SlideShare uma empresa Scribd logo
Os anfíbios constituem uma classe
de animais vertebrados,
pecilotérmicos que não possuem bolsa
amniótica agrupados na
classe Amphibia.
 Os sapos , as pererecas e as rãs
pertencem á ordem de Anura.
 As salamandras sã de ordem Urodela.
 A Cecília de ordem Ápoda.









Pele nua (sem escamas), lisa e úmida, ria em vasos
sanguíneos.
Dois pares de membros locomotores, considerados
os primeiros tetrápodes.(Exceção: a cobra cega
não apresentam pernas.)
Não regulam a temperatura do corpo, ou
seja, são ectotérmicos.
Passam por metamorfose, ou seja, transformações
do corpo, que ocorrem desde a fase larval até a
fase adulta.
As trocas gasosas das larvas ocorrem pelas
brânquias. Os adultos utilizam os pulmões (poucos
desenvolvidos), a pele (respiração cutânea) e o
epitélio da boca e da faringe respiração
bucofaringiana).


Corpo curto e sem presenca de cauda
nos adultos. As pernas de trás são mis
desenvolvidas que as da frente, por isso
são grandes saltadores. Os sapos
possuem regiões laterais da cabeça,
atrás os olhos, duas glândulas
determinadas paratoides


Corpo alongado e cauda comprimida
durante toda a vida. Seus dois pares de
membros locomotores possuem
tamanhos aproximadamente iguais.


Corpo alongado de aspecto vermiforme
e sem membros locomotores. Ausência
de cinturas pélvica e escapular. Os olhos
são recobertos por uma fina membrana.


A epiderme apresenta muitas glândulas mucosas
lubrificando a parede do corpo e a camada de
queratina é muito delgada (animais de "pele
nua"), características que permitem que a
pele, sempre úmida, seja a principal via respiratória
(respiração cutânea). Alguns anfíbios apresentam
glândulas de veneno no dorso, as
paratóides, encontradas no sapo.


O sistema digestivo desses animais começa pela
boca, que é um tipo de fenda transversal. Seguindo
a fenda encontramos uma cavidade bucal e, em
seguida, a faringe. A língua dos Anfíbios é presa por
uma extremidade anterior e, dessa forma, é
protáctil, o que possibilita o movimento de projeção
da língua para capturar o seu alimento. Na
cavidade bucal é possível encontrar os orifícios
respiratórios. Após a faringe vem o esôfago dos
Anfíbios. Em continuação ao esôfago temos o
intestino que culmina na cloaca. Uma curiosidade a
respeito ao sistema digestivo dos Anfíbios é que no
céu da boca é possível encontrar dentes vomerianos
que não são dentes de verdade e tem a função de
prender as presas.






Não possuem pêlos nem escamas externas. São
incapazes de manter constante a temperatura de seu
corpo, por isso são chamados animais de sangue frio
(pecilotérmicos).
A pele fina, rica em vasos sanguíneos e glândulas, através
da respiração, permite-lhes, a absorção de água, que
funciona como defesa orgânica. Quando estão com
"sede", os anfíbios encostam a região ventral de seu
corpo na água e a absorvem pela pele.
As glândulas em sua pele são de dois tipos: mucosas, que
produzem muco, e serosas, que produzem veneno. Todo
o anfíbio produz substâncias tóxicas. Existem espécies
mais e menos tóxicas e os acidentes com humanos
somente acontecerão se essas substâncias entrarem em
contato com as mucosas ou sangue.






No estágio da vida aquática, quando são larvas, os
anfíbios respiram por brânquias, como os peixes.
Quando adultos, vivem em ambiente terrestre e
realizam a respiração pulmonar. Como os seus
pulmões são simples e têm pouca superfície de
contato para as trocas gasosas, a respiração
pulmonar é pouco eficiente, sendo importante a
respiração cutânea - processo de trocas de gases
com o meio ambiente através da pele.
A pele deve, necessariamente, estar úmida, pois os
gases não se difundem em superfícies secas. As
paredes finas das células superficiais da pele
permitem a passagem do oxigênio para o sangue. A
pele dos anfíbios é bem vascularizada, isto é, com
muitos vasos sanguíneos.


