SlideShare uma empresa Scribd logo
www.ventuscore.comA Nova NB1 e as Estruturas de ConcretoO que mudou?
www.ventuscore.comPalestranteEgydio Hervé NetoEngenheiro Civil – UFRGS/1971Com formação complementar em Auditoria e Sistemas da Qualidade pelo INMETRO, Auditor QUALIHAB-SPDiversos Cursos de Tecnologia de Concreto pela ABCP RS e SP onde atuou por 11 anosExecutivo de grandes empresas nacionais (CONCREMAT, CONCRETEX, FORBETON, JAAKO PÖYRY)Executou grandes obras para Superporto de Rio Grande (RS), COPESUL (RS), FERROBAN (SP), Bridgestone/Firestone (SP), Procter & Gamble (SP), PMSP, CET (SP)É Diretor da VentusCore Soluções em Concreto, de Porto Alegre/RS
www.ventuscore.comCÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N.º 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990Art. 2º - Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produtos ou serviços como destinatário final. Art. 3º - Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividades de produção, montagem, criação, construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços.§ 1º - Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial.§ 2º - Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes das relações de caráter trabalhista.
www.ventuscore.comCÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N.º 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990SEÇÃO IIDA RESPONSABILIDADE PELOFATO DO PRODUTO E DO SERVIÇO Art. 12 - O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos.
www.ventuscore.comCÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N.º 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990SEÇÃO IV - DAS PRÁTICAS ABUSIVASArt. 39 - É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços:VIII - colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas específicas não existirem, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - CONMETRO;
www.ventuscore.comNBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - ProcedimentoSegurança estruturalResistir ao usoResistir ao ambiente5.1 Requisitos de qualidade da estrutura5.1.2 Classificação dos requisitos de qualidade da estrutura5.1.2.1 Capacidade resistente5.1.2.2 Desempenho em serviço5.1.2.3 Durabilidade
www.ventuscore.com6 Diretrizes para durabilidade das estruturas de concreto6.1 Exigências de durabilidadeAs estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que sob as condições ambientais previstas na época de projeto e quando utilizadas conforme preconizado em projeto conservem suas segurança, estabilidade e aptidão em serviço durante o período correspondente à sua vida útil.NBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - ProcedimentoAqueduto Pont du Gard (França) 150 DC > 2004
www.ventuscore.com6.2 Vida útil de projeto6.2.1 Por vida útil de projeto, entende-se o período de tempo durante o qual se mantêm as características das estruturas de concreto, desde que atendidos os requisitos de uso e manutenção prescritos pelo projetista e pelo construtor, conforme 7.8 e 25.4, bem como de execução dos reparos necessários decorrentes de danos acidentais.NBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - ProcedimentoEdifício Martinelli 1929 Inauguração (SP)Edifício Martinelli 20011Sede da SEHAB PMSP
www.ventuscore.com7.8 Inspeção e manutenção preventiva7.8.1 O conjunto de projetos relativos a uma obra deve orientar-se sob uma estratégia explícita que facilite procedimentos de inspeção e manutenção preventiva da construção.7.8.2 O manual de utilização, inspeção e manutenção deve ser produzido conforme 25.4.NBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - Procedimento
www.ventuscore.com25.4 Manual de utilização, inspeção e manutençãoDependendo do porte da construção e da agressividade do meio e de posse das informações dos projetos, dos materiais e produtos utilizados e da execução da obra, deve ser produzido por profissional habilitado, devidamente contratado pelo contratante, um manual de utilização, inspeção e manutenção. Esse manual deve explicar, de forma clara e sucinta, os requisitos básicos para a utilização e a manutenção preventiva, necessárias para garantir a vida útil prevista para a estrutura, conforme indicado pela NBR5674.NBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - Procedimento
www.ventuscore.comIntroduçãoA manutenção de Edificações é um tema cuja importância tem crescido no setor da construção civil, superando, gradualmente, a cultura de se pensar o processo de construção limitado até o momento quando a edificação é entregue e entra em uso.As edificações são o suporte físico para a realização direta ou indireta de todas as atividades produtivas, e possuem, portanto, um valor social fundamental. Toda via as edificações apresentam uma característica que as diferencia de outros produtos: elas são construídas para atender seus usuários durante muitos anos, e ao longo deste tempo de serviço devem apresentar condições adequadas ao uso a que se destinam, resistindo aos agentes ambientais e de uso que alteram suas propriedades técnicas iniciais.NBR5674:1999Manutenção de Edificações - Procedimento
www.ventuscore.comIntrodução...A omissão em relação à necessária atenção para a manutenção das edificações pode ser constatada nos freqüentes casos de edificações retiradas de serviço muito antes de cumprida a sua vida útil projetada (pontes, viadutos, escolas), causando muitos transtornos aos seus usuários e um sobrecusto em intensivos serviços de recuperação ou construção de novas edificações. Seguramente, pior é a obrigatória tolerância, por falta de alternativas, ao uso de edificações cujo desempenho atingiu níveis inferiores ao mínimo recomendável para um uso saudável, higiênico ou seguro. Tudo isto possui um custo social que não é contabilizado, mas se reflete na qualidade de vida das pessoas.NBR5674:1999Manutenção de Edificações - Procedimento
www.ventuscore.comIntrodução...Técnicas de avaliação pós ocupação (APO) têm sido utilizadas para retornar às etapas de projeto e execução as informações sobre as condições reais de apropriação pelos usuários do espaço construído, identificadas a partir de observações das etapas de operação, uso e manutenção. A qualificação da documentação técnica produzida ao longo das etapas de projeto e execução e seu direcionamento para esclarecer dúvidas relativas às etapas de operação uso e manutenção, sistematizadas na forma de manuais de operação, uso e manutenção das edificações tem sido outro instrumento para melhorar a comunicação no processo, e este é o objeto de atenção desta Norma.NBR14037:1998Manual de operação, uso e manutenção das edificações – Conteúdo e recomendações para elaboração e apresentação
www.ventuscore.comDurabilidade - Situação ConstatadaBrasilEuropaConcreto fc28 = 33 MPa (resistência cúbica):Concreto fc28 = 35 MPa (resistência cúbica):1950 - a/c = 0,50
1990 - a/c = 0,70
Constatação de patologias precoces em obras no exterior (80’s) e no Brasil (90’s);
Redução do consumo de cimento/m3 para as mesmas resistências;
Crescimento da agressividade do ambiente urbano;
Novas considerações de cálculo relativas às deformações em novos métodos construtivos.www.ventuscore.comDurabilidade - Situação ConstatadaO aumento da relação a/c para as mesmas resistências resultou em concretos mais porosos, mais frágeis (menos “elásticos”).
A intempérie e os agentes agressivos na atmosfera encontraram caminho mais fácil à penetração.
As estruturas tornaram-se mais fissuráveis em intensidade e abertura. www.ventuscore.comNormalização Brasileira – Estruturas de ConcretoNBR6118:2003
 NBR14931:2003
 NBR 7212:1984
NBR12655:1992
1996
NBR5674:1999ProjetoExecuçãoProduçãoControleUso e ManutençãoNBR6118:1978
www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimentoO ProprietárioO Responsável Técnico designado pelo ProprietárioO Profissional Responsável pelo Projeto EstruturalO Profissional Responsável pela Execução da obraO Responsável pelo recebimento do concretoItem 5: “Responsabilidade pela composição e propriedades do concreto”
www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimento	Item 5 “Responsabilidade pela composição e propriedades do concreto”:	“O proprietário da obra ou o responsável técnico por ele designado deve garantir o cumprimento desta Norma e manter documentação que comprove a qualidade do concreto”
www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimentoItem 5.1 “Profissional Responsável pelo Projeto Estrutural”Cabem a este profissional as seguintes responsabilidades:	a) registro da resistência característica do concreto fck em todos os desenhos e memórias que descrevem o projeto tecnicamente;	b) especificação, quando necessário, dos valores de fck para as etapas construtivas, tais como: retirada de cimbramento, aplicação de protensão ou manuseio de pré-moldados;	c) especificação dos requisitos correspondentes à durabilidade da estrutura e de propriedades especiais do concreto, tais como: 	consumo mínimo de cimento, relação água/cimento, módulo de deformação estático mínimo na idade de desforma e outras propriedades necessárias à estabilidade e durabilidade da estrutura, durante a fase construtiva e durante a vida útil, de acordo com a NBR 6118.
www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimentoc) escolha do tipo de concreto a ser empregado e sua consistência, dimensão máxima do agregado e demais propriedades, de acordo com o projeto e com as condições de aplicação;d) atendimento a todos os requisitos de projeto, inclusive quanto à escolha do tipo de cimento portland a ser empregado;e) aceitação do concreto;f) cuidados requeridos pelo processo construtivo e pela retirada do escoramento, levando em consideração as peculiaridades dos materiais (em particular do cimento) e as condições de temperatura.Item 5.2 “Profissional Responsável pela Execução da Obra”Ao profissional responsável pela execução da estrutura de concreto cabem as seguintes responsabilidades:a) escolha da modalidade de preparo do concreto;b) quando a modalidade for concreto preparado pelo executante da obra, este deve ser o responsável pelas etapas de execução do concreto e pela definição da condição de preparo
www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimentoItem 5.2 “Responsável pelo Recebimento do Concreto”	O responsável pelo recebimento do concreto1 é o proprietário da obra ou o responsável técnico pela obra, designado pelo proprietário. A documentação comprobatória do cumprimento desta Norma (relatórios de ensaios, laudos e outros) deve estar disponível no canteiro de obra, durante toda a construção, e ser arquivada e preservada pelo prazo previsto na legislação vigente.1 Item 4.5: “O recebimento do concreto consiste na verificação do cumprimento desta Norma, através da análise e aprovação da documentação correspondente, no que diz respeito às etapas de execução do concreto e sua aceitação.”
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Item 6.3: “Mecanismos de envelhecimento e deterioração”Relativos ao concreto: lixiviação por águas puras, carbônicas agressivas ou ácidas, que atacam a pasta do cimento;expansão por ação de águas e solos  contaminados com sulfatos;Expansão por reação álcali/agregados;Agregados ferruginosos.Relativos à armadura:Despassivação por carbonatação;Despassivação por cloretos.Estrutura propriamente dita:Ações mecânicas, térmicas, impactos, vibrações, retração, fluência e relaxação.
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Item 6.4: “Agressividade do ambiente”Ações físicas e químicas devido ao meio ambienteTabela 6.1 – “Classes de Agressividade ambiental”
