SlideShare uma empresa Scribd logo
A NEUROCIÊNCIA e os
TRANSTORNOS de APRENDIZAGEM
O Conceito de Neurociência
e Suas Correntes
A Neuroplasticidade e as
Funções Cerebrais
As Funções Mentais
Relacionadas à Aprendizagem
A Dislexia e Seus
Transtornos à
Aprendizagem
A Disgrafia e os Exercícios Grafomotores
O Conceito de Neurociência
Neurociências é um termo novo que engloba
várias disciplinas que estudam o cérebro e tem
na interdisciplinaridade desses estudos o ponto
forte para abordar o cérebro e suas funções
Existiam 2
fortes correntes
científicas que
abordavam de
que forma o
cérebro
funcionava:
1ª) A Corrente Localizacionista: É um conceito que
identifica áreas específicas do cérebro responsáveis pelas
funções mentais
2ª) A Corrente Holista (ou Unitarista): É uma concepção
que descarta a possibilidade de áreas específicas do
cérebro controlarem as funções mentais
Essa discussão teórica rendeu muitos debates entre ambas e foi
solucionada a partir de um dos maiores cientistas da modernidade
(Luria), o qual estabeleceu os 3 conceitos de “Sistemas Funcionais”:
O 1º conceito regula a vigília e o tônus cortical e
depende de estruturas como a formação
reticular e áreas do sistema límbico
O 2º se encarrega de receber, processar e armazenar
as informações que chegam do mundo externo e
interno e está situado em áreas do córtex cerebral
localizadas posteriormente ao sulco central
Já o 3º regula e verifica as estratégias
comportamentais e a própria atividade
mental, sendo constituído pelo córtex cerebral
(situado nas regiões anteriores do cérebro) e
organiza-se também hierarquicamente, em
áreas corticais primária, secundária e
terciária
Essa teoria da
organização funcional do
cérebro é a mais
amplamente aceita
atualmente, quando
pensamos na forma
como o cérebro funciona
e seus aspectos
psíquicos que são
estudados pela
Neuropsicologia
O Cérebro: Possui 3 divisões (o cerebelo, os
hemisférios cerebrais e o tronco cerebral), cada
uma agindo de forma interligada processando as
informações recebidas pelos sistemas nervosos
autônomo e periférico
Não existe sensação humana que não passe
pelo cérebro e pelo sistema nervoso e, um bom
exemplo é a dor, pois ela não existe sem que o
cérebro processe esta informação. Este é o
princípio da anestesia, que interrompe a
circulação da informação entre a medula
espinal e o cérebro
Medula Espinal: Estrutura
recoberta pelos ossos da coluna
vertebral que é responsável pela
condução das informações
sensórias ao encéfalo, por meio
de 31 pares de nervos espinais
Não existe informação, sensação, aprendizagem que não tenha passado
antes pelo Sistema Nervoso Central e, conhecer seu funcionamento, como ele
atua em relação às informações recebidas pelo corpo, como são transmitidas
pelos neurônios e como são processadas pelo cérebro, contribui para a
compreensão dos processos de ensino e aprendizagem
NEUROPLASTICIDADE
Durante décadas prevaleceu a hipótese de especialização de
áreas do cérebro que carregava consigo outra hipótese: a de
que uma vez afetada a área responsável por uma função
cerebral, esta estava incapacitada para sempre
Posteriormente conclui-se que, se é verdade que
existem áreas do cérebro responsáveis por funções
específicas, existe a possibilidade de regeneração
dessas áreas e também existe uma atuação funcional
influenciada pelas questões ambientais (a Ontogênese)
O cérebro passa por
modificações por todo o ciclo
humano e, dessa forma,
quando se fala de plasticidade
fala-se de Desenvolvimento
Humano e de Aprendizagem,
num movimento que envolve
trocas entre o organismo e o
meio ambiente onde está
inserido
Significa que, pensar num processo de adaptação
permanente de sinapses, estamos sendo
estimulados de forma constante. Quando a criança
nasce seu cérebro ainda não está desenvolvido, é
suscetível aos estímulos e ligado ao
desenvolvimento dos neurônios. Então, tanto novas
aprendizagens quanto possíveis danos nesta fase
da vida podem ocorrer de forma bem mais rápida,
