SlideShare uma empresa Scribd logo
B P
1
Sumário
1 Objetivo.......................................................................................................................4
2 Introdução ao Business Partner......................................................................................4
2.1 Conceito...............................................................................................................4
2.2 Origem..................................................................................................................4
2.3 Utilização do BP.....................................................................................................5
2.4 Integração.............................................................................................................6
2.5 Estrutura dos dados mestres do PN ........................................................................6
2.5.1 Registro Mestre..............................................................................................6
2.5.2 Conjunto de Funções......................................................................................6
2.6 Componentes SAP.................................................................................................8
3 Estrutura do Business Partner........................................................................................8
3.1 Conceitoestrutural................................................................................................8
4 Configurações...............................................................................................................9
4.1 Globais..................................................................................................................9
4.1.1 Categorias do Parceiro de Negócio..................................................................9
4.1.2 Funções do Parceiro de Negócio......................................................................9
4.1.3 Agrupamento de funções..............................................................................13
4.1.4 Grupo de exclusão de funções.......................................................................16
4.1.5 Definir transações de aplicações ...................................................................18
4.1.6 Notas...........................................................................................................19
4.1.6.1 Conceito..................................................................................................19
4.1.6.2 Configurações de notas.............................................................................19
4.1.6.2.1 Definir visões de nota..........................................................................19
4.1.6.2.2 Atribuir funções a visões de nota .........................................................20
4.1.7 Intervalos de numeração ..............................................................................21
4.1.7.1 Definir intervalo de numeração.................................................................21
4.1.8 Tipos de parceiro de negócio ........................................................................23
4.1.9 Modificações de status campos no cadastro ..................................................24
4.1.10 Determinação de endereço...........................................................................25
4.1.10.1 Definir operações..................................................................................25
4.1.10.2 Definir tipos de endereço ......................................................................26
4.1.10.3 Atribuir operação ao tipo de endereço...................................................28
4.1.11 Origem dos dados ........................................................................................31
2
4.1.12 Números de identificaçõese fiscais...............................................................32
4.1.12.1 Números de identificações ....................................................................32
4.1.12.1.1 Definir as categorias de identificação .................................................32
4.1.12.1.2 Definir tipos de identificação .............................................................34
4.1.12.2 Números de identificações fiscais...........................................................36
4.1.12.2.1 Criar identificação fiscal.....................................................................37
4.1.12.2.2 Ativar controle de duplicidade...........................................................39
4.1.13 Horário comercial.........................................................................................41
4.2 Pessoas...............................................................................................................42
4.2.1 Componentes do nome ................................................................................42
4.2.1.1 Componentes do nome.............................................................................42
4.2.2 Estado civil...................................................................................................45
4.2.3 Profissões....................................................................................................47
4.3 Organizações.......................................................................................................48
4.3.1 Atualizar sistemas setoriais e setores industriais ............................................48
4.3.2 Atualizar formas jurídicas..............................................................................51
4.3.3 Atualizarentidades jurídicas .........................................................................53
4.4 Grupos................................................................................................................54
4.4.1 Definir tipos de grupos .................................................................................54
4.5 Relaçõesentre Parceiros de Negócios...................................................................55
4.5.1 Configurações do Relacionamento ................................................................56
4.5.1.1 Configurações globais...............................................................................56
4.5.1.1.1 Definir intervalos de numeração..........................................................56
4.5.1.1.2 Características das categorias de relação dos PN...................................56
5 CVI – Customer,Vendor Integration.............................................................................58
5.1 Introdução ao Sincronismo...................................................................................58
5.2 Etapas preparatórias para sincronização de dados mestres....................................59
5.2.1 Objetos de autorizações ...............................................................................59
5.2.2 Controle de sincronização.............................................................................60
5.2.2.1 Post Processing Office...............................................................................60
5.2.2.2 Objetos de sincronização ..........................................................................61
5.2.2.3 Ativar ordens PPO para objetos de plataforma em diálogo..........................62
5.2.2.4 Ativar opções de sincronismo....................................................................63
5.2.2.5 Registro de filas para processamento em background.................................64
5.3 Sincronização de Parceiro de Negócios, clientese fornecedores.............................65
5.3.1 Etapas preparatórias para integração cliente-fornecedor................................65
3
5.3.1.1 Módulos de funções .................................................................................65
5.3.1.2 Campos obrigatórios para Parceiros de Negócios, cliente e fornecedor........67
5.3.2 Sincronismo para integração entre Parceiro de Negócioe cliente....................67
5.3.2.1 Definir categoria da funçãoPN p/direção parceiro de negócios para cliente.67
5.3.2.2 Determinar função PN para sentido cliente - Parceiro de Negócios..............69
5.3.2.3 Determinar atribuição de números para direção Parceiro de Negócios para
cliente 70
5.3.2.4 Determinar distribuição números para sentido cliente - Parceiro de Negócios
71
5.3.3 Sincronismo para integração entre Parceiro de Negócioe fornecedor.............72
5.3.3.1 DefinircategoriadafunçãoPN p/direçãoparceirodenegóciosparafornecedor
73
5.3.3.2 Determinar função PN para sentido fornecedor - parceiro de negócios........74
5.3.3.3 Determinar atribuição números para direção Parceiro de Negócios para
fornecedor..............................................................................................................75
5.3.3.4 Determinar distribuição de números para sentido fornecedor - parceiro de
negócios 76
5.3.4 Demais objetos de sincronização...................................................................77
5.3.4.1 Estados civis.............................................................................................77
5.3.4.2 Tipos de sociedades a formas jurídicas.......................................................78
5.3.4.3 Setorindustrial.........................................................................................78
5.3.5 MDS_PPO2 – Post Processing........................................................................79
5.3.6 Cockpit de configuração................................................................................81
5.4 Sincronização de Parceiro de Negócios com funcionários (HCM) ............................82
5.4.1 Criar range de numeração.............................................................................82
5.4.2 Ativar integração Parceiro de Negócio e funcionário.......................................83
5.4.3 Ajustar dados unidades organizacionais.........................................................84
5.4.4 Ajustar dados de pessoas..............................................................................85
Nestaetapa,serãodefinidososdetalhesparaa sincronizaçãode dadosentre empregados
HR e Parceiros de Negócios..........................................................................................85
5.4.5 Ativar registro em log/análise de erros do ajuste de dados .............................86
5.4.6 Ativar chave HR para estado civil às chaves do Parceiro de Negócio ................87
5.4.7 Ativar forma de tratamento HR para às chaves de forma de tratamento do
Parceiro de Negócio....................................................................................................89
4
1 Objetivo
O presente material tem como objetivo preparar o consultor para interpretar e configurar o
componente BP – BusinessPartnernoSAP ECC. Alémdisso,deveráproporcionarumavisãode
integração com os demais módulos.
BUPT – Menu do Business Partner
2 Introdução ao Business Partner
2.1 Conceito
Parceiros de Negócios ou Business Partner são pessoas físicas ou jurídicas com as quais a
Companhia mantém transações comerciais.
Clientese fornecedoressãoparceirosde negócioscomos quaiso usuáriomantémuma ligação
que envolve a transferência de fornecimentos e serviços. No contexto do SAP ECC, clientese
fornecedores são os principais BP frente aos cenários de negócios.
Além disso, existemcomo BP as entidadesgovernamentais, grupos religiosos, departamentos,
grupos de pessoas, todos com foco na prospecção de negócios.
2.2 Origem
O componente BusinessPartnernasceunaparte de FS – Financial Service e gradativamentefoi
expandindo-se para outras partes do ECC, como MMe SD.
Antigamente, seu uso estava atrelado às operações financeiras em TRM e na parte de FSCD
(seguradoras).
5
Em resumo,oSAPestápreparadopara“centralizar”ocadastroviaBP, evitandoredundânciade
dados.
2.3 Utilização do BP
Os parceiros de negócios possuem várias funções diferentes, descritas como funções do
parceiro,relacionadasà sociedade/empresa.Asfunçõesdoparceirosão utilizadasparadefinir
os direitos e as responsabilidades de cada tipo de parceiro em uma transação comercial. Por
exemplo, na venda ou no pedido de mercadorias, os parceiros de negócios podem assumir
funções do parceiro, tais como:
Funções do parceiro de cliente Funções do parceiro de fornecedor
Emissor da ordem Endereço do emissor do pedido
Recebedor da mercadoria Fornecedor de mercadorias
Recebedor da fatura Fatura apresentada por
Pagador Recebedor divergente do pagamento
Parceiros de negócios diferentes podem executar uma ou mais funções do parceiro. Por esse
motivo, é possível atribuir várias funções do parceiro a parceiros de negócios individuais.
Osdadossobre osparceirosde negóciossãoadministradosemregistrosmestre.Osdadossobre
as funções do parceiro são gravados nesses registros mestre e utilizados na Contabilidade
Financeira e Logística.
6
2.4 Integração
Um parceiro de negócios pode ser um cliente e um fornecedor ao mesmo tempo se, por
exemplo, o cliente também fornece mercadorias ou se um fornecedor também é um dos
clientes. Nesse caso, é necessário criar um registro mestre de cliente e um registro mestre de
fornecedor para o parceiro de negócios.É possível criar uma referência entre os doisregistros
mestre entrandoo número de fornecedorno registromestre de cliente e o númerode cliente
no registro mestre de fornecedor.
2.5 Estrutura dos dados mestres do PN
2.5.1 Registro Mestre
Os dados sobre os parceiros de negócios com quem a sociedade realiza transações comerciais
são entradosemregistrosmestre.Osregistrosmestre contêmtodososdadosnecessáriospara
o processamentode transações comerciais. Esses dados são conhecidos como dados mestre.
Quando o usuário entra todos os dados mestre, despende menos tempo processando as
transações comerciais porque o sistema propõe os dados mestre nessas transações.
A Contabilidade Financeira e a Logística utilizam dados mestre. Os dados gerais e os dados
relevantespara ambos os departamentos são gravados em registros mestre compartilhados a
fim de evitar duplicação.
2.5.2 Conjunto de Funções
É possível criar e modificarosregistrosmestre utilizandogruposde dadosque diferemnonível
de detalhe.
Os principais registros mestre de parceiros de negócios que são clientes e fornecedores
apresentam as seguintes estruturas:
Dados gerais:
Os dados gerais não dependem da empresa, da organização de vendas e distribuição ou da
organização de compras. Esses dados são aplicáveis a um parceiro de negócios de todas as
empresas e em as áreas de vendas e organizações de compras. Eles incluem:
 Nome da sociedade
7
 Endereço
 Número de telefone
Os dados gerais não se limitam a informações utilizadas pela Contabilidade financeira e pela
Logística.O pontode descarga,por exemplo,é exclusivo paraumcliente e somenteé relevante
para Vendas e distribuição. No entanto, como não faz parte da organização de vendas e
distribuição da sociedade, não são considerados dados de vendas e distribuição, são dados
gerais.
Se o usuárioprocessarumregistromestre utilizandoonúmerode fornecedoroude clientesem
indicarumaáreade vendas,organizaçãode comprasouempresa,osistemaexibiráapenastelas
de dados gerais.
O departamentoque criao registromestre paraum parceirode negóciostambémentra dados
gerais.Se aContabilidadefinanceiracriaoregistromestre,devetambémentrarosdadosgerais,
como o endereço.Quando,porsuavez,a Logística entradados,os dadosgeraisdo parceirode
negócios já existem. A Logística pode exibir os dados gerais.
Dados da empresa:
Os dados da empresa se aplicam somente a uma empresa. São relevantes apenas para a
Contabilidade financeira e incluem:
 Dados de administração de conta
 Dados de seguros
Se o usuárioprocessarumregistromestre,deveráindicaro númerode fornecedoroucliente e
a empresa para acessar as telas que contêm os dados da empresa.
Somente é possível faturarumatransação comercial se os dadossobre a funçãodo parceirode
pagador forem entrados na visão Contabilidade financeira.
Dados de vendas e distribuição
Osdadosde umcliente podemserdiferentesparacadaáreade vendas.A áreade vendasé uma
combinação de organização de vendas, canal de distribuição e setor de atividade. Essesdados
são relevantes somente para Vendas e distribuição e incluem:
 Dados de determinaçãodopreço
 Prioridade de remessa
 Condiçõesde expedição
Se ousuárioprocessarumregistromestrede cliente,deveráentraronúmerode clientee aárea
de vendas para poder acessar as telas que contêm os dados de vendas e distribuição.
Somente é possível processartransaçõesde vendase distribuição,comoumaordemdocliente,
depois de entrar os dados de vendas e distribuição de um cliente.
Dados da organização de compras
Os dados de um fornecedor podem ser diferentes para cada organização de compras. Esses
dados são relevantes somente para Compras e incluem:
 Dados de compras
 Funçõesdoparceiro
 Outrosníveisde retençãode dadosdentroda organizaçãode compras
Alémdosdadosválidospara todaa organizaçãode compras, é possível entrarinformaçõesnas
telas Dados de compras e Funções do parceiro que são válidas apenas para um determinado
local ou subsortimento do fornecedor. Isso inclui condições de pagamento ou incoterms
8
diferentesdaquelesválidosparaaorganização de compras.Taisdadossãoretidosnosseguintes
níveis:
 Subsortimentodofornecedor
 Local
 Uma combinaçãoespecíficade subsortimentodofornecedore local.
2.6 Componentes SAP
Os principais componentes do Business Partner são:
 AP-BP: Business Partner Data Management;
 AP-MD-BP: Business Partner.
3 Estrutura do Business Partner
3.1 Conceito estrutural
Primeiramente,é de sumaimportânciaentenderaestruturaprincipal doBusiness Partnerpara
iniciar as configurações.
O Business Partner é composto das seguintes partes: Categoria, Agrupamento, Funções e
Sincronismo (CAFS).
A ilustração acima sumariza o necessário para entender e configurar o Parceiro de Negócio.
S
I
N
C
R
O
N
I
S
M
O
S
I
N
C
R
O
N
I
S
M
O
9
4 Configurações
4.1 Globais
4.1.1 Categorias do Parceiro de Negócio
O SAP oferece três categorias, a saber:
Pessoa: física ou privada individual. No Brasil, usamos para BP Pessoa Física.
Grupos: com um grupo representa-se uma comunidade viva, um casal ou um conselho
executivo.
Organização: representa uma Empresa, divisões de uma Empresa, um clube, uma associação.
No Brasil, usamos para o BP Pessoa Jurídica.
4.1.2 Funções do Parceiro de Negócio
Caminho no IMG:
São chamadasde funções ouroles asoperaçõescomerciaisque determinadoBPrecebeemseu
cadastro. Ex.: função de fornecedor e cliente.
As principais funções são:
000000 Parceiro de negócio geral: todo BP obrigatoriamente conterá essa função.Equivale os
dados gerais do parceiro (dados Gerais)
FLCU00 Cliente (visão Empresa)
10
FLCU01 Cliente (visão Vendas)
FLVN00 Fornecedor (visão Empresa)
FLVN01 Fornecedor (visão Compras)
BBP003 Centro(MM)
BUP003 Empregado (HCM)
Algumas funções utilizadas em TRM:
TR0150 Emitente
TR0151 Contraparte
TR0152 Banco de depósitos
TR0153 Banco pagador
Há funções específicas para determinadas atividades no SAP. Por exemplo: função HEA010
Médico, no qual o BP é cadastro na parte de Medicina no HCM, transação EHSBP11.
Há 115 funções standard:
Caso necessite criar funções, fazer como cópia de uma função equivalente.
11
Criando uma função:
Título: Nome curto da função
Denominação: nome completo da função
Ocultar: determina que a função não será exibida nas transações de negócios de BP
Categoria Função PN: categoria na qual a função será atrelada. Ex.: cliente visão de vendas,
fornecedor visão de empresa, etc. Obrigatoriamente a função terá uma categoria. Somente as
funções Parceiro Negócio Geral e FS0000 PN Financial Services não possuem categorias, pois
tratam-se das funções originárias do BP.
Visão PN: para criar uma visão, acessar a transação BUS3. A SAP contempla todas as visões
necessárias. Evite criar.
Item:asfunçõessãodemonstradasnastransaçõesde negóciodoBPporordemalfabética.Caso
deseja-se outra ordem, enumerar as funções (1, 2, 3, etc).
Ao iniciar a criação de um BP, tenha como padrão iniciar pela função 000000 Parceiro de
negócios geral. Todo BP criado sempre conterá as funções 000000 e FS0000.
12
Depoisde definidasasfunções, háascategoriasde função que servemparaagruparos tiposde
funções.
Além disso, parametrizar qual o tipo de categoria poderá utilizar determinada categoria de
função.
13
Dentro da categoria de função, ainda há a possibilidade de sinalizar a operação empresarial,
identificandoporobjetose administraçãogeral de status,quaisasfunções estãopermitidasou
proibidas.
Objeto BPUS: utilização do parceiro de negócios nas transações SAP (ex.: criar pedido de
