SlideShare uma empresa Scribd logo
ABCdaAgriculturaFamiliar
Umbuzeiro
Valorize o que é seu
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
Embrapa Informação Tecnológica
Embrapa Semi-Árido
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Embrapa Informação Tecnológica
Brasília, DF
2007
Umbuzeiro
Valorize o que é seu
Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na:
Embrapa Informação Tecnológica
Parque Estação Biológica (PqEB), Av. W3 Norte (final)
CEP 70770-901 Brasília, DF
Fone: (61) 3340-9999
Fax: (61) 3340-2753
vendas@sct.embrapa.br
www.sct.embrapa.br/liv
Embrapa Semi-Árido
Elaboração da cartilha: Francisco Pinheiro de Araújo
Produção editorial: Embrapa Informação Tecnológica
Coordenação editorial: Fernando do Amaral Pereira
Mayara Rosa Carneiro
Lucilene Maria de Andrade
Compilação: Guido Heleno Dutra
Revisão técnica: Juliana Meireles Fortaleza
Revisão de texto: Wesley José da Rocha
Projeto gráfico da coleção: Carlos Eduardo Felice Barbeiro
Editoração eletrônica: Grazielle Tinassi Oliveira
Ilustração da capa: CW Produções Ltda.
(Paulo Sérgio Soares e Eloi Neves Gameleira)
1a
edição
1a
impressão (2007): 1.000 exemplares
Todos os direitos reservados
A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em
parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n° 9.610).
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Embrapa Informação Tecnológica
© Embrapa 2007
Umbuzeiro: valorize o que é seu / Embrapa Informação Tecnológica; Embrapa Semi-
Árido. – Brasília, DF : Embrapa Informação Tecnológica, 2007.
33 p. : il. – (ABC da Agricultura Familiar, 15).
ISBN 978-85-7383-412-3
1.Adubação. 2. Colheita. 3. Plantio. 4. Processamento. 5. Receitas. 6. Umbu.
I. Embrapa Informação Tecnológica. II Embrapa Semi-Árido. III. Coleção.
CDD 634.6
Apresentação
Empenhada em auxiliar o pequeno produtor, a
Embrapa lança o ABC da Agricultura Familiar, que
oferece valiosas instruções sobre o trabalho no
campo.
Elaboradas em linguagem simples e objetiva,
as publicações abordam temas relacionados à
agropecuária e mostram como otimizar a atividade
rural. A criação de animais, técnicas de plantio,
práticas de controle de pragas e doenças, adubação
alternativa e fabricação de conservas de frutas são
alguns dos assuntos tratados.
De forma independente ou reunidas em
associações, as famílias poderão beneficiar-se
dessas informações e, com isso, diminuir custos,
aumentar a produção de alimentos, criar outras
fontes de renda e agregar valor a seus produtos.
Assim, a Embrapa cumpre o propósito adicional
de ajudar a fixar o homem no campo, pois coloca a
pesquisa a seu alcance e oferece alternativas de
melhoria na qualidade de vida.
Fernando do Amaral Pereira
Gerente-Geral
Embrapa Informação Tecnológica
Sumário
Por que plantar umbuzeiro ...................... 7
Onde, como e
quando plantar umbuzeiro....................... 8
Como adubar .......................................... 9
O plantio do umbuzeiro não exige o
desmatamento da Caatinga .................. 10
Como fazer as mudas ........................... 11
Colheita e rendimento ........................... 15
Aproveitamento do umbuzeiro .............. 17
Receitas com umbu............................... 17
6
7
Por que plantar umbuzeiro
O dito popular “Em casa de ferreiro,
espeto de pau” se aplica bem ao povo do
Nordeste brasileiro, pois na Caatinga exis-
tem plantas que trazem enormes benefícios,
mas não são valorizadas como deveriam.
O umbuzeiro é uma delas. Essa árvore
floresce na seca, alimenta as abelhas e, quan-
do frutifica, faz a fartura tomar conta do sertão.
Com seus frutos, o sertanejo tem alimenta-
ção para sua família e para seus animais,
alémdepodervenderumapartedaprodução.
Dois meses depois do fim da safra, as folhas
começam a cair e os caprinos e ovinos se
alimentam delas. Por todas essas vantagens,
é preciso não só conservar os umbuzeiros
já existentes, mas também plantar outros.
Foto:Arquivoda
EmbrapaSemi-Árido
Umbuzeiro: uma
benção no Sertão
8
Onde, como e quando
plantar umbuzeiro
O umbuzeiro pode ser plantado em
praticamente toda a Região Semi-Árida do
Nordeste brasileiro, pois ele se desenvolve
e produz bem nessa região nos mais varia-
dos tipos de solos.
Recomenda-se o plantio em curva de
nível, cortando as águas, no sistema de
sulcos e camalhões, o que conserva a terra
e ajuda a armazenar a água da chuva.
Deve-se plantar no início das chuvas.
Para aproveitar melhor o terreno,
plante culturas anuais entre as linhas do
umbuzeiro: feijão-de-corda, guandu, sorgo
e outras. As covas devem ser quadradas –
com espaços de 8 metros entre fileiras e 6
metros entre plantas – com 2 palmos de
fundura por 2 palmos de largura, ou seja,
9
44 centímetros x 44 centímetros x 44 cen-
tímetros.
Como adubar
Se possível, use 250 gramas de super-
fosfato simples, 80 gramas de cloreto de
potássio e 5 litros de húmus de minhoca ou
10 litros de esterco de curral (curtido) ou
composto, de acordo com a recomendação
do extensionista. Misture o adubo com a
terra retirada da parte de cima da cova e
coloque tudo na parte inferior dela. Se esses
adubos não estiverem disponíveis, use 20
litros de esterco de curral ou composto e
meio quilo de cinzas por cova. Recomenda-
se fazer uma bacia ao redor da cova para
guardar a água da chuva.
No título Adubação alternativa doABC
da Agricultura Familiar, há orientações inte-
ressantes sobre como produzir adubos
caseiros.
10
O plantio do umbuzeiro
não exige o desmatamento
da Caatinga
Dentro da Caatinga, o umbuzeiro se
desenvolve bem com outras plantas, o que
significa não haver necessidade de desma-
tamento da área para seu plantio.
Para o plantio, proceda da seguinte
maneira:
• Abra picadas ou trilhas na Caatinga,
espaçadas de 10 em 10 metros, pois
essa é a distância recomendada
entre ruas de umbuzeiro.
• Ao longo das trilhas, faça as covas
de 8 em 8 metros. Ao redor de cada
cova, faça um espelho, que é a retira-
da das plantas que estão próximas
a ela. Com isso, o umbuzeiro pode
atingir a altura necessária para re-
ceber a luz do sol.
11
• O preparo do solo, a adubação e o
plantio propriamente dito são os
