SlideShare uma empresa Scribd logo
ANTROPOLOGIA
DA RELIGIÃO
Alisson de Souza
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
>
> Definir antropologia da religião e como ocorreu seu desenvolvimento.
>
> Reconhecer a íntima relação entre antropologia e religião.
>
> Descrever o processo de construção das características específicas da
antropologia e da religião.
Introdução
A antropologia da religião é uma ciência que busca compreender o ser humano
a partir dos fenômenos religiosos por ele produzidos ou a ele relacionados.
Para isso, o estudo antropológico da religião utiliza as mais diferentes óticas
para compreender os fatos e a pessoa em sua plenitude. Levantamentos e
dados históricos e científicos sobre o desenvolvimento do humano em meio
à religiosidade possibilitam observar questões étnico-raciais, regionais e
culturais, por exemplo.
Nestecapítulo,falaremossobreopercursohistóricopercorridoporessaciência.
Alémdisso,analisaremosaíntimarelaçãoentreaantropologiaeareligião,edelas
comoutrasciências,afimdecompreendercomoaantropologiadesenvolveusua
própria linha de pensamento.
Introdução à
antropologia
da religião
Alisson de Souza
Religião e antropologia
O intuito da antropologia da religião é compreender e (re)definir de que forma
as instituições religiosas se relacionam com as diversas culturas presentes na
sociedade. Para obter dados e informações verossímeis e relevantes, ela utiliza
as práticas e as crenças religiosas como objeto de estudo. A seguir, definiremos
e distinguiremos antropologia e religião, analisando como elas se fundiram em
uma única ciência, a qual se diferencia dos demais estudos sobre a religiosidade.
Religião
A religião é um sistema formado por práticas e por crenças. Essas práticas e
crenças sempre olham para um sagrado, em uma busca constante por uma
aprovação, uma benção, uma ação ou um olhar divino. Ela seria um sistema
solidário, ou seja, formado pela concordância e pela harmonia entre seus
membros e adeptos. Quando se frequenta, adere-se e participa de uma
religião, busca-se conviver de maneira harmoniosa com os demais fiéis da
mesma crença. Assim, é mantida a fé conjunta, a qual caminha em uma mesma
direção, sem que existam conflitos que venham a denegrir essa comunidade
religiosa, denominada Igreja. Ou seja, quem adere à essa fé não prejudica
nem afeta a presença dos demais (DURKHEIM, 1996).
Toda essa fé comunitária, como dissemos, é ligada a um sagrado. Segundo
Croatto (2010), o sagrado é o ato ou o símbolo humano que busca encontrar
o divino. Ou seja, quando se fala em sagrado, não se fala de Deus, mas da
expressão que se usa para Dele lembrar ou a Ele chegar ou atingir. Por exemplo,
o sagrado não seria Deus, mas o ato de orar, de rezar, de acender uma vela.
Com isso, “[...] pode-se afirmar que o sagrado não é a meta da atitude ou
da experiência religiosa. Esse fim seria o próprio transcendente” (CROATTO,
2010, p. 61).
Quando se fala do próprio Deus, o termo a ser utilizado, segundo Croatto
(2010), é transcendente, representando que é um Ser acima da Criação. Ele
pertence ao plano transcendental, não ao terreno. Portanto, o sagrado é o
ato, enquanto o transcendente é o Ser final. Quando o sentido humano de
um ato é ultrapassado, o sagrado é evidenciado (MENDONÇA, 1999).
Utiliza-se, portanto, um sagrado repleto de simbolismo para se atingir o
transcendente. E o contrário? Enquanto o sagrado define uma comunicação do
ser humano com Deus, a hierofania define a caminhada contrária. A hierofania
trata do “Deus que fala com o homem”: é a manifestação do transcendente
para com o profano, o humano (ELIADE, 1992, p. 13).
Introdução à antropologia da religião
2
Antropologia
Para entender a antropologia religiosa, é fundamental compreender, antes de
mais nada, o que é, de fato, a antropologia por si só. A antropologia é estudo
que busca compreender o ser humano a partir de sua totalidade, utilizando
observações e levantamentos de cunho científico. Para isso, ela utiliza três
ciências (MARCONI; PRESOTTO, 2015):
1.	 a social, que é o fato de conhecer o homem como integrante de algum
grupo ou de uma sociedade;
2.	 a humana, a qual é voltada para a compreensão do que forma a totalidade
de um ser humano, como sua história, suas crenças e sua linguagem;
3.	 a natural, que se interessa pela evolução e pelo conhecimento psicossomá-
tico, uma percepção daquilo que é simultaneamente orgânico e psicológico.
Portanto, a antropologia aborda o ser humano e sua cultura, tendo por
objeto de estudo aspectos como questões presentes nas mais diversas
expressões a partir de seu comportamento, seu corpo e sua formação como
pessoa. Com vista a todas essas questões que podem ser estudadas, a discus-
são antropológica pode ser dimensionada em física, sociocultural, filosófica
e religiosa, por exemplo (MARCONI; PRESOTTO, 2015).
A abordagem antropológica exige que se rompa com os conhecimen-
tos abstratos e especulativos. Sua missão é estudar diretamente os
comportamentos sociais a partir das relações humanas destacadas em âmbito
social, a partir de evidências e de relatos sinceros e espontâneos daqueles que
são alvo desse estudo (LAPLANTINE, 2007).
Por fim, é importante evidenciar que a investigação antropológica utiliza
métodos comparativos para que se obtenham dados e informações impor-
tantes e relevantes e descubram-se semelhanças ou diferenças a partir de
aspectos físicos, psíquicos, sociais, culturais e religiosos. Tem por objetivo,
assim, compreender a humanidade como um todo, a partir de uma observação
global (MARCONI; PRESOTTO, 2015).
Percurso histórico da antropologia
A história da antropologia teria se iniciado na antiga Grécia, a partir de Heró-
doto (485–425 a.C.). Ele observava as diferenças culturais existentes entre os
Introdução à antropologia da religião 3
gregos e os estrangeiros com quem eles tinham contato, fosse por questões
bélicas ou comerciais. O romano Tácito (56–120 d.C.) descrevia os costumes,
o ambiente e o caráter dos povos germânicos, visando alertar Roma sobre a
força física e espiritual deles. Não os considerava corruptos, ao contrário de
outros povos bárbaros com que Roma tinha contato. Lembrando que esse
mesmo povo esteve fortemente envolvido com a queda do Império Romano
do Ocidente, em 476 d.C.
Santo Agostinho (354–430 d.C.) também tratou sobre questões lógicas
e metafísicas da vida a partir do comportamento humano (PELTO, 1975). A
metafísica é “[...] é o estudo ou o conhecimento da essência das coisas ou
do Ser real e verdadeiro das coisas, daquilo que elas são em si mesmas,
apesar das aparências que possam ter e das mudanças que possam sofrer”
(CHAUÍ, 2015, p. 230).
Na Idade Média, a partir do século XIII, a compreensão sobre o ser humano
passou a ser realizada de maneira mais ampla, auxiliando na busca por conhe-
cimentos sobre os povos e seus respectivos costumes. Marco Polo (1254–1324 )
desbravou territórios asiáticos, especialmente a China, e pesquisou sobre seus
conhecimentos e culturas. O viajante árabe Ibn Batuta (1304–1378) percorreu,
ao todo, 120 mil quilômetros e trouxe a realidade sobre povos do Ocidente
africano, da Rússia, da China, do Camboja e da Sumatra, a partir de aspectos
políticos, culturais e religiosos (PELTO, 1975).
No século XIX, houve uma virada científica no que diz respeito aos estudos
sobre o ser humano, contribuindo de maneira decisiva para o surgimento da
antropologia: passou-se a analisar, a identificar e a catalogar características
e padrões humanos. Émile Durkheim (1858–1917) e Marcel Mauss (1872–1950)
foram dois dos grandes nomes da Antropologia que guiaram o início da orga-
