SlideShare uma empresa Scribd logo
Profa. Cristiana Leite Carvalho
A realidade das profissões de
Técnico em Saúde Bucal e Auxiliar
em Saúde Bucal no Brasil
Histórico das
Profissões
Auxiliares
• Início do Século XX nos EUA:
“os dentistas queriam assegurar cuidados profiláticos para os
pacientes e obter um tempo maior para o trabalho restaurativo e para
outros procedimentos complexos...” (MONTLEY, 1983 apud CARVALHO, 1998).
• 1913- Alfred C.Fones: Higienista Dental – controle e
prevenção da cárie em escolares.
• 1921- Modelo de Atenção ao Escolar na Nova Zelândia –
Enfermeira Dental – funções ampliadas: procedimentos
cirúrgicos e restauradores, além das medidas de prevenção e
controle da cárie.
• Em 1949 - a Organização Mundial da Saúde recomenda a
utilização do modelo da Nova Zelândia e países da África,
Ásia e America Latina passam a considerar o uso de pessoal
auxiliar com diferentes funções e nomenclaturas.
Histórico no
Brasil
• Década de 50 no Brasil – AAuxiliar de Higiene Dentária foi
incorporada a programas de fluoretação da Fundação SESP e da
Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais.
• Décadas de 70 e 80 – Odontologia Comunitária:
– Parecer nº 460/1975 Conselho Federal de Educação -
Estabelece perfil profissional e currículo mínimo para os
Técnicos em Higiene Dental e Atendentes de Consultório
Dentário.
– Regulamentação da profissão do Técnico em Prótese
Dentária (Lei 6.710/79).
– Departamento de Odontologia da PUC Minas - Programa
Integrado de Saúde Escolar – Brasília.
• Décadas de 80 e 90 – Projeto Larga Escala e Formação no
trabalho: currículo integrado.
Atualmente • Escolas Técnicas (ET-SUS e Escolas Privadas) –
percursos de formação e qualificação profissionais
• Cursos de especialização
• Lei 11.889/2008 – Regulamenta o exercício das
profissões de TSB e ASB.
Este arcabouço regulatório atende às
necessidades do Sistema Único de Saúde?
Nome do projeto 4
Formação e
provimento de
profissionais
• Qualificação:
– É esse o perfil de profissional técnico e auxiliar que necessitamos
formar para enfrentar os problemas de saúde da população?
– O atual escopo de prática está adequado para enfrentar os
problemas de saúde bucal da população?
– O nível e extensão da formação estão adequados?
• Habilitação:
– Este sistema de licenciamento do exercício profissional atende ao
SUS?
• Dimensionamento:
– O número de profissionais que temos é suficiente? De quantos
profissionais necessitamos?
– Qual a capacidade instalada para formação e capacitação desses
profissionais?
– Quantos profissionais precisaremos formar em curto, médio e
longo prazo?
– Como estas profissões estão inseridas no mercado de trabalho?
Características
gerais do
trabalho dos
auxiliares
• Dimensionamento da Força de Trabalho
• Distribuição geográfica
• Mercado de trabalho
*CBO 202 - Família ocupacional 3224 - Técnicos de odontologia. Compreende as ocupações 3224-05 - Técnico em
saúde bucal; 3224-10 - Protético dentário; 3224-15 - Auxiliar em saúde bucal; 3224-20 - Auxiliar de prótese dentária;
3224-25 - Técnico em saúde bucal da estratégia de saúde da família; 3224-30 - Auxiliar em saúde bucal da estratégia
de saúde da família
7
Evolução do número de vínculos formais de emprego de Técnicos
de Odontologia* por ano segundo setores de atividade econômica -
Brasil, 2003 a 2011
Dimensionamento
da Força de
Trabalho
• Escassez de pessoal auxiliar
Dados da oferta de profissionais na Odontologia
(CFO, 2013):
Cirurgião-Dentista - 251.587
Técnico em Saúde Bucal - 16.388
Auxiliar de Saúde Bucal - 96.970
Iniqüidades
distributivas
de pessoal
auxiliar
• Espaciais:
– Intra-regional
– Inter-regional
• Funcionais:
– CD/ASB
– CD/TSB
– ASB/TSB
• Institucionais:
– SUS/Não SUS
– ASB/TSB na Atenção Básica
Número de
Cirurgiões-
Dentistas por
Auxiliares em
Saúde Bucal
segundo
Unidades da
Federação –
Brasil, 2013.
Nome do projeto 10
Número de
Cirurgiões-
Dentistas por
Técnicos em
Saúde Bucal
segundo
Unidades da
Federação –
Brasil, 2013.
11
Proporção de
Cirurgiões-
Dentistas por
Auxiliares em
Saúde Bucal
segundo Região
Geográfica –
Brasil, 2013.
12
Proporção de
Cirurgiões-
Dentistas por
Técnicos em
Saúde Bucal
segundo Região
Geográfica –
Brasil, 2013.
13
Mercado de
trabalho –
ASB e TSB
• Informalidade
– 57% dos TSB com emprego formal (RAIS, 2010)
– 64% dos ASB com emprego formal (RAIS, 2010)
• Precarização
– Contratação (trabalho protegido x desprotegido)
– Remuneração (diferenças regionais e
institucionais)
• Mobilidade ocupacional
– Desvio de função (TSB/ASB e outros)
– Atração e fixação na ocupação
*3224-05 - Técnico em saúde bucal; 3224-25 - Técnico em saúde bucal da estratégia de saúde da família.
15
Número de vínculos formais de emprego de Técnicos em Saúde
Bucal segundo Setores de Atividade Econômica - Brasil, 2010.
*3224-15 - Auxiliar em saúde bucal 3224-30 - Auxiliar em saúde bucal da estratégia de saúde da família. 16
Número de vínculos formais de emprego de Auxiliares em Saúde
Bucal segundo Setores de Atividade Econômica - Brasil, 2010.
Distribuição do número de Técnicos em Saúde Bucal em
estabelecimentos de saúde e na Atenção Básica, segundo Região
geográfica - Brasil, 2012.
Nome do projeto 17
Distribuição do número de Auxiliares em Saúde Bucal em
estabelecimentos de saúde e na Atenção Básica, segundo Região
geográfica - Brasil, 2012.
Nome do projeto 18
Oferta e distribuição dos profissionais de Saúde Bucal em
estabelecimentos de saúde e na Atenção Básica no Brasil.