O Projetista poderá definir classe mais agressiva do que a considerada na tabela.www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Item 7: “Critérios de projeto que visam a durabilidade”Drenagem: evitar acúmulo de águas paradas, prever mecanismos de drenagem, selar juntas, proteger platibandas, paredes, beirais;Formas arquitetônicas e estruturais: evitar soluções de menor durabilidade, prever inspeção e manutenção em mecanismos de menor durabilidade: aparelhos de apoio, impermeabilizações, etc.;Qualidade do concreto do cobrimento: definido na tabela 7.1;
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Item 7: “Critérios de projeto que visam a durabilidade”Espessura do cobrimento: definido na tabela 7.2 (Cnom = Cmin+Dc; Dc = 10mm);Detalhamento das armaduras de modo a facilitar a concretagem e o cobrimento protetor do concreto;Controle de fissuração, limitando abertura;Proteção em situações especiais de exposição;Inspeção e manutenção preventivas.
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003	Novas considerações de cálculo relativas às deformações em novos métodos construtivos:O capítulo das deformações do concreto, é hoje merecedor de abordagem especial na NBR6118 (“Anexo A – Efeito do tempo no Concreto Estrutural”) que apresenta considerações sobre deformação imediata,deformação por fluência e deformação por retração, a serem consideradas no cálculo de forma objetiva, para prevenir e controlar as deformações  e fissuras, efeitos indesejáveis que surgem da aceleração não controlada da construção, geralmente pela desforma precoce.	NBR6118:2003 - Anexo AEfeito do tempo no concreto estruturalA.2 Deformações do concretoA.2.1 Introdução	Quando não há impedimento à livre deformação do concreto, e a ele é aplicada, no tempo t0, uma tensão constante no intervalo t-t0, sua deformação total, no tempo t, vale:ec = ec (t0) + ecc(t) + ecs(t)onde:ec(t0) – é a deformação imediata, por ocasião do carregamento;ecc(t) – é a deformação por fluência, no intervalo de tempo (t,t0);ecs(t) – é a deformação por retração, no intervalo de tempo (t,t0)
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003	Mecanismo fissuração/deformação	O momento de fissuração e o deslocamento podem ser determinados por equações que demonstram sua dependência à resistência a tração pura do concreto (fctm) e ao seu módulo de elasticidade (Eci), ambas grandezas correlacionadas a fckj, ou seja, a resistência característica do concreto no momento da incidência de carregamentos.	A retirada de escoramentos é um tipo de carregamento estrutural precoce (j < 28 dias), que, aliada aos carregamentos operacionais da execução (materiais, equipes e equipamentos) atuantes na estrutura por ocasião da desforma ou simples movimentação de escoras, incidem sobre o concreto ainda com baixos valores estruturais para os parâmetros fck e Ec.	O planejamento do escoramento, especialmente de sua retirada, deve levar em consideração os valores reais desses parâmetros no cálculo para estabelecimento dessas idades críticas, como função da capacidade do material concreto.
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:200313.3 Deslocamentos limitesDeslocamentos limites são valores práticos utilizados para verificação em serviço do estado limite de deformações excessivas da estrutura. Para os efeitos desta Norma são classificados nos quatro grupos básicos a seguir relacionados e devem obedecer aos limites estabelecidos na tabela 13.2:	a) aceitabilidade sensorial: o limite é caracterizado por vibrações indesejáveis ou efeito visual desagradável....	b) efeitos específicos: os deslocamentos podem impedir a utilização adequada da construção;	c) efeitos em elementos não estruturais: deslocamentos estruturais podem ocasionar o mau funcionamento de elementos que, apesar de não fazerem parte da estrutura, estão a ela ligados;	d) efeitos em elementos estruturais: os deslocamentos podem afetar o comportamento de elemento estrutural, provocando afastamento em relação às hipóteses de cálculo adotadas.
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Tabela 13.2 – Limites para deslocamentos
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:200313.4 Controle da fissuração e proteção das armadurasA fissuração em elementos estruturais de concreto armado é inevitável, devido à grande variabilidade e à baixa resistência do concreto à tração; mesmo sob as ações de serviço (utilização), valores críticos de tensões de tração são atingidos. Visando obter bom desempenho relacionado à proteção das armaduras quanto à corrosão e à aceitabilidade sensorial dos usuários, busca-se controlar a abertura dessas fissuras.	...	As fissuras podem ainda ocorrer por outras causas, como retração plástica térmica ou devido a reações químicas internas do concreto nas primeiras idades, devendo ser evitadas ou limitadas por cuidados tecnológicos, especialmente na definição do traço e na cura do concreto.
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Tabela 13.3 Exigências de durabilidade relacionadas à fissuração
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003	“A patologia na execução pode ser conseqüência da patologia de projeto, havendo uma estreita relação entre elas; isso não quer dizer que a patologia de projeto sendo nula, a de execução também o será. Nem sempre com projetos de qualidade desaparecerão os erros de execução. Estes sempre existirão, embora seja verdade que podem ser reduzidos ao mínimo caso a execução seja realizada seguindo um bom projeto e com uma fiscalização intensa".Cánovas/1988
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003	“Dentre as etapas do processo construtivo, a fase de projeto é apontada como aquela que apresenta as maiores oportunidades  de intervenção e agregação de valor ao empreendimento. Dessa forma, os processos de concepção e projeto devem ser vistos como estratégicos para a qualidade da edificação ao longo do seu ciclo de vida. A busca de novos métodos e processos que possam considerar precocemente a totalidade das questões envolvidas no projeto cada vez mais se torna de extrema relevância para o sucesso dos empreendimentos e para o progresso do setor da construção."Otávio José de Oliveira – Tese EPUSP/2005
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003“Se o empreendedor tivesse consciência de quanto custa a correção de erros na obra, ele investiria no desenvolvimento dos projetos. Seriam gastos um ou dois anos nessa etapa e seis meses na construção da edificação. No exterior é assim, e no Brasil ocorre exatamente o contrário. O projeto deve ser desenvolvido com competência, revisado, estudado. Todos os projetos - de arquitetura aos executivos - custam de 2% a 5% do valor de uma obra. A economia nessa fase pode resultar em gastos maiores para a correção de erros.”Ruy Thales Baillot, Presidente ABRATEC/2005
www.ventuscore.comNBR14931:2003Execução de estruturas de concreto - Procedimento10.2 “Retirada das fôrmas e escoramentos”A retirada das fôrmas e do escoramento só poderá ser feita quando o concreto estiver suficientemente endurecido para resistir às ações que sobre ele atuarem e não conduzir a deformações inaceitáveis, tendo em vista o baixo valor do módulo de elasticidade do concreto (Eci) e a maior probabilidade de grande deformação diferida no tempo quando o concreto é solicitado com pouca idade.
www.ventuscore.comNBR 14931:2003, item 10.2 “Retirada das fôrmas e escoramentos”Para atendimento dessas condições o responsável pelo projetoda estrutura deve informar ao responsável pela execução da obra os valores mínimos de resistência à compressão e módulo de elasticidade que devem ser obedecidos concomitantemente para a retirada das fôrmas e do escoramento, bem como a necessidade de um plano particular (seqüência de operações) de retirada do escoramento.NBR14931:2003Execução de estruturas de concreto - ProcedimentoProjeto de Escoramento - Plano de DesformaLocal	Data	fck	Idade	Escora
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Evolução das resistências do concreto:NBR6118, Item 12.3.3 “Resistência de cálculo do concreto”a)  quando em idade j > 28 dias: fcd = fck/gcb) quando j < 28 dias: fcd = fckj/gc = b1. fck/gcSendo b1 = exp { s [ 1 – (28/t)1/2]}s = 0,38 para CP III e IVs = 0,25 para CP I e IIs = 0,20 para CP V-ARIt = idade efetiva em diasDaí se deduz: fckj = b1.fck e pode-se calcular fckj para idades menores que 28 dias.
www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Valores de fck e Ec para etapas construtivasPelos motivos até aqui apresentados deduz-se como fundamental a definição de valores de fck e Ec para diversas idades do concreto na fase de Projeto;Os valores definidos pelo Projetista balizarão as condições executivas em grande escala, determinando prazos para movimentação e remoção do sistema de fôrmas e escoramentos.
www.ventuscore.comNBR12655:1996Especificação e ControleNBR12655:1996, item 6 “Requisitos”	As etapas de execução definidas em 4.1(caracterização dos materiais, estudo de dosagem, ajustes do traço, preparo) devem atender ao exposto a seguir:6.1 Armazenamento dos materiais componentes6.1.1 Cimento6.1.2 Agregados6.1.3 Água6.1.4 Aditivos6.1.5 Adições minerais6.2 Medida dos materiais e do concreto6.3 Mistura6.4 Estudo de dosagem do concreto6.5 Ajuste e comprovação do traçoPedido do ConcretoLocal e denominação da obra;Programação de entrega;fck e Eci para as diversas idades e situações executivas;Tipo e classe do cimento e consumo/m3, se cabível;Relação água/cimento máxima;Condição de aplicação: bombeável, convencional, outra;Trabalhabilidade (slump)Diâmetro máximo do agregado;Restrições quanto a aditivos e/ou adições;Fornecimento do traço, se cabível;Outras características: cor, permeabilidade, temperatura do concreto, resistividade, massa específica, teor de ar incorporado, teor de argamassa, etc;Denominação para fins de rastreamento.
www.ventuscore.comNBR12655:1996Especificação e ControleNBR12655:1996 item 7 “Ensaios de controle de aceitação”Para cada tipo e classe de concreto a ser colocado em uma estrutura devem ser realizados os ensaios de controle previstos nesta seção, além de ensaios e determinações para o controle de propriedades especiais.	7.1 Ensaio de consistência: devem ser realizados ensaios de consistência pelo abatimento do tronco de cone, conforme a NBR7223, ou pelo espalhamento do tronco de cone, conforme a NBR9606.7.1.1 Para o concreto preparado pelo executante da obra devem ser realizados ensaios de consistência sempre que ocorrerem alterações na umidade dos agregados e nas seguintes condições: a) na primeira amassada do dia; b) ao reiniciar o preparo após uma interrupção da jornada de concretagem de pelo menos 2 h; c) na troca de operadores; d) cada vez que forem moldados corpos-de-prova.7.1.2 Para o concreto preparado por empresa de serviços de concretagem devem ser realizados ensaios de consistência a cada betonada.
www.ventuscore.comNBR12655:1996Especificação e ControleNBR12655:1996 item 7 “Ensaios de controle de aceitação”	7.2 Ensaios de resistência à compressão: Os resultados dos ensaios de resistência, conforme a NBR5739, realizados em amostras formadas como segue, devem servir para a aceitação ou rejeição dos lotes.7.2.1 Formação de lotes: a amostragem do concreto para ensaios de resistência à compressão deve ser feita dividindo-se a estrutura em lotes que atendam a todos os limites da tabela 2. De cada lote deve ser retirada uma amostra, com número de exemplares de acordo com o tipo de controle.7.2.2 Amostragem: as amostras devem ser coletadas aleatoriamente durante a operação de concretagem, conforme a NBR5750. Cada exemplar é constituído por dois ou mais corpos-de-prova da mesma amassada, conforme a NBR5738, para cada idade de rompimento, moldados no mesmo ato. Toma-se como resistência do exemplar o maior dos dois valores obtidos no ensaio do exemplar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estruturalAula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estrutural
Benevides de Oliveira da Paixão Filho
 
