SlideShare uma empresa Scribd logo
Adoção Tardia: Estudo
bibliográfico sobre a expectativa
de crianças e adolescentes ainda
institucionalizados sobre adoção.
Bruna Pimenta do Patrocínio
Orientadora: Profª Luzia Del Vechio Bernardes
Objetivo
 Este trabalho teve por objetivo principal, realizar
uma investigação bibliográfica a respeito das
variáveis que envolvem o processo de adoção de
crianças e adolescentes institucionalizadas sob o
ponto de vista da percepção e expectativas das
mesmas.
Metodologia
 Para obter as informações necessárias
para o desenvolvimento deste trabalho,
foram utilizados livros, artigos científicos e
outros materiais disponíveis em meios
eletrônicos.
Adoção
• Medida excepcional e
irrevogável. – Estatuto da
Criança e do Adolescente, Art.
39 parágrafo 1.
• Regime de família substituta
que atribui à criança ou
adolescente assumido pelo
adotante a condição de filho
[...] - SALDANHA, 2010.
Perfil dos pretendentes à adoção
 A maioria dos adotantes são casados;
 Possuem em média 40 anos;
 Mais da metade não possui filhos biológicos;
 Pertencem a classes sociais de melhores
condições econômicas;
 Tendem a realizar o processo de adoção conforme
os trâmites legais.
Motivação dos pretendentes à
adoção
 Infertilidade;
 Desejo de ajudar uma criança;
 Já desejavam adotar uma criança;
 Adotaram porque a “criança apareceu”;
 Eram filhos de parentes;
 Sentimentos de solidão, compaixão e afeição pela criança;
 Morte de um filho natural;
 Escolher o sexo da criança.
Perfil de crianças requeridas pelos
pretendentes à adoção no Brasil
 Criança recém-nascida ou com no máximo 2
anos;
 Do sexo feminino;
 Da raça branca;
 Saudável;
 Que não possua irmãos.
Perfil de crianças disponíveis para
adoção no Brasil
 Crianças com mais de 2 anos;
 A maioria das crianças são do sexo masculino;
 Negros e pardos;
 Possuem algum problema de saúde e/ou apresentam
alguma deficiência;
 E estão inseridas em grupos de irmãos.
Adoção Tardia
 Termo utilizado para
caracterizar a adoção de
crianças com mais de 24
meses.
 Pretendentes á adoção
temem que a criança mais
velha venha problemática
devido aos traumas que
possa ter sofrido.
 É necessário que os pretendentes á adoção de crianças com
mais de 2 anos passem por um período de adaptação e
convivência com a criança ou adolescente.
 Criança pode apresentar baixa auto-estima por não haver
sido adotada.
 Em Santa Catarina, a campanha “Laços de Amor” que
conscientiza e incentiva a adoção tardia, apresenta histórias
bem sucedidas de casais que quebraram a barreira do
preconceito e adotaram crianças e adolescentes.
 Quando essas crianças completam 18 anos, elas têm de
sair dos abrigos. Assim, os abrigos tentam capacitar e
profissionalizar esses adolescentes para que eles possam
viver sozinhos depois da saída da instituição.
 De acordo com os materiais estudados, a demora na
tramitação dos processos de retirada da guarda da
criança da família biológica e o encaminhamento da
mesma para adoção, dificultam a inserção da criança em
uma nova família.
 Geralmente as crianças mais velhas crescem dentro
das instituições por serem consideradas “idosas” e por
não se enquadrarem dentro do perfil estipulado pelos
pretendentes, não só pela idade, mas também pela
raça e por geralmente terem irmãos.
 Em último caso, elas podem ser encaminhadas para a
adoção internacional.
Adoção Internacional
 Medida tomada quando se esgotam todas as possibilidades de adoção
dentro do país de origem e de, no caso, brasileiros que residem no
exterior.
 Geralmente leva-se em consideração a opinião da criança.
 Estrangeiros estão mais dispostos a adotar crianças mais velhas e de
etnias diferentes das suas. Geralmente quando estes vêm ao Brasil
em busca de um filho, eles já sabem o perfil de crianças que vão
encontrar.
“ São os pais que se colocam a disposição dos filhos e não vice-
versa.”
Adoção pelo olhar das crianças
 De acordo com as
pesquisas realizadas,
conforme a criança passa
mais tempo vivendo nas
instituições de
acolhimento, as chances
de encontrar uma nova
família diminuem.
 De acordo com os materiais pesquisados,
pode-se perceber que as crianças que ainda
estão institucionalizadas ainda esperam
encontrar uma nova família ou de alguma
forma voltar para a família biológica. Já os
adolescentes parecem se conformar com a
idéia de que não serão adotados e apenas
aguardam a maioridade para se desligar da
instituição.
 De acordo com Rossetti-Ferreira, Serrano e Almeida
(2011) muito se escuta sobre a criança na instituição
de acolhimento, “mas ela é pouco informada e
escutada sobre seus sentimentos, medos e
experiências”.
 As autoras ainda mostram a importância das
conversas entre as crianças e os educadores. Também
dizem que em algumas ocasiões “[...] a criança pode
evitar conversar sobre suas vivências na instituição, o
que não significa, necessariamente, que ela não tenha
o que ‘dizer’ ou ‘perguntar’ sobre o assunto.”
 No documentário “O que o destino me
mandar” pode-se observar que as maiores
dúvidas dessas crianças estão
relacionadas á possibilidade de seu
retorno para as famílias biológicas, mesmo
que tenham sido vítimas de maus tratos
como mostrado no documentário.
Conclusão
 Assim como pode ser observado durante o
desenvolvimento deste trabalho, a cultura de adoção
vêm se modificando no país. Porém ainda esbarramos
em alguns preconceitos, como o da idade e da etnia da
criança.
 A expectativa dos adotantes é bem diferente da
realidade encontrada nos abrigos brasileiros.
 Observa-se uma lentidão nos processos para avaliar a
situação de cada criança institucionalizada. E uma
necessidade de melhor acompanhamento destas
crianças pelo Sistema Judiciário
 Faltam materiais específicos sobre a visão que a criança
que ainda vive na instituição de acolhimento tem sobre o
tema adoção. Nota-se uma necessidade grande de ouvir
o que estas crianças têm a nos dizer.
