SlideShare uma empresa Scribd logo
Joaquim J. M. Guilhoto
Fernando G. Silveira
Carlos R. Azzoni
Silvio M. Ichihara
Joaquim J. M. Guilhoto
Fernando G. Silveira
Carlos R. Azzoni
Silvio M. Ichihara
MDA/NEAD
Brasília, 2005
NEAD Estudos 9
Copyright © by MDA
Projeto gráfico, capa e diagramação
Caco Bisol Produção Gráfica
caco@cacobisol.com.br
Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)
Secretaria da Agricultura Familiar (SAF)
SBN Quadra 1
Edifício Palácio do Desenvolvimento
6º andar, sala 609
CEP 70057-900 - Brasília/DF
Telefone: (61) 3426-9963
www.mda.gov.br
Núcleo de Estudos Agrários e
Desenvolvimento Rural (NEAD)
SCN Quadra 1 - Bloco C
Edifício Trade Center
5º andar, sala 501
CEP 70711-902 - Brasília/DF
Telefone: (61) 3328-8661
www.nead.org.br
G956a
Guilhoto, Joaquim J. M. Agricultura familiar na economia: Brasil e Rio Grande do
Sul / Joaquim J. M. Guilhoto ... [et al]. -- Brasília : Ministério do
Desenvolvimento Agrário, 2005. 44 p.; 21 x 28 cm. -- (Estudos Nead; 9).
1. Agricultura familiar - produção - Brasil. 2. Agricultura familiar -
aspectos econômicos - Rio Grande do Sul. 3. Agronegócio. 4. Produto
interno bruto - pesquisa – Brasil. I. Título II. Série. III. Silveira,
Fernando G. IV. Azzoni, Carlos R. V. Ichihara, Silvio M.
CDD 339.310981
Luiz Inácio Lula da Silva
Presidente da República
Miguel Soldatelli Rossetto
Ministro de Estado do
Desenvolvimento Agrário
Guilherme Cassel
Secretário-executivo do Ministério
do Desenvolvimento Agrário
Rolf Hackbart
Presidente do Instituto Nacional de
Colonização e Reforma Agrária – Incra
Valter Bianchini
Secretário de Agricultura Familiar
Eugênio Peixoto
Secretário de Reordenamento Agrário
José Humberto Oliveira
Secretário de Desenvolvimento Territorial
Caio Galvão de França
Coordenador do Núcleo de Estudos
Agrários e Desenvolvimento Rural - NEAD
PCT MDA/IICA - Apoio às Políticas e à Participação Social
no Desenvolvimento Rural Sustentável
Apresentação
A dinâmica das transformações das atividades agropecuárias e das demais ações a ela vinculadas
tem exigido dos setores público e privado o contínuo aperfeiçoamento de instrumentos de análise para
orientar as suas decisões, principalmente no que diz respeito ao planejamento das políticas públicas
que visam à obtenção da segurança alimentar, à geração de emprego e renda e ao desenvolvimento
local em bases sustentáveis e eqüitativas.
Parte desse esforço de análise tem sido dirigida para caracterizar a enorme complexidade das
relações econômicas, sociais e políticas associadas a essas atividades. Essa complexidade decorre, em
larga medida, da estreita ligação que há entre os diferentes grupos sociais engajados diretamente nas
atividades produtivas e das várias formas sob as quais se organiza o trabalho no campo.
Dessas iniciativas, duas podem ser destacadas. Ambas concluídas no ano 2000. A primeira delas
foi a publicação do Novo Retrato da Agricultura Familiar – O Brasil Redescoberto, coordenado por Car-
los Enrique Guanziroli e Silvia Elizabeth Cardim, que consolidou uma série de estudos realizados no
âmbito do Projeto de Cooperação Técnica Incra/FAO, desde 1995. Esses textos forneceram novos ele-
mentos sobre a ampla diversidade da agricultura brasileira em relação à situação dos produtores, entre
vários outros aspectos.
A principal inovação dessas pesquisas foi tornar operacional, mediante a utilização de microda-
dos censitários, um determinado conceito de agricultura familiar construído não mais sobre um limite
máximo de área ou de valor de produção da unidade familiar, mas a partir das suas relações sociais de
produção. Esse novo conceito vem contribuindo para refutar análises que usam como equivalentes os
termos “agricultura familiar” e outros, como “pequena produção” e “agricultura de baixa renda”, e que
dele extraem julgamentos prévios sobre as possibilidades econômicas do segmento familiar no campo,
condenando-o à marginalidade ou ao desaparecimento.
A segunda iniciativa foi a pesquisa conduzida no Centro de Estudos Avançados em Economia
Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP), sob a coordenação de Joaquim José Guilhoto,
Maria Cristina Furtuoso e Geraldo Sant’ana de Camargo Barros, com o suporte da Confederação Nacio-
nal da Agricultura e Pecuária (CNA), cujo objetivo final foi estimar o crescimento mensal do Produto
Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro. Essa medição passou a representar um dos mais impor-
tantes indicadores de desempenho da atividade agropecuária e agroindustrial no País, com ampla uti-
lização nos meios acadêmicos e de comunicação.
A principal inovação dessa pesquisa foi o delineamento e a mensuração de um conjunto de bens
e serviços, inter-relacionados com as atividades agropecuárias produzidos no país, de forma compatível
e consistente com as contas nacionais oficiais que tendem a isolar os elos primário, secundário e ter-
ciário das cadeias produtivas dependentes de insumos renováveis.
Mesmo com essas e outras pesquisas, ainda é possível constatar a escassez de informações
adequadas e de avaliações regulares e abrangentes produzidas com sólido embasamento científico que
permitam aperfeiçoar os instrumentos de análise.
Os textos O Agronegócio Familiar na Economia Brasileira e O Agronegócio Familiar na Economia
do Rio Grande do Sul sintetizam os resultados do estudo proposto pelo Ministério do Desenvolvimen-
to Agrário, por meio do Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (NEAD), à Fundação
Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) para definir e quantificar as cadeias produtivas da agricultura
familiar, considerando as atividades a montante (parque industrial que fornece bens de capital e insumos
para o campo) e a jusante (rede armazenadora, transporte, processamento, industrialização e distribui-
ção) da agropecuária propriamente dita e suas interligações. O período abrangido é o de 1995 a 2003.
O estudo baseia-se na mesma técnica empregada para o cálculo do chamado agronegócio, já
realizado regularmente pelo Cepea/USP, e busca identificar a parcela relativa ao segmento familiar,
utilizando o mesmo universo adotado pelo Projeto de Cooperação Incra/FAO.
A metodologia utilizada leva em consideração as recomendações das Nações Unidas para o
cálculo do PIB, adotando a matriz de insumo-produto do Novo Sistema de Contas Nacionais (NSCN)
da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (FIBGE) e outros estudos da Fipe, como ins-
trumentos básicos de análise.
4 NEAD ESTUDOS 9
As estimativas do desempenho da produção agropecuária familiar têm como base o Censo Agrope-
cuário 1995/96 e a evolução das informações de acompanhamento da atividade agropecuária apuradas
pela FIBGE na Pesquisa Agrícola Municipal (PAM), na Pesquisa Pecuária Municipal (PPM), na Produção da
Extração Vegetal e Silvicultura, nas Pesquisas Trimestrais do Leite e do Abate de Animais.
Entre os autores, os professores doutores Joaquim José Martins Guilhoto e Carlos Roberto Azzo-
ni, além de Silvio Massoru Ichihara, são vinculados à Faculdade de Economia, Administração e Conta-
bilidade da USP, e Fernando Gaiger Silveira, ao Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), do
Ministério do Planejamento. Esses pesquisadores e suas instituições são especializados e amplamente
reconhecidos por suas análises estruturais das economias nacional e regionais e na elaboração de
modelos econômicos de previsão.
A utilização, pelos autores, do termo “agronegócio” reflete a aceitação quase generalizada que
o mesmo tem recebido. No entanto, ao contrário daqueles que fazem uma apropriação não-científica
desse conceito através da homogeneização indevida dos grupos sociais no campo, os pesquisadores
tratam os agricultores familiares como um segmento do complexo maior da chamada economia do
agronegócio, conferindo-lhes uma identidade econômica própria.
De forma crítica a essa apropriação e sem prejuízo metodológico para os objetivos do estudo, é
possível referir-se ao conjunto das atividades a montante e a jusante do estabelecimento rural como as
atividades das cadeias produtivas da agricultura familiar.
Os dados apresentados nos dois textos mostram que o segmento familiar da agropecuária bra-
sileira e as cadeias produtivas a ela interligadas responderam, em 2003, por parcela expressiva do PIB
brasileiro (10% ou R$ 157 bilhões em valores daquele ano) e do PIB gaúcho (27%). Isso equivale a cerca
de um terço do total gerado nessas atividades em todo o País e a 55% desse mesmo valor no Rio Gran-
de do Sul. Os autores destacam ainda que o desempenho recente da agropecuária familiar e do agro-
negócio a ela articulada vem sendo bastante positivo, superando, inclusive, as taxas de crescimento
relativas ao segmento patronal. Segundo eles, isso é mais significativo tendo em vista a insuficiência de
terras, as dificuldades creditícias, o menor aporte tecnológico e a fragilidade da assistência técnica,
entre outros fatores.
Outra importante conclusão do estudo é que ainda há um espaço considerável para a agregação
de valor nos cultivos e criações desenvolvidas pelos agricultores familiares, significando uma participa-
ção ainda mais expressiva das cadeias produtivas articuladas com a agricultura familiar.
O reconhecimento da importância econômica da agricultura familiar não esgota, evidentemente,
as suas possibilidades enquanto agente fundamental do desenvolvimento do País. A ela devem ser
agregados os componentes de valorização social, cultural e tecnológica das populações que vivem e
trabalham no campo. O tratamento “setorial” das suas atividades também considera o importante
papel do seu caráter pluriativo e multifuncional nos processos de desenvolvimento dos territórios.
Os dados ora revelados confirmam a necessidade de acompanhar de forma diferenciada o com-
portamento dos indicadores conjunturais e das tendências no longo prazo das cadeias produtivas
vinculadas ao campo.
A partir das definições metodológicas que fundamentam os textos aqui publicados, o NEAD/MDA
e a Fipe passarão a apurar e a divulgar regularmente a evolução do PIB das cadeias produtivas da agri-
cultura familiar do Brasil e dos demais Estados.
Esta publicação ilustra, ainda, a importância do diálogo permanente entre a academia, os órgãos
públicos e os setores diretamente vinculados para que, por um lado, as políticas públicas, em geral, e,
em particular, as de desenvolvimento rural e reforma agrária, possam ser aperfeiçoadas e, por outro,
para a necessária qualificação do debate público sobre tais temas.
Boa leitura!
Brasília, setembro de 2005
Caio Galvão de França
Coordenador Geral NEAD/MDA
Vicente Azevedo Marques
Assessor da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembléia Legislativa
do Estado Rio Grande do Sul
Sumário
O Agronegócio Familiar na Economia Brasileira 7
O PIB do Agronegócio Familiar na Economia Brasileira, 1995 a 2003 7
Desempenho do PIB do Brasil 8
Desempenho dos Agronegócios Familiar e Patronal do Brasil 9
Os Complexos dos Agronegócios Familiar e Patronal do Brasil 11
Componentes dos Complexos Agrícolas Familiar e Patronal do Brasil 12
Componentes dos Complexos Pecuários Familiar e Patronal do Brasil 13
O Setor e a Indústria Agrícolas do Brasil 14
O Setor e a Indústria Pecuários do Brasil 16
Comentários Finais 19
O Agronegócio Familiar na Economia do Rio Grande do Sul 23
O PIB do Agronegócio Familiar na Economia do RS, 1995 a 2003 23
Desempenho do PIB do RS 24
Desempenho dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS 28
Complexos dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS 29
Componentes dos Complexos Agrícolas Familiar e Patronal do RS 30
Componentes dos Complexos Pecuários Familiar e Patronal do RS 30
Evolução dos Componentes dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS 31
O Setor e a Indústria Agrícolas do RS 33
O Setor e a Indústria Pecuários do RS 35
Comentários Finais 38
7
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
O Agronegócio Familiar na Economia Brasileira
Quando se fala de agronegócio, parte-se de um conceito restrito, que é a agropecu-
ária, e passa-se a um conceito mais amplo, que tem como centro a atividade agropecuária
e envolve toda a sua cadeia produtiva, desde os insumos utilizados no setor produtivo, o
setor da agropecuária, a indústria de transformação, até o setor de distribuição e serviços.
Estudos anteriores tratam da importância do agronegócio para a economia brasileira
como um todo, porém faltava incluir uma estimativa da importância do agronegócio da agri-
cultura familiar, expressivo segmento do complexo maior da economia do agronegócio.
Sabe-se de sua importância social, seja pela geração de emprego e ocupação, seja
pelo perfil dos produtos, basicamente destinados ao consumo alimentar nacional. Desta
forma, é fundamental que também se tenha uma idéia de sua importância econômica.
E é justamente nesta direção que caminhou o estudo desenvolvido, em conjunto, pela
Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - Fipe e o NEAD/MDA, para determinar a im-
portância econômica do agronegócio familiar dentro da economia nacional e que agora é
apresentado em seus pontos principais.
Desta forma, este trabalho traz para discussão os resultados da pesquisa, e também
deve auxiliar na formulação de políticas públicas voltadas para o segmento familiar da
agricultura nacional, considerando que, na parte econômica, o seu agronegócio movi-
menta em torno de um terço do setor e 10% do Produto Interno Bruto - PIB nacional, isto
sem mencionar as suas posições estratégicas e fundamentais na geração de empregos,
alimentos, divisas, e na redução de pressões sociais sobre os centros urbanos.
O PIB do Agronegócio Familiar
na Economia Brasileira, 1995 a 2003
O agronegócio possui quatro componentes principais: insumos; o próprio setor;
processamento; e distribuição e serviços. Neste estudo, o agronegócio foi ainda dividido
em quatro subcomplexos, cada um contendo os quatro componentes citados: agricul-
tura familiar; agricultura patronal; pecuária familiar; e pecuária patronal.
8 NEAD ESTUDOS 9
A Figura 1 detalha a estrutura do PIB do agronegócio na economia e facilita o en-
tendimento das análises que se seguirão. A disposição seqüencial enfoca a distinção entre
o agronegócio familiar e o patronal e direciona de uma forma organizada as análises.
O primeiro bloco de análise corresponde a uma rápida avaliação da importância do
agronegócio e de seus dois grandes complexos, ao longo do período que compreende
os anos de 1995 a 2003. No segundo, detalha-se a análise anterior, sob a perspectiva do
agronegócio familiar e do patronal.
No terceiro, avalia-se a dimensão e a evolução do desempenho familiar e patronal
através dos complexos agrícola e pecuário e de seus respectivos componentes. Dos
quatro componentes principais, o próprio setor e a indústria são melhor detalhados nos
quarto e quinto blocos.
Dentro do complexo agricultura, o estudo do setor agrícola é detalhado, no quarto
bloco, para a soja, o milho, o fumo e outras culturas. Ainda dentro da agricultura, a in-
dústria relacionada com esse complexo é subdividida em 11 grupos: Madeira e mobiliá-
rio; Celulose, papel e gráfica; Álcool; Indústria têxtil; Artigos do vestuário; Indústria do
café; Indústria do fumo; Beneficiamento de produtos vegetais; Fabricação de açúcar;
Fabricação de óleos vegetais; e Outros produtos alimentares.
Da mesma forma, o bloco cinco detalha o setor e a indústria, mas com relação ao
complexo da pecuária. O setor é então subdividido em cinco grupos: Aves; Bovinos;
Leite; Suínos; Outras criações animais. E a indústria, em outros cinco grupos: Fabricação
de calçados; Abate de aves; Abate de bovinos; Abate de suínos e outros animais; e In-
dústria de laticínios.
Desempenho do PIB do Brasil
No período de análise, de 1995 a 2003, o PIB do Brasil apresentou crescimento
acumulado de quase 16%, chegando a R$ 1.556 milhões em 2003.(Gráfico 1) Por sua vez,
o agronegócio, apesar de apresentar taxas anuais de crescimento baixas, ou mesmo
negativas, até 2001, teve boa recuperação, em 2002 e 2003, por conta dos ambientes
internacional e nacional favoráveis ao seu crescimento, chegando a um crescimento
acumulado de quase 18% ao final da série.
Desta forma, o agronegócio recupera e supera a sua participação no PIB do Brasil,
observada no início da série, ou seja, de uma participação de 30,1%, no PIB do Brasil de
1995, passa para 30,6%, em 2003. (Gráfico 2)
O complexo das lavouras no agronegócio, até 2001, apresentou tendência decli-
nante de participação no setor, passando de 71,5%, em 1997, para 67,7%, em 2001.
(Gráfico 3) Entre 2001 e 2003, devido ao excelente desempenho no crescimento das la-
vouras, que, por sua vez, puxou o crescimento do agronegócio como um todo, essa
9
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
participação aumentou para 69%, em 2002, e 69,7%, em 2003, porém sem conseguir
ainda recuperar a participação observada no começo da série (70,2% em 1995).
Desempenho dos Agronegócios Familiar e Patronal do Brasil
O segmento familiar da agropecuária brasileira e as cadeias produtivas a ela inter-
ligadas responderam, em 2003, por 10,1% do PIB brasileiro (Gráfico 4), o que equivale a
R$ 157 bilhões, em valores daquele ano. Tendo em vista que o conjunto do agronegócio
nacional foi responsável, no mesmo ano, por 30,6% do PIB, fica evidente o peso da agri-
cultura familiar na geração de riqueza do País. Concretamente, cerca de um terço do
agronegócio brasileiro é tributário da produção agropecuária realizada pelos agricultores
Figura 1: Disposição seqüencial das análises para o Brasil
PIB total
Fonte: dados da pesquisa
PIB outros setores
PIB agricultura familiar PIB agricultura patronal
PIB agricultura familiar
Agricultura
4 componentes
Insumos
Setor
Indústria
Distribuição
PIB agricultura patronal
Agricultura
4 componentes
Insumos
Setor
Indústria
Distribuição
PIB agricultura familiar
Pecuária
4 componentes
Insumos
Setor
Indústria
Distribuição
PIB agricultura patronal
Pecuária
4 componentes
Insumos
Setor
Indústria
Distribuição
Indústria
Madeira e mobiliário
Celulose, papel e gráfica
Álcool
Indústria têxtil
Artigos de vestuário
Indústria do café
Indústria do fumo
Beneficiamento de produtos vegetais
Fabricação de açúcar
Fabricação d-e óleos vegetais
Outros produtos alimentares
PIB agronegócio
Setor
Soja
Milho
Fumo
Outras culturas
Setor Indústria
Setor
Aves
Bovinos
Leite
Suínos
Outros - pecuária
Indústria
Fabricação de calçados
Abate de aves
Abate de bovinos
Abate de suínos e outros
Indústria de laticínios
10 NEAD ESTUDOS 9
Gráfico 1: Evolução do PIB total e do agronegócio do Brasil
1.600.000
1.500.000
1.400.000
1.300.000
1.200.000
1.100.000
1.000.000
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
20%
15%
10%
5%
0%
-5%
PIBNacional(milhõesR$)
PIB Nacional em milhões Variação acumulada do PIB - Brasil
Variação acumulada do PIB do agronegócio - Brasil
Gráfico 2: Evolução do PIB do agronegócio do Brasil e participação do agronegócio no Brasil
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
55%
45%
35%
25%
15%
5%
-5%
Participação do agronegócio no PIB - Brasil Variação acumulada do PIB do agronegócio - Brasil
Variação acumulada do PIB Nacional
30,1 28,8 27,6 27,8 28,1 26,9 27,1 28,9 30,6
Gráfico 3: Evolução do PIB dos complexos agrícola e pecuário e participação do PIB do agronegócio
agrícola dentro do agronegócio do Brasil
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
100%
80%
60%
40%
20%
0%
Participação do complexo pecuário no PIB do agronegócio
Participação do complexo agrícola no PIB do agronegócio
Fonte: dados da pesquisa
25%
20%
15%
10%
5%
0%
-5%
-10%
Var. acumulada do PIB do complexo agrícola
Var. acumulada do PIB do complexo pecuário
29,8 29,3 28,5 29,6 30,8 32,3 32,2 31,0 30,3
70,2 70,7 71,5 70,4 67,7 67,8 69,0 69,768,2
11
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
familiares, cabendo observar, ademais, que o desempenho recente da agropecuária fa-
miliar e do agronegócio a ela articulada vem sendo bastante positivo, superando, inclu-
sive, as taxas de crescimento relativas ao segmento patronal.
No período de 1995 a 2003, quando se abre o agronegócio brasileiro nos quatro com-
plexos que o compõem, patronal pecuário e agrícola, e familiar pecuário e agrícola, observa-se
que, apesar das oscilações, as proporções da participação de dois deles caem; um se mantém
relativamente constante; e a exceção, com crescimento na participação, é o complexo familiar
pecuário (Gráficos 5 e 6). O complexo familiar agrícola diminui a sua participação de 21,2%, em
1995, para 20,6%, em 2003. O complexo patronal agrícola fica ao redor dos 49%. E o complexo
patronal pecuário aumenta a sua participação de 11%, em 1995, para 12,3%, em 2003.
Gráfico 4: Participação do PIB dos agronegócios familiar e patronal no PIB do Brasil
1995 1996 1997 1999 2000 2001 2002 2003
70 71 72 72 72 73 73 71 69
1998
10
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
20 19% 19% 19% 18% 18% 20% 21%19
9 9 9 9 9 9
20 21181819 19 19
9 10
Participação do PIB dos outros setores
Participação do PIB do agronegócio patronal
Fonte: dados da pesquisa
Participação do PIB do agronegócio familiar
Os Complexos dos Agronegócios Familiar e Patronal do Brasil
O PIB do agronegócio resulta da agregação do PIB do complexo agrícola com o PIB
do complexo pecuário, sendo que cada um é formado por quatro componentes principais
— insumo, setor, indústria e distribuição. A seguir, é apresentada a evolução da partici-
pação dos componentes do PIB em cada complexo, com ênfase na separação entre o
que é de origem familiar e de origem patronal, para o Brasil como um todo.
12 NEAD ESTUDOS 9
Componentes dos Complexos Agrícolas Familiar e Patronal do Brasil
No Brasil, as quantias percentuais relacionadas com cada um dos quatro componen-
tes do agronegócio familiar agrícola são diferentes daquelas referentes ao agronegócio
patronal. Além disso, no decorrer dos anos, percebem-se mudanças na composição do
Gráfico 5: Participações do PIB dos complexos agropecuários familiar e patronal no PIB do Brasil
1995
70%
21
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Participação do PIB do complexo patronal pecuário
Participação do PIB do complexo patronal agrícola
Participação do PIB do complexo familiar pecuário
Participação do PIB do complexo familiar agrícola
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
21 22 21 21 20 20 20 21
11 11 11 12 12 13 13 13 12
49 49 50 50 48 47 48 49 49
19 18 18 18 1819 19 19 19
Gráfico 6: Variações anuais acumuladas do PIB dos complexos agropecuários familiar e patronal do Brasil
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
20%
15%
10%
5%
0%
-5%
-10%
Var. acumulada do PIB do complexo familiar agrícola
Var. acumulada do PIB do complexo familiar pecuário
Var. acumulada do PIB do complexo patronal agrícola
Var. acumulada do PIB do complexo patronal pecuário
Fonte: dados da pesquisa
13
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
agronegócio da agricultura familiar e da patronal. (Gráfico 7) Em geral, para os segmentos
familiar e patronal, observa-se um aumento da participação dos insumos e do setor agricul-
tura; uma queda na participação da indústria de transformação; e um aumento na partici-
pação do setor de distribuição, no caso da agricultura familiar, e uma queda na patronal.
Em sua composição, a indústria tem um peso muito maior no agronegócio da
agricultura patronal (39,3% em 2003) do que no agronegócio da agricultura familiar (27,3%
em 2003). Essa é uma indicação de que boa parte da produção familiar não passa por
um processo de transformação, reduzindo a agregação de valor dentro da cadeia produ-
tiva. E é confirmada pela participação do setor agrícola no agronegócio, que foi de 34,2%,
em 2003, para o agronegócio da agricultura familiar, e de 25,4%, para o agronegócio da
agricultura patronal.
Componentes dos Complexos Pecuários Familiar e Patronal do Brasil
Diferentemente do complexo agrícola, as quantias percentuais, relacionadas com
cada um dos quatro componentes do agronegócio familiar pecuário, são bem próximas
daquelas referentes ao agronegócio patronal. (Gráfico 8) A maior participação no com-
plexo pecuário fica por conta do setor de distribuição, com aproximadamente 38% do
agronegócio da pecuária familiar e 40% do agronegócio da pecuária patronal. Nota-se a
Fonte: dados da pesquisa
Gráfico 7: Participação dos quatro componentes que formam o agronegócio das agriculturas familiar e
patronal do Brasil
1995
90%
75%
60%
45%
30%
15%
0%
Insumos não-agrícolas Setor agricultura Distribuição dos produtos agrícolas
Indústria de processamento dos produtos agrícolas
Participações dos componentes no PIB,
no PIB-Familiar-BR
Participações dos componentes no PIB,
no PIB-Patronal-BR
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
33,2 31,4 31,9 29,9 30,7 31,7 30,3 29,0 27,3
43,9 42,0 42,6 40,8 42,2 43,3 41,9 40,4 39,3
32,2 33,8 33,3 33,7 34,2 34,6 34,3 33,7 33,5
3,4 3,6 3,6 3,8 4,4 4,5 4,6 4,8 5,0
31,2 31,3 31,2 32,5 30,7 29,2 30,7 32,5 34,2
32,4 33,8 33,3 33,4 32,9 32,5 32,3 32,0 30,8
20,7 21,0 20,9 22,5 21,2 20,2 21,8 23,4 25,4
3,0 3,2 3,1 3,3 3,7 4,0 4,1 4,2 4,6
14 NEAD ESTUDOS 9
baixa participação do setor de transformação, ao redor de 15% tanto no complexo pa-
tronal como no familiar. No caso de insumos, tem-se uma participação maior no caso
patronal (11,1%, em 2003) do que no familiar (9,6%, em 2003). No caso do setor primário
da pecuária, a participação no complexo familiar é um pouco maior (37,6%, em 2003) do
que no patronal (34%, em 2003).
O Setor e a Indústria Agrícolas do Brasil
Os Gráficos 9 e 10 detalham o PIB do componente Setor Agrícola, demonstrando
a participação das culturas de soja, milho, fumo e das outras culturas. Constata-se que
os percentuais do PIB gerado pela soja são maiores na agricultura patronal (13,5%, em
2003) do que na familiar (11,7% em 2003). No caso de outras culturas, referentes à agri-
cultura patronal, os valores estão entre quatro e cinco pontos percentuais maiores, de-
vido à diferença ocasionada pela menor produção percentual de milho (cerca de 2 pon-
tos percentuais, em 2003) e irrelevância, também percentual, da fumicultura nas proprie-
dades patronais.
Gráfico 8: Participação dos quatro componentes que formam o agronegócio da pecuária familiar e
patronal do Brasil
1995
90%
75%
60%
45%
30%
15%
0%
Insumos não-pecuários Setor: pecuária Distribuição dos produtos pecuários
Indústria de processamento dos produtos pecuários
Participações dos componentes no PIB,
no PIB-Familiar-BR
Participações dos componentes no PIB,
no PIB-Patronal-BR
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
17,1 17,9 17,9 17,0 16,1 15,5 15,9 15,4 14,9
39,1 39,3 39,4 40,1 40,1 39,9 40,0 39,1 37,9
37,8 36,5 36,3 36,4 36,3 36,6 36,0 36,3 37,6
6,0 6,3 6,4 6,5 7,5 8,0 8,1 9,2 9,6 7,1 7,1 7,0 7,3 8,6 9,2 9,2 10,5 11,1
32,4 30,8 31,1 32,6 33,2 34,2 33,9 33,6 34,0
41,7 42,6 42,7 42,8 41,6 40,7 40,9 40,4 40,2
18,8 19,6 19,2 17,3 16,6 16,0 16,0 15,5 14,7
Fonte: dados da pesquisa
A produção de fumo corresponde a 4% do PIB médio do setor agrícola familiar e 1,5%
quando considerado o PIB total do complexo agrícola. Através das linhas (Gráficos 9 e 10),
são expostas as variações acumuladas do PIB das culturas de soja, milho, fumo e outras
culturas. Nesses gráficos, as variações devem ser interpretadas pelo eixo da direita.
15
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
Comparando os dois tipos de agricultura (familiar e patronal) nota-se que as varia-
ções do PIB das culturas, com exceção do fumo, são parecidas. A cultura da soja é a que
apresenta o maior crescimento nos períodos analisados, tanto para a agricultura familiar
(172%) quanto para a patronal (231%).
Gráfico 9: Participação de algumas culturas que formam o setor da agricultura familiar no Brasil e as
respectivas variações acumuladas do PIB
Variação acumulada do PIB da lavoura: soja
Variação acumulada do PIB da lavoura: fumo
200%
150%
100%
50%
0%
-50%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
3,8
5,7
5,4
85,1
4,4
5,5
6,5
83,6
5,2
4,7
7,5
82,6
4,3
6,9
84,6
4,9
5,0
6,8
83,3
4,7
5,5
7,1
82,8
4,3
5,1
9,7
80,9
4,4
5,1
10,6
4,0
78,4
4,2
80,0
11,7
Variação acumulada do PIB da lavoura: milho
Variação acumulada do PIB da lavoura: outras culturas
5,9
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Gráfico 10: Participação de algumas culturas que formam o setor da agricultura patronal no Brasil e as
respectivas variações acumuladas do PIB
200%
150%
100%
50%
0%
-50%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Variação acumulada do PIB da lavoura: soja
Variação acumulada do PIB da lavoura: fumo
Variação acumulada do PIB da lavoura: milho
Variação acumulada do PIB da l avoura: outras culturas
90,3 89,1 87,9 89,3 87,5 86,5 86,0 82,583,5
3,7 4,0 3,5 2,9 3,7 3,8 3,3 3,5 4,0
5,9 6,8
8,5
7,7
8,7 9,6 10,6 12,9 13,5
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
* O fumo não aparece no gráfico de colunas em função de sua baixa participação (0,1%).
Fonte: dados da pesquisa
Fumo Milho Soja Outras culturas
Fumo* Milho Soja Outras culturas
16 NEAD ESTUDOS 9
As mudanças decorrentes, ocorridas na indústria de processamento da produção
agrícola familiar, nos anos de 1995 a 2003, podem ser avaliadas pelo Gráfico 11.
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
90%
75%
60%
45%
30%
15%
0%
Gráfico 11: Participação das indústrias vinculadas à agricultura familiar do Brasil
Outros produtos alimentares Fabricação de óleos vegetais Fabricação de açúcar
Beneficiamento de produtos vegetais Indústria do fumo Indústria do café Artigos de vestuário
Indústria têxtil Álcool Celulose, papel e gráfica Madeira e mobiliário
Fonte: dados da pesquisa
18,5 21,9 22,1
27,4
35,4 38,7 38,7 34,6 41,4
6,5
6,8 7,3
7,3
6,4
5,0 6,5
7,6
7,8
16,6
21,6
3,8
8,1
11,9
1,6
5,1
5,1
4,2
4,0
1,4
9,1
6,6
3,7
24,4
16,8 17,5
27,8
3,6
4,6
6,4
3,7
1,7
4,0 3,6
3,5
1,7
4,2
3,3
5,0
24,5
18,1
16,0
18,2
5,7
4,5
5,1
2,0
3,2
2,1
14,9
14,7
5,2
6,8
1,9
2,2
3,5
5,6
5,2
6,7
2,2
2,3
4,7
14,0
16,7 18,2
15,8
18,3
12,2
5,1
7,2
2,5
2,3
3,6
4,0
1,9
3,0
5,3
3,4
Nossetoresindustriaisligadosàproduçãovegetal,sobressaem-se,nosegmentopatronal,
os de reflorestamento, da cana-de-açúcar, e da soja. Por outro lado, no agronegócio ligado aos
agricultores familiares, o grande grupo dos outros produtos alimentares abrangeu, em 2003,
mais de 40% do PIB total da indústria das lavouras do segmento familiar. O fato parece ser in-
dicativodamaiordiversificaçãoprodutivadosagricultoresfamiliares.Há,contudo,quesublinhar
a importância das indústrias do fumo e, em menor grau, de fabricação de óleos vegetais e de
beneficiamentodeprodutosvegetais,nocasodosegmentofamiliar.Nopatronal,destacam-se,
também, a produção de álcool, a fabricação de açúcar e a cadeia de têxtil-vestuário.
O Setor e a Indústria Pecuários do Brasil