Sistemas estruturais-lajes
Sistemas estruturais-lajesSistemas estruturais-lajes
Sistemas estruturais-lajes
thiagodocavaco
 
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoiiSolução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
roger forte
 
Apostila Fundações para máquinas
Apostila Fundações para máquinasApostila Fundações para máquinas
Apostila Fundações para máquinas
Paulo Anderson
 
Vigas e lajes de concreto armado
Vigas e lajes de concreto armadoVigas e lajes de concreto armado
Vigas e lajes de concreto armado
thiagolf7
 
Tabelas diversa
Tabelas diversaTabelas diversa
Tabelas diversa
Alexandre Araújo
 
Dosagem do concreto
Dosagem do concretoDosagem do concreto
Dosagem do concreto
Andre Amaral
 
Unesp cap. 1 - sapatas
Unesp   cap. 1 - sapatasUnesp   cap. 1 - sapatas
Unesp cap. 1 - sapatas
Marcelo Rodrigues Leão Silva
 
Projeto de reservatórios
Projeto de reservatóriosProjeto de reservatórios
Projeto de reservatórios
Vinicius Ferreira
 
Alvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAlvenaria estrutural
Alvenaria estrutural
Willian De Sá
 
Cálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimoCálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimo
Ferreira Maciel Construtora Ltda
 
Questoes sistemas 1 22 a 33
Questoes sistemas 1   22 a 33Questoes sistemas 1   22 a 33
Questoes sistemas 1 22 a 33
stephaneosorio
 
Mecanismos de deterioracão do Concreto
Mecanismos de deterioracão do ConcretoMecanismos de deterioracão do Concreto
Mecanismos de deterioracão do Concreto
Alonso Patricio Nolasco
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
Luciana Paixão Arquitetura
 
Aula 03 sistemas estruturais 1 alexandre
Aula 03 sistemas estruturais 1  alexandreAula 03 sistemas estruturais 1  alexandre
Aula 03 sistemas estruturais 1 alexandre
Alexandre Cabral Cavalcanti
 
Análise estrutural i
Análise estrutural iAnálise estrutural i
Análise estrutural i
Juliana Carraro
 
Calculo reservatorios
Calculo reservatoriosCalculo reservatorios
Calculo reservatorios
Carlos Elson Cunha
 
5 lajes especiais
5  lajes especiais5  lajes especiais
5 lajes especiais
Pedro Paulo Maciel
 
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeiraAbnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
arthurohz
 
O Concreto Na Construção Civil
O Concreto Na Construção CivilO Concreto Na Construção Civil
O Concreto Na Construção Civil
Jean Paulo Mendes Alves
 