recomendados anteriormente.
Como fazer as mudas
Para a obtenção de boas mudas, algu-
mas recomendações são importantes:
• Para a formação dos porta-enxertos
ou cavalos, colha frutos maduros,
retire as sementes e deixe-as secar
ao sol.
12
• Com uma tesoura ou canivete, que-
bre a dormência da semente, retiran-
do massa de sua parte mais larga, e
faça o rompimento dela para facilitar
a germinação.
• De preferência, use sementes do
ano anterior, pois elas facilitam a
quebra de dormência e apresentam
melhor germinação.
• Podem ser usadas sementes de um-
buzeiro do ano anterior que ficam
nos currais misturadas ao esterco.
• Plante 2 sementes por saco na posi-
ção deitada, com profundidade de
2 dedos (2,5 centímetros), e molhe
2 vezes por dia.Agerminação come-
ça depois de 10 dias do plantio e,
aos 5 meses, os porta-enxertos ou
cavalos com quase 1 centímetro de
diâmetro estão prontos para receber
as enxertias.
13
• A enxertia recomendada para o um-
buzeiro é a garfagem no topo. É
como colocar uma cunha na enxada.
• Os garfos usados para enxertia de-
vem ter 3 ou 4 gemas. O amarrilho dos
enxertos deve ser feito com fita de
plástico própria para enxertia. Ses-
senta dias depois da enxertia, as
mudas estão prontas para ser plan-
tadas no local definitivo.
• Não esqueça de desamarrar os en-
xertos.
• Nas mudas enxertadas, elimine os
brotos abaixo do ponto da enxertia.
Foto:FranciscoPinheirodeAraújo
14
• Faça uma poda de formação da
planta para forçar o nascimento de
outros ramos, cortando o último broto
dos ramos laterais, principalmente
daqueles que estão próximos do
chão.
• Capine ao redor das plantas e em
toda a área da bacia de captação de
água.
Ilustração:JoséCletisBezerra
15
• As bacias devem ser reformadas
principalmente no início das chuvas.
• Use cobertura morta nas bacias para
proteger o solo, conservar a umidade
e diminuir as plantas daninhas.
Colheita e rendimento
A colheita é feita à mão. Os frutos são
colhidos ainda “de vez” e selecionados pelo
16
tamanho para facilitar o acondicionamen-
to e o transporte. Eles são colocados em
caixas de papelão ou madeira, com capa-
cidade para 3 quilos ou 5 quilos, o mesmo
tipo de caixa usada para a uva. Quando os
frutos são destinados à produção de polpa,
pode-se acondicioná-los em sacos com
capacidade para 50 quilos.
A produção anual do umbuzeiro pode
variar de 65 quilos até 300 quilos de frutos
por planta. Porém, enquanto os umbuzeiros
plantados com sementes produzem depois
de 12 anos, os umbuzeiros de plantas
enxertadas começam a produzir depois
de 5.
Segundo a Embrapa Semi-Árido, o
umbu gigante, depois de 12 anos de plan-
tado, produz até 3.900 quilos por hectare,
produção que pode crescer com o passar
do tempo, pois o umbuzeiro produz até os
100 anos.
17
Aproveitamento do
umbuzeiro
O umbuzeiro, cujos fruto e raiz são
ricos em vitamina C e sais minerais, serve
tanto para a alimentação do homem quanto
para a de animais, e seu uso tem grande
importância para as populações rurais do
Semi-Árido, principalmente nos anos de
seca. Seus frutos são vendidos pelos
pequenos agricultores para consumo ao
natural ou na forma de polpa, suco, doce,
umbuzada, licor, xarope de umbu, pasta
concentrada, umbuzeitona, batida, umbu
cristalizado, etc.
Receitas com umbu
Doce de umbu
Para o preparo do doce, os frutos
podem ser colhidos em todas as fases de
amadurecimento:
18
• Umbuinchado(entreverdeemaduro).
• Umbu muito inchado (entre o incha-
do e o maduro).
• Umbu maduro.
• Umbu muito maduro (estes estragam
muito rápido).
Como preparar a polpa
Para obter a polpa, proceda do modo
seguinte:
• Lave os frutos em água corrente.
• Leve-os ao fogo numa vasilha com
água de beber, até o início da fervura.
• Escorra a água e espere os frutos
esfriarem.
• Passe os frutos numa peneira para
separar os caroços da polpa.
Preparando o doce
Aquantidade de açúcar deve ser mais
ou menos igual à metade da quantidade de
polpa.
19
Como fazer?
Misture o açúcar com a polpa. Em se-
guida, ponha a mistura no fogo normal e
mexa-a até chegar ao ponto de massa firme
e fácil de cortar.
Rendimento do doce
Como o umbu inchado é o que produz
mais polpa, o doce feito com ele é o que
apresenta maior rendimento. Depois vem o
doce de umbu muito inchado e o de umbu
maduro. Portanto, o doce de menor rendi-
mento é o feito com umbu muito maduro,
pois este produz menos polpa. Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
20
Geléia de umbu
A geléia de umbu pode ser feita tanto
com as frutas (inteiras ou em pedaços)
quanto com a polpa ou o suco de frutas.
Para isso, é preciso juntar açúcar, água,
suco de limão. Os passos para a obtenção
da geléia diretamente da fruta são descritos
a seguir.
Colheita e limpeza dos frutos
Os frutos para o preparo da geléia
devem ser colhidos “de vez” ou maduros,
sem sujeiras e sem machucados. Após a
colheita e a seleção, faça o seguinte:
• Lave os frutos em água corrente.
• Deixe os frutos por 30 minutos numa
mistura de uma colher (sopa) de água
sanitária para cada litro de água.
• Lave novamente os frutos em água
corrente e potável.
21
Cozimento dos frutos
• Após a lavagem, retire o cabo dos
frutos.
• Os frutos devem ser cozidos inteiros,
com a casca, numa vasilha com água.
Cuide para que a última camada de
frutos fique um pouco descoberta de
8 a 10 minutos após o início da fervura.
• Quandoosfrutosficaremdecorverde-
clara, escorra a água com uma pe-
neira fina, para não deixar passar os
frutos ou pedaços deles.
• Depois, passe a água que sobrou
noutra peneira, ainda mais fina, para
ela ficar sem nenhum pedaço ou
Foto:Arquivoda
EmbrapaSemi-Árido
22
casca de fruta. Deve-se medir quanta
água sobrou para preparar a geléia.
Preparo da geléia
Para o preparo da geléia, cada litro de
água do cozimento do umbu deve receber
500 gramas de açúcar e suco de 1 limão.
Proceda do seguinte modo:
• Despeje o açúcar na água e mexa-a
bastante, até ele desmanchar bem.
Depois, coloque o suco do limão e
leve a mistura ao fogo.
• Deixe a mistura ferver por 45 minu-
tos, aproximadamente, e mexa-a de
vez em quando.
Foto:Arquivoda
EmbrapaSemi-Árido
23
