SlideShare uma empresa Scribd logo
PERIODONTIA I
Fac.Odontologia
     UFJF
            Professores:

  Evandro de Toledo Lourenço Júnior

 Aneliese Holetz de Toledo Lourenço
PERIODONTIA
   Disciplina que estuda os tecidos de
    revestimento e suporte dos dentes
    (gengiva, osso alveolar, ligamento
    periodontal e cemento) , sua fisiologia,
    suas alterações patológicas e as
    diferentes formas de tratamento.
ANATOMIA E
HISTOFISIOLOGIA DO
   PERIODONTO
COMPONENTES DO
          PERIODONTO
                         Periodonto de sustentação
                         .. Osso alveolar
                         .. Ligamento periodontal
Periodonto de proteção
                         .. Cemento
.. Mucosa ceratinizada
.. Sulco gengival
.. Epitélio juncional
.. Inserção conjuntiva
Ponto de contato



                            Papila

Periodonto de proteção      Área de col
                            Margem gengival Espaço
                            Margem óssea     biológico
                            Mucosa ceratinizada
                            Junção mucogengival
Periodonto de sustentação   Mucosa alveolar
Sulco gengival

        0,69 mm


    Epitélio juncional

       0,97 mm
                                  Distância biológica

Inserção conjuntiva                   2,04 mm

      1,07 mm




  Total de espaço biológico 2,73 mm = 3,0 mm
                                 Referência clínica
MUCOSA CERATINIZADA
              (GENGIVA)
   Altura varia de 1 a 9 mm
   Gengiva livre ou marginal / faixa de gengiva inserida
   Junção mucogengival
   Epitélio mucoso estratificado paraceratinizado (pele:
    ortoceratinizada - completa)
                          Região do “col”: não ceratinizada
                          Mucosa alveolar: não ceratinizada
   Importância clínica da mucosa ceratinizada: -
    imobilização da margem gengival e vedamento entre
    meio interno e meio externo
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Solução de Schiller
       100 ml Ag. Destilada
     4 g de iodeto de potássio
      2 g de iodo metalóide

Nesta sequência: dissolução do iodo
  na solução de iodeto de potássio
Abrasão provocada por escovação traumática
Recessões periodontais causadas após movimentação
        ortodôntica: gengiva e osso delgados
Áreas de menor quantidade:
                              •Pré-molares inferiores
                             •Pré-molares superiores
                                            •Caninos

                     Ideal segundo STRAHAN: 3 mm




Ausência de mucosa
   ceratinizada
Várias abrasões e exposição total da
raiz distovestibular do elemento 16
COL         (COHEN, 1959)




•Quanto mais posterior no arco, maior é a distância
            •Tecido não ceratinizado (tecido duro)
                  Pôntico e PT (perda da ceratina)
SULCO GENGIVAL
 Profundidade - 0,5 a 1,0 mm
 Amplitude – 0,15 a 0,25 mm RATEISCHTAK
 Condições clínicas:
DOENÇA: presença de sangramento à sondagem
SAÚDE: ausência de sangramento à sondagem

Gengivite experimental de LÖE: 48 a 72 horas
Cristas epiteliais e papilas conjuntivas




                Epitélio e colágeno íntegros,
                ausência de infiltrado inflamatório
0.15 a 0.25mm




                           0,5 a 1mm




Presença de infiltrado inflamatório
Perda da integridade epitelial,
destruição de colágeno e
infiltrado inflamatório tardio
EPITÉLIO JUNCIONAL
   Extensão : 0,9 a 1,3 mm
   União firme ao dente
   União intercelular lábil (clivagem)
   Descamação celular (apical para coronal:
    defesa)
   Sem ceratinização (tecido duro - MIDZA)
   Todas as células se dividem (mais rapidez de
    renovação), nos demais epitélios: somente as
    basais
   Presença de células de defesa
   Forma piramidal invertida
   Permite a penetração da sonda até o início da
    inserção conjuntiva
Anatomia e histofisiologia do periodonto
INSERÇÃO CONJUNTIVA
 Extensão – 1,0 a 1,5 mm
 Presença de fibras gengivais
 Pontilhado gengival – fibras inseridas no
  cemento supra-alveolar e no osso
 Integridade – saúde periodontal
Fibras gengivais
 1 - Dentogengivais
 2 - Crestogengivais
 5 - Semicirculares
 6 - Dentoperiostais
 8 - Periosteogengivais
11 - Fibras
do ligamento
3 – fibras semi-circulares da gengiva (não há circulares)
7 – fibras transseptais da gengiva ( ou do ligamento )
OSSO ALVEOLAR