Mais procurados (20)

Aula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estruturalAula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estrutural
 
Sistemas estruturais-lajes
Sistemas estruturais-lajesSistemas estruturais-lajes
Sistemas estruturais-lajes
 
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoiiSolução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
Solução listaexercicios 1º bimestre_2-2016_concretoii
 
Apostila Fundações para máquinas
Apostila Fundações para máquinasApostila Fundações para máquinas
Apostila Fundações para máquinas
 
Vigas e lajes de concreto armado
Vigas e lajes de concreto armadoVigas e lajes de concreto armado
Vigas e lajes de concreto armado
 
Tabelas diversa
Tabelas diversaTabelas diversa
Tabelas diversa
 
Dosagem do concreto
Dosagem do concretoDosagem do concreto
Dosagem do concreto
 
Unesp cap. 1 - sapatas
Unesp   cap. 1 - sapatasUnesp   cap. 1 - sapatas
Unesp cap. 1 - sapatas
 
Projeto de reservatórios
Projeto de reservatóriosProjeto de reservatórios
Projeto de reservatórios
 
Alvenaria estrutural
Alvenaria estruturalAlvenaria estrutural
Alvenaria estrutural
 
Cálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimoCálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimo
 
Questoes sistemas 1 22 a 33
Questoes sistemas 1   22 a 33Questoes sistemas 1   22 a 33
Questoes sistemas 1 22 a 33
 
Mecanismos de deterioracão do Concreto
Mecanismos de deterioracão do ConcretoMecanismos de deterioracão do Concreto
Mecanismos de deterioracão do Concreto
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
 
Aula 03 sistemas estruturais 1 alexandre
Aula 03 sistemas estruturais 1  alexandreAula 03 sistemas estruturais 1  alexandre
Aula 03 sistemas estruturais 1 alexandre
 
Análise estrutural i
Análise estrutural iAnálise estrutural i
Análise estrutural i
 
Calculo reservatorios
Calculo reservatoriosCalculo reservatorios
Calculo reservatorios
 
5 lajes especiais
5  lajes especiais5  lajes especiais
5 lajes especiais
 
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeiraAbnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
 
O Concreto Na Construção Civil
O Concreto Na Construção CivilO Concreto Na Construção Civil
O Concreto Na Construção Civil
 

Destaque

1 recuperação
1   recuperação1   recuperação
1 recuperação
Jho05
 
Estacas
EstacasEstacas
Estacas
Feon Oliveira
 
O Projeto de Estruturas e a Tecnologia do Concreto
O Projeto de Estruturas e a Tecnologia do ConcretoO Projeto de Estruturas e a Tecnologia do Concreto
O Projeto de Estruturas e a Tecnologia do Concreto
Egydio Hervé Neto
 
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto ArmadoRita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
ritacasarin
 
Aula durabilidade das estruturas de concreto e concretos especiais
Aula  durabilidade das estruturas de concreto e concretos especiaisAula  durabilidade das estruturas de concreto e concretos especiais
Aula durabilidade das estruturas de concreto e concretos especiais
Andrea Chociay
 
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
profNICODEMOS
 
Aula escolha do tipo de fundação - slides
Aula   escolha do tipo de  fundação - slidesAula   escolha do tipo de  fundação - slides
Aula escolha do tipo de fundação - slides
Concebida Tomazelli
 
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto ArmadoMarcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
diogenesfm
 
Calculo de concreto armado
Calculo de concreto armadoCalculo de concreto armado
Calculo de concreto armado
Renaldo Adriano
 
Nbr 9062 abnt - projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
Nbr 9062   abnt - projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldadoNbr 9062   abnt - projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
Nbr 9062 abnt - projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
Andre Santos
 
Prédio de blocos de apartamentos em pré-moldados de concreto - Cassol-pré-fab...
Prédio de blocos de apartamentos em pré-moldados de concreto - Cassol-pré-fab...Prédio de blocos de apartamentos em pré-moldados de concreto - Cassol-pré-fab...
Prédio de blocos de apartamentos em pré-moldados de concreto - Cassol-pré-fab...
Rui Juliano
 
Aço para concreto armado
Aço para concreto armadoAço para concreto armado
Aço para concreto armado
David Vasconcelos
 
Sondagem
SondagemSondagem
Sondagem
fabiofaria82
 
Apostila concreto armado
Apostila concreto armadoApostila concreto armado
Apostila concreto armado
engenhariaemperspectiva
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
Daniela Fajer
 
Apostila de pontes usp sao carlos 2009
Apostila de pontes usp sao carlos   2009Apostila de pontes usp sao carlos   2009
Apostila de pontes usp sao carlos 2009
Kadja Maisa
 
Corrosão em Estrutura de Concreto Armado
Corrosão em Estrutura de Concreto ArmadoCorrosão em Estrutura de Concreto Armado
Corrosão em Estrutura de Concreto Armado
Rodrigo Duarte
 
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
Carlos Elson Cunha
 
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPTCálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Engenheiro No Canteiro
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
EDER OLIVEIRA
 

Destaque (20)

1 recuperação
1   recuperação1   recuperação
1 recuperação
 
Estacas
EstacasEstacas
Estacas
 
O Projeto de Estruturas e a Tecnologia do Concreto
O Projeto de Estruturas e a Tecnologia do ConcretoO Projeto de Estruturas e a Tecnologia do Concreto
O Projeto de Estruturas e a Tecnologia do Concreto
 
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto ArmadoRita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
Rita Casarin - Reforço Estrutural em Lajes de Concreto Armado
 
Aula durabilidade das estruturas de concreto e concretos especiais
Aula  durabilidade das estruturas de concreto e concretos especiaisAula  durabilidade das estruturas de concreto e concretos especiais
Aula durabilidade das estruturas de concreto e concretos especiais
 
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos5º e 6º aula   concreto - patologia e aditivos
5º e 6º aula concreto - patologia e aditivos
 
Aula escolha do tipo de fundação - slides
Aula   escolha do tipo de  fundação - slidesAula   escolha do tipo de  fundação - slides
Aula escolha do tipo de fundação - slides
 
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto ArmadoMarcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
 
Calculo de concreto armado
Calculo de concreto armadoCalculo de concreto armado
Calculo de concreto armado
 
Nbr 9062 abnt - projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
Nbr 9062   abnt - projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldadoNbr 9062   abnt - projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
Nbr 9062 abnt - projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado
 
Prédio de blocos de apartamentos em pré-moldados de concreto - Cassol-pré-fab...
Prédio de blocos de apartamentos em pré-moldados de concreto - Cassol-pré-fab...Prédio de blocos de apartamentos em pré-moldados de concreto - Cassol-pré-fab...
Prédio de blocos de apartamentos em pré-moldados de concreto - Cassol-pré-fab...
 
Aço para concreto armado
Aço para concreto armadoAço para concreto armado
Aço para concreto armado
 
Sondagem
SondagemSondagem
Sondagem
 
Apostila concreto armado
Apostila concreto armadoApostila concreto armado
Apostila concreto armado
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
 
Apostila de pontes usp sao carlos 2009
Apostila de pontes usp sao carlos   2009Apostila de pontes usp sao carlos   2009
Apostila de pontes usp sao carlos 2009
 
Corrosão em Estrutura de Concreto Armado
Corrosão em Estrutura de Concreto ArmadoCorrosão em Estrutura de Concreto Armado
Corrosão em Estrutura de Concreto Armado
 
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
 
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPTCálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
Cálculo da capacidade de carga de fundações em estacas pelo SPT
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
 

Semelhante a A nova NB1 e as estruturas de concreto

A Durabilidade das Construções
A Durabilidade das ConstruçõesA Durabilidade das Construções
A Durabilidade das Construções
Egydio Hervé Neto
 
Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575
Livio Silva
 
Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575
Livio Silva
 
abnt_05674.pdf
abnt_05674.pdfabnt_05674.pdf
abnt_05674.pdf
ElaineCarneiroMirand
 
Abnt 05674
Abnt 05674Abnt 05674
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimentoNbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Carlos Moraes
 