Os Gráficos 12 e 13 apresentam a participação do PIB das criações no setor pecu-
ário, relativas ao agronegócio familiar e ao patronal. Observa-se que as parcelas percen-
tuais determinadas para cada tipo de criação são diferentes. A criação de aves é respon-
sável pela maior parcela do PIB do agronegócio pecuário familiar (33%, em 2003), segui-
da pela produção de leite (24,2%, em 2003), e criação de bovinos (22,6%, em 2003).
17
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
No agronegócio patronal, a bovinocultura de corte assume a maior parcela de re-
presentatividade, 47,1%, em 2003. A importância dos setores leiteiro, de aves e de suínos
é bem menor quando comparada à do universo familiar. A maior variação acumulada do
Gráfico 13: Participação das criações que formam o setor da pecuária patronal no Brasil e as
respectivas variações acumuladas do PIB
50%
40%
30%
20%
10%
0%
-10%
-20%
-30%
-40%
-50%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
11,5
Variação acumulada do PIB: aves
Variação acumulada do PIB: leite
Outros - pecuária Suínos Leite Bovinos Aves
Variação acumulada do PIB: bovinos
Variação acumulada do PIB: suínos
Variação acumulada do PIB:
outros - pecuária
4,6
19,6
43,8
20,5
12,1
4,5
20,5
43,1
19,9
8,4
4,8
19,6
47,4
19,9
10,9
4,4
17,1
47,8
19,7
15,9
48,6
20,3
10,8
4,3
15,2
50,4
19,0
11,1
4,3
13,9
51,4
18,8
11,2
4,7
13,8
49,9
21,2
10,8
4,3
14,4
47,1
23,8
10,2
4,5
Fonte: dados da pesquisa
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Gráfico 12: Participação das criações que formam o setor da pecuária familiar no Brasil e as
respectivas variações acumuladas do PIB
Variação acumulada do PIB: aves
Variação acumulada do PIB: leite
Outros - pecuária Suínos Leite Bovinos Aves
120%
100%
80%
60%
40%
20%
0%
-20%
-40%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
13,0
Variação acumulada do PIB: bovinos
Variação acumulada do PIB: suínos
Variação acumulada do PIB:
outros - pecuária
Fonte: dados da pesquisa
9,9
32,1
23,7
21,2
13,6
9,8
32,1
21,7
22,7
10,0
10,9
30,4
22,9
25,8
12,5
10,2
27,2
23,1
26,9
12,4
10,1
24,9
24,2
28,5
12,7
9,6
25,6
24,8
27,3
12,8
10,1
23,8
25,5
27,8
12,4
8,6
23,2
24,9
30,9
11,8
8,5
24,2
22,6
32,9
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
18 NEAD ESTUDOS 9
Gráfico 15: Participação das indústrias que formam o setor da pecuária patronal no Brasil e as
respectivas variações acumuladas do PIB
Indústria de laticínios Abate de suínos e outros Abate de bovinos Abate de aves Fabricação de calçados
40%
30%
20%
10%
0%
-10%
-20%
-30%
-40%
-50%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
15,1
Variação acumulada do PIB da indústria de fabricação de calçados
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de bovinos
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de aves
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de suínos e outros
Variação acumulada do PIB da indústria de laticínios
Fonte: dados da pesquisa
9,7
17,9
12,0
45,3
16,6
8,9
16,6
11,1
46,8
16,5
9,3
17,8
10,8
45,5
17,6
9,9
20,7
12,3
39,4
16,3
10,7
23,4
13,1
36,5
16,1
10,6
23,9
13,2
36,1
15,9
11,9
25,2
13,4
33,7
15,0
11,8
26,6
14,9
31,7
14,5
12,9
26,1
16,7
29,8
Gráfico 14: Participação das indústrias que formam o setor da pecuária familiar no Brasil e as
respectivas variações acumuladas do PIB
Indústria de laticínios Abate de suínos e outros Abate de bovinos Abate de aves Fabricação de calçados
100%
80%
60%
40%
20%
0%
-20%
-40%
-60%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
42,4
Variação acumulada do PIB da indústria de fabricação de calçados
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de bovinos
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de aves
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de suínos e outros
Variação acumulada do PIB da indústria de laticínios
25,6
9,9
15,7
6,4
45,0
24,1
8,6
16,0
6,3
43,1
25,4
8,6
17,2
5,7
43,1
24,7
9,1
18,6
4,5
38,3
26,9
10,4
20,2
4,2
40,6
24,6
10,3
20,4
4,0
39,3
25,9
10,6
20,5
3,7
37,3
24,7
11,5
23,0
3,5
36,4
25,1
10,8
24,4
3,2
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
19
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
PIB do setor pecuário, tanto para o agronegócio familiar como para o patronal, corres-
ponde ao desenvolvimento da produção de aves.
Na indústria pecuária, no segmento patronal, dominam as relacionadas à pecuária,
ou seja, o abate de bovinos e a fabricação de calçados. (Gráficos 14 e 15) O abate de
aves, a indústria de laticínios, o abate de suínos são ramos industriais que exibem par-
ticipação expressiva na composição da indústria pecuária ligada ao segmento familiar e
que se reflete no predomínio desse segmento no conjunto dessas indústrias.
Comentários Finais
O segmento familiar da agropecuária brasileira e as cadeias produtivas a ela inter-
ligadas responderam, em 2003, por 10,1% do PIB brasileiro, o que equivale a R$ 157 bi-
lhões, em valores daquele ano. Tendo em vista que o conjunto do agronegócio nacional
foi responsável, nesse ano, por 30,6% do PIB, fica evidente o peso da agricultura familiar
na geração de riqueza no País. Concretamente, cerca de um terço do agronegócio brasi-
leiro é tributário da produção agropecuária realizada pelos agricultores familiares, caben-
do observar, ademais, que o desempenho recente da agropecuária familiar e do agrone-
gócio a ela articulada vem sendo bastante positivo, superando, inclusive, as taxas de
crescimento relativas ao segmento patronal.
Entre 2001 e 2003, período em que a agropecuária brasileira apresentou elevadas
taxas de crescimento, o segmento familiar do agronegócio cresceu 16,8% em relação aos
15,3% do setor patronal. No que se refere à produção primária, ou seja, ao comporta-
mento da agropecuária stricto sensu não se observaram diferenças, tendo a agropecuária
nacional aumentado em 26,4% seu valor agregado, entre 2001 e 2003. Esse desempenho
extraordinário deve-se ao comportamento das lavouras e, em menor medida, à pecuária
familiar. O valor adicionado do segmento das lavouras passou de R$ 68 bilhões, em 2001,
para R$ 93 bilhões, em 2003.
Considerando todo o período de 1995 a 2003, observa-se que não ocorreram alte-
rações na participação das cadeias produtivas da agropecuária familiar no PIB do agro-
negócio nacional, que é ao redor de um terço. Efetivamente, durante todo o período, a
participação do segmento familiar variou entre 32,2% e 33,6%, tendo crescido 0,7 pontos
percentuais entre 1995 e 2003. Esse incremento foi devido ao comportamento das cadeias
produtivas da pecuária, nas quais o segmento familiar aumentou sua participação em 3,8
pontos percentuais no período e passou a responder, em 2003, por 40,6% do agronegó-
cio ligado à produção animal.
O agronegócio associado ao segmento familiar apresentou desempenhos inferio-
res ao patronal, nos anos de 2000, 2001 e 2002, tendo tido, nos demais anos, perfor-
mances melhores. Na segunda metade da década de 1990, o agronegócio apresentou
20 NEAD ESTUDOS 9
taxas de crescimento baixas, quando não negativas, com o PIB tendo aumentado, en-
tre 1995 e 2000, somente 0,1%. Esse desempenho deveu-se, particularmente, ao com-
portamento das lavouras e de sua agroindústria, bem como ao segmento industrial da
pecuária patronal.
Vale notar que, nesse período, a pecuária familiar e as cadeias produtivas a ela
relacionadas aumentaram de maneira expressiva seu valor adicionado. Assim, a cadeia
da produção animal dos agricultores familiares (insumos, setor, indústria e distribuição)
cresceu 3,4% ao ano, no período de 1995 a 2000. Esse bom desempenho continuou nos
primeiros anos da atual década, pois, entre 2000 e 2003, o agronegócio pecuário familiar
aumentou seu valor adicionado em 3,8% ao ano.
Já no que se refere ao segmento patronal, o que sobressaiu foi o comportamento
da produção vegetal, cujo valor adicionado aumentou em 1,5 vezes, entre 1995 e 2003,
ou seja, a uma taxa de crescimento anual de 4,8%. Todavia, esse comportamento não se
refletiu integralmente no conjunto das cadeias produtivas ligadas à produção vegetal do
segmento patronal, uma vez que, nesse caso, a taxa de crescimento anual foi de 2,1%. O
fato parece mostrar que o crescimento das lavouras não tem se espraiado para os seto-
res industriais e de serviços a ela articulados. Situação diversa do que se observa no caso
da produção animal desenvolvida pelos agricultores familiares, em que se assiste a uma
dispersão menor das taxas de crescimento anual dos diversos setores produtivos – insu-
mos, pecuária em si, indústria e distribuição.
Como resultado do desempenho do agronegócio familiar descrito, observou-se,
de um lado, um aumento da importância das atividades ligadas à produção animal no
agronegócio familiar, cuja participação passou de 34,1%, em 1995, para 37,4%, em 2003.
De outro lado, assistiu-se a uma diminuição na diferença entre o PIB do setor primário
e o PIB do agronegócio, ou seja, houve um aumento do valor adicionado na produção
agropecuária stricto sensu que não se fez acompanhar dos valores adicionados nos se-
tores industriais e de serviços a montante e a jusante. Efetivamente, enquanto, em
1995, o PIB do agronegócio era 3,7 vezes o PIB da agropecuária, em 2003, esse fator
caiu para 3,3.
Vale sublinhar que essa diminuição foi maior no caso das lavouras do segmento
patronal e de pouca envergadura para a produção animal do segmento familiar. Isso
parece apontar que o crescimento do agronegócio nos últimos anos teve por base o
incremento da atividade primária das lavouras, sem ocorrer o espraiamento na indústria
de transformação, pois, nos setores de insumos e de distribuição, as taxas de crescimen-
to nos valores adicionados foram, respectivamente, superiores ou semelhantes às obser-
vadas para a produção primária. No caso dos insumos, verificam-se aumentos expressi-
vos tanto para as lavouras como para a pecuária, especialmente após 1999, o que pare-
ce refletir as alterações na política cambial.
21
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
Ainda que tenha ocorrido uma aproximação dos fatores de multiplicação do PIB da
agropecuária ao do PIB do agronegócio, entre os segmentos familiar e patronal, é eviden-
te, ainda, que as produções desenvolvidas pelos agricultores patronais apresentam rela-
ções mais estreitas com os setores industriais e de serviços. Ou seja, há ainda espaço
para a agregação de valor nos cultivos e criações desenvolvidas pelos agricultores fami-
liares, significando uma participação ainda mais expressiva das cadeias produtivas arti-
culadas à agricultura familiar.
Esse cenário se faz evidente pelo fato de que, no segmento patronal, a participação
da indústria de base agropecuária é da ordem de um terço, enquanto no agronegócio
familiar foi de 22,7%, em 2003. No que concerne às participações dos setores de insumos
e de distribuição, as diferenças são pouco expressivas. Esse descompasso, como já foi
apontado, inexiste no caso da produção animal, em que o segmento industrial respondeu,
em 2003, por 14,9% e 14,7% dos PIBs familiar e patronal, respectivamente. Outra parti-
cularidade da cadeia da produção animal é a maior participação no PIB do setor de insu-
mos, que, em 2003, foi responsável por 10,5% do PIB do agronegócio pecuário, enquan-
to que, nas lavouras, essa participação foi de 4,7%.
A estrutura de composição do PIB dos agronegócios familiar e patronal e sua evolução
recente, discriminadas pelos cultivos e sub-setores industriais, chama a atenção o cresci-
mento vertiginoso da soja, tanto no segmento familiar como no patronal. Em termos de
pecuária, nota-se uma concentração na bovinocultura de corte, nos patronais, e uma maior
diversificação, nos familiares, setores em que se destaca a avicultura e a produção leiteira.
As estimativas do PIB do agronegócio familiar e sua evolução nos últimos oito anos
(1995 a 2003) mostram, claramente, que os pequenos agricultores ou os agricultores
familiares respondem por parcela expressiva da riqueza nacional, ainda mais tendo em
vista a insuficiência de terras, as dificuldades creditícias, o menor aporte tecnológico, a
fragilidade da assistência técnica e a subutilização da mão-de-obra.
Essa relativa punjança decorre, de uma lado, da existência de parcelas importantes
do segmento familiar que se encontram integradas aos setores agroindustriais e da distri-
buição e, de outro, à utilização plena de suas terras. Cabe destacar o quão importante são
esses agricultores nas atividades da pecuária de pequeno porte – altamente articulada com
os setores industriais, na fumicultura e no beneficiamento de produtos alimentares.
Há, por fim, muito espaço para o crescimento do agronegócio familiar, tendo em con-
ta que a amplificação da atividade primária de caráter familiar em direção ao agronegócio é de
menor envergadura do que no segmento patronal, isto é, no caso do Brasil, o PIB da agricul-
tura familiar é multiplicado por 2,8, em 2003. Para se ter o agronegócio, esse fator é de 3,6
para o patronal e já foi da ordem de 4,0, nesse segmento, em meados dos anos 1990.
22 NEAD ESTUDOS 9
O Agronegócio Familiar na Economia
do Rio Grande do Sul
O acompanhamento das evoluções conjunturais e das tendências de longo prazo do
agronegócio é fundamental para os setores público e privado. Na economia globalizada de
hoje, a sobrevivência na agricultura e no agronegócio como um todo depende da informa-
ção de boa qualidade, atualizada e ágil, e que seja produzida com metodologia cientifica-
mente comprovada. Medidas de correção de rumo podem ser sugeridas e tomadas em
tempo oportuno, de modo a prevenir desvios indesejáveis na produção, no emprego, e no
desempenho comercial. Por isso, o desenvolvimento do agronegócio depende do acom-
panhamento da produção, avaliando os itens que detêm maiores destaques.
No caso do Rio Grande do Sul (RS), a agricultura familiar é um segmento de extrema
importância, não só para a economia do agronegócio, mas para própria economia do Es-
tado. Sua importância social, seja pela geração de emprego e ocupação, seja pelo perfil
dos produtos, é bastante notória, especialmente para um Estado cuja maioria das proprie-
dades rurais é administrada por ambientes familiares. Além disso, a própria caracterização
socioeconômica do Estado é bastante associada à produção rural. Nesse contexto, é fun-
damental que detecte a importância do agronegócio familiar, utilizando um método quan-
titativo adequado que possa delinear a evolução da produção familiar.
Assim, a metodologia para o cálculo do PIB do agronegócio familiar, baseada na
mesma técnica empregada no cálculo do agronegócio em geral, apresenta-se como uma
forma de dimensionar e avaliar o agronegócio familiar no Estado do Rio Grande do Sul.
O PIB do Agronegócio Familiar na Economia do RS, 1995 a 2003
Tendo em vista o arcabouço teórico apresentado anteriormente, as análises vincu-
ladas ao PIB podem ser desenvolvidas em diversos níveis de desagregação. Isso porque
o agronegócio foi definido e estimado para dois grandes complexos: a agricultura e a
pecuária, sendo que cada complexo pode ser dividido em quatro componentes principais:
Insumos; O próprio setor; Processamento; e Distribuição e serviços.
23
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
Além da possibilidade de se avaliar cada um dos quatro componentes dentro de
cada um dos dois complexos, outra subdivisão relacionada com o objetivo principal da
pesquisa - a distinção entre o agronegócio familiar e o patronal - torna possível multipli-
car ainda mais as formas de desagregação das análises.
Dada a grande quantidade de combinação das análises, optou-se por desenvolvê-
las através do fluxo apresentado na Figura 2. Cada bloco, na figura, corresponde às pró-
ximas seções. A disposição seqüencial visa, dessa forma, enfocar a distinção entre o
agronegócio familiar e o patronal. Busca-se efetivar a comparação entre as duas catego-
rias usando as ramificações subseqüentemente posicionadas
Na Figura 2, o primeiro bloco de análise corresponde a uma rápida avaliação da
importância do agronegócio e de seus dois grandes complexos, ao longo dos anos de
1995 a 2003. Embora esta seção esteja primordialmente relacionada com o Estado do
Rio Grande do Sul, em algumas análises, os dados desse Estado serão comparados com
os valores do PIB nacional.
O segundo bloco aumenta o grau de detalhamento da análise anterior, ao considerar
aperspectivadoagronegóciofamiliaredopatronal.Noterceirobloco,avalia-seadimensão
e a evolução do desempenho familiar e patronal através dos complexos agrícola e pecuário
e de seus componentes correspondentes. Dentre os quatro componentes principais, o
próprio setor e a indústria são detalhados com maior rigor na quarta e quinta etapas.
No bloco quatro, dentro do complexo agricultura, o estudo do setor agrícola é
detalhado para as culturas de soja, milho, fumo e outras culturas. Ainda dentro da agri-
cultura, a indústria relacionada com esse complexo é subdividida em oito grupos: Ma-
deira e mobiliário; Celulose, papel e gráfica; Indústria têxtil; Artigos do vestuário; Indústria
do fumo; Beneficiamento de produtos vegetais; Fabricação de óleos vegetais; e Outros
produtos alimentares.
Indústrias relacionadas ao beneficiamento de álcool, açúcar, e café não foram
consideradas para a análise do Estado, dada a pequena expressão econômica que esses
complexos agroindustriais possuem.
Da mesma forma que no bloco quatro, o bloco cinco detalha o setor e a indústria,
mas com relação ao complexo da pecuária. O setor pecuário é então subdividido em
cinco grupos: Aves; Bovinos; Leite; Suínos; Outras criações animais. A indústria é subdi-
vidida em outros cinco grupos: Fabricação de calçados; Abate de aves; Abate de bovinos;
Abate de suínos e outros animais; e Indústria de laticínios
.
Desempenho do PIB do RS
O Estado possui 6% da população brasileira, segundo dados do censo demográfi-
co. Entretanto, em termos produtivos, a participação média do PIB do RS no contexto
24 NEAD ESTUDOS 9
Figura 2: Disposição seqüencial das análises para o Rio Grande do Sul
PIB total
Fonte: dados da pesquisa
PIB outros setores
PIB agricultura familiar PIB agricultura patronal
PIB agricultura familiar
Agricultura
4 componentes
Insumos
Setor
Indústria
Distribuição
PIB agricultura patronal
Agricultura
4 componentes
Insumos
Setor
Indústria
Distribuição
PIB agricultura familiar
Pecuária
4 componentes
Insumos
Setor
Indústria
Distribuição
PIB agricultura patronal
Pecuária
4 componentes
Insumos
Setor
Indústria
Distribuição
Indústria
Madeira e mobiliário
Celulose, papel e gráfica
Álcool
Indústria têxtil
Artigos de vestuário
Indústria do café
Indústria do fumo
Beneficiamento de produtos vegetais
Fabricação de açúcar
Fabricação de óleos vegetais
Outros produtos alimentares
PIB agronegócio
Setor
Soja
Milho
Fumo
Outras culturas
Setor Indústria
Setor
Aves
Bovinos
Leite
Suínos
Outros - pecuária
Indústria
Fabricação de calçados
Abate de aves
Abate de bovinos
Abate de suínos e outros
Indústria de laticínios
Gráfico 16: Evolução do PIB (RS e Brasil) e participação do RS no PIB nacional
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
25%
20%
15%
10%
5%
0%
Participação do PIB-RS no PIB Nacional Variação acumulada PIB-RS
Variação acumulada PIB-Brasil
8,0 7,9 8,1 8,0
8,2
8,2
8,3 8,3 8,7
Fonte: dados da pesquisa
Análise5Análise4Análise3
Análise 2
Análise1
25
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
nacional foi de 8,2%, nos anos de 1995 a 2003. Pelo Gráfico 16 é possível notar que o
percentual da participação do PIB do RS, transformado em valores reais, esteve sempre
na faixa de 8%, no período analisado. Mas é necessário destacar que, a partir de 1998,
foram observados acréscimos consecutivos, aumentando a participação do Estado na
economia nacional.
O aumento de 0,7%, na participação do Estado no PIB nacional, registrado nos anos
de 1995 a 2003, deve-se ao maior crescimento da economia do RS do que ao do Brasil.
As linhas do Gráfico 16 demonstram a variação anual acumulada a partir de 1995 1
. No
período, o PIB nacional cresceu 15,9%, enquanto que, para o RS, o aumento foi de 25,1%.
A partir de 1998, os aumentos consecutivos do PIB gaúcho em valores reais refletiram a
evolução econômica do Estado. A média da variação real anual do PIB do RS foi de 3,4%
contra 1,8% do PIB nacional.
Os fatos determinantes do crescimento do PIB do RS, acima do crescimento do PIB
nacional, estão associados principalmente ao desempenho positivo do agronegócio. Pela
Gráfico 17: Evolução do PIB do agronegócio (RS e Brasil) e participação do agronegócio no RS e no Brasil
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
55%
45%
35%
25%
15%
5%
-5%
Participação do agronegócio no PIB - Brasil Participação do agronegócio no PIB - RS
Variação acumulada do PIB do agronegócio - Brasil Variação acumulada do PIB do agronegócio - RS
30,1
Fonte: dados da pesquisa
41,7
28,8
41,8
27,6
39,6 40,2
28,1
42,7
26,9
40,6
27,1
42,8
28,9
45,4
30,6
50,1
1. Nesta seção, todas as análises que utilizam a variação anual acumulada terão o ano de 1995 definido como ano-base.
observação das linhas apresentadas no Gráfico 17, é possível verificar que o crescimen-
to do PIB do agronegócio no RS foi grande, acumulando uma alta de 50,2% no período
de 1995 a 2003. No mesmo gráfico, as colunas demonstram a participação do agronegó-
cio no PIB do RS e do Brasil. No caso do RS, a importância do agronegócio para a eco-
nomia gaúcha parte de 41,7%, em 1995, e atinge o patamar de 50,1%, em 2003. O au-
mento do PIB do agronegócio, associado à sua maior participação na economia do RS,
indica que os complexos agropecuários cresceram mais do que os outros setores da
economia do Estado, especialmente nos anos de 2000 a 2003.
27,8
26 NEAD ESTUDOS 9
Ainda mostra o Gráfico 17 que o percentual acumulado do agronegócio nacional
foi de 16,2% e que as variações se tornaram representativamente positivas após a li-
beralização cambial. Mas, esse aumento não foi muito diferente do crescimento da
economia como um todo (15,9%, mencionado anteriormente), no mesmo período. Por
isso, a participação do agronegócio no PIB brasileiro foi pouco alterada. Apenas no
ano de 2003 (30,6%) houve superação do percentual de participação inicial de 30,1%
(1995). Dando continuidade à análise relativa ao PIB do agronegócio do RS, verifica-se
pelo Gráfico 18 que, dentre os dois grandes complexos que formam o agronegócio,
tanto o PIB do complexo agrícola quanto o pecuário aumentaram nos nove anos estu-
dados. Apresentando uma tendência mais uniforme, a variação acumulada do PIB do
agronegócio da pecuária atingiu 35,2%, enquanto que o PIB do agronegócio agrícola
foi bastante favorecido nos anos após a flexibilização cambial e conseqüente desvalo-
rização do real 2
.
Entre os anos de 1995 a 2003, o percentual de crescimento acumulado do PIB do
agronegócio agrícola foi de 58%, mas, considerando apenas o período de 1999 a 2003,
o acréscimo foi de 45,6%. O aumento mais acentuado foi observado entre 2002 e 2003
- variação anual de 25,4% - referente ao excelente desempenho na produção de grãos
da safra 2002/03. Isso proporcionou o aumento da participação do agronegócio da
agricultura no agronegócio gaúcho para 67,1%, reduzindo a importância da pecuária
para 32,9%.
Gráfico 18: Evolução do PIB do complexo agrícola e pecuário e participação do PIB do agronegócio
agrícola dentro do agronegócio do RS
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
90%
70%
50%
30%
10%
-10%
Participação do complexo agrícola no PIB do agronegócio
Variação acumulada do PIB do complexo agrícola
Variação acumulada do PIB do complexo pecuário
Fonte: dados da pesquisa
2. Tendo em vista que a taxa de câmbio é fator determinante da rentabilidade dos setores voltados ao mercado exterior, em especial
a agricultura brasileira, o fortalecimento da moeda nacional através do Plano Real (1994) e a manutenção do valor do real próximo
ao dólar, até 1998, provocaram uma forte redução nos preços agrícolas. Somente após a adoção do regime de bandas cambiais
flexíveis, em 1999 (maxidesvalorização da moeda e sucessivo controle da volatilidade cambial), e a recuperação dos mercados da
Ásia e da Rússia, o PIB do complexo agrícola foi favorecido, apresentando crescimento significativamente positivo.
63,8 62,7 61,0 61,4 61,9 59,7 61,5 62,1 67,1
27
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
Desempenho dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS
Pela análise anterior, observa-se que o progresso do PIB do RS foi maior que o
nacional. Isso foi proporcionado, principalmente, pelo alto desempenho do agronegócio
gaúcho que, nos anos de 1995 a 2003, registrou um desenvolvimento progressivo do
complexo pecuário e, mais acentuado, para o complexo agrícola, a partir do ano de 2000.
Para explicar esse fato, é necessário compreender quais são as características do agro-
negócio gaúcho e como elas se desenvolveram nos últimos anos.
A comparação entre as participações percentuais do agronegócio familiar e patro-
nal no PIB do RS e do Brasil, demonstrada no Gráfico 19, torna evidente que a contribui-
ção das propriedades definidas como familiares é bastante superior para a economia do
Estado do RS do que para a esfera nacional.
A média da participação do agronegócio familiar do RS (23,5%), no período de
1995 a 2003, é 2,5 vezes superior à da média nacional (9,3%). Quanto ao agronegócio
patronal, as representatividades desse setor são semelhantes, com participação média
de 19,4% para o RS e de 19,1% para o Brasil.
Salienta-se que, com relação ao apresentado no item anterior (Gráfico 17),
a principal explicação para a grande diferença entre a participação do agronegócio
no PIB do Estado do RS e do Brasil é dada, justamente, pela importância do agro-
negócio familiar.
Fonte: dados da pesquisa
Gráfico19:ParticipaçãodoPIBdoagronegóciofamiliarepatronalnoPIBdoRioGrandedoSuledoBrasil
1995
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Participação do PIB dos outros setores Participação do PIB do agronegócio patronal
Participação do PIB do agronegócio familiar
Participações no PIB total
do Rio Grande do Sul
Participações no PIB total
do Brasil
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
58,0
19,0
23,0
58,0
19,0
22,0
60,0
18,0
22,0
60,0
18,0
22,0
57,0
19,0
23,0
59,0
18,0
22,0
57,0
19,0
23,0
55,0
20,0
25,0
50,0
23,0
27,0
70,0
20,0
10,0
71,0
19,0
9,0
72,0
19,0
9,0
72,0
19,0
9,0
72,0
19,0
9,0
73,0
18,0
9,0
73,0
18,0
9,0
71,0
20,0
9,0
69,0
21,0
10,0
28 NEAD ESTUDOS 9
Pela divisão da parcela do agronegócio familiar nos dois grandes complexos: agrí-
cola e pecuário, observa-se, no Gráfico 20, que a participação tanto do complexo familiar
agrícola como do complexo familiar pecuário são equitativamente maiores no agronegó-
cio do RS em relação ao do Brasil.
Com relação à parcela do agronegócio patronal, as proporções são parecidas no
que se refere à pecuária do RS e do Brasil. A maior diferença está vinculada, portanto, à
agricultura. Ou seja, no RS, a importância da agricultura patronal é reduzida, sendo alo-
cada de forma proporcional na agricultura e na pecuária do agronegócio familiar.
Dessa forma, a agricultura familiar admite maior expressividade na economia gaúcha,
e a distribuição do PIB do agronegócio desse Estado é mais uniforme, quando compara-
da à totalidade do País. Os itens a seguir aprimoram as análises à medida que os com-
ponentes que formam os complexos são pormenorizados.
Complexos dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS
O PIB do agronegócio resulta da agregação do PIB do complexo agrícola com o PIB
do complexo pecuário, e cada um é formado por quatro componentes principais - insu-
mo, setor, indústria e distribuição. Nos tópicos a seguir, é apresentada a evolução da
participação de cada componente dentro do PIB de cada complexo, com ênfase na se-
paração entre o que é de origem familiar e o que é patronal, para o RS.
Fonte: dados da pesquisa
Gráfico20:Participações do PIB dos complexos agropecuários familiar e patronal no PIB do RS e do Brasil
1995
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Participação do PIB dos complexo patronal agrícola
Participação do PIB do complexo familiar pecuário Participação do PIB do complexo familiar agrícola
Participações no PIB do agronegócio
do Rio Grande do Sul
Participações no PIB do agronegócio
do Brasil
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Participação do PIB do complexo patronal pecuário
19,0
27,0
18,0
37,0
19,0
27,0
18,0
35,0
20,0
25,0
19,0
36,0
19,0
27,0
19,0
35,0
20,0
26,0
19,0
36,0
21,0
24,0
20,0
35,0
20,0
26,0
19,0
36,0
19,0
25,0
19,0
37,0
16,0
29,0
17,0
38,0
19,0
49,0
11,0
21,0
18,0
49,0
11,0
21,0
18,0
50,0
11,0
22,0
18,0
50,0
12,0
21,0
19,0
48,0
12,0
21,0
19,0
47,0
13,0
20,0
19,0
48,0
13,0
20,0
19,0
49,0
13,0
20,0
18,0
49,0
12,0
21,0
29
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
Componentes dos Complexos Agrícolas Familiar e Patronal do RS
No Estado do RS, as quantias percentuais relacionadas com cada um dos quatro
componentes do agronegócio familiar agrícola são semelhantes àquelas referentes ao
agronegócio patronal. Além disso, no decorrer dos anos, a composição do agronegócio
da agricultura também não foi significativamente alterada. O Gráfico 21 ilustra este fato,
demonstrando a similaridade existente entre os anos e os dois universos da análise.
Essa semelhança indica que a estrutura de organização do setor agrícola e de seus
elos comerciais envolvidos é homogênea no RS. Isso sugere que as atividades produtivas
exercidas nas propriedades rurais consideradas patronais são parecidas com as daquelas
classificadas como familiares.
90%
75%
60%
45%
30%
15%
0%
Fonte: dados da pesquisa
Gráfico 21: Participação dos quatro componentes que formam o agronegócio da agricultura familiar e
patronal do RS
1995
Setor agricultura
Distribuição dos produtos agrícolas Indústria de processamento dos produtos agrícolas
Participações dos componentes no PIB,
no PIB-Familiar-RS
Participações dos componentes no PIB,
no PIB-Patronal-RS
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
2,7 2,5 2,6 2,5 2,6 3,0 3,1 2,7 2,9
Insumos não-agrícolas
36,6
31,4
29,3
33,9
32,3
31,2
34,4
31,9
31,0
33,9
32,3
31,2
29,1
33,4
34,9
30,6
32,6
33,7
32,1
32,1
32,7
29,3
33,3
34,6
31,7
33,7
31,8
2,7 2,7 2,7 2,8 3,5 3,6 3,7 3,5 3,5
32,9
31,8
32,5
31,4
32,5
33,4
31,8
31,7
33,8
32,6
31,5
33,1
34,3
30,2
32,0
31,5
30,5
34,4
34,2
29,8
32,2
33,0
30,8
32,7
33,5
31,5
31,4
Componentes dos Complexos Pecuários Familiar e Patronal do RS
Diferentemente do complexo agrícola, as quantias percentuais, relacionadas com
cada um dos quatro componentes do agronegócio familiar pecuário, são bastante dis-
tintas daquelas referentes ao agronegócio patronal. Outra diferença do complexo agrí-
cola está na composição do agronegócio da pecuária, haja vista que ela foi alterada no
decorrer dos últimos anos. O Gráfico 22 ilustra esses fatos, tornando explícita a grande