nização e da metodologia do pensamento antropológico (LAPLANTINE, 2007).
Durkheim propõe que os fatos humanos sejam analisados de maneira
separada de outras ciências. Para ele, as abordagens socioantropológicas não
competem a estudos que analisam questões afetivas e psicológicas desses
fatos. Portanto, os fatos sociais são objetos de estudo específicos de uma
ciência própria, uma vez esses fatos geram reflexos, que também podem ser
fatos. Ou seja, a ação gera uma reação, a qual não pode ser analisada por
outra ciência que não seja a abordagem socioantropológica. É importante
lembrar que Durkheim não emancipava, separava, a antropologia da sociologia
(LAPLANTINE, 2007).
Mauss, por sua vez, buscava a emancipação da antropologia, a fim
de que fosse reconhecida como uma ciência autônoma, separada da
sociologia. Ele entendia que, para se compreender um fato social, é
Introdução à antropologia da religião
4
preciso observá-lo de maneira ampla, a partir de aspectos antropoló-
gicos, sociológicos, fisiológicos e psicológicos. Para ele, os eventos da
humanidade precisam ser observados em todas as dimensões possíveis,
em especial a sociológica, a histórica e a psicofisiológica. Ele entende
que a totalidade humana possui diversos aspectos e planos que são
estudados de maneira isolada, mas que exigem a compreensão do todo.
É o geral que se entende a partir do particular. O fenômeno social se
entende de dentro para fora e de fora para dentro. Ou seja, em toda sua
complexidade, observa-se a realidade de fora dela, mas se colocando
na própria realidade (LAPLANTINE, 2007).
A relação entre religião e antropologia:
entendendo a antropologia da religião
Tratando-se da antropologia da religião, pode-se afirmar que ela é um estudo
próprio da visão antropológica, a qual considera o ser humano a partir de
conceitos religiosos. Seu surgimento ocorreu no século XIX, assim com a
própria antropologia, ligado diretamente às questões ideológicas e a uma
valorização das religiões (PEREIRA, 2016).
Com o fortalecimento do pensamento e dos efeitos causados pela laici-
dade, provenientes da Revolução Francesa, em 1789, e do crescimento dos
movimentos iluministas, houve um grande movimento ligado à negação
das religiões. Surgiram vários novos pensamentos, como os de Ludwig
Feuerbach, que discutia a consciência de Deus como sendo a própria cons-
ciência humana, e os de Friedrich Nietzsche, que argumentava que Deus já
estava morto. Eles vão ao encontro de um distanciamento de Deus e, por
consequência, de um afastamento das instituições religiosa dominantes
(PEREIRA, 2016, p. 265):
Contudo, no século XIX, o cristianismo continuou a ser dominante na Europa e,
frequentemente, à boleia dos impérios coloniais desenvolveram-se movimentos
de revitalização que expandiram o cristianismo para além das fronteiras deste
continente. Neste século, associando burocracias eficazes e um elevado finan-
ciamento, as sociedades missionárias protestantes estenderam o cristianismo
protestante à maior parte do mundo não ocidental.
Assim, forma-se a antropologia da religião, que se posiciona de modo a
estudar as religiões e tudo aquilo que as envolve. Parte-se da premissa de que
a fé e a espiritualidade guiam as experiências humanas. Enquanto a religião se
baseia em uma ação coletiva, a espiritualidade possui um caráter individual,
Introdução à antropologia da religião 5
podendo, inclusive, afastar-se de formatos, de organizações coletivas e de
instituições tradicionais. Ambas são indicadores para compreender e tipificar
essa experiência (HAVILAND et al., 2011, p. 382):
Uma vez que nenhuma cultura conhecida, incluindo as das sociedades industriais
modernas, conseguiu controlar de modo absoluto as condições e as circunstân-
cias existentes ou futuras a espiritualidade e/ou a religião são importantes para
todas as culturas conhecidas. Apresentam, contudo, uma considerável variedade.
As diferentes vivências de fé intrínsecas dos diferentes povos e períodos
históricos formam uma característica importante, a qual sempre deve ser
considerada. Por exemplo, povos coletores, ligados diretamente ao contato
e à extração de recursos naturais, possuíam uma visão de mundo naturalista,
a qual se conecta diretamente a uma religião presente em seu cotidiano. Em
contrapartida, a civilização ocidental possui uma religiosidade conectada
a momentos específicos e próprios, uma vez que a complexidade social e a
sofisticação tecnológica não fazem, da religião, algo presente em seu cotidiano
(HAVILAND et al., 2011).
Além disso, é importante lembrar que as religiões são constituídas por
uma crença, que é formada por narrativas próprias. Essas crenças são cons-
tituídas por diversos aspectos específicos dentro de cada religiosidade. Por
exemplo, os membros de uma religião compartilham narrativas sagradas, as
quais explicam fundamentos da existência humana. A isso, dá-se o nome de
mito. O mito também é capaz de fornecer bases racionais para as crenças e as
práticas religiosas, estabelecendo padrões de comportamento e orientações
de fé. Desses mitos, podem surgir narrativas literárias, textos e livros que
abordam essa temática mitológica (HAVILAND et al., 2011).
Outro fator relevante a ser destacado quanto à constituição das crenças
é a existência e a presença de seres e de poderes sobrenaturais. “Para tentar
controlar por meios religiosos o que não pode ser controlado de outras formas,
os seres humanos fazem orações, sacrifícios e outros rituais religiosos ou
espirituais [recorde-se dos conceitos de sagrado e transcendência, propos-
tos anteriormente]” (HAVILAND et al., 2011, p. 385, acréscimo nosso). Assim,
pressupõe-se a existência de seres que se relacionam com o ser humano a
partir de atos que reavivem e glorifiquem sua memória. É preciso ressaltar
que a presença de seres sobrenaturais também pode ser sentida por meio
de objetos naturais considerados sagrados, como um monte, um lago ou uma
rocha extraordinária (HAVILAND et al., 2011).
Segundo Pereira (2016), as análises antropológicas realizadas a respeito desses
objetos de estudo, apresentados anteriormente, e de tantos outros possíveis,
Introdução à antropologia da religião
6
permitem dar um caráter científico a uma ciência tão complexa. Por mais que se-
jam teóricos ou ilusórios, como afirma o autor, a antropologia religiosa é baseada
nos dados criados e apresentados pelos fenômenos religiosos. Explicar a religião
não é o objetivo dessa abordagem, mas, sim, entender as relações humanas com
as religiosidades com que o homem permeia. Para isso, a antropologia precisa
de percepções provenientes de outras ciências, de forma que possa analisar e
compreender os mais diversos fatos religiosos presentes na atualidade como
as novas religiosidades, a secularização e a mobilidade religiosa.
A antropologia é uma ciência que estuda o ser humano a partir dos
mais diversos aspectos que envolvem a fenomenologia. Por isso,
a antropologia da religião apresenta respostas frente aos comportamentos
humanos que possuem caráter religioso. Assim, pode-se produzir conteúdo de
cunho religioso para questões puramente humana. Por exemplo, há vida após a
morte? Se Deus é bom, por que existem pessoas más? Se o ser humano possui
o pecado original em si, como ele pode ir para o céu?
Antropologia da religião versus outras
ciências religiosas
A antropologia da religião busca compreender a humanidade a partir de
aspectos puramente religiosos. Contudo, para atingir seus objetivos, não é
incomum que os estudos antropológicos façam o uso de observações próprias
de outras ciências. Enquanto abordagens científicas como história, psicologia
