SlideShare uma empresa Scribd logo
Prefácio

    Que anuncie...
    o amor... a glória...o louvor...o sacrifício...a santidade...a
verdade...a fé...a prosperidade...a benção...a justiça...a
força...a pureza...o desprendimento...o amor...o saber...a
paz.

   Êh ishmá a-aavá
   Êh ishmá a-kavôd
   Êh ishmá a-teillá
   Êh ishmá a-qórban
   Êh ishmá a-qôdesh
   Êh ishmá a-ámeth
   Êh ishmá a-ômen
   Êh ishmá a-tová
   Êh ishmá a-berahá[r]
   Êh ishmá a-tsádeq
   Êh ishmá a-kôah[r]
   Êh ishmá a-aavá
   Êh ishmá a-hóhma[rr]
   Êh ishmá a-shalôm
   “Dominus Dei santificus cognoricus alentus bárbarus
amém”




                              1
Índice

História das civilizações..............................pág.3
Escrituras históricas....................................pág 5
A escrita....................................................pág 6
Pai Nosso [Hebraico e Aramaico] ...........pág. 11
Pai Nosso [ Aramaic Bible Society].........pág. 12
Calendário..............................................pág. 15
Sobre o nome Divino................................pág. 26
Demônio e anjo.......................................pág.33
Os nomes e seus significados...................pág. 49
Inferno....................................................pág. 90
Extrema Unção...........................................pág. 95
País chamado Vaticano............................pág..96
Testemunhas de Jeová.............................pág. 116
Igreja do Reverendo Moon.......................pág.128
Doutrina Adventista.................................pág. 135
Igreja Internacional de Cristo..................pág.149
Igreja Universal do Reino de Deus.........pág. 153
Lutero ....................................................pág.170
Igreja Ortodoxa......................................pág.171
Igreja Quadrangular...............................pág. 173
Reencarnação e Ressureição.................pág. 180
Experiência espiritual..............................pág.187



                           2
História das civilizações
    Ninguém pode afirmar a origem da civilização, porém
supôe-se que ela teve início nas aldeias acrícolas no sul
da Mesopotâmia [do grego mesoz (meio) e pótamoz (rio)],
    Surgiu a civilização Suméria. Os sumérios tinham cida-
des-estados e Nipur era o centro religioso sumério. Os
sacerdotes sumérios criaram o calendário e a medição do
tempo. Sargon unificou os sumérios em 2371AEC , o con-
quistador do norte, que fundou ACAO. Sua queda se deve
as invasões dos homens das colinas e divergências inter-
nas. Depois de sua queda surgiu a cidade de Ur centraliza-
da pelo poderoso Higuran. Esta cidade caiu cerca de 2000
AEC pelos invasores Amorreus do leste da Síria nas mon-
tanhas de Canaã, povo guerreiro que foi dominado por
José [ faraó Yoseph]. Entre os grandes impérios estabele-
cidos por Higuran surge Hammurabi em 1800 AEC.
    A primeira civilização supostamente procedente da
Índia surgiu nas margens do rio Indo [atual Paquistão] e
foi fundada as cidades Mohanjo-Daro e Harappan. Essa
civilização era conteporânea do Egito, Assíria e Babilônia
[Bavel].
    Até o presente momento os pesquisadores não con-
seguiram decifrar a escrita pictórica, pois a referência é
quase completa. A escrita suméria dispunha de 20 mil sím-
bolos simples e compostos.
    Em 1700 AEC a cultura de Harappan entrou em declínio.

                          3
Duzentos anos depois os Arianos terminou com a cul-
tura de Harappan. Estabeleceram pequenas comunidades
agrárias em todo Punjab.
    Os Arianos desenvolveram uma rica tradição e
comporam osVedas.
    Os instrumentos remanescentes dos homens
paleolíticos foram descobertos em Rajastan, Gujarat, Bihar
e no sul da Índia.
    A escrita do Vale do Indo com cerca de 250 sinais apro-
ximadamente ainda são um mistério e somente por hipóte-
se se deduz seu significado. A relação com a escrita india-
na desenvolvida há 2 mil anos depois não existe, assim a
escrita se expressa por meio de uma mistura de sinais e
gráficos.
    Duraram mil anos e desapareceram sem deixar registro,
somente em 1925 foram descoberto sua existência.
    O antigo Oriente Médio abrangia o Egito, Arábia, Síria,
Palestina, Mesopotâmia, Armênia, Irã e a Ásia Menor.
    1* A Fenícia mantinha estreitas relações com o Egito –
e este teve influência sumeriana –, a tal ponto que o Faraó
Nekaó (609 – 594 – a. C), financiou uma expedição maríti-
ma realizada pelo navegador fenício Haram que, saindo
pelo Mar Vermelho ganhou o Índico, contornou a África,
singrou águas do Atlântico para chegar ao Egito, pelo
Mediterrâneo

                           4
ESCRITURAS HISTÓRICAS

    A Epopéia Acadiana de Gilgamesh, na escrita
cuneiforme em tabuinhas de argila [tabuinha XI] sobre o
dilúvio na Atlântida muito antes da história narrada por
Moisés [Moshê], mostra quanto o mito mesopotâmico é
semelhante.
    O gênesis foi reescrito por Moisés após a reconstru-
ção do templo de Jesusálem no tempo do faraó/rei de Bavel
Nabucodonosor [Nabu = Deus Babilônico no século VI
“AEC”],
    40 dias de chuva poderiam ser os 40 anos do exílio.
Pois tempestade representa tempo instável e de difícil aces-
so fora da residência. Sendo assim a palavra chuva deve
representar exílio, pois exílio é uma prisão. É como uma
parábola.
    A planície inundável do rio Tigre e Eufrates, terra de
Nabucodonosor onde teria sido o dilúvio.
    Muitos locais e reinados citados por Moisés não exis-
tiam no século VIII [AEC], assim como nunca foram pro-
vados a existência do mesmo.
    Os escribas reescreveram 500 anos depois os locais e
reinados citados como existentes.
    Os dez mandamentos provavelmente possam ter sido
reescrita pelo faraó/rei Hammurab, pois não havia o Mon-
te Sinai, local este escolhido por monges bizantinos por
volta do século IV e VI a.C.

                           5
Observe: O Monte Nebo [ na verdade Monte Nabu]
era o monte onde Moisés teria recebido os dez manda-
mentos, monte este onde passava o rio Jordão, onde
Yeshuá foi batizado, assim para não demonstrar contradi-
ção foi mudado para Monte Sinai, que também mostrava
ser uma vista mais bela.
    Observe as escritas cuneiformes do código de
Hammurabi.


   A ESCRITA

    A escrita mais antiga eram pictográficas datada de
3000AEC em tábuas de argila.
    Reduzidas a escrita cuneiforme em 2000AEC se tor-
nando linear A e B.
    O fenício foi o mais perfeito alfabeto e mais difundido
devido a sua simplicidade de 22 símbolos. Adotado no
século X a.C. pelos Arameus que transmitiram aos
Nabateus, Sírios, Persas e Hebreus. Os gregos aperfeiço-
aram o fenício introduzindo os sons vocálicos.
    Assim como o Árabe e os idiomas semitas, o Hebraico
se escreve da direita para esquerda. No hebraico não há
como em muitas outros idiomas letras maiúsculas e mi-
núsculas. O alfabeto hebraico constitui-se de 22 conso-
antes, sendo que as vogais e os sinais vocálicos não fa-
zem parte do alfabeto. Quando o hebraico entrou em
declínio como idioma falado foram inventados os sinais

                           6
vocálicos pelos massoretas. Os sinais vocálicos recebe-
ram o nome então de sinais massoréticos. Os sinais
vocálicos são colocados embaixo das consoantes sendo
poucos ao lado ou acima. No hebraico não se escreve
metade da palavra e usa-se o hífem depois, quando a pala-
vra não se encaixa, coloca-se toda a palavra na linha se-
guinte. A primeira letra áleph não tem correspondente em
português. A letra 'a' é representada por esta consoante
com o sinal vocálico embaixo dela e os seus significados:
    Observaremos então:
     a = ALEPH "a" como em "aba"(pai) Touro sumério
e cabeça de boi. [ Nº1]
     b =BETH "b" como em "aba"(pai).Pode ser também
pronunciada como "v", quando aparecer sem acento. Mãe,
casa, tabernáculo ou tenda. [ Nº2]
     g =GHIMEL "g" como em "gadol" (grande). Nature-
za, camelo...[ Nº3]
     d =DALETH "d" como em "dekel" (palmeira). Auto-
ridade, Porta... [ Nº4]
     h =HEH "h" como em "hineh" (aqui). Religião... [
Nº5]
     w =VAV "v" como em "vashti" (Vashti, formosa espo-
sa do Rei, na história do Purim). Liberdade...[ Nº6]
    Pode também ser usado como as vogais "o" e "u".
     z = ZAYIN "z" como em "zemer" (música). Proprieda-
de... [ Nº7]
    t = HETH gutoral "h", como em "(c)hamor" (burro).
Repartição...[ Nº8]

                          7
j = TETH "t" como em "tembel" (estúpido). Prudên-
cia... [ Nº9]
     y = YÔD "y" como em "yesh" (ter). Mão, ordem... [
Nº10]
      k = KAF "c" como em "catuv" (escrever). palma,
força... [Nº20]
     l = LAMED "l" como em "lama" (por que?). Sacrifí-
cio... [ Nº30]
     m = MEM "m" como em "mtera" (extintor). Água,
morte... [ Nº40]
      n = NUN "n" como em "nudnik" (peste). Peixe,
reversibilidade... [Nº50]
     o = SAMECH "s" como em "sigaria" (cigarros). Ser
universal... [ Nº60]
     e = ÁYIN "a" como em "ayin". Olho, equilíbrio...[
Nº70]
      p = PEH "p" como em "pilpel" (pimentão). Boca,
imortalidade...[ Nº80]
     u = TZADEK "tz" como em "tzipor" (pássaro). Foi-
ce, sombra e reflexo.[ Nº90]
     q = KÔF "k" como em "kumkum" (canguru). Maca-
co, luz... [Nº100]
     r = RESH "r" como em "regel" (perna). Cabeça, re-
conhecimento... [ Nº200]
      s = SHIN "sh" como em "shalom"(paz). Fogo... [
Nº300]
     t = TAF "t" como em tapuz" (orange). Dente, sol...
[ Nº400 Sol]

                         8
Existe ainda o kaf sofí que tem um ponto dentro e mais
alongado e o haf sofí que é também mais alongado sem o
ponto dentro. Aparecem sempre no final da palavra.
   E o Num sofí que só aparece no final da palavra.
   As vogais são representadas conforme criação dos
massoréticos assim:
   A=

   E=

   I=

   O=

   U=

    O sinal Shevá serve para notar a não existência de
vogal entre duas consoantes.
    Os nomes e os substantivos em geral raramente termi-
nam em vogal. Sempre em consoante.
    A palavra hebraica pode ser um verbo, substantivo ou
adjetivo.
    Onde não tem o verbo, tem que ser o substantivo ou
adjetivo.
    O “j” não existe no alfabeto hebraico.
    O hebraico nasceu do sistema hieróglifo egípcio. Onde
hieros = sagrado e glifos = escrita, sinal.
    Moisés trocou os hieróglifos egípcios pelos símbolos

                          9
semitas.
   A maior parte das palavras hebraicas não são oxítonas
e uma menos são paroxítonas.

    Alfabeto Grego Koiné: No período koiné o alfabeto
grego
    possuía 24 letras.
    Transliteração é a representação das letras de um alfa-
beto pelas letras correspondentes de um outro, levando
em consideração os princípios da fonética.
    A fonética é o estudo dos dons da linguagem humana,
visto sob diferentes aspectos, ciência dos sons do idioma
e em que se trata a substância da expressão.
    A=a=A

   B=b =B

   F=g=G

   A=d=D

   T=e=É

   Z=z=Z

   H=h=Ê

   o = y = TH

                           10
I=i=I

K=k=K

a=l=L

M=m=M

N = n =N

E = x = KS

T =o=Ó

N =p=P

P=r =R

e=s=S

T=t=T

Y= u =Y

i =f=F

X = c = CH

             11
Y = q = PS

   O=w= =O

    PAI NOSSO: Transliterado
    “ Avinú shebashamáim
    itqadásh shmehá[rrá]
    Tavô malkutehá[rrá]
    Yeassê retsonehá[rrá]
    Kemô bashamáim kên baárets
    Êt lehem[rrem] huhenú [rrurrenú] tên lanú ayôm
    Ussláh[usslár] lanú êt hovotenú[rrovotenú]
    Kaashêr soláhnu[solárnu] gam anáhnu[anárnu]
     lehayavenú[lerrayavenú]
    Veál tevienú lidê nisayôn
    Ki im haltsenú[rraltsenú] minn a-rá
    Amém”
    As palavras em que o “H” tem um ponto embaixo se
pronuncia como se estivesse 2 “RR” para que a pronún-
cia fosse rasgada.
    PAI NOSSO: Transliterado
    Pai Nosso [em Aramaico]com fonética em inglês
    Aboon dabashmaya
    nethkadash shamak
    tetha malkoothak
    newe tzevyanak
    aykan dabashmaya af bara

                        12
hav lan lakma dsoonkanan yamanawashbook lan
   kavine aykana daf hanan shabookan lhayavine oolow
   talahn lanesyana
   ela ftasan men beesha
   Transliteration Galiléia do Pain Nosso com fonética
Inglesa:
       D-bish-maiya de Avvon, calço-mukh do nith-
                      qaddash.
 Tih-teh mal-chootukh-chootukh. Çiw-yanukh de Nih-
                         weh:
       d’bish-maiya do ei-chana: ap b’ar-b’ar-ah.
Yoo-mana d’soonqa-nan do lan lakh-miliampère de Haw.
            Kho-bein do lan de O’shwooq:
 shwiq-qan kh’nan do d’ap do ei-chana l’khaya-ween.
            L’niss-yoona te-ellan de Oo’la:
           beesha mínimo paç-çan do il-il-la.
                  uela taelinan lenisyonah
    Mid-até o hai mal-choota-choota dos de-de-di-lukh-
                           lukh
       oo tush-bookh-Ta do khai-khai-la do oo
        al-mein-mein do l’alam. Aa-meen-meen.

   VERSÃO THE ARAMAIC BIBLE SOCIETY

   A-voon de-vesh-ma-ya
   Nith-ha-dash smakh
   Neh-wey sev-ya-nakh
   Ai-ken-na de-vesh-ma-ya
                         13
Up ber-ah, hav-lan
   Lakh-ma de-soon-ka-nam
   Yo-ma-na wush-vok-lan
   Khoe-bai-ne ai-ken-na de-up
   Khnan sh-vak-n el-kha-ya-ven
   ula ta-e-lan el-nisýoe-na
   H-la pes-on min-bee-sha
   mit-thil de-de-lakh-ee
   Mal-koo-tha oo-khay-la
   Oo-tish-boakh-ta
   El-a-lum all-meen

   A-men
   Teu Reino vem
   Tua vontade será feita assim no Céu como na Terra
   Dai-nos o pão para nossas necessidades do dia a dia
   Perdoai nossas ofenças, assim como perdoamos nos-
sos ofensores
   Não nos deixe entrar em tentação
   Libera-nos do mal pois Teu é o Reino
   e o poder e a glória
   Para todo sempre
   Amen




                        14
VERSÃO SIRÍACA [SÍRIO-JACOBINA]

   Abba
   Ythqaddash schemak
   Thethe malkutak
   lachmana delimchar hab lanyoma haden
   uschebnoq lan chobenan
   hekmadeschebaqnam lechayyabenan

                    CALENDÁRIO

    Kalendae vem do grego kal = chamar
    Usado nos idiomas sacros por um dos pontífices ro-
manos para a convocação do povo no Campidoglio quan-
do ao céu aparecia a primeira fase da lua crescente.
Kalendae é o primeiro dia do mês lunar.
    O 1º calendário a seguir o movimento do sol e não da
lua é o egípcio no ano de 4236 AEC.
    Hammurabi foi o 1º a introduzir um mês extra no calen-
dário
    O Calendário Babilônico, um dos mais antigos, dividi-
dos em 12 meses de 4 semanas, de 29 ou 30 dias cada um,
iniciando sempre na lua nova.
    No século XX AEC os Babilônicos dividiram o período



                          15
de um dia em 24 horas, sendo 12 para a noite e 12 para o dia
e dedicado a um signo diferente do zodíaco.
    Ano de 354 dias com 11 dias a menos que o ano solar.
Existindo, porém uma defasagem de 30 dias ao longo de 3
anos, acrescentando assim o 13º mês [ a cada ciclo de 3
anos].
    O mês suplementar é introduzido após Elul ou Hadad,
conservando o mesmo nome seguido da indicação de se-
gundo.
    Lembrando que o calendário hebreu lunar aparece o
nome do Deus babilônico Thamuz.
    Em Isaías 66:23 vê-se de acordo com Enoch:
66:23 E será que, de uma Festa da Lua Nova à outra e de
     um sábado a outro, virá toda a carne a adorar perante
     mim, diz o SENHOR.
hwhy rma ynp:l twxtsh:l rvb-lk awby w:tbs:b tbs
     yd:m:w w:sdx:b sdx-yd:m hyh:w 23

    E em Gên. 7:11 a palavra hebraica Hhodhésh deriva
do radical significando “novo”, veja:
7:11 No ano seiscentos da vida de Noé, aos dezessete
     dias do segundo mês, nesse dia romperam-se todas
     as fontes do grande abismo, e as comportas dos céus
     se abriram,
wxtpn Myms:h tbra:w hbr Mwht tnyem-lk weqbn hz:h
     Mwy:b sdx:l Mwy rve-hebs:b yns:h sdx:b xn-
     yyx:l hns twam-ss tns:b


                           16
Outra palavra para designar o mês yérahh (lunação).
Os meses eram contados de lua nova para lua nova.
   Enoch assim transmitiu a Noé a ciência dos cálculos.
   Para se determinar o 13º mês observava-se o nascer de
determinadas estrelas e constelações.

   Meses Babilônicos:
   1 Tishri  2 Chesvan     3 Kislev
   4 Tevet 5 Shevat     6 Adar
   7 Nissan 8 Iyar    9 Sivan
   10 Tamuz 11 Av 12 Elul
   Em Êxodo 12:2 e 13:4
12:2 Este mês vos será o principal dos meses; será o
    primeiro mês do ano.
hns:h ysdx:l Mk:l awh Nwsar Mysdx sar Mk:l
    hz:h sdx:h
13:4 Hoje, mês de abibe, estais saindo.
byba:h sdx:b Myauy Mta Mwy:h
     Deus instituiu que o primeiro mês do ano seja o mês
de Aviv, e a palavra Aviv significa primavera, de modo que
o primeiro mês do ano deve ser o mês que coincide com o
início da primavera na Terra de Israel. Vejamos então como
poderia ser os meses marcados pelos movimentos da lua:

         Provavelmente no tempo de Yabel, gênesis 4:20,
se cultuava o calendário lunar/solar que é muito seme-
lhante ao Babilônico.

                          17
O calendário começa o dia com o pôr-do-sol e o primei-
ro dia do mês começa com a primeira lua crescente do
leste, no período sinódico.O ano é de 12 lunações [meses]
de 29 e 30 dias intercalados dando um total de 354/355
dias , também dando defasagem como no calendário
babilônico, sendo assim inclui-se mais um mês. O ciclo da
lua é de 29 dias, 12 horas, 44 minutos e 3 segundos, ou
seja, aproximadamente 29 dias e meio.

A Lua, como a Terra, executa dois movimentos simultâne-
os. O primeiro é o de translação, pelo qual descreve uma
órbita elíptica em torno da Terra. Os pontos máximos de
aproximação e afastamento entre os dois corpos recebem,
respectivamente, os nomes de perigeu e apogeu.
    A lua em diferentes civilizações teve vários nomes
como:Selene, Àrtemis, Cíntia e Luna.
    Em relação ao Sol, o ciclo lunar dá origem a um período
sinódico (compreendido entre duas conjunções sucessi-
vas do Sol e da Lua) de 29 dias, 12 horas e 44 minutos e 3
segundos. Como a órbita lunar é excêntrica, a duração do
mês sinódico não é constante e varia em cerca de 13 ho-
ras.
    No calendário Rosh Hashana [judaico] cai na primeira
lua cheia após o eqüinócio de setembro.
    O Domingo de Páscoa é o primeiro Domingo após a
Lua Cheia que sucede ao Equinócio Vernal

    Gên.1:14 “ ...e eles terão de servir de SINAIS, e para

                           18
épocas, e para dias”.
    Gên 1:14 Myns:w Mymy:l:w Mydewm:l:w tta:l wyh:w
hlyl:h Nyb:w Mwy:h Nyb lydbh:l Myms:h eyqr:b tram
yhy Myhla rmay:w

    Assim confirma-se o calendário lunar bíblico mencio-
nado pelo livro apócrifo de ENOCH (Hanoch) Capítulo
80:06-07
    O calendário lunar dos Egípcios no ano 2500a.C. eram
divididos em 10 dias. Posteriormente no exílio do povo
hebreu na Babilônia em 587-538a.C.
    No Concílio de Nicéia no ano 325 os nomes foram tro-
cados e dominica se tornou domingo [dia do senhor do
sol] e shabat se tornou sábado [Satir/Saturno] dando re-
ferência ao sabá judaico. Não há ocorrência de domingo
em toda a escritura sagrada.
     O calendário de Enoch mostra o quão é diferente do
calendário ocidental dos Deuses Greco-Romanos.
    Se compararmos com o calendário gregoriano temos
em um ano solar 12,4 meses lunares, o que ocorre uma
diferença a cada ano de aproximadamente 11 dias, para
compensar esta diferença, a cada ciclo de 19 anos acres-
centa-se um mês inteiro (Adar II).São acrescidos no ter-
ceiro, sexto, oitavo, décimo-primeiro, décimo-quarto, dé-
cimo-sétimo e décimo-nono anos desse ciclo.
    Em 46 a. C. foi reformado o calendário pelo Imperador
Julio César e o 1º dia do ano iniciava em Março, porém foi
mudado para o 1º de Janeiro para se iniciar próximo ao

                          19
Solstício de inverno no Hemisfério Norte.
    Em 1620 foi adotado pela primeira vez o termo “a.C.”
antes de Cristo pelo astrônomo Francês Denis Petau.
    O ano novo ocorre em tishrei [setembro/outubro] como
no judaico.
    No entanto nas eras primitivas o ano [annus-anel] co-
meçava com a primavera [data de 263 AEC] eo primeiro
mês era março.
    Veja os Deuses Romanos:
    Janus [Janeiro] = Deus dos inícios e guardião do uni-
verso. O Deus de 2 faces sendo uma para cada lado.
    Februália - Fevereiro [purificação] = Era dado sacrifí-
cio aos mortos, por isso essa referência.
    Purim é uma tradição judaica em que o Criador come-
mora a libertação de seu povo.
    O carnaval é comemorado entre Fevereiro/Março, a
mesma comemoração dos Deuses Romanos Baco, Momo
[lembra do Rei Momo?] e Festo [Ou seria Fausto?].
    Maritus [Março] = Deus da Guerra Marte e da semea-
dura.
    Aprilis [Abril] = Deusa da Beleza e do amor Afrodite.
Também da germinação.
    Maio [Maius] = Deus do Olimpo Júpiter e a antiquíssima
Deusa Romana Maia “mãe do Deus Mercúrio”. Espírito
da estação ‘Maia”, a alma do mês de maio.
    Junho [Junius] = Deusa Juno esposa de Júpiter e pro-
tetora das mulheres. Juno Regina era a rainha do céu, pro-
tetora da feminilidade, maternidade e casamento. Seu mês

                           20
era recomendado para um casamento feliz.
    Julho [Quintilis antes, depois Imperador Julius César],
Agosto [ Sextilis antes, depois Imperador Augustus],
    Setembro = sétimo,
    Outubro = oitavo,
    Novembro = nono e
    Dezembro = décimo.
    O ano era de 10 meses formulado na fundação de Roma
em 753 [AEC] por Rômulo baseado no calendário egípcio.
Tinha 304 dias de 10 meses lunares, 6 de 30 dias e 4 de 31
dias. Iniciando o dia após a meia-noite.
Veja 11:09 Respondeu Jesus: Não são doze as horas do
     dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a
     luz deste mundo;
11:09 apekriyh ihsouv ouci dwdeka eisin wrai thv
     hmerav ean tiv peripath en th hmera ou
     proskoptei oti to fwv tou kosmou toutou blepei

    Um detalhe: Ao mencionar a Judas que o galo cantaria
3 vezes, isto se referia 3 dias, ou seja quando o galo canta
ao amanhecer.
    Em 25 de dezembro de 273, o Imperador Aureliano in-
troduziu em Roma o culto a Baal como deus do império e
regente invencível do sol.
    Determinou-se que a data de nascimento de Yeshuá
retrairia para o ano de 753 da data de fundação de Roma,
tendo como dia e mês, o 25 de dezembro instituída oficial-
mente pelo bispo romano Libério no ano 354.

                           21
O primeiro ano da era cristã seria a partir de 1 de janeiro
do ano 753 da fundação de Roma. Mas Yeshuá poderia ter
nascido em 6 de janeiro, pois esta data foi que teve Yeshuá
a visita dos 3 reis magos.
    Por volta do ano de 715-673 depois de Yeshuá durante
o reinado do segundo rei por excelência Nuna Pompílius,
inclui Janeiro [Januarius = Deus da paz com dois rosto
olhando um para cada lado, o passado e o futuro] e Feve-
reiro [Februarius = Deus da purificação dos mortos, refe-
rência a febre e mês das doenças.
    O calendário romano [ chamado de ab urbe condita ]
marca no dia 11 de janeiro de 2000 o ano novo do ano
2753a.u.c.[dia da fundação de Roma].
    O imperador Júlios César reforma o calendário romano
criando o juliano, produzido pelo astrônomo Alexandrino
Sosígenes que cometeu um erro acumulando 1 dia logo no
início da reforma. Sendo um calendário solar, o mesmo não
mantinha sincronia com o lunar.
    O imperador Augusto introduziu uma modificação en-
tre o ano de 26-23a.C.
    Essa modificação acrescenta 1 dia extra a cada 4 anos
conforme o ano bisexto atual feita pelo Rei Ptolomeu III no
ano de 238 a.C.
    O calendário atual se baseia no tempo em que a terra
dá sua volta no sol: 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 46
segundos. Porém a rotação da terra sobre si mesma não
coincide com a translação, trazendo uma correção com o

                            22
ano bisexto.
    Em quase todas os idiomas latinos os dias da semana
ganharam o nome de planetas. Em português ganhou o
costume litúrgico da Igreja de enumerá-las. Feira vem de
“Feria”, ou seja dia sem festa, os dias entre domingo e
sábado.
    Septem mane vem do latin que quer dizer semana. Mar-
cando a demora que a lua leva para mudar, ou seja sete
manhãs. Os caldeus dedicaram aos sete planetas.
    Domingo, em inglês sunday [dia do sol, o Deus Irania-
no/persa/afegão Mitra], segunda da lua, terça de Martius,
quarta de Mercúrio, quinta de Júpiter, sexta de Vênus e
sábado de Saturno [satir].
    Terça-feira no inglês é Tuesday que vem dos
Normandos que se instalaram nas rochosas costa da
bretanha. Seu calendário tinha Tyr day, ou seja o dia do
Deus da guerra Tyr. A mudança se deve as influências das
gramáticas ortográficas dos anglo-saxônicos, mas com
igual valor fonético. Também Khoda, ver adiante.
    Equinócio significa quando o dia tem o mesmo tempo
que a noite.
    Solstício significa sol quieto. O sol alcança sua posi-
ções extremas nos pontos onde aparece e se oculta.
    O nascer da mais brilhante estrela noturna, helíaco de
Sirius [Sótis para os egípcios] determinava o inicio anual e
igualava com a cheia do Rio Nilo.
    A palavra mês vem do latim “mense” com a mesma raiz
de mensura que quer dizer medida. Em inglês o mês é month

                           23
de uma palavra saxônica para moon [lua].
 A praticidade do calendário atual se defini em período
com um número inteiro de dias. Porém, esse período deve
manter sincronia com um período astronômico que, geral-
mente, envolve uma parte fracionária do dia. A solução
requer, de um lado, a determinação cada vez mais precisa
da parte fracionária. Por outro lado requer uma represen-
tação aproximada da parte fracionária por meio de uma
série finita de frações ordinárias. Para manter a sincronia
nessa série que prescreve as regras de inserção de um dia
inteiro no calendário.
    Em 1792 durante a Revolução Francesa foi adotado um
novo calendário de 12 meses de 30 dias em grupo de 10
dias em lugar de semanas. Em vez de 24 horas, o dia tinha
10 horas de 100 minutos e cada um com 100 segundos.
     Yeshuá nasceu em Nazaré [Galiléia/Palestina] por volta
do ano 6 AEC no fim do reinado de Herodes Antipas que
se prolongou até o ano 4 AEC.
    Seu nome pode ser derivado do hebraico “Yoshua”
(Y’shua) ou “Je-Hoshua”, porém acredito pela fonética
em aramaico pode ser Yeshu.
    O Jesus dos grego vem de Je-ZEUS deidade grega,
pois todo ser nascido de uma mãe virgem era um semi-
deus para aquele povo.
    No ano 3790 do calendário de Enoch, depois da páscoa
que Yeshuá foi sacrificado.
    O ano zero do Calendário Ocidental Gregoriano já de-
monstra em seu início como sua construção em erro, ob-
                           24
serve: Quirino [Governador da Síria] foi o que fez o censo
obrigando a viagem de Yoshuá até Belém, quando na ver-
dade o messias nasceu em Nazaré, para que o messias
fosse da mesma linhagem do primeiro rei dos judeus.
    Os judeus [provavelmente os fariseus {que significa =
o que está separado} e/ou os saduceus] que era da antiga
tradição criaram a história e acreditava ser Belém a cidade
berço de Davi.
    A data do nascimento de Yeshuá está incorreta, veja:
Dia 25 de dezembro é a data para a comemoração do
solstício de verão ao Deus Persa da Luz Mitra [nome que
leva a tiara Papal], esta data foi introduzida por São
Telésforo em 138 tendo sido eleito Papa em 142-154, po-
rém no século VI foi alterado o calendário.
    A data de nascimento de Yeshuá foi divulgada no ano
de 1278 da fundação de Roma [525 da nossa era, que ainda
não existia], quando o monge Dionisio publicou uma Taboa
Pascal, onde pela primeira vez, citou o 25 de dezembro de
753 da fundação de Roma como:

   "ANNI DOMINI NOSTRI JESUS CHRISTI"

     E no calendário do juliano aparece 25 de dezembro
como solstício de inverno. Como surgiu a festividade do
natal? Quem a estabeleceu e porque razões? No Egito se
comemorava o nascimento do Deus sol Hórus segurado
pela mãe Ísis, a virgem era uma forma semita de Asmodeus.
A extenção da adoração do culto solar se deu no período

                           25
do Imperador Heliogábalo [218-222 DC]. A adoração
mitraica consiste em mergulhar o dedo na água benta como
é cultuado nos dias de hoje.