Palestra Controle Tecnológico do Concreto
Palestra Controle Tecnológico do ConcretoPalestra Controle Tecnológico do Concreto
Palestra Controle Tecnológico do Concreto
Egydio Hervé Neto
 
Manual pré fabricados de concreto
Manual   pré fabricados de concretoManual   pré fabricados de concreto
Manual pré fabricados de concreto
Bárbara Salgado
 
Manual pré moldados
Manual   pré moldadosManual   pré moldados
Manual pré moldados
Hagnon Amorim
 
Nbr 5674 1999 - manutencão de edificacões - procedimento
Nbr 5674   1999 - manutencão de edificacões - procedimentoNbr 5674   1999 - manutencão de edificacões - procedimento
Nbr 5674 1999 - manutencão de edificacões - procedimento
mjmcreatore
 
Nbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimento
Nbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimentoNbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimento
Nbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimento
mjmcreatore
 
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Vagner Baggio
 
Norma abnt nbr 16280
Norma abnt nbr 16280Norma abnt nbr 16280
Norma abnt nbr 16280
Elisabete Amendoeira
 
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Pampolito Sobrenome
 
9788521612490
97885216124909788521612490
9788521612490
profNICODEMOS
 
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
mjmcreatore
 
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
mjmcreatore
 
Aplicabilidade da Norma de Desempenho - Carlos Del Mar
Aplicabilidade da Norma de Desempenho - Carlos Del MarAplicabilidade da Norma de Desempenho - Carlos Del Mar
Aplicabilidade da Norma de Desempenho - Carlos Del Mar
Associação Cohabs
 
Introdução à Norma de Desempenho (NBR 15575)
Introdução à Norma de Desempenho (NBR 15575)Introdução à Norma de Desempenho (NBR 15575)
Introdução à Norma de Desempenho (NBR 15575)
Q2 Management
 
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das EdificaçõesManual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manuais Industriais
 

Semelhante a A nova NB1 e as estruturas de concreto (20)

A Durabilidade das Construções
A Durabilidade das ConstruçõesA Durabilidade das Construções
A Durabilidade das Construções
 
Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575
 
Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575
 
abnt_05674.pdf
abnt_05674.pdfabnt_05674.pdf
abnt_05674.pdf
 
Abnt 05674
Abnt 05674Abnt 05674
Abnt 05674
 
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimentoNbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
 
Palestra Controle Tecnológico do Concreto
Palestra Controle Tecnológico do ConcretoPalestra Controle Tecnológico do Concreto
Palestra Controle Tecnológico do Concreto
 
Manual pré fabricados de concreto
Manual   pré fabricados de concretoManual   pré fabricados de concreto
Manual pré fabricados de concreto
 
Manual pré moldados
Manual   pré moldadosManual   pré moldados
Manual pré moldados
 
Nbr 5674 1999 - manutencão de edificacões - procedimento
Nbr 5674   1999 - manutencão de edificacões - procedimentoNbr 5674   1999 - manutencão de edificacões - procedimento
Nbr 5674 1999 - manutencão de edificacões - procedimento
 
Nbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimento
Nbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimentoNbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimento
Nbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimento
 
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
 
Norma abnt nbr 16280
Norma abnt nbr 16280Norma abnt nbr 16280
Norma abnt nbr 16280
 
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
 
9788521612490
97885216124909788521612490
9788521612490
 
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
 
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
 
Aplicabilidade da Norma de Desempenho - Carlos Del Mar
Aplicabilidade da Norma de Desempenho - Carlos Del MarAplicabilidade da Norma de Desempenho - Carlos Del Mar
Aplicabilidade da Norma de Desempenho - Carlos Del Mar
 
Introdução à Norma de Desempenho (NBR 15575)
Introdução à Norma de Desempenho (NBR 15575)Introdução à Norma de Desempenho (NBR 15575)
Introdução à Norma de Desempenho (NBR 15575)
 
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das EdificaçõesManual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
 

Mais de Egydio Hervé Neto

E book tecnologia do concreto
E book tecnologia do concretoE book tecnologia do concreto
E book tecnologia do concreto
Egydio Hervé Neto
 
E book01 2016-ehn
E book01 2016-ehnE book01 2016-ehn
E book01 2016-ehn
Egydio Hervé Neto
 
Concreto para Grandes Fundações
Concreto para Grandes FundaçõesConcreto para Grandes Fundações
Concreto para Grandes Fundações
Egydio Hervé Neto
 
Opinião
OpiniãoOpinião
Concrete show 2015 apresentacaoegydio
Concrete show 2015 apresentacaoegydioConcrete show 2015 apresentacaoegydio
Concrete show 2015 apresentacaoegydio
Egydio Hervé Neto
 
Debate no IBRACON 2006 apresentação do tema moderador
Debate no IBRACON 2006 apresentação do tema moderadorDebate no IBRACON 2006 apresentação do tema moderador
Debate no IBRACON 2006 apresentação do tema moderador
Egydio Hervé Neto
 
A importância do fck de projeto
A importância do fck de projetoA importância do fck de projeto
A importância do fck de projeto
Egydio Hervé Neto
 
Novos procedimentos de concretagem no brasil
Novos procedimentos de concretagem no brasilNovos procedimentos de concretagem no brasil
Novos procedimentos de concretagem no brasil
Egydio Hervé Neto
 
Termoeletricas no Nordeste Brasileiro
Termoeletricas no Nordeste BrasileiroTermoeletricas no Nordeste Brasileiro
Termoeletricas no Nordeste Brasileiro
Egydio Hervé Neto
 
Algumas Obras
Algumas ObrasAlgumas Obras
Algumas Obras
Egydio Hervé Neto
 

Mais de Egydio Hervé Neto (10)

E book tecnologia do concreto
E book tecnologia do concretoE book tecnologia do concreto
E book tecnologia do concreto
 
E book01 2016-ehn
E book01 2016-ehnE book01 2016-ehn
E book01 2016-ehn
 
Concreto para Grandes Fundações
Concreto para Grandes FundaçõesConcreto para Grandes Fundações
Concreto para Grandes Fundações
 
Opinião
OpiniãoOpinião
Opinião
 
Concrete show 2015 apresentacaoegydio
Concrete show 2015 apresentacaoegydioConcrete show 2015 apresentacaoegydio
Concrete show 2015 apresentacaoegydio
 
Debate no IBRACON 2006 apresentação do tema moderador
Debate no IBRACON 2006 apresentação do tema moderadorDebate no IBRACON 2006 apresentação do tema moderador
Debate no IBRACON 2006 apresentação do tema moderador
 
A importância do fck de projeto
A importância do fck de projetoA importância do fck de projeto
A importância do fck de projeto
 
Novos procedimentos de concretagem no brasil
Novos procedimentos de concretagem no brasilNovos procedimentos de concretagem no brasil
Novos procedimentos de concretagem no brasil
 
Termoeletricas no Nordeste Brasileiro
Termoeletricas no Nordeste BrasileiroTermoeletricas no Nordeste Brasileiro
Termoeletricas no Nordeste Brasileiro
 
