SlideShare uma empresa Scribd logo
Agravo de Instrumento nº 0141932-11.2015.8.24.0000
Relator: Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira
AÇÃO CIVIL PÚBLICA. ILEGITIMIDADE ATIVA DO MI-
NISTÉRIO PÚBLICO E SUPOSTA VIOLAÇÃO AOS PRIN-
CÍPIOS QUE NORTEIAM TAL INSTITUIÇÃO. MATÉRIAS
VENTILADAS EM AGRAVO ANTERIOR. QUESTÃO JÁ DE-
CIDIDA. PRECLUSÃO.
Não se conhece de matéria, ventilada em agravo de ins-
trumento, já terminantemente decidida em agravo anterior,
porque preclusa.
ARRESTO DE BENS IMÓVEIS E COTAS SOCIAIS DO
GRUPO ECONÔMICO EM GRAVE CRISE FINANCEIRA.
SONEGAÇÃO DE BENS. NECESSIDADE DE ACAUTELAR
OS CONSUMIDORES QUE POSSIVELMENTE SERÃO
PREJUDICADOS COM A QUEBRA.
Na forma do art. 813 do CPC/73, então vigente, o arresto
tem lugar quando o devedor, que tem domicílio certo, cai em
insolvência; aliena ou intenciona alienar bens que possui;
contrai dívidas extraordinárias; põe ou tentar pôr seus bens
em nome de terceiros; ou, ainda, comete qualquer artifício
fraudulento que tente frustrar a execução ou lesar credores.
Presentes tais elementos, de rigor a concessão da cautela.
AGRAVO PARCIALMENTE CONHECIDO E NÃO PRO-
VIDO.
Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento
nº 0141932-11.2015.8.24.0000, da comarca de Criciúma 2ª Vara da Fazenda em
que são Agravantes Criciúma Construções Ltda e outros e Agravado Ministério
Público do Estado de Santa Catarina.
A Terceira Câmara de Direito Civil decidiu, por unanimidade, co-
nhecer de parte do agravo e negar-lhe provimento, nos termos do voto do relator.
Custas legais.
O julgamento, realizado nesta data, foi presidido pelo Exmo. Sr.
Des. Fernando Carioni, com voto, e dele participou o Exmo. Sr. Des. Marcus Tú-
lio Sartorato.
Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY.
Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA.
fls. 2
2
Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03
Funcionou como representante do Ministério Público a Exma. Sra.
Drª. Lenir Roslindo Piffer.
Florianópolis, 31 de maio de 2016.
Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira
Relator
Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY.
Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA.
fls. 3
3
Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03
RELATÓRIO
Trata-se de agravo, por instrumento, interposto por Criciúma Cons-
truções Ltda., Edifício Residencial Vivendas de Barcelona, Empreendimento I-
mobiliário Ltda., RCF Incorporadora Ltda., Rogério Cizeski e Gentile Catarina
Serafin Cizeski da decisão que, nos autos da ação civil pública proposta pelo Mi-
nistério Público Estadual, em complemento à decisão anterior, que havia deferido
a antecipação da tutela jurisdicional, determinou o arresto de todas as unidades
do Hotel Paulista, com expedição de ofício ao Cartório de Registro de Imóveis de
Araranguá, para averbação na matrícula de nº 62.655, bem como a indisponibili-
dade das cotas sociais que compõem a sociedade Centro Comercial e Residen-
cial Paulista Empreendimentos Imobiliários Ltda., oficiando-se a Junta Comercial
para o devido registro.
Expõe que o Ministério Público não detém legitimidade, visto que a
ação civil pública em comento não visa resguardar interesses difusos e coletivos.
Aponta violação dos princípios que norteiam o Ministério Público,
pois o representante da instituição estaria atuando em prejuízo de consumidores
de empreendimentos de outras cidades.
Advoga, no mais, que é impossível o arresto, pois não há disposi-
ção legal que o permita, assim como a indisponibilidade de cotas sociais.
Pautou-se pela concessão do efeito suspensivo e provimento.
O efeito almejado não foi concedido (fls. 170/173).
Foram ofertadas contrarrazões (fls. 177/190).
A douta Procuradoria-Geral de Justiça manifestou-se pelo não
provimento do agravo (fls. 260/269).
É o relatório do necessário.
Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY.
Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA.
fls. 4
4
Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03
VOTO
Conheço de parte do agravo e nego-lhe provimento.
O Ministério Público ingressou com ação civil pública contra os ora
agravantes por descumprimento de suas obrigações no mercado de consumo,
perante os consumidores, notadamente em relação ao prazo da entrega da obra
do Edifício Residencial Vivendas de Barcelona e da possibilidade de quebra do
grupo Criciúma Construções, o que poderia gerar prejuízos àqueles.
Foi deferida a liminar (fls. 70/89) em setembro de 2014, pelo ma-
gistrado a quo, para, dentre outras coisas, determinar a indisponibilidade de uni-
dades do Edifício Residencial Vivendas de Barcelona; impor a constituição de
patrimônio de afetação para assegurar a continuidade da obra, sem prejuízo aos
adquirentes, no caso de falência ou recuperação judicial do grupo; determinar o
arresto de imóveis e a restrição de veículos; impor a exibição dos contratos fir-
mados com os adquirentes, etc.
Desta decisão foi interposto, pelas aqui agravantes, o Agravo de nº
2014.072720-2, que foi julgado em 10 de novembro de 2015 por esta Câmara,
acórdão de lavra do Des. Saul Steil, com os votos dos Des. Fernando Carioni e
Marcus Túlio Sartoraro, cuja ementa foi assim redigida:
AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROMOVIDA
PELO MINISTÉRIO PÚBLICO. PRELIMINARES: ILEGITIMIDADE ATIVA. DI-
REITO INDIVIDUAL HOMOGÊNEO. LEGITIMIDADE PREVISTA NO CÓDIGO
DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EXISTÊNCIA DE ASSOCIAÇÃO LEGITIMA-
DA A REPRESENTAR OS ASSOCIADOS. IRRELEVÂNCIA LEGITIMIDADE
CONCORRENTE DO AGRAVADO. ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO AOS PRINCÍ-
PIOS INERENTES AO MINISTÉRIO PÚBLICO. DEFESA DE INTERESSES
PARTICULARES E RESTRITO DOS ADQUIRENTES DO EMPREENDIMEN-
TO. DIREITOS HOMOGÊNEOS DOS CONSUMIDORES LESADOS. AUSÊN-
CIA DE PREJUÍZO A OUTROS CONSUMIDORES. VIABILIDADE DE PROTE-
ÇÃO. MÉRITO: AÇÃO CIVIL PÚBLICA QUE VISA O CUMPRIMENTO DE
CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE UNIDADES HABITACIONAIS. GRU-
PO EMPRESARIAL QUE ABANDONOU AS OBRAS DO EMPREENDIMENTO.
ALEGAÇÃO DE QUE O GRUPO EMPRESARIAL PASSA POR GRAVE CRISE
FINANCEIRA. FATO QUE CULMINOU NA PARALISAÇÃO DESTA E OUTRAS
OBRAS QUE ESTAVAM EM ANDAMENTO. ARRESTO DE IMÓVEIS PER-
Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY.
Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA.
fls. 5
5
Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03
TENCENTES A TECEIROS. ALEGAÇÃO DE QUE A MEDIDA NÃO CAUSARÁ
DANOS A TERCEIROS DE BOA-FÉ PORQUE NÃO HÁ GARANTIA DE QUE
ESTES TERÃO OS IMÓVEIS ENTREGUES. PRETENSÃO DE MANTER O
ARRESTO ATÉ QUE OS TERCEIROS PROMOVAM O REGISTRO DOS
CONTRATOS DE COMPRA E VENDA JUNTO AO REGISTRO IMOBILIÁRIO.
INVIABILIDADE. DESCABIMENTO DE ARRESTO DE BENS DE TERCEIROS
DE BOA-FÉ PARA GARANTIR O DIREITO DOS ADQUIRENTES DE UNIDA-
DES. TERCEIROS CONSUMIDORES QUE TAMBÉM POSSUEM O MESMO
DIREITO DE PROTEÇÃO. CONCESSÃO DE EFEITO SUSPENSIVO PARA
DETERMINAR O LEVANTAMENTO DOS ARRESTOS. MEDIDA QUE ENSEJA
GRAVE DANO AOS AGRAVANTES E A TERCEIROS. RECURSO CONHECI-
DO E PROVIDO.
Do teor deste acórdão, concernente à arguição de ilegitimidade do
Ministério Público para figurar no polo ativo da demanda, colhe-se:
verifica-se que a Ação Civil Pública foi ajuizada contra os ora agravantes e
outros, com o objetivo de impor obrigações de fazer e não fazer, visando ainda
o sequestro dos bens imóveis descritos na inicial.
Os agravantes alegam que os interesses tutelados na lide não são de
natureza difusa ou coletiva, além do fato de já existir uma Associação criada
para defender direitos dos consumidores que se dizem lesados pelos agravan-
tes.
Todavia, não assiste razão aos agravantes nesse tópico, porquanto evi-
dencia-se dos autos o interesse individual homogêneo, apto a justificar a atua-
ção do Ministério Público na defesa dos consumidores. O Código de Defesa do
Consumidor possibilita a defesa coletiva em Juízo de direitos individuais homo-
gêneos.
Afigura-se, ainda, a presença de direitos de caráter difuso, uma vez que a
ação visa igualmente proteger os futuros compradores das unidades habitacio-
nais que ainda não foram alienadas, de modo que abrange uma coletividade
indeterminada ou indeterminável, que poderiam vir a ser lesada pela não entre-
ga do bem ou do montante investido. Assim, evidencia-se inegável tutela de di-
reitos coletivos por meio da Ação Civil Pública, o que confere legitimidade ao
Ministério Público.
Por outro lado, o fato de existir uma associação civil criada pelos consu-
midores de unidades habitacionais, em razão do atraso na entrega da obra, não
obsta a atuação do Ministério Público, porquanto, o artigo 82, do Código de
Defesa do Consumidor confere aos entes (Associações e Ministério Público),
legitimação concorrente para o intento de ações destinadas à proteção dos di-
reitos elencados no referido dispositivo legal. Portanto, a presença de uma as-
sociação com os mesmos objetivos, não impede a atuação Ministerial.
(...)
Além disso, a atuação de qualquer dos entes indicados nos incisos do re-
ferido dispositivo legal "independe da concordância dos demais na interposição
das ações coletivas" (MARQUES, Cláudia Lima; BENJAMIN, Antonio Herman;
MIRAGEM, Bruno. Comentários ao Código de Defesa do Consumidor. 3.ed.
Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY.
Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA.
