SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ
CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÃO
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA
ALUNOS: Amanda Monteiro
Anderson Nunes
Bruno Marques
Marco Almeida
Paulo Gama
Wudielson Segtowick
I. A POSSIBILIDADE
DO
CONHECIMENTO
PRIMEIRAMENTE: O QUE É O CONHECIMENTO?
 Conhecimento filosófico: construção de ideias e
conceitos, Buscando as verdades do mundo por
meio da indagação, debate, do filosofar.
O PROBLEMA DO CONHECIMENTO
 Se existe um conhecimento verdadeiro, como
podemos reconhecer sua verdade?
POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO
 Dogmatismo
 Subjetivismo e Relativismo
 Ceticismo
 Pragmatismo
 Criticismo
O DOGMATISMO
 Psicológica e historicamente foi o primeiro “ponto de
vista”;
 O conhecimento depende da interação entre sujeito x
objeto;
 Não aborda o problema do conhecimento;
 A consciência cognoscente aprende aquilo que está
diante dela;
 Excesso de confiança na eficiência razão humana.
 Sofistas: Os primeiros a levantarem o “problema do
conhecimento”.
 Tipos de Dogmatismo:
Dogmatismo Teórico: Conhecimentos teóricos;
Dogmatismo Ético: Valores morais;
Dogmatismo Religioso: Valores religiosos;
O SUBJETIVISMO E O RELATIVISMO
 Limitação da Validade da verdade;
 Ausência de verdade Universalmente Válida;
 Subjetivismo: A restrição da validade do conhecimento
reside no Sujeito (individuo);
 O conhecimento pode ser para um individuo e outro para
outro individuo;
 Relativismo: A restrição da validade do conhecimento
depende de fatores externos.
O CETICISMO
 Contestação do contato entre sujeito e objeto;
 O conhecimento não pode ser alcançado;
 Não enxerga o objeto;
 Atenção voltada completamente para o subjetivismo do
conhecimento humano;
 A contradição do Ceticismo;
 O ceticismo metafisico: Positivismo (Augusto Comte).
CETICISMO METAFISICO: O POSITIVISMO
 Pensador: Augusto Comte;
 Nega a possibilidade do conhecimento “supra – sensorial”;
 Ater-se aos fatos da experiência: Positivamente dados;
 Refutar todo e qualquer especulação metafisica;
 Não existe conhecimento filosófico-metafisico, somente o
saber e o conhecimento cientifico (baseado em
experiências ).
O PRAGMATISMO
Do grego prâgma, ação. Similar ao ceticismo, ele
também abandona o conceito de verdade como
concordância entre pensamento e ser;
Adota outro conceito de verdade no lugar do que
foi abandonado;
Verdadeiro, segundo essa concepção, significa o
mesmo que útil, valioso, promotor da vida.
COMO O PRAGMATISMO VÊ O HOMEM
 Um ser prático, dotado de vontade, ativo, e não um ser
pensante, teórico;
 O intelecto está a serviço do querer e do agir, orientando-se
na realidade;
 O juízo ‘a vontade humana é livre’ é verdadeiro.
REPRESENTANTES DO PRAGMATISMO
William James Friedrich Schiller Friedrich Nietzsche
O ERRO FUNDAMENTAL DO
PRAGMATISMO
 Consiste em não visualizar a esfera lógica;
 Ele desconhece o valor próprio, a autonomia do pensamento
humano;
 A verdade pode ter efeitos danosos;
CRITICISMO
Ponto de vista intermediário entre dogmatismo e
ceticismo;
O conhecimento é possível e de que a verdade
existe;
Põe à prova toda afirmação da razão humana e
nada aceita inconscientemente.
FUNDADOR DO CRITICISMO
Kant passou tanto pelo
dogmatismo quanto pelo
ceticismo, e diz que ambos os
pontos são unilaterais.
 O primeiro tem “uma confiança
cega na capacidade da razão
humana”;
 O segundo é “a desconfiança
adquirida, sem crítica prévia,
contra a razão pura”.
Immanuel Kant
OUTRO REPRESENTANTE DO CRITICISMO
Hegel diz em sua Enciclopédia
o seguinte: “A investigação do
conhecimento não pode ocorrer
senão conhecendo; investigar esse
assim chamado instrumento não
significa outra coisa senão conhecê-
lo. Mas querer conhecer antes de
