SlideShare uma empresa Scribd logo
3º Trimestre 2015
Lição 11
A Igreja e seu
Testemunho
As ordenanças de
Cristo nas cartas
pastorais
“Por esta causa te deixei em Creta, para que
pusesses em boa ordem as coisas que ainda
restam e, de cidade em cidade,
estabelecesses presbíteros, como já te
mandei.” (Tt 1.5)
A igreja local deve subordinar-se à
orientação de Deus, através de sua
Palavra, que é o “Manual de
Administração Eclesiástica” por
excelência.
Tito 1.4-14
4 a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: graça, misericórdia
e paz, da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo, nosso
Salvador.
5 Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem
as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses
presbíteros, como já te mandei:
6 aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos
fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são
desobedientes.
7 Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da
casa de Deus, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem
espancador, nem cobiçoso de torpe ganância
8 mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo,
temperante,
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
9 retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que
seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para
convencer os contradizentes.
10 Porque há muitos desordenados, faladores, vãos e
enganadores, principalmente os da circuncisão,
11 aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam
casas inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganância.
12 Um deles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre
mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos.
13 Este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os
severamente, para que sejam sãos na fé,
14 não dando ouvidos às fábulas judaicas, nem aos mandamentos
de homens que se desviam da verdade.
INTRODUÇÃO
• Estudaremos a terceira carta pastoral de
Paulo, desta feita destinada ao jovem
obreiro Tito.
• Se Timóteo foi encarregado de transmitir
ensinamentos, exortações e mensagens a
uma igreja que sofria ataques dos falsos
mestres naqueles dias.
• A missão de Tito foi semelhante, porém
com uma incumbência a mais, que foi a
de estabelecer presbíteros, “em cada
cidade” , e pondo em “ordem” coisas que
deveriam ser bem organizadas e
estabelecidas.
I – A EPÍSTOLA ENVIADA A TITO
1. O intento da Epístola.
• Qual era o principal propósito da Carta a
Tito? O objetivo de Paulo era dar conselhos
ao jovem pastor Tito acerca da
responsabilidade que o mesmo havia
recebido.
• Tito recebeu a incumbência de
supervisionar e organizar as igrejas na ilha
de Creta. Tito era grego; acompanhou
Paulo a Jerusalém; contra sua circuncisão o
Apóstolo se manifestou firmemente, (Gl
2.3-5) foi um dos convertidos de Paulo. (Tt
1.4)
Mas nem ainda Tito, que estava comigo,
sendo grego, foi constrangido a circuncidar-
se. Gl 2.3 (ARC)
a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé
comum: graça, misericórdia e paz, da parte de
Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo, nosso
Salvador. Tt 1.4 (ARC).
I – A EPÍSTOLA ENVIADA A TITO
2. Data em que foi escrita.
• Acredita-se que foi escrita entre 64. ou 65.
d.C. aproximadamente. A carta foi escrita na
mesma época da primeira carta a Timóteo.
• A expressão “deixei-te em Creta”, (Tt 1.5
)mostra que Paulo estivera lá com ele. O
navio de Paulo, na viagem a Roma, (At
27.13), tocou na costa sul de Creta, mas é
pouco provável que foi dessa vez que deixou
Tito alí.
• Provavelmente foi redigida na Macedônia,
durante as viagens que Paulo fez quando
esteve sob a custódia dos romanos.
E, soprando o vento sul brandamente, lhes
pareceu terem já o que desejavam, e,
fazendo-se de vela, foram de muito perto
costeando Creta. (At 27.13) ARC.
MACEDÔNIA
I – A EPÍSTOLA ENVIADA A TITO
3. Um viver correto.
• Como ministro do evangelho, Paulo exige
ordem na igreja e que os irmãos vivam de
maneira correta e santa.
• Segundo a Bíblia de Aplicação Pessoal, a
ilha de Creta era conhecida pela preguiça,
glutonaria e maldade de seus habitantes.
• A ilha de Creta também conhecida por
“Cândia”, a Sudoeste da Grécia, entre os
mares Egeu e Mediterrâneo, tendo uns 240
km de extensão e 48 de largura,
Montanhosa mas seus vales eram férteis,
populosos e ricos.
• A igreja de Creta, provavelmente, teve sua
origem com os “cretenses” que estiveram
em Jerusalém no dia de Pentecostes, (At 2.
11).
• Não há menção no N. T. da visita do
apóstolo a Creta além de passar próximo a
costa da ilha na viagem de navio a Roma e
aquela que está implícita nesta carta a
Tito. (Tt 1.5) “Por esta causa te deixei
em Creta...”
e cretenses, e árabes, todos os temos ouvido
em nossas próprias línguas falar das
grandezas de Deus. (At 2.11) ARC.