Referências bibliográficas
87% das crianças e adolescentes de abrigos não podem ser adotados. Gazeta do Povo, 2012. Disponível em
<http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=1258944> Acesso em 10/10/2012.
Adoção Santa Catarina. Campanha Adoção Laços de Amor filme 1 versão estendida. 2011. Disponível em
<http://www.youtube.com/watch?v=Bu2kgr-eKmk> Acesso em 10/10/2012.
ALMEIDA, Ivy Gonçalves, MAEHARA, Nivea Passos; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. A perspectiva da
criança em acolhimento institucional sobre sua rede social: a importância do relacionamento entre irmãos.
Em M. C. Rossetti-Ferreira; S. A. Serrano & I. G. Almeida (Orgs.). O acolhimento institucional na perspectiva da
criança. São Paulo: Hucitec, 2011.
AQUINO, Guilherme; UTSCH, Sérgio. Entrevista SBT. In_ IBRITmilano.2007. Disponível em
<http://www.youtube.com/watch?v=lRZn-M3h5Ms> Acesso em 11/10/2012.
BASTOS, Ângela. O que o destino me mandar. Produção, roteiro e direção de Ângela Bastos. Santa Catarina.
2006. 59 min. Color. Disponível em http://www.amb.com.br/portal/docs/multimidia/adocao.asp?video=1 Acesso em
22/11/2012.
BENTO, Rilma. Família substituta: uma proposta de intervenção clínica na adoção tardia.Psicol. teor. prat., São
Paulo, v. 10, n. 2, dez. 2008 . Disponível em
<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872008000200016&lng=pt&nrm=iso>.
acessos em 27 nov. 2011.
CAMARGO, Mário Lázaro. A adoção tardia no Brasil: desafios e perspectivas para o cuidado com crianças e
adolescentes.. In: SIMPOSIO INTERNACIONAL DO ADOLESCENTE, 2., 2005, São Paulo. Proceedings online...
Available from:
<http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000082005000200013&lng=
en&nrm=abn>. Acesso em: 13 Out. 2011.
CAMPOS, Niva Maria Vasques. Adoção Tardia – Características do Estágio de Convivência. Servidora da
Seção de Adoção da Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal. Disponível em:
<http://www.tjdft.jus.br/trib/vij/docvij/artigos/adoctardia.pdf>. Acesso em: 26/11/2011.
CIEGLINSKI, Amanda. Exigência de famílias com relação a perfil da criança dificulta adoção. Agência
Brasil. Brasília. 2012. Disponível em <http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-
noticias/2012/05/25/exigencia-de-familias-com-relacao-a-perfil-da-crianca-dificulta-adocao.htm> Acesso em
15/09/2012.
COSTA, Nina Rosa do Amaral; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. Tornar-se pai e mãe em um processo
de adoção tardia. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 20, n. 3, 2007 .
Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
79722007000300010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 13 Out. 2011. doi: 10.1590/S0102-
79722007000300010.
CUNEO, M. R. Abrigamento prolongado: os filhos do esquecimento. A institucionalização prolongada de
crianças e as marcas que ficam. In: Censo da população infanto juvenil abrigada no estado do Rio de
janeiro, jun, 2009. Disponível em:
<http://www.mp.rj.gov.br/portal/page/portal/MCA/Censo/Terceiro_Censo/7_Abrigamento.pdf> Acesso em
11 out 2012.
DANTAS, Marcelo; CAVALCANTE, Vanessa. Pesquisa qualitativa e pesquisa quantitativa. Recife, 2006.
Disponível em <http://pt.scribd.com/doc/14344653/Pesquisa-qualitativa-e-quantitativa> Acesso em
05/11/2011.
DIAS, Cristina Maria de Souza Brito; SILVA, Ronara Veloso Bonifácio da; FONSECA, Célia Maria Souto Maior
de Souza. A adoção de crianças maiores na perspectiva dos pais adotivos. Contextos Clínic, São
Leopoldo, v. 1, n. 1, jun. 2008. Disponível em
<http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-
34822008000100004&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 01 dez. 2011.
EBRAHIM, Surama Gusmão. Adoção tardia: altruísmo, maturidade e estabilidade emocional. Psicol. Reflex.
Crit., Porto Alegre, v. 14, n. 1, 2001 .Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722001000100006&lng=en&nrm=iso>.
Acesso em 13 Nov. 2011. doi: 10.1590/S0102-79722001000100006.
FRANÇA, Emanuela. Preconceito: a principal barreira da adoção tardia. 2007. Disponível em:
<http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=472686> Acesso em 25/11/2011.
GUIJT, Michella. Adoção: quando o preconceito fecha os olhos do coração. Disponivel em
<http://www.filhosadotivosdobrasil.com/index.php/component/content/article/36-encontro/79-adocao-
quando-o-preconceito-fecha-os-olhos-do-coracao> Acesso em 20/09/2012.
GUIMARÃES, Lilian de Almeida. Conversando com crianças sobre adoção. São Paulo: Casa do Psicologo,
2010.
HOUDALI, AmiraSamihHamedMohd. PIRES, Victor Paulo Kloeckner. A adoção internacional e suas
diretrizes no direito brasileiro. Disponivel em
<http://sisnet.aduaneiras.com.br/lex/doutrinas/arquivos/adocao.pdf> Acesso em 15/10/2012.
LIMA, Rogério; PALHANO, Gabriela de. Filhos do Coração. Rio de Janeiro, 2008a. Disponível em
<http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1173214-16022,00-FILHOS+DO+CORACAO.html> Acesso em
15/05/2012.
LIMA, Rogério; PALHANO, Gabriela de. Filhos do Coração. Rio de Janeiro, 2008b. Disponível
em<http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1173227-16022,00-FILHOS+DO+CORACAO.html> Acesso em
15/05/2012.
LIMA, Rogério; PALHANO, Gabriela de. Filhos do Coração. Rio de Janeiro, 2008c. Disponível
em<http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1173238-16022,00-FILHOS+DO+CORACAO.html> Acesso em
15/05/2012.
LIMA, Rogério; PALHANO, Gabriela de. Filhos do Coração: crianças continuam esperando por pais adotivos.
Rio de Janeiro, 2009. Disponível em:
<http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1427989-16022,00-
FILHOS+DO+CORACAO+CRIANCAS+CONTINUAM+ESPERANDO+POR+PAIS+ADOTIVOS.html> Acesso em
15/09/2012.
MAGALHÃES, Priscila. Desafios e vantagens da Adoção Tardia, 2007. Disponível em:
<http://www.acessa.com/direitoshumanos/arquivo/inclusao/2007/11/05-tardia/> Acesso em: 25/11/2011.
