SlideShare uma empresa Scribd logo
UM ESTUDO SOBRE MATEUS
27.52,53
• Vamos estudar hoje o trecho de Mateus 27.52,53.
• Tem sido uma peculiaridade do Evangelho de Mateus
esse incidente, pois nenhum outro evangelista cita o
fato, nem mesmo em qualquer carta do NT há algum
relato parecido.
• Algumas propostas têm sido espalhadas entre os
comentaristas e a sede dos leitores da Bíblia sobre
este fato sempre foi grande, haja vista o silêncio que
Mateus faz depois de escrever o fato.
• Parece que a falta de mais informação traz maior
curiosidade acerca do que deve ter acontecido
realmente aquele dia tão glorioso, que foi a morte de
Cristo.
• Na carência de informação, os setores
extraeclesiásticos se aproveitam para fazer suas
conjecturas.
• Veremos um pouco como os testemunhas de jeová
entendem esse trecho em questão.
• O entendimento da Torre de Vigia da passagem é
como se expressou a organização na revista A
Sentinela de 15 de abril de 1976, págs. 255, 256:
• “Significa Mateus 27.52,53 que, por ocasião da morte
de Jesus, algumas pessoas já sepultadas foram
ressuscitadas?
• Muitos comentaristas bíblicos acham que é isto o que
estes versículos significam.
• No entanto, os eruditos admitem que o sentido e a
tradução correta destes versículos são
• Na realidade, há motivo para se crer que, quando
Jesus morreu, o terremoto acompanhante rachou
alguns túmulos perto de Jerusalém e assim expôs os
cadáveres aos transeuntes.
• Mas, se houve uma ressurreição quando Jesus
morreu, conforme sugerem estas e outras traduções,
teriam os ressuscitados esperado até depois da
própria ressurreição de Jesus, no terceiro dia depois
disso, antes de saírem dos seus sepulcros? Por que
ressuscitaria Deus a tais ‘santos’ nesta ocasião, uma
vez que Jesus devia ser ‘o primogênito dentre os
mortos’? (Col. 1:18; 1 Cor. 15:20) Também, era
durante a futura presença de Cristo que cristãos
ungidos ou ‘santos’ deviam participar da primeira
ressurreição. — 1 Tes. 3:13; 4:14-17: Rev. 20:5, 6.
• Observe que, falando-se estritamente, a narrativa
não diz que os ‘corpos’ passaram a viver.
• Apenas diz que ressurgiram ou foram jogados para
fora dos sepulcros pelo terremoto.
• Algo similar aconteceu na cidade de Sonson, na
Colômbia, em 1962. El Tiempo (31 de julho de 1962)
noticiou:
• ‘Duzentos cadáveres no cemitério desta cidade
foram lançados fora de seus túmulos pelo violento
tremor de terra’.
• Pessoas que passavam por ali ou através daquele
cemitério viram os cadáveres, e, em resultado,
muitos de Sonson tinham de ir para lá e enterrar de
novo seus parentes falecidos.
• Sem violação da gramática grega, pode-se traduzir
Mateus 27:52, 53, dum modo que sugira que houve
uma exposição similar de cadáveres em resultado do
• Assim, a tradução de Johannes Greber (1937) verte
estes versículos do seguinte modo: ‘Túmulos foram
abertos, e muitos cadáveres dos enterrados foram
jogados em posição vertical. Nesta postura projetavam-
se para fora das sepulturas e foram vistos por muitos
dos que passavam por ali em caminho de volta para a
cidade’. – Compare isso com
a Tradução do Novo Mundo.
• Junto com o rasgar da cortina do templo, que separava
o Santo do Santíssimo, este violento tremor de terra,
que expôs cadáveres que em pouco tempo foram vistos
por viajantes que levaram a notícia a Jerusalém, serviu
de prova adicional de que Jesus não era mero
criminoso executado por uma contravenção.
• Ele era o Messias, aquele que dentro em breve seria o
primogênito dentre os mortos destinados à vida
• É claro que este entendimento se reflete na maneira
como o relato é apresentado na Tradução do Novo
Mundo, usada pelas Testemunhas de Jeová.
• O trecho completo (Mateus 27:51-53) foi traduzido da
seguinte maneira nesta versão bíblica:
• “E eis que a cortina do santuário se rasgou em dois,
de alto a baixo, e a terra tremeu, e as rochas se
fenderam. E abriram-se os túmulos memoriais e
muitos corpos dos santos que tinham adormecido
foram levantados, (e pessoas, saindo dentre os
túmulos memoriais depois de ele ter sido levantado,
entraram na cidade santa,) e tornaram-se visíveis a
muitas pessoas”.
• Ou seja, segundo a Torre de Vigia, os que foram
vistos em Jerusalém não foram mortos
ressuscitados, e sim transeuntes que haviam visto
cadáveres fora dos túmulos e depois entraram em
• Na verdade esta ideia não se originou com a Torre de
Vigia.
• Muito antes do surgimento dessa organização,
outros escritores religiosos já expressavam este
entendimento.
• Em seu Comentário da Bíblia (escrito entre 1810 e
1826), o erudito Adam Clarke fez referência a isso:
• “Alguns pensaram que estes dois versículos foram
introduzidos no texto de Mateus a partir do
Evangelho dos Nazarenos, outros pensam que o
significado é simples: vários corpos que haviam sido
enterrados foram jogados para fora pelo terremoto e
expostos, e continuaram na superfície até depois da
ressurreição de Cristo, sendo vistos por muitas
pessoas na cidade”.
• Esta é exatamente a mesma ideia expressa
• A maioria das versões bíblicas transmite realmente a
ideia de que ocorreu uma ressurreição naquele caso,
e estes ressuscitados foram os que entraram em
Jerusalém, sendo vistos por muita gente.
• Leiamos o texto em algumas versões diferentes.
• ARA e ARC: “Abriram-se os sepulcros, e muitos
corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; e,
saindo dos sepulcros depois da ressurreição de
Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a
muitos”.
• NVI e A21: “Os sepulcros se abriram, e os corpos de
muitos santos que tinham morrido foram
ressuscitados. E, saindo dos sepulcros, depois da
ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e
apareceram a muitos”.
• NTLH: “Os túmulos se abriram, e muitas pessoas do
povo de Deus que haviam morrido foram
ressuscitadas e saíram dos túmulos. E, depois da
ressurreição de Jesus, entraram em Jerusalém, a
Cidade Santa, onde muitos viram essas pessoas”.
• EP (Católica): “Os túmulos se abriram e muitos
santos falecidos ressuscitaram. Saindo dos túmulos
depois da ressurreição de Jesus, apareceram na
Cidade Santa e foram vistos por muitas pessoas”.
• No NT Interlinear, o texto está assim:
• Não são muitos os comentaristas que se arriscam a
dizer alguma coisa, de modo que os hereges
rapidamente se manifestam para expor sua aberração,
que acaba sendo tida como a interpretação correta, ou
na melhor das hipóteses, como uma interpretação
alternativa, quando, na verdade acabamos de ver que
não passa de uma corrupção do texto original.
• De imediato fica claro o seguinte: Nenhuma dessas
versões diz rigorosamente que essas pessoas foram
ressuscitadas antes de Cristo.
• E todas elas informam claramente que tais pessoas só
entraram em Jerusalém depois da ressurreição dEle.
• De modo que a ideia da Torre de Vigia segundo a qual
“houve uma ressurreição quando Jesus morreu,
conforme sugerem estas e outras
traduções” está equivocada, já que nenhuma tradução
erudita sugere isso.
• O texto permite a conclusão de que o terremoto
ocorreu e os túmulos foram abertos em decorrência
desse terremoto por ocasião da morte de Cristo.
• O momento exato em que as pessoas que estavam
neles ‘foram levantadas’ não é especificado.
• Sob esse ponto de vista, não haveria qualquer
necessidade de pessoas ressuscitadas terem
“esperado até depois da própria ressurreição de
Jesus, no terceiro dia depois disso, antes de saírem
dos seus sepulcros”, como disse a Sentinela.
• Embora os túmulos já estivessem abertos, a
princípio essas pessoas continuaram mortas.
• Com a ressurreição, saíram dos túmulos já abertos e
entraram em Jerusalém só depois da ressurreição de
Cristo, o que não violaria o ensino bíblico de que
Cristo foi “o primogênito dentre os mortos”.
• João Calvino entendia esse trecho como um anúncio
de Deus de que Seu Filho tinha agora poder sobre a
morte.
• Segundo ele, Deus usou o momento exato da maior
fraqueza (morte) do Seu Filho, para mostrar a maior
energia magnífica ao ressuscitar estes santos.
• Ele contradiz os comentaristas de sua época, que
diziam que os corpos foram ressuscitados, mas
ficaram escondidos em seus túmulos até que Cristo
ressuscitasse.
• “Acho mais provável que, quando Cristo morreu, as
sepulturas foram abertas imediatamente, e que,
quando Ele se levantou, alguns dos piedosos, tendo
• Para o reformador de Genebra, Cristo não
ressuscitou “a título privado”, mas para “lançar o
odor da vida em todos os crentes”.
• Então ele previu a seguinte pergunta: “Por que
apenas alguns santos ressurgiram, uma vez que a
participação na ressurreição de Cristo pertence
igualmente a todos os salvos?”
• Ele mesmo responde: “Porque o tempo para reunir
todo o Corpo (igreja) à Cabeça (Cristo) ainda não
havia chegado... Então, como que para dar aos
demais uma elevada esperança, era vantajoso que
uns poucos saboreassem aquela ressurreição”.
• Usa então Colossenses 3.4 para afirmar que
a vida pós-morte dos crentes está reservada
à 2ª vinda de Cristo.
• Certamente o terremoto foi o fator mediato que
causou a abertura dos túmulos.
• Mas podemos ter certeza de que o fator primário foi
Deus.
• O texto não dá a ideia de que somente os túmulos de
alguns santos foram abertos, mas diz “os túmulos
foram abertos”.
• A ressurreição é que se deu com alguns santos...
• Se for ligar a ressurreição com a abertura dos
túmulos, então pode-se presumir que apenas alguns
túmulos se abriram, mas se observarmos segundo a
literalidade do texto, todos os túmulos da região se
abriram, mas somente alguns santos ressuscitaram.
• Fritz Rienecker comenta que “aconteceu um
terremoto, suficientemente intenso para que se
formassem fendas nas paredes rochosas, numerosas
nos montes em torno de Jerusalém”.
• “Em todas essas paredes, porém, há grande número
de câmaras mortuárias, cujos acessos, enquanto elas
eram ocupadas, ficavam fechados por lajes de pedra”.
• “Por isso qualquer abalo sísmico em Jerusalém tinha