O mais provável era 6 de janeiro, porém a data foi mudada.
O dia de seu nascimento continuou associada a visita dos
3 Reis Magos.
    Nos jardins debaixo da árvore que era o Pinheiro [ár-
vore de natal] e o carvalho, era sacrificado um porco no
dia 24 e assado no dia 25 para a comemoração do natalis
solis invicti
    [nascimento do sol invencível=Mitra]. Durante os dias
17 ao 24 era comemorado pelos Romanos a ‘Saturnália’ e o
kalendae [1º de janeiro].

   SOBRE O NOME DIVINO

    Anunaki é o termo coletivo para os Deuses sumérios e
acádios da fertilidade.
    Logo no primeiro capítulo de gênesis já se encontra
mudanças; veja em Gên. 1:01 “ No princípio Deus criou...”
No original “ No princípio os Deuses criou...”, pois assim
está escrito Elohim que é plural de Deus e no mesmo livro
em 1:26 se confirma: “E Elohim prosseguiu dizendo: “ Fa-
çamos o homem...” que também está nas escrituras no
plural como o verbo façamos, assim logo de início já se
encontra vestígio de adultério ( Apocalipse 22:19 e Pro-
vérbios 6:17).

                          26
O nome Elohim [susbt. masc. plural absoluto, sufixo
im, no hebriaco designa plural masculino] tem a raiz: El [O
elevado] e Elohá [Forma de adoração]. El também remete a
Ilu de Bavel. Elohim também significa deuses, juízes, e
anjos, veja em Salmos 82:6 e João 10:34. Na cultura antiga
que os mundo moderno insiste em chamar de pagão [aque-
le que vem do povo] os Deuses sempre existiram com
nomes. E por que IHVH foi substituído por anos por Se-
nhor e Deus?
    Veja também em Gênesis 11:7
    ‘Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para
que não entenda um a língua do outro.’
wh:er tpv sya wemsy al rsa M:tpv Ms hlbn:w hdrn
      hbh
    Os Deuses viviam na escuridão: Gên 1:02 “Ora, a terra
mostrava ser sem forma e vazia e havia ESCURIDÃO na
superfície da terra.” Mais adiante veja no mesmo livro em
1:03 “ E venha a haver luz...” Afinal Moisés que foi criado
na cultura Egípcia foi ao ermo para conversar com os Deu-
ses. E a luz criada no 1:03 ainda não é o sol, pois o sol
somente é criado no 1:14 ainda em Gên.
    Nunca em nenhuma gramática Elohim tem o significa-
do de Magestade, apenas se supõe isso em algumas tra-
duções. Elohim está no plural sem o artigo definido.
    Veja quem adora um único Deus em João 8:41-44.
    Gênesis 1:1 em iorubá: “ Ní iberepepe Olorum dá orun
ati ilê ayê” Olorum não é um Deus africano? Por que é
encontrado logo no primeiro trecho da Bíblia?

                           27
Se a mulher traiu Adão e o induziu a comer a maçã,
então o próprio Deus também traiu a Adão, afinal em
Gênesis1:27, mostra que os Deuses o fez semelhante ao
homem e a mulher.
    Se Enoch andou com o verdadeiro Deus, isto é, já exis-
tia falsos Deuses. Lembrando que em cada versículo de
toda a Escritura Sagrada, o nome de Deus é escrito de
várias formas.
    A forma IHVH não era pronunciada nos textos pré-
massoréticos, assim então a pronuncia divina era substi-
tuída pela palavra ADONAI [plural de Adon] que quer
dizer Senhor. Assim no momento em que o texto sagrado
era lido em IHVH se pronunciava Adonai.
    As vogais de ELOHIM [Deuses] foram postas para a
pronúncia formando assim Iehová [Jeová]. Em algumas
passagens o nome divino vem acompanhado de Senhor,
assim Jehovi é um acréscimo ao nome divino. Nas passa-
gens de
    Salmos 73:28 “Quanto a mim, bom é estar junto a Deus;
no SENHOR Deus ponho o meu refúgio, para proclamar
todos os seus feitos”.
K:ytwkalm-lk rpo:l y:oxm hwhy ynda:b yts bwj-
     y:l Myhla tbrq yna:w

      Também em Isaías 50:04, Zacarias 9:14 e Ezequiel 3:11-
27.
   Ou a forma Iavé [Iehvih] como mostra em Sofonias 1:7,
Miquéias 1:1, Obadias 1:1, Jeremias 2:22 e Isaías 25:8.

                            28
No mesmo livro 1:02 ...e a força ativa de Elohim movia-
se por cima da superfície...
    Força ativa “ruah” que significa espírito santo. Ruach
é feminino, e o arameu ruah equivale também a um subs-
tantivo feminino. Estas palavras sempre são emparelha-
das com verbos femininos e pronomes.

    A palavra Deus não é um nome santo apara ser adora-
da como tal. Esta palavra é de usada por “acusadores”
para pregar o Deus deste mundo. Veja em [2 Coríntios 4:4
e Óseas 2:16-18]
    No Dicionário de Oxford, Deus tem o significado de;
“Sobre-humano sendo adorado como tendo poder em cima
de forças naturais e humanas; imagem ou animal. Adora-
do como simbolismo encarnando ou possuindo poder di-
vino; ídolo... o Ser Supremo, Criador e Regra de univer-
so.”
    Haya vem do verbo ser, estar. Ou seja é um verbo, não
um nome próprio.
    IHVH é associado ao Deus do trovão e dos raios Hadad.
É associado ao Deus das montanhas e chamado pelos
inimigos de Israel como o Deus das colinas.
    Yah é associada como a Deusa mãe dos cananeus
Astarte.
    Yah é encontrada marcada grafada em moeda como
Astarte próximo a Gaza. Também associado ao Deus
arameu do trovão Hadad encontrado grafado em moeda

                           29
quando os judeus estiveram em poder dos persas no 4º
século antes de Yeshuá.
    Observe a pronúncia e a escrita do nome de Deus: Em
Inglês = God, em Alemão = Gott, em Grego = Theos =
Zeus. A palavra Got em hebraico significa a parte cranial
do esqueleto humano, observe: O significado de Golgota
é ‘lugar da caveira’, o Baal Gad, Deus ou Deusa Persa/
babilônica e Arameu/Khuda [Khoda].
    Khuda é cultuado ainda hoje pelo árabe e também sim-
boliza o Deus do dinheiro.
    E finalmente do hindu:Khooda.
    De acordo com linguístas a raiz de Khuda vem de “Hub”
do sanscrito que significa invocar, sacrificar,convidar e
implorar.
    Mas também pode representar a Deusa da Fortuna,
pois a palavra Gad pode ser adjetico como a palavra “for-
tuna”. A palavra Gud é uma antiga raiz aramaica para ‘ata-
car’ ou ‘invadir com tropas’, adotado como guardião Mitra
pelo exército do Império Romano.
    Confirma-se em Isaías 65:1-11 e 54:2-4.Também a tra-
dução da palavra destino é em hebraico Meni, uma divin-
dade da Babilônia.
    Veja em:
Isaías 65:11 Mas a vós outros, os que vos apartais do
     SENHOR, os que vos esqueceis do meu santo monte,
     os que preparais mesa para a deusa Fortuna e misturais
     vinho para o deus Destino,
Komm ynm:l Myalmm:h:w Nxls dg:l Mykre:h y:sdq

                           30
rh-ta Myxks:h hwhy ybze Mta:w

Êxodo 23:13 Em tudo o que vos tenho dito, andai
     apercebidos; do nome de outros deuses nem vos
     lembreis, nem se ouça de vossa boca.
Êxodo 23:13 K:yp-le emsy al wrykzt al Myrxa Myhla
     Ms:w wrmst Mk:yla ytrma-rsa lk:b:w
    Deuternonômio 13:03 não ouvirás as palavras desse
profeta ou sonhador; porquanto o SENHOR, vosso Deus,
vos prova, para saber se amais o SENHOR, vosso Deus,
de todo o vosso coração e de toda a vossa alma.
Deuternonômio 13:03 Mk:spn-lk:b:w Mk:bbl-lk:b
     Mk:yhla hwhy-ta Mybha Mk:sy:h ted:l Mk:ta
     Mk:yhla hwhy honm yk awh:h Mwlx:h Mlwx-la
     wa awh:h aybn:h yrbd-la emst al

Deus não é tão bom, pois todo o mal também provém de
    Deus, veja em Isaías 47:7 “Eu formo a luz e crio as
    trevas; faço a paz e crio o mal; eu, o SENHOR, faço
    todas estas coisas.”
47:7 hla-lk hve hwhy yna er arwbw Mwls hve Ksx
    arwbw rwa ruwy 7
Lamentações 3:38 “Acaso, não procede do Altíssimo tanto
    o mal como o bem?”
3:38 bwjhw twerh aut al Nwyle ypm 38
Jeremias 8:11 “Curam superficialmente a ferida do meu
    povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz.”
8:11 Mwls Nyaw Mwls Mwls rmal hlqn-le yme-tb

                         31
rbs-ta wpryw

Ezequiel 20:25 “Pelo que também lhes dei estatutos que
    não eram bons e juízos pelos quais não haviam de
    viver;
20:25 Mhb wyxy al Myjpsmw Mybwj al Myqx Mhl
    yttn yna-Mgw

20:26 e permiti que eles se contaminassem com seus don
    sacrificiais, como quando queimavam tudo o que abre
    a madre, para horrorizá-los, a fim de que soubessem
    que eu sou o SENHOR.”
20:26 hwhy yna rsa wedy rsa Neml Mmsa Neml Mxr
    rjp-lk rybehb Mtwntmb Mtwa amjaw 26

    Se Deus é amor por que ele manda odiar ? Veja em
Salmo 97:10 Afinal Deus odeia quem ama violência...(Salmo
11:05)
    Amar o inimigo é a Lei mais difícil aplicada nos dias de
hoje, (Matheus 5:43-44).

    Vejamos o que as escrituras sagradas diz sobre todas
as Igrejas que ditam suas doutrinas em a I Timóteo 2:5 “
Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e
os homens, Cristo Jesus, homem”
2:5 eiv gar yeov eiv kai mesithv yeou kai anyrwpwn
     anyrwpov cristov ihsouv
Sendo assim ao ir a uma Igreja doar dízimo você contradiz
     as escrituras, afinal os templos são portas enormes e
                           32
para entrar no céu a porta é estreita e difícil, além de a
   casa de Deus ser tenebrosa, veja em Gênesis 28:17.
Também nunca foi encontrado escritos sagrados do Deus
   Gad, mencionado em I Crônicas 29:29 “Os atos, pois,
   do rei Davi, tanto os primeiros como os últimos, eis
   que estão escritos nas crônicas, registrados por
   Samuel, o vidente, nas crônicas do profeta Natã e nas
   crônicas de Gade, o vidente”
hzx:h dg yrbd-le:w aybn:h Ntn yrbd-le:w har:h
   lawms yrbd-le Mybwtk M:nh Mynrxa:h:w
   Mynsar:h Klm:h dywd yrbd:w

Shaddai tem origem em shad [ meios seios] e Shaddai
    =[meio ou muitos seios “de mulher”].

    DEMÔNIO & ANJO Os dois lados da mesma moeda
    Em sânscrito ou devanagari [Assura]-"A escrita dos
deuses"!- O mesmo radical Assur, que significa Deus, es-
pírito divino, luz divina, sopro divino, pode significar tam-
bém demônio. Assura = Demo e Sura = Anjo.
    Os significado real da palavra demônio tem origem no
grego, daimon. Da raiz “da” que significa distribuir, tam-
bém da raiz da- “saber” e também denominação genérica
de divino.
    Aggelos é usada tanto para anjos de Deus quanto
para os anjos maus. Existe outro termo no Novo Testa-
mento para se referir aos anjos, o qual só Paulo emprega:
"principados e potestades". Em duas ocasiões é usado
em referência aos demônios [Ef 6.12; Cl 2.13] e em três
                            33
outras aos anjos de Deus [Ef 3.10; Cl 1.16; 1 Pe 3.22].Uma
primeira constatação é que o termo demônio (ou um
eqüivalente hebraico para traduzir exatamente o termo gre-
go daimónion e daimónia (ou daimon e daimones) tão fre-
qüente, como veremos, no Novo Testamento apesar de
ser tão curto, nunca aparece nos originais do Antigo Tes-
tamento apesar de ser tão longo. A palavra demônio no
Antigo Testamento é apenas adulterações de traduções
posteriores.Os sátiros (espécie mitológica de bode), "se-
res peludos" descritos por Isaías, inspirado nas divinda-
des mesopotâmicas [Os Shedim], são convertidos na tra-
dução dos Setenta, em demônios. Dançariam com sereias
nas ruínas da Babilônia , veja em Isaías 13:21
  “Porém, nela, as feras do deserto repousarão, e as suas
     casas se encherão de corujas; ali habitarão os aves-
     truzes, e os sátiros pularão ali.”
Ms-wdqry Myryev:w hney twnb Ms wnks:w Myxa Mh:ytb
     walm:w Myyu Ms-wubr:w
    Na época neo-testamentária os judeus adotaram esta
denominação. Eram os deuses que distribuíam as dádivas
e as pragas aos homens.
    Neste mesmo sentido, os pagãos usam o termo
daímones com referência à pregação de Paulo: "Dir-se-ia
um pregador de divindades (daímones) exóticas, porque
ele anunciava Jesus e a Ressurreição", veja em Atos 17:18
 “E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam
     com ele, havendo quem perguntasse: Que quer dizer
     esse tagarela? E outros: Parece pregador de estra-

                          34
nhos deuses; pois pregava a Jesus e a ressurreição.”
17:18 tinev de kai twn epikoureiwn kai twn stoikwn
    filosofwn suneballon autw kai tinev elegon ti
    an yeloi o spermologov outov legein oi de xenwn
    daimoniwn dokei kataggeleuv einai oti ton ihsoun
    kai thn anastasin euhggelizeto

    Os que seguiam Paulo usaram o termo daímones no
plural porque acreditavam que Jesus era anunciado como
um Deus e a Ressurreição como uma Deusa.
    Flávio Josefo, o historiador judeu do primeiro século,
emprega o termo daímones várias vezes como sinônimo
de Deuses. Em diversas passagens da tradução dos Se-
tenta, “Deus das Potestades”.
    As Potestades ou demônios estão a serviço de Deus;
são dignos de respeito 1Coríntios 11:10
 “Portanto, deve a mulher, por causa dos anjos, trazer véu
     na cabeça, como sinal de autoridade.”
11:10 dia touto ofeilei h gunh exousian ecein epi thv
     kefalhv dia touv aggelouv

   e obediência como em Romanos 13:1-6

13:1 “Todo homem esteja sujeito às autoridades superio-
    res; porque não há autoridade que não proceda de
    Deus; e as autoridades que existem foram por ele ins-
    tituídas.”
13:1 pasa quch exousiaiv uperecousaiv

                          35
upotassesyw ou gar estin exousia ei mh upo
    yeou ai de ousai exousiai upo tou yeou tetagmenai
    eisin

13:2 “De modo que aquele que se opõe à autoridade resis-
    te à ordenação de Deus; e os que resistem trarão so-
    bre si mesmos condenação.”
13:2 wste o antitassomenov th exousia th tou yeou
    diatagh anyesthken oi de anyesthkotev eautoiv
    krima lhqontai

13:3 “Porque os magistrados não são para temor, quando
    se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não
    temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela,
13:3 oi gar arcontev ouk eisin fobov twn agaywn
    ergwn alla twn kakwn yeleiv de mh fobeisyai
    thn exousian to agayon poiei kai exeiv epainon
    ex authv

13:4 visto que a autoridade é ministro de Deus para teu
    bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é
    sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de
    Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal.”
13:4 yeou gar diakonov estin soi eiv to agayon ean
    de to kakon poihv fobou ou gar eikh thn
    macairan forei yeou gar diakonov estin ekdikov
    eiv orghn tw to kakon prassonti



                          36
13:5 “É necessário que lhe estejais sujeitos, não somente
    por causa do temor da punição, mas também por de-
    ver de consciência.”
13:5 dio anagkh upotassesyai ou monon dia thn orghn
    alla kai dia thn suneidhsin

13:6 Por esse motivo, também pagais tributos, porque são
    ministros de Deus, atendendo, constantemente, a este
    serviço.
13:6 dia touto gar kai forouv teleite leitourgoi
    gar yeou eisin eiv auto touto proskarterountev

    São os veículos de uma correção salutar por meio de
doenças como em 1Coríntios 5:5
5:5 “entregue a Satanás para a destruição da carne, a fim
    de que o espírito seja salvo no Dia do Senhor Jesus.”
5:5 paradounai ton toiouton tw satana eiv oleyron
    thv sarkov ina to pneuma swyh en th hmera tou
    kuriou ihsou

    O próprio Paulo é deixado a Satã 2 Coríntios 12:7
12:7 “E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza
    das revelações, foi-me posto um espinho na carne,
    mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de
    que não me exalte.”
12:7 kai th uperbolh twn apokaluqewn ina mh
    uperairwmai edoyh moi skoloq th sarki
    aggelov satan ina me kolafizh ina mh

                          37
uperairwmai

    Serão julgados 1 Coríntios 6:3
6:3 “Não sabeis que havemos de julgar os próprios an-
     jos? Quanto mais as coisas desta vida!”
6:3 ouk oidate oti aggelouv krinoumen mhti ge biwtika

   E podem ser castigados se não cumpriram bem a sua
função. Entretanto os demônios culpáveis terão de reco-
nhecer o poderio universal de Yoshuá. Confira em Filemon
2:10-11; Colossenses 1,15-20; Efésios 3:10; Colossenses
2:15]. Orígenes, no começo do século III, teve uma influ-
ência decisiva na demonologia cristã que errôneamente
permanece até os dias de hoje.

    Povos próximos de Israel representavam seus Deuses
sob forma de serpente.
     A compreensão da Serpente do Paraíso seria assim
confirmada deste ponto de vista etimológico. A conceito
de Satã nada tem a ver com o conceito de demônios. Nun-
ca significa um ser sobrenatural mau: Com referência a
Davi diziam os príncipes filisteus: “Não se volte contra
nós no combate”. De acordo com o original hebraico se-
ria: “Não se torne Satã nosso no combate” 1 Samuel 29:4
 “ Porém os príncipes dos filisteus muito se indignaram
      contra ele; e lhe disseram: Faze voltar este homem,
      para que torne ao lugar que lhe designaste e não des-
      ça conosco à batalha, para que não se faça nosso

                           38
adversário no combate; pois de que outro modo se
   reconciliaria como o seu senhor? Não seria,
   porventura, com as cabeças destes homens?”
Mhh Mysnah ysarb awlh wynda-la hz hurty hmbw
   hmxlmb Njvl wnl-hyhy-alw hmxlmb wnme dry-
   alw Ms wtdqph rsa wmwqm-la bsyw syah-ta
   bsh Mytslp yrv wl wrmayw Mytslp yrv wyle
   wpuqyw

    Claramente Satã com o significado de pessoa inimiga.
No livro de Jó 1:6 refere que um dos Filhos de Deus se
apresenta diante do trono de IHVH.
Jó 1:6 Num dia em que os filhos de Deus vieram apresen-
     tar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre
     eles.
Mkwtb Njvh-Mg awbyw hwhy-le buythl Myhlah ynb
     wabyw Mwyh yhyw

    Filhos de Deus são os deuses, como filhos de Israel
são os Israelitas. Esse Filho de Deus é Satã, que pede
licença para satanizar a Jó?
    O nome comum Satã representa o cargo de acusador.
E durante a narração dos acontecimentos, Satã representa
a própria adversidade, a inimizade, a oposição. Mas nem
por esse simbolismo se deixa de explicar expressamente
que Satã é o próprio IHVH que autoriza a adversidade.
    É a oposição feita por IHVH. A escritura diz que o Anjo
de IHVH, isto é, o próprio IHVH se interpõe em oposição

                           39
no caminho de Balaão. Satã é aplicado ao próprio IHVH
conforme em Números 22:32
   “ Então, o Anjo do SENHOR lhe disse: Por que já três
vezes espancaste a jumenta? Eis que eu saí como teu ad-
versário, porque o teu caminho é perverso diante de mim”
ydgnl Krdh jry-yk Njvl ytauy ykna hnh Mylgr swls
    hz Knta-ta tykh hm-le hwhy Kalm wyla rmayw
    32

    A ira de Deus, o próprio Deus, é chamado Satã. Veja o
paralelo com o I Livro das Crônicas 21:1
 “Então, Satanás se levantou contra Israel e incitou a Davi
    a levantar o censo de Israel.”
larvy-ta twnml dywd-ta toyw larvy-le Njv dmeyw

    Na literatura religiosa da Índia há uma lenda anterior
ao século VI a.C.: “O homem vivia só, feliz e sem preocu-
pações. Uma deusa, chamada Mara, uma divindade,
daimon, apresentou a mulher ao homem. Mara o incita ao
prazer sexual. Só depois de coabitar com a mulher é que o
homem descobre a solidão.
    Com traços marcadamente semelhantes à do Gênesis.
A lenda indiana apresenta um demônio tentador. Os me-
lhores interpretes indianos suprimem o tentador.
    É evidente a influência indiana no ambiente judeu.
    Segundo Marcos em 5:02, a pessoa está possuída por
um espírito impuro no singular e pouco depois no plural,
veja:

                           40
5:2 Ao desembarcar, logo veio dos sepulcros, ao seu en-
    contro, um homem possesso de espírito imundo,
5:2 kai exelyonti autw ek tou ploiou euyewv
    aphnthsen autw ek twn mnhmeiwn anyrwpov en
    pneumati akayartw
5:13 Jesus o permitiu. Então, saindo os espíritos imundos,
    entraram nos porcos; e a manada, que era cerca de
    dois mil, precipitou-se despenhadeiro abaixo, para
    dentro do mar, onde se afogaram.
5:13 kai epetreqen autoiv euyewv o ihsouv kai
    exelyonta ta pneumata ta akayarta eishlyon
    eiv touv coirouv kai wrmhsen h agelh kata tou
    krhmnou eiv thn yalassan hsan de wv discilioi
    kai epnigonto en th yalassh

    E segundo Lucas em 8:27 essa mesma pessoa está
possuída por demônios, no plural e em seguida em 8:29.
8:27 Logo ao desembarcar, veio da cidade ao seu encon-
    tro um homem possesso de demônios que, havia
    muito, não se vestia, nem habitava em casa alguma,
    porém vivia nos sepulcros.
8:27 exelyonti de autw epi thn ghn uphnthsen autw
    anhr tiv ek thv polewv ov eicen daimonia ek
    cronwn ikanwn kai imation ouk enedidusketo kai
    en oikia ouk emenen all en toiv mnhmasin

    8: 29 Porque Jesus ordenara ao espírito imundo que
saísse do homem, pois muitas vezes se apoderara dele. E,

                          41
embora procurassem conservá-lo preso com cadeias e gri-
lhões, tudo despedaçava e era impelido pelo demônio para
o deserto.
8:29 parhggeilen gar tw pneumati tw akayartw
    exelyein apo tou anyrwpou polloiv gar cronoiv
    sunhrpakei auton kai edesmeito alusesin kai
    pedaiv fulassomenov kai diarrhsswn ta desma
    hlauneto upo tou daimonov eiv tav erhmouv

    Uma outra palavra usada no Novo Testamento para
anjos e pneuma, geralmente no plural [pneumata], que se
traduz por ruah = espíritos. Embora o termo seja emprega-
do geralmente para os anjos maus e decaídos, o termo
quase sempre qualificado pelo adjetivo “imundo”.
    É usado pelo menos uma vez para os anjos de IHVH,
como sendo “espíritos administradores”, veja em Hebreus
1:14
     “Não são todos eles espíritos ministradores, envia-
dos para serviço a favor dos que hão de herdar a salva-
ção?”
1:14 ouci pantev eisin leitourgika pneumata eiv
     diakonian apostellomena dia touv mellontav
     klhronomein swthrian

    Espíritos também se refere a anjos em outras passa-
gens onde a palavra pneumata aparece, veja em 1 Coríntios
14:12
 “Assim, também vós, visto que desejais dons espiritu-
     ais, procurai progredir, para a edificação da igreja.”
                           42
14:12 outwv kai umeiv epei zhlwtai este pneumatwn
    prov thn oikodomhn thv ekklhsiav zhteite ina
    perisseuhte

     Paulo aprova e incentiva o desejo dos membros da
igreja por pneumata, expressão traduzida como “dons es-
pirituais” onde muito é empregada pelos pastores de Igre-
jas Pentecostais, devido ao contexto.
     Não se refere a dons espirituais, mas aos anjos que
estavam presentes aos cultos, veja em 1 Coríntios 11:10.
    Em Corinto as manifestações não eram produzidas
pelo Espírito Santo, e nem também por espíritos malignos,
mas por estes espíritos bons. Sendo assim outras passa-
gens onde “espíritos” significa “anjos” são 1 Coríntios
14:32
 “Os espíritos dos profetas estão sujeitos aos próprios
     profetas;”
14:32 kai pneumata profhtwn profhtaiv
     upotassetai

    1 João 4:1-3
  “Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes,
    provai os espíritos se procedem de Deus, porque
    muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.”
4:1 agaphtoi mh panti pneumati pisteuete alla
    dokimazete ta pneumata ei ek tou yeou estin oti
    polloi qeudoprofhtai exelhluyasin eiv ton
    kosmon

                          43
4:2 “Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito
    que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de
    Deus;
4:2 en toutw ginwsketai to pneuma tou yeou pan
    pneuma o omologei ihsoun criston en sarki
    elhluyota ek tou yeou estin

4:3 e todo espírito que não confessa a Jesus não procede
    de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo,
    a respeito do qual tendes ouvido que vem e, presen-
    temente, já está no mundo.”
4:3 kai pan pneuma o mh omologei ihsoun criston en
    sarki elhluyota ek tou yeou ouk estin kai touto
    estin to tou anticristou o akhkoate oti ercetai
    kai nun en tw kosmw estin hdh

   Apocalipse 22:6
6 Disse-me ainda: Estas palavras são fiéis e verdadeiras.
   O Senhor, o Deus dos espíritos dos profetas, enviou
   seu anjo para mostrar aos seus servos as coisas que
   em breve devem acontecer.
6 kai legei moi outoi oi logoi pistoi kai alhyinoi
   kai kuriov o yeov twn pneumatwn twn profhtwn
   apesteilen ton aggelon autou deixai toiv douloiv
   autou a dei genesyai en tacei

   Veja a semelhança do Antigo Testamento com o Novo
narra estas pelejas celestiais, e limita-se a conter 2 con-

                           44
frontos do arcanjo Miguel com Satanás:
    Judas 1:09
  “Contudo, o arcanjo Miguel, quando contendia com o
     diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés,
     não se atreveu a proferir juízo infamatório contra ele;
     pelo contrário, disse: O Senhor te repreenda!”
1:09 o de micahl o arcaggelov ote tw diabolw
     diakrinomenov dielegeto peri tou mwsewv
     swmatov ouk etolmhsen krisin epenegkein
     blasfhmiav all eipen epitimhsai soi kuriov

    Apocalipse 12:7-9

7 Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram
    contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus
    anjos;
7 kai egeneto polemov en tw ouranw o micahl kai oi
    aggeloi autou polemhsai meta tou drakontov
    kai o drakwn epolemhsen kai oi aggeloi autou

8 todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o
    lugar deles.
8 kai ouk iscusen oude topov eureyh autw eti en tw
    ouranw

9 E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se
    chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo,
    sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos.