MARINHO, Luciana. Órfãos adolescentes perdem as esperanças de serem adotados. In_CBN.
2012. Disponivel em <https://www.youtube.com/watch?v=LNNNIG40Jn4> Acesso em 12/05/2012.
MEURER, Kíria. SC: campanha de incentivo a adoção de crianças mais velhas dá bons
resultados. In_ Adoção Brasil. 2012. Disponível em
<http://www.youtube.com/watch?v=4ai6eMWadpI> Acesso em 12/10/2012.
MORAES, Aline. Adoção Tardia: desafios e muito amor, 2010. Disponível em:
<http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI119863-10514,00.html>. Acesso em:
16/11/2011.
MORAES, Rosalina Rocha Araújo, Adoção no Brasil. 2007. Disponível em:
<http://www.infoescola.com/sociologia/adocao-no-brasil/>. Acesso em 11/11/2011.
MOURA, Simone Vivian de, Adoção Tardia: um estudo sobre o perfil da criança estabelecido pelos
postulantes à adoção na comarca de Itaúna/MG, 2008, Monografia (Curso graduação Serviço
Social) – Faculdade de Divinópolis – FADIV Disponível pelo site Monografias.com:
<http://br.monografias.com/trabalhos3/adocao-tardia-perfil-crianca/adocao-tardia-perfil-
crianca3.shtml> , Acesso em 18/10/2011
OSCAR, Naiana. Muralha de Medos e Mitos. In_ Adoção Tardia, Estadão Online, 2007. Disponível
em: <http://www.estadao.com.br/especiais/adocao-tardia,8264.htm> Acesso em: 27/11/2011.
PURETZ, Andressa; LUIZ, Danuta E. C. Adoção Tardia: Desafios e Perspectivas na Sociedade
Contemporânea. Revista Emancipação, Vol. 7, No 2, 2007. Disponível em:
<http://www.revistas2.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/109/107>. Acesso em: 27/11/2011.
ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde et al . Acolhimento de crianças e adolescentes em situações de
abandono, violência e rupturas. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 25, n. 2, 2012 . Available from
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722012000200021&lng=en&nrm=iso>.
access on 20 Sep. 2012.
ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde; SERRANO, Solange Aparecida; ALMEIDA, Ivy Gonçalves de. Desafios e
perspectivas para o acolhimento institucional. Em M. C. Rossetti-Ferreira; S. A. Serrano & I. G.
Almeida (Orgs.). O acolhimento institucional na perspectiva da criança. São Paulo: Hucitec, 2011. pp. 369-
370.
SALDANHA, Alessandra. Estatuto da Criança e do Adolescente: Esquematizado. Lei 8.069/90, atualizado
conforme a Lei Nacional de Adoção 12.010/09. Rio de Janeiro. Ferreira, 2010.
SASSON, Melissa D.H; SUZUKI, Verônica K. Adoção de crianças maiores: percepções de profissionais do
Serviço de Auxílio á Infância. Revista de Psicologia UNESP, vol.10 nº 1, 2011.
SILVA, Ana Cláudia. Adoção Internacional: Uma abordagem de acordo com o Estatuto da Criança e do
Adolescente. Monografia. Macapá, 2008. Disponivel em:
<http://www.ceap.br/tcc/TCC12122008100720.pdf> Acesso em 19/10/2012.
SILVA, Jaqueline Araújo da, Adoção de Crianças Maiores: percepções e Vivências dos adotados. Belo
Horizonte, 2009. Disponível online em
<http://www1.pucminas.br/documentos/dissertacao_jaqueline_araujo.pdf> Acesso em 10/06/2011.
SOLON, Lilian Almeida Guimarães. (2006). A perspectiva da criança sobre seu processo de
adoção. (Dissertação de Mestrado não-publicada). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de
São Paulo, Ribeirão Preto, SP.
SOUZA, Giselle. Brasil tem 4.856 crianças á espera de adoção. 2011. Disponível em:<
http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/15658-brasil-tem-4856-criancas-para-a-adocao-revela-ultimo-balanco>
Acesso em 10/10/2012.
SOUZA, Giselle. Cadastro tem 5,2 mil crianças. 2012. Disponivel em
<http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/19552-cadastro-tem-52-mil-criancas> Acesso em 10/10/2012.
SOUZA, Hálida Pauliv de. Adoção: Exercício de Fertilidade afetiva. São Paulo. Paulinas, 2008.
TOLENTINO, Ligia. Adoção internacional. In_ Justiça em Questão. 2010. Disponível em
<http://www.youtube.com/watch?v=0L2bZWGyLjw> Acesso em 24/03/2012.
VARGAS, Marlizete Maldonado. Adoção tardia: da família sonhada a família possível. São Paulo. A Casa do
Psicólogo, 1998.
WEBER, Lidia N.D. (1995). Da institucionalização à adoção: um caminho possível? Revista
Igualdade – Ministério Público Paraná, 9, 1-9. Disponivel em:
<http://www.lidiaweber.com.br/Artigos/1995/1995Dainstitucionalizacaoaadocaoumcaminhopossivel
.pdf> Acesso em 20/04/2012.
WEBER, Lidia N. D. Famílias adotivas e mitos sobre o laço de sangue. 1996. Disponível em:
<http://www.lidiaweber.com.br/Artigos/1996/1996Familiasadotivasemitossobrelacoesdesangue.pdf
> Acesso em 15/08/2011.
WEBER, Lidia N.D. & Kossobudzki, L. H. M. (1996). Filhos da solidão: Institucionalização,
abandono e adoção. Curitiba: Governo do Estado do Paraná.
WEBER, Lidia N.D. & Mafessoni, C. S. E. S. R. (1996). Um estudo comparativo das adoções
nacionais e internacionais realizadas no Juizado da Infância e da Juventude de
Curitiba. Em Sociedade Brasileira de Psicologia (Org.), Resumos de Comunicações Científicas, XXVI
Reunião Anual de Psicologia (p. 119). São Paulo: SBP.
WEBER, Lidia N.D.Laços de ternura: pesquisas e histórias de adoção. Curitiba, Juruá, 1998.
WEBER, Lidia N.D. O filho universal: um estudo comparativo de adoções nacionais e
internacionais. Revista Direito de Família e Ciências Humanas - Caderno de Estudos Nº 2, 1998, pp.
119-152. Disponivel em http://www.lidiaweber.com.br/Artigos/1998/1998Ofilhouniversal.pdf
Acesso em 10/04/2012.
WEBER, Lidia N. D. Os filhos de ninguém: abandono e institucionalização de crianças no Brasil.
Revista CONJUNTURA SOCIAL (Rio de Janeiro), julho 2000, No. 4, p. 30-36. Disponível em:
<http://www.lidiaweber.com.br/Artigos/2000/2000Osfilhosdeninguem.pdf> Acesso em:
26/11/2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Portal do Vestibulando
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
Ana Paula Ribeiro da Fonseca Lopes
 