o efeito de que os túmulos se abrissem, porque as
portas de pedra caíam”.
• “Essa circunstância simboliza que, com a morte de
Jesus foi vencida a morte, e que com Sua morte
abrem-se as sepulturas das pessoas”.
• “Através desse acontecimento foi declarado para
muitos por que Jesus morreu. Eles viram que ele
entregou a sua vida como resgate, pelo qual libertou
muitos da culpa e da morte”.
• Há geralmente duas opiniões sobre quem eram estes
santos.
• Há os que defendem que eram santos do AT, tais
como Abraão, Noé, Moisés, Davi, etc. Outros porém
entendem como sendo santos da época de Cristo
mesmo, tais como Isabel, Zacarias, Simeão, Ana, etc.
• Barnes diz em seu comentário de Mateus que “É
provável que eles eram pessoas que tinham morrido
recentemente, e eles parecem ter sido conhecidos
em Jerusalém”.
• Sobre isto conclui dizendo que se fossem os
santos do AT não teriam sido reconhecidos
pelos moradores de Jerusalém e isto não
• Outro equívoco sério na explicação da Torre de Vigia
é este:
• “Observe que, falando-se estritamente, a narrativa não
diz que os “corpos” passaram a viver. Apenas diz que
ressurgiram ou foram jogados para fora dos sepulcros
pelo terremoto.”
• “Estritamente”, o relato diz que os mortos “foram
levantados” ou “ressurgiram” e não diz uma só
palavra sobre eles terem sido “jogados para fora dos
sepulcros pelo terremoto”.
• Isso não passa de uma conclusão de quem escreveu
a Sentinela.
• A ideia de um grande grupo de cadáveres sendo
jogado para fora de suas sepulturas – e todos em
posição vertical – conforme expresso na forçada
tradução de Johannes Greber (a citada pela Torre de
Vigia para “provar” isso) é absolutamente fantasiosa
e nem mesmo o caso moderno citado, ocorrido na
• Além do mais, praticamente todas as versões –
inclusive a Tradução do Novo Mundo – deixam claro
que todos esses que ‘foram levantados’ tratavam-
se de pessoas “santas”, “justas”, “do povo de
Deus”.
• Isso gera imediatamente a pergunta: Por que o relato
expressa esse detalhe de que o episódio só ocorreu
com “corpos de santos” e não com os de outras
pessoas?
• Se a questão era simplesmente cadáveres em
decomposição ficando expostos durante dias a céu
aberto, em decorrência dum terremoto, de forma
totalmente inglória e desonrosa, não seria estranho e
contraditório isso só ocorrer com corpos de pessoas
santas?
• Portanto, não procede a tentativa dos tj’s de torcer o
• Há 4 tipos de ressurreição.
Da morte do
pecado para a vida
espiritual:
ressurreição
espiritual (Jo 5.25;
Ef 2.1; Ap 20.4).
Da morte física para
a vida física:
exemplos do AT
(1Re 17.22), Lázaro
(Jo 11.43,44),
Dorcas (At 9.40),
etc.
Da morte física
para a vida eterna:
exemplo, Cristo e a
igreja na 2ª vinda
(Dn 12.2; Jo 5.29;
1Ts 4.16,17).
Da morte física
para a condenação
eterna: exemplo, os
ímpios na 2ª vinda
(Dn 12.2; Jo 5.29;
Ap 20.15).
• Os que defendem a ressurreição da morte física para
a vida eterna (como Calvino, Fritz Rienecker e muitos
outros bons comentaristas), o fazem pelo fato de
entenderem o acontecimento como um anúncio da
vitória de Cristo sobre a morte e um prenúncio de
que os demais membros do Seu Corpo terão o
mesmo destino.
• De acordo com essa posição, não faria sentido os
santos serem ressuscitados e depois voltarem a
morrer, como foi o caso de Lázaro e outros mais,
pois, que glória há demonstrada nisso? Cristo dar o
anúncio de que venceu a morte e os santos que com
Ele ressuscitaram voltarem ao poder da morte?
• Isso já tinha acontecido no AT, quando um homem foi
lançado no túmulo de Eliseu e voltou à vida,
entretanto voltou a morrer novamente, como se
depreende do texto (2Re 13.20,21).
• Para o nosso texto em questão, apenas dois desses
tipos de ressurreição podem ser alternativas
corretas.
• Quanto à ressurreição da morte física para a morte
ou condenação eterna não pode ser, uma vez que
eles eram santos e esta ressurreição só se aplica a
ímpios.
• Quanto à ressurreição da morte do pecado para a
vida espiritual também não pode ser, uma vez que
eles estavam nos sepulcros, e esse tipo de
ressurreição só se dá com pessoas ainda vivas
fisicamente.
• Então, de que tipo de ressurreição eles participaram?
• Ou aqueles santos ressuscitaram da morte física
para a vida física, ou ressuscitaram da morte física
para a vida eterna.
• O argumento “então Jesus não seria o ‘primogênito’
dos mortos” não tem valor nessa visão, pois outros
mortos também ressuscitaram antes de Cristo
(Lázaro, por exemplo) e nem por isso Cristo deixou
de ser o ‘primogênito’.
• Se os santos ressuscitados participaram de uma
ressurreição milagrosa à semelhança da de Lázaro,
então qual foi o seu destino?
• Voltaram para os seus familiares de uma forma
milagrosa e conviveram com eles até morrerem
novamente.
• Aqui entra a dúvida sobre a possível contradição
entre as ressurreições da morte física para a vida
física e o texto de Hb 9.27.
• Como explicar esse paradoxo (pois na Bíblia
não existe contradição)?
• Se observarmos o contexto deste versículo de Hb 9,
a partir do v. 23, nós veremos que o autor está
interessado em fazer alguns contrastes.
• O texto de Hb 9.27 faz parte de um discurso que o
autor da epístola inicia no versículo 23 e conclui com
uma comparação entre Cristo e os homens nos
versos de 27 e 28.
• Então se percebe claramente que a ênfase deste
texto não recai na quantidade de vezes que alguém
pode morrer naturalmente, mas sim no fato de que a
morte é inevitável para humanidade.
• Os vv. 25,26 deixam bem claro que a intenção do
autor é fazer contraste entre “muitas vezes” e “de
uma vez por todas”, mostrando como o sacrifício de
Cristo não precisou ser repetido como os sacrifícios
no AT.
• Daí ele usa a morte do homem como
exemplo, com a finalidade de comparação.
• Como se fosse: “O homem não só morre
uma vez? Também Cristo apenas uma vez se
ofereceu”.
• O autor aos Hebreus quer dizer que o sacrifício de
Cristo não era do tipo do AT que tinha que ser feito
muitas vezes, assim como também não vemos uma
mesma pessoa morrer muitas vezes!
• Quando alguém morre, segue-se o juízo. Isto é a
regra, aquilo que é normal.
• As ressurreições relatadas na Bíblia foram exceções
que confirmam a regra, não que as abolem.
• De fato, os ressuscitados da Bíblia voltaram à sua
vida física até morrerem novamente, mas isso é
exceção, não a regra.
• Agora, se considerarmos a ressurreição daqueles
santos na época da morte de Cristo como sendo o
tipo de ressurreição da morte física para a vida
eterna, como concordam os comentaristas que já
foram citados aqui, então qual foi o destino destas
pessoas?
• Certamente não ficaram na terra! Foram levados
para o céu em um corpo de glória.
• Desta opinião partilham grandes comentaristas
como os já citados e também Matthew Henry, que
inclusive cita uma visão de sua época destes santos
serem os de Apocalipse 20, que viveram e reinaram
com Cristo mil anos.
• Calvino, apesar de ser da opinião de que eles foram
glorificados, não vê problema se eles tivessem
morrido novamente, sendo prova naquele momento,
do poder de Cristo sobre a morte.
• Se eles ressuscitaram em glória e foram para a
eternidade, por que o silêncio do restante do NT
acerca deste fato tão extraordinário? Teria sido de
fato uma adição do texto dos Nazarenos?
• Sendo assim, as pessoas que as viram depois teriam
dado testemunho de terem contemplado seus corpos
em glória!
• Na ordem da ressurreição que Paulo faz em
1Coríntios 15, ele escreve que Cristo é primeiro,
depois os que são de Cristo na Sua vinda!
• É importante notar que nada diz Paulo sobre esse,
digamos, evento de intervalo.
• Não é errado supor qualquer uma destas duas
formas de ressurreição, visto que ambas glorificam o
poder de Cristo.
• Quando o véu se rasga, o Pai demonstra o poder
dado ao Filho sobre os vivos; quando os túmulos se
rasgam, Ele demonstra o poder dado ao Filho sobre
os mortos, para que Ele seja Senhor tanto dos
mortos como dos vivos (Rm 14.9).
• Se tais santos voltaram depois aos seus túmulos,
provaram por um tempo aos seus que Jesus de fato
era o Filho de Deus, como admitiu o centurião (Mt
27.54).
• Se eles foram glorificados, em nada contradizem o
versículo de Hb 11.40, pois este fala dos heróis do AT
e estes santos eram da época de Cristo.
• Além do mais, estes santos foram apenas
• Todavia, me parece mais normal acreditar que
eles ressuscitaram da morte física para a vida
física novamente e voltaram ao convívio de
seus lares.
• Isto não diminui em nada a glória de Cristo (se fosse
assim, a ressurreição de Lázaro não seria para a
glória de Deus, visto que ele morreu de novo).
• Isto explicaria a ausência de mais informações
(desde que creiamos que estes versículos são
relatos inspirados)... Pois, uma vez que
ressurreições desse tipo eram comuns no ministério
de Cristo e dos apóstolos, então aí está uma
provável explicação do desinteresse tanto de Mateus
como dos demais escritores do NT em falar mais
sobre esse evento: ressuscitaram para a vida física,
normal, entre seus familiares e, dando testemunho
do poder de Cristo sobre a morte e, voltaram a
• Conjecturar pode, mas não mirabolar! Lembrando
sempre que conjecturas não podem ser provadas
pela Bíblia, apenas apresentam razões lógicas,
debaixo do escrutínio de bons raciocínios!
• Portanto, somos livres para conjecturar dentro
desses dois tipos de ressurreição, desde que nosso
argumento seja melhor que o do outro lado; caso
contrário, temos que admitir que o segundo conceito
é melhor e até passarmos a crer assim.
• Visto que este não é um assunto que interfere na
salvação, temos liberdade sobre como vamos crer
acerca dele.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Métodos comportamentais - Coito interrompido
Métodos comportamentais - Coito interrompido Métodos comportamentais - Coito interrompido
Métodos comportamentais - Coito interrompido
StefhanyCrizTna
 