19
CFO: julho de 2013; Estab. de saúde: nº de indivíduos em estabelecimentos de saúde, CNES, dez/2012;
Atenção Básica: nº de indivíduos na Atenção Básica, CNES, dez/2012.
20
Municípios brasileiros* com ESF segundo realização de trabalho protegido e
desprotegido** de Técnicos e Auxiliares de Saúde Bucal na contratação direta – Brasil,
2001 a 2012
Fonte: Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado (EPSM/NESCON/FM/UFMG). Pesquisa “Monitoramento do emprego na Estratégia de Saúde da Família.
*Corresponde aos municípios do painel fixo, que foram acompanhados em todas as pesquisas. **Trabalho protegido = vínculos como CLT e estatutário;
Trabalho desprotegido = vínculos temporários, autônomos, PJ e outros. *** Municípios que não contratavam o profissional, que não realizavam contratação
direta de Téc. E ou Aux. De Saúde Bucal na ESF e que não responderam.
Salários médios, salário-hora e salário médio 40 horas (em Reais) de
Técnicos em Saúde Bucal, com vínculos formais de emprego ativos
em 31/12/2010, por natureza jurídica e tipo de vínculo
21
Fonte: Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado (EPSM/NESCON/FM/UFMG) a partir da Relação Anual de Informações Sociais.
* Quociente entre a massa salarial dos vínculos de emprego de dentistas e o total de vínculos de dentistas.
** Corresponde ao salário médio de vínculos formais de emprego que perfaziam uma carga horária semanal de 40 horas.
TSB Salário Médio Salário hora*
Sal. Médio 40
horas**
Público 1.566,03 10,25 1.520,74
Privado lucrativo 1.063,96 6,20 1.193,52
Privado não lucrativo 1.829,47 11,74 1.859,20
CLT 1.073,28 6,50 1.644,61
Estatutário 1.430,33 9,42 1.601,64
Temporário 864,83 5,51 902,98
Total 1.254,38 7,94 1.585,31
Natureza jurídica
Tipo de vínculo
Salários médios, salário-hora e salário médio 40 horas (em Reais) de
Auxiliares de Saúde Bucal, com vínculos formais de emprego ativos
em 31/12/2010, por natureza jurídica e tipo de vínculo
22
Fonte: Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado (EPSM/NESCON/FM/UFMG) a partir da Relação Anual de Informações Sociais.
* Quociente entre a massa salarial dos vínculos de emprego de dentistas e o total de vínculos de dentistas.
** Corresponde ao salário médio de vínculos formais de emprego que perfaziam uma carga horária semanal de 40 horas.
ASB Salário Médio Salário hora*
Sal. Médio 40
horas**
Público 1.029,05 6,71 1.005,29
Privado lucrativo 776,22 4,52 795,13
Privado não lucrativo 1.048,88 6,57 1.043,20
CLT 743,85 4,39 974,72
Estatutário 1.158,43 7,67 1.046,76
Temporário 652,84 4,16 665,75
Total 856,89 5,22 1.003,51
Natureza jurídica
Tipo de vínculo
Regulação
profissional
• O escopo de prática em outros países tem sido ampliado
ao longo dos anos, inclusive com a criação de novas
profissões auxiliares a exemplo do Denturist; Clinical
Techinician; Dental Therapist.
• Na contramão desse processo, a Lei 11.889/08 – reduziu o
escopo de prática e engessou as possibilidades de
ampliação das funções (prejuízo para os serviços de saúde
e para o público).
• Modelo de regulação profissional brasileiro:
– Não atende às necessidades do SUS.
– Delegou a autarquias federais (Conselhos Profissionais) a
regulação das profissões de saúde.
– Interesses corporativos sobrepostos aos interesses do
público.
– Desequilíbrio entre oferta e demanda (reserva de mercado).
Regulação
profissional
• SUS – resgatar o papel de ordenador da formação e
regulação das profissões de saúde.
• Estabelecer critérios para regulação das profissões de
saúde:
– Risco à saúde e segurança dos usuários (baseado em
evidências e não em assunções corporativistas).
– Benefícios econômicos e sociais (impacto nos serviços
de saúde com respeito a acesso e qualidade).
– Impacto no mercado de trabalho (para a própria
profissão e para as outras profissões reguladas).
– Capacidade de formação e oferta de profissionais.
Nome do projeto 24
Recomendações
OMS
• Primeira conferência global sobre Task-Shifting, em Addis Ababa,
Ethiopia, 2008.
• Re-distribuição racional de tarefas entre os trabalhadores da equipe de
saúde.
• Recomendação 5: “Os países devem avaliar e considerar o uso de
abordagens regulatórias existentes (leis e proclamações, regras e
regulamentos, políticas e diretrizes) sempre que possível, ou
empreender revisões, se necessário, para permitir que os quadros de
trabalhadores de saúde possam atuar de acordo com um âmbito
ampliado de seu exercício profissional de forma a permitir a criação
de novos quadros entre o pessoal de saúde.”
Perspectivas
para os
profissionais
auxiliares
• Qual o perfil de profissional auxiliar que desejamos formar
para atender ao SUS? Para qual modelo de atenção?
• Como deve ser estruturado o processo de trabalho para
atender com mais eficiência e qualidade?
• Quantos profissionais auxiliares são necessários para o
modelo de atenção que desejamos?
• Que tipo de habilitação/formação e licenciamento esses
profissionais devem ter?
• Considerando a dimensão do nosso país e a existência de
regiões remotas e desassistidas, o que devemos fazer para
tratar das diferentes realidades com equidade e justiça?
• Quais devem ser os escopos de prática dos nossos auxiliares
para que possamos melhor atender às necessidades de
saúde da população?
Exemplo de uma
boa estratégia
para enfrentar os
problemas de
saúde com
eficácia,
qualidade e
segurança.
Obrigada!
cristianalcarvalho@gmail.com
Nome do projeto 28

