR IDADE
18 JESUS,UM REFÚGIOACESSÍVEL
TEMA: CIDADES DE REFÚGIO
20 ASTRÊSFACESDOAMOR
TEMA: AMOR
22 EUMEAMO!
TEMA: AUTOESTIMA
24 VIVABEM
TEMA: SAÚDE
28 NATALÉJESUS
TEMA: NATAL
O QUE VEM POR AÍ
Direção: Carlos Campitelli
Produção: Ministério Jovem da DSA
Coordenação Editorial: Bárbara Jacinta Streicher Kopitar
Projeto Gráfico: D. Lima design
Impressão: Casa Publicadora Brasileira
Capa: Marcel | Fotolia
Colaboradores: Programas elaborados pela União Central
Brasileira e União Chilena.
28NATAL É JESUS
10UM ESPÍRITO DE CONQUISTA
Publicação Trimestral | Out-Dez 2015
ProvaFinal
out-dez 2015 | 3
CERTAMENTEVOCÊJÁouviufalarsobreamaiorárvoredo
mundo,asequoia.Semdúvida,essaárvorecolossaléimpres-
sionante e imponente. Algumas particularidades fazem com
que essa gigante seja diferente das demais. Sua casca é grossa
e muito resistente, até mesmo ao fogo, que tem dificuldade
paraqueimarseutronco.Asraízesnãosãotãoprofundas,mas
se estendem por vários metros em busca de água e minerais,
fazendo com que a grande estrutura seja mantida firme.
Tudo isso me fez pensar em nossa liderança jovem. Deus
nos fez para crescer fortes e robustos como as sequoias. Que
nossa “casca” seja forte para resistir aos ataques do inimi-
go; que nossas raízes estejam sempre buscando a fonte da
vida, raízes que se estendam procurando se alimentar bem
da Palavra.
Faça deste trimestre o melhor do ano para sua sociedade/
clube de jovens. Leve os jovens sob sua liderança a continuar
a experiência de ser a mensagem.
Encerre o ano bem plantado em Jesus (Salmos 1:1-3).
Um grande abraço e sempre Maranata!
Carlos Campitelli
A
Bem
plantadoaté
ofimdoano
[ Editorial ]
Pr. Carlos Campitelli
Divisão Sul Americana da IASD
Bem
plantadoaté
ofimdoano
ProvaFinal
O
L
A
v
c
l
d
p
a
O
s
tr
U
c
d
in
f
“T   J        
C,  ,  ,       .
T      D    .”
(T   I , ..)
www.voluntariosadventistas.orgwww.voluntariosadventistas.orgwww.voluntariosadventistas.org
VOLUNTÁRIOS EN MISSÃO
is me
MARCOS EDUARDO
E ANA PAULA LIMA
RAFAEL SOUSA
ORLANDO ORELLANA
REBECA AGUIRRE
EDA SANDOVAL
VOLUNTARIADO
Autora: Débora Siqueira - Coordenadora do
Serviço Voluntário DSA
MimEl
AQUI, ENVIA-ME A
ProvaFinal
O voluntário brasileiro Rafael Sousa
decidiu dedicar um ano de sua vida para
ser missionário em Bangladesh. Ele serve
na ADRA e desenvolve atividades que
envolvem dar classes às crianças no centro
que administra a organização, e auxilia a
equipe de finanças da ADRA.
Orlando é chileno e está cursando
Letras (Inglês) na Universidade
Adventista do Chile. Ele é missionário
voluntário nas Ilhas Malvinas e trabalha
como professor na escola primária
local. Ele também ajuda nas reuniões
de “pequeno grupo”, que cresce pouco a
pouco, ajudando a consolidar a presença
adventista nesse território.
A missionária voluntária Rebeca
Aguirre é do Peru e graduou-se na
instituição adventista Universidade
Peruana Unión. Ela é professora
de inglês na Escola Adventista de
Mongólia, Asia, e também participa das
atividades da igreja local.
O casal Marcos Eduardo e Ana Paula Lima
servem como voluntários no Egito. Eles
trabalham no Colégio Adventista do Nilo (Nile
Unión Academy) em diferentes atividades. Ele é
capelão e professor no colégio e diretor do Clube
de Desbravadores. A Ana Paula é professora de
inglês, jornalista e diretora assistente do clube. Juntos
fundaram o primeiro clube de desbravadores do país.
A argentina Eda Sandoval é nutri-
cionista e estudou na Universidade
Adventista del Plata. Ela serve como
missionária voluntária na Universidade
do Oriente Médio (Middle East University)
, Libano, e é nutricionista no restaurante
dessa instituição adventista.
ORLANDO ORELLANA
MARCOS EDUARDO Y ANA PAULA LIMA
RAFAEL SOUSA
REBECA AGUIRRE
EDA SANDOVAL
ProvaFinal
© Subbotina Anna | Shutterstock
6 | out-dez 2015
[ Desafios do Trimestre ]
Vamoslálíderes!Usemospróximostrês
mesesparamotivarosjovensdesua
igrejaparaasseguintesações.
Viva com Esperança – Agora em novembro teremos o evangelismo de colheita envolvendo todos os pas-
tores da América do Sul. Vamos fazer todo o esforço para levar pessoas às igrejas e auditórios. A decisão de
uma pessoa é valiosa para Deus.
Dia de Finados - Este é um momento em que os jovens devem mostrar aos outros a esperança da ressu-
reição. Organize a juventude para ir aos cemitérios ou mesmo às ruas e praças, sempre levando a mensagem
de esperança. Para que o projeto tenha bons resultados deve ser realizado com muito cuidado e organização,
conscientizando os jovens para serem cuidadosos e respeitosos. Temos folhetos que podem ser usados para
este fim. Entre em contato com o seu campo. Mostre aos que choram que a morte não é um fim, mas uma
grande esperança. Jesus é a ressurreição e a vida.
Vida por Vidas – A campanha de doação sempre tem três enfoques: doação de sangue, doação de medula
e doação de plaquetas. Este é um movimento que promove nos jovens o amor e a compaixão além de dar uma
imagem positiva da Igreja junto à sociedade. Por trás da campanha de doação deve estar o espírito de Cristo
de que ele “doou tudo para você doar um pouco”.
Natal – Essa data deve levar a Igreja a lembrar do maior presente dado à raça humana: Jesus, “O Salvador”.
Use a criatividade e faça ações de impacto nos shoppings, praças e ruas principais. É importante que os jovens da
igreja façam coleta de alimentos, roupas, calçados, e entreguem para as pessoas mais necessitadas e participem
do Mutirão de Natal, promovido pela ADRA.
Culto de fim de ano - Depois de um ano de trabalho, essa data deve ser lembrada em um culto de gratidão
por tudo de bom que Deus nos deu. Faça uma retrospectiva do que aconteceu na igreja no ano que se passou,
dos grandes feitos, das conquistas e das vitorias. A reunião pode contar com um testemunho impactante e um
culto vibrante para encerrar o ano.
ProvaFinal
out-dez 2015 | 7
Missão Calebe – O fim do ano está chegando e pre-
cisamos motivar os jovens a participar da Missão Calebe.
Este projeto tem sido uma revolução na vida dos Jovens
Adventistas da América do sul. Hoje contamos com 110 mil
jovens que doam suas férias para salvar e servir. A América
do Sul é “Terra de Calebe”. Motive a juventude a desafiar os
gigantes e alcançar vitórias espirituais. O momento ade-
quado para este programa é durante o período de férias, em
janeiro. Divulgue a campanha, mostre os vídeos, entre nos
site www.missaocalebe.org.br . Doe suas férias para Jesus!
Destaque essa missão.
Um Ano Em Missão – Os jovens querem desafios maiores
e as oportunidades estão à disposição em varias frentes como
no voluntariado, na Missão Calebe e no projeto Um Ano Em
Missão. Mostre aos jovens as oportunidades e os desafios.
http://voluntariosadventistas.org/
http://www.adventistas.org/pt/jovens
2016 está chegando! – Estamos nos aproximando de
mais um novo ano e com ele chegam novos desafios. No ano
de 2016 faremos grandes coisas e Deus pode nos usar para
uma obra muito especial. Coloque-se nas mãos de Deus para
abençoar o mundo!
ProvaFinal
© Csp_ginosphotos | Fotosearch
8 | out-dez 2015
“Porém o incenso que fareis, segundo
a composição deste, não o fareis
para vós mesmos; santo será para o
SENHOR.” (Êxodo 30:37)
LOUVOR
Restaura – CD Jovem 2012
Cada Novo Dia – CD Jovem 2009
Sou de Jesus – CD Jovem 2006
T
S
e
v
p
c
p
la
d
c
p
e
O
ç
b
p
a
M
t
a
p
o
s
c
a
p
é
[ Culto 1 ]
Autor: Pr. Juan Fernández
Diretor do Ministério Jovem da UCh
Empatiaa
toda prova
ProvaFinal
out-dez 2015 | 9
TESTEMUNHO
SENDO UM JOVEM pastor, dedicado à pregação do evangelho
e ao desenvolvimento espiritual da igreja, foram incontáveis as
vezes que, visitando os membros, me tocou ouvir todo tipo de
problemas e tentar oferecer apoio, alento, consolo e múltiplos
conselhos.
Sem dúvida, a situação mais difícil na hora de apoiar uma
pessoa era quando alguém perdia um ente querido. Toda pa-
lavra, todo gesto e toda ação de empatia davam a sensação
de serem insuficientes. Foi apenas quando perdi meu pai que
compreendi a limitação de minha empatia para com as demais
pessoas, mas então entendi mais plenamente que somente a
empatia divina satisfaz e conforta verdadeiramente.
ORAÇÃOINTERCESSORA
Considerando que, como cristãos, somos um canal de bên-
çãos, apoio e consolo às pessoas, oremos para que Deus sensi-
bilize nosso coração diante do sofrimento dos demais, a fim de
podermos ser o braço de Deus durante os momentos em que
as pessoas necessitam de nosso apoio e companhia.
MENSAGEM
Quando Deus ordenou a fabricação do incenso, este devia
ter duas características importantes:
1) As especiarias deviam ser cuidadosamente escolhidas,
visto que o produto devia ser um perfume aromático
agradável, segundo a arte dos perfumistas.
2) Esse perfume deveria ser exclusivo. Ninguém poderia
fabricar outro com essa composição.
O incenso que diariamente era oferecido a Deus representava
as orações de cada um dos israelitas. Davi disse: “Suba à tua
presença a minha oração, como incenso [...]” (Salmo 141:1).
Sem dúvida, tudo o que contamos a Deus em oração, tudo
o que sentimos no mais profundo do coração, Ele entende em
sua verdadeira e plena dimensão. Tudo o que compartilhamos
com o Senhor, no mais profundo de nosso coração, é aroma
agradável e exclusivo, visto que Ele não olha para grupos de
pessoas, mas para seres individuais e exclusivos. Sua empatia
é a toda prova, porque “não temos sumo sacerdote que não
possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele ten-
tado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado.
Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da
graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para
socorro em ocasião oportuna” (Hebreus 4:15 e 16).
ESPÍRITODEPROFECIA
“[...] Diante do véu, separando o lugar santo do lugar san-
tíssimo, encontrava-se o altar do incenso, de ouro, do qual a
fragrante nuvem, com as orações de Israel, ascendia diariamente
à presença de Deus” (O Grande Conflito, p.183).
MÃONAMASSA
Louvor: As músicas devem estar relacionadas ao tema.
Utilize músicas que falem da disposição de Deus não apenas
em ouvir as orações, mas também em atendê-las como se
aquele que pede fosse a única pessoa que Ele necessita socor-
rer. Procure uma mensagem especial que, ao ser cantada, leve
esperança e paz aos membros presentes.
Testemunho: Busque na igreja o testemunho de algum
jovem que se sentiu incompreendido e que, em determinado
momento, sentiu que Deus tinha todo o tempo para ouvir seu
problema e dar-lhe uma resposta oportuna, em um momento
de muita dor em sua vida.
OraçãoIntercessora: Nesta ocasião, poderá ser trazida uma
réplica do altar de incenso. Peça que cada jovem escreva num
papel pedido de oração importante, íntimo e mais anelado por
seu coração. No final do culto jovem, queime todos os papéis
na réplica do altar, fora da igreja.
Mensagem: É importante esclarecer os seguintes pontos:
1) Nossa empatia e sensibilidade sempre são limitadas.
2) Deus pode nos transformar em pessoas mais perceptivas
e sensíveis à dor alheia.
3) Devemos encaminhar as pessoas ao nosso grande Sumo
Sacerdote, que nunca Se cansa de nós.
4) Até os menores problemas são um aroma agradável para
Deus e dignos de atenção exclusiva.
ProvaFinal
© Olly | Fotolia
10 | out-dez 2015
Umespírito
de conquista
LOUVOR
Eu Sou Calebe – CD Jovem 2013
É Prazer Servir a Cristo – CD Jovem 2014
Vou me Entregar – CD Jovem 2014
T
M
E
p
a
p
q
m
C
p
s
O
b
n
o
v
S
M
jo
c
J
v
p
c
d
C
v
o
q
d
S
D
d
[ Culto 2 ]
Autor: Pr. Cristian Muñoz
Diretor do Ministério Jovem da MCCh
“Agora,pois,dá-meeste
montedequeoSENHOR
falounaqueledia,pois,naquele
dia,ouvistequeláestavam
osanaquinsegrandese
fortescidades;oSENHOR,
porventura,serácomigo,
paraosdesapossar,como
prometeu.”(Josué14:12).
ProvaFinal
out-dez 2015 | 11
o
a
TESTEMUNHO
MOCHA É UMA pequena ilha na região de Bio Bio, Chile.
Ela abriga uma pequena comunidade onde a maioria das
pessoas vive da pesca. Por ser uma localidade pequena, Mocha,
aparentemente é insignificante e com uma história muito
particular que, por algum motivo, caiu no esquecimento até
que um grupo de jovens quis conquistá-la para Cristo, por
meio do projeto Calebe. Pela graça de Deus, esses soldados de
Cristo estabeleceram a presença adventista nesse lugar e hoje
podemos dizer, com alegria, que um pequeno grupo de irmãos
se reúne ali para louvar a Deus.
ORAÇÃOINTERCESSORA
JáseaproximaoperíododemobilizaçãoparaoprojetoCale-
be, na América do Sul. Esse é um ótimo momento para desafiar
nossos jovens a dedicarem parte de suas férias de verão como
oferta ao Senhor. Orem para que haja maior integração dos jo-
vensnaMissãoCalebedeseudistritoouassociação.Entregueao
Senhor seus sonhos ou peça-Lhe que os coloque em sua mente.
MENSAGEM
O Projeto Calebe é uma escola de evangelismo para nossos
jovens; uma instância para dar rédeas soltas aos sonhos e à
criatividade de nossa juventude, com o objetivo de apresentar
Jesus ao mundo. É uma experiência que pode encher de
vida a caminhada fria e monótona de um jovem que nunca
presenciou o impacto de Jesus na vida das pessoas que
caminham sem Deus.
O Projeto Calebe é inspirado na experiência de Calebe, um
dos 12 espias, enviado por Moisés para explorar a terra de
Canaã. Juntamente com Josué, foram os únicos que puderam
ver, pelos olhos da fé, o que poderia ser conquistado mediante
o poder de Deus.
Calebe personifica o cristão que não teme os obstáculos,
que não se amedronta diante das dificuldades e da magnitude
da missão. Representa aqueles que creem nas promessas do
Senhor e avançam para alcançar grandes coisas pelo poder de
Deus. Para os tais não há limites.
O curioso é que transcorreram 45 anos desde a promessa
de Deus dada a Calebe, pela boca de Moisés, com respeito à
sua herança em Canaã; porém, a força física de Calebe, seu
vigor e sua confiança em Deus não se desvaneceram. Aos 85
anos, Calebe estava disposto a ir e conquistar Hebrom, terra
de gigantes e de cidades muradas.
ESPÍRITODEPROFECIA
“Com esse exército de obreiros que nossos jovens, devida-
mente educados, poderiam fornecer, quão cedo a mensagem de
um Salvador crucificado, ressurreto e por vir em breve, poderia
ser levada ao mundo todo!” (Nos Lugares Celestiais, p. 222).
MÃONAMASSA
Louvor: Utilizar músicas que falem da missão, do testemu-
nho e do serviço. Uma sugestão é que sejam preparados slides
com as fotos dos jovens Calebes e que sejam apresentados
durante os momentos de louvor.
Testemunho: O testemunho pode ser visto no Youtube,
sob o título: Proyecto Caleb en Isla Mocha (Está em espanhol).
Busque em sua igreja um jovem que tenha tido a linda experi-
ência de participar de um Calebe. Permita-lhe contar como se
sentiu, como essa experiência fortaleceu sua fé e especialmente
como ele foi motivado a testemunhar. Peça-lhe para animar
aqueles que ainda não passaram por essa experiência.
Oração Intercessora: Este pode ser um momento muito
solene. Pode ser aproveitado como oportunidade para ser pro-
ferida uma oração de dedicação e de consagração dos jovens
que tomaram a decisão de ser Calebes. Se possível, prepare
uma mesa especialmente decorada contendo um compromisso
escrito de serviço a Deus, como um jovem Calebe, para ser
assinado. Depois do convite, aqueles que o aceitarem poderão
permanecer à frente para a oração de dedicação feita de joelhos.
Mensagem: Este é o clímax do culto. A mensagem deve
ser clara e o apelo deve ser direto. Deus necessita de jovens
com o espírito de Calebe. Você deseja ser um Calebe? Você
é otimista ou lhe custa enxergar com os olhos da fé? Você é
valente ou se amedronta com facilidade? Convide os jovens
e os irmãos a tomarem uma decisão: Caminhar nos passos
de gigantes, como Calebe. Jovens consagrados constituem o
exército mais poderoso do Senhor na terra.
e
R
e
m
e
,
o,
o
).
ProvaFinal
© George Muresan | Shutterstock
12 | out-dez 2015
Vocêconsegue!
“Moisés respondeu ao Senhor:
—ÓSenhor,eununcativefacilidadeparafalar,nem
antesnemagora,depoisquecomeçasteafalarcomigo.
Quandocomeçoafalar,eusempremeatrapalho.
Porém o Senhor lhe disse:
— Quem dá a boca ao ser humano? Quem faz
com que ele seja surdo ou mudo? Quem lhe dá a
vista ou faz com que fique cego? Sou Eu, Deus, o
Senhor” (Êxodo 4:10, 11, NTLH).
LOUVOR
Dez Mil Razões – CD Jovem 2015
Somos Teus – CD Jovem 2012
Eu Sou a Mensagem – CD Jovem 2015
T
C
m
a
t
a
c
e
e
p
c
O
t
b
t
d
s
M
s
m
c
m
r
e
n
p
tu
[ Culto 3 ]
Autor: Pr. Gerardo Farías
Diretor do Ministério Jovem da MNCh
ProvaFinal
out-dez 2015 | 13
!
:
m
o.
o.
:
z
a
o
.
TESTEMUNHO
CERTA VEZ UM pastor disse que quando pequeno, ele era
muito tímido. Quando sua mãe mandava que ele fosse comprar
algo na esquina, era muito difícil. Quando viajava de ônibus,
temia que alguém falasse com ele. Ele foi levado duas vezes
ao psicólogo e não conseguiu dizer uma única palavra. O psi-
cólogo conversou com os pais, mas a porta ficou entreaberta
e ele ouviu a conversa. “Seu filho sempre será um problema”.
Deprimido, foi para o quarto e falou seriamente com Deus
e então teve coragem de conversar com os pais, pedindo-lhes
para orarem por ele. Isso iria ajudá-lo a comprovar a existên-
cia de Deus. Deus respondeu e ele agora é um grande pastor.
ORAÇÃOINTERCESSORA
O apóstolo Paulo pediu aos irmãos para orarem por ele: “E
também por mim; para que me seja dada, no abrir da minha
boca, a palavra, para, com intrepidez, fazer conhecido o mis-
tério do evangelho (Efésios 6:19).
Hoje, iremos orar pelos pregadores a fim de que Deus lhes
dê sabedoria e inteligência quanto forem apresentar a men-
sagem da salvação.
MENSAGEM
Muitos jovens e adolescentes têm dificuldade para falar de
sua fé. Não se sentem capazes e assim se retraem e não teste-
munham. Mas a Bíblia tem uma promessa e uma exortação
clara para as crianças e jovens da igreja.
Deus chamou Jeremias para ser Seu porta voz, Seu profeta,
mas ele não se sentia capacitado para realizar essa obra. Je-
remias apresenta objeções, mas veja a resposta de Deus a ele
em Jeremias 1:6-10:
“Então,lhedisseeu:ah!SenhorDeus!Eisquenãoseifalar,porque
nãopassodeumacriança.MasoSenhormedisse:Nãodigas:Não
passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e
tudoquantoeutemandarfalarás.Nãotemasdiantedeles,porque
eusoucontigoparatelivrar,dizoSenhor.Depois,estendeuo
Senhoramão,tocou-menabocaeoSenhormedisse:Eis
que ponho na tua boca as minhas palavras. Olha que
hojeteconstituosobreasnaçõesesobreosreinos,para
arrancaresederribares,paradestruíresearruinares
e também para edificares e para plantares.”
1) Se Deus o chama, Ele tem um objetivo. Para Ele a idade
não é impedimento, nem tampouco a timidez.
2) Se Deus o chama, Ele também o capacita. Você pode ser
gago, lento e inexperiente, mas se Ele o estiver buscando
é porque deseja usá-lo. Deus nos usa com nossos dons
e debilidades. Aqueles que são fortes e têm consciência
disso, muitas vezes irão se apoiar em sua própria força.
3) Não busque desculpas. Não use o “mas”. Deus quer
usá-lo e deseja que você O sirva. Ele pode realizar
um milagre em sua vida e fazer de você um poderoso
mensageiro. Não permita que ninguém o menospreze.
Paulo disse a Timóteo que “o Espírito que Deus nos
deu não nos torna medrosos; pelo contrário, o Espírito
nos enche de poder e de amor e nos torna prudentes.”
(2 Timóteo 1:7, NTLH)
Que o Espírito de Deus lhe dê coragem e destemor para
pregar e falar sem medo. Não deixe de falar, pois certamente
alguém será salvo. Que Deus o abençoe.
MÃONAMASSA
Louvor: Esteja atento para que os louvores estejam relacio-
nados com o chamado de Deus para ser luz, e também moti-
vem e entusiasmem os jovens a se sentirem parte da missão.
Se preferir, convide um quarteto para a ocasião.
Testemunho: Se possível, peça que o pastor distrital ou o
ancião da igreja testemunhe de como Deus o chamou e ca-
pacitou para o serviço. Sem dúvida isso irá inspirar a muitos
jovens para ingressarem no serviço de Deus.
Oração Intercessora: Formem grupos de três pessoas para
orar. Outro grande motivo para orar é que Deus pode ajudar
a descobrir os talentos de cada pessoa. Seria bom também