conhecer é tão incongruente quanto
a sábia resolução daquele
escolástico – aprender a nadar antes
de aventurar-se na água.”
Georg Wilhelm Friedrich Hegel
II. A ORIGEM DO CONHECIMENTO
O juízo “o sol aquece a pedra” foi construído
com base em determinadas experiências. O sol
bate sobre a pedra e, tocando-a, verifica-se que ela
vai ficando cada vez mais quente. Nesse juízo,
portanto, temos base nos dados da visão e do tato,
ou, em poucas palavras, na experiência.
A experiência mostra que um processo
segue-se ao outro. Adicionando o pensamento de
que um processo ocorre por meio do outro, é
causado pelo outro.
RACIONALISMO
 O ponto de vista que enxerga no pensamento,
na razão, a principal fonte do conhecimento
humano;
 Necessário e tiver validade universal;
 O pensamento é a verdadeira fonte e
fundamento do conhecimento humano.
UM MODELO DE CONHECIMENTO
 O conhecimento matemático;
 Dedutivo e conceitual;
 O racionalismo em sua forma mais imediata;
RACIONALISMO TRANSCENDENTE
Encontramos a forma mais
antiga de racionalismo em Platão. Ele
está convencido de que todo saber
genuíno distingue-se pelas notas
características da necessidade lógica e
da validade universal. O mundo da
experiência está em constante
mudança e modificação.
Consequentemente, é incapaz de nos
transmitir qualquer saber genuíno; a
contemplação das ideias.
Platão
RACIONALISMO TEOLÓGICO
 Dois representantes; Plotino e Agostinho;
 Plotino coloca o mundo das ideias no Espírito Pensante, o
Nous cósmico;
 Agostinho substitui o Nous cósmico pelo Deus do
cristianismo.
RACIONALISMO TEOGNOSTICISMO
Na Idade Moderna, o racionalismo experimenta uma
intensificação: Malebranche, filósofo francês do século XVII
e no século XIX, o filósofo italiano Gioberti. Segundo ele,
conhecemos as coisas com uma visão imediata do Absoluto
em sua atividade criadora.
Desde então, essa designação tem sido aplicada em
Malebranche e a doutrinas afins, de modo que hoje se
entende por ontologismo.
RACIONALISMO IMANENTE
René Descartes Leibniz
 Doutrina das ideias conatas ou inatas (ideae innatae);
 Segundo ela, há em nós um certo número de conceitos
inatos, conceitos que são, na verdade, os mais importantes,
fundamentadores do conhecimento;
 Se em Descartes esses conceitos estariam mais ou menos
prontos em nós, para Leibniz eles existem apenas em
germes, potencialmente.
RACIONALISMO LÓGICO
 Século XIX;
 Abstrato;
 Personificação dos pressupostos e princípios do
conhecimento;
 O conteúdo completo do conhecimento é deduzido daqueles
princípios superiores de maneira rigorosamente lógica.
O EMPIRISMO
Para o Empirismo a razão
não possui nenhum patrimônio
apriorístico, a experiência é o
seu fundamento. Vemos o
empirismos :
1. Na Grécia antiga. Os estóicos:
a alma como uma pagina em
branco.
2. Em John Locke: Retoma a
ideia da Grécia Antiga e
acrescenta que as experiências
deixam as primeiras impressões
nesta página
John Locke(1632-1704)
3. David Hume: Seguindo os
pensamentos de Locke ele divide as
“ideias” (perceptions) de Locke em
impressões (impressions) e ideias
(ideas). Na primeira, temos as
impressões de sensação e as
impressões de reflexões. Na
segunda, temos as representações
menos nítidas da memória e da
fantasia que nos surgem baseado
nas impressões. Deste modo Hume
formula o axioma: ”Todas ideias
provem de impressões, não sendo
senão copias das impressões”
David Hume (1715-1780)
4. Condillac (1715-1780),
contemporâneo de Hume, existia
apenas uma forma de
conhecimento: o Sensualismo, no
qual a fonte do conhecimento é a
sensação. Originalmente, a alma
tem apenas uma faculdade:
experimentar sensações.
Condillac (1715-1780)
5. Já no século XIX, encontramos
o empirismo no filosofo inglês
John Stuart Mill (1806-1873). Ele