II – O PASTOR PRECISA PROTEGER O
REBANHO DE DEUS
1. Qualificação dos pastores.
• Em sua carta a Tito, Paulo indica as
qualificações para o presbitério (ou
episcopado) idênticas às qualificações
que constam em 1 Timóteo 3.1-7, já
estudadas na lição 4.
• Em seguida mostra que o “bispo”, o
mesmo que presbítero no texto (Tt 1.5)
deve ser pessoa íntegra, irrepreensível,
“como despenseiro da casa de Deus” (Tt
1.7a).
• Outras qualidades morais requeridas
para quem deseja o presbitério, ou
episcopado (1 Tm 3.1), “com
humildade, “não soberbo”, mansidão,
“não iracundo”; sobriedade em relação
ao uso do vinho.
• seja equilibrado emocionalmente e não
cause escândalo à igreja do Senhor, seja
educada e não seja “espancador de
ninguém (Tt 1.7).
Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja
o episcopado, excelente obra deseja.
(1 Tm 3.1) ARC
II – O PASTOR PRECISA PROTEGER O
REBANHO DE DEUS
2. Crentes, porém problemáticos
• Após discriminar as qualificações
necessárias ao presbítero, Paulo ressalta
o respeito que deve ter à doutrina e a
capacidade e autoridade ministerial para
argumentar contra os contradizentes (Tt
1.9,10)
• A comunidade cristã na ilha de Creta não
devia ter mais que algumas centenas de
cristãos. Mas, no meio deles, surgiram os
“complicados” e “contradizentes”,
“faladores”.
retendo firme a fiel palavra, que é
conforme a doutrina, para que seja
poderoso, tanto para admoestar com a sã
doutrina como para convencer os
contradizentes. Porque há muitos
desordenados, faladores, vãos e
enganadores, principalmente os da
circuncisão. (Tt 1.9,10) ARC
• Tipos não raros em igrejas nos tempos
presentes. Mas o apóstolo indicou a
maneira de tratá-los.
• Aos contradizentes e desobedientes ao
ensino da Palavra de Deus, Paulo
demonstra não ter nenhuma afinidade
com eles, pois são perigosos.
• não só para a igreja local, mas para as
famílias cristãs e devem receber
admoestação e repreensão à altura.
II – O PASTOR PRECISA PROTEGER O
REBANHO DE DEUS
3. Não dar ouvidos a ensinos falsos.
• Não era fácil a missão de Tito. Ele, na
condição de “missionário supervisor”,
estabelecendo igrejas “de cidade em
cidade”, ainda tinha que ministrar a
palavra de edificação e advertência
contra os falsos cristãos.
• Também deveria repreendê-los de
modo veemente, “não dando ouvidos
às fábulas judaicas, nem aos
mandamentos de homens que se
desviam da verdade” (Tt 1.14)
• Nesta seção da carta a Tito, Paulo faz
declaração que tem sido mal entendida
por muitos que leem a epístola. Ele diz
que “todas as coisas são puras para os
puros” (Tt 1.15a).
• Separamos o versículo para melhor
entendimento. Já ouvimos alguém, de
má fé e péssima intenção, querer
interpretar esse versículo ensinando
que, se a pessoa é pura, pode fazer o
que bem quiser, pois “tudo é puro”
para ela.
III – A PERCEPÇÃO DA PUREZA PARA OS PUROS
E PARA OS IMPUROS
1. Tudo é puro para os puros.
• Mas a Bíblia explica a sí mesma. Para o
puro, ou santo, todas as coisas são
puras, porque são “santos em toda a
maneira de viver” (1 Pe 1.5).
• Buscam “a santificação, sem a qual
ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14);
são santificados em tudo e todo
“espírito, alma e corpo” (tricotomia),
são “conservados plenamente
irrepreensíveis para a vinda do Senhor”
(1 Ts 5.23).
• “[...] mas nada é puro para os
contaminados e infiéis; antes o seu
entendimento e consciência estão
contaminados” (Tt 1.15).
• No contexto da carta e no fundo
histórico de sua época, decerto Paulo
tinha em mente os ensinos falsos dos
gnósticos, que apregoavam muitos
ensinos sobre alimentos, vida íntima,
sexualidade e outros temas, os quais
consideravam coisas impuras.
III – A PERCEPÇÃO DA PUREZA PARA OS PUROS
E PARA OS IMPUROS
2. Nada é puro para os
impuros. (v.15)
• Atualmente muitos dizem conhecer a
Deus, porém, se olharmos para suas
atitudes veremos que estes nunca
conheceram ao Senhor.
• A nossa conduta revela a nossa fé e o
nosso relacionamento com Deus. O
que as pessoas aprendem com você
ao observar a sua conduta na igreja e
fora dela?
• Estamos sendo sal da terra e luz do
mundo ? Deus tenha misericórdia de
nós e que possamos sempre agradá-
lo e andar em sua presença.
III – A PERCEPÇÃO DA PUREZA PARA OS PUROS
E PARA OS IMPUROS
3. Conhecem a Deus, mas o
negam com suas atitudes (v.16)
• Uma igreja local, pequena, média ou
grande, é um universo humano, pleno de
grande variedade de circunstâncias e
realidades que envolvem os mais
diferentes tipos de pessoas.
• A administração de uma igreja requer a
observância de preceitos e diretrizes,
emanadas da Palavra de Deus, o maior e
melhor “manual de administração
eclesiástica”.
• Por isso Paulo escreveu três cartas
pastorais, visando o estabelecimento , a
organização e o crescimento sadio da
Igreja do Senhor Jesus.
CONCLUSÃO
A Organização de uma Igreja Local