ou sociologia possuem uma visão que se limita à sua área de estudo, a an-
tropologia é capaz de buscar aspectos de cada uma delas para destrinchar
a complexidade proposta pela existência e pela convivência humanas.
Sendo a antropologia uma das ciências mais jovens a serem formadas,
sabe-se que seu desenvolvimento foi priorizado apenas após o surgimento
da geologia, da genética, da biologia e da própria sociologia. “Pode-se afirmar
que, somente após os conhecimentos da célula e da evolução terem sido
formulados e aplicados ao homem, é que a Antropologia se sistematizou e
progrediu como ciência do homem” (MARCONI; PRESOTTO, 2015, p. 8).
Quando se trata do surgimento da antropologia da religião, entende-se que
sua distância teórica e cronológica de nascimento não é tardia, em comparação
com os estudos antropológicos. Contudo, assim como ocorreu com a antropo-
logia propriamente dita, ela surge tardiamente, apenas no século XIX. Outras
abordagens científicas sobre a religião já haviam se formado e amadurecido.
Introdução à antropologia da religião 7
Lembre-se de que a antropologia da religião é uma ciência que busca es-
tudar o ser humano a partir de sua relação com a fé. Para isso, ela observa os
fenômenos religiosos a fim de compreender característica humanas que são
evidenciadas. Qual é a relação entre o ser humano a fé? Como a fé cria fenô-
menos sociais e religiosos em meio a sociedade? Como a fé se fez presente em
fatos históricos? Para cada uma dessas perguntas, a antropologia da religião
busca respostas, podendo, inclusive, utilizar argumentos de outras ciências.
Mas quais são as diferenças entre a antropologia e outros estudos científicos?
A filosofia da religião
Segundo Sweetman (2013, p. 16), "[...] a filosofia da religião pode ser definida
como a tentativa feita por filósofos de investigar a racionalidade das afir-
mações religiosas básicas”. Observe as diferenças entre os pensamentos
antropológico e filosófico sobre a religião. A filosofia da religião é um exem-
plo de estudo que busca discutir sobre questões que envolvem o ambiente
religioso. Para Sweetman (2013, p. 16), “[...] a Filosofia da Religião pode ser
definida como a tentativa feita por filósofos de investigar a racionalidade das
afirmações religiosas básicas”. Ela não prevê que aquele que pensa a respeito
de uma religiosidade seja um crente. O filósofo da religião não necessita de
determinada crença, nem precisa ter uma crença.
Dessa forma, para se compreender esse ramo da Filosofia, é necessário
que se afastar de um estudo de uma crença pura, a qual deposita total con-
fiança na existência e na ação de Deus. Para se entender a religiosidade a
partir dessa ciência, parte-se de experimentos e fenômenos sensíveis aos
sentidos. Assim, permite-se a discussão e o encontro de provas racionais
que sustentam essa ciência (SWEETMAN, 2013).
Com isso, ela se diferencia da antropologia da religião, uma vez que sua
busca se dá por conceituações racionais sobre os fenômenos, não necessa-
riamente considerando os aspectos humanos. Sua função é discutir racio-
nalmente os fenômenos religiosos, enquanto o estudo antropológico visa
observar de maneira ampla a humanidade presente em cada fato.
A sociologia da religião
A sociologia da religião, como disciplina científica, desenvolveu-se como um
meio de abordar teórica e empiricamente os fenômenos religiosos. É preciso
lembrar que Durkheim defendeu que a antropologia da religião permane-
Introdução à antropologia da religião
8
cesse um ramo dos estudos sociológicos, enquanto Marcel Mauss propôs a
emancipação da abordagem antropológica da sociológica. Portanto, ambas
se encontram próximas histórica e teoricamente. Na atualidade, a sociologia
da religião busca compreender de maneira aprofundada fenômenos como o
embate entre secularização e dessecularização, a mercantilização e a privati-
zação da religião frente a uma “revanche divina” contra esses movimentos, e o
fenômeno da explosão de movimentos religiosos que nascem mundialmente.
Portanto, ela busca explicar as relações entre a religião e a sociedade a partir
de evidências empíricas, observando e dimensionando aspectos sociais da
religião e religiosos da sociedade (CIPRIANI, 2007).
É possível perceber que a sociologia e a antropologia trabalham conjunta-
mente em vista de um mesmo objeto: o ser humano. Contudo, considerando
a separação proposta por Mauss, percebe-se que o estudo sociológico da
religião se preocupa com as questões coletivas a respeito das religiões.
Enquanto isso, a abordagem antropológica da religião busca compreender a
comunidade a partir de uma pessoa, e uma pessoa a partir de sua comunidade,
conforme propõe o próprio Mauss.
Com base no que foi discutido neste capítulo, podemos ver que a an-
tropologia da religião é um estudo amplo, que aborda toda a complexidade
comportada no ser humano. Por isso, ela utiliza estudos diversos sobre o ser
humano, como a filosofia e a sociologia da religião, elucidadas anteriormente,
e, também, a história da religião (que busca compreender os fatos histórico
que envolvem a formação e a consolidação das crenças, dos rituais e das
religiões) e a psicologia da religião (que traz uma abordagem psicológica
sobre as crenças e as experiências religiosas de um indivíduo). Além disso, seu
estudo também se distancia de uma explicação propriamente religiosa, como
propõem a teologia (que busca observar criticamente a formação, a estrutura
e as práticas próprias de uma religiosidade) e a ciência da religião (que busca
compreender a história das religiões, investigando-as de maneira sistemática).
Referências
CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ed. Ática, 2000.
CIPRIANI, R. Manual de sociologia da religião. Tradução Ivo Storniolo. São Paulo: Paulus,
2007.
CROATTO, J. S. As linguagens da experiência religiosa: uma introdução à fenomenologia
da religião. 3. ed. São Paulo: Paulinas, 2010.
DURKHEIM, É. As formas elementares da vida religiosa. Tradução Paulo Neves. São
Paulo: Martins Fontes, 1996.
Introdução à antropologia da religião 9
ELIADE, M. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
HAVILAND, W. et al. Princípios de antropologia. Tradução Elisete Paes e Lima. São Paulo:
Cengage Learning, 2011.
LAPLANTINE, F. Aprender antropologia. Tradução Marie-Agnès Chauvel. São Paulo:
Brasiliense, 2007.
MARCONI, M. A.; PRESOTTO, Z. M. N. Antropologia: uma introdução. 7. ed. São Paulo:
Atlas, 2015.
MENDONÇA, A. G. Fenomenologia da experiência religiosa. Numen, Juiz de Fora, v. 2, nº
2, 1999. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/numen/article/view/21737.
Acesso em: 24 out. 2020.
PELTO, P. J. Iniciação ao estudo da antropologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
PEREIRA, P. Uma viagem retrospectiva à antropologia da religião. Antropología Ex-
perimental, Jaén, nº 16, p. 263-284, 2016. Disponível em: https://revistaselectronicas.
ujaen.es/index.php/rae/article/view/2441. Acesso em: 24 out. 2020.
SWEETMAN, B. Religião: conceitos-chave em filosofia. Tradução Roberto Cataldo Costa.
Porto Alegre: Penso, 2013.
Os links para sites da web fornecidos neste capítulo foram todos
testados, e seu funcionamento foi comprovado no momento da
publicação do material. No entanto, a rede é extremamente dinâmica; suas
páginas estão constantemente mudando de local e conteúdo. Assim, os editores
declaram não ter qualquer responsabilidade sobre qualidade, precisão ou
integralidade das informações referidas em tais links.
Introdução à antropologia da religião
10
Antropologia da religião 3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidade
Over Lane
 