mais longe do que Hume e
Locke, na medida em que atribui
também o conhecimento
matemático à experiência, como
única fonte de conhecimento
John Stuart Mill (1806-1873).
O INTELECTUALISMO
O intelectualismo é o agente
mediador entre o racionalismo e o
empirismo. Para ele, tanto o
pensamento quanto a experiência
participam da formação do
conhecimento. Segundo o
intelectualismo , a consciência retira
seus conceitos da experiência.
Seu axioma fundamental é
a proposição: ”nihil est in intellectu
quod prius non fuerit in sensu” que
significa: “não há nada no intelecto
que não estivesse primeiro nos
sentidos”
Aristóteles foi um dos
primeiros a desenvolver o
intelectualismo: Aluno de Platão e
pesquisador da natureza.
Aristóteles( Filósofo Grego)
Essa teoria foi reorganizada
na Idade Média por Tomás de
Aquino(1221-1247). Para ele,
inicialmente recebemos das coisas
concretas as imagens sensíveis,
species sensibles. O intellectus
agens extrai delas as imagens
essenciais universais, as species
intelligibiles.
Tomás de Aquino(1221-1247).
O APRIORISMO
Foi a segunda tentativa de
mediação entre o racionalismo e o
empirismo.
Mais voltada aos elementos a
priori, isto é, aos pensamentos e,
consequentemente, ao racionalismo.
Enquanto o racionalismo
considera os fatores a priori como
conteúdos e conceitos completos, o
apriorismo não vê os fatores a priori
como conteúdos e conceitos
completos, mas sim como formas de
conhecimento que recebe seus
conteúdos a partir das experiências.
O principio que governa o
apriorismo é: ”conceitos sem
intuições são vazios; intuições sem
conceitos são cegas”. O
intelectualismo deriva o fator racional
do empírico, enquanto para o
apriorismo o fator empírico é que
deriva do fator racional.
O fundador do apriorismo é
Kant. Toda a sua filosofia e tentativa
de mediação entre o racionalismo e
o empirismo se deu a partir do
racionalismo de Leibniz e Wolff e o
empirismo de Locke e Hume.
Ele o fez afirmando que o
material do conhecimento provém
da experiência, enquanto a forma
provém do pensamento.
Immanuel Kant(1724-1804)
POSICIONAMENTO CRÍTICO
Podemos entender como um
posicionamento de princípios frente às duas
orientações (racionalismo e empirismo), apenas a
título de complemento.
Devem-se separar rigorosamente o
problema psicológico do problema lógico.
O PROBLEMA PSICOLÓGICO
Analisados sob a ótica da origem psicologia, tanto o
empirismo quanto o racionalismo são falsos.
O empirismo é refutado pelo fato da psicologia
moderna ter mostrado que além dos conteúdos intuitivos
da consciência, existem aqueles que são intelectuais.
O racionalismo também não se sustenta no
confronto com a psicologia, uma vez que ela desconhece
conceitos inatos ou nascidos de fontes transcendentes,
mostrando que a formação de conceitos é condicionada
pela experiência.
Destarte, devemos mesclar tanto um quanto
o outro para uma atuação conjunta de fatores
racionais e empíricos no conhecimento humano.
O racionalismo está voltado para as ciências
ideais, enquanto que o empirismo está voltado
para as ciências naturais (reais) e que ambas tem
razão, desde que elas restringissem suas
doutrinas epistemológicas aos campos específicos
que cada uma tem em mente.
O PROBLEMA LÓGICO
Do ponto de vista lógico, temos mais
dificuldades em tomar opinião sobre as duas
posições intermediárias.
Tanto sob o ponto de vista do
intelectualismo quanto sob o ponto de vista do
apriorismo, temos juízos com verdades
universais, mas com necessidades estritas.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
lipexleal
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Filosofia PolíTica (IntroduçãO)
Filosofia PolíTica (IntroduçãO)Filosofia PolíTica (IntroduçãO)
Filosofia PolíTica (IntroduçãO)
profpallaoro
 
