SlideShare uma empresa Scribd logo
12.3 Antiparkinsonianos
A doença de Parkinson idiopática é distúrbio neurológico progressivo, caracterizando-se por
degeneração de neurônios dopaminérgicos da substância negra e por inclusões neuronais conhecidas como
corpúsculos de Lewy. As manifestações clínicas da doença resultam do desequilíbrio entre neurotransmissores,
o qual é induzido pela degeneração de neurônios dopaminérgicos nigroestriatais. Com isso, há redução de
modulação da dopamina estriatal e, conseqüentemente, exacerbação da modulação colinérgica, indutora das
alterações motoras. O objetivo de tratamento é aumentar a estimulação dopaminérgica ou reduzir a estimulação
colinérgica ou glutamatérgica, restabelecendo o equilíbrio dos neurotransmissores. Para alcançar o primeiro
aspecto, usam-se agonistas diretos dopaminérgicos (bromocriptina, pergolida, lisurida, pramipexol, ropinirol,
cabergolina, apomorfina), precursor de dopamina (levodopa), inibidores da catabolização da dopamina
(inibidores da monoamina oxidase B, como selegilina, e da catecol-O-metiltransferase, como entacapona e
tolcapona) e amantadina que aumenta a liberação de dopamina dos terminais intactos e inibe a sua recaptação.
Fármacos antimuscarínicos usados em doença de Parkinson (biperideno, triexifenidil, benztropina, orfenadrina e
prociclidina) opõem-se ao excesso de efeitos colinérgicos centrais. O tratamento não evita a progressão da
doença, mas melhora a qualidade de vida e diminui a morbidade associada. Os medicamentos têm efeitos
adversos consideráveis que se confundem com manifestações de doenças comuns em idosos. A gravidade do
quadro e o estágio da doença determinam a escolha dos Antiparkinsonianos, bem como a decisão de usar
monoterapia ou fármacos em associação72.
Sintomas que se assemelham à doença de Parkinson aparecem em outros distúrbios neurológicos que
não respondem aos Antiparkinsonianos. Medicamentos, como os antipsicóticos, induzem alterações motoras
similares às do Parkinson idiopático.
O tratamento é sintomático e não deve ser iniciado a não ser quando as manifestações prejudicam
significativamente as atividades diárias73. Neuroproteção, evitando a progressão da doença, seria meta
desejada, mas ainda não evidenciada com nenhum antiparkinsoniano de uso corrente ou outros fármacos
testados72. Para tratamento, a escolha do medicamento inicial mais adequado deve considerar estágio da
doença, sintomas presentes, idade do paciente, outros medicamentos em uso e potenciais efeitos adversos do
fármaco a ser selecionado.
Biperideno é anticolinérgico a ser utilizado como terapia inicial, especialmente quando tremor é a
manifestação predominante. No entanto, possui vários efeitos adversos, especialmente manifestos nos
pacientes mais idosos74. Por via intramuscular, oferece rápido alívio dos sintomas em praticamente todos os
pacientes.
Levodopa + carbidopa é uma associação sinérgica. Levodopa é precursor de dopamina central e
periférica. Na periferia, a conversão é feita pela dopa-descarboxilase circulante. A inibição enzimática por
carbidopa ou benserazida diminui a conversão periférica, fazendo com que maior concentração de levodopa
circulante chegue ao sistema nervoso central. Isso exige menores doses de levodopa e reduz os efeitos
adversos decorrentes da dopamina periférica. A introdução da levodopa produziu benefícios clínicos para
praticamente todos os pacientes e reduziu-lhes a mortalidade. Levodopa é o fármaco mais eficaz no controle
dos sintomas da doença de Parkinson, especialmente rigidez e bradicinesia. Sugere-se que levodopa possa ser
tóxica para neurônios da substância negra e que aumente a progressão da doença, sem haver, porém,
evidências para apoiar tal hipótese. O maior problema no tratamento com levodopa consiste no aparecimento
de flutuações motoras e discinesias associadas a uso prolongado. Pacientes mais jovens são mais vulneráveis
ao aparecimento desses sintomas75. As complicações motoras são mais comuns nos pacientes jovens do que
nos mais velhos. Entretanto, existem algumas circunstâncias nas quais é preferível iniciar o tratamento
sintomático com levodopa, ao invés de fazê-lo com agonistas dopaminérgicos. Idade é fator a ser considerado:
em pacientes acima de 70 anos, em que o risco de flutuação é menor, levodopa pode ser a escolha inicial. A
presença de co-morbidades pode também determinar a seleção inicial. Havendo prejuízo cognitivo, levodopa
torna-se a primeira escolha74,75. Levodopa padrão é igualmente eficaz à levodopa de liberação lenta na melhora
dos sintomas motores. O emprego dessa última forma farmacêutica, teoricamente, visando a obtenção de
estimulação mais continuada de receptores da dopamina, não reduz a taxa de complicações motoras após
cinco anos em relação ao tratamento com a apresentação padrão de levodopa. A adição de agonistas
dopaminérgicos à levodopa aumenta o grau de controle de sintomas de pacientes em fases avançadas da
doença. Levodopa-carbidopa também é indicada em síndrome das pernas inquietas, normalizando os
movimentos periódicos das pernas durante o sono e melhorando a qualidade do sono de pacientes
comprometidos. Também é eficaz em distonia responsiva a DOPA, doença genética com início em infância ou
adolescência e penetrância maior no sexo feminino.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antidepressivos - Fármacos
Antidepressivos - FármacosAntidepressivos - Fármacos
Antidepressivos - Fármacos
joanadebarros
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Jaqueline Almeida
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Cliomar Santos
 