                            45
9 kai eblhyh o drakwn o megav o ofiv o arcaiov o
   kaloumenov diabolov kai satanav o planwn thn
   oikoumenhn olhn eblhyh eiv thn ghn kai oi aggeloi
   autou met autou eblhyhsan

     Quais as razões para estes embates entre daimons ?
     O fato que Miguel no Antigo Testamento aparece como
guardião de Israel, aparecendo aqui em Apocalipse 12:7-9
como defensor da Igreja, liderando as hostes angélicas
contra Satanás e seus daimons, que procuram destruir a
obra de Deus.
    Quanto aos daimons e á sua participação na luta da
escritura contra os “principados e potestades, contra os
dominadores deste mundo tenebroso” veja em Efésios
6:12
 “Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e
     sim contra os principados e potestades, contra os
     dominadores deste mundo tenebroso, contra as for-
     ças espirituais do mal, nas regiões celestes.”
6:12 oti ouk estin hmin h palh prov aima kai sarka
     alla prov tav arcav prov tav exousiav prov
     touv kosmokratorav tou skotouv tou aiwnov
     toutou prov ta pneumatika thv ponhriav en toiv
     epouranioiv

    Também em outras oportunidades os Deuses são tra-
duzido por demônios, veja em Isaías 65:3 “Pelo que assim
diz o SENHOR Deus: Eis que os meus servos comerão,
mas vós padecereis fome; os meus servos beberão, mas
                         46
vós tereis sede; os meus servos se alegrarão, mas vós vos
envergonhareis;”
wsbt Mta:w wxmvy y:dbe hnh wamut Mta:w wtsy y:dbe
     hnh wbert Mta:w wlkay y:dbe hnh hwhy ynda
     rma-hk Nk:l 13
     Confira também em Deuteronômio 32:17 e Salmos
106:36. Esses mesmos sátiros no Levítico são na tradução
dos Setenta, simplesmente “coisas vãs” , veja em 17:7
 “Nunca mais oferecerão os seus sacrifícios aos demôni-
     os [malaks, afinal está em hebraico], com os quais
     eles se prostituem; isso lhes será por estatuto perpé-
     tuo nas suas gerações.
M:trd:l Mh:l taz-hyht Mlwe tqx Mh:yrxa Mynz
     Mh rsa Mryev:l Mh:yxbz-ta dwe wxbzy-al:w
     Coisas não são espíritos !
    O Salmo 96:5 diz no original hebraico que os deuses
dos pagãos são vãos: Deuses = Elohim, vãos = élilim.
    Não pode o grego conservar este jogo de palavras.
    E os Setenta convertem vãos em demônios! Você já
deve saber quem destruiu as escrituras manuscritas origi-
nais e traduziu ao seu modo pessoal...
    A antiquíssima divindade da literatura suméria, os Deu-
ses/Malaks chamados Udug, e as divindades acádicas
influenciaram os hebreus do Antigo Testamento, e atra-
vés dos caldeus posteriormente o mundo grego e romano.
    Shadai tem origen suméria Shatu, divindade.
   Muitos são contra Yeshuá, pois o cristianismo é um
mal hoje. Outros repudiam o demônio, porém as pessoas

                           47
não pararam e não usaram o senso para imaginar por que
será que os demônio levam culpa em tudo? Será que os
demônios não são enviados por Deus? Por que essa pos-
sibilidade não pode existir? Por que foram expulsos? A
expulsão do céu não quer dizer que os poderes por Deus
conferidos a eles seríam perdidos, certo? Pois Deus como
todo poderoso, facilmente eliminaria. Mas o meu acreditar
talvez não seja válido, pois eu acredito que Yeshuá expul-
sou demônios através de Baalzevuth, ou seja foi por meio
desse MALAK que Yeshuá curou e expulsou demônios
com demônios?. Por que não?

    Existem homens e homens. No entanto um homem
pode ser mau e bom, assim um demônio pode ser bom e
mau.Quero tentar mostrar que o que caracteriza é quem
manipula.
Exemplo: Moisés sacrificou para Baal, no entanto
Moisés é tido como homem de Deus.
Yeshuá é tido como estrela da manhã afirmando no final
do apocalipse, então por que negar esse lado? Quando
os trovões anunciam HADAD, ele envia seus Malaks
para as pragas do mundo contra a injustiça. Pense quem
se salvará, já que todas as Igrejas acreditam serem elas a
salvação.

     Não sou contra Yeshuá, porém abomino o cristianis-
mo. Não sou contra os ELOHIMs porém sou contra esse
nome que usam para ocultar o nome verdadeiro do
altíssimo IHVH.

                          48
Pense...A palavra satanás quer dizer “O adversário”.
Adversário de quê? Das escrituras sagradas. Assim são
homens que não revelam o conteúdo original, o significa-
do real substituindo palavras para uma melhor aceitação
da sociedade.Porém os Deuses são cruéis e vejo isso no
cumprimento da profecias. Katrina, tsunami...Se quase todo
o ocidente é cristão, então por que ter medo da desgraça,
certo? Vá a uma Igreja e olhe.Todas são belas...o contrário
do que está escrito em Gênesis 28:17...

    OS NOMES E SEUS SIGNIFICADOS

     Demônio - É um termo que originalmente se davam a
Deuses e seres dotados de forças divinas. O Antigo testa-
mento fala de um espírto mau que confunde os homens,
porém um espírito de Deus [ 1Samuel 16:14-16 e 23:01,
18:10 e 19:9 também 1Reis 22:21]. São conhecidos os espí-
ritos dos mortos que podem evocar [1 Samuel 28:13, nes-
te trecho como Elohim [Deuses].Como formas demonía-
cas são conhecidos os Shedim [Deuteronômio 32:17 Sal-
mos 106:37]. Shedim tem raiz na palavra acádica Shedu/
Eshud [divindade]. Conhecidos também como Sheirim [pe-
ludos semelhantes a bodes].
     Os malaks são seres celestes e monstros, veja em Jó
1:6, Jó 2:2, Jó 38:7, Salmos 89:7 e Deuteronômio 14:1.
    É confundindo com o substantivo masculino
construto com Malak que é um verbo denominativo que
os teólogos distorcem. Os profetas são os melakim,
                           49
remetendo a Gênesis 16:10.
    Igualmente, vimos que em grego daimon tanto pode
traduzir-se por divindade como por demônio. Para os Gre-
gos os daimons significavam as almas dos mortos assimi-
ladas as divindades que posteriormente foi confundida
com os gênios latinos [Djins]. Concepção esta penetrada
na Palestina e tranformada e maus pelos Romanos.
    Os católicos recoreram ao apócrifo de Enoch no tre-
cho da revolta do anjo Azazel apar intensificar o termo
“mau”. Moisés não menciona em nenhum trecho das es-
crituras à revolta dos Malaks, porém menciona sobre
Nahash que as versões traduzem por serpente. Moisés
ainda assinala a união dos Benei-ha-Elohim, filhos dos
Deuses com as filhas dos homens, união esta que nasce-
ram a raça dos Gibborim [nephilim].
    Como pode Deus permitir a entrada dos Daimons nos
céus se eles foram expulsos? Veja em Jó 1:6 “Num dia em
que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SE-
NHOR, veio também Satanás entre eles.”
Mkwtb Njvh-Mg awbyw hwhy-le buythl Myhlah ynb
     wabyw Mwyh yhyw
    Também em Apocalipse 12:7 “Houve peleja no céu.
Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Tam-
bém pelejaram o dragão e seus anjos”
12:7 kai egeneto polemov en tw ouranw o micahl kai
     oi aggeloi autou polemhsai meta tou drakontov
     kai o drakwn epolemhsen kai oi aggeloi autou


                         50
Abaddon - (hebreu) o destruidor.
    Abmalak - Malak sumeriano, Lúcifer, pai dos anjos,
portador da luz [Luxferre], Sanctum Regun. Magistrado
supremo. Apresenta-se sob a forma de leão,dragão, águia
e raramente naja real. O profeta Isaías usou uma pasta de
figos para curar Ezequias (2 Re 20.7). Pai dos Reis, rei dos
Filisteus no tempo de Isaac, Rei em Siquém e filho de
Gideão. Do Latim aquele que carrega a luz. Pai da Luz,
Helel [hebraico], filho de Shahar e Rei de Bavel.
    Shahar era um Deus babilônico do amanhecer. Shahar
teve um irmão gêmeo chamado Shalem, que era associado
ao crepúsculo e o aparecimento de Vênus à noite. Jerusa-
lém quer dizer “Casa de Sha-lem”.
    Tem como auxiliar direto Ashtaroth, Put Satanackia e
Agalieraps. Veja Isaías 14:12. Comparado ao planeta
Vênus, a estrela da manhã.
    Juízes 9:29 Oxalá tivesse eu poder sobre esse povo! Eu
arrasaria Abimelec e lhe diria: junta o teu exército, e vem!
[Versão Ave-Maria]
    Veja em Apocalipse 22:16
    Cristo é Lúcifer?
    Adramelech da Síria - Tido como presidente do Alto
Conselho dos Malaks, grande chanceler do Inferno e su-
perintendente do guarda-roupa do Malak. Foi sempre re-
presentado na forma de uma mula, com torso humano e
rabo de pavão.
    Agas - Malak persa das doenças e das drogas, além de
personificação do mal.

                           51
Ágabo - Vidente que avisou Paulo que ele seria entre-
gue pelos gentios. Significa gafanhoto. Previu a fome, veja
em Atos 21:10-11.
    Aimalach - Sumo sacerdote. Observar Aquimelech.
    Amalach - Filho de Saul.
    Amon - É um poderoso malak marquês poderoso na
hierarqui do Hades, tomando a forma de lobo com cauda e
cabeça de serpente. Revela o passado e o futuro, além de
reconciliar inimigos. 15º Rei de Judá. Conhecido também
como Deus egípcio da vida e reprodução, com cabeça de
carneiro.
    Anath - Deusa Cananéia.
    Apoliom - Destruidor.
    Achis -Lê-se Aquis, Rei de Gat.
    Aram - Filho de Sem. Antepassado dos Sírios.
    Asa - 3º Rei de Judá.
    Abnadab - Pai generoso, levita onde a arca esteve sob
sua guarda. Filho de Saul.
    Abnôr - Pai de luz e primo de Saul.
    Absalom - Pai da Paz, 3º filho de Davi.
    Acab - 7º Rei de israel.
    Acazias - IHVH sustenta. 8º Rei de Israel.
    Adonias - IHVH é meu Senhor.
    Agares - É um duque onde seu poder está no leste.
Sua função é trazer de volta aqueles que fujiram.Dá o dom
do conhecimento de todas os idiomas Reduz homens im-
portantes a miséria e pode causar terremotos. Comanda 31
legiões de malaks. Também tem sua forma feminina.

                           52
Aini - É um poderoso malak duque com forma de ho-
mem de 3 cabeças, sendo uma de cobra, do meio homem e
a outra gato. Ensina a ser astuto e responde perguntas
desconhecidas. Também conhecido por Aym.
    Abraom - Pai nobre. Um dos 4 líderes que se revolta-
ram contra Moisés.
    Abdnego /Azarias- Servo do Deus Nabu, Companhei-
ro de Daniel no cativeiro de Bavel. Ver Deuteronômio 1:07
- 2:49 - 3:12 até 30.
    Abgael - Esposa de Nabal, significa fonte de alegria.
    Abatar - Pai da abundância.
    Allocen - É um poderoso malak duque que vem caval-
gando um cavalo e vestido como um guerreiro. Especialis-
ta na arquitetura e arte. Ensina astronomia e ciências libe-
rais. Pode envia-lo para vingar inimigos secretos.
   Allatou é a deusa do submundo, consorte de Baal e,
posteriormente, de Nergal.

   Ahpuch - Malak maia.
    Agalierepth - Malak Mangueira, fala e escreve correta-
mente o francês. Revela segredos, mistérios e comanda
Buer, Gusion e Botis. Egípcio e quieto.
    Ahriman Mazda- Deus Japonês
    Ahriman ou Angramaniu - O mal e o bem.
    Aglasis - Malak do Cheiro na linha do Omolu - cemité-
rio, supervisionado por Sergulath. Só aceita bebidas de
plantas aromáticas, não aceita cachaça de forma alguma e
suas oferendas são aceitas em jardins ou lugares onde

                           53
existam flores campestres. Pode levar qualquer um ou
qualquer coisa em qualquer lugar no mundo.
    Aggarath- Uma das esposas de Samael, como
Mochlath e Nahemah
    Andras - Malaks 7 Catatumbas.também Marquês do
Inferno, demônio com cabeça de coruja, com o corpo nu
de um anjo alado com asas negras, cavalgando sempre um
lobo preto e brandindo sua cimitarra (espada). Conhece
em detalhes todos os desertos da Terra. Totalmente
destrutivo e podendo até matar aquele a quem invoca.
Sua manifestação é uma cabeça de corvo num corpo de
anjo, trazendo consigo uma espada brilhante.
    Angal - Deus sumério de Der, cidade ao leste do rio
Tigre.
    Apollyon - Sinônimo grego para Satan, o arquidemônio.
Mesmo que Abadon.
    Asmodeus - Malak hebreu da sensualidade e luxúria,
originalmente "criatura do julgamento". Moisés fez uma
serpente de bronze (Números 21:9). Aezma Deva do verbo
Persa “Azmonden,” = tentar ou provar. Devas é no hindu
anjo feminino. No persa antigo é Aeshma. Ashmedai
[hebreu] e Asmodaios [grego].Alguns Rabinos dizem que
Asmodeus era a criança do incesto de TubalCaim e
Naafrfah. Foi empregada por Salomão no Templo em Jeru-
salém. É certamente emprestado do parsismo, a mitologia
do Irã. Zaratustra, século VI antes de Cristo, fala
freqüentemente de Aesma Deva, a divindade Ira ou Fúria,
"a mais perigosa das divindades". Foi trasformado na Bí-

                          54
blia em "Asmodeu, o mais perigoso dos Malaks" (Tb 3,8).
Foi recebido em sincretismo com o anjo destruidor de uma
época bíblica anterior (2Sm 24,16; Sb 18,25) pela seme-
lhança de Aesma com a raiz hebraica schamad = perder,
destruir. Por ciume teria matado sete maridos de Sara (Tb
3:8; 6,14s), apresentando Tobias que teria usado
defumadores para expulsar o daemon (Tb 6:17s), descre-
vendo que o anjo Rafael acorrenta Asmodeu no deserto
do Egito (Tb 8:03)
       Deus enviou contra o povo serpentes abrasadoras
(Nm 21: 06);

    É provável que haja relação da palavra hebraica Satã
com a palavra árabe shaitan, que originalmente, ao que
opinam alguns linguistas árabes, significava serpente.
Alguns povos vizinhos de Israel representavam seus ído-
los sob forma de serpente. Satã, serpente, ídolo seriam
sinônimos. A compreensão da Serpente do Paraíso seria
assim confirmada deste ponto de vista etimológico.
    A conceito de Satã nada tem a ver com o conceito de
demônios, conceito cristão.
    Observe em Gênesis 3:01 que os Deuses criaram
Asmodeus.
    sendo que seu berço é o Avesta, o livro sagrado da
religião de Zoroastro, profeta persa, fundador do
Zoroastrismo.

   Costuma ser representado com três cabeças diferen-

                          55
tes, sendo uma de touro, outra de homem com hálito de
fogo e a terceira de bode. Provoca a invisibilidade e o
ensino da aritimética, além da descoberta de tesouros es-
condidos. Também ensina fabricação de coisas. Respon-
de a qualquer pergunta.

    Tem 72 malaks debaixo de seu comando. Faz homens
procurarem outras mulheres e provoca loucuras além de
luxúria. Desvirgina as moças. As 7 cobras representadas
no assentamento: Aesma Daeva, Aka Manah [personifi-
cação do desejo sensual enviado por Ahriman para sedu-
zir Zaratustra e tem como oponente Vohu Manah], Indra
[personificação da apostasia e como oponente Asha
vahishta], Nanghaithya [personificação do descontenta-
mento e tem como oponente Armaiti], Saurva [um dos 7
devas principal e tem como oponente Khshathra vairya],
Tawrich [personificação da fome e tem como oponente
Haurvatat] e Zarich [personificação do envelhecimento e
tem como oponente Ameretat]. Também conhecida como
Legba Ati-Bon.


   Abgor - Malak Guerreiro.
   Amaushumgalanna - Deus da colheita em Uruk. Mari-
do de Inanna.
    Anduscias - Malak 7 trovões. Ele pode tocar música
com uma orquestra invisível e apresentar espíritos famili-
ares. É um duque com uma forma de um unicórnio, poden-
                          56
do assumir a forma humana. Governa 29 legiões de espíri-
tos com maior habilidade para inspirar na música.
    Ashtar - Conhecida também como Ninlil, esposa de
Enlil.A estrela da noite.
    Ashtaroth [plural] Astharth [singular] - Tesoureiro,
conselheiro-mor, multidão em hebraico, homem do dinhei-
ro, é quem determina o preço das almas nos pactos, co-
mandante em chefe da mais alta linha de Malaks, a Malei,
Deus fenício da lascívia, equivalente a Ashtar babilônica,
Rainha dos Céus e Deusa da fertilidade e da guerra. Seme-
lhante a Aserá. Esther é derivado da mesma raiz.
    Patrono dos banqueiros e homens de negócios. Re-
presenta a ganância e a posse. Ele também governa as
paixões por jogo à dinheiror dando preferencias, a pactos
e ao comércio. Citado algumas vezes na Bíblia, como em II
Reis 23:13, onde na versão NVI é citado como “a detestá-
vel deusa dos sidônios”, provavelmente devido a ser
andrógino.

    Revela tudo sobre passado, presente, futuro e ciênci-
as e segredos. Ensina a ciência da matemática, habilida-
des manuais, conduz o homem as respostas e revela a
invisibilidade. Governa Gamichicoth.
   Asto Vidatu - Malak persa da morte.
   Aserá - Deusa da fertilidade dos Cananeus. Compa-
nheira de Baalzevuth.
   Azazel - (hebreu) instruiu os homens a criarem armas
de guerra, introduziu os cosméticos.

                          57
Andrealphus - Malak Marinheiro. Ensina a matemática
[geometria] e é visto como um pavão. Transforma pesso-
as em pássaros.
    Atur - Deus persa do fogo.
    Baalphegor - Malak 7 covas. Também 7 Lombas.
    Balaam - É o malak da avareza e cobiça. Um falcão no
seu punho é uma forma de aparição. Revela os segredos
da invibilidade.
    Barabô - Malak de Hadad [Aganju].Malak do sono
podendo matar. Sua invocação nunca é solicitada, pois
sempre sua causa é a morte. Dificilmente cultuado.
    Barbatos - Malak que sempre vem escoltado de tro-
pas. Aparece durante o signo astrológico de sagitário.
    Bathin/Bathym - Sua especialidade é transportar uma
pessoa de um lugar ao outro na velocidade da luz. Conhe-
ce os segredos das pedras e ervas.
    Beleth - Malak com temperamento agressivo. Deve-se
ter um anel de prata no dedo médio da mão esquerda para
sua proteção.
    Baphomet - Adorado pelos Templários como símbolo
de Satan.
    Bast - Deusa egípcia do prazer representada pelo gato.
    Baalzevuth - Senhor das moscas da Síria e protetor
dos filisteus na Palestina antiga. Tomada do simbolismo
do escaravelho. Malak Mor ou 7 Luzes. Da raiz Baal que
significa Senhor. Deus da fertilidade em Canaã. Ver 2 Reis
1:3 termo do deus de Ecrom.
    Adorado em Ecrom, dos Filisteus.

                          58
Êxodo 8:21 Do contrário, se tu não deixares ir o meu povo,
   eis que eu enviarei enxames de moscas sobre ti, e
   sobre os teus oficiais, e sobre o teu povo, e nas tuas
   casas; e as casas dos egípcios se encherão destes
   enxames, e também a terra em que eles estiverem.
hyle Mh-rsa hmdah Mgw breh-ta Myrum ytb walmw
   breh-ta Kytbbw Kmebw Kydbebw Kb xylsm ynnh
   yme-ta xlsm Knya-Ma yk

    Balach - Lê-se balaque. Rei de Moab, o devastador.
    Belili - Um dos nomes sumérios da Deusa
Getshanna.Irmã de Dumuzi e esposa de Ningishzida. Aque-
la que sempre chora.
    Belsazar - Neto de Nabu -codonossor. Filho de
Nabonido.
    Baalberith - Senhor do pacto [aliança]. Adorado em
Siquém.
    Também conhecido como malak feminino dos 7 mari-
dos. Senhor canaanita da Convenção, que se tornou mais
tarde um Daimon. Conhecido também como El-Berith -
Deus do pacto [aliança], ver Juizes 9:46.
    Ben-Hadad - Título dos governadores da Síria, que
são descendentes do Deus Hadad.
    Baalpeor - Senhor da abertura de Moab, adorado no
monte Peôr..
    Baalcefon - Malak Porteira. Está sempre na entrada
esquerda do cemitério.
   Barkaial - Anjo caído, citado no livro de Enoch, que

                          59
ensinou aos mortais os segredos da Astrologia
    Belial (hebraica) ou Beliar (grega) aparece 27 vezes no
Antigo Testamento e uma (2Cor 6,15) no Novo. Delas, 21
vezes forma a expressão "filhos de Belial", que eqüivale a
chamar essas pessoas de "beliais", qualificativo. Igual
expressão aparece em Qumran. Por exemplo: "Deus faz
sair aos justos fora da massa dos filhos de Belial (...). Belial
intenta derrubar os filhos da luz, os oprime e persegue".
Contrapõem-se os justos aos injustos, os beliais ou filhos
das trevas aos iluminados ou filhos da luz. Belial era uma
divindade cananéia, o malak do mundo subterrâneo. Sig-
nifica sem mestre.É o malak da pederastia e cultiva a
sodomia. Algumas vezes é representado numa carruagem
de fogo. Interessante que Elias foi levado aos céus numa
carruagem.
    No Antigo Testamento, em três (Sl 18,5; Sl 41,9 e 2Sm
22,5) das 27 oportunidades em que a palavra aparece sig-
nifica esse mundo subterrâneo que a Bíblia utiliza no sim-
bolismo religioso de lugar afastado de IHVH.
Etimologicamente, Belial significa inútil. Esta é a tradução
mais correta da frase do Deuteronômio: "Caso ousas dizer
que, numa das cidades que IHVH teu Deus te dará para aí
morar, filhos de Belial, procedentes do teu meio, seduzi-
ram os habitantes da sua cidade..." Ao pé da letra: "Ho-
mens sem utilidade". Ver Josué 19:22.
    Belial vem numa brilhante carruagem e ajuda na pro-
moção pessoal.
    Bechard - Malak do Vento [Ventania], é o 1º comanda-

                             60
do por Syrach, possui enorme força sobre os ventos, tem-
pestades, terremotos, maremotos, granizo, etc. Aceita ví-
boras e sapos, além de outros animais peçonhentos.
    Behemoth - Equivalente ao Ganesha, forma de um ele-
fante. Malak Cabaré. É associado a um animal muito gran-
de como um hipopótamo ou crocodilo, veja em Jó 40:10.
    Beherith/Bofi/Bolfry - É malak cultuado na Síria. Vem
montado num cavalo vermelho, usando uma coroa de ouro,
com o uniforme da mesma cor do cavalo. Eleva a altos
cargos e postos. Transmuta qualquer metal em ouro.
    Bifrons - Malak que ensina a astrologia, a matemática e
sobre ervas e pedras.
    Botis - Malak que aparece ao exorcista de forma desa-
gradável. Promove reconciliações.
    Buer - Malak que ajuda na busca de familiares desapa-
recidos. Só vem quando o sol estiver no signo de sagitário.
Ajuda na cura e tem aparência de estrela do mar.
    Bune - Malak que tem sabedoria e fluência verbal. en-
cantamentos de túmulos e obtenção de riquezas.
    Bile - Deus celta do inferno.
    Brulefer - Malak Pemba é o 3º comandado por Sergulath.
Especialista em transmitir doenças venéreas e facilita os
amores clandestinos. Faz uma pessoa ser amado pelas
mulheres.
    Bucons - Malak Pagão, o 7º comandado por Sergulath.
Sua modalidade atinge o setor amoroso com separações
ou uniões ilícitas e só bebe leite. Patrono do Carnaval.
    Bul - Deus da Chuva
                           61
Caim - Significa ferreiro. Foi o 1º filho de Adam. Tam-
bém é conhecido como malak que dá a linguagem dos
pássaros.
   Camos - Deus dos Amorreus e dos Moabitas. Ver I
Reis 11:07 e Juízes 11:24.
   Címerio-potestade, assim como Belam-potestade
    Claunech/Glaunech - Malak Pedra Negra, é o 16º co-
mandado por Sirach, aprecia a fruta jamelão e bebe vinho
tinto com mel. Protege nas dificuldades financeiras e des-
cobre tesouros perdidos.
    Clistheret /Clisthert - Malak Tronqueira, sexto coman-
dado por Sirach, tem o poder de fazerem as pessoas troca-
rem o dia pela noite como os jogadores e as prostitutas.
    Cimeries - Monta um cavalo negro e rege a África.
    Coyote - Malak do índio americano.
    Deus - IHVH, El, Elah, Eloho, Tsebaoth, Eliom, Eiech,
Yah, Shadai e Theós em grego. Também Oshalá.
    Deuses - Elohim., também Orishás.
    Diabo - Significa ‘eu jogo através, obstáculo’. O dú-
bio.
    Destino - Deus representado pelas plêiades.
    Diana - Deusa Romana da lua, dos campos e dos bos-
ques. Adorada em Éfeso.
    Artemísia - Deusa grega da lua, dos campos e dos
bosques.
    Dantalian - Malak que carrega um livro e propicia a
visão de outra pessoa para revelar segredos masi secre-
tos. Influência a mente humana mesmo contra e sem seu
                          62
conhecimento. Ensina arte ou ciência.
    Damoston - Malak Ganga é o 5º comandado por Hael.
Possui alto poder maléfico e suas oferendas são aceitas
tanto no cemitério quanto no mato. Podendo curar ou matar
e se apresenta em roupagem cinza e preta. É citado sobre
o Malak Zumalah em ponto cantado de Damoston. A pala-
vra Ganga quer dizer “chefe de terreiro”. Assim todo
quimbanda é ganga, mas nem todo ganga é quimbanda.
Quimbanda é palavra de origem lunda/angola significan-
do curandeiro.
    Daké - Malak comandado por Omolu.
    Dagon - Malak filisteu vingativo do mar.
    Damballa - Deusa serpente do Vodu.
    Demogorgon - Nome grego para Daimon, diz-se que
não seria conhecido pelos mortais
    Diabolus - (grego) "fluindo para baixo".
    Drácula - de origem Dracul, de Vladslau Tepes de
Walachia, o empalador.
    Duka Sirach - Malak Calunga.
    Eglom - Outro Rei de Moab.
    Evil Marduk - Rei da Babilônia (562-560ac). Filho e
sucessor de Nabu-condonossor. Libertou Joaquim Rei de
Judá, veja II Reis 25:27-30.
    Elfos -Malak de luz e trevas na mitologia Edda.
    Eloha - Forma singular e feminina de El [1º Deus dos
cananeus/representado pelo chifre do touro que é o sím-
bolo de força]], alguns mencionam como dual, porém é
duvidosa essa tese, assim como também a origem do

                          63
nome.Também a Deusa da criação encutida em Elohim
[que acredito eu tem 16 Deuses principais dentro desse
nome. “...a nossa imagem e semelhança...macho e fêmea...].
Equivalente ao Deus Allah dos Árabes e Ellah dos arameus
e El dos hebreus. Também Ilu dos Babilônicos. O Espírito
santo é feminino, e é outra designação de Eloah. Em Joâo
14:16 em arameu reza “...ela sempre pode morar com você”.
Em Lucas 7:35 a palavra sabedoria é sophia em grego, mas
em hebraico corresponde a Hochmah.
    Enlil [Sumério] - Hadad/Haddu e do mesopotâmico
Embilulu - Deus do trovão, Rei de Edom e conhecido como
Hadadrimom [ Hadad Ramam], o maior Deus Sírio, Hadad
=Deus do Trovão e Rimom = Deus do vento. Filho do
Deus dos hititas Anu. Em acadiano Rammanu. Também
era o Deus da fertilidade e adorado em Canaã. Os Deuses
das tempestades e armados para o dilúvio. Também asso-
ciado ao Deus hebreu Elion. Segundo Deus principal do
panteão babilônico depois de ter substituído Anu. É as-
sociado ao Deus etrusco Tínia.
    A ausencia do culto a Enlil, nos fornece fome, seca e
caos.
    Emma-O regente japônes do inferno.
   Enki ou Ea - Que ora aparece como Deus-terra, ora
como Deus-água. Posteriormente Bel, Baal. Deus da sabe-
doria e da magia.

   Euronymous/Hades - Príncipe grego da morte.
   Elegolap - Malak 7 Montanhas.