Ontologia e metafísica apresentação e plano de aula
Ontologia e metafísica   apresentação e plano de aulaOntologia e metafísica   apresentação e plano de aula
Ontologia e metafísica apresentação e plano de aula
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Alexandre Misturini
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
Silmara Vedoveli
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
Teoria do conhecimento kant
Teoria do conhecimento   kantTeoria do conhecimento   kant
Teoria do conhecimento kant
João Paulo Rodrigues
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
Lu Rebordosa
 
A Filosofia da Religião
A Filosofia da ReligiãoA Filosofia da Religião
A Filosofia da Religião
3000zxsc
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Colégio Nova Geração COC
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
Periodos da filosofia
Periodos da filosofiaPeriodos da filosofia
Periodos da filosofia
Raquel Carvalheiro
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
superego
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
professorleo1989
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
Munis Pedro
 
Aula 1 filosofia no ENEM
Aula 1 filosofia no ENEMAula 1 filosofia no ENEM
Aula 1 filosofia no ENEM
Alexandre Banciella
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
Jonathan Nascyn
 

Mais procurados (20)

Racionalismo e Empirismo
Racionalismo e EmpirismoRacionalismo e Empirismo
Racionalismo e Empirismo
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Filosofia PolíTica (IntroduçãO)
Filosofia PolíTica (IntroduçãO)Filosofia PolíTica (IntroduçãO)
Filosofia PolíTica (IntroduçãO)
 
Ontologia e metafísica apresentação e plano de aula
Ontologia e metafísica   apresentação e plano de aulaOntologia e metafísica   apresentação e plano de aula
Ontologia e metafísica apresentação e plano de aula
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Teoria do conhecimento kant
Teoria do conhecimento   kantTeoria do conhecimento   kant
Teoria do conhecimento kant
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
 
A Filosofia da Religião
A Filosofia da ReligiãoA Filosofia da Religião
A Filosofia da Religião
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Periodos da filosofia
Periodos da filosofiaPeriodos da filosofia
Periodos da filosofia
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
Aula 1 filosofia no ENEM
Aula 1 filosofia no ENEMAula 1 filosofia no ENEM
Aula 1 filosofia no ENEM
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
 

Semelhante a A teoria do conhecimento

Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Rita Gonçalves
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Duzg
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Linda Lopes
 
Slide filosofia
Slide filosofiaSlide filosofia
Slide filosofia
Alexandre Misturini
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Estude Mais
 
Empirismo de Hume
Empirismo de HumeEmpirismo de Hume
Empirismo de Hume
Jorge Barbosa
 
Filosofia 2º bimestre -1ª série - o conhecimento
Filosofia   2º bimestre -1ª série - o conhecimentoFilosofia   2º bimestre -1ª série - o conhecimento
Filosofia 2º bimestre -1ª série - o conhecimento
mtolentino1507
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
Bruno Carrasco
 
Filosofia Moderna: Empirismo
Filosofia Moderna: EmpirismoFilosofia Moderna: Empirismo
Filosofia Moderna: Empirismo
Kely Cristina Metzker
 
SLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
SLIDES_empirismo e racionalismo.pptSLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
SLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
FernandoPilan4
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico
Camila Brito
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
Joana Darc
 
Introdução à Filosofia
Introdução à FilosofiaIntrodução à Filosofia
Introdução à Filosofia
PriscillaTomazi2015
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Carson Souza
 
Apriorismo Lazaro.docx
Apriorismo Lazaro.docxApriorismo Lazaro.docx
Apriorismo Lazaro.docx
TafadzuaJosefaAizequ
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
Laguat
 
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Rita Gonçalves
 
Resumofilo4
Resumofilo4Resumofilo4
Resumofilo4
Natan Camacho
 
Epistemologia
Epistemologia Epistemologia
Epistemologia
Alexandre Misturini
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
LucianoEnes1
 

Semelhante a A teoria do conhecimento (20)

Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
 
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano   3º e 4º bimestreApostila do 1º ano   3º e 4º bimestre
Apostila do 1º ano 3º e 4º bimestre
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Slide filosofia
Slide filosofiaSlide filosofia
Slide filosofia
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Empirismo de Hume
Empirismo de HumeEmpirismo de Hume
Empirismo de Hume
 
Filosofia 2º bimestre -1ª série - o conhecimento
Filosofia   2º bimestre -1ª série - o conhecimentoFilosofia   2º bimestre -1ª série - o conhecimento
Filosofia 2º bimestre -1ª série - o conhecimento
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
 
Filosofia Moderna: Empirismo
Filosofia Moderna: EmpirismoFilosofia Moderna: Empirismo
Filosofia Moderna: Empirismo
 
SLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
SLIDES_empirismo e racionalismo.pptSLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
SLIDES_empirismo e racionalismo.ppt
 
Conhecimento platônico
Conhecimento platônico Conhecimento platônico
Conhecimento platônico
 
Teoria do conhecimento
Teoria do conhecimentoTeoria do conhecimento
Teoria do conhecimento
 
Introdução à Filosofia
Introdução à FilosofiaIntrodução à Filosofia
Introdução à Filosofia
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
Apriorismo Lazaro.docx
Apriorismo Lazaro.docxApriorismo Lazaro.docx
Apriorismo Lazaro.docx
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
 
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
 
Resumofilo4
Resumofilo4Resumofilo4
Resumofilo4
 
Epistemologia
Epistemologia Epistemologia
Epistemologia
 
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do ConhecimentoIntrodução disciplina Teoria do Conhecimento
Introdução disciplina Teoria do Conhecimento
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 

A teoria do conhecimento

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E INFORMÁTICA ALUNOS: Amanda Monteiro Anderson Nunes Bruno Marques Marco Almeida Paulo Gama Wudielson Segtowick
  • 3. PRIMEIRAMENTE: O QUE É O CONHECIMENTO?  Conhecimento filosófico: construção de ideias e conceitos, Buscando as verdades do mundo por meio da indagação, debate, do filosofar.
  • 4. O PROBLEMA DO CONHECIMENTO  Se existe um conhecimento verdadeiro, como podemos reconhecer sua verdade?
  • 5. POSSIBILIDADES DO CONHECIMENTO  Dogmatismo  Subjetivismo e Relativismo  Ceticismo  Pragmatismo  Criticismo
  • 6. O DOGMATISMO  Psicológica e historicamente foi o primeiro “ponto de vista”;  O conhecimento depende da interação entre sujeito x objeto;  Não aborda o problema do conhecimento;  A consciência cognoscente aprende aquilo que está diante dela;  Excesso de confiança na eficiência razão humana.
  • 7.  Sofistas: Os primeiros a levantarem o “problema do conhecimento”.  Tipos de Dogmatismo: Dogmatismo Teórico: Conhecimentos teóricos; Dogmatismo Ético: Valores morais; Dogmatismo Religioso: Valores religiosos;
  • 8. O SUBJETIVISMO E O RELATIVISMO  Limitação da Validade da verdade;  Ausência de verdade Universalmente Válida;  Subjetivismo: A restrição da validade do conhecimento reside no Sujeito (individuo);  O conhecimento pode ser para um individuo e outro para outro individuo;  Relativismo: A restrição da validade do conhecimento depende de fatores externos.
  • 9. O CETICISMO  Contestação do contato entre sujeito e objeto;  O conhecimento não pode ser alcançado;  Não enxerga o objeto;  Atenção voltada completamente para o subjetivismo do conhecimento humano;  A contradição do Ceticismo;  O ceticismo metafisico: Positivismo (Augusto Comte).
  • 10. CETICISMO METAFISICO: O POSITIVISMO  Pensador: Augusto Comte;  Nega a possibilidade do conhecimento “supra – sensorial”;  Ater-se aos fatos da experiência: Positivamente dados;  Refutar todo e qualquer especulação metafisica;  Não existe conhecimento filosófico-metafisico, somente o saber e o conhecimento cientifico (baseado em experiências ).
  • 11. O PRAGMATISMO Do grego prâgma, ação. Similar ao ceticismo, ele também abandona o conceito de verdade como concordância entre pensamento e ser; Adota outro conceito de verdade no lugar do que foi abandonado; Verdadeiro, segundo essa concepção, significa o mesmo que útil, valioso, promotor da vida.
  • 12. COMO O PRAGMATISMO VÊ O HOMEM  Um ser prático, dotado de vontade, ativo, e não um ser pensante, teórico;  O intelecto está a serviço do querer e do agir, orientando-se na realidade;  O juízo ‘a vontade humana é livre’ é verdadeiro.
  • 13. REPRESENTANTES DO PRAGMATISMO William James Friedrich Schiller Friedrich Nietzsche
  • 14. O ERRO FUNDAMENTAL DO PRAGMATISMO  Consiste em não visualizar a esfera lógica;  Ele desconhece o valor próprio, a autonomia do pensamento humano;  A verdade pode ter efeitos danosos;