fazer um apelo a todos que desejam servir ao Senhor e serem
por Ele capacitados.
Mensagem: É importante esclarecer os seguintes pontos:
1) Deus chamou a todos para servir.
2) Todos recebemos dons e talentos da parte de Deus.
3) Quando Deus nos chama, Ele nos capacita.
Será proveitoso repassar os ideais JA como selo e compro-
misso do tema. Também será excelente se você conseguir que
algum psicólogo cristão dê sugestões de como vencer a timidez.
ProvaFinal
© Wikipédia
[ Culto 4 ]
Autor: União Central Brasileira
Diversidade
culturale
racismo
“Em todo tempo ama o amigo,
e na angústia se faz o irmão”
(Provérbios 17:17).
LOUVOR
Quando eu olho pra você – CD Jovem 2007
Em família – CD Jovem 2002
Em um só coração – CD Jovem 2004
n
q
a
d
O
q
r
d
t
M
(
c
g
u
p
à
d
q
c
o
s
P
c
d
n
h
b
W
m
c
q
d
n
m
s
s
n
n
a
TESTEMUNHO
MARTIN LUTHER KING Jr. foi um importante
pastor protestante dos Estados Unidos. Ele se tornou
um dos mais destacados líderes do movimento dos
direitos civis dos negros em seu país e também no
mundo. Seu discurso e sua campanha combatiam a
violência e incentivavam o amor ao próximo.
ProvaFinal
out-dez 2015 | 15
e
e
o
,
”
.
Por combater a desigualdade racial, Martin Luther King ga-
nhou, no dia 14 de outubro de 1964, o Prêmio Nobel da Paz e
quatro anos depois foi assassinado. Ele recebeu postumamente
a Medalha Presidencial da Liberdade, em 1977 e a Medalha
de Ouro do Congresso em 2004.
ORAÇÃOINTERCESSORA
Neste momento de oração é importante pedir a Deus que
quebre as algemas do preconceito nas suas formas mais va-
riadas. Ore pedindo sabedoria para lidar bem com as pessoas
diferentes ou frente à situações desconhecidas. Que possamos
ter a coragem de defender o que é correto com respeito e amor.
MENSAGEM
“É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito”
(Albert Einstein). Entender que em Cristo somos um, faz-nos
conscientes de que preconceito é pecado. “Não há judeu nem
grego, escravo nem livre, homem nem mulher; pois todos são
um em Cristo Jesus (Gálatas 3:28).
“Mas há uma objeção ao casamento da raça branca com a
preta. Todos devem considerar que não têm o direito de trazer
à sua prole aquilo que a coloca em desvantagem; não têm o
direito de lhe dar como patrimônio hereditário uma condição
que os sujeitariam a uma vida de humilhação. Os filhos desses
casamentos mistos têm um sentimento de amargura para com
os pais que lhes deram essa herança para toda a vida” (Men-
sagens Escolhidas, vol.2, págs. 343).
PALAVRAS DE LEANDRO QUADROS – NOVO TEMPO
www.novotempo.com/namiradaverdade
O conselho que Ellen White deu no sentido de não haver
casamento entre brancos e negros, precisa ser entendido à luz
da sociedade e da cultura do século passado, particularmente
nos EUA. Naquele país o racismo era enorme. Vemos que
homens como Martin Luther King e outros tiveram que lutar
bravamente para desfazer o preconceito racial.
Entendendo a cultura da sociedade de sua época, Ellen
White, expressou algo incontestável: “que os filhos de uniões
mistas sofreriam muito”. Devido a isso ela mencionou que re-
cebeu no início de seu ministério “orientação do Senhor” de
que os pais não tinham o direito de dar aos filhos esta herança
de humilhações. Felizmente a sociedade mudou para melhor
neste aspecto de segregação racial. Hoje os filhos de casamentos
mistos não são mais objeto de tanta discriminação.
Precisamos lembrar que os escritos de qualquer pessoa,
sejam dos escritores bíblicos, seja de Ellen White, precisam
ser estudados no contexto em que eles foram produzidos. Se
não fizermos isto estaremos sendo injustos com a pessoa que
não está presente para defender-se.
Um apelo de sua pena, em 1891, seguido em 1895 e 1896 por
artigos publicados na Review and Herald, estimulou os esforços
educacionais e evangelísticos em favor dos negros e deu origem
a uma obra na qual seu próprio filho, Tiago Edson, tomou parte
ativa. Ele produziu um livro que seria usado para (1) levantar
fundos (2) ensinar analfabetos a ler e (3) ensinar as verdades bí-
blicasemlinguagemsimples.Elefaziausodeumbarco(Morning
Star) para evangelizar os descendentes dos escravos.
White estava interessada no desenvolvimento de esforços
missionários que produzisse eficientes resultados em comu-
nidades brancas e negras e enviou aos obreiros desse campo
muitas mensagens de conselho e ânimo. Além disso, ela salien-
tou de modo claro que “O nome do negro está escrito no livro
da vida, junto do nome do branco. Todos são um em Cristo. O
nascimento, a posição, nacionalidade ou cor não podem elevar
nem degradar os homens. O caráter é que faz o homem. Se
um pele-vermelha, um chinês ou africano rende o coração a
Deus em obediência e fé, Jesus não o ama menos por causa
de sua cor. Chama-lhe Seu irmão muito amado”. Além disso,
afirmou que os que “menosprezam um irmão por causa de
sua cor estão menosprezando a Cristo”.
“Se vocês de fato obedecerem à lei real encontrada na
Escritura que diz: “Ame o seu próximo como a si mesmo”,
estarão agindo corretamente. Mas se tratarem os outros com
favoritismo, estarão cometendo pecado e serão condenados
pela Lei como transgressores” (Tiago 2:8-9).
ESPÍRITODEPROFECIA
“Somos uma irmandade. Não importa qual o ganho ou a
perda, temos de agir nobre e corajosamente à vista de Deus
e de nosso Salvador. Que nós, como cristãos que aceitam
o princípio de que todos os homens, brancos e negros, são
livres e iguais, adotemos este princípio, e não sejamos co-
vardes em face do mundo, e em face dos seres celestiais...
E podemos agora, por preceito e pelo exemplo, ganhar ou-
tros para o mesmo procedimento” (Mensagens Escolhidas,
volume 2, pág. 343).
MÃONAMASSA
Louvor:Convidepessoascomorigensdiferentesparaconduzir
o momento de louvor. No intervalo entre as músicas, cada um
pode comentar alguma curiosidade ou costume de sua região.
Testemunho: Busque semelhanças entre o discurso de
Martin Luther King com o discurso de Jesus e apresente-os à
igreja de maneira interessante e dinâmica.
Oração Intercessora: Esta será uma excelente oportuni-
dade de orar pelos missionários que estão servindo a Deus ao
redor do mundo. Que Deus possa protegê-los de qualquer tipo
de preconceito e ajudá-los a adaptar-se a uma nova cultura.
Mensagem: Uma forma interessante de apresentar o as-
sunto seria imitando um programa televisivo de entrevista ou
fazendo uma mesa redonda. Os comentários e perguntas dos
presentes podem ser enviados a um jovem escolhido como
moderador via celular.
e
u
s
o
a
ProvaFinal
© Rido | Fotolia
16 | out-dez 2015
“Está a sabedoria com os
idosos, e, na longevidade, o
entendimento?” (Jó 12:12).
LOUVOR
Restaura – CD Jovem 2012
Cada Novo Dia – CD Jovem 2009
Templo Vivo - CD Jovem 2005
T
S
in
d
s
d
fo
p
A
O
c
e
q
a
d
d
M
p
f
o
t
s
M
m
m
p
s
u
m
s
fo
T
[ Culto 5 ]
Autor: Pr. Gerson Pichinao
Diretor do Ministério Jovem da MChP
Aidadedaciência
edasabedoria
ProvaFinal
out-dez 2015 | 17
TESTEMUNHO
SILVIA CONHECIA A Deus desde a infância. Ela sempre
inculcou na família o temor e a santidade de Deus. Já em ida-
de avançada, seu marido morreu e, a despeito de sua solidão,
sempre seguia servindo ao próximo, participando de reuniões
da terceira idade e frequentando a igreja, onde recobrava as
forças para sobreviver. Ela somente conseguiu suportar a dor da
perda do marido mediante o amparo de Deus e de sua família.
A Silvia sempre dizia que Deus era o único que a compreendia.
ORAÇÃOINTERCESSORA
Nosso motivo de oração é por todas as pessoas que já per-
correram grande parte desta vida e deixaram uma herança
espiritual para suas famílias. É importante orar pelos idosos
que ainda não conhecem a Jesus, a fim de que possam em breve
aprender a respeito de Deus e de Seu amor. Não se esqueçam
de também incluir na oração os jovens da igreja, pois todas as
decisões da juventude afetarão diretamente sua velhice.
MENSAGEM
Terceira idade - http://noticias.adventistas.org/pt/noticia/
projetos-sociais/igreja-cria-ministerio-adventista-para-os-de-
ficientes-visuais/ - “Ainda nesta manhã [17 de maio de 2015],
os delegados definiram que o Ministério da Terceira Idade (que
também não será um novo departamento) deixará de ser um
segmento ligado à Secretaria Executiva e sim à Associação
Ministerial. As estatísticas mostram que em torno de 11% dos
membros adventistas em oito países sul-americanos possuem
mais de 65 anos de idade. Quase 1% tem mais de 90 anos”.
A idade adulta, em especial a terceira idade, em algumas
partes do mundo, é muito valorizada. Até mesmo nos países
sem raízes cristãs, como China, o idoso é considerado como
uma pessoa com muita sabedoria e que pode ajudar muito aos
mais jovens, dando-lhes conselhos para a vida.
“O ornato dos jovens é a sua força, e a beleza dos velhos, as
suas cãs” (Provérbios 20:29). Deus pensa dos idosos de igual
forma como esse provérbio: “beleza”.
De onde vem essa inteligência, formosura e sabedoria?
Talvez alguns dirão que não no aspecto físico (o qual muitos
jovens tentam buscar a qualquer preço), mas na experiência e
na visão que têm da vida.
Quando encontramos um idoso que viveu perto de Deus, de-
vemos desfrutar ao máximo dessa pessoa, pois ela pode ser uma
grande bênção para nós. Por isso é necessário cuidar, respeitar
e valorizar aqueles que chegaram à chamada “melhor idade”.
ESPÍRITODEPROFECIA
“Também os idosos necessitam da auxiliadora influência
das famílias. Na casa de irmãos e irmãs em Cristo, é mais fácil
haver para eles como que uma compensação da perda de seu
próprio lar. Se animados a partilhar dos interesses e ocupações
domésticos, isto os ajudará a sentir que não deixaram de ser
úteis. Fazei-os sentir que seu auxílio é apreciado, que há ainda
alguma coisa para fazerem em servir a outros, e isso lhes dará
ânimo ao coração, ao mesmo tempo em que comunicará in-
teresse a sua vida” (A Ciência do Bom Viver, p. 204).
MÃONAMASSA
Louvor: Juntamente com os louvores congregacionais, será
uma grata surpresa ter um louvor musical especial apresentado
por um membro da igreja da terceira idade. Se houver a possi-
bilidade de colocar os idosos para dirigirem os momentos de
louvor e para tocar algum instrumento será excelente.
Testemunho: Busque um testemunho local, semelhante ao
do exemplo, onde se possa ver refletida a luta, as limitações e
as alegrias de um idoso. Além disso, pergunte o que de mais
valioso a vida lhe ensinou a fim de deixar um grande conselho
aos jovens adventistas da igreja local.
Oração Intercessora: Este é o momento de orarmos pelos
idosos que sofrem privações, enfermidades e solidão a fim de
que Deus os possa confortar. Oremos também para que os
jovens sejam a mão de Deus para apoiar e acompanhar esse
grupo tão especial que Deus tem em nosso meio.
Mensagem: A mensagem e a ênfase não devem ser o las-
timar as pessoas idosas, antes devem ser de respeito, cuidado
e consideração por eles. Será bom enfatizar o conselho ou as
palavras de alguma pessoa da terceira idade como parte do
encerramento do tema. Uma boa ideia é entrevistar algumas
pessoas acima de 60 ou talvez 70 anos.
ProvaFinal
© Stuart e Alfonso de Toms | Fotolia
18 | out-dez 2015
[ Culto 6 ]
Autor: Pr. Juan Fernández
Diretor do Ministério Jovem da UCh
Jesus,
um refúgio
acessível
“Fala aos filhos de Israel: Apartai
para vós outros as cidades de
refúgio de que vos falei por
intermédio de Moisés” (Josué 20:2).
O
d
ç
q
e
M
g
m
n
d
r
a
r
a
d
fo
t
LOUVOR
Fortes – CD Jovem 2013
Castelo Forte – Hinário Adventista, 33
Confiarei – CD Jovem 2011
TESTEMUNHO
“ANNE FRANK É UMA menina judia que, durante a Segunda
Guerra Mundial [1939-1945], teve de se esconder para escapar da
perseguição dos nazistas. Juntamente com outras sete pessoas, per-
maneceu escondida no anexo de um edifício situado em Amsterdã.
“Depois de mais de dois anos que permaneceram ocultos, o es-
conderijo foi descoberto e eles foram deportados para os campos de
concentração.Dosoitoescondidos,apenasopaidaAnne,OttoFrank,
sobreviveu à guerra. Depois de sua morte, Anne se tornou mundial-
mentefamosa,graçasaodiárioqueescreveuduranteotempoemque
esteve escondida”.
ProvaFinal
out-dez 2015 | 19
,
o
l
ORAÇÃOINTERCESSORA
Oremos por aqueles que sofrem abandono, perseguição e
desamparo, tanto dentro quanto fora da igreja. Não nos esque-
çamos de todos os que sofrem devido às guerras. Enfatizemos
que nossa igreja local pode ser um refúgio próximo, oportuno
e acessível para todo aquele que decida se aproximar.
MENSAGEM
Deus mandou que Josué implementasse as cidades de refú-
gio a todos os israelitas a fim de proteger os que, por acidente,
matassem alguém.
As cidades de refúgio, de acordo com os arqueólogos, ti-
nham as seguintes particularidades:
1. Elas não deveriam estar a mais de 50 km uma da outra.
2. Não deveriam ser construídas nas montanhas, mas nos
vales e planícies.
3. Três estavam situadas do lado oriental do Jordão e as
outras três, no lado ocidental.
4. As estradas de acesso às cidades deveriam ser de rápida
circulação e de boa qualidade.
5. Os acessos deveriam ser claramente assinalados.
Todas essas particularidades tinham como objetivo dar to-
das as facilidades para que o homicida conseguisse chegar ao
refúgio de forma oportuna, rápida e acessível. Isso deveria ser
assim, pois as cidades eram uma representação de Cristo, nosso
refúgio próximo, acessível e oportuno. O Salmo 59:16 se refere
a Jeová como nosso Refúgio, e assim utiliza a mesma palavra
de Josué no capítulo 20 - “Quelat”: “Eu, porém, cantarei a tua
força; pela manhã louvarei com alegria a tua misericórdia; pois
tumetenssidoaltorefúgioeproteçãonodiadaminhaangústia.”
ESPÍRITODEPROFECIA
“As cidades de refúgio designadas ao antigo povo de Deus,
eram símbolo do refúgio provido em Cristo. O mesmo Salva-
dor misericordioso que designara aquelas cidades temporais
de refúgio proveu pelo derramamento de Seu próprio sangue
aos transgressores da lei de Deus um retiro seguro, aonde po-
dem eles fugir em busca de garantia contra a segunda morte”
(Patriarcas e Profetas, p. 377).
MÃONAMASSA
Louvor: O louvor será mais proveitoso se for apoiado com
imagens de Jesus abraçando pessoas. Isso será uma boa intro-
dução para Jesus como nosso único e Grande Refúgio.
Testemunho: No site http://www.annefrank.org/pt/Si-
tewide/Languages/Portugues/ está o testemunho registrado
no diário da vida de Anne Frank. Ela deixa transparecer que,
a despeito de estar em um refúgio, há o temor, a insegurança
e as privações. Se compararmos isso com o refúgio que Jesus
nos oferece, é totalmente o contrário. Procure enfatizar as
diferenças entre os refúgios humanos e o divino.
Oração Intercessora: No momento da oração intercessora
pode-se fazer um apelo a todos os que estão fugindo de uma
situação difícil e convidá-los a virem para frente a fim de se
refugiarem em Cristo, que é nosso refúgio próximo, acessível
e oportuno.
Mensagem: No mesmo site http://www.annefrank.org/
pt/Sitewide/Languages/Portugues/ ou no Youtube é possível
encontrar materiais interessantes para serem apresentados no
programa JA. Ter o cuidado de não apresentar algo impróprio
para o momento e lugar. Na mensagem, pode-se acrescentar
o trabalho dos levitas nessas cidades – reconciliar as pessoas
com Deus e dar-lhes apoio espiritual.
a
a
-
ã.
-
e
k,
-
e
ProvaFinal
© Antonio Diaz | Fotolia
20 | out-dez 2015
[ Culto 7 ]
Autor: União Central Brasileira – Baseado no texto de
Len McMillan, Revista Diálogo Universitário, 1996
“No amor não há medo; ao contrário
o perfeito amor expulsa o medo, porque
o medo supõe castigo. Aquele que tem
medo não está aperfeiçoado no amor”
(I João 4:18).
LOUVOR
Quando Eu Amar – CD Jovem 2011
Não Há Nada Comparado – CD Jovem 2011
Deus Não se Cansa de Amar – CD Jovem 2007
m
s
r
O
“
r
q
d
q
M
t
A
t
M
t
in
g
p
S
r
r
q
n
n
o
A
v
a
a
q
v
a
c
z
t
m
c
d
D
E
a
Astrês
facesdo
amor
TESTEMUNHO
TAMMY ERA UMA jovem esposa que
agora jazia numa cama de hospital, de-
pois de uma cirurgia para remover um
tumor de seu rosto. O cirurgião seguiu
cuidadosamente a curva de seu maxilar
para esconder a cicatriz, mas e a incisão
foi profunda demais. A operação deixou
o lado direito de sua boca repuxado e seu
sorriso imóvel. Quando o médico entrou,
Tammyperguntou:“Minhabocaserásem-
pre assim”? “Sim”, respondeu o médico.
“Para remover o tumor tive de cortar os
nervos. Sinto muito”. Tammy fitou o teto.
Uma lágrima brotou de seu olho e desli-
zou silenciosamente. O marido tomou a
ProvaFinal
out-dez 2015 | 21
o
e
m
”
.
mão dela entre as suas, seus olhos se encontraram e com um
sorriso largo ele lhe assegurou amavelmente: “Meu bem, eu
realmente gosto de seu sorriso”.
ORAÇÃOINTERCESSORA
Este é o momento ideal para cada um analisar o que está
“torto” em sua própria vida. O ano de 2015 logo se finda-
rá, e é imprescindível que cada jovem ore pedindo para
que Deus faça a cirurgia necessária para que seu coração
decida amar ao Senhor e ao próximo apesar dos desafios
que a vida impõe.
MENSAGEM
Conforme a maturidade, podemos dizer que há pelo menos
três faces do amor:
A FACE “SE”
O alvo primário deste amor não é a outra pessoa. O amor “se”
tem interesse em satisfazer apenas suas próprias necessidades.
Muitos são apanhados neste impulso egoísta e reconhecem
tarde demais que foram enganados.
Wendy tinha apenas 18 anos. Seu namorado manipulou
insistentemente a relação e ela acabou cedendo. Wendy en-
gravidou e os pais do rapaz o forçaram a casar-se com ela. Ra-
pidamente ela se tornou apenas a empregada da casa e a babá.
Sua autoestima é baixa e sua vida tornou-se miserável porque
reconheceu demasiado tarde a face enganosa do amor “se”.
Tragicamente em outros tipos de relação também se ofe-
rece apenas a face “se” do amor. Harry sabia quanto seu pai
queria que ele fosse médico e estava convencido de que se ele
não conseguisse o diploma, seu pai o rejeitaria. Reprovado
no vestibular, deprimido e acreditando que seu pai não mais
o amava, o jovem suicidou-se.
A FACE “PORQUE”
Esta face parece valorizar a outra pessoa: “Eu te amo porque
você é atraente; porque você traz segurança à minha vida”, e
assim por diante. O amor “porque” oferece afagos à pessoa
amada, por outro lado, tende a promover a insegurança. Os
que são objetos do amor “porque” sentem que precisam pro-
var continuamente que são dignos de amor e receiam perder
a qualidade que os tornam amados. Amor e temor não podem
coexistir na mesma relação.
Judy era jovem, havia ganhado muitos concursos de bele-
za e era muito popular na faculdade. Um dia, ao trabalhar na
tinturaria de seu pai, um fluido inflamável explodiu e quei-
mou seu rosto. Pouco depois do acidente seu noivo rompeu o
compromisso. Seus pais não podiam contemplar sua “rainha
da beleza” desfigurada e raramente a visitavam no hospital.
Dentro de poucos meses Judy faleceu. Não de complicações.
Ela simplesmente desistiu de viver, pois a razão porque era
amada foi-lhe tirada. Sua beleza se foi.
A FACE “APESAR DE”
Esta espécie de amor simplesmente ama, pois não é ba-
seada em motivação egoísta, não espera nada em troca.
Também não depende do aspecto atrativo da outra pessoa e
descobre valor infinito em um ser finito. A expressão máxi-
ma deste amor é Jesus, que ama cada um de nós de maneira
incondicional. “Deus prova seu próprio amor para conosco,
pelo fato de Cristo ter morrido por nós, sendo nós ainda
pecadores” (Romanos 5:8).
Jesus não trouxe uma face do amor que diz: “Eu o amarei
se você for uma boa pessoa”, ou “Eu o amo porque você
vai à igreja cada semana.” Isto não mede o amor de Deus
por nós. Deus não espera até merecermos ser amados. Não
há “se” nem “porque” no amor de Deus. Ele simplesmente
ama! Deus é amor!
ESPÍRITODEPROFECIA
“Necessitamos... falar dos preciosos capítulos em nossa ex-
periência, sobre a misericórdia e amorável bondade de Deus,
as incomparáveis profundezas do amor do Salvador. Quando
a mente e o coração estão cheios do amor de Deus, não será
difícil partilhar aquilo que faz parte da vida espiritual. Grandes
pensamentos, nobres aspirações, clara percepção da verdade,
