SlideShare uma empresa Scribd logo
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA ___ VARA CÍVEL DA
SEÇÃO JUDICIÁRIA DE GOIÁS
Inquérito Civil Público MPF/PR/GO nº 1.18.000.001038/2009-56
O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo
Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições institucionais, amparado
nos artigos 129, inciso III, e 37, § 4º, da Constituição Federal, no artigo 6º, inciso VII,
alínea “b”, da Lei Complementar nº 75/93, nas disposições da Lei nº 8.429/92 e à vista
do quanto apurado no bojo do anexo Inquérito Civil Público MPF/PR/GO nº
1.18.000.001038/2009-56, vem, à presença de Vossa Excelência, propor a presente
AÇÃO CIVIL DE RESPONSABILIDADE POR
ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA
em desfavor de:
Página 1/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
1. JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES, vulgo
“Juquinha”, Presidente da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E
FERROVIAS S/A, (qualificação suprimida, para fins de divulgação);
2. ULISSES ASSAD, ex-Diretor de Engenharia da
VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, (qualificação
suprimida, para fins de divulgação);
3. JORGE ANTÔNIO MESQUITA PEREIRA DE
ALMEIDA, Superintendente de Projetos da VALEC – ENGENHARIA,
CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, (qualificação suprimida, para fins de divulgação);
4. ANDRÉ LUIZ DE OLIVEIRA, Superintendente da
VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, (qualificação
suprimida, para fins de divulgação);
5. CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E
COMÉRCIO, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 61.156.568/0001-90 e sediada na Avenida
Presidente Juscelino Kubitschek, nº 1.830, Torre II, 4º andar, Itaim Bibi, São Paulo/SP;
6. EIT – EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S/A,
inscrita no CNPJ sob nº 03.873.492/0001-18, sediada na Rua Geraldo Pereira de Melo, nº
1.020, sala 02, Bairro Juazeiro, Jaguaruana/CE;
7. FLÁVIO BARBOSA LIMA, (qualificação suprimida,
para fins de divulgação); e
8.GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR
PERASSO, (qualificação suprimida, para fins de divulgação),
9.LUPAMA COMÉRCIO E COSTRUÇÕES LTDA.,
pessoa jurídica de direito privado inscrita no CNPJ sob nº 03.873.492/0001-18, a qual
deverá ser citada na pessoa de seus sócios acima qualificados, FLÁVIO BARBOSA LIMA
Página 2/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
ou GIANFRANCO ANTÔNIO VITÓRIO ARTUR PERASSO, nos seus próprios
endereços residenciais;
pelos fatos e fundamentos jurídicos adiante expostos.
I – DOS FATOS
Segundo se apurou, no mês de janeiro de 2006, os réus
JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES, no exercício do cargo de Presidente da VALEC –
ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A (sociedade anônima fechada,
concessionária de serviço público controlada pela União e supervisionada pelo Ministério
dos Transportes), e ULISSES ASSAD, no exercício do cargo de Diretor de Engenharia da
VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, contrataram a
demandada CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, por meio do
Contrato nº 013/2006 (processo nº 165/2004), para a execução de obras de infraestrutura
e superestrutura ferroviárias e obras de arte especiais, em trecho de 105 km (cento e cinco
quilômetros), compreendido entre o Pátio de Santa Isabel e o Pátio de Uruaçu, no Estado
de Goiás (lote 4 da Concorrência nº 008/2004), com sobrepreço da ordem de 29,45% do
valor do contrato.
Página 3/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
Perícia criminal oficial, realizada pelo Instituto Nacional de
Criminalística, constatou preço a maior do que o valor de mercado, que totalizou R
$71.775.032,14 (setenta e um milhões, setecentos e setenta e cinco mil, trinta e dois reais e
quatorze centavos), a preços de agosto de 2009 (segundo as regras e índices definidos no
contrato), na proposta apresentada pela ré CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E
COMÉRCIO, aceita e formalizada no contrato pelos réus JOSÉ FRANCISCO DAS
NEVES e ULISSES ASSAD, em prejuízo para o erário.
O réu JORGE ANTÔNIO MESQUITA PEREIRA DE
ALMEIDA, então Gerente de Projetos da VALEC – ENGENHARIA,
CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, concorreu para a contratação com
sobrepreço, porquanto foi o responsável pela elaboração do orçamento de referência da
empresa pública, que integrou o edital e o processo licitatório, no qual a perícia oficial
criminal também constatou sobrepreço de R$48.132.342,69 (quarenta e oito milhões,
cento e trinta e dois mil, trezentos e quarenta e dois reais e sessenta e nove centavos), a
preços de novembro de 2004.
Consoante explicam os peritos oficiais criminais:
Página 4/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
As condutas dos réus JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES e
ULISSES ASSAD revestiram-se de especial gravidade e revelaram-se insidiosamente
dolosas, na medida em que esses requeridos fizeram realizar licitação com exigências de
qualificação restritivas, sem sustentações técnica e legal, e com proibição de
apresentação de proposta para mais de 2 (dois) lotes (eram 7 [sete] em disputa),
igualmente sem respaldo, bem assim com a proibição de formação de consórcio
(cujos motivos determinantes eram falsos), que produziram, como único efeito, o
direcionamento do resultado do certame, em favor da ré CONSTRAN S/A –
CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, em relação ao lote 4, a ela adjudicado.
Coube ao réu ANDRÉ LUIZ DE OLIVEIRA, presidente
da Comissão de Licitação, também concorrer para a prática ímproba, ao elaborar e
assinar o edital, fazendo dele constar as exigências e restrições ilícitas, tal como conduzir o
certame licitatório viciado.
Com efeito, quanto à qualificação técnica, as alíneas “c”
e “d” do subitem 7.2.5 do edital só permitiram se habilitar para a disputa as licitantes que
comprovassem já haver construído ferrovias com dormentes de concreto, do tipo
especificado, fabricado por elas próprias, na quantidade mínima exigida.
Esclarecem os peritos criminais oficiais:
Página 5/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
Tais exigências, aliadas às proibições de concorrerem a
mais de 2 (dois) lotes e formarem consórcios, fizeram com que nenhum lote contasse
com mais de 2 (duas) licitantes habilitadas.
Convém anotar que a divisão do objeto da licitação em
lotes, com a finalidade de aumentar a competitividade (porque permite que um
número maior de empresas possa se qualificar para a disputa), é incentivada e, até mesmo,
exigida pela Lei de Licitações, em seu artigo 23, § 1º.
Ponderam os peritos criminais oficiais:
Página 6/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
A proibição de consórcios, cujos motivos determinantes
são falsos, também restringiu, de modo irregular, a competição, pois impediu que 2 (duas)
ou mais pessoas jurídicas, as quais, individualmente, não satisfizessem todos os requisitos
de qualificação exigidos pelo edital, pudessem somar esforços e requisitos entre si, para,
em conjunto, habilitarem-se à disputa de preços, conforme autoriza o artigo 33, inciso III,
da Lei nº 8.666/93.
Para tentar motivar a vedação de consórcios, o réu
ULISSES ASSAD elaborou “Nota Técnica Relativa ao Edital 088/2004”, na qual tece as
seguintes considerações:
Página 7/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
