SlideShare uma empresa Scribd logo
Bandeira do Egito
África
ESTAMOS NO EGITO: UM LONGÍNQUO PAÍS DA ÁFRICA.  VIAJAMOS NO TEMPO:  INICIAMOS O ANO DE 3.200 Ac.
América do Sul.  Notar a semelhança com o mapa da África. Paralelo entre o Nilo e o São Francisco O rio São Francisco, nasce em Minas Gerais, na serra da   Canastra, e atravessa os estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe onde deságua no oceano Atlântico. Ele  possui uma área de drenagem superior a 630.000 km2 e uma extensão de  3.160 km .  O  Nilo  nasce do degelo do Monte Heba, na África, e se torna  um curso de água no Burundi, com nome de Kagera que deságua no Lago Vitória e deságua no mar Mediterrâneo. O Nilo é o segundo maior rio do mundo em extensão com  6.695 km , perdendo apenas para o Rio Amazonas, no Brasil, que tem  6.868 km.
Delta do Nilo  visto do espaço,  cortesia da  NASA
Interior da Pirâmide de Gizé
A Esfinge continua em Silêncio para aqueles que não sabem ou não querem ouvir a voz interior.
Pirâmides de Miquerinos, Quéfrem e Qéops.
Perceber a aplicação dos conhecimentos de matemática dos egípcios. Construções entre os anos 2.400-2.065 aC.
Os egípcios conheciam matemática: geometria, raiz  quadrada, frações e faziam cálculos de áreas   Papiro com cálculos
Egito, berço de uma civilização prodigiosa e fascinante. A mais duradoura da história.  Egito Antigo e medicina:  Os egípcios praticavam intervenções cirúrgicas até mesmo no crânio. Faziam próteses dentárias. Tratavam infecções de olhos e de ouvidos. Conheciam a circulação sangüínea.
EGITO: TERRA MISTERIOSA   E   FASCINANTE.  Aqui você está passeando pelo vale dos reis, onde se encontram as tumbas dos faraós.  Este lugar está muito alterado devido as inúmeras escavações.
A LENDA DA MALDIÇÃO DA MÚMIA
Anúbis, o deus com a cabeça de chacal, era o guia dos mortos, que acompanhava a alma durante a última viagem e se encarregava de pesá-la na balança da verdade .   Depois que Anúbis dava seu veredicto, a alma era encaminhada para a salvação ou para o eterno castigo.
Máscara de Anúbis usada pelo embalsamador. Amuletos colocados nos túmulos para proteger as múmias
Mesa de embalsamar. Para o tratamento dos órgãos
Ferramentas empregadas na extração das vísceras dos cadáveres.
Ataúde  Tampa do ataúde Sarcófago
Ataúde  Tampa do ataúde Sarcófago O sarcófago intermediário é decorado com um motivo marchetado, com incrustação em pasta de vidro colorido e pedras semipreciosas.
Ataúde  Tampa do ataúde Sarcófago A maior parte do tesouro encontrado na tumba de Tutankhamon está exposta no museu arqueológico do Cairo, no Egito, á espera de que novas gerações de arqueólogos continuem a decifrar  os mistérios que esse tesouro encerra.
O FUNERAL Um dos mistérios que impressiona no Egito é o fato de as pinturas feitas nos interiores das tumbas parecerem novas, mostrando um grande brilho sem qualquer tipo de iluminação
A  máscara mortuária de Tutankhamon, o faraó-menino, último soberano da XVIII Dinastia Egípcia. Morreu aos 18 anos de idade. Foi o último representante dos chamados “reis divinos”
Ferramentas empregadas na extração das vísceras dos cadáveres. Vasos canopos O coração era deixado dentro do corpo, já que não se podia separá-lo, uma vez  que era o lugar onde residia os sentimentos, a consciência e a vida.
Amuletos colocados nos túmulos para proteger as múmias Howard Carter, Lord Carnavou e sua filha Evelyn.  Carter – grande arqueólogo – acreditava que havia alguma coisa importante a mais no vale dos reis e acreditando nos seus sonhos, convenceu o grande empresário Carnavou a financiar uma expedição de escavação no local. Em 1922, Carter, já estava quase desistindo das escavações quando fez  a mais sensacional descoberta arqueológica do século XX: Uma tumba intocada por mais de 3 mil anos.
Carter o descobridor da tumba de Tutankhamon Howard Carter nos primeiros contatos com a múmia