diferença observada no setor da produção pecuária familiar e na patronal.
30 NEAD ESTUDOS 9
Ao contrário da análise anterior, para o complexo agrícola, a estrutura de organi-
zação do setor pecuário e de seus elos comerciais envolvidos não é homogênea. A pre-
dominância das atividades produtivas exercidas nas propriedades rurais consideradas
patronais não é parecida com as daquelas classificadas como familiares.
Se, por um lado, a maior parte do setor da pecuária patronal está embasada na
criação extensiva de gado, por outro lado, o setor da pecuária familiar contém em sua
maior parte criações intensificadas. Plantéis com alta densidade, que exigem maiores
quantidades de insumos e que produzem mais, quando comparados aos rebanhos cria-
dos a pasto. Por esse motivo, a demanda por insumos e o destino da produção do setor
da pecuária familiar são diferentes do setor da pecuária patronal.
Evolução dos Componentes dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS
Os Gráficos 23 e 24 demonstram o desenvolvimento do PIB, a partir de 1995, de
cada componente.
Buscando as informações da seção anterior, sabe-se que os componentes do com-
plexo agrícola: indústria, distribuição e o próprio setor agrícola têm representatividades
equivalentes. Assim o crescimento semelhante mostrado no Gráfico 23, especialmente
para a agricultura patronal, permite inferir que esses três segmentos da economia do RS
devam ser bastante relacionados, dado que o crescimento de um dos setores implica
90%
75%
60%
45%
30%
15%
0%
Fonte: dados da pesquisa
Gráfico 22: Participação dos quatro componentes que formam o agronegócio da pecuária familiar e
patronal do RS
1995
Setor: pecuária
Distribuição dos produtos pecuários Indústria de processamento dos produtos pecuários
Participações dos componentes no PIB,
no PIB-Familiar-RS
Participações dos componentes no PIB,
no PIB-Patronal-RS
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
4,5 4,7 4,8 4,8 5,5 5,9 6,0 6,8 7,4
Insumos não-pecuários
2,8 3,1 3,4 3,5 3,8 4,2 4,3 5,0 5,4
42,5
33,0
20,0
42,5
33,0
19,8
43,2
32,9
19,1
43,7
32,7
18,8
43,4
32,3
18,8
44,3
31,6
18,1
43,9
31,7
18,3
44,1
31,5
17,6
45,9
29,9
16,8
22,1
41,9
33,2
23,1
41,3
32,5
26,1
40,1
30,3
27,0
39,8
29,7
25,2
40,4
30,6
26,3
39,3
30,2
26,3
39,2
30,2
27,4
38,0
29,6
28,2
38,2
28,2
31
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
mudanças diretas nos outros. O fornecimento de insumos, por exemplo, apresentou a
maior alta acumulada até 2003, mas não foi o principal elemento responsável pelo bom
desempenho do complexo agrícola, dada a sua menor representatividade. O seu cresci-
mento está associado à maior demanda do setor da produção rural.
Quanto ao complexo pecuário, novamente o fornecimento de insumos teve maior
destaque, chegando a duplicar sua importância relativa quanto ao PIB dos outros com-
ponentes do complexo do pecuário. Mas o destaque maior se dá pelo aumento do pró-
prio setor pecuário, tornando-se mais expressivo tanto no universo do agronegócio fa-
miliar quanto no do patronal.
Insumos Setor: agricultura Indústria Distribuição
Gráfico 23: Variação acumulada dos quatro componentes que formam o agronegócio da agricultura
familiar e patronal do RS
120%
100%
80%
60%
40%
20%
0%
-20%
Variação acumulada do PIB dos componentes
da agricultura familiar
Variação acumulada do PIB dos componentes
da agricultura patronal
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Insumos Setor: pecuária Indústria Distribuição
Gráfico 24: Variação acumulada dos quatro componentes que formam o agronegócio da pecuária
familiar e patronal do RS
160%
120%
100%
80%
60%
40%
20%
0%
-20%
Variação acumulada do PIB dos componentes
da pecuária familiar
Variação acumulada do PIB dos componentes
da pecuária patronal
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Fonte: dados da pesquisa
32 NEAD ESTUDOS 9
O Setor e a Indústria Agrícolas do RS
Os Gráficos 25 e 26 detalham o PIB do componente setor agrícola, demonstrando
a participação das culturas de soja, milho, fumo e das culturas restantes. Pelos dois grá-
ficos, pode-se constatar que os percentuais do PIB gerado pela soja são parecidos. No
caso do item outras culturas, referente à agricultura patronal, os valores estão em média
17 pontos percentuais maiores, devido à diferença ocasionada pela menor produção
percentual de milho (cerca de 3 pontos percentuais) e irrelevância, também percentual,
da fumicultura, nas propriedades patronais.
A produção de fumo corresponde a 12% do PIB médio do setor agrícola familiar e
7% quando considerado o PIB total do complexo agrícola. Nesse grau de desagregação,
o fumo é o produto que determina a marcante diferença entre estrutura agrícola familiar
e patronal. Através das linhas, nos Gráficos 25 e 26, são expostas as variações acumula-
das do PIB das culturas de soja, milho, fumo e outras culturas. Nesses gráficos, a inter-
pretação das variações deve ser realizada pelo eixo da direita.
Comparando os dois tipos de agricultura (familiar e patronal) nota-se que as varia-
ções do PIB das culturas são parecidas. Excetuando a cultura da soja, nenhuma delas
ultrapassa a faixa de 50% de aumento. As tendências de crescimento da produção de
soja são parecidas, mas o incremento na agricultura patronal, até 2003, é quase três
Gráfico 25: Participação de algumas culturas que formam o setor da agricultura familiar no RS e as
respectivas variações acumuladas do PIB
200%
150%
100%
50%
0%
-50%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Variação acumulada do PIB da lavoura: soja
Variação acumulada do PIB da lavoura: fumo
Variação acumulada do PIB da lavoura: milho
Variação acumulada do PIB da lavoura: outras culturas
10,3
7,5
13,1
69,1
12,6
5,8
14,4
67,2
14,7
6,0
17,4
62,0
11,6
7,0
18,0
63,4
13,3
5,9
13,7
67,1
12,7
8,0
15,6
63,7
10,9
7,3
21,3
60,5
12,2
7,0
20,8
60,0
9,9
7,5
27,1
55,5
Fonte: dados da pesquisa
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Fumo Milho Soja Outras culturas
33
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
vezes maior que a produção de 1995, enquanto que na agricultura familiar o incremento
também foi alto, mas menor, com a produção sendo elevada a um patamar duas vezes
maior. Em ambos os casos, basicamente, a cultura da soja foi a principal responsável
pelo crescimento do PIB do setor agrícola, dentro do complexo da agricultura.
As mudanças ocorridas nos anos de 1995 a 2003, na indústria de processamento
da produção agrícola familiar, podem ser avaliadas pela Tabela 1.
Dentre as indústrias, as que mais se destacaram no período analisado foram a in-
dústria do fumo, a de beneficiamento de produtos vegetais e a de fabricação de óleos
vegetais. Conforme os Gráficos 25 e 26, o PIB de todos os cultivos apresentaram aumen-
tos percentuais de forma a estimular também a indústria de beneficiamento desses
Tabela 1: Variações acumuladas do PIB das indústrias vinculadas à agricultura familiar do RS (em %)
Variação acumulada do PIB da indústria 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Madeira e mobiliário 3,3 10,1 1,5 7,4 33,6 37,9 36,5 16,0
Celulose, papel e gráfica -20,2 -21,6 -11,5 -9,1 -3,5 -10,3 8,9 22,5
Indústria têxtil -26,2 -32,1 -52,2 -59,4 -50,7 -62,4 -64,5 -66,0
Artigos de vestuário -20,5 -46,2 -66,0 -76,2 -69,7 -80,2 -81,8 -87,7
Indústria do fumo 8,8 41,8 30,5 127,6 88,8 122,6 162,9 116,10
Beneficiamento produtos vegetais 4,6 -7,7 0,2 2,2 -10,7 -18,4 31,2 127,0
Fabricação de óleos vegetais -1,3 -2,4 2,1 -26,2 -35,6 -6,5 -2,5 67,1
Outros produtos alimentares -2,1 -20,4 -15,5 0,2 12,5 9,8 -3,2 4,8
Fonte: dados da pesquisa
Gráfico 26: Participação de algumas culturas que formam o setor da agricultura patronal no RS e as
respectivas variações acumuladas do PIB
300%
250%
200%
150%
100%
50%
0%
-50%
-100%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Variação acumulada do PIB da lavoura: soja
Variação acumulada do PIB da lavoura: fumo
Fumo* Milho Soja Outras culturas
Variação acumulada do PIB da lavoura: milho
Variação acumulada do PIB da lavoura:outras culturas
4,1
10,7
84,8
3,0
11,6
84,9
3,1
14,7
81,6
3,3
15,1
81,2
2,4
10,6
86,7
3,7
13,7
82,1
4,3
18,8
76,5
3,2
19,2
77,2
24,6
71,8
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
3,2
* O fumo não aparece no gráfico de colunas em função de sua baixa participação (0,3%).
Fonte: dados da pesquisa
34 NEAD ESTUDOS 9
produtos. Os bruscos aumentos verificados entre os anos de 2002 e 2003, para o bene-
ficiamento e a fabricação de óleos vegetais, são conseqüência direta da absorção da
produção excepcional de soja da safra do mesmo período pelo setor industrial.
Para a agricultura familiar do RS, a indústria de fumo assume a maior importância rela-
tiva, devido à expressiva agregação de valor, durante a industrialização do produto fumo.
Novamente, agora no contexto patronal, as indústrias que tiveram maior cresci-
mento do PIB foram aquelas ligadas com a produção de soja - a indústria de beneficia-
mento de produtos vegetais e a de fabricação de óleos vegetais. (Tabela 2) Da mesma
forma, acentuados aumentos entre os anos de 2002 a 2003 foram observados no PIB
dessas indústrias, sendo que suas respectivas participações relativas aumentaram suces-
sivamente a partir de 2000.
Tabela 2: Variações acumuladas do PIB das indústrias vinculadas à agricultura patronal do RS (em %)
Variação acumulada do PIB da indústria 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Madeira e mobiliário 18,0 34,8 21,4 26,9 54,8 58,6 50,3 38,4
Celulose, papel e gráfica -10,2 -6,2 3,9 5,5 10,0 1,6 18,6 43,2
Indústria têxtil -4,5 15,7 23,8 41,1 58,3 76,5 58,4 74,3
Artigos de vestuário 1,6 -10,3 -14,8 -20,3 -6,3 -11,0 -22,1 -39,7
Indústria do fumo 8,3 39,0 19,0 116,4 80,0 117,0 148,7 99,0
Beneficiamento de produtos vegetais 7,5 -10,7 -2,9 -1,3 -15,7 -7,8 28,1 123,9
Fabricação de óleos vegetais 3,7 -0,5 12,2 -14,6 -28,6 9,4 20,8 113,3
Outros produtos alimentares 0,8 -17,7 -13,1 1,9 -9,4 0,8 -7,2 -3,0
Fonte: dados da pesquisa
O Setor e a Indústria Pecuários do RS
Os Gráficos 27 e 28 apresentam a participação do PIB das criações no setor pecuário,
relativas aos agronegócios familiar e patronal. Observa-se que as parcelas percentuais deter-
minadas para cada tipo de criação são diferentes. A suinocultura é responsável pela maior
parcela do PIB do agronegócio pecuário familiar (em média, 30%), mas a importância das ou-
tras categorias pecuárias é distribuída de forma semelhante entre o restante das criações.
No agronegócio patronal, a bovinocultura de corte assume a maior parcela de re-
presentatividade, sendo superior à soma de todas as outras criações. A importância do
setor leiteiro é bastante reduzida, quando comparada à do universo familiar. Entretanto,
a maior variação acumulada do PIB do setor pecuário tanto para o agronegócio familiar
como patronal corresponde ao desenvolvimento da produção de gado de corte. Apenas
no último ano (2003), houve variação negativa do PIB da bovinocultura de corte, que pode
estar associada com a destinação de áreas de pastoreio para o cultivo de soja.
A indústria vinculada ao complexo da pecuária no RS não teve um desempenho
tão bom quanto o setor de produção do complexo pecuário. (Gráfico 24) Nos gráficos
35
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
29 e 30 constata-se, através da observação das linhas e do eixo correspondente, à es-
querda, que apenas a indústria de abate de aves acumulou um expressivo aumento,
modificando também sua participação tanto no PIB do agronegócio familiar quanto no
patronal.
Gráfico 27: Participação das criações que formam o setor da pecuária familiar no RS e as respectivas
variações acumuladas do PIB
100%
80%
60%
40%
20%
0%
-20%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Variação acumulada do PIB: aves
Variação acumulada do PIB: leite
Outros - pecuária Suínos Leite Bovinos Aves
Variação acumulada do PIB: bovinos
Variação acumulada do PIB: suínos
Variação acumulada do PIB:
outros - pecuária
Fonte: dados da pesquisa
5,9
32,5
21,7
17,3
22,6
5,6
30,5
21,6
19,1
23,2
6,4
29,8
19,5
22,1
22,1
6,4
30,3
19,2
22,2
21,9
5,9
32,3
18,7
22,8
21,4
5,6
31,7
19,6
22,6
20,6
5,7
32,0
18,4
22,6
21,2
5,7
28,6
19,7
22,9
23,1
5,9
27,8
21,0
20,6
24,7
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Gráfico 28: Participação das criações que formam o setor da pecuária patronal no RS e as respectivas
variações acumuladas do PIB
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Variação acumulada do PIB: aves
Variação acumulada do PIB: leite
Outros - pecuária Suínos Leite Bovinos Aves
Variação acumulada do PIB: bovinos
Variação acumulada do PIB: suínos
Variação acumulada do PIB:
outros - pecuária
Fonte: dados da pesquisa
5,7
22,7
5,5
48,7
17,4
5,4
21,3
5,6
51,0
16,3
6,2
20,1
4,9
54,3
14,5
6,2
20,1
4,8
54,7
14,3
53,8
14,2
5,7
4,6
21,7
55,6
13,2
5,4
4,7
21,1
56,9
12,1
5,6
4,3
21,1
57,7
13,2
5,9
4,5
18,7
55,6
15,0
6,0
4,5
19,0
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
36 NEAD ESTUDOS 9
Gráfico 29: Participação das criações que formam o setor da pecuária familiar no RS e as respectivas
variações acumuladas do PIB
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
-10%
-20%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Indústria de laticínios Abate de suínos e outros Abate de bovinos Abate de aves Fabricação de calçados
Variação acumulada do PIB da indústria de fabricação de calçados
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de bovinos
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de aves
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de suínos e outros
Variação acumulada do PIB da indústria de laticínios
29,7
32,4
8,6
14,4
14,9
30,1
30,8
9,6
15,0
14,5
28,7
31,8
11,7
15,1
12,8
28,3
32,8
10,8
15,6
12,4
26,6
31,3
12,0
16,3
13,8
28,5
30,0
11,3
15,9
14,2
27,8
32,9
8,7
16,4
14,1
27,1
32,9
7,8
18,1
14,0
27,1
30,3
9,1
20,8
12,8
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
Gráfico 30: Participação das criações que formam o setor da pecuária patronal no RS e as respectivas
variações acumuladas do PIB
Indústria de laticínios* Abate de suínos e outros Abate de bovinos Abate de aves Fabricação de calçados
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
-10%
-20%
-30%
1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003
Variação acumulada do PIB da indústria de fabricação de calçados
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de bovinos
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de aves
Variação acumulada do PIB da indústria de abate de suínos e outros
Variação acumulada do PIB da indústria de laticínios
78.0 76,5 71,8
71,9
72,9 74,5
76,6
77,2 74,3
7,5 7,5 8,6 9,1 7,9 7,5 8,3 8,4 8,0
10,5 11,8 15,3 14,5 14,8
13,8 11,1 10,0
12,4
5,2
4,33,84,14,34,44,2
4,03,9
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
* A indústria de laticínios não aparece no gráfico de colunas em função de sua baixa participação (0,1%).
Fonte: dados da pesquisa
37
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
O Gráfico 28 reflete, nas participações das indústrias, a mesma importância das
criações do setor de produção. Ou seja, a indústria de abate de suínos é tão importante
para o PIB da indústria do complexo pecuário quanto a criação de suínos é para o PIB do
setor de produção pecuário. O mesmo ocorre de forma aproximada para as demais in-
dústrias. Deve-se considerar, no entanto, que a produção da bovinocultura é destinada
para a indústria de abate de bovinos e a de fabricação de calçados.
Nota-se, portanto, que a indústria pecuária do agronegócio familiar é bastante
relacionada com o setor de produção. Mas isso não ocorre da mesma maneira no agro-
negócio patronal. A fabricação de calçados somada à indústria de abate de bovinos
abrangem quase que a totalidade do PIB da indústria do complexo pecuário.
Comentários Finais
O panorama do Rio Grande do Sul constitui-se num caso à parte do Brasil, ou seja,
a sua estrutura produtiva mostra-se diferente daquela observada na economia brasileira,
assim como o complexo do agronegócio, que possui um peso muito maior na economia
gaúcha, chegando a 50,1%, em 2003. No caso do agronegócio familiar, enquanto no
Brasil este participa com aproximadamente 33% do agronegócio total, no RS a partici-
pação encontra-se ao redor de 55%.
Dentre os dois grandes complexos que formam o agronegócio, tanto o PIB do
complexo agrícola quanto o do pecuário aumentaram nos nove anos estudados. Apre-
sentando uma tendência mais uniforme, a variação acumulada do PIB do agronegócio da
pecuária atingiu 35,2%, enquanto que o PIB do agronegócio agrícola foi bastante favore-
cido nos anos após a flexibilização cambial e conseqüente desvalorização do real
Entre os anos de 1995 e 2003, o percentual de crescimento acumulado do PIB do
agronegócio agrícola foi de 58%, mas, considerando apenas o período de 1999 a 2003, o
acréscimo foi de 45,6%. O aumento mais acentuado foi observado entre 2002 e 2003 - va-
riação anual de 25,4% - referente ao excelente desempenho na produção de grãos da safra
2002/03. Isso proporcionou o aumento da participação do agronegócio da agricultura no
agronegócio gaúcho para 67,1%, reduzindo a importância da pecuária para 32,9%.
Pela comparação entre as participações percentuais do agronegócio familiar e do
patronal no PIB do RS e do Brasil, torna-se evidente que a contribuição das propriedades
definidas como familiares é bastante superior para a economia do Estado do RS do que
para a esfera nacional.
A média da participação do agronegócio familiar do RS (23,5%) no PIB do Estado,
no período de 1995 a 2003, é 2,5 vezes superior à da média nacional (9,3%). Quanto ao
agronegócio patronal, as representatividades desse setor são semelhantes, com partici-
pação média de 19,4% para o PIB do RS e 19,1% para o PIB do Brasil.
38 NEAD ESTUDOS 9
Pela divisão da parcela do agronegócio familiar nos dois grandes complexos: agrí-
cola e pecuário, observa-se que a participação tanto do complexo familiar agrícola como
do complexo familiar pecuário são equitativamente maiores no agronegócio do RS em
relação ao Brasil.
Com relação à parcela do agronegócio patronal, as proporções são parecidas no que
dizem respeito à pecuária do RS e do Brasil. A maior diferença está vinculada, portanto, à
agricultura. Ou seja, no RS, a importância da agricultura patronal é reduzida, sendo aloca-
da de forma proporcional na agricultura e na pecuária do agronegócio familiar.
Dessa forma, a agricultura familiar admite maior expressividade na economia gaúcha,
e a distribuição do PIB do agronegócio desse Estado é mais uniforme, quando compara-
da à totalidade do País.
O PIB do agronegócio resulta da agregação do PIB do complexo agrícola com o PIB
do complexo pecuário, sendo que cada um é formado por quatro componentes principais
- insumo, setor, indústria e distribuição.
No Estado do RS, as quantias percentuais relacionadas com cada um dos quatro
componentes do agronegócio familiar agrícola são semelhantes àquelas referentes ao
agronegócio patronal. Além disso, no decorrer dos anos, a composição do agronegócio
da agricultura também não foi significativamente alterada.
Essa semelhança indica que a estrutura de organização do setor agrícola e de seus
elos comerciais envolvidos é homogênea no RS. Isso sugere que as atividades produtivas
exercidas nas propriedades rurais consideradas patronais são parecidas com as daquelas
classificadas como familiares.
O Estado do RS tem peculiaridades que possibilitam esse tipo de êxito rural. Fato-
res inerentes à forma de colonização e à herança cultural de povos europeus capacitaram
os produtores a desenvolverem formas de associativismo, permitindo que pequenas
unidades produtoras possam competir com as grandes propriedades. Isso porque os
ganhos de escala obtidos nas grandes propriedades (especialmente devido ao serviço do
maquinário agrícola) não são tão discrepantes. A cooperação mútua entre pequenos
produtores e a disponibilidade de serviços agrícolas de forma terceirizada, nos mercados
locais, supre esse tipo de demanda da produção familiar e reduz a diferença de rentabi-
lidade que existe entre os cultivos em pequena e em larga escala.
Diferentemente do complexo agrícola, as quantias percentuais relacionadas com
cada um dos quatro componentes do agronegócio familiar pecuário são bastante distintas
daquelas referentes ao agronegócio patronal. Essa diferença ocorre devido às característi-
cas inerentes a cada tipo de criação animal. A bovinocultura de corte é tradicionalmente
extensiva no RS. Devido à abundância de regiões formadas por campos nativos e de terras
pouco interessantes para a agricultura, a produção de bovinos foi estabelecida de forma a
ocupar grandes áreas. Na análise mais aprofundada do setor pecuário, é possível observar
39
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
que enquanto o PIB do setor pecuário familiar é bem distribuído para as criações de suínos,
aves, bovinocultura de corte e de leite; a proporção do PIB, no setor pecuário patronal,
gerada pela criação de gado para corte, é muito superior às demais.
As criações como aves e suínos, são, pelo contrário, altamente intensivas em área
e capital. Geralmente, são desenvolvidas em propriedades menores e por isso não são
excluídas de imediato da classificação associada à propriedade familiar. É possível veri-
ficar que a proporção do PIB da suinocultura em relação à pecuária familiar é a maior
(aproximadamente 30%). Avicultura, bovinocultura para corte e para leite têm níveis de
importância parecidos, ao redor de 20%.
Se, por um lado, a maior parte do setor da pecuária patronal está embasada na
criação extensiva de gado, por outro lado, o setor da pecuária familiar contém em sua
maior parte criações intensificadas. Plantéis com alta densidade, que exigem maiores
quantidades de insumos e que produzem mais, quando comparados aos rebanhos cria-
dos a pasto. Por esse motivo, a demanda por insumos e o destino da produção do setor
da pecuária familiar são diferentes do setor da pecuária patronal.
Dentre as indústrias, as que mais se destacaram no período analisado foram: a
indústria do fumo, a de beneficiamento de produtos vegetais, e a de fabricação de óleos
vegetais. O PIB de todos os cultivos apresentaram aumentos percentuais de forma a
estimular também a indústria de beneficiamento desses produtos. Os bruscos aumentos,
verificados entre os anos de 2002 a 2003 para o beneficiamento e a fabricação de óleos
vegetais, são conseqüência direta da absorção da produção excepcional de soja da safra
2002/03 pelo setor industrial.
Para a agricultura familiar do RS, a indústria de fumo assume maior importância rela-
tiva, devido à expressiva agregação de valor, durante a industrialização do produto fumo.
No caso da agricultura patronal, a participação dessa indústria é pouco significante. Esses
opostos são devidos ao condicionamento do setor industrial com o setor da produção rural.
Novamente, agora no contexto patronal, as indústrias que tiveram maior crescimento do
PIB foram aquelas ligadas à produção de soja - a indústria de beneficiamento de produtos
vegetais e a de fabricação de óleos vegetais. Da mesma forma, acentuados aumentos, entre
os anos de 2002 a 2003, foram observados no PIB dessas indústrias, sendo que suas res-
pectivas participações relativas aumentaram sucessivamente, a partir de 2000.
A suinocultura é responsável pela maior parcela do PIB do agronegócio pecuário
familiar (em média 30%), mas a importância das outras categorias pecuárias é distribuída
de forma semelhante entre o restante das criações.
No agronegócio patronal, a bovinocultura de corte assume a maior parcela de re-
presentatividade, sendo superior à soma de todas as outras criações. A importância do
setor leiteiro é bastante reduzida, quando comparada à do universo familiar. Ainda, a
redução do crescimento do PIB do complexo pecuário patronal, no último ano (2003),
40 NEAD ESTUDOS 9
advém da variação negativa do PIB da bovinocultura de corte, que pode estar associada
à destinação de áreas de pastoreio para o cultivo de soja.
A indústria vinculada ao complexo da pecuária no RS não teve um desempenho
tão bom quanto o setor de produção do complexo pecuário. Constata-se que apenas a
indústria de abate de aves acumulou um expressivo aumento modificando também sua
participação tanto no PIB do agronegócio familiar quanto no patronal.
A indústria de abate de suínos é tão importante para o PIB da indústria do comple-
xo pecuário quanto a criação de suínos é para o PIB do setor de produção pecuário. O
mesmo ocorre, de forma aproximada, para as demais indústrias. Deve-se considerar, no
entanto, que a produção da bovinocultura é destinada para a indústria de abate de bo-
vinos e para a de fabricação de calçados.
Nota-se, portanto, que a indústria pecuária do agronegócio familiar é bastante
relacionada com o setor de produção. Mas isso não ocorre da mesma maneira no agro-
negócio patronal. A fabricação de calçados somada à indústria de abate de bovinos
abrange quase que a totalidade do PIB da indústria do complexo pecuário.
As estimativas do PIB do agronegócio familiar e sua evolução nos últimos oito anos
(1995 a 2003) mostram, claramente, que os pequenos agricultores ou os agricultores
familiares respondem por parcela expressiva da riqueza nacional, ainda mais tendo em
vista a insuficiência de terras, as dificuldades creditícias, o menor aporte tecnológico, a
fragilidade da assistência técnica e a subutilização da mão-de-obra.
Essa relativa punjança decorre, de uma lado, da existência de parcelas importantes
do segmento familiar que se encontram integradas aos setores agroindustriais e da distri-
buição e, de outro, à utilização plena de suas terras. Cabe destacar o quão importante são
esses agricultores nas atividades da pecuária de pequeno porte – altamente articulada com
os setores industriais, na fumicultura e no beneficiamento de produtos alimentares.
Há, por fim, muito espaço para o crescimento do agronegócio familiar, tendo em
conta que a amplificação da atividade primária de caráter familiar em direção ao agrone-
gócio é de menor envergadura que no segmento patronal, isto é, no caso do Brasil, o PIB
da agricultura familiar é multiplicado por 2,8, em 2003. Para se ter o agronegócio, esse
fator é de 3,6 para o patronal e já foi da ordem de 4,0 no segmento patronal em meados
dos anos de 1990. Para o caso do Rio Grande do Sul, apesar de os valores para a agricul-
tura familiar e para a patronal estarem mais próximos, em 2003 foram de 2,8 para a
agricultura familiar e de 3,2 para a patronal, eles ainda mostram uma maior agregação de
valor no agronegócio patronal do que no familiar.
41
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
Um novo projeto de desenvolvimento para o país
passa pela transformação do meio rural num espaço
com qualidade de vida, acesso a direitos,
sustentabilidade social e ambiental.
Ampliar e qualificar as ações de reforma agrária, as
políticas de fortalecimento da agricultura familiar,
de promoção da igualdade e
do etnodesenvolvimento das comunidades rurais
tradicionais. Esses são os desafios que orientam
as ações do Núcleo de Estudos Agrários e
Desenvolvimento Rural (NEAD), órgão
do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA)
voltado para a produção e difusão
de conhecimento que subsidia as políticas
de desenvolvimento rural.
Trata-se de um espaço de reflexão, divulgação e
articulação institucional com diferentes centros
de produção de conhecimento sobre o meio rural,
nacionais e internacionais, como núcleos
universitários, instituições de pesquisa, organizações
não-governamentais, centros
de movimentos sociais, agências de cooperação.
Em parceria com o Instituto Interamericano
de Cooperação para a Agricultura (IICA),
o NEAD desenvolve um projeto de cooperação
técnica intitulado “Apoio às Políticas e
à Participação Social no Desenvolvimento Rural
Sustentável”, que abrange um conjunto
diversificado de ações de pesquisa,
intercâmbio e difusão.
42 NEAD ESTUDOS 9
Eixos articuladores
Construção de uma rede rural de cooperação
técnica e científica para o desenvolvimento
Democratização ao acesso às informações e
ampliação do reconhecimento social da
reforma agrária e da agricultura familiar
O NEAD busca também:
Estimular o processo de autonomia social
Debater a promoção da igualdade
Analisar os impactos dos acordos comerciais
Difundir a diversidade cultural dos diversos
segmentos rurais
Projeto editorial
O projeto editorial do NEAD abrange publicações das
séries Estudos NEAD, NEAD Debate, NEAD Especial
e NEAD Experiências, o Portal NEAD e o boletim
NEAD Notícias Agrárias.
Publicações
Reúne estudos elaborados pelo NEAD,
por outros órgãos do MDA e organizações
parceiras sobre variados aspectos
relacionados ao desenvolvimento rural.
Inclui coletâneas, traduções,
reimpressões, textos clássicos,
compêndios, anais de congressos
e seminários.
Apresenta temas atuais relacionados
ao desenvolvimento rural que estão na
agenda dos diferentes atores sociais ou
que estão ainda pouco divulgados.
Difunde experiências e iniciativas
de desenvolvimento rural
a partir de textos dos
próprios protagonistas.
43
AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA:
BRASIL E RIO GRANDE DO SUL
Portal
Um grande volume de dados é atualizado
diariamente na página eletrônica
www.nead.org.br, estabelecendo, assim, um canal
de comunicação entre os vários setores interessados
na temática rural. Todas as informações coletadas
convergem para o Portal NEAD e são divulgadas por
meio de diferentes serviços.
A difusão de informações sobre o meio rural contam
com uma biblioteca virtual temática integrada ao
acervo de diversas instituições parceiras. Um catálogo
on-line também está disponível no portal para
consulta de textos, estudos, pesquisas, artigos e
outros documentos relevantes no debate nacional e
internacional.
Boletim
Para fortalecer o fluxo de informações entre os diversos
setores que atuam no meio rural, o NEAD publica,
semanalmente, o boletim NEAD Notícias Agrárias.
O informativo é distribuído para mais de 10 mil
usuários, entre pesquisadores, professores,
estudantes, universidades, centros de pesquisa,
organizações governamentais e não-governamentais,
movimentos sociais e sindicais, organismos
internacionais e órgãos de imprensa.
Enviado todas as sextas-feiras, o boletim traz notícias
atualizadas sobre estudos e pesquisas, políticas de
desenvolvimento rural, entrevistas, experiências,
acompanhamento do trabalho legislativo, cobertura
de eventos, além de dicas e sugestões de textos para
fomentar o debate sobre o mundo rural.
Visite o Portal www.nead.org.br
nead@nead.gov.br – Telefone: (61) 3328 8661
SCN Quadra 1, Bloco C, Ed. Brasília Trade Center, 5º andar, sala 506
Brasília (DF) CEP 70711–901
Agricultura familiar na economia: Brasil e Rio Grande do Sul