Os anfíbios têm circulação fechada (o sangue
circula dentro dos vasos). Como ocorre mistura
de sangue venoso (rico em gás carbônico) e
arterial (rico em oxigênio) a circulação neste
grupo de animais é do tipo dupla
e incompleta. O coração dos anfíbios é
dividido em três cavidades: dois átrios ou
aurículas e um ventrículo.
A excreção é renal. Os rins são do tipo
mesofrenos, de forma alongada
próximos á coluna vertebral.
 Existem ainda dois ureteres e uma
bexiga urinaria que desemboca na
cloaca. O produto final da excreção é
ureia.

O sistema nervoso dos anfíbios tem como principal órgão
o encéfalo. Apresentam boa visão, com exceção das
cobras-cegas, e tato em toda superfície corporal. O seu
sistema olfativo apresenta narinas e os órgãos de
Jacobson, no teto da cavidade nasal. Em sua língua se
encontram botões gustativos.
 Alguns anfíbios podem ser venenosos, sendo que alguns
deles estão inclusive entre os animais mais venenosos. Os
sapos possuem uma glândula parotóide que produz
veneno, e muitas glândulas pequenas espalhadas por
toda superfície do corpo, produtoras de muco e veneno.
Entretanto, este veneno da glândula paratóide é
eliminado apenas quando tal glândula é apertada. O
manuseamento de anfíbios é normalmente seguro, desde
que o veneno não entre na circulação sanguínea através
de ferimentos ou mucosa. Deve-se por isso lavar as mãos
depois do contato com os animais.



A reprodução dos anfíbios é uma característica que
os sujeita a dependência da água, e é uma
reprodução sexuada por fecundação
externa, podendo haver fecundação interna.
Os ovos, sem casca (e por este motivo necessitam
da água para proteger os ovos de radiação solar e
choques mecânicos), que apenas possui uma
envoltória cápsula gelatinosa, só se mantém vivos
em meio aquático.
Pele seca e impermeável.
 Ovo com casca.
 Pulmões eficientes.
 Fecundação interna.
 Excreção de ácido úrico.
 Anexos embrionários eficientes.

Tetrapodas.
 Gnatostomadas
 Pecilotermos (ectotérmicos)
 Presença de saco vitelino, âmnio, cório
e alantoide.



Possuem placas córneas , reforçadas
por uma estrutura óssea. O corpo
alargado é protegido por uma
carapaça dorsal recurvada que está
unida à ventral chamada plastrão. Essa
carapaça, que protege o corpo dos
quelônios, possui aberturas para a saída
da cabeça, da patas e da cauda.


A pele dos animais dessa ordem
apresenta-se coberta por escamas ou
placas epidérmicas córneas.

**Existem duas importantes subordens:


Cobras e serpentes. sÃo animais sem pés
(ápodas), desprovidos de aberturas nos
ouvidos e sem bexiga urinaria. As cobras
são divididas em peçonhentas e não
peçonhentas, as quais apresentam
glândulas (salivares modificadas) de
peçonha e presas inoculadoras.


Lagartos, lagartixas, camaleões, cobrade-vidro, dragão Komodo.Apresentam
corpo alongado, quatro patas (podem
estar ausentes) e bexiga urinária.


Crocodilos, jacarés e outros. Corpo
alongado com quatro patas terminadas
em garras. A cauda e bastante
desenvolvida e possuem poderosas
mandíbulas, com muitos dentes. Não
apresentam bexiga urinária.


Agrupa duas espécies encontradas na
Nova Zelândia e apresentam o corpo
semelhante ao dos lagartos. Eles têm
grande tolerância ás baixas
temperaturas, possuem pequena taxa
reprodutiva e grande longetividade.
Ricos em queratina.
 Sem glândula.
 Impermeável
 Cobras e lagartos → escamas.
 Crocodilos → placas córneas.
 Tartarugas → carapaça óssea.