Cuidados com o corpo
Cuidados com o corpoCuidados com o corpo
Cuidados com o corpo
Flavia Barbosa
 
0770-L - Saúde reprodutiva de adolescentes - Uma estratégia para ação
0770-L - Saúde reprodutiva de adolescentes - Uma estratégia para ação0770-L - Saúde reprodutiva de adolescentes - Uma estratégia para ação
0770-L - Saúde reprodutiva de adolescentes - Uma estratégia para ação
bibliotecasaude
 
Inseminação artificial
Inseminação artificialInseminação artificial
Inseminação artificial
Ste Escola Bernardino
 
Muito além do peso - Obesidade Infantil
Muito além do peso - Obesidade Infantil   Muito além do peso - Obesidade Infantil
Muito além do peso - Obesidade Infantil
BeatrizLanaFelipe
 
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia AmbientalICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
Ricardo Portela
 
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
letyap
 
Trabalho final de biologia Terapia Genetica
Trabalho final de biologia Terapia GeneticaTrabalho final de biologia Terapia Genetica
Trabalho final de biologia Terapia Genetica
Guilherme Ferreira
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
Laíz Coutinho
 
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
Guillermo Enrique Guedes Scheel
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
Tatiana Nahas
 
Reprodução 2013
Reprodução  2013Reprodução  2013
Reprodução 2013
Simone Maia
 
Clonagem Terapêutica
Clonagem TerapêuticaClonagem Terapêutica
Clonagem Terapêutica
Jeniffer Kelly Rodrigues
 
Lição 8 - O Desafio da Criação dos Filhos
Lição 8 - O Desafio da Criação dos FilhosLição 8 - O Desafio da Criação dos Filhos
Lição 8 - O Desafio da Criação dos Filhos
Éder Tomé
 
Sobrepeso e Obesidade na Infância
Sobrepeso e Obesidade na InfânciaSobrepeso e Obesidade na Infância
Alimentos transgenicos
Alimentos transgenicosAlimentos transgenicos
Alimentos transgenicos
lucero yovera
 
Técnicas de Reprodução Medicamente Assistida
Técnicas de Reprodução Medicamente AssistidaTécnicas de Reprodução Medicamente Assistida
Técnicas de Reprodução Medicamente Assistida
André Tinoco
 
Biologia molecular seminário - plantas transgênicas
Biologia molecular   seminário - plantas transgênicasBiologia molecular   seminário - plantas transgênicas
Biologia molecular seminário - plantas transgênicas
Filho João Evangelista
 

Mais procurados (20)

Métodos comportamentais - Coito interrompido
Métodos comportamentais - Coito interrompido Métodos comportamentais - Coito interrompido
Métodos comportamentais - Coito interrompido
 