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
Universidade Estadual de Santa Cruz
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2022/2023
Cartilha de Orientação do PRONAF 2022/2023Cartilha de Orientação do PRONAF 2022/2023
Cartilha de Orientação do PRONAF 2022/2023
FETAEP
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
igor-oliveira
 
Apostila UC 06 administração rural
Apostila UC 06 administração ruralApostila UC 06 administração rural
Apostila UC 06 administração rural
ItniaArajo
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
Bruno Rodrigues
 
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola SustentávelSistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
AgriculturaSustentavel
 
eco aula 2 - A administracão rural e o agronegócio
eco aula 2 - A administracão rural e o agronegócioeco aula 2 - A administracão rural e o agronegócio
eco aula 2 - A administracão rural e o agronegócio
Carol Castro
 
Tecnologias para agricultura familiar
Tecnologias para agricultura familiarTecnologias para agricultura familiar
Tecnologias para agricultura familiar
Alexandre Panerai
 
Políticas Agrícolas
Políticas AgrícolasPolíticas Agrícolas
Políticas Agrícolas
Geagra UFG
 
1 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 031 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 03
Agronegócios
 
Agricultura familiar
Agricultura familiarAgricultura familiar
Agricultura familiar
gikapp88
 
O MERCADO E A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS
O MERCADO E A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLASO MERCADO E A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS
O MERCADO E A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS
Matheus Matheus
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
Barreiras Comerciais
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
UERGS
 
Aula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamentoAula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamento
fabio schwab
 
Cadeias produtivas apresentação Angelo Prochmann
Cadeias produtivas   apresentação Angelo ProchmannCadeias produtivas   apresentação Angelo Prochmann
Cadeias produtivas apresentação Angelo Prochmann
Angelo Prochmann
 
Sistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastorilSistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastoril
Vanderlei Holz Lermen
 
Apresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura FamiliarApresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura Familiar
Claudio Bomfim
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
MateusGonalves85
 

Mais procurados (20)

Agricultura familiar iica
Agricultura familiar   iicaAgricultura familiar   iica
Agricultura familiar iica
 
Cartilha de Orientação do PRONAF 2022/2023
Cartilha de Orientação do PRONAF 2022/2023Cartilha de Orientação do PRONAF 2022/2023
Cartilha de Orientação do PRONAF 2022/2023
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
 
Apostila UC 06 administração rural
Apostila UC 06 administração ruralApostila UC 06 administração rural
Apostila UC 06 administração rural
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
 
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola SustentávelSistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
 
eco aula 2 - A administracão rural e o agronegócio
eco aula 2 - A administracão rural e o agronegócioeco aula 2 - A administracão rural e o agronegócio
eco aula 2 - A administracão rural e o agronegócio
 
Tecnologias para agricultura familiar
Tecnologias para agricultura familiarTecnologias para agricultura familiar
Tecnologias para agricultura familiar
 
Políticas Agrícolas
Políticas AgrícolasPolíticas Agrícolas
Políticas Agrícolas
 
1 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 031 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 03
 
Agricultura familiar
Agricultura familiarAgricultura familiar
Agricultura familiar
 
O MERCADO E A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS
O MERCADO E A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLASO MERCADO E A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS
O MERCADO E A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS AGRÍCOLAS
 
Panorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileiraPanorama da fruticultura brasileira
Panorama da fruticultura brasileira
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
 
Aula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamentoAula extensão rural planejamento
Aula extensão rural planejamento
 
Cadeias produtivas apresentação Angelo Prochmann
Cadeias produtivas   apresentação Angelo ProchmannCadeias produtivas   apresentação Angelo Prochmann
Cadeias produtivas apresentação Angelo Prochmann
 
Sistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastorilSistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastoril
 
Apresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura FamiliarApresentação - Agricultura Familiar
Apresentação - Agricultura Familiar
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 

Destaque

Plano Safra 2012- 2013 MDA
Plano Safra 2012- 2013 MDAPlano Safra 2012- 2013 MDA
Plano Safra 2012- 2013 MDA
Kize
 
Agricultura familiar e organizações sociais
Agricultura familiar e organizações sociaisAgricultura familiar e organizações sociais
Agricultura familiar e organizações sociais
Janderson Dalazen
 
Agricultura familiar e políticas de financiamento 2 nota
Agricultura familiar e políticas de financiamento 2 notaAgricultura familiar e políticas de financiamento 2 nota
Agricultura familiar e políticas de financiamento 2 nota
Felix Ferreira
 
Plano Safra Agricultura Familiar 2014/2015
Plano Safra Agricultura Familiar 2014/2015Plano Safra Agricultura Familiar 2014/2015
Plano Safra Agricultura Familiar 2014/2015
Gleisi Hoffmann
 
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Rural Pecuária
 
Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/14
Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/14Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/14
Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/14
Palácio do Planalto
 
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - A inclusão da agricultura familiar na ...
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - A inclusão da agricultura familiar na ...Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - A inclusão da agricultura familiar na ...
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - A inclusão da agricultura familiar na ...
cbsaf
 
Apresentação ci intitucional 2014
Apresentação ci   intitucional 2014Apresentação ci   intitucional 2014
Apresentação ci intitucional 2014
Portal Alarde - Informação Sem Maquiagem
 
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
FETAEP
 
Cadeias produtivas para agricultura familiar
Cadeias produtivas para agricultura familiarCadeias produtivas para agricultura familiar
Cadeias produtivas para agricultura familiar
Waldo Santos
 
Ano Internacional da Agricultura Familiar 2014
Ano Internacional da Agricultura Familiar 2014Ano Internacional da Agricultura Familiar 2014
Ano Internacional da Agricultura Familiar 2014
FAO
 
Permanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Permanência no Campo - por Vilmara FerreiraPermanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Permanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Rede Jovem Rural
 
Cadeia produtiva da soja
Cadeia produtiva da sojaCadeia produtiva da soja
Cadeia produtiva da soja
Antonio Luiz Viegas Neto
 
Campesinato e Agricultura Familiar
Campesinato e Agricultura FamiliarCampesinato e Agricultura Familiar
Campesinato e Agricultura Familiar
Guilherme Lopes
 
Projeto agricultura familiar 28.05
Projeto agricultura familiar 28.05Projeto agricultura familiar 28.05
Projeto agricultura familiar 28.05
Meio & Mensagem
 
Agronegócio & Pequenos Produtores: De mãos dadas para trilhar o caminho da S...
 Agronegócio & Pequenos Produtores: De mãos dadas para trilhar o caminho da S... Agronegócio & Pequenos Produtores: De mãos dadas para trilhar o caminho da S...
Agronegócio & Pequenos Produtores: De mãos dadas para trilhar o caminho da S...
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
Seminário agricultura familiar
Seminário agricultura familiarSeminário agricultura familiar
Seminário agricultura familiar
Pedro Ponte
 
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura FamiliarTecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Sebastião Nascimento
 
Agricultura familiar
Agricultura familiarAgricultura familiar
Agricultura familiar
echotangonet
 
Agricultura mundial e do brasil
Agricultura mundial e do brasilAgricultura mundial e do brasil
Agricultura mundial e do brasil
profleofonseca
 

Destaque (20)

Plano Safra 2012- 2013 MDA
Plano Safra 2012- 2013 MDAPlano Safra 2012- 2013 MDA
Plano Safra 2012- 2013 MDA
 
Agricultura familiar e organizações sociais
Agricultura familiar e organizações sociaisAgricultura familiar e organizações sociais
Agricultura familiar e organizações sociais
 
Agricultura familiar e políticas de financiamento 2 nota
Agricultura familiar e políticas de financiamento 2 notaAgricultura familiar e políticas de financiamento 2 nota
Agricultura familiar e políticas de financiamento 2 nota
 
Plano Safra Agricultura Familiar 2014/2015
Plano Safra Agricultura Familiar 2014/2015Plano Safra Agricultura Familiar 2014/2015
Plano Safra Agricultura Familiar 2014/2015
 
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
 
Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/14
Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/14Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/14
Plano Safra da Agricultura Familiar 2013/14
 
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - A inclusão da agricultura familiar na ...
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - A inclusão da agricultura familiar na ...Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - A inclusão da agricultura familiar na ...
Dia 2 - Dendê em SAFs na Agricultura - A inclusão da agricultura familiar na ...
 
Apresentação ci intitucional 2014
Apresentação ci   intitucional 2014Apresentação ci   intitucional 2014
Apresentação ci intitucional 2014
 
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
Plano Safra Agricultura Familiar 2011/2012
 
Cadeias produtivas para agricultura familiar
Cadeias produtivas para agricultura familiarCadeias produtivas para agricultura familiar
Cadeias produtivas para agricultura familiar
 
Ano Internacional da Agricultura Familiar 2014
Ano Internacional da Agricultura Familiar 2014Ano Internacional da Agricultura Familiar 2014
Ano Internacional da Agricultura Familiar 2014
 
Permanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Permanência no Campo - por Vilmara FerreiraPermanência no Campo - por Vilmara Ferreira
Permanência no Campo - por Vilmara Ferreira
 
Cadeia produtiva da soja
Cadeia produtiva da sojaCadeia produtiva da soja
Cadeia produtiva da soja
 
Campesinato e Agricultura Familiar
Campesinato e Agricultura FamiliarCampesinato e Agricultura Familiar
Campesinato e Agricultura Familiar
 
Projeto agricultura familiar 28.05
Projeto agricultura familiar 28.05Projeto agricultura familiar 28.05
Projeto agricultura familiar 28.05
 
Agronegócio & Pequenos Produtores: De mãos dadas para trilhar o caminho da S...
 Agronegócio & Pequenos Produtores: De mãos dadas para trilhar o caminho da S... Agronegócio & Pequenos Produtores: De mãos dadas para trilhar o caminho da S...
Agronegócio & Pequenos Produtores: De mãos dadas para trilhar o caminho da S...
 
Seminário agricultura familiar
Seminário agricultura familiarSeminário agricultura familiar
Seminário agricultura familiar
 
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura FamiliarTecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
 
Agricultura familiar
Agricultura familiarAgricultura familiar
Agricultura familiar
 
Agricultura mundial e do brasil
Agricultura mundial e do brasilAgricultura mundial e do brasil
Agricultura mundial e do brasil
 

Semelhante a Agricultura familiar na economia: Brasil e Rio Grande do Sul

Cadeia produtiva de_frutas_série_agronegócios_mapa
Cadeia produtiva de_frutas_série_agronegócios_mapaCadeia produtiva de_frutas_série_agronegócios_mapa
Cadeia produtiva de_frutas_série_agronegócios_mapa
Wilian Ferreira
 
1.2.dias oep as
1.2.dias oep as1.2.dias oep as
1.2.dias oep as
smtpinov
 
Agronegócio familiarmg artigo_sãom_iguelantapronaf
Agronegócio familiarmg artigo_sãom_iguelantapronafAgronegócio familiarmg artigo_sãom_iguelantapronaf
Agronegócio familiarmg artigo_sãom_iguelantapronaf
equipeagroplus
 
Cadeia produtiva da carne bovina c capa
Cadeia produtiva da carne bovina c capaCadeia produtiva da carne bovina c capa
Cadeia produtiva da carne bovina c capa
Antonio Marchi
 
Cadeia
Cadeia Cadeia
Cadeia
danieladod
 
13 administracao-rural-e-gestao-do-agronegocio-estudo-de-caso-de-uma-propried...
13 administracao-rural-e-gestao-do-agronegocio-estudo-de-caso-de-uma-propried...13 administracao-rural-e-gestao-do-agronegocio-estudo-de-caso-de-uma-propried...
13 administracao-rural-e-gestao-do-agronegocio-estudo-de-caso-de-uma-propried...
LilianeFerreiradoRos
 
Perfil das atividades não agrícolas no polo bj
Perfil das atividades não agrícolas no polo bjPerfil das atividades não agrícolas no polo bj
Perfil das atividades não agrícolas no polo bj
MARIA ODETE ALVES
 
Agronegocio -texto
Agronegocio  -textoAgronegocio  -texto
Agronegocio -texto
Fernanda Moraes
 
Agroecologia.pdf
Agroecologia.pdfAgroecologia.pdf
Agroecologia.pdf
BrunaMaria93
 
Aspectos orçamentários e financeiros da reforma agrária no Brasil 2000-2005
Aspectos orçamentários e financeiros da reforma agrária no Brasil 2000-2005Aspectos orçamentários e financeiros da reforma agrária no Brasil 2000-2005
Aspectos orçamentários e financeiros da reforma agrária no Brasil 2000-2005
iicabrasil
 
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeiraCadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Geise De Goes Canalez
 
Análise-de-custos-na-produção-de-grãos-em-uma-propriedade-rural-de-Tapeja...
Análise-de-custos-na-produção-de-grãos-em-uma-propriedade-rural-de-Tapeja...Análise-de-custos-na-produção-de-grãos-em-uma-propriedade-rural-de-Tapeja...
Análise-de-custos-na-produção-de-grãos-em-uma-propriedade-rural-de-Tapeja...
Luciana Pieniz
 
Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: um olhar da Bahia sobre o...
Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: um olhar da Bahia sobre o...Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: um olhar da Bahia sobre o...
Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: um olhar da Bahia sobre o...
iicabrasil
 
Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2
Ezequiel Redin
 
Impactos do PRONAF: análise de indicadores
Impactos do PRONAF: análise de indicadoresImpactos do PRONAF: análise de indicadores
Impactos do PRONAF: análise de indicadores
iicabrasil
 
Agroindústrias familiares estratégia de desenvolvimento
Agroindústrias familiares   estratégia de desenvolvimentoAgroindústrias familiares   estratégia de desenvolvimento
Agroindústrias familiares estratégia de desenvolvimento
Daniel Jovana Joaquim
 
AGROINDÚSTRIA FAMILIAR RURAL - ENTRAVES
AGROINDÚSTRIA FAMILIAR RURAL - ENTRAVESAGROINDÚSTRIA FAMILIAR RURAL - ENTRAVES
AGROINDÚSTRIA FAMILIAR RURAL - ENTRAVES
Carima Atiyel
 
Política Industrial, Desenvolvimento e os Grandes Desafios Nacionais
Política Industrial, Desenvolvimento e os Grandes Desafios NacionaisPolítica Industrial, Desenvolvimento e os Grandes Desafios Nacionais
Política Industrial, Desenvolvimento e os Grandes Desafios Nacionais
LilianMilena
 
Emprego e Trabalho na Agricultura Brasileira - Série DRS vol. 9
Emprego e Trabalho na Agricultura Brasileira - Série DRS vol. 9Emprego e Trabalho na Agricultura Brasileira - Série DRS vol. 9
Emprego e Trabalho na Agricultura Brasileira - Série DRS vol. 9
iicabrasil
 
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
iicabrasil
 

Semelhante a Agricultura familiar na economia: Brasil e Rio Grande do Sul (20)

Cadeia produtiva de_frutas_série_agronegócios_mapa
Cadeia produtiva de_frutas_série_agronegócios_mapaCadeia produtiva de_frutas_série_agronegócios_mapa
Cadeia produtiva de_frutas_série_agronegócios_mapa
 
1.2.dias oep as
1.2.dias oep as1.2.dias oep as
1.2.dias oep as
 
Agronegócio familiarmg artigo_sãom_iguelantapronaf
Agronegócio familiarmg artigo_sãom_iguelantapronafAgronegócio familiarmg artigo_sãom_iguelantapronaf
Agronegócio familiarmg artigo_sãom_iguelantapronaf
 
Cadeia produtiva da carne bovina c capa
Cadeia produtiva da carne bovina c capaCadeia produtiva da carne bovina c capa
Cadeia produtiva da carne bovina c capa
 
Cadeia
Cadeia Cadeia
Cadeia
 
13 administracao-rural-e-gestao-do-agronegocio-estudo-de-caso-de-uma-propried...
13 administracao-rural-e-gestao-do-agronegocio-estudo-de-caso-de-uma-propried...13 administracao-rural-e-gestao-do-agronegocio-estudo-de-caso-de-uma-propried...
13 administracao-rural-e-gestao-do-agronegocio-estudo-de-caso-de-uma-propried...
 