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicos
Regis Valentim
 
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador AtraumáticoDesvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Flavio Salomao-Miranda
 
Implantes dentarios
Implantes dentariosImplantes dentarios
Implantes dentarios
Dr.João Calais.:
 
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoAnatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
holetzlourenco
 
A importância do controle mecânico do biofilme dentário para a rotina clínica...
A importância do controle mecânico do biofilme dentário para a rotina clínica...A importância do controle mecânico do biofilme dentário para a rotina clínica...
A importância do controle mecânico do biofilme dentário para a rotina clínica...
Escovas TePe, Produtos higiene bucal
 
TECIDOS DENTINÁRIOS
TECIDOS DENTINÁRIOSTECIDOS DENTINÁRIOS
TECIDOS DENTINÁRIOS
GabrielaSoares07
 
Cerâmicas Odontológicas
Cerâmicas OdontológicasCerâmicas Odontológicas
Cerâmicas Odontológicas
Marcos Paulo Hutchison
 
Prevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontaisPrevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontais
Cms Nunes
 
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1 Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Marcelo Gomes
 
Principais Diferenças Entre Periodontite Crônica e Periodontite Agressiva - A...
Principais Diferenças Entre Periodontite Crônica e Periodontite Agressiva - A...Principais Diferenças Entre Periodontite Crônica e Periodontite Agressiva - A...
Principais Diferenças Entre Periodontite Crônica e Periodontite Agressiva - A...
André Milioli Martins
 
ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS
ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAISODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS
ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
Oyara Mello
 
Equipamentos em odontologia
Equipamentos em odontologiaEquipamentos em odontologia
Equipamentos em odontologia
Rômulo Augusto
 
Prótese Dental Parcial Fixa Metalocerâmica
Prótese Dental Parcial Fixa  MetalocerâmicaPrótese Dental Parcial Fixa  Metalocerâmica
Cariologia
CariologiaCariologia
Politicas de saude bucal
Politicas de saude bucalPoliticas de saude bucal
Politicas de saude bucal
Lucas Almeida Sá
 
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
André Milioli Martins
 
Tecnica radiografica
Tecnica radiograficaTecnica radiografica
Tecnica radiografica
Lucas Almeida Sá
 
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGALAPOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
Rayssa Mendonça
 
Aula anatomia bucal e dental Curso Asb
Aula anatomia bucal e dental Curso AsbAula anatomia bucal e dental Curso Asb
Aula anatomia bucal e dental Curso Asb
Sara Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicos
 
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador AtraumáticoDesvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
Desvendando o Tratamento Restaurador Atraumático
 
Implantes dentarios
Implantes dentariosImplantes dentarios
Implantes dentarios
 
Anatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodontoAnatomia e histofisiologia do periodonto
Anatomia e histofisiologia do periodonto
 
A importância do controle mecânico do biofilme dentário para a rotina clínica...
A importância do controle mecânico do biofilme dentário para a rotina clínica...A importância do controle mecânico do biofilme dentário para a rotina clínica...
A importância do controle mecânico do biofilme dentário para a rotina clínica...
 