CA10 (PO4) OH2
HIDROXIAPATITA
presente em todos os tecidos mineralizados
Composição em volume
           Matriz      Matriz     Água
          orgânica   inorgânica
Esmalte     02          86         12

Dentina     18          70         12

Cemento     23          65         12

 Osso       25          60         15
Osso alveolar

 ÚNICO OSSO DE ORIGEM
  ECTOMESENQUIMAL
                     (os demais são mesenquimais)
 Osteoblastos secretam a matriz que é
  fosforilada (fosfatase alcalina do osteoblasto) e
  mineralizada
 O osso cresce por sobrecamadas (osteócito
  enclausurado com prolongamentos, mantendo
  a matriz, osteon: vaso e osteócitos
  dependentes)
OSSO ALVEOLAR

 Absorção e neoformação constantes
 O osteócito reabsorve o componente
  inorgânico, o osteoclasto reabsorve o
  componente inorgânico e também a parte
  orgânica (não havendo nova deposição mineral
  e nova formação óssea)
 O paratohormônio estimula atividade
  osteoclástica, a calcitonina inibe
                Troca do esqueleto: adultos 1 x ao ano, crianças 2 x
1 – Cortical interna
                   LÂMINA CRIBIFORME:
                     equilíbrio hidrodinâmico
2 – Espaços medulares
3 – Cortical externa
LÂMINA CRIBIFORME
Arco côncavo
                     do tec. ósseo


Espaço biológico:
Sulcogeng,ep.junc
e inserção conjunt
Seio maxilar
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Emergência da artéria intra-septal
OSTEOFITOS
FENESTRAÇÃO
DEISCÊNCIA
Região do espaço biológico
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Perda do osso alveolar, restando osso basal
Continuidade da lâmina dura no Rx: saúde
Interrupção ou ausência (vasos e desmineralização):doença
LIGAMENTO PERIODONTAL
   Tecido conjuntivo denso modelado
   Articulação do tipo sindesmose: 2 TECIDOS DUROS
    ENTREMEADOS POR FIBRAS (estiramento e
    contração)
   Espessura média - 0,2 mm(0,1 a 0,4 mm)
   União entre osso e cemento
   Funções:
    . amortecimento de forças (fibras oblíq.+fluido tissular)
                               . remodelamento - osso e raiz
                                 . sensorial - proprioceptores
                                         . nutritiva - irrigação
CÉLULAS DO LIGAMENTO
            PERIODONTAL
       Fibroblastos (colágeno e colagenase), neutrófilos
        (fagocita bactérias), mastócitos (histamina),
        macrófagos (originado do monócito que sai do
        vaso, fagocita fungos, vírus e substâncias),
        eosinófilos (fagocita complexo Ag/Ac), cels.
        ectomesenquimais indiferenciadas (dão origem às
        progenitoras), cementoblastos, cementoclastos,
        osteoblastos, osteoclastos, restos epiteliais de
        Malassez (restos da bainha de Hertwig: não
        degeneram, tendem a encistar, 85% apicais),
        elementos vasculares e neurais.
A colagenase bacteriana é 5 x mais potente que a do fibroblasto
A cada 7 dias o colágeno do ligamento se renova,
no grupo da crista, apical e interradicular, a cada 70 horas
Fibras de Sharpey: final das fibras inserídas no osso e no cemento
Há em todas as sindesmoses, no periósteo alveolar também
FIBRAS PERIODONTAIS
 Fibras da crista alveolar
 Fibras horizontais
 Fibras oblíquas em maior proporção
 Fibras periapicais
 Fibras interradiculares (furcais)
12 – HORIZONTAIS
13 – OBLÍQUAS
14 - INTERRADICULARES
15 - PERIAPICAIS
Corte histológico da região do ligamento periodontal
CEMENTO
Cemento acelular: (sem cementócitos)
 terço cervical e terço médio da raiz
 associado a formação da raiz e erupção
Cemento celular: (com cementócitos)
 terço apical
 associado ao contato oclusal e a demandas
  funcionais (0,4 mm a cada 40 anos – depende
  da demanda)
      AMBOS POSSUEM CEMENTOBLASTOS
O cemento é avascular, mantendo-se através do periodonto
Toda degeneração do periodonto degenera cemento
CEMENTO
CARACTERÍSTICAS
 Sofre contínua aposição durante a vida (não
  existe remodelamento)
 Absorve mais lentamente que o osso
 Difícil renovação (8 X menos fosfatase-alcalina
  que o osso)
 Degenera-se em contato com o meio bucal
 Anomalias: projeções e pérolas de esmalte
IRRIGAÇÃO DO
             PERIODONTO
 Vasos supraperiosteais
 Vasos intraósseos
 Vasos intraligamentares   (80 % DOS VASOS SÃO
    PARALELOS – ALMOFADA HEMODINÂMICA PELA
    TURGESCÊNCIA DOS VASOS)
VASOS
1- Intraligamentares
2 – Intraósseos
3 - Supraperiostais
Inervação
    do
periodonto
Nervos Maxilar e
Mandibular
Ramos do
NervoTrigêmio
SONDAGEM CLÍNICA