propósitosaltruístas,anelosdepiedadeesantidade,encontrarão
expressão em palavras que revelem a qualidade dos tesouros
do coração”. Vidas que Falam, pág. 242.
MÃONAMASSA
Louvor: Reforçar o amor de Deus por cada um de nós; este
é o objetivo deste momento de louvor. Não deixe que ninguém
fique sozinho nas fileiras da igreja. Todos devem estar sentados
perto de alguém e desfrutar da companhia de seu próximo.
Testemunho: Não é extraordinário saber que Deus ainda
nos ama apesar de nosso “sorriso torto”? Dê aos jovens alguns
minutos para pensar que tipo de amor estão oferecendo à sua
família, aos amigos, à igreja e, principalmente, a Jesus. Busque
testemunhos de pessoas que tomaram boas e sábias decisões
apesar de um contexto desfavorável.
Oração Intercessora: Todos devem receber uma caneta e
um papel dobrado ao meio. Com base no texto: “Assim como
eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros” (João
13:34), de um lado cada um deve escrever as vitórias que fo-
ram alcançadas neste ano. Ao lado devem escrever os desafios
que, juntamente com Deus, buscarão superar no ano seguinte.
Orem individualmente.
Mensagem: “Pois estou convencido de que nem morte
nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o
futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade,
nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos sepa-
rar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor”
(Romanos 8:38 e 39). Realize um debate: Que face do amor
você prefere?
s
o
r
e
-
m
u
r
o
u
u
u,
-
o.
s
o.
-
a
ProvaFinal
© George Doyle | Stockbyte
22 | out-dez 2015
[ Culto 8 ]
Autor: União Central Brasileira
Eumeamo!
“Ele levanta do pó o necessitado e ergue
do lixo o pobre, para fazê-los sentar-se
com príncipes, com os príncipes do seu
povo” (Salmos 113:7-8).
LOUVOR
Refrigera Minha Alma – CD Jovem 1999
Jesus, Muito Obrigado – CD Jovem 2000
O Melhor Lugar do Mundo – CD Jovem 2003
T
A
e
s
P
t
d
c
n
s
A
O
o
-
m
R
ProvaFinal
out-dez 2015 | 23
!
e
e
u
.
TESTEMUNHO
A JUVENTUDE RELIGIOSAMENTE ativa têm níveis mais
elevados de autoestima do que seus pares que não são religio-
sos, de acordo com um estudo apresentado pela American
Psychological Association. O envolvimento religioso parece
ter o maior impacto sobre como os adolescentes se avaliam,
disseram os pesquisadores.
O estudo demonstrou que os jovens religiosos são mais
confiantes em suas habilidades, enquanto os adolescentes que
não estão envolvidos em atividades religiosas são propensos a
sentir que não têm muito do que se “orgulhar” (Texto adaptado.
Ansel Oliver/ANN).
ORAÇÃOINTERCESSORA
Neste mundo, há muitas pessoas oprimidas. Foi dito
a elas, verbalmente ou não, que eram preguiçosas, que
eram burras, que não seriam nada na vida, que não
tinham qualquer tipo de beleza exterior, etc., e elas
passaram a acreditar nisso. Essas pessoas também
estão dentro da nossa igreja. Escolha dois jovens que
façam uma oração por todos os que sofrem com sua
baixa autoestima. Orem para que Deus restaure o valor
e o amor próprio de cada pessoa, e que nos use como
instrumentos na tarefa de valorizar o nosso próximo.
MENSAGEM
De acordo com o dicionário Aurélio, autoestima é o “apreço
ou valorização que uma pessoa confere a si própria, permitindo-
-lhe ter confiança nos próprios atos e pensamentos”.
Em Salmos 139:14 lemos: “Eu te louvo porque me fizeste de
modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas”. Em
Romanos 5:8, “Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo
morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores”.
Além destes textos, quando lemos o verso bíblico “Ama-
rás o próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:39), é
possível compreender realmente que só podemos
querer bem aos outros se apreciarmos e valori-
zarmos a nós mesmos.
“Quandocontemploosteuscéus,obrados
teusdedos,aluaeasestrelasquealifirmaste,
pergunto:Queéohomem,paraquecom
ele te importes? E o filho do homem,
para que com ele te preocupes? Tu o
fizeste um pouco menor do que os
seres celestiais e o coroaste de glória e de honra” (Salmos 8:3-5).
“Ninguémtemopoderdedeterminaroquevoupensardemim
mesmo. O Deus que nos deu a vida deu-nos, ao mesmo tempo,
liberdade”, Nathaniel Branden.
“Não se vendem cinco pardais por duas moedinhas? Con-
tudo, nenhum deles é esquecido por Deus. Até os cabelos da
cabeça de vocês estão todos contados. Não tenham medo; vocês
valem mais do que muitos pardais.” (Lucas 12:6-7). Para Deus
você é muito especial, mas se você não se amar e autovalorizar,
quem poderá fazê-lo por você?
ESPÍRITODEPROFECIA
“Ele [Deus] deseja que o homem, a obra prima de Seu po-
der criador, atinja o desenvolvimento mais elevado possível.
Propõe-nos a altura da bênção à qual nos deseja levar, por
meio de Sua graça. Convida-nos a entregar-nos a Ele, a fim
de que possa efetuar em nós a Sua vontade. A nós compete
escolher se queremos ser libertados da escravidão do pecado,
para participar da gloriosa liberdade dos filhos de Deus” (Ca-
minho a Cristo, pág. 44).
MÃONAMASSA
Louvor: Durante o momento de louvor a congregação deve
ser orientada a pensar nos cuidados de Deus para com cada um,
o livramento e a proteção que Ele proporciona diariamente, e
nas bênçãos que o Senhor nos dá por amar-nos como somos.
Testemunho: Conclua esta parte com uma pequena repre-
sentação - Um nativo africano, de estatura muito baixa, ficou
espantado quando alguém o aconselhou a fazer sapatos com
plataforma alta para disfarçar sua altura, mas ele declarou:
“Foi Deus que me fez assim”. Isto é aceitação própria. Quando
nos amamos e nos aceitamos como somos, podemos aceitar
e amar a outra pessoa tal como é.
Oração Intercessora: Antes de orar prepare uma dinâmica
onde cada um dos presentes possa escrever uma coisa positiva
sobre alguém também presente. Será uma maneira especial de
elevar o moral de todos.
Mensagem: No YouTube você vai encontrar várias opções
de vídeos baseados no livro de Leonardo Boff, A Águia e a Ga-
linha. A TV Novo Tempo também aborda o tema sob várias
perspectivas. Conclua o culto jovem reforçando que “o homem
é obra das mãos de Deus, Sua obra-prima, criada para elevado
e santo desígnio” (Temperança, pág. 142).
ProvaFinal
© Warren Goldswain e Ra2 studio | Fotolia
24 | out-dez 2015
[ Culto 9 ]
Autor: União Central Brasileira
Vivabem
“... Eu vim para
que tenham vida, e a
tenham plenamente”
(João 10:10).
LOUVOR
Vem Espírito Santo – CD Jovem 2013
Restaura – CD Jovem 2012
Eu posso todas as coisas – CD Jovem 2010
T
“A
B
r
im
h
d
d
e
d
d
n
f
f
a
O
t
r
c
c
e
M
u
h
s
n
m
d
S
s
p
im
ProvaFinal
out-dez 2015 | 25
a
a
”
).
TESTEMUNHO
“A SAÚDE É o sonho tanto de ricos quanto de pobres. O Dr.
Ben Carson, célebre neurocirurgião, relata: Quando eu fazia
residência médica no Hospital Johns Hopkins, ficava muito
impressionado com o status dos pacientes que via internados,
havia muitos chefes de estado, membros da realeza e diretores
de grandes organizações. Vários deles estavam morrendo de
doenças terríveis e alegremente abririam mão de todos os títulos
e de cada centavo que possuíam para que a saúde ficasse em
dia. Isso realmente coloca em perspectiva aquilo que importa
de verdade na vida”...
Precisamos investir na conservação da boa saúde, em vez de
nos preocuparmos apenas quando algo a ameaça. E, quando
falamos em saúde, devemos pensar em todas as dimensões:
física, mental e espiritual. Nosso dever é otimizar esses três
aspectos” (Viva com Esperança, pág. 6 e 7).
ORAÇÃOINTERCESSORA
O Senhor anseia que vivamos a vida em sua plenitude e que
tenhamos a consciência de que o nosso corpo é templo do Espí-
rito Santo. A intemperança embota a mente e dificulta a nossa
comunhão. Oremos para que cada um possa viver de maneira
coerente com a verdade que conhece. Oremos pelas pessoas
enfermas e para que Deus nos use como canais de bênçãos.
MENSAGEM
Aproveite esta linda descrição de Ellen White para fazer
uma dramatização sem diálogos, somente com o narrador:
“Muitos dos que iam ter com Cristo em busca de auxílio,
haviam trazido sobre si a enfermidade; todavia, Ele não Se recu-
sava a curá-los. E quando a virtude que dEle provinha penetrava
nessas pessoas, elas experimentavam a convicção do pecado, e
muitos eram curados de sua enfermidade espiritual, bem como
da doença física. Entre esses estava o paralítico de Cafarnaum...
Sua doença era o resultado de uma vida pecaminosa, e seus
sofrimentos eram amargurados pelo remorso. Em vão apelara
para os fariseus e os doutores em busca de alívio... O paralítico
imergira no desespero. Ouviu então contar as obras de Jesus.
Outros, tão pecadores e desamparados como ele, haviam sido
curados, e foi animado a crer que também ele o poderia ser, se
fosse levado ao Salvador. Sua esperança quase se desvaneceu
ao lembrar-se da causa de seu mal, todavia não podia rejeitar
a possibilidade da cura.
Seu grande desejo era o alívio do grande fardo do pecado.
Ansiava ver a Jesus, e receber a certeza do perdão e a paz com
o Céu. Então estaria contente de viver ou morrer, segundo a
vontade de Deus. Não havia tempo a perder... Suplicou aos
amigos que o conduzissem em seu leito a Jesus... Tão compacta
era, porém, a multidão que se aglomerara dentro e em volta da
casa em que estava o Salvador, que era impossível ao doente e
seus amigos chegarem até Ele, ou mesmo pôr-se-Lhe ao alcan-
ce da voz... Por sugestão sua, os amigos o suspenderam para o
telhado da casa e, abrindo o teto, baixaram-no aos pés de Jesus.
O discurso foi interrompido. O Salvador contemplou a dolo-
rosa fisionomia, e viu os olhos súplices nEle cravados... Agora,
em palavras que soavam qual música aos ouvidos atentos do
enfermo, o Salvador disse: “Filho, tem bom ânimo; perdoados
te são os teus pecados”. Mateus 9:2. O peso da culpa cai da alma
do doente... As palavras de Cristo revelam Seu poder de ler o
coração. Quem pode negar Seu poder de perdoar pecados?...
Desaparece o sofrimento físico do homem, e todo o seu ser se
acha transformado. Sem mais nada pedir, repousa em tranquilo
silêncio, demasiado feliz para falar...
Mas os fariseus, receosos de perder a influência para com
o povo, diziam em seu coração: “Por que diz este assim blas-
fêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Deus?” Marcos
2:7. Fixando neles o olhar, sob o qual se intimidaram e retro-
cederam, Jesus disse: “Por que pensais mal em vosso coração?
Pois o que é mais fácil? Dizer ao paralítico: Perdoados te são
os teus pecados, ou: Levanta-te e anda? Ora, para que saibais
que o Filho do Homem tem na Terra autoridade para perdoar
pecados”, disse Ele voltando-Se para o paralítico: “Levanta-te,
toma a tua cama e vai para tua casa”. Mateus 9:4-6. Então aque-
le que havia sido levado num leito a Jesus pôs-se de pé com a
elasticidade e a força de um jovem. E “tomando logo o leito,
saiu em presença de todos, de sorte que todos se admiraram
e glorificaram a Deus”. Marcos 2:12.
ProvaFinal
26 | out-dez 2015
... A cura do corpo era uma evidência do poder que reno-
vara o coração. Cristo mandou que o paralítico se erguesse e
andasse, “para que saibais”, disse Ele, “que o Filho do Homem
tem na Terra autoridade para perdoar pecados”. Mateus 9:6.
O paralítico encontrou em Cristo tanto a cura da alma co-
mo a do corpo. Ele necessitava saúde da alma antes de poder
apreciar a do corpo. Antes de poder ser curada a enfermidade
física, Cristo precisava dar alívio à mente, e purificar a alma do
pecado. Essa lição não deve ser passada por alto... Não podem
encontrar alívio enquanto não forem ter com o Médico da
alma. A paz que tão-somente Ele pode comunicar restituiria
vigor à mente e saúde do corpo...
Grande regozijo houve na casa do paralítico quando ele
voltou... levando com facilidade o leito em que fora penosa-
mente conduzido... Reuniram-se ao seu redor com lágrimas
de alegria, mal ousando crer no que seus olhos viam... Aqueles
braços que antes estavam sem vida, achavam-se agora prontos
a obedecer-lhe à vontade... Ele caminhava com passo firme e
desembaraçado... Alegres ações de graças subiram daquele lar,
e Deus foi glorificado por meio de Seu Filho, que restituíra a
esperança ao destituído dela, e força ao abatido. Esse homem
e sua família estavam prontos a dar a vida por Jesus. Nenhuma
dúvida ofuscava sua fé; nenhuma descrença lhes prejudicava
a fidelidade para com Aquele que lhes trouxera luz ao ensom-
brado lar.” (Ciência do Bom Viver, capítulo 5).
ESPÍRITODEPROFECIA
Ar puro, luz solar, abstinência, repouso, exercício, regime
conveniente, uso de água e confiança no poder divino - eis
os verdadeiros remédios (A Ciência do Bom Viver, pág. 127).
MÃONAMASSA
Louvor: Aproveite os intervalos entre cada música para
contar breves histórias de cura ou de pessoas que conheceram
a igreja através da mensagem de saúde.
Testemunho: Ao final desta parte, peça para que algumas
pessoas comentem e relacionem com o tema da saúde os
seguintes versículos: Mateus 11:28, 1 Pedro 5:7, Isaías 41:10,
Daniel 1:8.
Oração Intercessora: Os presentes devem ser divididos em
8 grupos, cada um representando um dos remédios naturais.
Durante o culto jovem cada grupo terá um momento para
uma breve oração. Fazendo um rodízio, todos poderão refle-
tir e orar sobre o que precisam melhorar na sua vida e como
podem ajudar a alguém que precise daquele remédio natural.
Mensagem: Não se esqueça de ensaiar bem antes de apre-
sentar a dramatização sugerida. Escolha um narrador que leia
bem, dando um brilho especial à história. Os jovens podem
promover uma Feira de Saúde depois desta programação.
ProvaFinal
-
e
m
-
r
e
o
m
a
a
e
-
s
s
s
e
r,
a
m
a
a
-
e
s
.
a
m
s
s
0,
m
s.
a
-
o
l.
-
a
m
ProvaFinal
© Marcel | Fotolia
28 | out-dez 2015
NataléJesus
“Porque um menino nos
nasceu, um filho se nos deu;
o governo está sobre os seus
ombros; e o seu nome será:
Maravilhoso Conselheiro,
Deus Forte, Pai da Eternidade,
Príncipe da Paz.” (Isaías 9:6).
LOUVOR
Não Há Alguém – CD Jovem 2014
Sempre de Jesus – CD Jovem 2005
A Única Esperança- CD Jovem 2014
O
J
t
t
fa
c
e
M
n
q
o
p
m
q
n
D
p
o
t
s
e
r
e
u
r
g
o
D
g
v
O
lh
p
n
m
p
p
v
[ Culto 10 ]
Autor: Pr. Miguel Angel Victoriano
Pastor distrital - MChP
TESTEMUNHO
O COLÉGIO ADVENTISTA La Cisterna, Chile,
realizou em 2013 a campanha Mutirão de Natal, cujo
objetivo foi arrecadar alimentos não perecíveis, roupas
e brinquedos para as famílias carentes.
O programa de encerramento contou com a par-
ticipação de professores, alunos e representantes do
centro de estudos. Também participaram da atividade
representantes destacados da comunidade, além de
autoridades trazidas pelas diferentes equipes parti-
cipantes.
Com comissões organizadas, divididos em quatro
equipes, foram arrecadados quase 2.000 kg de alimen-
tos não perecíveis, destinados às famílias carentes.
Sem dúvida, essa será uma experiência marcante para
as crianças e jovens que passam a ter mais compaixão
pelas pessoas carentes.
ProvaFinal
out-dez 2015 | 29
ORAÇÃOINTERCESSORA
Oremos para que neste natal nos lembremos de que sem
Jesus essas festas não têm sentido. Ele é que deve estar no cen-
tro da celebração e também no centro de nossa vida, durante
todos os dias do ano.
Orar pelas pessoas necessitadas, que vivem nas ruas, e pelas
famílias pobres é também excelente forma de encher o coração
com o amor de Deus e, a partir disso, realizar algo concreto
em favor dessas pessoas.
MENSAGEM
Enquanto Miguel terminava de montar a árvore de Natal
na sala de sua casa, podia-se ouvir da cozinha os antigos jingles
que soavam no velho rádio a pilhas, que a mamãe tinha sobre
o refrigerador. Que linda era essa data. Parecia que todos os
problemas da casa se desvaneciam e apenas reinava uma at-
mosfera de paz e felicidade.
Já estava quase tudo pronto e apenas faltava colocar a estrela
quando surgiu um problema. A árvore era muito alta e Miguel
não alcançava a sua ponta. Então ele pediu a ajuda de seu irmão
Davi para erguê-lo a fim de poder alcançar a ponta da árvore.
Pouco depois, ao redor da mesa estava toda a família pronta
para desfrutar de uma deliciosa ceia de natal. Pouco antes de
orarem agradecendo a Deus pelos alimentos o papai pergun-
tou ao Miguel o que mais ele gostava a respeito do Natal. Um
sorriso se desenhou no rosto do menino enquanto olhava de
esguio para debaixo da árvore que estava diante da mesa, e
respondeu: “Eu gosto dos presentes. Sem dúvida é disso que
eu mais gosto. Os presentes”.
Não é incrível que na data em que o mundo diz recordar
um acontecimento tão transcendente para seu destino, que
relembra o ato de generosidade jamais visto, seja dedicada à
gratificação pessoal e à satisfação do egoísmo?
Se há um espírito que deve reinar no Natal é o de dar, o de
oferecer, o de negar a si mesmo em favor dos demais. “Porque
Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho uni-
gênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a
vida eterna” (João 3:16).
Dar foi a maior manifestação de Deus para o ser humano.
O Senhor deu o que de mais valioso possuía: Seu próprio Fi-
lho. O espírito do Natal é doar, presentear. Mas que tipo de
presente? O presente de que estou falando não está à venda
nas lojas do bairro nem tampouco nos grandes shoppings do
mundo. Ainda, não haveria quantia suficiente de dinheiro
para pagar por ele. É muito mais, é o único presente que pode
preencher nossos mais profundos anelos. Alguém disse certa
vez a respeito de nossa maior necessidade:
- Se nossa maior necessidade fosse a informação, Deus nos
teria enviado um educador.
- Se nossa maior necessidade fosse a tecnologia, Deus nos
teria enviado um cientista.
- Se nossa maior necessidade fosse dinheiro, Deus nos teria
enviado um economista.
- Se nossa maior necessidade fosse os prazeres, Deus nos
teria enviado um animador de festas.
- Porém, nossa maior necessidade é de perdão e, assim
sendo, Deus nos enviou o Salvador. Jesus Cristo é o Salvador
do Mundo, o maior presente que podemos receber e também
dar neste Natal. Não gaste sua energia em vão. Neste Natal
você pode receber Jesus em seu coração e compartilhá-Lo
com seus queridos.
ESPÍRITODEPROFECIA
“A juventude deve ser tratada com muito cuidado. Não
devem ser deixados no Natal a buscar seus próprios diverti-
mentos em prazeres vãos, em diversões que lhes rebaixarão
a espiritualidade. Os pais podem controlar esta questão vol-
tando a mente e as ofertas dos filhos para Deus e Sua causa e
a salvação de almas” (O Lar Adventista, p. 478).
MÃONAMASSA
Louvor: Os momentos de louvor que antecedem o início
do programa podem ser feitos com os hinos do Hinário Ad-
ventista alusivos ao Natal. Na medida do possível, incentiva-
mos que os momentos de louvor sejam acompanhados por
diversos instrumentos musicais, ao vivo. Estaremos assim
apoiando a participação de mais jovens e desenvolvendo
seus talentos.
Testemunho: Graças às campanhas do Mutirão de Natal,
promovidas pela ADRA, não faltam histórias de igrejas e de
escolas adventistas que se envolveram com muita dedicação e
conseguiram beneficiar muitas famílias carentes na América
do Sul. Fazer um cartaz com notícias de toda a Divisão será
uma forma interessante de incentivar a unidade da igreja em
favor do próximo.
Oração Intercessora: Como já sabemos, este deve ser
um momento muito solene. Seria bom preparar caixinhas
de presentes, bem enfeitadas para cada um dos irmãos que
comparecerem. Eles deverão incluir na caixa o nome de algum
familiar ou amigo a quem desejam trazer para Jesus, como um
presente para nosso Senhor. As caixas devem ser fechadas e
então, feita a oração por esses nomes.
Mensagem: Se preferir, dramatize a história acima trocando
o final, com Miguel falando a respeito da alegria que sente em
compartilhar os presentes com as crianças carentes.
e,
o
s
-
o
e
e
-
o
-
s.
a
o
ProvaFinal
ProvaFinal
ProvaFinal
Ação Jovem 4trimestre 2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Carta Convite aos Não-Crentes
Carta Convite aos Não-CrentesCarta Convite aos Não-Crentes
Carta Convite aos Não-Crentes
Cristian Carvalho
 