Cuidados com o corpo
Cuidados com o corpoCuidados com o corpo
Cuidados com o corpo
 
0770-L - Saúde reprodutiva de adolescentes - Uma estratégia para ação
0770-L - Saúde reprodutiva de adolescentes - Uma estratégia para ação0770-L - Saúde reprodutiva de adolescentes - Uma estratégia para ação
0770-L - Saúde reprodutiva de adolescentes - Uma estratégia para ação
 
Inseminação artificial
Inseminação artificialInseminação artificial
Inseminação artificial
 
Muito além do peso - Obesidade Infantil
Muito além do peso - Obesidade Infantil   Muito além do peso - Obesidade Infantil
Muito além do peso - Obesidade Infantil
 
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia AmbientalICSA06 - Biotecnologia Ambiental
ICSA06 - Biotecnologia Ambiental
 
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Trabalho final de biologia Terapia Genetica
Trabalho final de biologia Terapia GeneticaTrabalho final de biologia Terapia Genetica
Trabalho final de biologia Terapia Genetica
 
Seminário aborto
Seminário  abortoSeminário  aborto
Seminário aborto
 
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
 
Organismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificadosOrganismos geneticamente modificados
Organismos geneticamente modificados
 
Biotecnologia
BiotecnologiaBiotecnologia
Biotecnologia
 
Reprodução 2013
Reprodução  2013Reprodução  2013
Reprodução 2013
 
Clonagem Terapêutica
Clonagem TerapêuticaClonagem Terapêutica
Clonagem Terapêutica
 
Lição 8 - O Desafio da Criação dos Filhos
Lição 8 - O Desafio da Criação dos FilhosLição 8 - O Desafio da Criação dos Filhos
Lição 8 - O Desafio da Criação dos Filhos
 
Sobrepeso e Obesidade na Infância
Sobrepeso e Obesidade na InfânciaSobrepeso e Obesidade na Infância
Sobrepeso e Obesidade na Infância
 
Alimentos transgenicos
Alimentos transgenicosAlimentos transgenicos
Alimentos transgenicos
 
Técnicas de Reprodução Medicamente Assistida
Técnicas de Reprodução Medicamente AssistidaTécnicas de Reprodução Medicamente Assistida
Técnicas de Reprodução Medicamente Assistida
 
Biologia molecular seminário - plantas transgênicas
Biologia molecular   seminário - plantas transgênicasBiologia molecular   seminário - plantas transgênicas
Biologia molecular seminário - plantas transgênicas
 

Semelhante a A RESSURREIÇÃO DE MUITOS SANTOS NA ÉPOCA DA MORTE DE CRISTO.pptx

Lição 11 - A ressurreição de jesus cristo - LBJ 1 tr 2018
Lição 11 - A ressurreição de jesus cristo - LBJ 1 tr 2018Lição 11 - A ressurreição de jesus cristo - LBJ 1 tr 2018
Lição 11 - A ressurreição de jesus cristo - LBJ 1 tr 2018
Natalino das Neves Neves
 
Porquê Jesus? O Jesus Ressurreto
Porquê Jesus? O Jesus RessurretoPorquê Jesus? O Jesus Ressurreto
Porquê Jesus? O Jesus Ressurreto
Apologética em Português
 
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e iiPerseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
Werkson Azeredo
 
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e IIPerseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Werkson Azeredo
 
Escatologia Reformada.docx
Escatologia Reformada.docxEscatologia Reformada.docx
Escatologia Reformada.docx
AndersonPeraccini
 
John R. W. Stott - A Cruz de Cristo
John R. W. Stott - A Cruz de CristoJohn R. W. Stott - A Cruz de Cristo
John R. W. Stott - A Cruz de Cristo
IEAD PG
 
Confiabilidade Bíblica
Confiabilidade BíblicaConfiabilidade Bíblica
Confiabilidade Bíblica
guest665361
 
1º trimestre 2016 lição 01 adultos
1º trimestre 2016 lição 01 adultos1º trimestre 2016 lição 01 adultos
1º trimestre 2016 lição 01 adultos
Joel Silva
 
A ressurreição de Jesus
A ressurreição de JesusA ressurreição de Jesus
A ressurreição de Jesus
Ailton da Silva
 
Artigo Wesley Arruda
Artigo Wesley ArrudaArtigo Wesley Arruda
Artigo Wesley Arruda
Wesley Arruda
 
2016 1º trimestre adultos lição 01.pptx
2016 1º trimestre adultos lição 01.pptx2016 1º trimestre adultos lição 01.pptx
2016 1º trimestre adultos lição 01.pptx
Joel Silva
 
Ressurreição e o sudário
Ressurreição e o sudárioRessurreição e o sudário
Ressurreição e o sudário
PIB Penha
 
Quebrando o código da vinci - darrel l buck
Quebrando o código da vinci  -  darrel l buckQuebrando o código da vinci  -  darrel l buck
Quebrando o código da vinci - darrel l buck
V.X. Carmo
 
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
PrCacio Silva
 
A vida presente: inauguração da vida futura
A vida presente: inauguração da vida futuraA vida presente: inauguração da vida futura
A vida presente: inauguração da vida futura
Jean Francesco
 
Apresentação testemunha 2.pptx
Apresentação testemunha 2.pptxApresentação testemunha 2.pptx
Apresentação testemunha 2.pptx
EderDeboraReis
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
Marcelo Gonçalves
 
O que é escatologia
O que é escatologiaO que é escatologia
O que é escatologia
Edison Junior
 
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
Joel Silva
 
Monografia milênio
Monografia milênioMonografia milênio
Monografia milênio
Juarez Almeida
 

Semelhante a A RESSURREIÇÃO DE MUITOS SANTOS NA ÉPOCA DA MORTE DE CRISTO.pptx (20)

Lição 11 - A ressurreição de jesus cristo - LBJ 1 tr 2018
Lição 11 - A ressurreição de jesus cristo - LBJ 1 tr 2018Lição 11 - A ressurreição de jesus cristo - LBJ 1 tr 2018
Lição 11 - A ressurreição de jesus cristo - LBJ 1 tr 2018
 
Porquê Jesus? O Jesus Ressurreto
Porquê Jesus? O Jesus RessurretoPorquê Jesus? O Jesus Ressurreto
Porquê Jesus? O Jesus Ressurreto
 
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e iiPerseguição aos cristãos no sec. i e ii
Perseguição aos cristãos no sec. i e ii
 
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e IIPerseguição aos cristãos no sec. I e II
Perseguição aos cristãos no sec. I e II
 
Escatologia Reformada.docx
Escatologia Reformada.docxEscatologia Reformada.docx
Escatologia Reformada.docx
 
John R. W. Stott - A Cruz de Cristo
John R. W. Stott - A Cruz de CristoJohn R. W. Stott - A Cruz de Cristo
John R. W. Stott - A Cruz de Cristo
 
Confiabilidade Bíblica
Confiabilidade BíblicaConfiabilidade Bíblica
Confiabilidade Bíblica
 
1º trimestre 2016 lição 01 adultos
1º trimestre 2016 lição 01 adultos1º trimestre 2016 lição 01 adultos
1º trimestre 2016 lição 01 adultos
 
A ressurreição de Jesus
A ressurreição de JesusA ressurreição de Jesus
A ressurreição de Jesus
 
Artigo Wesley Arruda
Artigo Wesley ArrudaArtigo Wesley Arruda
Artigo Wesley Arruda
 
2016 1º trimestre adultos lição 01.pptx
2016 1º trimestre adultos lição 01.pptx2016 1º trimestre adultos lição 01.pptx
2016 1º trimestre adultos lição 01.pptx
 
Ressurreição e o sudário
Ressurreição e o sudárioRessurreição e o sudário
Ressurreição e o sudário
 
Quebrando o código da vinci - darrel l buck
Quebrando o código da vinci  -  darrel l buckQuebrando o código da vinci  -  darrel l buck
Quebrando o código da vinci - darrel l buck
 
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
 
A vida presente: inauguração da vida futura
A vida presente: inauguração da vida futuraA vida presente: inauguração da vida futura
A vida presente: inauguração da vida futura
 