TECIDOS DENTINÁRIOS
TECIDOS DENTINÁRIOSTECIDOS DENTINÁRIOS
TECIDOS DENTINÁRIOS
 
Cerâmicas Odontológicas
Cerâmicas OdontológicasCerâmicas Odontológicas
Cerâmicas Odontológicas
 
Prevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontaisPrevenção de doenças periodontais
Prevenção de doenças periodontais
 
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1 Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
Apostila ( Ortodontia Otimizada ) TYPODONT STRAIGHT WIRE - 1
 
Principais Diferenças Entre Periodontite Crônica e Periodontite Agressiva - A...
Principais Diferenças Entre Periodontite Crônica e Periodontite Agressiva - A...Principais Diferenças Entre Periodontite Crônica e Periodontite Agressiva - A...
Principais Diferenças Entre Periodontite Crônica e Periodontite Agressiva - A...
 
ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS
ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAISODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS
ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
 
Equipamentos em odontologia
Equipamentos em odontologiaEquipamentos em odontologia
Equipamentos em odontologia
 
Prótese Dental Parcial Fixa Metalocerâmica
Prótese Dental Parcial Fixa  MetalocerâmicaPrótese Dental Parcial Fixa  Metalocerâmica
Prótese Dental Parcial Fixa Metalocerâmica
 
Cariologia
CariologiaCariologia
Cariologia
 
Politicas de saude bucal
Politicas de saude bucalPoliticas de saude bucal
Politicas de saude bucal
 
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
Classificação de Winter e Classificação Pell e Gregory - Cirurgia Bucomaxilof...
 
Tecnica radiografica
Tecnica radiograficaTecnica radiografica
Tecnica radiografica
 
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGALAPOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
APOSTILA DE ODONTOLOGIA LEGAL
 
Aula anatomia bucal e dental Curso Asb
Aula anatomia bucal e dental Curso AsbAula anatomia bucal e dental Curso Asb
Aula anatomia bucal e dental Curso Asb
 

Semelhante a A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf

RECURSOS HUMANOS.pdf
RECURSOS HUMANOS.pdfRECURSOS HUMANOS.pdf
RECURSOS HUMANOS.pdf
sumaya Sobrenome
 
Lei 1.823 -2012.pptx
Lei  1.823 -2012.pptxLei  1.823 -2012.pptx
Lei 1.823 -2012.pptx
ELIANAPEREIRA93
 
Programa brasil sorridente
Programa brasil sorridentePrograma brasil sorridente
Programa brasil sorridente
Felipe Ferreira
 
Saude_do_Trabalhador_na_APS - Atenção Primaria de Saúde
Saude_do_Trabalhador_na_APS - Atenção Primaria de SaúdeSaude_do_Trabalhador_na_APS - Atenção Primaria de Saúde
Saude_do_Trabalhador_na_APS - Atenção Primaria de Saúde
PauloCezarSantosSilv2
 
Complementar humanizasus
Complementar   humanizasusComplementar   humanizasus
Complementar humanizasus
Roberto Saboia
 
SUS programa nacional de desprecariação do trabalho no sus
SUS programa nacional de desprecariação do trabalho no susSUS programa nacional de desprecariação do trabalho no sus
SUS programa nacional de desprecariação do trabalho no sus
Rosane Domingues
 
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana MarjoryPlanejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
Iuliana Marjory
 
HUMANIZAÇÂO.pdf
HUMANIZAÇÂO.pdfHUMANIZAÇÂO.pdf
HUMANIZAÇÂO.pdf
vanellepriscila
 
Pnab
PnabPnab
00006127
0000612700006127
00006127
Jose Neto
 
Jornal sbmfc
Jornal sbmfcJornal sbmfc
Jornal sbmfc
Inaiara Bragante
 
Sus e o mercado de trabalho - Copia (1).pptx
Sus e o mercado de trabalho - Copia (1).pptxSus e o mercado de trabalho - Copia (1).pptx
Sus e o mercado de trabalho - Copia (1).pptx
WilberthLincoln1
 
A gestao publica_na_saude
A gestao publica_na_saudeA gestao publica_na_saude
Apresentação política minas gerais1 roque
Apresentação política  minas gerais1   roqueApresentação política  minas gerais1   roque
Apresentação política minas gerais1 roque
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Gerenciamento de-manutencao-de-equipamentos-hospitalares
Gerenciamento de-manutencao-de-equipamentos-hospitalaresGerenciamento de-manutencao-de-equipamentos-hospitalares
Gerenciamento de-manutencao-de-equipamentos-hospitalares
Elias Figueiredo
 
Saude cidadania volume11
Saude cidadania volume11Saude cidadania volume11
Saude cidadania volume11
Claudio da Costa
 