                          64
Fauno - Deus romano adorado em 15 de fevereiro na
festa da Lupercália.
     Flora - Deusa romana da primavera e das flores. Seis
dias de festa com vinho e sexo. Cultuada no mês de Abril,
onde era cultuado a floralia.
     Farfadets - Duendes
     Fortuna - Deusa da sorte adorada pelos Cananeus sob
a forma de Híades [pequeno grupo de estrelas da conste-
lação de touro]. O ano astrológico começava por touro,
assim as oferendas de alimentos e de vinho feitas a Fortu-
na e Destino coincidiam com as comemorações da páscoa.
     Frimost - Malak Quebra Galho é o 2º comandado por
Sirach. Possui forte influência nas mulheres incitando a
prostituição, aceita sua oferendas nas matas onde exerce
grande poder e podem ser feitos separações e amarrações
com bonecos de madeira tosca. Seis meses esse malak é
homem e seis meses mulher, apto para união do mesmo
sexo.
     Fenriz - Filho de Loki, descrito como um lobo.
     Fricissiere - Malak dos cemitérios/coquinho do infer-
no é o 12º comandado por Sirach. Tem poder de ressucitar
os mortos e cura. Também pode transmitir a peste da varí-
ola. Também pode se apresentar como Tranca-Tudo.
     Frutimiere - Malak Tranca Tudo é o 15º comandado
por Sirach. É solicitado pra festas como bacanais, ofere-
cendo para isto uma oferenda antecipada como galo pre-
to, farinha de mandioca com dendê, ovos cozidos e cacha-
ça. Podendo ser oferecido em qualquer lugar que já é acei-

                          65
to com festa.
    Fleruty - Malak Tiriri.Pertecente a linha de Omolu mas
responde em todas as encruzilhadas. Igual força do com-
panheiro Tarchimach e Put Satanackia. Comanda Bathin,
Eligos e Abgar que comanda 60 legiões infernais, em seu
cavalo com asas, tem a capacidade de prever o futuro,
alem de ser conhecedor de todos os segredos da arte de
guerrear. Carrega sempre consigo uma lança, estandarte
ou cetro. Tem o poder de fazer a obra que se deseja, duran-
te a noite. Pode fazer cair granizo onde quiser. Comanda
um corpo considerável de demônios e tem como subordi-
nados os demônios Abgar, Batim e Tursã. Protege com
grande força aqueles que tem valor e mérito. Faz qualquer
pedra de granizo cair sobre a terra. Possui uma aura doura-
da de ouro e se apresenta como um homem de cabelos
loiros encaracolados.
    Gula - Deusa Suméria que presidia a medicina.
    Guland - Malak Morcego é o 11º comandado por Sirach.
As oferendas são a meia-noite e tem o poder de curar e
transmitir doenças a longa distância como por exemplo as
doenças venéreas. Aceita cães, gatos e sapos.Quando o
propósito é enlouquecer algum oponente os animais sa-
crificados contraem hidrofobia [raiva]. Sob seu comando
vem Exu Asa Negra, Exu Coruja entre outros.
    Gorgo - Diminutivo de Demogorgon.
    Gnomo - Malak Corcunda.
    Harpocrates - Deus egípcio também conhecido por
Hórus. Também cultuado na Grécia antiga.

                           66
Hicpacth - Malak das Matas é o 9º comandado por
Sirach e sua oferendas somente é aceita nas matas. Prote-
ção quando uma pessoa amada foi para longe.
    Humots - Malak das 7 pedras é o 10º comandado por
Sirach. É agente mágico universal solicitado a toda espé-
cie de ajuda nos tarôs, signos zodiacais, calendários
esotéricos e alta magia. Ele lhe trará qualquer livro que
você deseja.
    Huictogaras - Malak Marabá é o 18º comandado por
Sirach. Tem grande poder sobre os fenômenos astrais nas
fases da lua em especial. Não devendo ser invocado na
força da lua, pois não havendo prática necessária está
sujeito a ficar louco. Pode curar e matar. Provoca sonos
em vigias causando pertubações.
    Haristum - Malak Brasa é o 2º comandado de Sergulath
dominando o fogo e a pólvora. Gosta de cachaça com
sumo de pimenta. Pode fazer qualquer um atravessar fogo
sem ser tocado por ele.
    Heramael - Malak Curador [Curadô]. Ensina a arte de
curar, inclusive o conhecimento completo de qualquer
doença e sua cura. Ele também faz conhecer as proprieda-
des de plantas onde elas serão achadas, quando as arran-
car, e a fabricação delas e uma cura completa.
    Hael - Malak Meia Noite é o auxiliar direto de Omolu,
comanda Meramael e ainda comanda mais sete demônios.
É perito em ensinar e decifrar qualquer idioma ou caracteres.
Olhos de fogo e pés de cabra.
    Haborym - Daimon.

                            67
Helel - Ver Abmalak.
    Hecate - ver Lilith.
    Hahash - O tentador do gênese, Deus do mal. Qualifi-
cativo dado por Moisés ao substantivo Nahash é precisa-
mente o vocábulo, Harum ou Harim onde Hariman, o ad-
versário Mazda. Em hebraico não difere senão pelo acrés-
cimo da desinência aumentativa com semelhança. Veja em
I Crônicas 1:08 e 24:08.
    Humbaba/Humwawa - Deus guardião das florestas dos
pinheiros.
    Íncubus - Malak que seduz as mulheres durante o sono.
    Ishtar - Deusa babilônica da fertilidade.
    Inanna - Deusa Suméria da chuva e das tempestades.
A Deusa que deseja ir ao mundo dos mortos por seu pró-
prio desejo e emerge como Deusa da lua, dos mistérios da
vida e do renascimento. Tornando-se a Deusa da terra e
do céu. Também Deusa da armazenagem dos grãos.Irmã
de Ishkur [Deus do mundo subterrâneo provavelemente,
pois o nome Ish = homem e kur = associado ao inferno].
Irmã também de Ninurta.
    Associada a Astarte/ Ishtar, a Deusa Babilônica e
Assíria do dia e da noite. Além de ser a Deusa do amor e da
guerra.
    Júpiter - Deus romano correpondente ao Zeus grego,
veja Atos 14:12.
    Kalas - Significa tempo como fonte de todas as coisas.
kalas é sinônimo de Túneis de Seth.
    Kali /Koun Khali- (hindu) filha de Shiva, alta sacerdo-

                           68
tisa de Thuggees. Devoradora de homens.
    Tem a característica de destruição de um impiedoso
furor feminino. Deixando rastro por onde passa. O nome
vem por seu corpo ser negro, seu rosto vermelho e carre-
ga uma espada invencível. Seu cabelo é longo e desali-
nhado podendo ser vista nua, indicando sua liberdade e
independência.Com olhos sedentos de sangue, uma boca
com dentes grandes e afiados, mostrando sua enorme lín-
gua. Ela tem um colar com 50 cabeças humanas decepa-
das, representando as letras do alfabeto Sânscrito, seus
brincos são corpos de daimons, indicando estar acima da
luxúria. Com cobras enroladas em seus vários braços e no
pescoço que são usadas como armas para matar suas víti-
mas. As vezes Kali é vista dançando em cima de SHIVA [O
destruidor] como uma furiosa guerreira num campo de ba-
talha matando seus adversários e tomando-lhes o san-
gue. Demonstrando soprepujar acima de Shiva. Seus bra-
ços estão fazendo diferentes MUDRAS - posições que
dizem para não ter medo pois ela é a mais querida e doce
Mãe. Como Deusa da Morte, ela controla o poder do Tem-
po que tudo devora. Logo após as batalhas Ela começa
sua eufórica dança da vitória. Com esta dança todos os
mundos tremem sob o tremendo impacto de seus passos.
Existe uma famosa história sobre um rei santo que foi se-
questrado por um bando de ladrões para ser oferecido
num sacrifício de sangue num templo de Kali. Entretanto,
Kali surgiu furiosa de dentro de uma de suas estátuas com
sua hoste de daimons e pôde perceber as enormes virtu-

                          69
des desse rei santo. Kali então matou o líder dos ladrões e
seu bando, provando que aqueles que têm boas qualida-
des são protegidos por ela. As Escrituras Védicas contam
que quando os guerreiros vão para a luta costumam invo-
car o nome de Kali para o sucesso contra os inimigos nas
batalhas.
    Klepoth - Plural de Klippah/Tulpas [Tibet]. Malaks fe-
mininos como Mª Padilha, Figueira, Menina [Talitha],
Mulambo, 7 Saias, Rosa Caveira, Rosa Vermelha. Quitéria
[Lâmia], Da Praia [Iset Zemunim], Do Sol [Ketub], Do luar
[Upierzica], Das Almas [Rusalkis], Das Cobras [Nagini],
etc...Representada pelo Bode de Sabbat ou Baphomet de
Mendes. Forte domínio nos casos amorosos pra unir e
separar. São as energias cósmicas e protege as prostitu-
tas. A origem Qlippoth também representa escudo, prote-
ção e os elementos femininos da criação. Tulpas no Tibet
e avatares de coyote nos índios norte-americanos.
    Passagens as forças qlippóticas no princípio do prazer
e ausência de limites. O acesso para se contactar com as
Qliphoth é através da Sephirá oculta Daath que represen-
ta o abismo funcionando como um portal onde se encon-
tram os túneis de Seth onde residem as Bombo Giras [Pambu
Ngila]-Angola], Elegbara [Nação Gege] Alegba [Haiti].
    Khil - Malak das 7 cachoeiras é o 4º comandado por
Sirach. Aceita as oferendas nas cachoeiras como galinha
d´Angola, farinha mandioca no dendê e charuto preto.
Tem poder para causar terremotos.
    Kobal - Malak das 7 gargalhadas. Padroeiro dos come-

                           70
diantes. Malak que sentia imenso prazer em matar e consi-
derado o guarda dos metais preciosos.
    Leviatã - Encarnação masculina de Samael. Morador
do mar conhecido como Lotan de 7 cabeças e adorado
como Deus pelos Ugaríticos.
    Líber e Líbera - Deus e deusa da uva cultuados na
festa de liberalia, onde o falo era abertamente cultuado
por multidões em Roma no mês de maio.
    Lilith/Lillake - Do hebraico “A noturna” de layil [noi-
te], Deusa do sumério/babilônico, Lenith dos etruscos,
Belit Ili/Belili e dos cananeus Baalat.. Malak assírio da
tempestade Lilitu. Malak feminino da calunga pequena
[cemitério]. Primeira mulher de Adão que lhe ensinou as
cordas. Conhecida como Hecate, Deusa grega do mundo
subterrâneo e feiticaria. Irmã de Dumuzi [Tammuz]e tam-
bém Deusa Mesopotâmica.
    Em Isaías 34:14 “As feras do deserto se encontrarão
com as hienas, e os sátiros clamarão uns para os outros;
fantasmas ali pousarão e acharão para si lugar de repou-
so”.
xwnm hl haumw tylyl heygrh Ms-Ka arqy wher-le
     ryevw Myya-ta Myyu wsgpw
fantasmas e demônio caprino é uma má tradução para
     Lilith.Também tem por tradução a palavra “curiango”.
    É associada com a praga e o flagelo do meio dia (Salmo
91, Salmo 56). Tida ainda, com um dos sete demônios da
Cabala hebraica, Lilith foi descrita como uma figura sedu-
tora com longos cabelos, que voa como uma coruja notur-

                           71
na para atacar aqueles que dormem sozinhos. seu símbolo
sagrado é a coruja.
    Loki - Malak teutônico. Malak do fogo, gênio do mal.
Na mitologia escandinava é comparado ao próprio diabo.
     Mizraim - Casa do Deus Ptah, nome do Egito. Filho de
Cam. Gênesis 10:06.
    Marduk - Como Mardoqueu. Primo e pai adotivo de
Ester. Também Enlil, o Deus de Nippur., Deus do vento e,
mais tarde, Deus da terra. Posteriormente regente da natu-
reza, o senhor do destino e do poder dos reis. Posterior-
mente trocado por Bel pelos semitas Assírios e Babilônicos.
O mesmo que Baal dos Hebreus. Mais tarde Assur, o
Deus supremo da Assíria, quando a mesma domina a
Mesopotâmia. Sua imagem é associada ao leão. Também é
reconhecido como Anou ou An - Deus do céu Sumério,
de Uruk e dos filisteus conhecido como Dagão. Assimila-
do a Anshar pela fonética e ao Deus sumério da irrigação
e agricultura Embilulu.
    Merifild/Mersilde - Malak das 7 cruzes é o 5º comanda-
do e zela a entrada do cemitério. Daimon responsável pelo
último sofrimento de Yoshuá, o cálice da amargura onde
foi oferecido vinagre com fel a ele. Tem o poder de trans-
portar pessoas para qualquer lugar.
    Morail - Malak das 7 sombras é o 14º comandado por
Sirach. Tem o poder de tornar invisíveis as pessoas e ob-
jetos. Gosta de suco de folhas com açucar e cachimbo de
barro com ótimo fumo. Aceita as oferendas próximo de
formigueiro e nas sombras.

                           72
Melicerte - Malak de Tenedos, Rei da Terra.
    Mammon - Deus aramaico da riqueza e do lucro. Foi
ele quem ensinou os homens a cavar a terra à procura de
tesouros ocultos. Em aramaica significa “riqueza”. Cristo
nos adverte que não podemos servir a Deus e a Mamom,
Mateus 6: 24, Vide também Evangelho de Lucas 16:13.
    Musifin - Malak Capa Preta é o 17º comandado pelo
Sirach. Fiscaliza todos os caminhos e aprecia na sua
oferenda carne de porco crua e cachaça. Conhecido tam-
bém como Mironga.
    Minosum - Malak Arranca-toco é o 6º comandado por
Sergulath. Facilita a descoberta de tesouros enterrados.
Pode fazer qualquer um ganhar qualquer jogo.
    Meramael - Malak Curadô supervisionado pelo Hael,
porém pertence a linha Omolu. Conhecedor de todas as
doenças humanas, receita remédios com invulgar sabe-
doria, principalmente ervas e plantas. Gosta de cachaça
com mel de abelha e se apresenta as vezes como Preto-
velho.
    Mania - Deusa etrusca do inferno.
    Mantus - Deus etrusco do inferno.
    Malphas - Malak 7 Cruzeiros. Principal-presidente do
inferno que governa 40 legiões. Malphas se aparece como
um corvo, ou em forma de humano com uma voz rouca. Ele
constrói cidades e torres inconquistáveis. Aparece sob
forma de pássaro negro. Destrói desejos e pensamentos,
além de construir torres altas. Cria qualquer coisa através
da mágica e revela o segredo dos inimigos.

                           73
Malach Taus - Malak yesidi.
    Mephistopheles - (grego) quem evita luz, Faustus. Do
hebraico Mephir “mentiroso”. Aquele que provocar nas
pessoas a recusa em aceitar a verdade.
    Mendés - Forma panteísta da síntese egípcia. ver
Baphomet.
    Metzli - Deusa azteca da noite.
    Mictian - Deus azteca da morte.
    Melgart - Malak Rei das Almas, equivalente a Nergal.
Nome significa “Senhor da Cidade” Patrono de Tira.
Midgard - Filho de Loki, descrito como uma serpente. Co-
nhecido como Deus fenício.
    Milcom - Malak Chama Dinheiro, também associado
ao Melchom amonita.
    Murmur - [grego] Rei dos Ghouls, consorte de Hecate.
Malak 7 Liras. Ensina a filosofia perfeita e comanda 30
Malaks. Malak da música, conde do Inferno, surgindo
como um abutre, de pernas abertas, figurando um soldado
gigantesco. Também denominado Murmúrio. Ensina filo-
sofia e faz a alma dos mortos há muito tempo aparecerem
diante de um círculo.
    Mastemah - Era na mitologia de certos povos orien-
tais, o "Príncipe dos espíritos" dos gigantes, ou "Chefe
dos Malaks". A palavra Mastemah tem a mesma raiz stn
que a palavra Satanás. Também Mastemah significa inimi-
zade. Mastemah aparece na Bíblia sem nenhuma relação
com qualquer ser sobrenatural. No livro do profeta Oséias:
“Por causa da gravidade de tua falta, grande é tua hostili-
dade [Mastemah] , uma rede está estendida em todos os
                           74
seus caminhos, há hostilidade [Mastemah] na casa do
seu Deus” [Os 9,7s.].
    Mastemah no Gênesis 22:1-2, Deus submete Abraão à
prova pedindo-lhe que sacrifique seu filho Isaac. O verda-
deiro significado o fornece o apócrifo Livro dos Jubileus:
quando conta o mesmo episódio, é Mastemah quem su-
gere a Abraão o sacrifício. Mastemah é um príncipe do céu
que, como Satã no Livro de Jó, tem acesso ao trono do
Altíssimo. Mastemah desempenha o mesmo ofício e pro-
nuncia praticamente as mesmas palavras que Satã no Li-
vro de Jó: “Havia vozes no céu a respeito de Abraão;
dizia-se que ele era fiel em tudo o que Deus lhe dizia. E o
príncipe Mastemah veio e disse em presença de Deus:
“Eis que Abraão ama seu filho Isaac. Diz-lhe, pois, que o
ofereça em holocausto sobre o altar, e verás se cumpre
esta palavra. Reconhecerás então se te é fiel em tudo o
que lhe provas” [Jubileus 37:16]. Igualmente: no Êxodo
4:24 se diz que é IHVH quem assalta o incircuncisso Moisés
e intenta matá-lo ao regresso do Egito. No livro dos Jubi-
leus 48:3, é Mastemah.
    Mehr - Deus persa da luz e do amor.
    Minerva - Deusa romana da sabedoria ou da memória,
dos ofícios, dos músicos e escribas.
    Mulciber - Malak comandado por Baalzevuth e
espécialista em estratégia de guerra.
    Nel Biroth - Malak Quirombô é o 7º comandado pelo
Hael. Oferendas idênticas ao Serguth induz mocinhas a
prostituição. Apresenta-se sob forma feminina podendo

                           75
mudar. Gosta de adornos e cores berrantes, adora galinha.
    Nesbiros - Malak dos Rios é o comandado direto de
Ashtaroth junto com Sagathana. Só recebe as oferendas
na beira dos rios. Se apresenta também como Preto-velho.
Fornece conhecimento sobre as propriedades dos mine-
rais, vegetais e dos animais.Possui a arte da predição e é
perito em necromancia. Se apresenta numa aura esverdiada.
    Naamah - Malak feminino grego da sedução. Uma das
esposa de Samael. Ver gênesis 4:22, Josué 15:41, I Reis
14:21 e 14:31. Também II Crônicas 12:13.
    Rainha dos estrígios.
    Nagas - Malak 7 cobras.
    Nabu - Deus de Bavel e da escrita em Moab. Moisés
antes de morrer pode ver a terra de Canaã - Deuteronômio
32:49 e 34:01-06. É associado ao Hermes grego e ao Mer-
cúrio romano.
    Nusku - Deus do fogo da Mesopotâmia, ver Isaías
37:38.
    Nergal - Deus mesopotâmico dos mortos, das guerras
e das doenças. Conhecido também como Nergar.. Irmão
de Ninghizida e Ninazu [Deus de Eshnuna]. Em sumério é
Ukur.
    Ninhursag-ki - Deusa Mãe da terra, também associada
a Ninlil, Ashnan, a Deusa dos cereais. O nome também se
associa a Nintur. Associado a Belet ili e Mulittu.
   Nin-ur-sag - Também chamada de Nin-mah ou Aruru, a
senhora da montanha.


                          76
Ninshebargunu - Deusa Suméria de Eresh, ver Gênesis
10:10. Antiga Deusa da agricultura que tem como consorte
o Deus Haia do armazenamento.
    Ningirsu - Deus Sumério associado a Ninurta em
Lagash. Senhor de Girsu e Deus dos combates nos tem-
pos de Sargon. Associado também ao Deus de Susã
Inshushinak e ao Deus Zababa que era adorado em Kish
[Kush, na Bíblia Cus]. O nome Ninurta era anteriormente o
Deus babilônico Sagush e hoje conhecemos esse nome
pelo planeta Saturno. Na Grécia Ningirsu era Cronos “fi-
lho de Gaia [céu] e Urano [terra]. Ninurta que resgatou as
tábuas do destino a qual haviam as leis que regem o uni-
verso, fato este semelhante as tábuas da lei de Moisés.
Mas o nome Cronos não tem origem grega. Ele é oriundo
da Ásia Menor, onde há um mito semelhante entre os
Horitas, citados na Bíblia. Na versão asiática, o Deus dos
Horitas, Anu, é castrado e deposto por seu filho Kumarbi.
    Associado também a Renfã um Deus antigo, adorado
como senhor do planeta Saturno, veja em Atos 7:43.
    Sua pronuncia é associada a Ninrud e Enurta. Caçador
e fundador de Bavel, Uruk ‘Ereque’ [hoje Iraque] entre
outros. Gênesis 10:08-12.
    Nihasa - Malak do índio americano.Também conheci-
do como Sedit.
    Nija - Deus polaco do mundo subterrâneo.
    Nisroch - Deus Assírio adorado por Senacherib. II
Reis 19:37 e Isaías 37:38. Do hebraico “nesher”, uma águia.
    Noctiluca - Malak feminino Dama da Noite.

                           77
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji
A passagem muloji

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transformar Pesquisa de Clima em Plano de Ação
Transformar Pesquisa de Clima em Plano de AçãoTransformar Pesquisa de Clima em Plano de Ação
Transformar Pesquisa de Clima em Plano de Ação
Alvaro Mello
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
Larissa Estevão
 
Física experimental - Aula 1.pptx
Física experimental - Aula 1.pptxFísica experimental - Aula 1.pptx
Física experimental - Aula 1.pptx
ssuser3d1cd51
 
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco BrunettiLivro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Lowrrayny Franchesca
 
Cálculo técnico aplicado a mecanica
Cálculo técnico aplicado a mecanicaCálculo técnico aplicado a mecanica
Cálculo técnico aplicado a mecanica
Gleiton Kunde
 
Gestão das organizações, natureza, âmbito e complexidade
Gestão das organizações, natureza, âmbito e complexidadeGestão das organizações, natureza, âmbito e complexidade
Gestão das organizações, natureza, âmbito e complexidade
Luis Borges Gouveia
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
DESENHO TÉCNICO ESCALA
DESENHO TÉCNICO ESCALADESENHO TÉCNICO ESCALA
DESENHO TÉCNICO ESCALA
ordenaelbass
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Anderson Pontes
 
Matemática Probabilidade resumo
Matemática Probabilidade resumoMatemática Probabilidade resumo
Matemática Probabilidade resumo
Gilciney Jardim
 
Introdução a administração
Introdução a administração Introdução a administração
Introdução a administração
Lucas Caitité
 
19.parâmetros de rugosidade
19.parâmetros de rugosidade19.parâmetros de rugosidade
19.parâmetros de rugosidade
Edvaldo Viana
 
14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração
Taizi Mendes Izaguirre
 
Campo magnetico solucoes
Campo magnetico solucoesCampo magnetico solucoes
Campo magnetico solucoes
Marcelo Souza Souza
 
Física II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de FluidosFísica II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de Fluidos
João Monteiro
 
Probabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Probabilidade e estatística - Variáveis AleatóriasProbabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Probabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Lucas Vinícius
 
Relatório física experimental 1 associação de molas
Relatório física experimental 1 associação de molasRelatório física experimental 1 associação de molas
Relatório física experimental 1 associação de molas
leomartins10
 
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunettiResolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
Argélio Paniago
 
Resolução do capítulo 3 franco brunetti
Resolução do capítulo 3   franco brunettiResolução do capítulo 3   franco brunetti
Resolução do capítulo 3 franco brunetti
cristian Rodrigues
 
Contrato psicologico de trabalho
Contrato psicologico de trabalhoContrato psicologico de trabalho
Contrato psicologico de trabalho
1006061
 

Mais procurados (20)

Transformar Pesquisa de Clima em Plano de Ação
Transformar Pesquisa de Clima em Plano de AçãoTransformar Pesquisa de Clima em Plano de Ação
Transformar Pesquisa de Clima em Plano de Ação
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
 
Física experimental - Aula 1.pptx
Física experimental - Aula 1.pptxFísica experimental - Aula 1.pptx
Física experimental - Aula 1.pptx
 
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco BrunettiLivro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
Livro Mecânica dos fluídos segunda edição - Franco Brunetti
 
Cálculo técnico aplicado a mecanica
Cálculo técnico aplicado a mecanicaCálculo técnico aplicado a mecanica
Cálculo técnico aplicado a mecanica
 
Gestão das organizações, natureza, âmbito e complexidade
Gestão das organizações, natureza, âmbito e complexidadeGestão das organizações, natureza, âmbito e complexidade
Gestão das organizações, natureza, âmbito e complexidade
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
 
DESENHO TÉCNICO ESCALA
DESENHO TÉCNICO ESCALADESENHO TÉCNICO ESCALA
DESENHO TÉCNICO ESCALA
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
 
Matemática Probabilidade resumo
Matemática Probabilidade resumoMatemática Probabilidade resumo
Matemática Probabilidade resumo
 
Introdução a administração
Introdução a administração Introdução a administração
Introdução a administração
 
19.parâmetros de rugosidade
19.parâmetros de rugosidade19.parâmetros de rugosidade
19.parâmetros de rugosidade
 
14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração14 princípios básicos da administração
14 princípios básicos da administração
 
Campo magnetico solucoes
Campo magnetico solucoesCampo magnetico solucoes
Campo magnetico solucoes
 
Física II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de FluidosFísica II - Dinâmica de Fluidos
Física II - Dinâmica de Fluidos
 
Probabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Probabilidade e estatística - Variáveis AleatóriasProbabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
Probabilidade e estatística - Variáveis Aleatórias
 
Relatório física experimental 1 associação de molas
Relatório física experimental 1 associação de molasRelatório física experimental 1 associação de molas
Relatório física experimental 1 associação de molas
 
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunettiResolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
Resolucao de-exercicios-cap 2 - franco-brunetti
 
Resolução do capítulo 3 franco brunetti
Resolução do capítulo 3   franco brunettiResolução do capítulo 3   franco brunetti
Resolução do capítulo 3 franco brunetti
 
Contrato psicologico de trabalho
Contrato psicologico de trabalhoContrato psicologico de trabalho
Contrato psicologico de trabalho
 

Destaque

61546754 dicionario-yoruba
61546754 dicionario-yoruba61546754 dicionario-yoruba
61546754 dicionario-yoruba
Anderson Oliveira
 
Humanizing Brands: How to build a business that connects from the heart.
Humanizing Brands: How to build a business that connects from the heart.Humanizing Brands: How to build a business that connects from the heart.
Humanizing Brands: How to build a business that connects from the heart.
Romulo Castilho
 
Investigacion Ing Web
Investigacion Ing WebInvestigacion Ing Web
Investigacion Ing Web
guest8bdebe
 
Web 2.0, una introducción
Web 2.0, una introducciónWeb 2.0, una introducción
Web 2.0, una introducción
Esteban Romero Frías
 
LEARN SPANISH AT ILERI SPANISH SCHOOL
LEARN SPANISH AT ILERI SPANISH SCHOOLLEARN SPANISH AT ILERI SPANISH SCHOOL
LEARN SPANISH AT ILERI SPANISH SCHOOL
Ileri Panama
 
Final viernes
Final viernesFinal viernes
Final viernes
UNICEF
 
Tp EducacióN FíSica.Profesora Denise
Tp EducacióN FíSica.Profesora DeniseTp EducacióN FíSica.Profesora Denise
Tp EducacióN FíSica.Profesora Denise
antito.p.m
 
Near Real Time Processing of Social Media Data with HBase
Near Real Time Processing of Social Media Data with HBaseNear Real Time Processing of Social Media Data with HBase
Near Real Time Processing of Social Media Data with HBase
Christian Gügi
 
Herramienta facilitador Emprendimiento Cultural
Herramienta facilitador  Emprendimiento Cultural Herramienta facilitador  Emprendimiento Cultural
Herramienta facilitador Emprendimiento Cultural
Henry Gracia
 
LÁMINAS TIL 2014
LÁMINAS TIL 2014LÁMINAS TIL 2014
LÁMINAS TIL 2014
Florencia Villar
 
Meran-o Magazine 2010
Meran-o Magazine 2010Meran-o Magazine 2010
Antes e depois NEWZINC
Antes e depois NEWZINCAntes e depois NEWZINC
Antes e depois NEWZINC
Luciano Maeda
 
Tarea7
Tarea7Tarea7
Tarea7
Mel Keller
 
Circuito turistico
Circuito turisticoCircuito turistico
Circuito turistico
taniam91
 
Model-driven prototyping for corporate software specification
Model-driven prototyping for corporate software specification Model-driven prototyping for corporate software specification
Model-driven prototyping for corporate software specification
Thomas Memmel
 
a decisão judicial
a decisão judiciala decisão judicial
a decisão judicial
Jamildo Melo
 
Curso agente viajes savia amadeus
Curso agente viajes savia amadeusCurso agente viajes savia amadeus
Curso agente viajes savia amadeus
Euroinnova Formación
 
Presentación Foro Contratación Socialmente Responsabler 2014.03
Presentación Foro Contratación Socialmente Responsabler 2014.03Presentación Foro Contratación Socialmente Responsabler 2014.03
Presentación Foro Contratación Socialmente Responsabler 2014.03
Javier Blanco Díez
 

Destaque (20)

61546754 dicionario-yoruba
61546754 dicionario-yoruba61546754 dicionario-yoruba
61546754 dicionario-yoruba
 
Humanizing Brands: How to build a business that connects from the heart.
Humanizing Brands: How to build a business that connects from the heart.Humanizing Brands: How to build a business that connects from the heart.
Humanizing Brands: How to build a business that connects from the heart.
 
