SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Álbum de Figurinhas
OS PRIMÓRDIOS DA TEORIA
DO DESIGN
MOBILIÁRIO THONET
Michael Thonet
Michael de Thonet (1796-1871) viveu na primeira etapa da
revolução industrial, revolucionou a industria de móveis, com a invenção
da técnica de envergar madeira. Criou uma das cadeiras mais famosas
do mundo, visando a praticidade que está deveria ter, e o custo benefício
apropriado pra época. Depois da invenção de Thonet, diversos designs
basearam-se nas técnicas de envergar a madeira com vapor, mas
abrindo espaço para outras formas em outros tipos de materiais, mas
mantendo assim o marco da criação de Michael.
THONET
A mundialmente conhecida, cadeira nº14 de Thonet, foi
uma das primeiras cadeiras produzidas em série. Criada em
1859, era composta por apenas 6 peças, foi feita com a técnica
de envergar a madeira à vapor. No ano de 1891, 32 anos após
sua criação, já haviam vendido cerca de 7.300.000 unidades.
THONET
ARTS & CRAFTS
1860/1880.
O movimento Arts & Crafts foi uma reação à produção
industrial em massa e a coibição dos modos de produção
artesanal. O movimento defendia o artesanato como alternativa à
mecanização e a produção em massa industrial, visava acabar
com a distinção de artesão e artista. Acreditava que todos objetos
deveriam ser feitos como obras de arte a quem os veriam, por
isso deveriam ser ricos em detalhes e beleza. A perda da
qualidade dos objetos pela fabricação industrial em massa, fez
com que William Morris, o qual tinha grande rejeição pelo
históricismo, grande critico da indústria fosse um dos principais
nomes deste movimento, junto à Arthur H. Mackmurdo. O
movimento surgiu na Grã-Bretanha com diversas organizações e
oficinas.
ARTS & CRAFTS
William Morris (1834 – 1896) foi um dos principais fundadores
do movimento Arts & Crafts britânico. Era pintor, além de escritor de
poesia. Grande critico da industria, William sonhava em criar objetos
belos com preços acessiveis, sendo assim, era um grande entusiasta
do artesanato e da beleza e qualidade com o que este é feito.
Influenciou várias áreas do design com esse pensamento, o design
gráfico, de livros, e acabou dando origem junto ao movimento Arts &
Crafts um design artesanal eliticista para a sociedade da época.
WILLIAM MORRIS
As peças criadas pela compania de Morris eram muito bem
trabalhadas, baseadas nos detalhes, seus produtos eram fabricados
segundo os métodos e técnicas artesanais, mas sem perder a
simplicidade de formas e qualidade de acabamento. Morris
acreditava que a especialização de tarefas, tão característica do
processo industrial, era responsável pela alienação do trabalhador.
Para Morris, a mecanização e industrialização só poderiam ser
benéficas se produzissem produtos de qualidade, que acabariam
diminuindo a carga horária do trabalhador.
MORRIS & CO.
Os paladinos da indústria eram Jones e Christopher Dresser,
juntamente com a indústria H. Cole, os mesmos era favoráveis à produção
industrial, assim não partilhavam da mesma ideia de William Morris, pois
acreditavam que o desenvolvimento industrial não pode ser impedido, por
isso seria melhor criar objetos projetados com esmero, usando as novas
técnicas e materiais, do que insurgir contra os novos tempos.
Gottfried Semper foi um dos principais arquitetos da Alemanha, o mesmo
defendia o uso de novos recursos e materiais oferecidos pela ciência, mas
também estudava as formas para que a arquitetura e design não fossem
comprometidos.
ARTS & CRAFTS, EDUCAÇÃO E INDÚSTRIA
JUGENDSTIL, ART NOUVEAU
1890/1914.
O art nouveau ou apenas arte nova, foi um movimento
que surgiu na Europa, entre 1890 e 1910. Essencialmente
decorativo voltado ao design e à arquitetura. Os nomes dados a
art nouveau na França foi style nouille (estilo macarrônico). Na
Bélgica foi chamado como style coup de fouet (estilo golpe de
chicote); Modern style (estilo moderno) na
Inglaterra; Jugendstil (estilo da juventude) na Alemanha; Na
Itália, style liberty (estilo livre). O art nouveau preocupava-se
com a originalidade da forma, tinha relação direta com a Segunda
Revolução Industrial e com a exploração de novos materiais,
como o ferro e o vidro (principais elementos dos edifícios que
passaram a ser construídos segundo a nova estética), e os
avanços tecnológicos na área gráfica, como a técnica da
litografia colorida.
ART NOUVEAU
Arquiteto, designer e pintor belga, considerado um dos
principais representantes do art nouveau seu país, Henry Van De
Velde dedicou a maior parte da sua vida ao ensino da arquitetura e
das artes decorativas, tendo influenciado muitas gerações de
arquitetos e designers. Van de Velde dá continuidade aos princípios
de Morris ao procurar a funcionalidade e a simplicidade. Defende a
teoria que acima do gosto decorativo está a funcionalidade, assim,
se um objeto é para ser útil deve transmitir a sua funcionalidade e
igualmente seduzir o utilizador com as suas formas.
HENRY VAN DE VELDE
Com certeza o movimento arts & crafts propunha um
movimento reformista, fortificando o trabalho manual, reavaliando
o papel do artesão e inspirava-se na arte daquele período, vista
naquele momento como ideal de beleza estética. O Art Noveau,
apesar de ser substituido pelos estilos modernistas do século XX,
foi considerado uma grande transição entre o historicismo e o
modernismo, sendo reconhecido até hoje como um grande
movimento.
ARTS & CRAFTS, ART NOUVEAU E SÉCULO
XX
Art Nouveau Severo era uma minoria dentro dos adeptos
da art nouveau, que prefiria a linha simples, criando objetos de
uso sobre a forte influência dos seus aspectos funcionais, sem
demasiado ornamento. Fazia parte desta minoria, alguns
representantes da “colônia de artistas de Darmstadt”. Movimento
este que esteve interligado com o pré-modernismo.
ART NOUVEAU E O PRÉ-MODERNISMO
CHICAGO, GLASGOW, VIENA
Pré-Modernismo
Após os movimentos reformistas, com o desenvolvimento do design,
a critica a produção em massa acabou, se fazendo necessário para o
desenvolvimento do design. Após os movimentos do século XIX, o design
ganhou a sensibilidade artesanal e estilos derivados dos movimentos, como
as curvas, a inspiração e o estilo artesanal dos produtos, com qualidade.
Henry Van de Velde apreciava a funcionalidade nas coisas, mas suas
criações estavam longe de ser feitas por industriais, diferente de Peter
Behrens que já previa a utilização das novas tarefas da mesma.
PRÉ-MODERNISMO: CHICAGO
O movimento escola de Chicago, foi importante para a
arquitetiura, urbanismo, pois é conhecida como a escola que deu inicio
aos arranha-céus. Sullivan, Burnham, Coolidge, Le Baron Jenney,
Hollaburd, F. L. Wright e outros, que constituiram essa Escola.
Aproveitaram a oportunidade surgida incomparavel após o grande
incêndio em 1871 para reconstruir a cidade, e se submeteram a
escassez de terreno no centro urbano para erguer os primeiros
arranha-céus para uso comercial e administrativo, dotados de
esqueletos de aço, diferente da época em que eram construidos de
madeira. A forma estética resulta das tarefas funcionais de cada um
dos elementos construtivos e da edificação como um todo. Tendo