Apostila curso capacitacao 2007
Apostila curso capacitacao 2007Apostila curso capacitacao 2007
Apostila curso capacitacao 2007
Mauro RS
 
Formação animadores(as) CEBs _2015
Formação animadores(as)  CEBs _2015Formação animadores(as)  CEBs _2015
Formação animadores(as) CEBs _2015
Bernadetecebs .
 
PROGRAMA JA PRONTO
PROGRAMA JA PRONTOPROGRAMA JA PRONTO
PROGRAMA JA PRONTO
Karla Daniele Souza
 
Formação sobre Dízimo
Formação sobre DízimoFormação sobre Dízimo
Formação sobre Dízimo
mbsilva1971
 
Rede de Pastoreio
Rede de PastoreioRede de Pastoreio
Rede de Pastoreio
uniaolestebrasileira
 
Os desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digitalOs desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digital
Aline Amaro da Silva
 
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPNovena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Bernadetecebs .
 
Revista ebf 2016
Revista ebf 2016Revista ebf 2016
Revista ebf 2016
Diego Quintanilha
 
Reavivamento e reforma no casamento - Ministério da Família, Igreja Adventista
Reavivamento e reforma no casamento  - Ministério da Família, Igreja AdventistaReavivamento e reforma no casamento  - Ministério da Família, Igreja Adventista
Reavivamento e reforma no casamento - Ministério da Família, Igreja Adventista
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Grupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e VidaGrupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e Vida
Grupo Adv Jovem
 
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPNovena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Bernadetecebs .
 
AGENDA INSTITUCIONAL
AGENDA INSTITUCIONALAGENDA INSTITUCIONAL
AGENDA INSTITUCIONAL
Agencia de Propaganda Rodrigues
 
Livreto CEBs - Comunidade: Igreja de todos e para todos
Livreto CEBs  - Comunidade:  Igreja de todos e para todosLivreto CEBs  - Comunidade:  Igreja de todos e para todos
Livreto CEBs - Comunidade: Igreja de todos e para todos
Bernadetecebs .
 
Lição 08 Educação Cristã Responsabilidade dos Pais.
Lição 08 Educação Cristã Responsabilidade dos Pais.Lição 08 Educação Cristã Responsabilidade dos Pais.
Lição 08 Educação Cristã Responsabilidade dos Pais.
ebddenice
 
Roteiro de encontros da cf2012 para grupos de jovens
Roteiro de encontros da cf2012 para grupos de jovensRoteiro de encontros da cf2012 para grupos de jovens
Roteiro de encontros da cf2012 para grupos de jovens
pastoraldajuventudedors
 
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Brasil)
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Brasil)Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Brasil)
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Brasil)
Isaac Marcos
 
Capedin 15 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DO DEPARTAMENTO INFANTIL...
Capedin 15 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DO DEPARTAMENTO INFANTIL...Capedin 15 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DO DEPARTAMENTO INFANTIL...
Capedin 15 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DO DEPARTAMENTO INFANTIL...
MARILENE RANGEL
 
Visita nos lares
Visita nos laresVisita nos lares
Visita nos lares
LUIZ GUSTAVO Souza Paula
 
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBDPLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
Ednaldo Santos de Jesus
 

Mais procurados (20)

Carta Convite aos Não-Crentes
Carta Convite aos Não-CrentesCarta Convite aos Não-Crentes
Carta Convite aos Não-Crentes
 
Apostila curso capacitacao 2007
Apostila curso capacitacao 2007Apostila curso capacitacao 2007
Apostila curso capacitacao 2007
 
Formação animadores(as) CEBs _2015
Formação animadores(as)  CEBs _2015Formação animadores(as)  CEBs _2015
Formação animadores(as) CEBs _2015
 
PROGRAMA JA PRONTO
PROGRAMA JA PRONTOPROGRAMA JA PRONTO
PROGRAMA JA PRONTO
 
Formação sobre Dízimo
Formação sobre DízimoFormação sobre Dízimo
Formação sobre Dízimo
 
Rede de Pastoreio
Rede de PastoreioRede de Pastoreio
Rede de Pastoreio
 
Os desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digitalOs desafios da evangelização na era digital
Os desafios da evangelização na era digital
 
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SPNovena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
Novena de Natal 2014 - CEBs - Diocese de São José dos Campos - SP
 
Revista ebf 2016
Revista ebf 2016Revista ebf 2016
Revista ebf 2016
 
Reavivamento e reforma no casamento - Ministério da Família, Igreja Adventista
Reavivamento e reforma no casamento  - Ministério da Família, Igreja AdventistaReavivamento e reforma no casamento  - Ministério da Família, Igreja Adventista
Reavivamento e reforma no casamento - Ministério da Família, Igreja Adventista
 
Grupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e VidaGrupo Adoração e Vida
Grupo Adoração e Vida
 
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SPNovena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
Novena de Natal 2015 CEBs - Diocese de São josé dos Campos - SP
 
AGENDA INSTITUCIONAL
AGENDA INSTITUCIONALAGENDA INSTITUCIONAL
AGENDA INSTITUCIONAL
 
Livreto CEBs - Comunidade: Igreja de todos e para todos
Livreto CEBs  - Comunidade:  Igreja de todos e para todosLivreto CEBs  - Comunidade:  Igreja de todos e para todos
Livreto CEBs - Comunidade: Igreja de todos e para todos
 
Lição 08 Educação Cristã Responsabilidade dos Pais.
Lição 08 Educação Cristã Responsabilidade dos Pais.Lição 08 Educação Cristã Responsabilidade dos Pais.
Lição 08 Educação Cristã Responsabilidade dos Pais.
 
Roteiro de encontros da cf2012 para grupos de jovens
Roteiro de encontros da cf2012 para grupos de jovensRoteiro de encontros da cf2012 para grupos de jovens
Roteiro de encontros da cf2012 para grupos de jovens
 
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Brasil)
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Brasil)Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Brasil)
Aqui tem jovem, aqui tem fogo! (MJ Brasil)
 
Capedin 15 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DO DEPARTAMENTO INFANTIL...
Capedin 15 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DO DEPARTAMENTO INFANTIL...Capedin 15 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DO DEPARTAMENTO INFANTIL...
Capedin 15 CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA PROFESSORES DO DEPARTAMENTO INFANTIL...
 
Visita nos lares
Visita nos laresVisita nos lares
Visita nos lares
 
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBDPLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
PLANO DE AULA PARA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL - EBD
 

Destaque

Cidadãos do Reino Eterno
Cidadãos do Reino EternoCidadãos do Reino Eterno
Cidadãos do Reino Eterno
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Proverbios sobre padres e hijos
Proverbios sobre padres e hijosProverbios sobre padres e hijos
Proverbios sobre padres e hijos
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Igreja Adventista e Novo Tempo
Igreja Adventista e Novo TempoIgreja Adventista e Novo Tempo
Igreja Adventista e Novo Tempo
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
18 El 666 la marca de la muerte del imperio
18 El 666 la marca de la muerte del imperio18 El 666 la marca de la muerte del imperio
18 El 666 la marca de la muerte del imperio
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Culto Familiar - Ministério da Família, Igreja Adventista
Culto Familiar - Ministério da Família, Igreja AdventistaCulto Familiar - Ministério da Família, Igreja Adventista
Culto Familiar - Ministério da Família, Igreja Adventista
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Proverbios - Serie de Estudios para Grupos Pequeños
Proverbios - Serie de Estudios para Grupos PequeñosProverbios - Serie de Estudios para Grupos Pequeños
Proverbios - Serie de Estudios para Grupos Pequeños
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Presentacion
PresentacionPresentacion
Presentacion
Liliana Alarcon
 
Caaguazu Paraguay federico gomez
Caaguazu Paraguay federico gomezCaaguazu Paraguay federico gomez
Caaguazu Paraguay federico gomez
fede12354
 
Segundo examen parcial UAA TICS
Segundo examen parcial UAA TICSSegundo examen parcial UAA TICS
Segundo examen parcial UAA TICS
fede12354
 
Apresentação Revistas JUERP 1T11
Apresentação Revistas JUERP 1T11Apresentação Revistas JUERP 1T11
Apresentação Revistas JUERP 1T11
JUERP
 
Unión Paraguaya
Unión ParaguayaUnión Paraguaya
Dgeec atlas caaguazu censo 2002
Dgeec atlas caaguazu censo 2002Dgeec atlas caaguazu censo 2002
Dgeec atlas caaguazu censo 2002
JoseDomingoOcampos
 
Departamento Caaguazu su historia y cultura.
Departamento Caaguazu su historia y cultura.Departamento Caaguazu su historia y cultura.
Departamento Caaguazu su historia y cultura.
Universidad Autonoma de Asuncion
 
8 Revelacion del engaño
8 Revelacion del engaño8 Revelacion del engaño
8 Revelacion del engaño
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Programa Multiplicando Esperanza para el 9 de Agosto
Programa Multiplicando Esperanza para  el 9 de AgostoPrograma Multiplicando Esperanza para  el 9 de Agosto
Programa Multiplicando Esperanza para el 9 de Agosto
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Estudos #14: Meu melhor amigo | Igreja Adventista
Estudos #14: Meu melhor amigo | Igreja AdventistaEstudos #14: Meu melhor amigo | Igreja Adventista
Estudos #14: Meu melhor amigo | Igreja Adventista
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Acción Joven 4to Trimestre 2015
Acción Joven 4to Trimestre 2015Acción Joven 4to Trimestre 2015
Acción Joven 4to Trimestre 2015
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Revista Conectado
Revista ConectadoRevista Conectado

Destaque (20)

DiTema:11 Celebracion - Escuela de Esperanza
DiTema:11 Celebracion - Escuela de EsperanzaDiTema:11 Celebracion - Escuela de Esperanza
DiTema:11 Celebracion - Escuela de Esperanza
 
Cidadãos do Reino Eterno
Cidadãos do Reino EternoCidadãos do Reino Eterno
Cidadãos do Reino Eterno
 
Proverbios sobre padres e hijos
Proverbios sobre padres e hijosProverbios sobre padres e hijos
Proverbios sobre padres e hijos
 
Igreja Adventista e Novo Tempo
Igreja Adventista e Novo TempoIgreja Adventista e Novo Tempo
Igreja Adventista e Novo Tempo
 
18 El 666 la marca de la muerte del imperio
18 El 666 la marca de la muerte del imperio18 El 666 la marca de la muerte del imperio
18 El 666 la marca de la muerte del imperio
 
Culto Familiar - Ministério da Família, Igreja Adventista
Culto Familiar - Ministério da Família, Igreja AdventistaCulto Familiar - Ministério da Família, Igreja Adventista
Culto Familiar - Ministério da Família, Igreja Adventista
 
Proverbios - Serie de Estudios para Grupos Pequeños
Proverbios - Serie de Estudios para Grupos PequeñosProverbios - Serie de Estudios para Grupos Pequeños
Proverbios - Serie de Estudios para Grupos Pequeños
 
Presentacion
PresentacionPresentacion
Presentacion
 
Caaguazu Paraguay federico gomez
Caaguazu Paraguay federico gomezCaaguazu Paraguay federico gomez
Caaguazu Paraguay federico gomez
 
Segundo examen parcial UAA TICS
Segundo examen parcial UAA TICSSegundo examen parcial UAA TICS
Segundo examen parcial UAA TICS
 
Apresentação Revistas JUERP 1T11
Apresentação Revistas JUERP 1T11Apresentação Revistas JUERP 1T11
Apresentação Revistas JUERP 1T11
 
Unión Paraguaya
Unión ParaguayaUnión Paraguaya
Unión Paraguaya
 
Dgeec atlas caaguazu censo 2002
Dgeec atlas caaguazu censo 2002Dgeec atlas caaguazu censo 2002
Dgeec atlas caaguazu censo 2002
 
Departamento Caaguazu su historia y cultura.
Departamento Caaguazu su historia y cultura.Departamento Caaguazu su historia y cultura.
Departamento Caaguazu su historia y cultura.
 