compra).
Objeto CHAN: manutenção do BP nas transações próprias.
Exemplo: a categoria de função FLVN00 foi bloqueada para alterações.
Ao tentar modificar o BP que contenha a função FLVN00, demonstrará o ícone STOP, não
permitindoaalteraçãodoBP.Oícone ficaráindisponível.Se tentarincluirafunçãoFLVN00
também não será possível.
4.1.3 Agrupamento de funções
14
Caminho no IMG:
Nesta etapa, será definido o agrupamento de funções/roles na criação do BP.
Essa configuraçãofacilitaacriação doBP emum passopara o mesmorelacionamento
de negócio (ex.: agrupar as roles de fornecedor).
Para criarumagrupamentode funções,primeiramente parametrizaroagrupamentode funções
PN, conforme figura abaixo.
Na sequência, marcar o Agrupamento de funções e selecionar Agrupamento de funçõesPN ->
funçõesPN.Nestaetapa,informam-se asfunções/roles que serão inseridas no agrupamento.
15
O terceiro passo será criar a categoria de agrupamento de funções PN:
O último passo, será retornar ao Agrupamento de funções PN e atrelar a categoria de
agrupamento. Marcar o agrupamento e clicar em :
Informar a Categoria de agrupamento de funções:
16
Ao criar um BP, selecionara funçãoagrupada.Destamaneira,o BP será criado emuma etapa:
dados gerais, dados de Empresa e dados de Compras ou Vendas, conforme o agrupamento
proposto.
4.1.4 Grupo de exclusão de funções
Ao criar um BP com determinada função, serão excluídas as que não podem ser transferidas
para esse BP.
Por meio da exclusão, portanto, assegura-se que o PN não assumirá simultaneamente
determinadas funções.
17
Caminho no IMG:
Primeiro passo: criar o grupo de exclusão. Ir em Entradas Novas e criar o grupo de exclusão.
Nesta etapa, somente será criado o grupo.
Segundopasso:marcaro grupo criadoe clicar emGruposde exclusãode funçõesPN ->funções
PN.Nestaetapa,serãoinformadasasfunçõesaseremtratadasnogrupo de exclusão. Clicarem
Entradas novas e informar a função desejada.
Aqui foram cadastradas três funções, mas pode ser mais.
18
Aconselhável cadastrar um limite de três funções para melhor gerenciamento do
processo empresarial de manutenção de um BP.
Terceiroe últimopasso:determinarapossíveltransiçãode função.IremGrps.exclusãofunções
PN -> transaçõespermitidas.ClicaremEntradasnovase entrar a função que será“transferida”
à outra função. A funçãooriginal deixaráde existirnocadastrodoBP e a novaestará disponível
para complementar os dados cadastrais.
4.1.5 Definir transações de aplicações
Nesta etapa, pode-se atribuir uma categoria ou função para ser iniciada na transação de
negócio. Casonãosejainformadaafunçãooucategoria,oSAPexibiráafunção000000 Parceiro
negócio geral.
Verifique a real necessidade de configurações. Dê preferência, não alterar.
19
4.1.6 Notas
4.1.6.1 Conceito
Notas são criadas quando necessita-se informar dados complementares sobre determinado
tema de interesse da Companhia.
No standard temos as notas Correspondência, Contabilidade e Marketing. Encontram-se na
visão Controle no cadastro do BP.
Essa configuração não é relevante se estiver sendo utilizado o CRM.
4.1.6.2 Configurações de notas
4.1.6.2.1 Definir visões de nota
Caminho no IMG:
Clicar em Entradas Novas:
20
Entrar os seguintes dados:
Nome visão de nota: nome da nota;
Objeto: nome da tabela BUT000 (tabela central);
ID: númeroda sequênciade IDda tabela.Paraverificara sequência,acessara transação SE75 -
> Objetos de textos e ID -> Exibir -> Localizar a tabela BUT000 (dar duplo clique).
4.1.6.2.2 Atribuir funções a visões de nota
Caminho no IMG:
21
Selecionar o objeto BUPA:
Entrar os dados:
Função: selecionar a função pretendida;
Visão nota: informar o nome da nota criada no passo 4.1.6.2.1.
4.1.7 Intervalos de numeração
4.1.7.1 Definir intervalo de numeração
Caminho no IMG:
22
Via transação: BUCF
Objeto de numeração: BU_PARTNER.
Criar agrupamentos para vincular os intervalos de numerações.
A SAP fornece como principais agrupamentos:
 0001 Atribuição interna de nºs;
 0002 Atribuição externa de nºs.
Importante:
1. Verificar e, se necessário, modificar os agrupamentos fornecidos;
2. Ao definir novos agrupamentos, determinar os respectivos intervalos de numeração;
3. É possível determinar agrupamentos standard para a atribuição interna de números e a
atribuição externa de números.
23
Agrupamentos standard, onde:
 Agrupamento: código do agrupamento;
 Denominação breve: nome breve do agrupamento;
 Denominação: texto longo do nome do agrupamento;
 IntervNum: informar o intervalo de numeração parametrizado na transação BUCF;
 Externo: indica se o intervalo de numeração é externo ;
 AgrupPadrãoInt.: determinará o range de numeração quando não informar o
agrupamento e código do BP no processo de criação;
 Agrup.stndext.: determinará o range de numeração quando não informar o
agrupamento, mas será entrado código do BP no processo de criação;
 Ocultar: determina que o agrupamento não ficará visível (disponível) na transação de
negócio. Ex.: BUP1, BP.
Usar os agrupamentos 0001 e 0002 para cliente e fornecedor.
BP significacadastroúnico,portanto,evitarcriarranges diferentesparafornecedore
cliente.
4.1.8 Tipos de parceiro de negócio
Com os tipos de parceiro de negócios, pode-se dividir os parceiros de negócios livremente.A
cada parceirode negóciospode seratribuídoumtipode parceirode negócios duranteacriação
e/ou modificação do BP.
Com o tipo de parceiro será possível visualizar ou ocultar campos nas transações de Business
Partner (criar, modificar e exibir).
24
Caminho no IMG:
4.1.9 Modificações de status campos no cadastro
Nestaetapa,serãoverificadasasparametrizaçõesdisponíveisparamodificar ostatuscampodo
cadastro do BP.
Caminho no IMG:
As opções são as seguintes:
 Por mandante: através das opções de objetos de aplicações;
Por função: utilizando-se de categoria de função;
 Por atividade: operações cadastrais de criar, modificar, exibir e eliminar um BP;
25
 Por tipo de parceiro de negócio: através dos grupos de parceiros de negócios
parametrizados conforme item 4.1.8 deste documento.
Todos os campos veem com status não especificado, equivalente ao facultativo. Caso a
configuração do status campo não resulte no esperado, checar a transação BUS2 e localizar o
grupo de campos a qual pertence o campo alterado na configuração de Modificações de
campos, via SPRO. IMPORTANTE !!!!!
MDS_BPO2 – PostProcessing Desktop busca da BUS2 na hora de fazer os checks entre o
clássico e o BP.
4.1.10 Determinação de endereço
No cadastro do BP, pode-se cadastrar um ou vários endereços. Caso tenha somente um
endereço este será utilizado em todos cenários de negócios que utilizem tal informação. Se o
Parceiro de Negócio possuir mais de um endereço é possível definir qual será usado, por
exemplo, como endereço de entrega.
4.1.10.1 Definir operações
Caminho no IMG:
26
Denomina uma operação empresarial que é utilizada como base para a determinação de
endereços.
As operações disponíveis são:
 BBP000 Enviar pedido
 BBP001 Receber mercadorias
 BBP002 Receber fatura
 BBP003 Enviar mercadorias
 BBP004 Enviar fatura
 BBP005 Distribuir mercadorias (interno)
 XXDFLT Standard
4.1.10.2 Definir tipos de endereço
Nesta etapa, são atualizados os tipos de endereço necessários para determinadas operações
empresariais. O tipo de endereço e o tipo de endereço standard são relevantes para a
Determinação de endereços.
27
Para criar um tipo de endereço clicar em Entradas novas e entrar os dados:
 Tp. Ender.: código do tipo de endereço;
 Denominação: descrição do tipo de endereço. Ex.: Cobrança do cliente;
 Várias utilizações: indica mais de uma utilização do tipo de endereço que poderá ser
atualizada por parceiro de negócios.
Importante: a SAP fornece o seguinte tipo de endereço: XXDEFAULT. Demais são utilizados
principalmente no CRM:
Destaforma,somente seráusadootipode endereçostandard XXDEFAULT.Casonecessitecriar
tipo de endereço para determinação automática para algum cenário de negócio, será preciso
desenvolver.
28
4.1.10.3 Atribuir operação ao tipo de endereço
Configuração proposta para atribuir as operações predefinidas a tipos de endereço para
determinação do endereço.
As operações que fazem parte do sistema standard não podem ser modificadas.
Exemplo: cadastro do BP.
29
Aocadastrar um novoendereço,atualizaadatade validade doantigo.NocadastrodoBP,visão
Síntese de endereços, selecionar o endereço para alterar a data de validade.
Novo endereço criado, conforme exemplo:
Para criar um novo endereço, basta clicar em .
Na sequência, atribuir o novo endereço, ao Endereço standard:
30
Para inserir o novo endereço, marcar a pasta do endereço e clicar . Selecionar o novo
endereço e salvar. Neste momento, os dados do novo endereço serão demonstrados na visão
Endereço.
31
4.1.11 Origem dos dados
Caminho no IMG:
Configuração meramente informativa para identificar a origem dos dados do Parceiro de
Negócio.
Opções disponíveis no SAP standard:
Em geral, utiliza-se para identificar os BP oriundos dos sistemas legados (carga de dados).
32
4.1.12 Números de identificações e fiscais
4.1.12.1 Números de identificações
Os números de identificações são informações sobre documentos pessoais (ex.: carteira de
trabalho, passaporte) ou escriturais (registro na Junta Comercial, autorizações legais tipo
IBAMA) atribuídos para um Parceiro de Negócio.
Pode-se atribuir exatamente um tipo de identificação a uma categoria de identificação.
4.1.12.1.1 Definir as categorias de identificação
Caminho no IMG:
Para criar basta selecionar Entradas novas:
33
Entrar os dados:
 Tipo ID: código da categoria de identificação;
 Denominação: descrição da categoria de identificação;
 ID unívoco: se este código estiver definido, verifica-se, ao se criar ou modificar um
númeroIDdeste tipo,se estenúmerojáestáatribuídoaumoutroparceirosobomesmo
tipo ID. Exemplo: mensagem de erro gerada na transação BP.
 Só exibição: em geral, somente as categorias do CRM já vem com essa característica
configurada. Essas categorias são somente cadastradas no PN diretamente no CRM.
34
 1 IDpor PN:ao configuraressaopção,somente pode-seutilizarumnúmerode IDdeste
tipo por Parceiro de Negócio.
Exemplo:
Mensagem de erro gerada na transação BP.
A categoria BKK100 Nº de identificação do credor somente será utilizado quando o
componente EA-FINSERV estiver instalado (nota 1271881).
4.1.12.1.2 Definir tipos de identificação
Caminho no IMG:
35
Clicar em Entradas novas:
Entrar os seguintes dados:
36
 Tipo ID: código do tipo de identificação. Usar o mesmo código do Tipo de ID
(configuração anterior);
 Denominação: descrição breve do tipo de identificação;
 Tipo de ID: selecionar o Tipo de ID (configuração anterior);
 Propor tipo ID: propõe automaticamente o ID ao cadastrar um Parceiro de Negócio;
 Tipo de identificaçãorelevante paracategoriasPN:quaisas categoriaspoderãoutilizar
o Tipo de ID.
4.1.12.2 Números de identificações fiscais
Registros que identificam as inscrições de cunho tributário e legal, como: CNPJ,CPF, Inscrição
Municipal e Inscrição Estadual. O número de identificação fiscal é decisivo para replicar
parceiros de negócios em registros mestre de clientes ou de fornecedores no SAP ECC. Este
controla em que campo de número de identificação fiscal no mestre de clientes ou de
fornecedores será replicado este número de identificação fiscal.
Os tipos de identificações possuem três caracteres compostos pelo código ISO do País e um
número sequencial. Para o Brasil, há os tipos standard:
Código identificação fiscal Denominação
Campo equivalente clássico
cliente/fornecedor
BR1 CNPJ STCD1
BR2 CPF STCD2
BR3 Inscrição Estadual STCD3
BR4 Inscrição Municipal STCD4
37
4.1.12.2.1 Criar identificação fiscal
Para criar uma identificação fiscal, acessar a transação SM30 e chamar a view
V_TFKTAXNUMTYPE. Clicar em atualizar.
Proceder com a criação clicando em Entradas Novas.
38
Onde:
 Categoria do imposto: definir código;
 Nome: denominação da categoria de imposto;
 Denominação da função: entrar BUPA_TAX_NUMBER_CHECK quando necessita-se
verificar critérios de duplicidade.
As funções que validam as categorias de impostos no Brasil são:
 TAX_NUMBER_CHECK_GENERIC: Inscrição Estadual
 BUPA_TAX_NUMBER_CHECK_DUPL
Caso necessário configurar uma nova categoria, manter o padrão dos primeiros
caracteres do código ISO do País, portanto, BR e o sequencial numérico no terceiro dígito.
A configuração do código ISO encontra-se: SAP NetWeaver -> Configurações gerais -> Definir
países -> Definir países em sistemas mySAP.
Regras de cálculos para as Inscrições Estaduais no SAP:
39
Em todo projeto, sempre revise com a área Fiscal se ocorreram mudanças nos cálculos dos
dígitos das Inscrições Estaduais.
4.1.12.2.2 Ativar controle de duplicidade
Nesta atividade, cadastrarmos as Identificações Fiscais para controle da duplicidade entre os
Parceiros de Negócios.
Caminho no IMG:
40
Clicar em Entradas novas e cadastrar o Tipo de Identificação Fiscal. Na coluna Controle
duplicados, a opção ON ativa o controle de duplicados, se OFF, desliga.
41
4.1.13 Horário comercial
Nocadastrodo BusinessPartneré possíveldefinirhorárioscomerciais.Informaçõesmeramente
informativas.
Caminho no IMG:
42
Ativar as opções de Regras para determinação de horários comerciais:
4.2 Pessoas
4.2.1 Componentes do nome
Configurações que permitem informar dados que complementam o nome da Pessoa.
4.2.1.1 Componentes do nome
Caminho no IMG:
Na opção Atualizar títulos acadêmicos são cadastrados os títulos para serem atribuídos ao
Parceiro de Negócio.
Caso necessário, é possível criar novos títulos acadêmicos.
43
Exemplo:
Em Atualizarcomplementode nomes,identificam-se ostiposde complementosparatítulosde
nobreza ou expressões que expressemcerto grau de cordialidade ao Parceiro de Negócio (ex.:
Excelentíssimo).
Caso necessário, é possível criar novos complementos de nomes.
44
Exemplo de complemento de nome:
A últimaopção,trata dosPrefixosde nomes, ou seja, do complemento de títulos de nobreza.
45
ATENÇÃO:casoomódulode Administraçãode Pessoal (HCM) configureComplemento
de nomes e títulos acadêmicos, importante na parte de Business Partner, manter as mesmas
codificações.
4.2.2 Estado civil
Caminho no IMG:
46
São fornecidos os Estados civis abaixo:
Se necessário cadastrar, basta clicar e, Entradas novas.
ATENÇÃO:oscódigosde EstadoscivisdoBusinessPartnerdevemserobrigatoriamente
os mesmos cadastrados na Administração de Pessoal (HCM).
47
4.2.3 Profissões
Cadastrar profissões para complementar cadastro do Parceiro de Negócio.
Caminho no IMG:
Caso necessário, é possível cadastrar profissões, basta clicar em Entradas novas.
48
4.3 Organizações
4.3.1 Atualizar sistemas setoriais e setores industriais
Nestaatividade,sãocadastradosos agrupamentose categorizaçãode váriossetoresindustriais
emum grupo,ouseja,ramosde negóciosque permitemcriardiferentesgruposde Parceirosde
Negócios.
Pode-se atribuir um ou mais setor industrial ao Parceiro de Negócio, identificando o padrão
(principal). Essa opção é somente para Organizações.
Também é possível definir um sistema industrial próprio,com as características de negócio da
Empresa, definindo-o como padrão.
Caminho no IMG:
Paracriar umnovoSistemadesetorindustrial,clicaremEntradasnovase defini-locomopadrão.
Após a criação do Sistema de setor industrial, cadastrar os setores clicando em :
49
O SAP oferece o Sistema setorial “Sist.setor industrial standard” (código 0001) com 99 setores
industrias, a saber:
Dica: não alterar o agrupamento 0001 standard.
50
Exemplo no cadastro do Business Partner:
Ao abrir o mathcode, selecionar o setor principal do Parceiro de Negócio:
51
4.3.2 Atualizar formas jurídicas
As formasjurídicas caracterizama forma que umapessoajurídica se representa na sociedade.
Caminho no IMG:
Para criar basta clicar em Entradas novas.
Nota:as denominaçõesdasformasjurídicasdevemsertraduzidas e adaptadas.Estãonoidioma
Alemão.
 AS: Sociedade Anônima (S/A)
 Lda.: Limitada (Ltda.)
 KGaA: Sociedade em comandita por ações
 GmbH: Sociedade de responsabilidade limitada
 KG: Sociedade limitada
 OGH: Parceria geral, sem capital mínimo
52
Formas jurídicas mais usuais no Brasil:
 Sociedade por quotas de responsabilidade limitada: são aquelas constituídas através
de Contrato Social, sendo seu Capital Social representado por quotas. A
responsabilidade dos sócios quotistas no investimento é limitada ao montante do
Capital Social investido,razãopelaqual é a formamais comumde constituiçãojurídica
de empresas no País. As sociedades por quotas se individualizarão por firma ou
denominação.A primeirase caracterizapelaexpressãoemseunomeaoiníciodonome
de umou mais quotistas,porextensoouabreviadamente,terminandocomaexpressão
"& Cia. Ltda.",enquantoque na Denominaçãodar-se-áporconhecero objetosocial no
nome da empresa, seguindo-se da expressão "Ltda" ao final.
 Sociedades Anônimas: sociedades cujo Capital Social é representado por Ações, que
podem ser Ordinárias ou Preferenciais. A expressão S/A também pode ser substituída
peladenominaçãoCOMPANHIA apresentadonoiníciodonome daempresa. A principal
característica dessas sociedades é que o Capital Social é representado por Ações, a
Responsabilidade dosAdministradoresé ilimitada,aDireçãoda empresatemmandato
definidoemtermosde tempo,de acordo com o Estatuto Social. Todas as Empresasde
Capital Aberto (ações em bolsa de valores) e Instituições Financeiras são
obrigatoriamente Sociedades por Ações, existindo ainda aquelas denominadas
SociedadesAnônimasde Capital Fechado(semaçõesnegociadasembolsade valores).
 Sociedade emNome Coletivo:deve serconstituídasomente porpessoasfísicas,sendo
que todos os sócios respondem solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais. A
firma ou razão social devem figurar apenas os sócios comanditados, sob pena de
responsabilidade solidária e ilimitada do sócio que constar na razão social.
 Sociedade em Comandita Simples: possui dois tipos de sócios comanditados: pessoas
físicas, responsáveis solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais; e os
comanditários, obrigados somente pelo valor de sua quota.
 Sociedade emComanditapor Ações:temo capital divididoemações,regendo-sepelas
normasrelativasàs sociedadesanônimas.Nadenominaçãoounome fantasia,firmaou
razão social, devem ser acrescidas da expressão "Comandita por Ações" ou "C/A".
 Autônomo:é oprofissionalliberal quenãocaracterize atividadeprópriade empresário.
Segundo o código civil, os autônomos são profissionais que exercem profissão
intelectual,de naturezacientífica,literáriaouartística,mesmose contarcom auxiliares
53
ou colaboradores. Como exemplo, atividades próprias de médicos, dentistas,
advogados, engenheiros, arquitetos, contabilistas, etc.
 Micro Empreendedor Individual: é a pessoa que trabalha por conta própria e que se
legaliza como pequeno empresário. Para ser um MEI, é necessário faturar no máximo
até R$ 60.000,00 poranoe nãoterparticipaçãoemoutra empresacomosóciooutitular.
4.3.3 Atualizar entidades jurídicas
As pessoas jurídicas são as organizações legalmente responsáveis por empresas juridicamente
dependentes. No caso de Parceiros de Negócios da categoria Organização, pode-se indicar a
pessoa jurídica da empresa. Esta só é utilizada a título informativo.
Conforme o artigo 40 do Código Civil brasileiro de 2002, as Pessoas Jurídicas (admitidas pelo
Direito brasileiro) são de direito público (interno ou externo), como fundações públicas e
autarquias, e de direito privado, como associações e organizações religiosas. As primeiras
encontram-se no âmbito de disciplina do direito público, e as últimas, no do direito privado.
Para criar novas Pessoas Jurídicas, basta clicar em Entradas novas.
Onde:
 Pessoa Jurídica: código da Pessoa Jurídica
 Denominação: descrição da Pessoa Jurídica
 Direito privado: indica que a instituição é de direito provado.
São cadastradas no Parceiro de Negócios a título informativo.
54
4.4 Grupos
4.4.1 Definir tipos de grupos
Parceirode negócioscompostoporvárias categoriasde PessoasouOrganizações. Nosparceiros
de negócios da categoria Grupo, pode-se especificar o tipo de grupo que se trata. Exemplos:
 Casal
 Domicílio
 Apartamento compartilhado
 Associação de advogados
Caminho no IMG:
A SAP fornece os tipos de Grupos 0001 e 0002. Para novos Grupos, clicar em Entradas novas.
Na transação cadastral, o campo encontra-se na visão Identificação.
55
Campo meramente informativo.
4.5 Relações entre Parceiros de Negócios
Um Parceirode Negóciostemcontatocomoutros Parceirosde Negócios.Essasrelaçõespodem
assumircompletamentediferentesformas(porexemplo,pessoade contato,de relacionamento
organizacional). Dados meramente informativos.
Se esta relação é definida num dos registos mestres do Parceiro, a relação correspondente é
definida automaticamente pelo sistema.