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"
 
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religiãoFé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Leandro Nazareth Souto
 
Ciencias da religião
Ciencias da religiãoCiencias da religião
Ciencias da religião
Mauro Sousa
 
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismodo Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
Larissa Barreis
 
Principais Religiões do Mundo
Principais Religiões do MundoPrincipais Religiões do Mundo
Principais Religiões do Mundo
Alex Ferreira dos Santos
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Tiago Machado
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
Juliana Corvino de Araújo
 
Teologia Patristica
Teologia PatristicaTeologia Patristica
Teologia Patristica
Afonso Murad (FAJE)
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
Fábio Nogueira, PhD
 
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdf
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdfIntrodução à Fenomenologia de Husserl.pdf
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdf
Felipe Pinho
 
Secularização
SecularizaçãoSecularização
Secularização
Daladier Lima
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Keiler Vasconcelos
 
Psicologia da religião
Psicologia da religião  Psicologia da religião
Psicologia da religião
Filipe Rhuan
 
10 aconselhamento pastoral
10 aconselhamento pastoral10 aconselhamento pastoral
10 aconselhamento pastoral
faculdadeteologica
 
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNeroRelações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
culturaafro
 
Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
terceirao-zepires
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
Cintia Dozono
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
ECUMENISMO
ECUMENISMOECUMENISMO
ECUMENISMO
luciano
 

Mais procurados (20)

Religiões da humanidade
Religiões da humanidadeReligiões da humanidade
Religiões da humanidade
 
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
 
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religiãoFé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
 
Ciencias da religião
Ciencias da religiãoCiencias da religião
Ciencias da religião
 
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismodo Teocentrismo ao Antropocentrismo
do Teocentrismo ao Antropocentrismo
 
Principais Religiões do Mundo
Principais Religiões do MundoPrincipais Religiões do Mundo
Principais Religiões do Mundo
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Teologia Patristica
Teologia PatristicaTeologia Patristica
Teologia Patristica
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdf
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdfIntrodução à Fenomenologia de Husserl.pdf
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdf
 
Secularização
SecularizaçãoSecularização
Secularização
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
 
Psicologia da religião
Psicologia da religião  Psicologia da religião
Psicologia da religião
 
10 aconselhamento pastoral
10 aconselhamento pastoral10 aconselhamento pastoral
10 aconselhamento pastoral
 
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNeroRelações ÉTnico Raciais E De GêNero
Relações ÉTnico Raciais E De GêNero
 
Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
 
Sociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comumSociologia: Ciência x Senso comum
Sociologia: Ciência x Senso comum
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
ECUMENISMO
ECUMENISMOECUMENISMO
ECUMENISMO
 

Semelhante a Antropologia da religião 3

Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Werkson Azeredo
 
Antropologia texto 1
Antropologia   texto 1Antropologia   texto 1
Antropologia texto 1
Charlison Melo Guimarães
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimentoFilosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Diego Ventura
 
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
ceakimb
 
Apostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticosApostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticos
Ricardo Albert
 
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da AlimentaçãoSlide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
SilviaSales6
 
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Claudia araujo
 
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
FabioGomes141583
 
4 antropologia missionária
4 antropologia missionária4 antropologia missionária
4 antropologia missionária
faculdadeteologica
 