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticosApresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
Paula Soares
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Ansioliticos
AnsioliticosAnsioliticos
Ansioliticos
Safia Naser
 
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
Dr.João Calais.:
 
Ansiolitico, hipnotico e sedativos
Ansiolitico, hipnotico e sedativosAnsiolitico, hipnotico e sedativos
Ansiolitico, hipnotico e sedativos
Magda de Souza Assis
 
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
MAIQUELE SANTANA
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Isabel Teixeira
 
ANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOS
lucasvlmattos
 
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos okSeminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Robeísa Danya
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Safia Naser
 
Aula 3 Biomedicina
Aula 3 BiomedicinaAula 3 Biomedicina
Aula 3 Biomedicina
Caio Maximino
 
AnsiolíTicos E HipnóTicos
AnsiolíTicos E HipnóTicosAnsiolíTicos E HipnóTicos
AnsiolíTicos E HipnóTicos
Farmacêutico Digital
 
Antiepiléticos - Caso Clínico
Antiepiléticos - Caso ClínicoAntiepiléticos - Caso Clínico
Antiepiléticos - Caso Clínico
Margarida Fernandes
 
Ansiolíticos E Odontologia
Ansiolíticos E OdontologiaAnsiolíticos E Odontologia
Ansiolíticos E Odontologia
Estomatologista- Dra Dulce Cabelho
 
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsiaFármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Cleonice Silva
 

Mais procurados (20)

Antidepressivos - Fármacos
Antidepressivos - FármacosAntidepressivos - Fármacos
Antidepressivos - Fármacos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AntidepressivosAula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antidepressivos
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticosApresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Ansioliticos
AnsioliticosAnsioliticos
Ansioliticos
 
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
 
Ansiolitico, hipnotico e sedativos
Ansiolitico, hipnotico e sedativosAnsiolitico, hipnotico e sedativos
Ansiolitico, hipnotico e sedativos
 
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
Farmacologia da depressão + anticonvulsivantes.
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
ANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOSANTIDEPRESSIVOS
ANTIDEPRESSIVOS
 
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos okSeminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
 
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de ParkinsonAula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
Aula - SNC - Tratamento da Doença de Parkinson
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Aula 3 Biomedicina
Aula 3 BiomedicinaAula 3 Biomedicina
Aula 3 Biomedicina
 
AnsiolíTicos E HipnóTicos
AnsiolíTicos E HipnóTicosAnsiolíTicos E HipnóTicos
AnsiolíTicos E HipnóTicos
 
Antiepiléticos - Caso Clínico
Antiepiléticos - Caso ClínicoAntiepiléticos - Caso Clínico
Antiepiléticos - Caso Clínico
 