Ora, eventual impacto negativo (aumento de custos), em
decorrência da duplicidade de estrutura gerencial, seria refletida na proposta do consórcio
licitante (tornando seu preço menos competitivo), e não no orçamento da VALEC –
ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A. Por outro lado, essas pessoas
jurídicas consorciadas tirariam vantagem de outras características particulares, as quais,
porventura, tivessem, para compensar e poderiam apresentar proposta mais competitiva.
Essa questão não se resolve proibindo o consórcio. Ao contrário, quanto mais pessoas
jurídicas competirem, maior a probabilidade de serem obtidos preços mais vantajosos
para a Administração Pública (um dos objetivos legais da licitação), consoante ver-se-á em
quadro adiante reproduzido.
De igual feita, não procede a alegação de riscos de atrasos
nas obras pelo fato de pessoas jurídicas de culturas gerenciais distintas, em ação quase
conjunta, usarem os mesmos acessos e jazidas de materiais. Com efeito, a Lei nº
8.666/93, em seu artigo 33, inciso II, exige a “indicação da empresa responsável pelo consórcio que
deverá atender às condições de liderança, obrigatoriamente fixadas no edital”, de modo que bastaria
haver cláusulas que assegurassem a convivência eficiente das pessoas jurídicas integrantes
do consórcio (em lugar de, pura e simplesmente, proibi-lo) e, assim, tornar a licitação mais
competitiva, assegurando maior participação de interessados e melhor preço para a
Administração Pública.
Certo é que, na falta de um único argumento técnico
consistente, os réus se valeram de motivos falsos para proibir a formação de consórcios.
A prova maior da falsidade da motivação foi dada pela própria Valec, ao publicar o Edital
nº 004/2010, destinado à contratação do trecho Ouro Verde/GO - Estrela do Oeste/SP,
da mesma ferrovia Norte Sul, permitindo a formação de consórcios.
Página 8/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
Contudo, o objetivo dos réus era favorecer a CONSTRAN
S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, quanto ao lote 4 (e as demais adjudicatárias,
em relação aos outros lotes), direcionando-lhe a licitação para contratá-la com
sobrepreço (a má-fé fica evidente). Para tanto, proibiram que uma mesma pessoa jurídica
disputasse mais de 2 (dois) lotes, proibiram o consórcio entre pessoas jurídicas e
estabeleceram requisitos de qualificação sem justificativa técnica válida.
Não surpreende que as 7 (sete) únicas pessoas jurídicas
habilitadas (embora 17 [dezessete] houvessem retirado o edital) dividissem, entre elas, os 7
(sete) lotes em “disputa”, conforme melhor consultaram seus próprios interesses
privados.
Isto é, houve exatamente 7 (sete) pessoas jurídicas
habilitadas e 7 (sete) vencedoras diferentes para os 7 (sete) lotes disponíveis.
Era de se esperar, portanto, que houvesse sobrepreço,
conforme a perícia criminal oficial constatou no lote 4 (a presente ação tem como único
objeto as obras relativas ao lote 4; os demais lotes deverão ser objeto de investigações e
ações próprias).
No laudo, os peritos criminais oficiais trazem estudo
realizado por técnicos do Tribunal de Contas de Pernambuco, a propósito de ilustrar a
relação entre a baixa competitividade e o preço de obras públicas. Na figura, o eixo
horizontal representa o número de licitantes e o eixo vertical, a relação entre o preço
vencedor e o preço base do órgão:
Página 9/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
Em outras palavras, os réus fizeram deflagrar licitação
propositadamente viciada, que anulou qualquer possibilidade de competição, de maneira a
favorecer a demandada CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO. Ato
contínuo, formalizaram a contratação dessa pessoa jurídica, por preço muito acima do de
mercado, causando enormes prejuízos ao erário.
Mas não é só. Conforme esclareceram os peritos criminais
oficiais:
Página 10/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
A intenção dos réus de favorecer a CONSTRAN S/A –
CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, em prejuízo do interesse público e do erário, fica mais
flagrante, ainda, ao se considerar que a proposta dessa pessoa jurídica não atendia às
exigências do edital e, portanto, deveria ter sido desclassificada. Todavia, o réu ANDRÉ
LUIZ DE OLIVEIRA, que presidiu a licitação, assim não procedeu. Ao contrário,
sagrou-a vencedora, no que foi referendado pelos réus JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES
e ULISSES ASSAD, mediante homologação, adjudicação e assinatura do contrato
direcionado e superfaturado.
A ré CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E
COMÉRCIO concorreu e beneficiou-se, diretamente, dos atos ímprobos acima
descritos, na medida em que participou de licitação sabidamente viciada, apresentou
proposta com enorme sobrepreço, assinou o contrato superfaturado e recebeu pelos
Página 11/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
serviços executados valores indevidos, porque muito acima dos de mercado,
enriquecendo-se, assim, ilicitamente, em prejuízo do erário.
A ré EIT – EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S/A e
os réus FLÁVIO BARBOSA LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR
PERASSO – os 2 (dois) últimos por intermédio de LUPAMA-COMÉRCIO E
CONSTRUÇÕES LTDA. (da qual são os únicos sócios e gerentes) – também se
beneficiaram dos atos ímprobos, porquanto formalizaram consórcio clandestino
(não-oficial, vedado expressamente pelo edital) com a CONSTRAN S/A –
CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, por meio de Termo de Acordo Operacional, pelo
qual assumiram a participação em todos os custos, direitos, obrigações, resultados,
responsabilidades, fianças e garantias de qualquer espécie, nas proporções de 66,70%
(CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO), 16,65% (EIT – EMPRESA
INDUSTRIAL TÉCNICA S/A) e 16,65% (LUPAMA – COMÉRCIO E
CONSTRUÇÕES LTDA.), de modo que auferiram, em conjunto, 33,3% do sobrepreço
constatado pela perícia oficial criminal.
Em razão do referido Termo de Acordo Operacional, a ré
EIT – EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S/A e os réus FLÁVIO BARBOSA LIMA
e GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO, por intermédio da
LUPAMA – COMÉRCIO E CONSTRUÇÕES LTDA., receberam 33,3% dos valores
com sobrepreço que foram pagos à CONSTRAN S/A pelos réus JOSÉ FRANCISCO
DAS NEVES e ULISSES ASSAD.
O Termo de Acordo Operacional em tela, embora faça
alusão a subempreitada, na verdade, formalizou verdadeiro consórcio, tal como restou
claro pelos seus termos, verbis:
Página 12/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
Diálogos monitorados dos réus FLÁVIO BARBOSA
LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO, com prévia
autorização judicial, corroboram, com nitidez, a existência do consórcio clandestino, bem
como denunciam a flagrante má-fé e o intenso dolo com que eles próprios e a EIT
agiram, a saber:
(transcrições de diálogos telefônicos suprimidas para fins de
divulgação)
Página 13/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
Os signatários do Termo de Acordo Operacional
laboraram em fraude à execução da licitação e do contrato, porquanto, conforme dito,
a participação em consórcio foi expressamente proibida pelo Edital nº 008/2004.
Ainda que se considere ter havido subempreita ou
subcontratação (e não consórcio), a fraude igualmente ocorreu, vez que agiram de modo
clandestino e oculto, sem autorização oficial da VALEC – ENGENHARIA,
CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, como exigido pelo edital.
Por sua vez, a LUPAMA – COMÉRCIO E
CONSTRUÇÕES LTDA., apurou-se ainda, aderiu ao consórcio como pessoa jurídica de
fachada, apenas para dar forma jurídica, contábil e fiscal ao desvio do butim. Foram
colhidas evidências de que a pessoa jurídica não existe de fato, seu endereço formal é uma
residência, que não possui estrutura técnica e nem financeira compatível com o vulto do
contrato que assumiu (o que foi admitido pelos sócios FLÁVIO BARBOSA LIMA e
GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO, em diálogos telefônicos
acima transcritos).
Aliás, nem a LUPAMA nem a E.I.T. satisfaziam as
exigências de qualificação técnica e econômica previstas no edital, daí porque não
poderiam ser oficialmente admitidas à executar a obra. Nada obstante, o monitoramento
telefônico dos réus revelou, claramente, que ULISSES ASSAD tinha pleno conhecimento
da existência do consórcio oculto, que operou sob sua “benção”.
A bem da verdade, segundo restou apurado, os réus
FLÁVIO BARBOSA LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITÓRIO ARTUR
PERASSO integram organização criminosa que detém grande influência política nos
escalões superiores do Estado brasileiro (inclusive na administração central da VALEC –
ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A), junto aos quais operam
usando pessoas jurídicas de fachada, como a LUPAMA – COMÉRCIO E
CONSTRUÇÕES LTDA., para acobertar desvios de recursos públicos.
Página 14/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
Porém, o organograma da organização criminosa não pode
ser desvendado, por 2 (dois) razões: primeiro, o investigado Fernando Sarney, com
autorização do Superior Tribunal de Justiça (H.C. nº 97.622), teve acesso aos autos da
investigação que se conduzia sob o mais absoluto sigilo, antes que as diligências sigilosas
fossem efetivamente concluídas; segundo, interceptação de diálogo telefônico mantido
entre Fernando Sarney e seu pai, José Sarney (em 17/04/2008), revela que a ABIN –
Agência Brasileira de Inteligência e o Banco da Amazônia (destinatário de requisições
protegidas pelo segredo de Justiça) alertaram indevidamente os suspeitos para a existência
da investigação sigilosa. Em razão disso, provas desapareceram e a identificação e
individualização das condutas dos demais membros da organização criminosa (inclusive
possível participação de Fernando Sarney) não pôde ser realizada, razão pela qual não
foram incluídos nesta ação.
II – ENQUADRAMENTO JURÍDICO
Por terem promovido a realização de licitação direcionada
e viciada, a qual referendaram e contratado obra com sobrepreço, dando causa a
pagamentos superfaturados em favor da CONSTRAN S/A, da EIT, de FLÁVIO
BARBOSA LIMA e de GIANFRANCO PERASSO, os réus JOSÉ FRANCISCO DAS
NEVES, no exercício da Presidência da Valec, e ULISSES ASSAD, no exercício da
Diretoria de Engenharia da Valec, praticaram atos de improbidade administrativa que
causaram dano ao erário e violaram os princípios da moralidade, impessoalidade,
legalidade e os deveres de honestidade e lealdade, tipificados nos artigos 10, V e VIII, e
11, caput, da Lei 8.429/92, razão pela qual ficaram sujeitos às sanções estabelecidas pelo
artigo 12, incisos II e III, sucessivamente, do mesmo diploma legal.
Por promover a elaboração de orçamento para a licitação
com valores muito superiores aos de mercado, concorrendo para a contratação da obra
com sobrepreço e dando causa a pagamentos superfaturados em favor da CONSTRAN
S/A, da EIT, de FLÁVIO LIMA e de GIANFRANCO PERASSO, o réu JORGE
ANTÔNIO MESQUITA PEREIRA DE ALMEIDA, no exercício do cargo de Gerente
Página 15/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
de Projetos da Valec, concorreu para a prática de ato de improbidade administrativa que
causaram dano ao erário e violaram os princípios da moralidade, legalidade e os deveres
de honestidade e lealdade, tipificados nos artigos 10, V e VIII, e 11, caput, da Lei
8.429/92, razão pela qual ficou sujeito às sanções estabelecidas pelo artigo 12, incisos II e
III, sucessivamente, do mesmo diploma legal
Por elaborar e assinar o edital fazendo dele constar
exigências e restrições ilícitas, bem como conduzir o certame licitatório propositadamente
viciado, além de não desclassificar a proposta da CONSTRAN S/A (que não atendia às
exigências do edital) o réu ANDRÉ LUIZ DE OLIVEIRA, então presidente da
Comissão de Licitação, concorreu para a prática de atos de improbidade administrativa
que causaram dano ao erário e violaram os princípios da moralidade, legalidade e
imparcialidade e os deveres de honestidade e lealdade, tipificados nos artigos 10, V e VIII,
e 11, caput, da Lei 8.429/92, razão pela qual ficou sujeito às sanções estabelecidas pelo
artigo 12, incisos II e III, sucessivamente, do mesmo diploma legal.
Convém anotar que os réus JOSÉ FRANCISCO DAS
NEVES, ULISSES ASSAD, ANDRÉ LUIZ DE OLIVEIRA e JORGE ANTÔNIO
MESQUITA PEREIRA DE ALMEIDA agiram em comunhão do propósito de favorecer
e beneficiar a Constran S/A.
Os Réus CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E
COMÉRCIO, EIT – EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S/A, FLÁVIO BARBOSA
LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO e LUPAMA –
COMÉRCIO E CONSTRUÇÕES LTDA. , por concorrerem e se beneficiarem da prática
dos atos ímprobos praticados pelos demais réus, estão sujeitos às mesmas penalidades, as
quais forem compatíveis com suas condições jurídicas, por força do que dispõe o artigo 3º
da sobredita lei.
III – DOS PEDIDOS E REQUERIMENTOS
Página 16/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
Por todo o exposto, requer o MINISTÉRIO PÚBLICO
FEDERAL:
a) a autuação desta, juntamente com a cópia digitalizada do
Inquérito Civil Público MPF/PR/GO nº 1.18.000.001038/2009-56, mídia anexa (art. 365,
VI, do CPC), bem como o processamento do feito segundo o rito ordinário previsto no
Código de Processo Civil, ao teor do disposto no artigo 17, caput, da Lei nº 8.429/92;
b) a notificação, via postal, dos réus, nos endereços supra,
para apresentarem manifestação por escrito, na forma preconizada pelo artigo 17, § 7º, da
Lei nº 8.429/92;
c) o recebimento desta inicial e, ato contínuo, a citação dos
demandados para, caso queiram, responderem aos termos desta ação, conforme o artigo
17, § 9º, da Lei nº 8.429/92, sob pena de revelia e confissão quanto à matéria de fato;
d) a intimação da União e da VALEC, para o fim do que
dispõe a atual redação do artigo 17, § 3º, da Lei nº 8.429/92;
e) a procedência dos pedidos, a fim de que sejam aplicadas
aos requeridos as sanções previstas no artigo 12, incisos II e III, sucessivamente, da Lei nº
8.429/92;
f) a condenação dos demandados a arcarem com os ônus
da sucumbência; e
g) para provar o alegado:
g.1) a oitiva de testemunhas a serem oportunamente
arroladas;
g.2) os depoimentos pessoais dos requeridos; e
Página 17/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS
2º
OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO
g.3) a juntada de outros documentos e provas que
produzidas em outras esferas processuais, inclusive criminal;
Dá-se à causa o valor de R$92.076.415,11
Goiânia, 1º de abril de 2011.
Helio Telho Corrêa Filho
PROCURADOR DA REPÚBLICA
Página 18/18
Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56
Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Docs indef colig11 maj
Docs indef colig11 majDocs indef colig11 maj
Docs indef colig11 maj
Francisco Luz
 