Saude cidadania-vol-11-gerenciamento-de-manutencao-de-equipamentos-hospitalar...
Saude cidadania-vol-11-gerenciamento-de-manutencao-de-equipamentos-hospitalar...Saude cidadania-vol-11-gerenciamento-de-manutencao-de-equipamentos-hospitalar...
Saude cidadania-vol-11-gerenciamento-de-manutencao-de-equipamentos-hospitalar...
RAFAEL DE OLIVEIRA AMANCIO
 
Apres cristina cnrms08
Apres cristina cnrms08Apres cristina cnrms08
Apres cristina cnrms08
Patriciadrc
 
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Peter Cera
 
Debate sobre o Programa "Mais médicos" para o Brasil
Debate sobre o Programa "Mais médicos" para o BrasilDebate sobre o Programa "Mais médicos" para o Brasil
Debate sobre o Programa "Mais médicos" para o Brasil
Leonardo Savassi
 

Semelhante a A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf (20)

RECURSOS HUMANOS.pdf
RECURSOS HUMANOS.pdfRECURSOS HUMANOS.pdf
RECURSOS HUMANOS.pdf
 
Lei 1.823 -2012.pptx
Lei  1.823 -2012.pptxLei  1.823 -2012.pptx
Lei 1.823 -2012.pptx
 
Programa brasil sorridente
Programa brasil sorridentePrograma brasil sorridente
Programa brasil sorridente
 
Saude_do_Trabalhador_na_APS - Atenção Primaria de Saúde
Saude_do_Trabalhador_na_APS - Atenção Primaria de SaúdeSaude_do_Trabalhador_na_APS - Atenção Primaria de Saúde
Saude_do_Trabalhador_na_APS - Atenção Primaria de Saúde
 
Complementar humanizasus
Complementar   humanizasusComplementar   humanizasus
Complementar humanizasus
 
SUS programa nacional de desprecariação do trabalho no sus
SUS programa nacional de desprecariação do trabalho no susSUS programa nacional de desprecariação do trabalho no sus
SUS programa nacional de desprecariação do trabalho no sus
 
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana MarjoryPlanejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
Planejamento e Gestão de Serviços de Saúde - Iuliana Marjory
 
HUMANIZAÇÂO.pdf
HUMANIZAÇÂO.pdfHUMANIZAÇÂO.pdf
HUMANIZAÇÂO.pdf
 
Pnab
PnabPnab
Pnab
 
00006127
0000612700006127
00006127
 
Jornal sbmfc
Jornal sbmfcJornal sbmfc
Jornal sbmfc
 
Sus e o mercado de trabalho - Copia (1).pptx
Sus e o mercado de trabalho - Copia (1).pptxSus e o mercado de trabalho - Copia (1).pptx
Sus e o mercado de trabalho - Copia (1).pptx
 
A gestao publica_na_saude
A gestao publica_na_saudeA gestao publica_na_saude
A gestao publica_na_saude
 
Apresentação política minas gerais1 roque
Apresentação política  minas gerais1   roqueApresentação política  minas gerais1   roque
Apresentação política minas gerais1 roque
 
Gerenciamento de-manutencao-de-equipamentos-hospitalares
Gerenciamento de-manutencao-de-equipamentos-hospitalaresGerenciamento de-manutencao-de-equipamentos-hospitalares
Gerenciamento de-manutencao-de-equipamentos-hospitalares
 
Saude cidadania volume11
Saude cidadania volume11Saude cidadania volume11
Saude cidadania volume11
 
Saude cidadania-vol-11-gerenciamento-de-manutencao-de-equipamentos-hospitalar...
Saude cidadania-vol-11-gerenciamento-de-manutencao-de-equipamentos-hospitalar...Saude cidadania-vol-11-gerenciamento-de-manutencao-de-equipamentos-hospitalar...
Saude cidadania-vol-11-gerenciamento-de-manutencao-de-equipamentos-hospitalar...
 
Apres cristina cnrms08
Apres cristina cnrms08Apres cristina cnrms08
Apres cristina cnrms08
 
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
Aula saude do trabalhador 15 agosto_11
 
Debate sobre o Programa "Mais médicos" para o Brasil
Debate sobre o Programa "Mais médicos" para o BrasilDebate sobre o Programa "Mais médicos" para o Brasil
Debate sobre o Programa "Mais médicos" para o Brasil
 

Mais de DaviCarvalho66

Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdfEscassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
DaviCarvalho66
 
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdfDESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DaviCarvalho66
 
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
DaviCarvalho66
 
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E  ESCOPO DE PRÁTICAMERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E  ESCOPO DE PRÁTICA
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA
DaviCarvalho66
 
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
DaviCarvalho66
 
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidadeMovimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
DaviCarvalho66
 
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdfShortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
DaviCarvalho66
 
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
DaviCarvalho66
 
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdfRutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
DaviCarvalho66
 
Sinais do Mercado de Trabalho em Saúde – Modelo de Projeção da FT 2012.pdf
Sinais do Mercado de Trabalho em Saúde – Modelo de Projeção da FT 2012.pdfSinais do Mercado de Trabalho em Saúde – Modelo de Projeção da FT 2012.pdf
Sinais do Mercado de Trabalho em Saúde – Modelo de Projeção da FT 2012.pdf
DaviCarvalho66
 