  • 15. CRITICISMO Ponto de vista intermediário entre dogmatismo e ceticismo; O conhecimento é possível e de que a verdade existe; Põe à prova toda afirmação da razão humana e nada aceita inconscientemente.
  • 16. FUNDADOR DO CRITICISMO Kant passou tanto pelo dogmatismo quanto pelo ceticismo, e diz que ambos os pontos são unilaterais.  O primeiro tem “uma confiança cega na capacidade da razão humana”;  O segundo é “a desconfiança adquirida, sem crítica prévia, contra a razão pura”. Immanuel Kant
  • 17. OUTRO REPRESENTANTE DO CRITICISMO Hegel diz em sua Enciclopédia o seguinte: “A investigação do conhecimento não pode ocorrer senão conhecendo; investigar esse assim chamado instrumento não significa outra coisa senão conhecê- lo. Mas querer conhecer antes de conhecer é tão incongruente quanto a sábia resolução daquele escolástico – aprender a nadar antes de aventurar-se na água.” Georg Wilhelm Friedrich Hegel
  • 18. II. A ORIGEM DO CONHECIMENTO O juízo “o sol aquece a pedra” foi construído com base em determinadas experiências. O sol bate sobre a pedra e, tocando-a, verifica-se que ela vai ficando cada vez mais quente. Nesse juízo, portanto, temos base nos dados da visão e do tato, ou, em poucas palavras, na experiência. A experiência mostra que um processo segue-se ao outro. Adicionando o pensamento de que um processo ocorre por meio do outro, é causado pelo outro.
  • 19. RACIONALISMO  O ponto de vista que enxerga no pensamento, na razão, a principal fonte do conhecimento humano;  Necessário e tiver validade universal;  O pensamento é a verdadeira fonte e fundamento do conhecimento humano.
  • 20. UM MODELO DE CONHECIMENTO  O conhecimento matemático;  Dedutivo e conceitual;  O racionalismo em sua forma mais imediata;
  • 21. RACIONALISMO TRANSCENDENTE Encontramos a forma mais antiga de racionalismo em Platão. Ele está convencido de que todo saber genuíno distingue-se pelas notas características da necessidade lógica e da validade universal. O mundo da experiência está em constante mudança e modificação. Consequentemente, é incapaz de nos transmitir qualquer saber genuíno; a contemplação das ideias. Platão
  • 22. RACIONALISMO TEOLÓGICO  Dois representantes; Plotino e Agostinho;  Plotino coloca o mundo das ideias no Espírito Pensante, o Nous cósmico;  Agostinho substitui o Nous cósmico pelo Deus do cristianismo.
  • 23. RACIONALISMO TEOGNOSTICISMO Na Idade Moderna, o racionalismo experimenta uma intensificação: Malebranche, filósofo francês do século XVII e no século XIX, o filósofo italiano Gioberti. Segundo ele, conhecemos as coisas com uma visão imediata do Absoluto em sua atividade criadora. Desde então, essa designação tem sido aplicada em Malebranche e a doutrinas afins, de modo que hoje se entende por ontologismo.
  • 25.  Doutrina das ideias conatas ou inatas (ideae innatae);  Segundo ela, há em nós um certo número de conceitos inatos, conceitos que são, na verdade, os mais importantes, fundamentadores do conhecimento;  Se em Descartes esses conceitos estariam mais ou menos prontos em nós, para Leibniz eles existem apenas em germes, potencialmente.
  • 26. RACIONALISMO LÓGICO  Século XIX;  Abstrato;  Personificação dos pressupostos e princípios do conhecimento;  O conteúdo completo do conhecimento é deduzido daqueles princípios superiores de maneira rigorosamente lógica.
  • 27. O EMPIRISMO Para o Empirismo a razão não possui nenhum patrimônio apriorístico, a experiência é o seu fundamento. Vemos o empirismos : 1. Na Grécia antiga. Os estóicos: a alma como uma pagina em branco. 2. Em John Locke: Retoma a ideia da Grécia Antiga e acrescenta que as experiências deixam as primeiras impressões nesta página John Locke(1632-1704)
  • 28. 3. David Hume: Seguindo os pensamentos de Locke ele divide as “ideias” (perceptions) de Locke em impressões (impressions) e ideias (ideas). Na primeira, temos as impressões de sensação e as impressões de reflexões. Na segunda, temos as representações menos nítidas da memória e da fantasia que nos surgem baseado nas impressões. Deste modo Hume formula o axioma: ”Todas ideias provem de impressões, não sendo senão copias das impressões” David Hume (1715-1780)