como componente o pai da arquitetura, esse tipo revolucionário de
construção, não influenciou apenas o funcionalismo, mas também o
design. Pois, acreditavam que nada que não pudesse ser util não seria
belo.
ESCOLA DE CHICAGO (EUA)
Frank Lloyd Wright (1867-1959) engenheiro, que tornou-
se um dos principais arquitetos do século XX. Em 1910 tornou-
se no mais importante impulso para o modernismo europeu. Ele
combinava materias simples e próximos a natureza com outros,
modernos, como vidro e concreto com madeira e pedra natural.
FRANK LLOYD WRIGHT
Wright tinha como principal objetivo adequar as construções
ao ambiente, estilo que ficou conhecido como “arquitetura orgânica”.
Com forte influência das habitações japonesas, e abusando de
elementos como vidro, blocos de concreto e espaços internos
amplos e sem paredes. A Casa da Cascata (FallingWater House),
criada em 1934 para a Família Kauffman, é considerada um marco
da arquitetura orgânica.
FRANK LLOYD WRIGHT
Louis Henry Sullivan (1856-1924) foi o primeiro arquiteto
modernista que defendia a máxima “ a forma segue a função”.
Colaborou com Frank Lloyd, na arquitetura orgânica. Os
arranha-céus são a prova da influência de Sullivan na arquitetura
modernista..
LOUIS H. SULLIVAN
Um dos primeiros arranha-céus construídos, o Wainwright
Building, projetado por Louis Sullivan, destaca-se entre eles por seu porte
monolítico e seus ornamentos implementados nas fachadas. Sullivan
descreve o simbolismo de sua arquitetura como uma simples forma
geométrica e estrutural e uma ornamentação orgânica, uma justaposição
de influências; uma tectônica objetiva e uma orgânica subjetiva.
LOUIS H. SULLIVAN
A Escola de Arte de Glasgow, criada por arquitetos e
artistas nos anos de 1890, surgiram novas formas, objetivas,
durante a fase mais brilhante do arte Noveau. A figura central
dessa escola foi Charles R. Mackintosh, a partir de cujas formas
geométricas e construções amplas, por assim dizer tubulares,
com fortes linhas horizontais e verticais, surgiram fortes impulsos
para o desing moderno e para o design gráfico.
PRÉ-MODERNISMO: GLASGOW
Charles R. Mackintosh (1868-1928) arquiteto e designer
escocês, considerava que todo objeto deveria ter sua marca
acentuada e individualidade, beleza e exato feitio. Acreditava que
todo objeto deveria ser produzido para determiada finalidade e
lugar, dizia que todos objetos poderiam ter sua determinada
marca e ser assessiveis para todas as classes.
CHARLES R. MACKINTOSH
A cadeira Hill House é uma cadeira diferenciada, de encosto alto,
que se tornou uma caracteristica das cadeiras feitas por Mackintosh. Feita
em 1904, a cadeira faz parte de uma linha de móveis feitos para uma
casa chamada Hill House, por ficar numa colina, nos arredores de
Glasgow. A cadeira, assim como outros móveis, foram criados para
satisfazer as funções e espaços de cada aposento da casa.
CHARLES R. MACKINTOSH
Edward Johnston desenhou em 1916 uma fonte tipográfica sem
serifas para o metro de Londres, a "Johnston", atualmente "Underground",
que está presente na famosa imagem da atual rede urbana do
metropolitano londrino.
EDWARD JOHNSTON
O grupo de artistas vienenses chamado Secession também
se insurgia contra as academias de artes tradicionais e contra o
historicismo, também o modernismo vienense partia das ideias da
obra da arte integral e da reforma das artes e oficios. Seus principais
representantes foram Gustav Klimt, e o arquiteto, designer de móveis
e urbanista Otto Wagner, o qual desenvolveu o estilo utilitario, uma
arquitetura determinada pela função, pelo material e pela
construção. Das fileiras da Secession, surgiu a Wiener Wekstatte,
em 1903, como “cooperativa de produção de artes e oficios”.
Desenvolveu com esta, uma linguagem formal clara, caracterizada
pelos ângulos retos e por linhas de traçado severo. A Wiener
Wekstatte se entendia como um enclave “incomensuravél desgraça
da produção em massa”. O arquiteto Adolf Loos polemizou contra a
Wiener Werkstatte, dizendo que “o espirito moderno é um espirito
social; os objetos modernos não existem para uma camada superior,
mas para todos”. A singeleza e funcionalidade do seu design
contribuiram para a superação do Jugendstil e para a crinação de
uma nova estética industrial.
MODERNISMO VIENENSE
Adolf Loos (1870-1933), arquiteto e teórico austriaco,
rejeitava veemente ornamentos, e em suas diversas teorias sobre
estética, a criação de formas puramente funcionais na arquitetura
e no design. Considerava os ornamentos como uma força de
trabalho desperdiçada, sendo que se retirassem esses do objeto
de uso seria também um progresso social.
ADOLF LOOS
A Colônia de Artistas de Darmstadt foi criada por Joseph
Maria Olbrich, Peter Behrens e o grão-duque Ernst Ludwig, no
intuito que fossem construidas moradias a preços acessiveis para
classe média de Darmstadt, e sonhava com uma nova cultura
habtacional, reformada. Beherns desenvolveu uma linguagem
formal extremamente objetiva, que ia desde a planta de sua
própria casa até seus utencilios domésticos.
PRÉ-MODERNISMO: DARMSTADT
Peter Behrens (1868 – 1940) arquiteto e deigner alemão,
é considerado por muitos o primeiro designer industrial da
história. Pioneiro ao influenciar o movimento moderno alemão,
hoje chamado de desenho industrial. Behrens, no periodo em
que ficou em Darmstadt, desenvolveu uma linguagem formal
extremamente objetiva para a Colonia de Artistas de Darmstadt.
PETER BEHRENS
Fábrica de turbinas da AEG, desenvolvida por Peter Behrens, sendo
o primeiro edificio alemão de aço e vidro. Construído em 1908.
PETER BEHRENS
DEUTSCHER WERKBUND
Século XX
No inicio do século XX, houve uma intensa concorrência politica e
economica entre os países europeus, pela conquista dos novos mercados e
pela ampliação dos existentes. Os produtos alemães tinham má fama naquela
época por causa de sua baixa qualidade, levando o lema “barato e ruim”. A
Werkbund Alemã (Liga Alemã do Trabalho), fundada em 1907, tinha por
objetivo corrigir mediante a criação de formas mais contemporâneas e
melhores, para que deixassem de ter esta má fama, e se tornar mais
competitivo no mercado nacional e internacional. Hermann Muthesius,
funcionário público e arquiteto, formulou de forma nua e crua os os motivos
econômicos nacionalistas e imperialistas da Werkbund. Peter Behrens um dos
fundadores da Werkbund, onde para ele “É necessário renunciar a cópia do
trabalho artesanal, ás formas históricas de estilo e as de outros materiais,
Henry Van de Velde e Joseph Olbrich ajudaram a fundar a Werkbund. A
Werkbund era marcada por campos, o defendido por Van de Velde, onde
devia seguir um estilo de arte individual, que era contra toda proposta de
canône ou tipificação, e Muthesis que dizia que deveria seguir o caminho da
produção em massa, padronizada e industrializada. O movimento Arts &
Crafts buscava o fim do trabalho industrial alienado, e a volta da produção
artesanal, a Werkbund defendia a melhora da qualidade de exportação e a
ampliação da circulação de mercadorias.
SÉCULO XX: DEUTSCHER WERKBUND
As famosas chaleiras criadas por Peter Behrens, contratado como diretor artistico da