Antrapologia 1
Antrapologia 1Antrapologia 1
Apresentações Sociais
Apresentações SociaisApresentações Sociais
Apresentações Sociais
itassa
 
Antropologia correcao3.
Antropologia correcao3.Antropologia correcao3.
Antropologia correcao3.
itassa
 
Fluxograma filosofia
Fluxograma filosofiaFluxograma filosofia
Fluxograma filosofia
katiagomes89
 
Antropologia da religião
Antropologia da religiãoAntropologia da religião
Antropologia da religião
Salomao Lucio Dos Santos
 
Artigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitualArtigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitual
Israel serique
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
Joao Balbi
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
Joao Balbi
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
Geani Pedrosa
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
Jordano Santos Cerqueira
 

Semelhante a Antropologia da religião 3 (20)

Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
 
Antropologia texto 1
Antropologia   texto 1Antropologia   texto 1
Antropologia texto 1
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimentoFilosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
Filosofia e o surgimento da epistemologia ou teoria do conhecimento
 
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
Reflexões teóricas e históricas sobre o espiritualismo de 1850 a 1930
 
Apostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticosApostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticos
 
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da AlimentaçãoSlide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
 
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
Antropologiajurdica anotaesdeaula-130226213353-phpapp02
 
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
2020-2 - [1] - História e Desenvolvimento da Psicologia.pptx
 
4 antropologia missionária
4 antropologia missionária4 antropologia missionária
4 antropologia missionária
 
Antrapologia 1
Antrapologia 1Antrapologia 1
Antrapologia 1
 
Apresentações Sociais
Apresentações SociaisApresentações Sociais
Apresentações Sociais
 
Antropologia correcao3.
Antropologia correcao3.Antropologia correcao3.
Antropologia correcao3.
 
Fluxograma filosofia
Fluxograma filosofiaFluxograma filosofia
Fluxograma filosofia
 
Antropologia da religião
Antropologia da religiãoAntropologia da religião
Antropologia da religião
 
Artigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitualArtigo: modelo conflitual
Artigo: modelo conflitual
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
 
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
 

Mais de Salomao Lucio Dos Santos

Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasilAntropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileirosAntropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia e cultura
Antropologia e culturaAntropologia e cultura
Antropologia e cultura
Salomao Lucio Dos Santos
 
As scolas de antropologia
As scolas de antropologiaAs scolas de antropologia
As scolas de antropologia
Salomao Lucio Dos Santos
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Salomao Lucio Dos Santos
 
Castro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-culturalCastro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-cultural
Salomao Lucio Dos Santos
 
Cultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileirasCultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileiras
Salomao Lucio Dos Santos
 
Estudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicosEstudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicos
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,
Salomao Lucio Dos Santos
 
Apostila revisão geral
Apostila revisão geralApostila revisão geral
Apostila revisão geral
Salomao Lucio Dos Santos
 
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunosResumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Salomao Lucio Dos Santos
 
Dinãmica
DinãmicaDinãmica

Mais de Salomao Lucio Dos Santos (13)

Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasilAntropologia da religião 5 - antropologia no brasil
Antropologia da religião 5 - antropologia no brasil
 
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileirosAntropologia e cultura  olhares e discursos sobre os brasileiros
Antropologia e cultura olhares e discursos sobre os brasileiros
 
Antropologia e cultura
Antropologia e culturaAntropologia e cultura
Antropologia e cultura
 
As scolas de antropologia
As scolas de antropologiaAs scolas de antropologia
As scolas de antropologia
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
 
Castro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-culturalCastro celso evolucionismo-cultural
Castro celso evolucionismo-cultural
 
Cultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileirasCultura e identidade brasileiras
Cultura e identidade brasileiras
 
Estudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicosEstudos culturais e antropologicos
Estudos culturais e antropologicos
 
Antropologia cultura
Antropologia   culturaAntropologia   cultura
Antropologia cultura
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,
 
Apostila revisão geral
Apostila revisão geralApostila revisão geral
Apostila revisão geral
 
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunosResumo cinematica e dinâmica para alunos
Resumo cinematica e dinâmica para alunos
 
Dinãmica
DinãmicaDinãmica
Dinãmica
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 