• Quando a mistura estiver com uma
cor avermelhada, com bastante es-
puma, retire dela uma pequena
porção para esfriar num pires, por
3 minutos. Se a porção endurecer
sem espalhar, a geléia está no ponto.
• Quando estiver no ponto, a geléia
deve ser retirada do fogo e colocada,
ainda quente, em potes de vidro.
• Deixe esfriar por 5 minutos, tampe e
vire os potes com a tampa para baixo
por 3 minutos.
• Os potes de geléia devem ser guar-
dados em local seco e arejado.
Foto:Arquivoda
EmbrapaSemi-Árido
24
Picles da batata do umbu
As batatas do umbuzeiro
O umbuzeiro desenvolve em sua raiz
principal uma batata, rica em nutrientes, que
pode ser aproveitada para o consumo ao
natural ou como picles.
Plantio
• Para conseguir batatas para picles,
colha as sementes em chiqueiros ou
retire-as dos frutos.
• Faça o plantio em canteiros de até
10 metros de comprimento por 1 me-
Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
25
tro de largura e 40 centímetros de
altura.
• Os canteiros devem ser feitos com
areia de riacho ou areia grossa la-
vada.
• Devem ser semeadas 120 sementes
por metro quadrado, com uma cober-
tura de 2,5 centímetros a 3,0 centí-
metros de areia.
Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
26
• Até o início da germinação, os cantei-
ros devem ser regados 3 vezes por
semana. Depois, a rega deve ser
semanal.
Obtenção das batatas
Aos 120 dias após o plantio, as
batatas das mudas atingem 17 centímetros
de comprimento, diâmetro de 1 a 2 dedos e
peso médio de 47,5 gramas.
A partir desse tamanho, a batata pode
ser utilizada tanto para consumo ao natural
quanto para o preparo de picles.
Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
27
Preparo do picles
• Após a colheita, lave as batatas em
água corrente.
• Prepare uma mistura com 1 colher
(sopa) de água sanitária para cada
litro de água. Deixe as batatas por
meia hora nessa solução.Após esse
período, lave-as em água corrente e
potável.
• Coloque as batatas, depois de retirar
suas cascas, em vasilhas com a sal-
moura para o preparo dos picles.
Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
28
• Depois, coloque as batatas em potes
de vidro
• Ponha a salmoura, preparada da se-
guinte maneira: misturar 50 gramas
de sal e o suco de 2 limões em
2 litros de água.
• Faça o branqueamento em água
quente (80 °C) por 30 minutos e de-
pois coloque em banho-maria por 40
minutos a 96 °C.
Após o preparo, os picles devem ser
armazenados à temperatura ambiente.
Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
29
Suco de umbu
Extração do suco
A extração de suco de umbu com
vapor de água pode ser feita por pequenos
agricultores. O suco pasteurizado que é
produzido pode ser guardado à temperatura
ambiente.
Extração do suco com vapor
O extrator de sucos ou suqueira é um
conjunto de três vasilhas, uma em cima da
outra. Elas se encaixam da seguinte forma:
Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
30
embaixo, fica a vasilha com água, que
produz vapor ao ser aquecida; em cima
dela, outra vasilha contém o vapor (câmara
de vapor) e, ao mesmo tempo, funciona
como coletor de suco; na parte de cima, fica
a cesta perfurada com os frutos.
Os frutos são “cozidos” pelo vapor, que
é responsável pelo arraste do suco com o
aroma e o sabor da fruta.
Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
31
Engarrafamento do suco
Assim que o suco é extraído, ele deve
ser engarrafado, ainda quente, em garrafas
de vidro (previamente fervidas), enchidas
até a boca. Elas devem ser fechadas com
tampas apropriadas e colocadas com o
gargalo para baixo até esfriar. Isso garante
a conservação do produto à temperatura
ambiente.
Uso do suco
O suco do umbu serve para fabricar
doces, geléias, sorvetes, picolés, musses,
licores e para misturas com outros sucos.
Isso dá maior valor ao fruto de umbu,
principalmente na entressafra, quando não
há frutos para processamento.
Uso de sobras da extração do suco
O bagaço obtido da extração do suco
de umbu pode ser usado para a fabricação
de doces e geléias. Isso é mais uma fonte
de renda.
32
33
Atenção
Para maiores informações e esclarecimentos,
procureumtécnicodaextensãorural,daEmbrapa,
da prefeitura ou de alguma organização de
assistência aos agricultores.
34
35
Forme uma associação
com seus vizinhos
Quando você se associa com outros
membros de sua comunidade, as vantagens
são muitas, pois:
• Fica mais fácil procurar as auto-
ridades e pedir apoio para os
projetos.
• Os associados podem comprar
máquinas e aparelhos em conjunto.
• Fica mais fácil obter crédito.
• Juntos, os associados podem vender
melhor sua produção.
• Os associados podem organizar
mutirões.
A união faz a força!
36
37
Títulos lançados
• Como organizar uma associação
• Como plantar abacaxi
• Como plantar hortaliças
• Controle alternativo de pragas e
doenças das plantas
• Caupi: o feijão do Sertão
• Como cultivar a bananeira
• Adubação alternativa
• Cultivo de peixes
• Como produzir melancia
• Alimentação das criações na seca
• Conservas caseiras de frutas
• Como plantar caju
• Formas de garantir água na seca
• Guandu Petrolina: uma boa opção
para sua alimentação
38
• Umbuzeiro: valorize o que é seu
• Conservação, preservação e uso da
Caatinga
• Criação de abelhas (apicultura)
39
Impressão e acabamento
Embrapa Informação Tecnológica
Com o lançamento do ,
a Embrapa coloca à disposição do pequeno produtor
valiosas instruções sobre as atividades do campo.
Numa linguagem simples e objetiva, os títulos abordam
a criação de animais, técnicas de plantio, práticas
de controle de pragas e doenças, adubação alternativa
e fabricação de conservas de frutas, dentre outros
assuntos que exemplificam como otimizar o trabalho rural.
Inicialmente produzidas para atender demandas por
informação do Semi-Árido nordestino, as recomendações
apresentadas são de aplicabilidade prática também
em outras regiões do País.
Com o a Embrapa
demonstra o compromisso assumido com
o sucesso da agricultura familiar.
ABC da Agricultura Familiar
ABC da Agricultura Familiar,
CGPE:6373
ISBN978-85-7383-412-3
9788573834123
Informação Tecnológica
Semi-Árido