Os repteis são vertebrados com
respiração exclusivamente pulmonar. Os
pulmões apresentam maior superfícies
de trocas gasosas, possibilitando a
independência desses animais do
ambiente aquático.
Fechado
 Coração: dois átrios e dois ventrículos
incompletamente separados por um septo chamado
septo de Sabatier.
 Crocodilianos: possui dois ventrículos bem formados e
separados, porem possui o forâmen de Panizza, um
orifício que mantém a comunicação entre essas duas
cavidades, ocorrendo, portanto, mistura sanguínea.
 As hemácias são nucleadas e ovais.



Os repteis possuem dois rins metanefros,
que excretam principalmente ácido
úrico, uma substancia pouco solúvel,
sendo uma das adaptações dos repteis
á vida terrestre. Dos rins, a excreção
segue pelos ureteres até atingir a
cloaca, de onde as para o exterior.


O sistema digestivo dos répteis é formado por
boca, faringe, esôfago que conduz ao estomago, intestino e
cloaca.



Os anexos são o fígado e o pâncreas. Estes órgãos estão
adaptados aos hábitos alimentares das espécies.



A maioria dos répteis não aquáticos possui glândulas orais
mais desenvolvidas que nos anfíbios, devido à necessidade
de umedecer o alimento seco para reduzir a fricção durante
a deglutição.



Estas glândulas orais incluem as glândulas palatinas, as
labiais, as linguais e as sublinguais. As glândulas venenosas
dos répteis originam-se destas glândulas orais.



A boca nas tartarugas é desprovida de dentes, possuindo
bico córneo de origem epidérmica.
12 pares de nervos cranianos.
 1 côndilo occipital.
 Ouvido interno, médio e externo.
 Órgão de Jacobson
 Fosseta loreal ou lacrimal: cobras
peçonhentas.

Dioicos
 Fecundação interna
 Desenvolvimento direto
 Ovíparos (maioria)
 Anexos embrionários: saco vitelino,
âmnio, cório e alantóide.

Anfíbios e répteis
Anfíbios e répteis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
Laguat
 
Aves e mamíferos
Aves e mamíferosAves e mamíferos
Os invertebrados parte 1
Os invertebrados parte 1Os invertebrados parte 1
Os invertebrados parte 1
Roxana Alhadas
 
Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)
Bio
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
empaul_harris
 
Aves
AvesAves
Aves
Claudson
 
Poríferos - Power Point
Poríferos - Power PointPoríferos - Power Point
Poríferos - Power Point
Bio
 
RéPteis
RéPteisRéPteis
OS MAMÍFEROS
OS MAMÍFEROSOS MAMÍFEROS
OS MAMÍFEROS
ANDRÉA FERREIRA
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Fabiano Reis
 
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Andre Luiz Nascimento
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Os Répteis
Os RépteisOs Répteis
Os Répteis
Arthur da Veiga
 
Mamíferos
Mamíferos  Mamíferos
Mamíferos
Clézio Nunes
 
Anfíbios e répteis
Anfíbios e répteisAnfíbios e répteis
Anfíbios e répteis
Graciela Alves Rodrigues Pena
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Leonardo Kaplan
 
Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011
Raissa Araujo
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
Andreza Campos
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
Giulia Soares
 
Anfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaAnfíbios - Biologia
Anfíbios - Biologia
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
 
Aves e mamíferos
Aves e mamíferosAves e mamíferos
Aves e mamíferos
 
Os invertebrados parte 1
Os invertebrados parte 1Os invertebrados parte 1
Os invertebrados parte 1
 
Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)
 
Os Vertebrados
Os VertebradosOs Vertebrados
Os Vertebrados
 
Aves
AvesAves
Aves
 
Poríferos - Power Point
Poríferos - Power PointPoríferos - Power Point
Poríferos - Power Point
 