Contra razões pre r esp
Contra razões pre r espContra razões pre r esp
Contra razões pre r esp
Francisco Luz
 
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptistaPre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Francisco Luz
 
Sentença
SentençaSentença
Sentença
Portal NE10
 
PMs são condenados por usar carro doado pela Receita Federal em viagem partic...
PMs são condenados por usar carro doado pela Receita Federal em viagem partic...PMs são condenados por usar carro doado pela Receita Federal em viagem partic...
PMs são condenados por usar carro doado pela Receita Federal em viagem partic...
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Araripina processo
Araripina processoAraripina processo
Araripina processo
Jamildo Melo
 
Após entregar o cargo, Juliana Roque volta à Prefeitura de Pimenta Bueno com ...
Após entregar o cargo, Juliana Roque volta à Prefeitura de Pimenta Bueno com ...Após entregar o cargo, Juliana Roque volta à Prefeitura de Pimenta Bueno com ...
Após entregar o cargo, Juliana Roque volta à Prefeitura de Pimenta Bueno com ...
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Liminar adi consciencia negra
Liminar adi consciencia negraLiminar adi consciencia negra
Liminar adi consciencia negra
Sindimetal Londrina
 
Indeferimento da candidatura de João Mendonça em Belo Jardim
Indeferimento da candidatura de João Mendonça em Belo JardimIndeferimento da candidatura de João Mendonça em Belo Jardim
Indeferimento da candidatura de João Mendonça em Belo Jardim
Portal NE10
 
NERI GUILHEME ARTMANN
NERI GUILHEME ARTMANNNERI GUILHEME ARTMANN
NERI GUILHEME ARTMANN
Lucio Borges
 
Processo Raul
Processo RaulProcesso Raul
Processo Raul
Jamildo Melo
 
Voto sobre caso de Romero Sales em Ipojuca
Voto sobre caso de Romero Sales em IpojucaVoto sobre caso de Romero Sales em Ipojuca
Voto sobre caso de Romero Sales em Ipojuca
Portal NE10
 
Acórdão jaguari no_rumo_certo
Acórdão jaguari no_rumo_certoAcórdão jaguari no_rumo_certo
Acórdão jaguari no_rumo_certo
Giovani L Giovani
 
1004888 4420208260050-2 110720200421
1004888 4420208260050-2 1107202004211004888 4420208260050-2 110720200421
1004888 4420208260050-2 110720200421
Vetor Mil
 
Parecer mpf bruno
Parecer mpf brunoParecer mpf bruno
Parecer mpf bruno
Portal NE10
 
Sentença Refinaria Abreu e Lima
Sentença Refinaria Abreu e LimaSentença Refinaria Abreu e Lima
Sentença Refinaria Abreu e Lima
Giovanni Sandes
 
Wilson Neves de Almeida, José do Nascimento,
Wilson Neves de Almeida, José do Nascimento, Wilson Neves de Almeida, José do Nascimento,
Wilson Neves de Almeida, José do Nascimento,
Luís Carlos Nunes
 

Mais procurados (17)

Docs indef colig11 maj
Docs indef colig11 majDocs indef colig11 maj
Docs indef colig11 maj
 
Contra razões pre r esp
Contra razões pre r espContra razões pre r esp
Contra razões pre r esp
 
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptistaPre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
Pre ce 58-73.2012.6.06.0109-rec elei josé ribamar barroso baptista
 
Sentença
SentençaSentença
Sentença
 
PMs são condenados por usar carro doado pela Receita Federal em viagem partic...
PMs são condenados por usar carro doado pela Receita Federal em viagem partic...PMs são condenados por usar carro doado pela Receita Federal em viagem partic...
PMs são condenados por usar carro doado pela Receita Federal em viagem partic...
 
Araripina processo
Araripina processoAraripina processo
Araripina processo
 
Após entregar o cargo, Juliana Roque volta à Prefeitura de Pimenta Bueno com ...
Após entregar o cargo, Juliana Roque volta à Prefeitura de Pimenta Bueno com ...Após entregar o cargo, Juliana Roque volta à Prefeitura de Pimenta Bueno com ...
Após entregar o cargo, Juliana Roque volta à Prefeitura de Pimenta Bueno com ...
 
Liminar adi consciencia negra
Liminar adi consciencia negraLiminar adi consciencia negra
Liminar adi consciencia negra
 
Indeferimento da candidatura de João Mendonça em Belo Jardim
Indeferimento da candidatura de João Mendonça em Belo JardimIndeferimento da candidatura de João Mendonça em Belo Jardim
Indeferimento da candidatura de João Mendonça em Belo Jardim
 
NERI GUILHEME ARTMANN
NERI GUILHEME ARTMANNNERI GUILHEME ARTMANN
NERI GUILHEME ARTMANN
 
Processo Raul
Processo RaulProcesso Raul
Processo Raul
 
Voto sobre caso de Romero Sales em Ipojuca
Voto sobre caso de Romero Sales em IpojucaVoto sobre caso de Romero Sales em Ipojuca
Voto sobre caso de Romero Sales em Ipojuca
 
Acórdão jaguari no_rumo_certo
Acórdão jaguari no_rumo_certoAcórdão jaguari no_rumo_certo
Acórdão jaguari no_rumo_certo
 
1004888 4420208260050-2 110720200421
1004888 4420208260050-2 1107202004211004888 4420208260050-2 110720200421
1004888 4420208260050-2 110720200421
 
Parecer mpf bruno
Parecer mpf brunoParecer mpf bruno
Parecer mpf bruno
 
Sentença Refinaria Abreu e Lima
Sentença Refinaria Abreu e LimaSentença Refinaria Abreu e Lima
Sentença Refinaria Abreu e Lima
 
Wilson Neves de Almeida, José do Nascimento,
Wilson Neves de Almeida, José do Nascimento, Wilson Neves de Almeida, José do Nascimento,
Wilson Neves de Almeida, José do Nascimento,
 

Semelhante a Acao 1063 do @MPF_Go Lupama GIANFRANCO ANTONIO VITORIO ARTUR PERASSO da CSA NET do PT

Comarca de joao lisboa - Sentenca Francisco Alves de Holanda
Comarca de joao lisboa - Sentenca Francisco Alves de HolandaComarca de joao lisboa - Sentenca Francisco Alves de Holanda
Comarca de joao lisboa - Sentenca Francisco Alves de Holanda
juarezxyz
 
Decisão Improbidade Administrativa Carelli
Decisão Improbidade Administrativa CarelliDecisão Improbidade Administrativa Carelli
Decisão Improbidade Administrativa Carelli
wpaese
 
AgRg no Resp - 1485110
AgRg no Resp - 1485110AgRg no Resp - 1485110
SOBRINHO-01
SOBRINHO-01SOBRINHO-01
Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1
Ministério Público de Santa Catarina
 
Sentença da Ação Civil Pública do Lixão de Campo Grande/MS
Sentença da Ação Civil Pública do Lixão de Campo Grande/MSSentença da Ação Civil Pública do Lixão de Campo Grande/MS
Sentença da Ação Civil Pública do Lixão de Campo Grande/MS
Teamajormar Bezerra de Almeida
 
Acórdão Eicon
Acórdão EiconAcórdão Eicon
Acórdão Eicon
SauloFerreira
 
Acao execucao de_rid
Acao execucao de_ridAcao execucao de_rid
Acao execucao de_rid
MarcioCabral29
 
Ia belmiro teixeira de jesus
Ia   belmiro teixeira de jesusIa   belmiro teixeira de jesus
Ia belmiro teixeira de jesus
julio silva
 
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajar...
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajar...Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajar...
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajar...
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Dr. Julier Pac 10.08.09 Dec P Preventiva
Dr. Julier Pac   10.08.09   Dec  P  PreventivaDr. Julier Pac   10.08.09   Dec  P  Preventiva
Dr. Julier Pac 10.08.09 Dec P Preventiva
Luis Nassif
 
Ação civil pública objetivando o ressarcimento ao erario de valores recebidos
Ação civil pública objetivando o ressarcimento ao erario de valores recebidosAção civil pública objetivando o ressarcimento ao erario de valores recebidos
Ação civil pública objetivando o ressarcimento ao erario de valores recebidos
allaymer
 
Condenado servidor do TJ que recebia vantagens indevidas para “aliviar” presi...
Condenado servidor do TJ que recebia vantagens indevidas para “aliviar” presi...Condenado servidor do TJ que recebia vantagens indevidas para “aliviar” presi...
Condenado servidor do TJ que recebia vantagens indevidas para “aliviar” presi...
Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Recurso ordinário negado. voto.
Recurso ordinário negado. voto.Recurso ordinário negado. voto.
Recurso ordinário negado. voto.
Francisco Brito
 
STJ_RESP_1623985_ca64c.pdf
STJ_RESP_1623985_ca64c.pdfSTJ_RESP_1623985_ca64c.pdf
STJ_RESP_1623985_ca64c.pdf
GiselyGabriela1
 
Cassação dos direitos políticos do juca e do mauro
Cassação dos direitos políticos do juca e do mauroCassação dos direitos políticos do juca e do mauro
Cassação dos direitos políticos do juca e do mauro
27081970
 