Perfil das atividades não agrícolas no polo bj
Perfil das atividades não agrícolas no polo bjPerfil das atividades não agrícolas no polo bj
Perfil das atividades não agrícolas no polo bj
 
Agronegocio -texto
Agronegocio  -textoAgronegocio  -texto
Agronegocio -texto
 
Agroecologia.pdf
Agroecologia.pdfAgroecologia.pdf
Agroecologia.pdf
 
Aspectos orçamentários e financeiros da reforma agrária no Brasil 2000-2005
Aspectos orçamentários e financeiros da reforma agrária no Brasil 2000-2005Aspectos orçamentários e financeiros da reforma agrária no Brasil 2000-2005
Aspectos orçamentários e financeiros da reforma agrária no Brasil 2000-2005
 
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeiraCadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
Cadeia produtiva de florestas plantadas e madeira
 
Análise-de-custos-na-produção-de-grãos-em-uma-propriedade-rural-de-Tapeja...
Análise-de-custos-na-produção-de-grãos-em-uma-propriedade-rural-de-Tapeja...Análise-de-custos-na-produção-de-grãos-em-uma-propriedade-rural-de-Tapeja...
Análise-de-custos-na-produção-de-grãos-em-uma-propriedade-rural-de-Tapeja...
 
Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: um olhar da Bahia sobre o...
Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: um olhar da Bahia sobre o...Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: um olhar da Bahia sobre o...
Agricultura familiar e desenvolvimento territorial: um olhar da Bahia sobre o...
 
Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2Periódico Extensão Rural 2011-2
Periódico Extensão Rural 2011-2
 
Impactos do PRONAF: análise de indicadores
Impactos do PRONAF: análise de indicadoresImpactos do PRONAF: análise de indicadores
Impactos do PRONAF: análise de indicadores
 
Agroindústrias familiares estratégia de desenvolvimento
Agroindústrias familiares   estratégia de desenvolvimentoAgroindústrias familiares   estratégia de desenvolvimento
Agroindústrias familiares estratégia de desenvolvimento
 
AGROINDÚSTRIA FAMILIAR RURAL - ENTRAVES
AGROINDÚSTRIA FAMILIAR RURAL - ENTRAVESAGROINDÚSTRIA FAMILIAR RURAL - ENTRAVES
AGROINDÚSTRIA FAMILIAR RURAL - ENTRAVES
 
Política Industrial, Desenvolvimento e os Grandes Desafios Nacionais
Política Industrial, Desenvolvimento e os Grandes Desafios NacionaisPolítica Industrial, Desenvolvimento e os Grandes Desafios Nacionais
Política Industrial, Desenvolvimento e os Grandes Desafios Nacionais
 
Emprego e Trabalho na Agricultura Brasileira - Série DRS vol. 9
Emprego e Trabalho na Agricultura Brasileira - Série DRS vol. 9Emprego e Trabalho na Agricultura Brasileira - Série DRS vol. 9
Emprego e Trabalho na Agricultura Brasileira - Série DRS vol. 9
 
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
Estudo de caso: Sojas convencionais e transgênicas no planalto do Rio Grande ...
 

Mais de iicabrasil

A nova cara da pobreza rural: desafi os para as políticas públicas - Série DR...
A nova cara da pobreza rural: desafi os para as políticas públicas - Série DR...A nova cara da pobreza rural: desafi os para as políticas públicas - Série DR...
A nova cara da pobreza rural: desafi os para as políticas públicas - Série DR...
iicabrasil
 
A utilização indutora de incentivos fiscais como mecanismo de redução de desi...
A utilização indutora de incentivos fiscais como mecanismo de redução de desi...A utilização indutora de incentivos fiscais como mecanismo de redução de desi...
A utilização indutora de incentivos fiscais como mecanismo de redução de desi...
iicabrasil
 
Estudos de Reordenamento Agrário Número 10 - Perfil dos Beneficiários do Banc...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 10 - Perfil dos Beneficiários do Banc...Estudos de Reordenamento Agrário Número 10 - Perfil dos Beneficiários do Banc...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 10 - Perfil dos Beneficiários do Banc...
iicabrasil
 
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
iicabrasil
 
Estudos de Reordenamento Agrário Número 8 - Perfil dos beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 8 - Perfil dos beneficiários do Progr...Estudos de Reordenamento Agrário Número 8 - Perfil dos beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 8 - Perfil dos beneficiários do Progr...
iicabrasil
 
Intercâmbio de Experiências do IICA no Brasil: Construindo Juntos a Cooperaçã...
Intercâmbio de Experiências do IICA no Brasil: Construindo Juntos a Cooperaçã...Intercâmbio de Experiências do IICA no Brasil: Construindo Juntos a Cooperaçã...
Intercâmbio de Experiências do IICA no Brasil: Construindo Juntos a Cooperaçã...
iicabrasil
 
Formulação de subsídios para a elaboração do zoneamento ecológico - econômico...
Formulação de subsídios para a elaboração do zoneamento ecológico - econômico...Formulação de subsídios para a elaboração do zoneamento ecológico - econômico...
Formulação de subsídios para a elaboração do zoneamento ecológico - econômico...
iicabrasil
 
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragemOrientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
iicabrasil
 
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
iicabrasil
 
Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil - ...
Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil - ...Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil - ...
Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil - ...
iicabrasil
 
Políticas de Desenvolvimento Rural Territorial: Desafios para Construção de u...
Políticas de Desenvolvimento Rural Territorial: Desafios para Construção de u...Políticas de Desenvolvimento Rural Territorial: Desafios para Construção de u...
Políticas de Desenvolvimento Rural Territorial: Desafios para Construção de u...
iicabrasil
 
Série drs vol 12 políticas de desenvolvimento territorial rural no brasil -...
Série drs vol 12   políticas de desenvolvimento territorial rural no brasil -...Série drs vol 12   políticas de desenvolvimento territorial rural no brasil -...
Série drs vol 12 políticas de desenvolvimento territorial rural no brasil -...
iicabrasil
 
Reflexões sobre políticas de desenvolvimento territorial - Série Desenvolvime...
Reflexões sobre políticas de desenvolvimento territorial - Série Desenvolvime...Reflexões sobre políticas de desenvolvimento territorial - Série Desenvolvime...
Reflexões sobre políticas de desenvolvimento territorial - Série Desenvolvime...
iicabrasil
 
Situação em 2010 e perspectivas da agricultura no Brasil para 2011
Situação em 2010 e perspectivas da agricultura no Brasil para 2011Situação em 2010 e perspectivas da agricultura no Brasil para 2011
Situação em 2010 e perspectivas da agricultura no Brasil para 2011
iicabrasil
 
Desenvolvimento rural e Agricultura familiar
Desenvolvimento rural e Agricultura familiarDesenvolvimento rural e Agricultura familiar
Desenvolvimento rural e Agricultura familiar
iicabrasil
 
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas – volume 2
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas – volume 2Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas – volume 2
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas – volume 2
iicabrasil
 
Gestão social dos territórios - Série DRS vol. 10
Gestão social dos territórios - Série DRS vol. 10Gestão social dos territórios - Série DRS vol. 10
Gestão social dos territórios - Série DRS vol. 10
iicabrasil
 
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas - Volume 1
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas - Volume 1Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas - Volume 1
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas - Volume 1
iicabrasil
 
Juventudes rurais: mapa de estudos recentes
Juventudes rurais: mapa de estudos recentesJuventudes rurais: mapa de estudos recentes
Juventudes rurais: mapa de estudos recentes
iicabrasil
 
Índices de rendimento da agropecuária brasileira
Índices de rendimento da agropecuária brasileiraÍndices de rendimento da agropecuária brasileira
Índices de rendimento da agropecuária brasileira
iicabrasil
 

Mais de iicabrasil (20)

A nova cara da pobreza rural: desafi os para as políticas públicas - Série DR...
A nova cara da pobreza rural: desafi os para as políticas públicas - Série DR...A nova cara da pobreza rural: desafi os para as políticas públicas - Série DR...
A nova cara da pobreza rural: desafi os para as políticas públicas - Série DR...
 
A utilização indutora de incentivos fiscais como mecanismo de redução de desi...
A utilização indutora de incentivos fiscais como mecanismo de redução de desi...A utilização indutora de incentivos fiscais como mecanismo de redução de desi...
A utilização indutora de incentivos fiscais como mecanismo de redução de desi...
 
Estudos de Reordenamento Agrário Número 10 - Perfil dos Beneficiários do Banc...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 10 - Perfil dos Beneficiários do Banc...Estudos de Reordenamento Agrário Número 10 - Perfil dos Beneficiários do Banc...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 10 - Perfil dos Beneficiários do Banc...
 
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 9 - Perfil dos Beneficiários do Progr...
 
Estudos de Reordenamento Agrário Número 8 - Perfil dos beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 8 - Perfil dos beneficiários do Progr...Estudos de Reordenamento Agrário Número 8 - Perfil dos beneficiários do Progr...
Estudos de Reordenamento Agrário Número 8 - Perfil dos beneficiários do Progr...
 
Intercâmbio de Experiências do IICA no Brasil: Construindo Juntos a Cooperaçã...
Intercâmbio de Experiências do IICA no Brasil: Construindo Juntos a Cooperaçã...Intercâmbio de Experiências do IICA no Brasil: Construindo Juntos a Cooperaçã...
Intercâmbio de Experiências do IICA no Brasil: Construindo Juntos a Cooperaçã...
 
Formulação de subsídios para a elaboração do zoneamento ecológico - econômico...
Formulação de subsídios para a elaboração do zoneamento ecológico - econômico...Formulação de subsídios para a elaboração do zoneamento ecológico - econômico...
Formulação de subsídios para a elaboração do zoneamento ecológico - econômico...
 
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragemOrientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
Orientações para a elaboração e apresentação de projeto de barragem
 
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
Reflexões e Proposições de Políticas Públicas de Desenvolvimento Territorial ...
 
Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil - ...
Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil - ...Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil - ...
Políticas Públicas, Atores Sociais e Desenvolvimento Territorial no Brasil - ...
 
Políticas de Desenvolvimento Rural Territorial: Desafios para Construção de u...
Políticas de Desenvolvimento Rural Territorial: Desafios para Construção de u...Políticas de Desenvolvimento Rural Territorial: Desafios para Construção de u...
Políticas de Desenvolvimento Rural Territorial: Desafios para Construção de u...
 
Série drs vol 12 políticas de desenvolvimento territorial rural no brasil -...
Série drs vol 12   políticas de desenvolvimento territorial rural no brasil -...Série drs vol 12   políticas de desenvolvimento territorial rural no brasil -...
Série drs vol 12 políticas de desenvolvimento territorial rural no brasil -...
 
Reflexões sobre políticas de desenvolvimento territorial - Série Desenvolvime...
Reflexões sobre políticas de desenvolvimento territorial - Série Desenvolvime...Reflexões sobre políticas de desenvolvimento territorial - Série Desenvolvime...
Reflexões sobre políticas de desenvolvimento territorial - Série Desenvolvime...
 
Situação em 2010 e perspectivas da agricultura no Brasil para 2011
Situação em 2010 e perspectivas da agricultura no Brasil para 2011Situação em 2010 e perspectivas da agricultura no Brasil para 2011
Situação em 2010 e perspectivas da agricultura no Brasil para 2011
 
Desenvolvimento rural e Agricultura familiar
Desenvolvimento rural e Agricultura familiarDesenvolvimento rural e Agricultura familiar
Desenvolvimento rural e Agricultura familiar
 
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas – volume 2
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas – volume 2Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas – volume 2
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas – volume 2
 
Gestão social dos territórios - Série DRS vol. 10
Gestão social dos territórios - Série DRS vol. 10Gestão social dos territórios - Série DRS vol. 10
Gestão social dos territórios - Série DRS vol. 10
 
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas - Volume 1
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas - Volume 1Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas - Volume 1
Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas - Volume 1
 
Juventudes rurais: mapa de estudos recentes
Juventudes rurais: mapa de estudos recentesJuventudes rurais: mapa de estudos recentes
Juventudes rurais: mapa de estudos recentes
 
Índices de rendimento da agropecuária brasileira
Índices de rendimento da agropecuária brasileiraÍndices de rendimento da agropecuária brasileira
Índices de rendimento da agropecuária brasileira
 