“ Julgo o que a maior parte dos historiadores sentem, assim como eu, uma impressão de mal-estar, de incertezas até, quando penetram numa sala que fora fechada e selada por mãos piedosas 3 mil anos antes. Nessa altura o tempo perde todo o seu significado. 3 mil anos, talvez 4 mil, se passaram desde que o homem deixou de pisar este solo, e contudo o arqueólogo está rodeado, por todos os lados, de indícios de vida: o balde ainda meio cheio de argamassa que tapou a porta, a lâmpada oxidada, a impressão de um dedo na parede, um ramo de flores colocado no patamar numa última homenagem”.    (Howard Carter – arqueólogo – o descobridor da tumba do faraó Tutankhamon)
“ Dir-se-ia que o morto foi enterrado ontem. O próprio ar que respiramos não se renova durante milênios; partilhamo-lo agora com aqueles que colocaram a múmia na sua morada. O conceito de tempo desaparece... E aquela atmosfera que permaneceu aprisionada durante milênios nos faz sentir como intrusos, ou profanadores...”   ( Howard Carter – arqueólogo – o descobridor da tumba do faraó Tutankhamon)
Começaram as escavações e, coisas estranhas aconteciam: a naja entra no alojamento e come o canário de Carter. A serpente naja é a mesma usada na touca dos faraós.
Observe a serpente naja no capacete da máscara mortuária do faraó.
Carnavou morre de uma doença misteriosa.  Ao sair da tumba, num daqueles dias de escavações, sente como que uma picada de um mosquito no rosto, porém não vê o mosquito. Apareceu uma ferida em seu rosto que infeccionou seu organismo todo (septicemia) causando-lhe a morte. A coincidência é que na máscara de Tutakhamon havia uma cicatriz que correspondia exatamente ao local da picada misteriosa no rosto de Carnavou.
Selo com anúbis na entrada da tumba de Tutankhamon. Neste selo continha a seguinte advertência em hieróglifo: “A morte chegará com suas asas ligeiras para aqueles que perturbarem o sono do faraó”
Havia um segundo selo na entrada da tumba, guardando outra câmara, mas este já havia sido violado e sido recolocado. Ninguém sabe porque os exploradores não tiveram coragem de continuar seus trabalhos nem quem esteve na tumba. Na antecâmara da tumba , Carter faz um orifício na parede o que ele vê lá dentro o deixa encantado: Ouro, muito ouro. Magníficos trabalhos artísticos espalhados por todos os lados. Ouro e pedras preciosas...
Urna funerária protegida por um chacal. Um vaso de canopi com as vísceras do faraó protegido nos seus quatro pontos cardeais pelas deusas quardiãs: Íses, Neith, Neeftis  e Selkit .
O chacal, em ouro maciço, chora a morte do faraó.
Os egípcios aplicavam a eletrônica e a eletricidade. Considere o desenho de uma das lâmpadas dos murais do templo de Hathor em Denderah. Veja o bulbo, o gerador e o filamento, conforme protótipo de lâmpada ao lado direito do hieróglifo. Essa lâmpada foi desenvolvida por cientistas modernos e funcionou muito bem.
Comparação entre circuitos elétricos e circuito de uma das tubas dos faraós.
Ao ser aplicada uma carga elétrica num condensador ele cria um campo de forças imaterial LITERALMENTE ATRASADO E PARADO DENTRO DO ESPAÇO FÍSICO DE SEU INVÓLUCRO. A terra continua girando, mas dentro do condensar, energizado e hermeticamente fechado, o conteúdo permanece num eterno presente. Quando, finalmente ele for aberto é como se estivesse sido fechado naquele instante. Esse é o segredo do frescor das oferendas milenares feitas aos mortos do Egito. As tumbas foram energizadas e hermeticamente fechadas. Com as viagens humanas para o espaço aprenderemos muitas formas de relativizar o tempo.
A civilização egípcia da Antigüidade desfrutou de uma longa  estabilidade  que preservou uma mesma estrutura social por vários milênios. Situada às margens do Nilo, o território dos Egípcios é cercado por desertos, o que o protegeu contra invasões. Essa estabilidade permitiu um registro de  dados astronômicos  por milênios, dados esses que foram posteriormente reinterpretados por Ptolomeu no primeiro século de nossa era e, quinze séculos depois, por Nicolau Copérnico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Egito
EgitoEgito
As maravilhas do antigo Egito
As maravilhas do antigo EgitoAs maravilhas do antigo Egito
As maravilhas do antigo Egito
luiscontente
 