fls. 6
6
Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03
São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010, p. 1320).
Com efeito, o Ministério Público do Estado de Santa Catarina é parte le-
gítima para promover a Ação Civil Pública, que visa proteger os direitos e inte-
resses da associação e dos adquirentes individuais das unidades do Edifício
Vivendas de Barcelona, porquanto a ação versa sobre direitos individualmente
considerados, mas que podem ser pleiteados a título coletivo, face a pluralidade
de sujeitos atingidos pela mesma relação fática/jurídica.
Já em relação à alegação de violação dos princípios inerentes à ati-
vidade do Ministério Público - unidade, indivisibilidade e independência funcional
- em razão de defender interesses particulares e restritos dos adquirentes de u-
nidades do Edifício Vivendas de Barcelona registrou-se:
Conquanto verse a ação civil pública sobre interesses privados, tratando-
se de direitos homogêneos dos consumidores lesados, evidencia-se a possibi-
lidade de tratamento coletivo, pois não se verifica prejuízos a adquirentes de u-
nidades de outros empreendimentos, em razão da viabilidade de proteção dos
direitos individuais homogêneos, vislumbrados no caso concreto.
Isto posto, rejeitam-se as preliminares.
Facilmente perceptível, pois, que tais teses, reeditadas no presente
instrumento, encontram-se cobertas pela preclusão.
Logo, delas não se pode conhecer.
Já em relação ao mérito, por ocasião do julgamento de tal agravo,
os jurisconsultos desta Terceira Câmara de Direito Civil registraram:
Extrai-se dos autos que a medida liminar deferida na Ação Civil Pública,
atingiu, indiscriminadamente, bens imóveis localizados na comarca de Criciúma,
os quais são objeto de negócios jurídicos entabulados entre a Construtora Cri-
ciúma e outros consumidores, sendo que muitos deles se encontram em situa-
ção semelhante.
Nesse panorama, como se trata de uma ação coletiva promovida pelo Mi-
nistério Público, a concessão da tutela cautelar, que visa assegurar direitos dos
consumidores adquirentes de unidades no empreendimento denominado Vi-
vendas de Barcelona, não pode afetar, ainda que indiretamente, a esfera jurídi-
ca de terceiros consumidores de boa-fé, porquanto são eles também titulares
dos mesmos direitos, sob pena de violação ao princípio constitucional da iso-
nomia.
Descabida a pretensão do Ministério Público, que seja mantida a medida
liminar de arresto sobre imóveis pertencentes a outros consumidores, até que
todos os contratos de compra e venda firmado com terceiros de boa-fé sejam
registrados perante o Cartório de Registro de Imóveis de Criciúma, porquanto o
direito de terceiros de boa-fé devem ser igualmente respeitados, sob pena de
privilegiar aqueles representados na presente ação, em evidente prejuízo de
Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY.
Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA.
fls. 7
7
Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03
terceiros, o que é deveras inaceitável.
Oportuno ressaltar, ainda, que foram promovidas inúmeras outras ações
civis públicas e individuais de rescisão de contratos, promovidas contra os a-
gravantes, e a manutenção do arresto sobre imóveis que não mais pertencem
aos agravantes, mas a terceiros adquirentes de boa-fé, poderá culminar em
prejuízo a outros consumidores que merecem igualmente a proteção de seus
direitos.
Não se pode olvidar, ainda, que a finalidade principal da Ação Civil Pública
consiste no adimplemento contratual que para os agravantes é a implementa-
ção das obras de edificação do empreendimento denominado Vivendas de
Barcelona e, subsidiariamente, como pleito sucessivo requereu o Ministério Pú-
blico o ressarcimento dos prejuízos decorrentes do descumprimento do contra-
to.
À luz dessas considerações, visualizando relevância na fundamentação
do recurso (fumus boni juris) e a possibilidade de ocorrência de lesão grave ir-
reparável ou de difícil reparação aos agravante, bem como a terceiros de boa-
fé, a concessão de efeito suspensivo da decisão agravada é medida de rigor.
Significa dizer, deferido o arresto sobre bens indiscriminadamente,
esta Câmara, na oportunidade, deu parcial provimento ao agravo, pois não se
poderia privar consumidores-adquirentes de outras unidades habitacionais, com
o arresto, que se encontravam em idêntica situação, já que o Grupo Criciúma
Construções ameaçava ingressar em estado de insolvência, até mesmo já tinha
abandonado os empreendimentos.
Sucede, porém, que, após tal decisão, em junho de 2015, o togado
a quo determinou o arresto de todas as unidades do Hotel Paulista, averbando-
se na matrícula nº 62.655, bem como a indisponibilidade das cotas sociais que
compõe a Sociedade Centro Comercial e Residencial Paulista Empreendimentos
Imobiliários Ltda., oficiando-se a Junta Comercial.
Tenho que tal decisão, agora, merece subsistir.
Primeiro, porque as ora agravantes, que integram o Grupo Criciú-
ma, confessam, à fl. 17, que passam por uma séria crise financeira e que atra-
saram a entrega de muitas obras.
Segundo, porque tais bens compõem o patrimônio das agravantes
e devem ser utilizados para garantir o ressarcimento dos consumidores-
adquirentes, em relação ao empreendimento em epígrafe, apenas se a obra não
Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY.
Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA.
fls. 8
8
Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03
for concluída. Significa dizer: a medida de constrição nada prejudica os direitos
das agravantes, pois, finalizada a obra, o arresto será levantado.
Terceiro, porque, na forma do art. 813 do CPC/73, então vigente, o
arresto tem lugar quando o devedor, que tem domicílio certo, cai em insolvência;
aliena ou intenciona alienar bens que possui; contrai dívidas extraordinárias; põe
ou tentar pôr seus bens em nome de terceiros; ou, ainda, comete qualquer artifí-
cio fraudulento que tente frustrar a execução ou lesar credores.
Com isso em mente, vejo que, no caso dos autos, na decisão que
antecipou a tutela jurisdicional, o magistrado a quo registrou que há, só no Edifí-
cio Residencial Vivendas de Barcelona, 94 consumidores aguardando a en trega
de suas unidades e que o Grupo Criciúma necessita de R$ 900.000,00
(novecentos mil reais) para concluir suas obras, além de haver mais 8.801 con-
sumidores que nem sequer tiveram suas obras iniciadas ou concluídas.
Logo, o arresto, como medida acautelatória para tais consumidores,
faz-se necessário, ante o quadro de insolvência do mencionado Grupo.
Além do mais, como bem colocado pela Procuradoria-Geral de
Justiça, Parecer de lavra da Dra. Hercília Regina Lemke, "as agravantes utiliza-
ram-se de subterfúgios para descumprir as decisões proferidas pelo Juízo da 2ª
Vara da Fazenda Pública no sentido de retirar das obras paralisadas parte da
matéria-prima empregada nas construções, não havendo qualquer informação do
destino dado a tais materiais".
E mais: "nos autos do Procedimento Investigatório Criminal nº
06.2014.00004992-6, o Ministério Público tomou conhecimento da existência de
imóveis pertencentes aos agravantes e que vinham sendo sonegados dolosa-
mente. Dentre eles estava o Hotel paulista, situado na cidade Balneário Arroio do
Silva", cujas unidades passaram a ser alienadas pelo representante legal do
Grupo.
Nestes termos, e porque concedida a recuperação judicial do Grupo
Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY.
Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA.
fls. 9
9
Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03
Econômico agravante, o que demonstra, de fato, sua crise financeira, é de se
manter o arresto de tais bens, pois presentes os elementos necessários.
Ante o exposto, VOTO no sentido de conhecer de parte do agravo
e, em relação a esta, negar-lhe provimento.
É, pois, como voto.
Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY.
Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA.
fls. 10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acp 0900057 31.2016.8.24.0020
Acp 0900057 31.2016.8.24.0020Acp 0900057 31.2016.8.24.0020
Acp 0900057 31.2016.8.24.0020
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Petição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
Petição Inicial - aeroporto Diomício FreitasPetição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
Petição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Extrajudicial portaria de instauração de inquérito civil público - meio amb...
Extrajudicial   portaria de instauração de inquérito civil público - meio amb...Extrajudicial   portaria de instauração de inquérito civil público - meio amb...
Extrajudicial portaria de instauração de inquérito civil público - meio amb...
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
TAC - Poluição Sonora
TAC - Poluição SonoraTAC - Poluição Sonora
8000506 98.2017.8.24.0000
8000506 98.2017.8.24.00008000506 98.2017.8.24.0000
8000506 98.2017.8.24.0000
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Sentença valmir
Sentença   valmirSentença   valmir
Liminar construtora peruchi
Liminar   construtora peruchiLiminar   construtora peruchi
Liminar construtora peruchi
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de PedraVeja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Jamildo Melo
 