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ABC Como Garantir Água na Seca
ABC Como Garantir Água na SecaABC Como Garantir Água na Seca
ABC Como Garantir Água na Seca
Lenildo Araujo
 
ABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatingaABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatinga
Lenildo Araujo
 
Abelhas sem-ferrao
Abelhas sem-ferraoAbelhas sem-ferrao
Abelhas sem-ferrao
Lenildo Araujo
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
João Siqueira da Mata
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
Lenildo Araujo
 
ABC Criação de bovinos de leite no semiarido
ABC Criação de bovinos de leite no semiaridoABC Criação de bovinos de leite no semiarido
ABC Criação de bovinos de leite no semiarido
Lenildo Araujo
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
Lenildo Araujo
 
A poda e condução do cafeeiro conilon
A poda e condução do cafeeiro conilonA poda e condução do cafeeiro conilon
A poda e condução do cafeeiro conilon
Ronivon Melanes
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
delvairluiz
 
Abc da agricultura minhocultura
Abc da agricultura minhoculturaAbc da agricultura minhocultura
Abc da agricultura minhocultura
Lenildo Araujo
 
Peixes
PeixesPeixes
Folder poda cafe_conilon (1)
Folder poda cafe_conilon (1)Folder poda cafe_conilon (1)
Folder poda cafe_conilon (1)
Beatriz Rosa
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
João Siqueira da Mata
 
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
Lenildo Araujo
 
Minhocultura
MinhoculturaMinhocultura
Minhocultura
Alexandre Panerai
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinos
Lenildo Araujo
 
Abc da agricultura como instalar colmeias
Abc da agricultura como instalar colmeiasAbc da agricultura como instalar colmeias
Abc da agricultura como instalar colmeias
Lenildo Araujo
 
Cartilha de Agricultura Ecológica - Ecovida
Cartilha de Agricultura Ecológica - EcovidaCartilha de Agricultura Ecológica - Ecovida
Cartilha de Agricultura Ecológica - Ecovida
Maria Rê
 
Abc da agricultura como capturar enxames com caixais
Abc da agricultura como capturar enxames com caixaisAbc da agricultura como capturar enxames com caixais
Abc da agricultura como capturar enxames com caixais
Lenildo Araujo
 

Mais procurados (19)

ABC Como Garantir Água na Seca
ABC Como Garantir Água na SecaABC Como Garantir Água na Seca
ABC Como Garantir Água na Seca
 
ABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatingaABC Preservação e uso da caatinga
ABC Preservação e uso da caatinga
 
Abelhas sem-ferrao
Abelhas sem-ferraoAbelhas sem-ferrao
Abelhas sem-ferrao
 
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas  plantasControle alternativo de pragas e doenças nas  plantas
Controle alternativo de pragas e doenças nas plantas
 
Banco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animalBanco de proteina para ração animal
Banco de proteina para ração animal
 
ABC Criação de bovinos de leite no semiarido
ABC Criação de bovinos de leite no semiaridoABC Criação de bovinos de leite no semiarido
ABC Criação de bovinos de leite no semiarido
 
ABC Como plantar caju
ABC Como plantar cajuABC Como plantar caju
ABC Como plantar caju
 
A poda e condução do cafeeiro conilon
A poda e condução do cafeeiro conilonA poda e condução do cafeeiro conilon
A poda e condução do cafeeiro conilon
 
Mandioca
MandiocaMandioca
Mandioca
 
Abc da agricultura minhocultura
Abc da agricultura minhoculturaAbc da agricultura minhocultura
Abc da agricultura minhocultura
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Folder poda cafe_conilon (1)
Folder poda cafe_conilon (1)Folder poda cafe_conilon (1)
Folder poda cafe_conilon (1)
 
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno PorteComo Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
Como Implantar e Conduzir uma Horta de Pequeno Porte
 
ABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeiraABC Como cultivar a banaeira
ABC Como cultivar a banaeira
 
Minhocultura
MinhoculturaMinhocultura
Minhocultura
 
Abc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinosAbc criação de caprinos e ovinos
Abc criação de caprinos e ovinos
 
Abc da agricultura como instalar colmeias
Abc da agricultura como instalar colmeiasAbc da agricultura como instalar colmeias
Abc da agricultura como instalar colmeias
 
Cartilha de Agricultura Ecológica - Ecovida
Cartilha de Agricultura Ecológica - EcovidaCartilha de Agricultura Ecológica - Ecovida
Cartilha de Agricultura Ecológica - Ecovida
 
Abc da agricultura como capturar enxames com caixais
Abc da agricultura como capturar enxames com caixaisAbc da agricultura como capturar enxames com caixais
Abc da agricultura como capturar enxames com caixais
 

Semelhante a Abc umbuzeiro

Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
pauloweimann
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
pauloweimann
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Evelyn Golin
 
Abc bananeira
Abc bananeiraAbc bananeira
Abc bananeira
pauloweimann
 
Abc abacaxi
Abc abacaxiAbc abacaxi
Abc abacaxi
pauloweimann
 
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp0221438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
Ronildo Barros Pereira
 
Abc guandu petrolina
Abc guandu petrolinaAbc guandu petrolina
Abc guandu petrolina
pauloweimann
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
Desireé Alvarez
 
Abc melancia
Abc melanciaAbc melancia
Abc melancia
pauloweimann
 
Abc feijão caupi
Abc feijão caupiAbc feijão caupi
Abc feijão caupi
pauloweimann
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Alimentação das criações na seca
Alimentação das criações na secaAlimentação das criações na seca
Alimentação das criações na seca
Lenildo Araujo
 
Horta organica
Horta organicaHorta organica
Horta organica
Lindon Johnsons Lemos
 
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
Marcio Claro de Oliveira
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
Denifer Teixeira
 
Abc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipirasAbc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipiras
Lenildo Araujo
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
pauloweimann
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
Leonardo Martins Santana
 
Cartilha apicultura
Cartilha apiculturaCartilha apicultura
Cartilha apicultura
Alexandre Panerai
 
Abelhas
Abelhas Abelhas
Abelhas
Daniela Said
 

Semelhante a Abc umbuzeiro (20)