Apresentação testemunha 2.pptx
Apresentação testemunha 2.pptxApresentação testemunha 2.pptx
Apresentação testemunha 2.pptx
 
Quem é jesus power point
Quem é jesus power pointQuem é jesus power point
Quem é jesus power point
 
O que é escatologia
O que é escatologiaO que é escatologia
O que é escatologia
 
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 13 Adultos
 
Monografia milênio
Monografia milênioMonografia milênio
Monografia milênio
 

Mais de Tiago Silva

aexpansodoevangelhoforadejerusalm-160402003643.pptx
aexpansodoevangelhoforadejerusalm-160402003643.pptxaexpansodoevangelhoforadejerusalm-160402003643.pptx
aexpansodoevangelhoforadejerusalm-160402003643.pptx
Tiago Silva
 
dokumen.tips_lbj-licao-12-a-familia-de-jesus.pdf
dokumen.tips_lbj-licao-12-a-familia-de-jesus.pdfdokumen.tips_lbj-licao-12-a-familia-de-jesus.pdf
dokumen.tips_lbj-licao-12-a-familia-de-jesus.pdf
Tiago Silva
 
Estudo bíblico - Pneumatologista a doutrina do Espírito santo.pptx
Estudo bíblico - Pneumatologista a doutrina do Espírito santo.pptxEstudo bíblico - Pneumatologista a doutrina do Espírito santo.pptx
Estudo bíblico - Pneumatologista a doutrina do Espírito santo.pptx
Tiago Silva
 
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
Tiago Silva
 
olivrodexodoeocativeirodeisraelnoegito-140102033744-phpapp02.pdf
olivrodexodoeocativeirodeisraelnoegito-140102033744-phpapp02.pdfolivrodexodoeocativeirodeisraelnoegito-140102033744-phpapp02.pdf
olivrodexodoeocativeirodeisraelnoegito-140102033744-phpapp02.pdf
Tiago Silva
 
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-05-15-pentate...
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-05-15-pentate...dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-05-15-pentate...
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-05-15-pentate...
Tiago Silva
 
dokumen.tips_atos-dos-apstolos-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-5-15-advogad...
dokumen.tips_atos-dos-apstolos-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-5-15-advogad...dokumen.tips_atos-dos-apstolos-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-5-15-advogad...
dokumen.tips_atos-dos-apstolos-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-5-15-advogad...
Tiago Silva
 
dokumen.tips_lei-historicos-poticos-profetas-obadias-5-jonas-6-miquias-7-naum...
dokumen.tips_lei-historicos-poticos-profetas-obadias-5-jonas-6-miquias-7-naum...dokumen.tips_lei-historicos-poticos-profetas-obadias-5-jonas-6-miquias-7-naum...
dokumen.tips_lei-historicos-poticos-profetas-obadias-5-jonas-6-miquias-7-naum...
Tiago Silva
 
dokumen.tips_aula-1-tiago-ma-f-prtica-deus-os-que-so-pobres-aos-olhos-do-mund...
dokumen.tips_aula-1-tiago-ma-f-prtica-deus-os-que-so-pobres-aos-olhos-do-mund...dokumen.tips_aula-1-tiago-ma-f-prtica-deus-os-que-so-pobres-aos-olhos-do-mund...
dokumen.tips_aula-1-tiago-ma-f-prtica-deus-os-que-so-pobres-aos-olhos-do-mund...
Tiago Silva
 
dokumen.tips_a-f-de-elias-a-f-de-elias-era-um-f-slida-alimentada-pela-prtica-...
dokumen.tips_a-f-de-elias-a-f-de-elias-era-um-f-slida-alimentada-pela-prtica-...dokumen.tips_a-f-de-elias-a-f-de-elias-era-um-f-slida-alimentada-pela-prtica-...
dokumen.tips_a-f-de-elias-a-f-de-elias-era-um-f-slida-alimentada-pela-prtica-...
Tiago Silva
 
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-estivesse-no-pensamento-...
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-estivesse-no-pensamento-...dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-estivesse-no-pensamento-...
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-estivesse-no-pensamento-...
Tiago Silva
 
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
Tiago Silva
 
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptxESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
Tiago Silva
 
dokumen.tips_dizimo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-dzimos-e-ofertas-keywords-dz...
dokumen.tips_dizimo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-dzimos-e-ofertas-keywords-dz...dokumen.tips_dizimo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-dzimos-e-ofertas-keywords-dz...
dokumen.tips_dizimo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-dzimos-e-ofertas-keywords-dz...
Tiago Silva
 
dokumen.tips_evangelhos-pr-erivelton-rodrigues-os-quatro-livros-do-evangelho-...
dokumen.tips_evangelhos-pr-erivelton-rodrigues-os-quatro-livros-do-evangelho-...dokumen.tips_evangelhos-pr-erivelton-rodrigues-os-quatro-livros-do-evangelho-...
dokumen.tips_evangelhos-pr-erivelton-rodrigues-os-quatro-livros-do-evangelho-...
Tiago Silva
 
(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf
Tiago Silva
 
2_07-05-2019_15-06-05.pdf
2_07-05-2019_15-06-05.pdf2_07-05-2019_15-06-05.pdf
2_07-05-2019_15-06-05.pdf
Tiago Silva
 
Slide Licao 7 - A responsabilidade da igreja com os missionários.pptx
Slide Licao 7 -  A responsabilidade da igreja com os missionários.pptxSlide Licao 7 -  A responsabilidade da igreja com os missionários.pptx
Slide Licao 7 - A responsabilidade da igreja com os missionários.pptx
Tiago Silva
 
lio5-asconsequnciasdasescolhasprecipitadas-161020222357.pdf
lio5-asconsequnciasdasescolhasprecipitadas-161020222357.pdflio5-asconsequnciasdasescolhasprecipitadas-161020222357.pdf
lio5-asconsequnciasdasescolhasprecipitadas-161020222357.pdf
Tiago Silva
 
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO.ppt
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO.pptO-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO.ppt
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO.ppt
Tiago Silva
 

Mais de Tiago Silva (20)

aexpansodoevangelhoforadejerusalm-160402003643.pptx
aexpansodoevangelhoforadejerusalm-160402003643.pptxaexpansodoevangelhoforadejerusalm-160402003643.pptx
aexpansodoevangelhoforadejerusalm-160402003643.pptx
 
dokumen.tips_lbj-licao-12-a-familia-de-jesus.pdf
dokumen.tips_lbj-licao-12-a-familia-de-jesus.pdfdokumen.tips_lbj-licao-12-a-familia-de-jesus.pdf
dokumen.tips_lbj-licao-12-a-familia-de-jesus.pdf
 
Estudo bíblico - Pneumatologista a doutrina do Espírito santo.pptx
Estudo bíblico - Pneumatologista a doutrina do Espírito santo.pptxEstudo bíblico - Pneumatologista a doutrina do Espírito santo.pptx
Estudo bíblico - Pneumatologista a doutrina do Espírito santo.pptx
 
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
 
olivrodexodoeocativeirodeisraelnoegito-140102033744-phpapp02.pdf
olivrodexodoeocativeirodeisraelnoegito-140102033744-phpapp02.pdfolivrodexodoeocativeirodeisraelnoegito-140102033744-phpapp02.pdf
olivrodexodoeocativeirodeisraelnoegito-140102033744-phpapp02.pdf
 
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-05-15-pentate...
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-05-15-pentate...dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-05-15-pentate...
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-05-15-pentate...
 
dokumen.tips_atos-dos-apstolos-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-5-15-advogad...
dokumen.tips_atos-dos-apstolos-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-5-15-advogad...dokumen.tips_atos-dos-apstolos-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-5-15-advogad...
dokumen.tips_atos-dos-apstolos-pr-erivelton-rodrigues-nunes-2018-5-15-advogad...
 
dokumen.tips_lei-historicos-poticos-profetas-obadias-5-jonas-6-miquias-7-naum...
dokumen.tips_lei-historicos-poticos-profetas-obadias-5-jonas-6-miquias-7-naum...dokumen.tips_lei-historicos-poticos-profetas-obadias-5-jonas-6-miquias-7-naum...
dokumen.tips_lei-historicos-poticos-profetas-obadias-5-jonas-6-miquias-7-naum...
 
dokumen.tips_aula-1-tiago-ma-f-prtica-deus-os-que-so-pobres-aos-olhos-do-mund...
dokumen.tips_aula-1-tiago-ma-f-prtica-deus-os-que-so-pobres-aos-olhos-do-mund...dokumen.tips_aula-1-tiago-ma-f-prtica-deus-os-que-so-pobres-aos-olhos-do-mund...
dokumen.tips_aula-1-tiago-ma-f-prtica-deus-os-que-so-pobres-aos-olhos-do-mund...
 
dokumen.tips_a-f-de-elias-a-f-de-elias-era-um-f-slida-alimentada-pela-prtica-...
dokumen.tips_a-f-de-elias-a-f-de-elias-era-um-f-slida-alimentada-pela-prtica-...dokumen.tips_a-f-de-elias-a-f-de-elias-era-um-f-slida-alimentada-pela-prtica-...
dokumen.tips_a-f-de-elias-a-f-de-elias-era-um-f-slida-alimentada-pela-prtica-...
 