8 Revelacion del engaño
8 Revelacion del engaño8 Revelacion del engaño
8 Revelacion del engaño
 
Programa Multiplicando Esperanza para el 9 de Agosto
Programa Multiplicando Esperanza para  el 9 de AgostoPrograma Multiplicando Esperanza para  el 9 de Agosto
Programa Multiplicando Esperanza para el 9 de Agosto
 
Estudos #14: Meu melhor amigo | Igreja Adventista
Estudos #14: Meu melhor amigo | Igreja AdventistaEstudos #14: Meu melhor amigo | Igreja Adventista
Estudos #14: Meu melhor amigo | Igreja Adventista
 
Acción Joven 4to Trimestre 2015
Acción Joven 4to Trimestre 2015Acción Joven 4to Trimestre 2015
Acción Joven 4to Trimestre 2015
 
Revista Conectado
Revista ConectadoRevista Conectado
Revista Conectado
 
7 Caracteristicas del Pueblo Remanente
7 Caracteristicas del Pueblo Remanente7 Caracteristicas del Pueblo Remanente
7 Caracteristicas del Pueblo Remanente
 

Semelhante a Ação Jovem 4trimestre 2015

Aprenda como emagrecer rápido sem sair de casa
Aprenda como emagrecer rápido sem sair de casaAprenda como emagrecer rápido sem sair de casa
Aprenda como emagrecer rápido sem sair de casa
liviaoliveira94
 
Jornal Outubro
Jornal OutubroJornal Outubro
Jornal Outubro
mcj2013
 
Boletim 587 - 24/06/18
Boletim 587 - 24/06/18Boletim 587 - 24/06/18
Boletim 587 - 24/06/18
stanaami
 
Retrospectiva MBN 2015 em portugués
Retrospectiva MBN 2015 em portuguésRetrospectiva MBN 2015 em portugués
Retrospectiva MBN 2015 em portugués
Alberto Conti
 
Ensinador cristão
Ensinador cristãoEnsinador cristão
Ensinador cristão
3c3c
 
Revista A Pátria para Cristo
Revista A Pátria para CristoRevista A Pátria para Cristo
Revista A Pátria para Cristo
missoesnacionais2014
 
Observador da verdade trimestre3
Observador da verdade   trimestre3 Observador da verdade   trimestre3
Observador da verdade trimestre3
pptnosite
 
Jornal agosto nº 167
Jornal agosto   nº 167Jornal agosto   nº 167
Jornal agosto nº 167
mcj2013
 
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de FlorianópolisLivrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Bernadetecebs .
 
Pj revisa sou p_joteiro 5ªedição
Pj  revisa sou p_joteiro 5ªediçãoPj  revisa sou p_joteiro 5ªedição
Pj revisa sou p_joteiro 5ªedição
Dias Albert
 
Carta Evanderson 013 jan15
Carta Evanderson 013 jan15Carta Evanderson 013 jan15
Carta Evanderson 013 jan15
Evanderson Vantine
 
Especial Comunhão Relacionamento e Missão
Especial Comunhão Relacionamento e MissãoEspecial Comunhão Relacionamento e Missão
Especial Comunhão Relacionamento e Missão
uniaolestebrasileira
 
Pj revisa sou p_joteiro 4ªedição
Pj  revisa sou p_joteiro 4ªediçãoPj  revisa sou p_joteiro 4ªedição
Pj revisa sou p_joteiro 4ªedição
Dias Albert
 
DNJ 2013 - TEXTO BASE
DNJ 2013 - TEXTO BASEDNJ 2013 - TEXTO BASE
DNJ 2013 - TEXTO BASE
Manoel Nerys de Almeida
 
Quem são os desbravadores
Quem são os desbravadoresQuem são os desbravadores
Quem são os desbravadores
Ismael Rosa
 
Ministerio Jovem Adventista IASD MZ.pptx
Ministerio Jovem Adventista IASD MZ.pptxMinisterio Jovem Adventista IASD MZ.pptx
Ministerio Jovem Adventista IASD MZ.pptx
Anesio2
 
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastiãoEntrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
bolukakuazua
 
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastiãoEntrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
bolukakuazua
 
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastiãoEntrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
bolukakuazua
 
34
3434

Semelhante a Ação Jovem 4trimestre 2015 (20)

Aprenda como emagrecer rápido sem sair de casa
Aprenda como emagrecer rápido sem sair de casaAprenda como emagrecer rápido sem sair de casa
Aprenda como emagrecer rápido sem sair de casa
 
Jornal Outubro
Jornal OutubroJornal Outubro
Jornal Outubro
 
Boletim 587 - 24/06/18
Boletim 587 - 24/06/18Boletim 587 - 24/06/18
Boletim 587 - 24/06/18
 
Retrospectiva MBN 2015 em portugués
Retrospectiva MBN 2015 em portuguésRetrospectiva MBN 2015 em portugués
Retrospectiva MBN 2015 em portugués
 
Ensinador cristão
Ensinador cristãoEnsinador cristão
Ensinador cristão
 
Revista A Pátria para Cristo
Revista A Pátria para CristoRevista A Pátria para Cristo
Revista A Pátria para Cristo
 
Observador da verdade trimestre3
Observador da verdade   trimestre3 Observador da verdade   trimestre3
Observador da verdade trimestre3
 
Jornal agosto nº 167
Jornal agosto   nº 167Jornal agosto   nº 167
Jornal agosto nº 167
 
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de FlorianópolisLivrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
Livrete quaresma_ e pascoa 2015_Arquidiocese de Florianópolis
 
Pj revisa sou p_joteiro 5ªedição
Pj  revisa sou p_joteiro 5ªediçãoPj  revisa sou p_joteiro 5ªedição
Pj revisa sou p_joteiro 5ªedição
 
Carta Evanderson 013 jan15
Carta Evanderson 013 jan15Carta Evanderson 013 jan15
Carta Evanderson 013 jan15
 
Especial Comunhão Relacionamento e Missão
Especial Comunhão Relacionamento e MissãoEspecial Comunhão Relacionamento e Missão
Especial Comunhão Relacionamento e Missão
 
Pj revisa sou p_joteiro 4ªedição
Pj  revisa sou p_joteiro 4ªediçãoPj  revisa sou p_joteiro 4ªedição
Pj revisa sou p_joteiro 4ªedição
 
DNJ 2013 - TEXTO BASE
DNJ 2013 - TEXTO BASEDNJ 2013 - TEXTO BASE
DNJ 2013 - TEXTO BASE
 
Quem são os desbravadores
Quem são os desbravadoresQuem são os desbravadores
Quem são os desbravadores
 
Ministerio Jovem Adventista IASD MZ.pptx
Ministerio Jovem Adventista IASD MZ.pptxMinisterio Jovem Adventista IASD MZ.pptx
Ministerio Jovem Adventista IASD MZ.pptx
 
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastiãoEntrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
 
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastiãoEntrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
 
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastiãoEntrevista a miguel pereira e ana poupino  jornal o compromisso s.-sebastião
Entrevista a miguel pereira e ana poupino jornal o compromisso s.-sebastião
 
34
3434
34
 

Mais de Igreja Adventista do Sétimo Dia

Inspirações sobre a mães
Inspirações sobre a mãesInspirações sobre a mães
Inspirações sobre a mães
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Estudio Apocalipsis
Estudio ApocalipsisEstudio Apocalipsis
4. Bullying: lidando com o mal século
4. Bullying: lidando com o mal século4. Bullying: lidando com o mal século
4. Bullying: lidando com o mal século
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
3. Como conquistar a confiança do seu adolescente
3. Como conquistar a confiança do seu adolescente3. Como conquistar a confiança do seu adolescente
3. Como conquistar a confiança do seu adolescente
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
2. Como fortalecer os relacionamentos na família
2. Como fortalecer os relacionamentos na família2. Como fortalecer os relacionamentos na família
2. Como fortalecer os relacionamentos na família
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
1. Como fortalecer a fé do adolescente
1. Como fortalecer a fé do adolescente1. Como fortalecer a fé do adolescente
1. Como fortalecer a fé do adolescente
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Manual Prático de Marca da IASD [Versão 1.2]
Manual Prático de Marca da IASD [Versão 1.2]Manual Prático de Marca da IASD [Versão 1.2]
Manual Prático de Marca da IASD [Versão 1.2]
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Familia feliz
Familia felizFamilia feliz
Estudo Bíblico Fique Leve
Estudo Bíblico Fique LeveEstudo Bíblico Fique Leve
Estudo Bíblico Fique Leve
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Revista acordes
Revista acordesRevista acordes
A Verdade para o tempo do Fim
A Verdade para o tempo do FimA Verdade para o tempo do Fim
A Verdade para o tempo do Fim
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Biblia mais PDF
Biblia mais PDFBiblia mais PDF
PPT - Guia do Aspirante 07
PPT - Guia do Aspirante 07PPT - Guia do Aspirante 07
PPT - Guia do Aspirante 07
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
PPT - Guia do Aspirante 08
PPT - Guia do Aspirante 08PPT - Guia do Aspirante 08
PPT - Guia do Aspirante 08
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
PPT - Guia do Aspirante 05
PPT - Guia do Aspirante 05PPT - Guia do Aspirante 05
PPT - Guia do Aspirante 05
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
PPT - Guia do Aspirante 06
PPT - Guia do Aspirante 06PPT - Guia do Aspirante 06
PPT - Guia do Aspirante 06
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
PPT - Guia do Aspirante 03
PPT - Guia do Aspirante 03PPT - Guia do Aspirante 03
PPT - Guia do Aspirante 03
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
PPT - Guia do Aspirante 04
PPT - Guia do Aspirante 04PPT - Guia do Aspirante 04
PPT - Guia do Aspirante 04
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
PPT - Guia do Aspirante 02
PPT - Guia do Aspirante 02PPT - Guia do Aspirante 02
PPT - Guia do Aspirante 02
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
PPT - Guia do Aspirante 01
PPT - Guia do Aspirante 01PPT - Guia do Aspirante 01
PPT - Guia do Aspirante 01
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 

Mais de Igreja Adventista do Sétimo Dia (20)

Inspirações sobre a mães
Inspirações sobre a mãesInspirações sobre a mães
Inspirações sobre a mães
 
Estudio Apocalipsis
Estudio ApocalipsisEstudio Apocalipsis
Estudio Apocalipsis
 
4. Bullying: lidando com o mal século
4. Bullying: lidando com o mal século4. Bullying: lidando com o mal século
4. Bullying: lidando com o mal século
 
3. Como conquistar a confiança do seu adolescente
3. Como conquistar a confiança do seu adolescente3. Como conquistar a confiança do seu adolescente
3. Como conquistar a confiança do seu adolescente
 
2. Como fortalecer os relacionamentos na família
2. Como fortalecer os relacionamentos na família2. Como fortalecer os relacionamentos na família
2. Como fortalecer os relacionamentos na família
 
1. Como fortalecer a fé do adolescente
1. Como fortalecer a fé do adolescente1. Como fortalecer a fé do adolescente
1. Como fortalecer a fé do adolescente
 
Manual Prático de Marca da IASD [Versão 1.2]
Manual Prático de Marca da IASD [Versão 1.2]Manual Prático de Marca da IASD [Versão 1.2]
Manual Prático de Marca da IASD [Versão 1.2]
 
Familia feliz
Familia felizFamilia feliz
Familia feliz
 
Estudo Bíblico Fique Leve
Estudo Bíblico Fique LeveEstudo Bíblico Fique Leve
Estudo Bíblico Fique Leve
 
Revista acordes
Revista acordesRevista acordes
Revista acordes
 
A Verdade para o tempo do Fim
A Verdade para o tempo do FimA Verdade para o tempo do Fim
A Verdade para o tempo do Fim
 
Biblia mais PDF
Biblia mais PDFBiblia mais PDF
Biblia mais PDF
 
PPT - Guia do Aspirante 07
PPT - Guia do Aspirante 07PPT - Guia do Aspirante 07
PPT - Guia do Aspirante 07
 
PPT - Guia do Aspirante 08
PPT - Guia do Aspirante 08PPT - Guia do Aspirante 08
PPT - Guia do Aspirante 08
 
PPT - Guia do Aspirante 05
PPT - Guia do Aspirante 05PPT - Guia do Aspirante 05
PPT - Guia do Aspirante 05
 
PPT - Guia do Aspirante 06
PPT - Guia do Aspirante 06PPT - Guia do Aspirante 06
PPT - Guia do Aspirante 06
 
PPT - Guia do Aspirante 03
PPT - Guia do Aspirante 03PPT - Guia do Aspirante 03
PPT - Guia do Aspirante 03
 
PPT - Guia do Aspirante 04
PPT - Guia do Aspirante 04PPT - Guia do Aspirante 04
PPT - Guia do Aspirante 04
 
PPT - Guia do Aspirante 02
PPT - Guia do Aspirante 02PPT - Guia do Aspirante 02
PPT - Guia do Aspirante 02
 
PPT - Guia do Aspirante 01
PPT - Guia do Aspirante 01PPT - Guia do Aspirante 01
PPT - Guia do Aspirante 01
 