Recurso Especial - 1.378.094
Recurso Especial - 1.378.094Recurso Especial - 1.378.094
Recurso Especial - 1.378.094
Ministério Público de Santa Catarina
 
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Ministério Público de Santa Catarina
 
0033156 77.2016.8.24.0000 - r esp - moralidade - indisponibilidade de bens - ...
0033156 77.2016.8.24.0000 - r esp - moralidade - indisponibilidade de bens - ...0033156 77.2016.8.24.0000 - r esp - moralidade - indisponibilidade de bens - ...
0033156 77.2016.8.24.0000 - r esp - moralidade - indisponibilidade de bens - ...
Ministério Público de Santa Catarina
 
Constitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SC
Constitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SCConstitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SC
Constitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SC
Ministério Público de Santa Catarina
 

Semelhante a Acao 1063 do @MPF_Go Lupama GIANFRANCO ANTONIO VITORIO ARTUR PERASSO da CSA NET do PT (20)

Comarca de joao lisboa - Sentenca Francisco Alves de Holanda
Comarca de joao lisboa - Sentenca Francisco Alves de HolandaComarca de joao lisboa - Sentenca Francisco Alves de Holanda
Comarca de joao lisboa - Sentenca Francisco Alves de Holanda
 
Decisão Improbidade Administrativa Carelli
Decisão Improbidade Administrativa CarelliDecisão Improbidade Administrativa Carelli
Decisão Improbidade Administrativa Carelli
 
AgRg no Resp - 1485110
AgRg no Resp - 1485110AgRg no Resp - 1485110
AgRg no Resp - 1485110
 
SOBRINHO-01
SOBRINHO-01SOBRINHO-01
SOBRINHO-01
 
Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1Apelação Cível - 2011.095274-1
Apelação Cível - 2011.095274-1
 
Sentença da Ação Civil Pública do Lixão de Campo Grande/MS
Sentença da Ação Civil Pública do Lixão de Campo Grande/MSSentença da Ação Civil Pública do Lixão de Campo Grande/MS
Sentença da Ação Civil Pública do Lixão de Campo Grande/MS
 
Acórdão Eicon
Acórdão EiconAcórdão Eicon
Acórdão Eicon
 
Acao execucao de_rid
Acao execucao de_ridAcao execucao de_rid
Acao execucao de_rid
 
Ia belmiro teixeira de jesus
Ia   belmiro teixeira de jesusIa   belmiro teixeira de jesus
Ia belmiro teixeira de jesus
 
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajar...
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajar...Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajar...
Justiça de Rondônia condena ex-prefeito e ex-secretário de Educação de Guajar...
 
Dr. Julier Pac 10.08.09 Dec P Preventiva
Dr. Julier Pac   10.08.09   Dec  P  PreventivaDr. Julier Pac   10.08.09   Dec  P  Preventiva
Dr. Julier Pac 10.08.09 Dec P Preventiva
 
Ação civil pública objetivando o ressarcimento ao erario de valores recebidos
Ação civil pública objetivando o ressarcimento ao erario de valores recebidosAção civil pública objetivando o ressarcimento ao erario de valores recebidos
Ação civil pública objetivando o ressarcimento ao erario de valores recebidos
 
Condenado servidor do TJ que recebia vantagens indevidas para “aliviar” presi...
Condenado servidor do TJ que recebia vantagens indevidas para “aliviar” presi...Condenado servidor do TJ que recebia vantagens indevidas para “aliviar” presi...
Condenado servidor do TJ que recebia vantagens indevidas para “aliviar” presi...
 
Recurso ordinário negado. voto.
Recurso ordinário negado. voto.Recurso ordinário negado. voto.
Recurso ordinário negado. voto.
 
STJ_RESP_1623985_ca64c.pdf
STJ_RESP_1623985_ca64c.pdfSTJ_RESP_1623985_ca64c.pdf
STJ_RESP_1623985_ca64c.pdf
 
Cassação dos direitos políticos do juca e do mauro
Cassação dos direitos políticos do juca e do mauroCassação dos direitos políticos do juca e do mauro
Cassação dos direitos políticos do juca e do mauro
 
Recurso Especial - 1.378.094
Recurso Especial - 1.378.094Recurso Especial - 1.378.094
Recurso Especial - 1.378.094
 
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
Improbidade administrativa recurso especial em apelação cível 20090014776000100
 
0033156 77.2016.8.24.0000 - r esp - moralidade - indisponibilidade de bens - ...
0033156 77.2016.8.24.0000 - r esp - moralidade - indisponibilidade de bens - ...0033156 77.2016.8.24.0000 - r esp - moralidade - indisponibilidade de bens - ...
0033156 77.2016.8.24.0000 - r esp - moralidade - indisponibilidade de bens - ...
 
Constitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SC
Constitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SCConstitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SC
Constitucionalidade - ADI 2010.045619-8/Agravo 796.030-SC
 

Mais de Aryantipt Aryantipt

Balanco do Banco Original da JBS-Friboi do 2 trimestre 2015
Balanco do Banco Original da JBS-Friboi do 2 trimestre 2015Balanco do Banco Original da JBS-Friboi do 2 trimestre 2015
Balanco do Banco Original da JBS-Friboi do 2 trimestre 2015
Aryantipt Aryantipt
 
O GOLPE DA REPATRIACAO DE @DILMABR e o esquema MARFRIG / JBS-FRIBOI
O GOLPE DA REPATRIACAO DE @DILMABR e o esquema MARFRIG  / JBS-FRIBOIO GOLPE DA REPATRIACAO DE @DILMABR e o esquema MARFRIG  / JBS-FRIBOI
O GOLPE DA REPATRIACAO DE @DILMABR e o esquema MARFRIG / JBS-FRIBOI
Aryantipt Aryantipt
 
fundacao sociedade comunicacao cultura e trabalho
fundacao sociedade comunicacao cultura e trabalhofundacao sociedade comunicacao cultura e trabalho
fundacao sociedade comunicacao cultura e trabalho
Aryantipt Aryantipt
 
Caso Girleide Relatorio CGU Ministerio da Pesca e Agricultura - SERMATEC e O...
Caso Girleide  Relatorio CGU Ministerio da Pesca e Agricultura - SERMATEC e O...Caso Girleide  Relatorio CGU Ministerio da Pesca e Agricultura - SERMATEC e O...
Caso Girleide Relatorio CGU Ministerio da Pesca e Agricultura - SERMATEC e O...
Aryantipt Aryantipt
 
A sociedade da BS3 do PT e o Marido de Erenice Guerra a FBM Farma e os R$ 16 ...
A sociedade da BS3 do PT e o Marido de Erenice Guerra a FBM Farma e os R$ 16 ...A sociedade da BS3 do PT e o Marido de Erenice Guerra a FBM Farma e os R$ 16 ...
A sociedade da BS3 do PT e o Marido de Erenice Guerra a FBM Farma e os R$ 16 ...
Aryantipt Aryantipt
 
Contrato Ricardo Casciano e Documentos da BS3 -Virgilio Guimaraes #Acronimo
Contrato Ricardo Casciano e Documentos da BS3 -Virgilio Guimaraes #AcronimoContrato Ricardo Casciano e Documentos da BS3 -Virgilio Guimaraes #Acronimo
Contrato Ricardo Casciano e Documentos da BS3 -Virgilio Guimaraes #Acronimo
Aryantipt Aryantipt
 
60502000728201505
6050200072820150560502000728201505
60502000728201505
Aryantipt Aryantipt
 

Mais de Aryantipt Aryantipt (7)

Balanco do Banco Original da JBS-Friboi do 2 trimestre 2015
Balanco do Banco Original da JBS-Friboi do 2 trimestre 2015Balanco do Banco Original da JBS-Friboi do 2 trimestre 2015
Balanco do Banco Original da JBS-Friboi do 2 trimestre 2015
 
O GOLPE DA REPATRIACAO DE @DILMABR e o esquema MARFRIG / JBS-FRIBOI
O GOLPE DA REPATRIACAO DE @DILMABR e o esquema MARFRIG  / JBS-FRIBOIO GOLPE DA REPATRIACAO DE @DILMABR e o esquema MARFRIG  / JBS-FRIBOI
O GOLPE DA REPATRIACAO DE @DILMABR e o esquema MARFRIG / JBS-FRIBOI
 
fundacao sociedade comunicacao cultura e trabalho
fundacao sociedade comunicacao cultura e trabalhofundacao sociedade comunicacao cultura e trabalho
fundacao sociedade comunicacao cultura e trabalho
 
Caso Girleide Relatorio CGU Ministerio da Pesca e Agricultura - SERMATEC e O...
Caso Girleide  Relatorio CGU Ministerio da Pesca e Agricultura - SERMATEC e O...Caso Girleide  Relatorio CGU Ministerio da Pesca e Agricultura - SERMATEC e O...
Caso Girleide Relatorio CGU Ministerio da Pesca e Agricultura - SERMATEC e O...
 