AEG, demonstra nos detalhes as ideias modernistas da época.
PETER BEHRENS & AEG
Peter Behns (1868-1940) foi um arquiteto, design gráfico,
design industrial, pintor e cofundador da Colônia de artistas de
Darmstadt assim como da Werkbund Alemã. Foi considerada uma das
figuras-chave para o desenvolvimento do Design por se tornar o
primeiro Designer industrial moderno e ser o pioneiro do conceito de
identidade cooperativa, em decorrência ao seu trabalho na AEG
(Allgemeine Elektricitäts-Gesellschaft), considerada uma das mais
importantes empresas na área elétrica da Alemanha, fundada em 1887.
PETER BEHRENS & AEG
Encarregado de inicio a fazer o design de material publicitário,
a AEG acabou o contratando como diretor artístico. Foi a primeira
grande empresa a contratar um diretor artístico. Ele projetou o edifício
da usina, espaço para exposições, moradia de trabalhadores, mídia
publicitária (catálogos, listas de preços), eletrodomésticos e toda a
identidade cooperativa da empresa.
Behrens também promoveu a reforma da tipográfica alemã, advogando
em prol de letras sem serifas – os pequenos traços ou simples
espessamentos que remetem os terminais das letras não lineais.
PETER BEHRENS & AEG
BAUHAUS
Século XX
No inicio do século XX ocorreram muitos avanços
científicos, isso gerou duvidas a respeito da cosmovisão
materialista e uma profunda crise material e espiritual. Nessa
época tentou-se introduzir arte na vida cotidiana, pois achavam
que a arte não deveria pertencer apenas à burguesia, mas sim,
seguir o caminho da produção em massa.
Então em 25 de abril de 1919 foi fundada por Walter
Gropius, arquiteto alemão proveniente da Wekerbund alemã, a
Bauhaus, uma escola de design, artes plásticas e arquitetura de
vanguarda na Alemanha. A Bauhaus foi uma das maiores e mais
importantes expressões do que é chamado Modernismo no
design e na arquitetura, sendo a primeira escola de design do
mundo. Seus principais representantes foram Walter Gropius,
Lazlo Moholy-Nagy, Wassily Kandisky, Paul Klee, Josef Alberts,
Marcel Breuer, Oscar Schlemmer, Johannes Itten e Gerhard
Marks.
SÉCULO XX: BAUHAUS
A Bauhaus passou por três fases, a “Weimar”, fase em
que a arte integral medieval se destacou, fase representada por
Walter Gropius, logo em seguida a fase “Dessau”, onde se
conseguiu a criação em massa de produtos mais baratos para
camadas mais amplas da população, fase que teve como
representante Laszlo Moholy-Nagy, e por último a “Era Meyer”,
onde a ênfase teórica e prática foram deslocadas no sentido da
tecnificação e do funcionalismos funcional, tendo como principal
representante nessa fase o suíço Hannes Mayer.
Em 1933, após uma série de perseguições por parte do
governo nazista, a Bauhaus é fechada, também por ordem do
governo. Os nazistas opuseram-se à Bauhaus durante a década
de 1920, bem como a qualquer outro grupo que não seguisse sua
orientação política.
SÉCULO XX: BAUHAUS
Walter Gropius (1883-1969) é um dos principais nomes
da arquitetura do século XX. Tendo sido fundador da Bauhaus,
Groupius via na experimentação artesanal e artística os
instrumentos de pesquisa, ensino e aprendizagem, os quais
considerava ideias importante para criar o design dirigido para a
produção em série.
BAUHAUS & WALTER GROPIUS
A Fábrica Fagus, fábrica de sapatos em Alfeld, Alemanha. É um
exemplo de arquitetura moderna. Com fachadas desenhadas por Walter
Gropius e Adolf Meyer, ela foi construída entre 1911 e 1913.
Embora construído com diferentes sistemas, todos os prédios do local tem
uma imagem em comum e parecem-se como um todo. Os arquitetos
conseguiram isso pelo uso de materiais comuns em todos os prédios.
BAUHAUS & WALTER GROPIUS
Marcel Breuer (1902 - 1981) foi um designer e arquitecto
que fezz parte da primeira geração de alunos formados pela
Bauhaus. Formou-se na primeira sede da Bauhaus (em Weimar)
em 1924 e passou a leccionar nesta escola até 1928 (quando
esta já estava instalada em Dessau). Sua relação com a
instituição era bastante estreita, o que acabou dando-lhe o cargo
de director da instituição após a saída de Mies van der Roheseu.
Seu trabalho destacou-se no design mobiliário, e seus móveis
são vendidos até hoje.
BAUHAUS & MARCEL BREUER
Enquanto docente da Bauhaus, realizou uma série de
experimentações no design de mobiliário. Projetou e executou os primeiros
protótipos da cadeira Wassily (cujo nome é uma homenagem ao colega
Wassily Kandinsky, também professor).
A famosa cadeira Wassily, desenhada por Marcel Breuer, 1925/26. Wassily
é hoje uma das cadeiras de autor mais famosas do mundo.
BAUHAUS & MARCEL BREUER
László Moholy-Nagy (1895-1946) foi um pintor, escultor e artista experimental.
Entre 1923 e 1928 foi professor da Bauhaus e foi co-editor de publicações
desta escola. Paralelamente à docência, desenvolvia filmes experimentais,
teatro, desenho industrial e publicitário, fotografia e tipografia, além da pintura
e da escultura. Em 1937 emigrou para Chicago, onde se tornou o diretor da
New Bauhaus e fundou o Instituto de Design. László defendia a integração da
indústria e tecnologia, no design e nas artes. Com sua consistente base
teórica, László inovou na composição de suas obras ao misturar técnicas.
BAUHAUS & LAZLO MOHOLY NAGY
“A fotografia como arte representativa não é uma simples cópia da
natureza. Isto é demonstrado pelo fato de que são raras as boas
fotografias.”
BAUHAUS & LAZLO MOHOLY NAGY
Le Corbusier (1887-1965) foi um arquiteto, urbanista,
escultor e pintor que foi considerado um dos principais, criativos e
extravagantes arquitetos do século XX, tendo grande influência no
urbanismo, por ser um dos primeiros a pensar em uma “cidade do
futuro” com seus projetos fortemente inovadores.
Le Corbusier desenvolveu várias experiências arquitetônicas,
renovando as características expressivas e a racionalização dos
elementos. Ele conseguiu conciliar arte e técnica, regra e
arbitrariedade, geometria e natureza, luz e sombra, continuidade e
ruptura.
A METÁFORA DAS MAQUINAS E LE CORBUSIER
Thonet
(Alemanha)
Cadeira nº14
Modelo
simples e
compacto,
deu inicio a
padronização
de móveis e
produção em
massa.
LINHA DO TEMPO
1851
Exposição
Londres
(Inglaterra)
Palácio de
Cristal
Primeira
exposição
com várias
peças de
vários
lugares.
1851
Arts & Crafts
(Inglaterra)
William Morris
Contra a
produção em
massa, dizia
que todos
produtos
deviam ser
feitos a mão
de modo
artesanal.
1860
Art Nouveau
(França,
expandindo-
se para
europa)
Henry Van de
Velde
Ajudou nos
primórdios do
design gráfico
1880
Pré-
Modernismo
Europeu
Colonia de
Artistas
Surgimento
do design,
da aceitação
da industria.
1902
Pré-Modernismo
Escola Chicago
Sullivan,
Burnham,
Coolidge, Le
Baron Jenney,
Hollaburd, F. L.
Wright
Focou na
funcionalidade e
estética, tanto
em produtos
como na
arquitetura e
design,
1905
Deutscher
Werkbund
(Alemanha)
Chaleira AEG
Juntou a
parte estética
com a função,
criando uma
identidade
unica para o
design
alemão.
LINHA DO TEMPO
1907
Bauhaus
(Alemanha)
Cadeira
Wassily
Revolucionou
o design do
século XX
pelo uso do
aço tubular
no mobiliario,
proposta
ousada criada
por Marcel
Breumer.
1919-1933