Último

Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 

Ação Jovem 4trimestre 2015

  • 2. 2 | out-dez 2015 [ ÍNDICE ] 3 EDITORIAL BEM PLANTADO ATÉ O FIM DO ANO 4 EIS-ME AQUI VOLUNTARIADO 6 DESTAQUES 2015 DESAFIOS [ Programas ] 8 EMPATIAATODAPROVA TEMA: ORAÇÃO 10 UMESPÍRITODECONQUISTA TEMA: MISSÃO CALEBE 12 VOCÊCONSEGUE! TEMA: CORAGEM 14 DIVERSIDADECULTURALERACISMO TEMA: PRECONCEITO 16 AIDADEDACIÊNCIAEDASABEDORIA TEMA: MELHOR IDADE 18 JESUS,UM REFÚGIOACESSÍVEL TEMA: CIDADES DE REFÚGIO 20 ASTRÊSFACESDOAMOR TEMA: AMOR 22 EUMEAMO! TEMA: AUTOESTIMA 24 VIVABEM TEMA: SAÚDE 28 NATALÉJESUS TEMA: NATAL O QUE VEM POR AÍ Direção: Carlos Campitelli Produção: Ministério Jovem da DSA Coordenação Editorial: Bárbara Jacinta Streicher Kopitar Projeto Gráfico: D. Lima design Impressão: Casa Publicadora Brasileira Capa: Marcel | Fotolia Colaboradores: Programas elaborados pela União Central Brasileira e União Chilena. 28NATAL É JESUS 10UM ESPÍRITO DE CONQUISTA Publicação Trimestral | Out-Dez 2015 ProvaFinal
  • 3. out-dez 2015 | 3 CERTAMENTEVOCÊJÁouviufalarsobreamaiorárvoredo mundo,asequoia.Semdúvida,essaárvorecolossaléimpres- sionante e imponente. Algumas particularidades fazem com que essa gigante seja diferente das demais. Sua casca é grossa e muito resistente, até mesmo ao fogo, que tem dificuldade paraqueimarseutronco.Asraízesnãosãotãoprofundas,mas se estendem por vários metros em busca de água e minerais, fazendo com que a grande estrutura seja mantida firme. Tudo isso me fez pensar em nossa liderança jovem. Deus nos fez para crescer fortes e robustos como as sequoias. Que nossa “casca” seja forte para resistir aos ataques do inimi- go; que nossas raízes estejam sempre buscando a fonte da vida, raízes que se estendam procurando se alimentar bem da Palavra. Faça deste trimestre o melhor do ano para sua sociedade/ clube de jovens. Leve os jovens sob sua liderança a continuar a experiência de ser a mensagem. Encerre o ano bem plantado em Jesus (Salmos 1:1-3). Um grande abraço e sempre Maranata! Carlos Campitelli A Bem plantadoaté ofimdoano [ Editorial ] Pr. Carlos Campitelli Divisão Sul Americana da IASD Bem plantadoaté ofimdoano ProvaFinal
  • 4. O L A v c l d p a O s tr U c d in f “T   J         C,  ,  ,       . T      D    .” (T   I , ..) www.voluntariosadventistas.orgwww.voluntariosadventistas.orgwww.voluntariosadventistas.org VOLUNTÁRIOS EN MISSÃO is me MARCOS EDUARDO E ANA PAULA LIMA RAFAEL SOUSA ORLANDO ORELLANA REBECA AGUIRRE EDA SANDOVAL VOLUNTARIADO Autora: Débora Siqueira - Coordenadora do Serviço Voluntário DSA MimEl AQUI, ENVIA-ME A ProvaFinal
  • 5. O voluntário brasileiro Rafael Sousa decidiu dedicar um ano de sua vida para ser missionário em Bangladesh. Ele serve na ADRA e desenvolve atividades que envolvem dar classes às crianças no centro que administra a organização, e auxilia a equipe de finanças da ADRA. Orlando é chileno e está cursando Letras (Inglês) na Universidade Adventista do Chile. Ele é missionário voluntário nas Ilhas Malvinas e trabalha como professor na escola primária local. Ele também ajuda nas reuniões de “pequeno grupo”, que cresce pouco a pouco, ajudando a consolidar a presença adventista nesse território. A missionária voluntária Rebeca Aguirre é do Peru e graduou-se na instituição adventista Universidade Peruana Unión. Ela é professora de inglês na Escola Adventista de Mongólia, Asia, e também participa das atividades da igreja local. O casal Marcos Eduardo e Ana Paula Lima servem como voluntários no Egito. Eles trabalham no Colégio Adventista do Nilo (Nile Unión Academy) em diferentes atividades. Ele é capelão e professor no colégio e diretor do Clube de Desbravadores. A Ana Paula é professora de inglês, jornalista e diretora assistente do clube. Juntos fundaram o primeiro clube de desbravadores do país. A argentina Eda Sandoval é nutri- cionista e estudou na Universidade Adventista del Plata. Ela serve como missionária voluntária na Universidade do Oriente Médio (Middle East University) , Libano, e é nutricionista no restaurante dessa instituição adventista. ORLANDO ORELLANA MARCOS EDUARDO Y ANA PAULA LIMA RAFAEL SOUSA REBECA AGUIRRE EDA SANDOVAL ProvaFinal
  • 6. © Subbotina Anna | Shutterstock 6 | out-dez 2015 [ Desafios do Trimestre ] Vamoslálíderes!Usemospróximostrês mesesparamotivarosjovensdesua igrejaparaasseguintesações. Viva com Esperança – Agora em novembro teremos o evangelismo de colheita envolvendo todos os pas- tores da América do Sul. Vamos fazer todo o esforço para levar pessoas às igrejas e auditórios. A decisão de uma pessoa é valiosa para Deus. Dia de Finados - Este é um momento em que os jovens devem mostrar aos outros a esperança da ressu- reição. Organize a juventude para ir aos cemitérios ou mesmo às ruas e praças, sempre levando a mensagem de esperança. Para que o projeto tenha bons resultados deve ser realizado com muito cuidado e organização, conscientizando os jovens para serem cuidadosos e respeitosos. Temos folhetos que podem ser usados para este fim. Entre em contato com o seu campo. Mostre aos que choram que a morte não é um fim, mas uma grande esperança. Jesus é a ressurreição e a vida. Vida por Vidas – A campanha de doação sempre tem três enfoques: doação de sangue, doação de medula e doação de plaquetas. Este é um movimento que promove nos jovens o amor e a compaixão além de dar uma imagem positiva da Igreja junto à sociedade. Por trás da campanha de doação deve estar o espírito de Cristo de que ele “doou tudo para você doar um pouco”. Natal – Essa data deve levar a Igreja a lembrar do maior presente dado à raça humana: Jesus, “O Salvador”. Use a criatividade e faça ações de impacto nos shoppings, praças e ruas principais. É importante que os jovens da igreja façam coleta de alimentos, roupas, calçados, e entreguem para as pessoas mais necessitadas e participem do Mutirão de Natal, promovido pela ADRA. Culto de fim de ano - Depois de um ano de trabalho, essa data deve ser lembrada em um culto de gratidão por tudo de bom que Deus nos deu. Faça uma retrospectiva do que aconteceu na igreja no ano que se passou, dos grandes feitos, das conquistas e das vitorias. A reunião pode contar com um testemunho impactante e um culto vibrante para encerrar o ano. ProvaFinal
  • 7. out-dez 2015 | 7 Missão Calebe – O fim do ano está chegando e pre- cisamos motivar os jovens a participar da Missão Calebe. Este projeto tem sido uma revolução na vida dos Jovens Adventistas da América do sul. Hoje contamos com 110 mil jovens que doam suas férias para salvar e servir. A América do Sul é “Terra de Calebe”. Motive a juventude a desafiar os gigantes e alcançar vitórias espirituais. O momento ade- quado para este programa é durante o período de férias, em janeiro. Divulgue a campanha, mostre os vídeos, entre nos site www.missaocalebe.org.br . Doe suas férias para Jesus! Destaque essa missão. Um Ano Em Missão – Os jovens querem desafios maiores e as oportunidades estão à disposição em varias frentes como no voluntariado, na Missão Calebe e no projeto Um Ano Em Missão. Mostre aos jovens as oportunidades e os desafios. http://voluntariosadventistas.org/ http://www.adventistas.org/pt/jovens 2016 está chegando! – Estamos nos aproximando de mais um novo ano e com ele chegam novos desafios. No ano de 2016 faremos grandes coisas e Deus pode nos usar para uma obra muito especial. Coloque-se nas mãos de Deus para abençoar o mundo! ProvaFinal
  • 8. © Csp_ginosphotos | Fotosearch 8 | out-dez 2015 “Porém o incenso que fareis, segundo a composição deste, não o fareis para vós mesmos; santo será para o SENHOR.” (Êxodo 30:37) LOUVOR Restaura – CD Jovem 2012 Cada Novo Dia – CD Jovem 2009 Sou de Jesus – CD Jovem 2006 T S e v p c p la d c p e O ç b p a M t a p o s c a p é [ Culto 1 ] Autor: Pr. Juan Fernández Diretor do Ministério Jovem da UCh Empatiaa toda prova ProvaFinal
  • 9. out-dez 2015 | 9 TESTEMUNHO SENDO UM JOVEM pastor, dedicado à pregação do evangelho e ao desenvolvimento espiritual da igreja, foram incontáveis as vezes que, visitando os membros, me tocou ouvir todo tipo de problemas e tentar oferecer apoio, alento, consolo e múltiplos conselhos. Sem dúvida, a situação mais difícil na hora de apoiar uma pessoa era quando alguém perdia um ente querido. Toda pa- lavra, todo gesto e toda ação de empatia davam a sensação de serem insuficientes. Foi apenas quando perdi meu pai que compreendi a limitação de minha empatia para com as demais pessoas, mas então entendi mais plenamente que somente a empatia divina satisfaz e conforta verdadeiramente. ORAÇÃOINTERCESSORA Considerando que, como cristãos, somos um canal de bên- çãos, apoio e consolo às pessoas, oremos para que Deus sensi- bilize nosso coração diante do sofrimento dos demais, a fim de podermos ser o braço de Deus durante os momentos em que as pessoas necessitam de nosso apoio e companhia. MENSAGEM Quando Deus ordenou a fabricação do incenso, este devia ter duas características importantes: 1) As especiarias deviam ser cuidadosamente escolhidas, visto que o produto devia ser um perfume aromático agradável, segundo a arte dos perfumistas. 2) Esse perfume deveria ser exclusivo. Ninguém poderia fabricar outro com essa composição. O incenso que diariamente era oferecido a Deus representava as orações de cada um dos israelitas. Davi disse: “Suba à tua presença a minha oração, como incenso [...]” (Salmo 141:1). Sem dúvida, tudo o que contamos a Deus em oração, tudo o que sentimos no mais profundo do coração, Ele entende em sua verdadeira e plena dimensão. Tudo o que compartilhamos com o Senhor, no mais profundo de nosso coração, é aroma agradável e exclusivo, visto que Ele não olha para grupos de pessoas, mas para seres individuais e exclusivos. Sua empatia é a toda prova, porque “não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele ten- tado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna” (Hebreus 4:15 e 16). ESPÍRITODEPROFECIA “[...] Diante do véu, separando o lugar santo do lugar san- tíssimo, encontrava-se o altar do incenso, de ouro, do qual a fragrante nuvem, com as orações de Israel, ascendia diariamente à presença de Deus” (O Grande Conflito, p.183). MÃONAMASSA Louvor: As músicas devem estar relacionadas ao tema. Utilize músicas que falem da disposição de Deus não apenas em ouvir as orações, mas também em atendê-las como se aquele que pede fosse a única pessoa que Ele necessita socor- rer. Procure uma mensagem especial que, ao ser cantada, leve esperança e paz aos membros presentes. Testemunho: Busque na igreja o testemunho de algum jovem que se sentiu incompreendido e que, em determinado momento, sentiu que Deus tinha todo o tempo para ouvir seu problema e dar-lhe uma resposta oportuna, em um momento de muita dor em sua vida. OraçãoIntercessora: Nesta ocasião, poderá ser trazida uma réplica do altar de incenso. Peça que cada jovem escreva num papel pedido de oração importante, íntimo e mais anelado por seu coração. No final do culto jovem, queime todos os papéis na réplica do altar, fora da igreja. Mensagem: É importante esclarecer os seguintes pontos: 1) Nossa empatia e sensibilidade sempre são limitadas. 2) Deus pode nos transformar em pessoas mais perceptivas e sensíveis à dor alheia. 3) Devemos encaminhar as pessoas ao nosso grande Sumo Sacerdote, que nunca Se cansa de nós. 4) Até os menores problemas são um aroma agradável para Deus e dignos de atenção exclusiva. ProvaFinal
  • 10. © Olly | Fotolia 10 | out-dez 2015 Umespírito de conquista LOUVOR Eu Sou Calebe – CD Jovem 2013 É Prazer Servir a Cristo – CD Jovem 2014 Vou me Entregar – CD Jovem 2014 T M E p a p q m C p s O b n o v S M jo c J v p c d C v o q d S D d [ Culto 2 ] Autor: Pr. Cristian Muñoz Diretor do Ministério Jovem da MCCh “Agora,pois,dá-meeste montedequeoSENHOR falounaqueledia,pois,naquele dia,ouvistequeláestavam osanaquinsegrandese fortescidades;oSENHOR, porventura,serácomigo, paraosdesapossar,como prometeu.”(Josué14:12). ProvaFinal
  • 11. out-dez 2015 | 11 o a TESTEMUNHO MOCHA É UMA pequena ilha na região de Bio Bio, Chile. Ela abriga uma pequena comunidade onde a maioria das pessoas vive da pesca. Por ser uma localidade pequena, Mocha, aparentemente é insignificante e com uma história muito particular que, por algum motivo, caiu no esquecimento até que um grupo de jovens quis conquistá-la para Cristo, por meio do projeto Calebe. Pela graça de Deus, esses soldados de Cristo estabeleceram a presença adventista nesse lugar e hoje podemos dizer, com alegria, que um pequeno grupo de irmãos se reúne ali para louvar a Deus. ORAÇÃOINTERCESSORA JáseaproximaoperíododemobilizaçãoparaoprojetoCale- be, na América do Sul. Esse é um ótimo momento para desafiar nossos jovens a dedicarem parte de suas férias de verão como oferta ao Senhor. Orem para que haja maior integração dos jo- vensnaMissãoCalebedeseudistritoouassociação.Entregueao Senhor seus sonhos ou peça-Lhe que os coloque em sua mente. MENSAGEM O Projeto Calebe é uma escola de evangelismo para nossos jovens; uma instância para dar rédeas soltas aos sonhos e à criatividade de nossa juventude, com o objetivo de apresentar Jesus ao mundo. É uma experiência que pode encher de vida a caminhada fria e monótona de um jovem que nunca presenciou o impacto de Jesus na vida das pessoas que caminham sem Deus. O Projeto Calebe é inspirado na experiência de Calebe, um dos 12 espias, enviado por Moisés para explorar a terra de Canaã. Juntamente com Josué, foram os únicos que puderam ver, pelos olhos da fé, o que poderia ser conquistado mediante o poder de Deus. Calebe personifica o cristão que não teme os obstáculos, que não se amedronta diante das dificuldades e da magnitude da missão. Representa aqueles que creem nas promessas do Senhor e avançam para alcançar grandes coisas pelo poder de Deus. Para os tais não há limites. O curioso é que transcorreram 45 anos desde a promessa de Deus dada a Calebe, pela boca de Moisés, com respeito à sua herança em Canaã; porém, a força física de Calebe, seu vigor e sua confiança em Deus não se desvaneceram. Aos 85 anos, Calebe estava disposto a ir e conquistar Hebrom, terra de gigantes e de cidades muradas. ESPÍRITODEPROFECIA “Com esse exército de obreiros que nossos jovens, devida- mente educados, poderiam fornecer, quão cedo a mensagem de um Salvador crucificado, ressurreto e por vir em breve, poderia ser levada ao mundo todo!” (Nos Lugares Celestiais, p. 222). MÃONAMASSA Louvor: Utilizar músicas que falem da missão, do testemu- nho e do serviço. Uma sugestão é que sejam preparados slides com as fotos dos jovens Calebes e que sejam apresentados durante os momentos de louvor. Testemunho: O testemunho pode ser visto no Youtube, sob o título: Proyecto Caleb en Isla Mocha (Está em espanhol). Busque em sua igreja um jovem que tenha tido a linda experi- ência de participar de um Calebe. Permita-lhe contar como se sentiu, como essa experiência fortaleceu sua fé e especialmente como ele foi motivado a testemunhar. Peça-lhe para animar aqueles que ainda não passaram por essa experiência. Oração Intercessora: Este pode ser um momento muito solene. Pode ser aproveitado como oportunidade para ser pro- ferida uma oração de dedicação e de consagração dos jovens que tomaram a decisão de ser Calebes. Se possível, prepare uma mesa especialmente decorada contendo um compromisso escrito de serviço a Deus, como um jovem Calebe, para ser assinado. Depois do convite, aqueles que o aceitarem poderão permanecer à frente para a oração de dedicação feita de joelhos. Mensagem: Este é o clímax do culto. A mensagem deve ser clara e o apelo deve ser direto. Deus necessita de jovens com o espírito de Calebe. Você deseja ser um Calebe? Você é otimista ou lhe custa enxergar com os olhos da fé? Você é valente ou se amedronta com facilidade? Convide os jovens e os irmãos a tomarem uma decisão: Caminhar nos passos de gigantes, como Calebe. Jovens consagrados constituem o exército mais poderoso do Senhor na terra. e R e m e , o, o ). ProvaFinal
  • 12. © George Muresan | Shutterstock 12 | out-dez 2015 Vocêconsegue! “Moisés respondeu ao Senhor: —ÓSenhor,eununcativefacilidadeparafalar,nem antesnemagora,depoisquecomeçasteafalarcomigo. Quandocomeçoafalar,eusempremeatrapalho. Porém o Senhor lhe disse: — Quem dá a boca ao ser humano? Quem faz com que ele seja surdo ou mudo? Quem lhe dá a vista ou faz com que fique cego? Sou Eu, Deus, o Senhor” (Êxodo 4:10, 11, NTLH). LOUVOR Dez Mil Razões – CD Jovem 2015 Somos Teus – CD Jovem 2012 Eu Sou a Mensagem – CD Jovem 2015 T C m a t a c e e p c O t b t d s M s m c m r e n p tu [ Culto 3 ] Autor: Pr. Gerardo Farías Diretor do Ministério Jovem da MNCh ProvaFinal
  • 13. out-dez 2015 | 13 ! : m o. o. : z a o . TESTEMUNHO CERTA VEZ UM pastor disse que quando pequeno, ele era muito tímido. Quando sua mãe mandava que ele fosse comprar algo na esquina, era muito difícil. Quando viajava de ônibus, temia que alguém falasse com ele. Ele foi levado duas vezes ao psicólogo e não conseguiu dizer uma única palavra. O psi- cólogo conversou com os pais, mas a porta ficou entreaberta e ele ouviu a conversa. “Seu filho sempre será um problema”. Deprimido, foi para o quarto e falou seriamente com Deus e então teve coragem de conversar com os pais, pedindo-lhes para orarem por ele. Isso iria ajudá-lo a comprovar a existên- cia de Deus. Deus respondeu e ele agora é um grande pastor. ORAÇÃOINTERCESSORA O apóstolo Paulo pediu aos irmãos para orarem por ele: “E também por mim; para que me seja dada, no abrir da minha boca, a palavra, para, com intrepidez, fazer conhecido o mis- tério do evangelho (Efésios 6:19). Hoje, iremos orar pelos pregadores a fim de que Deus lhes dê sabedoria e inteligência quanto forem apresentar a men- sagem da salvação. MENSAGEM Muitos jovens e adolescentes têm dificuldade para falar de sua fé. Não se sentem capazes e assim se retraem e não teste- munham. Mas a Bíblia tem uma promessa e uma exortação clara para as crianças e jovens da igreja. Deus chamou Jeremias para ser Seu porta voz, Seu profeta, mas ele não se sentia capacitado para realizar essa obra. Je- remias apresenta objeções, mas veja a resposta de Deus a ele em Jeremias 1:6-10: “Então,lhedisseeu:ah!SenhorDeus!Eisquenãoseifalar,porque nãopassodeumacriança.MasoSenhormedisse:Nãodigas:Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudoquantoeutemandarfalarás.Nãotemasdiantedeles,porque eusoucontigoparatelivrar,dizoSenhor.Depois,estendeuo Senhoramão,tocou-menabocaeoSenhormedisse:Eis que ponho na tua boca as minhas palavras. Olha que hojeteconstituosobreasnaçõesesobreosreinos,para arrancaresederribares,paradestruíresearruinares e também para edificares e para plantares.” 1) Se Deus o chama, Ele tem um objetivo. Para Ele a idade não é impedimento, nem tampouco a timidez. 2) Se Deus o chama, Ele também o capacita. Você pode ser gago, lento e inexperiente, mas se Ele o estiver buscando é porque deseja usá-lo. Deus nos usa com nossos dons e debilidades. Aqueles que são fortes e têm consciência disso, muitas vezes irão se apoiar em sua própria força. 3) Não busque desculpas. Não use o “mas”. Deus quer usá-lo e deseja que você O sirva. Ele pode realizar um milagre em sua vida e fazer de você um poderoso mensageiro. Não permita que ninguém o menospreze. Paulo disse a Timóteo que “o Espírito que Deus nos deu não nos torna medrosos; pelo contrário, o Espírito nos enche de poder e de amor e nos torna prudentes.” (2 Timóteo 1:7, NTLH) Que o Espírito de Deus lhe dê coragem e destemor para pregar e falar sem medo. Não deixe de falar, pois certamente alguém será salvo. Que Deus o abençoe. MÃONAMASSA Louvor: Esteja atento para que os louvores estejam relacio- nados com o chamado de Deus para ser luz, e também moti- vem e entusiasmem os jovens a se sentirem parte da missão. Se preferir, convide um quarteto para a ocasião. Testemunho: Se possível, peça que o pastor distrital ou o ancião da igreja testemunhe de como Deus o chamou e ca- pacitou para o serviço. Sem dúvida isso irá inspirar a muitos jovens para ingressarem no serviço de Deus. Oração Intercessora: Formem grupos de três pessoas para orar. Outro grande motivo para orar é que Deus pode ajudar a descobrir os talentos de cada pessoa. Seria bom também fazer um apelo a todos que desejam servir ao Senhor e serem por Ele capacitados. Mensagem: É importante esclarecer os seguintes pontos: 1) Deus chamou a todos para servir. 2) Todos recebemos dons e talentos da parte de Deus. 3) Quando Deus nos chama, Ele nos capacita. Será proveitoso repassar os ideais JA como selo e compro- misso do tema. Também será excelente se você conseguir que algum psicólogo cristão dê sugestões de como vencer a timidez. ProvaFinal