RéPteis
RéPteisRéPteis
RéPteis
 
OS MAMÍFEROS
OS MAMÍFEROSOS MAMÍFEROS
OS MAMÍFEROS
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidáriosPoríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteisAula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
Aula vertebrados I - Peixes, anfíbios e répteis
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Os Répteis
Os RépteisOs Répteis
Os Répteis
 
Mamíferos
Mamíferos  Mamíferos
Mamíferos
 
Anfíbios e répteis
Anfíbios e répteisAnfíbios e répteis
Anfíbios e répteis
 
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
Aula 7º ano - Reino Animalia (Vertebrados)
 
Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011Protocordados vertebrados16082011
Protocordados vertebrados16082011
 
Tecido nervoso
Tecido nervosoTecido nervoso
Tecido nervoso
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
 
Anfíbios - Biologia
Anfíbios - BiologiaAnfíbios - Biologia
Anfíbios - Biologia
 

Destaque

Anfibios 5º ano
Anfibios 5º anoAnfibios 5º ano
Anfibios 5º ano
rbonater
 
Powerpoint Nr. 2 InteracçõEs Seres Vivos Factores Do Ambiente Humidade
Powerpoint Nr. 2   InteracçõEs Seres Vivos  Factores Do Ambiente   HumidadePowerpoint Nr. 2   InteracçõEs Seres Vivos  Factores Do Ambiente   Humidade
Powerpoint Nr. 2 InteracçõEs Seres Vivos Factores Do Ambiente Humidade
Nuno Correia
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
Teresa Monteiro
 
Factor abiótico - Humidade
Factor abiótico - HumidadeFactor abiótico - Humidade
Factor abiótico - Humidade
Lucca
 
Peixes ósseos
Peixes ósseosPeixes ósseos
Peixes ósseos
Geovana Silvestre
 
Trabalho biologia peixes ósseos
Trabalho biologia   peixes ósseosTrabalho biologia   peixes ósseos
Trabalho biologia peixes ósseos
Salada Frutas
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
Tânia Reis
 
Peixes
PeixesPeixes
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
Ana Maciel
 
Adaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivosAdaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivos
Andrea Barreto
 
Darwin - Evolução
Darwin - EvoluçãoDarwin - Evolução
Darwin - Evolução
Andrea Barreto
 
Evolução - 7o ano
Evolução - 7o anoEvolução - 7o ano
Evolução - 7o ano
Andrea Barreto
 
Adaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivosAdaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivos
Rosana Santos Quirino
 
Os seres vivos e seres não vivos
Os seres vivos e seres não vivosOs seres vivos e seres não vivos
Os seres vivos e seres não vivos
jmabp4
 
Seres vivos; características gerais
Seres vivos; características geraisSeres vivos; características gerais
Seres vivos; características gerais
André Garrido
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - Água
Catir
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
Rebeca Vale
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambiente
Rebeca Vale
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 

Destaque (19)

Anfibios 5º ano
Anfibios 5º anoAnfibios 5º ano
Anfibios 5º ano
 
Powerpoint Nr. 2 InteracçõEs Seres Vivos Factores Do Ambiente Humidade
Powerpoint Nr. 2   InteracçõEs Seres Vivos  Factores Do Ambiente   HumidadePowerpoint Nr. 2   InteracçõEs Seres Vivos  Factores Do Ambiente   Humidade
Powerpoint Nr. 2 InteracçõEs Seres Vivos Factores Do Ambiente Humidade
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
 
Factor abiótico - Humidade
Factor abiótico - HumidadeFactor abiótico - Humidade
Factor abiótico - Humidade
 
Peixes ósseos
Peixes ósseosPeixes ósseos
Peixes ósseos
 
Trabalho biologia peixes ósseos
Trabalho biologia   peixes ósseosTrabalho biologia   peixes ósseos
Trabalho biologia peixes ósseos
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
Adaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivosAdaptações dos seres vivos
Adaptações dos seres vivos
 