Doações ilegais - Menegolla - Téo
Doações ilegais - Menegolla - TéoDoações ilegais - Menegolla - Téo
Doações ilegais - Menegolla - Téo
Eduardo Sens Dos Santos
 
Parecer de Janot a favor de Petrolina
Parecer de Janot a favor de PetrolinaParecer de Janot a favor de Petrolina
Parecer de Janot a favor de Petrolina
Jamildo Melo
 
Liminar valmir zoche
Liminar   valmir zocheLiminar   valmir zoche
Liminar valmir zoche
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Texto água em Petrolina
Texto água em PetrolinaTexto água em Petrolina
Texto água em Petrolina
Portal NE10
 
Prefeito de Cujubim volta a ser condenado por improbidade administrativa
Prefeito de Cujubim volta a ser condenado por improbidade administrativa Prefeito de Cujubim volta a ser condenado por improbidade administrativa
Prefeito de Cujubim volta a ser condenado por improbidade administrativa
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020
Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020
Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
0900407 19.2016.8.24.0020
0900407 19.2016.8.24.00200900407 19.2016.8.24.0020
0900407 19.2016.8.24.0020
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Liminar prad
Liminar   pradLiminar   prad
0000052 05.2014.8.24.0020
0000052 05.2014.8.24.00200000052 05.2014.8.24.0020
0000052 05.2014.8.24.0020
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Manifestação Cível - Cumprimento de sentença
Manifestação Cível - Cumprimento de sentençaManifestação Cível - Cumprimento de sentença
Manifestação Cível - Cumprimento de sentença
Ministério Público de Santa Catarina
 
ACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - Criciúma
ACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - CriciúmaACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - Criciúma
ACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - Criciúma
Ministério Público de Santa Catarina
 
Sentença locks - frankfurt
Sentença   locks - frankfurtSentença   locks - frankfurt
Sentença locks - frankfurt
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 

Mais procurados (20)

Acp 0900057 31.2016.8.24.0020
Acp 0900057 31.2016.8.24.0020Acp 0900057 31.2016.8.24.0020
Acp 0900057 31.2016.8.24.0020
 
Petição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
Petição Inicial - aeroporto Diomício FreitasPetição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
Petição Inicial - aeroporto Diomício Freitas
 
Extrajudicial portaria de instauração de inquérito civil público - meio amb...
Extrajudicial   portaria de instauração de inquérito civil público - meio amb...Extrajudicial   portaria de instauração de inquérito civil público - meio amb...
Extrajudicial portaria de instauração de inquérito civil público - meio amb...
 
