SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Dos óculos de grau ao Google Glass: a
reconfiguração da visão a partir dos
computadores vestíveis
Aline Corso
Mestranda em Processos e Manifestações Culturais - Bolsista Prosup/CAPES - Universidade FEEVALE
Trabalho apresentado no GT de História da Mídia Digital
Resumo
Os computadores vestíveis, enquanto dispositivos que, somados ao corpo do usuário, funcionam
como uma espécie de segunda pele, ampliam e reconfiguram nossas capacidades motoras e/ou
cognitivas. Partindo de uma reflexão sobre o conceito de computadores vestíveis, buscamos
compreender quais são as principais propriedades e quais os elementos necessários para o seu
funcionamento, a fim de poder distingui-los de outros dispositivos. Frente a isso, pergunta-se: quais
são os computadores vestíveis que reconfiguram a visão? Como se dá essa reconfiguração? O
objetivo deste estudo, portanto, é investigar a reconfiguração da visão a partir da utilização de
computadores vestíveis, observando o contexto social em que estão inseridos e suas características
funcionais, sob a ótica da tecnologia. Para tanto, a bibliografia consultada versa, principalmente,
sobre os conceitos de computadores vestíveis, por meio de autores como Mann (2001) e Donati
(2005). Metodologicamente, utiliza-se da arqueologia da mídia (RÜDIGER, 2011; FELINTO, 2011;
SILVEIRA, 2011; ERNST, 2013) para viabilizar este estudo, uma vez que ela permite mapear o
surgimento e evolução destes computadores vestíveis.
Palavras-chave: mídia digital; computadores vestíveis; arqueologia da mídia.
A visão
Ackerman afirma, em A Natural History of the Senses, “que 70%
dos receptores do sentido humano encontram-se nos olhos,
tornando-os os grandes monopolistas dos sentidos” (ACKERMAN
apud NETTO et. al., 2002, p. 4). A partir desta proposição inicial,
podemos observar que alguns indivíduos já nascem com doenças
oculares (ametropia, estrabismo, cegueira parcial ou total, etc.),
porém muitas enfermidades são adquiridas com o passar dos
anos - os olhos são facilmente expostos a doenças, tais como
catarata e glaucoma.
Diversas tecnologias foram criadas de modo de corrigir estas
doenças e melhorar a vida dos indivíduos.
Computadores vestíveis
O que é um computador “vestível”? Ele deve estar incorporado ao espaço pessoal do
wearer – usuário, potencializando um uso mais integrado, sem limitar os movimentos
corporais ou impedir a mobilidade. Está sempre ligado e acessível com uma performance
computacional que permite auxiliar o usuário em atividades motoras e/ou cognitivas, sem,
no entanto, ser considerado como uma simples ferramenta. O que diferencia um
computador “vestível” de outros dispositivos móveis, como palmtop, pager ou celular, é a
possibilidade de apreender informações, tanto do usuário como do ambiente, tornando seu
funcionamento mais interativo. Isso se deve à existência de sensores no sistema que
podem, por exemplo, medir a posição do wearer, seu deslocamento, ou sinais vitais,
reconhecer a presença de objetos/pessoas em torno e, também, as condições do ambiente
como temperatura e luminosidade. Esses sinais podem ser constantemente obtidos,
independentemente da requisição do usuário, e, a partir disso, conforme a programação,
provocar outras ações. Essa constante disponibilidade e integração do dispositivo vêm,
assim, propor novas conexões, uma outra forma de sinergia entre o homem e o
computador, que potencialmente pode estender e projetar a capacidade do usuário de
interagir e atuar no espaço (DONATI, 2004, p. 94, grifo nosso).
https://www.youtube.com/watch?v=iwSpn7H7vKg
Modos operacionais
CONSTÂNCIA
AMPLIAÇÃO
MEDIAÇÃO
Atributos
NÃO RESTRITIVO PARA O USUÁRIO
NÃO MONOPOLIZAR A ATENÇÃO DO USUÁRIO
PERCEPTÍVEL PELO USUÁRIO
CONTROLÁVEL PELO USUÁRIO
MONITORAÇÃO DO AMBIENTE
COMUNICATIVO PARA OUTROS
PESSOAL, INTEGRANDO A RELAÇÃO HOMEM/MÁQUINA.
Elementos necessários para o seu funcionamento
DISPOSITIVO DE ENTRADA DE DADOS (MÍNIMO 1)
UM MICROPROCESSADOR
DISPOSITIVO DE SAÍDA DE DADOS (MÍNIMO 1)
UMA FONTE (BATERIA)
Arqueologia da mídia
Conforme Rüdiger (2011), é comum os estudos de mídia serem ofuscados pelas novidades e
o resultado é “uma cegueira para o fato de que um processo histórico precede e ajuda a
entender o seu aparecimento, tanto quanto a dinâmica de seus fenômenos”:
O novo tem um valor intrínseco nesse meio profissional e intelectual (...) Os estudos
arqueológicos evitam o historicismo puro e simples, que nega a criação inovadora,
mas também o culto do modismo de última hora, que desconhece o lastro do
presente dentro do passado. A contribuição que nos fornecem está, em resumo,
na lembrança do fato de que as formas técnicas e culturais, incluindo aí as da
mídia, não costumam falecer, mas, uma vez criadas, são antes reelaboradas
em novas circunstâncias, ainda que por vezes possam sofrer uma longa
hibernação. O helicóptero foi desenhado por Leonardo da Vinci para se tornar
realidade no século XX. Serviços que hoje nos presta a internet são derivados de
experimentos noticiosos com a telefonia no começo do século XX (RÜDIGER, 2011,
p. 12, grifo nosso).
Inspirada na arqueologia do saber, de Foucault. Ver: FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense-
Universitária, 1987.
Arqueologia da mídia
Felinto corrobora a proposta de Rüdiger, ao afirmar que a importância da arqueologia da
mídia, é justamente a “necessidade de olharmos mais para o passado, de modo a
entender melhor o presente” (FELINTO, 2011, p. 6). Frisamos que, embora a arqueologia
da mídia não possua métodos definidos de pesquisa, é justamente a sua indefinição que
permite flexibilidade e abrangência (FELINTO, 2011, p. 5).
O que importa, na arqueologia da mídia, é compreender melhor a composição
histórica dos fenômenos, em especial nos estudos em cibercultura. A arqueologia
da mídia surge como uma forma de revisitar as culturas de mídia em uma
perspectiva histórica.
Exercício de ESCAVAÇÃO!
Computadores Vestíveis
que reconfiguram a visão
Óculos de grau: não é CV, mas é importante pois abriu
caminho para os CV seguintes.
C.C. Collins/Vibravest (Mann)
WearComp
Google Glass
OBRIGADA!
Aline Corso
aline.corso@gmail.com
www.alinecorso.com.br