Ilustrando:
56
4.5.1 Configurações do Relacionamento
4.5.1.1 Configurações globais
Caminho no IMG:
4.5.1.1.1 Definir intervalos de numeração
Transação: BUB9
Não há necessidade de criar ranges.
4.5.1.1.2 Características das categorias de relação dos PN
Primeiramente,acessaratransaçãoBUBA para verificare analisarostiposde relaçõesstandard.
São, ao todo, 27 tipos de relações disponíveis. Ao criar, escolha o tipo de relação o mais
semelhante possível.
57
Nostiposde relaçõessãoconfiguradasascategoriasquepoderãoutilizá-los,assimcomo,definir
o número de vezes possíveis que poderá ser cadastrado no BP.
A próximaconfiguraçãoseránoSPRO Característicasdascategoriasde relaçãodosparceirosde
negócios, onde é possível alterar o nome do tipo de relacionamento, ocultar e indicara
posicionamentos na tela da transação BP.
58
5 CVI – Customer, Vendor Integration
5.1 Introdução ao Sincronismo
Atravésda “vinculação”dosagrupamentos(Parceirosde Negócio) e/oufunçõescomosgrupos
de contas (clientese fornecedores),define-se comoseráfeitaareplicaçãode dadosentre eles:
 BP -> Fornecedor
 Fornecedor -> BP
 BP -> Cliente
 Cliente -> BP
59
Onde:
 BP: cadastro do Parceiro de Negócio
 CVI: sincronismo com as tabelas de fornecedor e clientes do modo clássico
 LF: tabelas dos dados mestres de fornecedores do modo clássico
 KN: tabelas dos dados mestres de clientes do modo clássico
A sincronização trata da replicação de dados entre Business Partner com Cliente e Fornecedor
e, vice-versa.
Para a construção da replicaçãoatravésdoCVI,deve-se obrigatoriamente teraestruturado BP
completa, ou seja, o CAFS configurado.
Lembrando: CAFS -> Categoria + Agrupamento + Funções + Sincronismo.
5.2 Etapas preparatórias para sincronização de dados mestres
5.2.1 Objetos de autorizações
Para que uma sincronizaçãode dadosmestre possaserexecutada,é necessáriocertificar-sede
que existem as seguintes autorizações no perfil de usuário:
 Autorizações gerais:
o Autorização para o cockpit de sincronização (objeto de autorização MDS_LOAD);
o Autorização para o Post Processing Office (objeto de autorização MDS_LOAD)
o Autorizações para processamento do objeto de origem e de destino
 Autorizações para a integração cliente/fonecedor
o Autorizações para execução de atividades do customizing (objeto de autorização
CVI_CUST)
o Autorizações para execução do report do customizing no cockpit da sincronização
(objeto de autorização CVI_CUST)
CVI
BP
KN
LF
60
5.2.2 Controle de sincronização
O controle de sincronização consiste na ativação do Post Processing Office (PPO) e no registro
de filas para processamento em background.
5.2.2.1 Post Processing Office (Componentes Empresariais)
Como o Post Processing Office para a sincronização de dados mestre está ligado por meio do
cockpit de sincronização, é necessário garantir que a criação de ordens de pós-processamento
foi ativadapara os processosempresariaisdocomponentede software AP-MD.Casocontrário,
não serápossível executar uma primeira sincronização por meio do cockpit de sincronização.
CaminhonoIMG:
Na primeiraconfiguraçãodosincronismo,serãoativadososcomponentesdosprocessos
empresariais,ouseja,ossentidosdareplicaçãode dados.
61
 CVI_01 Cliente ->Parceirode negócios
 CVI_02 Fornecedor->Parceirode negócios
 CVI_03 Parceirosde negócios ->Cliente
 CVI_04 Parceirosde negócios ->Fornecedor
5.2.2.2 Objetos de sincronização
Nesta atividade são exibidos os objetos de sincronização fornecidos pela SAP para a
sincronização de dados mestre e, se necessário, poderão ser criados objetos de sincronização
próprios. No entanto, esta atividade IMG é essencialmente utilizada para obter detalhes,
enquanto administrador de sistema, sobre os objetos de sincronização fornecidos pela SAP.
Detalhes importantes são a classe do extrator para o objeto de sincronização, se o objeto for
utilizadocomoobjetode origememumprocessode sincronização,e o tamanhodo blocopara
o processamento em background da sincronização em massa no âmbito de uma primeira
sincronização.
Caminho no IMG:
62
Os principais objetos para o sincronismo são: BP, CUSTOMER e VENDOR.
As colunasplataformase tamanhodoblocoreferem-seàsfilas de processamento das ordens.
ATENÇÃO: A SAP recomenda a utilização dos objetos de sincronização fornecidos no
sistemastandard.A criaçãode objetosde sincronizaçãoprópriosnoespaçode nomesde cliente
exige muita programação adicional.
5.2.2.3 Ativar ordens PPO para objetos de plataforma em diálogo
Selecionar para cada objeto de plataforma se deve ser escrita uma ordem de processamento
posterior em caso de erro no sincronismo.
Caminho no IMG:
63
Ativarosobjetosdesincronizaçãoparagerarordensde processamentoposterior.Independente
dos sentidos de sincronismo configurados, os três objetos abaixo deverão estar ativados.
5.2.2.4 Ativar opções de sincronismo
Nestaetapa,ativam-seossentidosque osincronismoiráreplicarosdadosconformeoprocesso
de negócio.
Caminho no IMG:
Naconfiguraçãoaseguir,somenteosentidodoCVIdoBPparaclientee fornecedorestá ativado,
ou seja, único sentido:
64
Na configuração abaixo, constam todos as opções de sincronismo ativadas.
5.2.2.5 Registro de filas para processamento em background
Certificar-se de que as filas para o processamento em background dos processos de
sincronizaçãoforamregistradase ativadas emconformidade.Comoas filasno processamento
embackgrounddosprocessosde sincronizaçãoindividuaissãonumeradasemumaexecuçãode
sincronização,osnomesdasfilastêmde serregistradosde umaforma genéricainserindoum*
no fim do nome da fila.
Acessar a transação SM30 e informar o objeto MDSV_CTRL_OPT. Somente checar se as
configurações estão conforme print Modificar visão “Opções de sincronização”: síntese:
65
Uma opçãode sincronizaçãorepresentaumacombinaçãode um objetode sincronizaçãofonte
e um objeto de sincronização de destino.
5.3 Sincronização de Parceiro de Negócios, clientes e fornecedores
5.3.1 Etapas preparatórias para integração cliente-fornecedor
5.3.1.1 Módulos de funções
Caminho no IMG ou transação BUPA_CALL_FU:
66
No âmbito da sincronização de dados mestre, certificar-se de que os seguintes módulos de
função foram registrados e ativados para fusão de dados do parceiro de negócios e relações
entre parceiros de negócios.
Momento Objeto Módulo de função
MERGE BUPA MERGE_BUPA_CENTRAL
MERGE BUPA MERGE_BUPA_FINSERV
MERGE BUPR MERGE_BUPR_CENTRAL
Na parte da sincronização dos dados mestre do parceiro de negócios, certificar-se de que o
módulo de função, que criou a ligação entre o processamento do parceiro de negócios e o
controlador, foi registrado e ativado.
Momento Objeto Módulo de função
BPOUT BUPX MDS_BUPA_OUTBOUND
67
5.3.1.2 Campos obrigatórios para Parceiros de Negócios, cliente e fornecedor
Nasincronizaçãodos dadosmestrecertificar-se de que,duranteasincronizaçãode doisobjetos,
todos os campos obrigatórios do objeto de destino são preenchidos com base no objeto de
origem. Se necessário, ajustar o customizing de campos obrigatórios em ambos os objetos e
definir um mapeamento independente.
Nota: Os paresde termosCliente/Devedore Fornecedor/Credorsãoutilizadoscomosinônimos
na sincronização de dados mestre e podem substituir-se um ao outro na documentação.
5.3.2 Sincronismo para integração entre Parceiro de Negócio e cliente
O conjuntode configuraçõesaseremdemonstradasnasequenciaservirãoparaparametrizaros
dois sentidos de sincronismo entre BP X Cliente X BP.
Caminho no IMG:
5.3.2.1 Definir categoria da função PN p/direção parceiro de negócios para cliente
68
Nestaatividadede configuração é possíveldeterminarquaisascategoriasde funçãoParceirode
Negócio que permitem a integração de clientes na direção do parceiro de negócios para o
cliente. É determinadoo modo como deve ocorrer a criação de um cliente correspondente na
Contabilidade Financeira durante o processamento de parceiros de negócios.
As categoriasde função PN entradas nestaatividade sãodo devedor (cliente),ouseja,durante
o processamento de parceiros de negócios na respectiva função PN deve ser considerada a
integração de devedores. Também é possível determinar se a função de parceiro de negócios
atribuída à categoria de função PN é facultativamente do devedor
Na configuração as principais categorias são FLCU00 (cliente dados de Empresa) e FLCU01
(cliente dados de vendas).
Detalhes das categorias de funções:
69
5.3.2.2 Determinar função PN para sentido cliente - Parceiro de Negócios
Nesta atividade são atribuídas ao Grupo de contas do registro mestre de cliente as Funções
Parceiros de Negócios, nas quais o Parceiro de Negócios deve ser criado durante o
processamento de clientes.
O Parceiro de Negóciosé criado durante o processamentodocliente,noâmbitoda integração
de clientes, com o grupo de contas correspondente nas funções do Parceiro de Negócios
atribuídas a este grupo de contas.
Pré-requisitos
No customizing da Contabilidade Financeira foram determinados os grupos de contas e os
intervalos de numeração atribuídos aos grupos de contas para criar contas de cliente. Estas
configurações são efetuadas nas seguintes atividades IMG:
 Definirgruposde contascom estruturade tela(clientes)
 Criar intervalosde numeraçãoparacontasde cliente
70
 Atribuirintervalosde numeraçãoagruposde contas para clientes
5.3.2.3 Determinar atribuição de números para direção Parceiro de Negócios para cliente
A partirdestaconfiguração sãoatribuídos osgruposde contas do registromestre de cliente aos
agrupamentos doParceirode Negóciosparapossibilitara atualizaçãosimultâneadocliente no
quadroda integraçãode clientesdurante oprocessamentode Parceirosde Negócios.Comesta
atribuiçãoé determinadose oregistromestre de clienteé criadocomum grupo de contas com
atribuição interna ou externa de números ou também com igualdade numérica.
Desse modo,noquadroda integraçãocliente-fornecedor,é utilizadoomesmonúmeroque o
númerode Parceirode Negócios emprocessamentodurante acriação doregistromestre de
cliente/registromestre do fornecedor.
Nesse casoé obrigatório que:
 Intervalosde numeraçãodocliente (XDN1) e doParceirode Negócios (BUCF) tenhama
mesmaárea
 Definidaaatribuiçãoexternade númerosnacontabilidadefinanceira(FI)
Exemplos:
BUCF – intervalo01
XDN1
71
Pré-requisitos
Foram definidose atribuídosintervalosde numeraçãoe agrupamentosparao parceirode
negócios.Estasconfiguraçõessãoefetuadasnasseguintesatividades noSPRO:
 Definirintervalosde numeração
 Definiragrupamentose atribuiraintervalosde numeração
No customizing da Contabilidade Financeira foram determinados os grupos de contas e os
intervalos de numeração atribuídosaos grupos de contas para a criação de contas de clientes.
Estas configurações são efetuadas nas seguintes atividades IMG:
 Definirgruposde contascom estruturada tela(clientes)
 Criar intervalosde numeraçãoparacontasdo cliente
 Atribuirintervalosde numeraçãoaosgruposde contas para clientes
5.3.2.4 Determinar distribuição números para sentido cliente - Parceiro de Negócios
Os agrupamentos do Parceiro de Negócios são atribuídos aos grupos de contas do registro
mestre de cliente para, durante o processamento de clientes, possibilitar a atualização
simultânea do Parceiro de Negócios no âmbito da integração de clientes.
Com esta atribuição seleciona-se se o registro mestre de cliente será criado com um grupo de
contas com atribuição de números interna ou externa ou igualdade de números.
72
Pré-requisitos:sãoosmesmosdocumentadosnoitem5.3.2.3.
5.3.3 Sincronismo para integração entre Parceiro de Negócio e fornecedor
O conjuntode configuraçõesaseremdemonstradasnasequencia servirãoparaparametrizaros
dois sentidos de sincronismo entre BP X Fornecedor X BP.
Caminho no IMG:
73
5.3.3.1 Definir categoria da função PN p/direção parceiro de negócios para fornecedor
Aqui sãodeterminadas quaisascategoriasde funçãoPN que permitema integraçãode credores
(fornecedor) na direção do Parceiro de Negócios para o fornecedor. É determinadoo modo
como deve ocorrera criação de um credorcorrespondente nacontabilidadefinanceiradurante
o processamento de Parceiro de Negócios.
Ascategoriasde funçãoPN entradasnessaatividadeIMGsãoda parte credora,ouseja,durante
o processamento de Parceiro de Negócios na respectiva função PN deve ser considerada a
integração de credores. Na atividade IMG é possível determinar se a função de Parceiro de
Negócios atribuída à categoria de função PN é obrigatoriamente da parte credora ou
facultativamente da parte credora.
As principais categorias de função são FLVN00 (fornecedores dados de Empresa) e FLVN01
(fornecedores dados de compras).
Detalhes das categorias de funções:
74
5.3.3.2 Determinar função PN para sentido fornecedor - parceiro de negócios
No customizing função PN sentido fornecedor para PN são atribuídas ao Grupo de contas do
registro mestre de fornecedor Funções PN, nas quais o Parceiro de Negócios deve ser criado
durante o processamento de fornecedores.
O Parceiro de Negócios é criado durante o processamento do fornecedor, no âmbito da
integraçãode fornecedores,comogrupode contascorrespondentenasfunçõesdoparceirode
negócios atribuídas a este grupo de contas.
Pré-requisitos
No customizing da Contabilidade Financeira foram determinados os grupos de contas e os
intervalos de numeração atribuídos aos grupos de contas para criar contas de fornecedores.
Estas configurações são efetuadas nas seguintes atividades IMG:
 Definir grupos de contas com estrutura da tela (fornecedores)
 Criar intervalos de numeração para contas de fornecedores
 Atribuir intervalos de numeração a grupos de contas para fornecedores
75
5.3.3.3 Determinar atribuição números para direção Parceiro de Negócios para fornecedor
Nesta atividade são atribuídos grupos de contas do registro mestre de fornecedores aos
agrupamentos do parceiro de negócios de modo a possibilitar a atualização simultânea do
fornecedor durante o processamento de Parceiros de Negócios no quadro da integração de
fornecedores.Mediante estaatribuiçãoé determinadose o registromestre de fornecedoresé
criadocomumgrupode contascomatribuiçãointernaouexternade númerosoucomigualdade
numérica.
Nesse casoé obrigatório que:
 Intervalosde numeraçãodo fornecedor(XKN1) e doParceirode Negócios (BUCF) tenham
a mesmaárea
 Definidaaatribuiçãoexternade númerosnacontabilidadefinanceira(FI)
Exemplos:
BUCF – intervalo01
XKN1
76
Pré-requisitos
Foram definidose atribuídosintervalosde numeraçãoe agrupamentosparao parceirode
negócios.Estasconfiguraçõessãoefetuadasnasseguintesatividades noSPRO:
 Definirintervalosde numeração
 Definiragrupamentose atribuiraintervalosde numeração
No customizing da Contabilidade Financeira foram determinados os grupos de contas e os
intervalos de numeração atribuídos aos grupos de contas para a criação de contas de
fornecedores. Estas configurações são efetuadas nas seguintes atividades IMG:
 Definirgruposde contascom estruturada tela(fornecedor)
 Criar intervalosde numeraçãoparacontasdo fornecedor
 Atribuirintervalosde numeraçãoaosgruposde contas para fornecedor
5.3.3.4 Determinar distribuição de números para sentido fornecedor - parceiro de negócios
Os agrupamentos do Parceiro de Negócios são atribuídos aos grupos de contas do registro
mestre de fornecedorpara,duranteoprocessamentodefornecedores,possibilitaraatualização
simultânea do parceiro de negócios no âmbito da integração de fornecedores. Com esta
atribuiçãoé selecionadose oregistromestrede fornecedorserácriadocomumgrupode contas
com atribuição de números interna ou externa ou igualdade de números.
77
5.3.4 Demais objetos de sincronização
Nestas configurações serão documentados os objetos que serão sincronizados com cliente e
fornecedor junto ao Parceiro de Negócios. Observar que as configurações atenderão os dois
sentidos do CVI.
Caminho no IMG:
5.3.4.1 Estados civis
78
Os estados civis do CVI são configurados no módulo Administração de Pessoal – HCM.
5.3.4.2 Tipos de sociedades a formas jurídicas
Os tipos de sociedades para o CVI são configurados em SD (marketing).
5.3.4.3 Setor industrial
Fazendo a correlação do setor industrial no sentido CVI Parceiro de Negócio para
cliente/fornecedor:
79
Fazendo a correlação do setor industrial no sentido CVI cliente/fornecedor para Parceiro de
Negócio:
5.3.5 MDS_PPO2 – Post Processing
Transação para verificar os erros de sincronismos em ambos sentidos. Encontra-se no menu:
80
O relatório é demonstrado por partes de sincronismo, ou seja, por sentidos (direção).
Para concluir as ordens de processamento usar a transação
81
5.3.6 Cockpit de configuração
Acessar a transação SE38 e entrar o report CVI_FS_CHECK_CUSTOMIZING e executar.
Selecionar a opção de configuração:
Serão geradas informações sobre as configurações do sincronismo para ambos sentidos.
82
5.4 Sincronização de Parceiro de Negócios com funcionários (HCM)
5.4.1 Criar range de numeração
Caminho no IMG ou transação BUCF:
Criar o intervalo denominado HR , tipo externo.
83
Não há necessidade de configurar um range de numeração na BUCF igual ao código do
funcionário, visto porque, este irá para campo (Número pessoal) específico durante a
sincronização.
5.4.2 Ativar integração Parceiro de Negócio e funcionário
A configuração Ativar Integração será ativada a integração para o parceiro de negócios SAP.
Deste modo, são disponibilizados dados mestre e dados organizacionais do gerenciamento de
recursoshumanosde outrasaplicaçõesque mapeiampessoase unidadesorganizacionaiscomo
Parceiros de Negócios.
Pode-se ativaraopçãode sincronizaçãode dadosseparadamenteparaunidadesorganizacionais
e empregados.
Caminho no IMG:
84
Para ativar, basta configurar para cada grupo os parâmetros abaixo:
5.4.3 Ajustar dados unidades organizacionais
Nesta configuração são definidos os detalhes para a sincronização de dados entre unidades
organizacionais HCMe Parceiros de Negócios.
Caminho no IMG:
85
Para ativar as estruturas organizacionais no sincronismo, proceder com as configurações dos
parâmetros abaixo. Conforme o cenário de negócio, os valores de siglas poderão ser outros.
5.4.4 Ajustar dados de pessoas
Nestaetapa,serão definidososdetalhesparaa sincronizaçãode dadosentre empregadosHRe
Parceiros de Negócios.
Caminho no IMG:
86
Para ativar os ajustesde dadosde pessoasno sincronismo,procedercomas configuraçõesdos
parâmetros abaixo. Conforme o cenário de negócio, os valores de siglas poderão ser outros.
5.4.5 Ativar registro em log/análise de erros do ajuste de dados
Nestaatividade,sãoefetuadas asconfiguraçõesparaoregistroemloge para a análise de erros
na sincronização de dados com o parceiro de negócios. Caso ocorram erros, é possível enviar
um work item com outras informações com o SAP Business Workflow ou executar um registro
em log durante a sincronização de dados.
Caminho no IMG:
87
Para as configurações de registros em log no sincronismo e workflow, proceder com as
configurações dos parâmetros abaixo. Conforme o cenário de negócio, os valores de siglas
poderão ser outros.
5.4.6 Ativar chave HR para estado civil às chaves do Parceiro de Negócio
Através desta parametrização, determina-se que chaves para o estado civil no gerenciamento
de recursos humanos devem corresponder a que chaves para o estado civil no Parceiro de
Negócios SAP.
Caminho no IMG:
88
AschavesHR para o estadocivil estãogravadasnocustomizingda Administraçãode pessoalem
Administração de pessoal -> Dados pessoais -> Dados pessoais -> Determinar estado civil.
89
Aschavespara oestadocivil doparceirode negóciosestãogravadasnocustomizingdo Parceiro
de negóciosSAP emParceirode negócios -> Pessoas-> Atualizarestadoscivis (vertópico4.2.2
deste manual).
Exemplo
A chave HR 0 (solteiro) é atribuída à chave de parceiro de negócios 1(solteiro).
Nota: os estados civis devem obrigatoriamente estarem sincronizados na configuração.
5.4.7 Ativar forma de tratamento HR para às chaves de forma de tratamento do
Parceiro de Negócio
Nesta atividade IMG determina-se que chaves de forma de tratamento do gerenciamento de
recursos humanos devem corresponder a que chaves de forma de tratamento no Parceiro de
Negócios.
Caminho no IMG:
90
As chaves de forma de tratamento HR estão gravadas no customizing da Administração de
pessoal emAdministraçãode pessoal ->Dadospessoais ->Dadospessoais ->Determinarformas
de tratamento.
As chaves de forma de tratamento do parceiro estão gravadas no customizing do Parceiro de
negócios SAP em Parceiro de negócios -> Configurações globais -> Formas de tratamento ->
Atualizar formas de tratamento.
91
Exemplo
A chave HR 2 (senhora) é atribuída à chave de parceiro de negócios 0001(senhora).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual aa-imobilizado-depreciações
Manual aa-imobilizado-depreciaçõesManual aa-imobilizado-depreciações
Manual aa-imobilizado-depreciações
Helio Oscar Freire
 