Antropologia da religião 3

  • 2. OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM > > Definir antropologia da religião e como ocorreu seu desenvolvimento. > > Reconhecer a íntima relação entre antropologia e religião. > > Descrever o processo de construção das características específicas da antropologia e da religião. Introdução A antropologia da religião é uma ciência que busca compreender o ser humano a partir dos fenômenos religiosos por ele produzidos ou a ele relacionados. Para isso, o estudo antropológico da religião utiliza as mais diferentes óticas para compreender os fatos e a pessoa em sua plenitude. Levantamentos e dados históricos e científicos sobre o desenvolvimento do humano em meio à religiosidade possibilitam observar questões étnico-raciais, regionais e culturais, por exemplo. Nestecapítulo,falaremossobreopercursohistóricopercorridoporessaciência. Alémdisso,analisaremosaíntimarelaçãoentreaantropologiaeareligião,edelas comoutrasciências,afimdecompreendercomoaantropologiadesenvolveusua própria linha de pensamento. Introdução à antropologia da religião Alisson de Souza
  • 3. Religião e antropologia O intuito da antropologia da religião é compreender e (re)definir de que forma as instituições religiosas se relacionam com as diversas culturas presentes na sociedade. Para obter dados e informações verossímeis e relevantes, ela utiliza as práticas e as crenças religiosas como objeto de estudo. A seguir, definiremos e distinguiremos antropologia e religião, analisando como elas se fundiram em uma única ciência, a qual se diferencia dos demais estudos sobre a religiosidade. Religião A religião é um sistema formado por práticas e por crenças. Essas práticas e crenças sempre olham para um sagrado, em uma busca constante por uma aprovação, uma benção, uma ação ou um olhar divino. Ela seria um sistema solidário, ou seja, formado pela concordância e pela harmonia entre seus membros e adeptos. Quando se frequenta, adere-se e participa de uma religião, busca-se conviver de maneira harmoniosa com os demais fiéis da mesma crença. Assim, é mantida a fé conjunta, a qual caminha em uma mesma direção, sem que existam conflitos que venham a denegrir essa comunidade religiosa, denominada Igreja. Ou seja, quem adere à essa fé não prejudica nem afeta a presença dos demais (DURKHEIM, 1996). Toda essa fé comunitária, como dissemos, é ligada a um sagrado. Segundo Croatto (2010), o sagrado é o ato ou o símbolo humano que busca encontrar o divino. Ou seja, quando se fala em sagrado, não se fala de Deus, mas da expressão que se usa para Dele lembrar ou a Ele chegar ou atingir. Por exemplo, o sagrado não seria Deus, mas o ato de orar, de rezar, de acender uma vela. Com isso, “[...] pode-se afirmar que o sagrado não é a meta da atitude ou da experiência religiosa. Esse fim seria o próprio transcendente” (CROATTO, 2010, p. 61). Quando se fala do próprio Deus, o termo a ser utilizado, segundo Croatto (2010), é transcendente, representando que é um Ser acima da Criação. Ele pertence ao plano transcendental, não ao terreno. Portanto, o sagrado é o ato, enquanto o transcendente é o Ser final. Quando o sentido humano de um ato é ultrapassado, o sagrado é evidenciado (MENDONÇA, 1999). Utiliza-se, portanto, um sagrado repleto de simbolismo para se atingir o transcendente. E o contrário? Enquanto o sagrado define uma comunicação do ser humano com Deus, a hierofania define a caminhada contrária. A hierofania trata do “Deus que fala com o homem”: é a manifestação do transcendente para com o profano, o humano (ELIADE, 1992, p. 13). Introdução à antropologia da religião 2
  • 4. Antropologia Para entender a antropologia religiosa, é fundamental compreender, antes de mais nada, o que é, de fato, a antropologia por si só. A antropologia é estudo que busca compreender o ser humano a partir de sua totalidade, utilizando observações e levantamentos de cunho científico. Para isso, ela utiliza três ciências (MARCONI; PRESOTTO, 2015): 1. a social, que é o fato de conhecer o homem como integrante de algum grupo ou de uma sociedade; 2. a humana, a qual é voltada para a compreensão do que forma a totalidade de um ser humano, como sua história, suas crenças e sua linguagem; 3. a natural, que se interessa pela evolução e pelo conhecimento psicossomá- tico, uma percepção daquilo que é simultaneamente orgânico e psicológico. Portanto, a antropologia aborda o ser humano e sua cultura, tendo por objeto de estudo aspectos como questões presentes nas mais diversas expressões a partir de seu comportamento, seu corpo e sua formação como pessoa. Com vista a todas essas questões que podem ser estudadas, a discus- são antropológica pode ser dimensionada em física, sociocultural, filosófica e religiosa, por exemplo (MARCONI; PRESOTTO, 2015). A abordagem antropológica exige que se rompa com os conhecimen- tos abstratos e especulativos. Sua missão é estudar diretamente os comportamentos sociais a partir das relações humanas destacadas em âmbito social, a partir de evidências e de relatos sinceros e espontâneos daqueles que são alvo desse estudo (LAPLANTINE, 2007). Por fim, é importante evidenciar que a investigação antropológica utiliza métodos comparativos para que se obtenham dados e informações impor- tantes e relevantes e descubram-se semelhanças ou diferenças a partir de aspectos físicos, psíquicos, sociais, culturais e religiosos. Tem por objetivo, assim, compreender a humanidade como um todo, a partir de uma observação global (MARCONI; PRESOTTO, 2015). Percurso histórico da antropologia A história da antropologia teria se iniciado na antiga Grécia, a partir de Heró- doto (485–425 a.C.). Ele observava as diferenças culturais existentes entre os Introdução à antropologia da religião 3
  • 5. gregos e os estrangeiros com quem eles tinham contato, fosse por questões bélicas ou comerciais. O romano Tácito (56–120 d.C.) descrevia os costumes, o ambiente e o caráter dos povos germânicos, visando alertar Roma sobre a força física e espiritual deles. Não os considerava corruptos, ao contrário de outros povos bárbaros com que Roma tinha contato. Lembrando que esse mesmo povo esteve fortemente envolvido com a queda do Império Romano do Ocidente, em 476 d.C. Santo Agostinho (354–430 d.C.) também tratou sobre questões lógicas e metafísicas da vida a partir do comportamento humano (PELTO, 1975). A metafísica é “[...] é o estudo ou o conhecimento da essência das coisas ou do Ser real e verdadeiro das coisas, daquilo que elas são em si mesmas, apesar das aparências que possam ter e das mudanças que possam sofrer” (CHAUÍ, 2015, p. 230). Na Idade Média, a partir do século XIII, a compreensão sobre o ser humano passou a ser realizada de maneira mais ampla, auxiliando na busca por conhe- cimentos sobre os povos e seus respectivos costumes. Marco Polo (1254–1324 ) desbravou territórios asiáticos, especialmente a China, e pesquisou sobre seus conhecimentos e culturas. O viajante árabe Ibn Batuta (1304–1378) percorreu, ao todo, 120 mil quilômetros e trouxe a realidade sobre povos do Ocidente africano, da Rússia, da China, do Camboja e da Sumatra, a partir de aspectos políticos, culturais e religiosos (PELTO, 1975). No século XIX, houve uma virada científica no que diz respeito aos estudos sobre o ser humano, contribuindo de maneira decisiva para o surgimento da antropologia: passou-se a analisar, a identificar e a catalogar características e padrões humanos. Émile Durkheim (1858–1917) e Marcel Mauss (1872–1950) foram dois dos grandes nomes da Antropologia que guiaram o início da orga- nização e da metodologia do pensamento antropológico (LAPLANTINE, 2007). Durkheim propõe que os fatos humanos sejam analisados de maneira separada de outras ciências. Para ele, as abordagens socioantropológicas não competem a estudos que analisam questões afetivas e psicológicas desses fatos. Portanto, os fatos sociais são objetos de estudo específicos de uma ciência própria, uma vez esses fatos geram reflexos, que também podem ser fatos. Ou seja, a ação gera uma reação, a qual não pode ser analisada por outra ciência que não seja a abordagem socioantropológica. É importante lembrar que Durkheim não emancipava, separava, a antropologia da sociologia (LAPLANTINE, 2007). Mauss, por sua vez, buscava a emancipação da antropologia, a fim de que fosse reconhecida como uma ciência autônoma, separada da sociologia. Ele entendia que, para se compreender um fato social, é Introdução à antropologia da religião 4
