SlideShare uma empresa Scribd logo
OBRAS RARASem busca de consenso para uma definição
A RARIDADE E SUAS GRADAÇÕESraridade absoluta - a propriedade não só de qualquer livro de edição muito pequena, mas daquele cujo total de exemplares sobreviventes é definitivamente conhecido e reduzido.raridade relativa - baseada no número dos que restaram e na associação deste quesito à frequência com que aparecem no mercado e são procurados pelos colecionadores.CARTER, John. ABC for book-collectors. London: Rupert Hart-Davis, 1952. p. 148-149.
Liberchronicarum(1493)Xilogravuras de Wohlgemuth e Pleydenwurf, cujo número excessivo é, no juízo de Pollard, quase “um atentado contra o bom gosto”.POLLARD, Alfred W. - Early illustrated books: a history of the decoration and illustration of books in the 15th and 16th centuries. London: Kegan Paul, Trench, Trübner & Co., 1893. p. 63.
Livro de Thevet, Lessingularitez de la France Antarctique(1558), um dos mais belos livros franceses do século XVI, com notáveis xilogravuras (atribuídas, em parte, a Jean Cousin) cujo valor artístico só é superado pelo seu interesse como documento etnográfico.MORAES, Rubens Borba de. Bibliographiabrasiliana: rare books about Brazil published from 1504 to 1900 and works by Brazilian authors of the Colonial period. Revised and enlarged edition. Los Angeles; Rio de Janeiro: University of California; Kosmos, 1983. p. 857-858. (UCLA Latin American Center Publications, Reference Series, 10)
DIFICULDADE DE ENCONTRAR x ANTIGUIDADENovvs Orbis, seu, Descriptionis Indiae Occidentalis, de Johannes de Laet (1633)
Ilustração de Portinari para publicação dos 100 Bibliófilos do Brasil
Material de vida efêmera e em grande parte destruído
Material produzido fora do circuito comercial
CONTEÚDOQUALIDADE DOCUMENTALNova genera et species plantarum quas in itinere per Brasiliam, de Von Martius (1823-1832)
Expédition dans les parties centrales de l’Amérique du Sud, de Castelnau (1850)
Voyage Pittoresque au Brésil, de Rugendas (1835)
CARÁTER INAUGURALPrimeiro jornal de Goiás (1830)
Estudos para a localização da nova capital
PRESTÍGIO E RENOME DE DETERMINADOS AUTORESFrei José Mariano da Conceição Veloso (1742-1811)
Antônio Carlos Gomes (1836-1896)
CONTRASTE COM PRÁTICAS ATUAISGravura do holandês Theodore De Bry que retrata ritual de canibalismo entre os índios tupinambás, em Americae Tertia Pars (1592)
LIGAÇÃO COM CERTOS FATOS E EPISÓDIOS
CAPACIDADE DE EVOCAR O COTIDIANO, OS HÁBITOS E COSTUMESVoyage pitoresque et historique au Brésil, de Jean-Baptiste Debret (1834-1839)
PREFERÊNCIA POR PRIMEIRAS EDIÇÕES
POR DIFERENTES ESTÁGIOS DE ELABORAÇÃO DA OBRAmanuscritos originais de Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll (1864)
POR OBRAS ILUSTRADAS E MONUMENTAISHistoria naturalis Brasiliae, de Willem Piso e George Marcgraf (1648)
PELO CONTEÚDO INUSITADOUm exagero na louvação aos poderosos…
EXEMPLARES REPRESENTATIVOS DAS VÁRIAS TÉCNICAS DE IMPRESSÃO
XILOGRAVURAEx-Libris criado por Eliseu Visconti (1903)
LITOGRAVURA A PARTIR DE DESENHOPanoramas de la ville de Rio de Janeiro, de Iluchar Desmons (1855)
LITOGRAVURA A PARTIR DE FOTOBrazil pittoresco, de Charles Ribeyrolles e Victor Frond (1861)
MIMEOGRAFIATrabalhos de autoria de Nicolas Behr (nascido em Cuiabá, em 1958, e residente em Brasília desde 1974), ilustrativos da chamada Geração Mimeógrafo, que desenvolveu nos anos 70 a poesia marginal. Consta que Iogurte com Farinha, lançado em 1977 por um selo denominado Pobrás – Pobreza Brasileira, chegou a vender, de mão em mão, 8 mil exemplares.
O LIVRO TAMBÉM PODE GANHAR NOTORIEDADE PELOS DEFEITOS QUE OSTENTA OU POR AFRONTAR A ESTÉTICA VIGENTE
Ana  Maria  O B R A S  R A R A S
MARCAS EXTERNAS TAMBÉM CONFEREM VALOR ESPECIAL ÀS OBRAS
COMO AS DE COMERCIALIZAÇÃO
AS DE PROPRIEDADE
O LIVRO COMO ARTEFATOO primeiro trabalho da série de “poemóbiles” é um poema de Augusto de Campos que acompanha a edição do livro Objetos de Julio Plaza, publicado pelo argentino Julio Pacello em 1969.
“Colecionar é uma arte”. (Rubens Borba de Morais)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questões Jogo - Movimentos Literários (século XIX - XX)
Questões Jogo - Movimentos Literários (século XIX - XX)Questões Jogo - Movimentos Literários (século XIX - XX)
Questões Jogo - Movimentos Literários (século XIX - XX)
Paula Meyer Piagentini
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
ProfCharlesChristie
 