Mais conteúdo relacionado

Destaque

As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E LaboralAs RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E LaboralThiago de Almeida
 
Ciúme - Psicologia Evolutiva
Ciúme - Psicologia EvolutivaCiúme - Psicologia Evolutiva
Ciúme - Psicologia EvolutivaAna Sofia Costa
 
Melhoria da visão - Yoga Ocular
Melhoria da visão - Yoga OcularMelhoria da visão - Yoga Ocular
Melhoria da visão - Yoga OcularVisão Natural
 
óPtica da visão olho humano
óPtica da visão   olho humanoóPtica da visão   olho humano
óPtica da visão olho humanozaidanmn
 
Coletânea de dinâmicas para casais
Coletânea de dinâmicas para casaisColetânea de dinâmicas para casais
Coletânea de dinâmicas para casaisPr Ismael Carvalho
 

Destaque (6)

As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E LaboralAs RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
As RelaçõEs De Amor CiúMe E Inveja No Ambiente AcadêMico E Laboral
 
Ciúme - Psicologia Evolutiva
Ciúme - Psicologia EvolutivaCiúme - Psicologia Evolutiva
Ciúme - Psicologia Evolutiva
 
Melhoria da visão - Yoga Ocular
Melhoria da visão - Yoga OcularMelhoria da visão - Yoga Ocular
Melhoria da visão - Yoga Ocular
 
óPtica da visão olho humano
óPtica da visão   olho humanoóPtica da visão   olho humano
óPtica da visão olho humano
 
Apostila palestra para casais
Apostila   palestra para casaisApostila   palestra para casais
Apostila palestra para casais
 
Coletânea de dinâmicas para casais
Coletânea de dinâmicas para casaisColetânea de dinâmicas para casais
Coletânea de dinâmicas para casais
 