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaViviane Marques
 
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...Development Workshop Angola
 
Aula 04 arts & crafts 2013
Aula 04   arts & crafts 2013Aula 04   arts & crafts 2013
Aula 04 arts & crafts 2013Maureen França
 
Linha do tempo história do design
Linha do tempo   história do designLinha do tempo   história do design
Linha do tempo história do designLuciana Lopes
 
Movimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xxMovimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xxTainá Nabhan
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1Vinicius
 
Pré modernismo europeu - vienense
Pré modernismo europeu - vienensePré modernismo europeu - vienense
Pré modernismo europeu - vienenseBeatrizaz123456
 
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulhoHCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulhoJoaquim Moreira
 
Arte nova e o Funcionalismo
Arte nova e o FuncionalismoArte nova e o Funcionalismo
Arte nova e o Funcionalismosaraquel98
 
Módulo 9 arte e função
Módulo 9   arte e funçãoMódulo 9   arte e função
Módulo 9 arte e funçãocattonia
 
Arquitetura & Urbanismo
Arquitetura & UrbanismoArquitetura & Urbanismo
Arquitetura & UrbanismoMatheus Erik
 
Arquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
Arquitectura Contemporânea - para além do FuncionalismoArquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
Arquitectura Contemporânea - para além do FuncionalismoMichele Pó
 
Estilo Internacional
Estilo InternacionalEstilo Internacional
Estilo InternacionalCarlos Vieira
 

Mais procurados (20)

Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura moderna
 
A arquitetura moderna
A arquitetura modernaA arquitetura moderna
A arquitetura moderna
 
Arquitetura moderna
Arquitetura modernaArquitetura moderna
Arquitetura moderna
 
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
Movimento moderno da arqutectura em Luanda ate 1975 - Maria Alice Correia, 18...
 
Arquitetura moderna
Arquitetura modernaArquitetura moderna
Arquitetura moderna
 
Aula 04 arts & crafts 2013
Aula 04   arts & crafts 2013Aula 04   arts & crafts 2013
Aula 04 arts & crafts 2013
 
Linha do tempo história do design
Linha do tempo   história do designLinha do tempo   história do design
Linha do tempo história do design
 
Adolf Loos
Adolf LoosAdolf Loos
Adolf Loos
 
Movimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xxMovimento modernista na Europa no seculo xx
Movimento modernista na Europa no seculo xx
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
Pré modernismo europeu - vienense
Pré modernismo europeu - vienensePré modernismo europeu - vienense
Pré modernismo europeu - vienense
 
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulhoHCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
 
Arte nova e o Funcionalismo
Arte nova e o FuncionalismoArte nova e o Funcionalismo
Arte nova e o Funcionalismo
 
Módulo 9 arte e função
Módulo 9   arte e funçãoMódulo 9   arte e função
Módulo 9 arte e função
 
Arquitetura & Urbanismo
Arquitetura & UrbanismoArquitetura & Urbanismo
Arquitetura & Urbanismo
 
Estilo internacional 2013
Estilo internacional 2013Estilo internacional 2013
Estilo internacional 2013
 
Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2Arte nova 2_-2
Arte nova 2_-2
 
Design & Gênese - Art Nouveau
Design & Gênese - Art NouveauDesign & Gênese - Art Nouveau
Design & Gênese - Art Nouveau
 
Arquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
Arquitectura Contemporânea - para além do FuncionalismoArquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
Arquitectura Contemporânea - para além do Funcionalismo
 
Estilo Internacional
Estilo InternacionalEstilo Internacional
Estilo Internacional
 

Destaque

Album de Figurinhas da Segurança
Album de Figurinhas da SegurançaAlbum de Figurinhas da Segurança
Album de Figurinhas da SegurançaSergio Silva
 
Album de filosofia angie daniela Ibarguen 10-4
Album de filosofia  angie daniela Ibarguen 10-4Album de filosofia  angie daniela Ibarguen 10-4
Album de filosofia angie daniela Ibarguen 10-4AngieIbarguen
 
Album de fotografias andii
Album de fotografias andiiAlbum de fotografias andii
Album de fotografias andiiandiiramoss
 
Academia session: Sarantuyaa Zandaryaa ,UNESCO, 16th January UN Water Zaragoz...
Academia session: Sarantuyaa Zandaryaa ,UNESCO, 16th January UN Water Zaragoz...Academia session: Sarantuyaa Zandaryaa ,UNESCO, 16th January UN Water Zaragoz...
Academia session: Sarantuyaa Zandaryaa ,UNESCO, 16th January UN Water Zaragoz...water-decade
 
Cuadro de la familia
Cuadro de la familiaCuadro de la familia
Cuadro de la familiaMarbella13
 
Síndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpoSíndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpoadrianomedico
 
Álbum folclore, com figurinhas do álbum numerada
Álbum folclore, com figurinhas do álbum numeradaÁlbum folclore, com figurinhas do álbum numerada
Álbum folclore, com figurinhas do álbum numeradaIsa ...
 