Investigacion Ing Web
Investigacion Ing WebInvestigacion Ing Web
Investigacion Ing Web
 
Web 2.0, una introducción
Web 2.0, una introducciónWeb 2.0, una introducción
Web 2.0, una introducción
 
LEARN SPANISH AT ILERI SPANISH SCHOOL
LEARN SPANISH AT ILERI SPANISH SCHOOLLEARN SPANISH AT ILERI SPANISH SCHOOL
LEARN SPANISH AT ILERI SPANISH SCHOOL
 
Final viernes
Final viernesFinal viernes
Final viernes
 
Tp EducacióN FíSica.Profesora Denise
Tp EducacióN FíSica.Profesora DeniseTp EducacióN FíSica.Profesora Denise
Tp EducacióN FíSica.Profesora Denise
 
Near Real Time Processing of Social Media Data with HBase
Near Real Time Processing of Social Media Data with HBaseNear Real Time Processing of Social Media Data with HBase
Near Real Time Processing of Social Media Data with HBase
 
Herramienta facilitador Emprendimiento Cultural
Herramienta facilitador  Emprendimiento Cultural Herramienta facilitador  Emprendimiento Cultural
Herramienta facilitador Emprendimiento Cultural
 
LÁMINAS TIL 2014
LÁMINAS TIL 2014LÁMINAS TIL 2014
LÁMINAS TIL 2014
 
Flurina
FlurinaFlurina
Flurina
 
Meran-o Magazine 2010
Meran-o Magazine 2010Meran-o Magazine 2010
Meran-o Magazine 2010
 
Antes e depois NEWZINC
Antes e depois NEWZINCAntes e depois NEWZINC
Antes e depois NEWZINC
 
Tarea7
Tarea7Tarea7
Tarea7
 
Circuito turistico
Circuito turisticoCircuito turistico
Circuito turistico
 
Model-driven prototyping for corporate software specification
Model-driven prototyping for corporate software specification Model-driven prototyping for corporate software specification
Model-driven prototyping for corporate software specification
 
a decisão judicial
a decisão judiciala decisão judicial
a decisão judicial
 
Curso agente viajes savia amadeus
Curso agente viajes savia amadeusCurso agente viajes savia amadeus
Curso agente viajes savia amadeus
 
Presentación Foro Contratación Socialmente Responsabler 2014.03
Presentación Foro Contratación Socialmente Responsabler 2014.03Presentación Foro Contratación Socialmente Responsabler 2014.03
Presentación Foro Contratación Socialmente Responsabler 2014.03
 
Venom
VenomVenom
Venom
 

Semelhante a A passagem muloji

Escrita cuneiforme
Escrita cuneiformeEscrita cuneiforme
Escrita cuneiforme
Lucila Barbalho Nascimento
 
origens.escrita.pptx
origens.escrita.pptxorigens.escrita.pptx
origens.escrita.pptx
António Bento
 
A EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da EscritaA EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da Escrita
JoseSimas
 
Assíria
AssíriaAssíria
Introdução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia pptIntrodução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia ppt
Gilson Barbosa
 
Filhos de noe e mizrain
Filhos de noe e mizrainFilhos de noe e mizrain
Filhos de noe e mizrain
Ibemac Rui Barbosa
 
Antigüidade oriental
Antigüidade orientalAntigüidade oriental
Antigüidade oriental
paolo disilva
 
Assuntos Esclarecedores
Assuntos EsclarecedoresAssuntos Esclarecedores
Assuntos Esclarecedores
Resistencia Brasilsul
 
Pentateuco - Êxodo - Eetad Aula 5 e 6
Pentateuco - Êxodo - Eetad Aula 5 e 6Pentateuco - Êxodo - Eetad Aula 5 e 6
Pentateuco - Êxodo - Eetad Aula 5 e 6
Anderson Paola
 
Visita de Estudo ao Antigo Egipto
Visita de Estudo ao Antigo EgiptoVisita de Estudo ao Antigo Egipto
Visita de Estudo ao Antigo Egipto
HelderCG
 
Aula 7 os povos da mesopotâmia e sua arte
Aula 7   os povos da mesopotâmia e sua arteAula 7   os povos da mesopotâmia e sua arte
Aula 7 os povos da mesopotâmia e sua arte
Antonio Serra
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
evando hermes
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
evando hermes
 
Egito Antigo - alunos Politécnico
Egito Antigo - alunos PolitécnicoEgito Antigo - alunos Politécnico
Egito Antigo - alunos Politécnico
evando hermes
 
Religião do Egipto
Religião do EgiptoReligião do Egipto
Religião do Egipto
Maria Gomes
 
Religião Egícia
Religião EgíciaReligião Egícia
Religião Egícia
Maria Gomes
 
Antigo oriente
Antigo orienteAntigo oriente
Antigo oriente
Dênis Valério Martins
 
Egito antigo mui bom
Egito antigo mui bomEgito antigo mui bom
Egito antigo mui bom
Braulio Santos Pereira
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
Nelia Salles Nantes
 
Hisger3
Hisger3Hisger3
Hisger3
cosme11
 

Semelhante a A passagem muloji (20)

Escrita cuneiforme
Escrita cuneiformeEscrita cuneiforme
Escrita cuneiforme
 
origens.escrita.pptx
origens.escrita.pptxorigens.escrita.pptx
origens.escrita.pptx
 
A EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da EscritaA EvoluçãO Da Escrita
A EvoluçãO Da Escrita
 
Assíria
AssíriaAssíria
Assíria
 
Introdução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia pptIntrodução geral à bíblia ppt
Introdução geral à bíblia ppt
 
Filhos de noe e mizrain
Filhos de noe e mizrainFilhos de noe e mizrain
Filhos de noe e mizrain
 
Antigüidade oriental
Antigüidade orientalAntigüidade oriental
Antigüidade oriental
 
Assuntos Esclarecedores
Assuntos EsclarecedoresAssuntos Esclarecedores
Assuntos Esclarecedores
 
Pentateuco - Êxodo - Eetad Aula 5 e 6
Pentateuco - Êxodo - Eetad Aula 5 e 6Pentateuco - Êxodo - Eetad Aula 5 e 6
Pentateuco - Êxodo - Eetad Aula 5 e 6
 
Visita de Estudo ao Antigo Egipto
Visita de Estudo ao Antigo EgiptoVisita de Estudo ao Antigo Egipto
Visita de Estudo ao Antigo Egipto
 
Aula 7 os povos da mesopotâmia e sua arte
Aula 7   os povos da mesopotâmia e sua arteAula 7   os povos da mesopotâmia e sua arte
Aula 7 os povos da mesopotâmia e sua arte
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito Antigo - alunos Politécnico
Egito Antigo - alunos PolitécnicoEgito Antigo - alunos Politécnico
Egito Antigo - alunos Politécnico
 
Religião do Egipto
Religião do EgiptoReligião do Egipto
Religião do Egipto
 
Religião Egícia
Religião EgíciaReligião Egícia
Religião Egícia
 
Antigo oriente
Antigo orienteAntigo oriente
Antigo oriente
 
Egito antigo mui bom
Egito antigo mui bomEgito antigo mui bom
Egito antigo mui bom
 
O reino de kush
O reino de kushO reino de kush
O reino de kush
 
Hisger3
Hisger3Hisger3
Hisger3
 

Mais de Dru de Nicola Macchione

A mente ampliada rupert sheldrake
A mente ampliada   rupert sheldrakeA mente ampliada   rupert sheldrake
A mente ampliada rupert sheldrake
Dru de Nicola Macchione
 
A mente ampliada rupert sheldrake
A mente ampliada   rupert sheldrakeA mente ampliada   rupert sheldrake
A mente ampliada rupert sheldrake
Dru de Nicola Macchione
 
Linkedinpotionoct13 131031130548-phpapp01
Linkedinpotionoct13 131031130548-phpapp01Linkedinpotionoct13 131031130548-phpapp01
Linkedinpotionoct13 131031130548-phpapp01
Dru de Nicola Macchione
 
Chtulhu code program to create paradigms
Chtulhu code program to create paradigmsChtulhu code program to create paradigms
Chtulhu code program to create paradigms
Dru de Nicola Macchione
 
Abaddon-pdf
Abaddon-pdfAbaddon-pdf
Untitled Presentation
Untitled PresentationUntitled Presentation
Untitled Presentation
Dru de Nicola Macchione
 
Chtulhu code program to create paradigms
Chtulhu code program to create paradigmsChtulhu code program to create paradigms
Chtulhu code program to create paradigms
Dru de Nicola Macchione
 
Gonzo:de lester bangs a arthur veríssimo
Gonzo:de lester bangs a arthur veríssimo Gonzo:de lester bangs a arthur veríssimo
Gonzo:de lester bangs a arthur veríssimo
Dru de Nicola Macchione
 
Antonioparaisospeakerss 131001175351-phpapp02
Antonioparaisospeakerss 131001175351-phpapp02Antonioparaisospeakerss 131001175351-phpapp02
Antonioparaisospeakerss 131001175351-phpapp02
Dru de Nicola Macchione
 
A vingança de dagoberto 2001
A vingança de dagoberto 2001A vingança de dagoberto 2001
A vingança de dagoberto 2001
Dru de Nicola Macchione
 
A 20revolucao-20de-20bel-130925160949-phpapp01
A 20revolucao-20de-20bel-130925160949-phpapp01A 20revolucao-20de-20bel-130925160949-phpapp01
A 20revolucao-20de-20bel-130925160949-phpapp01
Dru de Nicola Macchione
 
Valentin scavr a morte-invocare
Valentin scavr a morte-invocareValentin scavr a morte-invocare
Valentin scavr a morte-invocare
Dru de Nicola Macchione
 
Esoterick.'.order.'.of. ' .dagon.'. introduction
Esoterick.'.order.'.of. ' .dagon.'. introductionEsoterick.'.order.'.of. ' .dagon.'. introduction
Esoterick.'.order.'.of. ' .dagon.'. introduction
Dru de Nicola Macchione
 
89347245 mysticism-in-the-21st-century (1)
89347245 mysticism-in-the-21st-century (1)89347245 mysticism-in-the-21st-century (1)
89347245 mysticism-in-the-21st-century (1)
Dru de Nicola Macchione
 
Anxiety disorders
Anxiety disordersAnxiety disorders
Anxiety disorders
Dru de Nicola Macchione
 
O9a questions-answers-v1-9 Answers and Questions About the Order of Nine Angles
O9a questions-answers-v1-9 Answers and Questions About the Order of Nine AnglesO9a questions-answers-v1-9 Answers and Questions About the Order of Nine Angles
O9a questions-answers-v1-9 Answers and Questions About the Order of Nine Angles
Dru de Nicola Macchione
 
Ansiedade e farmacologia
Ansiedade e farmacologiaAnsiedade e farmacologia
Ansiedade e farmacologia
Dru de Nicola Macchione
 
Ona dark gods
Ona   dark godsOna   dark gods
Ona temple of them - the diary of a devil worshipper, vol 1 (as azazael)
Ona   temple of them - the diary of a devil worshipper, vol 1 (as azazael)Ona   temple of them - the diary of a devil worshipper, vol 1 (as azazael)
Ona temple of them - the diary of a devil worshipper, vol 1 (as azazael)
Dru de Nicola Macchione
 
Jelq
JelqJelq

Mais de Dru de Nicola Macchione (20)

A mente ampliada rupert sheldrake
A mente ampliada   rupert sheldrakeA mente ampliada   rupert sheldrake
A mente ampliada rupert sheldrake
 
A mente ampliada rupert sheldrake
A mente ampliada   rupert sheldrakeA mente ampliada   rupert sheldrake
A mente ampliada rupert sheldrake
 
Linkedinpotionoct13 131031130548-phpapp01
Linkedinpotionoct13 131031130548-phpapp01Linkedinpotionoct13 131031130548-phpapp01
Linkedinpotionoct13 131031130548-phpapp01
 
Chtulhu code program to create paradigms
Chtulhu code program to create paradigmsChtulhu code program to create paradigms
Chtulhu code program to create paradigms
 
Abaddon-pdf
Abaddon-pdfAbaddon-pdf
Abaddon-pdf
 
Untitled Presentation
Untitled PresentationUntitled Presentation
Untitled Presentation
 
Chtulhu code program to create paradigms
Chtulhu code program to create paradigmsChtulhu code program to create paradigms
Chtulhu code program to create paradigms
 
Gonzo:de lester bangs a arthur veríssimo
Gonzo:de lester bangs a arthur veríssimo Gonzo:de lester bangs a arthur veríssimo
Gonzo:de lester bangs a arthur veríssimo
 
Antonioparaisospeakerss 131001175351-phpapp02
Antonioparaisospeakerss 131001175351-phpapp02Antonioparaisospeakerss 131001175351-phpapp02
Antonioparaisospeakerss 131001175351-phpapp02
 
A vingança de dagoberto 2001
A vingança de dagoberto 2001A vingança de dagoberto 2001
A vingança de dagoberto 2001
 
A 20revolucao-20de-20bel-130925160949-phpapp01
A 20revolucao-20de-20bel-130925160949-phpapp01A 20revolucao-20de-20bel-130925160949-phpapp01
A 20revolucao-20de-20bel-130925160949-phpapp01
 
Valentin scavr a morte-invocare
Valentin scavr a morte-invocareValentin scavr a morte-invocare
Valentin scavr a morte-invocare
 
Esoterick.'.order.'.of. ' .dagon.'. introduction
Esoterick.'.order.'.of. ' .dagon.'. introductionEsoterick.'.order.'.of. ' .dagon.'. introduction
Esoterick.'.order.'.of. ' .dagon.'. introduction
 
89347245 mysticism-in-the-21st-century (1)
89347245 mysticism-in-the-21st-century (1)89347245 mysticism-in-the-21st-century (1)
89347245 mysticism-in-the-21st-century (1)
 
Anxiety disorders
Anxiety disordersAnxiety disorders
Anxiety disorders
 
O9a questions-answers-v1-9 Answers and Questions About the Order of Nine Angles
O9a questions-answers-v1-9 Answers and Questions About the Order of Nine AnglesO9a questions-answers-v1-9 Answers and Questions About the Order of Nine Angles
O9a questions-answers-v1-9 Answers and Questions About the Order of Nine Angles
 
Ansiedade e farmacologia
Ansiedade e farmacologiaAnsiedade e farmacologia
Ansiedade e farmacologia
 
Ona dark gods
Ona   dark godsOna   dark gods
Ona dark gods
 
Ona temple of them - the diary of a devil worshipper, vol 1 (as azazael)
Ona   temple of them - the diary of a devil worshipper, vol 1 (as azazael)Ona   temple of them - the diary of a devil worshipper, vol 1 (as azazael)
Ona temple of them - the diary of a devil worshipper, vol 1 (as azazael)
 