Antigo egito alexandre
Antigo egito alexandreAntigo egito alexandre
Antigo egito alexandre
Alexandre Salomão Bortoluzzi Dias
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Isabel Aguiar
 
Egito 1
Egito 1Egito 1
Antigo egito
Antigo egitoAntigo egito
Antigo egito
Ueber Vale
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 
Resumão Egito Antigo
Resumão Egito AntigoResumão Egito Antigo
Resumão Egito Antigo
Wilton Silva
 
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio PiagetEgito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Leticia Ribeiro
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
Isabel Aguiar
 
Egito antigo mui bom
Egito antigo mui bomEgito antigo mui bom
Egito antigo mui bom
Braulio Santos Pereira
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
ProfessoresColeguium
 
Rio Nilo
Rio NiloRio Nilo
Rio Nilo
Carlos Vieira
 
Egito antigo escola com audio
Egito antigo   escola com audioEgito antigo   escola com audio
Egito antigo escola com audio
Leticia Ribeiro
 
Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23
jssrs1313
 
Civilização egipcia
Civilização egipciaCivilização egipcia
Civilização egipcia
tyromello
 
Civilização do antigo egipto
Civilização do antigo egiptoCivilização do antigo egipto
Civilização do antigo egipto
Lanatica
 
Aula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil HebAula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil Heb
Lucas Nunes de Souza
 
Antigo Egito
Antigo EgitoAntigo Egito
Antigo Egito
Anna Caroline
 
O antigo egípcio 7 ano História
O antigo egípcio 7 ano HistóriaO antigo egípcio 7 ano História
O antigo egípcio 7 ano História
Ana Beatriz Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Egito
EgitoEgito
Egito
 
As maravilhas do antigo Egito
As maravilhas do antigo EgitoAs maravilhas do antigo Egito
As maravilhas do antigo Egito
 
Antigo egito alexandre
Antigo egito alexandreAntigo egito alexandre
Antigo egito alexandre
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito 1
Egito 1Egito 1
Egito 1
 
Antigo egito
Antigo egitoAntigo egito
Antigo egito
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Resumão Egito Antigo
Resumão Egito AntigoResumão Egito Antigo
Resumão Egito Antigo
 
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio PiagetEgito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
Egito Antigo - 6ºAno Colégio Piaget
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
Egito antigo mui bom
Egito antigo mui bomEgito antigo mui bom
Egito antigo mui bom
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Rio Nilo
Rio NiloRio Nilo
Rio Nilo
 
Egito antigo escola com audio
Egito antigo   escola com audioEgito antigo   escola com audio
Egito antigo escola com audio
 
Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23Egito Antigo KA23
Egito Antigo KA23
 
Civilização egipcia
Civilização egipciaCivilização egipcia
Civilização egipcia
 
Civilização do antigo egipto
Civilização do antigo egiptoCivilização do antigo egipto
Civilização do antigo egipto
 
Aula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil HebAula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil Heb
 
Antigo Egito
Antigo EgitoAntigo Egito
Antigo Egito
 
O antigo egípcio 7 ano História
O antigo egípcio 7 ano HistóriaO antigo egípcio 7 ano História
O antigo egípcio 7 ano História
 

Destaque

A escrita egípcia
A escrita egípciaA escrita egípcia
A escrita egípcia
Carlos Vieira
 
Povos e impérios da Mesopotâmia
Povos e impérios da MesopotâmiaPovos e impérios da Mesopotâmia
Povos e impérios da Mesopotâmia
Queila Tomaz Alves
 