O que faz um livro raro, raro? : critérios de identificação
O que faz um livro raro, raro? : critérios de identificaçãoO que faz um livro raro, raro? : critérios de identificação
O que faz um livro raro, raro? : critérios de identificação
Biblioteca Central UFRGS
 
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os ...
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos  da desigualdade entre os ...[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos  da desigualdade entre os ...
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os ...
Rafael Oliveira
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
Andréia Peixoto
 
Marcos Rey / Sétimo Ano
Marcos Rey / Sétimo AnoMarcos Rey / Sétimo Ano
Marcos Rey / Sétimo Ano
Paula Meyer Piagentini
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Seção de Obras Raras - Lagrimas abençoadas
Sistema de Bibliotecas UCS - Seção de Obras Raras - Lagrimas abençoadasSistema de Bibliotecas UCS - Seção de Obras Raras - Lagrimas abençoadas
Sistema de Bibliotecas UCS - Seção de Obras Raras - Lagrimas abençoadas
Biblioteca UCS
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
Isabella Ruas
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
suellenromere
 
Acervo Museológico Itaúna
Acervo Museológico ItaúnaAcervo Museológico Itaúna
Acervo Museológico Itaúna
Charles
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
Francisco
 
Slide sobre o escritor Monteiro Lobato
Slide sobre o escritor Monteiro LobatoSlide sobre o escritor Monteiro Lobato
Slide sobre o escritor Monteiro Lobato
Giovana Gabrielle
 
URUPÊS - MONTEIRO LOBATO
URUPÊS - MONTEIRO LOBATOURUPÊS - MONTEIRO LOBATO
URUPÊS - MONTEIRO LOBATO
UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Dai Pinheiro
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
Francisco
 
Barroco
BarrocoBarroco
A vida e obra de alexandre herculano
A vida e obra de  alexandre herculanoA vida e obra de  alexandre herculano
A vida e obra de alexandre herculano
Marcelo Gil Simões
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Ivana Mayrink
 

Mais procurados (18)

Questões Jogo - Movimentos Literários (século XIX - XX)
Questões Jogo - Movimentos Literários (século XIX - XX)Questões Jogo - Movimentos Literários (século XIX - XX)
Questões Jogo - Movimentos Literários (século XIX - XX)
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
O que faz um livro raro, raro? : critérios de identificação
O que faz um livro raro, raro? : critérios de identificaçãoO que faz um livro raro, raro? : critérios de identificação
O que faz um livro raro, raro? : critérios de identificação
 
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os ...
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos  da desigualdade entre os ...[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos  da desigualdade entre os ...
[EXCERTO] Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os ...
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Marcos Rey / Sétimo Ano
Marcos Rey / Sétimo AnoMarcos Rey / Sétimo Ano
Marcos Rey / Sétimo Ano
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Seção de Obras Raras - Lagrimas abençoadas
Sistema de Bibliotecas UCS - Seção de Obras Raras - Lagrimas abençoadasSistema de Bibliotecas UCS - Seção de Obras Raras - Lagrimas abençoadas
Sistema de Bibliotecas UCS - Seção de Obras Raras - Lagrimas abençoadas
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Acervo Museológico Itaúna
Acervo Museológico ItaúnaAcervo Museológico Itaúna
Acervo Museológico Itaúna
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Slide sobre o escritor Monteiro Lobato
Slide sobre o escritor Monteiro LobatoSlide sobre o escritor Monteiro Lobato
Slide sobre o escritor Monteiro Lobato
 
URUPÊS - MONTEIRO LOBATO
URUPÊS - MONTEIRO LOBATOURUPÊS - MONTEIRO LOBATO
URUPÊS - MONTEIRO LOBATO
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
A vida e obra de alexandre herculano
A vida e obra de  alexandre herculanoA vida e obra de  alexandre herculano
A vida e obra de alexandre herculano
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 

Semelhante a Ana Maria O B R A S R A R A S

Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
Aline Ferreira
 
BC 50 anos - nanoexposição 15 - Virtual 1 - Catálogo.pdf
BC 50 anos - nanoexposição 15 - Virtual 1 - Catálogo.pdfBC 50 anos - nanoexposição 15 - Virtual 1 - Catálogo.pdf
BC 50 anos - nanoexposição 15 - Virtual 1 - Catálogo.pdf
Biblioteca Central UFRGS
 