TAC - Poluição Sonora
TAC - Poluição SonoraTAC - Poluição Sonora
TAC - Poluição Sonora
 
8000506 98.2017.8.24.0000
8000506 98.2017.8.24.00008000506 98.2017.8.24.0000
8000506 98.2017.8.24.0000
 
Sentença valmir
Sentença   valmirSentença   valmir
Sentença valmir
 
Liminar construtora peruchi
Liminar   construtora peruchiLiminar   construtora peruchi
Liminar construtora peruchi
 
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de PedraVeja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
Veja o agravo rejeitado pelo STJ no caso da prefeitura de Pedra
 
Doações ilegais - Menegolla - Téo
Doações ilegais - Menegolla - TéoDoações ilegais - Menegolla - Téo
Doações ilegais - Menegolla - Téo
 
Parecer de Janot a favor de Petrolina
Parecer de Janot a favor de PetrolinaParecer de Janot a favor de Petrolina
Parecer de Janot a favor de Petrolina
 
Liminar valmir zoche
Liminar   valmir zocheLiminar   valmir zoche
Liminar valmir zoche
 
Texto água em Petrolina
Texto água em PetrolinaTexto água em Petrolina
Texto água em Petrolina
 
Prefeito de Cujubim volta a ser condenado por improbidade administrativa
Prefeito de Cujubim volta a ser condenado por improbidade administrativa Prefeito de Cujubim volta a ser condenado por improbidade administrativa
Prefeito de Cujubim volta a ser condenado por improbidade administrativa
 
Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020
Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020
Autos n° 0019685 36.2013.8.24.0020
 
0900407 19.2016.8.24.0020
0900407 19.2016.8.24.00200900407 19.2016.8.24.0020
0900407 19.2016.8.24.0020
 
Liminar prad
Liminar   pradLiminar   prad
Liminar prad
 
0000052 05.2014.8.24.0020
0000052 05.2014.8.24.00200000052 05.2014.8.24.0020
0000052 05.2014.8.24.0020
 
Manifestação Cível - Cumprimento de sentença
Manifestação Cível - Cumprimento de sentençaManifestação Cível - Cumprimento de sentença
Manifestação Cível - Cumprimento de sentença
 
ACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - Criciúma
ACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - CriciúmaACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - Criciúma
ACP 0900022 37.2017.8.24.0020 - Loteamento Vitória II - Criciúma
 
Sentença locks - frankfurt
Sentença   locks - frankfurtSentença   locks - frankfurt
Sentença locks - frankfurt
 

Destaque

Sentença auditoria
Sentença auditoriaSentença auditoria
Sentença auditoria
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Decisão liminar
Decisão liminarDecisão liminar
Liminar rosso e bez
Liminar   rosso e bezLiminar   rosso e bez
Liminar rosso e bez
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
375962 2014 11_18_18_04_46_671
375962 2014 11_18_18_04_46_671375962 2014 11_18_18_04_46_671
375962 2014 11_18_18_04_46_671
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Decisão liminar
Decisão liminarDecisão liminar
Acordão agravo
Acordão agravoAcordão agravo
Scan 2015 03_10_16_29_54_247
Scan 2015 03_10_16_29_54_247Scan 2015 03_10_16_29_54_247
Scan 2015 03_10_16_29_54_247
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Digitalizacao 2016 07_05_17_34_25_643
Digitalizacao 2016 07_05_17_34_25_643Digitalizacao 2016 07_05_17_34_25_643
Digitalizacao 2016 07_05_17_34_25_643
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Esucri decisão tjsc
Esucri   decisão tjscEsucri   decisão tjsc
Esucri decisão tjsc
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Arquivo 2015 08_27_13_33_49_458
Arquivo 2015 08_27_13_33_49_458Arquivo 2015 08_27_13_33_49_458
Arquivo 2015 08_27_13_33_49_458
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
375962 2014 08_27_13_47_07_737
375962 2014 08_27_13_47_07_737375962 2014 08_27_13_47_07_737
375962 2014 08_27_13_47_07_737
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Decisão
DecisãoDecisão
375962 2014 10_13_14_38_53_332
375962 2014 10_13_14_38_53_332375962 2014 10_13_14_38_53_332
375962 2014 10_13_14_38_53_332
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Decisão estação casan 1
Decisão estação casan 1Decisão estação casan 1
Decisão estação casan 1
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Tjsc nega efeito suspensivo decisão
Tjsc nega efeito suspensivo   decisãoTjsc nega efeito suspensivo   decisão
Tjsc nega efeito suspensivo decisão
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Sentença correta
Sentença corretaSentença correta
Sentença correta
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Sentença ademar casagrande
Sentença   ademar casagrandeSentença   ademar casagrande
Sentença ademar casagrande
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Decisão antena
Decisão antenaDecisão antena
Sentença desafetação
Sentença desafetaçãoSentença desafetação
Sentença desafetação
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Termo de aud. 0007826.86.2014.8.24.0020
Termo de aud. 0007826.86.2014.8.24.0020Termo de aud. 0007826.86.2014.8.24.0020
Termo de aud. 0007826.86.2014.8.24.0020
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 

Destaque (20)

Sentença auditoria
Sentença auditoriaSentença auditoria
Sentença auditoria
 
Decisão liminar
Decisão liminarDecisão liminar
Decisão liminar
 
Liminar rosso e bez
Liminar   rosso e bezLiminar   rosso e bez
Liminar rosso e bez
 
375962 2014 11_18_18_04_46_671
375962 2014 11_18_18_04_46_671375962 2014 11_18_18_04_46_671
375962 2014 11_18_18_04_46_671
 
Decisão liminar
Decisão liminarDecisão liminar
Decisão liminar
 
Acordão agravo
Acordão agravoAcordão agravo
Acordão agravo
 
Scan 2015 03_10_16_29_54_247
Scan 2015 03_10_16_29_54_247Scan 2015 03_10_16_29_54_247
Scan 2015 03_10_16_29_54_247
 
Digitalizacao 2016 07_05_17_34_25_643
Digitalizacao 2016 07_05_17_34_25_643Digitalizacao 2016 07_05_17_34_25_643
Digitalizacao 2016 07_05_17_34_25_643
 
Esucri decisão tjsc
Esucri   decisão tjscEsucri   decisão tjsc
Esucri decisão tjsc
 
Arquivo 2015 08_27_13_33_49_458
Arquivo 2015 08_27_13_33_49_458Arquivo 2015 08_27_13_33_49_458
Arquivo 2015 08_27_13_33_49_458
 
375962 2014 08_27_13_47_07_737
375962 2014 08_27_13_47_07_737375962 2014 08_27_13_47_07_737
375962 2014 08_27_13_47_07_737
 
Decisão
DecisãoDecisão
Decisão
 
375962 2014 10_13_14_38_53_332
375962 2014 10_13_14_38_53_332375962 2014 10_13_14_38_53_332
375962 2014 10_13_14_38_53_332
 
Decisão estação casan 1
Decisão estação casan 1Decisão estação casan 1
Decisão estação casan 1
 
Tjsc nega efeito suspensivo decisão
Tjsc nega efeito suspensivo   decisãoTjsc nega efeito suspensivo   decisão
Tjsc nega efeito suspensivo decisão
 
Sentença correta
Sentença corretaSentença correta
Sentença correta
 
Sentença ademar casagrande
Sentença   ademar casagrandeSentença   ademar casagrande
Sentença ademar casagrande
 
Decisão antena
Decisão antenaDecisão antena
Decisão antena
 
Sentença desafetação
Sentença desafetaçãoSentença desafetação
Sentença desafetação
 
Termo de aud. 0007826.86.2014.8.24.0020
Termo de aud. 0007826.86.2014.8.24.0020Termo de aud. 0007826.86.2014.8.24.0020
Termo de aud. 0007826.86.2014.8.24.0020
 

Semelhante a Agravo de Instrumento nº 0141932-11.2015.8.24.0000

Consumidor - Agravo de instrumento 2013.019260-2
Consumidor - Agravo de instrumento 2013.019260-2Consumidor - Agravo de instrumento 2013.019260-2
Consumidor - Agravo de instrumento 2013.019260-2
Ministério Público de Santa Catarina
 
Agravo - Criciúma Construções - Residencial Vivendas de Chapecó
Agravo - Criciúma Construções - Residencial Vivendas de ChapecóAgravo - Criciúma Construções - Residencial Vivendas de Chapecó
Agravo - Criciúma Construções - Residencial Vivendas de Chapecó
Ministério Público de Santa Catarina
 
Consumidor Porto Belo - Apelação Cível n. 2012.027429-3
Consumidor Porto Belo - Apelação Cível n. 2012.027429-3Consumidor Porto Belo - Apelação Cível n. 2012.027429-3
Consumidor Porto Belo - Apelação Cível n. 2012.027429-3
Ministério Público de Santa Catarina
 