   Saúde: 1 a 3 mm
   sulco, epitélio juncional
Doença periodontal
Renovação x Cicatrização
                      valores aproximados


 Epitélio oral: 15 dias
 Epitélio juncional: 03 dias
 Tecido conjuntivo: 30 dias
 Ligamento periodontal: 30 dias
 Tecido ósseo: 3 meses
Bibliografia recomendada:
 LINDHE, J. Tratado de Periodontia clínica e
  Implantologia oral. 5.ed. Rio de Janeiro:
  Guanabara Koogan, 2010. (ISBN:
  9788527716222)
 NEWMAN, M.G.; TAKEI, H; CARRANZA, F.A.
  Periodontia clínica. 10.ed. Rio de Janeiro:
  Elsevier, 2007. (ISBN: 978853222487)
 DUARTE, C.A. Cirurgia Periodontal: pré-
  protética, estética e peri-implantar. 3.ed. São
  Paulo: Editora Santos, 2009. (ISBN:
  9788572887748)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resina composta
Resina compostaResina composta
Resina composta
Adriana Mércia
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
profguilhermeterra
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
Flavio Salomao-Miranda
 
Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidades
profcelsoklein
 
Principios de oclusão
Principios de oclusãoPrincipios de oclusão
Principios de oclusão
Italo Gabriel
 
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
André Milioli Martins
 
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NFCimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Fabio Robles
 
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador AtraumáticoDesvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Flavio Salomao-Miranda
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
Rayssa Mendonça
 
1 -avalilçao pre´-operatória odontologia
1  -avalilçao pre´-operatória odontologia1  -avalilçao pre´-operatória odontologia
1 -avalilçao pre´-operatória odontologia
Jose Carlos Carlos Melo
 
Caso Clínico odontológico
Caso Clínico odontológicoCaso Clínico odontológico
Caso Clínico odontológico
Juliana Blenda
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
Flavio Salomao-Miranda
 
Anatomia do Periodonto
Anatomia do PeriodontoAnatomia do Periodonto
Anatomia do Periodonto
Zidane Rabelo
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Guilherme Terra
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
profguilhermeterra
 
LESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAISLESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAIS
GabrielaSoares07
 
Cirurgia periodontal rafael nobre
Cirurgia periodontal   rafael nobreCirurgia periodontal   rafael nobre
Cirurgia periodontal rafael nobre
Rafael Nobre
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Camilla Bringel
 
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduoEndodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Cristhiane Amaral
 
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicosCistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
Nadia Morais Tonussi
 

Mais procurados (20)

Resina composta
Resina compostaResina composta
Resina composta
 
Proteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulparProteção do complexo dentino-pulpar
Proteção do complexo dentino-pulpar
 
Endodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes DeciduosEndodontia Em Dentes Deciduos
Endodontia Em Dentes Deciduos
 
Nomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidadesNomenclatura e classificação de cavidades
Nomenclatura e classificação de cavidades
 
Principios de oclusão
Principios de oclusãoPrincipios de oclusão
Principios de oclusão
 
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
Acometimentos Pulpares - Diferenças Entre Pulpite Aguda e Crônica - Arriba De...
 