Os direitos da infância e adolescência ao longo da história
Os direitos da infância e adolescência ao longo da históriaOs direitos da infância e adolescência ao longo da história
Os direitos da infância e adolescência ao longo da história
Regina M F Gomes
 
crimes de Preconceito
crimes de Preconceitocrimes de Preconceito
crimes de Preconceito
Diogo Rochstroch
 
Palestra trabalho infantil nnn
Palestra trabalho infantil nnnPalestra trabalho infantil nnn
Palestra trabalho infantil nnn
Marília Mota
 
Convivência familiar - aula 1
Convivência familiar - aula 1Convivência familiar - aula 1
Convivência familiar - aula 1
RASC EAD
 
Aula familia (Professora Maria Cecilia)
Aula familia (Professora Maria Cecilia)Aula familia (Professora Maria Cecilia)
Aula familia (Professora Maria Cecilia)
Caio Grimberg
 
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha  Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Vyttorya Marcenio
 
Manual de adocao
Manual de adocaoManual de adocao
Manual de adocao
Angel Rosa
 
Relação familiar
Relação familiarRelação familiar
Relação familiar
Angel Rosa
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
veronicasilva
 
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outroEmpatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Vera Lessa
 
RACISMO, PRECONCEITO E DESCRIMINAÇÃO
RACISMO, PRECONCEITO E DESCRIMINAÇÃORACISMO, PRECONCEITO E DESCRIMINAÇÃO
RACISMO, PRECONCEITO E DESCRIMINAÇÃO
Roger Lima
 
Relatorio social adoção
Relatorio social adoçãoRelatorio social adoção
Relatorio social adoção
Diario de Assistente Social
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
Rosane Domingues
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
Alinebrauna Brauna
 
Lei maria da penha
Lei maria da penhaLei maria da penha
Lei maria da penha
Alinebrauna Brauna
 
Sexualidade, direitos sexuais e homofobia
Sexualidade, direitos sexuais e homofobiaSexualidade, direitos sexuais e homofobia
Sexualidade, direitos sexuais e homofobia
Paulo Alexandre
 
Apresentaçâo relações familiares
Apresentaçâo relações familiaresApresentaçâo relações familiares
Apresentaçâo relações familiares
Ariane Camargo
 
Adolescência e família
Adolescência e famíliaAdolescência e família
Adolescência e família
ariadnemonitoria
 

Mais procurados (20)

Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneoDa família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
Da família patriarcal às novas concepções de família no mundo contemporâneo
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Os direitos da infância e adolescência ao longo da história
Os direitos da infância e adolescência ao longo da históriaOs direitos da infância e adolescência ao longo da história
Os direitos da infância e adolescência ao longo da história
 
crimes de Preconceito
crimes de Preconceitocrimes de Preconceito
crimes de Preconceito
 
Palestra trabalho infantil nnn
Palestra trabalho infantil nnnPalestra trabalho infantil nnn
Palestra trabalho infantil nnn
 
Convivência familiar - aula 1
Convivência familiar - aula 1Convivência familiar - aula 1
Convivência familiar - aula 1
 
Aula familia (Professora Maria Cecilia)
Aula familia (Professora Maria Cecilia)Aula familia (Professora Maria Cecilia)
Aula familia (Professora Maria Cecilia)
 
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha  Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
Violência contra mulher e Lei Maria da Penha
 
Manual de adocao
Manual de adocaoManual de adocao
Manual de adocao
 
Relação familiar
Relação familiarRelação familiar
Relação familiar
 
Gravidez na adolescência
Gravidez na adolescênciaGravidez na adolescência
Gravidez na adolescência
 
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outroEmpatia - A arte de se colocar no lugar do outro
Empatia - A arte de se colocar no lugar do outro
 
RACISMO, PRECONCEITO E DESCRIMINAÇÃO
RACISMO, PRECONCEITO E DESCRIMINAÇÃORACISMO, PRECONCEITO E DESCRIMINAÇÃO
RACISMO, PRECONCEITO E DESCRIMINAÇÃO
 
Relatorio social adoção
Relatorio social adoçãoRelatorio social adoção
Relatorio social adoção
 
Modelo parecer social
Modelo  parecer socialModelo  parecer social
Modelo parecer social
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
 
Lei maria da penha
Lei maria da penhaLei maria da penha
Lei maria da penha
 
Sexualidade, direitos sexuais e homofobia
Sexualidade, direitos sexuais e homofobiaSexualidade, direitos sexuais e homofobia
Sexualidade, direitos sexuais e homofobia
 
Apresentaçâo relações familiares
Apresentaçâo relações familiaresApresentaçâo relações familiares
Apresentaçâo relações familiares
 