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Colossenses - Cap. 01 parte 02
Colossenses - Cap. 01 parte 02Colossenses - Cap. 01 parte 02
Colossenses - Cap. 01 parte 02
Daniel M Junior
 
Lição 1 as cartas aos coríntios
Lição 1   as cartas aos coríntiosLição 1   as cartas aos coríntios
Lição 1 as cartas aos coríntios
Tomas Faraci
 
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diáriaA Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
Daniel Junior
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Estudos de Romanos - Parte 2
Estudos de Romanos - Parte 2Estudos de Romanos - Parte 2
Estudos de Romanos - Parte 2
Camila Guimarães
 
39 tito e filemom
39 tito e filemom39 tito e filemom
39 tito e filemom
PIB Penha
 
Apresentação tim
Apresentação timApresentação tim
Apresentação tim
Marcos Francisco
 
Panorama do NT - Tiago
Panorama do NT - TiagoPanorama do NT - Tiago
Panorama do NT - Tiago
Respirando Deus
 
EADE - As epístolas de Paulo (1)
EADE - As epístolas de Paulo (1)EADE - As epístolas de Paulo (1)
EADE - As epístolas de Paulo (1)
Núcleo de Promoção Humana Vinha de Luz
 
Lição 2 o proposito dos dons espirituais
Lição 2 o proposito dos dons espirituaisLição 2 o proposito dos dons espirituais
Lição 2 o proposito dos dons espirituais
pralucianaevangelista
 
38 1 e 2 timoteo=
38   1 e 2 timoteo=38   1 e 2 timoteo=
38 1 e 2 timoteo=
PIB Penha
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Natalino das Neves Neves
 
Aula de gálatas e romanos 04-05-2015
Aula de gálatas e romanos   04-05-2015Aula de gálatas e romanos   04-05-2015
Aula de gálatas e romanos 04-05-2015
Francilene Santos
 
LIÇÃO 01 - UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA
LIÇÃO 01 - UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA LIÇÃO 01 - UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA
LIÇÃO 01 - UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA
Lourinaldo Serafim
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Ismael Isidio
 
Lição 13 - O Cultivo das Relacões Interpessoais
Lição 13 - O Cultivo das Relacões InterpessoaisLição 13 - O Cultivo das Relacões Interpessoais
Lição 13 - O Cultivo das Relacões Interpessoais
Erberson Pinheiro
 
LBA Lição 12 - Cosmovisão missionária
LBA Lição 12 - Cosmovisão missionáriaLBA Lição 12 - Cosmovisão missionária
LBA Lição 12 - Cosmovisão missionária
Natalino das Neves Neves
 
Lição 13 - O Cultivo das Relações InterPessoais.
Lição 13 - O Cultivo das Relações InterPessoais.Lição 13 - O Cultivo das Relações InterPessoais.
Lição 13 - O Cultivo das Relações InterPessoais.
Andrew Guimarães
 
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão MissionáriaLição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
Erberson Pinheiro
 
Panorama do NT - 1Timóteo
Panorama do NT - 1TimóteoPanorama do NT - 1Timóteo
Panorama do NT - 1Timóteo
Respirando Deus
 

Mais procurados (20)

Colossenses - Cap. 01 parte 02
Colossenses - Cap. 01 parte 02Colossenses - Cap. 01 parte 02
Colossenses - Cap. 01 parte 02
 
Lição 1 as cartas aos coríntios
Lição 1   as cartas aos coríntiosLição 1   as cartas aos coríntios
Lição 1 as cartas aos coríntios
 
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diáriaA Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
A Igreja em Corinto: Realidade espiritual x Vivência diária
 
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios10. 2a. epístola de paulo aos corintios
10. 2a. epístola de paulo aos corintios
 
Estudos de Romanos - Parte 2
Estudos de Romanos - Parte 2Estudos de Romanos - Parte 2
Estudos de Romanos - Parte 2
 
39 tito e filemom
39 tito e filemom39 tito e filemom
39 tito e filemom
 
Apresentação tim
Apresentação timApresentação tim
Apresentação tim
 
Panorama do NT - Tiago
Panorama do NT - TiagoPanorama do NT - Tiago
Panorama do NT - Tiago
 
EADE - As epístolas de Paulo (1)
EADE - As epístolas de Paulo (1)EADE - As epístolas de Paulo (1)
EADE - As epístolas de Paulo (1)
 
Lição 2 o proposito dos dons espirituais
Lição 2 o proposito dos dons espirituaisLição 2 o proposito dos dons espirituais
Lição 2 o proposito dos dons espirituais
 
38 1 e 2 timoteo=
38   1 e 2 timoteo=38   1 e 2 timoteo=
38 1 e 2 timoteo=
 
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de CorintoPreleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
Preleção_2021 2 tri_lbj_licao_2_Ação de Graças pela Igreja de Corinto
 
Aula de gálatas e romanos 04-05-2015
Aula de gálatas e romanos   04-05-2015Aula de gálatas e romanos   04-05-2015
Aula de gálatas e romanos 04-05-2015
 
LIÇÃO 01 - UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA
LIÇÃO 01 - UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA LIÇÃO 01 - UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA
LIÇÃO 01 - UMA MENSAGEM À IGREJA LOCAL E À LIDERANÇA
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
 
Lição 13 - O Cultivo das Relacões Interpessoais
Lição 13 - O Cultivo das Relacões InterpessoaisLição 13 - O Cultivo das Relacões Interpessoais
Lição 13 - O Cultivo das Relacões Interpessoais
 
LBA Lição 12 - Cosmovisão missionária
LBA Lição 12 - Cosmovisão missionáriaLBA Lição 12 - Cosmovisão missionária
LBA Lição 12 - Cosmovisão missionária
 
Lição 13 - O Cultivo das Relações InterPessoais.
Lição 13 - O Cultivo das Relações InterPessoais.Lição 13 - O Cultivo das Relações InterPessoais.
Lição 13 - O Cultivo das Relações InterPessoais.
 