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NFCimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
Cimentos e cimentação - Fábio Robles FOUFF/NF
 
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador AtraumáticoDesvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
 
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXAAPOSTILA DE PRÓTESE FIXA
APOSTILA DE PRÓTESE FIXA
 
1 -avalilçao pre´-operatória odontologia
1  -avalilçao pre´-operatória odontologia1  -avalilçao pre´-operatória odontologia
1 -avalilçao pre´-operatória odontologia
 
Caso Clínico odontológico
Caso Clínico odontológicoCaso Clínico odontológico
Caso Clínico odontológico
 
Cirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em OdontopediatriaCirurgia Em Odontopediatria
Cirurgia Em Odontopediatria
 
Anatomia do Periodonto
Anatomia do PeriodontoAnatomia do Periodonto
Anatomia do Periodonto
 
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
Princípios cirúrgicos e manobras fundamentais 2013
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 
LESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAISLESÕES FUNDAMENTAIS
LESÕES FUNDAMENTAIS
 
Cirurgia periodontal rafael nobre
Cirurgia periodontal   rafael nobreCirurgia periodontal   rafael nobre
Cirurgia periodontal rafael nobre
 
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringelProteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
Proteção complexo dentino pulpar- camilla bringel
 
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduoEndodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
Endodontia em odontopediatria - tratamento pulpar dente decíduo
 
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicosCistos odontogênicos e não odontogênicos
Cistos odontogênicos e não odontogênicos
 

Semelhante a Anatomia e histofisiologia do periodonto

Aula 3 Osso Cartilagem.pdf
Aula 3 Osso Cartilagem.pdfAula 3 Osso Cartilagem.pdf
Aula 3 Osso Cartilagem.pdf
VinicioLins
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Alex Albanese
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
Rayssa Mendonça
 
histologia e ortopedia
histologia e ortopediahistologia e ortopedia
histologia e ortopedia
Jânio CArvalho
 
TECIDO ÓSSEO
TECIDO ÓSSEOTECIDO ÓSSEO
TECIDO ÓSSEO
GabrielaSoares07
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
Everton Lima
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
Everton Lima
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Rayssa Mendonça
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
Rayssa Mendonça
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
Hélter Santana
 
03 histologia humana iii 2016
03 histologia humana iii 201603 histologia humana iii 2016
03 histologia humana iii 2016
JAQUELINE Sobrenome
 
Tecido conjuntivo especial
Tecido conjuntivo especialTecido conjuntivo especial
Tecido conjuntivo especial
URCA
 
Cap08 tecido osseo
Cap08 tecido osseoCap08 tecido osseo
Cap08 tecido osseo
Angelo Judacio
 
Anatomia óSsea
Anatomia óSseaAnatomia óSsea
Anatomia óSsea
Dr. Luciano Moura
 
Tumor odontogenicos de muita e completa materia
Tumor odontogenicos de muita e completa materiaTumor odontogenicos de muita e completa materia
Tumor odontogenicos de muita e completa materia
giovannatorresms
 
Cistos odontogênicos
Cistos odontogênicosCistos odontogênicos
Cistos odontogênicos
Raquel Schultz
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
Hotanilde Lima
 
aula de anatomia óssea ossea óssea ossea
aula de anatomia óssea ossea óssea osseaaula de anatomia óssea ossea óssea ossea
aula de anatomia óssea ossea óssea ossea
CarlaVitria16
 
aula 13 - histologia - pffacasvevevebeevvefe
aula 13 - histologia - pffacasvevevebeevvefeaula 13 - histologia - pffacasvevevebeevvefe
aula 13 - histologia - pffacasvevevebeevvefe
AirexTV
 