Algumas Obras
Algumas ObrasAlgumas Obras
Algumas Obras
 

A nova NB1 e as estruturas de concreto

  • 1. www.ventuscore.comA Nova NB1 e as Estruturas de ConcretoO que mudou?
  • 2. www.ventuscore.comPalestranteEgydio Hervé NetoEngenheiro Civil – UFRGS/1971Com formação complementar em Auditoria e Sistemas da Qualidade pelo INMETRO, Auditor QUALIHAB-SPDiversos Cursos de Tecnologia de Concreto pela ABCP RS e SP onde atuou por 11 anosExecutivo de grandes empresas nacionais (CONCREMAT, CONCRETEX, FORBETON, JAAKO PÖYRY)Executou grandes obras para Superporto de Rio Grande (RS), COPESUL (RS), FERROBAN (SP), Bridgestone/Firestone (SP), Procter & Gamble (SP), PMSP, CET (SP)É Diretor da VentusCore Soluções em Concreto, de Porto Alegre/RS
  • 3. www.ventuscore.comCÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N.º 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990Art. 2º - Consumidor é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produtos ou serviços como destinatário final. Art. 3º - Fornecedor é toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividades de produção, montagem, criação, construção, transformação, importação, exportação, distribuição ou comercialização de produtos ou prestação de serviços.§ 1º - Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial.§ 2º - Serviço é qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes das relações de caráter trabalhista.
  • 4. www.ventuscore.comCÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N.º 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990SEÇÃO IIDA RESPONSABILIDADE PELOFATO DO PRODUTO E DO SERVIÇO Art. 12 - O fabricante, o produtor, o construtor, nacional ou estrangeiro, e o importador respondem, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos decorrentes de projeto, fabricação, construção, montagem, fórmulas, manipulação, apresentação ou acondicionamento de seus produtos, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua utilização e riscos.
  • 5. www.ventuscore.comCÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR LEI N.º 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990SEÇÃO IV - DAS PRÁTICAS ABUSIVASArt. 39 - É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços:VIII - colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas específicas não existirem, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - CONMETRO;
  • 6. www.ventuscore.comNBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - ProcedimentoSegurança estruturalResistir ao usoResistir ao ambiente5.1 Requisitos de qualidade da estrutura5.1.2 Classificação dos requisitos de qualidade da estrutura5.1.2.1 Capacidade resistente5.1.2.2 Desempenho em serviço5.1.2.3 Durabilidade
  • 7. www.ventuscore.com6 Diretrizes para durabilidade das estruturas de concreto6.1 Exigências de durabilidadeAs estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que sob as condições ambientais previstas na época de projeto e quando utilizadas conforme preconizado em projeto conservem suas segurança, estabilidade e aptidão em serviço durante o período correspondente à sua vida útil.NBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - ProcedimentoAqueduto Pont du Gard (França) 150 DC > 2004
  • 8. www.ventuscore.com6.2 Vida útil de projeto6.2.1 Por vida útil de projeto, entende-se o período de tempo durante o qual se mantêm as características das estruturas de concreto, desde que atendidos os requisitos de uso e manutenção prescritos pelo projetista e pelo construtor, conforme 7.8 e 25.4, bem como de execução dos reparos necessários decorrentes de danos acidentais.NBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - ProcedimentoEdifício Martinelli 1929 Inauguração (SP)Edifício Martinelli 20011Sede da SEHAB PMSP
  • 9. www.ventuscore.com7.8 Inspeção e manutenção preventiva7.8.1 O conjunto de projetos relativos a uma obra deve orientar-se sob uma estratégia explícita que facilite procedimentos de inspeção e manutenção preventiva da construção.7.8.2 O manual de utilização, inspeção e manutenção deve ser produzido conforme 25.4.NBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - Procedimento
  • 10. www.ventuscore.com25.4 Manual de utilização, inspeção e manutençãoDependendo do porte da construção e da agressividade do meio e de posse das informações dos projetos, dos materiais e produtos utilizados e da execução da obra, deve ser produzido por profissional habilitado, devidamente contratado pelo contratante, um manual de utilização, inspeção e manutenção. Esse manual deve explicar, de forma clara e sucinta, os requisitos básicos para a utilização e a manutenção preventiva, necessárias para garantir a vida útil prevista para a estrutura, conforme indicado pela NBR5674.NBR6118:2003Projeto de Estruturas de Concreto - Procedimento
  • 11. www.ventuscore.comIntroduçãoA manutenção de Edificações é um tema cuja importância tem crescido no setor da construção civil, superando, gradualmente, a cultura de se pensar o processo de construção limitado até o momento quando a edificação é entregue e entra em uso.As edificações são o suporte físico para a realização direta ou indireta de todas as atividades produtivas, e possuem, portanto, um valor social fundamental. Toda via as edificações apresentam uma característica que as diferencia de outros produtos: elas são construídas para atender seus usuários durante muitos anos, e ao longo deste tempo de serviço devem apresentar condições adequadas ao uso a que se destinam, resistindo aos agentes ambientais e de uso que alteram suas propriedades técnicas iniciais.NBR5674:1999Manutenção de Edificações - Procedimento
  • 12. www.ventuscore.comIntrodução...A omissão em relação à necessária atenção para a manutenção das edificações pode ser constatada nos freqüentes casos de edificações retiradas de serviço muito antes de cumprida a sua vida útil projetada (pontes, viadutos, escolas), causando muitos transtornos aos seus usuários e um sobrecusto em intensivos serviços de recuperação ou construção de novas edificações. Seguramente, pior é a obrigatória tolerância, por falta de alternativas, ao uso de edificações cujo desempenho atingiu níveis inferiores ao mínimo recomendável para um uso saudável, higiênico ou seguro. Tudo isto possui um custo social que não é contabilizado, mas se reflete na qualidade de vida das pessoas.NBR5674:1999Manutenção de Edificações - Procedimento
  • 13. www.ventuscore.comIntrodução...Técnicas de avaliação pós ocupação (APO) têm sido utilizadas para retornar às etapas de projeto e execução as informações sobre as condições reais de apropriação pelos usuários do espaço construído, identificadas a partir de observações das etapas de operação, uso e manutenção. A qualificação da documentação técnica produzida ao longo das etapas de projeto e execução e seu direcionamento para esclarecer dúvidas relativas às etapas de operação uso e manutenção, sistematizadas na forma de manuais de operação, uso e manutenção das edificações tem sido outro instrumento para melhorar a comunicação no processo, e este é o objeto de atenção desta Norma.NBR14037:1998Manual de operação, uso e manutenção das edificações – Conteúdo e recomendações para elaboração e apresentação
  • 14. www.ventuscore.comDurabilidade - Situação ConstatadaBrasilEuropaConcreto fc28 = 33 MPa (resistência cúbica):Concreto fc28 = 35 MPa (resistência cúbica):1950 - a/c = 0,50
  • 15. 1990 - a/c = 0,70
  • 16. Constatação de patologias precoces em obras no exterior (80’s) e no Brasil (90’s);
  • 17. Redução do consumo de cimento/m3 para as mesmas resistências;
  • 18. Crescimento da agressividade do ambiente urbano;
  • 19. Novas considerações de cálculo relativas às deformações em novos métodos construtivos.www.ventuscore.comDurabilidade - Situação ConstatadaO aumento da relação a/c para as mesmas resistências resultou em concretos mais porosos, mais frágeis (menos “elásticos”).
  • 20. A intempérie e os agentes agressivos na atmosfera encontraram caminho mais fácil à penetração.
  • 21. As estruturas tornaram-se mais fissuráveis em intensidade e abertura. www.ventuscore.comNormalização Brasileira – Estruturas de ConcretoNBR6118:2003
  • 25. 1996
  • 27. www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimentoO ProprietárioO Responsável Técnico designado pelo ProprietárioO Profissional Responsável pelo Projeto EstruturalO Profissional Responsável pela Execução da obraO Responsável pelo recebimento do concretoItem 5: “Responsabilidade pela composição e propriedades do concreto”
  • 28. www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimento Item 5 “Responsabilidade pela composição e propriedades do concreto”: “O proprietário da obra ou o responsável técnico por ele designado deve garantir o cumprimento desta Norma e manter documentação que comprove a qualidade do concreto”