Charlie Chaplin
Charlie Chaplin Charlie Chaplin
Charlie Chaplin Michele Pó
 

Destaque (20)

Album de Figurinhas da Segurança
Album de Figurinhas da SegurançaAlbum de Figurinhas da Segurança
Album de Figurinhas da Segurança
 
Album De Fotografias 1
Album De Fotografias 1Album De Fotografias 1
Album De Fotografias 1
 
Album de filosofia angie daniela Ibarguen 10-4
Album de filosofia  angie daniela Ibarguen 10-4Album de filosofia  angie daniela Ibarguen 10-4
Album de filosofia angie daniela Ibarguen 10-4
 
Album de fotografias andii
Album de fotografias andiiAlbum de fotografias andii
Album de fotografias andii
 
Album de fotagrafias 2
Album de fotagrafias 2Album de fotagrafias 2
Album de fotagrafias 2
 
Academia session: Sarantuyaa Zandaryaa ,UNESCO, 16th January UN Water Zaragoz...
Academia session: Sarantuyaa Zandaryaa ,UNESCO, 16th January UN Water Zaragoz...Academia session: Sarantuyaa Zandaryaa ,UNESCO, 16th January UN Water Zaragoz...
Academia session: Sarantuyaa Zandaryaa ,UNESCO, 16th January UN Water Zaragoz...
 
Cuadro de la familia
Cuadro de la familiaCuadro de la familia
Cuadro de la familia
 
Figurinhas para o álbum da copa 2010
Figurinhas para o álbum da copa 2010Figurinhas para o álbum da copa 2010
Figurinhas para o álbum da copa 2010
 
Síndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpoSíndrome do túnel do carpo
Síndrome do túnel do carpo
 
Osteopatia visceral
Osteopatia visceralOsteopatia visceral
Osteopatia visceral
 
Osteopatía
OsteopatíaOsteopatía
Osteopatía
 
Fisioterapia Osteopatia
Fisioterapia OsteopatiaFisioterapia Osteopatia
Fisioterapia Osteopatia
 
Álbum folclore, com figurinhas do álbum numerada
Álbum folclore, com figurinhas do álbum numeradaÁlbum folclore, com figurinhas do álbum numerada
Álbum folclore, com figurinhas do álbum numerada
 
Curso de osteopatía
Curso de osteopatíaCurso de osteopatía
Curso de osteopatía
 
Osteopatias
OsteopatiasOsteopatias
Osteopatias
 
Charlie Chaplin
Charlie Chaplin Charlie Chaplin
Charlie Chaplin
 
Curso atendente de farmácias e drogarias22
 Curso atendente de farmácias e drogarias22 Curso atendente de farmácias e drogarias22
Curso atendente de farmácias e drogarias22
 
Manuale di Osteopatia
Manuale di OsteopatiaManuale di Osteopatia
Manuale di Osteopatia
 
Osteopatia estrutural - CBO
Osteopatia estrutural - CBOOsteopatia estrutural - CBO
Osteopatia estrutural - CBO
 
Técnicas de Osteopatia para el Tratamiento Miofascial
Técnicas de Osteopatia para el Tratamiento MiofascialTécnicas de Osteopatia para el Tratamiento Miofascial
Técnicas de Osteopatia para el Tratamiento Miofascial
 

Semelhante a Album de Figurinhas Introdução ao Design

8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdfEmilioBarbosa9
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)Marcio Duarte
 
Artigo bimestral introd design
Artigo bimestral introd designArtigo bimestral introd design
Artigo bimestral introd designAriceli Nunes
 
Arts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte NovaArts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte NovaMichele Pó
 
Revista Ideia Abstrata
Revista Ideia AbstrataRevista Ideia Abstrata
Revista Ideia AbstrataLidiane Gleyce
 
Adolf Loos
Adolf LoosAdolf Loos
Adolf LoosVinicius
 
Arquitetura moderna e contemporanea parte 1
Arquitetura moderna e contemporanea parte 1Arquitetura moderna e contemporanea parte 1
Arquitetura moderna e contemporanea parte 1denise lugli
 
(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao DesignMarcio Duarte
 
Evolução das Artes Visuais IV
Evolução das Artes Visuais IVEvolução das Artes Visuais IV
Evolução das Artes Visuais IVrenatomacedo
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveauLaguat
 
Art nouveau estilo
Art nouveau   estiloArt nouveau   estilo
Art nouveau estiloEmanuel000
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveauLaguat
 
Arte nouveau
Arte nouveauArte nouveau
Arte nouveauLaguat
 

Semelhante a Album de Figurinhas Introdução ao Design (20)

Marli
MarliMarli
Marli
 
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
8A A Cultura da Gare_Arquitectura do Ferro e Arts and Crafts_Impressionismo.pdf
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
 
113729190 design-de-interiores
113729190 design-de-interiores113729190 design-de-interiores
113729190 design-de-interiores
 
O estilo internacional silvio colin
O estilo internacional silvio colinO estilo internacional silvio colin
O estilo internacional silvio colin
 
ArtNouveau
ArtNouveauArtNouveau
ArtNouveau
 
Artigo bimestral introd design
Artigo bimestral introd designArtigo bimestral introd design
Artigo bimestral introd design
 
Arts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte NovaArts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte Nova
 
Revista Ideia Abstrata
Revista Ideia AbstrataRevista Ideia Abstrata
Revista Ideia Abstrata
 
Arquitetura moderna
Arquitetura modernaArquitetura moderna
Arquitetura moderna
 
Adolf Loos
Adolf LoosAdolf Loos
Adolf Loos
 
Arquitetura moderna e contemporanea parte 1
Arquitetura moderna e contemporanea parte 1Arquitetura moderna e contemporanea parte 1
Arquitetura moderna e contemporanea parte 1
 
(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design
 
Evolução das Artes Visuais IV
Evolução das Artes Visuais IVEvolução das Artes Visuais IV
Evolução das Artes Visuais IV
 
Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
 
Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019
Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019
Art Noveau,Simb,Nabis,Fauves 2019
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveau
 