Adolescência e família
Adolescência e famíliaAdolescência e família
Adolescência e família
 

Semelhante a Adoção tardia

Um olhar sobre abrigamento
Um olhar sobre abrigamentoUm olhar sobre abrigamento
Um olhar sobre abrigamento
Danúbia Ap
 
Adoção: assunto de ontem, problema de hoje.
Adoção: assunto de ontem, problema de hoje.Adoção: assunto de ontem, problema de hoje.
Adoção: assunto de ontem, problema de hoje.
Josuéliton Ramos
 
Amaz geral domingo15
Amaz geral domingo15Amaz geral domingo15
Amaz geral domingo15
CleideeAndrey Pais Do Eros
 
Adoção tardia
Adoção tardiaAdoção tardia
Crianças e adolescentes em abrigos
Crianças e adolescentes em abrigosCrianças e adolescentes em abrigos
Crianças e adolescentes em abrigos
Sílvia Mafalda
 
Adoção no brasil
Adoção no brasilAdoção no brasil
Práticas de pais sociais sperancetta e moré
Práticas de pais sociais   sperancetta e moréPráticas de pais sociais   sperancetta e moré
Práticas de pais sociais sperancetta e moré
transformacaosocial
 
Artigo cientifico Direito de Familia
Artigo cientifico Direito de Familia Artigo cientifico Direito de Familia
Artigo cientifico Direito de Familia
jaqueline ribeiro
 
Crianças na instituição
Crianças na instituiçãoCrianças na instituição
Crianças na instituição
anacaldeira
 
Crianças nas Instituições
Crianças nas InstituiçõesCrianças nas Instituições
Crianças nas Instituições
vaniapiedade
 
Familiarizando a Adoção nas Escolas
Familiarizando a Adoção nas EscolasFamiliarizando a Adoção nas Escolas
Familiarizando a Adoção nas Escolas
Ministério Público de Santa Catarina
 
Apadrinhamento civil
Apadrinhamento civilApadrinhamento civil
Apadrinhamento civil
Alexandra Soares
 
Maternidade na adolescência
Maternidade na adolescênciaMaternidade na adolescência
Maternidade na adolescência
Joana Ferreira
 
Guia+de+famílias (1)
Guia+de+famílias (1)Guia+de+famílias (1)
Guia+de+famílias (1)
Maria do Carmo Assis CVB
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
Alinebrauna Brauna
 
TCF sobre Gravidez na adolescência
TCF sobre Gravidez na adolescência TCF sobre Gravidez na adolescência
TCF sobre Gravidez na adolescência
Marcia Oliveira
 
Sexualidade na Escola
Sexualidade na EscolaSexualidade na Escola
Sexualidade na Escola
LeandroFuzaro
 
Crianças
CriançasCrianças
Crianças
Myla Milos
 
1º série reda cem - 10.15
1º série   reda cem -  10.151º série   reda cem -  10.15
1º série reda cem - 10.15
MatheusMesquitaMelo
 
Slide.
Slide. Slide.
Slide.
Ped55
 

Semelhante a Adoção tardia (20)

Um olhar sobre abrigamento
Um olhar sobre abrigamentoUm olhar sobre abrigamento
Um olhar sobre abrigamento
 
Adoção: assunto de ontem, problema de hoje.
Adoção: assunto de ontem, problema de hoje.Adoção: assunto de ontem, problema de hoje.
Adoção: assunto de ontem, problema de hoje.
 
Amaz geral domingo15
Amaz geral domingo15Amaz geral domingo15
Amaz geral domingo15
 
Adoção tardia
Adoção tardiaAdoção tardia
Adoção tardia
 
Crianças e adolescentes em abrigos
Crianças e adolescentes em abrigosCrianças e adolescentes em abrigos
Crianças e adolescentes em abrigos
 
Adoção no brasil
Adoção no brasilAdoção no brasil
Adoção no brasil
 
Práticas de pais sociais sperancetta e moré
Práticas de pais sociais   sperancetta e moréPráticas de pais sociais   sperancetta e moré
Práticas de pais sociais sperancetta e moré
 
Artigo cientifico Direito de Familia
Artigo cientifico Direito de Familia Artigo cientifico Direito de Familia
Artigo cientifico Direito de Familia
 
Crianças na instituição
Crianças na instituiçãoCrianças na instituição
Crianças na instituição
 
Crianças nas Instituições
Crianças nas InstituiçõesCrianças nas Instituições
Crianças nas Instituições
 
Familiarizando a Adoção nas Escolas
Familiarizando a Adoção nas EscolasFamiliarizando a Adoção nas Escolas
Familiarizando a Adoção nas Escolas
 
Apadrinhamento civil
Apadrinhamento civilApadrinhamento civil
Apadrinhamento civil
 
Maternidade na adolescência
Maternidade na adolescênciaMaternidade na adolescência
Maternidade na adolescência
 
Guia+de+famílias (1)
Guia+de+famílias (1)Guia+de+famílias (1)
Guia+de+famílias (1)
 
Gravidez na adolescencia
Gravidez na adolescenciaGravidez na adolescencia
Gravidez na adolescencia
 
TCF sobre Gravidez na adolescência
TCF sobre Gravidez na adolescência TCF sobre Gravidez na adolescência
TCF sobre Gravidez na adolescência
 
Sexualidade na Escola
Sexualidade na EscolaSexualidade na Escola
Sexualidade na Escola
 
Crianças
CriançasCrianças
Crianças
 
1º série reda cem - 10.15
1º série   reda cem -  10.151º série   reda cem -  10.15
1º série reda cem - 10.15
 
Slide.
Slide. Slide.
Slide.
 