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoTrabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Bruno Sequeira
 

Semelhante a Anatomia e histofisiologia do periodonto (20)

Aula 3 Osso Cartilagem.pdf
Aula 3 Osso Cartilagem.pdfAula 3 Osso Cartilagem.pdf
Aula 3 Osso Cartilagem.pdf
 
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃOCirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
Cirurgia avançada em implantodontia ALTERNATIVAS CIRURGICAS PARA REABILITAÇÃO
 
RESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICARESUMO DE DENTÍSTICA
RESUMO DE DENTÍSTICA
 
histologia e ortopedia
histologia e ortopediahistologia e ortopedia
histologia e ortopedia
 
TECIDO ÓSSEO
TECIDO ÓSSEOTECIDO ÓSSEO
TECIDO ÓSSEO
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusãoInterrelação dentística-periodontia-oclusão
Interrelação dentística-periodontia-oclusão
 
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIARESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
RESUMÃO DE CIRURGIA NA ODONTOLOGIA
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
03 histologia humana iii 2016
03 histologia humana iii 201603 histologia humana iii 2016
03 histologia humana iii 2016
 
Tecido conjuntivo especial
Tecido conjuntivo especialTecido conjuntivo especial
Tecido conjuntivo especial
 
Cap08 tecido osseo
Cap08 tecido osseoCap08 tecido osseo
Cap08 tecido osseo
 
Anatomia óSsea
Anatomia óSseaAnatomia óSsea
Anatomia óSsea
 
Tumor odontogenicos de muita e completa materia
Tumor odontogenicos de muita e completa materiaTumor odontogenicos de muita e completa materia
Tumor odontogenicos de muita e completa materia
 
Cistos odontogênicos
Cistos odontogênicosCistos odontogênicos
Cistos odontogênicos
 
Tecido ósseo
Tecido ósseoTecido ósseo
Tecido ósseo
 
aula de anatomia óssea ossea óssea ossea
aula de anatomia óssea ossea óssea osseaaula de anatomia óssea ossea óssea ossea
aula de anatomia óssea ossea óssea ossea
 
aula 13 - histologia - pffacasvevevebeevvefe
aula 13 - histologia - pffacasvevevebeevvefeaula 13 - histologia - pffacasvevevebeevvefe
aula 13 - histologia - pffacasvevevebeevvefe
 
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizadoTrabalho tratamentos conservadores finalizado
Trabalho tratamentos conservadores finalizado
 