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão MissionáriaLição 12 - Cosmovisão Missionária
Lição 12 - Cosmovisão Missionária
 
Panorama do NT - 1Timóteo
Panorama do NT - 1TimóteoPanorama do NT - 1Timóteo
Panorama do NT - 1Timóteo
 

Semelhante a A Organização de uma Igreja Local

Lição 11 a organização de uma igreja local 3º trimestre de 2015
Lição 11   a organização de uma igreja local    3º trimestre de 2015Lição 11   a organização de uma igreja local    3º trimestre de 2015
Lição 11 a organização de uma igreja local 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
Joel Silva
 
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
Joel Silva
 
2015 3º trimestre adultos lição 11.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 11.pptx2015 3º trimestre adultos lição 11.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 11.pptx
Joel Silva
 
Liao11 150911001747-lva1-app6892
Liao11 150911001747-lva1-app6892Liao11 150911001747-lva1-app6892
Liao11 150911001747-lva1-app6892
geraldo eliseu sobral
 
LIÇÃO 11 - A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCAL
LIÇÃO 11 - A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCALLIÇÃO 11 - A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCAL
LIÇÃO 11 - A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCAL
Lourinaldo Serafim
 
A organização de uma igreja local
A organização de uma igreja localA organização de uma igreja local
A organização de uma igreja local
Ailton da Silva
 
EBD CPAD Lições bíblicas 3°trimestre 2015 aula 11 A organização de uma igreja...
EBD CPAD Lições bíblicas 3°trimestre 2015 aula 11 A organização de uma igreja...EBD CPAD Lições bíblicas 3°trimestre 2015 aula 11 A organização de uma igreja...
EBD CPAD Lições bíblicas 3°trimestre 2015 aula 11 A organização de uma igreja...
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Pr. Gerson Eller
 
Panorama do NT - Tito
Panorama do NT - TitoPanorama do NT - Tito
Panorama do NT - Tito
Respirando Deus
 
Exortações Gerais
Exortações GeraisExortações Gerais
Exortações Gerais
Antonio Fernandes
 
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaLição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Tcc Final
 
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇAINSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
Elson Juvenal Pinto Loureiro
 
Lição 5 apostasia, fidelidade e diligência no ministério 3º trimestre de 2015
Lição 5 apostasia, fidelidade e diligência no ministério 3º trimestre de 2015Lição 5 apostasia, fidelidade e diligência no ministério 3º trimestre de 2015
Lição 5 apostasia, fidelidade e diligência no ministério 3º trimestre de 2015
Andrew Guimarães
 
9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
Samarone Melo
 
SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...
SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...
SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...
PaulaSilva605115
 
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintiosEstudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Jose Emerson Barbosa da Silva
 

Semelhante a A Organização de uma Igreja Local (20)

Lição 11 a organização de uma igreja local 3º trimestre de 2015
Lição 11   a organização de uma igreja local    3º trimestre de 2015Lição 11   a organização de uma igreja local    3º trimestre de 2015
Lição 11 a organização de uma igreja local 3º trimestre de 2015
 
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
 
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos3º trimestre 2015 lição 11 adultos
3º trimestre 2015 lição 11 adultos
 
2015 3º trimestre adultos lição 11.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 11.pptx2015 3º trimestre adultos lição 11.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 11.pptx
 
Liao11 150911001747-lva1-app6892
Liao11 150911001747-lva1-app6892Liao11 150911001747-lva1-app6892
Liao11 150911001747-lva1-app6892
 
LIÇÃO 11 - A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCAL
LIÇÃO 11 - A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCALLIÇÃO 11 - A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCAL
LIÇÃO 11 - A ORGANIZAÇÃO DE UMA IGREJA LOCAL
 
A organização de uma igreja local
A organização de uma igreja localA organização de uma igreja local
A organização de uma igreja local
 
EBD CPAD Lições bíblicas 3°trimestre 2015 aula 11 A organização de uma igreja...
EBD CPAD Lições bíblicas 3°trimestre 2015 aula 11 A organização de uma igreja...EBD CPAD Lições bíblicas 3°trimestre 2015 aula 11 A organização de uma igreja...
EBD CPAD Lições bíblicas 3°trimestre 2015 aula 11 A organização de uma igreja...
 
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
 
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
EPÍSTOLAS PAULINAS E GERAIS (AULA 03-1 - BÁSICO - IBADEP)
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderança
 
Panorama do NT - Tito
Panorama do NT - TitoPanorama do NT - Tito
Panorama do NT - Tito
 
Exortações Gerais
Exortações GeraisExortações Gerais
Exortações Gerais
 
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaLição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Lição 1 - 5 de julho de 2015 - Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
 
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇAINSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
INSTRUÇOES A IGREJA LOCAL E A LIDERANÇA
 
Lição 5 apostasia, fidelidade e diligência no ministério 3º trimestre de 2015
Lição 5 apostasia, fidelidade e diligência no ministério 3º trimestre de 2015Lição 5 apostasia, fidelidade e diligência no ministério 3º trimestre de 2015
Lição 5 apostasia, fidelidade e diligência no ministério 3º trimestre de 2015
 
9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios9. epístola de paulo 1' coríntios
9. epístola de paulo 1' coríntios
 
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
APOSTASIA, FIDELIDADE E DILIGÊNCIA NO MINISTÉRIO LIÇÃO 05
 
SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...
SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...
SLIDES - EBD - Lição 13 - [Jovens] - Organizar a igreja em Creta - 3 Trimestr...
 