Último

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 

Último (20)

1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 

Adoção tardia

  • 1. Adoção Tardia: Estudo bibliográfico sobre a expectativa de crianças e adolescentes ainda institucionalizados sobre adoção. Bruna Pimenta do Patrocínio Orientadora: Profª Luzia Del Vechio Bernardes
  • 2. Objetivo  Este trabalho teve por objetivo principal, realizar uma investigação bibliográfica a respeito das variáveis que envolvem o processo de adoção de crianças e adolescentes institucionalizadas sob o ponto de vista da percepção e expectativas das mesmas.
  • 3. Metodologia  Para obter as informações necessárias para o desenvolvimento deste trabalho, foram utilizados livros, artigos científicos e outros materiais disponíveis em meios eletrônicos.
  • 4. Adoção • Medida excepcional e irrevogável. – Estatuto da Criança e do Adolescente, Art. 39 parágrafo 1. • Regime de família substituta que atribui à criança ou adolescente assumido pelo adotante a condição de filho [...] - SALDANHA, 2010.
  • 5. Perfil dos pretendentes à adoção  A maioria dos adotantes são casados;  Possuem em média 40 anos;  Mais da metade não possui filhos biológicos;  Pertencem a classes sociais de melhores condições econômicas;  Tendem a realizar o processo de adoção conforme os trâmites legais.
  • 6. Motivação dos pretendentes à adoção  Infertilidade;  Desejo de ajudar uma criança;  Já desejavam adotar uma criança;  Adotaram porque a “criança apareceu”;  Eram filhos de parentes;  Sentimentos de solidão, compaixão e afeição pela criança;  Morte de um filho natural;  Escolher o sexo da criança.
  • 7. Perfil de crianças requeridas pelos pretendentes à adoção no Brasil  Criança recém-nascida ou com no máximo 2 anos;  Do sexo feminino;  Da raça branca;  Saudável;  Que não possua irmãos.
  • 8. Perfil de crianças disponíveis para adoção no Brasil  Crianças com mais de 2 anos;  A maioria das crianças são do sexo masculino;  Negros e pardos;  Possuem algum problema de saúde e/ou apresentam alguma deficiência;  E estão inseridas em grupos de irmãos.
  • 9. Adoção Tardia  Termo utilizado para caracterizar a adoção de crianças com mais de 24 meses.  Pretendentes á adoção temem que a criança mais velha venha problemática devido aos traumas que possa ter sofrido.
  • 10.  É necessário que os pretendentes á adoção de crianças com mais de 2 anos passem por um período de adaptação e convivência com a criança ou adolescente.  Criança pode apresentar baixa auto-estima por não haver sido adotada.  Em Santa Catarina, a campanha “Laços de Amor” que conscientiza e incentiva a adoção tardia, apresenta histórias bem sucedidas de casais que quebraram a barreira do preconceito e adotaram crianças e adolescentes.
  • 11.  Quando essas crianças completam 18 anos, elas têm de sair dos abrigos. Assim, os abrigos tentam capacitar e profissionalizar esses adolescentes para que eles possam viver sozinhos depois da saída da instituição.  De acordo com os materiais estudados, a demora na tramitação dos processos de retirada da guarda da criança da família biológica e o encaminhamento da mesma para adoção, dificultam a inserção da criança em uma nova família.
  • 12.  Geralmente as crianças mais velhas crescem dentro das instituições por serem consideradas “idosas” e por não se enquadrarem dentro do perfil estipulado pelos pretendentes, não só pela idade, mas também pela raça e por geralmente terem irmãos.  Em último caso, elas podem ser encaminhadas para a adoção internacional.
  • 13. Adoção Internacional  Medida tomada quando se esgotam todas as possibilidades de adoção dentro do país de origem e de, no caso, brasileiros que residem no exterior.  Geralmente leva-se em consideração a opinião da criança.  Estrangeiros estão mais dispostos a adotar crianças mais velhas e de etnias diferentes das suas. Geralmente quando estes vêm ao Brasil em busca de um filho, eles já sabem o perfil de crianças que vão encontrar. “ São os pais que se colocam a disposição dos filhos e não vice- versa.”
  • 14. Adoção pelo olhar das crianças  De acordo com as pesquisas realizadas, conforme a criança passa mais tempo vivendo nas instituições de acolhimento, as chances de encontrar uma nova família diminuem.
  • 15.  De acordo com os materiais pesquisados, pode-se perceber que as crianças que ainda estão institucionalizadas ainda esperam encontrar uma nova família ou de alguma forma voltar para a família biológica. Já os adolescentes parecem se conformar com a idéia de que não serão adotados e apenas aguardam a maioridade para se desligar da instituição.
  • 16.  De acordo com Rossetti-Ferreira, Serrano e Almeida (2011) muito se escuta sobre a criança na instituição de acolhimento, “mas ela é pouco informada e escutada sobre seus sentimentos, medos e experiências”.  As autoras ainda mostram a importância das conversas entre as crianças e os educadores. Também dizem que em algumas ocasiões “[...] a criança pode evitar conversar sobre suas vivências na instituição, o que não significa, necessariamente, que ela não tenha o que ‘dizer’ ou ‘perguntar’ sobre o assunto.”
  • 17.  No documentário “O que o destino me mandar” pode-se observar que as maiores dúvidas dessas crianças estão relacionadas á possibilidade de seu retorno para as famílias biológicas, mesmo que tenham sido vítimas de maus tratos como mostrado no documentário.
  • 18. Conclusão  Assim como pode ser observado durante o desenvolvimento deste trabalho, a cultura de adoção vêm se modificando no país. Porém ainda esbarramos em alguns preconceitos, como o da idade e da etnia da criança.  A expectativa dos adotantes é bem diferente da realidade encontrada nos abrigos brasileiros.