A sociedade da BS3 do PT e o Marido de Erenice Guerra a FBM Farma e os R$ 16 ...
A sociedade da BS3 do PT e o Marido de Erenice Guerra a FBM Farma e os R$ 16 ...A sociedade da BS3 do PT e o Marido de Erenice Guerra a FBM Farma e os R$ 16 ...
A sociedade da BS3 do PT e o Marido de Erenice Guerra a FBM Farma e os R$ 16 ...
 
Contrato Ricardo Casciano e Documentos da BS3 -Virgilio Guimaraes #Acronimo
Contrato Ricardo Casciano e Documentos da BS3 -Virgilio Guimaraes #AcronimoContrato Ricardo Casciano e Documentos da BS3 -Virgilio Guimaraes #Acronimo
Contrato Ricardo Casciano e Documentos da BS3 -Virgilio Guimaraes #Acronimo
 
60502000728201505
6050200072820150560502000728201505
60502000728201505
 

Acao 1063 do @MPF_Go Lupama GIANFRANCO ANTONIO VITORIO ARTUR PERASSO da CSA NET do PT

  • 1. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ FEDERAL DA ___ VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DE GOIÁS Inquérito Civil Público MPF/PR/GO nº 1.18.000.001038/2009-56 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República signatário, no uso de suas atribuições institucionais, amparado nos artigos 129, inciso III, e 37, § 4º, da Constituição Federal, no artigo 6º, inciso VII, alínea “b”, da Lei Complementar nº 75/93, nas disposições da Lei nº 8.429/92 e à vista do quanto apurado no bojo do anexo Inquérito Civil Público MPF/PR/GO nº 1.18.000.001038/2009-56, vem, à presença de Vossa Excelência, propor a presente AÇÃO CIVIL DE RESPONSABILIDADE POR ATOS DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA em desfavor de: Página 1/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 2. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO 1. JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES, vulgo “Juquinha”, Presidente da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, (qualificação suprimida, para fins de divulgação); 2. ULISSES ASSAD, ex-Diretor de Engenharia da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, (qualificação suprimida, para fins de divulgação); 3. JORGE ANTÔNIO MESQUITA PEREIRA DE ALMEIDA, Superintendente de Projetos da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, (qualificação suprimida, para fins de divulgação); 4. ANDRÉ LUIZ DE OLIVEIRA, Superintendente da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, (qualificação suprimida, para fins de divulgação); 5. CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 61.156.568/0001-90 e sediada na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, nº 1.830, Torre II, 4º andar, Itaim Bibi, São Paulo/SP; 6. EIT – EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S/A, inscrita no CNPJ sob nº 03.873.492/0001-18, sediada na Rua Geraldo Pereira de Melo, nº 1.020, sala 02, Bairro Juazeiro, Jaguaruana/CE; 7. FLÁVIO BARBOSA LIMA, (qualificação suprimida, para fins de divulgação); e 8.GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO, (qualificação suprimida, para fins de divulgação), 9.LUPAMA COMÉRCIO E COSTRUÇÕES LTDA., pessoa jurídica de direito privado inscrita no CNPJ sob nº 03.873.492/0001-18, a qual deverá ser citada na pessoa de seus sócios acima qualificados, FLÁVIO BARBOSA LIMA Página 2/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 3. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO ou GIANFRANCO ANTÔNIO VITÓRIO ARTUR PERASSO, nos seus próprios endereços residenciais; pelos fatos e fundamentos jurídicos adiante expostos. I – DOS FATOS Segundo se apurou, no mês de janeiro de 2006, os réus JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES, no exercício do cargo de Presidente da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A (sociedade anônima fechada, concessionária de serviço público controlada pela União e supervisionada pelo Ministério dos Transportes), e ULISSES ASSAD, no exercício do cargo de Diretor de Engenharia da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, contrataram a demandada CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, por meio do Contrato nº 013/2006 (processo nº 165/2004), para a execução de obras de infraestrutura e superestrutura ferroviárias e obras de arte especiais, em trecho de 105 km (cento e cinco quilômetros), compreendido entre o Pátio de Santa Isabel e o Pátio de Uruaçu, no Estado de Goiás (lote 4 da Concorrência nº 008/2004), com sobrepreço da ordem de 29,45% do valor do contrato. Página 3/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 4. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO Perícia criminal oficial, realizada pelo Instituto Nacional de Criminalística, constatou preço a maior do que o valor de mercado, que totalizou R $71.775.032,14 (setenta e um milhões, setecentos e setenta e cinco mil, trinta e dois reais e quatorze centavos), a preços de agosto de 2009 (segundo as regras e índices definidos no contrato), na proposta apresentada pela ré CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, aceita e formalizada no contrato pelos réus JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES e ULISSES ASSAD, em prejuízo para o erário. O réu JORGE ANTÔNIO MESQUITA PEREIRA DE ALMEIDA, então Gerente de Projetos da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, concorreu para a contratação com sobrepreço, porquanto foi o responsável pela elaboração do orçamento de referência da empresa pública, que integrou o edital e o processo licitatório, no qual a perícia oficial criminal também constatou sobrepreço de R$48.132.342,69 (quarenta e oito milhões, cento e trinta e dois mil, trezentos e quarenta e dois reais e sessenta e nove centavos), a preços de novembro de 2004. Consoante explicam os peritos oficiais criminais: Página 4/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 5. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO As condutas dos réus JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES e ULISSES ASSAD revestiram-se de especial gravidade e revelaram-se insidiosamente dolosas, na medida em que esses requeridos fizeram realizar licitação com exigências de qualificação restritivas, sem sustentações técnica e legal, e com proibição de apresentação de proposta para mais de 2 (dois) lotes (eram 7 [sete] em disputa), igualmente sem respaldo, bem assim com a proibição de formação de consórcio (cujos motivos determinantes eram falsos), que produziram, como único efeito, o direcionamento do resultado do certame, em favor da ré CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, em relação ao lote 4, a ela adjudicado. Coube ao réu ANDRÉ LUIZ DE OLIVEIRA, presidente da Comissão de Licitação, também concorrer para a prática ímproba, ao elaborar e assinar o edital, fazendo dele constar as exigências e restrições ilícitas, tal como conduzir o certame licitatório viciado. Com efeito, quanto à qualificação técnica, as alíneas “c” e “d” do subitem 7.2.5 do edital só permitiram se habilitar para a disputa as licitantes que comprovassem já haver construído ferrovias com dormentes de concreto, do tipo especificado, fabricado por elas próprias, na quantidade mínima exigida. Esclarecem os peritos criminais oficiais: Página 5/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 6. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO Tais exigências, aliadas às proibições de concorrerem a mais de 2 (dois) lotes e formarem consórcios, fizeram com que nenhum lote contasse com mais de 2 (duas) licitantes habilitadas. Convém anotar que a divisão do objeto da licitação em lotes, com a finalidade de aumentar a competitividade (porque permite que um número maior de empresas possa se qualificar para a disputa), é incentivada e, até mesmo, exigida pela Lei de Licitações, em seu artigo 23, § 1º. Ponderam os peritos criminais oficiais: Página 6/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 7. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO A proibição de consórcios, cujos motivos determinantes são falsos, também restringiu, de modo irregular, a competição, pois impediu que 2 (duas) ou mais pessoas jurídicas, as quais, individualmente, não satisfizessem todos os requisitos de qualificação exigidos pelo edital, pudessem somar esforços e requisitos entre si, para, em conjunto, habilitarem-se à disputa de preços, conforme autoriza o artigo 33, inciso III, da Lei nº 8.666/93. Para tentar motivar a vedação de consórcios, o réu ULISSES ASSAD elaborou “Nota Técnica Relativa ao Edital 088/2004”, na qual tece as seguintes considerações: Página 7/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 8. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO Ora, eventual impacto negativo (aumento de custos), em decorrência da duplicidade de estrutura gerencial, seria refletida na proposta do consórcio licitante (tornando seu preço menos competitivo), e não no orçamento da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A. Por outro lado, essas pessoas jurídicas consorciadas tirariam vantagem de outras características particulares, as quais, porventura, tivessem, para compensar e poderiam apresentar proposta mais competitiva. Essa questão não se resolve proibindo o consórcio. Ao contrário, quanto mais pessoas jurídicas competirem, maior a probabilidade de serem obtidos preços mais vantajosos para a Administração Pública (um dos objetivos legais da licitação), consoante ver-se-á em quadro adiante reproduzido. De igual feita, não procede a alegação de riscos de atrasos nas obras pelo fato de pessoas jurídicas de culturas gerenciais distintas, em ação quase conjunta, usarem os mesmos acessos e jazidas de materiais. Com efeito, a Lei nº 8.666/93, em seu artigo 33, inciso II, exige a “indicação da empresa responsável pelo consórcio que deverá atender às condições de liderança, obrigatoriamente fixadas no edital”, de modo que bastaria haver cláusulas que assegurassem a convivência eficiente das pessoas jurídicas integrantes do consórcio (em lugar de, pura e simplesmente, proibi-lo) e, assim, tornar a licitação mais competitiva, assegurando maior participação de interessados e melhor preço para a Administração Pública. Certo é que, na falta de um único argumento técnico consistente, os réus se valeram de motivos falsos para proibir a formação de consórcios. A prova maior da falsidade da motivação foi dada pela própria Valec, ao publicar o Edital nº 004/2010, destinado à contratação do trecho Ouro Verde/GO - Estrela do Oeste/SP, da mesma ferrovia Norte Sul, permitindo a formação de consórcios. Página 8/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 9. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO Contudo, o objetivo dos réus era favorecer a CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, quanto ao lote 4 (e as demais adjudicatárias, em relação aos outros lotes), direcionando-lhe a licitação para contratá-la com sobrepreço (a má-fé fica evidente). Para tanto, proibiram que uma mesma pessoa jurídica disputasse mais de 2 (dois) lotes, proibiram o consórcio entre pessoas jurídicas e estabeleceram requisitos de qualificação sem justificativa técnica válida. Não surpreende que as 7 (sete) únicas pessoas jurídicas habilitadas (embora 17 [dezessete] houvessem retirado o edital) dividissem, entre elas, os 7 (sete) lotes em “disputa”, conforme melhor consultaram seus próprios interesses privados. Isto é, houve exatamente 7 (sete) pessoas jurídicas habilitadas e 7 (sete) vencedoras diferentes para os 7 (sete) lotes disponíveis. Era de se esperar, portanto, que houvesse sobrepreço, conforme a perícia criminal oficial constatou no lote 4 (a presente ação tem como único objeto as obras relativas ao lote 4; os demais lotes deverão ser objeto de investigações e ações próprias). No laudo, os peritos criminais oficiais trazem estudo realizado por técnicos do Tribunal de Contas de Pernambuco, a propósito de ilustrar a relação entre a baixa competitividade e o preço de obras públicas. Na figura, o eixo horizontal representa o número de licitantes e o eixo vertical, a relação entre o preço vencedor e o preço base do órgão: Página 9/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 10. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO Em outras palavras, os réus fizeram deflagrar licitação propositadamente viciada, que anulou qualquer possibilidade de competição, de maneira a favorecer a demandada CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO. Ato contínuo, formalizaram a contratação dessa pessoa jurídica, por preço muito acima do de mercado, causando enormes prejuízos ao erário. Mas não é só. Conforme esclareceram os peritos criminais oficiais: Página 10/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 11. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO A intenção dos réus de favorecer a CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, em prejuízo do interesse público e do erário, fica mais flagrante, ainda, ao se considerar que a proposta dessa pessoa jurídica não atendia às exigências do edital e, portanto, deveria ter sido desclassificada. Todavia, o réu ANDRÉ LUIZ DE OLIVEIRA, que presidiu a licitação, assim não procedeu. Ao contrário, sagrou-a vencedora, no que foi referendado pelos réus JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES e ULISSES ASSAD, mediante homologação, adjudicação e assinatura do contrato direcionado e superfaturado. A ré CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO concorreu e beneficiou-se, diretamente, dos atos ímprobos acima descritos, na medida em que participou de licitação sabidamente viciada, apresentou proposta com enorme sobrepreço, assinou o contrato superfaturado e recebeu pelos Página 11/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 12. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO serviços executados valores indevidos, porque muito acima dos de mercado, enriquecendo-se, assim, ilicitamente, em prejuízo do erário. A ré EIT – EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S/A e os réus FLÁVIO BARBOSA LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO – os 2 (dois) últimos por intermédio de LUPAMA-COMÉRCIO E CONSTRUÇÕES LTDA. (da qual são os únicos sócios e gerentes) – também se beneficiaram dos atos ímprobos, porquanto formalizaram consórcio clandestino (não-oficial, vedado expressamente pelo edital) com a CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, por meio de Termo de Acordo Operacional, pelo qual assumiram a participação em todos os custos, direitos, obrigações, resultados, responsabilidades, fianças e garantias de qualquer espécie, nas proporções de 66,70% (CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO), 16,65% (EIT – EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S/A) e 16,65% (LUPAMA – COMÉRCIO E CONSTRUÇÕES LTDA.), de modo que auferiram, em conjunto, 33,3% do sobrepreço constatado pela perícia oficial criminal. Em razão do referido Termo de Acordo Operacional, a ré EIT – EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S/A e os réus FLÁVIO BARBOSA LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO, por intermédio da LUPAMA – COMÉRCIO E CONSTRUÇÕES LTDA., receberam 33,3% dos valores com sobrepreço que foram pagos à CONSTRAN S/A pelos réus JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES e ULISSES ASSAD. O Termo de Acordo Operacional em tela, embora faça alusão a subempreitada, na verdade, formalizou verdadeiro consórcio, tal como restou claro pelos seus termos, verbis: Página 12/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 13. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO Diálogos monitorados dos réus FLÁVIO BARBOSA LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO, com prévia autorização judicial, corroboram, com nitidez, a existência do consórcio clandestino, bem como denunciam a flagrante má-fé e o intenso dolo com que eles próprios e a EIT agiram, a saber: (transcrições de diálogos telefônicos suprimidas para fins de divulgação) Página 13/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 14. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO Os signatários do Termo de Acordo Operacional laboraram em fraude à execução da licitação e do contrato, porquanto, conforme dito, a participação em consórcio foi expressamente proibida pelo Edital nº 008/2004. Ainda que se considere ter havido subempreita ou subcontratação (e não consórcio), a fraude igualmente ocorreu, vez que agiram de modo clandestino e oculto, sem autorização oficial da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A, como exigido pelo edital. Por sua vez, a LUPAMA – COMÉRCIO E CONSTRUÇÕES LTDA., apurou-se ainda, aderiu ao consórcio como pessoa jurídica de fachada, apenas para dar forma jurídica, contábil e fiscal ao desvio do butim. Foram colhidas evidências de que a pessoa jurídica não existe de fato, seu endereço formal é uma residência, que não possui estrutura técnica e nem financeira compatível com o vulto do contrato que assumiu (o que foi admitido pelos sócios FLÁVIO BARBOSA LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO, em diálogos telefônicos acima transcritos). Aliás, nem a LUPAMA nem a E.I.T. satisfaziam as exigências de qualificação técnica e econômica previstas no edital, daí porque não poderiam ser oficialmente admitidas à executar a obra. Nada obstante, o monitoramento telefônico dos réus revelou, claramente, que ULISSES ASSAD tinha pleno conhecimento da existência do consórcio oculto, que operou sob sua “benção”. A bem da verdade, segundo restou apurado, os réus FLÁVIO BARBOSA LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITÓRIO ARTUR PERASSO integram organização criminosa que detém grande influência política nos escalões superiores do Estado brasileiro (inclusive na administração central da VALEC – ENGENHARIA, CONSTRUÇÕES E FERROVIAS S/A), junto aos quais operam usando pessoas jurídicas de fachada, como a LUPAMA – COMÉRCIO E CONSTRUÇÕES LTDA., para acobertar desvios de recursos públicos. Página 14/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 15. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO Porém, o organograma da organização criminosa não pode ser desvendado, por 2 (dois) razões: primeiro, o investigado Fernando Sarney, com autorização do Superior Tribunal de Justiça (H.C. nº 97.622), teve acesso aos autos da investigação que se conduzia sob o mais absoluto sigilo, antes que as diligências sigilosas fossem efetivamente concluídas; segundo, interceptação de diálogo telefônico mantido entre Fernando Sarney e seu pai, José Sarney (em 17/04/2008), revela que a ABIN – Agência Brasileira de Inteligência e o Banco da Amazônia (destinatário de requisições protegidas pelo segredo de Justiça) alertaram indevidamente os suspeitos para a existência da investigação sigilosa. Em razão disso, provas desapareceram e a identificação e individualização das condutas dos demais membros da organização criminosa (inclusive possível participação de Fernando Sarney) não pôde ser realizada, razão pela qual não foram incluídos nesta ação. II – ENQUADRAMENTO JURÍDICO Por terem promovido a realização de licitação direcionada e viciada, a qual referendaram e contratado obra com sobrepreço, dando causa a pagamentos superfaturados em favor da CONSTRAN S/A, da EIT, de FLÁVIO BARBOSA LIMA e de GIANFRANCO PERASSO, os réus JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES, no exercício da Presidência da Valec, e ULISSES ASSAD, no exercício da Diretoria de Engenharia da Valec, praticaram atos de improbidade administrativa que causaram dano ao erário e violaram os princípios da moralidade, impessoalidade, legalidade e os deveres de honestidade e lealdade, tipificados nos artigos 10, V e VIII, e 11, caput, da Lei 8.429/92, razão pela qual ficaram sujeitos às sanções estabelecidas pelo artigo 12, incisos II e III, sucessivamente, do mesmo diploma legal. Por promover a elaboração de orçamento para a licitação com valores muito superiores aos de mercado, concorrendo para a contratação da obra com sobrepreço e dando causa a pagamentos superfaturados em favor da CONSTRAN S/A, da EIT, de FLÁVIO LIMA e de GIANFRANCO PERASSO, o réu JORGE ANTÔNIO MESQUITA PEREIRA DE ALMEIDA, no exercício do cargo de Gerente Página 15/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 16. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO de Projetos da Valec, concorreu para a prática de ato de improbidade administrativa que causaram dano ao erário e violaram os princípios da moralidade, legalidade e os deveres de honestidade e lealdade, tipificados nos artigos 10, V e VIII, e 11, caput, da Lei 8.429/92, razão pela qual ficou sujeito às sanções estabelecidas pelo artigo 12, incisos II e III, sucessivamente, do mesmo diploma legal Por elaborar e assinar o edital fazendo dele constar exigências e restrições ilícitas, bem como conduzir o certame licitatório propositadamente viciado, além de não desclassificar a proposta da CONSTRAN S/A (que não atendia às exigências do edital) o réu ANDRÉ LUIZ DE OLIVEIRA, então presidente da Comissão de Licitação, concorreu para a prática de atos de improbidade administrativa que causaram dano ao erário e violaram os princípios da moralidade, legalidade e imparcialidade e os deveres de honestidade e lealdade, tipificados nos artigos 10, V e VIII, e 11, caput, da Lei 8.429/92, razão pela qual ficou sujeito às sanções estabelecidas pelo artigo 12, incisos II e III, sucessivamente, do mesmo diploma legal. Convém anotar que os réus JOSÉ FRANCISCO DAS NEVES, ULISSES ASSAD, ANDRÉ LUIZ DE OLIVEIRA e JORGE ANTÔNIO MESQUITA PEREIRA DE ALMEIDA agiram em comunhão do propósito de favorecer e beneficiar a Constran S/A. Os Réus CONSTRAN S/A – CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO, EIT – EMPRESA INDUSTRIAL TÉCNICA S/A, FLÁVIO BARBOSA LIMA e GIANFRANCO ANTÔNIO VITORIO ARTUR PERASSO e LUPAMA – COMÉRCIO E CONSTRUÇÕES LTDA. , por concorrerem e se beneficiarem da prática dos atos ímprobos praticados pelos demais réus, estão sujeitos às mesmas penalidades, as quais forem compatíveis com suas condições jurídicas, por força do que dispõe o artigo 3º da sobredita lei. III – DOS PEDIDOS E REQUERIMENTOS Página 16/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 17. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO Por todo o exposto, requer o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL: a) a autuação desta, juntamente com a cópia digitalizada do Inquérito Civil Público MPF/PR/GO nº 1.18.000.001038/2009-56, mídia anexa (art. 365, VI, do CPC), bem como o processamento do feito segundo o rito ordinário previsto no Código de Processo Civil, ao teor do disposto no artigo 17, caput, da Lei nº 8.429/92; b) a notificação, via postal, dos réus, nos endereços supra, para apresentarem manifestação por escrito, na forma preconizada pelo artigo 17, § 7º, da Lei nº 8.429/92; c) o recebimento desta inicial e, ato contínuo, a citação dos demandados para, caso queiram, responderem aos termos desta ação, conforme o artigo 17, § 9º, da Lei nº 8.429/92, sob pena de revelia e confissão quanto à matéria de fato; d) a intimação da União e da VALEC, para o fim do que dispõe a atual redação do artigo 17, § 3º, da Lei nº 8.429/92; e) a procedência dos pedidos, a fim de que sejam aplicadas aos requeridos as sanções previstas no artigo 12, incisos II e III, sucessivamente, da Lei nº 8.429/92; f) a condenação dos demandados a arcarem com os ônus da sucumbência; e g) para provar o alegado: g.1) a oitiva de testemunhas a serem oportunamente arroladas; g.2) os depoimentos pessoais dos requeridos; e Página 17/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa
  • 18. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM GOIÁS 2º OFÍCIO DO NÚCLEO DE COMBATE À CORRUPÇÃO g.3) a juntada de outros documentos e provas que produzidas em outras esferas processuais, inclusive criminal; Dá-se à causa o valor de R$92.076.415,11 Goiânia, 1º de abril de 2011. Helio Telho Corrêa Filho PROCURADOR DA REPÚBLICA Página 18/18 Inquérito civil público MPF/PR/GO nº: 1.18.000.001038/2009-56 Natureza do ato processual: petição inicial de ação civil de responsabilidade por ato de improbidade administrativa