Abc caju
Abc cajuAbc caju
Abc caju
 
Abc hortaliças
Abc hortaliçasAbc hortaliças
Abc hortaliças
 
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliçaApostila Embrapa Como plantar hortaliça
Apostila Embrapa Como plantar hortaliça
 
Abc bananeira
Abc bananeiraAbc bananeira
Abc bananeira
 
Abc abacaxi
Abc abacaxiAbc abacaxi
Abc abacaxi
 
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp0221438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
21438184 como-plantar-hortalicas-131211194443-phpapp02
 
Abc guandu petrolina
Abc guandu petrolinaAbc guandu petrolina
Abc guandu petrolina
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
 
Abc melancia
Abc melanciaAbc melancia
Abc melancia
 
Abc feijão caupi
Abc feijão caupiAbc feijão caupi
Abc feijão caupi
 
Uso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do UmbuzeiroUso sustentável do Umbuzeiro
Uso sustentável do Umbuzeiro
 
Alimentação das criações na seca
Alimentação das criações na secaAlimentação das criações na seca
Alimentação das criações na seca
 
Horta organica
Horta organicaHorta organica
Horta organica
 
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão01 módulo manejo_da_cultura_algodão
01 módulo manejo_da_cultura_algodão
 
Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.Cultivo da mandioca.
Cultivo da mandioca.
 
Abc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipirasAbc criação de galinhas caipiras
Abc criação de galinhas caipiras
 
Abc adubação alternativa
Abc adubação alternativaAbc adubação alternativa
Abc adubação alternativa
 
abc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solosabc da agricultura familiar - solos
abc da agricultura familiar - solos
 
Cartilha apicultura
Cartilha apiculturaCartilha apicultura
Cartilha apicultura
 
Abelhas
Abelhas Abelhas
Abelhas
 

Mais de pauloweimann

Mais e mais receitas
Mais e mais receitasMais e mais receitas
Mais e mais receitas
pauloweimann
 
Receitobas sorvetes e outras
Receitobas sorvetes e outrasReceitobas sorvetes e outras
Receitobas sorvetes e outras
pauloweimann
 
900 piadas
900 piadas900 piadas
900 piadas
pauloweimann
 
Rexetas
RexetasRexetas
Rexetas
pauloweimann
 
Muitas receitas
Muitas receitasMuitas receitas
Muitas receitas
pauloweimann
 
Ataque e defesa astral
Ataque e defesa astralAtaque e defesa astral
Ataque e defesa astral
pauloweimann
 
As ervas de a a z
As ervas de a a zAs ervas de a a z
As ervas de a a z
pauloweimann
 
Apocalipse para mosquitos moscas e afins
Apocalipse para mosquitos moscas e afinsApocalipse para mosquitos moscas e afins
Apocalipse para mosquitos moscas e afins
pauloweimann
 
Acessando o hemisfério direito do cérebro lidia peychaux
Acessando o hemisfério direito do cérebro   lidia peychauxAcessando o hemisfério direito do cérebro   lidia peychaux
Acessando o hemisfério direito do cérebro lidia peychaux
pauloweimann
 
A arca perdida da alianca tudor parfitt
A arca perdida da alianca   tudor parfittA arca perdida da alianca   tudor parfitt
A arca perdida da alianca tudor parfitt
pauloweimann
 
A abobada energetica k. h. scheer
A abobada energetica   k. h. scheerA abobada energetica   k. h. scheer
A abobada energetica k. h. scheer
pauloweimann
 
666 o limiar do inferno - jay anson
666   o limiar do inferno - jay anson666   o limiar do inferno - jay anson
666 o limiar do inferno - jay anson
pauloweimann
 
50 chás-e-seus-benefícios
50 chás-e-seus-benefícios50 chás-e-seus-benefícios
50 chás-e-seus-benefícios
pauloweimann
 
22 regras-de-ouro-para-adivinhos
22 regras-de-ouro-para-adivinhos22 regras-de-ouro-para-adivinhos
22 regras-de-ouro-para-adivinhos
pauloweimann
 
Receltas
ReceltasReceltas
Receltas
pauloweimann
 
Receituxas
ReceituxasReceituxas
Receituxas
pauloweimann
 
Receituxas variadas
Receituxas variadasReceituxas variadas
Receituxas variadas
pauloweimann
 
Receitouxas
ReceitouxasReceitouxas
Receitouxas
pauloweimann
 
Receitoukas
ReceitoukasReceitoukas
Receitoukas
pauloweimann
 
Receitolas
ReceitolasReceitolas
Receitolas
pauloweimann
 

Mais de pauloweimann (20)

Mais e mais receitas
Mais e mais receitasMais e mais receitas
Mais e mais receitas
 
Receitobas sorvetes e outras
Receitobas sorvetes e outrasReceitobas sorvetes e outras
Receitobas sorvetes e outras
 
900 piadas
900 piadas900 piadas
900 piadas
 
Rexetas
RexetasRexetas
Rexetas
 
Muitas receitas
Muitas receitasMuitas receitas
Muitas receitas
 
Ataque e defesa astral
Ataque e defesa astralAtaque e defesa astral
Ataque e defesa astral
 
As ervas de a a z
As ervas de a a zAs ervas de a a z
As ervas de a a z
 
Apocalipse para mosquitos moscas e afins
Apocalipse para mosquitos moscas e afinsApocalipse para mosquitos moscas e afins
Apocalipse para mosquitos moscas e afins
 
Acessando o hemisfério direito do cérebro lidia peychaux
Acessando o hemisfério direito do cérebro   lidia peychauxAcessando o hemisfério direito do cérebro   lidia peychaux
Acessando o hemisfério direito do cérebro lidia peychaux
 
A arca perdida da alianca tudor parfitt
A arca perdida da alianca   tudor parfittA arca perdida da alianca   tudor parfitt
A arca perdida da alianca tudor parfitt
 
A abobada energetica k. h. scheer
A abobada energetica   k. h. scheerA abobada energetica   k. h. scheer
A abobada energetica k. h. scheer
 
666 o limiar do inferno - jay anson
666   o limiar do inferno - jay anson666   o limiar do inferno - jay anson
666 o limiar do inferno - jay anson
 
50 chás-e-seus-benefícios
50 chás-e-seus-benefícios50 chás-e-seus-benefícios
50 chás-e-seus-benefícios
 
22 regras-de-ouro-para-adivinhos
22 regras-de-ouro-para-adivinhos22 regras-de-ouro-para-adivinhos
22 regras-de-ouro-para-adivinhos
 