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-estivesse-no-pensamento-...
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-estivesse-no-pensamento-...dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-estivesse-no-pensamento-...
dokumen.tips_pentateuco-exodo-pr-erivelton-rodrigues-estivesse-no-pensamento-...
 
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
dokumen.tips_aula-1-colossenses-lembrem-se-das-minhas-algemas-418-colossenses...
 
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptxESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
ESTUDO BÍBLICO - 2 CORÍNTIOS.pptx
 
dokumen.tips_dizimo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-dzimos-e-ofertas-keywords-dz...
dokumen.tips_dizimo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-dzimos-e-ofertas-keywords-dz...dokumen.tips_dizimo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-dzimos-e-ofertas-keywords-dz...
dokumen.tips_dizimo-pr-erivelton-rodrigues-nunes-dzimos-e-ofertas-keywords-dz...
 
dokumen.tips_evangelhos-pr-erivelton-rodrigues-os-quatro-livros-do-evangelho-...
dokumen.tips_evangelhos-pr-erivelton-rodrigues-os-quatro-livros-do-evangelho-...dokumen.tips_evangelhos-pr-erivelton-rodrigues-os-quatro-livros-do-evangelho-...
dokumen.tips_evangelhos-pr-erivelton-rodrigues-os-quatro-livros-do-evangelho-...
 
(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf
 
2_07-05-2019_15-06-05.pdf
2_07-05-2019_15-06-05.pdf2_07-05-2019_15-06-05.pdf
2_07-05-2019_15-06-05.pdf
 
Slide Licao 7 - A responsabilidade da igreja com os missionários.pptx
Slide Licao 7 -  A responsabilidade da igreja com os missionários.pptxSlide Licao 7 -  A responsabilidade da igreja com os missionários.pptx
Slide Licao 7 - A responsabilidade da igreja com os missionários.pptx
 
lio5-asconsequnciasdasescolhasprecipitadas-161020222357.pdf
lio5-asconsequnciasdasescolhasprecipitadas-161020222357.pdflio5-asconsequnciasdasescolhasprecipitadas-161020222357.pdf
lio5-asconsequnciasdasescolhasprecipitadas-161020222357.pdf
 
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO.ppt
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO.pptO-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO.ppt
O-PODER-TRANSFORMADOR-DA-ORACAO.ppt
 