Apelação Cível n. 2012.015001 0 0000.00-1
Apelação Cível n. 2012.015001 0 0000.00-1Apelação Cível n. 2012.015001 0 0000.00-1
Apelação Cível n. 2012.015001 0 0000.00-1
Ministério Público de Santa Catarina
 
Document (2)
Document (2)Document (2)
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
Ministério Público de Santa Catarina
 
Pedido de suspensão de decreto Rondônia
Pedido de suspensão de decreto RondôniaPedido de suspensão de decreto Rondônia
Pedido de suspensão de decreto Rondônia
Jornal Tudorondonia
 
Agravo de Instrumento 2012.040369-8 - defesa consumidor em Blumenau
Agravo de Instrumento 2012.040369-8 - defesa consumidor em BlumenauAgravo de Instrumento 2012.040369-8 - defesa consumidor em Blumenau
Agravo de Instrumento 2012.040369-8 - defesa consumidor em Blumenau
Ministério Público de Santa Catarina
 
Apelação Cível - 2012.021046-4
Apelação Cível - 2012.021046-4Apelação Cível - 2012.021046-4
Apelação Cível - 2012.021046-4
Ministério Público de Santa Catarina
 
Construtora tenda condenada a devolver valores devido a atraso na entrega do ...
Construtora tenda condenada a devolver valores devido a atraso na entrega do ...Construtora tenda condenada a devolver valores devido a atraso na entrega do ...
Construtora tenda condenada a devolver valores devido a atraso na entrega do ...
Engel e Rubel Advocacia
 
Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1
Ministério Público de Santa Catarina
 
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Ministério Público de Santa Catarina
 
Recebimento carelli 2
Recebimento carelli 2Recebimento carelli 2
Recebimento carelli 2
wpaese
 
Acórdão do Tribunal de Justiça de Goiás
Acórdão do Tribunal de Justiça de GoiásAcórdão do Tribunal de Justiça de Goiás
Acórdão do Tribunal de Justiça de Goiás
Wagson Filho
 
2093 - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REVISIONAL BENEFICIO - Atualizado Novo Cpc
2093 - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REVISIONAL BENEFICIO  - Atualizado Novo Cpc2093 - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REVISIONAL BENEFICIO  - Atualizado Novo Cpc
2093 - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REVISIONAL BENEFICIO - Atualizado Novo Cpc
Consultor JRSantana
 
Hc 326.355
Hc 326.355Hc 326.355
Usina rio madeira
Usina rio madeiraUsina rio madeira
Usina rio madeira
Rubens Coutinho
 
Usina rio madeira
Usina rio madeiraUsina rio madeira
Usina rio madeira
Rubens Coutinho
 
1148- CONTESTAÇÃO VII
1148- CONTESTAÇÃO VII1148- CONTESTAÇÃO VII
1148- CONTESTAÇÃO VII
Consultor JRSantana
 
DE CAPITAL SOCIAL VIRTUAL AO USO DO PODER PÚBLICO EM ATOS COERCITIVOS AO CONS...
DE CAPITAL SOCIAL VIRTUAL AO USO DO PODER PÚBLICO EM ATOS COERCITIVOS AO CONS...DE CAPITAL SOCIAL VIRTUAL AO USO DO PODER PÚBLICO EM ATOS COERCITIVOS AO CONS...
DE CAPITAL SOCIAL VIRTUAL AO USO DO PODER PÚBLICO EM ATOS COERCITIVOS AO CONS...
Jornal Tudorondonia
 

Semelhante a Agravo de Instrumento nº 0141932-11.2015.8.24.0000 (20)

Consumidor - Agravo de instrumento 2013.019260-2
Consumidor - Agravo de instrumento 2013.019260-2Consumidor - Agravo de instrumento 2013.019260-2
Consumidor - Agravo de instrumento 2013.019260-2
 
Agravo - Criciúma Construções - Residencial Vivendas de Chapecó
Agravo - Criciúma Construções - Residencial Vivendas de ChapecóAgravo - Criciúma Construções - Residencial Vivendas de Chapecó
Agravo - Criciúma Construções - Residencial Vivendas de Chapecó
 
Consumidor Porto Belo - Apelação Cível n. 2012.027429-3
Consumidor Porto Belo - Apelação Cível n. 2012.027429-3Consumidor Porto Belo - Apelação Cível n. 2012.027429-3
Consumidor Porto Belo - Apelação Cível n. 2012.027429-3
 
Apelação Cível n. 2012.015001 0 0000.00-1
Apelação Cível n. 2012.015001 0 0000.00-1Apelação Cível n. 2012.015001 0 0000.00-1
Apelação Cível n. 2012.015001 0 0000.00-1
 
Document (2)
Document (2)Document (2)
Document (2)
 
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
Decisão liminar - Prédio ilegal em Florianópolis poderá ter água e luz cortad...
 
Pedido de suspensão de decreto Rondônia
Pedido de suspensão de decreto RondôniaPedido de suspensão de decreto Rondônia
Pedido de suspensão de decreto Rondônia
 
Agravo de Instrumento 2012.040369-8 - defesa consumidor em Blumenau
Agravo de Instrumento 2012.040369-8 - defesa consumidor em BlumenauAgravo de Instrumento 2012.040369-8 - defesa consumidor em Blumenau
Agravo de Instrumento 2012.040369-8 - defesa consumidor em Blumenau
 
Apelação Cível - 2012.021046-4
Apelação Cível - 2012.021046-4Apelação Cível - 2012.021046-4
Apelação Cível - 2012.021046-4
 
Construtora tenda condenada a devolver valores devido a atraso na entrega do ...
Construtora tenda condenada a devolver valores devido a atraso na entrega do ...Construtora tenda condenada a devolver valores devido a atraso na entrega do ...
Construtora tenda condenada a devolver valores devido a atraso na entrega do ...
 
Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1
 
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
Construtora de Porto Belo é multada por vender imóvel sem registro de incorpo...
 
Recebimento carelli 2
Recebimento carelli 2Recebimento carelli 2
Recebimento carelli 2
 
Acórdão do Tribunal de Justiça de Goiás
Acórdão do Tribunal de Justiça de GoiásAcórdão do Tribunal de Justiça de Goiás
Acórdão do Tribunal de Justiça de Goiás
 
2093 - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REVISIONAL BENEFICIO - Atualizado Novo Cpc
2093 - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REVISIONAL BENEFICIO  - Atualizado Novo Cpc2093 - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REVISIONAL BENEFICIO  - Atualizado Novo Cpc
2093 - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO REVISIONAL BENEFICIO - Atualizado Novo Cpc
 
Hc 326.355
Hc 326.355Hc 326.355
Hc 326.355
 
Usina rio madeira
Usina rio madeiraUsina rio madeira
Usina rio madeira
 
Usina rio madeira
Usina rio madeiraUsina rio madeira
Usina rio madeira
 
1148- CONTESTAÇÃO VII
1148- CONTESTAÇÃO VII1148- CONTESTAÇÃO VII
1148- CONTESTAÇÃO VII
 
DE CAPITAL SOCIAL VIRTUAL AO USO DO PODER PÚBLICO EM ATOS COERCITIVOS AO CONS...
DE CAPITAL SOCIAL VIRTUAL AO USO DO PODER PÚBLICO EM ATOS COERCITIVOS AO CONS...DE CAPITAL SOCIAL VIRTUAL AO USO DO PODER PÚBLICO EM ATOS COERCITIVOS AO CONS...
DE CAPITAL SOCIAL VIRTUAL AO USO DO PODER PÚBLICO EM ATOS COERCITIVOS AO CONS...
 