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumériosOs deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Robson Rocha
 
Deuses do egito
Deuses do egitoDeuses do egito
Deuses do egito
Maria Martim Gabriel
 
Escrita e numeração egípcia
Escrita e numeração egípciaEscrita e numeração egípcia
Escrita e numeração egípcia
Doug Caesar
 
Os deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religiãoOs deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religião
Robson Rocha
 
Deuses egípcios Rita Rosado
Deuses egípcios  Rita RosadoDeuses egípcios  Rita Rosado
Deuses egípcios Rita Rosado
ceufaias
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
Religião egipcia
Religião egipciaReligião egipcia
Religião egipcia
Carlos Vieira
 
Deuses EgíPcios
Deuses EgíPciosDeuses EgíPcios
Deuses EgíPcios
Sílvia Mendonça
 
Antigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípciaAntigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípcia
Carlos Pinheiro
 
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedadeEgito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Carlos Pinheiro
 

Destaque (12)

A escrita egípcia
A escrita egípciaA escrita egípcia
A escrita egípcia
 
Povos e impérios da Mesopotâmia
Povos e impérios da MesopotâmiaPovos e impérios da Mesopotâmia
Povos e impérios da Mesopotâmia
 
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumériosOs deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
Os deuses da antiguidade, mesopotamia, fenicios, sumérios
 
Deuses do egito
Deuses do egitoDeuses do egito
Deuses do egito
 
Escrita e numeração egípcia
Escrita e numeração egípciaEscrita e numeração egípcia
Escrita e numeração egípcia
 
Os deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religiãoOs deuses do egito, religião
Os deuses do egito, religião
 
Deuses egípcios Rita Rosado
Deuses egípcios  Rita RosadoDeuses egípcios  Rita Rosado
Deuses egípcios Rita Rosado
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Religião egipcia
Religião egipciaReligião egipcia
Religião egipcia
 
Deuses EgíPcios
Deuses EgíPciosDeuses EgíPcios
Deuses EgíPcios
 
Antigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípciaAntigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípcia
 
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedadeEgito Antigo: Nilo, economia e sociedade
Egito Antigo: Nilo, economia e sociedade
 

Semelhante a Antigo Egito

Egito
EgitoEgito
Tutankamon
TutankamonTutankamon
Tutankamon
Fabio Santos
 
AULA 3_ Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 3_ Material complementar_ Escola de Mistérios.pdfAULA 3_ Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 3_ Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
GarantiaCorujonda
 
Antniorodrigues radiestesiaclassicaecabalistica-130414130341-phpapp02
Antniorodrigues radiestesiaclassicaecabalistica-130414130341-phpapp02Antniorodrigues radiestesiaclassicaecabalistica-130414130341-phpapp02
Antniorodrigues radiestesiaclassicaecabalistica-130414130341-phpapp02
Carlos Quaresma
 
2 arte egito 2020
2 arte egito 20202 arte egito 2020
2 arte egito 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
ARTE na Antiguidade Oriental (Carla Camuso).ppsx
ARTE na Antiguidade Oriental (Carla Camuso).ppsxARTE na Antiguidade Oriental (Carla Camuso).ppsx
ARTE na Antiguidade Oriental (Carla Camuso).ppsx
Carla Camuso
 
Arte egípcia,1
Arte egípcia,1Arte egípcia,1
Arte egípcia,1
CLEBER LUIS DAMACENO
 
55215881 gabirol-s-a-cabala
55215881 gabirol-s-a-cabala55215881 gabirol-s-a-cabala
55215881 gabirol-s-a-cabala
FELIZZARDO AUTOMAZIONE
 
A Cabala
A CabalaA Cabala
A Cabala
RODRIGO ORION
 
Arteegpcia profantonioribeiro-parte1comtut-100127102504-phpapp02
Arteegpcia profantonioribeiro-parte1comtut-100127102504-phpapp02Arteegpcia profantonioribeiro-parte1comtut-100127102504-phpapp02
Arteegpcia profantonioribeiro-parte1comtut-100127102504-phpapp02
valeriaiturvide
 