Ansiolíticos E Odontologia
Ansiolíticos E OdontologiaAnsiolíticos E Odontologia
Ansiolíticos E Odontologia
 
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsiaFármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
 

Semelhante a Anti parkinsanianos

Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Isabel Teixeira
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Doença de parkinson
Doença de parkinsonDoença de parkinson
Doença de parkinson
CaioUrsine
 
Doença de parkison
Doença de parkisonDoença de parkison
Doença de parkison
hihdidushd
 
Terapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência QuímicaTerapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência Química
Ricardo Assmé
 
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi AssméTerapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
RicardoAssm1
 
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaquecaAnticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Dr. Rafael Higashi
 
Farmacos detalhes
Farmacos detalhesFarmacos detalhes
Farmacos detalhes
Brenda Soares
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Kimberly Casemiro
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Nathalya Brazil
 
Anfetaminas
AnfetaminasAnfetaminas
Anfetaminas
Leonardo Guimarães
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Bupropiona
BupropionaBupropiona
Doença de parkinson
Doença de parkinsonDoença de parkinson
Doença de parkinson
migascouto
 
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra LiaSimpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
lascounic
 
DoençaParkinson
DoençaParkinsonDoençaParkinson
DoençaParkinson
guest5fca39
 
Fi aula-5-farmacologia-sna-completo
Fi aula-5-farmacologia-sna-completoFi aula-5-farmacologia-sna-completo
Fi aula-5-farmacologia-sna-completo
Claudia Auditore
 
Farmácia clínica interação medicamentosa
Farmácia clínica interação medicamentosaFarmácia clínica interação medicamentosa
Farmácia clínica interação medicamentosa
Regina Sandra
 

Semelhante a Anti parkinsanianos (20)

Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Doença de parkinson
Doença de parkinsonDoença de parkinson
Doença de parkinson
 
Doença de parkison
Doença de parkisonDoença de parkison
Doença de parkison
 
Terapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência QuímicaTerapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência Química
 
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi AssméTerapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
 
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaquecaAnticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
 
Farmacos detalhes
Farmacos detalhesFarmacos detalhes
Farmacos detalhes
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
 
Anfetaminas
AnfetaminasAnfetaminas
Anfetaminas
 
Parkinson
ParkinsonParkinson
Parkinson
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Bupropiona
BupropionaBupropiona
Bupropiona
 
Doença de parkinson
Doença de parkinsonDoença de parkinson
Doença de parkinson
 
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra LiaSimpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
 
DoençaParkinson
DoençaParkinsonDoençaParkinson
DoençaParkinson
 
Fi aula-5-farmacologia-sna-completo
Fi aula-5-farmacologia-sna-completoFi aula-5-farmacologia-sna-completo
Fi aula-5-farmacologia-sna-completo
 
Farmácia clínica interação medicamentosa
Farmácia clínica interação medicamentosaFarmácia clínica interação medicamentosa
Farmácia clínica interação medicamentosa
 