Darwin - Evolução
Darwin - EvoluçãoDarwin - Evolução
Darwin - Evolução
 
Evolução - 7o ano
Evolução - 7o anoEvolução - 7o ano
Evolução - 7o ano
 
Adaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivosAdaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivos
 
Os seres vivos e seres não vivos
Os seres vivos e seres não vivosOs seres vivos e seres não vivos
Os seres vivos e seres não vivos
 
Seres vivos; características gerais
Seres vivos; características geraisSeres vivos; características gerais
Seres vivos; características gerais
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - Água
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambiente
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 

Semelhante a Anfíbios e répteis

Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
Naira Silva
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
Daniela
 
Unid 4 cap_3_os_repteis
Unid 4 cap_3_os_repteisUnid 4 cap_3_os_repteis
Unid 4 cap_3_os_repteis
ISJ
 
Filo Cordados
Filo CordadosFilo Cordados
Filo Cordados
FlaviaVicentini
 
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Janaina Luciane Fraga
 
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
Zoo 2   de anelídeos a equinodermosZoo 2   de anelídeos a equinodermos
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
aulasdotubao
 
Filo artropoda
Filo artropodaFilo artropoda
Filo artropoda
GunScript
 
RéPteis Slide2
RéPteis Slide2RéPteis Slide2
RéPteis Slide2
Daniela
 
RéPteis Slide2
RéPteis Slide2RéPteis Slide2
RéPteis Slide2
Daniela F Almenara
 
Anfíbios e peixes 1o b
Anfíbios e peixes 1o bAnfíbios e peixes 1o b
Anfíbios e peixes 1o b
SESI 422 - Americana
 
Vertebrados
VertebradosVertebrados
7. CORDADOS.pptx
7. CORDADOS.pptx7. CORDADOS.pptx
7. CORDADOS.pptx
RayanneKaroline
 
Peixes Anfíbios e Répteis - Biologia 3° ano Ensino Médio
Peixes Anfíbios e Répteis - Biologia 3° ano Ensino MédioPeixes Anfíbios e Répteis - Biologia 3° ano Ensino Médio
Peixes Anfíbios e Répteis - Biologia 3° ano Ensino Médio
Gabriel Sales
 
Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.
beatrizvasconcelos4
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
Altair Hoepers
 
Biologia Anfíbios. 2 ANO ENSINO MÉDIO CARACTERÍSTICAS E ALIMENTAÇÕES DOS ANF...
 Biologia Anfíbios. 2 ANO ENSINO MÉDIO CARACTERÍSTICAS E ALIMENTAÇÕES DOS ANF... Biologia Anfíbios. 2 ANO ENSINO MÉDIO CARACTERÍSTICAS E ALIMENTAÇÕES DOS ANF...
Biologia Anfíbios. 2 ANO ENSINO MÉDIO CARACTERÍSTICAS E ALIMENTAÇÕES DOS ANF...
Déborah Carvalho
 
Filo dos cordados atual
Filo dos cordados atualFilo dos cordados atual
Filo dos cordados atual
OTO SABINO
 
Trabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre AnfíbiosTrabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre Anfíbios
Taise Martins
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
Adriana Cunha
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
SESI 422 - Americana
 

Semelhante a Anfíbios e répteis (20)

Artópodes e Equinodermos
Artópodes e EquinodermosArtópodes e Equinodermos
Artópodes e Equinodermos
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 
Unid 4 cap_3_os_repteis
Unid 4 cap_3_os_repteisUnid 4 cap_3_os_repteis
Unid 4 cap_3_os_repteis
 
Filo Cordados
Filo CordadosFilo Cordados
Filo Cordados
 
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
 
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
Zoo 2   de anelídeos a equinodermosZoo 2   de anelídeos a equinodermos
Zoo 2 de anelídeos a equinodermos
 
Filo artropoda
Filo artropodaFilo artropoda
Filo artropoda
 
RéPteis Slide2
RéPteis Slide2RéPteis Slide2
RéPteis Slide2
 
RéPteis Slide2
RéPteis Slide2RéPteis Slide2
RéPteis Slide2
 
Anfíbios e peixes 1o b
Anfíbios e peixes 1o bAnfíbios e peixes 1o b
Anfíbios e peixes 1o b
 