Customizig sap - img do material ledger
Customizig sap - img do material ledgerCustomizig sap - img do material ledger
Customizig sap - img do material ledger
renata villela
 
Criando condição de frete - SAP
Criando condição de frete - SAPCriando condição de frete - SAP
Criando condição de frete - SAP
Ana Paula Vono
 
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PPTCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
Edson Domenech
 
SAP Central Finance.pdf
SAP Central Finance.pdfSAP Central Finance.pdf
SAP Central Finance.pdf
ssuser4cb9cf
 
Fi processamento de arquivo retorno
Fi processamento de arquivo retornoFi processamento de arquivo retorno
Fi processamento de arquivo retorno
Leandro Faria
 
CKM3 Multipe Materials with Cost Component Split
CKM3 Multipe Materials with Cost Component SplitCKM3 Multipe Materials with Cost Component Split
CKM3 Multipe Materials with Cost Component Split
Rogerio Faleiros - SAP CO
 
J62_S4HANA2021_BPD_EN_FR.pdf
J62_S4HANA2021_BPD_EN_FR.pdfJ62_S4HANA2021_BPD_EN_FR.pdf
J62_S4HANA2021_BPD_EN_FR.pdf
NareshKumar564728
 
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação IntercompanySAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
Natan Cavalcanti
 
Variant material
Variant materialVariant material
Variant material
suryanarayana tata
 
Movement types-in-sap-mm
Movement types-in-sap-mmMovement types-in-sap-mm
Movement types-in-sap-mm
vinitlodha
 
Vertex Configuration Guide. A to Z Steps with Description.
Vertex Configuration Guide. A to Z Steps with Description.Vertex Configuration Guide. A to Z Steps with Description.
Vertex Configuration Guide. A to Z Steps with Description.
Keyur Mistry
 
Oracle Carry Forward Methods
Oracle Carry Forward MethodsOracle Carry Forward Methods
Oracle Carry Forward Methods
Baker Khader Abdallah, PMP
 
Profit center-accounting
Profit center-accountingProfit center-accounting
Profit center-accounting
Bala Ranganath
 
Customizando status do usuário para ordem de produção
Customizando status do usuário para ordem de produçãoCustomizando status do usuário para ordem de produção
Customizando status do usuário para ordem de produção
Edson Domenech
 
FI & MM integration
FI & MM integrationFI & MM integration
FI & MM integration
sekhardatta
 
Sap mm configuration_step_by_step_guide
Sap mm configuration_step_by_step_guideSap mm configuration_step_by_step_guide
Sap mm configuration_step_by_step_guide
igosnell
 
Commitment management in sap
Commitment management in sapCommitment management in sap
Commitment management in sap
Rajesh Shanbhag
 
manual-de-config-fm
manual-de-config-fmmanual-de-config-fm
manual-de-config-fm
Franki Meurer
 

Mais procurados (20)

Manual aa-imobilizado-depreciações
Manual aa-imobilizado-depreciaçõesManual aa-imobilizado-depreciações
Manual aa-imobilizado-depreciações
 
Customizig sap - img do material ledger
Customizig sap - img do material ledgerCustomizig sap - img do material ledger
Customizig sap - img do material ledger
 
Criando condição de frete - SAP
Criando condição de frete - SAPCriando condição de frete - SAP
Criando condição de frete - SAP
 
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PPTCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
TCC - PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO COM ERP SAP PP
 
SAP Central Finance.pdf
SAP Central Finance.pdfSAP Central Finance.pdf
SAP Central Finance.pdf
 
Fi processamento de arquivo retorno
Fi processamento de arquivo retornoFi processamento de arquivo retorno
Fi processamento de arquivo retorno
 
CKM3 Multipe Materials with Cost Component Split
CKM3 Multipe Materials with Cost Component SplitCKM3 Multipe Materials with Cost Component Split
CKM3 Multipe Materials with Cost Component Split
 
J62_S4HANA2021_BPD_EN_FR.pdf
J62_S4HANA2021_BPD_EN_FR.pdfJ62_S4HANA2021_BPD_EN_FR.pdf
J62_S4HANA2021_BPD_EN_FR.pdf
 
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação IntercompanySAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
SAP MM/SD/PP - Processo de Subcontratação Intercompany
 
Variant material
Variant materialVariant material
Variant material
 
Movement types-in-sap-mm
Movement types-in-sap-mmMovement types-in-sap-mm
Movement types-in-sap-mm
 
Vertex Configuration Guide. A to Z Steps with Description.
Vertex Configuration Guide. A to Z Steps with Description.Vertex Configuration Guide. A to Z Steps with Description.
Vertex Configuration Guide. A to Z Steps with Description.
 