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintiosEstudo da 1ª carta de paulo a corintios
Estudo da 1ª carta de paulo a corintios
 

Mais de Antonio Fernandes

Cristo Revelado em Nós
Cristo Revelado em NósCristo Revelado em Nós
Cristo Revelado em Nós
Antonio Fernandes
 
O Líder Diante da Chegada da Morte
O Líder Diante da Chegada da MorteO Líder Diante da Chegada da Morte
O Líder Diante da Chegada da Morte
Antonio Fernandes
 
A Corrupção dos Últimos Dias
A Corrupção dos Últimos DiasA Corrupção dos Últimos Dias
A Corrupção dos Últimos Dias
Antonio Fernandes
 
Aprovados por Deus em Cristo Jesus
Aprovados por Deus em Cristo JesusAprovados por Deus em Cristo Jesus
Aprovados por Deus em Cristo Jesus
Antonio Fernandes
 
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Antonio Fernandes
 
Pastores e Diáconos
Pastores e DiáconosPastores e Diáconos
Pastores e Diáconos
Antonio Fernandes
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs
Oração e Recomendação às Mulheres CristãsOração e Recomendação às Mulheres Cristãs
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs
Antonio Fernandes
 
O Evangelho da Graça
O Evangelho da GraçaO Evangelho da Graça
O Evangelho da Graça
Antonio Fernandes
 
Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaUma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Antonio Fernandes
 
A unidade da Igreja
A unidade da IgrejaA unidade da Igreja
A unidade da Igreja
Antonio Fernandes
 
A Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaA Origem e História da Bíblia
A Origem e História da Bíblia
Antonio Fernandes
 
Simpósio de EBD
Simpósio de EBDSimpósio de EBD
Simpósio de EBD
Antonio Fernandes
 
O Cuidado ao Falar e a Religião Pura
O Cuidado ao Falar e a Religião PuraO Cuidado ao Falar e a Religião Pura
O Cuidado ao Falar e a Religião Pura
Antonio Fernandes
 
Dons de Revelação
Dons de RevelaçãoDons de Revelação
Dons de Revelação
Antonio Fernandes
 
As Leis Civis Entregues Por Moisés
  As Leis Civis Entregues Por Moisés  As Leis Civis Entregues Por Moisés
As Leis Civis Entregues Por Moisés
Antonio Fernandes
 
Um Lugar de Adoração a Deus no Deserto
Um Lugar de Adoração a Deus no DesertoUm Lugar de Adoração a Deus no Deserto
Um Lugar de Adoração a Deus no Deserto
Antonio Fernandes
 
Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
 Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
Antonio Fernandes
 
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
Antonio Fernandes
 
Os Dez Mandamentos do Senhor
Os Dez Mandamentos do SenhorOs Dez Mandamentos do Senhor
Os Dez Mandamentos do Senhor
Antonio Fernandes
 
Lição 6 A Peregrinação de Israel no Deserto até o Sinai
Lição 6   A Peregrinação de Israel no Deserto até o SinaiLição 6   A Peregrinação de Israel no Deserto até o Sinai
Lição 6 A Peregrinação de Israel no Deserto até o Sinai
Antonio Fernandes
 

Mais de Antonio Fernandes (20)

Cristo Revelado em Nós
Cristo Revelado em NósCristo Revelado em Nós
Cristo Revelado em Nós
 
O Líder Diante da Chegada da Morte
O Líder Diante da Chegada da MorteO Líder Diante da Chegada da Morte
O Líder Diante da Chegada da Morte
 
A Corrupção dos Últimos Dias
A Corrupção dos Últimos DiasA Corrupção dos Últimos Dias
A Corrupção dos Últimos Dias
 
Aprovados por Deus em Cristo Jesus
Aprovados por Deus em Cristo JesusAprovados por Deus em Cristo Jesus
Aprovados por Deus em Cristo Jesus
 
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
 
Pastores e Diáconos
Pastores e DiáconosPastores e Diáconos
Pastores e Diáconos
 
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs
Oração e Recomendação às Mulheres CristãsOração e Recomendação às Mulheres Cristãs
Oração e Recomendação às Mulheres Cristãs
 
O Evangelho da Graça
O Evangelho da GraçaO Evangelho da Graça
O Evangelho da Graça
 
Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à LiderançaUma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
Uma Mensagem à Igreja Local e à Liderança
 
A unidade da Igreja
A unidade da IgrejaA unidade da Igreja
A unidade da Igreja
 
A Origem e História da Bíblia
A Origem e História da BíbliaA Origem e História da Bíblia
A Origem e História da Bíblia
 
Simpósio de EBD
Simpósio de EBDSimpósio de EBD
Simpósio de EBD
 
O Cuidado ao Falar e a Religião Pura
O Cuidado ao Falar e a Religião PuraO Cuidado ao Falar e a Religião Pura
O Cuidado ao Falar e a Religião Pura
 