Vertebrados
VertebradosVertebrados
Vertebrados
 
7. CORDADOS.pptx
7. CORDADOS.pptx7. CORDADOS.pptx
7. CORDADOS.pptx
 
Peixes Anfíbios e Répteis - Biologia 3° ano Ensino Médio
Peixes Anfíbios e Répteis - Biologia 3° ano Ensino MédioPeixes Anfíbios e Répteis - Biologia 3° ano Ensino Médio
Peixes Anfíbios e Répteis - Biologia 3° ano Ensino Médio
 
Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.Anexos embrionários dos cordados.
Anexos embrionários dos cordados.
 
Anfibios
AnfibiosAnfibios
Anfibios
 
Biologia Anfíbios. 2 ANO ENSINO MÉDIO CARACTERÍSTICAS E ALIMENTAÇÕES DOS ANF...
 Biologia Anfíbios. 2 ANO ENSINO MÉDIO CARACTERÍSTICAS E ALIMENTAÇÕES DOS ANF... Biologia Anfíbios. 2 ANO ENSINO MÉDIO CARACTERÍSTICAS E ALIMENTAÇÕES DOS ANF...
Biologia Anfíbios. 2 ANO ENSINO MÉDIO CARACTERÍSTICAS E ALIMENTAÇÕES DOS ANF...
 
Filo dos cordados atual
Filo dos cordados atualFilo dos cordados atual
Filo dos cordados atual
 
Trabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre AnfíbiosTrabalho sobre Anfíbios
Trabalho sobre Anfíbios
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Invertebrados
InvertebradosInvertebrados
Invertebrados
 