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 1. Coisas Velhas com Nomes Novos
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 1. Coisas Velhas com Nomes NovosH. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 1. Coisas Velhas com Nomes Novos
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 1. Coisas Velhas com Nomes Novos
universalismo-7
 
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivasMh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
David Leça
 
Erich Von Daniken - Os Olhos Da Esfinge Doc
Erich Von Daniken  - Os Olhos Da Esfinge DocErich Von Daniken  - Os Olhos Da Esfinge Doc
Erich Von Daniken - Os Olhos Da Esfinge Doc
JNR
 
AULA 1_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 1_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdfAULA 1_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 1_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
GarantiaCorujonda
 
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPciaAs Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
JNR
 
PIRÂMIDES - DETALHES IMPRESSIONANTES !!
PIRÂMIDES - DETALHES IMPRESSIONANTES !!PIRÂMIDES - DETALHES IMPRESSIONANTES !!
PIRÂMIDES - DETALHES IMPRESSIONANTES !!
Fátima Trindade
 
Órion e as Piramides.
Órion e as Piramides.Órion e as Piramides.
Órion e as Piramides.
Claudio Duarte Sá
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
Maria Gomes
 
Pré História
Pré HistóriaPré História
Pré História
Josefa Libório
 
Anunnaki significa
Anunnaki significaAnunnaki significa
Anunnaki significa
Anny Petros e Osmar Valente
 

Semelhante a Antigo Egito (20)

Egito
EgitoEgito
Egito
 
Tutankamon
TutankamonTutankamon
Tutankamon
 
AULA 3_ Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 3_ Material complementar_ Escola de Mistérios.pdfAULA 3_ Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 3_ Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
 
Antniorodrigues radiestesiaclassicaecabalistica-130414130341-phpapp02
Antniorodrigues radiestesiaclassicaecabalistica-130414130341-phpapp02Antniorodrigues radiestesiaclassicaecabalistica-130414130341-phpapp02
Antniorodrigues radiestesiaclassicaecabalistica-130414130341-phpapp02
 
2 arte egito 2020
2 arte egito 20202 arte egito 2020
2 arte egito 2020
 
ARTE na Antiguidade Oriental (Carla Camuso).ppsx
ARTE na Antiguidade Oriental (Carla Camuso).ppsxARTE na Antiguidade Oriental (Carla Camuso).ppsx
ARTE na Antiguidade Oriental (Carla Camuso).ppsx
 
Arte egípcia,1
Arte egípcia,1Arte egípcia,1
Arte egípcia,1
 
55215881 gabirol-s-a-cabala
55215881 gabirol-s-a-cabala55215881 gabirol-s-a-cabala
55215881 gabirol-s-a-cabala
 
A Cabala
A CabalaA Cabala
A Cabala
 
Arteegpcia profantonioribeiro-parte1comtut-100127102504-phpapp02
Arteegpcia profantonioribeiro-parte1comtut-100127102504-phpapp02Arteegpcia profantonioribeiro-parte1comtut-100127102504-phpapp02
Arteegpcia profantonioribeiro-parte1comtut-100127102504-phpapp02
 
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 1. Coisas Velhas com Nomes Novos
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 1. Coisas Velhas com Nomes NovosH. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 1. Coisas Velhas com Nomes Novos
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 1. Coisas Velhas com Nomes Novos
 
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivasMh7 ppt explorar_figuras_votivas
Mh7 ppt explorar_figuras_votivas
 
Erich Von Daniken - Os Olhos Da Esfinge Doc
Erich Von Daniken  - Os Olhos Da Esfinge DocErich Von Daniken  - Os Olhos Da Esfinge Doc
Erich Von Daniken - Os Olhos Da Esfinge Doc
 
AULA 1_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 1_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdfAULA 1_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
AULA 1_Material complementar_ Escola de Mistérios.pdf
 
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPciaAs Origens Da ReligiãO EgíPcia
As Origens Da ReligiãO EgíPcia
 
PIRÂMIDES - DETALHES IMPRESSIONANTES !!
PIRÂMIDES - DETALHES IMPRESSIONANTES !!PIRÂMIDES - DETALHES IMPRESSIONANTES !!
PIRÂMIDES - DETALHES IMPRESSIONANTES !!
 