Semelhante a Alcar 2015: computadores vestíveis que reconfiguram a visão

Palestra- Multiexperiência
Palestra- MultiexperiênciaPalestra- Multiexperiência
Palestra- MultiexperiênciaFelipe Mota
 
Sempre on (linha)? Experiência do usuário de Smartwatches e seu papel dentro ...
Sempre on (linha)? Experiência do usuário de Smartwatches e seu papel dentro ...Sempre on (linha)? Experiência do usuário de Smartwatches e seu papel dentro ...
Sempre on (linha)? Experiência do usuário de Smartwatches e seu papel dentro ...Iwo12
 
ACM Computação Ubíqua Final
ACM Computação Ubíqua FinalACM Computação Ubíqua Final
ACM Computação Ubíqua Finalherickfaro
 
A educação voltada para o futuro
A educação voltada para o futuroA educação voltada para o futuro
A educação voltada para o futuroFernando Alcoforado
 
Design Universal
Design UniversalDesign Universal
Design Universalaiadufmg
 
A usabilidade na Sociedade em Rede
A usabilidade na Sociedade em RedeA usabilidade na Sociedade em Rede
A usabilidade na Sociedade em RedePaulo Sousa
 
A circulação de notícias no ecossistema midiático móvel: a relação entre apli...
A circulação de notícias no ecossistema midiático móvel: a relação entre apli...A circulação de notícias no ecossistema midiático móvel: a relação entre apli...
A circulação de notícias no ecossistema midiático móvel: a relação entre apli...Maíra Evangelista de Sousa
 
Interface Homem Computador - IHC
Interface Homem Computador - IHCInterface Homem Computador - IHC
Interface Homem Computador - IHCNeilda Costa
 
IoT no auxilio da locomoção do deficiente visual
IoT  no auxilio da locomoção do deficiente visualIoT  no auxilio da locomoção do deficiente visual
IoT no auxilio da locomoção do deficiente visualLuana Ketlin Alves
 
Projeto de pesquisa - Automação Residencial
Projeto de pesquisa - Automação ResidencialProjeto de pesquisa - Automação Residencial
Projeto de pesquisa - Automação ResidencialMatheus Alves
 
01 - IHC e usabilidade [Conceitos]
01 - IHC e usabilidade [Conceitos]01 - IHC e usabilidade [Conceitos]
01 - IHC e usabilidade [Conceitos]Robson Santos
 
Design e usabilidade - Fundamentos
Design e usabilidade - FundamentosDesign e usabilidade - Fundamentos
Design e usabilidade - FundamentosMatheus Inácio
 
Internet das Coisas: que desafios?
Internet das Coisas: que desafios?Internet das Coisas: que desafios?
Internet das Coisas: que desafios?Cecília Tomás
 

Semelhante a Alcar 2015: computadores vestíveis que reconfiguram a visão (20)

Artigo ihc1
Artigo ihc1Artigo ihc1
Artigo ihc1
 
Sc ad-tp-g4-a.ppt
Sc ad-tp-g4-a.pptSc ad-tp-g4-a.ppt
Sc ad-tp-g4-a.ppt
 
Computação vestivel
Computação vestivelComputação vestivel
Computação vestivel
 
Trabalho gui
Trabalho guiTrabalho gui
Trabalho gui
 
Palestra- Multiexperiência
Palestra- MultiexperiênciaPalestra- Multiexperiência
Palestra- Multiexperiência
 
Sempre on (linha)? Experiência do usuário de Smartwatches e seu papel dentro ...
Sempre on (linha)? Experiência do usuário de Smartwatches e seu papel dentro ...Sempre on (linha)? Experiência do usuário de Smartwatches e seu papel dentro ...
Sempre on (linha)? Experiência do usuário de Smartwatches e seu papel dentro ...
 
ACM Computação Ubíqua Final
ACM Computação Ubíqua FinalACM Computação Ubíqua Final
ACM Computação Ubíqua Final
 
A educação voltada para o futuro
A educação voltada para o futuroA educação voltada para o futuro
A educação voltada para o futuro
 
Design Universal
Design UniversalDesign Universal
Design Universal
 
A usabilidade na Sociedade em Rede
A usabilidade na Sociedade em RedeA usabilidade na Sociedade em Rede
A usabilidade na Sociedade em Rede
 
A circulação de notícias no ecossistema midiático móvel: a relação entre apli...
A circulação de notícias no ecossistema midiático móvel: a relação entre apli...A circulação de notícias no ecossistema midiático móvel: a relação entre apli...
A circulação de notícias no ecossistema midiático móvel: a relação entre apli...
 