Anti parkinsanianos

  • 1. 12.3 Antiparkinsonianos A doença de Parkinson idiopática é distúrbio neurológico progressivo, caracterizando-se por degeneração de neurônios dopaminérgicos da substância negra e por inclusões neuronais conhecidas como corpúsculos de Lewy. As manifestações clínicas da doença resultam do desequilíbrio entre neurotransmissores, o qual é induzido pela degeneração de neurônios dopaminérgicos nigroestriatais. Com isso, há redução de modulação da dopamina estriatal e, conseqüentemente, exacerbação da modulação colinérgica, indutora das alterações motoras. O objetivo de tratamento é aumentar a estimulação dopaminérgica ou reduzir a estimulação colinérgica ou glutamatérgica, restabelecendo o equilíbrio dos neurotransmissores. Para alcançar o primeiro aspecto, usam-se agonistas diretos dopaminérgicos (bromocriptina, pergolida, lisurida, pramipexol, ropinirol, cabergolina, apomorfina), precursor de dopamina (levodopa), inibidores da catabolização da dopamina (inibidores da monoamina oxidase B, como selegilina, e da catecol-O-metiltransferase, como entacapona e tolcapona) e amantadina que aumenta a liberação de dopamina dos terminais intactos e inibe a sua recaptação. Fármacos antimuscarínicos usados em doença de Parkinson (biperideno, triexifenidil, benztropina, orfenadrina e prociclidina) opõem-se ao excesso de efeitos colinérgicos centrais. O tratamento não evita a progressão da doença, mas melhora a qualidade de vida e diminui a morbidade associada. Os medicamentos têm efeitos adversos consideráveis que se confundem com manifestações de doenças comuns em idosos. A gravidade do quadro e o estágio da doença determinam a escolha dos Antiparkinsonianos, bem como a decisão de usar monoterapia ou fármacos em associação72. Sintomas que se assemelham à doença de Parkinson aparecem em outros distúrbios neurológicos que não respondem aos Antiparkinsonianos. Medicamentos, como os antipsicóticos, induzem alterações motoras similares às do Parkinson idiopático. O tratamento é sintomático e não deve ser iniciado a não ser quando as manifestações prejudicam significativamente as atividades diárias73. Neuroproteção, evitando a progressão da doença, seria meta desejada, mas ainda não evidenciada com nenhum antiparkinsoniano de uso corrente ou outros fármacos testados72. Para tratamento, a escolha do medicamento inicial mais adequado deve considerar estágio da doença, sintomas presentes, idade do paciente, outros medicamentos em uso e potenciais efeitos adversos do fármaco a ser selecionado. Biperideno é anticolinérgico a ser utilizado como terapia inicial, especialmente quando tremor é a manifestação predominante. No entanto, possui vários efeitos adversos, especialmente manifestos nos pacientes mais idosos74. Por via intramuscular, oferece rápido alívio dos sintomas em praticamente todos os pacientes. Levodopa + carbidopa é uma associação sinérgica. Levodopa é precursor de dopamina central e periférica. Na periferia, a conversão é feita pela dopa-descarboxilase circulante. A inibição enzimática por carbidopa ou benserazida diminui a conversão periférica, fazendo com que maior concentração de levodopa circulante chegue ao sistema nervoso central. Isso exige menores doses de levodopa e reduz os efeitos adversos decorrentes da dopamina periférica. A introdução da levodopa produziu benefícios clínicos para praticamente todos os pacientes e reduziu-lhes a mortalidade. Levodopa é o fármaco mais eficaz no controle dos sintomas da doença de Parkinson, especialmente rigidez e bradicinesia. Sugere-se que levodopa possa ser tóxica para neurônios da substância negra e que aumente a progressão da doença, sem haver, porém, evidências para apoiar tal hipótese. O maior problema no tratamento com levodopa consiste no aparecimento de flutuações motoras e discinesias associadas a uso prolongado. Pacientes mais jovens são mais vulneráveis ao aparecimento desses sintomas75. As complicações motoras são mais comuns nos pacientes jovens do que nos mais velhos. Entretanto, existem algumas circunstâncias nas quais é preferível iniciar o tratamento sintomático com levodopa, ao invés de fazê-lo com agonistas dopaminérgicos. Idade é fator a ser considerado: em pacientes acima de 70 anos, em que o risco de flutuação é menor, levodopa pode ser a escolha inicial. A presença de co-morbidades pode também determinar a seleção inicial. Havendo prejuízo cognitivo, levodopa torna-se a primeira escolha74,75. Levodopa padrão é igualmente eficaz à levodopa de liberação lenta na melhora dos sintomas motores. O emprego dessa última forma farmacêutica, teoricamente, visando a obtenção de estimulação mais continuada de receptores da dopamina, não reduz a taxa de complicações motoras após cinco anos em relação ao tratamento com a apresentação padrão de levodopa. A adição de agonistas dopaminérgicos à levodopa aumenta o grau de controle de sintomas de pacientes em fases avançadas da doença. Levodopa-carbidopa também é indicada em síndrome das pernas inquietas, normalizando os movimentos periódicos das pernas durante o sono e melhorando a qualidade do sono de pacientes comprometidos. Também é eficaz em distonia responsiva a DOPA, doença genética com início em infância ou adolescência e penetrância maior no sexo feminino.