Mais de Luiz Fernando Góes Ulysséa

Pasta digital 0900700-09.2018.8.24.0023
Pasta digital    0900700-09.2018.8.24.0023Pasta digital    0900700-09.2018.8.24.0023
Pasta digital 0900700-09.2018.8.24.0023
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Scanned image-2
Scanned image-2Scanned image-2
Scanned image-2
Scanned image-2Scanned image-2
Cartilha conselho municipalidoso
Cartilha conselho municipalidosoCartilha conselho municipalidoso
Cartilha conselho municipalidoso
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Document (4)
Document (4)Document (4)
Ageu spillere 2.pdf
Ageu spillere 2.pdfAgeu spillere 2.pdf
Ageu spillere 2.pdf
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
0900727 35.2017.8.24.0020 (1)
0900727 35.2017.8.24.0020 (1)0900727 35.2017.8.24.0020 (1)
0900727 35.2017.8.24.0020 (1)
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
0900762 92.2017.8.24.0020 (1)
0900762 92.2017.8.24.0020 (1)0900762 92.2017.8.24.0020 (1)
0900762 92.2017.8.24.0020 (1)
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
0900522 06.2017.8.24.0020 (1)
0900522 06.2017.8.24.0020 (1)0900522 06.2017.8.24.0020 (1)
0900522 06.2017.8.24.0020 (1)
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445
Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445
Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
8000094 70.2017.8.24.0000
8000094 70.2017.8.24.00008000094 70.2017.8.24.0000
8000094 70.2017.8.24.0000
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Sentença para o blog
Sentença para o blogSentença para o blog
Sentença para o blog
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
8000472 60.2016.8.24.0000
8000472 60.2016.8.24.00008000472 60.2016.8.24.0000
8000472 60.2016.8.24.0000
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Denuncia08 170714122334
Denuncia08 170714122334Denuncia08 170714122334
Denuncia08 170714122334
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Recomendação dpft
Recomendação dpftRecomendação dpft
Recomendação dpft
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Recomendação famcri
Recomendação famcriRecomendação famcri
Recomendação famcri
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
0900139 96.2015.8.24.0020
0900139 96.2015.8.24.00200900139 96.2015.8.24.0020
0900139 96.2015.8.24.0020
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
Document (2)
Document (2)Document (2)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
Luiz Fernando Góes Ulysséa
 

Mais de Luiz Fernando Góes Ulysséa (20)

Pasta digital 0900700-09.2018.8.24.0023
Pasta digital    0900700-09.2018.8.24.0023Pasta digital    0900700-09.2018.8.24.0023
Pasta digital 0900700-09.2018.8.24.0023
 
Scanned image-2
Scanned image-2Scanned image-2
Scanned image-2
 
Scanned image-2
Scanned image-2Scanned image-2
Scanned image-2
 
Cartilha conselho municipalidoso
Cartilha conselho municipalidosoCartilha conselho municipalidoso
Cartilha conselho municipalidoso
 
Document (4)
Document (4)Document (4)
Document (4)
 
Ageu spillere 2.pdf
Ageu spillere 2.pdfAgeu spillere 2.pdf
Ageu spillere 2.pdf
 
0900727 35.2017.8.24.0020 (1)
0900727 35.2017.8.24.0020 (1)0900727 35.2017.8.24.0020 (1)
0900727 35.2017.8.24.0020 (1)
 
0900762 92.2017.8.24.0020 (1)
0900762 92.2017.8.24.0020 (1)0900762 92.2017.8.24.0020 (1)
0900762 92.2017.8.24.0020 (1)
 
0900522 06.2017.8.24.0020 (1)
0900522 06.2017.8.24.0020 (1)0900522 06.2017.8.24.0020 (1)
0900522 06.2017.8.24.0020 (1)
 
Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445
Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445
Digitalizar 2017 12_06_10_28_45_445
 
8000094 70.2017.8.24.0000
8000094 70.2017.8.24.00008000094 70.2017.8.24.0000
8000094 70.2017.8.24.0000
 
Sentença para o blog
Sentença para o blogSentença para o blog
Sentença para o blog
 
8000472 60.2016.8.24.0000
8000472 60.2016.8.24.00008000472 60.2016.8.24.0000
8000472 60.2016.8.24.0000
 
Denuncia08 170714122334
Denuncia08 170714122334Denuncia08 170714122334
Denuncia08 170714122334
 
Recomendação dpft
Recomendação dpftRecomendação dpft
Recomendação dpft
 
Recomendação famcri
Recomendação famcriRecomendação famcri
Recomendação famcri
 
0900139 96.2015.8.24.0020
0900139 96.2015.8.24.00200900139 96.2015.8.24.0020
0900139 96.2015.8.24.0020
 
Document (2)
Document (2)Document (2)
Document (2)
 
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
 
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
0026182 66.2013.8.24.0020 (1)
 