do que em outras fases do desenvolvimento
humano
Pesquisas demonstram a importância para o
desenvolvimento humano dos 3 primeiros anos de vida,
embora não queira dizer que nas outras fases não haja
desenvolvimento, mas que do ponto de vista orgânico
esse é um momento único
Pesquisas
demonstram
que neurônios
de outras áreas
“migram” para
áreas afetadas
e
reestabelecem
as funções
afetadas pelas
lesões, mesmo
em idade adulta
Esses avanços advindos
das Neurociências
contribuem para que
psicólogos, educadores
e pais a elaborarem
políticas públicas para
crianças, jovens, adultos
e idosos a fim de
prevenir, estimular ou
até sanar problemas de
aprendizagem
O conceito de Plasticidade
demonstra que podemos
fortalecer as conexões
cerebrais que já temos e, ao
mesmo tempo, estabelecer
novas conexões, pois o
cérebro está em constante
desenvolvimento.
Importante saber que o
inverso também é
verdadeiro
As Funções Mentais Relacionadas à Aprendizagem
As Funções Mentais (Cognitivas) são consideradas
funções corticais superiores, estando ligadas às
funções visuo-espaciais, memória, atenção,
linguagem, funções verbais e funções executivas.
Todas podem ser avaliadas por testes específicos
Para um
profissional da área
educacional, a
compreensão do
funcionamento de
algumas dessas
funções é de grande
ajuda, na
preparação de sua
atuação nos
processos de ensino
e aprendizagem
Uma das definições para a Aprendizagem é a mudança de
comportamento a partir de experiências acumuladas em nossa
memória. Imagine uma situação na qual uma criança enfia o dedo
numa tomada e recebe uma descarga elétrica. Se a mesma não
desenvolver, reter a memória das sensações relativas ao fato
ocorrido, ela repetirá a experiência sempre
Entre a informação sensorial que recebemos e a
memória de longa duração que processamos, existem
várias áreas do cérebro atuando. Tais como:
Memória de Trabalho: envolve
processos para armazenar e manipular
informações temporariamente e é
processada no córtex pré-frontal. Sua
característica é não durar muito e seu
esquecimento não é considerado como
um esquecimento real
Memória de longa duração: recebe as
informações da memória de curto prazo e as
armazena. Em relação ao conteúdo, a
memória é classificada como explícita ou
declarativa e implícita ou não declarativa
Memória Declarativa: Permite serem
declaradas como são (como rostos,
poemas ou incidentes) e pode ser evocada
de forma consciente por palavras, podendo
ainda ser semânticas (que contêm um
conhecimento sobre o mundo ou símbolos)
Memória Episódica (ou
Autobiográfica): Permite a
evocação e/ou retenção de eventos
passados e vivenciados. Tem na
infância seu ápice e na velhice sua
degradação
OBSERVAÇÃO: A memória é fundamental em todo processo de
aprendizado humano, existindo métodos que podem ajudar no
processo de aprendizagem e memorização, como os mapas mentais,
os quais consistem em uma interligação de vários eventos e as
respectivas ações que possibilitam a sua execução
A ATENÇÃO
Trata-se de um dos princípios fundamentais para a memória, sendo
a nossa capacidade de inibir ou acolher estímulos que nos são
significativos, A atenção exige a consciência para a sua existência,
sendo um processo de seleção e exclusão simultâneo no qual
decidimos o que manter. De outra maneira não conseguiríamos nos
orientar e direcionar nossa ação
A atenção se relaciona
aos processos mentais
e sensoriais, sendo
necessário que ela
esteja intacta para que
os processos
cognitivos ocorram a
contento. Contribuem
para este processo o
estado de alerta, a
percepção, a memória,
os afetos e a
motivação
Em relação à atenção, existem, pelo menos, 5
(cinco) modalidades amplamente aceitas:
Atenção Focada: Permite uma resposta simples a
uma ação, como virar o rosto ao ser estimulado
por um som
Atenção Alternada: permite a realização de
tarefas simultaneamente, como dirigir e ouvir
música
Atenção Sustentada: Está diretamente ligada à memória
de curto prazo e se relaciona com a capacidade de