  • 29. 4. Condillac (1715-1780), contemporâneo de Hume, existia apenas uma forma de conhecimento: o Sensualismo, no qual a fonte do conhecimento é a sensação. Originalmente, a alma tem apenas uma faculdade: experimentar sensações. Condillac (1715-1780)
  • 30. 5. Já no século XIX, encontramos o empirismo no filosofo inglês John Stuart Mill (1806-1873). Ele mais longe do que Hume e Locke, na medida em que atribui também o conhecimento matemático à experiência, como única fonte de conhecimento John Stuart Mill (1806-1873).
  • 31. O INTELECTUALISMO O intelectualismo é o agente mediador entre o racionalismo e o empirismo. Para ele, tanto o pensamento quanto a experiência participam da formação do conhecimento. Segundo o intelectualismo , a consciência retira seus conceitos da experiência.
  • 32. Seu axioma fundamental é a proposição: ”nihil est in intellectu quod prius non fuerit in sensu” que significa: “não há nada no intelecto que não estivesse primeiro nos sentidos” Aristóteles foi um dos primeiros a desenvolver o intelectualismo: Aluno de Platão e pesquisador da natureza. Aristóteles( Filósofo Grego)
  • 33. Essa teoria foi reorganizada na Idade Média por Tomás de Aquino(1221-1247). Para ele, inicialmente recebemos das coisas concretas as imagens sensíveis, species sensibles. O intellectus agens extrai delas as imagens essenciais universais, as species intelligibiles. Tomás de Aquino(1221-1247).
  • 34. O APRIORISMO Foi a segunda tentativa de mediação entre o racionalismo e o empirismo. Mais voltada aos elementos a priori, isto é, aos pensamentos e, consequentemente, ao racionalismo. Enquanto o racionalismo considera os fatores a priori como conteúdos e conceitos completos, o apriorismo não vê os fatores a priori como conteúdos e conceitos completos, mas sim como formas de conhecimento que recebe seus conteúdos a partir das experiências.
  • 35. O principio que governa o apriorismo é: ”conceitos sem intuições são vazios; intuições sem conceitos são cegas”. O intelectualismo deriva o fator racional do empírico, enquanto para o apriorismo o fator empírico é que deriva do fator racional.
  • 36. O fundador do apriorismo é Kant. Toda a sua filosofia e tentativa de mediação entre o racionalismo e o empirismo se deu a partir do racionalismo de Leibniz e Wolff e o empirismo de Locke e Hume. Ele o fez afirmando que o material do conhecimento provém da experiência, enquanto a forma provém do pensamento. Immanuel Kant(1724-1804)
  • 37. POSICIONAMENTO CRÍTICO Podemos entender como um posicionamento de princípios frente às duas orientações (racionalismo e empirismo), apenas a título de complemento. Devem-se separar rigorosamente o problema psicológico do problema lógico.
  • 38. O PROBLEMA PSICOLÓGICO Analisados sob a ótica da origem psicologia, tanto o empirismo quanto o racionalismo são falsos. O empirismo é refutado pelo fato da psicologia moderna ter mostrado que além dos conteúdos intuitivos da consciência, existem aqueles que são intelectuais. O racionalismo também não se sustenta no confronto com a psicologia, uma vez que ela desconhece conceitos inatos ou nascidos de fontes transcendentes, mostrando que a formação de conceitos é condicionada pela experiência.
  • 39. Destarte, devemos mesclar tanto um quanto o outro para uma atuação conjunta de fatores racionais e empíricos no conhecimento humano. O racionalismo está voltado para as ciências ideais, enquanto que o empirismo está voltado para as ciências naturais (reais) e que ambas tem razão, desde que elas restringissem suas doutrinas epistemológicas aos campos específicos que cada uma tem em mente.
  • 40. O PROBLEMA LÓGICO Do ponto de vista lógico, temos mais dificuldades em tomar opinião sobre as duas posições intermediárias. Tanto sob o ponto de vista do intelectualismo quanto sob o ponto de vista do apriorismo, temos juízos com verdades universais, mas com necessidades estritas.