Agricultura familiar na economia: Brasil e Rio Grande do Sul

  • 1. Joaquim J. M. Guilhoto Fernando G. Silveira Carlos R. Azzoni Silvio M. Ichihara
  • 2. Joaquim J. M. Guilhoto Fernando G. Silveira Carlos R. Azzoni Silvio M. Ichihara MDA/NEAD Brasília, 2005
  • 3. NEAD Estudos 9 Copyright © by MDA Projeto gráfico, capa e diagramação Caco Bisol Produção Gráfica caco@cacobisol.com.br Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) Secretaria da Agricultura Familiar (SAF) SBN Quadra 1 Edifício Palácio do Desenvolvimento 6º andar, sala 609 CEP 70057-900 - Brasília/DF Telefone: (61) 3426-9963 www.mda.gov.br Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (NEAD) SCN Quadra 1 - Bloco C Edifício Trade Center 5º andar, sala 501 CEP 70711-902 - Brasília/DF Telefone: (61) 3328-8661 www.nead.org.br G956a Guilhoto, Joaquim J. M. Agricultura familiar na economia: Brasil e Rio Grande do Sul / Joaquim J. M. Guilhoto ... [et al]. -- Brasília : Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2005. 44 p.; 21 x 28 cm. -- (Estudos Nead; 9). 1. Agricultura familiar - produção - Brasil. 2. Agricultura familiar - aspectos econômicos - Rio Grande do Sul. 3. Agronegócio. 4. Produto interno bruto - pesquisa – Brasil. I. Título II. Série. III. Silveira, Fernando G. IV. Azzoni, Carlos R. V. Ichihara, Silvio M. CDD 339.310981 Luiz Inácio Lula da Silva Presidente da República Miguel Soldatelli Rossetto Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Guilherme Cassel Secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário Rolf Hackbart Presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária – Incra Valter Bianchini Secretário de Agricultura Familiar Eugênio Peixoto Secretário de Reordenamento Agrário José Humberto Oliveira Secretário de Desenvolvimento Territorial Caio Galvão de França Coordenador do Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural - NEAD PCT MDA/IICA - Apoio às Políticas e à Participação Social no Desenvolvimento Rural Sustentável
  • 4. Apresentação A dinâmica das transformações das atividades agropecuárias e das demais ações a ela vinculadas tem exigido dos setores público e privado o contínuo aperfeiçoamento de instrumentos de análise para orientar as suas decisões, principalmente no que diz respeito ao planejamento das políticas públicas que visam à obtenção da segurança alimentar, à geração de emprego e renda e ao desenvolvimento local em bases sustentáveis e eqüitativas. Parte desse esforço de análise tem sido dirigida para caracterizar a enorme complexidade das relações econômicas, sociais e políticas associadas a essas atividades. Essa complexidade decorre, em larga medida, da estreita ligação que há entre os diferentes grupos sociais engajados diretamente nas atividades produtivas e das várias formas sob as quais se organiza o trabalho no campo. Dessas iniciativas, duas podem ser destacadas. Ambas concluídas no ano 2000. A primeira delas foi a publicação do Novo Retrato da Agricultura Familiar – O Brasil Redescoberto, coordenado por Car- los Enrique Guanziroli e Silvia Elizabeth Cardim, que consolidou uma série de estudos realizados no âmbito do Projeto de Cooperação Técnica Incra/FAO, desde 1995. Esses textos forneceram novos ele- mentos sobre a ampla diversidade da agricultura brasileira em relação à situação dos produtores, entre vários outros aspectos. A principal inovação dessas pesquisas foi tornar operacional, mediante a utilização de microda- dos censitários, um determinado conceito de agricultura familiar construído não mais sobre um limite máximo de área ou de valor de produção da unidade familiar, mas a partir das suas relações sociais de produção. Esse novo conceito vem contribuindo para refutar análises que usam como equivalentes os termos “agricultura familiar” e outros, como “pequena produção” e “agricultura de baixa renda”, e que dele extraem julgamentos prévios sobre as possibilidades econômicas do segmento familiar no campo, condenando-o à marginalidade ou ao desaparecimento. A segunda iniciativa foi a pesquisa conduzida no Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea/USP), sob a coordenação de Joaquim José Guilhoto, Maria Cristina Furtuoso e Geraldo Sant’ana de Camargo Barros, com o suporte da Confederação Nacio- nal da Agricultura e Pecuária (CNA), cujo objetivo final foi estimar o crescimento mensal do Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro. Essa medição passou a representar um dos mais impor- tantes indicadores de desempenho da atividade agropecuária e agroindustrial no País, com ampla uti- lização nos meios acadêmicos e de comunicação. A principal inovação dessa pesquisa foi o delineamento e a mensuração de um conjunto de bens e serviços, inter-relacionados com as atividades agropecuárias produzidos no país, de forma compatível e consistente com as contas nacionais oficiais que tendem a isolar os elos primário, secundário e ter- ciário das cadeias produtivas dependentes de insumos renováveis. Mesmo com essas e outras pesquisas, ainda é possível constatar a escassez de informações adequadas e de avaliações regulares e abrangentes produzidas com sólido embasamento científico que permitam aperfeiçoar os instrumentos de análise. Os textos O Agronegócio Familiar na Economia Brasileira e O Agronegócio Familiar na Economia do Rio Grande do Sul sintetizam os resultados do estudo proposto pelo Ministério do Desenvolvimen- to Agrário, por meio do Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (NEAD), à Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) para definir e quantificar as cadeias produtivas da agricultura familiar, considerando as atividades a montante (parque industrial que fornece bens de capital e insumos para o campo) e a jusante (rede armazenadora, transporte, processamento, industrialização e distribui- ção) da agropecuária propriamente dita e suas interligações. O período abrangido é o de 1995 a 2003. O estudo baseia-se na mesma técnica empregada para o cálculo do chamado agronegócio, já realizado regularmente pelo Cepea/USP, e busca identificar a parcela relativa ao segmento familiar, utilizando o mesmo universo adotado pelo Projeto de Cooperação Incra/FAO. A metodologia utilizada leva em consideração as recomendações das Nações Unidas para o cálculo do PIB, adotando a matriz de insumo-produto do Novo Sistema de Contas Nacionais (NSCN) da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (FIBGE) e outros estudos da Fipe, como ins- trumentos básicos de análise.
  • 5. 4 NEAD ESTUDOS 9 As estimativas do desempenho da produção agropecuária familiar têm como base o Censo Agrope- cuário 1995/96 e a evolução das informações de acompanhamento da atividade agropecuária apuradas pela FIBGE na Pesquisa Agrícola Municipal (PAM), na Pesquisa Pecuária Municipal (PPM), na Produção da Extração Vegetal e Silvicultura, nas Pesquisas Trimestrais do Leite e do Abate de Animais. Entre os autores, os professores doutores Joaquim José Martins Guilhoto e Carlos Roberto Azzo- ni, além de Silvio Massoru Ichihara, são vinculados à Faculdade de Economia, Administração e Conta- bilidade da USP, e Fernando Gaiger Silveira, ao Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea), do Ministério do Planejamento. Esses pesquisadores e suas instituições são especializados e amplamente reconhecidos por suas análises estruturais das economias nacional e regionais e na elaboração de modelos econômicos de previsão. A utilização, pelos autores, do termo “agronegócio” reflete a aceitação quase generalizada que o mesmo tem recebido. No entanto, ao contrário daqueles que fazem uma apropriação não-científica desse conceito através da homogeneização indevida dos grupos sociais no campo, os pesquisadores tratam os agricultores familiares como um segmento do complexo maior da chamada economia do agronegócio, conferindo-lhes uma identidade econômica própria. De forma crítica a essa apropriação e sem prejuízo metodológico para os objetivos do estudo, é possível referir-se ao conjunto das atividades a montante e a jusante do estabelecimento rural como as atividades das cadeias produtivas da agricultura familiar. Os dados apresentados nos dois textos mostram que o segmento familiar da agropecuária bra- sileira e as cadeias produtivas a ela interligadas responderam, em 2003, por parcela expressiva do PIB brasileiro (10% ou R$ 157 bilhões em valores daquele ano) e do PIB gaúcho (27%). Isso equivale a cerca de um terço do total gerado nessas atividades em todo o País e a 55% desse mesmo valor no Rio Gran- de do Sul. Os autores destacam ainda que o desempenho recente da agropecuária familiar e do agro- negócio a ela articulada vem sendo bastante positivo, superando, inclusive, as taxas de crescimento relativas ao segmento patronal. Segundo eles, isso é mais significativo tendo em vista a insuficiência de terras, as dificuldades creditícias, o menor aporte tecnológico e a fragilidade da assistência técnica, entre outros fatores. Outra importante conclusão do estudo é que ainda há um espaço considerável para a agregação de valor nos cultivos e criações desenvolvidas pelos agricultores familiares, significando uma participa- ção ainda mais expressiva das cadeias produtivas articuladas com a agricultura familiar. O reconhecimento da importância econômica da agricultura familiar não esgota, evidentemente, as suas possibilidades enquanto agente fundamental do desenvolvimento do País. A ela devem ser agregados os componentes de valorização social, cultural e tecnológica das populações que vivem e trabalham no campo. O tratamento “setorial” das suas atividades também considera o importante papel do seu caráter pluriativo e multifuncional nos processos de desenvolvimento dos territórios. Os dados ora revelados confirmam a necessidade de acompanhar de forma diferenciada o com- portamento dos indicadores conjunturais e das tendências no longo prazo das cadeias produtivas vinculadas ao campo. A partir das definições metodológicas que fundamentam os textos aqui publicados, o NEAD/MDA e a Fipe passarão a apurar e a divulgar regularmente a evolução do PIB das cadeias produtivas da agri- cultura familiar do Brasil e dos demais Estados. Esta publicação ilustra, ainda, a importância do diálogo permanente entre a academia, os órgãos públicos e os setores diretamente vinculados para que, por um lado, as políticas públicas, em geral, e, em particular, as de desenvolvimento rural e reforma agrária, possam ser aperfeiçoadas e, por outro, para a necessária qualificação do debate público sobre tais temas. Boa leitura! Brasília, setembro de 2005 Caio Galvão de França Coordenador Geral NEAD/MDA Vicente Azevedo Marques Assessor da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo da Assembléia Legislativa do Estado Rio Grande do Sul
  • 6. Sumário O Agronegócio Familiar na Economia Brasileira 7 O PIB do Agronegócio Familiar na Economia Brasileira, 1995 a 2003 7 Desempenho do PIB do Brasil 8 Desempenho dos Agronegócios Familiar e Patronal do Brasil 9 Os Complexos dos Agronegócios Familiar e Patronal do Brasil 11 Componentes dos Complexos Agrícolas Familiar e Patronal do Brasil 12 Componentes dos Complexos Pecuários Familiar e Patronal do Brasil 13 O Setor e a Indústria Agrícolas do Brasil 14 O Setor e a Indústria Pecuários do Brasil 16 Comentários Finais 19 O Agronegócio Familiar na Economia do Rio Grande do Sul 23 O PIB do Agronegócio Familiar na Economia do RS, 1995 a 2003 23 Desempenho do PIB do RS 24 Desempenho dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS 28 Complexos dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS 29 Componentes dos Complexos Agrícolas Familiar e Patronal do RS 30 Componentes dos Complexos Pecuários Familiar e Patronal do RS 30 Evolução dos Componentes dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS 31 O Setor e a Indústria Agrícolas do RS 33 O Setor e a Indústria Pecuários do RS 35 Comentários Finais 38
  • 7.
  • 8. 7 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL O Agronegócio Familiar na Economia Brasileira Quando se fala de agronegócio, parte-se de um conceito restrito, que é a agropecu- ária, e passa-se a um conceito mais amplo, que tem como centro a atividade agropecuária e envolve toda a sua cadeia produtiva, desde os insumos utilizados no setor produtivo, o setor da agropecuária, a indústria de transformação, até o setor de distribuição e serviços. Estudos anteriores tratam da importância do agronegócio para a economia brasileira como um todo, porém faltava incluir uma estimativa da importância do agronegócio da agri- cultura familiar, expressivo segmento do complexo maior da economia do agronegócio. Sabe-se de sua importância social, seja pela geração de emprego e ocupação, seja pelo perfil dos produtos, basicamente destinados ao consumo alimentar nacional. Desta forma, é fundamental que também se tenha uma idéia de sua importância econômica. E é justamente nesta direção que caminhou o estudo desenvolvido, em conjunto, pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas - Fipe e o NEAD/MDA, para determinar a im- portância econômica do agronegócio familiar dentro da economia nacional e que agora é apresentado em seus pontos principais. Desta forma, este trabalho traz para discussão os resultados da pesquisa, e também deve auxiliar na formulação de políticas públicas voltadas para o segmento familiar da agricultura nacional, considerando que, na parte econômica, o seu agronegócio movi- menta em torno de um terço do setor e 10% do Produto Interno Bruto - PIB nacional, isto sem mencionar as suas posições estratégicas e fundamentais na geração de empregos, alimentos, divisas, e na redução de pressões sociais sobre os centros urbanos. O PIB do Agronegócio Familiar na Economia Brasileira, 1995 a 2003 O agronegócio possui quatro componentes principais: insumos; o próprio setor; processamento; e distribuição e serviços. Neste estudo, o agronegócio foi ainda dividido em quatro subcomplexos, cada um contendo os quatro componentes citados: agricul- tura familiar; agricultura patronal; pecuária familiar; e pecuária patronal.
  • 9. 8 NEAD ESTUDOS 9 A Figura 1 detalha a estrutura do PIB do agronegócio na economia e facilita o en- tendimento das análises que se seguirão. A disposição seqüencial enfoca a distinção entre o agronegócio familiar e o patronal e direciona de uma forma organizada as análises. O primeiro bloco de análise corresponde a uma rápida avaliação da importância do agronegócio e de seus dois grandes complexos, ao longo do período que compreende os anos de 1995 a 2003. No segundo, detalha-se a análise anterior, sob a perspectiva do agronegócio familiar e do patronal. No terceiro, avalia-se a dimensão e a evolução do desempenho familiar e patronal através dos complexos agrícola e pecuário e de seus respectivos componentes. Dos quatro componentes principais, o próprio setor e a indústria são melhor detalhados nos quarto e quinto blocos. Dentro do complexo agricultura, o estudo do setor agrícola é detalhado, no quarto bloco, para a soja, o milho, o fumo e outras culturas. Ainda dentro da agricultura, a in- dústria relacionada com esse complexo é subdividida em 11 grupos: Madeira e mobiliá- rio; Celulose, papel e gráfica; Álcool; Indústria têxtil; Artigos do vestuário; Indústria do café; Indústria do fumo; Beneficiamento de produtos vegetais; Fabricação de açúcar; Fabricação de óleos vegetais; e Outros produtos alimentares. Da mesma forma, o bloco cinco detalha o setor e a indústria, mas com relação ao complexo da pecuária. O setor é então subdividido em cinco grupos: Aves; Bovinos; Leite; Suínos; Outras criações animais. E a indústria, em outros cinco grupos: Fabricação de calçados; Abate de aves; Abate de bovinos; Abate de suínos e outros animais; e In- dústria de laticínios. Desempenho do PIB do Brasil No período de análise, de 1995 a 2003, o PIB do Brasil apresentou crescimento acumulado de quase 16%, chegando a R$ 1.556 milhões em 2003.(Gráfico 1) Por sua vez, o agronegócio, apesar de apresentar taxas anuais de crescimento baixas, ou mesmo negativas, até 2001, teve boa recuperação, em 2002 e 2003, por conta dos ambientes internacional e nacional favoráveis ao seu crescimento, chegando a um crescimento acumulado de quase 18% ao final da série. Desta forma, o agronegócio recupera e supera a sua participação no PIB do Brasil, observada no início da série, ou seja, de uma participação de 30,1%, no PIB do Brasil de 1995, passa para 30,6%, em 2003. (Gráfico 2) O complexo das lavouras no agronegócio, até 2001, apresentou tendência decli- nante de participação no setor, passando de 71,5%, em 1997, para 67,7%, em 2001. (Gráfico 3) Entre 2001 e 2003, devido ao excelente desempenho no crescimento das la- vouras, que, por sua vez, puxou o crescimento do agronegócio como um todo, essa
  • 10. 9 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL participação aumentou para 69%, em 2002, e 69,7%, em 2003, porém sem conseguir ainda recuperar a participação observada no começo da série (70,2% em 1995). Desempenho dos Agronegócios Familiar e Patronal do Brasil O segmento familiar da agropecuária brasileira e as cadeias produtivas a ela inter- ligadas responderam, em 2003, por 10,1% do PIB brasileiro (Gráfico 4), o que equivale a R$ 157 bilhões, em valores daquele ano. Tendo em vista que o conjunto do agronegócio nacional foi responsável, no mesmo ano, por 30,6% do PIB, fica evidente o peso da agri- cultura familiar na geração de riqueza do País. Concretamente, cerca de um terço do agronegócio brasileiro é tributário da produção agropecuária realizada pelos agricultores Figura 1: Disposição seqüencial das análises para o Brasil PIB total Fonte: dados da pesquisa PIB outros setores PIB agricultura familiar PIB agricultura patronal PIB agricultura familiar Agricultura 4 componentes Insumos Setor Indústria Distribuição PIB agricultura patronal Agricultura 4 componentes Insumos Setor Indústria Distribuição PIB agricultura familiar Pecuária 4 componentes Insumos Setor Indústria Distribuição PIB agricultura patronal Pecuária 4 componentes Insumos Setor Indústria Distribuição Indústria Madeira e mobiliário Celulose, papel e gráfica Álcool Indústria têxtil Artigos de vestuário Indústria do café Indústria do fumo Beneficiamento de produtos vegetais Fabricação de açúcar Fabricação d-e óleos vegetais Outros produtos alimentares PIB agronegócio Setor Soja Milho Fumo Outras culturas Setor Indústria Setor Aves Bovinos Leite Suínos Outros - pecuária Indústria Fabricação de calçados Abate de aves Abate de bovinos Abate de suínos e outros Indústria de laticínios
  • 11. 10 NEAD ESTUDOS 9 Gráfico 1: Evolução do PIB total e do agronegócio do Brasil 1.600.000 1.500.000 1.400.000 1.300.000 1.200.000 1.100.000 1.000.000 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 20% 15% 10% 5% 0% -5% PIBNacional(milhõesR$) PIB Nacional em milhões Variação acumulada do PIB - Brasil Variação acumulada do PIB do agronegócio - Brasil Gráfico 2: Evolução do PIB do agronegócio do Brasil e participação do agronegócio no Brasil 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 55% 45% 35% 25% 15% 5% -5% Participação do agronegócio no PIB - Brasil Variação acumulada do PIB do agronegócio - Brasil Variação acumulada do PIB Nacional 30,1 28,8 27,6 27,8 28,1 26,9 27,1 28,9 30,6 Gráfico 3: Evolução do PIB dos complexos agrícola e pecuário e participação do PIB do agronegócio agrícola dentro do agronegócio do Brasil 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 100% 80% 60% 40% 20% 0% Participação do complexo pecuário no PIB do agronegócio Participação do complexo agrícola no PIB do agronegócio Fonte: dados da pesquisa 25% 20% 15% 10% 5% 0% -5% -10% Var. acumulada do PIB do complexo agrícola Var. acumulada do PIB do complexo pecuário 29,8 29,3 28,5 29,6 30,8 32,3 32,2 31,0 30,3 70,2 70,7 71,5 70,4 67,7 67,8 69,0 69,768,2
  • 12. 11 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL familiares, cabendo observar, ademais, que o desempenho recente da agropecuária fa- miliar e do agronegócio a ela articulada vem sendo bastante positivo, superando, inclu- sive, as taxas de crescimento relativas ao segmento patronal. No período de 1995 a 2003, quando se abre o agronegócio brasileiro nos quatro com- plexos que o compõem, patronal pecuário e agrícola, e familiar pecuário e agrícola, observa-se que, apesar das oscilações, as proporções da participação de dois deles caem; um se mantém relativamente constante; e a exceção, com crescimento na participação, é o complexo familiar pecuário (Gráficos 5 e 6). O complexo familiar agrícola diminui a sua participação de 21,2%, em 1995, para 20,6%, em 2003. O complexo patronal agrícola fica ao redor dos 49%. E o complexo patronal pecuário aumenta a sua participação de 11%, em 1995, para 12,3%, em 2003. Gráfico 4: Participação do PIB dos agronegócios familiar e patronal no PIB do Brasil 1995 1996 1997 1999 2000 2001 2002 2003 70 71 72 72 72 73 73 71 69 1998 10 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 20 19% 19% 19% 18% 18% 20% 21%19 9 9 9 9 9 9 20 21181819 19 19 9 10 Participação do PIB dos outros setores Participação do PIB do agronegócio patronal Fonte: dados da pesquisa Participação do PIB do agronegócio familiar Os Complexos dos Agronegócios Familiar e Patronal do Brasil O PIB do agronegócio resulta da agregação do PIB do complexo agrícola com o PIB do complexo pecuário, sendo que cada um é formado por quatro componentes principais — insumo, setor, indústria e distribuição. A seguir, é apresentada a evolução da partici- pação dos componentes do PIB em cada complexo, com ênfase na separação entre o que é de origem familiar e de origem patronal, para o Brasil como um todo.
  • 13. 12 NEAD ESTUDOS 9 Componentes dos Complexos Agrícolas Familiar e Patronal do Brasil No Brasil, as quantias percentuais relacionadas com cada um dos quatro componen- tes do agronegócio familiar agrícola são diferentes daquelas referentes ao agronegócio patronal. Além disso, no decorrer dos anos, percebem-se mudanças na composição do Gráfico 5: Participações do PIB dos complexos agropecuários familiar e patronal no PIB do Brasil 1995 70% 21 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Participação do PIB do complexo patronal pecuário Participação do PIB do complexo patronal agrícola Participação do PIB do complexo familiar pecuário Participação do PIB do complexo familiar agrícola 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 21 22 21 21 20 20 20 21 11 11 11 12 12 13 13 13 12 49 49 50 50 48 47 48 49 49 19 18 18 18 1819 19 19 19 Gráfico 6: Variações anuais acumuladas do PIB dos complexos agropecuários familiar e patronal do Brasil 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 20% 15% 10% 5% 0% -5% -10% Var. acumulada do PIB do complexo familiar agrícola Var. acumulada do PIB do complexo familiar pecuário Var. acumulada do PIB do complexo patronal agrícola Var. acumulada do PIB do complexo patronal pecuário Fonte: dados da pesquisa
  • 14. 13 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL agronegócio da agricultura familiar e da patronal. (Gráfico 7) Em geral, para os segmentos familiar e patronal, observa-se um aumento da participação dos insumos e do setor agricul- tura; uma queda na participação da indústria de transformação; e um aumento na partici- pação do setor de distribuição, no caso da agricultura familiar, e uma queda na patronal. Em sua composição, a indústria tem um peso muito maior no agronegócio da agricultura patronal (39,3% em 2003) do que no agronegócio da agricultura familiar (27,3% em 2003). Essa é uma indicação de que boa parte da produção familiar não passa por um processo de transformação, reduzindo a agregação de valor dentro da cadeia produ- tiva. E é confirmada pela participação do setor agrícola no agronegócio, que foi de 34,2%, em 2003, para o agronegócio da agricultura familiar, e de 25,4%, para o agronegócio da agricultura patronal. Componentes dos Complexos Pecuários Familiar e Patronal do Brasil Diferentemente do complexo agrícola, as quantias percentuais, relacionadas com cada um dos quatro componentes do agronegócio familiar pecuário, são bem próximas daquelas referentes ao agronegócio patronal. (Gráfico 8) A maior participação no com- plexo pecuário fica por conta do setor de distribuição, com aproximadamente 38% do agronegócio da pecuária familiar e 40% do agronegócio da pecuária patronal. Nota-se a Fonte: dados da pesquisa Gráfico 7: Participação dos quatro componentes que formam o agronegócio das agriculturas familiar e patronal do Brasil 1995 90% 75% 60% 45% 30% 15% 0% Insumos não-agrícolas Setor agricultura Distribuição dos produtos agrícolas Indústria de processamento dos produtos agrícolas Participações dos componentes no PIB, no PIB-Familiar-BR Participações dos componentes no PIB, no PIB-Patronal-BR 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 33,2 31,4 31,9 29,9 30,7 31,7 30,3 29,0 27,3 43,9 42,0 42,6 40,8 42,2 43,3 41,9 40,4 39,3 32,2 33,8 33,3 33,7 34,2 34,6 34,3 33,7 33,5 3,4 3,6 3,6 3,8 4,4 4,5 4,6 4,8 5,0 31,2 31,3 31,2 32,5 30,7 29,2 30,7 32,5 34,2 32,4 33,8 33,3 33,4 32,9 32,5 32,3 32,0 30,8 20,7 21,0 20,9 22,5 21,2 20,2 21,8 23,4 25,4 3,0 3,2 3,1 3,3 3,7 4,0 4,1 4,2 4,6
  • 15. 14 NEAD ESTUDOS 9 baixa participação do setor de transformação, ao redor de 15% tanto no complexo pa- tronal como no familiar. No caso de insumos, tem-se uma participação maior no caso patronal (11,1%, em 2003) do que no familiar (9,6%, em 2003). No caso do setor primário da pecuária, a participação no complexo familiar é um pouco maior (37,6%, em 2003) do que no patronal (34%, em 2003). O Setor e a Indústria Agrícolas do Brasil Os Gráficos 9 e 10 detalham o PIB do componente Setor Agrícola, demonstrando a participação das culturas de soja, milho, fumo e das outras culturas. Constata-se que os percentuais do PIB gerado pela soja são maiores na agricultura patronal (13,5%, em 2003) do que na familiar (11,7% em 2003). No caso de outras culturas, referentes à agri- cultura patronal, os valores estão entre quatro e cinco pontos percentuais maiores, de- vido à diferença ocasionada pela menor produção percentual de milho (cerca de 2 pon- tos percentuais, em 2003) e irrelevância, também percentual, da fumicultura nas proprie- dades patronais. Gráfico 8: Participação dos quatro componentes que formam o agronegócio da pecuária familiar e patronal do Brasil 1995 90% 75% 60% 45% 30% 15% 0% Insumos não-pecuários Setor: pecuária Distribuição dos produtos pecuários Indústria de processamento dos produtos pecuários Participações dos componentes no PIB, no PIB-Familiar-BR Participações dos componentes no PIB, no PIB-Patronal-BR 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 17,1 17,9 17,9 17,0 16,1 15,5 15,9 15,4 14,9 39,1 39,3 39,4 40,1 40,1 39,9 40,0 39,1 37,9 37,8 36,5 36,3 36,4 36,3 36,6 36,0 36,3 37,6 6,0 6,3 6,4 6,5 7,5 8,0 8,1 9,2 9,6 7,1 7,1 7,0 7,3 8,6 9,2 9,2 10,5 11,1 32,4 30,8 31,1 32,6 33,2 34,2 33,9 33,6 34,0 41,7 42,6 42,7 42,8 41,6 40,7 40,9 40,4 40,2 18,8 19,6 19,2 17,3 16,6 16,0 16,0 15,5 14,7 Fonte: dados da pesquisa A produção de fumo corresponde a 4% do PIB médio do setor agrícola familiar e 1,5% quando considerado o PIB total do complexo agrícola. Através das linhas (Gráficos 9 e 10), são expostas as variações acumuladas do PIB das culturas de soja, milho, fumo e outras culturas. Nesses gráficos, as variações devem ser interpretadas pelo eixo da direita.
  • 16. 15 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL Comparando os dois tipos de agricultura (familiar e patronal) nota-se que as varia- ções do PIB das culturas, com exceção do fumo, são parecidas. A cultura da soja é a que apresenta o maior crescimento nos períodos analisados, tanto para a agricultura familiar (172%) quanto para a patronal (231%). Gráfico 9: Participação de algumas culturas que formam o setor da agricultura familiar no Brasil e as respectivas variações acumuladas do PIB Variação acumulada do PIB da lavoura: soja Variação acumulada do PIB da lavoura: fumo 200% 150% 100% 50% 0% -50% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 3,8 5,7 5,4 85,1 4,4 5,5 6,5 83,6 5,2 4,7 7,5 82,6 4,3 6,9 84,6 4,9 5,0 6,8 83,3 4,7 5,5 7,1 82,8 4,3 5,1 9,7 80,9 4,4 5,1 10,6 4,0 78,4 4,2 80,0 11,7 Variação acumulada do PIB da lavoura: milho Variação acumulada do PIB da lavoura: outras culturas 5,9 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Gráfico 10: Participação de algumas culturas que formam o setor da agricultura patronal no Brasil e as respectivas variações acumuladas do PIB 200% 150% 100% 50% 0% -50% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Variação acumulada do PIB da lavoura: soja Variação acumulada do PIB da lavoura: fumo Variação acumulada do PIB da lavoura: milho Variação acumulada do PIB da l avoura: outras culturas 90,3 89,1 87,9 89,3 87,5 86,5 86,0 82,583,5 3,7 4,0 3,5 2,9 3,7 3,8 3,3 3,5 4,0 5,9 6,8 8,5 7,7 8,7 9,6 10,6 12,9 13,5 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% * O fumo não aparece no gráfico de colunas em função de sua baixa participação (0,1%). Fonte: dados da pesquisa Fumo Milho Soja Outras culturas Fumo* Milho Soja Outras culturas
  • 17. 16 NEAD ESTUDOS 9 As mudanças decorrentes, ocorridas na indústria de processamento da produção agrícola familiar, nos anos de 1995 a 2003, podem ser avaliadas pelo Gráfico 11. 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 90% 75% 60% 45% 30% 15% 0% Gráfico 11: Participação das indústrias vinculadas à agricultura familiar do Brasil Outros produtos alimentares Fabricação de óleos vegetais Fabricação de açúcar Beneficiamento de produtos vegetais Indústria do fumo Indústria do café Artigos de vestuário Indústria têxtil Álcool Celulose, papel e gráfica Madeira e mobiliário Fonte: dados da pesquisa 18,5 21,9 22,1 27,4 35,4 38,7 38,7 34,6 41,4 6,5 6,8 7,3 7,3 6,4 5,0 6,5 7,6 7,8 16,6 21,6 3,8 8,1 11,9 1,6 5,1 5,1 4,2 4,0 1,4 9,1 6,6 3,7 24,4 16,8 17,5 27,8 3,6 4,6 6,4 3,7 1,7 4,0 3,6 3,5 1,7 4,2 3,3 5,0 24,5 18,1 16,0 18,2 5,7 4,5 5,1 2,0 3,2 2,1 14,9 14,7 5,2 6,8 1,9 2,2 3,5 5,6 5,2 6,7 2,2 2,3 4,7 14,0 16,7 18,2 15,8 18,3 12,2 5,1 7,2 2,5 2,3 3,6 4,0 1,9 3,0 5,3 3,4 Nossetoresindustriaisligadosàproduçãovegetal,sobressaem-se,nosegmentopatronal, os de reflorestamento, da cana-de-açúcar, e da soja. Por outro lado, no agronegócio ligado aos agricultores familiares, o grande grupo dos outros produtos alimentares abrangeu, em 2003, mais de 40% do PIB total da indústria das lavouras do segmento familiar. O fato parece ser in- dicativodamaiordiversificaçãoprodutivadosagricultoresfamiliares.Há,contudo,quesublinhar a importância das indústrias do fumo e, em menor grau, de fabricação de óleos vegetais e de beneficiamentodeprodutosvegetais,nocasodosegmentofamiliar.Nopatronal,destacam-se, também, a produção de álcool, a fabricação de açúcar e a cadeia de têxtil-vestuário. O Setor e a Indústria Pecuários do Brasil Os Gráficos 12 e 13 apresentam a participação do PIB das criações no setor pecu- ário, relativas ao agronegócio familiar e ao patronal. Observa-se que as parcelas percen- tuais determinadas para cada tipo de criação são diferentes. A criação de aves é respon- sável pela maior parcela do PIB do agronegócio pecuário familiar (33%, em 2003), segui- da pela produção de leite (24,2%, em 2003), e criação de bovinos (22,6%, em 2003).