vigilância; ou seja, manter o foco por um determinado prazo
Atenção Seletiva: É a capacidade de manter a atenção diante
de eventos que se contrapõem ou são disruptivos. É executada
no córtex, tálamo e tronco cerebral
Atenção Alternada:
permite a mudança
de atenção para
situações distintas,
como ouvir o
palestrante e anotar
suas falas.
Contribuem para a
mesma memória de
trabalho
As Emoções: Estão diretamente relacionadas às
ações; ou seja, possibilitam a realização de ações ou
as inibem. Diferente do senso comum, as emoções
são sociais e auxiliam nos mais diversos aspectos dos
relacionamentos humanos e no processo de
socialização
Os aspectos emocionais que envolvem o processo
de Ensino e Aprendizagem devem ser o foco de uma
observação mais atenção
A Dislexia e os Transtornos na Aprendizagem
É um termo utilizado para descrever os problemas de
aprendizado referentes às dificuldades de leitura e de
escrita, apesar do nível de inteligência da pessoa ser
“normal ou estar acima da média”
Ocorre
conjuntamente a
outros distúrbios
como os de memória,
orientação esquerda-
direita, orientação
temporal, imagem
corporal, escrita e
soletração, distúrbios
topográficos ou no
padrão motor,
podendo também ser
hereditária
Os distúrbios de
memória atrelados à
dislexia ocorrem
quando a criança não
consegue recordar o
som ou a grafia de
uma letra e, o distúrbio
de memória
sequencial, se refere à
memorização da
sequência das letras ao
formar uma palavra
Existem também os seguintes
distúrbios:
Direita-esquerda: o qual a
criança não reconhece as
orientações e direções
Orientação temporal: a qual a
criança não consegue se
localizar no tempo (dia da
semana, hora, mês)
Imagem corporal:
quando a criança
não consegue se
desenhar como
uma figura humana
Topográficos:
se dá ao fato
da criança não
conseguir “ler”
mapas ou
gráficos
Padrão motor:
Quando a criança
não consegue se
manter equilibrada,
andar ou pular
normalmente
Outros
distúrbios
apresentados
podem ser os
problemas
graves na
leitura que
afetam a
escrita, além
da não
realização da
soletração
Todas essas características
precisam ser analisadas caso a
caso, pois até os 7 anos é normal a
criança apresentar algumas
dificuldades. Um dos sinais para
diagnosticar se há dislexia é o
atraso na fala, pois mesmo a
criança aprendendo a falar, ainda
assim ela continua com uma
linguagem inferior à idade
apresentada
Esse problema também
pode ser observado na
alfabetização, quando as
crianças se interessam
pelo processo de
aprender a escrever seus
nomes e interpretar
textos. Porém, a
desmotivação por essa
atividade pode ser
reflexo da Dislexia
Existem outros sinais que podem indicar o aparecimento
do distúrbio da Dislexia, tais como:
Dispersão / Fraco desenvolvimento
da atenção / Atraso do
desenvolvimento da fala e da
linguagem / Dificuldade de
aprender rimas e canções
Fraco desenvolvimento da
coordenação motora /
Dificuldade com quebra-
cabeças / Falta de interesse
por livros impressos
Há ainda outros sinais que
se apresentam na idade
escolar, os quais podem ser
um pouco mais facilmente
identificados por se
tratarem de
comportamentos
relacionados à escola e ao
desenvolvimento dos
estudos:
Dificuldade na aquisição da leitura e da escrita / Pobre
conhecimento de rimas / Desatenção e dispersão /
Dificuldade em copiar de livros e lousas / Dificuldade na
coordenação motora fina (letras, desenhos, pinturas etc.)
e/ou grossa (ginástica, dança etc.) / Confusão para nomear
entre esquerda e direita / Dificuldade em manusear mapas,
dicionários, listas telefônicas etc.
Vocabulário pobre, com sentenças curtas e imaturas ou
longas e vagas
Outros sinais podem aparecer durante a fase escolar,
os quais podem ser divididos nas seguintes fases:
Pré-escolar:
Falta de interesse pelas rimas;
palavras mal pronunciadas;
deficiência em saber o nome das
letras de seu próprio nome. Falar
mais tarde do que a maioria das
crianças. Ter mais dificuldade do
que outras crianças ao pronunciar
as palavras. Ser lento para