  • 6. preciso observá-lo de maneira ampla, a partir de aspectos antropoló- gicos, sociológicos, fisiológicos e psicológicos. Para ele, os eventos da humanidade precisam ser observados em todas as dimensões possíveis, em especial a sociológica, a histórica e a psicofisiológica. Ele entende que a totalidade humana possui diversos aspectos e planos que são estudados de maneira isolada, mas que exigem a compreensão do todo. É o geral que se entende a partir do particular. O fenômeno social se entende de dentro para fora e de fora para dentro. Ou seja, em toda sua complexidade, observa-se a realidade de fora dela, mas se colocando na própria realidade (LAPLANTINE, 2007). A relação entre religião e antropologia: entendendo a antropologia da religião Tratando-se da antropologia da religião, pode-se afirmar que ela é um estudo próprio da visão antropológica, a qual considera o ser humano a partir de conceitos religiosos. Seu surgimento ocorreu no século XIX, assim com a própria antropologia, ligado diretamente às questões ideológicas e a uma valorização das religiões (PEREIRA, 2016). Com o fortalecimento do pensamento e dos efeitos causados pela laici- dade, provenientes da Revolução Francesa, em 1789, e do crescimento dos movimentos iluministas, houve um grande movimento ligado à negação das religiões. Surgiram vários novos pensamentos, como os de Ludwig Feuerbach, que discutia a consciência de Deus como sendo a própria cons- ciência humana, e os de Friedrich Nietzsche, que argumentava que Deus já estava morto. Eles vão ao encontro de um distanciamento de Deus e, por consequência, de um afastamento das instituições religiosa dominantes (PEREIRA, 2016, p. 265): Contudo, no século XIX, o cristianismo continuou a ser dominante na Europa e, frequentemente, à boleia dos impérios coloniais desenvolveram-se movimentos de revitalização que expandiram o cristianismo para além das fronteiras deste continente. Neste século, associando burocracias eficazes e um elevado finan- ciamento, as sociedades missionárias protestantes estenderam o cristianismo protestante à maior parte do mundo não ocidental. Assim, forma-se a antropologia da religião, que se posiciona de modo a estudar as religiões e tudo aquilo que as envolve. Parte-se da premissa de que a fé e a espiritualidade guiam as experiências humanas. Enquanto a religião se baseia em uma ação coletiva, a espiritualidade possui um caráter individual, Introdução à antropologia da religião 5
  • 7. podendo, inclusive, afastar-se de formatos, de organizações coletivas e de instituições tradicionais. Ambas são indicadores para compreender e tipificar essa experiência (HAVILAND et al., 2011, p. 382): Uma vez que nenhuma cultura conhecida, incluindo as das sociedades industriais modernas, conseguiu controlar de modo absoluto as condições e as circunstân- cias existentes ou futuras a espiritualidade e/ou a religião são importantes para todas as culturas conhecidas. Apresentam, contudo, uma considerável variedade. As diferentes vivências de fé intrínsecas dos diferentes povos e períodos históricos formam uma característica importante, a qual sempre deve ser considerada. Por exemplo, povos coletores, ligados diretamente ao contato e à extração de recursos naturais, possuíam uma visão de mundo naturalista, a qual se conecta diretamente a uma religião presente em seu cotidiano. Em contrapartida, a civilização ocidental possui uma religiosidade conectada a momentos específicos e próprios, uma vez que a complexidade social e a sofisticação tecnológica não fazem, da religião, algo presente em seu cotidiano (HAVILAND et al., 2011). Além disso, é importante lembrar que as religiões são constituídas por uma crença, que é formada por narrativas próprias. Essas crenças são cons- tituídas por diversos aspectos específicos dentro de cada religiosidade. Por exemplo, os membros de uma religião compartilham narrativas sagradas, as quais explicam fundamentos da existência humana. A isso, dá-se o nome de mito. O mito também é capaz de fornecer bases racionais para as crenças e as práticas religiosas, estabelecendo padrões de comportamento e orientações de fé. Desses mitos, podem surgir narrativas literárias, textos e livros que abordam essa temática mitológica (HAVILAND et al., 2011). Outro fator relevante a ser destacado quanto à constituição das crenças é a existência e a presença de seres e de poderes sobrenaturais. “Para tentar controlar por meios religiosos o que não pode ser controlado de outras formas, os seres humanos fazem orações, sacrifícios e outros rituais religiosos ou espirituais [recorde-se dos conceitos de sagrado e transcendência, propos- tos anteriormente]” (HAVILAND et al., 2011, p. 385, acréscimo nosso). Assim, pressupõe-se a existência de seres que se relacionam com o ser humano a partir de atos que reavivem e glorifiquem sua memória. É preciso ressaltar que a presença de seres sobrenaturais também pode ser sentida por meio de objetos naturais considerados sagrados, como um monte, um lago ou uma rocha extraordinária (HAVILAND et al., 2011). Segundo Pereira (2016), as análises antropológicas realizadas a respeito desses objetos de estudo, apresentados anteriormente, e de tantos outros possíveis, Introdução à antropologia da religião 6
  • 8. permitem dar um caráter científico a uma ciência tão complexa. Por mais que se- jam teóricos ou ilusórios, como afirma o autor, a antropologia religiosa é baseada nos dados criados e apresentados pelos fenômenos religiosos. Explicar a religião não é o objetivo dessa abordagem, mas, sim, entender as relações humanas com as religiosidades com que o homem permeia. Para isso, a antropologia precisa de percepções provenientes de outras ciências, de forma que possa analisar e compreender os mais diversos fatos religiosos presentes na atualidade como as novas religiosidades, a secularização e a mobilidade religiosa. A antropologia é uma ciência que estuda o ser humano a partir dos mais diversos aspectos que envolvem a fenomenologia. Por isso, a antropologia da religião apresenta respostas frente aos comportamentos humanos que possuem caráter religioso. Assim, pode-se produzir conteúdo de cunho religioso para questões puramente humana. Por exemplo, há vida após a morte? Se Deus é bom, por que existem pessoas más? Se o ser humano possui o pecado original em si, como ele pode ir para o céu? Antropologia da religião versus outras ciências religiosas A antropologia da religião busca compreender a humanidade a partir de aspectos puramente religiosos. Contudo, para atingir seus objetivos, não é incomum que os estudos antropológicos façam o uso de observações próprias de outras ciências. Enquanto abordagens científicas como história, psicologia ou sociologia possuem uma visão que se limita à sua área de estudo, a an- tropologia é capaz de buscar aspectos de cada uma delas para destrinchar a complexidade proposta pela existência e pela convivência humanas. Sendo a antropologia uma das ciências mais jovens a serem formadas, sabe-se que seu desenvolvimento foi priorizado apenas após o surgimento da geologia, da genética, da biologia e da própria sociologia. “Pode-se afirmar que, somente após os conhecimentos da célula e da evolução terem sido formulados e aplicados ao homem, é que a Antropologia se sistematizou e progrediu como ciência do homem” (MARCONI; PRESOTTO, 2015, p. 8). Quando se trata do surgimento da antropologia da religião, entende-se que sua distância teórica e cronológica de nascimento não é tardia, em comparação com os estudos antropológicos. Contudo, assim como ocorreu com a antropo- logia propriamente dita, ela surge tardiamente, apenas no século XIX. Outras abordagens científicas sobre a religião já haviam se formado e amadurecido. Introdução à antropologia da religião 7