Jelq
JelqJelq
Jelq
 

A passagem muloji

  • 1. Prefácio Que anuncie... o amor... a glória...o louvor...o sacrifício...a santidade...a verdade...a fé...a prosperidade...a benção...a justiça...a força...a pureza...o desprendimento...o amor...o saber...a paz. Êh ishmá a-aavá Êh ishmá a-kavôd Êh ishmá a-teillá Êh ishmá a-qórban Êh ishmá a-qôdesh Êh ishmá a-ámeth Êh ishmá a-ômen Êh ishmá a-tová Êh ishmá a-berahá[r] Êh ishmá a-tsádeq Êh ishmá a-kôah[r] Êh ishmá a-aavá Êh ishmá a-hóhma[rr] Êh ishmá a-shalôm “Dominus Dei santificus cognoricus alentus bárbarus amém” 1
  • 2. Índice História das civilizações..............................pág.3 Escrituras históricas....................................pág 5 A escrita....................................................pág 6 Pai Nosso [Hebraico e Aramaico] ...........pág. 11 Pai Nosso [ Aramaic Bible Society].........pág. 12 Calendário..............................................pág. 15 Sobre o nome Divino................................pág. 26 Demônio e anjo.......................................pág.33 Os nomes e seus significados...................pág. 49 Inferno....................................................pág. 90 Extrema Unção...........................................pág. 95 País chamado Vaticano............................pág..96 Testemunhas de Jeová.............................pág. 116 Igreja do Reverendo Moon.......................pág.128 Doutrina Adventista.................................pág. 135 Igreja Internacional de Cristo..................pág.149 Igreja Universal do Reino de Deus.........pág. 153 Lutero ....................................................pág.170 Igreja Ortodoxa......................................pág.171 Igreja Quadrangular...............................pág. 173 Reencarnação e Ressureição.................pág. 180 Experiência espiritual..............................pág.187 2
  • 3. História das civilizações Ninguém pode afirmar a origem da civilização, porém supôe-se que ela teve início nas aldeias acrícolas no sul da Mesopotâmia [do grego mesoz (meio) e pótamoz (rio)], Surgiu a civilização Suméria. Os sumérios tinham cida- des-estados e Nipur era o centro religioso sumério. Os sacerdotes sumérios criaram o calendário e a medição do tempo. Sargon unificou os sumérios em 2371AEC , o con- quistador do norte, que fundou ACAO. Sua queda se deve as invasões dos homens das colinas e divergências inter- nas. Depois de sua queda surgiu a cidade de Ur centraliza- da pelo poderoso Higuran. Esta cidade caiu cerca de 2000 AEC pelos invasores Amorreus do leste da Síria nas mon- tanhas de Canaã, povo guerreiro que foi dominado por José [ faraó Yoseph]. Entre os grandes impérios estabele- cidos por Higuran surge Hammurabi em 1800 AEC. A primeira civilização supostamente procedente da Índia surgiu nas margens do rio Indo [atual Paquistão] e foi fundada as cidades Mohanjo-Daro e Harappan. Essa civilização era conteporânea do Egito, Assíria e Babilônia [Bavel]. Até o presente momento os pesquisadores não con- seguiram decifrar a escrita pictórica, pois a referência é quase completa. A escrita suméria dispunha de 20 mil sím- bolos simples e compostos. Em 1700 AEC a cultura de Harappan entrou em declínio. 3
  • 4. Duzentos anos depois os Arianos terminou com a cul- tura de Harappan. Estabeleceram pequenas comunidades agrárias em todo Punjab. Os Arianos desenvolveram uma rica tradição e comporam osVedas. Os instrumentos remanescentes dos homens paleolíticos foram descobertos em Rajastan, Gujarat, Bihar e no sul da Índia. A escrita do Vale do Indo com cerca de 250 sinais apro- ximadamente ainda são um mistério e somente por hipóte- se se deduz seu significado. A relação com a escrita india- na desenvolvida há 2 mil anos depois não existe, assim a escrita se expressa por meio de uma mistura de sinais e gráficos. Duraram mil anos e desapareceram sem deixar registro, somente em 1925 foram descoberto sua existência. O antigo Oriente Médio abrangia o Egito, Arábia, Síria, Palestina, Mesopotâmia, Armênia, Irã e a Ásia Menor. 1* A Fenícia mantinha estreitas relações com o Egito – e este teve influência sumeriana –, a tal ponto que o Faraó Nekaó (609 – 594 – a. C), financiou uma expedição maríti- ma realizada pelo navegador fenício Haram que, saindo pelo Mar Vermelho ganhou o Índico, contornou a África, singrou águas do Atlântico para chegar ao Egito, pelo Mediterrâneo 4
  • 5. ESCRITURAS HISTÓRICAS A Epopéia Acadiana de Gilgamesh, na escrita cuneiforme em tabuinhas de argila [tabuinha XI] sobre o dilúvio na Atlântida muito antes da história narrada por Moisés [Moshê], mostra quanto o mito mesopotâmico é semelhante. O gênesis foi reescrito por Moisés após a reconstru- ção do templo de Jesusálem no tempo do faraó/rei de Bavel Nabucodonosor [Nabu = Deus Babilônico no século VI “AEC”], 40 dias de chuva poderiam ser os 40 anos do exílio. Pois tempestade representa tempo instável e de difícil aces- so fora da residência. Sendo assim a palavra chuva deve representar exílio, pois exílio é uma prisão. É como uma parábola. A planície inundável do rio Tigre e Eufrates, terra de Nabucodonosor onde teria sido o dilúvio. Muitos locais e reinados citados por Moisés não exis- tiam no século VIII [AEC], assim como nunca foram pro- vados a existência do mesmo. Os escribas reescreveram 500 anos depois os locais e reinados citados como existentes. Os dez mandamentos provavelmente possam ter sido reescrita pelo faraó/rei Hammurab, pois não havia o Mon- te Sinai, local este escolhido por monges bizantinos por volta do século IV e VI a.C. 5
  • 6. Observe: O Monte Nebo [ na verdade Monte Nabu] era o monte onde Moisés teria recebido os dez manda- mentos, monte este onde passava o rio Jordão, onde Yeshuá foi batizado, assim para não demonstrar contradi- ção foi mudado para Monte Sinai, que também mostrava ser uma vista mais bela. Observe as escritas cuneiformes do código de Hammurabi. A ESCRITA A escrita mais antiga eram pictográficas datada de 3000AEC em tábuas de argila. Reduzidas a escrita cuneiforme em 2000AEC se tor- nando linear A e B. O fenício foi o mais perfeito alfabeto e mais difundido devido a sua simplicidade de 22 símbolos. Adotado no século X a.C. pelos Arameus que transmitiram aos Nabateus, Sírios, Persas e Hebreus. Os gregos aperfeiço- aram o fenício introduzindo os sons vocálicos. Assim como o Árabe e os idiomas semitas, o Hebraico se escreve da direita para esquerda. No hebraico não há como em muitas outros idiomas letras maiúsculas e mi- núsculas. O alfabeto hebraico constitui-se de 22 conso- antes, sendo que as vogais e os sinais vocálicos não fa- zem parte do alfabeto. Quando o hebraico entrou em declínio como idioma falado foram inventados os sinais 6
  • 7. vocálicos pelos massoretas. Os sinais vocálicos recebe- ram o nome então de sinais massoréticos. Os sinais vocálicos são colocados embaixo das consoantes sendo poucos ao lado ou acima. No hebraico não se escreve metade da palavra e usa-se o hífem depois, quando a pala- vra não se encaixa, coloca-se toda a palavra na linha se- guinte. A primeira letra áleph não tem correspondente em português. A letra 'a' é representada por esta consoante com o sinal vocálico embaixo dela e os seus significados: Observaremos então: a = ALEPH "a" como em "aba"(pai) Touro sumério e cabeça de boi. [ Nº1] b =BETH "b" como em "aba"(pai).Pode ser também pronunciada como "v", quando aparecer sem acento. Mãe, casa, tabernáculo ou tenda. [ Nº2] g =GHIMEL "g" como em "gadol" (grande). Nature- za, camelo...[ Nº3] d =DALETH "d" como em "dekel" (palmeira). Auto- ridade, Porta... [ Nº4] h =HEH "h" como em "hineh" (aqui). Religião... [ Nº5] w =VAV "v" como em "vashti" (Vashti, formosa espo- sa do Rei, na história do Purim). Liberdade...[ Nº6] Pode também ser usado como as vogais "o" e "u". z = ZAYIN "z" como em "zemer" (música). Proprieda- de... [ Nº7] t = HETH gutoral "h", como em "(c)hamor" (burro). Repartição...[ Nº8] 7
  • 8. j = TETH "t" como em "tembel" (estúpido). Prudên- cia... [ Nº9] y = YÔD "y" como em "yesh" (ter). Mão, ordem... [ Nº10] k = KAF "c" como em "catuv" (escrever). palma, força... [Nº20] l = LAMED "l" como em "lama" (por que?). Sacrifí- cio... [ Nº30] m = MEM "m" como em "mtera" (extintor). Água, morte... [ Nº40] n = NUN "n" como em "nudnik" (peste). Peixe, reversibilidade... [Nº50] o = SAMECH "s" como em "sigaria" (cigarros). Ser universal... [ Nº60] e = ÁYIN "a" como em "ayin". Olho, equilíbrio...[ Nº70] p = PEH "p" como em "pilpel" (pimentão). Boca, imortalidade...[ Nº80] u = TZADEK "tz" como em "tzipor" (pássaro). Foi- ce, sombra e reflexo.[ Nº90] q = KÔF "k" como em "kumkum" (canguru). Maca- co, luz... [Nº100] r = RESH "r" como em "regel" (perna). Cabeça, re- conhecimento... [ Nº200] s = SHIN "sh" como em "shalom"(paz). Fogo... [ Nº300] t = TAF "t" como em tapuz" (orange). Dente, sol... [ Nº400 Sol] 8
  • 9. Existe ainda o kaf sofí que tem um ponto dentro e mais alongado e o haf sofí que é também mais alongado sem o ponto dentro. Aparecem sempre no final da palavra. E o Num sofí que só aparece no final da palavra. As vogais são representadas conforme criação dos massoréticos assim: A= E= I= O= U= O sinal Shevá serve para notar a não existência de vogal entre duas consoantes. Os nomes e os substantivos em geral raramente termi- nam em vogal. Sempre em consoante. A palavra hebraica pode ser um verbo, substantivo ou adjetivo. Onde não tem o verbo, tem que ser o substantivo ou adjetivo. O “j” não existe no alfabeto hebraico. O hebraico nasceu do sistema hieróglifo egípcio. Onde hieros = sagrado e glifos = escrita, sinal. Moisés trocou os hieróglifos egípcios pelos símbolos 9
  • 10. semitas. A maior parte das palavras hebraicas não são oxítonas e uma menos são paroxítonas. Alfabeto Grego Koiné: No período koiné o alfabeto grego possuía 24 letras. Transliteração é a representação das letras de um alfa- beto pelas letras correspondentes de um outro, levando em consideração os princípios da fonética. A fonética é o estudo dos dons da linguagem humana, visto sob diferentes aspectos, ciência dos sons do idioma e em que se trata a substância da expressão. A=a=A B=b =B F=g=G A=d=D T=e=É Z=z=Z H=h=Ê o = y = TH 10
  • 11. I=i=I K=k=K a=l=L M=m=M N = n =N E = x = KS T =o=Ó N =p=P P=r =R e=s=S T=t=T Y= u =Y i =f=F X = c = CH 11
  • 12. Y = q = PS O=w= =O PAI NOSSO: Transliterado “ Avinú shebashamáim itqadásh shmehá[rrá] Tavô malkutehá[rrá] Yeassê retsonehá[rrá] Kemô bashamáim kên baárets Êt lehem[rrem] huhenú [rrurrenú] tên lanú ayôm Ussláh[usslár] lanú êt hovotenú[rrovotenú] Kaashêr soláhnu[solárnu] gam anáhnu[anárnu] lehayavenú[lerrayavenú] Veál tevienú lidê nisayôn Ki im haltsenú[rraltsenú] minn a-rá Amém” As palavras em que o “H” tem um ponto embaixo se pronuncia como se estivesse 2 “RR” para que a pronún- cia fosse rasgada. PAI NOSSO: Transliterado Pai Nosso [em Aramaico]com fonética em inglês Aboon dabashmaya nethkadash shamak tetha malkoothak newe tzevyanak aykan dabashmaya af bara 12
  • 13. hav lan lakma dsoonkanan yamanawashbook lan kavine aykana daf hanan shabookan lhayavine oolow talahn lanesyana ela ftasan men beesha Transliteration Galiléia do Pain Nosso com fonética Inglesa: D-bish-maiya de Avvon, calço-mukh do nith- qaddash. Tih-teh mal-chootukh-chootukh. Çiw-yanukh de Nih- weh: d’bish-maiya do ei-chana: ap b’ar-b’ar-ah. Yoo-mana d’soonqa-nan do lan lakh-miliampère de Haw. Kho-bein do lan de O’shwooq: shwiq-qan kh’nan do d’ap do ei-chana l’khaya-ween. L’niss-yoona te-ellan de Oo’la: beesha mínimo paç-çan do il-il-la. uela taelinan lenisyonah Mid-até o hai mal-choota-choota dos de-de-di-lukh- lukh oo tush-bookh-Ta do khai-khai-la do oo al-mein-mein do l’alam. Aa-meen-meen. VERSÃO THE ARAMAIC BIBLE SOCIETY A-voon de-vesh-ma-ya Nith-ha-dash smakh Neh-wey sev-ya-nakh Ai-ken-na de-vesh-ma-ya 13
  • 14. Up ber-ah, hav-lan Lakh-ma de-soon-ka-nam Yo-ma-na wush-vok-lan Khoe-bai-ne ai-ken-na de-up Khnan sh-vak-n el-kha-ya-ven ula ta-e-lan el-nisýoe-na H-la pes-on min-bee-sha mit-thil de-de-lakh-ee Mal-koo-tha oo-khay-la Oo-tish-boakh-ta El-a-lum all-meen A-men Teu Reino vem Tua vontade será feita assim no Céu como na Terra Dai-nos o pão para nossas necessidades do dia a dia Perdoai nossas ofenças, assim como perdoamos nos- sos ofensores Não nos deixe entrar em tentação Libera-nos do mal pois Teu é o Reino e o poder e a glória Para todo sempre Amen 14
  • 15. VERSÃO SIRÍACA [SÍRIO-JACOBINA] Abba Ythqaddash schemak Thethe malkutak lachmana delimchar hab lanyoma haden uschebnoq lan chobenan hekmadeschebaqnam lechayyabenan CALENDÁRIO Kalendae vem do grego kal = chamar Usado nos idiomas sacros por um dos pontífices ro- manos para a convocação do povo no Campidoglio quan- do ao céu aparecia a primeira fase da lua crescente. Kalendae é o primeiro dia do mês lunar. O 1º calendário a seguir o movimento do sol e não da lua é o egípcio no ano de 4236 AEC. Hammurabi foi o 1º a introduzir um mês extra no calen- dário O Calendário Babilônico, um dos mais antigos, dividi- dos em 12 meses de 4 semanas, de 29 ou 30 dias cada um, iniciando sempre na lua nova. No século XX AEC os Babilônicos dividiram o período 15
  • 16. de um dia em 24 horas, sendo 12 para a noite e 12 para o dia e dedicado a um signo diferente do zodíaco. Ano de 354 dias com 11 dias a menos que o ano solar. Existindo, porém uma defasagem de 30 dias ao longo de 3 anos, acrescentando assim o 13º mês [ a cada ciclo de 3 anos]. O mês suplementar é introduzido após Elul ou Hadad, conservando o mesmo nome seguido da indicação de se- gundo. Lembrando que o calendário hebreu lunar aparece o nome do Deus babilônico Thamuz. Em Isaías 66:23 vê-se de acordo com Enoch: 66:23 E será que, de uma Festa da Lua Nova à outra e de um sábado a outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o SENHOR. hwhy rma ynp:l twxtsh:l rvb-lk awby w:tbs:b tbs yd:m:w w:sdx:b sdx-yd:m hyh:w 23 E em Gên. 7:11 a palavra hebraica Hhodhésh deriva do radical significando “novo”, veja: 7:11 No ano seiscentos da vida de Noé, aos dezessete dias do segundo mês, nesse dia romperam-se todas as fontes do grande abismo, e as comportas dos céus se abriram, wxtpn Myms:h tbra:w hbr Mwht tnyem-lk weqbn hz:h Mwy:b sdx:l Mwy rve-hebs:b yns:h sdx:b xn- yyx:l hns twam-ss tns:b 16
  • 17. Outra palavra para designar o mês yérahh (lunação). Os meses eram contados de lua nova para lua nova. Enoch assim transmitiu a Noé a ciência dos cálculos. Para se determinar o 13º mês observava-se o nascer de determinadas estrelas e constelações. Meses Babilônicos: 1 Tishri 2 Chesvan 3 Kislev 4 Tevet 5 Shevat 6 Adar 7 Nissan 8 Iyar 9 Sivan 10 Tamuz 11 Av 12 Elul Em Êxodo 12:2 e 13:4 12:2 Este mês vos será o principal dos meses; será o primeiro mês do ano. hns:h ysdx:l Mk:l awh Nwsar Mysdx sar Mk:l hz:h sdx:h 13:4 Hoje, mês de abibe, estais saindo. byba:h sdx:b Myauy Mta Mwy:h Deus instituiu que o primeiro mês do ano seja o mês de Aviv, e a palavra Aviv significa primavera, de modo que o primeiro mês do ano deve ser o mês que coincide com o início da primavera na Terra de Israel. Vejamos então como poderia ser os meses marcados pelos movimentos da lua: Provavelmente no tempo de Yabel, gênesis 4:20, se cultuava o calendário lunar/solar que é muito seme- lhante ao Babilônico. 17
  • 18. O calendário começa o dia com o pôr-do-sol e o primei- ro dia do mês começa com a primeira lua crescente do leste, no período sinódico.O ano é de 12 lunações [meses] de 29 e 30 dias intercalados dando um total de 354/355 dias , também dando defasagem como no calendário babilônico, sendo assim inclui-se mais um mês. O ciclo da lua é de 29 dias, 12 horas, 44 minutos e 3 segundos, ou seja, aproximadamente 29 dias e meio. A Lua, como a Terra, executa dois movimentos simultâne- os. O primeiro é o de translação, pelo qual descreve uma órbita elíptica em torno da Terra. Os pontos máximos de aproximação e afastamento entre os dois corpos recebem, respectivamente, os nomes de perigeu e apogeu. A lua em diferentes civilizações teve vários nomes como:Selene, Àrtemis, Cíntia e Luna. Em relação ao Sol, o ciclo lunar dá origem a um período sinódico (compreendido entre duas conjunções sucessi- vas do Sol e da Lua) de 29 dias, 12 horas e 44 minutos e 3 segundos. Como a órbita lunar é excêntrica, a duração do mês sinódico não é constante e varia em cerca de 13 ho- ras. No calendário Rosh Hashana [judaico] cai na primeira lua cheia após o eqüinócio de setembro. O Domingo de Páscoa é o primeiro Domingo após a Lua Cheia que sucede ao Equinócio Vernal Gên.1:14 “ ...e eles terão de servir de SINAIS, e para 18
  • 19. épocas, e para dias”. Gên 1:14 Myns:w Mymy:l:w Mydewm:l:w tta:l wyh:w hlyl:h Nyb:w Mwy:h Nyb lydbh:l Myms:h eyqr:b tram yhy Myhla rmay:w Assim confirma-se o calendário lunar bíblico mencio- nado pelo livro apócrifo de ENOCH (Hanoch) Capítulo 80:06-07 O calendário lunar dos Egípcios no ano 2500a.C. eram divididos em 10 dias. Posteriormente no exílio do povo hebreu na Babilônia em 587-538a.C. No Concílio de Nicéia no ano 325 os nomes foram tro- cados e dominica se tornou domingo [dia do senhor do sol] e shabat se tornou sábado [Satir/Saturno] dando re- ferência ao sabá judaico. Não há ocorrência de domingo em toda a escritura sagrada. O calendário de Enoch mostra o quão é diferente do calendário ocidental dos Deuses Greco-Romanos. Se compararmos com o calendário gregoriano temos em um ano solar 12,4 meses lunares, o que ocorre uma diferença a cada ano de aproximadamente 11 dias, para compensar esta diferença, a cada ciclo de 19 anos acres- centa-se um mês inteiro (Adar II).São acrescidos no ter- ceiro, sexto, oitavo, décimo-primeiro, décimo-quarto, dé- cimo-sétimo e décimo-nono anos desse ciclo. Em 46 a. C. foi reformado o calendário pelo Imperador Julio César e o 1º dia do ano iniciava em Março, porém foi mudado para o 1º de Janeiro para se iniciar próximo ao 19
  • 20. Solstício de inverno no Hemisfério Norte. Em 1620 foi adotado pela primeira vez o termo “a.C.” antes de Cristo pelo astrônomo Francês Denis Petau. O ano novo ocorre em tishrei [setembro/outubro] como no judaico. No entanto nas eras primitivas o ano [annus-anel] co- meçava com a primavera [data de 263 AEC] eo primeiro mês era março. Veja os Deuses Romanos: Janus [Janeiro] = Deus dos inícios e guardião do uni- verso. O Deus de 2 faces sendo uma para cada lado. Februália - Fevereiro [purificação] = Era dado sacrifí- cio aos mortos, por isso essa referência. Purim é uma tradição judaica em que o Criador come- mora a libertação de seu povo. O carnaval é comemorado entre Fevereiro/Março, a mesma comemoração dos Deuses Romanos Baco, Momo [lembra do Rei Momo?] e Festo [Ou seria Fausto?]. Maritus [Março] = Deus da Guerra Marte e da semea- dura. Aprilis [Abril] = Deusa da Beleza e do amor Afrodite. Também da germinação. Maio [Maius] = Deus do Olimpo Júpiter e a antiquíssima Deusa Romana Maia “mãe do Deus Mercúrio”. Espírito da estação ‘Maia”, a alma do mês de maio. Junho [Junius] = Deusa Juno esposa de Júpiter e pro- tetora das mulheres. Juno Regina era a rainha do céu, pro- tetora da feminilidade, maternidade e casamento. Seu mês 20
  • 21. era recomendado para um casamento feliz. Julho [Quintilis antes, depois Imperador Julius César], Agosto [ Sextilis antes, depois Imperador Augustus], Setembro = sétimo, Outubro = oitavo, Novembro = nono e Dezembro = décimo. O ano era de 10 meses formulado na fundação de Roma em 753 [AEC] por Rômulo baseado no calendário egípcio. Tinha 304 dias de 10 meses lunares, 6 de 30 dias e 4 de 31 dias. Iniciando o dia após a meia-noite. Veja 11:09 Respondeu Jesus: Não são doze as horas do dia? Se alguém andar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo; 11:09 apekriyh ihsouv ouci dwdeka eisin wrai thv hmerav ean tiv peripath en th hmera ou proskoptei oti to fwv tou kosmou toutou blepei Um detalhe: Ao mencionar a Judas que o galo cantaria 3 vezes, isto se referia 3 dias, ou seja quando o galo canta ao amanhecer. Em 25 de dezembro de 273, o Imperador Aureliano in- troduziu em Roma o culto a Baal como deus do império e regente invencível do sol. Determinou-se que a data de nascimento de Yeshuá retrairia para o ano de 753 da data de fundação de Roma, tendo como dia e mês, o 25 de dezembro instituída oficial- mente pelo bispo romano Libério no ano 354. 21
  • 22. O primeiro ano da era cristã seria a partir de 1 de janeiro do ano 753 da fundação de Roma. Mas Yeshuá poderia ter nascido em 6 de janeiro, pois esta data foi que teve Yeshuá a visita dos 3 reis magos. Por volta do ano de 715-673 depois de Yeshuá durante o reinado do segundo rei por excelência Nuna Pompílius, inclui Janeiro [Januarius = Deus da paz com dois rosto olhando um para cada lado, o passado e o futuro] e Feve- reiro [Februarius = Deus da purificação dos mortos, refe- rência a febre e mês das doenças. O calendário romano [ chamado de ab urbe condita ] marca no dia 11 de janeiro de 2000 o ano novo do ano 2753a.u.c.[dia da fundação de Roma]. O imperador Júlios César reforma o calendário romano criando o juliano, produzido pelo astrônomo Alexandrino Sosígenes que cometeu um erro acumulando 1 dia logo no início da reforma. Sendo um calendário solar, o mesmo não mantinha sincronia com o lunar. O imperador Augusto introduziu uma modificação en- tre o ano de 26-23a.C. Essa modificação acrescenta 1 dia extra a cada 4 anos conforme o ano bisexto atual feita pelo Rei Ptolomeu III no ano de 238 a.C. O calendário atual se baseia no tempo em que a terra dá sua volta no sol: 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 46 segundos. Porém a rotação da terra sobre si mesma não coincide com a translação, trazendo uma correção com o 22
  • 23. ano bisexto. Em quase todas os idiomas latinos os dias da semana ganharam o nome de planetas. Em português ganhou o costume litúrgico da Igreja de enumerá-las. Feira vem de “Feria”, ou seja dia sem festa, os dias entre domingo e sábado. Septem mane vem do latin que quer dizer semana. Mar- cando a demora que a lua leva para mudar, ou seja sete manhãs. Os caldeus dedicaram aos sete planetas. Domingo, em inglês sunday [dia do sol, o Deus Irania- no/persa/afegão Mitra], segunda da lua, terça de Martius, quarta de Mercúrio, quinta de Júpiter, sexta de Vênus e sábado de Saturno [satir]. Terça-feira no inglês é Tuesday que vem dos Normandos que se instalaram nas rochosas costa da bretanha. Seu calendário tinha Tyr day, ou seja o dia do Deus da guerra Tyr. A mudança se deve as influências das gramáticas ortográficas dos anglo-saxônicos, mas com igual valor fonético. Também Khoda, ver adiante. Equinócio significa quando o dia tem o mesmo tempo que a noite. Solstício significa sol quieto. O sol alcança sua posi- ções extremas nos pontos onde aparece e se oculta. O nascer da mais brilhante estrela noturna, helíaco de Sirius [Sótis para os egípcios] determinava o inicio anual e igualava com a cheia do Rio Nilo. A palavra mês vem do latim “mense” com a mesma raiz de mensura que quer dizer medida. Em inglês o mês é month 23
  • 24. de uma palavra saxônica para moon [lua]. A praticidade do calendário atual se defini em período com um número inteiro de dias. Porém, esse período deve manter sincronia com um período astronômico que, geral- mente, envolve uma parte fracionária do dia. A solução requer, de um lado, a determinação cada vez mais precisa da parte fracionária. Por outro lado requer uma represen- tação aproximada da parte fracionária por meio de uma série finita de frações ordinárias. Para manter a sincronia nessa série que prescreve as regras de inserção de um dia inteiro no calendário. Em 1792 durante a Revolução Francesa foi adotado um novo calendário de 12 meses de 30 dias em grupo de 10 dias em lugar de semanas. Em vez de 24 horas, o dia tinha 10 horas de 100 minutos e cada um com 100 segundos. Yeshuá nasceu em Nazaré [Galiléia/Palestina] por volta do ano 6 AEC no fim do reinado de Herodes Antipas que se prolongou até o ano 4 AEC. Seu nome pode ser derivado do hebraico “Yoshua” (Y’shua) ou “Je-Hoshua”, porém acredito pela fonética em aramaico pode ser Yeshu. O Jesus dos grego vem de Je-ZEUS deidade grega, pois todo ser nascido de uma mãe virgem era um semi- deus para aquele povo. No ano 3790 do calendário de Enoch, depois da páscoa que Yeshuá foi sacrificado. O ano zero do Calendário Ocidental Gregoriano já de- monstra em seu início como sua construção em erro, ob- 24
  • 25. serve: Quirino [Governador da Síria] foi o que fez o censo obrigando a viagem de Yoshuá até Belém, quando na ver- dade o messias nasceu em Nazaré, para que o messias fosse da mesma linhagem do primeiro rei dos judeus. Os judeus [provavelmente os fariseus {que significa = o que está separado} e/ou os saduceus] que era da antiga tradição criaram a história e acreditava ser Belém a cidade berço de Davi. A data do nascimento de Yeshuá está incorreta, veja: Dia 25 de dezembro é a data para a comemoração do solstício de verão ao Deus Persa da Luz Mitra [nome que leva a tiara Papal], esta data foi introduzida por São Telésforo em 138 tendo sido eleito Papa em 142-154, po- rém no século VI foi alterado o calendário. A data de nascimento de Yeshuá foi divulgada no ano de 1278 da fundação de Roma [525 da nossa era, que ainda não existia], quando o monge Dionisio publicou uma Taboa Pascal, onde pela primeira vez, citou o 25 de dezembro de 753 da fundação de Roma como: "ANNI DOMINI NOSTRI JESUS CHRISTI" E no calendário do juliano aparece 25 de dezembro como solstício de inverno. Como surgiu a festividade do natal? Quem a estabeleceu e porque razões? No Egito se comemorava o nascimento do Deus sol Hórus segurado pela mãe Ísis, a virgem era uma forma semita de Asmodeus. A extenção da adoração do culto solar se deu no período 25
  • 26. do Imperador Heliogábalo [218-222 DC]. A adoração mitraica consiste em mergulhar o dedo na água benta como é cultuado nos dias de hoje. O mais provável era 6 de janeiro, porém a data foi mudada. O dia de seu nascimento continuou associada a visita dos 3 Reis Magos. Nos jardins debaixo da árvore que era o Pinheiro [ár- vore de natal] e o carvalho, era sacrificado um porco no dia 24 e assado no dia 25 para a comemoração do natalis solis invicti [nascimento do sol invencível=Mitra]. Durante os dias 17 ao 24 era comemorado pelos Romanos a ‘Saturnália’ e o kalendae [1º de janeiro]. SOBRE O NOME DIVINO Anunaki é o termo coletivo para os Deuses sumérios e acádios da fertilidade. Logo no primeiro capítulo de gênesis já se encontra mudanças; veja em Gên. 1:01 “ No princípio Deus criou...” No original “ No princípio os Deuses criou...”, pois assim está escrito Elohim que é plural de Deus e no mesmo livro em 1:26 se confirma: “E Elohim prosseguiu dizendo: “ Fa- çamos o homem...” que também está nas escrituras no plural como o verbo façamos, assim logo de início já se encontra vestígio de adultério ( Apocalipse 22:19 e Pro- vérbios 6:17). 26
  • 27. O nome Elohim [susbt. masc. plural absoluto, sufixo im, no hebriaco designa plural masculino] tem a raiz: El [O elevado] e Elohá [Forma de adoração]. El também remete a Ilu de Bavel. Elohim também significa deuses, juízes, e anjos, veja em Salmos 82:6 e João 10:34. Na cultura antiga que os mundo moderno insiste em chamar de pagão [aque- le que vem do povo] os Deuses sempre existiram com nomes. E por que IHVH foi substituído por anos por Se- nhor e Deus? Veja também em Gênesis 11:7 ‘Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro.’ wh:er tpv sya wemsy al rsa M:tpv Ms hlbn:w hdrn hbh Os Deuses viviam na escuridão: Gên 1:02 “Ora, a terra mostrava ser sem forma e vazia e havia ESCURIDÃO na superfície da terra.” Mais adiante veja no mesmo livro em 1:03 “ E venha a haver luz...” Afinal Moisés que foi criado na cultura Egípcia foi ao ermo para conversar com os Deu- ses. E a luz criada no 1:03 ainda não é o sol, pois o sol somente é criado no 1:14 ainda em Gên. Nunca em nenhuma gramática Elohim tem o significa- do de Magestade, apenas se supõe isso em algumas tra- duções. Elohim está no plural sem o artigo definido. Veja quem adora um único Deus em João 8:41-44. Gênesis 1:1 em iorubá: “ Ní iberepepe Olorum dá orun ati ilê ayê” Olorum não é um Deus africano? Por que é encontrado logo no primeiro trecho da Bíblia? 27
  • 28. Se a mulher traiu Adão e o induziu a comer a maçã, então o próprio Deus também traiu a Adão, afinal em Gênesis1:27, mostra que os Deuses o fez semelhante ao homem e a mulher. Se Enoch andou com o verdadeiro Deus, isto é, já exis- tia falsos Deuses. Lembrando que em cada versículo de toda a Escritura Sagrada, o nome de Deus é escrito de várias formas. A forma IHVH não era pronunciada nos textos pré- massoréticos, assim então a pronuncia divina era substi- tuída pela palavra ADONAI [plural de Adon] que quer dizer Senhor. Assim no momento em que o texto sagrado era lido em IHVH se pronunciava Adonai. As vogais de ELOHIM [Deuses] foram postas para a pronúncia formando assim Iehová [Jeová]. Em algumas passagens o nome divino vem acompanhado de Senhor, assim Jehovi é um acréscimo ao nome divino. Nas passa- gens de Salmos 73:28 “Quanto a mim, bom é estar junto a Deus; no SENHOR Deus ponho o meu refúgio, para proclamar todos os seus feitos”. K:ytwkalm-lk rpo:l y:oxm hwhy ynda:b yts bwj- y:l Myhla tbrq yna:w Também em Isaías 50:04, Zacarias 9:14 e Ezequiel 3:11- 27. Ou a forma Iavé [Iehvih] como mostra em Sofonias 1:7, Miquéias 1:1, Obadias 1:1, Jeremias 2:22 e Isaías 25:8. 28
  • 29. No mesmo livro 1:02 ...e a força ativa de Elohim movia- se por cima da superfície... Força ativa “ruah” que significa espírito santo. Ruach é feminino, e o arameu ruah equivale também a um subs- tantivo feminino. Estas palavras sempre são emparelha- das com verbos femininos e pronomes. A palavra Deus não é um nome santo apara ser adora- da como tal. Esta palavra é de usada por “acusadores” para pregar o Deus deste mundo. Veja em [2 Coríntios 4:4 e Óseas 2:16-18] No Dicionário de Oxford, Deus tem o significado de; “Sobre-humano sendo adorado como tendo poder em cima de forças naturais e humanas; imagem ou animal. Adora- do como simbolismo encarnando ou possuindo poder di- vino; ídolo... o Ser Supremo, Criador e Regra de univer- so.” Haya vem do verbo ser, estar. Ou seja é um verbo, não um nome próprio. IHVH é associado ao Deus do trovão e dos raios Hadad. É associado ao Deus das montanhas e chamado pelos inimigos de Israel como o Deus das colinas. Yah é associada como a Deusa mãe dos cananeus Astarte. Yah é encontrada marcada grafada em moeda como Astarte próximo a Gaza. Também associado ao Deus arameu do trovão Hadad encontrado grafado em moeda 29