Anfíbios e répteis

  • 1.
  • 2.
  • 3. Os anfíbios constituem uma classe de animais vertebrados, pecilotérmicos que não possuem bolsa amniótica agrupados na classe Amphibia.  Os sapos , as pererecas e as rãs pertencem á ordem de Anura.  As salamandras sã de ordem Urodela.  A Cecília de ordem Ápoda. 
  • 4.      Pele nua (sem escamas), lisa e úmida, ria em vasos sanguíneos. Dois pares de membros locomotores, considerados os primeiros tetrápodes.(Exceção: a cobra cega não apresentam pernas.) Não regulam a temperatura do corpo, ou seja, são ectotérmicos. Passam por metamorfose, ou seja, transformações do corpo, que ocorrem desde a fase larval até a fase adulta. As trocas gasosas das larvas ocorrem pelas brânquias. Os adultos utilizam os pulmões (poucos desenvolvidos), a pele (respiração cutânea) e o epitélio da boca e da faringe respiração bucofaringiana).
  • 5.  Corpo curto e sem presenca de cauda nos adultos. As pernas de trás são mis desenvolvidas que as da frente, por isso são grandes saltadores. Os sapos possuem regiões laterais da cabeça, atrás os olhos, duas glândulas determinadas paratoides
  • 6.
  • 7.  Corpo alongado e cauda comprimida durante toda a vida. Seus dois pares de membros locomotores possuem tamanhos aproximadamente iguais.
  • 8.
  • 9.  Corpo alongado de aspecto vermiforme e sem membros locomotores. Ausência de cinturas pélvica e escapular. Os olhos são recobertos por uma fina membrana.
  • 10.
  • 11.  A epiderme apresenta muitas glândulas mucosas lubrificando a parede do corpo e a camada de queratina é muito delgada (animais de "pele nua"), características que permitem que a pele, sempre úmida, seja a principal via respiratória (respiração cutânea). Alguns anfíbios apresentam glândulas de veneno no dorso, as paratóides, encontradas no sapo.
  • 12.  O sistema digestivo desses animais começa pela boca, que é um tipo de fenda transversal. Seguindo a fenda encontramos uma cavidade bucal e, em seguida, a faringe. A língua dos Anfíbios é presa por uma extremidade anterior e, dessa forma, é protáctil, o que possibilita o movimento de projeção da língua para capturar o seu alimento. Na cavidade bucal é possível encontrar os orifícios respiratórios. Após a faringe vem o esôfago dos Anfíbios. Em continuação ao esôfago temos o intestino que culmina na cloaca. Uma curiosidade a respeito ao sistema digestivo dos Anfíbios é que no céu da boca é possível encontrar dentes vomerianos que não são dentes de verdade e tem a função de prender as presas.
  • 13.
  • 14.    Não possuem pêlos nem escamas externas. São incapazes de manter constante a temperatura de seu corpo, por isso são chamados animais de sangue frio (pecilotérmicos). A pele fina, rica em vasos sanguíneos e glândulas, através da respiração, permite-lhes, a absorção de água, que funciona como defesa orgânica. Quando estão com "sede", os anfíbios encostam a região ventral de seu corpo na água e a absorvem pela pele. As glândulas em sua pele são de dois tipos: mucosas, que produzem muco, e serosas, que produzem veneno. Todo o anfíbio produz substâncias tóxicas. Existem espécies mais e menos tóxicas e os acidentes com humanos somente acontecerão se essas substâncias entrarem em contato com as mucosas ou sangue.
  • 15.    No estágio da vida aquática, quando são larvas, os anfíbios respiram por brânquias, como os peixes. Quando adultos, vivem em ambiente terrestre e realizam a respiração pulmonar. Como os seus pulmões são simples e têm pouca superfície de contato para as trocas gasosas, a respiração pulmonar é pouco eficiente, sendo importante a respiração cutânea - processo de trocas de gases com o meio ambiente através da pele. A pele deve, necessariamente, estar úmida, pois os gases não se difundem em superfícies secas. As paredes finas das células superficiais da pele permitem a passagem do oxigênio para o sangue. A pele dos anfíbios é bem vascularizada, isto é, com muitos vasos sanguíneos.
  • 16.
  • 17.  Os anfíbios têm circulação fechada (o sangue circula dentro dos vasos). Como ocorre mistura de sangue venoso (rico em gás carbônico) e arterial (rico em oxigênio) a circulação neste grupo de animais é do tipo dupla e incompleta. O coração dos anfíbios é dividido em três cavidades: dois átrios ou aurículas e um ventrículo.
  • 18. A excreção é renal. Os rins são do tipo mesofrenos, de forma alongada próximos á coluna vertebral.  Existem ainda dois ureteres e uma bexiga urinaria que desemboca na cloaca. O produto final da excreção é ureia. 