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
DaviCarvalho66
 
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdfPanorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdfRegulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
DaviCarvalho66
 
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdfÍndice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
DaviCarvalho66
 
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdfMercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
DaviCarvalho66
 
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
DaviCarvalho66
 
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
DaviCarvalho66
 
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdfMonitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
DaviCarvalho66
 
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdfO Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
DaviCarvalho66
 
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdfIndicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
DaviCarvalho66
 

Mais de DaviCarvalho66 (20)

Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdfEscassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
Escassez de Médicos em Atenção Primária em Saúde no Brasil – 2010 - 2021_.pdf
 
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdfDESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
DESIGUALDADES DE GÉNERO Y RAZA EN LA FUERZA DE TRABAJO EN SALUD EN BRASIL.pdf
 
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
Deserción de Programas de Residencia Médica y de Otras Profesiones de la Salu...
 
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E  ESCOPO DE PRÁTICAMERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E  ESCOPO DE PRÁTICA
MERCADO DE TRABALHO EM SAÚDE E ESCOPO DE PRÁTICA
 
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
Caracterização de sistema formador de especialistas das profissões de saúde, ...
 
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidadeMovimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
Movimentação de profissionais de saúde: migração e circularidade
 
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdfShortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
Shortages and geographic maldistribution of physicians in Brazil.pdf
 
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
Diagnóstico e Dimensionamento da Demanda por Especialidades e Residências Méd...
 
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdfRutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
Rutas de la Escasez (Colombia, 2014).pdf
 
Sinais do Mercado de Trabalho em Saúde – Modelo de Projeção da FT 2012.pdf
Sinais do Mercado de Trabalho em Saúde – Modelo de Projeção da FT 2012.pdfSinais do Mercado de Trabalho em Saúde – Modelo de Projeção da FT 2012.pdf
Sinais do Mercado de Trabalho em Saúde – Modelo de Projeção da FT 2012.pdf
 
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
Os médicos no Brasil a estrutura da força de trabalho e os sinais de mercado ...
 
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdfPanorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
Panorama da força de trabalho em saúde - BH 2010.pdf
 
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdfRegulação Profissional Jornada_Chile.pdf
Regulação Profissional Jornada_Chile.pdf
 
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdfÍndice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
Índice de Escassez de Médicos no Brasil - RJ 2010.pdf
 
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdfMercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
Mercado de Trabalho de Médicos na Atenção Básica 2012.pdf
 
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
Assessment of the scope of practice of physicians from the More Doctors Progr...
 
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
Construção do índice de escassez de médicos, enfermeiros e dentistas em AP - ...
 
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdfMonitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
Monitoramento do Trabalho na ESF 2001-2011 - BH2013.pdf
 
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdfO Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
O Mercado de Trabalho das Profissões de Saúde no Brasil 2011.pdf
 
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdfIndicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
Indicadores e métricas em Recursos Humanos em Saúde - RJ 2010 (COCORHS).pdf
 