  • 29. www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimentoItem 5.1 “Profissional Responsável pelo Projeto Estrutural”Cabem a este profissional as seguintes responsabilidades: a) registro da resistência característica do concreto fck em todos os desenhos e memórias que descrevem o projeto tecnicamente; b) especificação, quando necessário, dos valores de fck para as etapas construtivas, tais como: retirada de cimbramento, aplicação de protensão ou manuseio de pré-moldados; c) especificação dos requisitos correspondentes à durabilidade da estrutura e de propriedades especiais do concreto, tais como: consumo mínimo de cimento, relação água/cimento, módulo de deformação estático mínimo na idade de desforma e outras propriedades necessárias à estabilidade e durabilidade da estrutura, durante a fase construtiva e durante a vida útil, de acordo com a NBR 6118.
  • 30. www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimentoc) escolha do tipo de concreto a ser empregado e sua consistência, dimensão máxima do agregado e demais propriedades, de acordo com o projeto e com as condições de aplicação;d) atendimento a todos os requisitos de projeto, inclusive quanto à escolha do tipo de cimento portland a ser empregado;e) aceitação do concreto;f) cuidados requeridos pelo processo construtivo e pela retirada do escoramento, levando em consideração as peculiaridades dos materiais (em particular do cimento) e as condições de temperatura.Item 5.2 “Profissional Responsável pela Execução da Obra”Ao profissional responsável pela execução da estrutura de concreto cabem as seguintes responsabilidades:a) escolha da modalidade de preparo do concreto;b) quando a modalidade for concreto preparado pelo executante da obra, este deve ser o responsável pelas etapas de execução do concreto e pela definição da condição de preparo
  • 31. www.ventuscore.comNBR12655:1996Concreto – Preparo, controle e recebimentoItem 5.2 “Responsável pelo Recebimento do Concreto” O responsável pelo recebimento do concreto1 é o proprietário da obra ou o responsável técnico pela obra, designado pelo proprietário. A documentação comprobatória do cumprimento desta Norma (relatórios de ensaios, laudos e outros) deve estar disponível no canteiro de obra, durante toda a construção, e ser arquivada e preservada pelo prazo previsto na legislação vigente.1 Item 4.5: “O recebimento do concreto consiste na verificação do cumprimento desta Norma, através da análise e aprovação da documentação correspondente, no que diz respeito às etapas de execução do concreto e sua aceitação.”
  • 32. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Item 6.3: “Mecanismos de envelhecimento e deterioração”Relativos ao concreto: lixiviação por águas puras, carbônicas agressivas ou ácidas, que atacam a pasta do cimento;expansão por ação de águas e solos contaminados com sulfatos;Expansão por reação álcali/agregados;Agregados ferruginosos.Relativos à armadura:Despassivação por carbonatação;Despassivação por cloretos.Estrutura propriamente dita:Ações mecânicas, térmicas, impactos, vibrações, retração, fluência e relaxação.
  • 33. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Item 6.4: “Agressividade do ambiente”Ações físicas e químicas devido ao meio ambienteTabela 6.1 – “Classes de Agressividade ambiental”
  • 34. O Projetista poderá definir classe mais agressiva do que a considerada na tabela.www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Item 7: “Critérios de projeto que visam a durabilidade”Drenagem: evitar acúmulo de águas paradas, prever mecanismos de drenagem, selar juntas, proteger platibandas, paredes, beirais;Formas arquitetônicas e estruturais: evitar soluções de menor durabilidade, prever inspeção e manutenção em mecanismos de menor durabilidade: aparelhos de apoio, impermeabilizações, etc.;Qualidade do concreto do cobrimento: definido na tabela 7.1;
  • 35. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Item 7: “Critérios de projeto que visam a durabilidade”Espessura do cobrimento: definido na tabela 7.2 (Cnom = Cmin+Dc; Dc = 10mm);Detalhamento das armaduras de modo a facilitar a concretagem e o cobrimento protetor do concreto;Controle de fissuração, limitando abertura;Proteção em situações especiais de exposição;Inspeção e manutenção preventivas.
  • 36. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003 Novas considerações de cálculo relativas às deformações em novos métodos construtivos:O capítulo das deformações do concreto, é hoje merecedor de abordagem especial na NBR6118 (“Anexo A – Efeito do tempo no Concreto Estrutural”) que apresenta considerações sobre deformação imediata,deformação por fluência e deformação por retração, a serem consideradas no cálculo de forma objetiva, para prevenir e controlar as deformações e fissuras, efeitos indesejáveis que surgem da aceleração não controlada da construção, geralmente pela desforma precoce. NBR6118:2003 - Anexo AEfeito do tempo no concreto estruturalA.2 Deformações do concretoA.2.1 Introdução Quando não há impedimento à livre deformação do concreto, e a ele é aplicada, no tempo t0, uma tensão constante no intervalo t-t0, sua deformação total, no tempo t, vale:ec = ec (t0) + ecc(t) + ecs(t)onde:ec(t0) – é a deformação imediata, por ocasião do carregamento;ecc(t) – é a deformação por fluência, no intervalo de tempo (t,t0);ecs(t) – é a deformação por retração, no intervalo de tempo (t,t0)
  • 37. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003 Mecanismo fissuração/deformação O momento de fissuração e o deslocamento podem ser determinados por equações que demonstram sua dependência à resistência a tração pura do concreto (fctm) e ao seu módulo de elasticidade (Eci), ambas grandezas correlacionadas a fckj, ou seja, a resistência característica do concreto no momento da incidência de carregamentos. A retirada de escoramentos é um tipo de carregamento estrutural precoce (j < 28 dias), que, aliada aos carregamentos operacionais da execução (materiais, equipes e equipamentos) atuantes na estrutura por ocasião da desforma ou simples movimentação de escoras, incidem sobre o concreto ainda com baixos valores estruturais para os parâmetros fck e Ec. O planejamento do escoramento, especialmente de sua retirada, deve levar em consideração os valores reais desses parâmetros no cálculo para estabelecimento dessas idades críticas, como função da capacidade do material concreto.
  • 38. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:200313.3 Deslocamentos limitesDeslocamentos limites são valores práticos utilizados para verificação em serviço do estado limite de deformações excessivas da estrutura. Para os efeitos desta Norma são classificados nos quatro grupos básicos a seguir relacionados e devem obedecer aos limites estabelecidos na tabela 13.2: a) aceitabilidade sensorial: o limite é caracterizado por vibrações indesejáveis ou efeito visual desagradável.... b) efeitos específicos: os deslocamentos podem impedir a utilização adequada da construção; c) efeitos em elementos não estruturais: deslocamentos estruturais podem ocasionar o mau funcionamento de elementos que, apesar de não fazerem parte da estrutura, estão a ela ligados; d) efeitos em elementos estruturais: os deslocamentos podem afetar o comportamento de elemento estrutural, provocando afastamento em relação às hipóteses de cálculo adotadas.
  • 39. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Tabela 13.2 – Limites para deslocamentos
  • 40. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:200313.4 Controle da fissuração e proteção das armadurasA fissuração em elementos estruturais de concreto armado é inevitável, devido à grande variabilidade e à baixa resistência do concreto à tração; mesmo sob as ações de serviço (utilização), valores críticos de tensões de tração são atingidos. Visando obter bom desempenho relacionado à proteção das armaduras quanto à corrosão e à aceitabilidade sensorial dos usuários, busca-se controlar a abertura dessas fissuras. ... As fissuras podem ainda ocorrer por outras causas, como retração plástica térmica ou devido a reações químicas internas do concreto nas primeiras idades, devendo ser evitadas ou limitadas por cuidados tecnológicos, especialmente na definição do traço e na cura do concreto.
  • 41. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Tabela 13.3 Exigências de durabilidade relacionadas à fissuração
  • 42. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003 “A patologia na execução pode ser conseqüência da patologia de projeto, havendo uma estreita relação entre elas; isso não quer dizer que a patologia de projeto sendo nula, a de execução também o será. Nem sempre com projetos de qualidade desaparecerão os erros de execução. Estes sempre existirão, embora seja verdade que podem ser reduzidos ao mínimo caso a execução seja realizada seguindo um bom projeto e com uma fiscalização intensa".Cánovas/1988