Art nouveau estilo
Art nouveau   estiloArt nouveau   estilo
Art nouveau estilo
 
Art nouveau
Art nouveauArt nouveau
Art nouveau
 
Arte nouveau
Arte nouveauArte nouveau
Arte nouveau
 

Album de Figurinhas Introdução ao Design

  • 1. Álbum de Figurinhas OS PRIMÓRDIOS DA TEORIA DO DESIGN
  • 3. Michael de Thonet (1796-1871) viveu na primeira etapa da revolução industrial, revolucionou a industria de móveis, com a invenção da técnica de envergar madeira. Criou uma das cadeiras mais famosas do mundo, visando a praticidade que está deveria ter, e o custo benefício apropriado pra época. Depois da invenção de Thonet, diversos designs basearam-se nas técnicas de envergar a madeira com vapor, mas abrindo espaço para outras formas em outros tipos de materiais, mas mantendo assim o marco da criação de Michael. THONET
  • 4. A mundialmente conhecida, cadeira nº14 de Thonet, foi uma das primeiras cadeiras produzidas em série. Criada em 1859, era composta por apenas 6 peças, foi feita com a técnica de envergar a madeira à vapor. No ano de 1891, 32 anos após sua criação, já haviam vendido cerca de 7.300.000 unidades. THONET
  • 6. O movimento Arts & Crafts foi uma reação à produção industrial em massa e a coibição dos modos de produção artesanal. O movimento defendia o artesanato como alternativa à mecanização e a produção em massa industrial, visava acabar com a distinção de artesão e artista. Acreditava que todos objetos deveriam ser feitos como obras de arte a quem os veriam, por isso deveriam ser ricos em detalhes e beleza. A perda da qualidade dos objetos pela fabricação industrial em massa, fez com que William Morris, o qual tinha grande rejeição pelo históricismo, grande critico da indústria fosse um dos principais nomes deste movimento, junto à Arthur H. Mackmurdo. O movimento surgiu na Grã-Bretanha com diversas organizações e oficinas. ARTS & CRAFTS
  • 7. William Morris (1834 – 1896) foi um dos principais fundadores do movimento Arts & Crafts britânico. Era pintor, além de escritor de poesia. Grande critico da industria, William sonhava em criar objetos belos com preços acessiveis, sendo assim, era um grande entusiasta do artesanato e da beleza e qualidade com o que este é feito. Influenciou várias áreas do design com esse pensamento, o design gráfico, de livros, e acabou dando origem junto ao movimento Arts & Crafts um design artesanal eliticista para a sociedade da época. WILLIAM MORRIS
  • 8. As peças criadas pela compania de Morris eram muito bem trabalhadas, baseadas nos detalhes, seus produtos eram fabricados segundo os métodos e técnicas artesanais, mas sem perder a simplicidade de formas e qualidade de acabamento. Morris acreditava que a especialização de tarefas, tão característica do processo industrial, era responsável pela alienação do trabalhador. Para Morris, a mecanização e industrialização só poderiam ser benéficas se produzissem produtos de qualidade, que acabariam diminuindo a carga horária do trabalhador. MORRIS & CO.
  • 9. Os paladinos da indústria eram Jones e Christopher Dresser, juntamente com a indústria H. Cole, os mesmos era favoráveis à produção industrial, assim não partilhavam da mesma ideia de William Morris, pois acreditavam que o desenvolvimento industrial não pode ser impedido, por isso seria melhor criar objetos projetados com esmero, usando as novas técnicas e materiais, do que insurgir contra os novos tempos. Gottfried Semper foi um dos principais arquitetos da Alemanha, o mesmo defendia o uso de novos recursos e materiais oferecidos pela ciência, mas também estudava as formas para que a arquitetura e design não fossem comprometidos. ARTS & CRAFTS, EDUCAÇÃO E INDÚSTRIA
  • 11. O art nouveau ou apenas arte nova, foi um movimento que surgiu na Europa, entre 1890 e 1910. Essencialmente decorativo voltado ao design e à arquitetura. Os nomes dados a art nouveau na França foi style nouille (estilo macarrônico). Na Bélgica foi chamado como style coup de fouet (estilo golpe de chicote); Modern style (estilo moderno) na Inglaterra; Jugendstil (estilo da juventude) na Alemanha; Na Itália, style liberty (estilo livre). O art nouveau preocupava-se com a originalidade da forma, tinha relação direta com a Segunda Revolução Industrial e com a exploração de novos materiais, como o ferro e o vidro (principais elementos dos edifícios que passaram a ser construídos segundo a nova estética), e os avanços tecnológicos na área gráfica, como a técnica da litografia colorida. ART NOUVEAU
  • 12. Arquiteto, designer e pintor belga, considerado um dos principais representantes do art nouveau seu país, Henry Van De Velde dedicou a maior parte da sua vida ao ensino da arquitetura e das artes decorativas, tendo influenciado muitas gerações de arquitetos e designers. Van de Velde dá continuidade aos princípios de Morris ao procurar a funcionalidade e a simplicidade. Defende a teoria que acima do gosto decorativo está a funcionalidade, assim, se um objeto é para ser útil deve transmitir a sua funcionalidade e igualmente seduzir o utilizador com as suas formas. HENRY VAN DE VELDE
  • 13. Com certeza o movimento arts & crafts propunha um movimento reformista, fortificando o trabalho manual, reavaliando o papel do artesão e inspirava-se na arte daquele período, vista naquele momento como ideal de beleza estética. O Art Noveau, apesar de ser substituido pelos estilos modernistas do século XX, foi considerado uma grande transição entre o historicismo e o modernismo, sendo reconhecido até hoje como um grande movimento. ARTS & CRAFTS, ART NOUVEAU E SÉCULO XX
  • 14. Art Nouveau Severo era uma minoria dentro dos adeptos da art nouveau, que prefiria a linha simples, criando objetos de uso sobre a forte influência dos seus aspectos funcionais, sem demasiado ornamento. Fazia parte desta minoria, alguns representantes da “colônia de artistas de Darmstadt”. Movimento este que esteve interligado com o pré-modernismo. ART NOUVEAU E O PRÉ-MODERNISMO
  • 16. Após os movimentos reformistas, com o desenvolvimento do design, a critica a produção em massa acabou, se fazendo necessário para o desenvolvimento do design. Após os movimentos do século XIX, o design ganhou a sensibilidade artesanal e estilos derivados dos movimentos, como as curvas, a inspiração e o estilo artesanal dos produtos, com qualidade. Henry Van de Velde apreciava a funcionalidade nas coisas, mas suas criações estavam longe de ser feitas por industriais, diferente de Peter Behrens que já previa a utilização das novas tarefas da mesma. PRÉ-MODERNISMO: CHICAGO
  • 17. O movimento escola de Chicago, foi importante para a arquitetiura, urbanismo, pois é conhecida como a escola que deu inicio aos arranha-céus. Sullivan, Burnham, Coolidge, Le Baron Jenney, Hollaburd, F. L. Wright e outros, que constituiram essa Escola. Aproveitaram a oportunidade surgida incomparavel após o grande incêndio em 1871 para reconstruir a cidade, e se submeteram a escassez de terreno no centro urbano para erguer os primeiros arranha-céus para uso comercial e administrativo, dotados de esqueletos de aço, diferente da época em que eram construidos de madeira. A forma estética resulta das tarefas funcionais de cada um dos elementos construtivos e da edificação como um todo. Tendo como componente o pai da arquitetura, esse tipo revolucionário de construção, não influenciou apenas o funcionalismo, mas também o design. Pois, acreditavam que nada que não pudesse ser util não seria belo. ESCOLA DE CHICAGO (EUA)