  • 18. 17 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL No agronegócio patronal, a bovinocultura de corte assume a maior parcela de re- presentatividade, 47,1%, em 2003. A importância dos setores leiteiro, de aves e de suínos é bem menor quando comparada à do universo familiar. A maior variação acumulada do Gráfico 13: Participação das criações que formam o setor da pecuária patronal no Brasil e as respectivas variações acumuladas do PIB 50% 40% 30% 20% 10% 0% -10% -20% -30% -40% -50% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 11,5 Variação acumulada do PIB: aves Variação acumulada do PIB: leite Outros - pecuária Suínos Leite Bovinos Aves Variação acumulada do PIB: bovinos Variação acumulada do PIB: suínos Variação acumulada do PIB: outros - pecuária 4,6 19,6 43,8 20,5 12,1 4,5 20,5 43,1 19,9 8,4 4,8 19,6 47,4 19,9 10,9 4,4 17,1 47,8 19,7 15,9 48,6 20,3 10,8 4,3 15,2 50,4 19,0 11,1 4,3 13,9 51,4 18,8 11,2 4,7 13,8 49,9 21,2 10,8 4,3 14,4 47,1 23,8 10,2 4,5 Fonte: dados da pesquisa 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Gráfico 12: Participação das criações que formam o setor da pecuária familiar no Brasil e as respectivas variações acumuladas do PIB Variação acumulada do PIB: aves Variação acumulada do PIB: leite Outros - pecuária Suínos Leite Bovinos Aves 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% -20% -40% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 13,0 Variação acumulada do PIB: bovinos Variação acumulada do PIB: suínos Variação acumulada do PIB: outros - pecuária Fonte: dados da pesquisa 9,9 32,1 23,7 21,2 13,6 9,8 32,1 21,7 22,7 10,0 10,9 30,4 22,9 25,8 12,5 10,2 27,2 23,1 26,9 12,4 10,1 24,9 24,2 28,5 12,7 9,6 25,6 24,8 27,3 12,8 10,1 23,8 25,5 27,8 12,4 8,6 23,2 24,9 30,9 11,8 8,5 24,2 22,6 32,9 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0%
  • 19. 18 NEAD ESTUDOS 9 Gráfico 15: Participação das indústrias que formam o setor da pecuária patronal no Brasil e as respectivas variações acumuladas do PIB Indústria de laticínios Abate de suínos e outros Abate de bovinos Abate de aves Fabricação de calçados 40% 30% 20% 10% 0% -10% -20% -30% -40% -50% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 15,1 Variação acumulada do PIB da indústria de fabricação de calçados Variação acumulada do PIB da indústria de abate de bovinos Variação acumulada do PIB da indústria de abate de aves Variação acumulada do PIB da indústria de abate de suínos e outros Variação acumulada do PIB da indústria de laticínios Fonte: dados da pesquisa 9,7 17,9 12,0 45,3 16,6 8,9 16,6 11,1 46,8 16,5 9,3 17,8 10,8 45,5 17,6 9,9 20,7 12,3 39,4 16,3 10,7 23,4 13,1 36,5 16,1 10,6 23,9 13,2 36,1 15,9 11,9 25,2 13,4 33,7 15,0 11,8 26,6 14,9 31,7 14,5 12,9 26,1 16,7 29,8 Gráfico 14: Participação das indústrias que formam o setor da pecuária familiar no Brasil e as respectivas variações acumuladas do PIB Indústria de laticínios Abate de suínos e outros Abate de bovinos Abate de aves Fabricação de calçados 100% 80% 60% 40% 20% 0% -20% -40% -60% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 42,4 Variação acumulada do PIB da indústria de fabricação de calçados Variação acumulada do PIB da indústria de abate de bovinos Variação acumulada do PIB da indústria de abate de aves Variação acumulada do PIB da indústria de abate de suínos e outros Variação acumulada do PIB da indústria de laticínios 25,6 9,9 15,7 6,4 45,0 24,1 8,6 16,0 6,3 43,1 25,4 8,6 17,2 5,7 43,1 24,7 9,1 18,6 4,5 38,3 26,9 10,4 20,2 4,2 40,6 24,6 10,3 20,4 4,0 39,3 25,9 10,6 20,5 3,7 37,3 24,7 11,5 23,0 3,5 36,4 25,1 10,8 24,4 3,2 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0%
  • 20. 19 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL PIB do setor pecuário, tanto para o agronegócio familiar como para o patronal, corres- ponde ao desenvolvimento da produção de aves. Na indústria pecuária, no segmento patronal, dominam as relacionadas à pecuária, ou seja, o abate de bovinos e a fabricação de calçados. (Gráficos 14 e 15) O abate de aves, a indústria de laticínios, o abate de suínos são ramos industriais que exibem par- ticipação expressiva na composição da indústria pecuária ligada ao segmento familiar e que se reflete no predomínio desse segmento no conjunto dessas indústrias. Comentários Finais O segmento familiar da agropecuária brasileira e as cadeias produtivas a ela inter- ligadas responderam, em 2003, por 10,1% do PIB brasileiro, o que equivale a R$ 157 bi- lhões, em valores daquele ano. Tendo em vista que o conjunto do agronegócio nacional foi responsável, nesse ano, por 30,6% do PIB, fica evidente o peso da agricultura familiar na geração de riqueza no País. Concretamente, cerca de um terço do agronegócio brasi- leiro é tributário da produção agropecuária realizada pelos agricultores familiares, caben- do observar, ademais, que o desempenho recente da agropecuária familiar e do agrone- gócio a ela articulada vem sendo bastante positivo, superando, inclusive, as taxas de crescimento relativas ao segmento patronal. Entre 2001 e 2003, período em que a agropecuária brasileira apresentou elevadas taxas de crescimento, o segmento familiar do agronegócio cresceu 16,8% em relação aos 15,3% do setor patronal. No que se refere à produção primária, ou seja, ao comporta- mento da agropecuária stricto sensu não se observaram diferenças, tendo a agropecuária nacional aumentado em 26,4% seu valor agregado, entre 2001 e 2003. Esse desempenho extraordinário deve-se ao comportamento das lavouras e, em menor medida, à pecuária familiar. O valor adicionado do segmento das lavouras passou de R$ 68 bilhões, em 2001, para R$ 93 bilhões, em 2003. Considerando todo o período de 1995 a 2003, observa-se que não ocorreram alte- rações na participação das cadeias produtivas da agropecuária familiar no PIB do agro- negócio nacional, que é ao redor de um terço. Efetivamente, durante todo o período, a participação do segmento familiar variou entre 32,2% e 33,6%, tendo crescido 0,7 pontos percentuais entre 1995 e 2003. Esse incremento foi devido ao comportamento das cadeias produtivas da pecuária, nas quais o segmento familiar aumentou sua participação em 3,8 pontos percentuais no período e passou a responder, em 2003, por 40,6% do agronegó- cio ligado à produção animal. O agronegócio associado ao segmento familiar apresentou desempenhos inferio- res ao patronal, nos anos de 2000, 2001 e 2002, tendo tido, nos demais anos, perfor- mances melhores. Na segunda metade da década de 1990, o agronegócio apresentou
  • 21. 20 NEAD ESTUDOS 9 taxas de crescimento baixas, quando não negativas, com o PIB tendo aumentado, en- tre 1995 e 2000, somente 0,1%. Esse desempenho deveu-se, particularmente, ao com- portamento das lavouras e de sua agroindústria, bem como ao segmento industrial da pecuária patronal. Vale notar que, nesse período, a pecuária familiar e as cadeias produtivas a ela relacionadas aumentaram de maneira expressiva seu valor adicionado. Assim, a cadeia da produção animal dos agricultores familiares (insumos, setor, indústria e distribuição) cresceu 3,4% ao ano, no período de 1995 a 2000. Esse bom desempenho continuou nos primeiros anos da atual década, pois, entre 2000 e 2003, o agronegócio pecuário familiar aumentou seu valor adicionado em 3,8% ao ano. Já no que se refere ao segmento patronal, o que sobressaiu foi o comportamento da produção vegetal, cujo valor adicionado aumentou em 1,5 vezes, entre 1995 e 2003, ou seja, a uma taxa de crescimento anual de 4,8%. Todavia, esse comportamento não se refletiu integralmente no conjunto das cadeias produtivas ligadas à produção vegetal do segmento patronal, uma vez que, nesse caso, a taxa de crescimento anual foi de 2,1%. O fato parece mostrar que o crescimento das lavouras não tem se espraiado para os seto- res industriais e de serviços a ela articulados. Situação diversa do que se observa no caso da produção animal desenvolvida pelos agricultores familiares, em que se assiste a uma dispersão menor das taxas de crescimento anual dos diversos setores produtivos – insu- mos, pecuária em si, indústria e distribuição. Como resultado do desempenho do agronegócio familiar descrito, observou-se, de um lado, um aumento da importância das atividades ligadas à produção animal no agronegócio familiar, cuja participação passou de 34,1%, em 1995, para 37,4%, em 2003. De outro lado, assistiu-se a uma diminuição na diferença entre o PIB do setor primário e o PIB do agronegócio, ou seja, houve um aumento do valor adicionado na produção agropecuária stricto sensu que não se fez acompanhar dos valores adicionados nos se- tores industriais e de serviços a montante e a jusante. Efetivamente, enquanto, em 1995, o PIB do agronegócio era 3,7 vezes o PIB da agropecuária, em 2003, esse fator caiu para 3,3. Vale sublinhar que essa diminuição foi maior no caso das lavouras do segmento patronal e de pouca envergadura para a produção animal do segmento familiar. Isso parece apontar que o crescimento do agronegócio nos últimos anos teve por base o incremento da atividade primária das lavouras, sem ocorrer o espraiamento na indústria de transformação, pois, nos setores de insumos e de distribuição, as taxas de crescimen- to nos valores adicionados foram, respectivamente, superiores ou semelhantes às obser- vadas para a produção primária. No caso dos insumos, verificam-se aumentos expressi- vos tanto para as lavouras como para a pecuária, especialmente após 1999, o que pare- ce refletir as alterações na política cambial.
  • 22. 21 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL Ainda que tenha ocorrido uma aproximação dos fatores de multiplicação do PIB da agropecuária ao do PIB do agronegócio, entre os segmentos familiar e patronal, é eviden- te, ainda, que as produções desenvolvidas pelos agricultores patronais apresentam rela- ções mais estreitas com os setores industriais e de serviços. Ou seja, há ainda espaço para a agregação de valor nos cultivos e criações desenvolvidas pelos agricultores fami- liares, significando uma participação ainda mais expressiva das cadeias produtivas arti- culadas à agricultura familiar. Esse cenário se faz evidente pelo fato de que, no segmento patronal, a participação da indústria de base agropecuária é da ordem de um terço, enquanto no agronegócio familiar foi de 22,7%, em 2003. No que concerne às participações dos setores de insumos e de distribuição, as diferenças são pouco expressivas. Esse descompasso, como já foi apontado, inexiste no caso da produção animal, em que o segmento industrial respondeu, em 2003, por 14,9% e 14,7% dos PIBs familiar e patronal, respectivamente. Outra parti- cularidade da cadeia da produção animal é a maior participação no PIB do setor de insu- mos, que, em 2003, foi responsável por 10,5% do PIB do agronegócio pecuário, enquan- to que, nas lavouras, essa participação foi de 4,7%. A estrutura de composição do PIB dos agronegócios familiar e patronal e sua evolução recente, discriminadas pelos cultivos e sub-setores industriais, chama a atenção o cresci- mento vertiginoso da soja, tanto no segmento familiar como no patronal. Em termos de pecuária, nota-se uma concentração na bovinocultura de corte, nos patronais, e uma maior diversificação, nos familiares, setores em que se destaca a avicultura e a produção leiteira. As estimativas do PIB do agronegócio familiar e sua evolução nos últimos oito anos (1995 a 2003) mostram, claramente, que os pequenos agricultores ou os agricultores familiares respondem por parcela expressiva da riqueza nacional, ainda mais tendo em vista a insuficiência de terras, as dificuldades creditícias, o menor aporte tecnológico, a fragilidade da assistência técnica e a subutilização da mão-de-obra. Essa relativa punjança decorre, de uma lado, da existência de parcelas importantes do segmento familiar que se encontram integradas aos setores agroindustriais e da distri- buição e, de outro, à utilização plena de suas terras. Cabe destacar o quão importante são esses agricultores nas atividades da pecuária de pequeno porte – altamente articulada com os setores industriais, na fumicultura e no beneficiamento de produtos alimentares. Há, por fim, muito espaço para o crescimento do agronegócio familiar, tendo em con- ta que a amplificação da atividade primária de caráter familiar em direção ao agronegócio é de menor envergadura do que no segmento patronal, isto é, no caso do Brasil, o PIB da agricul- tura familiar é multiplicado por 2,8, em 2003. Para se ter o agronegócio, esse fator é de 3,6 para o patronal e já foi da ordem de 4,0, nesse segmento, em meados dos anos 1990.
  • 23. 22 NEAD ESTUDOS 9 O Agronegócio Familiar na Economia do Rio Grande do Sul O acompanhamento das evoluções conjunturais e das tendências de longo prazo do agronegócio é fundamental para os setores público e privado. Na economia globalizada de hoje, a sobrevivência na agricultura e no agronegócio como um todo depende da informa- ção de boa qualidade, atualizada e ágil, e que seja produzida com metodologia cientifica- mente comprovada. Medidas de correção de rumo podem ser sugeridas e tomadas em tempo oportuno, de modo a prevenir desvios indesejáveis na produção, no emprego, e no desempenho comercial. Por isso, o desenvolvimento do agronegócio depende do acom- panhamento da produção, avaliando os itens que detêm maiores destaques. No caso do Rio Grande do Sul (RS), a agricultura familiar é um segmento de extrema importância, não só para a economia do agronegócio, mas para própria economia do Es- tado. Sua importância social, seja pela geração de emprego e ocupação, seja pelo perfil dos produtos, é bastante notória, especialmente para um Estado cuja maioria das proprie- dades rurais é administrada por ambientes familiares. Além disso, a própria caracterização socioeconômica do Estado é bastante associada à produção rural. Nesse contexto, é fun- damental que detecte a importância do agronegócio familiar, utilizando um método quan- titativo adequado que possa delinear a evolução da produção familiar. Assim, a metodologia para o cálculo do PIB do agronegócio familiar, baseada na mesma técnica empregada no cálculo do agronegócio em geral, apresenta-se como uma forma de dimensionar e avaliar o agronegócio familiar no Estado do Rio Grande do Sul. O PIB do Agronegócio Familiar na Economia do RS, 1995 a 2003 Tendo em vista o arcabouço teórico apresentado anteriormente, as análises vincu- ladas ao PIB podem ser desenvolvidas em diversos níveis de desagregação. Isso porque o agronegócio foi definido e estimado para dois grandes complexos: a agricultura e a pecuária, sendo que cada complexo pode ser dividido em quatro componentes principais: Insumos; O próprio setor; Processamento; e Distribuição e serviços.
  • 24. 23 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL Além da possibilidade de se avaliar cada um dos quatro componentes dentro de cada um dos dois complexos, outra subdivisão relacionada com o objetivo principal da pesquisa - a distinção entre o agronegócio familiar e o patronal - torna possível multipli- car ainda mais as formas de desagregação das análises. Dada a grande quantidade de combinação das análises, optou-se por desenvolvê- las através do fluxo apresentado na Figura 2. Cada bloco, na figura, corresponde às pró- ximas seções. A disposição seqüencial visa, dessa forma, enfocar a distinção entre o agronegócio familiar e o patronal. Busca-se efetivar a comparação entre as duas catego- rias usando as ramificações subseqüentemente posicionadas Na Figura 2, o primeiro bloco de análise corresponde a uma rápida avaliação da importância do agronegócio e de seus dois grandes complexos, ao longo dos anos de 1995 a 2003. Embora esta seção esteja primordialmente relacionada com o Estado do Rio Grande do Sul, em algumas análises, os dados desse Estado serão comparados com os valores do PIB nacional. O segundo bloco aumenta o grau de detalhamento da análise anterior, ao considerar aperspectivadoagronegóciofamiliaredopatronal.Noterceirobloco,avalia-seadimensão e a evolução do desempenho familiar e patronal através dos complexos agrícola e pecuário e de seus componentes correspondentes. Dentre os quatro componentes principais, o próprio setor e a indústria são detalhados com maior rigor na quarta e quinta etapas. No bloco quatro, dentro do complexo agricultura, o estudo do setor agrícola é detalhado para as culturas de soja, milho, fumo e outras culturas. Ainda dentro da agri- cultura, a indústria relacionada com esse complexo é subdividida em oito grupos: Ma- deira e mobiliário; Celulose, papel e gráfica; Indústria têxtil; Artigos do vestuário; Indústria do fumo; Beneficiamento de produtos vegetais; Fabricação de óleos vegetais; e Outros produtos alimentares. Indústrias relacionadas ao beneficiamento de álcool, açúcar, e café não foram consideradas para a análise do Estado, dada a pequena expressão econômica que esses complexos agroindustriais possuem. Da mesma forma que no bloco quatro, o bloco cinco detalha o setor e a indústria, mas com relação ao complexo da pecuária. O setor pecuário é então subdividido em cinco grupos: Aves; Bovinos; Leite; Suínos; Outras criações animais. A indústria é subdi- vidida em outros cinco grupos: Fabricação de calçados; Abate de aves; Abate de bovinos; Abate de suínos e outros animais; e Indústria de laticínios . Desempenho do PIB do RS O Estado possui 6% da população brasileira, segundo dados do censo demográfi- co. Entretanto, em termos produtivos, a participação média do PIB do RS no contexto
  • 25. 24 NEAD ESTUDOS 9 Figura 2: Disposição seqüencial das análises para o Rio Grande do Sul PIB total Fonte: dados da pesquisa PIB outros setores PIB agricultura familiar PIB agricultura patronal PIB agricultura familiar Agricultura 4 componentes Insumos Setor Indústria Distribuição PIB agricultura patronal Agricultura 4 componentes Insumos Setor Indústria Distribuição PIB agricultura familiar Pecuária 4 componentes Insumos Setor Indústria Distribuição PIB agricultura patronal Pecuária 4 componentes Insumos Setor Indústria Distribuição Indústria Madeira e mobiliário Celulose, papel e gráfica Álcool Indústria têxtil Artigos de vestuário Indústria do café Indústria do fumo Beneficiamento de produtos vegetais Fabricação de açúcar Fabricação de óleos vegetais Outros produtos alimentares PIB agronegócio Setor Soja Milho Fumo Outras culturas Setor Indústria Setor Aves Bovinos Leite Suínos Outros - pecuária Indústria Fabricação de calçados Abate de aves Abate de bovinos Abate de suínos e outros Indústria de laticínios Gráfico 16: Evolução do PIB (RS e Brasil) e participação do RS no PIB nacional 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 25% 20% 15% 10% 5% 0% Participação do PIB-RS no PIB Nacional Variação acumulada PIB-RS Variação acumulada PIB-Brasil 8,0 7,9 8,1 8,0 8,2 8,2 8,3 8,3 8,7 Fonte: dados da pesquisa Análise5Análise4Análise3 Análise 2 Análise1
  • 26. 25 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL nacional foi de 8,2%, nos anos de 1995 a 2003. Pelo Gráfico 16 é possível notar que o percentual da participação do PIB do RS, transformado em valores reais, esteve sempre na faixa de 8%, no período analisado. Mas é necessário destacar que, a partir de 1998, foram observados acréscimos consecutivos, aumentando a participação do Estado na economia nacional. O aumento de 0,7%, na participação do Estado no PIB nacional, registrado nos anos de 1995 a 2003, deve-se ao maior crescimento da economia do RS do que ao do Brasil. As linhas do Gráfico 16 demonstram a variação anual acumulada a partir de 1995 1 . No período, o PIB nacional cresceu 15,9%, enquanto que, para o RS, o aumento foi de 25,1%. A partir de 1998, os aumentos consecutivos do PIB gaúcho em valores reais refletiram a evolução econômica do Estado. A média da variação real anual do PIB do RS foi de 3,4% contra 1,8% do PIB nacional. Os fatos determinantes do crescimento do PIB do RS, acima do crescimento do PIB nacional, estão associados principalmente ao desempenho positivo do agronegócio. Pela Gráfico 17: Evolução do PIB do agronegócio (RS e Brasil) e participação do agronegócio no RS e no Brasil 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 55% 45% 35% 25% 15% 5% -5% Participação do agronegócio no PIB - Brasil Participação do agronegócio no PIB - RS Variação acumulada do PIB do agronegócio - Brasil Variação acumulada do PIB do agronegócio - RS 30,1 Fonte: dados da pesquisa 41,7 28,8 41,8 27,6 39,6 40,2 28,1 42,7 26,9 40,6 27,1 42,8 28,9 45,4 30,6 50,1 1. Nesta seção, todas as análises que utilizam a variação anual acumulada terão o ano de 1995 definido como ano-base. observação das linhas apresentadas no Gráfico 17, é possível verificar que o crescimen- to do PIB do agronegócio no RS foi grande, acumulando uma alta de 50,2% no período de 1995 a 2003. No mesmo gráfico, as colunas demonstram a participação do agronegó- cio no PIB do RS e do Brasil. No caso do RS, a importância do agronegócio para a eco- nomia gaúcha parte de 41,7%, em 1995, e atinge o patamar de 50,1%, em 2003. O au- mento do PIB do agronegócio, associado à sua maior participação na economia do RS, indica que os complexos agropecuários cresceram mais do que os outros setores da economia do Estado, especialmente nos anos de 2000 a 2003. 27,8
  • 27. 26 NEAD ESTUDOS 9 Ainda mostra o Gráfico 17 que o percentual acumulado do agronegócio nacional foi de 16,2% e que as variações se tornaram representativamente positivas após a li- beralização cambial. Mas, esse aumento não foi muito diferente do crescimento da economia como um todo (15,9%, mencionado anteriormente), no mesmo período. Por isso, a participação do agronegócio no PIB brasileiro foi pouco alterada. Apenas no ano de 2003 (30,6%) houve superação do percentual de participação inicial de 30,1% (1995). Dando continuidade à análise relativa ao PIB do agronegócio do RS, verifica-se pelo Gráfico 18 que, dentre os dois grandes complexos que formam o agronegócio, tanto o PIB do complexo agrícola quanto o pecuário aumentaram nos nove anos estu- dados. Apresentando uma tendência mais uniforme, a variação acumulada do PIB do agronegócio da pecuária atingiu 35,2%, enquanto que o PIB do agronegócio agrícola foi bastante favorecido nos anos após a flexibilização cambial e conseqüente desvalo- rização do real 2 . Entre os anos de 1995 a 2003, o percentual de crescimento acumulado do PIB do agronegócio agrícola foi de 58%, mas, considerando apenas o período de 1999 a 2003, o acréscimo foi de 45,6%. O aumento mais acentuado foi observado entre 2002 e 2003 - variação anual de 25,4% - referente ao excelente desempenho na produção de grãos da safra 2002/03. Isso proporcionou o aumento da participação do agronegócio da agricultura no agronegócio gaúcho para 67,1%, reduzindo a importância da pecuária para 32,9%. Gráfico 18: Evolução do PIB do complexo agrícola e pecuário e participação do PIB do agronegócio agrícola dentro do agronegócio do RS 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 90% 70% 50% 30% 10% -10% Participação do complexo agrícola no PIB do agronegócio Variação acumulada do PIB do complexo agrícola Variação acumulada do PIB do complexo pecuário Fonte: dados da pesquisa 2. Tendo em vista que a taxa de câmbio é fator determinante da rentabilidade dos setores voltados ao mercado exterior, em especial a agricultura brasileira, o fortalecimento da moeda nacional através do Plano Real (1994) e a manutenção do valor do real próximo ao dólar, até 1998, provocaram uma forte redução nos preços agrícolas. Somente após a adoção do regime de bandas cambiais flexíveis, em 1999 (maxidesvalorização da moeda e sucessivo controle da volatilidade cambial), e a recuperação dos mercados da Ásia e da Rússia, o PIB do complexo agrícola foi favorecido, apresentando crescimento significativamente positivo. 63,8 62,7 61,0 61,4 61,9 59,7 61,5 62,1 67,1
  • 28. 27 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL Desempenho dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS Pela análise anterior, observa-se que o progresso do PIB do RS foi maior que o nacional. Isso foi proporcionado, principalmente, pelo alto desempenho do agronegócio gaúcho que, nos anos de 1995 a 2003, registrou um desenvolvimento progressivo do complexo pecuário e, mais acentuado, para o complexo agrícola, a partir do ano de 2000. Para explicar esse fato, é necessário compreender quais são as características do agro- negócio gaúcho e como elas se desenvolveram nos últimos anos. A comparação entre as participações percentuais do agronegócio familiar e patro- nal no PIB do RS e do Brasil, demonstrada no Gráfico 19, torna evidente que a contribui- ção das propriedades definidas como familiares é bastante superior para a economia do Estado do RS do que para a esfera nacional. A média da participação do agronegócio familiar do RS (23,5%), no período de 1995 a 2003, é 2,5 vezes superior à da média nacional (9,3%). Quanto ao agronegócio patronal, as representatividades desse setor são semelhantes, com participação média de 19,4% para o RS e de 19,1% para o Brasil. Salienta-se que, com relação ao apresentado no item anterior (Gráfico 17), a principal explicação para a grande diferença entre a participação do agronegócio no PIB do Estado do RS e do Brasil é dada, justamente, pela importância do agro- negócio familiar. Fonte: dados da pesquisa Gráfico19:ParticipaçãodoPIBdoagronegóciofamiliarepatronalnoPIBdoRioGrandedoSuledoBrasil 1995 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Participação do PIB dos outros setores Participação do PIB do agronegócio patronal Participação do PIB do agronegócio familiar Participações no PIB total do Rio Grande do Sul Participações no PIB total do Brasil 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 58,0 19,0 23,0 58,0 19,0 22,0 60,0 18,0 22,0 60,0 18,0 22,0 57,0 19,0 23,0 59,0 18,0 22,0 57,0 19,0 23,0 55,0 20,0 25,0 50,0 23,0 27,0 70,0 20,0 10,0 71,0 19,0 9,0 72,0 19,0 9,0 72,0 19,0 9,0 72,0 19,0 9,0 73,0 18,0 9,0 73,0 18,0 9,0 71,0 20,0 9,0 69,0 21,0 10,0
  • 29. 28 NEAD ESTUDOS 9 Pela divisão da parcela do agronegócio familiar nos dois grandes complexos: agrí- cola e pecuário, observa-se, no Gráfico 20, que a participação tanto do complexo familiar agrícola como do complexo familiar pecuário são equitativamente maiores no agronegó- cio do RS em relação ao do Brasil. Com relação à parcela do agronegócio patronal, as proporções são parecidas no que se refere à pecuária do RS e do Brasil. A maior diferença está vinculada, portanto, à agricultura. Ou seja, no RS, a importância da agricultura patronal é reduzida, sendo alo- cada de forma proporcional na agricultura e na pecuária do agronegócio familiar. Dessa forma, a agricultura familiar admite maior expressividade na economia gaúcha, e a distribuição do PIB do agronegócio desse Estado é mais uniforme, quando compara- da à totalidade do País. Os itens a seguir aprimoram as análises à medida que os com- ponentes que formam os complexos são pormenorizados. Complexos dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS O PIB do agronegócio resulta da agregação do PIB do complexo agrícola com o PIB do complexo pecuário, e cada um é formado por quatro componentes principais - insu- mo, setor, indústria e distribuição. Nos tópicos a seguir, é apresentada a evolução da participação de cada componente dentro do PIB de cada complexo, com ênfase na se- paração entre o que é de origem familiar e o que é patronal, para o RS. Fonte: dados da pesquisa Gráfico20:Participações do PIB dos complexos agropecuários familiar e patronal no PIB do RS e do Brasil 1995 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Participação do PIB dos complexo patronal agrícola Participação do PIB do complexo familiar pecuário Participação do PIB do complexo familiar agrícola Participações no PIB do agronegócio do Rio Grande do Sul Participações no PIB do agronegócio do Brasil 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Participação do PIB do complexo patronal pecuário 19,0 27,0 18,0 37,0 19,0 27,0 18,0 35,0 20,0 25,0 19,0 36,0 19,0 27,0 19,0 35,0 20,0 26,0 19,0 36,0 21,0 24,0 20,0 35,0 20,0 26,0 19,0 36,0 19,0 25,0 19,0 37,0 16,0 29,0 17,0 38,0 19,0 49,0 11,0 21,0 18,0 49,0 11,0 21,0 18,0 50,0 11,0 22,0 18,0 50,0 12,0 21,0 19,0 48,0 12,0 21,0 19,0 47,0 13,0 20,0 19,0 48,0 13,0 20,0 19,0 49,0 13,0 20,0 18,0 49,0 12,0 21,0
  • 30. 29 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL Componentes dos Complexos Agrícolas Familiar e Patronal do RS No Estado do RS, as quantias percentuais relacionadas com cada um dos quatro componentes do agronegócio familiar agrícola são semelhantes àquelas referentes ao agronegócio patronal. Além disso, no decorrer dos anos, a composição do agronegócio da agricultura também não foi significativamente alterada. O Gráfico 21 ilustra este fato, demonstrando a similaridade existente entre os anos e os dois universos da análise. Essa semelhança indica que a estrutura de organização do setor agrícola e de seus elos comerciais envolvidos é homogênea no RS. Isso sugere que as atividades produtivas exercidas nas propriedades rurais consideradas patronais são parecidas com as daquelas classificadas como familiares. 90% 75% 60% 45% 30% 15% 0% Fonte: dados da pesquisa Gráfico 21: Participação dos quatro componentes que formam o agronegócio da agricultura familiar e patronal do RS 1995 Setor agricultura Distribuição dos produtos agrícolas Indústria de processamento dos produtos agrícolas Participações dos componentes no PIB, no PIB-Familiar-RS Participações dos componentes no PIB, no PIB-Patronal-RS 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2,7 2,5 2,6 2,5 2,6 3,0 3,1 2,7 2,9 Insumos não-agrícolas 36,6 31,4 29,3 33,9 32,3 31,2 34,4 31,9 31,0 33,9 32,3 31,2 29,1 33,4 34,9 30,6 32,6 33,7 32,1 32,1 32,7 29,3 33,3 34,6 31,7 33,7 31,8 2,7 2,7 2,7 2,8 3,5 3,6 3,7 3,5 3,5 32,9 31,8 32,5 31,4 32,5 33,4 31,8 31,7 33,8 32,6 31,5 33,1 34,3 30,2 32,0 31,5 30,5 34,4 34,2 29,8 32,2 33,0 30,8 32,7 33,5 31,5 31,4 Componentes dos Complexos Pecuários Familiar e Patronal do RS Diferentemente do complexo agrícola, as quantias percentuais, relacionadas com cada um dos quatro componentes do agronegócio familiar pecuário, são bastante dis- tintas daquelas referentes ao agronegócio patronal. Outra diferença do complexo agrí- cola está na composição do agronegócio da pecuária, haja vista que ela foi alterada no decorrer dos últimos anos. O Gráfico 22 ilustra esses fatos, tornando explícita a grande diferença observada no setor da produção pecuária familiar e na patronal.