Aula5 ihm
Aula5 ihmAula5 ihm
Aula5 ihm
 
Interface Homem Computador - IHC
Interface Homem Computador - IHCInterface Homem Computador - IHC
Interface Homem Computador - IHC
 
IoT no auxilio da locomoção do deficiente visual
IoT  no auxilio da locomoção do deficiente visualIoT  no auxilio da locomoção do deficiente visual
IoT no auxilio da locomoção do deficiente visual
 
Computação Ubíqua.pdf
Computação Ubíqua.pdfComputação Ubíqua.pdf
Computação Ubíqua.pdf
 
Projeto de pesquisa - Automação Residencial
Projeto de pesquisa - Automação ResidencialProjeto de pesquisa - Automação Residencial
Projeto de pesquisa - Automação Residencial
 
01 - IHC e usabilidade [Conceitos]
01 - IHC e usabilidade [Conceitos]01 - IHC e usabilidade [Conceitos]
01 - IHC e usabilidade [Conceitos]
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
 
Design e usabilidade - Fundamentos
Design e usabilidade - FundamentosDesign e usabilidade - Fundamentos
Design e usabilidade - Fundamentos
 
Internet das Coisas: que desafios?
Internet das Coisas: que desafios?Internet das Coisas: que desafios?
Internet das Coisas: que desafios?
 

Mais de Aline Corso

A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...Aline Corso
 
Seminário discente ufrgs 2019
Seminário discente ufrgs 2019Seminário discente ufrgs 2019
Seminário discente ufrgs 2019Aline Corso
 
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigoVII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigoAline Corso
 
Apresentação comercial
Apresentação comercialApresentação comercial
Apresentação comercialAline Corso
 
Apresentação XII Abciber
Apresentação XII AbciberApresentação XII Abciber
Apresentação XII AbciberAline Corso
 
Planejamento de marketing
Planejamento de marketingPlanejamento de marketing
Planejamento de marketingAline Corso
 
Marketing digital em 2019 - as maiores tendencias
Marketing digital em 2019 - as maiores tendenciasMarketing digital em 2019 - as maiores tendencias
Marketing digital em 2019 - as maiores tendenciasAline Corso
 
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019Aline Corso
 
Seminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da ComunicaçãoSeminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da ComunicaçãoAline Corso
 
Dia mundial da criatividade 2019
Dia mundial da criatividade 2019 Dia mundial da criatividade 2019
Dia mundial da criatividade 2019 Aline Corso
 
Atividade avaliativa - Comunicação Digital
Atividade avaliativa - Comunicação DigitalAtividade avaliativa - Comunicação Digital
Atividade avaliativa - Comunicação DigitalAline Corso
 
Atividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
Atividade avaliativa - Comportamento do ConsumidorAtividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
Atividade avaliativa - Comportamento do ConsumidorAline Corso
 
Atividade avaliativa - comunicação digital e multimeios
Atividade avaliativa  - comunicação digital e multimeiosAtividade avaliativa  - comunicação digital e multimeios
Atividade avaliativa - comunicação digital e multimeiosAline Corso
 
Atividade avaliativa - design digital
Atividade avaliativa  - design digitalAtividade avaliativa  - design digital
Atividade avaliativa - design digitalAline Corso
 
A promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociaisA promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociaisAline Corso
 
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificialO futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificialAline Corso
 
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e PropagandaQuestões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e PropagandaAline Corso
 
Videogame é arte?
Videogame é arte?Videogame é arte?
Videogame é arte?Aline Corso
 
O consumidor brasileiro
O consumidor brasileiroO consumidor brasileiro
O consumidor brasileiroAline Corso
 

Mais de Aline Corso (20)

A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
 
Seminário discente ufrgs 2019
Seminário discente ufrgs 2019Seminário discente ufrgs 2019
Seminário discente ufrgs 2019
 
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigoVII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
 
Apresentação comercial
Apresentação comercialApresentação comercial
Apresentação comercial
 
Apresentação XII Abciber
Apresentação XII AbciberApresentação XII Abciber
Apresentação XII Abciber
 
Planejamento de marketing
Planejamento de marketingPlanejamento de marketing
Planejamento de marketing
 