Dons de Revelação
Dons de RevelaçãoDons de Revelação
Dons de Revelação
 
As Leis Civis Entregues Por Moisés
  As Leis Civis Entregues Por Moisés  As Leis Civis Entregues Por Moisés
As Leis Civis Entregues Por Moisés
 
Um Lugar de Adoração a Deus no Deserto
Um Lugar de Adoração a Deus no DesertoUm Lugar de Adoração a Deus no Deserto
Um Lugar de Adoração a Deus no Deserto
 
Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
 Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
Moisés – Sua liderança e Seus Auxiliares
 
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
Moisés - Sua Liderança e Seus Auxiliares
 
Os Dez Mandamentos do Senhor
Os Dez Mandamentos do SenhorOs Dez Mandamentos do Senhor
Os Dez Mandamentos do Senhor
 
Lição 6 A Peregrinação de Israel no Deserto até o Sinai
Lição 6   A Peregrinação de Israel no Deserto até o SinaiLição 6   A Peregrinação de Israel no Deserto até o Sinai
Lição 6 A Peregrinação de Israel no Deserto até o Sinai
 

Último

Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Nilson Almeida
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Celso Napoleon
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
André Ricardo Marcondes
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
ElijainaVelozoGonalv
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
ESCRIBA DE CRISTO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
AlessandroSanches8
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
JonasRibeiro61
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
ayronleonardo
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
SrgioLinsPessoa
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Celso Napoleon
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
ESCRIBA DE CRISTO
 

Último (18)

Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos AgricultoresOração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
Oração Para Pedir Bênçãos Aos Agricultores
 
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptxLição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
Lição 10 - Desenvolvendo Uma Consciência de Santidade.pptx
 
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO      [MUSEOLOGIA]
MUSEU EGÍPCIO DO CAIRO [MUSEOLOGIA]
 
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino FinalTornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
Tornar se Como Deus - A Cabala E Nosso Destino Final
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docxPONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
PONTOS PRINCIPAIS DA VIDA DE ZAQUEU O SERMÃO.docx
 
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
1984 DE GEORGE ORWELL ILUSTRADO E COMENTADO
 
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução AnimicaEscola de A E Aula 96 Evolução Animica
Escola de A E Aula 96 Evolução Animica
 
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptxA CRUZ DE CRISTO-  ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
A CRUZ DE CRISTO- ELE MORREU PARA NOS SALVAE.pptx
 
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]PEDRO NUNCA FOI PAPA   [COM COMENTÁRIOS]
PEDRO NUNCA FOI PAPA [COM COMENTÁRIOS]
 
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimentoHabacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
Habacuque.docx estudo bíblico, conhecimento
 
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdfAula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
Aula02_Métodos de Interpretacao Bíblica_Prof. Gerson Willy.pdf
 
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptxLição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
Lição 11 - A Realidade Bíblica do Inferno.pptx
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdfO-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
O-livro-de-Jasher-O-Justo, the book of jasher.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOSDIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
DIDÁTICA MAGNA DE COMENIUS COM COMENTÁRIOS
 