Oracle Carry Forward Methods
Oracle Carry Forward MethodsOracle Carry Forward Methods
Oracle Carry Forward Methods
 
Profit center-accounting
Profit center-accountingProfit center-accounting
Profit center-accounting
 
Customizando status do usuário para ordem de produção
Customizando status do usuário para ordem de produçãoCustomizando status do usuário para ordem de produção
Customizando status do usuário para ordem de produção
 
FI & MM integration
FI & MM integrationFI & MM integration
FI & MM integration
 
Implantation sap
Implantation sapImplantation sap
Implantation sap
 
Sap mm configuration_step_by_step_guide
Sap mm configuration_step_by_step_guideSap mm configuration_step_by_step_guide
Sap mm configuration_step_by_step_guide
 
Commitment management in sap
Commitment management in sapCommitment management in sap
Commitment management in sap
 
manual-de-config-fm
manual-de-config-fmmanual-de-config-fm
manual-de-config-fm
 

Semelhante a Academia S4HANA Logística - Treinamento BP (1).docx

Guia final
Guia finalGuia final
Guia final
Rita Cabral
 
Adwords passo-a-passo
Adwords passo-a-passoAdwords passo-a-passo
Adwords passo-a-passo
William Silva
 
Zeramento2
Zeramento2Zeramento2
Zeramento2
simuladocontabil
 
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
Tania Gurgel
 
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-StoreAnálise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
IOB News
 
E-Book Planejamento Estratégico: Pequenas e Médias Empresas
E-Book Planejamento Estratégico: Pequenas e Médias EmpresasE-Book Planejamento Estratégico: Pequenas e Médias Empresas
E-Book Planejamento Estratégico: Pequenas e Médias Empresas
Instituto Desenvolve T.I
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila tre.rs2014 administracao_ravazolo(1)
Apostila tre.rs2014 administracao_ravazolo(1)Apostila tre.rs2014 administracao_ravazolo(1)
Apostila tre.rs2014 administracao_ravazolo(1)
Fernando Macedo
 
AgenteAdministrativopdfconcursosparaprefe
AgenteAdministrativopdfconcursosparaprefeAgenteAdministrativopdfconcursosparaprefe
AgenteAdministrativopdfconcursosparaprefe
MarkusIsraelDurski1
 
Controladoria para empresas de serviços contábeis - IOB e-Store
Controladoria para empresas de serviços contábeis - IOB e-StoreControladoria para empresas de serviços contábeis - IOB e-Store
Controladoria para empresas de serviços contábeis - IOB e-Store
IOB News
 
Cpa 10
Cpa 10Cpa 10
Prex Ii VersãO 4 19.11
Prex Ii   VersãO 4   19.11Prex Ii   VersãO 4   19.11
Prex Ii VersãO 4 19.11
Agência Imagem
 
Lean nos serviços
Lean nos serviçosLean nos serviços
Lean nos serviços
RM consulting
 
Projeto Político Pedagógico EC10 2016
Projeto Político Pedagógico EC10 2016 Projeto Político Pedagógico EC10 2016
Projeto Político Pedagógico EC10 2016
QUEDMA SILVA
 
Implantação de um Sistema de Gestão ERPFLEX WEB
Implantação de um Sistema de Gestão ERPFLEX WEBImplantação de um Sistema de Gestão ERPFLEX WEB
Implantação de um Sistema de Gestão ERPFLEX WEB
erpflex
 
Apostila ms project 2010
Apostila ms project 2010Apostila ms project 2010
Apostila ms project 2010
Lana Fatos
 
Apostila ms project 2010
Apostila ms project 2010Apostila ms project 2010
Apostila ms project 2010
Randerson de Souza Rezier
 
Tutorial sistema vendas_em_java_com_swing
Tutorial sistema vendas_em_java_com_swingTutorial sistema vendas_em_java_com_swing
Tutorial sistema vendas_em_java_com_swing
Everson Wolf
 
Gestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiaisGestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiais
Mateus Oliveira
 
Matemática Financeira – Com o uso da HP 12C - IOB e-Store
Matemática Financeira – Com o uso da HP 12C - IOB e-StoreMatemática Financeira – Com o uso da HP 12C - IOB e-Store
Matemática Financeira – Com o uso da HP 12C - IOB e-Store
IOB News
 

Semelhante a Academia S4HANA Logística - Treinamento BP (1).docx (20)

Guia final
Guia finalGuia final
Guia final
 
Adwords passo-a-passo
Adwords passo-a-passoAdwords passo-a-passo
Adwords passo-a-passo
 
Zeramento2
Zeramento2Zeramento2
Zeramento2
 
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
Manual de Orientação para o Empregador e Desenvolvedor geração de Guias relat...
 
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-StoreAnálise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
Análise Financeira e Orçamentária - IOB e-Store
 
E-Book Planejamento Estratégico: Pequenas e Médias Empresas
E-Book Planejamento Estratégico: Pequenas e Médias EmpresasE-Book Planejamento Estratégico: Pequenas e Médias Empresas
E-Book Planejamento Estratégico: Pequenas e Médias Empresas
 
Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
Apostila tre.rs2014 administracao_ravazolo(1)
Apostila tre.rs2014 administracao_ravazolo(1)Apostila tre.rs2014 administracao_ravazolo(1)
Apostila tre.rs2014 administracao_ravazolo(1)
 
AgenteAdministrativopdfconcursosparaprefe
AgenteAdministrativopdfconcursosparaprefeAgenteAdministrativopdfconcursosparaprefe
AgenteAdministrativopdfconcursosparaprefe
 
Controladoria para empresas de serviços contábeis - IOB e-Store
Controladoria para empresas de serviços contábeis - IOB e-StoreControladoria para empresas de serviços contábeis - IOB e-Store
Controladoria para empresas de serviços contábeis - IOB e-Store
 
Cpa 10
Cpa 10Cpa 10
Cpa 10
 
Prex Ii VersãO 4 19.11
Prex Ii   VersãO 4   19.11Prex Ii   VersãO 4   19.11
Prex Ii VersãO 4 19.11
 
Lean nos serviços
Lean nos serviçosLean nos serviços
Lean nos serviços
 
Projeto Político Pedagógico EC10 2016
Projeto Político Pedagógico EC10 2016 Projeto Político Pedagógico EC10 2016
Projeto Político Pedagógico EC10 2016
 
Implantação de um Sistema de Gestão ERPFLEX WEB
Implantação de um Sistema de Gestão ERPFLEX WEBImplantação de um Sistema de Gestão ERPFLEX WEB
Implantação de um Sistema de Gestão ERPFLEX WEB
 
Apostila ms project 2010
Apostila ms project 2010Apostila ms project 2010
Apostila ms project 2010
 
Apostila ms project 2010
Apostila ms project 2010Apostila ms project 2010
Apostila ms project 2010
 
Tutorial sistema vendas_em_java_com_swing
Tutorial sistema vendas_em_java_com_swingTutorial sistema vendas_em_java_com_swing
Tutorial sistema vendas_em_java_com_swing
 
Gestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiaisGestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiais
 
Matemática Financeira – Com o uso da HP 12C - IOB e-Store
Matemática Financeira – Com o uso da HP 12C - IOB e-StoreMatemática Financeira – Com o uso da HP 12C - IOB e-Store
Matemática Financeira – Com o uso da HP 12C - IOB e-Store
 

Último

Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 

Último (8)

Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 

Academia S4HANA Logística - Treinamento BP (1).docx

  • 1. B P
  • 2. 1 Sumário 1 Objetivo.......................................................................................................................4 2 Introdução ao Business Partner......................................................................................4 2.1 Conceito...............................................................................................................4 2.2 Origem..................................................................................................................4 2.3 Utilização do BP.....................................................................................................5 2.4 Integração.............................................................................................................6 2.5 Estrutura dos dados mestres do PN ........................................................................6 2.5.1 Registro Mestre..............................................................................................6 2.5.2 Conjunto de Funções......................................................................................6 2.6 Componentes SAP.................................................................................................8 3 Estrutura do Business Partner........................................................................................8 3.1 Conceitoestrutural................................................................................................8 4 Configurações...............................................................................................................9 4.1 Globais..................................................................................................................9 4.1.1 Categorias do Parceiro de Negócio..................................................................9 4.1.2 Funções do Parceiro de Negócio......................................................................9 4.1.3 Agrupamento de funções..............................................................................13 4.1.4 Grupo de exclusão de funções.......................................................................16 4.1.5 Definir transações de aplicações ...................................................................18 4.1.6 Notas...........................................................................................................19 4.1.6.1 Conceito..................................................................................................19 4.1.6.2 Configurações de notas.............................................................................19 4.1.6.2.1 Definir visões de nota..........................................................................19 4.1.6.2.2 Atribuir funções a visões de nota .........................................................20 4.1.7 Intervalos de numeração ..............................................................................21 4.1.7.1 Definir intervalo de numeração.................................................................21 4.1.8 Tipos de parceiro de negócio ........................................................................23 4.1.9 Modificações de status campos no cadastro ..................................................24 4.1.10 Determinação de endereço...........................................................................25 4.1.10.1 Definir operações..................................................................................25 4.1.10.2 Definir tipos de endereço ......................................................................26 4.1.10.3 Atribuir operação ao tipo de endereço...................................................28 4.1.11 Origem dos dados ........................................................................................31
  • 3. 2 4.1.12 Números de identificaçõese fiscais...............................................................32 4.1.12.1 Números de identificações ....................................................................32 4.1.12.1.1 Definir as categorias de identificação .................................................32 4.1.12.1.2 Definir tipos de identificação .............................................................34 4.1.12.2 Números de identificações fiscais...........................................................36 4.1.12.2.1 Criar identificação fiscal.....................................................................37 4.1.12.2.2 Ativar controle de duplicidade...........................................................39 4.1.13 Horário comercial.........................................................................................41 4.2 Pessoas...............................................................................................................42 4.2.1 Componentes do nome ................................................................................42 4.2.1.1 Componentes do nome.............................................................................42 4.2.2 Estado civil...................................................................................................45 4.2.3 Profissões....................................................................................................47 4.3 Organizações.......................................................................................................48 4.3.1 Atualizar sistemas setoriais e setores industriais ............................................48 4.3.2 Atualizar formas jurídicas..............................................................................51 4.3.3 Atualizarentidades jurídicas .........................................................................53 4.4 Grupos................................................................................................................54 4.4.1 Definir tipos de grupos .................................................................................54 4.5 Relaçõesentre Parceiros de Negócios...................................................................55 4.5.1 Configurações do Relacionamento ................................................................56 4.5.1.1 Configurações globais...............................................................................56 4.5.1.1.1 Definir intervalos de numeração..........................................................56 4.5.1.1.2 Características das categorias de relação dos PN...................................56 5 CVI – Customer,Vendor Integration.............................................................................58 5.1 Introdução ao Sincronismo...................................................................................58 5.2 Etapas preparatórias para sincronização de dados mestres....................................59 5.2.1 Objetos de autorizações ...............................................................................59 5.2.2 Controle de sincronização.............................................................................60 5.2.2.1 Post Processing Office...............................................................................60 5.2.2.2 Objetos de sincronização ..........................................................................61 5.2.2.3 Ativar ordens PPO para objetos de plataforma em diálogo..........................62 5.2.2.4 Ativar opções de sincronismo....................................................................63 5.2.2.5 Registro de filas para processamento em background.................................64 5.3 Sincronização de Parceiro de Negócios, clientese fornecedores.............................65 5.3.1 Etapas preparatórias para integração cliente-fornecedor................................65
  • 4. 3 5.3.1.1 Módulos de funções .................................................................................65 5.3.1.2 Campos obrigatórios para Parceiros de Negócios, cliente e fornecedor........67 5.3.2 Sincronismo para integração entre Parceiro de Negócioe cliente....................67 5.3.2.1 Definir categoria da funçãoPN p/direção parceiro de negócios para cliente.67 5.3.2.2 Determinar função PN para sentido cliente - Parceiro de Negócios..............69 5.3.2.3 Determinar atribuição de números para direção Parceiro de Negócios para cliente 70 5.3.2.4 Determinar distribuição números para sentido cliente - Parceiro de Negócios 71 5.3.3 Sincronismo para integração entre Parceiro de Negócioe fornecedor.............72 5.3.3.1 DefinircategoriadafunçãoPN p/direçãoparceirodenegóciosparafornecedor 73 5.3.3.2 Determinar função PN para sentido fornecedor - parceiro de negócios........74 5.3.3.3 Determinar atribuição números para direção Parceiro de Negócios para fornecedor..............................................................................................................75 5.3.3.4 Determinar distribuição de números para sentido fornecedor - parceiro de negócios 76 5.3.4 Demais objetos de sincronização...................................................................77 5.3.4.1 Estados civis.............................................................................................77 5.3.4.2 Tipos de sociedades a formas jurídicas.......................................................78 5.3.4.3 Setorindustrial.........................................................................................78 5.3.5 MDS_PPO2 – Post Processing........................................................................79 5.3.6 Cockpit de configuração................................................................................81 5.4 Sincronização de Parceiro de Negócios com funcionários (HCM) ............................82 5.4.1 Criar range de numeração.............................................................................82 5.4.2 Ativar integração Parceiro de Negócio e funcionário.......................................83 5.4.3 Ajustar dados unidades organizacionais.........................................................84 5.4.4 Ajustar dados de pessoas..............................................................................85 Nestaetapa,serãodefinidososdetalhesparaa sincronizaçãode dadosentre empregados HR e Parceiros de Negócios..........................................................................................85 5.4.5 Ativar registro em log/análise de erros do ajuste de dados .............................86 5.4.6 Ativar chave HR para estado civil às chaves do Parceiro de Negócio ................87 5.4.7 Ativar forma de tratamento HR para às chaves de forma de tratamento do Parceiro de Negócio....................................................................................................89
  • 5. 4 1 Objetivo O presente material tem como objetivo preparar o consultor para interpretar e configurar o componente BP – BusinessPartnernoSAP ECC. Alémdisso,deveráproporcionarumavisãode integração com os demais módulos. BUPT – Menu do Business Partner 2 Introdução ao Business Partner 2.1 Conceito Parceiros de Negócios ou Business Partner são pessoas físicas ou jurídicas com as quais a Companhia mantém transações comerciais. Clientese fornecedoressãoparceirosde negócioscomos quaiso usuáriomantémuma ligação que envolve a transferência de fornecimentos e serviços. No contexto do SAP ECC, clientese fornecedores são os principais BP frente aos cenários de negócios. Além disso, existemcomo BP as entidadesgovernamentais, grupos religiosos, departamentos, grupos de pessoas, todos com foco na prospecção de negócios. 2.2 Origem O componente BusinessPartnernasceunaparte de FS – Financial Service e gradativamentefoi expandindo-se para outras partes do ECC, como MMe SD. Antigamente, seu uso estava atrelado às operações financeiras em TRM e na parte de FSCD (seguradoras).
  • 6. 5 Em resumo,oSAPestápreparadopara“centralizar”ocadastroviaBP, evitandoredundânciade dados. 2.3 Utilização do BP Os parceiros de negócios possuem várias funções diferentes, descritas como funções do parceiro,relacionadasà sociedade/empresa.Asfunçõesdoparceirosão utilizadasparadefinir os direitos e as responsabilidades de cada tipo de parceiro em uma transação comercial. Por exemplo, na venda ou no pedido de mercadorias, os parceiros de negócios podem assumir funções do parceiro, tais como: Funções do parceiro de cliente Funções do parceiro de fornecedor Emissor da ordem Endereço do emissor do pedido Recebedor da mercadoria Fornecedor de mercadorias Recebedor da fatura Fatura apresentada por Pagador Recebedor divergente do pagamento Parceiros de negócios diferentes podem executar uma ou mais funções do parceiro. Por esse motivo, é possível atribuir várias funções do parceiro a parceiros de negócios individuais. Osdadossobre osparceirosde negóciossãoadministradosemregistrosmestre.Osdadossobre as funções do parceiro são gravados nesses registros mestre e utilizados na Contabilidade Financeira e Logística.
  • 7. 6 2.4 Integração Um parceiro de negócios pode ser um cliente e um fornecedor ao mesmo tempo se, por exemplo, o cliente também fornece mercadorias ou se um fornecedor também é um dos clientes. Nesse caso, é necessário criar um registro mestre de cliente e um registro mestre de fornecedor para o parceiro de negócios.É possível criar uma referência entre os doisregistros mestre entrandoo número de fornecedorno registromestre de cliente e o númerode cliente no registro mestre de fornecedor. 2.5 Estrutura dos dados mestres do PN 2.5.1 Registro Mestre Os dados sobre os parceiros de negócios com quem a sociedade realiza transações comerciais são entradosemregistrosmestre.Osregistrosmestre contêmtodososdadosnecessáriospara o processamentode transações comerciais. Esses dados são conhecidos como dados mestre. Quando o usuário entra todos os dados mestre, despende menos tempo processando as transações comerciais porque o sistema propõe os dados mestre nessas transações. A Contabilidade Financeira e a Logística utilizam dados mestre. Os dados gerais e os dados relevantespara ambos os departamentos são gravados em registros mestre compartilhados a fim de evitar duplicação. 2.5.2 Conjunto de Funções É possível criar e modificarosregistrosmestre utilizandogruposde dadosque diferemnonível de detalhe. Os principais registros mestre de parceiros de negócios que são clientes e fornecedores apresentam as seguintes estruturas: Dados gerais: Os dados gerais não dependem da empresa, da organização de vendas e distribuição ou da organização de compras. Esses dados são aplicáveis a um parceiro de negócios de todas as empresas e em as áreas de vendas e organizações de compras. Eles incluem:  Nome da sociedade
  • 8. 7  Endereço  Número de telefone Os dados gerais não se limitam a informações utilizadas pela Contabilidade financeira e pela Logística.O pontode descarga,por exemplo,é exclusivo paraumcliente e somenteé relevante para Vendas e distribuição. No entanto, como não faz parte da organização de vendas e distribuição da sociedade, não são considerados dados de vendas e distribuição, são dados gerais. Se o usuárioprocessarumregistromestre utilizandoonúmerode fornecedoroude clientesem indicarumaáreade vendas,organizaçãode comprasouempresa,osistemaexibiráapenastelas de dados gerais. O departamentoque criao registromestre paraum parceirode negóciostambémentra dados gerais.Se aContabilidadefinanceiracriaoregistromestre,devetambémentrarosdadosgerais, como o endereço.Quando,porsuavez,a Logística entradados,os dadosgeraisdo parceirode negócios já existem. A Logística pode exibir os dados gerais. Dados da empresa: Os dados da empresa se aplicam somente a uma empresa. São relevantes apenas para a Contabilidade financeira e incluem:  Dados de administração de conta  Dados de seguros Se o usuárioprocessarumregistromestre,deveráindicaro númerode fornecedoroucliente e a empresa para acessar as telas que contêm os dados da empresa. Somente é possível faturarumatransação comercial se os dadossobre a funçãodo parceirode pagador forem entrados na visão Contabilidade financeira. Dados de vendas e distribuição Osdadosde umcliente podemserdiferentesparacadaáreade vendas.A áreade vendasé uma combinação de organização de vendas, canal de distribuição e setor de atividade. Essesdados são relevantes somente para Vendas e distribuição e incluem:  Dados de determinaçãodopreço  Prioridade de remessa  Condiçõesde expedição Se ousuárioprocessarumregistromestrede cliente,deveráentraronúmerode clientee aárea de vendas para poder acessar as telas que contêm os dados de vendas e distribuição. Somente é possível processartransaçõesde vendase distribuição,comoumaordemdocliente, depois de entrar os dados de vendas e distribuição de um cliente. Dados da organização de compras Os dados de um fornecedor podem ser diferentes para cada organização de compras. Esses dados são relevantes somente para Compras e incluem:  Dados de compras  Funçõesdoparceiro  Outrosníveisde retençãode dadosdentroda organizaçãode compras Alémdosdadosválidospara todaa organizaçãode compras, é possível entrarinformaçõesnas telas Dados de compras e Funções do parceiro que são válidas apenas para um determinado local ou subsortimento do fornecedor. Isso inclui condições de pagamento ou incoterms
  • 9. 8 diferentesdaquelesválidosparaaorganização de compras.Taisdadossãoretidosnosseguintes níveis:  Subsortimentodofornecedor  Local  Uma combinaçãoespecíficade subsortimentodofornecedore local. 2.6 Componentes SAP Os principais componentes do Business Partner são:  AP-BP: Business Partner Data Management;  AP-MD-BP: Business Partner. 3 Estrutura do Business Partner 3.1 Conceito estrutural Primeiramente,é de sumaimportânciaentenderaestruturaprincipal doBusiness Partnerpara iniciar as configurações. O Business Partner é composto das seguintes partes: Categoria, Agrupamento, Funções e Sincronismo (CAFS). A ilustração acima sumariza o necessário para entender e configurar o Parceiro de Negócio. S I N C R O N I S M O S I N C R O N I S M O
  • 10. 9 4 Configurações 4.1 Globais 4.1.1 Categorias do Parceiro de Negócio O SAP oferece três categorias, a saber: Pessoa: física ou privada individual. No Brasil, usamos para BP Pessoa Física. Grupos: com um grupo representa-se uma comunidade viva, um casal ou um conselho executivo. Organização: representa uma Empresa, divisões de uma Empresa, um clube, uma associação. No Brasil, usamos para o BP Pessoa Jurídica. 4.1.2 Funções do Parceiro de Negócio Caminho no IMG: São chamadasde funções ouroles asoperaçõescomerciaisque determinadoBPrecebeemseu cadastro. Ex.: função de fornecedor e cliente. As principais funções são: 000000 Parceiro de negócio geral: todo BP obrigatoriamente conterá essa função.Equivale os dados gerais do parceiro (dados Gerais) FLCU00 Cliente (visão Empresa)
  • 11. 10 FLCU01 Cliente (visão Vendas) FLVN00 Fornecedor (visão Empresa) FLVN01 Fornecedor (visão Compras) BBP003 Centro(MM) BUP003 Empregado (HCM) Algumas funções utilizadas em TRM: TR0150 Emitente TR0151 Contraparte TR0152 Banco de depósitos TR0153 Banco pagador Há funções específicas para determinadas atividades no SAP. Por exemplo: função HEA010 Médico, no qual o BP é cadastro na parte de Medicina no HCM, transação EHSBP11. Há 115 funções standard: Caso necessite criar funções, fazer como cópia de uma função equivalente.
  • 12. 11 Criando uma função: Título: Nome curto da função Denominação: nome completo da função Ocultar: determina que a função não será exibida nas transações de negócios de BP Categoria Função PN: categoria na qual a função será atrelada. Ex.: cliente visão de vendas, fornecedor visão de empresa, etc. Obrigatoriamente a função terá uma categoria. Somente as funções Parceiro Negócio Geral e FS0000 PN Financial Services não possuem categorias, pois tratam-se das funções originárias do BP. Visão PN: para criar uma visão, acessar a transação BUS3. A SAP contempla todas as visões necessárias. Evite criar. Item:asfunçõessãodemonstradasnastransaçõesde negóciodoBPporordemalfabética.Caso deseja-se outra ordem, enumerar as funções (1, 2, 3, etc). Ao iniciar a criação de um BP, tenha como padrão iniciar pela função 000000 Parceiro de negócios geral. Todo BP criado sempre conterá as funções 000000 e FS0000.
  • 13. 12 Depoisde definidasasfunções, háascategoriasde função que servemparaagruparos tiposde funções. Além disso, parametrizar qual o tipo de categoria poderá utilizar determinada categoria de função.