  • 19.  Observa-se uma lentidão nos processos para avaliar a situação de cada criança institucionalizada. E uma necessidade de melhor acompanhamento destas crianças pelo Sistema Judiciário  Faltam materiais específicos sobre a visão que a criança que ainda vive na instituição de acolhimento tem sobre o tema adoção. Nota-se uma necessidade grande de ouvir o que estas crianças têm a nos dizer.
  • 20. Referências bibliográficas 87% das crianças e adolescentes de abrigos não podem ser adotados. Gazeta do Povo, 2012. Disponível em <http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=1258944> Acesso em 10/10/2012. Adoção Santa Catarina. Campanha Adoção Laços de Amor filme 1 versão estendida. 2011. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=Bu2kgr-eKmk> Acesso em 10/10/2012. ALMEIDA, Ivy Gonçalves, MAEHARA, Nivea Passos; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. A perspectiva da criança em acolhimento institucional sobre sua rede social: a importância do relacionamento entre irmãos. Em M. C. Rossetti-Ferreira; S. A. Serrano & I. G. Almeida (Orgs.). O acolhimento institucional na perspectiva da criança. São Paulo: Hucitec, 2011. AQUINO, Guilherme; UTSCH, Sérgio. Entrevista SBT. In_ IBRITmilano.2007. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=lRZn-M3h5Ms> Acesso em 11/10/2012. BASTOS, Ângela. O que o destino me mandar. Produção, roteiro e direção de Ângela Bastos. Santa Catarina. 2006. 59 min. Color. Disponível em http://www.amb.com.br/portal/docs/multimidia/adocao.asp?video=1 Acesso em 22/11/2012. BENTO, Rilma. Família substituta: uma proposta de intervenção clínica na adoção tardia.Psicol. teor. prat., São Paulo, v. 10, n. 2, dez. 2008 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872008000200016&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 27 nov. 2011.
  • 21. CAMARGO, Mário Lázaro. A adoção tardia no Brasil: desafios e perspectivas para o cuidado com crianças e adolescentes.. In: SIMPOSIO INTERNACIONAL DO ADOLESCENTE, 2., 2005, São Paulo. Proceedings online... Available from: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000082005000200013&lng= en&nrm=abn>. Acesso em: 13 Out. 2011. CAMPOS, Niva Maria Vasques. Adoção Tardia – Características do Estágio de Convivência. Servidora da Seção de Adoção da Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal. Disponível em: <http://www.tjdft.jus.br/trib/vij/docvij/artigos/adoctardia.pdf>. Acesso em: 26/11/2011. CIEGLINSKI, Amanda. Exigência de famílias com relação a perfil da criança dificulta adoção. Agência Brasil. Brasília. 2012. Disponível em <http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas- noticias/2012/05/25/exigencia-de-familias-com-relacao-a-perfil-da-crianca-dificulta-adocao.htm> Acesso em 15/09/2012. COSTA, Nina Rosa do Amaral; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. Tornar-se pai e mãe em um processo de adoção tardia. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 20, n. 3, 2007 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 79722007000300010&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 13 Out. 2011. doi: 10.1590/S0102- 79722007000300010. CUNEO, M. R. Abrigamento prolongado: os filhos do esquecimento. A institucionalização prolongada de crianças e as marcas que ficam. In: Censo da população infanto juvenil abrigada no estado do Rio de janeiro, jun, 2009. Disponível em: <http://www.mp.rj.gov.br/portal/page/portal/MCA/Censo/Terceiro_Censo/7_Abrigamento.pdf> Acesso em 11 out 2012.
  • 22. DANTAS, Marcelo; CAVALCANTE, Vanessa. Pesquisa qualitativa e pesquisa quantitativa. Recife, 2006. Disponível em <http://pt.scribd.com/doc/14344653/Pesquisa-qualitativa-e-quantitativa> Acesso em 05/11/2011. DIAS, Cristina Maria de Souza Brito; SILVA, Ronara Veloso Bonifácio da; FONSECA, Célia Maria Souto Maior de Souza. A adoção de crianças maiores na perspectiva dos pais adotivos. Contextos Clínic, São Leopoldo, v. 1, n. 1, jun. 2008. Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983- 34822008000100004&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 01 dez. 2011. EBRAHIM, Surama Gusmão. Adoção tardia: altruísmo, maturidade e estabilidade emocional. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 14, n. 1, 2001 .Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722001000100006&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 13 Nov. 2011. doi: 10.1590/S0102-79722001000100006. FRANÇA, Emanuela. Preconceito: a principal barreira da adoção tardia. 2007. Disponível em: <http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=472686> Acesso em 25/11/2011. GUIJT, Michella. Adoção: quando o preconceito fecha os olhos do coração. Disponivel em <http://www.filhosadotivosdobrasil.com/index.php/component/content/article/36-encontro/79-adocao- quando-o-preconceito-fecha-os-olhos-do-coracao> Acesso em 20/09/2012. GUIMARÃES, Lilian de Almeida. Conversando com crianças sobre adoção. São Paulo: Casa do Psicologo, 2010.
  • 23. HOUDALI, AmiraSamihHamedMohd. PIRES, Victor Paulo Kloeckner. A adoção internacional e suas diretrizes no direito brasileiro. Disponivel em <http://sisnet.aduaneiras.com.br/lex/doutrinas/arquivos/adocao.pdf> Acesso em 15/10/2012. LIMA, Rogério; PALHANO, Gabriela de. Filhos do Coração. Rio de Janeiro, 2008a. Disponível em <http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1173214-16022,00-FILHOS+DO+CORACAO.html> Acesso em 15/05/2012. LIMA, Rogério; PALHANO, Gabriela de. Filhos do Coração. Rio de Janeiro, 2008b. Disponível em<http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1173227-16022,00-FILHOS+DO+CORACAO.html> Acesso em 15/05/2012. LIMA, Rogério; PALHANO, Gabriela de. Filhos do Coração. Rio de Janeiro, 2008c. Disponível em<http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1173238-16022,00-FILHOS+DO+CORACAO.html> Acesso em 15/05/2012. LIMA, Rogério; PALHANO, Gabriela de. Filhos do Coração: crianças continuam esperando por pais adotivos. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: <http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1427989-16022,00- FILHOS+DO+CORACAO+CRIANCAS+CONTINUAM+ESPERANDO+POR+PAIS+ADOTIVOS.html> Acesso em 15/09/2012. MAGALHÃES, Priscila. Desafios e vantagens da Adoção Tardia, 2007. Disponível em: <http://www.acessa.com/direitoshumanos/arquivo/inclusao/2007/11/05-tardia/> Acesso em: 25/11/2011.