  • 18. Frank Lloyd Wright (1867-1959) engenheiro, que tornou- se um dos principais arquitetos do século XX. Em 1910 tornou- se no mais importante impulso para o modernismo europeu. Ele combinava materias simples e próximos a natureza com outros, modernos, como vidro e concreto com madeira e pedra natural. FRANK LLOYD WRIGHT
  • 19. Wright tinha como principal objetivo adequar as construções ao ambiente, estilo que ficou conhecido como “arquitetura orgânica”. Com forte influência das habitações japonesas, e abusando de elementos como vidro, blocos de concreto e espaços internos amplos e sem paredes. A Casa da Cascata (FallingWater House), criada em 1934 para a Família Kauffman, é considerada um marco da arquitetura orgânica. FRANK LLOYD WRIGHT
  • 20. Louis Henry Sullivan (1856-1924) foi o primeiro arquiteto modernista que defendia a máxima “ a forma segue a função”. Colaborou com Frank Lloyd, na arquitetura orgânica. Os arranha-céus são a prova da influência de Sullivan na arquitetura modernista.. LOUIS H. SULLIVAN
  • 21. Um dos primeiros arranha-céus construídos, o Wainwright Building, projetado por Louis Sullivan, destaca-se entre eles por seu porte monolítico e seus ornamentos implementados nas fachadas. Sullivan descreve o simbolismo de sua arquitetura como uma simples forma geométrica e estrutural e uma ornamentação orgânica, uma justaposição de influências; uma tectônica objetiva e uma orgânica subjetiva. LOUIS H. SULLIVAN
  • 22. A Escola de Arte de Glasgow, criada por arquitetos e artistas nos anos de 1890, surgiram novas formas, objetivas, durante a fase mais brilhante do arte Noveau. A figura central dessa escola foi Charles R. Mackintosh, a partir de cujas formas geométricas e construções amplas, por assim dizer tubulares, com fortes linhas horizontais e verticais, surgiram fortes impulsos para o desing moderno e para o design gráfico. PRÉ-MODERNISMO: GLASGOW
  • 23. Charles R. Mackintosh (1868-1928) arquiteto e designer escocês, considerava que todo objeto deveria ter sua marca acentuada e individualidade, beleza e exato feitio. Acreditava que todo objeto deveria ser produzido para determiada finalidade e lugar, dizia que todos objetos poderiam ter sua determinada marca e ser assessiveis para todas as classes. CHARLES R. MACKINTOSH
  • 24. A cadeira Hill House é uma cadeira diferenciada, de encosto alto, que se tornou uma caracteristica das cadeiras feitas por Mackintosh. Feita em 1904, a cadeira faz parte de uma linha de móveis feitos para uma casa chamada Hill House, por ficar numa colina, nos arredores de Glasgow. A cadeira, assim como outros móveis, foram criados para satisfazer as funções e espaços de cada aposento da casa. CHARLES R. MACKINTOSH
  • 25. Edward Johnston desenhou em 1916 uma fonte tipográfica sem serifas para o metro de Londres, a "Johnston", atualmente "Underground", que está presente na famosa imagem da atual rede urbana do metropolitano londrino. EDWARD JOHNSTON
  • 26. O grupo de artistas vienenses chamado Secession também se insurgia contra as academias de artes tradicionais e contra o historicismo, também o modernismo vienense partia das ideias da obra da arte integral e da reforma das artes e oficios. Seus principais representantes foram Gustav Klimt, e o arquiteto, designer de móveis e urbanista Otto Wagner, o qual desenvolveu o estilo utilitario, uma arquitetura determinada pela função, pelo material e pela construção. Das fileiras da Secession, surgiu a Wiener Wekstatte, em 1903, como “cooperativa de produção de artes e oficios”. Desenvolveu com esta, uma linguagem formal clara, caracterizada pelos ângulos retos e por linhas de traçado severo. A Wiener Wekstatte se entendia como um enclave “incomensuravél desgraça da produção em massa”. O arquiteto Adolf Loos polemizou contra a Wiener Werkstatte, dizendo que “o espirito moderno é um espirito social; os objetos modernos não existem para uma camada superior, mas para todos”. A singeleza e funcionalidade do seu design contribuiram para a superação do Jugendstil e para a crinação de uma nova estética industrial. MODERNISMO VIENENSE
  • 27. Adolf Loos (1870-1933), arquiteto e teórico austriaco, rejeitava veemente ornamentos, e em suas diversas teorias sobre estética, a criação de formas puramente funcionais na arquitetura e no design. Considerava os ornamentos como uma força de trabalho desperdiçada, sendo que se retirassem esses do objeto de uso seria também um progresso social. ADOLF LOOS
  • 28. A Colônia de Artistas de Darmstadt foi criada por Joseph Maria Olbrich, Peter Behrens e o grão-duque Ernst Ludwig, no intuito que fossem construidas moradias a preços acessiveis para classe média de Darmstadt, e sonhava com uma nova cultura habtacional, reformada. Beherns desenvolveu uma linguagem formal extremamente objetiva, que ia desde a planta de sua própria casa até seus utencilios domésticos. PRÉ-MODERNISMO: DARMSTADT
  • 29. Peter Behrens (1868 – 1940) arquiteto e deigner alemão, é considerado por muitos o primeiro designer industrial da história. Pioneiro ao influenciar o movimento moderno alemão, hoje chamado de desenho industrial. Behrens, no periodo em que ficou em Darmstadt, desenvolveu uma linguagem formal extremamente objetiva para a Colonia de Artistas de Darmstadt. PETER BEHRENS
  • 30. Fábrica de turbinas da AEG, desenvolvida por Peter Behrens, sendo o primeiro edificio alemão de aço e vidro. Construído em 1908. PETER BEHRENS
  • 32. No inicio do século XX, houve uma intensa concorrência politica e economica entre os países europeus, pela conquista dos novos mercados e pela ampliação dos existentes. Os produtos alemães tinham má fama naquela época por causa de sua baixa qualidade, levando o lema “barato e ruim”. A Werkbund Alemã (Liga Alemã do Trabalho), fundada em 1907, tinha por objetivo corrigir mediante a criação de formas mais contemporâneas e melhores, para que deixassem de ter esta má fama, e se tornar mais competitivo no mercado nacional e internacional. Hermann Muthesius, funcionário público e arquiteto, formulou de forma nua e crua os os motivos econômicos nacionalistas e imperialistas da Werkbund. Peter Behrens um dos fundadores da Werkbund, onde para ele “É necessário renunciar a cópia do trabalho artesanal, ás formas históricas de estilo e as de outros materiais, Henry Van de Velde e Joseph Olbrich ajudaram a fundar a Werkbund. A Werkbund era marcada por campos, o defendido por Van de Velde, onde devia seguir um estilo de arte individual, que era contra toda proposta de canône ou tipificação, e Muthesis que dizia que deveria seguir o caminho da produção em massa, padronizada e industrializada. O movimento Arts & Crafts buscava o fim do trabalho industrial alienado, e a volta da produção artesanal, a Werkbund defendia a melhora da qualidade de exportação e a ampliação da circulação de mercadorias. SÉCULO XX: DEUTSCHER WERKBUND