adicionar novas palavras de
vocabulário e ser incapaz de
recordar a palavra certa. Ter
dificuldade em aprender o
alfabeto, números, dias da semana,
cores, formas, como soletrar e
como escrever seu nome
Jardim de Infância
até a 4ª série:
Dificuldade em
entender que as
palavras podem ser
divididas em partes.
Dificuldade em
associar letras a
sons; reclamações
de o quanto é difícil
ler; histórico de
problemas de leitura
presente nos pais e
irmãos
Dificuldade em ler
palavras simples
que não estão
cercadas por
outras palavras /
Demora para
aprender a
conexão entre
letras e sons
Ensino Fundamental: Possuir discurso não fluente
(pausas ou hesitações frequentes, muitos “hummm...”).
Não ser capaz de encontrar as palavras corretas,
confundindo as que tenham a sonoridade semelhante;
problema ao lembrar datas, nomes, números de telefone,
listas; medo de ler em voz alta; desempenho fraco em
testes de múltipla escolha. Ter dificuldade em terminar
provas no tempo estabelecido; problemas na leitura dos
enunciados dos problemas matemáticos; leitura lenta e
cansativa. Apresentar deveres de casa incompletos;
necessitar de ajuda para ler o enunciado; extrema
dificuldade para aprender uma língua estrangeira
Ensino Médio e
Faculdade:
Ler muito lentamente
com muitas
imprecisões. Continuar
a soletrar
incorretamente, ou
soletrar frequentemente
a mesma palavra
diferentemente em uma
única parte de escrita
Evitar testes que exigem leitura e escrita e procrastinar
tarefas de leitura e escrita. Ter dificuldade em preparar
resumos para as aulas. Trabalhar intensamente em
tarefas de leitura e escrita. Ter poucas habilidades de
memória e completar o trabalho atribuído mais
lentamente do que o esperado. Ter um vocabulário
inadequado e ser incapaz de armazenar muita informação
da leitura
DISGRAFIA
É uma dificuldade que acomete crianças com inteligência normal,
mas que possuem uma escrita ilegível ou lenta, o que lhe traz
dificuldades de aprendizagem na escola, como a falta de
entendimento do que está escrevendo, levando-as a uma leitura
pausada, o que prejudica o que está sendo lido e até a criação de
ideias e desenvolvimento intelectual pela falta de linearidade na
absorção do conteúdo
O curioso é que a
Disgrafia se
apresenta de
diversas formas e,
portanto, pode haver
casos de uma sala
possuir vários alunos
com esse problema
de aprendizagem,
apresentando
diferentes
características
E o que pode ser feito
para desenvolver a
habilidade do aluno? O 1º
passo é reconhecer que o
estudante tem a Disgrafia
e jamais forçá-lo a algo
que ele provavelmente
não dará conta. Depois, é
preciso estabelecer as
metodologias que melhor
se adéquam ao caso da
criança, tais como:
Exercícios Grafomotores: São ideais
para a criança trabalhar acompanhada
de um profissional, melhorando a
coordenação motora e o domínio das
mãos ao movimentar um lápis sobre o
papel. Os exercícios podem conter
desenhos pontilhados, que incentivarão
a criança a desenvolver a habilidade, ou
outras atividades que ligam um ponto a
outro, etc.
Caligrafia: a criança pode, aqui, ter a
habilidade da escrita desempenhada para que
ela tenha maior domínio na escrita. É
importante lembrar que as etapas são cruciais
para notar a melhora do desenvolvimento do
manuseio na hora de escrever. Seguindo essa
linha, o profissional pode aplicar exercícios
que induzam a reaprendizagem da forma das
letras e o espaçamento necessário entre elas
Pincel: o uso do
instrumento é ideal na fase
inicial do treinamento,
principalmente para que a
criança consiga trabalhar a
pressão que é exercida
sobre a folha de papel. Aqui,
o profissional pode indicar
traços retos para que a
criança possa desenvolver
sua coordenação
Posição ao Escrever: a maneira a qual a
criança segura o lápis é determinante e causa
dor e fadiga nas mãos. Neste caso, o aluno
precisa ser orientado à forma mais adequada
para desenvolver a escrita sem prejudicar
seus membros. Além disso, a posição do papel
também reflete a maneira que a criança
escreve