  • 30. quando os judeus estiveram em poder dos persas no 4º século antes de Yeshuá. Observe a pronúncia e a escrita do nome de Deus: Em Inglês = God, em Alemão = Gott, em Grego = Theos = Zeus. A palavra Got em hebraico significa a parte cranial do esqueleto humano, observe: O significado de Golgota é ‘lugar da caveira’, o Baal Gad, Deus ou Deusa Persa/ babilônica e Arameu/Khuda [Khoda]. Khuda é cultuado ainda hoje pelo árabe e também sim- boliza o Deus do dinheiro. E finalmente do hindu:Khooda. De acordo com linguístas a raiz de Khuda vem de “Hub” do sanscrito que significa invocar, sacrificar,convidar e implorar. Mas também pode representar a Deusa da Fortuna, pois a palavra Gad pode ser adjetico como a palavra “for- tuna”. A palavra Gud é uma antiga raiz aramaica para ‘ata- car’ ou ‘invadir com tropas’, adotado como guardião Mitra pelo exército do Império Romano. Confirma-se em Isaías 65:1-11 e 54:2-4.Também a tra- dução da palavra destino é em hebraico Meni, uma divin- dade da Babilônia. Veja em: Isaías 65:11 Mas a vós outros, os que vos apartais do SENHOR, os que vos esqueceis do meu santo monte, os que preparais mesa para a deusa Fortuna e misturais vinho para o deus Destino, Komm ynm:l Myalmm:h:w Nxls dg:l Mykre:h y:sdq 30
  • 31. rh-ta Myxks:h hwhy ybze Mta:w Êxodo 23:13 Em tudo o que vos tenho dito, andai apercebidos; do nome de outros deuses nem vos lembreis, nem se ouça de vossa boca. Êxodo 23:13 K:yp-le emsy al wrykzt al Myrxa Myhla Ms:w wrmst Mk:yla ytrma-rsa lk:b:w Deuternonômio 13:03 não ouvirás as palavras desse profeta ou sonhador; porquanto o SENHOR, vosso Deus, vos prova, para saber se amais o SENHOR, vosso Deus, de todo o vosso coração e de toda a vossa alma. Deuternonômio 13:03 Mk:spn-lk:b:w Mk:bbl-lk:b Mk:yhla hwhy-ta Mybha Mk:sy:h ted:l Mk:ta Mk:yhla hwhy honm yk awh:h Mwlx:h Mlwx-la wa awh:h aybn:h yrbd-la emst al Deus não é tão bom, pois todo o mal também provém de Deus, veja em Isaías 47:7 “Eu formo a luz e crio as trevas; faço a paz e crio o mal; eu, o SENHOR, faço todas estas coisas.” 47:7 hla-lk hve hwhy yna er arwbw Mwls hve Ksx arwbw rwa ruwy 7 Lamentações 3:38 “Acaso, não procede do Altíssimo tanto o mal como o bem?” 3:38 bwjhw twerh aut al Nwyle ypm 38 Jeremias 8:11 “Curam superficialmente a ferida do meu povo, dizendo: Paz, paz; quando não há paz.” 8:11 Mwls Nyaw Mwls Mwls rmal hlqn-le yme-tb 31
  • 32. rbs-ta wpryw Ezequiel 20:25 “Pelo que também lhes dei estatutos que não eram bons e juízos pelos quais não haviam de viver; 20:25 Mhb wyxy al Myjpsmw Mybwj al Myqx Mhl yttn yna-Mgw 20:26 e permiti que eles se contaminassem com seus don sacrificiais, como quando queimavam tudo o que abre a madre, para horrorizá-los, a fim de que soubessem que eu sou o SENHOR.” 20:26 hwhy yna rsa wedy rsa Neml Mmsa Neml Mxr rjp-lk rybehb Mtwntmb Mtwa amjaw 26 Se Deus é amor por que ele manda odiar ? Veja em Salmo 97:10 Afinal Deus odeia quem ama violência...(Salmo 11:05) Amar o inimigo é a Lei mais difícil aplicada nos dias de hoje, (Matheus 5:43-44). Vejamos o que as escrituras sagradas diz sobre todas as Igrejas que ditam suas doutrinas em a I Timóteo 2:5 “ Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem” 2:5 eiv gar yeov eiv kai mesithv yeou kai anyrwpwn anyrwpov cristov ihsouv Sendo assim ao ir a uma Igreja doar dízimo você contradiz as escrituras, afinal os templos são portas enormes e 32
  • 33. para entrar no céu a porta é estreita e difícil, além de a casa de Deus ser tenebrosa, veja em Gênesis 28:17. Também nunca foi encontrado escritos sagrados do Deus Gad, mencionado em I Crônicas 29:29 “Os atos, pois, do rei Davi, tanto os primeiros como os últimos, eis que estão escritos nas crônicas, registrados por Samuel, o vidente, nas crônicas do profeta Natã e nas crônicas de Gade, o vidente” hzx:h dg yrbd-le:w aybn:h Ntn yrbd-le:w har:h lawms yrbd-le Mybwtk M:nh Mynrxa:h:w Mynsar:h Klm:h dywd yrbd:w Shaddai tem origem em shad [ meios seios] e Shaddai =[meio ou muitos seios “de mulher”]. DEMÔNIO & ANJO Os dois lados da mesma moeda Em sânscrito ou devanagari [Assura]-"A escrita dos deuses"!- O mesmo radical Assur, que significa Deus, es- pírito divino, luz divina, sopro divino, pode significar tam- bém demônio. Assura = Demo e Sura = Anjo. Os significado real da palavra demônio tem origem no grego, daimon. Da raiz “da” que significa distribuir, tam- bém da raiz da- “saber” e também denominação genérica de divino. Aggelos é usada tanto para anjos de Deus quanto para os anjos maus. Existe outro termo no Novo Testa- mento para se referir aos anjos, o qual só Paulo emprega: "principados e potestades". Em duas ocasiões é usado em referência aos demônios [Ef 6.12; Cl 2.13] e em três 33
  • 34. outras aos anjos de Deus [Ef 3.10; Cl 1.16; 1 Pe 3.22].Uma primeira constatação é que o termo demônio (ou um eqüivalente hebraico para traduzir exatamente o termo gre- go daimónion e daimónia (ou daimon e daimones) tão fre- qüente, como veremos, no Novo Testamento apesar de ser tão curto, nunca aparece nos originais do Antigo Tes- tamento apesar de ser tão longo. A palavra demônio no Antigo Testamento é apenas adulterações de traduções posteriores.Os sátiros (espécie mitológica de bode), "se- res peludos" descritos por Isaías, inspirado nas divinda- des mesopotâmicas [Os Shedim], são convertidos na tra- dução dos Setenta, em demônios. Dançariam com sereias nas ruínas da Babilônia , veja em Isaías 13:21 “Porém, nela, as feras do deserto repousarão, e as suas casas se encherão de corujas; ali habitarão os aves- truzes, e os sátiros pularão ali.” Ms-wdqry Myryev:w hney twnb Ms wnks:w Myxa Mh:ytb walm:w Myyu Ms-wubr:w Na época neo-testamentária os judeus adotaram esta denominação. Eram os deuses que distribuíam as dádivas e as pragas aos homens. Neste mesmo sentido, os pagãos usam o termo daímones com referência à pregação de Paulo: "Dir-se-ia um pregador de divindades (daímones) exóticas, porque ele anunciava Jesus e a Ressurreição", veja em Atos 17:18 “E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele, havendo quem perguntasse: Que quer dizer esse tagarela? E outros: Parece pregador de estra- 34
  • 35. nhos deuses; pois pregava a Jesus e a ressurreição.” 17:18 tinev de kai twn epikoureiwn kai twn stoikwn filosofwn suneballon autw kai tinev elegon ti an yeloi o spermologov outov legein oi de xenwn daimoniwn dokei kataggeleuv einai oti ton ihsoun kai thn anastasin euhggelizeto Os que seguiam Paulo usaram o termo daímones no plural porque acreditavam que Jesus era anunciado como um Deus e a Ressurreição como uma Deusa. Flávio Josefo, o historiador judeu do primeiro século, emprega o termo daímones várias vezes como sinônimo de Deuses. Em diversas passagens da tradução dos Se- tenta, “Deus das Potestades”. As Potestades ou demônios estão a serviço de Deus; são dignos de respeito 1Coríntios 11:10 “Portanto, deve a mulher, por causa dos anjos, trazer véu na cabeça, como sinal de autoridade.” 11:10 dia touto ofeilei h gunh exousian ecein epi thv kefalhv dia touv aggelouv e obediência como em Romanos 13:1-6 13:1 “Todo homem esteja sujeito às autoridades superio- res; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele ins- tituídas.” 13:1 pasa quch exousiaiv uperecousaiv 35
  • 36. upotassesyw ou gar estin exousia ei mh upo yeou ai de ousai exousiai upo tou yeou tetagmenai eisin 13:2 “De modo que aquele que se opõe à autoridade resis- te à ordenação de Deus; e os que resistem trarão so- bre si mesmos condenação.” 13:2 wste o antitassomenov th exousia th tou yeou diatagh anyesthken oi de anyesthkotev eautoiv krima lhqontai 13:3 “Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, 13:3 oi gar arcontev ouk eisin fobov twn agaywn ergwn alla twn kakwn yeleiv de mh fobeisyai thn exousian to agayon poiei kai exeiv epainon ex authv 13:4 visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal.” 13:4 yeou gar diakonov estin soi eiv to agayon ean de to kakon poihv fobou ou gar eikh thn macairan forei yeou gar diakonov estin ekdikov eiv orghn tw to kakon prassonti 36
  • 37. 13:5 “É necessário que lhe estejais sujeitos, não somente por causa do temor da punição, mas também por de- ver de consciência.” 13:5 dio anagkh upotassesyai ou monon dia thn orghn alla kai dia thn suneidhsin 13:6 Por esse motivo, também pagais tributos, porque são ministros de Deus, atendendo, constantemente, a este serviço. 13:6 dia touto gar kai forouv teleite leitourgoi gar yeou eisin eiv auto touto proskarterountev São os veículos de uma correção salutar por meio de doenças como em 1Coríntios 5:5 5:5 “entregue a Satanás para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo no Dia do Senhor Jesus.” 5:5 paradounai ton toiouton tw satana eiv oleyron thv sarkov ina to pneuma swyh en th hmera tou kuriou ihsou O próprio Paulo é deixado a Satã 2 Coríntios 12:7 12:7 “E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte.” 12:7 kai th uperbolh twn apokaluqewn ina mh uperairwmai edoyh moi skoloq th sarki aggelov satan ina me kolafizh ina mh 37
  • 38. uperairwmai Serão julgados 1 Coríntios 6:3 6:3 “Não sabeis que havemos de julgar os próprios an- jos? Quanto mais as coisas desta vida!” 6:3 ouk oidate oti aggelouv krinoumen mhti ge biwtika E podem ser castigados se não cumpriram bem a sua função. Entretanto os demônios culpáveis terão de reco- nhecer o poderio universal de Yoshuá. Confira em Filemon 2:10-11; Colossenses 1,15-20; Efésios 3:10; Colossenses 2:15]. Orígenes, no começo do século III, teve uma influ- ência decisiva na demonologia cristã que errôneamente permanece até os dias de hoje. Povos próximos de Israel representavam seus Deuses sob forma de serpente. A compreensão da Serpente do Paraíso seria assim confirmada deste ponto de vista etimológico. A conceito de Satã nada tem a ver com o conceito de demônios. Nun- ca significa um ser sobrenatural mau: Com referência a Davi diziam os príncipes filisteus: “Não se volte contra nós no combate”. De acordo com o original hebraico se- ria: “Não se torne Satã nosso no combate” 1 Samuel 29:4 “ Porém os príncipes dos filisteus muito se indignaram contra ele; e lhe disseram: Faze voltar este homem, para que torne ao lugar que lhe designaste e não des- ça conosco à batalha, para que não se faça nosso 38
  • 39. adversário no combate; pois de que outro modo se reconciliaria como o seu senhor? Não seria, porventura, com as cabeças destes homens?” Mhh Mysnah ysarb awlh wynda-la hz hurty hmbw hmxlmb Njvl wnl-hyhy-alw hmxlmb wnme dry- alw Ms wtdqph rsa wmwqm-la bsyw syah-ta bsh Mytslp yrv wl wrmayw Mytslp yrv wyle wpuqyw Claramente Satã com o significado de pessoa inimiga. No livro de Jó 1:6 refere que um dos Filhos de Deus se apresenta diante do trono de IHVH. Jó 1:6 Num dia em que os filhos de Deus vieram apresen- tar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles. Mkwtb Njvh-Mg awbyw hwhy-le buythl Myhlah ynb wabyw Mwyh yhyw Filhos de Deus são os deuses, como filhos de Israel são os Israelitas. Esse Filho de Deus é Satã, que pede licença para satanizar a Jó? O nome comum Satã representa o cargo de acusador. E durante a narração dos acontecimentos, Satã representa a própria adversidade, a inimizade, a oposição. Mas nem por esse simbolismo se deixa de explicar expressamente que Satã é o próprio IHVH que autoriza a adversidade. É a oposição feita por IHVH. A escritura diz que o Anjo de IHVH, isto é, o próprio IHVH se interpõe em oposição 39
  • 40. no caminho de Balaão. Satã é aplicado ao próprio IHVH conforme em Números 22:32 “ Então, o Anjo do SENHOR lhe disse: Por que já três vezes espancaste a jumenta? Eis que eu saí como teu ad- versário, porque o teu caminho é perverso diante de mim” ydgnl Krdh jry-yk Njvl ytauy ykna hnh Mylgr swls hz Knta-ta tykh hm-le hwhy Kalm wyla rmayw 32 A ira de Deus, o próprio Deus, é chamado Satã. Veja o paralelo com o I Livro das Crônicas 21:1 “Então, Satanás se levantou contra Israel e incitou a Davi a levantar o censo de Israel.” larvy-ta twnml dywd-ta toyw larvy-le Njv dmeyw Na literatura religiosa da Índia há uma lenda anterior ao século VI a.C.: “O homem vivia só, feliz e sem preocu- pações. Uma deusa, chamada Mara, uma divindade, daimon, apresentou a mulher ao homem. Mara o incita ao prazer sexual. Só depois de coabitar com a mulher é que o homem descobre a solidão. Com traços marcadamente semelhantes à do Gênesis. A lenda indiana apresenta um demônio tentador. Os me- lhores interpretes indianos suprimem o tentador. É evidente a influência indiana no ambiente judeu. Segundo Marcos em 5:02, a pessoa está possuída por um espírito impuro no singular e pouco depois no plural, veja: 40
  • 41. 5:2 Ao desembarcar, logo veio dos sepulcros, ao seu en- contro, um homem possesso de espírito imundo, 5:2 kai exelyonti autw ek tou ploiou euyewv aphnthsen autw ek twn mnhmeiwn anyrwpov en pneumati akayartw 5:13 Jesus o permitiu. Então, saindo os espíritos imundos, entraram nos porcos; e a manada, que era cerca de dois mil, precipitou-se despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, onde se afogaram. 5:13 kai epetreqen autoiv euyewv o ihsouv kai exelyonta ta pneumata ta akayarta eishlyon eiv touv coirouv kai wrmhsen h agelh kata tou krhmnou eiv thn yalassan hsan de wv discilioi kai epnigonto en th yalassh E segundo Lucas em 8:27 essa mesma pessoa está possuída por demônios, no plural e em seguida em 8:29. 8:27 Logo ao desembarcar, veio da cidade ao seu encon- tro um homem possesso de demônios que, havia muito, não se vestia, nem habitava em casa alguma, porém vivia nos sepulcros. 8:27 exelyonti de autw epi thn ghn uphnthsen autw anhr tiv ek thv polewv ov eicen daimonia ek cronwn ikanwn kai imation ouk enedidusketo kai en oikia ouk emenen all en toiv mnhmasin 8: 29 Porque Jesus ordenara ao espírito imundo que saísse do homem, pois muitas vezes se apoderara dele. E, 41
  • 42. embora procurassem conservá-lo preso com cadeias e gri- lhões, tudo despedaçava e era impelido pelo demônio para o deserto. 8:29 parhggeilen gar tw pneumati tw akayartw exelyein apo tou anyrwpou polloiv gar cronoiv sunhrpakei auton kai edesmeito alusesin kai pedaiv fulassomenov kai diarrhsswn ta desma hlauneto upo tou daimonov eiv tav erhmouv Uma outra palavra usada no Novo Testamento para anjos e pneuma, geralmente no plural [pneumata], que se traduz por ruah = espíritos. Embora o termo seja emprega- do geralmente para os anjos maus e decaídos, o termo quase sempre qualificado pelo adjetivo “imundo”. É usado pelo menos uma vez para os anjos de IHVH, como sendo “espíritos administradores”, veja em Hebreus 1:14 “Não são todos eles espíritos ministradores, envia- dos para serviço a favor dos que hão de herdar a salva- ção?” 1:14 ouci pantev eisin leitourgika pneumata eiv diakonian apostellomena dia touv mellontav klhronomein swthrian Espíritos também se refere a anjos em outras passa- gens onde a palavra pneumata aparece, veja em 1 Coríntios 14:12 “Assim, também vós, visto que desejais dons espiritu- ais, procurai progredir, para a edificação da igreja.” 42
  • 43. 14:12 outwv kai umeiv epei zhlwtai este pneumatwn prov thn oikodomhn thv ekklhsiav zhteite ina perisseuhte Paulo aprova e incentiva o desejo dos membros da igreja por pneumata, expressão traduzida como “dons es- pirituais” onde muito é empregada pelos pastores de Igre- jas Pentecostais, devido ao contexto. Não se refere a dons espirituais, mas aos anjos que estavam presentes aos cultos, veja em 1 Coríntios 11:10. Em Corinto as manifestações não eram produzidas pelo Espírito Santo, e nem também por espíritos malignos, mas por estes espíritos bons. Sendo assim outras passa- gens onde “espíritos” significa “anjos” são 1 Coríntios 14:32 “Os espíritos dos profetas estão sujeitos aos próprios profetas;” 14:32 kai pneumata profhtwn profhtaiv upotassetai 1 João 4:1-3 “Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.” 4:1 agaphtoi mh panti pneumati pisteuete alla dokimazete ta pneumata ei ek tou yeou estin oti polloi qeudoprofhtai exelhluyasin eiv ton kosmon 43
  • 44. 4:2 “Nisto reconheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; 4:2 en toutw ginwsketai to pneuma tou yeou pan pneuma o omologei ihsoun criston en sarki elhluyota ek tou yeou estin 4:3 e todo espírito que não confessa a Jesus não procede de Deus; pelo contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que vem e, presen- temente, já está no mundo.” 4:3 kai pan pneuma o mh omologei ihsoun criston en sarki elhluyota ek tou yeou ouk estin kai touto estin to tou anticristou o akhkoate oti ercetai kai nun en tw kosmw estin hdh Apocalipse 22:6 6 Disse-me ainda: Estas palavras são fiéis e verdadeiras. O Senhor, o Deus dos espíritos dos profetas, enviou seu anjo para mostrar aos seus servos as coisas que em breve devem acontecer. 6 kai legei moi outoi oi logoi pistoi kai alhyinoi kai kuriov o yeov twn pneumatwn twn profhtwn apesteilen ton aggelon autou deixai toiv douloiv autou a dei genesyai en tacei Veja a semelhança do Antigo Testamento com o Novo narra estas pelejas celestiais, e limita-se a conter 2 con- 44
  • 45. frontos do arcanjo Miguel com Satanás: Judas 1:09 “Contudo, o arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, não se atreveu a proferir juízo infamatório contra ele; pelo contrário, disse: O Senhor te repreenda!” 1:09 o de micahl o arcaggelov ote tw diabolw diakrinomenov dielegeto peri tou mwsewv swmatov ouk etolmhsen krisin epenegkein blasfhmiav all eipen epitimhsai soi kuriov Apocalipse 12:7-9 7 Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; 7 kai egeneto polemov en tw ouranw o micahl kai oi aggeloi autou polemhsai meta tou drakontov kai o drakwn epolemhsen kai oi aggeloi autou 8 todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. 8 kai ouk iscusen oude topov eureyh autw eti en tw ouranw 9 E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos. 45
  • 46. 9 kai eblhyh o drakwn o megav o ofiv o arcaiov o kaloumenov diabolov kai satanav o planwn thn oikoumenhn olhn eblhyh eiv thn ghn kai oi aggeloi autou met autou eblhyhsan Quais as razões para estes embates entre daimons ? O fato que Miguel no Antigo Testamento aparece como guardião de Israel, aparecendo aqui em Apocalipse 12:7-9 como defensor da Igreja, liderando as hostes angélicas contra Satanás e seus daimons, que procuram destruir a obra de Deus. Quanto aos daimons e á sua participação na luta da escritura contra os “principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso” veja em Efésios 6:12 “Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as for- ças espirituais do mal, nas regiões celestes.” 6:12 oti ouk estin hmin h palh prov aima kai sarka alla prov tav arcav prov tav exousiav prov touv kosmokratorav tou skotouv tou aiwnov toutou prov ta pneumatika thv ponhriav en toiv epouranioiv Também em outras oportunidades os Deuses são tra- duzido por demônios, veja em Isaías 65:3 “Pelo que assim diz o SENHOR Deus: Eis que os meus servos comerão, mas vós padecereis fome; os meus servos beberão, mas 46
  • 47. vós tereis sede; os meus servos se alegrarão, mas vós vos envergonhareis;” wsbt Mta:w wxmvy y:dbe hnh wamut Mta:w wtsy y:dbe hnh wbert Mta:w wlkay y:dbe hnh hwhy ynda rma-hk Nk:l 13 Confira também em Deuteronômio 32:17 e Salmos 106:36. Esses mesmos sátiros no Levítico são na tradução dos Setenta, simplesmente “coisas vãs” , veja em 17:7 “Nunca mais oferecerão os seus sacrifícios aos demôni- os [malaks, afinal está em hebraico], com os quais eles se prostituem; isso lhes será por estatuto perpé- tuo nas suas gerações. M:trd:l Mh:l taz-hyht Mlwe tqx Mh:yrxa Mynz Mh rsa Mryev:l Mh:yxbz-ta dwe wxbzy-al:w Coisas não são espíritos ! O Salmo 96:5 diz no original hebraico que os deuses dos pagãos são vãos: Deuses = Elohim, vãos = élilim. Não pode o grego conservar este jogo de palavras. E os Setenta convertem vãos em demônios! Você já deve saber quem destruiu as escrituras manuscritas origi- nais e traduziu ao seu modo pessoal... A antiquíssima divindade da literatura suméria, os Deu- ses/Malaks chamados Udug, e as divindades acádicas influenciaram os hebreus do Antigo Testamento, e atra- vés dos caldeus posteriormente o mundo grego e romano. Shadai tem origen suméria Shatu, divindade. Muitos são contra Yeshuá, pois o cristianismo é um mal hoje. Outros repudiam o demônio, porém as pessoas 47
  • 48. não pararam e não usaram o senso para imaginar por que será que os demônio levam culpa em tudo? Será que os demônios não são enviados por Deus? Por que essa pos- sibilidade não pode existir? Por que foram expulsos? A expulsão do céu não quer dizer que os poderes por Deus conferidos a eles seríam perdidos, certo? Pois Deus como todo poderoso, facilmente eliminaria. Mas o meu acreditar talvez não seja válido, pois eu acredito que Yeshuá expul- sou demônios através de Baalzevuth, ou seja foi por meio desse MALAK que Yeshuá curou e expulsou demônios com demônios?. Por que não? Existem homens e homens. No entanto um homem pode ser mau e bom, assim um demônio pode ser bom e mau.Quero tentar mostrar que o que caracteriza é quem manipula. Exemplo: Moisés sacrificou para Baal, no entanto Moisés é tido como homem de Deus. Yeshuá é tido como estrela da manhã afirmando no final do apocalipse, então por que negar esse lado? Quando os trovões anunciam HADAD, ele envia seus Malaks para as pragas do mundo contra a injustiça. Pense quem se salvará, já que todas as Igrejas acreditam serem elas a salvação. Não sou contra Yeshuá, porém abomino o cristianis- mo. Não sou contra os ELOHIMs porém sou contra esse nome que usam para ocultar o nome verdadeiro do altíssimo IHVH. 48
  • 49. Pense...A palavra satanás quer dizer “O adversário”. Adversário de quê? Das escrituras sagradas. Assim são homens que não revelam o conteúdo original, o significa- do real substituindo palavras para uma melhor aceitação da sociedade.Porém os Deuses são cruéis e vejo isso no cumprimento da profecias. Katrina, tsunami...Se quase todo o ocidente é cristão, então por que ter medo da desgraça, certo? Vá a uma Igreja e olhe.Todas são belas...o contrário do que está escrito em Gênesis 28:17... OS NOMES E SEUS SIGNIFICADOS Demônio - É um termo que originalmente se davam a Deuses e seres dotados de forças divinas. O Antigo testa- mento fala de um espírto mau que confunde os homens, porém um espírito de Deus [ 1Samuel 16:14-16 e 23:01, 18:10 e 19:9 também 1Reis 22:21]. São conhecidos os espí- ritos dos mortos que podem evocar [1 Samuel 28:13, nes- te trecho como Elohim [Deuses].Como formas demonía- cas são conhecidos os Shedim [Deuteronômio 32:17 Sal- mos 106:37]. Shedim tem raiz na palavra acádica Shedu/ Eshud [divindade]. Conhecidos também como Sheirim [pe- ludos semelhantes a bodes]. Os malaks são seres celestes e monstros, veja em Jó 1:6, Jó 2:2, Jó 38:7, Salmos 89:7 e Deuteronômio 14:1. É confundindo com o substantivo masculino construto com Malak que é um verbo denominativo que os teólogos distorcem. Os profetas são os melakim, 49
  • 50. remetendo a Gênesis 16:10. Igualmente, vimos que em grego daimon tanto pode traduzir-se por divindade como por demônio. Para os Gre- gos os daimons significavam as almas dos mortos assimi- ladas as divindades que posteriormente foi confundida com os gênios latinos [Djins]. Concepção esta penetrada na Palestina e tranformada e maus pelos Romanos. Os católicos recoreram ao apócrifo de Enoch no tre- cho da revolta do anjo Azazel apar intensificar o termo “mau”. Moisés não menciona em nenhum trecho das es- crituras à revolta dos Malaks, porém menciona sobre Nahash que as versões traduzem por serpente. Moisés ainda assinala a união dos Benei-ha-Elohim, filhos dos Deuses com as filhas dos homens, união esta que nasce- ram a raça dos Gibborim [nephilim]. Como pode Deus permitir a entrada dos Daimons nos céus se eles foram expulsos? Veja em Jó 1:6 “Num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SE- NHOR, veio também Satanás entre eles.” Mkwtb Njvh-Mg awbyw hwhy-le buythl Myhlah ynb wabyw Mwyh yhyw Também em Apocalipse 12:7 “Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Tam- bém pelejaram o dragão e seus anjos” 12:7 kai egeneto polemov en tw ouranw o micahl kai oi aggeloi autou polemhsai meta tou drakontov kai o drakwn epolemhsen kai oi aggeloi autou 50
  • 51. Abaddon - (hebreu) o destruidor. Abmalak - Malak sumeriano, Lúcifer, pai dos anjos, portador da luz [Luxferre], Sanctum Regun. Magistrado supremo. Apresenta-se sob a forma de leão,dragão, águia e raramente naja real. O profeta Isaías usou uma pasta de figos para curar Ezequias (2 Re 20.7). Pai dos Reis, rei dos Filisteus no tempo de Isaac, Rei em Siquém e filho de Gideão. Do Latim aquele que carrega a luz. Pai da Luz, Helel [hebraico], filho de Shahar e Rei de Bavel. Shahar era um Deus babilônico do amanhecer. Shahar teve um irmão gêmeo chamado Shalem, que era associado ao crepúsculo e o aparecimento de Vênus à noite. Jerusa- lém quer dizer “Casa de Sha-lem”. Tem como auxiliar direto Ashtaroth, Put Satanackia e Agalieraps. Veja Isaías 14:12. Comparado ao planeta Vênus, a estrela da manhã. Juízes 9:29 Oxalá tivesse eu poder sobre esse povo! Eu arrasaria Abimelec e lhe diria: junta o teu exército, e vem! [Versão Ave-Maria] Veja em Apocalipse 22:16 Cristo é Lúcifer? Adramelech da Síria - Tido como presidente do Alto Conselho dos Malaks, grande chanceler do Inferno e su- perintendente do guarda-roupa do Malak. Foi sempre re- presentado na forma de uma mula, com torso humano e rabo de pavão. Agas - Malak persa das doenças e das drogas, além de personificação do mal. 51
  • 52. Ágabo - Vidente que avisou Paulo que ele seria entre- gue pelos gentios. Significa gafanhoto. Previu a fome, veja em Atos 21:10-11. Aimalach - Sumo sacerdote. Observar Aquimelech. Amalach - Filho de Saul. Amon - É um poderoso malak marquês poderoso na hierarqui do Hades, tomando a forma de lobo com cauda e cabeça de serpente. Revela o passado e o futuro, além de reconciliar inimigos. 15º Rei de Judá. Conhecido também como Deus egípcio da vida e reprodução, com cabeça de carneiro. Anath - Deusa Cananéia. Apoliom - Destruidor. Achis -Lê-se Aquis, Rei de Gat. Aram - Filho de Sem. Antepassado dos Sírios. Asa - 3º Rei de Judá. Abnadab - Pai generoso, levita onde a arca esteve sob sua guarda. Filho de Saul. Abnôr - Pai de luz e primo de Saul. Absalom - Pai da Paz, 3º filho de Davi. Acab - 7º Rei de israel. Acazias - IHVH sustenta. 8º Rei de Israel. Adonias - IHVH é meu Senhor. Agares - É um duque onde seu poder está no leste. Sua função é trazer de volta aqueles que fujiram.Dá o dom do conhecimento de todas os idiomas Reduz homens im- portantes a miséria e pode causar terremotos. Comanda 31 legiões de malaks. Também tem sua forma feminina. 52
  • 53. Aini - É um poderoso malak duque com forma de ho- mem de 3 cabeças, sendo uma de cobra, do meio homem e a outra gato. Ensina a ser astuto e responde perguntas desconhecidas. Também conhecido por Aym. Abraom - Pai nobre. Um dos 4 líderes que se revolta- ram contra Moisés. Abdnego /Azarias- Servo do Deus Nabu, Companhei- ro de Daniel no cativeiro de Bavel. Ver Deuteronômio 1:07 - 2:49 - 3:12 até 30. Abgael - Esposa de Nabal, significa fonte de alegria. Abatar - Pai da abundância. Allocen - É um poderoso malak duque que vem caval- gando um cavalo e vestido como um guerreiro. Especialis- ta na arquitetura e arte. Ensina astronomia e ciências libe- rais. Pode envia-lo para vingar inimigos secretos. Allatou é a deusa do submundo, consorte de Baal e, posteriormente, de Nergal. Ahpuch - Malak maia. Agalierepth - Malak Mangueira, fala e escreve correta- mente o francês. Revela segredos, mistérios e comanda Buer, Gusion e Botis. Egípcio e quieto. Ahriman Mazda- Deus Japonês Ahriman ou Angramaniu - O mal e o bem. Aglasis - Malak do Cheiro na linha do Omolu - cemité- rio, supervisionado por Sergulath. Só aceita bebidas de plantas aromáticas, não aceita cachaça de forma alguma e suas oferendas são aceitas em jardins ou lugares onde 53
  • 54. existam flores campestres. Pode levar qualquer um ou qualquer coisa em qualquer lugar no mundo. Aggarath- Uma das esposas de Samael, como Mochlath e Nahemah Andras - Malaks 7 Catatumbas.também Marquês do Inferno, demônio com cabeça de coruja, com o corpo nu de um anjo alado com asas negras, cavalgando sempre um lobo preto e brandindo sua cimitarra (espada). Conhece em detalhes todos os desertos da Terra. Totalmente destrutivo e podendo até matar aquele a quem invoca. Sua manifestação é uma cabeça de corvo num corpo de anjo, trazendo consigo uma espada brilhante. Angal - Deus sumério de Der, cidade ao leste do rio Tigre. Apollyon - Sinônimo grego para Satan, o arquidemônio. Mesmo que Abadon. Asmodeus - Malak hebreu da sensualidade e luxúria, originalmente "criatura do julgamento". Moisés fez uma serpente de bronze (Números 21:9). Aezma Deva do verbo Persa “Azmonden,” = tentar ou provar. Devas é no hindu anjo feminino. No persa antigo é Aeshma. Ashmedai [hebreu] e Asmodaios [grego].Alguns Rabinos dizem que Asmodeus era a criança do incesto de TubalCaim e Naafrfah. Foi empregada por Salomão no Templo em Jeru- salém. É certamente emprestado do parsismo, a mitologia do Irã. Zaratustra, século VI antes de Cristo, fala freqüentemente de Aesma Deva, a divindade Ira ou Fúria, "a mais perigosa das divindades". Foi trasformado na Bí- 54