  • 9. Lembre-se de que a antropologia da religião é uma ciência que busca es- tudar o ser humano a partir de sua relação com a fé. Para isso, ela observa os fenômenos religiosos a fim de compreender característica humanas que são evidenciadas. Qual é a relação entre o ser humano a fé? Como a fé cria fenô- menos sociais e religiosos em meio a sociedade? Como a fé se fez presente em fatos históricos? Para cada uma dessas perguntas, a antropologia da religião busca respostas, podendo, inclusive, utilizar argumentos de outras ciências. Mas quais são as diferenças entre a antropologia e outros estudos científicos? A filosofia da religião Segundo Sweetman (2013, p. 16), "[...] a filosofia da religião pode ser definida como a tentativa feita por filósofos de investigar a racionalidade das afir- mações religiosas básicas”. Observe as diferenças entre os pensamentos antropológico e filosófico sobre a religião. A filosofia da religião é um exem- plo de estudo que busca discutir sobre questões que envolvem o ambiente religioso. Para Sweetman (2013, p. 16), “[...] a Filosofia da Religião pode ser definida como a tentativa feita por filósofos de investigar a racionalidade das afirmações religiosas básicas”. Ela não prevê que aquele que pensa a respeito de uma religiosidade seja um crente. O filósofo da religião não necessita de determinada crença, nem precisa ter uma crença. Dessa forma, para se compreender esse ramo da Filosofia, é necessário que se afastar de um estudo de uma crença pura, a qual deposita total con- fiança na existência e na ação de Deus. Para se entender a religiosidade a partir dessa ciência, parte-se de experimentos e fenômenos sensíveis aos sentidos. Assim, permite-se a discussão e o encontro de provas racionais que sustentam essa ciência (SWEETMAN, 2013). Com isso, ela se diferencia da antropologia da religião, uma vez que sua busca se dá por conceituações racionais sobre os fenômenos, não necessa- riamente considerando os aspectos humanos. Sua função é discutir racio- nalmente os fenômenos religiosos, enquanto o estudo antropológico visa observar de maneira ampla a humanidade presente em cada fato. A sociologia da religião A sociologia da religião, como disciplina científica, desenvolveu-se como um meio de abordar teórica e empiricamente os fenômenos religiosos. É preciso lembrar que Durkheim defendeu que a antropologia da religião permane- Introdução à antropologia da religião 8
  • 10. cesse um ramo dos estudos sociológicos, enquanto Marcel Mauss propôs a emancipação da abordagem antropológica da sociológica. Portanto, ambas se encontram próximas histórica e teoricamente. Na atualidade, a sociologia da religião busca compreender de maneira aprofundada fenômenos como o embate entre secularização e dessecularização, a mercantilização e a privati- zação da religião frente a uma “revanche divina” contra esses movimentos, e o fenômeno da explosão de movimentos religiosos que nascem mundialmente. Portanto, ela busca explicar as relações entre a religião e a sociedade a partir de evidências empíricas, observando e dimensionando aspectos sociais da religião e religiosos da sociedade (CIPRIANI, 2007). É possível perceber que a sociologia e a antropologia trabalham conjunta- mente em vista de um mesmo objeto: o ser humano. Contudo, considerando a separação proposta por Mauss, percebe-se que o estudo sociológico da religião se preocupa com as questões coletivas a respeito das religiões. Enquanto isso, a abordagem antropológica da religião busca compreender a comunidade a partir de uma pessoa, e uma pessoa a partir de sua comunidade, conforme propõe o próprio Mauss. Com base no que foi discutido neste capítulo, podemos ver que a an- tropologia da religião é um estudo amplo, que aborda toda a complexidade comportada no ser humano. Por isso, ela utiliza estudos diversos sobre o ser humano, como a filosofia e a sociologia da religião, elucidadas anteriormente, e, também, a história da religião (que busca compreender os fatos histórico que envolvem a formação e a consolidação das crenças, dos rituais e das religiões) e a psicologia da religião (que traz uma abordagem psicológica sobre as crenças e as experiências religiosas de um indivíduo). Além disso, seu estudo também se distancia de uma explicação propriamente religiosa, como propõem a teologia (que busca observar criticamente a formação, a estrutura e as práticas próprias de uma religiosidade) e a ciência da religião (que busca compreender a história das religiões, investigando-as de maneira sistemática). Referências CHAUÍ, M. Convite à filosofia. São Paulo: Ed. Ática, 2000. CIPRIANI, R. Manual de sociologia da religião. Tradução Ivo Storniolo. São Paulo: Paulus, 2007. CROATTO, J. S. As linguagens da experiência religiosa: uma introdução à fenomenologia da religião. 3. ed. São Paulo: Paulinas, 2010. DURKHEIM, É. As formas elementares da vida religiosa. Tradução Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1996. Introdução à antropologia da religião 9
  • 11. ELIADE, M. O sagrado e o profano. São Paulo: Martins Fontes, 1992. HAVILAND, W. et al. Princípios de antropologia. Tradução Elisete Paes e Lima. São Paulo: Cengage Learning, 2011. LAPLANTINE, F. Aprender antropologia. Tradução Marie-Agnès Chauvel. São Paulo: Brasiliense, 2007. MARCONI, M. A.; PRESOTTO, Z. M. N. Antropologia: uma introdução. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2015. MENDONÇA, A. G. Fenomenologia da experiência religiosa. Numen, Juiz de Fora, v. 2, nº 2, 1999. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/numen/article/view/21737. Acesso em: 24 out. 2020. PELTO, P. J. Iniciação ao estudo da antropologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1975. PEREIRA, P. Uma viagem retrospectiva à antropologia da religião. Antropología Ex- perimental, Jaén, nº 16, p. 263-284, 2016. Disponível em: https://revistaselectronicas. ujaen.es/index.php/rae/article/view/2441. Acesso em: 24 out. 2020. SWEETMAN, B. Religião: conceitos-chave em filosofia. Tradução Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Penso, 2013. Os links para sites da web fornecidos neste capítulo foram todos testados, e seu funcionamento foi comprovado no momento da publicação do material. No entanto, a rede é extremamente dinâmica; suas páginas estão constantemente mudando de local e conteúdo. Assim, os editores declaram não ter qualquer responsabilidade sobre qualidade, precisão ou integralidade das informações referidas em tais links. Introdução à antropologia da religião 10