Órion e as Piramides.
Órion e as Piramides.Órion e as Piramides.
Órion e as Piramides.
 
Arte Egípcia
Arte EgípciaArte Egípcia
Arte Egípcia
 
Pré História
Pré HistóriaPré História
Pré História
 
Anunnaki significa
Anunnaki significaAnunnaki significa
Anunnaki significa
 

Mais de Josefa Libório

Irã Com NarraçãO
Irã Com NarraçãOIrã Com NarraçãO
Irã Com NarraçãO
Josefa Libório
 
MiséRia
MiséRiaMiséRia
MiséRia
Josefa Libório
 
Pinturas Ruprestes
Pinturas RuprestesPinturas Ruprestes
Pinturas Ruprestes
Josefa Libório
 
HistóRia Da Imagem 1
HistóRia Da Imagem 1HistóRia Da Imagem 1
HistóRia Da Imagem 1
Josefa Libório
 
Quando começa a morte?
Quando começa a morte?Quando começa a morte?
Quando começa a morte?
Josefa Libório
 
Visão
VisãoVisão
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Josefa Libório
 
Aliança entre o rei a burguesia
Aliança entre o rei a burguesiaAliança entre o rei a burguesia
Aliança entre o rei a burguesia
Josefa Libório
 
Dominios Germanicos
Dominios GermanicosDominios Germanicos
Dominios Germanicos
Josefa Libório
 
Calendários e História
Calendários e HistóriaCalendários e História
Calendários e História
Josefa Libório
 
Oriente Medio
Oriente MedioOriente Medio
Oriente Medio
Josefa Libório
 
Hebreus
HebreusHebreus
Roma
RomaRoma
Civilizações da Mesopotâia
Civilizações da MesopotâiaCivilizações da Mesopotâia
Civilizações da Mesopotâia
Josefa Libório
 
Pré História da América
Pré História da  AméricaPré História da  América
Pré História da América
Josefa Libório
 

Mais de Josefa Libório (15)

Irã Com NarraçãO
Irã Com NarraçãOIrã Com NarraçãO
Irã Com NarraçãO
 
MiséRia
MiséRiaMiséRia
MiséRia
 
Pinturas Ruprestes
Pinturas RuprestesPinturas Ruprestes
Pinturas Ruprestes
 
HistóRia Da Imagem 1
HistóRia Da Imagem 1HistóRia Da Imagem 1
HistóRia Da Imagem 1
 
Quando começa a morte?
Quando começa a morte?Quando começa a morte?
Quando começa a morte?
 
Visão
VisãoVisão
Visão
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Aliança entre o rei a burguesia
Aliança entre o rei a burguesiaAliança entre o rei a burguesia
Aliança entre o rei a burguesia
 
Dominios Germanicos
Dominios GermanicosDominios Germanicos
Dominios Germanicos
 
Calendários e História
Calendários e HistóriaCalendários e História
Calendários e História
 
Oriente Medio
Oriente MedioOriente Medio
Oriente Medio
 
Hebreus
HebreusHebreus
Hebreus
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Civilizações da Mesopotâia
Civilizações da MesopotâiaCivilizações da Mesopotâia
Civilizações da Mesopotâia
 
Pré História da América
Pré História da  AméricaPré História da  América
Pré História da América
 