Marketing digital em 2019 - as maiores tendencias
Marketing digital em 2019 - as maiores tendenciasMarketing digital em 2019 - as maiores tendencias
Marketing digital em 2019 - as maiores tendencias
 
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
 
Seminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da ComunicaçãoSeminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da Comunicação
 
Dia mundial da criatividade 2019
Dia mundial da criatividade 2019 Dia mundial da criatividade 2019
Dia mundial da criatividade 2019
 
Atividade avaliativa - Comunicação Digital
Atividade avaliativa - Comunicação DigitalAtividade avaliativa - Comunicação Digital
Atividade avaliativa - Comunicação Digital
 
Atividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
Atividade avaliativa - Comportamento do ConsumidorAtividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
Atividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
 
Atividade avaliativa - comunicação digital e multimeios
Atividade avaliativa  - comunicação digital e multimeiosAtividade avaliativa  - comunicação digital e multimeios
Atividade avaliativa - comunicação digital e multimeios
 
Atividade avaliativa - design digital
Atividade avaliativa  - design digitalAtividade avaliativa  - design digital
Atividade avaliativa - design digital
 
A promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociaisA promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociais
 
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificialO futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
 
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e PropagandaQuestões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
 
Vigilância
VigilânciaVigilância
Vigilância
 
Videogame é arte?
Videogame é arte?Videogame é arte?
Videogame é arte?
 
O consumidor brasileiro
O consumidor brasileiroO consumidor brasileiro
O consumidor brasileiro
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?Rosalina Simão Nunes
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxkarinedarozabatista
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Lírica Camoniana- A mudança na lírica de Camões.pptx
Lírica Camoniana- A mudança na lírica de Camões.pptxLírica Camoniana- A mudança na lírica de Camões.pptx
Lírica Camoniana- A mudança na lírica de Camões.pptxfabiolalopesmartins1
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
E agora?! Já não avalio as atitudes e valores?
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptxAD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
AD2 DIDÁTICA.KARINEROZA.SHAYANNE.BINC.ROBERTA.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Lírica Camoniana- A mudança na lírica de Camões.pptx
Lírica Camoniana- A mudança na lírica de Camões.pptxLírica Camoniana- A mudança na lírica de Camões.pptx
Lírica Camoniana- A mudança na lírica de Camões.pptx
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 