Receltas
ReceltasReceltas
Receltas
 
Receituxas
ReceituxasReceituxas
Receituxas
 
Receituxas variadas
Receituxas variadasReceituxas variadas
Receituxas variadas
 
Receitouxas
ReceitouxasReceitouxas
Receitouxas
 
Receitoukas
ReceitoukasReceitoukas
Receitoukas
 
Receitolas
ReceitolasReceitolas
Receitolas
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 

Abc umbuzeiro

  • 2. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Informação Tecnológica Embrapa Semi-Árido Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Informação Tecnológica Brasília, DF 2007 Umbuzeiro Valorize o que é seu
  • 3. Exemplares desta publicação podem ser adquiridos na: Embrapa Informação Tecnológica Parque Estação Biológica (PqEB), Av. W3 Norte (final) CEP 70770-901 Brasília, DF Fone: (61) 3340-9999 Fax: (61) 3340-2753 vendas@sct.embrapa.br www.sct.embrapa.br/liv Embrapa Semi-Árido Elaboração da cartilha: Francisco Pinheiro de Araújo Produção editorial: Embrapa Informação Tecnológica Coordenação editorial: Fernando do Amaral Pereira Mayara Rosa Carneiro Lucilene Maria de Andrade Compilação: Guido Heleno Dutra Revisão técnica: Juliana Meireles Fortaleza Revisão de texto: Wesley José da Rocha Projeto gráfico da coleção: Carlos Eduardo Felice Barbeiro Editoração eletrônica: Grazielle Tinassi Oliveira Ilustração da capa: CW Produções Ltda. (Paulo Sérgio Soares e Eloi Neves Gameleira) 1a edição 1a impressão (2007): 1.000 exemplares Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei n° 9.610). Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Embrapa Informação Tecnológica © Embrapa 2007 Umbuzeiro: valorize o que é seu / Embrapa Informação Tecnológica; Embrapa Semi- Árido. – Brasília, DF : Embrapa Informação Tecnológica, 2007. 33 p. : il. – (ABC da Agricultura Familiar, 15). ISBN 978-85-7383-412-3 1.Adubação. 2. Colheita. 3. Plantio. 4. Processamento. 5. Receitas. 6. Umbu. I. Embrapa Informação Tecnológica. II Embrapa Semi-Árido. III. Coleção. CDD 634.6
  • 4. Apresentação Empenhada em auxiliar o pequeno produtor, a Embrapa lança o ABC da Agricultura Familiar, que oferece valiosas instruções sobre o trabalho no campo. Elaboradas em linguagem simples e objetiva, as publicações abordam temas relacionados à agropecuária e mostram como otimizar a atividade rural. A criação de animais, técnicas de plantio, práticas de controle de pragas e doenças, adubação alternativa e fabricação de conservas de frutas são alguns dos assuntos tratados. De forma independente ou reunidas em associações, as famílias poderão beneficiar-se dessas informações e, com isso, diminuir custos, aumentar a produção de alimentos, criar outras fontes de renda e agregar valor a seus produtos. Assim, a Embrapa cumpre o propósito adicional de ajudar a fixar o homem no campo, pois coloca a pesquisa a seu alcance e oferece alternativas de melhoria na qualidade de vida. Fernando do Amaral Pereira Gerente-Geral Embrapa Informação Tecnológica
  • 5.
  • 6. Sumário Por que plantar umbuzeiro ...................... 7 Onde, como e quando plantar umbuzeiro....................... 8 Como adubar .......................................... 9 O plantio do umbuzeiro não exige o desmatamento da Caatinga .................. 10 Como fazer as mudas ........................... 11 Colheita e rendimento ........................... 15 Aproveitamento do umbuzeiro .............. 17 Receitas com umbu............................... 17
  • 7. 6
  • 8. 7 Por que plantar umbuzeiro O dito popular “Em casa de ferreiro, espeto de pau” se aplica bem ao povo do Nordeste brasileiro, pois na Caatinga exis- tem plantas que trazem enormes benefícios, mas não são valorizadas como deveriam. O umbuzeiro é uma delas. Essa árvore floresce na seca, alimenta as abelhas e, quan- do frutifica, faz a fartura tomar conta do sertão. Com seus frutos, o sertanejo tem alimenta- ção para sua família e para seus animais, alémdepodervenderumapartedaprodução. Dois meses depois do fim da safra, as folhas começam a cair e os caprinos e ovinos se alimentam delas. Por todas essas vantagens, é preciso não só conservar os umbuzeiros já existentes, mas também plantar outros. Foto:Arquivoda EmbrapaSemi-Árido Umbuzeiro: uma benção no Sertão
  • 9. 8 Onde, como e quando plantar umbuzeiro O umbuzeiro pode ser plantado em praticamente toda a Região Semi-Árida do Nordeste brasileiro, pois ele se desenvolve e produz bem nessa região nos mais varia- dos tipos de solos. Recomenda-se o plantio em curva de nível, cortando as águas, no sistema de sulcos e camalhões, o que conserva a terra e ajuda a armazenar a água da chuva. Deve-se plantar no início das chuvas. Para aproveitar melhor o terreno, plante culturas anuais entre as linhas do umbuzeiro: feijão-de-corda, guandu, sorgo e outras. As covas devem ser quadradas – com espaços de 8 metros entre fileiras e 6 metros entre plantas – com 2 palmos de fundura por 2 palmos de largura, ou seja,
  • 10. 9 44 centímetros x 44 centímetros x 44 cen- tímetros. Como adubar Se possível, use 250 gramas de super- fosfato simples, 80 gramas de cloreto de potássio e 5 litros de húmus de minhoca ou 10 litros de esterco de curral (curtido) ou composto, de acordo com a recomendação do extensionista. Misture o adubo com a terra retirada da parte de cima da cova e coloque tudo na parte inferior dela. Se esses adubos não estiverem disponíveis, use 20 litros de esterco de curral ou composto e meio quilo de cinzas por cova. Recomenda- se fazer uma bacia ao redor da cova para guardar a água da chuva. No título Adubação alternativa doABC da Agricultura Familiar, há orientações inte- ressantes sobre como produzir adubos caseiros.
  • 11. 10 O plantio do umbuzeiro não exige o desmatamento da Caatinga Dentro da Caatinga, o umbuzeiro se desenvolve bem com outras plantas, o que significa não haver necessidade de desma- tamento da área para seu plantio. Para o plantio, proceda da seguinte maneira: • Abra picadas ou trilhas na Caatinga, espaçadas de 10 em 10 metros, pois essa é a distância recomendada entre ruas de umbuzeiro. • Ao longo das trilhas, faça as covas de 8 em 8 metros. Ao redor de cada cova, faça um espelho, que é a retira- da das plantas que estão próximas a ela. Com isso, o umbuzeiro pode atingir a altura necessária para re- ceber a luz do sol.