Último

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

Antigo Egito

  • 3. ESTAMOS NO EGITO: UM LONGÍNQUO PAÍS DA ÁFRICA. VIAJAMOS NO TEMPO: INICIAMOS O ANO DE 3.200 Ac.
  • 4. América do Sul. Notar a semelhança com o mapa da África. Paralelo entre o Nilo e o São Francisco O rio São Francisco, nasce em Minas Gerais, na serra da Canastra, e atravessa os estados da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe onde deságua no oceano Atlântico. Ele possui uma área de drenagem superior a 630.000 km2 e uma extensão de 3.160 km . O Nilo nasce do degelo do Monte Heba, na África, e se torna um curso de água no Burundi, com nome de Kagera que deságua no Lago Vitória e deságua no mar Mediterrâneo. O Nilo é o segundo maior rio do mundo em extensão com 6.695 km , perdendo apenas para o Rio Amazonas, no Brasil, que tem 6.868 km.
  • 5. Delta do Nilo visto do espaço, cortesia da NASA
  • 7. A Esfinge continua em Silêncio para aqueles que não sabem ou não querem ouvir a voz interior.
  • 8. Pirâmides de Miquerinos, Quéfrem e Qéops.
  • 9. Perceber a aplicação dos conhecimentos de matemática dos egípcios. Construções entre os anos 2.400-2.065 aC.
  • 10. Os egípcios conheciam matemática: geometria, raiz quadrada, frações e faziam cálculos de áreas Papiro com cálculos
  • 11. Egito, berço de uma civilização prodigiosa e fascinante. A mais duradoura da história. Egito Antigo e medicina: Os egípcios praticavam intervenções cirúrgicas até mesmo no crânio. Faziam próteses dentárias. Tratavam infecções de olhos e de ouvidos. Conheciam a circulação sangüínea.
  • 12. EGITO: TERRA MISTERIOSA E FASCINANTE. Aqui você está passeando pelo vale dos reis, onde se encontram as tumbas dos faraós. Este lugar está muito alterado devido as inúmeras escavações.
  • 13. A LENDA DA MALDIÇÃO DA MÚMIA
  • 14. Anúbis, o deus com a cabeça de chacal, era o guia dos mortos, que acompanhava a alma durante a última viagem e se encarregava de pesá-la na balança da verdade . Depois que Anúbis dava seu veredicto, a alma era encaminhada para a salvação ou para o eterno castigo.
  • 15. Máscara de Anúbis usada pelo embalsamador. Amuletos colocados nos túmulos para proteger as múmias
  • 16. Mesa de embalsamar. Para o tratamento dos órgãos
  • 17. Ferramentas empregadas na extração das vísceras dos cadáveres.
  • 18. Ataúde Tampa do ataúde Sarcófago
  • 19. Ataúde Tampa do ataúde Sarcófago O sarcófago intermediário é decorado com um motivo marchetado, com incrustação em pasta de vidro colorido e pedras semipreciosas.
  • 20. Ataúde Tampa do ataúde Sarcófago A maior parte do tesouro encontrado na tumba de Tutankhamon está exposta no museu arqueológico do Cairo, no Egito, á espera de que novas gerações de arqueólogos continuem a decifrar os mistérios que esse tesouro encerra.
  • 21. O FUNERAL Um dos mistérios que impressiona no Egito é o fato de as pinturas feitas nos interiores das tumbas parecerem novas, mostrando um grande brilho sem qualquer tipo de iluminação
  • 22. A máscara mortuária de Tutankhamon, o faraó-menino, último soberano da XVIII Dinastia Egípcia. Morreu aos 18 anos de idade. Foi o último representante dos chamados “reis divinos”
  • 23. Ferramentas empregadas na extração das vísceras dos cadáveres. Vasos canopos O coração era deixado dentro do corpo, já que não se podia separá-lo, uma vez que era o lugar onde residia os sentimentos, a consciência e a vida.
  • 24. Amuletos colocados nos túmulos para proteger as múmias Howard Carter, Lord Carnavou e sua filha Evelyn. Carter – grande arqueólogo – acreditava que havia alguma coisa importante a mais no vale dos reis e acreditando nos seus sonhos, convenceu o grande empresário Carnavou a financiar uma expedição de escavação no local. Em 1922, Carter, já estava quase desistindo das escavações quando fez a mais sensacional descoberta arqueológica do século XX: Uma tumba intocada por mais de 3 mil anos.
  • 25. Carter o descobridor da tumba de Tutankhamon Howard Carter nos primeiros contatos com a múmia