  • 31. 30 NEAD ESTUDOS 9 Ao contrário da análise anterior, para o complexo agrícola, a estrutura de organi- zação do setor pecuário e de seus elos comerciais envolvidos não é homogênea. A pre- dominância das atividades produtivas exercidas nas propriedades rurais consideradas patronais não é parecida com as daquelas classificadas como familiares. Se, por um lado, a maior parte do setor da pecuária patronal está embasada na criação extensiva de gado, por outro lado, o setor da pecuária familiar contém em sua maior parte criações intensificadas. Plantéis com alta densidade, que exigem maiores quantidades de insumos e que produzem mais, quando comparados aos rebanhos cria- dos a pasto. Por esse motivo, a demanda por insumos e o destino da produção do setor da pecuária familiar são diferentes do setor da pecuária patronal. Evolução dos Componentes dos Agronegócios Familiar e Patronal do RS Os Gráficos 23 e 24 demonstram o desenvolvimento do PIB, a partir de 1995, de cada componente. Buscando as informações da seção anterior, sabe-se que os componentes do com- plexo agrícola: indústria, distribuição e o próprio setor agrícola têm representatividades equivalentes. Assim o crescimento semelhante mostrado no Gráfico 23, especialmente para a agricultura patronal, permite inferir que esses três segmentos da economia do RS devam ser bastante relacionados, dado que o crescimento de um dos setores implica 90% 75% 60% 45% 30% 15% 0% Fonte: dados da pesquisa Gráfico 22: Participação dos quatro componentes que formam o agronegócio da pecuária familiar e patronal do RS 1995 Setor: pecuária Distribuição dos produtos pecuários Indústria de processamento dos produtos pecuários Participações dos componentes no PIB, no PIB-Familiar-RS Participações dos componentes no PIB, no PIB-Patronal-RS 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 4,5 4,7 4,8 4,8 5,5 5,9 6,0 6,8 7,4 Insumos não-pecuários 2,8 3,1 3,4 3,5 3,8 4,2 4,3 5,0 5,4 42,5 33,0 20,0 42,5 33,0 19,8 43,2 32,9 19,1 43,7 32,7 18,8 43,4 32,3 18,8 44,3 31,6 18,1 43,9 31,7 18,3 44,1 31,5 17,6 45,9 29,9 16,8 22,1 41,9 33,2 23,1 41,3 32,5 26,1 40,1 30,3 27,0 39,8 29,7 25,2 40,4 30,6 26,3 39,3 30,2 26,3 39,2 30,2 27,4 38,0 29,6 28,2 38,2 28,2
  • 32. 31 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL mudanças diretas nos outros. O fornecimento de insumos, por exemplo, apresentou a maior alta acumulada até 2003, mas não foi o principal elemento responsável pelo bom desempenho do complexo agrícola, dada a sua menor representatividade. O seu cresci- mento está associado à maior demanda do setor da produção rural. Quanto ao complexo pecuário, novamente o fornecimento de insumos teve maior destaque, chegando a duplicar sua importância relativa quanto ao PIB dos outros com- ponentes do complexo do pecuário. Mas o destaque maior se dá pelo aumento do pró- prio setor pecuário, tornando-se mais expressivo tanto no universo do agronegócio fa- miliar quanto no do patronal. Insumos Setor: agricultura Indústria Distribuição Gráfico 23: Variação acumulada dos quatro componentes que formam o agronegócio da agricultura familiar e patronal do RS 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% -20% Variação acumulada do PIB dos componentes da agricultura familiar Variação acumulada do PIB dos componentes da agricultura patronal 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Insumos Setor: pecuária Indústria Distribuição Gráfico 24: Variação acumulada dos quatro componentes que formam o agronegócio da pecuária familiar e patronal do RS 160% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% -20% Variação acumulada do PIB dos componentes da pecuária familiar Variação acumulada do PIB dos componentes da pecuária patronal 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Fonte: dados da pesquisa
  • 33. 32 NEAD ESTUDOS 9 O Setor e a Indústria Agrícolas do RS Os Gráficos 25 e 26 detalham o PIB do componente setor agrícola, demonstrando a participação das culturas de soja, milho, fumo e das culturas restantes. Pelos dois grá- ficos, pode-se constatar que os percentuais do PIB gerado pela soja são parecidos. No caso do item outras culturas, referente à agricultura patronal, os valores estão em média 17 pontos percentuais maiores, devido à diferença ocasionada pela menor produção percentual de milho (cerca de 3 pontos percentuais) e irrelevância, também percentual, da fumicultura, nas propriedades patronais. A produção de fumo corresponde a 12% do PIB médio do setor agrícola familiar e 7% quando considerado o PIB total do complexo agrícola. Nesse grau de desagregação, o fumo é o produto que determina a marcante diferença entre estrutura agrícola familiar e patronal. Através das linhas, nos Gráficos 25 e 26, são expostas as variações acumula- das do PIB das culturas de soja, milho, fumo e outras culturas. Nesses gráficos, a inter- pretação das variações deve ser realizada pelo eixo da direita. Comparando os dois tipos de agricultura (familiar e patronal) nota-se que as varia- ções do PIB das culturas são parecidas. Excetuando a cultura da soja, nenhuma delas ultrapassa a faixa de 50% de aumento. As tendências de crescimento da produção de soja são parecidas, mas o incremento na agricultura patronal, até 2003, é quase três Gráfico 25: Participação de algumas culturas que formam o setor da agricultura familiar no RS e as respectivas variações acumuladas do PIB 200% 150% 100% 50% 0% -50% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Variação acumulada do PIB da lavoura: soja Variação acumulada do PIB da lavoura: fumo Variação acumulada do PIB da lavoura: milho Variação acumulada do PIB da lavoura: outras culturas 10,3 7,5 13,1 69,1 12,6 5,8 14,4 67,2 14,7 6,0 17,4 62,0 11,6 7,0 18,0 63,4 13,3 5,9 13,7 67,1 12,7 8,0 15,6 63,7 10,9 7,3 21,3 60,5 12,2 7,0 20,8 60,0 9,9 7,5 27,1 55,5 Fonte: dados da pesquisa 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Fumo Milho Soja Outras culturas
  • 34. 33 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL vezes maior que a produção de 1995, enquanto que na agricultura familiar o incremento também foi alto, mas menor, com a produção sendo elevada a um patamar duas vezes maior. Em ambos os casos, basicamente, a cultura da soja foi a principal responsável pelo crescimento do PIB do setor agrícola, dentro do complexo da agricultura. As mudanças ocorridas nos anos de 1995 a 2003, na indústria de processamento da produção agrícola familiar, podem ser avaliadas pela Tabela 1. Dentre as indústrias, as que mais se destacaram no período analisado foram a in- dústria do fumo, a de beneficiamento de produtos vegetais e a de fabricação de óleos vegetais. Conforme os Gráficos 25 e 26, o PIB de todos os cultivos apresentaram aumen- tos percentuais de forma a estimular também a indústria de beneficiamento desses Tabela 1: Variações acumuladas do PIB das indústrias vinculadas à agricultura familiar do RS (em %) Variação acumulada do PIB da indústria 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Madeira e mobiliário 3,3 10,1 1,5 7,4 33,6 37,9 36,5 16,0 Celulose, papel e gráfica -20,2 -21,6 -11,5 -9,1 -3,5 -10,3 8,9 22,5 Indústria têxtil -26,2 -32,1 -52,2 -59,4 -50,7 -62,4 -64,5 -66,0 Artigos de vestuário -20,5 -46,2 -66,0 -76,2 -69,7 -80,2 -81,8 -87,7 Indústria do fumo 8,8 41,8 30,5 127,6 88,8 122,6 162,9 116,10 Beneficiamento produtos vegetais 4,6 -7,7 0,2 2,2 -10,7 -18,4 31,2 127,0 Fabricação de óleos vegetais -1,3 -2,4 2,1 -26,2 -35,6 -6,5 -2,5 67,1 Outros produtos alimentares -2,1 -20,4 -15,5 0,2 12,5 9,8 -3,2 4,8 Fonte: dados da pesquisa Gráfico 26: Participação de algumas culturas que formam o setor da agricultura patronal no RS e as respectivas variações acumuladas do PIB 300% 250% 200% 150% 100% 50% 0% -50% -100% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Variação acumulada do PIB da lavoura: soja Variação acumulada do PIB da lavoura: fumo Fumo* Milho Soja Outras culturas Variação acumulada do PIB da lavoura: milho Variação acumulada do PIB da lavoura:outras culturas 4,1 10,7 84,8 3,0 11,6 84,9 3,1 14,7 81,6 3,3 15,1 81,2 2,4 10,6 86,7 3,7 13,7 82,1 4,3 18,8 76,5 3,2 19,2 77,2 24,6 71,8 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 3,2 * O fumo não aparece no gráfico de colunas em função de sua baixa participação (0,3%). Fonte: dados da pesquisa
  • 35. 34 NEAD ESTUDOS 9 produtos. Os bruscos aumentos verificados entre os anos de 2002 e 2003, para o bene- ficiamento e a fabricação de óleos vegetais, são conseqüência direta da absorção da produção excepcional de soja da safra do mesmo período pelo setor industrial. Para a agricultura familiar do RS, a indústria de fumo assume a maior importância rela- tiva, devido à expressiva agregação de valor, durante a industrialização do produto fumo. Novamente, agora no contexto patronal, as indústrias que tiveram maior cresci- mento do PIB foram aquelas ligadas com a produção de soja - a indústria de beneficia- mento de produtos vegetais e a de fabricação de óleos vegetais. (Tabela 2) Da mesma forma, acentuados aumentos entre os anos de 2002 a 2003 foram observados no PIB dessas indústrias, sendo que suas respectivas participações relativas aumentaram suces- sivamente a partir de 2000. Tabela 2: Variações acumuladas do PIB das indústrias vinculadas à agricultura patronal do RS (em %) Variação acumulada do PIB da indústria 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Madeira e mobiliário 18,0 34,8 21,4 26,9 54,8 58,6 50,3 38,4 Celulose, papel e gráfica -10,2 -6,2 3,9 5,5 10,0 1,6 18,6 43,2 Indústria têxtil -4,5 15,7 23,8 41,1 58,3 76,5 58,4 74,3 Artigos de vestuário 1,6 -10,3 -14,8 -20,3 -6,3 -11,0 -22,1 -39,7 Indústria do fumo 8,3 39,0 19,0 116,4 80,0 117,0 148,7 99,0 Beneficiamento de produtos vegetais 7,5 -10,7 -2,9 -1,3 -15,7 -7,8 28,1 123,9 Fabricação de óleos vegetais 3,7 -0,5 12,2 -14,6 -28,6 9,4 20,8 113,3 Outros produtos alimentares 0,8 -17,7 -13,1 1,9 -9,4 0,8 -7,2 -3,0 Fonte: dados da pesquisa O Setor e a Indústria Pecuários do RS Os Gráficos 27 e 28 apresentam a participação do PIB das criações no setor pecuário, relativas aos agronegócios familiar e patronal. Observa-se que as parcelas percentuais deter- minadas para cada tipo de criação são diferentes. A suinocultura é responsável pela maior parcela do PIB do agronegócio pecuário familiar (em média, 30%), mas a importância das ou- tras categorias pecuárias é distribuída de forma semelhante entre o restante das criações. No agronegócio patronal, a bovinocultura de corte assume a maior parcela de re- presentatividade, sendo superior à soma de todas as outras criações. A importância do setor leiteiro é bastante reduzida, quando comparada à do universo familiar. Entretanto, a maior variação acumulada do PIB do setor pecuário tanto para o agronegócio familiar como patronal corresponde ao desenvolvimento da produção de gado de corte. Apenas no último ano (2003), houve variação negativa do PIB da bovinocultura de corte, que pode estar associada com a destinação de áreas de pastoreio para o cultivo de soja. A indústria vinculada ao complexo da pecuária no RS não teve um desempenho tão bom quanto o setor de produção do complexo pecuário. (Gráfico 24) Nos gráficos
  • 36. 35 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL 29 e 30 constata-se, através da observação das linhas e do eixo correspondente, à es- querda, que apenas a indústria de abate de aves acumulou um expressivo aumento, modificando também sua participação tanto no PIB do agronegócio familiar quanto no patronal. Gráfico 27: Participação das criações que formam o setor da pecuária familiar no RS e as respectivas variações acumuladas do PIB 100% 80% 60% 40% 20% 0% -20% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Variação acumulada do PIB: aves Variação acumulada do PIB: leite Outros - pecuária Suínos Leite Bovinos Aves Variação acumulada do PIB: bovinos Variação acumulada do PIB: suínos Variação acumulada do PIB: outros - pecuária Fonte: dados da pesquisa 5,9 32,5 21,7 17,3 22,6 5,6 30,5 21,6 19,1 23,2 6,4 29,8 19,5 22,1 22,1 6,4 30,3 19,2 22,2 21,9 5,9 32,3 18,7 22,8 21,4 5,6 31,7 19,6 22,6 20,6 5,7 32,0 18,4 22,6 21,2 5,7 28,6 19,7 22,9 23,1 5,9 27,8 21,0 20,6 24,7 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Gráfico 28: Participação das criações que formam o setor da pecuária patronal no RS e as respectivas variações acumuladas do PIB 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Variação acumulada do PIB: aves Variação acumulada do PIB: leite Outros - pecuária Suínos Leite Bovinos Aves Variação acumulada do PIB: bovinos Variação acumulada do PIB: suínos Variação acumulada do PIB: outros - pecuária Fonte: dados da pesquisa 5,7 22,7 5,5 48,7 17,4 5,4 21,3 5,6 51,0 16,3 6,2 20,1 4,9 54,3 14,5 6,2 20,1 4,8 54,7 14,3 53,8 14,2 5,7 4,6 21,7 55,6 13,2 5,4 4,7 21,1 56,9 12,1 5,6 4,3 21,1 57,7 13,2 5,9 4,5 18,7 55,6 15,0 6,0 4,5 19,0 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0%
  • 37. 36 NEAD ESTUDOS 9 Gráfico 29: Participação das criações que formam o setor da pecuária familiar no RS e as respectivas variações acumuladas do PIB 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% -10% -20% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Indústria de laticínios Abate de suínos e outros Abate de bovinos Abate de aves Fabricação de calçados Variação acumulada do PIB da indústria de fabricação de calçados Variação acumulada do PIB da indústria de abate de bovinos Variação acumulada do PIB da indústria de abate de aves Variação acumulada do PIB da indústria de abate de suínos e outros Variação acumulada do PIB da indústria de laticínios 29,7 32,4 8,6 14,4 14,9 30,1 30,8 9,6 15,0 14,5 28,7 31,8 11,7 15,1 12,8 28,3 32,8 10,8 15,6 12,4 26,6 31,3 12,0 16,3 13,8 28,5 30,0 11,3 15,9 14,2 27,8 32,9 8,7 16,4 14,1 27,1 32,9 7,8 18,1 14,0 27,1 30,3 9,1 20,8 12,8 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Gráfico 30: Participação das criações que formam o setor da pecuária patronal no RS e as respectivas variações acumuladas do PIB Indústria de laticínios* Abate de suínos e outros Abate de bovinos Abate de aves Fabricação de calçados 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% -10% -20% -30% 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 Variação acumulada do PIB da indústria de fabricação de calçados Variação acumulada do PIB da indústria de abate de bovinos Variação acumulada do PIB da indústria de abate de aves Variação acumulada do PIB da indústria de abate de suínos e outros Variação acumulada do PIB da indústria de laticínios 78.0 76,5 71,8 71,9 72,9 74,5 76,6 77,2 74,3 7,5 7,5 8,6 9,1 7,9 7,5 8,3 8,4 8,0 10,5 11,8 15,3 14,5 14,8 13,8 11,1 10,0 12,4 5,2 4,33,84,14,34,44,2 4,03,9 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% * A indústria de laticínios não aparece no gráfico de colunas em função de sua baixa participação (0,1%). Fonte: dados da pesquisa
  • 38. 37 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL O Gráfico 28 reflete, nas participações das indústrias, a mesma importância das criações do setor de produção. Ou seja, a indústria de abate de suínos é tão importante para o PIB da indústria do complexo pecuário quanto a criação de suínos é para o PIB do setor de produção pecuário. O mesmo ocorre de forma aproximada para as demais in- dústrias. Deve-se considerar, no entanto, que a produção da bovinocultura é destinada para a indústria de abate de bovinos e a de fabricação de calçados. Nota-se, portanto, que a indústria pecuária do agronegócio familiar é bastante relacionada com o setor de produção. Mas isso não ocorre da mesma maneira no agro- negócio patronal. A fabricação de calçados somada à indústria de abate de bovinos abrangem quase que a totalidade do PIB da indústria do complexo pecuário. Comentários Finais O panorama do Rio Grande do Sul constitui-se num caso à parte do Brasil, ou seja, a sua estrutura produtiva mostra-se diferente daquela observada na economia brasileira, assim como o complexo do agronegócio, que possui um peso muito maior na economia gaúcha, chegando a 50,1%, em 2003. No caso do agronegócio familiar, enquanto no Brasil este participa com aproximadamente 33% do agronegócio total, no RS a partici- pação encontra-se ao redor de 55%. Dentre os dois grandes complexos que formam o agronegócio, tanto o PIB do complexo agrícola quanto o do pecuário aumentaram nos nove anos estudados. Apre- sentando uma tendência mais uniforme, a variação acumulada do PIB do agronegócio da pecuária atingiu 35,2%, enquanto que o PIB do agronegócio agrícola foi bastante favore- cido nos anos após a flexibilização cambial e conseqüente desvalorização do real Entre os anos de 1995 e 2003, o percentual de crescimento acumulado do PIB do agronegócio agrícola foi de 58%, mas, considerando apenas o período de 1999 a 2003, o acréscimo foi de 45,6%. O aumento mais acentuado foi observado entre 2002 e 2003 - va- riação anual de 25,4% - referente ao excelente desempenho na produção de grãos da safra 2002/03. Isso proporcionou o aumento da participação do agronegócio da agricultura no agronegócio gaúcho para 67,1%, reduzindo a importância da pecuária para 32,9%. Pela comparação entre as participações percentuais do agronegócio familiar e do patronal no PIB do RS e do Brasil, torna-se evidente que a contribuição das propriedades definidas como familiares é bastante superior para a economia do Estado do RS do que para a esfera nacional. A média da participação do agronegócio familiar do RS (23,5%) no PIB do Estado, no período de 1995 a 2003, é 2,5 vezes superior à da média nacional (9,3%). Quanto ao agronegócio patronal, as representatividades desse setor são semelhantes, com partici- pação média de 19,4% para o PIB do RS e 19,1% para o PIB do Brasil.
  • 39. 38 NEAD ESTUDOS 9 Pela divisão da parcela do agronegócio familiar nos dois grandes complexos: agrí- cola e pecuário, observa-se que a participação tanto do complexo familiar agrícola como do complexo familiar pecuário são equitativamente maiores no agronegócio do RS em relação ao Brasil. Com relação à parcela do agronegócio patronal, as proporções são parecidas no que dizem respeito à pecuária do RS e do Brasil. A maior diferença está vinculada, portanto, à agricultura. Ou seja, no RS, a importância da agricultura patronal é reduzida, sendo aloca- da de forma proporcional na agricultura e na pecuária do agronegócio familiar. Dessa forma, a agricultura familiar admite maior expressividade na economia gaúcha, e a distribuição do PIB do agronegócio desse Estado é mais uniforme, quando compara- da à totalidade do País. O PIB do agronegócio resulta da agregação do PIB do complexo agrícola com o PIB do complexo pecuário, sendo que cada um é formado por quatro componentes principais - insumo, setor, indústria e distribuição. No Estado do RS, as quantias percentuais relacionadas com cada um dos quatro componentes do agronegócio familiar agrícola são semelhantes àquelas referentes ao agronegócio patronal. Além disso, no decorrer dos anos, a composição do agronegócio da agricultura também não foi significativamente alterada. Essa semelhança indica que a estrutura de organização do setor agrícola e de seus elos comerciais envolvidos é homogênea no RS. Isso sugere que as atividades produtivas exercidas nas propriedades rurais consideradas patronais são parecidas com as daquelas classificadas como familiares. O Estado do RS tem peculiaridades que possibilitam esse tipo de êxito rural. Fato- res inerentes à forma de colonização e à herança cultural de povos europeus capacitaram os produtores a desenvolverem formas de associativismo, permitindo que pequenas unidades produtoras possam competir com as grandes propriedades. Isso porque os ganhos de escala obtidos nas grandes propriedades (especialmente devido ao serviço do maquinário agrícola) não são tão discrepantes. A cooperação mútua entre pequenos produtores e a disponibilidade de serviços agrícolas de forma terceirizada, nos mercados locais, supre esse tipo de demanda da produção familiar e reduz a diferença de rentabi- lidade que existe entre os cultivos em pequena e em larga escala. Diferentemente do complexo agrícola, as quantias percentuais relacionadas com cada um dos quatro componentes do agronegócio familiar pecuário são bastante distintas daquelas referentes ao agronegócio patronal. Essa diferença ocorre devido às característi- cas inerentes a cada tipo de criação animal. A bovinocultura de corte é tradicionalmente extensiva no RS. Devido à abundância de regiões formadas por campos nativos e de terras pouco interessantes para a agricultura, a produção de bovinos foi estabelecida de forma a ocupar grandes áreas. Na análise mais aprofundada do setor pecuário, é possível observar
  • 40. 39 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL que enquanto o PIB do setor pecuário familiar é bem distribuído para as criações de suínos, aves, bovinocultura de corte e de leite; a proporção do PIB, no setor pecuário patronal, gerada pela criação de gado para corte, é muito superior às demais. As criações como aves e suínos, são, pelo contrário, altamente intensivas em área e capital. Geralmente, são desenvolvidas em propriedades menores e por isso não são excluídas de imediato da classificação associada à propriedade familiar. É possível veri- ficar que a proporção do PIB da suinocultura em relação à pecuária familiar é a maior (aproximadamente 30%). Avicultura, bovinocultura para corte e para leite têm níveis de importância parecidos, ao redor de 20%. Se, por um lado, a maior parte do setor da pecuária patronal está embasada na criação extensiva de gado, por outro lado, o setor da pecuária familiar contém em sua maior parte criações intensificadas. Plantéis com alta densidade, que exigem maiores quantidades de insumos e que produzem mais, quando comparados aos rebanhos cria- dos a pasto. Por esse motivo, a demanda por insumos e o destino da produção do setor da pecuária familiar são diferentes do setor da pecuária patronal. Dentre as indústrias, as que mais se destacaram no período analisado foram: a indústria do fumo, a de beneficiamento de produtos vegetais, e a de fabricação de óleos vegetais. O PIB de todos os cultivos apresentaram aumentos percentuais de forma a estimular também a indústria de beneficiamento desses produtos. Os bruscos aumentos, verificados entre os anos de 2002 a 2003 para o beneficiamento e a fabricação de óleos vegetais, são conseqüência direta da absorção da produção excepcional de soja da safra 2002/03 pelo setor industrial. Para a agricultura familiar do RS, a indústria de fumo assume maior importância rela- tiva, devido à expressiva agregação de valor, durante a industrialização do produto fumo. No caso da agricultura patronal, a participação dessa indústria é pouco significante. Esses opostos são devidos ao condicionamento do setor industrial com o setor da produção rural. Novamente, agora no contexto patronal, as indústrias que tiveram maior crescimento do PIB foram aquelas ligadas à produção de soja - a indústria de beneficiamento de produtos vegetais e a de fabricação de óleos vegetais. Da mesma forma, acentuados aumentos, entre os anos de 2002 a 2003, foram observados no PIB dessas indústrias, sendo que suas res- pectivas participações relativas aumentaram sucessivamente, a partir de 2000. A suinocultura é responsável pela maior parcela do PIB do agronegócio pecuário familiar (em média 30%), mas a importância das outras categorias pecuárias é distribuída de forma semelhante entre o restante das criações. No agronegócio patronal, a bovinocultura de corte assume a maior parcela de re- presentatividade, sendo superior à soma de todas as outras criações. A importância do setor leiteiro é bastante reduzida, quando comparada à do universo familiar. Ainda, a redução do crescimento do PIB do complexo pecuário patronal, no último ano (2003),
  • 41. 40 NEAD ESTUDOS 9 advém da variação negativa do PIB da bovinocultura de corte, que pode estar associada à destinação de áreas de pastoreio para o cultivo de soja. A indústria vinculada ao complexo da pecuária no RS não teve um desempenho tão bom quanto o setor de produção do complexo pecuário. Constata-se que apenas a indústria de abate de aves acumulou um expressivo aumento modificando também sua participação tanto no PIB do agronegócio familiar quanto no patronal. A indústria de abate de suínos é tão importante para o PIB da indústria do comple- xo pecuário quanto a criação de suínos é para o PIB do setor de produção pecuário. O mesmo ocorre, de forma aproximada, para as demais indústrias. Deve-se considerar, no entanto, que a produção da bovinocultura é destinada para a indústria de abate de bo- vinos e para a de fabricação de calçados. Nota-se, portanto, que a indústria pecuária do agronegócio familiar é bastante relacionada com o setor de produção. Mas isso não ocorre da mesma maneira no agro- negócio patronal. A fabricação de calçados somada à indústria de abate de bovinos abrange quase que a totalidade do PIB da indústria do complexo pecuário. As estimativas do PIB do agronegócio familiar e sua evolução nos últimos oito anos (1995 a 2003) mostram, claramente, que os pequenos agricultores ou os agricultores familiares respondem por parcela expressiva da riqueza nacional, ainda mais tendo em vista a insuficiência de terras, as dificuldades creditícias, o menor aporte tecnológico, a fragilidade da assistência técnica e a subutilização da mão-de-obra. Essa relativa punjança decorre, de uma lado, da existência de parcelas importantes do segmento familiar que se encontram integradas aos setores agroindustriais e da distri- buição e, de outro, à utilização plena de suas terras. Cabe destacar o quão importante são esses agricultores nas atividades da pecuária de pequeno porte – altamente articulada com os setores industriais, na fumicultura e no beneficiamento de produtos alimentares. Há, por fim, muito espaço para o crescimento do agronegócio familiar, tendo em conta que a amplificação da atividade primária de caráter familiar em direção ao agrone- gócio é de menor envergadura que no segmento patronal, isto é, no caso do Brasil, o PIB da agricultura familiar é multiplicado por 2,8, em 2003. Para se ter o agronegócio, esse fator é de 3,6 para o patronal e já foi da ordem de 4,0 no segmento patronal em meados dos anos de 1990. Para o caso do Rio Grande do Sul, apesar de os valores para a agricul- tura familiar e para a patronal estarem mais próximos, em 2003 foram de 2,8 para a agricultura familiar e de 3,2 para a patronal, eles ainda mostram uma maior agregação de valor no agronegócio patronal do que no familiar.
  • 42. 41 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL Um novo projeto de desenvolvimento para o país passa pela transformação do meio rural num espaço com qualidade de vida, acesso a direitos, sustentabilidade social e ambiental. Ampliar e qualificar as ações de reforma agrária, as políticas de fortalecimento da agricultura familiar, de promoção da igualdade e do etnodesenvolvimento das comunidades rurais tradicionais. Esses são os desafios que orientam as ações do Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (NEAD), órgão do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) voltado para a produção e difusão de conhecimento que subsidia as políticas de desenvolvimento rural. Trata-se de um espaço de reflexão, divulgação e articulação institucional com diferentes centros de produção de conhecimento sobre o meio rural, nacionais e internacionais, como núcleos universitários, instituições de pesquisa, organizações não-governamentais, centros de movimentos sociais, agências de cooperação. Em parceria com o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), o NEAD desenvolve um projeto de cooperação técnica intitulado “Apoio às Políticas e à Participação Social no Desenvolvimento Rural Sustentável”, que abrange um conjunto diversificado de ações de pesquisa, intercâmbio e difusão.
  • 43. 42 NEAD ESTUDOS 9 Eixos articuladores Construção de uma rede rural de cooperação técnica e científica para o desenvolvimento Democratização ao acesso às informações e ampliação do reconhecimento social da reforma agrária e da agricultura familiar O NEAD busca também: Estimular o processo de autonomia social Debater a promoção da igualdade Analisar os impactos dos acordos comerciais Difundir a diversidade cultural dos diversos segmentos rurais Projeto editorial O projeto editorial do NEAD abrange publicações das séries Estudos NEAD, NEAD Debate, NEAD Especial e NEAD Experiências, o Portal NEAD e o boletim NEAD Notícias Agrárias. Publicações Reúne estudos elaborados pelo NEAD, por outros órgãos do MDA e organizações parceiras sobre variados aspectos relacionados ao desenvolvimento rural. Inclui coletâneas, traduções, reimpressões, textos clássicos, compêndios, anais de congressos e seminários. Apresenta temas atuais relacionados ao desenvolvimento rural que estão na agenda dos diferentes atores sociais ou que estão ainda pouco divulgados. Difunde experiências e iniciativas de desenvolvimento rural a partir de textos dos próprios protagonistas.
  • 44. 43 AGRICULTURA FAMILIAR NA ECONOMIA: BRASIL E RIO GRANDE DO SUL Portal Um grande volume de dados é atualizado diariamente na página eletrônica www.nead.org.br, estabelecendo, assim, um canal de comunicação entre os vários setores interessados na temática rural. Todas as informações coletadas convergem para o Portal NEAD e são divulgadas por meio de diferentes serviços. A difusão de informações sobre o meio rural contam com uma biblioteca virtual temática integrada ao acervo de diversas instituições parceiras. Um catálogo on-line também está disponível no portal para consulta de textos, estudos, pesquisas, artigos e outros documentos relevantes no debate nacional e internacional. Boletim Para fortalecer o fluxo de informações entre os diversos setores que atuam no meio rural, o NEAD publica, semanalmente, o boletim NEAD Notícias Agrárias. O informativo é distribuído para mais de 10 mil usuários, entre pesquisadores, professores, estudantes, universidades, centros de pesquisa, organizações governamentais e não-governamentais, movimentos sociais e sindicais, organismos internacionais e órgãos de imprensa. Enviado todas as sextas-feiras, o boletim traz notícias atualizadas sobre estudos e pesquisas, políticas de desenvolvimento rural, entrevistas, experiências, acompanhamento do trabalho legislativo, cobertura de eventos, além de dicas e sugestões de textos para fomentar o debate sobre o mundo rural. Visite o Portal www.nead.org.br nead@nead.gov.br – Telefone: (61) 3328 8661 SCN Quadra 1, Bloco C, Ed. Brasília Trade Center, 5º andar, sala 506 Brasília (DF) CEP 70711–901