Agravo de Instrumento nº 0141932-11.2015.8.24.0000

  • 1. Agravo de Instrumento nº 0141932-11.2015.8.24.0000 Relator: Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira AÇÃO CIVIL PÚBLICA. ILEGITIMIDADE ATIVA DO MI- NISTÉRIO PÚBLICO E SUPOSTA VIOLAÇÃO AOS PRIN- CÍPIOS QUE NORTEIAM TAL INSTITUIÇÃO. MATÉRIAS VENTILADAS EM AGRAVO ANTERIOR. QUESTÃO JÁ DE- CIDIDA. PRECLUSÃO. Não se conhece de matéria, ventilada em agravo de ins- trumento, já terminantemente decidida em agravo anterior, porque preclusa. ARRESTO DE BENS IMÓVEIS E COTAS SOCIAIS DO GRUPO ECONÔMICO EM GRAVE CRISE FINANCEIRA. SONEGAÇÃO DE BENS. NECESSIDADE DE ACAUTELAR OS CONSUMIDORES QUE POSSIVELMENTE SERÃO PREJUDICADOS COM A QUEBRA. Na forma do art. 813 do CPC/73, então vigente, o arresto tem lugar quando o devedor, que tem domicílio certo, cai em insolvência; aliena ou intenciona alienar bens que possui; contrai dívidas extraordinárias; põe ou tentar pôr seus bens em nome de terceiros; ou, ainda, comete qualquer artifício fraudulento que tente frustrar a execução ou lesar credores. Presentes tais elementos, de rigor a concessão da cautela. AGRAVO PARCIALMENTE CONHECIDO E NÃO PRO- VIDO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 0141932-11.2015.8.24.0000, da comarca de Criciúma 2ª Vara da Fazenda em que são Agravantes Criciúma Construções Ltda e outros e Agravado Ministério Público do Estado de Santa Catarina. A Terceira Câmara de Direito Civil decidiu, por unanimidade, co- nhecer de parte do agravo e negar-lhe provimento, nos termos do voto do relator. Custas legais. O julgamento, realizado nesta data, foi presidido pelo Exmo. Sr. Des. Fernando Carioni, com voto, e dele participou o Exmo. Sr. Des. Marcus Tú- lio Sartorato. Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY. Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA. fls. 2
  • 2. 2 Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03 Funcionou como representante do Ministério Público a Exma. Sra. Drª. Lenir Roslindo Piffer. Florianópolis, 31 de maio de 2016. Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira Relator Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY. Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA. fls. 3
  • 3. 3 Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03 RELATÓRIO Trata-se de agravo, por instrumento, interposto por Criciúma Cons- truções Ltda., Edifício Residencial Vivendas de Barcelona, Empreendimento I- mobiliário Ltda., RCF Incorporadora Ltda., Rogério Cizeski e Gentile Catarina Serafin Cizeski da decisão que, nos autos da ação civil pública proposta pelo Mi- nistério Público Estadual, em complemento à decisão anterior, que havia deferido a antecipação da tutela jurisdicional, determinou o arresto de todas as unidades do Hotel Paulista, com expedição de ofício ao Cartório de Registro de Imóveis de Araranguá, para averbação na matrícula de nº 62.655, bem como a indisponibili- dade das cotas sociais que compõem a sociedade Centro Comercial e Residen- cial Paulista Empreendimentos Imobiliários Ltda., oficiando-se a Junta Comercial para o devido registro. Expõe que o Ministério Público não detém legitimidade, visto que a ação civil pública em comento não visa resguardar interesses difusos e coletivos. Aponta violação dos princípios que norteiam o Ministério Público, pois o representante da instituição estaria atuando em prejuízo de consumidores de empreendimentos de outras cidades. Advoga, no mais, que é impossível o arresto, pois não há disposi- ção legal que o permita, assim como a indisponibilidade de cotas sociais. Pautou-se pela concessão do efeito suspensivo e provimento. O efeito almejado não foi concedido (fls. 170/173). Foram ofertadas contrarrazões (fls. 177/190). A douta Procuradoria-Geral de Justiça manifestou-se pelo não provimento do agravo (fls. 260/269). É o relatório do necessário. Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY. Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA. fls. 4
  • 4. 4 Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03 VOTO Conheço de parte do agravo e nego-lhe provimento. O Ministério Público ingressou com ação civil pública contra os ora agravantes por descumprimento de suas obrigações no mercado de consumo, perante os consumidores, notadamente em relação ao prazo da entrega da obra do Edifício Residencial Vivendas de Barcelona e da possibilidade de quebra do grupo Criciúma Construções, o que poderia gerar prejuízos àqueles. Foi deferida a liminar (fls. 70/89) em setembro de 2014, pelo ma- gistrado a quo, para, dentre outras coisas, determinar a indisponibilidade de uni- dades do Edifício Residencial Vivendas de Barcelona; impor a constituição de patrimônio de afetação para assegurar a continuidade da obra, sem prejuízo aos adquirentes, no caso de falência ou recuperação judicial do grupo; determinar o arresto de imóveis e a restrição de veículos; impor a exibição dos contratos fir- mados com os adquirentes, etc. Desta decisão foi interposto, pelas aqui agravantes, o Agravo de nº 2014.072720-2, que foi julgado em 10 de novembro de 2015 por esta Câmara, acórdão de lavra do Des. Saul Steil, com os votos dos Des. Fernando Carioni e Marcus Túlio Sartoraro, cuja ementa foi assim redigida: AGRAVO DE INSTRUMENTO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA PROMOVIDA PELO MINISTÉRIO PÚBLICO. PRELIMINARES: ILEGITIMIDADE ATIVA. DI- REITO INDIVIDUAL HOMOGÊNEO. LEGITIMIDADE PREVISTA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EXISTÊNCIA DE ASSOCIAÇÃO LEGITIMA- DA A REPRESENTAR OS ASSOCIADOS. IRRELEVÂNCIA LEGITIMIDADE CONCORRENTE DO AGRAVADO. ALEGAÇÃO DE VIOLAÇÃO AOS PRINCÍ- PIOS INERENTES AO MINISTÉRIO PÚBLICO. DEFESA DE INTERESSES PARTICULARES E RESTRITO DOS ADQUIRENTES DO EMPREENDIMEN- TO. DIREITOS HOMOGÊNEOS DOS CONSUMIDORES LESADOS. AUSÊN- CIA DE PREJUÍZO A OUTROS CONSUMIDORES. VIABILIDADE DE PROTE- ÇÃO. MÉRITO: AÇÃO CIVIL PÚBLICA QUE VISA O CUMPRIMENTO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE UNIDADES HABITACIONAIS. GRU- PO EMPRESARIAL QUE ABANDONOU AS OBRAS DO EMPREENDIMENTO. ALEGAÇÃO DE QUE O GRUPO EMPRESARIAL PASSA POR GRAVE CRISE FINANCEIRA. FATO QUE CULMINOU NA PARALISAÇÃO DESTA E OUTRAS OBRAS QUE ESTAVAM EM ANDAMENTO. ARRESTO DE IMÓVEIS PER- Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY. Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA. fls. 5
  • 5. 5 Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03 TENCENTES A TECEIROS. ALEGAÇÃO DE QUE A MEDIDA NÃO CAUSARÁ DANOS A TERCEIROS DE BOA-FÉ PORQUE NÃO HÁ GARANTIA DE QUE ESTES TERÃO OS IMÓVEIS ENTREGUES. PRETENSÃO DE MANTER O ARRESTO ATÉ QUE OS TERCEIROS PROMOVAM O REGISTRO DOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA JUNTO AO REGISTRO IMOBILIÁRIO. INVIABILIDADE. DESCABIMENTO DE ARRESTO DE BENS DE TERCEIROS DE BOA-FÉ PARA GARANTIR O DIREITO DOS ADQUIRENTES DE UNIDA- DES. TERCEIROS CONSUMIDORES QUE TAMBÉM POSSUEM O MESMO DIREITO DE PROTEÇÃO. CONCESSÃO DE EFEITO SUSPENSIVO PARA DETERMINAR O LEVANTAMENTO DOS ARRESTOS. MEDIDA QUE ENSEJA GRAVE DANO AOS AGRAVANTES E A TERCEIROS. RECURSO CONHECI- DO E PROVIDO. Do teor deste acórdão, concernente à arguição de ilegitimidade do Ministério Público para figurar no polo ativo da demanda, colhe-se: verifica-se que a Ação Civil Pública foi ajuizada contra os ora agravantes e outros, com o objetivo de impor obrigações de fazer e não fazer, visando ainda o sequestro dos bens imóveis descritos na inicial. Os agravantes alegam que os interesses tutelados na lide não são de natureza difusa ou coletiva, além do fato de já existir uma Associação criada para defender direitos dos consumidores que se dizem lesados pelos agravan- tes. Todavia, não assiste razão aos agravantes nesse tópico, porquanto evi- dencia-se dos autos o interesse individual homogêneo, apto a justificar a atua- ção do Ministério Público na defesa dos consumidores. O Código de Defesa do Consumidor possibilita a defesa coletiva em Juízo de direitos individuais homo- gêneos. Afigura-se, ainda, a presença de direitos de caráter difuso, uma vez que a ação visa igualmente proteger os futuros compradores das unidades habitacio- nais que ainda não foram alienadas, de modo que abrange uma coletividade indeterminada ou indeterminável, que poderiam vir a ser lesada pela não entre- ga do bem ou do montante investido. Assim, evidencia-se inegável tutela de di- reitos coletivos por meio da Ação Civil Pública, o que confere legitimidade ao Ministério Público. Por outro lado, o fato de existir uma associação civil criada pelos consu- midores de unidades habitacionais, em razão do atraso na entrega da obra, não obsta a atuação do Ministério Público, porquanto, o artigo 82, do Código de Defesa do Consumidor confere aos entes (Associações e Ministério Público), legitimação concorrente para o intento de ações destinadas à proteção dos di- reitos elencados no referido dispositivo legal. Portanto, a presença de uma as- sociação com os mesmos objetivos, não impede a atuação Ministerial. (...) Além disso, a atuação de qualquer dos entes indicados nos incisos do re- ferido dispositivo legal "independe da concordância dos demais na interposição das ações coletivas" (MARQUES, Cláudia Lima; BENJAMIN, Antonio Herman; MIRAGEM, Bruno. Comentários ao Código de Defesa do Consumidor. 3.ed. Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY. Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA. fls. 6