  • 24. MARINHO, Luciana. Órfãos adolescentes perdem as esperanças de serem adotados. In_CBN. 2012. Disponivel em <https://www.youtube.com/watch?v=LNNNIG40Jn4> Acesso em 12/05/2012. MEURER, Kíria. SC: campanha de incentivo a adoção de crianças mais velhas dá bons resultados. In_ Adoção Brasil. 2012. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=4ai6eMWadpI> Acesso em 12/10/2012. MORAES, Aline. Adoção Tardia: desafios e muito amor, 2010. Disponível em: <http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI119863-10514,00.html>. Acesso em: 16/11/2011. MORAES, Rosalina Rocha Araújo, Adoção no Brasil. 2007. Disponível em: <http://www.infoescola.com/sociologia/adocao-no-brasil/>. Acesso em 11/11/2011. MOURA, Simone Vivian de, Adoção Tardia: um estudo sobre o perfil da criança estabelecido pelos postulantes à adoção na comarca de Itaúna/MG, 2008, Monografia (Curso graduação Serviço Social) – Faculdade de Divinópolis – FADIV Disponível pelo site Monografias.com: <http://br.monografias.com/trabalhos3/adocao-tardia-perfil-crianca/adocao-tardia-perfil- crianca3.shtml> , Acesso em 18/10/2011 OSCAR, Naiana. Muralha de Medos e Mitos. In_ Adoção Tardia, Estadão Online, 2007. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/especiais/adocao-tardia,8264.htm> Acesso em: 27/11/2011.
  • 25. PURETZ, Andressa; LUIZ, Danuta E. C. Adoção Tardia: Desafios e Perspectivas na Sociedade Contemporânea. Revista Emancipação, Vol. 7, No 2, 2007. Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/109/107>. Acesso em: 27/11/2011. ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde et al . Acolhimento de crianças e adolescentes em situações de abandono, violência e rupturas. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 25, n. 2, 2012 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722012000200021&lng=en&nrm=iso>. access on 20 Sep. 2012. ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde; SERRANO, Solange Aparecida; ALMEIDA, Ivy Gonçalves de. Desafios e perspectivas para o acolhimento institucional. Em M. C. Rossetti-Ferreira; S. A. Serrano & I. G. Almeida (Orgs.). O acolhimento institucional na perspectiva da criança. São Paulo: Hucitec, 2011. pp. 369- 370. SALDANHA, Alessandra. Estatuto da Criança e do Adolescente: Esquematizado. Lei 8.069/90, atualizado conforme a Lei Nacional de Adoção 12.010/09. Rio de Janeiro. Ferreira, 2010. SASSON, Melissa D.H; SUZUKI, Verônica K. Adoção de crianças maiores: percepções de profissionais do Serviço de Auxílio á Infância. Revista de Psicologia UNESP, vol.10 nº 1, 2011. SILVA, Ana Cláudia. Adoção Internacional: Uma abordagem de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente. Monografia. Macapá, 2008. Disponivel em: <http://www.ceap.br/tcc/TCC12122008100720.pdf> Acesso em 19/10/2012.
  • 26. SILVA, Jaqueline Araújo da, Adoção de Crianças Maiores: percepções e Vivências dos adotados. Belo Horizonte, 2009. Disponível online em <http://www1.pucminas.br/documentos/dissertacao_jaqueline_araujo.pdf> Acesso em 10/06/2011. SOLON, Lilian Almeida Guimarães. (2006). A perspectiva da criança sobre seu processo de adoção. (Dissertação de Mestrado não-publicada). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP. SOUZA, Giselle. Brasil tem 4.856 crianças á espera de adoção. 2011. Disponível em:< http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/15658-brasil-tem-4856-criancas-para-a-adocao-revela-ultimo-balanco> Acesso em 10/10/2012. SOUZA, Giselle. Cadastro tem 5,2 mil crianças. 2012. Disponivel em <http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/19552-cadastro-tem-52-mil-criancas> Acesso em 10/10/2012. SOUZA, Hálida Pauliv de. Adoção: Exercício de Fertilidade afetiva. São Paulo. Paulinas, 2008. TOLENTINO, Ligia. Adoção internacional. In_ Justiça em Questão. 2010. Disponível em <http://www.youtube.com/watch?v=0L2bZWGyLjw> Acesso em 24/03/2012. VARGAS, Marlizete Maldonado. Adoção tardia: da família sonhada a família possível. São Paulo. A Casa do Psicólogo, 1998.
  • 27. WEBER, Lidia N.D. (1995). Da institucionalização à adoção: um caminho possível? Revista Igualdade – Ministério Público Paraná, 9, 1-9. Disponivel em: <http://www.lidiaweber.com.br/Artigos/1995/1995Dainstitucionalizacaoaadocaoumcaminhopossivel .pdf> Acesso em 20/04/2012. WEBER, Lidia N. D. Famílias adotivas e mitos sobre o laço de sangue. 1996. Disponível em: <http://www.lidiaweber.com.br/Artigos/1996/1996Familiasadotivasemitossobrelacoesdesangue.pdf > Acesso em 15/08/2011. WEBER, Lidia N.D. & Kossobudzki, L. H. M. (1996). Filhos da solidão: Institucionalização, abandono e adoção. Curitiba: Governo do Estado do Paraná. WEBER, Lidia N.D. & Mafessoni, C. S. E. S. R. (1996). Um estudo comparativo das adoções nacionais e internacionais realizadas no Juizado da Infância e da Juventude de Curitiba. Em Sociedade Brasileira de Psicologia (Org.), Resumos de Comunicações Científicas, XXVI Reunião Anual de Psicologia (p. 119). São Paulo: SBP. WEBER, Lidia N.D.Laços de ternura: pesquisas e histórias de adoção. Curitiba, Juruá, 1998. WEBER, Lidia N.D. O filho universal: um estudo comparativo de adoções nacionais e internacionais. Revista Direito de Família e Ciências Humanas - Caderno de Estudos Nº 2, 1998, pp. 119-152. Disponivel em http://www.lidiaweber.com.br/Artigos/1998/1998Ofilhouniversal.pdf Acesso em 10/04/2012. WEBER, Lidia N. D. Os filhos de ninguém: abandono e institucionalização de crianças no Brasil. Revista CONJUNTURA SOCIAL (Rio de Janeiro), julho 2000, No. 4, p. 30-36. Disponível em: <http://www.lidiaweber.com.br/Artigos/2000/2000Osfilhosdeninguem.pdf> Acesso em: 26/11/2011.