  • 26. “ Julgo o que a maior parte dos historiadores sentem, assim como eu, uma impressão de mal-estar, de incertezas até, quando penetram numa sala que fora fechada e selada por mãos piedosas 3 mil anos antes. Nessa altura o tempo perde todo o seu significado. 3 mil anos, talvez 4 mil, se passaram desde que o homem deixou de pisar este solo, e contudo o arqueólogo está rodeado, por todos os lados, de indícios de vida: o balde ainda meio cheio de argamassa que tapou a porta, a lâmpada oxidada, a impressão de um dedo na parede, um ramo de flores colocado no patamar numa última homenagem”. (Howard Carter – arqueólogo – o descobridor da tumba do faraó Tutankhamon)
  • 27. “ Dir-se-ia que o morto foi enterrado ontem. O próprio ar que respiramos não se renova durante milênios; partilhamo-lo agora com aqueles que colocaram a múmia na sua morada. O conceito de tempo desaparece... E aquela atmosfera que permaneceu aprisionada durante milênios nos faz sentir como intrusos, ou profanadores...” ( Howard Carter – arqueólogo – o descobridor da tumba do faraó Tutankhamon)
  • 28. Começaram as escavações e, coisas estranhas aconteciam: a naja entra no alojamento e come o canário de Carter. A serpente naja é a mesma usada na touca dos faraós.
  • 29. Observe a serpente naja no capacete da máscara mortuária do faraó.
  • 30. Carnavou morre de uma doença misteriosa. Ao sair da tumba, num daqueles dias de escavações, sente como que uma picada de um mosquito no rosto, porém não vê o mosquito. Apareceu uma ferida em seu rosto que infeccionou seu organismo todo (septicemia) causando-lhe a morte. A coincidência é que na máscara de Tutakhamon havia uma cicatriz que correspondia exatamente ao local da picada misteriosa no rosto de Carnavou.
  • 31. Selo com anúbis na entrada da tumba de Tutankhamon. Neste selo continha a seguinte advertência em hieróglifo: “A morte chegará com suas asas ligeiras para aqueles que perturbarem o sono do faraó”
  • 32. Havia um segundo selo na entrada da tumba, guardando outra câmara, mas este já havia sido violado e sido recolocado. Ninguém sabe porque os exploradores não tiveram coragem de continuar seus trabalhos nem quem esteve na tumba. Na antecâmara da tumba , Carter faz um orifício na parede o que ele vê lá dentro o deixa encantado: Ouro, muito ouro. Magníficos trabalhos artísticos espalhados por todos os lados. Ouro e pedras preciosas...
  • 33. Urna funerária protegida por um chacal. Um vaso de canopi com as vísceras do faraó protegido nos seus quatro pontos cardeais pelas deusas quardiãs: Íses, Neith, Neeftis e Selkit .
  • 34. O chacal, em ouro maciço, chora a morte do faraó.
  • 35. Os egípcios aplicavam a eletrônica e a eletricidade. Considere o desenho de uma das lâmpadas dos murais do templo de Hathor em Denderah. Veja o bulbo, o gerador e o filamento, conforme protótipo de lâmpada ao lado direito do hieróglifo. Essa lâmpada foi desenvolvida por cientistas modernos e funcionou muito bem.
  • 36. Comparação entre circuitos elétricos e circuito de uma das tubas dos faraós.
  • 37. Ao ser aplicada uma carga elétrica num condensador ele cria um campo de forças imaterial LITERALMENTE ATRASADO E PARADO DENTRO DO ESPAÇO FÍSICO DE SEU INVÓLUCRO. A terra continua girando, mas dentro do condensar, energizado e hermeticamente fechado, o conteúdo permanece num eterno presente. Quando, finalmente ele for aberto é como se estivesse sido fechado naquele instante. Esse é o segredo do frescor das oferendas milenares feitas aos mortos do Egito. As tumbas foram energizadas e hermeticamente fechadas. Com as viagens humanas para o espaço aprenderemos muitas formas de relativizar o tempo.
  • 38. A civilização egípcia da Antigüidade desfrutou de uma longa estabilidade que preservou uma mesma estrutura social por vários milênios. Situada às margens do Nilo, o território dos Egípcios é cercado por desertos, o que o protegeu contra invasões. Essa estabilidade permitiu um registro de dados astronômicos por milênios, dados esses que foram posteriormente reinterpretados por Ptolomeu no primeiro século de nossa era e, quinze séculos depois, por Nicolau Copérnico.

Notas do Editor

  1. Pesquisar a extenção e a vasão do Rio Nilo Oque foi que você perguntou mesmo?