A RESSURREIÇÃO DE MUITOS SANTOS NA ÉPOCA DA MORTE DE CRISTO.pptx

  • 1. UM ESTUDO SOBRE MATEUS 27.52,53
  • 2. • Vamos estudar hoje o trecho de Mateus 27.52,53. • Tem sido uma peculiaridade do Evangelho de Mateus esse incidente, pois nenhum outro evangelista cita o fato, nem mesmo em qualquer carta do NT há algum relato parecido. • Algumas propostas têm sido espalhadas entre os comentaristas e a sede dos leitores da Bíblia sobre este fato sempre foi grande, haja vista o silêncio que Mateus faz depois de escrever o fato. • Parece que a falta de mais informação traz maior curiosidade acerca do que deve ter acontecido realmente aquele dia tão glorioso, que foi a morte de Cristo.
  • 3. • Na carência de informação, os setores extraeclesiásticos se aproveitam para fazer suas conjecturas. • Veremos um pouco como os testemunhas de jeová entendem esse trecho em questão. • O entendimento da Torre de Vigia da passagem é como se expressou a organização na revista A Sentinela de 15 de abril de 1976, págs. 255, 256: • “Significa Mateus 27.52,53 que, por ocasião da morte de Jesus, algumas pessoas já sepultadas foram ressuscitadas? • Muitos comentaristas bíblicos acham que é isto o que estes versículos significam. • No entanto, os eruditos admitem que o sentido e a tradução correta destes versículos são
  • 4. • Na realidade, há motivo para se crer que, quando Jesus morreu, o terremoto acompanhante rachou alguns túmulos perto de Jerusalém e assim expôs os cadáveres aos transeuntes. • Mas, se houve uma ressurreição quando Jesus morreu, conforme sugerem estas e outras traduções, teriam os ressuscitados esperado até depois da própria ressurreição de Jesus, no terceiro dia depois disso, antes de saírem dos seus sepulcros? Por que ressuscitaria Deus a tais ‘santos’ nesta ocasião, uma vez que Jesus devia ser ‘o primogênito dentre os mortos’? (Col. 1:18; 1 Cor. 15:20) Também, era durante a futura presença de Cristo que cristãos ungidos ou ‘santos’ deviam participar da primeira ressurreição. — 1 Tes. 3:13; 4:14-17: Rev. 20:5, 6.
  • 5. • Observe que, falando-se estritamente, a narrativa não diz que os ‘corpos’ passaram a viver. • Apenas diz que ressurgiram ou foram jogados para fora dos sepulcros pelo terremoto. • Algo similar aconteceu na cidade de Sonson, na Colômbia, em 1962. El Tiempo (31 de julho de 1962) noticiou: • ‘Duzentos cadáveres no cemitério desta cidade foram lançados fora de seus túmulos pelo violento tremor de terra’. • Pessoas que passavam por ali ou através daquele cemitério viram os cadáveres, e, em resultado, muitos de Sonson tinham de ir para lá e enterrar de novo seus parentes falecidos. • Sem violação da gramática grega, pode-se traduzir Mateus 27:52, 53, dum modo que sugira que houve uma exposição similar de cadáveres em resultado do
  • 6. • Assim, a tradução de Johannes Greber (1937) verte estes versículos do seguinte modo: ‘Túmulos foram abertos, e muitos cadáveres dos enterrados foram jogados em posição vertical. Nesta postura projetavam- se para fora das sepulturas e foram vistos por muitos dos que passavam por ali em caminho de volta para a cidade’. – Compare isso com a Tradução do Novo Mundo. • Junto com o rasgar da cortina do templo, que separava o Santo do Santíssimo, este violento tremor de terra, que expôs cadáveres que em pouco tempo foram vistos por viajantes que levaram a notícia a Jerusalém, serviu de prova adicional de que Jesus não era mero criminoso executado por uma contravenção. • Ele era o Messias, aquele que dentro em breve seria o primogênito dentre os mortos destinados à vida
  • 7. • É claro que este entendimento se reflete na maneira como o relato é apresentado na Tradução do Novo Mundo, usada pelas Testemunhas de Jeová. • O trecho completo (Mateus 27:51-53) foi traduzido da seguinte maneira nesta versão bíblica: • “E eis que a cortina do santuário se rasgou em dois, de alto a baixo, e a terra tremeu, e as rochas se fenderam. E abriram-se os túmulos memoriais e muitos corpos dos santos que tinham adormecido foram levantados, (e pessoas, saindo dentre os túmulos memoriais depois de ele ter sido levantado, entraram na cidade santa,) e tornaram-se visíveis a muitas pessoas”. • Ou seja, segundo a Torre de Vigia, os que foram vistos em Jerusalém não foram mortos ressuscitados, e sim transeuntes que haviam visto cadáveres fora dos túmulos e depois entraram em
  • 8. • Na verdade esta ideia não se originou com a Torre de Vigia. • Muito antes do surgimento dessa organização, outros escritores religiosos já expressavam este entendimento. • Em seu Comentário da Bíblia (escrito entre 1810 e 1826), o erudito Adam Clarke fez referência a isso: • “Alguns pensaram que estes dois versículos foram introduzidos no texto de Mateus a partir do Evangelho dos Nazarenos, outros pensam que o significado é simples: vários corpos que haviam sido enterrados foram jogados para fora pelo terremoto e expostos, e continuaram na superfície até depois da ressurreição de Cristo, sendo vistos por muitas pessoas na cidade”. • Esta é exatamente a mesma ideia expressa
  • 9. • A maioria das versões bíblicas transmite realmente a ideia de que ocorreu uma ressurreição naquele caso, e estes ressuscitados foram os que entraram em Jerusalém, sendo vistos por muita gente. • Leiamos o texto em algumas versões diferentes. • ARA e ARC: “Abriram-se os sepulcros, e muitos corpos de santos, que dormiam, ressuscitaram; e, saindo dos sepulcros depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos”.
  • 10. • NVI e A21: “Os sepulcros se abriram, e os corpos de muitos santos que tinham morrido foram ressuscitados. E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição de Jesus, entraram na cidade santa e apareceram a muitos”. • NTLH: “Os túmulos se abriram, e muitas pessoas do povo de Deus que haviam morrido foram ressuscitadas e saíram dos túmulos. E, depois da ressurreição de Jesus, entraram em Jerusalém, a Cidade Santa, onde muitos viram essas pessoas”. • EP (Católica): “Os túmulos se abriram e muitos santos falecidos ressuscitaram. Saindo dos túmulos depois da ressurreição de Jesus, apareceram na Cidade Santa e foram vistos por muitas pessoas”.
  • 11. • No NT Interlinear, o texto está assim:
  • 12. • Não são muitos os comentaristas que se arriscam a dizer alguma coisa, de modo que os hereges rapidamente se manifestam para expor sua aberração, que acaba sendo tida como a interpretação correta, ou na melhor das hipóteses, como uma interpretação alternativa, quando, na verdade acabamos de ver que não passa de uma corrupção do texto original. • De imediato fica claro o seguinte: Nenhuma dessas versões diz rigorosamente que essas pessoas foram ressuscitadas antes de Cristo. • E todas elas informam claramente que tais pessoas só entraram em Jerusalém depois da ressurreição dEle. • De modo que a ideia da Torre de Vigia segundo a qual “houve uma ressurreição quando Jesus morreu, conforme sugerem estas e outras traduções” está equivocada, já que nenhuma tradução erudita sugere isso.
  • 13. • O texto permite a conclusão de que o terremoto ocorreu e os túmulos foram abertos em decorrência desse terremoto por ocasião da morte de Cristo. • O momento exato em que as pessoas que estavam neles ‘foram levantadas’ não é especificado. • Sob esse ponto de vista, não haveria qualquer necessidade de pessoas ressuscitadas terem “esperado até depois da própria ressurreição de Jesus, no terceiro dia depois disso, antes de saírem dos seus sepulcros”, como disse a Sentinela. • Embora os túmulos já estivessem abertos, a princípio essas pessoas continuaram mortas. • Com a ressurreição, saíram dos túmulos já abertos e entraram em Jerusalém só depois da ressurreição de Cristo, o que não violaria o ensino bíblico de que Cristo foi “o primogênito dentre os mortos”.
  • 14. • João Calvino entendia esse trecho como um anúncio de Deus de que Seu Filho tinha agora poder sobre a morte. • Segundo ele, Deus usou o momento exato da maior fraqueza (morte) do Seu Filho, para mostrar a maior energia magnífica ao ressuscitar estes santos. • Ele contradiz os comentaristas de sua época, que diziam que os corpos foram ressuscitados, mas ficaram escondidos em seus túmulos até que Cristo ressuscitasse. • “Acho mais provável que, quando Cristo morreu, as sepulturas foram abertas imediatamente, e que, quando Ele se levantou, alguns dos piedosos, tendo
  • 15. • Para o reformador de Genebra, Cristo não ressuscitou “a título privado”, mas para “lançar o odor da vida em todos os crentes”. • Então ele previu a seguinte pergunta: “Por que apenas alguns santos ressurgiram, uma vez que a participação na ressurreição de Cristo pertence igualmente a todos os salvos?” • Ele mesmo responde: “Porque o tempo para reunir todo o Corpo (igreja) à Cabeça (Cristo) ainda não havia chegado... Então, como que para dar aos demais uma elevada esperança, era vantajoso que uns poucos saboreassem aquela ressurreição”. • Usa então Colossenses 3.4 para afirmar que a vida pós-morte dos crentes está reservada à 2ª vinda de Cristo.
  • 16. • Certamente o terremoto foi o fator mediato que causou a abertura dos túmulos. • Mas podemos ter certeza de que o fator primário foi Deus. • O texto não dá a ideia de que somente os túmulos de alguns santos foram abertos, mas diz “os túmulos foram abertos”. • A ressurreição é que se deu com alguns santos... • Se for ligar a ressurreição com a abertura dos túmulos, então pode-se presumir que apenas alguns túmulos se abriram, mas se observarmos segundo a literalidade do texto, todos os túmulos da região se abriram, mas somente alguns santos ressuscitaram.