  • 43. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003 “Dentre as etapas do processo construtivo, a fase de projeto é apontada como aquela que apresenta as maiores oportunidades de intervenção e agregação de valor ao empreendimento. Dessa forma, os processos de concepção e projeto devem ser vistos como estratégicos para a qualidade da edificação ao longo do seu ciclo de vida. A busca de novos métodos e processos que possam considerar precocemente a totalidade das questões envolvidas no projeto cada vez mais se torna de extrema relevância para o sucesso dos empreendimentos e para o progresso do setor da construção."Otávio José de Oliveira – Tese EPUSP/2005
  • 44. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003“Se o empreendedor tivesse consciência de quanto custa a correção de erros na obra, ele investiria no desenvolvimento dos projetos. Seriam gastos um ou dois anos nessa etapa e seis meses na construção da edificação. No exterior é assim, e no Brasil ocorre exatamente o contrário. O projeto deve ser desenvolvido com competência, revisado, estudado. Todos os projetos - de arquitetura aos executivos - custam de 2% a 5% do valor de uma obra. A economia nessa fase pode resultar em gastos maiores para a correção de erros.”Ruy Thales Baillot, Presidente ABRATEC/2005
  • 45. www.ventuscore.comNBR14931:2003Execução de estruturas de concreto - Procedimento10.2 “Retirada das fôrmas e escoramentos”A retirada das fôrmas e do escoramento só poderá ser feita quando o concreto estiver suficientemente endurecido para resistir às ações que sobre ele atuarem e não conduzir a deformações inaceitáveis, tendo em vista o baixo valor do módulo de elasticidade do concreto (Eci) e a maior probabilidade de grande deformação diferida no tempo quando o concreto é solicitado com pouca idade.
  • 46. www.ventuscore.comNBR 14931:2003, item 10.2 “Retirada das fôrmas e escoramentos”Para atendimento dessas condições o responsável pelo projetoda estrutura deve informar ao responsável pela execução da obra os valores mínimos de resistência à compressão e módulo de elasticidade que devem ser obedecidos concomitantemente para a retirada das fôrmas e do escoramento, bem como a necessidade de um plano particular (seqüência de operações) de retirada do escoramento.NBR14931:2003Execução de estruturas de concreto - ProcedimentoProjeto de Escoramento - Plano de DesformaLocal Data fck Idade Escora
  • 47. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Evolução das resistências do concreto:NBR6118, Item 12.3.3 “Resistência de cálculo do concreto”a) quando em idade j > 28 dias: fcd = fck/gcb) quando j < 28 dias: fcd = fckj/gc = b1. fck/gcSendo b1 = exp { s [ 1 – (28/t)1/2]}s = 0,38 para CP III e IVs = 0,25 para CP I e IIs = 0,20 para CP V-ARIt = idade efetiva em diasDaí se deduz: fckj = b1.fck e pode-se calcular fckj para idades menores que 28 dias.
  • 48. www.ventuscore.comDurabilidade – Foco da NBR6118:2003Valores de fck e Ec para etapas construtivasPelos motivos até aqui apresentados deduz-se como fundamental a definição de valores de fck e Ec para diversas idades do concreto na fase de Projeto;Os valores definidos pelo Projetista balizarão as condições executivas em grande escala, determinando prazos para movimentação e remoção do sistema de fôrmas e escoramentos.
  • 49. www.ventuscore.comNBR12655:1996Especificação e ControleNBR12655:1996, item 6 “Requisitos” As etapas de execução definidas em 4.1(caracterização dos materiais, estudo de dosagem, ajustes do traço, preparo) devem atender ao exposto a seguir:6.1 Armazenamento dos materiais componentes6.1.1 Cimento6.1.2 Agregados6.1.3 Água6.1.4 Aditivos6.1.5 Adições minerais6.2 Medida dos materiais e do concreto6.3 Mistura6.4 Estudo de dosagem do concreto6.5 Ajuste e comprovação do traçoPedido do ConcretoLocal e denominação da obra;Programação de entrega;fck e Eci para as diversas idades e situações executivas;Tipo e classe do cimento e consumo/m3, se cabível;Relação água/cimento máxima;Condição de aplicação: bombeável, convencional, outra;Trabalhabilidade (slump)Diâmetro máximo do agregado;Restrições quanto a aditivos e/ou adições;Fornecimento do traço, se cabível;Outras características: cor, permeabilidade, temperatura do concreto, resistividade, massa específica, teor de ar incorporado, teor de argamassa, etc;Denominação para fins de rastreamento.
  • 50. www.ventuscore.comNBR12655:1996Especificação e ControleNBR12655:1996 item 7 “Ensaios de controle de aceitação”Para cada tipo e classe de concreto a ser colocado em uma estrutura devem ser realizados os ensaios de controle previstos nesta seção, além de ensaios e determinações para o controle de propriedades especiais. 7.1 Ensaio de consistência: devem ser realizados ensaios de consistência pelo abatimento do tronco de cone, conforme a NBR7223, ou pelo espalhamento do tronco de cone, conforme a NBR9606.7.1.1 Para o concreto preparado pelo executante da obra devem ser realizados ensaios de consistência sempre que ocorrerem alterações na umidade dos agregados e nas seguintes condições: a) na primeira amassada do dia; b) ao reiniciar o preparo após uma interrupção da jornada de concretagem de pelo menos 2 h; c) na troca de operadores; d) cada vez que forem moldados corpos-de-prova.7.1.2 Para o concreto preparado por empresa de serviços de concretagem devem ser realizados ensaios de consistência a cada betonada.
  • 51. www.ventuscore.comNBR12655:1996Especificação e ControleNBR12655:1996 item 7 “Ensaios de controle de aceitação” 7.2 Ensaios de resistência à compressão: Os resultados dos ensaios de resistência, conforme a NBR5739, realizados em amostras formadas como segue, devem servir para a aceitação ou rejeição dos lotes.7.2.1 Formação de lotes: a amostragem do concreto para ensaios de resistência à compressão deve ser feita dividindo-se a estrutura em lotes que atendam a todos os limites da tabela 2. De cada lote deve ser retirada uma amostra, com número de exemplares de acordo com o tipo de controle.7.2.2 Amostragem: as amostras devem ser coletadas aleatoriamente durante a operação de concretagem, conforme a NBR5750. Cada exemplar é constituído por dois ou mais corpos-de-prova da mesma amassada, conforme a NBR5738, para cada idade de rompimento, moldados no mesmo ato. Toma-se como resistência do exemplar o maior dos dois valores obtidos no ensaio do exemplar.
  • 52. www.ventuscore.comEspecificação do ConcretoArquitetura/GeometriaNBR6118, itens 7.2, 7.3, 7.4Limites deformação, fissuraçãoNBR6118, item 7.6, Anexo AAgentes agressivos ExternosNBR6118, item 6.3.2, 6.3.3 e 6.3.4Resistência do ConcretoNBR6118, itens 8.2.4 e 12.3.3Agressividade AmbientalNBR6118, item 6.4, Tabela 6.1Módulo de elasticidadeNBR6118, item 8.2.8Limites fck e a/cNBR6118, itens 7.2 a 7.4,Tabelas 7.1 e 7.2fck e Ec p/ idades críticasNBR12655, item 5.1Limites deformação, fissuraçãoNBR6118, item 7.6, Anexo APlano de desformaNBR14931, item 10.2Proteção do açoNBR6118, item 7.7Planos Uso e ManutençãoNBR14037, NBR5674Nova NormalizaçãoEspecificação e Controle - Resumo
  • 53. www.ventuscore.comVentusCore - AçãoMetodologia VentusCoreProjeto: Estudos, dosagens, testes, especificação do concreto.Execução:Planejamento e Gestão do Controle Executivo – GECON/MOVESCOREUso:Suporte à elaboração do Manual
  • 54. www.ventuscore.comGECON VentusCoreGestão de Planejamento e Controle de ConcretagensOs critérios para formação de lotes são apresentados na NBR12655, como vimos.Entretanto, algumas diretrizes se impõem pela própria natureza das construções. Assim, a separação natural entre peças horizontais, como lajes e vigas, acaba determinando a separação em relação a lotes de peças verticais, como os pilares.Num edifício de vários andares isto proporciona que a seqüência natural de lotes seja de pilares, depois vigas e lajes, novamente pilares depois vigas e lajes, etc.A necessidade de guardar a máxima homogeneidade de procedimentos em cada lote faz com que se delimitem concretagens em períodos não muito longos, geralmente diários. Isto também conduz à imposição de limites para volumes, sendo que grandes concretagens num mesmo dia também são subdivididas em lotes menores, limitando-se os volumes concretados por lote.Imposições e restrições de etapas diferenciadas das obras são outras limitações que impõem-se sobre as diretrizes para o planejamento e a subdivisão em lotes.Obra Multipalco – Theatro São Pedro – Porto AlegreGerenciamento: Solé & AssociadosConsultoria Concreto: VentusCore – 5.000 m3
  • 55. www.ventuscore.comGECON VentusCoreGestão de Planejamento e Controle de Concretagens
  • 56. www.ventuscore.comGECON VentusCoreGestão de Planejamento e Controle de ConcretagensTr. ITr. IITr. III
  • 57. www.ventuscore.comGECON VentusCoreGestão de Planejamento e Controle de Concretagens1716151413121110987654321