Anatomia e histofisiologia do periodonto

  • 1. PERIODONTIA I Fac.Odontologia UFJF Professores: Evandro de Toledo Lourenço Júnior Aneliese Holetz de Toledo Lourenço
  • 2. PERIODONTIA  Disciplina que estuda os tecidos de revestimento e suporte dos dentes (gengiva, osso alveolar, ligamento periodontal e cemento) , sua fisiologia, suas alterações patológicas e as diferentes formas de tratamento.
  • 4. COMPONENTES DO PERIODONTO Periodonto de sustentação .. Osso alveolar .. Ligamento periodontal Periodonto de proteção .. Cemento .. Mucosa ceratinizada .. Sulco gengival .. Epitélio juncional .. Inserção conjuntiva
  • 5. Ponto de contato Papila Periodonto de proteção Área de col Margem gengival Espaço Margem óssea biológico Mucosa ceratinizada Junção mucogengival Periodonto de sustentação Mucosa alveolar
  • 6. Sulco gengival 0,69 mm Epitélio juncional 0,97 mm Distância biológica Inserção conjuntiva 2,04 mm 1,07 mm Total de espaço biológico 2,73 mm = 3,0 mm Referência clínica
  • 7. MUCOSA CERATINIZADA (GENGIVA)  Altura varia de 1 a 9 mm  Gengiva livre ou marginal / faixa de gengiva inserida  Junção mucogengival  Epitélio mucoso estratificado paraceratinizado (pele: ortoceratinizada - completa) Região do “col”: não ceratinizada Mucosa alveolar: não ceratinizada  Importância clínica da mucosa ceratinizada: - imobilização da margem gengival e vedamento entre meio interno e meio externo
  • 13. Solução de Schiller 100 ml Ag. Destilada 4 g de iodeto de potássio 2 g de iodo metalóide Nesta sequência: dissolução do iodo na solução de iodeto de potássio
  • 14. Abrasão provocada por escovação traumática
  • 15. Recessões periodontais causadas após movimentação ortodôntica: gengiva e osso delgados
  • 16. Áreas de menor quantidade: •Pré-molares inferiores •Pré-molares superiores •Caninos Ideal segundo STRAHAN: 3 mm Ausência de mucosa ceratinizada
  • 17. Várias abrasões e exposição total da raiz distovestibular do elemento 16
  • 18. COL (COHEN, 1959) •Quanto mais posterior no arco, maior é a distância •Tecido não ceratinizado (tecido duro) Pôntico e PT (perda da ceratina)
  • 19. SULCO GENGIVAL  Profundidade - 0,5 a 1,0 mm  Amplitude – 0,15 a 0,25 mm RATEISCHTAK  Condições clínicas: DOENÇA: presença de sangramento à sondagem SAÚDE: ausência de sangramento à sondagem Gengivite experimental de LÖE: 48 a 72 horas
  • 20. Cristas epiteliais e papilas conjuntivas Epitélio e colágeno íntegros, ausência de infiltrado inflamatório
  • 21. 0.15 a 0.25mm 0,5 a 1mm Presença de infiltrado inflamatório
  • 22. Perda da integridade epitelial, destruição de colágeno e infiltrado inflamatório tardio
  • 23. EPITÉLIO JUNCIONAL  Extensão : 0,9 a 1,3 mm  União firme ao dente  União intercelular lábil (clivagem)  Descamação celular (apical para coronal: defesa)  Sem ceratinização (tecido duro - MIDZA)  Todas as células se dividem (mais rapidez de renovação), nos demais epitélios: somente as basais  Presença de células de defesa  Forma piramidal invertida  Permite a penetração da sonda até o início da inserção conjuntiva
  • 25. INSERÇÃO CONJUNTIVA  Extensão – 1,0 a 1,5 mm  Presença de fibras gengivais  Pontilhado gengival – fibras inseridas no cemento supra-alveolar e no osso  Integridade – saúde periodontal
  • 26. Fibras gengivais 1 - Dentogengivais 2 - Crestogengivais 5 - Semicirculares 6 - Dentoperiostais 8 - Periosteogengivais 11 - Fibras do ligamento
  • 27. 3 – fibras semi-circulares da gengiva (não há circulares) 7 – fibras transseptais da gengiva ( ou do ligamento )
  • 28. OSSO ALVEOLAR CA10 (PO4) OH2 HIDROXIAPATITA presente em todos os tecidos mineralizados
  • 29. Composição em volume Matriz Matriz Água orgânica inorgânica Esmalte 02 86 12 Dentina 18 70 12 Cemento 23 65 12 Osso 25 60 15
  • 30. Osso alveolar  ÚNICO OSSO DE ORIGEM ECTOMESENQUIMAL (os demais são mesenquimais)  Osteoblastos secretam a matriz que é fosforilada (fosfatase alcalina do osteoblasto) e mineralizada  O osso cresce por sobrecamadas (osteócito enclausurado com prolongamentos, mantendo a matriz, osteon: vaso e osteócitos dependentes)