  • 14. © Wikipédia [ Culto 4 ] Autor: União Central Brasileira Diversidade culturale racismo “Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão” (Provérbios 17:17). LOUVOR Quando eu olho pra você – CD Jovem 2007 Em família – CD Jovem 2002 Em um só coração – CD Jovem 2004 n q a d O q r d t M ( c g u p à d q c o s P c d n h b W m c q d n m s s n n a TESTEMUNHO MARTIN LUTHER KING Jr. foi um importante pastor protestante dos Estados Unidos. Ele se tornou um dos mais destacados líderes do movimento dos direitos civis dos negros em seu país e também no mundo. Seu discurso e sua campanha combatiam a violência e incentivavam o amor ao próximo. ProvaFinal
  • 15. out-dez 2015 | 15 e e o , ” . Por combater a desigualdade racial, Martin Luther King ga- nhou, no dia 14 de outubro de 1964, o Prêmio Nobel da Paz e quatro anos depois foi assassinado. Ele recebeu postumamente a Medalha Presidencial da Liberdade, em 1977 e a Medalha de Ouro do Congresso em 2004. ORAÇÃOINTERCESSORA Neste momento de oração é importante pedir a Deus que quebre as algemas do preconceito nas suas formas mais va- riadas. Ore pedindo sabedoria para lidar bem com as pessoas diferentes ou frente à situações desconhecidas. Que possamos ter a coragem de defender o que é correto com respeito e amor. MENSAGEM “É mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito” (Albert Einstein). Entender que em Cristo somos um, faz-nos conscientes de que preconceito é pecado. “Não há judeu nem grego, escravo nem livre, homem nem mulher; pois todos são um em Cristo Jesus (Gálatas 3:28). “Mas há uma objeção ao casamento da raça branca com a preta. Todos devem considerar que não têm o direito de trazer à sua prole aquilo que a coloca em desvantagem; não têm o direito de lhe dar como patrimônio hereditário uma condição que os sujeitariam a uma vida de humilhação. Os filhos desses casamentos mistos têm um sentimento de amargura para com os pais que lhes deram essa herança para toda a vida” (Men- sagens Escolhidas, vol.2, págs. 343). PALAVRAS DE LEANDRO QUADROS – NOVO TEMPO www.novotempo.com/namiradaverdade O conselho que Ellen White deu no sentido de não haver casamento entre brancos e negros, precisa ser entendido à luz da sociedade e da cultura do século passado, particularmente nos EUA. Naquele país o racismo era enorme. Vemos que homens como Martin Luther King e outros tiveram que lutar bravamente para desfazer o preconceito racial. Entendendo a cultura da sociedade de sua época, Ellen White, expressou algo incontestável: “que os filhos de uniões mistas sofreriam muito”. Devido a isso ela mencionou que re- cebeu no início de seu ministério “orientação do Senhor” de que os pais não tinham o direito de dar aos filhos esta herança de humilhações. Felizmente a sociedade mudou para melhor neste aspecto de segregação racial. Hoje os filhos de casamentos mistos não são mais objeto de tanta discriminação. Precisamos lembrar que os escritos de qualquer pessoa, sejam dos escritores bíblicos, seja de Ellen White, precisam ser estudados no contexto em que eles foram produzidos. Se não fizermos isto estaremos sendo injustos com a pessoa que não está presente para defender-se. Um apelo de sua pena, em 1891, seguido em 1895 e 1896 por artigos publicados na Review and Herald, estimulou os esforços educacionais e evangelísticos em favor dos negros e deu origem a uma obra na qual seu próprio filho, Tiago Edson, tomou parte ativa. Ele produziu um livro que seria usado para (1) levantar fundos (2) ensinar analfabetos a ler e (3) ensinar as verdades bí- blicasemlinguagemsimples.Elefaziausodeumbarco(Morning Star) para evangelizar os descendentes dos escravos. White estava interessada no desenvolvimento de esforços missionários que produzisse eficientes resultados em comu- nidades brancas e negras e enviou aos obreiros desse campo muitas mensagens de conselho e ânimo. Além disso, ela salien- tou de modo claro que “O nome do negro está escrito no livro da vida, junto do nome do branco. Todos são um em Cristo. O nascimento, a posição, nacionalidade ou cor não podem elevar nem degradar os homens. O caráter é que faz o homem. Se um pele-vermelha, um chinês ou africano rende o coração a Deus em obediência e fé, Jesus não o ama menos por causa de sua cor. Chama-lhe Seu irmão muito amado”. Além disso, afirmou que os que “menosprezam um irmão por causa de sua cor estão menosprezando a Cristo”. “Se vocês de fato obedecerem à lei real encontrada na Escritura que diz: “Ame o seu próximo como a si mesmo”, estarão agindo corretamente. Mas se tratarem os outros com favoritismo, estarão cometendo pecado e serão condenados pela Lei como transgressores” (Tiago 2:8-9). ESPÍRITODEPROFECIA “Somos uma irmandade. Não importa qual o ganho ou a perda, temos de agir nobre e corajosamente à vista de Deus e de nosso Salvador. Que nós, como cristãos que aceitam o princípio de que todos os homens, brancos e negros, são livres e iguais, adotemos este princípio, e não sejamos co- vardes em face do mundo, e em face dos seres celestiais... E podemos agora, por preceito e pelo exemplo, ganhar ou- tros para o mesmo procedimento” (Mensagens Escolhidas, volume 2, pág. 343). MÃONAMASSA Louvor:Convidepessoascomorigensdiferentesparaconduzir o momento de louvor. No intervalo entre as músicas, cada um pode comentar alguma curiosidade ou costume de sua região. Testemunho: Busque semelhanças entre o discurso de Martin Luther King com o discurso de Jesus e apresente-os à igreja de maneira interessante e dinâmica. Oração Intercessora: Esta será uma excelente oportuni- dade de orar pelos missionários que estão servindo a Deus ao redor do mundo. Que Deus possa protegê-los de qualquer tipo de preconceito e ajudá-los a adaptar-se a uma nova cultura. Mensagem: Uma forma interessante de apresentar o as- sunto seria imitando um programa televisivo de entrevista ou fazendo uma mesa redonda. Os comentários e perguntas dos presentes podem ser enviados a um jovem escolhido como moderador via celular. e u s o a ProvaFinal
  • 16. © Rido | Fotolia 16 | out-dez 2015 “Está a sabedoria com os idosos, e, na longevidade, o entendimento?” (Jó 12:12). LOUVOR Restaura – CD Jovem 2012 Cada Novo Dia – CD Jovem 2009 Templo Vivo - CD Jovem 2005 T S in d s d fo p A O c e q a d d M p f o t s M m m p s u m s fo T [ Culto 5 ] Autor: Pr. Gerson Pichinao Diretor do Ministério Jovem da MChP Aidadedaciência edasabedoria ProvaFinal
  • 17. out-dez 2015 | 17 TESTEMUNHO SILVIA CONHECIA A Deus desde a infância. Ela sempre inculcou na família o temor e a santidade de Deus. Já em ida- de avançada, seu marido morreu e, a despeito de sua solidão, sempre seguia servindo ao próximo, participando de reuniões da terceira idade e frequentando a igreja, onde recobrava as forças para sobreviver. Ela somente conseguiu suportar a dor da perda do marido mediante o amparo de Deus e de sua família. A Silvia sempre dizia que Deus era o único que a compreendia. ORAÇÃOINTERCESSORA Nosso motivo de oração é por todas as pessoas que já per- correram grande parte desta vida e deixaram uma herança espiritual para suas famílias. É importante orar pelos idosos que ainda não conhecem a Jesus, a fim de que possam em breve aprender a respeito de Deus e de Seu amor. Não se esqueçam de também incluir na oração os jovens da igreja, pois todas as decisões da juventude afetarão diretamente sua velhice. MENSAGEM Terceira idade - http://noticias.adventistas.org/pt/noticia/ projetos-sociais/igreja-cria-ministerio-adventista-para-os-de- ficientes-visuais/ - “Ainda nesta manhã [17 de maio de 2015], os delegados definiram que o Ministério da Terceira Idade (que também não será um novo departamento) deixará de ser um segmento ligado à Secretaria Executiva e sim à Associação Ministerial. As estatísticas mostram que em torno de 11% dos membros adventistas em oito países sul-americanos possuem mais de 65 anos de idade. Quase 1% tem mais de 90 anos”. A idade adulta, em especial a terceira idade, em algumas partes do mundo, é muito valorizada. Até mesmo nos países sem raízes cristãs, como China, o idoso é considerado como uma pessoa com muita sabedoria e que pode ajudar muito aos mais jovens, dando-lhes conselhos para a vida. “O ornato dos jovens é a sua força, e a beleza dos velhos, as suas cãs” (Provérbios 20:29). Deus pensa dos idosos de igual forma como esse provérbio: “beleza”. De onde vem essa inteligência, formosura e sabedoria? Talvez alguns dirão que não no aspecto físico (o qual muitos jovens tentam buscar a qualquer preço), mas na experiência e na visão que têm da vida. Quando encontramos um idoso que viveu perto de Deus, de- vemos desfrutar ao máximo dessa pessoa, pois ela pode ser uma grande bênção para nós. Por isso é necessário cuidar, respeitar e valorizar aqueles que chegaram à chamada “melhor idade”. ESPÍRITODEPROFECIA “Também os idosos necessitam da auxiliadora influência das famílias. Na casa de irmãos e irmãs em Cristo, é mais fácil haver para eles como que uma compensação da perda de seu próprio lar. Se animados a partilhar dos interesses e ocupações domésticos, isto os ajudará a sentir que não deixaram de ser úteis. Fazei-os sentir que seu auxílio é apreciado, que há ainda alguma coisa para fazerem em servir a outros, e isso lhes dará ânimo ao coração, ao mesmo tempo em que comunicará in- teresse a sua vida” (A Ciência do Bom Viver, p. 204). MÃONAMASSA Louvor: Juntamente com os louvores congregacionais, será uma grata surpresa ter um louvor musical especial apresentado por um membro da igreja da terceira idade. Se houver a possi- bilidade de colocar os idosos para dirigirem os momentos de louvor e para tocar algum instrumento será excelente. Testemunho: Busque um testemunho local, semelhante ao do exemplo, onde se possa ver refletida a luta, as limitações e as alegrias de um idoso. Além disso, pergunte o que de mais valioso a vida lhe ensinou a fim de deixar um grande conselho aos jovens adventistas da igreja local. Oração Intercessora: Este é o momento de orarmos pelos idosos que sofrem privações, enfermidades e solidão a fim de que Deus os possa confortar. Oremos também para que os jovens sejam a mão de Deus para apoiar e acompanhar esse grupo tão especial que Deus tem em nosso meio. Mensagem: A mensagem e a ênfase não devem ser o las- timar as pessoas idosas, antes devem ser de respeito, cuidado e consideração por eles. Será bom enfatizar o conselho ou as palavras de alguma pessoa da terceira idade como parte do encerramento do tema. Uma boa ideia é entrevistar algumas pessoas acima de 60 ou talvez 70 anos. ProvaFinal
  • 18. © Stuart e Alfonso de Toms | Fotolia 18 | out-dez 2015 [ Culto 6 ] Autor: Pr. Juan Fernández Diretor do Ministério Jovem da UCh Jesus, um refúgio acessível “Fala aos filhos de Israel: Apartai para vós outros as cidades de refúgio de que vos falei por intermédio de Moisés” (Josué 20:2). O d ç q e M g m n d r a r a d fo t LOUVOR Fortes – CD Jovem 2013 Castelo Forte – Hinário Adventista, 33 Confiarei – CD Jovem 2011 TESTEMUNHO “ANNE FRANK É UMA menina judia que, durante a Segunda Guerra Mundial [1939-1945], teve de se esconder para escapar da perseguição dos nazistas. Juntamente com outras sete pessoas, per- maneceu escondida no anexo de um edifício situado em Amsterdã. “Depois de mais de dois anos que permaneceram ocultos, o es- conderijo foi descoberto e eles foram deportados para os campos de concentração.Dosoitoescondidos,apenasopaidaAnne,OttoFrank, sobreviveu à guerra. Depois de sua morte, Anne se tornou mundial- mentefamosa,graçasaodiárioqueescreveuduranteotempoemque esteve escondida”. ProvaFinal
  • 19. out-dez 2015 | 19 , o l ORAÇÃOINTERCESSORA Oremos por aqueles que sofrem abandono, perseguição e desamparo, tanto dentro quanto fora da igreja. Não nos esque- çamos de todos os que sofrem devido às guerras. Enfatizemos que nossa igreja local pode ser um refúgio próximo, oportuno e acessível para todo aquele que decida se aproximar. MENSAGEM Deus mandou que Josué implementasse as cidades de refú- gio a todos os israelitas a fim de proteger os que, por acidente, matassem alguém. As cidades de refúgio, de acordo com os arqueólogos, ti- nham as seguintes particularidades: 1. Elas não deveriam estar a mais de 50 km uma da outra. 2. Não deveriam ser construídas nas montanhas, mas nos vales e planícies. 3. Três estavam situadas do lado oriental do Jordão e as outras três, no lado ocidental. 4. As estradas de acesso às cidades deveriam ser de rápida circulação e de boa qualidade. 5. Os acessos deveriam ser claramente assinalados. Todas essas particularidades tinham como objetivo dar to- das as facilidades para que o homicida conseguisse chegar ao refúgio de forma oportuna, rápida e acessível. Isso deveria ser assim, pois as cidades eram uma representação de Cristo, nosso refúgio próximo, acessível e oportuno. O Salmo 59:16 se refere a Jeová como nosso Refúgio, e assim utiliza a mesma palavra de Josué no capítulo 20 - “Quelat”: “Eu, porém, cantarei a tua força; pela manhã louvarei com alegria a tua misericórdia; pois tumetenssidoaltorefúgioeproteçãonodiadaminhaangústia.” ESPÍRITODEPROFECIA “As cidades de refúgio designadas ao antigo povo de Deus, eram símbolo do refúgio provido em Cristo. O mesmo Salva- dor misericordioso que designara aquelas cidades temporais de refúgio proveu pelo derramamento de Seu próprio sangue aos transgressores da lei de Deus um retiro seguro, aonde po- dem eles fugir em busca de garantia contra a segunda morte” (Patriarcas e Profetas, p. 377). MÃONAMASSA Louvor: O louvor será mais proveitoso se for apoiado com imagens de Jesus abraçando pessoas. Isso será uma boa intro- dução para Jesus como nosso único e Grande Refúgio. Testemunho: No site http://www.annefrank.org/pt/Si- tewide/Languages/Portugues/ está o testemunho registrado no diário da vida de Anne Frank. Ela deixa transparecer que, a despeito de estar em um refúgio, há o temor, a insegurança e as privações. Se compararmos isso com o refúgio que Jesus nos oferece, é totalmente o contrário. Procure enfatizar as diferenças entre os refúgios humanos e o divino. Oração Intercessora: No momento da oração intercessora pode-se fazer um apelo a todos os que estão fugindo de uma situação difícil e convidá-los a virem para frente a fim de se refugiarem em Cristo, que é nosso refúgio próximo, acessível e oportuno. Mensagem: No mesmo site http://www.annefrank.org/ pt/Sitewide/Languages/Portugues/ ou no Youtube é possível encontrar materiais interessantes para serem apresentados no programa JA. Ter o cuidado de não apresentar algo impróprio para o momento e lugar. Na mensagem, pode-se acrescentar o trabalho dos levitas nessas cidades – reconciliar as pessoas com Deus e dar-lhes apoio espiritual. a a - ã. - e k, - e ProvaFinal
  • 20. © Antonio Diaz | Fotolia 20 | out-dez 2015 [ Culto 7 ] Autor: União Central Brasileira – Baseado no texto de Len McMillan, Revista Diálogo Universitário, 1996 “No amor não há medo; ao contrário o perfeito amor expulsa o medo, porque o medo supõe castigo. Aquele que tem medo não está aperfeiçoado no amor” (I João 4:18). LOUVOR Quando Eu Amar – CD Jovem 2011 Não Há Nada Comparado – CD Jovem 2011 Deus Não se Cansa de Amar – CD Jovem 2007 m s r O “ r q d q M t A t M t in g p S r r q n n o A v a a q v a c z t m c d D E a Astrês facesdo amor TESTEMUNHO TAMMY ERA UMA jovem esposa que agora jazia numa cama de hospital, de- pois de uma cirurgia para remover um tumor de seu rosto. O cirurgião seguiu cuidadosamente a curva de seu maxilar para esconder a cicatriz, mas e a incisão foi profunda demais. A operação deixou o lado direito de sua boca repuxado e seu sorriso imóvel. Quando o médico entrou, Tammyperguntou:“Minhabocaserásem- pre assim”? “Sim”, respondeu o médico. “Para remover o tumor tive de cortar os nervos. Sinto muito”. Tammy fitou o teto. Uma lágrima brotou de seu olho e desli- zou silenciosamente. O marido tomou a ProvaFinal
  • 21. out-dez 2015 | 21 o e m ” . mão dela entre as suas, seus olhos se encontraram e com um sorriso largo ele lhe assegurou amavelmente: “Meu bem, eu realmente gosto de seu sorriso”. ORAÇÃOINTERCESSORA Este é o momento ideal para cada um analisar o que está “torto” em sua própria vida. O ano de 2015 logo se finda- rá, e é imprescindível que cada jovem ore pedindo para que Deus faça a cirurgia necessária para que seu coração decida amar ao Senhor e ao próximo apesar dos desafios que a vida impõe. MENSAGEM Conforme a maturidade, podemos dizer que há pelo menos três faces do amor: A FACE “SE” O alvo primário deste amor não é a outra pessoa. O amor “se” tem interesse em satisfazer apenas suas próprias necessidades. Muitos são apanhados neste impulso egoísta e reconhecem tarde demais que foram enganados. Wendy tinha apenas 18 anos. Seu namorado manipulou insistentemente a relação e ela acabou cedendo. Wendy en- gravidou e os pais do rapaz o forçaram a casar-se com ela. Ra- pidamente ela se tornou apenas a empregada da casa e a babá. Sua autoestima é baixa e sua vida tornou-se miserável porque reconheceu demasiado tarde a face enganosa do amor “se”. Tragicamente em outros tipos de relação também se ofe- rece apenas a face “se” do amor. Harry sabia quanto seu pai queria que ele fosse médico e estava convencido de que se ele não conseguisse o diploma, seu pai o rejeitaria. Reprovado no vestibular, deprimido e acreditando que seu pai não mais o amava, o jovem suicidou-se. A FACE “PORQUE” Esta face parece valorizar a outra pessoa: “Eu te amo porque você é atraente; porque você traz segurança à minha vida”, e assim por diante. O amor “porque” oferece afagos à pessoa amada, por outro lado, tende a promover a insegurança. Os que são objetos do amor “porque” sentem que precisam pro- var continuamente que são dignos de amor e receiam perder a qualidade que os tornam amados. Amor e temor não podem coexistir na mesma relação. Judy era jovem, havia ganhado muitos concursos de bele- za e era muito popular na faculdade. Um dia, ao trabalhar na tinturaria de seu pai, um fluido inflamável explodiu e quei- mou seu rosto. Pouco depois do acidente seu noivo rompeu o compromisso. Seus pais não podiam contemplar sua “rainha da beleza” desfigurada e raramente a visitavam no hospital. Dentro de poucos meses Judy faleceu. Não de complicações. Ela simplesmente desistiu de viver, pois a razão porque era amada foi-lhe tirada. Sua beleza se foi. A FACE “APESAR DE” Esta espécie de amor simplesmente ama, pois não é ba- seada em motivação egoísta, não espera nada em troca. Também não depende do aspecto atrativo da outra pessoa e descobre valor infinito em um ser finito. A expressão máxi- ma deste amor é Jesus, que ama cada um de nós de maneira incondicional. “Deus prova seu próprio amor para conosco, pelo fato de Cristo ter morrido por nós, sendo nós ainda pecadores” (Romanos 5:8). Jesus não trouxe uma face do amor que diz: “Eu o amarei se você for uma boa pessoa”, ou “Eu o amo porque você vai à igreja cada semana.” Isto não mede o amor de Deus por nós. Deus não espera até merecermos ser amados. Não há “se” nem “porque” no amor de Deus. Ele simplesmente ama! Deus é amor! ESPÍRITODEPROFECIA “Necessitamos... falar dos preciosos capítulos em nossa ex- periência, sobre a misericórdia e amorável bondade de Deus, as incomparáveis profundezas do amor do Salvador. Quando a mente e o coração estão cheios do amor de Deus, não será difícil partilhar aquilo que faz parte da vida espiritual. Grandes pensamentos, nobres aspirações, clara percepção da verdade, propósitosaltruístas,anelosdepiedadeesantidade,encontrarão expressão em palavras que revelem a qualidade dos tesouros do coração”. Vidas que Falam, pág. 242. MÃONAMASSA Louvor: Reforçar o amor de Deus por cada um de nós; este é o objetivo deste momento de louvor. Não deixe que ninguém fique sozinho nas fileiras da igreja. Todos devem estar sentados perto de alguém e desfrutar da companhia de seu próximo. Testemunho: Não é extraordinário saber que Deus ainda nos ama apesar de nosso “sorriso torto”? Dê aos jovens alguns minutos para pensar que tipo de amor estão oferecendo à sua família, aos amigos, à igreja e, principalmente, a Jesus. Busque testemunhos de pessoas que tomaram boas e sábias decisões apesar de um contexto desfavorável. Oração Intercessora: Todos devem receber uma caneta e um papel dobrado ao meio. Com base no texto: “Assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros” (João 13:34), de um lado cada um deve escrever as vitórias que fo- ram alcançadas neste ano. Ao lado devem escrever os desafios que, juntamente com Deus, buscarão superar no ano seguinte. Orem individualmente. Mensagem: “Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos sepa- rar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 8:38 e 39). Realize um debate: Que face do amor você prefere? s o r e - m u r o u u u, - o. s o. - a ProvaFinal