  • 17. • Fritz Rienecker comenta que “aconteceu um terremoto, suficientemente intenso para que se formassem fendas nas paredes rochosas, numerosas nos montes em torno de Jerusalém”. • “Em todas essas paredes, porém, há grande número de câmaras mortuárias, cujos acessos, enquanto elas eram ocupadas, ficavam fechados por lajes de pedra”. • “Por isso qualquer abalo sísmico em Jerusalém tinha o efeito de que os túmulos se abrissem, porque as portas de pedra caíam”. • “Essa circunstância simboliza que, com a morte de Jesus foi vencida a morte, e que com Sua morte abrem-se as sepulturas das pessoas”. • “Através desse acontecimento foi declarado para muitos por que Jesus morreu. Eles viram que ele entregou a sua vida como resgate, pelo qual libertou muitos da culpa e da morte”.
  • 18. • Há geralmente duas opiniões sobre quem eram estes santos. • Há os que defendem que eram santos do AT, tais como Abraão, Noé, Moisés, Davi, etc. Outros porém entendem como sendo santos da época de Cristo mesmo, tais como Isabel, Zacarias, Simeão, Ana, etc. • Barnes diz em seu comentário de Mateus que “É provável que eles eram pessoas que tinham morrido recentemente, e eles parecem ter sido conhecidos em Jerusalém”. • Sobre isto conclui dizendo que se fossem os santos do AT não teriam sido reconhecidos pelos moradores de Jerusalém e isto não
  • 19. • Outro equívoco sério na explicação da Torre de Vigia é este: • “Observe que, falando-se estritamente, a narrativa não diz que os “corpos” passaram a viver. Apenas diz que ressurgiram ou foram jogados para fora dos sepulcros pelo terremoto.” • “Estritamente”, o relato diz que os mortos “foram levantados” ou “ressurgiram” e não diz uma só palavra sobre eles terem sido “jogados para fora dos sepulcros pelo terremoto”. • Isso não passa de uma conclusão de quem escreveu a Sentinela. • A ideia de um grande grupo de cadáveres sendo jogado para fora de suas sepulturas – e todos em posição vertical – conforme expresso na forçada tradução de Johannes Greber (a citada pela Torre de Vigia para “provar” isso) é absolutamente fantasiosa e nem mesmo o caso moderno citado, ocorrido na
  • 20. • Além do mais, praticamente todas as versões – inclusive a Tradução do Novo Mundo – deixam claro que todos esses que ‘foram levantados’ tratavam- se de pessoas “santas”, “justas”, “do povo de Deus”. • Isso gera imediatamente a pergunta: Por que o relato expressa esse detalhe de que o episódio só ocorreu com “corpos de santos” e não com os de outras pessoas? • Se a questão era simplesmente cadáveres em decomposição ficando expostos durante dias a céu aberto, em decorrência dum terremoto, de forma totalmente inglória e desonrosa, não seria estranho e contraditório isso só ocorrer com corpos de pessoas santas? • Portanto, não procede a tentativa dos tj’s de torcer o
  • 21. • Há 4 tipos de ressurreição. Da morte do pecado para a vida espiritual: ressurreição espiritual (Jo 5.25; Ef 2.1; Ap 20.4). Da morte física para a vida física: exemplos do AT (1Re 17.22), Lázaro (Jo 11.43,44), Dorcas (At 9.40), etc. Da morte física para a vida eterna: exemplo, Cristo e a igreja na 2ª vinda (Dn 12.2; Jo 5.29; 1Ts 4.16,17). Da morte física para a condenação eterna: exemplo, os ímpios na 2ª vinda (Dn 12.2; Jo 5.29; Ap 20.15).
  • 22. • Os que defendem a ressurreição da morte física para a vida eterna (como Calvino, Fritz Rienecker e muitos outros bons comentaristas), o fazem pelo fato de entenderem o acontecimento como um anúncio da vitória de Cristo sobre a morte e um prenúncio de que os demais membros do Seu Corpo terão o mesmo destino. • De acordo com essa posição, não faria sentido os santos serem ressuscitados e depois voltarem a morrer, como foi o caso de Lázaro e outros mais, pois, que glória há demonstrada nisso? Cristo dar o anúncio de que venceu a morte e os santos que com Ele ressuscitaram voltarem ao poder da morte? • Isso já tinha acontecido no AT, quando um homem foi lançado no túmulo de Eliseu e voltou à vida, entretanto voltou a morrer novamente, como se depreende do texto (2Re 13.20,21).
  • 23. • Para o nosso texto em questão, apenas dois desses tipos de ressurreição podem ser alternativas corretas. • Quanto à ressurreição da morte física para a morte ou condenação eterna não pode ser, uma vez que eles eram santos e esta ressurreição só se aplica a ímpios. • Quanto à ressurreição da morte do pecado para a vida espiritual também não pode ser, uma vez que eles estavam nos sepulcros, e esse tipo de ressurreição só se dá com pessoas ainda vivas fisicamente. • Então, de que tipo de ressurreição eles participaram? • Ou aqueles santos ressuscitaram da morte física para a vida física, ou ressuscitaram da morte física para a vida eterna.
  • 24. • O argumento “então Jesus não seria o ‘primogênito’ dos mortos” não tem valor nessa visão, pois outros mortos também ressuscitaram antes de Cristo (Lázaro, por exemplo) e nem por isso Cristo deixou de ser o ‘primogênito’. • Se os santos ressuscitados participaram de uma ressurreição milagrosa à semelhança da de Lázaro, então qual foi o seu destino? • Voltaram para os seus familiares de uma forma milagrosa e conviveram com eles até morrerem novamente. • Aqui entra a dúvida sobre a possível contradição entre as ressurreições da morte física para a vida física e o texto de Hb 9.27. • Como explicar esse paradoxo (pois na Bíblia não existe contradição)?
  • 25. • Se observarmos o contexto deste versículo de Hb 9, a partir do v. 23, nós veremos que o autor está interessado em fazer alguns contrastes. • O texto de Hb 9.27 faz parte de um discurso que o autor da epístola inicia no versículo 23 e conclui com uma comparação entre Cristo e os homens nos versos de 27 e 28. • Então se percebe claramente que a ênfase deste texto não recai na quantidade de vezes que alguém pode morrer naturalmente, mas sim no fato de que a morte é inevitável para humanidade. • Os vv. 25,26 deixam bem claro que a intenção do autor é fazer contraste entre “muitas vezes” e “de uma vez por todas”, mostrando como o sacrifício de Cristo não precisou ser repetido como os sacrifícios no AT.
  • 26. • Daí ele usa a morte do homem como exemplo, com a finalidade de comparação. • Como se fosse: “O homem não só morre uma vez? Também Cristo apenas uma vez se ofereceu”. • O autor aos Hebreus quer dizer que o sacrifício de Cristo não era do tipo do AT que tinha que ser feito muitas vezes, assim como também não vemos uma mesma pessoa morrer muitas vezes! • Quando alguém morre, segue-se o juízo. Isto é a regra, aquilo que é normal. • As ressurreições relatadas na Bíblia foram exceções que confirmam a regra, não que as abolem. • De fato, os ressuscitados da Bíblia voltaram à sua vida física até morrerem novamente, mas isso é exceção, não a regra.
  • 27. • Agora, se considerarmos a ressurreição daqueles santos na época da morte de Cristo como sendo o tipo de ressurreição da morte física para a vida eterna, como concordam os comentaristas que já foram citados aqui, então qual foi o destino destas pessoas? • Certamente não ficaram na terra! Foram levados para o céu em um corpo de glória. • Desta opinião partilham grandes comentaristas como os já citados e também Matthew Henry, que inclusive cita uma visão de sua época destes santos serem os de Apocalipse 20, que viveram e reinaram com Cristo mil anos. • Calvino, apesar de ser da opinião de que eles foram glorificados, não vê problema se eles tivessem morrido novamente, sendo prova naquele momento, do poder de Cristo sobre a morte.
  • 28. • Se eles ressuscitaram em glória e foram para a eternidade, por que o silêncio do restante do NT acerca deste fato tão extraordinário? Teria sido de fato uma adição do texto dos Nazarenos? • Sendo assim, as pessoas que as viram depois teriam dado testemunho de terem contemplado seus corpos em glória! • Na ordem da ressurreição que Paulo faz em 1Coríntios 15, ele escreve que Cristo é primeiro, depois os que são de Cristo na Sua vinda! • É importante notar que nada diz Paulo sobre esse, digamos, evento de intervalo.
  • 29. • Não é errado supor qualquer uma destas duas formas de ressurreição, visto que ambas glorificam o poder de Cristo. • Quando o véu se rasga, o Pai demonstra o poder dado ao Filho sobre os vivos; quando os túmulos se rasgam, Ele demonstra o poder dado ao Filho sobre os mortos, para que Ele seja Senhor tanto dos mortos como dos vivos (Rm 14.9). • Se tais santos voltaram depois aos seus túmulos, provaram por um tempo aos seus que Jesus de fato era o Filho de Deus, como admitiu o centurião (Mt 27.54). • Se eles foram glorificados, em nada contradizem o versículo de Hb 11.40, pois este fala dos heróis do AT e estes santos eram da época de Cristo. • Além do mais, estes santos foram apenas
  • 30. • Todavia, me parece mais normal acreditar que eles ressuscitaram da morte física para a vida física novamente e voltaram ao convívio de seus lares. • Isto não diminui em nada a glória de Cristo (se fosse assim, a ressurreição de Lázaro não seria para a glória de Deus, visto que ele morreu de novo). • Isto explicaria a ausência de mais informações (desde que creiamos que estes versículos são relatos inspirados)... Pois, uma vez que ressurreições desse tipo eram comuns no ministério de Cristo e dos apóstolos, então aí está uma provável explicação do desinteresse tanto de Mateus como dos demais escritores do NT em falar mais sobre esse evento: ressuscitaram para a vida física, normal, entre seus familiares e, dando testemunho do poder de Cristo sobre a morte e, voltaram a
  • 31. • Conjecturar pode, mas não mirabolar! Lembrando sempre que conjecturas não podem ser provadas pela Bíblia, apenas apresentam razões lógicas, debaixo do escrutínio de bons raciocínios! • Portanto, somos livres para conjecturar dentro desses dois tipos de ressurreição, desde que nosso argumento seja melhor que o do outro lado; caso contrário, temos que admitir que o segundo conceito é melhor e até passarmos a crer assim. • Visto que este não é um assunto que interfere na salvação, temos liberdade sobre como vamos crer acerca dele.