  • 14. 13 Dentro da categoria de função, ainda há a possibilidade de sinalizar a operação empresarial, identificandoporobjetose administraçãogeral de status,quaisasfunções estãopermitidasou proibidas. Objeto BPUS: utilização do parceiro de negócios nas transações SAP (ex.: criar pedido de compra). Objeto CHAN: manutenção do BP nas transações próprias. Exemplo: a categoria de função FLVN00 foi bloqueada para alterações. Ao tentar modificar o BP que contenha a função FLVN00, demonstrará o ícone STOP, não permitindoaalteraçãodoBP.Oícone ficaráindisponível.Se tentarincluirafunçãoFLVN00 também não será possível. 4.1.3 Agrupamento de funções
  • 15. 14 Caminho no IMG: Nesta etapa, será definido o agrupamento de funções/roles na criação do BP. Essa configuraçãofacilitaacriação doBP emum passopara o mesmorelacionamento de negócio (ex.: agrupar as roles de fornecedor). Para criarumagrupamentode funções,primeiramente parametrizaroagrupamentode funções PN, conforme figura abaixo. Na sequência, marcar o Agrupamento de funções e selecionar Agrupamento de funçõesPN -> funçõesPN.Nestaetapa,informam-se asfunções/roles que serão inseridas no agrupamento.
  • 16. 15 O terceiro passo será criar a categoria de agrupamento de funções PN: O último passo, será retornar ao Agrupamento de funções PN e atrelar a categoria de agrupamento. Marcar o agrupamento e clicar em : Informar a Categoria de agrupamento de funções:
  • 17. 16 Ao criar um BP, selecionara funçãoagrupada.Destamaneira,o BP será criado emuma etapa: dados gerais, dados de Empresa e dados de Compras ou Vendas, conforme o agrupamento proposto. 4.1.4 Grupo de exclusão de funções Ao criar um BP com determinada função, serão excluídas as que não podem ser transferidas para esse BP. Por meio da exclusão, portanto, assegura-se que o PN não assumirá simultaneamente determinadas funções.
  • 18. 17 Caminho no IMG: Primeiro passo: criar o grupo de exclusão. Ir em Entradas Novas e criar o grupo de exclusão. Nesta etapa, somente será criado o grupo. Segundopasso:marcaro grupo criadoe clicar emGruposde exclusãode funçõesPN ->funções PN.Nestaetapa,serãoinformadasasfunçõesaseremtratadasnogrupo de exclusão. Clicarem Entradas novas e informar a função desejada. Aqui foram cadastradas três funções, mas pode ser mais.
  • 19. 18 Aconselhável cadastrar um limite de três funções para melhor gerenciamento do processo empresarial de manutenção de um BP. Terceiroe últimopasso:determinarapossíveltransiçãode função.IremGrps.exclusãofunções PN -> transaçõespermitidas.ClicaremEntradasnovase entrar a função que será“transferida” à outra função. A funçãooriginal deixaráde existirnocadastrodoBP e a novaestará disponível para complementar os dados cadastrais. 4.1.5 Definir transações de aplicações Nesta etapa, pode-se atribuir uma categoria ou função para ser iniciada na transação de negócio. Casonãosejainformadaafunçãooucategoria,oSAPexibiráafunção000000 Parceiro negócio geral. Verifique a real necessidade de configurações. Dê preferência, não alterar.
  • 20. 19 4.1.6 Notas 4.1.6.1 Conceito Notas são criadas quando necessita-se informar dados complementares sobre determinado tema de interesse da Companhia. No standard temos as notas Correspondência, Contabilidade e Marketing. Encontram-se na visão Controle no cadastro do BP. Essa configuração não é relevante se estiver sendo utilizado o CRM. 4.1.6.2 Configurações de notas 4.1.6.2.1 Definir visões de nota Caminho no IMG: Clicar em Entradas Novas:
  • 21. 20 Entrar os seguintes dados: Nome visão de nota: nome da nota; Objeto: nome da tabela BUT000 (tabela central); ID: númeroda sequênciade IDda tabela.Paraverificara sequência,acessara transação SE75 - > Objetos de textos e ID -> Exibir -> Localizar a tabela BUT000 (dar duplo clique). 4.1.6.2.2 Atribuir funções a visões de nota Caminho no IMG:
  • 22. 21 Selecionar o objeto BUPA: Entrar os dados: Função: selecionar a função pretendida; Visão nota: informar o nome da nota criada no passo 4.1.6.2.1. 4.1.7 Intervalos de numeração 4.1.7.1 Definir intervalo de numeração Caminho no IMG:
  • 23. 22 Via transação: BUCF Objeto de numeração: BU_PARTNER. Criar agrupamentos para vincular os intervalos de numerações. A SAP fornece como principais agrupamentos:  0001 Atribuição interna de nºs;  0002 Atribuição externa de nºs. Importante: 1. Verificar e, se necessário, modificar os agrupamentos fornecidos; 2. Ao definir novos agrupamentos, determinar os respectivos intervalos de numeração; 3. É possível determinar agrupamentos standard para a atribuição interna de números e a atribuição externa de números.
  • 24. 23 Agrupamentos standard, onde:  Agrupamento: código do agrupamento;  Denominação breve: nome breve do agrupamento;  Denominação: texto longo do nome do agrupamento;  IntervNum: informar o intervalo de numeração parametrizado na transação BUCF;  Externo: indica se o intervalo de numeração é externo ;  AgrupPadrãoInt.: determinará o range de numeração quando não informar o agrupamento e código do BP no processo de criação;  Agrup.stndext.: determinará o range de numeração quando não informar o agrupamento, mas será entrado código do BP no processo de criação;  Ocultar: determina que o agrupamento não ficará visível (disponível) na transação de negócio. Ex.: BUP1, BP. Usar os agrupamentos 0001 e 0002 para cliente e fornecedor. BP significacadastroúnico,portanto,evitarcriarranges diferentesparafornecedore cliente. 4.1.8 Tipos de parceiro de negócio Com os tipos de parceiro de negócios, pode-se dividir os parceiros de negócios livremente.A cada parceirode negóciospode seratribuídoumtipode parceirode negócios duranteacriação e/ou modificação do BP. Com o tipo de parceiro será possível visualizar ou ocultar campos nas transações de Business Partner (criar, modificar e exibir).
  • 25. 24 Caminho no IMG: 4.1.9 Modificações de status campos no cadastro Nestaetapa,serãoverificadasasparametrizaçõesdisponíveisparamodificar ostatuscampodo cadastro do BP. Caminho no IMG: As opções são as seguintes:  Por mandante: através das opções de objetos de aplicações; Por função: utilizando-se de categoria de função;  Por atividade: operações cadastrais de criar, modificar, exibir e eliminar um BP;
  • 26. 25  Por tipo de parceiro de negócio: através dos grupos de parceiros de negócios parametrizados conforme item 4.1.8 deste documento. Todos os campos veem com status não especificado, equivalente ao facultativo. Caso a configuração do status campo não resulte no esperado, checar a transação BUS2 e localizar o grupo de campos a qual pertence o campo alterado na configuração de Modificações de campos, via SPRO. IMPORTANTE !!!!! MDS_BPO2 – PostProcessing Desktop busca da BUS2 na hora de fazer os checks entre o clássico e o BP. 4.1.10 Determinação de endereço No cadastro do BP, pode-se cadastrar um ou vários endereços. Caso tenha somente um endereço este será utilizado em todos cenários de negócios que utilizem tal informação. Se o Parceiro de Negócio possuir mais de um endereço é possível definir qual será usado, por exemplo, como endereço de entrega. 4.1.10.1 Definir operações Caminho no IMG:
  • 27. 26 Denomina uma operação empresarial que é utilizada como base para a determinação de endereços. As operações disponíveis são:  BBP000 Enviar pedido  BBP001 Receber mercadorias  BBP002 Receber fatura  BBP003 Enviar mercadorias  BBP004 Enviar fatura  BBP005 Distribuir mercadorias (interno)  XXDFLT Standard 4.1.10.2 Definir tipos de endereço Nesta etapa, são atualizados os tipos de endereço necessários para determinadas operações empresariais. O tipo de endereço e o tipo de endereço standard são relevantes para a Determinação de endereços.
  • 28. 27 Para criar um tipo de endereço clicar em Entradas novas e entrar os dados:  Tp. Ender.: código do tipo de endereço;  Denominação: descrição do tipo de endereço. Ex.: Cobrança do cliente;  Várias utilizações: indica mais de uma utilização do tipo de endereço que poderá ser atualizada por parceiro de negócios. Importante: a SAP fornece o seguinte tipo de endereço: XXDEFAULT. Demais são utilizados principalmente no CRM: Destaforma,somente seráusadootipode endereçostandard XXDEFAULT.Casonecessitecriar tipo de endereço para determinação automática para algum cenário de negócio, será preciso desenvolver.
  • 29. 28 4.1.10.3 Atribuir operação ao tipo de endereço Configuração proposta para atribuir as operações predefinidas a tipos de endereço para determinação do endereço. As operações que fazem parte do sistema standard não podem ser modificadas. Exemplo: cadastro do BP.
  • 30. 29 Aocadastrar um novoendereço,atualizaadatade validade doantigo.NocadastrodoBP,visão Síntese de endereços, selecionar o endereço para alterar a data de validade. Novo endereço criado, conforme exemplo: Para criar um novo endereço, basta clicar em . Na sequência, atribuir o novo endereço, ao Endereço standard:
  • 31. 30 Para inserir o novo endereço, marcar a pasta do endereço e clicar . Selecionar o novo endereço e salvar. Neste momento, os dados do novo endereço serão demonstrados na visão Endereço.
  • 32. 31 4.1.11 Origem dos dados Caminho no IMG: Configuração meramente informativa para identificar a origem dos dados do Parceiro de Negócio. Opções disponíveis no SAP standard: Em geral, utiliza-se para identificar os BP oriundos dos sistemas legados (carga de dados).
  • 33. 32 4.1.12 Números de identificações e fiscais 4.1.12.1 Números de identificações Os números de identificações são informações sobre documentos pessoais (ex.: carteira de trabalho, passaporte) ou escriturais (registro na Junta Comercial, autorizações legais tipo IBAMA) atribuídos para um Parceiro de Negócio. Pode-se atribuir exatamente um tipo de identificação a uma categoria de identificação. 4.1.12.1.1 Definir as categorias de identificação Caminho no IMG: Para criar basta selecionar Entradas novas:
  • 34. 33 Entrar os dados:  Tipo ID: código da categoria de identificação;  Denominação: descrição da categoria de identificação;  ID unívoco: se este código estiver definido, verifica-se, ao se criar ou modificar um númeroIDdeste tipo,se estenúmerojáestáatribuídoaumoutroparceirosobomesmo tipo ID. Exemplo: mensagem de erro gerada na transação BP.  Só exibição: em geral, somente as categorias do CRM já vem com essa característica configurada. Essas categorias são somente cadastradas no PN diretamente no CRM.
  • 35. 34  1 IDpor PN:ao configuraressaopção,somente pode-seutilizarumnúmerode IDdeste tipo por Parceiro de Negócio. Exemplo: Mensagem de erro gerada na transação BP. A categoria BKK100 Nº de identificação do credor somente será utilizado quando o componente EA-FINSERV estiver instalado (nota 1271881). 4.1.12.1.2 Definir tipos de identificação Caminho no IMG:
  • 36. 35 Clicar em Entradas novas: Entrar os seguintes dados:
  • 37. 36  Tipo ID: código do tipo de identificação. Usar o mesmo código do Tipo de ID (configuração anterior);  Denominação: descrição breve do tipo de identificação;  Tipo de ID: selecionar o Tipo de ID (configuração anterior);  Propor tipo ID: propõe automaticamente o ID ao cadastrar um Parceiro de Negócio;  Tipo de identificaçãorelevante paracategoriasPN:quaisas categoriaspoderãoutilizar o Tipo de ID. 4.1.12.2 Números de identificações fiscais Registros que identificam as inscrições de cunho tributário e legal, como: CNPJ,CPF, Inscrição Municipal e Inscrição Estadual. O número de identificação fiscal é decisivo para replicar parceiros de negócios em registros mestre de clientes ou de fornecedores no SAP ECC. Este controla em que campo de número de identificação fiscal no mestre de clientes ou de fornecedores será replicado este número de identificação fiscal. Os tipos de identificações possuem três caracteres compostos pelo código ISO do País e um número sequencial. Para o Brasil, há os tipos standard: Código identificação fiscal Denominação Campo equivalente clássico cliente/fornecedor BR1 CNPJ STCD1 BR2 CPF STCD2 BR3 Inscrição Estadual STCD3 BR4 Inscrição Municipal STCD4
  • 38. 37 4.1.12.2.1 Criar identificação fiscal Para criar uma identificação fiscal, acessar a transação SM30 e chamar a view V_TFKTAXNUMTYPE. Clicar em atualizar. Proceder com a criação clicando em Entradas Novas.
  • 39. 38 Onde:  Categoria do imposto: definir código;  Nome: denominação da categoria de imposto;  Denominação da função: entrar BUPA_TAX_NUMBER_CHECK quando necessita-se verificar critérios de duplicidade. As funções que validam as categorias de impostos no Brasil são:  TAX_NUMBER_CHECK_GENERIC: Inscrição Estadual  BUPA_TAX_NUMBER_CHECK_DUPL Caso necessário configurar uma nova categoria, manter o padrão dos primeiros caracteres do código ISO do País, portanto, BR e o sequencial numérico no terceiro dígito. A configuração do código ISO encontra-se: SAP NetWeaver -> Configurações gerais -> Definir países -> Definir países em sistemas mySAP. Regras de cálculos para as Inscrições Estaduais no SAP:
  • 40. 39 Em todo projeto, sempre revise com a área Fiscal se ocorreram mudanças nos cálculos dos dígitos das Inscrições Estaduais. 4.1.12.2.2 Ativar controle de duplicidade Nesta atividade, cadastrarmos as Identificações Fiscais para controle da duplicidade entre os Parceiros de Negócios. Caminho no IMG:
  • 41. 40 Clicar em Entradas novas e cadastrar o Tipo de Identificação Fiscal. Na coluna Controle duplicados, a opção ON ativa o controle de duplicados, se OFF, desliga.
  • 42. 41 4.1.13 Horário comercial Nocadastrodo BusinessPartneré possíveldefinirhorárioscomerciais.Informaçõesmeramente informativas. Caminho no IMG:
  • 43. 42 Ativar as opções de Regras para determinação de horários comerciais: 4.2 Pessoas 4.2.1 Componentes do nome Configurações que permitem informar dados que complementam o nome da Pessoa. 4.2.1.1 Componentes do nome Caminho no IMG: Na opção Atualizar títulos acadêmicos são cadastrados os títulos para serem atribuídos ao Parceiro de Negócio. Caso necessário, é possível criar novos títulos acadêmicos.
  • 44. 43 Exemplo: Em Atualizarcomplementode nomes,identificam-se ostiposde complementosparatítulosde nobreza ou expressões que expressemcerto grau de cordialidade ao Parceiro de Negócio (ex.: Excelentíssimo). Caso necessário, é possível criar novos complementos de nomes.
  • 45. 44 Exemplo de complemento de nome: A últimaopção,trata dosPrefixosde nomes, ou seja, do complemento de títulos de nobreza.
  • 46. 45 ATENÇÃO:casoomódulode Administraçãode Pessoal (HCM) configureComplemento de nomes e títulos acadêmicos, importante na parte de Business Partner, manter as mesmas codificações. 4.2.2 Estado civil Caminho no IMG:
  • 47. 46 São fornecidos os Estados civis abaixo: Se necessário cadastrar, basta clicar e, Entradas novas. ATENÇÃO:oscódigosde EstadoscivisdoBusinessPartnerdevemserobrigatoriamente os mesmos cadastrados na Administração de Pessoal (HCM).
  • 48. 47 4.2.3 Profissões Cadastrar profissões para complementar cadastro do Parceiro de Negócio. Caminho no IMG: Caso necessário, é possível cadastrar profissões, basta clicar em Entradas novas.
  • 49. 48 4.3 Organizações 4.3.1 Atualizar sistemas setoriais e setores industriais Nestaatividade,sãocadastradosos agrupamentose categorizaçãode váriossetoresindustriais emum grupo,ouseja,ramosde negóciosque permitemcriardiferentesgruposde Parceirosde Negócios. Pode-se atribuir um ou mais setor industrial ao Parceiro de Negócio, identificando o padrão (principal). Essa opção é somente para Organizações. Também é possível definir um sistema industrial próprio,com as características de negócio da Empresa, definindo-o como padrão. Caminho no IMG: Paracriar umnovoSistemadesetorindustrial,clicaremEntradasnovase defini-locomopadrão. Após a criação do Sistema de setor industrial, cadastrar os setores clicando em :
  • 50. 49 O SAP oferece o Sistema setorial “Sist.setor industrial standard” (código 0001) com 99 setores industrias, a saber: Dica: não alterar o agrupamento 0001 standard.
  • 51. 50 Exemplo no cadastro do Business Partner: Ao abrir o mathcode, selecionar o setor principal do Parceiro de Negócio:
  • 52. 51 4.3.2 Atualizar formas jurídicas As formasjurídicas caracterizama forma que umapessoajurídica se representa na sociedade. Caminho no IMG: Para criar basta clicar em Entradas novas. Nota:as denominaçõesdasformasjurídicasdevemsertraduzidas e adaptadas.Estãonoidioma Alemão.  AS: Sociedade Anônima (S/A)  Lda.: Limitada (Ltda.)  KGaA: Sociedade em comandita por ações  GmbH: Sociedade de responsabilidade limitada  KG: Sociedade limitada  OGH: Parceria geral, sem capital mínimo
  • 53. 52 Formas jurídicas mais usuais no Brasil:  Sociedade por quotas de responsabilidade limitada: são aquelas constituídas através de Contrato Social, sendo seu Capital Social representado por quotas. A responsabilidade dos sócios quotistas no investimento é limitada ao montante do Capital Social investido,razãopelaqual é a formamais comumde constituiçãojurídica de empresas no País. As sociedades por quotas se individualizarão por firma ou denominação.A primeirase caracterizapelaexpressãoemseunomeaoiníciodonome de umou mais quotistas,porextensoouabreviadamente,terminandocomaexpressão "& Cia. Ltda.",enquantoque na Denominaçãodar-se-áporconhecero objetosocial no nome da empresa, seguindo-se da expressão "Ltda" ao final.  Sociedades Anônimas: sociedades cujo Capital Social é representado por Ações, que podem ser Ordinárias ou Preferenciais. A expressão S/A também pode ser substituída peladenominaçãoCOMPANHIA apresentadonoiníciodonome daempresa. A principal característica dessas sociedades é que o Capital Social é representado por Ações, a Responsabilidade dosAdministradoresé ilimitada,aDireçãoda empresatemmandato definidoemtermosde tempo,de acordo com o Estatuto Social. Todas as Empresasde Capital Aberto (ações em bolsa de valores) e Instituições Financeiras são obrigatoriamente Sociedades por Ações, existindo ainda aquelas denominadas SociedadesAnônimasde Capital Fechado(semaçõesnegociadasembolsade valores).  Sociedade emNome Coletivo:deve serconstituídasomente porpessoasfísicas,sendo que todos os sócios respondem solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais. A firma ou razão social devem figurar apenas os sócios comanditados, sob pena de responsabilidade solidária e ilimitada do sócio que constar na razão social.  Sociedade em Comandita Simples: possui dois tipos de sócios comanditados: pessoas físicas, responsáveis solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais; e os comanditários, obrigados somente pelo valor de sua quota.  Sociedade emComanditapor Ações:temo capital divididoemações,regendo-sepelas normasrelativasàs sociedadesanônimas.Nadenominaçãoounome fantasia,firmaou razão social, devem ser acrescidas da expressão "Comandita por Ações" ou "C/A".  Autônomo:é oprofissionalliberal quenãocaracterize atividadeprópriade empresário. Segundo o código civil, os autônomos são profissionais que exercem profissão intelectual,de naturezacientífica,literáriaouartística,mesmose contarcom auxiliares
  • 54. 53 ou colaboradores. Como exemplo, atividades próprias de médicos, dentistas, advogados, engenheiros, arquitetos, contabilistas, etc.  Micro Empreendedor Individual: é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um MEI, é necessário faturar no máximo até R$ 60.000,00 poranoe nãoterparticipaçãoemoutra empresacomosóciooutitular. 4.3.3 Atualizar entidades jurídicas As pessoas jurídicas são as organizações legalmente responsáveis por empresas juridicamente dependentes. No caso de Parceiros de Negócios da categoria Organização, pode-se indicar a pessoa jurídica da empresa. Esta só é utilizada a título informativo. Conforme o artigo 40 do Código Civil brasileiro de 2002, as Pessoas Jurídicas (admitidas pelo Direito brasileiro) são de direito público (interno ou externo), como fundações públicas e autarquias, e de direito privado, como associações e organizações religiosas. As primeiras encontram-se no âmbito de disciplina do direito público, e as últimas, no do direito privado. Para criar novas Pessoas Jurídicas, basta clicar em Entradas novas. Onde:  Pessoa Jurídica: código da Pessoa Jurídica  Denominação: descrição da Pessoa Jurídica  Direito privado: indica que a instituição é de direito provado. São cadastradas no Parceiro de Negócios a título informativo.
  • 55. 54 4.4 Grupos 4.4.1 Definir tipos de grupos Parceirode negócioscompostoporvárias categoriasde PessoasouOrganizações. Nosparceiros de negócios da categoria Grupo, pode-se especificar o tipo de grupo que se trata. Exemplos:  Casal  Domicílio  Apartamento compartilhado  Associação de advogados Caminho no IMG: A SAP fornece os tipos de Grupos 0001 e 0002. Para novos Grupos, clicar em Entradas novas. Na transação cadastral, o campo encontra-se na visão Identificação.
  • 56. 55 Campo meramente informativo. 4.5 Relações entre Parceiros de Negócios Um Parceirode Negóciostemcontatocomoutros Parceirosde Negócios.Essasrelaçõespodem assumircompletamentediferentesformas(porexemplo,pessoade contato,de relacionamento organizacional). Dados meramente informativos. Se esta relação é definida num dos registos mestres do Parceiro, a relação correspondente é definida automaticamente pelo sistema. Ilustrando:
  • 57. 56 4.5.1 Configurações do Relacionamento 4.5.1.1 Configurações globais Caminho no IMG: 4.5.1.1.1 Definir intervalos de numeração Transação: BUB9 Não há necessidade de criar ranges. 4.5.1.1.2 Características das categorias de relação dos PN Primeiramente,acessaratransaçãoBUBA para verificare analisarostiposde relaçõesstandard. São, ao todo, 27 tipos de relações disponíveis. Ao criar, escolha o tipo de relação o mais semelhante possível.
  • 58. 57 Nostiposde relaçõessãoconfiguradasascategoriasquepoderãoutilizá-los,assimcomo,definir o número de vezes possíveis que poderá ser cadastrado no BP. A próximaconfiguraçãoseránoSPRO Característicasdascategoriasde relaçãodosparceirosde negócios, onde é possível alterar o nome do tipo de relacionamento, ocultar e indicara posicionamentos na tela da transação BP.
  • 59. 58 5 CVI – Customer, Vendor Integration 5.1 Introdução ao Sincronismo Atravésda “vinculação”dosagrupamentos(Parceirosde Negócio) e/oufunçõescomosgrupos de contas (clientese fornecedores),define-se comoseráfeitaareplicaçãode dadosentre eles:  BP -> Fornecedor  Fornecedor -> BP  BP -> Cliente  Cliente -> BP
  • 60. 59 Onde:  BP: cadastro do Parceiro de Negócio  CVI: sincronismo com as tabelas de fornecedor e clientes do modo clássico  LF: tabelas dos dados mestres de fornecedores do modo clássico  KN: tabelas dos dados mestres de clientes do modo clássico A sincronização trata da replicação de dados entre Business Partner com Cliente e Fornecedor e, vice-versa. Para a construção da replicaçãoatravésdoCVI,deve-se obrigatoriamente teraestruturado BP completa, ou seja, o CAFS configurado. Lembrando: CAFS -> Categoria + Agrupamento + Funções + Sincronismo. 5.2 Etapas preparatórias para sincronização de dados mestres 5.2.1 Objetos de autorizações Para que uma sincronizaçãode dadosmestre possaserexecutada,é necessáriocertificar-sede que existem as seguintes autorizações no perfil de usuário:  Autorizações gerais: o Autorização para o cockpit de sincronização (objeto de autorização MDS_LOAD); o Autorização para o Post Processing Office (objeto de autorização MDS_LOAD) o Autorizações para processamento do objeto de origem e de destino  Autorizações para a integração cliente/fonecedor o Autorizações para execução de atividades do customizing (objeto de autorização CVI_CUST) o Autorizações para execução do report do customizing no cockpit da sincronização (objeto de autorização CVI_CUST) CVI BP KN LF
  • 61. 60 5.2.2 Controle de sincronização O controle de sincronização consiste na ativação do Post Processing Office (PPO) e no registro de filas para processamento em background. 5.2.2.1 Post Processing Office (Componentes Empresariais) Como o Post Processing Office para a sincronização de dados mestre está ligado por meio do cockpit de sincronização, é necessário garantir que a criação de ordens de pós-processamento foi ativadapara os processosempresariaisdocomponentede software AP-MD.Casocontrário, não serápossível executar uma primeira sincronização por meio do cockpit de sincronização. CaminhonoIMG: Na primeiraconfiguraçãodosincronismo,serãoativadososcomponentesdosprocessos empresariais,ouseja,ossentidosdareplicaçãode dados.
  • 62. 61  CVI_01 Cliente ->Parceirode negócios  CVI_02 Fornecedor->Parceirode negócios  CVI_03 Parceirosde negócios ->Cliente  CVI_04 Parceirosde negócios ->Fornecedor 5.2.2.2 Objetos de sincronização Nesta atividade são exibidos os objetos de sincronização fornecidos pela SAP para a sincronização de dados mestre e, se necessário, poderão ser criados objetos de sincronização próprios. No entanto, esta atividade IMG é essencialmente utilizada para obter detalhes, enquanto administrador de sistema, sobre os objetos de sincronização fornecidos pela SAP. Detalhes importantes são a classe do extrator para o objeto de sincronização, se o objeto for utilizadocomoobjetode origememumprocessode sincronização,e o tamanhodo blocopara o processamento em background da sincronização em massa no âmbito de uma primeira sincronização. Caminho no IMG:
  • 63. 62 Os principais objetos para o sincronismo são: BP, CUSTOMER e VENDOR. As colunasplataformase tamanhodoblocoreferem-seàsfilas de processamento das ordens. ATENÇÃO: A SAP recomenda a utilização dos objetos de sincronização fornecidos no sistemastandard.A criaçãode objetosde sincronizaçãoprópriosnoespaçode nomesde cliente exige muita programação adicional. 5.2.2.3 Ativar ordens PPO para objetos de plataforma em diálogo Selecionar para cada objeto de plataforma se deve ser escrita uma ordem de processamento posterior em caso de erro no sincronismo. Caminho no IMG:
  • 64. 63 Ativarosobjetosdesincronizaçãoparagerarordensde processamentoposterior.Independente dos sentidos de sincronismo configurados, os três objetos abaixo deverão estar ativados. 5.2.2.4 Ativar opções de sincronismo Nestaetapa,ativam-seossentidosque osincronismoiráreplicarosdadosconformeoprocesso de negócio. Caminho no IMG: Naconfiguraçãoaseguir,somenteosentidodoCVIdoBPparaclientee fornecedorestá ativado, ou seja, único sentido:
  • 65. 64 Na configuração abaixo, constam todos as opções de sincronismo ativadas. 5.2.2.5 Registro de filas para processamento em background Certificar-se de que as filas para o processamento em background dos processos de sincronizaçãoforamregistradase ativadas emconformidade.Comoas filasno processamento embackgrounddosprocessosde sincronizaçãoindividuaissãonumeradasemumaexecuçãode sincronização,osnomesdasfilastêmde serregistradosde umaforma genéricainserindoum* no fim do nome da fila. Acessar a transação SM30 e informar o objeto MDSV_CTRL_OPT. Somente checar se as configurações estão conforme print Modificar visão “Opções de sincronização”: síntese:
  • 66. 65 Uma opçãode sincronizaçãorepresentaumacombinaçãode um objetode sincronizaçãofonte e um objeto de sincronização de destino. 5.3 Sincronização de Parceiro de Negócios, clientes e fornecedores 5.3.1 Etapas preparatórias para integração cliente-fornecedor 5.3.1.1 Módulos de funções Caminho no IMG ou transação BUPA_CALL_FU:
  • 67. 66 No âmbito da sincronização de dados mestre, certificar-se de que os seguintes módulos de função foram registrados e ativados para fusão de dados do parceiro de negócios e relações entre parceiros de negócios. Momento Objeto Módulo de função MERGE BUPA MERGE_BUPA_CENTRAL MERGE BUPA MERGE_BUPA_FINSERV MERGE BUPR MERGE_BUPR_CENTRAL Na parte da sincronização dos dados mestre do parceiro de negócios, certificar-se de que o módulo de função, que criou a ligação entre o processamento do parceiro de negócios e o controlador, foi registrado e ativado. Momento Objeto Módulo de função BPOUT BUPX MDS_BUPA_OUTBOUND
  • 68. 67 5.3.1.2 Campos obrigatórios para Parceiros de Negócios, cliente e fornecedor Nasincronizaçãodos dadosmestrecertificar-se de que,duranteasincronizaçãode doisobjetos, todos os campos obrigatórios do objeto de destino são preenchidos com base no objeto de origem. Se necessário, ajustar o customizing de campos obrigatórios em ambos os objetos e definir um mapeamento independente. Nota: Os paresde termosCliente/Devedore Fornecedor/Credorsãoutilizadoscomosinônimos na sincronização de dados mestre e podem substituir-se um ao outro na documentação. 5.3.2 Sincronismo para integração entre Parceiro de Negócio e cliente O conjuntode configuraçõesaseremdemonstradasnasequenciaservirãoparaparametrizaros dois sentidos de sincronismo entre BP X Cliente X BP. Caminho no IMG: 5.3.2.1 Definir categoria da função PN p/direção parceiro de negócios para cliente
  • 69. 68 Nestaatividadede configuração é possíveldeterminarquaisascategoriasde funçãoParceirode Negócio que permitem a integração de clientes na direção do parceiro de negócios para o cliente. É determinadoo modo como deve ocorrer a criação de um cliente correspondente na Contabilidade Financeira durante o processamento de parceiros de negócios. As categoriasde função PN entradas nestaatividade sãodo devedor (cliente),ouseja,durante o processamento de parceiros de negócios na respectiva função PN deve ser considerada a integração de devedores. Também é possível determinar se a função de parceiro de negócios atribuída à categoria de função PN é facultativamente do devedor Na configuração as principais categorias são FLCU00 (cliente dados de Empresa) e FLCU01 (cliente dados de vendas). Detalhes das categorias de funções:
  • 70. 69 5.3.2.2 Determinar função PN para sentido cliente - Parceiro de Negócios Nesta atividade são atribuídas ao Grupo de contas do registro mestre de cliente as Funções Parceiros de Negócios, nas quais o Parceiro de Negócios deve ser criado durante o processamento de clientes. O Parceiro de Negóciosé criado durante o processamentodocliente,noâmbitoda integração de clientes, com o grupo de contas correspondente nas funções do Parceiro de Negócios atribuídas a este grupo de contas. Pré-requisitos No customizing da Contabilidade Financeira foram determinados os grupos de contas e os intervalos de numeração atribuídos aos grupos de contas para criar contas de cliente. Estas configurações são efetuadas nas seguintes atividades IMG:  Definirgruposde contascom estruturade tela(clientes)  Criar intervalosde numeraçãoparacontasde cliente
  • 71. 70  Atribuirintervalosde numeraçãoagruposde contas para clientes 5.3.2.3 Determinar atribuição de números para direção Parceiro de Negócios para cliente A partirdestaconfiguração sãoatribuídos osgruposde contas do registromestre de cliente aos agrupamentos doParceirode Negóciosparapossibilitara atualizaçãosimultâneadocliente no quadroda integraçãode clientesdurante oprocessamentode Parceirosde Negócios.Comesta atribuiçãoé determinadose oregistromestre de clienteé criadocomum grupo de contas com atribuição interna ou externa de números ou também com igualdade numérica. Desse modo,noquadroda integraçãocliente-fornecedor,é utilizadoomesmonúmeroque o númerode Parceirode Negócios emprocessamentodurante acriação doregistromestre de cliente/registromestre do fornecedor. Nesse casoé obrigatório que:  Intervalosde numeraçãodocliente (XDN1) e doParceirode Negócios (BUCF) tenhama mesmaárea  Definidaaatribuiçãoexternade númerosnacontabilidadefinanceira(FI) Exemplos: BUCF – intervalo01 XDN1
  • 72. 71 Pré-requisitos Foram definidose atribuídosintervalosde numeraçãoe agrupamentosparao parceirode negócios.Estasconfiguraçõessãoefetuadasnasseguintesatividades noSPRO:  Definirintervalosde numeração  Definiragrupamentose atribuiraintervalosde numeração No customizing da Contabilidade Financeira foram determinados os grupos de contas e os intervalos de numeração atribuídosaos grupos de contas para a criação de contas de clientes. Estas configurações são efetuadas nas seguintes atividades IMG:  Definirgruposde contascom estruturada tela(clientes)  Criar intervalosde numeraçãoparacontasdo cliente  Atribuirintervalosde numeraçãoaosgruposde contas para clientes 5.3.2.4 Determinar distribuição números para sentido cliente - Parceiro de Negócios Os agrupamentos do Parceiro de Negócios são atribuídos aos grupos de contas do registro mestre de cliente para, durante o processamento de clientes, possibilitar a atualização simultânea do Parceiro de Negócios no âmbito da integração de clientes. Com esta atribuição seleciona-se se o registro mestre de cliente será criado com um grupo de contas com atribuição de números interna ou externa ou igualdade de números.
  • 73. 72 Pré-requisitos:sãoosmesmosdocumentadosnoitem5.3.2.3. 5.3.3 Sincronismo para integração entre Parceiro de Negócio e fornecedor O conjuntode configuraçõesaseremdemonstradasnasequencia servirãoparaparametrizaros dois sentidos de sincronismo entre BP X Fornecedor X BP. Caminho no IMG:
  • 74. 73 5.3.3.1 Definir categoria da função PN p/direção parceiro de negócios para fornecedor Aqui sãodeterminadas quaisascategoriasde funçãoPN que permitema integraçãode credores (fornecedor) na direção do Parceiro de Negócios para o fornecedor. É determinadoo modo como deve ocorrera criação de um credorcorrespondente nacontabilidadefinanceiradurante o processamento de Parceiro de Negócios. Ascategoriasde funçãoPN entradasnessaatividadeIMGsãoda parte credora,ouseja,durante o processamento de Parceiro de Negócios na respectiva função PN deve ser considerada a integração de credores. Na atividade IMG é possível determinar se a função de Parceiro de Negócios atribuída à categoria de função PN é obrigatoriamente da parte credora ou facultativamente da parte credora. As principais categorias de função são FLVN00 (fornecedores dados de Empresa) e FLVN01 (fornecedores dados de compras). Detalhes das categorias de funções:
  • 75. 74 5.3.3.2 Determinar função PN para sentido fornecedor - parceiro de negócios No customizing função PN sentido fornecedor para PN são atribuídas ao Grupo de contas do registro mestre de fornecedor Funções PN, nas quais o Parceiro de Negócios deve ser criado durante o processamento de fornecedores. O Parceiro de Negócios é criado durante o processamento do fornecedor, no âmbito da integraçãode fornecedores,comogrupode contascorrespondentenasfunçõesdoparceirode negócios atribuídas a este grupo de contas. Pré-requisitos No customizing da Contabilidade Financeira foram determinados os grupos de contas e os intervalos de numeração atribuídos aos grupos de contas para criar contas de fornecedores. Estas configurações são efetuadas nas seguintes atividades IMG:  Definir grupos de contas com estrutura da tela (fornecedores)  Criar intervalos de numeração para contas de fornecedores  Atribuir intervalos de numeração a grupos de contas para fornecedores
  • 76. 75 5.3.3.3 Determinar atribuição números para direção Parceiro de Negócios para fornecedor Nesta atividade são atribuídos grupos de contas do registro mestre de fornecedores aos agrupamentos do parceiro de negócios de modo a possibilitar a atualização simultânea do fornecedor durante o processamento de Parceiros de Negócios no quadro da integração de fornecedores.Mediante estaatribuiçãoé determinadose o registromestre de fornecedoresé criadocomumgrupode contascomatribuiçãointernaouexternade númerosoucomigualdade numérica. Nesse casoé obrigatório que:  Intervalosde numeraçãodo fornecedor(XKN1) e doParceirode Negócios (BUCF) tenham a mesmaárea  Definidaaatribuiçãoexternade númerosnacontabilidadefinanceira(FI) Exemplos: BUCF – intervalo01 XKN1
  • 77. 76 Pré-requisitos Foram definidose atribuídosintervalosde numeraçãoe agrupamentosparao parceirode negócios.Estasconfiguraçõessãoefetuadasnasseguintesatividades noSPRO:  Definirintervalosde numeração  Definiragrupamentose atribuiraintervalosde numeração No customizing da Contabilidade Financeira foram determinados os grupos de contas e os intervalos de numeração atribuídos aos grupos de contas para a criação de contas de fornecedores. Estas configurações são efetuadas nas seguintes atividades IMG:  Definirgruposde contascom estruturada tela(fornecedor)  Criar intervalosde numeraçãoparacontasdo fornecedor  Atribuirintervalosde numeraçãoaosgruposde contas para fornecedor 5.3.3.4 Determinar distribuição de números para sentido fornecedor - parceiro de negócios Os agrupamentos do Parceiro de Negócios são atribuídos aos grupos de contas do registro mestre de fornecedorpara,duranteoprocessamentodefornecedores,possibilitaraatualização simultânea do parceiro de negócios no âmbito da integração de fornecedores. Com esta atribuiçãoé selecionadose oregistromestrede fornecedorserácriadocomumgrupode contas com atribuição de números interna ou externa ou igualdade de números.
  • 78. 77 5.3.4 Demais objetos de sincronização Nestas configurações serão documentados os objetos que serão sincronizados com cliente e fornecedor junto ao Parceiro de Negócios. Observar que as configurações atenderão os dois sentidos do CVI. Caminho no IMG: 5.3.4.1 Estados civis
  • 79. 78 Os estados civis do CVI são configurados no módulo Administração de Pessoal – HCM. 5.3.4.2 Tipos de sociedades a formas jurídicas Os tipos de sociedades para o CVI são configurados em SD (marketing). 5.3.4.3 Setor industrial Fazendo a correlação do setor industrial no sentido CVI Parceiro de Negócio para cliente/fornecedor:
  • 80. 79 Fazendo a correlação do setor industrial no sentido CVI cliente/fornecedor para Parceiro de Negócio: 5.3.5 MDS_PPO2 – Post Processing Transação para verificar os erros de sincronismos em ambos sentidos. Encontra-se no menu:
  • 81. 80 O relatório é demonstrado por partes de sincronismo, ou seja, por sentidos (direção). Para concluir as ordens de processamento usar a transação
  • 82. 81 5.3.6 Cockpit de configuração Acessar a transação SE38 e entrar o report CVI_FS_CHECK_CUSTOMIZING e executar. Selecionar a opção de configuração: Serão geradas informações sobre as configurações do sincronismo para ambos sentidos.
  • 83. 82 5.4 Sincronização de Parceiro de Negócios com funcionários (HCM) 5.4.1 Criar range de numeração Caminho no IMG ou transação BUCF: Criar o intervalo denominado HR , tipo externo.
  • 84. 83 Não há necessidade de configurar um range de numeração na BUCF igual ao código do funcionário, visto porque, este irá para campo (Número pessoal) específico durante a sincronização. 5.4.2 Ativar integração Parceiro de Negócio e funcionário A configuração Ativar Integração será ativada a integração para o parceiro de negócios SAP. Deste modo, são disponibilizados dados mestre e dados organizacionais do gerenciamento de recursoshumanosde outrasaplicaçõesque mapeiampessoase unidadesorganizacionaiscomo Parceiros de Negócios. Pode-se ativaraopçãode sincronizaçãode dadosseparadamenteparaunidadesorganizacionais e empregados. Caminho no IMG:
  • 85. 84 Para ativar, basta configurar para cada grupo os parâmetros abaixo: 5.4.3 Ajustar dados unidades organizacionais Nesta configuração são definidos os detalhes para a sincronização de dados entre unidades organizacionais HCMe Parceiros de Negócios. Caminho no IMG:
  • 86. 85 Para ativar as estruturas organizacionais no sincronismo, proceder com as configurações dos parâmetros abaixo. Conforme o cenário de negócio, os valores de siglas poderão ser outros. 5.4.4 Ajustar dados de pessoas Nestaetapa,serão definidososdetalhesparaa sincronizaçãode dadosentre empregadosHRe Parceiros de Negócios. Caminho no IMG:
  • 87. 86 Para ativar os ajustesde dadosde pessoasno sincronismo,procedercomas configuraçõesdos parâmetros abaixo. Conforme o cenário de negócio, os valores de siglas poderão ser outros. 5.4.5 Ativar registro em log/análise de erros do ajuste de dados Nestaatividade,sãoefetuadas asconfiguraçõesparaoregistroemloge para a análise de erros na sincronização de dados com o parceiro de negócios. Caso ocorram erros, é possível enviar um work item com outras informações com o SAP Business Workflow ou executar um registro em log durante a sincronização de dados. Caminho no IMG:
  • 88. 87 Para as configurações de registros em log no sincronismo e workflow, proceder com as configurações dos parâmetros abaixo. Conforme o cenário de negócio, os valores de siglas poderão ser outros. 5.4.6 Ativar chave HR para estado civil às chaves do Parceiro de Negócio Através desta parametrização, determina-se que chaves para o estado civil no gerenciamento de recursos humanos devem corresponder a que chaves para o estado civil no Parceiro de Negócios SAP. Caminho no IMG:
  • 89. 88 AschavesHR para o estadocivil estãogravadasnocustomizingda Administraçãode pessoalem Administração de pessoal -> Dados pessoais -> Dados pessoais -> Determinar estado civil.
  • 90. 89 Aschavespara oestadocivil doparceirode negóciosestãogravadasnocustomizingdo Parceiro de negóciosSAP emParceirode negócios -> Pessoas-> Atualizarestadoscivis (vertópico4.2.2 deste manual). Exemplo A chave HR 0 (solteiro) é atribuída à chave de parceiro de negócios 1(solteiro). Nota: os estados civis devem obrigatoriamente estarem sincronizados na configuração. 5.4.7 Ativar forma de tratamento HR para às chaves de forma de tratamento do Parceiro de Negócio Nesta atividade IMG determina-se que chaves de forma de tratamento do gerenciamento de recursos humanos devem corresponder a que chaves de forma de tratamento no Parceiro de Negócios. Caminho no IMG:
  • 91. 90 As chaves de forma de tratamento HR estão gravadas no customizing da Administração de pessoal emAdministraçãode pessoal ->Dadospessoais ->Dadospessoais ->Determinarformas de tratamento. As chaves de forma de tratamento do parceiro estão gravadas no customizing do Parceiro de negócios SAP em Parceiro de negócios -> Configurações globais -> Formas de tratamento -> Atualizar formas de tratamento.
  • 92. 91 Exemplo A chave HR 2 (senhora) é atribuída à chave de parceiro de negócios 0001(senhora).