  • 31. OSSO ALVEOLAR  Absorção e neoformação constantes  O osteócito reabsorve o componente inorgânico, o osteoclasto reabsorve o componente inorgânico e também a parte orgânica (não havendo nova deposição mineral e nova formação óssea)  O paratohormônio estimula atividade osteoclástica, a calcitonina inibe Troca do esqueleto: adultos 1 x ao ano, crianças 2 x
  • 32. 1 – Cortical interna LÂMINA CRIBIFORME: equilíbrio hidrodinâmico 2 – Espaços medulares 3 – Cortical externa
  • 34. Arco côncavo do tec. ósseo Espaço biológico: Sulcogeng,ep.junc e inserção conjunt
  • 37. Emergência da artéria intra-septal
  • 40. Região do espaço biológico
  • 43. Perda do osso alveolar, restando osso basal
  • 44. Continuidade da lâmina dura no Rx: saúde Interrupção ou ausência (vasos e desmineralização):doença
  • 45. LIGAMENTO PERIODONTAL  Tecido conjuntivo denso modelado  Articulação do tipo sindesmose: 2 TECIDOS DUROS ENTREMEADOS POR FIBRAS (estiramento e contração)  Espessura média - 0,2 mm(0,1 a 0,4 mm)  União entre osso e cemento  Funções: . amortecimento de forças (fibras oblíq.+fluido tissular) . remodelamento - osso e raiz . sensorial - proprioceptores . nutritiva - irrigação
  • 46. CÉLULAS DO LIGAMENTO PERIODONTAL  Fibroblastos (colágeno e colagenase), neutrófilos (fagocita bactérias), mastócitos (histamina), macrófagos (originado do monócito que sai do vaso, fagocita fungos, vírus e substâncias), eosinófilos (fagocita complexo Ag/Ac), cels. ectomesenquimais indiferenciadas (dão origem às progenitoras), cementoblastos, cementoclastos, osteoblastos, osteoclastos, restos epiteliais de Malassez (restos da bainha de Hertwig: não degeneram, tendem a encistar, 85% apicais), elementos vasculares e neurais. A colagenase bacteriana é 5 x mais potente que a do fibroblasto A cada 7 dias o colágeno do ligamento se renova, no grupo da crista, apical e interradicular, a cada 70 horas
  • 47. Fibras de Sharpey: final das fibras inserídas no osso e no cemento Há em todas as sindesmoses, no periósteo alveolar também
  • 48. FIBRAS PERIODONTAIS  Fibras da crista alveolar  Fibras horizontais  Fibras oblíquas em maior proporção  Fibras periapicais  Fibras interradiculares (furcais)
  • 49. 12 – HORIZONTAIS 13 – OBLÍQUAS 14 - INTERRADICULARES 15 - PERIAPICAIS
  • 50. Corte histológico da região do ligamento periodontal
  • 51. CEMENTO Cemento acelular: (sem cementócitos)  terço cervical e terço médio da raiz  associado a formação da raiz e erupção Cemento celular: (com cementócitos)  terço apical  associado ao contato oclusal e a demandas funcionais (0,4 mm a cada 40 anos – depende da demanda) AMBOS POSSUEM CEMENTOBLASTOS
  • 52. O cemento é avascular, mantendo-se através do periodonto Toda degeneração do periodonto degenera cemento
  • 53. CEMENTO CARACTERÍSTICAS  Sofre contínua aposição durante a vida (não existe remodelamento)  Absorve mais lentamente que o osso  Difícil renovação (8 X menos fosfatase-alcalina que o osso)  Degenera-se em contato com o meio bucal  Anomalias: projeções e pérolas de esmalte
  • 54. IRRIGAÇÃO DO PERIODONTO  Vasos supraperiosteais  Vasos intraósseos  Vasos intraligamentares (80 % DOS VASOS SÃO PARALELOS – ALMOFADA HEMODINÂMICA PELA TURGESCÊNCIA DOS VASOS)
  • 55. VASOS 1- Intraligamentares 2 – Intraósseos 3 - Supraperiostais
  • 56. Inervação do periodonto
  • 58. SONDAGEM CLÍNICA Saúde: 1 a 3 mm sulco, epitélio juncional
  • 60. Renovação x Cicatrização valores aproximados  Epitélio oral: 15 dias  Epitélio juncional: 03 dias  Tecido conjuntivo: 30 dias  Ligamento periodontal: 30 dias  Tecido ósseo: 3 meses
  • 61. Bibliografia recomendada:  LINDHE, J. Tratado de Periodontia clínica e Implantologia oral. 5.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. (ISBN: 9788527716222)  NEWMAN, M.G.; TAKEI, H; CARRANZA, F.A. Periodontia clínica. 10.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. (ISBN: 978853222487)  DUARTE, C.A. Cirurgia Periodontal: pré- protética, estética e peri-implantar. 3.ed. São Paulo: Editora Santos, 2009. (ISBN: 9788572887748)