Alcar 2015: computadores vestíveis que reconfiguram a visão

  • 1. Dos óculos de grau ao Google Glass: a reconfiguração da visão a partir dos computadores vestíveis Aline Corso Mestranda em Processos e Manifestações Culturais - Bolsista Prosup/CAPES - Universidade FEEVALE Trabalho apresentado no GT de História da Mídia Digital
  • 2. Resumo Os computadores vestíveis, enquanto dispositivos que, somados ao corpo do usuário, funcionam como uma espécie de segunda pele, ampliam e reconfiguram nossas capacidades motoras e/ou cognitivas. Partindo de uma reflexão sobre o conceito de computadores vestíveis, buscamos compreender quais são as principais propriedades e quais os elementos necessários para o seu funcionamento, a fim de poder distingui-los de outros dispositivos. Frente a isso, pergunta-se: quais são os computadores vestíveis que reconfiguram a visão? Como se dá essa reconfiguração? O objetivo deste estudo, portanto, é investigar a reconfiguração da visão a partir da utilização de computadores vestíveis, observando o contexto social em que estão inseridos e suas características funcionais, sob a ótica da tecnologia. Para tanto, a bibliografia consultada versa, principalmente, sobre os conceitos de computadores vestíveis, por meio de autores como Mann (2001) e Donati (2005). Metodologicamente, utiliza-se da arqueologia da mídia (RÜDIGER, 2011; FELINTO, 2011; SILVEIRA, 2011; ERNST, 2013) para viabilizar este estudo, uma vez que ela permite mapear o surgimento e evolução destes computadores vestíveis. Palavras-chave: mídia digital; computadores vestíveis; arqueologia da mídia.
  • 3. A visão Ackerman afirma, em A Natural History of the Senses, “que 70% dos receptores do sentido humano encontram-se nos olhos, tornando-os os grandes monopolistas dos sentidos” (ACKERMAN apud NETTO et. al., 2002, p. 4). A partir desta proposição inicial, podemos observar que alguns indivíduos já nascem com doenças oculares (ametropia, estrabismo, cegueira parcial ou total, etc.), porém muitas enfermidades são adquiridas com o passar dos anos - os olhos são facilmente expostos a doenças, tais como catarata e glaucoma. Diversas tecnologias foram criadas de modo de corrigir estas doenças e melhorar a vida dos indivíduos.
  • 4. Computadores vestíveis O que é um computador “vestível”? Ele deve estar incorporado ao espaço pessoal do wearer – usuário, potencializando um uso mais integrado, sem limitar os movimentos corporais ou impedir a mobilidade. Está sempre ligado e acessível com uma performance computacional que permite auxiliar o usuário em atividades motoras e/ou cognitivas, sem, no entanto, ser considerado como uma simples ferramenta. O que diferencia um computador “vestível” de outros dispositivos móveis, como palmtop, pager ou celular, é a possibilidade de apreender informações, tanto do usuário como do ambiente, tornando seu funcionamento mais interativo. Isso se deve à existência de sensores no sistema que podem, por exemplo, medir a posição do wearer, seu deslocamento, ou sinais vitais, reconhecer a presença de objetos/pessoas em torno e, também, as condições do ambiente como temperatura e luminosidade. Esses sinais podem ser constantemente obtidos, independentemente da requisição do usuário, e, a partir disso, conforme a programação, provocar outras ações. Essa constante disponibilidade e integração do dispositivo vêm, assim, propor novas conexões, uma outra forma de sinergia entre o homem e o computador, que potencialmente pode estender e projetar a capacidade do usuário de interagir e atuar no espaço (DONATI, 2004, p. 94, grifo nosso).
  • 6. Modos operacionais CONSTÂNCIA AMPLIAÇÃO MEDIAÇÃO Atributos NÃO RESTRITIVO PARA O USUÁRIO NÃO MONOPOLIZAR A ATENÇÃO DO USUÁRIO PERCEPTÍVEL PELO USUÁRIO CONTROLÁVEL PELO USUÁRIO MONITORAÇÃO DO AMBIENTE COMUNICATIVO PARA OUTROS PESSOAL, INTEGRANDO A RELAÇÃO HOMEM/MÁQUINA. Elementos necessários para o seu funcionamento DISPOSITIVO DE ENTRADA DE DADOS (MÍNIMO 1) UM MICROPROCESSADOR DISPOSITIVO DE SAÍDA DE DADOS (MÍNIMO 1) UMA FONTE (BATERIA)
  • 7. Arqueologia da mídia Conforme Rüdiger (2011), é comum os estudos de mídia serem ofuscados pelas novidades e o resultado é “uma cegueira para o fato de que um processo histórico precede e ajuda a entender o seu aparecimento, tanto quanto a dinâmica de seus fenômenos”: O novo tem um valor intrínseco nesse meio profissional e intelectual (...) Os estudos arqueológicos evitam o historicismo puro e simples, que nega a criação inovadora, mas também o culto do modismo de última hora, que desconhece o lastro do presente dentro do passado. A contribuição que nos fornecem está, em resumo, na lembrança do fato de que as formas técnicas e culturais, incluindo aí as da mídia, não costumam falecer, mas, uma vez criadas, são antes reelaboradas em novas circunstâncias, ainda que por vezes possam sofrer uma longa hibernação. O helicóptero foi desenhado por Leonardo da Vinci para se tornar realidade no século XX. Serviços que hoje nos presta a internet são derivados de experimentos noticiosos com a telefonia no começo do século XX (RÜDIGER, 2011, p. 12, grifo nosso). Inspirada na arqueologia do saber, de Foucault. Ver: FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense- Universitária, 1987.
  • 8. Arqueologia da mídia Felinto corrobora a proposta de Rüdiger, ao afirmar que a importância da arqueologia da mídia, é justamente a “necessidade de olharmos mais para o passado, de modo a entender melhor o presente” (FELINTO, 2011, p. 6). Frisamos que, embora a arqueologia da mídia não possua métodos definidos de pesquisa, é justamente a sua indefinição que permite flexibilidade e abrangência (FELINTO, 2011, p. 5). O que importa, na arqueologia da mídia, é compreender melhor a composição histórica dos fenômenos, em especial nos estudos em cibercultura. A arqueologia da mídia surge como uma forma de revisitar as culturas de mídia em uma perspectiva histórica. Exercício de ESCAVAÇÃO!
  • 10. Óculos de grau: não é CV, mas é importante pois abriu caminho para os CV seguintes.