  • 33. As famosas chaleiras criadas por Peter Behrens, contratado como diretor artistico da AEG, demonstra nos detalhes as ideias modernistas da época. PETER BEHRENS & AEG
  • 34. Peter Behns (1868-1940) foi um arquiteto, design gráfico, design industrial, pintor e cofundador da Colônia de artistas de Darmstadt assim como da Werkbund Alemã. Foi considerada uma das figuras-chave para o desenvolvimento do Design por se tornar o primeiro Designer industrial moderno e ser o pioneiro do conceito de identidade cooperativa, em decorrência ao seu trabalho na AEG (Allgemeine Elektricitäts-Gesellschaft), considerada uma das mais importantes empresas na área elétrica da Alemanha, fundada em 1887. PETER BEHRENS & AEG
  • 35. Encarregado de inicio a fazer o design de material publicitário, a AEG acabou o contratando como diretor artístico. Foi a primeira grande empresa a contratar um diretor artístico. Ele projetou o edifício da usina, espaço para exposições, moradia de trabalhadores, mídia publicitária (catálogos, listas de preços), eletrodomésticos e toda a identidade cooperativa da empresa. Behrens também promoveu a reforma da tipográfica alemã, advogando em prol de letras sem serifas – os pequenos traços ou simples espessamentos que remetem os terminais das letras não lineais. PETER BEHRENS & AEG
  • 37. No inicio do século XX ocorreram muitos avanços científicos, isso gerou duvidas a respeito da cosmovisão materialista e uma profunda crise material e espiritual. Nessa época tentou-se introduzir arte na vida cotidiana, pois achavam que a arte não deveria pertencer apenas à burguesia, mas sim, seguir o caminho da produção em massa. Então em 25 de abril de 1919 foi fundada por Walter Gropius, arquiteto alemão proveniente da Wekerbund alemã, a Bauhaus, uma escola de design, artes plásticas e arquitetura de vanguarda na Alemanha. A Bauhaus foi uma das maiores e mais importantes expressões do que é chamado Modernismo no design e na arquitetura, sendo a primeira escola de design do mundo. Seus principais representantes foram Walter Gropius, Lazlo Moholy-Nagy, Wassily Kandisky, Paul Klee, Josef Alberts, Marcel Breuer, Oscar Schlemmer, Johannes Itten e Gerhard Marks. SÉCULO XX: BAUHAUS
  • 38. A Bauhaus passou por três fases, a “Weimar”, fase em que a arte integral medieval se destacou, fase representada por Walter Gropius, logo em seguida a fase “Dessau”, onde se conseguiu a criação em massa de produtos mais baratos para camadas mais amplas da população, fase que teve como representante Laszlo Moholy-Nagy, e por último a “Era Meyer”, onde a ênfase teórica e prática foram deslocadas no sentido da tecnificação e do funcionalismos funcional, tendo como principal representante nessa fase o suíço Hannes Mayer. Em 1933, após uma série de perseguições por parte do governo nazista, a Bauhaus é fechada, também por ordem do governo. Os nazistas opuseram-se à Bauhaus durante a década de 1920, bem como a qualquer outro grupo que não seguisse sua orientação política. SÉCULO XX: BAUHAUS
  • 39. Walter Gropius (1883-1969) é um dos principais nomes da arquitetura do século XX. Tendo sido fundador da Bauhaus, Groupius via na experimentação artesanal e artística os instrumentos de pesquisa, ensino e aprendizagem, os quais considerava ideias importante para criar o design dirigido para a produção em série. BAUHAUS & WALTER GROPIUS
  • 40. A Fábrica Fagus, fábrica de sapatos em Alfeld, Alemanha. É um exemplo de arquitetura moderna. Com fachadas desenhadas por Walter Gropius e Adolf Meyer, ela foi construída entre 1911 e 1913. Embora construído com diferentes sistemas, todos os prédios do local tem uma imagem em comum e parecem-se como um todo. Os arquitetos conseguiram isso pelo uso de materiais comuns em todos os prédios. BAUHAUS & WALTER GROPIUS
  • 41. Marcel Breuer (1902 - 1981) foi um designer e arquitecto que fezz parte da primeira geração de alunos formados pela Bauhaus. Formou-se na primeira sede da Bauhaus (em Weimar) em 1924 e passou a leccionar nesta escola até 1928 (quando esta já estava instalada em Dessau). Sua relação com a instituição era bastante estreita, o que acabou dando-lhe o cargo de director da instituição após a saída de Mies van der Roheseu. Seu trabalho destacou-se no design mobiliário, e seus móveis são vendidos até hoje. BAUHAUS & MARCEL BREUER
  • 42. Enquanto docente da Bauhaus, realizou uma série de experimentações no design de mobiliário. Projetou e executou os primeiros protótipos da cadeira Wassily (cujo nome é uma homenagem ao colega Wassily Kandinsky, também professor). A famosa cadeira Wassily, desenhada por Marcel Breuer, 1925/26. Wassily é hoje uma das cadeiras de autor mais famosas do mundo. BAUHAUS & MARCEL BREUER
  • 43. László Moholy-Nagy (1895-1946) foi um pintor, escultor e artista experimental. Entre 1923 e 1928 foi professor da Bauhaus e foi co-editor de publicações desta escola. Paralelamente à docência, desenvolvia filmes experimentais, teatro, desenho industrial e publicitário, fotografia e tipografia, além da pintura e da escultura. Em 1937 emigrou para Chicago, onde se tornou o diretor da New Bauhaus e fundou o Instituto de Design. László defendia a integração da indústria e tecnologia, no design e nas artes. Com sua consistente base teórica, László inovou na composição de suas obras ao misturar técnicas. BAUHAUS & LAZLO MOHOLY NAGY
  • 44. “A fotografia como arte representativa não é uma simples cópia da natureza. Isto é demonstrado pelo fato de que são raras as boas fotografias.” BAUHAUS & LAZLO MOHOLY NAGY
  • 45. Le Corbusier (1887-1965) foi um arquiteto, urbanista, escultor e pintor que foi considerado um dos principais, criativos e extravagantes arquitetos do século XX, tendo grande influência no urbanismo, por ser um dos primeiros a pensar em uma “cidade do futuro” com seus projetos fortemente inovadores. Le Corbusier desenvolveu várias experiências arquitetônicas, renovando as características expressivas e a racionalização dos elementos. Ele conseguiu conciliar arte e técnica, regra e arbitrariedade, geometria e natureza, luz e sombra, continuidade e ruptura. A METÁFORA DAS MAQUINAS E LE CORBUSIER
  • 46. Thonet (Alemanha) Cadeira nº14 Modelo simples e compacto, deu inicio a padronização de móveis e produção em massa. LINHA DO TEMPO 1851 Exposição Londres (Inglaterra) Palácio de Cristal Primeira exposição com várias peças de vários lugares. 1851 Arts & Crafts (Inglaterra) William Morris Contra a produção em massa, dizia que todos produtos deviam ser feitos a mão de modo artesanal. 1860 Art Nouveau (França, expandindo- se para europa) Henry Van de Velde Ajudou nos primórdios do design gráfico 1880 Pré- Modernismo Europeu Colonia de Artistas Surgimento do design, da aceitação da industria. 1902 Pré-Modernismo Escola Chicago Sullivan, Burnham, Coolidge, Le Baron Jenney, Hollaburd, F. L. Wright Focou na funcionalidade e estética, tanto em produtos como na arquitetura e design, 1905
  • 47. Deutscher Werkbund (Alemanha) Chaleira AEG Juntou a parte estética com a função, criando uma identidade unica para o design alemão. LINHA DO TEMPO 1907 Bauhaus (Alemanha) Cadeira Wassily Revolucionou o design do século XX pelo uso do aço tubular no mobiliario, proposta ousada criada por Marcel Breumer. 1919-1933