  • 12. 11 • O preparo do solo, a adubação e o plantio propriamente dito são os recomendados anteriormente. Como fazer as mudas Para a obtenção de boas mudas, algu- mas recomendações são importantes: • Para a formação dos porta-enxertos ou cavalos, colha frutos maduros, retire as sementes e deixe-as secar ao sol.
  • 13. 12 • Com uma tesoura ou canivete, que- bre a dormência da semente, retiran- do massa de sua parte mais larga, e faça o rompimento dela para facilitar a germinação. • De preferência, use sementes do ano anterior, pois elas facilitam a quebra de dormência e apresentam melhor germinação. • Podem ser usadas sementes de um- buzeiro do ano anterior que ficam nos currais misturadas ao esterco. • Plante 2 sementes por saco na posi- ção deitada, com profundidade de 2 dedos (2,5 centímetros), e molhe 2 vezes por dia.Agerminação come- ça depois de 10 dias do plantio e, aos 5 meses, os porta-enxertos ou cavalos com quase 1 centímetro de diâmetro estão prontos para receber as enxertias.
  • 14. 13 • A enxertia recomendada para o um- buzeiro é a garfagem no topo. É como colocar uma cunha na enxada. • Os garfos usados para enxertia de- vem ter 3 ou 4 gemas. O amarrilho dos enxertos deve ser feito com fita de plástico própria para enxertia. Ses- senta dias depois da enxertia, as mudas estão prontas para ser plan- tadas no local definitivo. • Não esqueça de desamarrar os en- xertos. • Nas mudas enxertadas, elimine os brotos abaixo do ponto da enxertia. Foto:FranciscoPinheirodeAraújo
  • 15. 14 • Faça uma poda de formação da planta para forçar o nascimento de outros ramos, cortando o último broto dos ramos laterais, principalmente daqueles que estão próximos do chão. • Capine ao redor das plantas e em toda a área da bacia de captação de água. Ilustração:JoséCletisBezerra
  • 16. 15 • As bacias devem ser reformadas principalmente no início das chuvas. • Use cobertura morta nas bacias para proteger o solo, conservar a umidade e diminuir as plantas daninhas. Colheita e rendimento A colheita é feita à mão. Os frutos são colhidos ainda “de vez” e selecionados pelo
  • 17. 16 tamanho para facilitar o acondicionamen- to e o transporte. Eles são colocados em caixas de papelão ou madeira, com capa- cidade para 3 quilos ou 5 quilos, o mesmo tipo de caixa usada para a uva. Quando os frutos são destinados à produção de polpa, pode-se acondicioná-los em sacos com capacidade para 50 quilos. A produção anual do umbuzeiro pode variar de 65 quilos até 300 quilos de frutos por planta. Porém, enquanto os umbuzeiros plantados com sementes produzem depois de 12 anos, os umbuzeiros de plantas enxertadas começam a produzir depois de 5. Segundo a Embrapa Semi-Árido, o umbu gigante, depois de 12 anos de plan- tado, produz até 3.900 quilos por hectare, produção que pode crescer com o passar do tempo, pois o umbuzeiro produz até os 100 anos.
  • 18. 17 Aproveitamento do umbuzeiro O umbuzeiro, cujos fruto e raiz são ricos em vitamina C e sais minerais, serve tanto para a alimentação do homem quanto para a de animais, e seu uso tem grande importância para as populações rurais do Semi-Árido, principalmente nos anos de seca. Seus frutos são vendidos pelos pequenos agricultores para consumo ao natural ou na forma de polpa, suco, doce, umbuzada, licor, xarope de umbu, pasta concentrada, umbuzeitona, batida, umbu cristalizado, etc. Receitas com umbu Doce de umbu Para o preparo do doce, os frutos podem ser colhidos em todas as fases de amadurecimento:
  • 19. 18 • Umbuinchado(entreverdeemaduro). • Umbu muito inchado (entre o incha- do e o maduro). • Umbu maduro. • Umbu muito maduro (estes estragam muito rápido). Como preparar a polpa Para obter a polpa, proceda do modo seguinte: • Lave os frutos em água corrente. • Leve-os ao fogo numa vasilha com água de beber, até o início da fervura. • Escorra a água e espere os frutos esfriarem. • Passe os frutos numa peneira para separar os caroços da polpa. Preparando o doce Aquantidade de açúcar deve ser mais ou menos igual à metade da quantidade de polpa.
  • 20. 19 Como fazer? Misture o açúcar com a polpa. Em se- guida, ponha a mistura no fogo normal e mexa-a até chegar ao ponto de massa firme e fácil de cortar. Rendimento do doce Como o umbu inchado é o que produz mais polpa, o doce feito com ele é o que apresenta maior rendimento. Depois vem o doce de umbu muito inchado e o de umbu maduro. Portanto, o doce de menor rendi- mento é o feito com umbu muito maduro, pois este produz menos polpa. Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
  • 21. 20 Geléia de umbu A geléia de umbu pode ser feita tanto com as frutas (inteiras ou em pedaços) quanto com a polpa ou o suco de frutas. Para isso, é preciso juntar açúcar, água, suco de limão. Os passos para a obtenção da geléia diretamente da fruta são descritos a seguir. Colheita e limpeza dos frutos Os frutos para o preparo da geléia devem ser colhidos “de vez” ou maduros, sem sujeiras e sem machucados. Após a colheita e a seleção, faça o seguinte: • Lave os frutos em água corrente. • Deixe os frutos por 30 minutos numa mistura de uma colher (sopa) de água sanitária para cada litro de água. • Lave novamente os frutos em água corrente e potável.
  • 22. 21 Cozimento dos frutos • Após a lavagem, retire o cabo dos frutos. • Os frutos devem ser cozidos inteiros, com a casca, numa vasilha com água. Cuide para que a última camada de frutos fique um pouco descoberta de 8 a 10 minutos após o início da fervura. • Quandoosfrutosficaremdecorverde- clara, escorra a água com uma pe- neira fina, para não deixar passar os frutos ou pedaços deles. • Depois, passe a água que sobrou noutra peneira, ainda mais fina, para ela ficar sem nenhum pedaço ou Foto:Arquivoda EmbrapaSemi-Árido
  • 23. 22 casca de fruta. Deve-se medir quanta água sobrou para preparar a geléia. Preparo da geléia Para o preparo da geléia, cada litro de água do cozimento do umbu deve receber 500 gramas de açúcar e suco de 1 limão. Proceda do seguinte modo: • Despeje o açúcar na água e mexa-a bastante, até ele desmanchar bem. Depois, coloque o suco do limão e leve a mistura ao fogo. • Deixe a mistura ferver por 45 minu- tos, aproximadamente, e mexa-a de vez em quando. Foto:Arquivoda EmbrapaSemi-Árido