A Organização de uma Igreja Local

  • 1. 3º Trimestre 2015 Lição 11 A Igreja e seu Testemunho As ordenanças de Cristo nas cartas pastorais
  • 2. “Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei.” (Tt 1.5)
  • 3. A igreja local deve subordinar-se à orientação de Deus, através de sua Palavra, que é o “Manual de Administração Eclesiástica” por excelência.
  • 4. Tito 1.4-14 4 a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: graça, misericórdia e paz, da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador. 5 Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam e, de cidade em cidade, estabelecesses presbíteros, como já te mandei: 6 aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes. 7 Porque convém que o bispo seja irrepreensível como despenseiro da casa de Deus, não soberbo, nem iracundo, nem dado ao vinho, nem espancador, nem cobiçoso de torpe ganância 8 mas dado à hospitalidade, amigo do bem, moderado, justo, santo, temperante, LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
  • 5. 9 retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes. 10 Porque há muitos desordenados, faladores, vãos e enganadores, principalmente os da circuncisão, 11 aos quais convém tapar a boca; homens que transtornam casas inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganância. 12 Um deles, seu próprio profeta, disse: Os cretenses são sempre mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos. 13 Este testemunho é verdadeiro. Portanto, repreende-os severamente, para que sejam sãos na fé, 14 não dando ouvidos às fábulas judaicas, nem aos mandamentos de homens que se desviam da verdade.
  • 6. INTRODUÇÃO • Estudaremos a terceira carta pastoral de Paulo, desta feita destinada ao jovem obreiro Tito. • Se Timóteo foi encarregado de transmitir ensinamentos, exortações e mensagens a uma igreja que sofria ataques dos falsos mestres naqueles dias. • A missão de Tito foi semelhante, porém com uma incumbência a mais, que foi a de estabelecer presbíteros, “em cada cidade” , e pondo em “ordem” coisas que deveriam ser bem organizadas e estabelecidas.
  • 7. I – A EPÍSTOLA ENVIADA A TITO 1. O intento da Epístola. • Qual era o principal propósito da Carta a Tito? O objetivo de Paulo era dar conselhos ao jovem pastor Tito acerca da responsabilidade que o mesmo havia recebido. • Tito recebeu a incumbência de supervisionar e organizar as igrejas na ilha de Creta. Tito era grego; acompanhou Paulo a Jerusalém; contra sua circuncisão o Apóstolo se manifestou firmemente, (Gl 2.3-5) foi um dos convertidos de Paulo. (Tt 1.4) Mas nem ainda Tito, que estava comigo, sendo grego, foi constrangido a circuncidar- se. Gl 2.3 (ARC) a Tito, meu verdadeiro filho, segundo a fé comum: graça, misericórdia e paz, da parte de Deus Pai e da do Senhor Jesus Cristo, nosso Salvador. Tt 1.4 (ARC).
  • 8. I – A EPÍSTOLA ENVIADA A TITO 2. Data em que foi escrita. • Acredita-se que foi escrita entre 64. ou 65. d.C. aproximadamente. A carta foi escrita na mesma época da primeira carta a Timóteo. • A expressão “deixei-te em Creta”, (Tt 1.5 )mostra que Paulo estivera lá com ele. O navio de Paulo, na viagem a Roma, (At 27.13), tocou na costa sul de Creta, mas é pouco provável que foi dessa vez que deixou Tito alí. • Provavelmente foi redigida na Macedônia, durante as viagens que Paulo fez quando esteve sob a custódia dos romanos. E, soprando o vento sul brandamente, lhes pareceu terem já o que desejavam, e, fazendo-se de vela, foram de muito perto costeando Creta. (At 27.13) ARC. MACEDÔNIA
  • 9. I – A EPÍSTOLA ENVIADA A TITO 3. Um viver correto. • Como ministro do evangelho, Paulo exige ordem na igreja e que os irmãos vivam de maneira correta e santa. • Segundo a Bíblia de Aplicação Pessoal, a ilha de Creta era conhecida pela preguiça, glutonaria e maldade de seus habitantes. • A ilha de Creta também conhecida por “Cândia”, a Sudoeste da Grécia, entre os mares Egeu e Mediterrâneo, tendo uns 240 km de extensão e 48 de largura, Montanhosa mas seus vales eram férteis, populosos e ricos. • A igreja de Creta, provavelmente, teve sua origem com os “cretenses” que estiveram em Jerusalém no dia de Pentecostes, (At 2. 11). • Não há menção no N. T. da visita do apóstolo a Creta além de passar próximo a costa da ilha na viagem de navio a Roma e aquela que está implícita nesta carta a Tito. (Tt 1.5) “Por esta causa te deixei em Creta...” e cretenses, e árabes, todos os temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus. (At 2.11) ARC.
  • 10. II – O PASTOR PRECISA PROTEGER O REBANHO DE DEUS 1. Qualificação dos pastores. • Em sua carta a Tito, Paulo indica as qualificações para o presbitério (ou episcopado) idênticas às qualificações que constam em 1 Timóteo 3.1-7, já estudadas na lição 4. • Em seguida mostra que o “bispo”, o mesmo que presbítero no texto (Tt 1.5) deve ser pessoa íntegra, irrepreensível, “como despenseiro da casa de Deus” (Tt 1.7a). • Outras qualidades morais requeridas para quem deseja o presbitério, ou episcopado (1 Tm 3.1), “com humildade, “não soberbo”, mansidão, “não iracundo”; sobriedade em relação ao uso do vinho. • seja equilibrado emocionalmente e não cause escândalo à igreja do Senhor, seja educada e não seja “espancador de ninguém (Tt 1.7). Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. (1 Tm 3.1) ARC
  • 11. II – O PASTOR PRECISA PROTEGER O REBANHO DE DEUS 2. Crentes, porém problemáticos • Após discriminar as qualificações necessárias ao presbítero, Paulo ressalta o respeito que deve ter à doutrina e a capacidade e autoridade ministerial para argumentar contra os contradizentes (Tt 1.9,10) • A comunidade cristã na ilha de Creta não devia ter mais que algumas centenas de cristãos. Mas, no meio deles, surgiram os “complicados” e “contradizentes”, “faladores”. retendo firme a fiel palavra, que é conforme a doutrina, para que seja poderoso, tanto para admoestar com a sã doutrina como para convencer os contradizentes. Porque há muitos desordenados, faladores, vãos e enganadores, principalmente os da circuncisão. (Tt 1.9,10) ARC • Tipos não raros em igrejas nos tempos presentes. Mas o apóstolo indicou a maneira de tratá-los. • Aos contradizentes e desobedientes ao ensino da Palavra de Deus, Paulo demonstra não ter nenhuma afinidade com eles, pois são perigosos. • não só para a igreja local, mas para as famílias cristãs e devem receber admoestação e repreensão à altura.
  • 12. II – O PASTOR PRECISA PROTEGER O REBANHO DE DEUS 3. Não dar ouvidos a ensinos falsos. • Não era fácil a missão de Tito. Ele, na condição de “missionário supervisor”, estabelecendo igrejas “de cidade em cidade”, ainda tinha que ministrar a palavra de edificação e advertência contra os falsos cristãos. • Também deveria repreendê-los de modo veemente, “não dando ouvidos às fábulas judaicas, nem aos mandamentos de homens que se desviam da verdade” (Tt 1.14)
  • 13. • Nesta seção da carta a Tito, Paulo faz declaração que tem sido mal entendida por muitos que leem a epístola. Ele diz que “todas as coisas são puras para os puros” (Tt 1.15a). • Separamos o versículo para melhor entendimento. Já ouvimos alguém, de má fé e péssima intenção, querer interpretar esse versículo ensinando que, se a pessoa é pura, pode fazer o que bem quiser, pois “tudo é puro” para ela. III – A PERCEPÇÃO DA PUREZA PARA OS PUROS E PARA OS IMPUROS 1. Tudo é puro para os puros. • Mas a Bíblia explica a sí mesma. Para o puro, ou santo, todas as coisas são puras, porque são “santos em toda a maneira de viver” (1 Pe 1.5). • Buscam “a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hb 12.14); são santificados em tudo e todo “espírito, alma e corpo” (tricotomia), são “conservados plenamente irrepreensíveis para a vinda do Senhor” (1 Ts 5.23).
  • 14. • “[...] mas nada é puro para os contaminados e infiéis; antes o seu entendimento e consciência estão contaminados” (Tt 1.15). • No contexto da carta e no fundo histórico de sua época, decerto Paulo tinha em mente os ensinos falsos dos gnósticos, que apregoavam muitos ensinos sobre alimentos, vida íntima, sexualidade e outros temas, os quais consideravam coisas impuras. III – A PERCEPÇÃO DA PUREZA PARA OS PUROS E PARA OS IMPUROS 2. Nada é puro para os impuros. (v.15)
  • 15. • Atualmente muitos dizem conhecer a Deus, porém, se olharmos para suas atitudes veremos que estes nunca conheceram ao Senhor. • A nossa conduta revela a nossa fé e o nosso relacionamento com Deus. O que as pessoas aprendem com você ao observar a sua conduta na igreja e fora dela? • Estamos sendo sal da terra e luz do mundo ? Deus tenha misericórdia de nós e que possamos sempre agradá- lo e andar em sua presença. III – A PERCEPÇÃO DA PUREZA PARA OS PUROS E PARA OS IMPUROS 3. Conhecem a Deus, mas o negam com suas atitudes (v.16)
  • 16. • Uma igreja local, pequena, média ou grande, é um universo humano, pleno de grande variedade de circunstâncias e realidades que envolvem os mais diferentes tipos de pessoas. • A administração de uma igreja requer a observância de preceitos e diretrizes, emanadas da Palavra de Deus, o maior e melhor “manual de administração eclesiástica”. • Por isso Paulo escreveu três cartas pastorais, visando o estabelecimento , a organização e o crescimento sadio da Igreja do Senhor Jesus. CONCLUSÃO