Este livro é meu!
Este livro é meu!Este livro é meu!
Este livro é meu!
Eugenio Hansen, OFS
 
Catálogo nº7
Catálogo nº7Catálogo nº7
Catálogo nº7
Conceição Norberto
 
Guia Historia
Guia HistoriaGuia Historia
Guia Historia
Fabio Santos
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
Nádia França
 
Design grafico
Design graficoDesign grafico
Design grafico
Leandro Bruck
 
1 fase do modernismo
1 fase do modernismo1 fase do modernismo
1 fase do modernismo
Laboratório de Informática
 
A caricatura na imprensa do Rio
A caricatura na imprensa do RioA caricatura na imprensa do Rio
A caricatura na imprensa do Rio
+ Aloisio Magalhães
 
O rio de janeiro visto pelos artistas franceses (parte i)
O rio de janeiro visto pelos artistas franceses (parte i)O rio de janeiro visto pelos artistas franceses (parte i)
O rio de janeiro visto pelos artistas franceses (parte i)
Fatima de Luzie Cavalcante
 
Theodor de Bry - Prof. Altair Aguilar
Theodor de Bry - Prof. Altair AguilarTheodor de Bry - Prof. Altair Aguilar
Theodor de Bry - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
Tiago Lott
 
ppt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieirappt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieira
Elsabastos
 
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempoO padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
Roger Rio
 
001143485_O_principe.pdf
001143485_O_principe.pdf001143485_O_principe.pdf
001143485_O_principe.pdf
MissileneCostaReis
 
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
MoniqueSousa25
 
Literatura Brasileira - escolas literárias.ppt
Literatura Brasileira - escolas literárias.pptLiteratura Brasileira - escolas literárias.ppt
Literatura Brasileira - escolas literárias.ppt
MaiteFerreira4
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
jaquemarcondes
 
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Umberto Neves
 

Semelhante a Ana Maria O B R A S R A R A S (20)

Slides barroco
Slides barrocoSlides barroco
Slides barroco
 
BC 50 anos - nanoexposição 15 - Virtual 1 - Catálogo.pdf
BC 50 anos - nanoexposição 15 - Virtual 1 - Catálogo.pdfBC 50 anos - nanoexposição 15 - Virtual 1 - Catálogo.pdf
BC 50 anos - nanoexposição 15 - Virtual 1 - Catálogo.pdf
 
Este livro é meu!
Este livro é meu!Este livro é meu!
Este livro é meu!
 
Catálogo nº7
Catálogo nº7Catálogo nº7
Catálogo nº7
 
Guia Historia
Guia HistoriaGuia Historia
Guia Historia
 
Resumo de literatura
Resumo de literaturaResumo de literatura
Resumo de literatura
 
Design grafico
Design graficoDesign grafico
Design grafico
 
1 fase do modernismo
1 fase do modernismo1 fase do modernismo
1 fase do modernismo
 
A caricatura na imprensa do Rio
A caricatura na imprensa do RioA caricatura na imprensa do Rio
A caricatura na imprensa do Rio
 
O rio de janeiro visto pelos artistas franceses (parte i)
O rio de janeiro visto pelos artistas franceses (parte i)O rio de janeiro visto pelos artistas franceses (parte i)
O rio de janeiro visto pelos artistas franceses (parte i)
 
Theodor de Bry - Prof. Altair Aguilar
Theodor de Bry - Prof. Altair AguilarTheodor de Bry - Prof. Altair Aguilar
Theodor de Bry - Prof. Altair Aguilar
 
O barroco
O barrocoO barroco
O barroco
 
ppt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieirappt-Padre-António-Vieira
ppt-Padre-António-Vieira
 
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempoO padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
O padre antonio_vieira_e_o_seu_tempo
 
001143485_O_principe.pdf
001143485_O_principe.pdf001143485_O_principe.pdf
001143485_O_principe.pdf
 
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
07.+Romantismo+(1).pdfslide romantismo e realismo
 
Literatura Brasileira - escolas literárias.ppt
Literatura Brasileira - escolas literárias.pptLiteratura Brasileira - escolas literárias.ppt
Literatura Brasileira - escolas literárias.ppt
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
Destaques Enciclopédia 03-11-2014 a 09-11-2014
 