  • 24. 23 • Quando a mistura estiver com uma cor avermelhada, com bastante es- puma, retire dela uma pequena porção para esfriar num pires, por 3 minutos. Se a porção endurecer sem espalhar, a geléia está no ponto. • Quando estiver no ponto, a geléia deve ser retirada do fogo e colocada, ainda quente, em potes de vidro. • Deixe esfriar por 5 minutos, tampe e vire os potes com a tampa para baixo por 3 minutos. • Os potes de geléia devem ser guar- dados em local seco e arejado. Foto:Arquivoda EmbrapaSemi-Árido
  • 25. 24 Picles da batata do umbu As batatas do umbuzeiro O umbuzeiro desenvolve em sua raiz principal uma batata, rica em nutrientes, que pode ser aproveitada para o consumo ao natural ou como picles. Plantio • Para conseguir batatas para picles, colha as sementes em chiqueiros ou retire-as dos frutos. • Faça o plantio em canteiros de até 10 metros de comprimento por 1 me- Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
  • 26. 25 tro de largura e 40 centímetros de altura. • Os canteiros devem ser feitos com areia de riacho ou areia grossa la- vada. • Devem ser semeadas 120 sementes por metro quadrado, com uma cober- tura de 2,5 centímetros a 3,0 centí- metros de areia. Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
  • 27. 26 • Até o início da germinação, os cantei- ros devem ser regados 3 vezes por semana. Depois, a rega deve ser semanal. Obtenção das batatas Aos 120 dias após o plantio, as batatas das mudas atingem 17 centímetros de comprimento, diâmetro de 1 a 2 dedos e peso médio de 47,5 gramas. A partir desse tamanho, a batata pode ser utilizada tanto para consumo ao natural quanto para o preparo de picles. Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
  • 28. 27 Preparo do picles • Após a colheita, lave as batatas em água corrente. • Prepare uma mistura com 1 colher (sopa) de água sanitária para cada litro de água. Deixe as batatas por meia hora nessa solução.Após esse período, lave-as em água corrente e potável. • Coloque as batatas, depois de retirar suas cascas, em vasilhas com a sal- moura para o preparo dos picles. Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
  • 29. 28 • Depois, coloque as batatas em potes de vidro • Ponha a salmoura, preparada da se- guinte maneira: misturar 50 gramas de sal e o suco de 2 limões em 2 litros de água. • Faça o branqueamento em água quente (80 °C) por 30 minutos e de- pois coloque em banho-maria por 40 minutos a 96 °C. Após o preparo, os picles devem ser armazenados à temperatura ambiente. Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
  • 30. 29 Suco de umbu Extração do suco A extração de suco de umbu com vapor de água pode ser feita por pequenos agricultores. O suco pasteurizado que é produzido pode ser guardado à temperatura ambiente. Extração do suco com vapor O extrator de sucos ou suqueira é um conjunto de três vasilhas, uma em cima da outra. Elas se encaixam da seguinte forma: Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
  • 31. 30 embaixo, fica a vasilha com água, que produz vapor ao ser aquecida; em cima dela, outra vasilha contém o vapor (câmara de vapor) e, ao mesmo tempo, funciona como coletor de suco; na parte de cima, fica a cesta perfurada com os frutos. Os frutos são “cozidos” pelo vapor, que é responsável pelo arraste do suco com o aroma e o sabor da fruta. Foto:ArquivodaEmbrapaSemi-Árido
  • 32. 31 Engarrafamento do suco Assim que o suco é extraído, ele deve ser engarrafado, ainda quente, em garrafas de vidro (previamente fervidas), enchidas até a boca. Elas devem ser fechadas com tampas apropriadas e colocadas com o gargalo para baixo até esfriar. Isso garante a conservação do produto à temperatura ambiente. Uso do suco O suco do umbu serve para fabricar doces, geléias, sorvetes, picolés, musses, licores e para misturas com outros sucos. Isso dá maior valor ao fruto de umbu, principalmente na entressafra, quando não há frutos para processamento. Uso de sobras da extração do suco O bagaço obtido da extração do suco de umbu pode ser usado para a fabricação de doces e geléias. Isso é mais uma fonte de renda.
  • 33. 32
  • 34. 33 Atenção Para maiores informações e esclarecimentos, procureumtécnicodaextensãorural,daEmbrapa, da prefeitura ou de alguma organização de assistência aos agricultores.
  • 35. 34
  • 36. 35 Forme uma associação com seus vizinhos Quando você se associa com outros membros de sua comunidade, as vantagens são muitas, pois: • Fica mais fácil procurar as auto- ridades e pedir apoio para os projetos. • Os associados podem comprar máquinas e aparelhos em conjunto. • Fica mais fácil obter crédito. • Juntos, os associados podem vender melhor sua produção. • Os associados podem organizar mutirões. A união faz a força!
  • 37. 36
  • 38. 37 Títulos lançados • Como organizar uma associação • Como plantar abacaxi • Como plantar hortaliças • Controle alternativo de pragas e doenças das plantas • Caupi: o feijão do Sertão • Como cultivar a bananeira • Adubação alternativa • Cultivo de peixes • Como produzir melancia • Alimentação das criações na seca • Conservas caseiras de frutas • Como plantar caju • Formas de garantir água na seca • Guandu Petrolina: uma boa opção para sua alimentação
  • 39. 38 • Umbuzeiro: valorize o que é seu • Conservação, preservação e uso da Caatinga • Criação de abelhas (apicultura)
  • 40. 39
  • 41. Impressão e acabamento Embrapa Informação Tecnológica
  • 42. Com o lançamento do , a Embrapa coloca à disposição do pequeno produtor valiosas instruções sobre as atividades do campo. Numa linguagem simples e objetiva, os títulos abordam a criação de animais, técnicas de plantio, práticas de controle de pragas e doenças, adubação alternativa e fabricação de conservas de frutas, dentre outros assuntos que exemplificam como otimizar o trabalho rural. Inicialmente produzidas para atender demandas por informação do Semi-Árido nordestino, as recomendações apresentadas são de aplicabilidade prática também em outras regiões do País. Com o a Embrapa demonstra o compromisso assumido com o sucesso da agricultura familiar. ABC da Agricultura Familiar ABC da Agricultura Familiar, CGPE:6373 ISBN978-85-7383-412-3 9788573834123 Informação Tecnológica Semi-Árido