Notas do Editor

  1. Alguns anos mais tarde, Tito aparece com o apóstolo em Éfeso, de onde é enviado a Corinto, encontrou Paulo na Macedônia e, depois de lhe expor a situação, foi mandado de volta aquela cidade, na frente do apóstolo, levando a Segunda epístola aos Coríntios, para preparar o caminho à ida de Paulo e terminar o levantamento da oferta, 2 Co 2.3, 12,13; o fato de Tito ser escolhido para investigar a situação aflitiva em Corinto indica que Paulo devia considerá-lo um líder cristão de muita capacidade e cheio de prudência. A outra vez que ouvimos dele´, uns 7 ou 8 anos mais tarde, é nesta Carta, que é escrita, por volta de 65 d.C. a expressão “deixei-te em Creta”, indica que Paulo já estivera lá com ele.
  2. Ao aceitar a Cristo como Salvador, o novo convertido torna-se santo pela lavagem da regeneração do Espírito (Tt 3.5), por meio da Palavra de Deus (Ef 5.26). A santificação é também um processo gradual que conduz ao aperfeiçoamento do caráter e da vida espiritual do crente, tornando-o participante da natureza divina (2 Pe 1.4). Sem a santificação jamais alguém verá a Deus (Hb 12.14).
  3. Em sua carta á Tito, Paulo enfatiza as qualificações do bispo, em relação a família, como homem casado, fiel à sua esposa e na criação de seus filhos de forma exemplar (v.6). Paulo diz que os filhos dos ministros, presbíteros ou pastores, não devem ser “acusados de dissolução”, nem de serem “desobedientes”. No original, tais adjetivos vêm de anupotaktos, ”não sujeito”, “indisciplinado”, “desobedientes”.
  4. O fato de tais falsos crentes terem espaço para transtornar “casas inteiras” se devia à realidade das igrejas cristãs em seus primórdios. Elas funcionavam, em grande parte, nas residências dos convertidos (Rm 16.5; 1 Co 16.19; Cl 4.15). Além de desordenadores, eles são “faladores” e murmuradores.
  5. Isso mostra que os falsos mestres e os falsos cristãos eram homens que queriam manter os novos convertidos sujeitos ao judaísmo e comportavam-se como se fossem formuladores de doutrinas com seus mandamentos espúrios. Mais adiante, Paulo resume como tratar os desviados e hereges: “Ao homem herege , depois de uma e outra admoestação, evita-o” (Tt 3.10).
  6. Aqueles que vivem de modo santo não veem mal em tudo, pois seus olhos são bons, santos. Isso é reflexo de suas mentes e corações bondosos. Deus nos chamou para sermos santos em todas as esferas e aspectos da nossa vida (1 Pe 1.15). Quem despreza esse ensino não despreza ao homem, mas a Deus.