Ana Maria O B R A S R A R A S

  • 1. OBRAS RARASem busca de consenso para uma definição
  • 2. A RARIDADE E SUAS GRADAÇÕESraridade absoluta - a propriedade não só de qualquer livro de edição muito pequena, mas daquele cujo total de exemplares sobreviventes é definitivamente conhecido e reduzido.raridade relativa - baseada no número dos que restaram e na associação deste quesito à frequência com que aparecem no mercado e são procurados pelos colecionadores.CARTER, John. ABC for book-collectors. London: Rupert Hart-Davis, 1952. p. 148-149.
  • 3. Liberchronicarum(1493)Xilogravuras de Wohlgemuth e Pleydenwurf, cujo número excessivo é, no juízo de Pollard, quase “um atentado contra o bom gosto”.POLLARD, Alfred W. - Early illustrated books: a history of the decoration and illustration of books in the 15th and 16th centuries. London: Kegan Paul, Trench, Trübner & Co., 1893. p. 63.
  • 4. Livro de Thevet, Lessingularitez de la France Antarctique(1558), um dos mais belos livros franceses do século XVI, com notáveis xilogravuras (atribuídas, em parte, a Jean Cousin) cujo valor artístico só é superado pelo seu interesse como documento etnográfico.MORAES, Rubens Borba de. Bibliographiabrasiliana: rare books about Brazil published from 1504 to 1900 and works by Brazilian authors of the Colonial period. Revised and enlarged edition. Los Angeles; Rio de Janeiro: University of California; Kosmos, 1983. p. 857-858. (UCLA Latin American Center Publications, Reference Series, 10)
  • 5. DIFICULDADE DE ENCONTRAR x ANTIGUIDADENovvs Orbis, seu, Descriptionis Indiae Occidentalis, de Johannes de Laet (1633)
  • 6. Ilustração de Portinari para publicação dos 100 Bibliófilos do Brasil
  • 7. Material de vida efêmera e em grande parte destruído
  • 8. Material produzido fora do circuito comercial
  • 9. CONTEÚDOQUALIDADE DOCUMENTALNova genera et species plantarum quas in itinere per Brasiliam, de Von Martius (1823-1832)
  • 10. Expédition dans les parties centrales de l’Amérique du Sud, de Castelnau (1850)
  • 11. Voyage Pittoresque au Brésil, de Rugendas (1835)
  • 13. Estudos para a localização da nova capital
  • 14. PRESTÍGIO E RENOME DE DETERMINADOS AUTORESFrei José Mariano da Conceição Veloso (1742-1811)
  • 15. Antônio Carlos Gomes (1836-1896)
  • 16. CONTRASTE COM PRÁTICAS ATUAISGravura do holandês Theodore De Bry que retrata ritual de canibalismo entre os índios tupinambás, em Americae Tertia Pars (1592)
  • 17. LIGAÇÃO COM CERTOS FATOS E EPISÓDIOS
  • 18. CAPACIDADE DE EVOCAR O COTIDIANO, OS HÁBITOS E COSTUMESVoyage pitoresque et historique au Brésil, de Jean-Baptiste Debret (1834-1839)
  • 20. POR DIFERENTES ESTÁGIOS DE ELABORAÇÃO DA OBRAmanuscritos originais de Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll (1864)
  • 21. POR OBRAS ILUSTRADAS E MONUMENTAISHistoria naturalis Brasiliae, de Willem Piso e George Marcgraf (1648)
  • 22. PELO CONTEÚDO INUSITADOUm exagero na louvação aos poderosos…
  • 23. EXEMPLARES REPRESENTATIVOS DAS VÁRIAS TÉCNICAS DE IMPRESSÃO
  • 24. XILOGRAVURAEx-Libris criado por Eliseu Visconti (1903)
  • 25. LITOGRAVURA A PARTIR DE DESENHOPanoramas de la ville de Rio de Janeiro, de Iluchar Desmons (1855)
  • 26. LITOGRAVURA A PARTIR DE FOTOBrazil pittoresco, de Charles Ribeyrolles e Victor Frond (1861)
  • 27. MIMEOGRAFIATrabalhos de autoria de Nicolas Behr (nascido em Cuiabá, em 1958, e residente em Brasília desde 1974), ilustrativos da chamada Geração Mimeógrafo, que desenvolveu nos anos 70 a poesia marginal. Consta que Iogurte com Farinha, lançado em 1977 por um selo denominado Pobrás – Pobreza Brasileira, chegou a vender, de mão em mão, 8 mil exemplares.
  • 28. O LIVRO TAMBÉM PODE GANHAR NOTORIEDADE PELOS DEFEITOS QUE OSTENTA OU POR AFRONTAR A ESTÉTICA VIGENTE
  • 30. MARCAS EXTERNAS TAMBÉM CONFEREM VALOR ESPECIAL ÀS OBRAS
  • 31. COMO AS DE COMERCIALIZAÇÃO
  • 33. O LIVRO COMO ARTEFATOO primeiro trabalho da série de “poemóbiles” é um poema de Augusto de Campos que acompanha a edição do livro Objetos de Julio Plaza, publicado pelo argentino Julio Pacello em 1969.
  • 34. “Colecionar é uma arte”. (Rubens Borba de Morais)