  • 6. 6 Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03 São Paulo: Revista dos Tribunais, 2010, p. 1320). Com efeito, o Ministério Público do Estado de Santa Catarina é parte le- gítima para promover a Ação Civil Pública, que visa proteger os direitos e inte- resses da associação e dos adquirentes individuais das unidades do Edifício Vivendas de Barcelona, porquanto a ação versa sobre direitos individualmente considerados, mas que podem ser pleiteados a título coletivo, face a pluralidade de sujeitos atingidos pela mesma relação fática/jurídica. Já em relação à alegação de violação dos princípios inerentes à ati- vidade do Ministério Público - unidade, indivisibilidade e independência funcional - em razão de defender interesses particulares e restritos dos adquirentes de u- nidades do Edifício Vivendas de Barcelona registrou-se: Conquanto verse a ação civil pública sobre interesses privados, tratando- se de direitos homogêneos dos consumidores lesados, evidencia-se a possibi- lidade de tratamento coletivo, pois não se verifica prejuízos a adquirentes de u- nidades de outros empreendimentos, em razão da viabilidade de proteção dos direitos individuais homogêneos, vislumbrados no caso concreto. Isto posto, rejeitam-se as preliminares. Facilmente perceptível, pois, que tais teses, reeditadas no presente instrumento, encontram-se cobertas pela preclusão. Logo, delas não se pode conhecer. Já em relação ao mérito, por ocasião do julgamento de tal agravo, os jurisconsultos desta Terceira Câmara de Direito Civil registraram: Extrai-se dos autos que a medida liminar deferida na Ação Civil Pública, atingiu, indiscriminadamente, bens imóveis localizados na comarca de Criciúma, os quais são objeto de negócios jurídicos entabulados entre a Construtora Cri- ciúma e outros consumidores, sendo que muitos deles se encontram em situa- ção semelhante. Nesse panorama, como se trata de uma ação coletiva promovida pelo Mi- nistério Público, a concessão da tutela cautelar, que visa assegurar direitos dos consumidores adquirentes de unidades no empreendimento denominado Vi- vendas de Barcelona, não pode afetar, ainda que indiretamente, a esfera jurídi- ca de terceiros consumidores de boa-fé, porquanto são eles também titulares dos mesmos direitos, sob pena de violação ao princípio constitucional da iso- nomia. Descabida a pretensão do Ministério Público, que seja mantida a medida liminar de arresto sobre imóveis pertencentes a outros consumidores, até que todos os contratos de compra e venda firmado com terceiros de boa-fé sejam registrados perante o Cartório de Registro de Imóveis de Criciúma, porquanto o direito de terceiros de boa-fé devem ser igualmente respeitados, sob pena de privilegiar aqueles representados na presente ação, em evidente prejuízo de Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY. Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA. fls. 7
  • 7. 7 Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03 terceiros, o que é deveras inaceitável. Oportuno ressaltar, ainda, que foram promovidas inúmeras outras ações civis públicas e individuais de rescisão de contratos, promovidas contra os a- gravantes, e a manutenção do arresto sobre imóveis que não mais pertencem aos agravantes, mas a terceiros adquirentes de boa-fé, poderá culminar em prejuízo a outros consumidores que merecem igualmente a proteção de seus direitos. Não se pode olvidar, ainda, que a finalidade principal da Ação Civil Pública consiste no adimplemento contratual que para os agravantes é a implementa- ção das obras de edificação do empreendimento denominado Vivendas de Barcelona e, subsidiariamente, como pleito sucessivo requereu o Ministério Pú- blico o ressarcimento dos prejuízos decorrentes do descumprimento do contra- to. À luz dessas considerações, visualizando relevância na fundamentação do recurso (fumus boni juris) e a possibilidade de ocorrência de lesão grave ir- reparável ou de difícil reparação aos agravante, bem como a terceiros de boa- fé, a concessão de efeito suspensivo da decisão agravada é medida de rigor. Significa dizer, deferido o arresto sobre bens indiscriminadamente, esta Câmara, na oportunidade, deu parcial provimento ao agravo, pois não se poderia privar consumidores-adquirentes de outras unidades habitacionais, com o arresto, que se encontravam em idêntica situação, já que o Grupo Criciúma Construções ameaçava ingressar em estado de insolvência, até mesmo já tinha abandonado os empreendimentos. Sucede, porém, que, após tal decisão, em junho de 2015, o togado a quo determinou o arresto de todas as unidades do Hotel Paulista, averbando- se na matrícula nº 62.655, bem como a indisponibilidade das cotas sociais que compõe a Sociedade Centro Comercial e Residencial Paulista Empreendimentos Imobiliários Ltda., oficiando-se a Junta Comercial. Tenho que tal decisão, agora, merece subsistir. Primeiro, porque as ora agravantes, que integram o Grupo Criciú- ma, confessam, à fl. 17, que passam por uma séria crise financeira e que atra- saram a entrega de muitas obras. Segundo, porque tais bens compõem o patrimônio das agravantes e devem ser utilizados para garantir o ressarcimento dos consumidores- adquirentes, em relação ao empreendimento em epígrafe, apenas se a obra não Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY. Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA. fls. 8
  • 8. 8 Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03 for concluída. Significa dizer: a medida de constrição nada prejudica os direitos das agravantes, pois, finalizada a obra, o arresto será levantado. Terceiro, porque, na forma do art. 813 do CPC/73, então vigente, o arresto tem lugar quando o devedor, que tem domicílio certo, cai em insolvência; aliena ou intenciona alienar bens que possui; contrai dívidas extraordinárias; põe ou tentar pôr seus bens em nome de terceiros; ou, ainda, comete qualquer artifí- cio fraudulento que tente frustrar a execução ou lesar credores. Com isso em mente, vejo que, no caso dos autos, na decisão que antecipou a tutela jurisdicional, o magistrado a quo registrou que há, só no Edifí- cio Residencial Vivendas de Barcelona, 94 consumidores aguardando a en trega de suas unidades e que o Grupo Criciúma necessita de R$ 900.000,00 (novecentos mil reais) para concluir suas obras, além de haver mais 8.801 con- sumidores que nem sequer tiveram suas obras iniciadas ou concluídas. Logo, o arresto, como medida acautelatória para tais consumidores, faz-se necessário, ante o quadro de insolvência do mencionado Grupo. Além do mais, como bem colocado pela Procuradoria-Geral de Justiça, Parecer de lavra da Dra. Hercília Regina Lemke, "as agravantes utiliza- ram-se de subterfúgios para descumprir as decisões proferidas pelo Juízo da 2ª Vara da Fazenda Pública no sentido de retirar das obras paralisadas parte da matéria-prima empregada nas construções, não havendo qualquer informação do destino dado a tais materiais". E mais: "nos autos do Procedimento Investigatório Criminal nº 06.2014.00004992-6, o Ministério Público tomou conhecimento da existência de imóveis pertencentes aos agravantes e que vinham sendo sonegados dolosa- mente. Dentre eles estava o Hotel paulista, situado na cidade Balneário Arroio do Silva", cujas unidades passaram a ser alienadas pelo representante legal do Grupo. Nestes termos, e porque concedida a recuperação judicial do Grupo Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY. Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA. fls. 9
  • 9. 9 Gabinete Desembargador Gilberto Gomes de Oliveira 03 Econômico agravante, o que demonstra, de fato, sua crise financeira, é de se manter o arresto de tais bens, pois presentes os elementos necessários. Ante o exposto, VOTO no sentido de conhecer de parte do agravo e, em relação a esta, negar-lhe provimento. É, pois, como voto. Paraconferirooriginal,acesseositehttp://esaj.tjsc.jus.br/esaj,informeoprocesso0141932-11.2015.8.24.0000ecdigoP00000003XEAY. Estedocumentofoiliberadonosautosem01/06/2016s17:56,cpiadooriginalassinadodigitalmenteporGILBERTOGOMESDEOLIVEIRA. fls. 10