  • 22. © George Doyle | Stockbyte 22 | out-dez 2015 [ Culto 8 ] Autor: União Central Brasileira Eumeamo! “Ele levanta do pó o necessitado e ergue do lixo o pobre, para fazê-los sentar-se com príncipes, com os príncipes do seu povo” (Salmos 113:7-8). LOUVOR Refrigera Minha Alma – CD Jovem 1999 Jesus, Muito Obrigado – CD Jovem 2000 O Melhor Lugar do Mundo – CD Jovem 2003 T A e s P t d c n s A O o - m R ProvaFinal
  • 23. out-dez 2015 | 23 ! e e u . TESTEMUNHO A JUVENTUDE RELIGIOSAMENTE ativa têm níveis mais elevados de autoestima do que seus pares que não são religio- sos, de acordo com um estudo apresentado pela American Psychological Association. O envolvimento religioso parece ter o maior impacto sobre como os adolescentes se avaliam, disseram os pesquisadores. O estudo demonstrou que os jovens religiosos são mais confiantes em suas habilidades, enquanto os adolescentes que não estão envolvidos em atividades religiosas são propensos a sentir que não têm muito do que se “orgulhar” (Texto adaptado. Ansel Oliver/ANN). ORAÇÃOINTERCESSORA Neste mundo, há muitas pessoas oprimidas. Foi dito a elas, verbalmente ou não, que eram preguiçosas, que eram burras, que não seriam nada na vida, que não tinham qualquer tipo de beleza exterior, etc., e elas passaram a acreditar nisso. Essas pessoas também estão dentro da nossa igreja. Escolha dois jovens que façam uma oração por todos os que sofrem com sua baixa autoestima. Orem para que Deus restaure o valor e o amor próprio de cada pessoa, e que nos use como instrumentos na tarefa de valorizar o nosso próximo. MENSAGEM De acordo com o dicionário Aurélio, autoestima é o “apreço ou valorização que uma pessoa confere a si própria, permitindo- -lhe ter confiança nos próprios atos e pensamentos”. Em Salmos 139:14 lemos: “Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas”. Em Romanos 5:8, “Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores”. Além destes textos, quando lemos o verso bíblico “Ama- rás o próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:39), é possível compreender realmente que só podemos querer bem aos outros se apreciarmos e valori- zarmos a nós mesmos. “Quandocontemploosteuscéus,obrados teusdedos,aluaeasestrelasquealifirmaste, pergunto:Queéohomem,paraquecom ele te importes? E o filho do homem, para que com ele te preocupes? Tu o fizeste um pouco menor do que os seres celestiais e o coroaste de glória e de honra” (Salmos 8:3-5). “Ninguémtemopoderdedeterminaroquevoupensardemim mesmo. O Deus que nos deu a vida deu-nos, ao mesmo tempo, liberdade”, Nathaniel Branden. “Não se vendem cinco pardais por duas moedinhas? Con- tudo, nenhum deles é esquecido por Deus. Até os cabelos da cabeça de vocês estão todos contados. Não tenham medo; vocês valem mais do que muitos pardais.” (Lucas 12:6-7). Para Deus você é muito especial, mas se você não se amar e autovalorizar, quem poderá fazê-lo por você? ESPÍRITODEPROFECIA “Ele [Deus] deseja que o homem, a obra prima de Seu po- der criador, atinja o desenvolvimento mais elevado possível. Propõe-nos a altura da bênção à qual nos deseja levar, por meio de Sua graça. Convida-nos a entregar-nos a Ele, a fim de que possa efetuar em nós a Sua vontade. A nós compete escolher se queremos ser libertados da escravidão do pecado, para participar da gloriosa liberdade dos filhos de Deus” (Ca- minho a Cristo, pág. 44). MÃONAMASSA Louvor: Durante o momento de louvor a congregação deve ser orientada a pensar nos cuidados de Deus para com cada um, o livramento e a proteção que Ele proporciona diariamente, e nas bênçãos que o Senhor nos dá por amar-nos como somos. Testemunho: Conclua esta parte com uma pequena repre- sentação - Um nativo africano, de estatura muito baixa, ficou espantado quando alguém o aconselhou a fazer sapatos com plataforma alta para disfarçar sua altura, mas ele declarou: “Foi Deus que me fez assim”. Isto é aceitação própria. Quando nos amamos e nos aceitamos como somos, podemos aceitar e amar a outra pessoa tal como é. Oração Intercessora: Antes de orar prepare uma dinâmica onde cada um dos presentes possa escrever uma coisa positiva sobre alguém também presente. Será uma maneira especial de elevar o moral de todos. Mensagem: No YouTube você vai encontrar várias opções de vídeos baseados no livro de Leonardo Boff, A Águia e a Ga- linha. A TV Novo Tempo também aborda o tema sob várias perspectivas. Conclua o culto jovem reforçando que “o homem é obra das mãos de Deus, Sua obra-prima, criada para elevado e santo desígnio” (Temperança, pág. 142). ProvaFinal
  • 24. © Warren Goldswain e Ra2 studio | Fotolia 24 | out-dez 2015 [ Culto 9 ] Autor: União Central Brasileira Vivabem “... Eu vim para que tenham vida, e a tenham plenamente” (João 10:10). LOUVOR Vem Espírito Santo – CD Jovem 2013 Restaura – CD Jovem 2012 Eu posso todas as coisas – CD Jovem 2010 T “A B r im h d d e d d n f f a O t r c c e M u h s n m d S s p im ProvaFinal
  • 25. out-dez 2015 | 25 a a ” ). TESTEMUNHO “A SAÚDE É o sonho tanto de ricos quanto de pobres. O Dr. Ben Carson, célebre neurocirurgião, relata: Quando eu fazia residência médica no Hospital Johns Hopkins, ficava muito impressionado com o status dos pacientes que via internados, havia muitos chefes de estado, membros da realeza e diretores de grandes organizações. Vários deles estavam morrendo de doenças terríveis e alegremente abririam mão de todos os títulos e de cada centavo que possuíam para que a saúde ficasse em dia. Isso realmente coloca em perspectiva aquilo que importa de verdade na vida”... Precisamos investir na conservação da boa saúde, em vez de nos preocuparmos apenas quando algo a ameaça. E, quando falamos em saúde, devemos pensar em todas as dimensões: física, mental e espiritual. Nosso dever é otimizar esses três aspectos” (Viva com Esperança, pág. 6 e 7). ORAÇÃOINTERCESSORA O Senhor anseia que vivamos a vida em sua plenitude e que tenhamos a consciência de que o nosso corpo é templo do Espí- rito Santo. A intemperança embota a mente e dificulta a nossa comunhão. Oremos para que cada um possa viver de maneira coerente com a verdade que conhece. Oremos pelas pessoas enfermas e para que Deus nos use como canais de bênçãos. MENSAGEM Aproveite esta linda descrição de Ellen White para fazer uma dramatização sem diálogos, somente com o narrador: “Muitos dos que iam ter com Cristo em busca de auxílio, haviam trazido sobre si a enfermidade; todavia, Ele não Se recu- sava a curá-los. E quando a virtude que dEle provinha penetrava nessas pessoas, elas experimentavam a convicção do pecado, e muitos eram curados de sua enfermidade espiritual, bem como da doença física. Entre esses estava o paralítico de Cafarnaum... Sua doença era o resultado de uma vida pecaminosa, e seus sofrimentos eram amargurados pelo remorso. Em vão apelara para os fariseus e os doutores em busca de alívio... O paralítico imergira no desespero. Ouviu então contar as obras de Jesus. Outros, tão pecadores e desamparados como ele, haviam sido curados, e foi animado a crer que também ele o poderia ser, se fosse levado ao Salvador. Sua esperança quase se desvaneceu ao lembrar-se da causa de seu mal, todavia não podia rejeitar a possibilidade da cura. Seu grande desejo era o alívio do grande fardo do pecado. Ansiava ver a Jesus, e receber a certeza do perdão e a paz com o Céu. Então estaria contente de viver ou morrer, segundo a vontade de Deus. Não havia tempo a perder... Suplicou aos amigos que o conduzissem em seu leito a Jesus... Tão compacta era, porém, a multidão que se aglomerara dentro e em volta da casa em que estava o Salvador, que era impossível ao doente e seus amigos chegarem até Ele, ou mesmo pôr-se-Lhe ao alcan- ce da voz... Por sugestão sua, os amigos o suspenderam para o telhado da casa e, abrindo o teto, baixaram-no aos pés de Jesus. O discurso foi interrompido. O Salvador contemplou a dolo- rosa fisionomia, e viu os olhos súplices nEle cravados... Agora, em palavras que soavam qual música aos ouvidos atentos do enfermo, o Salvador disse: “Filho, tem bom ânimo; perdoados te são os teus pecados”. Mateus 9:2. O peso da culpa cai da alma do doente... As palavras de Cristo revelam Seu poder de ler o coração. Quem pode negar Seu poder de perdoar pecados?... Desaparece o sofrimento físico do homem, e todo o seu ser se acha transformado. Sem mais nada pedir, repousa em tranquilo silêncio, demasiado feliz para falar... Mas os fariseus, receosos de perder a influência para com o povo, diziam em seu coração: “Por que diz este assim blas- fêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Deus?” Marcos 2:7. Fixando neles o olhar, sob o qual se intimidaram e retro- cederam, Jesus disse: “Por que pensais mal em vosso coração? Pois o que é mais fácil? Dizer ao paralítico: Perdoados te são os teus pecados, ou: Levanta-te e anda? Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem na Terra autoridade para perdoar pecados”, disse Ele voltando-Se para o paralítico: “Levanta-te, toma a tua cama e vai para tua casa”. Mateus 9:4-6. Então aque- le que havia sido levado num leito a Jesus pôs-se de pé com a elasticidade e a força de um jovem. E “tomando logo o leito, saiu em presença de todos, de sorte que todos se admiraram e glorificaram a Deus”. Marcos 2:12. ProvaFinal
  • 26. 26 | out-dez 2015 ... A cura do corpo era uma evidência do poder que reno- vara o coração. Cristo mandou que o paralítico se erguesse e andasse, “para que saibais”, disse Ele, “que o Filho do Homem tem na Terra autoridade para perdoar pecados”. Mateus 9:6. O paralítico encontrou em Cristo tanto a cura da alma co- mo a do corpo. Ele necessitava saúde da alma antes de poder apreciar a do corpo. Antes de poder ser curada a enfermidade física, Cristo precisava dar alívio à mente, e purificar a alma do pecado. Essa lição não deve ser passada por alto... Não podem encontrar alívio enquanto não forem ter com o Médico da alma. A paz que tão-somente Ele pode comunicar restituiria vigor à mente e saúde do corpo... Grande regozijo houve na casa do paralítico quando ele voltou... levando com facilidade o leito em que fora penosa- mente conduzido... Reuniram-se ao seu redor com lágrimas de alegria, mal ousando crer no que seus olhos viam... Aqueles braços que antes estavam sem vida, achavam-se agora prontos a obedecer-lhe à vontade... Ele caminhava com passo firme e desembaraçado... Alegres ações de graças subiram daquele lar, e Deus foi glorificado por meio de Seu Filho, que restituíra a esperança ao destituído dela, e força ao abatido. Esse homem e sua família estavam prontos a dar a vida por Jesus. Nenhuma dúvida ofuscava sua fé; nenhuma descrença lhes prejudicava a fidelidade para com Aquele que lhes trouxera luz ao ensom- brado lar.” (Ciência do Bom Viver, capítulo 5). ESPÍRITODEPROFECIA Ar puro, luz solar, abstinência, repouso, exercício, regime conveniente, uso de água e confiança no poder divino - eis os verdadeiros remédios (A Ciência do Bom Viver, pág. 127). MÃONAMASSA Louvor: Aproveite os intervalos entre cada música para contar breves histórias de cura ou de pessoas que conheceram a igreja através da mensagem de saúde. Testemunho: Ao final desta parte, peça para que algumas pessoas comentem e relacionem com o tema da saúde os seguintes versículos: Mateus 11:28, 1 Pedro 5:7, Isaías 41:10, Daniel 1:8. Oração Intercessora: Os presentes devem ser divididos em 8 grupos, cada um representando um dos remédios naturais. Durante o culto jovem cada grupo terá um momento para uma breve oração. Fazendo um rodízio, todos poderão refle- tir e orar sobre o que precisam melhorar na sua vida e como podem ajudar a alguém que precise daquele remédio natural. Mensagem: Não se esqueça de ensaiar bem antes de apre- sentar a dramatização sugerida. Escolha um narrador que leia bem, dando um brilho especial à história. Os jovens podem promover uma Feira de Saúde depois desta programação. ProvaFinal
  • 28. © Marcel | Fotolia 28 | out-dez 2015 NataléJesus “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.” (Isaías 9:6). LOUVOR Não Há Alguém – CD Jovem 2014 Sempre de Jesus – CD Jovem 2005 A Única Esperança- CD Jovem 2014 O J t t fa c e M n q o p m q n D p o t s e r e u r g o D g v O lh p n m p p v [ Culto 10 ] Autor: Pr. Miguel Angel Victoriano Pastor distrital - MChP TESTEMUNHO O COLÉGIO ADVENTISTA La Cisterna, Chile, realizou em 2013 a campanha Mutirão de Natal, cujo objetivo foi arrecadar alimentos não perecíveis, roupas e brinquedos para as famílias carentes. O programa de encerramento contou com a par- ticipação de professores, alunos e representantes do centro de estudos. Também participaram da atividade representantes destacados da comunidade, além de autoridades trazidas pelas diferentes equipes parti- cipantes. Com comissões organizadas, divididos em quatro equipes, foram arrecadados quase 2.000 kg de alimen- tos não perecíveis, destinados às famílias carentes. Sem dúvida, essa será uma experiência marcante para as crianças e jovens que passam a ter mais compaixão pelas pessoas carentes. ProvaFinal
  • 29. out-dez 2015 | 29 ORAÇÃOINTERCESSORA Oremos para que neste natal nos lembremos de que sem Jesus essas festas não têm sentido. Ele é que deve estar no cen- tro da celebração e também no centro de nossa vida, durante todos os dias do ano. Orar pelas pessoas necessitadas, que vivem nas ruas, e pelas famílias pobres é também excelente forma de encher o coração com o amor de Deus e, a partir disso, realizar algo concreto em favor dessas pessoas. MENSAGEM Enquanto Miguel terminava de montar a árvore de Natal na sala de sua casa, podia-se ouvir da cozinha os antigos jingles que soavam no velho rádio a pilhas, que a mamãe tinha sobre o refrigerador. Que linda era essa data. Parecia que todos os problemas da casa se desvaneciam e apenas reinava uma at- mosfera de paz e felicidade. Já estava quase tudo pronto e apenas faltava colocar a estrela quando surgiu um problema. A árvore era muito alta e Miguel não alcançava a sua ponta. Então ele pediu a ajuda de seu irmão Davi para erguê-lo a fim de poder alcançar a ponta da árvore. Pouco depois, ao redor da mesa estava toda a família pronta para desfrutar de uma deliciosa ceia de natal. Pouco antes de orarem agradecendo a Deus pelos alimentos o papai pergun- tou ao Miguel o que mais ele gostava a respeito do Natal. Um sorriso se desenhou no rosto do menino enquanto olhava de esguio para debaixo da árvore que estava diante da mesa, e respondeu: “Eu gosto dos presentes. Sem dúvida é disso que eu mais gosto. Os presentes”. Não é incrível que na data em que o mundo diz recordar um acontecimento tão transcendente para seu destino, que relembra o ato de generosidade jamais visto, seja dedicada à gratificação pessoal e à satisfação do egoísmo? Se há um espírito que deve reinar no Natal é o de dar, o de oferecer, o de negar a si mesmo em favor dos demais. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho uni- gênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16). Dar foi a maior manifestação de Deus para o ser humano. O Senhor deu o que de mais valioso possuía: Seu próprio Fi- lho. O espírito do Natal é doar, presentear. Mas que tipo de presente? O presente de que estou falando não está à venda nas lojas do bairro nem tampouco nos grandes shoppings do mundo. Ainda, não haveria quantia suficiente de dinheiro para pagar por ele. É muito mais, é o único presente que pode preencher nossos mais profundos anelos. Alguém disse certa vez a respeito de nossa maior necessidade: - Se nossa maior necessidade fosse a informação, Deus nos teria enviado um educador. - Se nossa maior necessidade fosse a tecnologia, Deus nos teria enviado um cientista. - Se nossa maior necessidade fosse dinheiro, Deus nos teria enviado um economista. - Se nossa maior necessidade fosse os prazeres, Deus nos teria enviado um animador de festas. - Porém, nossa maior necessidade é de perdão e, assim sendo, Deus nos enviou o Salvador. Jesus Cristo é o Salvador do Mundo, o maior presente que podemos receber e também dar neste Natal. Não gaste sua energia em vão. Neste Natal você pode receber Jesus em seu coração e compartilhá-Lo com seus queridos. ESPÍRITODEPROFECIA “A juventude deve ser tratada com muito cuidado. Não devem ser deixados no Natal a buscar seus próprios diverti- mentos em prazeres vãos, em diversões que lhes rebaixarão a espiritualidade. Os pais podem controlar esta questão vol- tando a mente e as ofertas dos filhos para Deus e Sua causa e a salvação de almas” (O Lar Adventista, p. 478). MÃONAMASSA Louvor: Os momentos de louvor que antecedem o início do programa podem ser feitos com os hinos do Hinário Ad- ventista alusivos ao Natal. Na medida do possível, incentiva- mos que os momentos de louvor sejam acompanhados por diversos instrumentos musicais, ao vivo. Estaremos assim apoiando a participação de mais jovens e desenvolvendo seus talentos. Testemunho: Graças às campanhas do Mutirão de Natal, promovidas pela ADRA, não faltam histórias de igrejas e de escolas adventistas que se envolveram com muita dedicação e conseguiram beneficiar muitas famílias carentes na América do Sul. Fazer um cartaz com notícias de toda a Divisão será uma forma interessante de incentivar a unidade da igreja em favor do próximo. Oração Intercessora: Como já sabemos, este deve ser um momento muito solene. Seria bom preparar caixinhas de presentes, bem enfeitadas para cada um dos irmãos que comparecerem. Eles deverão incluir na caixa o nome de algum familiar ou amigo a quem desejam trazer para Jesus, como um presente para nosso Senhor. As caixas devem ser fechadas e então, feita a oração por esses nomes. Mensagem: Se preferir, dramatize a história acima trocando o final, com Miguel falando a respeito da alegria que sente em compartilhar os presentes com as crianças carentes. e, o s - o e e - o - s. a o ProvaFinal