A realidade das profissões de TSB e ASB no Brasil DF 2013.pdf

  • 1. Profa. Cristiana Leite Carvalho A realidade das profissões de Técnico em Saúde Bucal e Auxiliar em Saúde Bucal no Brasil
  • 2. Histórico das Profissões Auxiliares • Início do Século XX nos EUA: “os dentistas queriam assegurar cuidados profiláticos para os pacientes e obter um tempo maior para o trabalho restaurativo e para outros procedimentos complexos...” (MONTLEY, 1983 apud CARVALHO, 1998). • 1913- Alfred C.Fones: Higienista Dental – controle e prevenção da cárie em escolares. • 1921- Modelo de Atenção ao Escolar na Nova Zelândia – Enfermeira Dental – funções ampliadas: procedimentos cirúrgicos e restauradores, além das medidas de prevenção e controle da cárie. • Em 1949 - a Organização Mundial da Saúde recomenda a utilização do modelo da Nova Zelândia e países da África, Ásia e America Latina passam a considerar o uso de pessoal auxiliar com diferentes funções e nomenclaturas.
  • 3. Histórico no Brasil • Década de 50 no Brasil – AAuxiliar de Higiene Dentária foi incorporada a programas de fluoretação da Fundação SESP e da Secretaria de Saúde do Estado de Minas Gerais. • Décadas de 70 e 80 – Odontologia Comunitária: – Parecer nº 460/1975 Conselho Federal de Educação - Estabelece perfil profissional e currículo mínimo para os Técnicos em Higiene Dental e Atendentes de Consultório Dentário. – Regulamentação da profissão do Técnico em Prótese Dentária (Lei 6.710/79). – Departamento de Odontologia da PUC Minas - Programa Integrado de Saúde Escolar – Brasília. • Décadas de 80 e 90 – Projeto Larga Escala e Formação no trabalho: currículo integrado.
  • 4. Atualmente • Escolas Técnicas (ET-SUS e Escolas Privadas) – percursos de formação e qualificação profissionais • Cursos de especialização • Lei 11.889/2008 – Regulamenta o exercício das profissões de TSB e ASB. Este arcabouço regulatório atende às necessidades do Sistema Único de Saúde? Nome do projeto 4
  • 5. Formação e provimento de profissionais • Qualificação: – É esse o perfil de profissional técnico e auxiliar que necessitamos formar para enfrentar os problemas de saúde da população? – O atual escopo de prática está adequado para enfrentar os problemas de saúde bucal da população? – O nível e extensão da formação estão adequados? • Habilitação: – Este sistema de licenciamento do exercício profissional atende ao SUS? • Dimensionamento: – O número de profissionais que temos é suficiente? De quantos profissionais necessitamos? – Qual a capacidade instalada para formação e capacitação desses profissionais? – Quantos profissionais precisaremos formar em curto, médio e longo prazo? – Como estas profissões estão inseridas no mercado de trabalho?
  • 6. Características gerais do trabalho dos auxiliares • Dimensionamento da Força de Trabalho • Distribuição geográfica • Mercado de trabalho
  • 7. *CBO 202 - Família ocupacional 3224 - Técnicos de odontologia. Compreende as ocupações 3224-05 - Técnico em saúde bucal; 3224-10 - Protético dentário; 3224-15 - Auxiliar em saúde bucal; 3224-20 - Auxiliar de prótese dentária; 3224-25 - Técnico em saúde bucal da estratégia de saúde da família; 3224-30 - Auxiliar em saúde bucal da estratégia de saúde da família 7 Evolução do número de vínculos formais de emprego de Técnicos de Odontologia* por ano segundo setores de atividade econômica - Brasil, 2003 a 2011
  • 8. Dimensionamento da Força de Trabalho • Escassez de pessoal auxiliar Dados da oferta de profissionais na Odontologia (CFO, 2013): Cirurgião-Dentista - 251.587 Técnico em Saúde Bucal - 16.388 Auxiliar de Saúde Bucal - 96.970
  • 9. Iniqüidades distributivas de pessoal auxiliar • Espaciais: – Intra-regional – Inter-regional • Funcionais: – CD/ASB – CD/TSB – ASB/TSB • Institucionais: – SUS/Não SUS – ASB/TSB na Atenção Básica
  • 10. Número de Cirurgiões- Dentistas por Auxiliares em Saúde Bucal segundo Unidades da Federação – Brasil, 2013. Nome do projeto 10
  • 11. Número de Cirurgiões- Dentistas por Técnicos em Saúde Bucal segundo Unidades da Federação – Brasil, 2013. 11
  • 12. Proporção de Cirurgiões- Dentistas por Auxiliares em Saúde Bucal segundo Região Geográfica – Brasil, 2013. 12
  • 13. Proporção de Cirurgiões- Dentistas por Técnicos em Saúde Bucal segundo Região Geográfica – Brasil, 2013. 13
  • 14. Mercado de trabalho – ASB e TSB • Informalidade – 57% dos TSB com emprego formal (RAIS, 2010) – 64% dos ASB com emprego formal (RAIS, 2010) • Precarização – Contratação (trabalho protegido x desprotegido) – Remuneração (diferenças regionais e institucionais) • Mobilidade ocupacional – Desvio de função (TSB/ASB e outros) – Atração e fixação na ocupação
  • 15. *3224-05 - Técnico em saúde bucal; 3224-25 - Técnico em saúde bucal da estratégia de saúde da família. 15 Número de vínculos formais de emprego de Técnicos em Saúde Bucal segundo Setores de Atividade Econômica - Brasil, 2010.
  • 16. *3224-15 - Auxiliar em saúde bucal 3224-30 - Auxiliar em saúde bucal da estratégia de saúde da família. 16 Número de vínculos formais de emprego de Auxiliares em Saúde Bucal segundo Setores de Atividade Econômica - Brasil, 2010.
  • 17. Distribuição do número de Técnicos em Saúde Bucal em estabelecimentos de saúde e na Atenção Básica, segundo Região geográfica - Brasil, 2012. Nome do projeto 17
  • 18. Distribuição do número de Auxiliares em Saúde Bucal em estabelecimentos de saúde e na Atenção Básica, segundo Região geográfica - Brasil, 2012. Nome do projeto 18