  • 55. blia em "Asmodeu, o mais perigoso dos Malaks" (Tb 3,8). Foi recebido em sincretismo com o anjo destruidor de uma época bíblica anterior (2Sm 24,16; Sb 18,25) pela seme- lhança de Aesma com a raiz hebraica schamad = perder, destruir. Por ciume teria matado sete maridos de Sara (Tb 3:8; 6,14s), apresentando Tobias que teria usado defumadores para expulsar o daemon (Tb 6:17s), descre- vendo que o anjo Rafael acorrenta Asmodeu no deserto do Egito (Tb 8:03) Deus enviou contra o povo serpentes abrasadoras (Nm 21: 06); É provável que haja relação da palavra hebraica Satã com a palavra árabe shaitan, que originalmente, ao que opinam alguns linguistas árabes, significava serpente. Alguns povos vizinhos de Israel representavam seus ído- los sob forma de serpente. Satã, serpente, ídolo seriam sinônimos. A compreensão da Serpente do Paraíso seria assim confirmada deste ponto de vista etimológico. A conceito de Satã nada tem a ver com o conceito de demônios, conceito cristão. Observe em Gênesis 3:01 que os Deuses criaram Asmodeus. sendo que seu berço é o Avesta, o livro sagrado da religião de Zoroastro, profeta persa, fundador do Zoroastrismo. Costuma ser representado com três cabeças diferen- 55
  • 56. tes, sendo uma de touro, outra de homem com hálito de fogo e a terceira de bode. Provoca a invisibilidade e o ensino da aritimética, além da descoberta de tesouros es- condidos. Também ensina fabricação de coisas. Respon- de a qualquer pergunta. Tem 72 malaks debaixo de seu comando. Faz homens procurarem outras mulheres e provoca loucuras além de luxúria. Desvirgina as moças. As 7 cobras representadas no assentamento: Aesma Daeva, Aka Manah [personifi- cação do desejo sensual enviado por Ahriman para sedu- zir Zaratustra e tem como oponente Vohu Manah], Indra [personificação da apostasia e como oponente Asha vahishta], Nanghaithya [personificação do descontenta- mento e tem como oponente Armaiti], Saurva [um dos 7 devas principal e tem como oponente Khshathra vairya], Tawrich [personificação da fome e tem como oponente Haurvatat] e Zarich [personificação do envelhecimento e tem como oponente Ameretat]. Também conhecida como Legba Ati-Bon. Abgor - Malak Guerreiro. Amaushumgalanna - Deus da colheita em Uruk. Mari- do de Inanna. Anduscias - Malak 7 trovões. Ele pode tocar música com uma orquestra invisível e apresentar espíritos famili- ares. É um duque com uma forma de um unicórnio, poden- 56
  • 57. do assumir a forma humana. Governa 29 legiões de espíri- tos com maior habilidade para inspirar na música. Ashtar - Conhecida também como Ninlil, esposa de Enlil.A estrela da noite. Ashtaroth [plural] Astharth [singular] - Tesoureiro, conselheiro-mor, multidão em hebraico, homem do dinhei- ro, é quem determina o preço das almas nos pactos, co- mandante em chefe da mais alta linha de Malaks, a Malei, Deus fenício da lascívia, equivalente a Ashtar babilônica, Rainha dos Céus e Deusa da fertilidade e da guerra. Seme- lhante a Aserá. Esther é derivado da mesma raiz. Patrono dos banqueiros e homens de negócios. Re- presenta a ganância e a posse. Ele também governa as paixões por jogo à dinheiror dando preferencias, a pactos e ao comércio. Citado algumas vezes na Bíblia, como em II Reis 23:13, onde na versão NVI é citado como “a detestá- vel deusa dos sidônios”, provavelmente devido a ser andrógino. Revela tudo sobre passado, presente, futuro e ciênci- as e segredos. Ensina a ciência da matemática, habilida- des manuais, conduz o homem as respostas e revela a invisibilidade. Governa Gamichicoth. Asto Vidatu - Malak persa da morte. Aserá - Deusa da fertilidade dos Cananeus. Compa- nheira de Baalzevuth. Azazel - (hebreu) instruiu os homens a criarem armas de guerra, introduziu os cosméticos. 57
  • 58. Andrealphus - Malak Marinheiro. Ensina a matemática [geometria] e é visto como um pavão. Transforma pesso- as em pássaros. Atur - Deus persa do fogo. Baalphegor - Malak 7 covas. Também 7 Lombas. Balaam - É o malak da avareza e cobiça. Um falcão no seu punho é uma forma de aparição. Revela os segredos da invibilidade. Barabô - Malak de Hadad [Aganju].Malak do sono podendo matar. Sua invocação nunca é solicitada, pois sempre sua causa é a morte. Dificilmente cultuado. Barbatos - Malak que sempre vem escoltado de tro- pas. Aparece durante o signo astrológico de sagitário. Bathin/Bathym - Sua especialidade é transportar uma pessoa de um lugar ao outro na velocidade da luz. Conhe- ce os segredos das pedras e ervas. Beleth - Malak com temperamento agressivo. Deve-se ter um anel de prata no dedo médio da mão esquerda para sua proteção. Baphomet - Adorado pelos Templários como símbolo de Satan. Bast - Deusa egípcia do prazer representada pelo gato. Baalzevuth - Senhor das moscas da Síria e protetor dos filisteus na Palestina antiga. Tomada do simbolismo do escaravelho. Malak Mor ou 7 Luzes. Da raiz Baal que significa Senhor. Deus da fertilidade em Canaã. Ver 2 Reis 1:3 termo do deus de Ecrom. Adorado em Ecrom, dos Filisteus. 58
  • 59. Êxodo 8:21 Do contrário, se tu não deixares ir o meu povo, eis que eu enviarei enxames de moscas sobre ti, e sobre os teus oficiais, e sobre o teu povo, e nas tuas casas; e as casas dos egípcios se encherão destes enxames, e também a terra em que eles estiverem. hyle Mh-rsa hmdah Mgw breh-ta Myrum ytb walmw breh-ta Kytbbw Kmebw Kydbebw Kb xylsm ynnh yme-ta xlsm Knya-Ma yk Balach - Lê-se balaque. Rei de Moab, o devastador. Belili - Um dos nomes sumérios da Deusa Getshanna.Irmã de Dumuzi e esposa de Ningishzida. Aque- la que sempre chora. Belsazar - Neto de Nabu -codonossor. Filho de Nabonido. Baalberith - Senhor do pacto [aliança]. Adorado em Siquém. Também conhecido como malak feminino dos 7 mari- dos. Senhor canaanita da Convenção, que se tornou mais tarde um Daimon. Conhecido também como El-Berith - Deus do pacto [aliança], ver Juizes 9:46. Ben-Hadad - Título dos governadores da Síria, que são descendentes do Deus Hadad. Baalpeor - Senhor da abertura de Moab, adorado no monte Peôr.. Baalcefon - Malak Porteira. Está sempre na entrada esquerda do cemitério. Barkaial - Anjo caído, citado no livro de Enoch, que 59
  • 60. ensinou aos mortais os segredos da Astrologia Belial (hebraica) ou Beliar (grega) aparece 27 vezes no Antigo Testamento e uma (2Cor 6,15) no Novo. Delas, 21 vezes forma a expressão "filhos de Belial", que eqüivale a chamar essas pessoas de "beliais", qualificativo. Igual expressão aparece em Qumran. Por exemplo: "Deus faz sair aos justos fora da massa dos filhos de Belial (...). Belial intenta derrubar os filhos da luz, os oprime e persegue". Contrapõem-se os justos aos injustos, os beliais ou filhos das trevas aos iluminados ou filhos da luz. Belial era uma divindade cananéia, o malak do mundo subterrâneo. Sig- nifica sem mestre.É o malak da pederastia e cultiva a sodomia. Algumas vezes é representado numa carruagem de fogo. Interessante que Elias foi levado aos céus numa carruagem. No Antigo Testamento, em três (Sl 18,5; Sl 41,9 e 2Sm 22,5) das 27 oportunidades em que a palavra aparece sig- nifica esse mundo subterrâneo que a Bíblia utiliza no sim- bolismo religioso de lugar afastado de IHVH. Etimologicamente, Belial significa inútil. Esta é a tradução mais correta da frase do Deuteronômio: "Caso ousas dizer que, numa das cidades que IHVH teu Deus te dará para aí morar, filhos de Belial, procedentes do teu meio, seduzi- ram os habitantes da sua cidade..." Ao pé da letra: "Ho- mens sem utilidade". Ver Josué 19:22. Belial vem numa brilhante carruagem e ajuda na pro- moção pessoal. Bechard - Malak do Vento [Ventania], é o 1º comanda- 60
  • 61. do por Syrach, possui enorme força sobre os ventos, tem- pestades, terremotos, maremotos, granizo, etc. Aceita ví- boras e sapos, além de outros animais peçonhentos. Behemoth - Equivalente ao Ganesha, forma de um ele- fante. Malak Cabaré. É associado a um animal muito gran- de como um hipopótamo ou crocodilo, veja em Jó 40:10. Beherith/Bofi/Bolfry - É malak cultuado na Síria. Vem montado num cavalo vermelho, usando uma coroa de ouro, com o uniforme da mesma cor do cavalo. Eleva a altos cargos e postos. Transmuta qualquer metal em ouro. Bifrons - Malak que ensina a astrologia, a matemática e sobre ervas e pedras. Botis - Malak que aparece ao exorcista de forma desa- gradável. Promove reconciliações. Buer - Malak que ajuda na busca de familiares desapa- recidos. Só vem quando o sol estiver no signo de sagitário. Ajuda na cura e tem aparência de estrela do mar. Bune - Malak que tem sabedoria e fluência verbal. en- cantamentos de túmulos e obtenção de riquezas. Bile - Deus celta do inferno. Brulefer - Malak Pemba é o 3º comandado por Sergulath. Especialista em transmitir doenças venéreas e facilita os amores clandestinos. Faz uma pessoa ser amado pelas mulheres. Bucons - Malak Pagão, o 7º comandado por Sergulath. Sua modalidade atinge o setor amoroso com separações ou uniões ilícitas e só bebe leite. Patrono do Carnaval. Bul - Deus da Chuva 61
  • 62. Caim - Significa ferreiro. Foi o 1º filho de Adam. Tam- bém é conhecido como malak que dá a linguagem dos pássaros. Camos - Deus dos Amorreus e dos Moabitas. Ver I Reis 11:07 e Juízes 11:24. Címerio-potestade, assim como Belam-potestade Claunech/Glaunech - Malak Pedra Negra, é o 16º co- mandado por Sirach, aprecia a fruta jamelão e bebe vinho tinto com mel. Protege nas dificuldades financeiras e des- cobre tesouros perdidos. Clistheret /Clisthert - Malak Tronqueira, sexto coman- dado por Sirach, tem o poder de fazerem as pessoas troca- rem o dia pela noite como os jogadores e as prostitutas. Cimeries - Monta um cavalo negro e rege a África. Coyote - Malak do índio americano. Deus - IHVH, El, Elah, Eloho, Tsebaoth, Eliom, Eiech, Yah, Shadai e Theós em grego. Também Oshalá. Deuses - Elohim., também Orishás. Diabo - Significa ‘eu jogo através, obstáculo’. O dú- bio. Destino - Deus representado pelas plêiades. Diana - Deusa Romana da lua, dos campos e dos bos- ques. Adorada em Éfeso. Artemísia - Deusa grega da lua, dos campos e dos bosques. Dantalian - Malak que carrega um livro e propicia a visão de outra pessoa para revelar segredos masi secre- tos. Influência a mente humana mesmo contra e sem seu 62
  • 63. conhecimento. Ensina arte ou ciência. Damoston - Malak Ganga é o 5º comandado por Hael. Possui alto poder maléfico e suas oferendas são aceitas tanto no cemitério quanto no mato. Podendo curar ou matar e se apresenta em roupagem cinza e preta. É citado sobre o Malak Zumalah em ponto cantado de Damoston. A pala- vra Ganga quer dizer “chefe de terreiro”. Assim todo quimbanda é ganga, mas nem todo ganga é quimbanda. Quimbanda é palavra de origem lunda/angola significan- do curandeiro. Daké - Malak comandado por Omolu. Dagon - Malak filisteu vingativo do mar. Damballa - Deusa serpente do Vodu. Demogorgon - Nome grego para Daimon, diz-se que não seria conhecido pelos mortais Diabolus - (grego) "fluindo para baixo". Drácula - de origem Dracul, de Vladslau Tepes de Walachia, o empalador. Duka Sirach - Malak Calunga. Eglom - Outro Rei de Moab. Evil Marduk - Rei da Babilônia (562-560ac). Filho e sucessor de Nabu-condonossor. Libertou Joaquim Rei de Judá, veja II Reis 25:27-30. Elfos -Malak de luz e trevas na mitologia Edda. Eloha - Forma singular e feminina de El [1º Deus dos cananeus/representado pelo chifre do touro que é o sím- bolo de força]], alguns mencionam como dual, porém é duvidosa essa tese, assim como também a origem do 63
  • 64. nome.Também a Deusa da criação encutida em Elohim [que acredito eu tem 16 Deuses principais dentro desse nome. “...a nossa imagem e semelhança...macho e fêmea...]. Equivalente ao Deus Allah dos Árabes e Ellah dos arameus e El dos hebreus. Também Ilu dos Babilônicos. O Espírito santo é feminino, e é outra designação de Eloah. Em Joâo 14:16 em arameu reza “...ela sempre pode morar com você”. Em Lucas 7:35 a palavra sabedoria é sophia em grego, mas em hebraico corresponde a Hochmah. Enlil [Sumério] - Hadad/Haddu e do mesopotâmico Embilulu - Deus do trovão, Rei de Edom e conhecido como Hadadrimom [ Hadad Ramam], o maior Deus Sírio, Hadad =Deus do Trovão e Rimom = Deus do vento. Filho do Deus dos hititas Anu. Em acadiano Rammanu. Também era o Deus da fertilidade e adorado em Canaã. Os Deuses das tempestades e armados para o dilúvio. Também asso- ciado ao Deus hebreu Elion. Segundo Deus principal do panteão babilônico depois de ter substituído Anu. É as- sociado ao Deus etrusco Tínia. A ausencia do culto a Enlil, nos fornece fome, seca e caos. Emma-O regente japônes do inferno. Enki ou Ea - Que ora aparece como Deus-terra, ora como Deus-água. Posteriormente Bel, Baal. Deus da sabe- doria e da magia. Euronymous/Hades - Príncipe grego da morte. Elegolap - Malak 7 Montanhas. 64
  • 65. Fauno - Deus romano adorado em 15 de fevereiro na festa da Lupercália. Flora - Deusa romana da primavera e das flores. Seis dias de festa com vinho e sexo. Cultuada no mês de Abril, onde era cultuado a floralia. Farfadets - Duendes Fortuna - Deusa da sorte adorada pelos Cananeus sob a forma de Híades [pequeno grupo de estrelas da conste- lação de touro]. O ano astrológico começava por touro, assim as oferendas de alimentos e de vinho feitas a Fortu- na e Destino coincidiam com as comemorações da páscoa. Frimost - Malak Quebra Galho é o 2º comandado por Sirach. Possui forte influência nas mulheres incitando a prostituição, aceita sua oferendas nas matas onde exerce grande poder e podem ser feitos separações e amarrações com bonecos de madeira tosca. Seis meses esse malak é homem e seis meses mulher, apto para união do mesmo sexo. Fenriz - Filho de Loki, descrito como um lobo. Fricissiere - Malak dos cemitérios/coquinho do infer- no é o 12º comandado por Sirach. Tem poder de ressucitar os mortos e cura. Também pode transmitir a peste da varí- ola. Também pode se apresentar como Tranca-Tudo. Frutimiere - Malak Tranca Tudo é o 15º comandado por Sirach. É solicitado pra festas como bacanais, ofere- cendo para isto uma oferenda antecipada como galo pre- to, farinha de mandioca com dendê, ovos cozidos e cacha- ça. Podendo ser oferecido em qualquer lugar que já é acei- 65
  • 66. to com festa. Fleruty - Malak Tiriri.Pertecente a linha de Omolu mas responde em todas as encruzilhadas. Igual força do com- panheiro Tarchimach e Put Satanackia. Comanda Bathin, Eligos e Abgar que comanda 60 legiões infernais, em seu cavalo com asas, tem a capacidade de prever o futuro, alem de ser conhecedor de todos os segredos da arte de guerrear. Carrega sempre consigo uma lança, estandarte ou cetro. Tem o poder de fazer a obra que se deseja, duran- te a noite. Pode fazer cair granizo onde quiser. Comanda um corpo considerável de demônios e tem como subordi- nados os demônios Abgar, Batim e Tursã. Protege com grande força aqueles que tem valor e mérito. Faz qualquer pedra de granizo cair sobre a terra. Possui uma aura doura- da de ouro e se apresenta como um homem de cabelos loiros encaracolados. Gula - Deusa Suméria que presidia a medicina. Guland - Malak Morcego é o 11º comandado por Sirach. As oferendas são a meia-noite e tem o poder de curar e transmitir doenças a longa distância como por exemplo as doenças venéreas. Aceita cães, gatos e sapos.Quando o propósito é enlouquecer algum oponente os animais sa- crificados contraem hidrofobia [raiva]. Sob seu comando vem Exu Asa Negra, Exu Coruja entre outros. Gorgo - Diminutivo de Demogorgon. Gnomo - Malak Corcunda. Harpocrates - Deus egípcio também conhecido por Hórus. Também cultuado na Grécia antiga. 66
  • 67. Hicpacth - Malak das Matas é o 9º comandado por Sirach e sua oferendas somente é aceita nas matas. Prote- ção quando uma pessoa amada foi para longe. Humots - Malak das 7 pedras é o 10º comandado por Sirach. É agente mágico universal solicitado a toda espé- cie de ajuda nos tarôs, signos zodiacais, calendários esotéricos e alta magia. Ele lhe trará qualquer livro que você deseja. Huictogaras - Malak Marabá é o 18º comandado por Sirach. Tem grande poder sobre os fenômenos astrais nas fases da lua em especial. Não devendo ser invocado na força da lua, pois não havendo prática necessária está sujeito a ficar louco. Pode curar e matar. Provoca sonos em vigias causando pertubações. Haristum - Malak Brasa é o 2º comandado de Sergulath dominando o fogo e a pólvora. Gosta de cachaça com sumo de pimenta. Pode fazer qualquer um atravessar fogo sem ser tocado por ele. Heramael - Malak Curador [Curadô]. Ensina a arte de curar, inclusive o conhecimento completo de qualquer doença e sua cura. Ele também faz conhecer as proprieda- des de plantas onde elas serão achadas, quando as arran- car, e a fabricação delas e uma cura completa. Hael - Malak Meia Noite é o auxiliar direto de Omolu, comanda Meramael e ainda comanda mais sete demônios. É perito em ensinar e decifrar qualquer idioma ou caracteres. Olhos de fogo e pés de cabra. Haborym - Daimon. 67
  • 68. Helel - Ver Abmalak. Hecate - ver Lilith. Hahash - O tentador do gênese, Deus do mal. Qualifi- cativo dado por Moisés ao substantivo Nahash é precisa- mente o vocábulo, Harum ou Harim onde Hariman, o ad- versário Mazda. Em hebraico não difere senão pelo acrés- cimo da desinência aumentativa com semelhança. Veja em I Crônicas 1:08 e 24:08. Humbaba/Humwawa - Deus guardião das florestas dos pinheiros. Íncubus - Malak que seduz as mulheres durante o sono. Ishtar - Deusa babilônica da fertilidade. Inanna - Deusa Suméria da chuva e das tempestades. A Deusa que deseja ir ao mundo dos mortos por seu pró- prio desejo e emerge como Deusa da lua, dos mistérios da vida e do renascimento. Tornando-se a Deusa da terra e do céu. Também Deusa da armazenagem dos grãos.Irmã de Ishkur [Deus do mundo subterrâneo provavelemente, pois o nome Ish = homem e kur = associado ao inferno]. Irmã também de Ninurta. Associada a Astarte/ Ishtar, a Deusa Babilônica e Assíria do dia e da noite. Além de ser a Deusa do amor e da guerra. Júpiter - Deus romano correpondente ao Zeus grego, veja Atos 14:12. Kalas - Significa tempo como fonte de todas as coisas. kalas é sinônimo de Túneis de Seth. Kali /Koun Khali- (hindu) filha de Shiva, alta sacerdo- 68
  • 69. tisa de Thuggees. Devoradora de homens. Tem a característica de destruição de um impiedoso furor feminino. Deixando rastro por onde passa. O nome vem por seu corpo ser negro, seu rosto vermelho e carre- ga uma espada invencível. Seu cabelo é longo e desali- nhado podendo ser vista nua, indicando sua liberdade e independência.Com olhos sedentos de sangue, uma boca com dentes grandes e afiados, mostrando sua enorme lín- gua. Ela tem um colar com 50 cabeças humanas decepa- das, representando as letras do alfabeto Sânscrito, seus brincos são corpos de daimons, indicando estar acima da luxúria. Com cobras enroladas em seus vários braços e no pescoço que são usadas como armas para matar suas víti- mas. As vezes Kali é vista dançando em cima de SHIVA [O destruidor] como uma furiosa guerreira num campo de ba- talha matando seus adversários e tomando-lhes o san- gue. Demonstrando soprepujar acima de Shiva. Seus bra- ços estão fazendo diferentes MUDRAS - posições que dizem para não ter medo pois ela é a mais querida e doce Mãe. Como Deusa da Morte, ela controla o poder do Tem- po que tudo devora. Logo após as batalhas Ela começa sua eufórica dança da vitória. Com esta dança todos os mundos tremem sob o tremendo impacto de seus passos. Existe uma famosa história sobre um rei santo que foi se- questrado por um bando de ladrões para ser oferecido num sacrifício de sangue num templo de Kali. Entretanto, Kali surgiu furiosa de dentro de uma de suas estátuas com sua hoste de daimons e pôde perceber as enormes virtu- 69
  • 70. des desse rei santo. Kali então matou o líder dos ladrões e seu bando, provando que aqueles que têm boas qualida- des são protegidos por ela. As Escrituras Védicas contam que quando os guerreiros vão para a luta costumam invo- car o nome de Kali para o sucesso contra os inimigos nas batalhas. Klepoth - Plural de Klippah/Tulpas [Tibet]. Malaks fe- mininos como Mª Padilha, Figueira, Menina [Talitha], Mulambo, 7 Saias, Rosa Caveira, Rosa Vermelha. Quitéria [Lâmia], Da Praia [Iset Zemunim], Do Sol [Ketub], Do luar [Upierzica], Das Almas [Rusalkis], Das Cobras [Nagini], etc...Representada pelo Bode de Sabbat ou Baphomet de Mendes. Forte domínio nos casos amorosos pra unir e separar. São as energias cósmicas e protege as prostitu- tas. A origem Qlippoth também representa escudo, prote- ção e os elementos femininos da criação. Tulpas no Tibet e avatares de coyote nos índios norte-americanos. Passagens as forças qlippóticas no princípio do prazer e ausência de limites. O acesso para se contactar com as Qliphoth é através da Sephirá oculta Daath que represen- ta o abismo funcionando como um portal onde se encon- tram os túneis de Seth onde residem as Bombo Giras [Pambu Ngila]-Angola], Elegbara [Nação Gege] Alegba [Haiti]. Khil - Malak das 7 cachoeiras é o 4º comandado por Sirach. Aceita as oferendas nas cachoeiras como galinha d´Angola, farinha mandioca no dendê e charuto preto. Tem poder para causar terremotos. Kobal - Malak das 7 gargalhadas. Padroeiro dos come- 70
  • 71. diantes. Malak que sentia imenso prazer em matar e consi- derado o guarda dos metais preciosos. Leviatã - Encarnação masculina de Samael. Morador do mar conhecido como Lotan de 7 cabeças e adorado como Deus pelos Ugaríticos. Líber e Líbera - Deus e deusa da uva cultuados na festa de liberalia, onde o falo era abertamente cultuado por multidões em Roma no mês de maio. Lilith/Lillake - Do hebraico “A noturna” de layil [noi- te], Deusa do sumério/babilônico, Lenith dos etruscos, Belit Ili/Belili e dos cananeus Baalat.. Malak assírio da tempestade Lilitu. Malak feminino da calunga pequena [cemitério]. Primeira mulher de Adão que lhe ensinou as cordas. Conhecida como Hecate, Deusa grega do mundo subterrâneo e feiticaria. Irmã de Dumuzi [Tammuz]e tam- bém Deusa Mesopotâmica. Em Isaías 34:14 “As feras do deserto se encontrarão com as hienas, e os sátiros clamarão uns para os outros; fantasmas ali pousarão e acharão para si lugar de repou- so”. xwnm hl haumw tylyl heygrh Ms-Ka arqy wher-le ryevw Myya-ta Myyu wsgpw fantasmas e demônio caprino é uma má tradução para Lilith.Também tem por tradução a palavra “curiango”. É associada com a praga e o flagelo do meio dia (Salmo 91, Salmo 56). Tida ainda, com um dos sete demônios da Cabala hebraica, Lilith foi descrita como uma figura sedu- tora com longos cabelos, que voa como uma coruja notur- 71
  • 72. na para atacar aqueles que dormem sozinhos. seu símbolo sagrado é a coruja. Loki - Malak teutônico. Malak do fogo, gênio do mal. Na mitologia escandinava é comparado ao próprio diabo. Mizraim - Casa do Deus Ptah, nome do Egito. Filho de Cam. Gênesis 10:06. Marduk - Como Mardoqueu. Primo e pai adotivo de Ester. Também Enlil, o Deus de Nippur., Deus do vento e, mais tarde, Deus da terra. Posteriormente regente da natu- reza, o senhor do destino e do poder dos reis. Posterior- mente trocado por Bel pelos semitas Assírios e Babilônicos. O mesmo que Baal dos Hebreus. Mais tarde Assur, o Deus supremo da Assíria, quando a mesma domina a Mesopotâmia. Sua imagem é associada ao leão. Também é reconhecido como Anou ou An - Deus do céu Sumério, de Uruk e dos filisteus conhecido como Dagão. Assimila- do a Anshar pela fonética e ao Deus sumério da irrigação e agricultura Embilulu. Merifild/Mersilde - Malak das 7 cruzes é o 5º comanda- do e zela a entrada do cemitério. Daimon responsável pelo último sofrimento de Yoshuá, o cálice da amargura onde foi oferecido vinagre com fel a ele. Tem o poder de trans- portar pessoas para qualquer lugar. Morail - Malak das 7 sombras é o 14º comandado por Sirach. Tem o poder de tornar invisíveis as pessoas e ob- jetos. Gosta de suco de folhas com açucar e cachimbo de barro com ótimo fumo. Aceita as oferendas próximo de formigueiro e nas sombras. 72
  • 73. Melicerte - Malak de Tenedos, Rei da Terra. Mammon - Deus aramaico da riqueza e do lucro. Foi ele quem ensinou os homens a cavar a terra à procura de tesouros ocultos. Em aramaica significa “riqueza”. Cristo nos adverte que não podemos servir a Deus e a Mamom, Mateus 6: 24, Vide também Evangelho de Lucas 16:13. Musifin - Malak Capa Preta é o 17º comandado pelo Sirach. Fiscaliza todos os caminhos e aprecia na sua oferenda carne de porco crua e cachaça. Conhecido tam- bém como Mironga. Minosum - Malak Arranca-toco é o 6º comandado por Sergulath. Facilita a descoberta de tesouros enterrados. Pode fazer qualquer um ganhar qualquer jogo. Meramael - Malak Curadô supervisionado pelo Hael, porém pertence a linha Omolu. Conhecedor de todas as doenças humanas, receita remédios com invulgar sabe- doria, principalmente ervas e plantas. Gosta de cachaça com mel de abelha e se apresenta as vezes como Preto- velho. Mania - Deusa etrusca do inferno. Mantus - Deus etrusco do inferno. Malphas - Malak 7 Cruzeiros. Principal-presidente do inferno que governa 40 legiões. Malphas se aparece como um corvo, ou em forma de humano com uma voz rouca. Ele constrói cidades e torres inconquistáveis. Aparece sob forma de pássaro negro. Destrói desejos e pensamentos, além de construir torres altas. Cria qualquer coisa através da mágica e revela o segredo dos inimigos. 73
  • 74. Malach Taus - Malak yesidi. Mephistopheles - (grego) quem evita luz, Faustus. Do hebraico Mephir “mentiroso”. Aquele que provocar nas pessoas a recusa em aceitar a verdade. Mendés - Forma panteísta da síntese egípcia. ver Baphomet. Metzli - Deusa azteca da noite. Mictian - Deus azteca da morte. Melgart - Malak Rei das Almas, equivalente a Nergal. Nome significa “Senhor da Cidade” Patrono de Tira. Midgard - Filho de Loki, descrito como uma serpente. Co- nhecido como Deus fenício. Milcom - Malak Chama Dinheiro, também associado ao Melchom amonita. Murmur - [grego] Rei dos Ghouls, consorte de Hecate. Malak 7 Liras. Ensina a filosofia perfeita e comanda 30 Malaks. Malak da música, conde do Inferno, surgindo como um abutre, de pernas abertas, figurando um soldado gigantesco. Também denominado Murmúrio. Ensina filo- sofia e faz a alma dos mortos há muito tempo aparecerem diante de um círculo. Mastemah - Era na mitologia de certos povos orien- tais, o "Príncipe dos espíritos" dos gigantes, ou "Chefe dos Malaks". A palavra Mastemah tem a mesma raiz stn que a palavra Satanás. Também Mastemah significa inimi- zade. Mastemah aparece na Bíblia sem nenhuma relação com qualquer ser sobrenatural. No livro do profeta Oséias: “Por causa da gravidade de tua falta, grande é tua hostili- dade [Mastemah] , uma rede está estendida em todos os 74
  • 75. seus caminhos, há hostilidade [Mastemah] na casa do seu Deus” [Os 9,7s.]. Mastemah no Gênesis 22:1-2, Deus submete Abraão à prova pedindo-lhe que sacrifique seu filho Isaac. O verda- deiro significado o fornece o apócrifo Livro dos Jubileus: quando conta o mesmo episódio, é Mastemah quem su- gere a Abraão o sacrifício. Mastemah é um príncipe do céu que, como Satã no Livro de Jó, tem acesso ao trono do Altíssimo. Mastemah desempenha o mesmo ofício e pro- nuncia praticamente as mesmas palavras que Satã no Li- vro de Jó: “Havia vozes no céu a respeito de Abraão; dizia-se que ele era fiel em tudo o que Deus lhe dizia. E o príncipe Mastemah veio e disse em presença de Deus: “Eis que Abraão ama seu filho Isaac. Diz-lhe, pois, que o ofereça em holocausto sobre o altar, e verás se cumpre esta palavra. Reconhecerás então se te é fiel em tudo o que lhe provas” [Jubileus 37:16]. Igualmente: no Êxodo 4:24 se diz que é IHVH quem assalta o incircuncisso Moisés e intenta matá-lo ao regresso do Egito. No livro dos Jubi- leus 48:3, é Mastemah. Mehr - Deus persa da luz e do amor. Minerva - Deusa romana da sabedoria ou da memória, dos ofícios, dos músicos e escribas. Mulciber - Malak comandado por Baalzevuth e espécialista em estratégia de guerra. Nel Biroth - Malak Quirombô é o 7º comandado pelo Hael. Oferendas idênticas ao Serguth induz mocinhas a prostituição. Apresenta-se sob forma feminina podendo 75
  • 76. mudar. Gosta de adornos e cores berrantes, adora galinha. Nesbiros - Malak dos Rios é o comandado direto de Ashtaroth junto com Sagathana. Só recebe as oferendas na beira dos rios. Se apresenta também como Preto-velho. Fornece conhecimento sobre as propriedades dos mine- rais, vegetais e dos animais.Possui a arte da predição e é perito em necromancia. Se apresenta numa aura esverdiada. Naamah - Malak feminino grego da sedução. Uma das esposa de Samael. Ver gênesis 4:22, Josué 15:41, I Reis 14:21 e 14:31. Também II Crônicas 12:13. Rainha dos estrígios. Nagas - Malak 7 cobras. Nabu - Deus de Bavel e da escrita em Moab. Moisés antes de morrer pode ver a terra de Canaã - Deuteronômio 32:49 e 34:01-06. É associado ao Hermes grego e ao Mer- cúrio romano. Nusku - Deus do fogo da Mesopotâmia, ver Isaías 37:38. Nergal - Deus mesopotâmico dos mortos, das guerras e das doenças. Conhecido também como Nergar.. Irmão de Ninghizida e Ninazu [Deus de Eshnuna]. Em sumério é Ukur. Ninhursag-ki - Deusa Mãe da terra, também associada a Ninlil, Ashnan, a Deusa dos cereais. O nome também se associa a Nintur. Associado a Belet ili e Mulittu. Nin-ur-sag - Também chamada de Nin-mah ou Aruru, a senhora da montanha. 76
  • 77. Ninshebargunu - Deusa Suméria de Eresh, ver Gênesis 10:10. Antiga Deusa da agricultura que tem como consorte o Deus Haia do armazenamento. Ningirsu - Deus Sumério associado a Ninurta em Lagash. Senhor de Girsu e Deus dos combates nos tem- pos de Sargon. Associado também ao Deus de Susã Inshushinak e ao Deus Zababa que era adorado em Kish [Kush, na Bíblia Cus]. O nome Ninurta era anteriormente o Deus babilônico Sagush e hoje conhecemos esse nome pelo planeta Saturno. Na Grécia Ningirsu era Cronos “fi- lho de Gaia [céu] e Urano [terra]. Ninurta que resgatou as tábuas do destino a qual haviam as leis que regem o uni- verso, fato este semelhante as tábuas da lei de Moisés. Mas o nome Cronos não tem origem grega. Ele é oriundo da Ásia Menor, onde há um mito semelhante entre os Horitas, citados na Bíblia. Na versão asiática, o Deus dos Horitas, Anu, é castrado e deposto por seu filho Kumarbi. Associado também a Renfã um Deus antigo, adorado como senhor do planeta Saturno, veja em Atos 7:43. Sua pronuncia é associada a Ninrud e Enurta. Caçador e fundador de Bavel, Uruk ‘Ereque’ [hoje Iraque] entre outros. Gênesis 10:08-12. Nihasa - Malak do índio americano.Também conheci- do como Sedit. Nija - Deus polaco do mundo subterrâneo. Nisroch - Deus Assírio adorado por Senacherib. II Reis 19:37 e Isaías 37:38. Do hebraico “nesher”, uma águia. Noctiluca - Malak feminino Dama da Noite. 77