  • 19. O sistema nervoso dos anfíbios tem como principal órgão o encéfalo. Apresentam boa visão, com exceção das cobras-cegas, e tato em toda superfície corporal. O seu sistema olfativo apresenta narinas e os órgãos de Jacobson, no teto da cavidade nasal. Em sua língua se encontram botões gustativos.  Alguns anfíbios podem ser venenosos, sendo que alguns deles estão inclusive entre os animais mais venenosos. Os sapos possuem uma glândula parotóide que produz veneno, e muitas glândulas pequenas espalhadas por toda superfície do corpo, produtoras de muco e veneno. Entretanto, este veneno da glândula paratóide é eliminado apenas quando tal glândula é apertada. O manuseamento de anfíbios é normalmente seguro, desde que o veneno não entre na circulação sanguínea através de ferimentos ou mucosa. Deve-se por isso lavar as mãos depois do contato com os animais. 
  • 20.  A reprodução dos anfíbios é uma característica que os sujeita a dependência da água, e é uma reprodução sexuada por fecundação externa, podendo haver fecundação interna. Os ovos, sem casca (e por este motivo necessitam da água para proteger os ovos de radiação solar e choques mecânicos), que apenas possui uma envoltória cápsula gelatinosa, só se mantém vivos em meio aquático.
  • 21.
  • 22. Pele seca e impermeável.  Ovo com casca.  Pulmões eficientes.  Fecundação interna.  Excreção de ácido úrico.  Anexos embrionários eficientes. 
  • 23. Tetrapodas.  Gnatostomadas  Pecilotermos (ectotérmicos)  Presença de saco vitelino, âmnio, cório e alantoide. 
  • 24.  Possuem placas córneas , reforçadas por uma estrutura óssea. O corpo alargado é protegido por uma carapaça dorsal recurvada que está unida à ventral chamada plastrão. Essa carapaça, que protege o corpo dos quelônios, possui aberturas para a saída da cabeça, da patas e da cauda.
  • 25.
  • 26.  A pele dos animais dessa ordem apresenta-se coberta por escamas ou placas epidérmicas córneas. **Existem duas importantes subordens:
  • 27.  Cobras e serpentes. sÃo animais sem pés (ápodas), desprovidos de aberturas nos ouvidos e sem bexiga urinaria. As cobras são divididas em peçonhentas e não peçonhentas, as quais apresentam glândulas (salivares modificadas) de peçonha e presas inoculadoras.
  • 28.
  • 29.  Lagartos, lagartixas, camaleões, cobrade-vidro, dragão Komodo.Apresentam corpo alongado, quatro patas (podem estar ausentes) e bexiga urinária.
  • 30.
  • 31.  Crocodilos, jacarés e outros. Corpo alongado com quatro patas terminadas em garras. A cauda e bastante desenvolvida e possuem poderosas mandíbulas, com muitos dentes. Não apresentam bexiga urinária.
  • 32.
  • 33.  Agrupa duas espécies encontradas na Nova Zelândia e apresentam o corpo semelhante ao dos lagartos. Eles têm grande tolerância ás baixas temperaturas, possuem pequena taxa reprodutiva e grande longetividade.
  • 34.
  • 35. Ricos em queratina.  Sem glândula.  Impermeável  Cobras e lagartos → escamas.  Crocodilos → placas córneas.  Tartarugas → carapaça óssea. 
  • 36.  Os repteis são vertebrados com respiração exclusivamente pulmonar. Os pulmões apresentam maior superfícies de trocas gasosas, possibilitando a independência desses animais do ambiente aquático.
  • 37. Fechado  Coração: dois átrios e dois ventrículos incompletamente separados por um septo chamado septo de Sabatier.  Crocodilianos: possui dois ventrículos bem formados e separados, porem possui o forâmen de Panizza, um orifício que mantém a comunicação entre essas duas cavidades, ocorrendo, portanto, mistura sanguínea.  As hemácias são nucleadas e ovais. 
  • 38.
  • 39.  Os repteis possuem dois rins metanefros, que excretam principalmente ácido úrico, uma substancia pouco solúvel, sendo uma das adaptações dos repteis á vida terrestre. Dos rins, a excreção segue pelos ureteres até atingir a cloaca, de onde as para o exterior.
  • 40.  O sistema digestivo dos répteis é formado por boca, faringe, esôfago que conduz ao estomago, intestino e cloaca.  Os anexos são o fígado e o pâncreas. Estes órgãos estão adaptados aos hábitos alimentares das espécies.  A maioria dos répteis não aquáticos possui glândulas orais mais desenvolvidas que nos anfíbios, devido à necessidade de umedecer o alimento seco para reduzir a fricção durante a deglutição.  Estas glândulas orais incluem as glândulas palatinas, as labiais, as linguais e as sublinguais. As glândulas venenosas dos répteis originam-se destas glândulas orais.  A boca nas tartarugas é desprovida de dentes, possuindo bico córneo de origem epidérmica.
  • 41.
  • 42. 12 pares de nervos cranianos.  1 côndilo occipital.  Ouvido interno, médio e externo.  Órgão de Jacobson  Fosseta loreal ou lacrimal: cobras peçonhentas. 
  • 43.
  • 44. Dioicos  Fecundação interna  Desenvolvimento direto  Ovíparos (maioria)  Anexos embrionários: saco vitelino, âmnio, cório e alantóide. 