  • 19. Oferta e distribuição dos profissionais de Saúde Bucal em estabelecimentos de saúde e na Atenção Básica no Brasil. 19 CFO: julho de 2013; Estab. de saúde: nº de indivíduos em estabelecimentos de saúde, CNES, dez/2012; Atenção Básica: nº de indivíduos na Atenção Básica, CNES, dez/2012.
  • 20. 20 Municípios brasileiros* com ESF segundo realização de trabalho protegido e desprotegido** de Técnicos e Auxiliares de Saúde Bucal na contratação direta – Brasil, 2001 a 2012 Fonte: Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado (EPSM/NESCON/FM/UFMG). Pesquisa “Monitoramento do emprego na Estratégia de Saúde da Família. *Corresponde aos municípios do painel fixo, que foram acompanhados em todas as pesquisas. **Trabalho protegido = vínculos como CLT e estatutário; Trabalho desprotegido = vínculos temporários, autônomos, PJ e outros. *** Municípios que não contratavam o profissional, que não realizavam contratação direta de Téc. E ou Aux. De Saúde Bucal na ESF e que não responderam.
  • 21. Salários médios, salário-hora e salário médio 40 horas (em Reais) de Técnicos em Saúde Bucal, com vínculos formais de emprego ativos em 31/12/2010, por natureza jurídica e tipo de vínculo 21 Fonte: Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado (EPSM/NESCON/FM/UFMG) a partir da Relação Anual de Informações Sociais. * Quociente entre a massa salarial dos vínculos de emprego de dentistas e o total de vínculos de dentistas. ** Corresponde ao salário médio de vínculos formais de emprego que perfaziam uma carga horária semanal de 40 horas. TSB Salário Médio Salário hora* Sal. Médio 40 horas** Público 1.566,03 10,25 1.520,74 Privado lucrativo 1.063,96 6,20 1.193,52 Privado não lucrativo 1.829,47 11,74 1.859,20 CLT 1.073,28 6,50 1.644,61 Estatutário 1.430,33 9,42 1.601,64 Temporário 864,83 5,51 902,98 Total 1.254,38 7,94 1.585,31 Natureza jurídica Tipo de vínculo
  • 22. Salários médios, salário-hora e salário médio 40 horas (em Reais) de Auxiliares de Saúde Bucal, com vínculos formais de emprego ativos em 31/12/2010, por natureza jurídica e tipo de vínculo 22 Fonte: Estação de Pesquisa de Sinais de Mercado (EPSM/NESCON/FM/UFMG) a partir da Relação Anual de Informações Sociais. * Quociente entre a massa salarial dos vínculos de emprego de dentistas e o total de vínculos de dentistas. ** Corresponde ao salário médio de vínculos formais de emprego que perfaziam uma carga horária semanal de 40 horas. ASB Salário Médio Salário hora* Sal. Médio 40 horas** Público 1.029,05 6,71 1.005,29 Privado lucrativo 776,22 4,52 795,13 Privado não lucrativo 1.048,88 6,57 1.043,20 CLT 743,85 4,39 974,72 Estatutário 1.158,43 7,67 1.046,76 Temporário 652,84 4,16 665,75 Total 856,89 5,22 1.003,51 Natureza jurídica Tipo de vínculo
  • 23. Regulação profissional • O escopo de prática em outros países tem sido ampliado ao longo dos anos, inclusive com a criação de novas profissões auxiliares a exemplo do Denturist; Clinical Techinician; Dental Therapist. • Na contramão desse processo, a Lei 11.889/08 – reduziu o escopo de prática e engessou as possibilidades de ampliação das funções (prejuízo para os serviços de saúde e para o público). • Modelo de regulação profissional brasileiro: – Não atende às necessidades do SUS. – Delegou a autarquias federais (Conselhos Profissionais) a regulação das profissões de saúde. – Interesses corporativos sobrepostos aos interesses do público. – Desequilíbrio entre oferta e demanda (reserva de mercado).
  • 24. Regulação profissional • SUS – resgatar o papel de ordenador da formação e regulação das profissões de saúde. • Estabelecer critérios para regulação das profissões de saúde: – Risco à saúde e segurança dos usuários (baseado em evidências e não em assunções corporativistas). – Benefícios econômicos e sociais (impacto nos serviços de saúde com respeito a acesso e qualidade). – Impacto no mercado de trabalho (para a própria profissão e para as outras profissões reguladas). – Capacidade de formação e oferta de profissionais. Nome do projeto 24
  • 25. Recomendações OMS • Primeira conferência global sobre Task-Shifting, em Addis Ababa, Ethiopia, 2008. • Re-distribuição racional de tarefas entre os trabalhadores da equipe de saúde. • Recomendação 5: “Os países devem avaliar e considerar o uso de abordagens regulatórias existentes (leis e proclamações, regras e regulamentos, políticas e diretrizes) sempre que possível, ou empreender revisões, se necessário, para permitir que os quadros de trabalhadores de saúde possam atuar de acordo com um âmbito ampliado de seu exercício profissional de forma a permitir a criação de novos quadros entre o pessoal de saúde.”
  • 26. Perspectivas para os profissionais auxiliares • Qual o perfil de profissional auxiliar que desejamos formar para atender ao SUS? Para qual modelo de atenção? • Como deve ser estruturado o processo de trabalho para atender com mais eficiência e qualidade? • Quantos profissionais auxiliares são necessários para o modelo de atenção que desejamos? • Que tipo de habilitação/formação e licenciamento esses profissionais devem ter? • Considerando a dimensão do nosso país e a existência de regiões remotas e desassistidas, o que devemos fazer para tratar das diferentes realidades com equidade e justiça? • Quais devem ser os escopos de prática dos nossos auxiliares para que possamos melhor atender às necessidades de saúde da população?
  • 27. Exemplo de uma boa estratégia para enfrentar os problemas de saúde com eficácia, qualidade e segurança.