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
glauciacorreaperes
 
Cérebro e Funções Cognitivas
Cérebro e Funções CognitivasCérebro e Funções Cognitivas
Cérebro e Funções Cognitivas
Gisele Cortoni Calia
 
Neurociência e a educação
Neurociência e a educaçãoNeurociência e a educação
Neurociência e a educação
angelafreire
 
Fundamentos da Neurociência
Fundamentos da NeurociênciaFundamentos da Neurociência
Fundamentos da Neurociência
Instituto Consciência GO
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
Instituto Consciência GO
 
Funções executivas e aprendizagem
Funções executivas e aprendizagemFunções executivas e aprendizagem
Funções executivas e aprendizagem
Lucimary Bezerra Florentino A
 
Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1
Educação Infantil
 
Neuroplasticidade
NeuroplasticidadeNeuroplasticidade
Neuroplasticidade
Gisele Cortoni Calia
 
Psicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãOPsicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãO
Silvia Marina Anaruma
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagem
Caio Maximino
 
Psicologia da aprendizagem
Psicologia da aprendizagemPsicologia da aprendizagem
Psicologia da aprendizagem
na educação
 
Cérebro e Aprendizagem
Cérebro e AprendizagemCérebro e Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
Maristela Couto
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
O Blog do Pedagogo
 
Neurociencia e-aprendizagem
Neurociencia e-aprendizagemNeurociencia e-aprendizagem
Neurociencia e-aprendizagem
Prof Paim
 
Processos psicológicos básicos psicologia
Processos psicológicos básicos   psicologia Processos psicológicos básicos   psicologia
Processos psicológicos básicos psicologia
Maria Santos
 
Atenção
AtençãoAtenção
O que são funções executivas?
O que são funções executivas?O que são funções executivas?
Slides sobre TDAH
Slides sobre TDAHSlides sobre TDAH
Slides sobre TDAH
Instituto Consciência GO
 
sensação e percepção
sensação e percepçãosensação e percepção
sensação e percepção
Roberto Nobre
 

Mais procurados (20)

As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas  dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
 
Cérebro e Funções Cognitivas
Cérebro e Funções CognitivasCérebro e Funções Cognitivas
Cérebro e Funções Cognitivas
 
Neurociência e a educação
Neurociência e a educaçãoNeurociência e a educação
Neurociência e a educação
 
Fundamentos da Neurociência
Fundamentos da NeurociênciaFundamentos da Neurociência
Fundamentos da Neurociência
 
Neuropsicologia
NeuropsicologiaNeuropsicologia
Neuropsicologia
 
Funções executivas e aprendizagem
Funções executivas e aprendizagemFunções executivas e aprendizagem
Funções executivas e aprendizagem
 
Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1Psicomotricidade - 1
Psicomotricidade - 1
 
Neuroplasticidade
NeuroplasticidadeNeuroplasticidade
Neuroplasticidade
 
Psicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãOPsicologia E EducaçãO
Psicologia E EducaçãO
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagem
 
Psicologia da aprendizagem
Psicologia da aprendizagemPsicologia da aprendizagem
Psicologia da aprendizagem
 
Cérebro e Aprendizagem
Cérebro e AprendizagemCérebro e Aprendizagem
Cérebro e Aprendizagem
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
 
A Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da AprendizagemA Psicologia da Aprendizagem
A Psicologia da Aprendizagem
 
Neurociencia e-aprendizagem
Neurociencia e-aprendizagemNeurociencia e-aprendizagem
Neurociencia e-aprendizagem
 
Processos psicológicos básicos psicologia
Processos psicológicos básicos   psicologia Processos psicológicos básicos   psicologia
Processos psicológicos básicos psicologia
 
Atenção
AtençãoAtenção
Atenção
 
O que são funções executivas?
O que são funções executivas?O que são funções executivas?
O que são funções executivas?
 
Slides sobre TDAH
Slides sobre TDAHSlides sobre TDAH
Slides sobre TDAH
 
sensação e percepção
sensação e percepçãosensação e percepção
sensação e percepção
 

Semelhante a A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem

INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA - escolar e clinica
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA  - escolar e clinicaINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA  - escolar e clinica
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA - escolar e clinica
DouglasVasconcelosMa
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Juazeiro do Norte e Região do Cariri
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
glauciacorreaperes
 
neurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptxneurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptx
Sidney Silva
 
Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
Amone Matandaudje
 
2800 9436-1-pb
2800 9436-1-pb2800 9436-1-pb
2800 9436-1-pb
Jéssica Guidolin
 
Neuropsicopedagogia novas perspectivas para a aprendizagem
Neuropsicopedagogia novas perspectivas para a aprendizagemNeuropsicopedagogia novas perspectivas para a aprendizagem
Neuropsicopedagogia novas perspectivas para a aprendizagem
Ana Lúcia Hennemann
 
Funcoes cerebrais-superiores
Funcoes cerebrais-superioresFuncoes cerebrais-superiores
Funcoes cerebrais-superiores
Rafael Fonoaudiologia
 
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
Glaucia Correa Peres
 
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leituraINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
DouglasVasconcelosMa
 
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdfIntrodução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
ALFREDOGALLONETO
 
NEUROCIENCIA I (1).ppt aula explicativa 1
NEUROCIENCIA I (1).ppt aula explicativa 1NEUROCIENCIA I (1).ppt aula explicativa 1
NEUROCIENCIA I (1).ppt aula explicativa 1
conselhosade2
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
SUPORTE EDUCACIONAL
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
SUPORTE EDUCACIONAL
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
Ana Felizardo
 
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
Liliam Da Paixão
 
Dança além do movimento
Dança além do movimentoDança além do movimento
Dança além do movimento
Anderson Balbinot
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
Raquel Salcedo Gomes
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
vilcielepazebem
 
Como aprende o cerebro
Como aprende o cerebroComo aprende o cerebro
Como aprende o cerebro
Leonardo Faria
 

Semelhante a A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem (20)

INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA - escolar e clinica
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA  - escolar e clinicaINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA  - escolar e clinica
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDA - escolar e clinica
 
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem Iemag   ieducar bases neurologicas da aprendizagem
Iemag ieducar bases neurologicas da aprendizagem
 
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagemAs bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
As bases neurologicas dos disturbios e dificuldades de aprendizagem
 
neurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptxneurociência-aplicada-a-educação.pptx
neurociência-aplicada-a-educação.pptx
 
Pensamento
PensamentoPensamento
Pensamento
 
2800 9436-1-pb
2800 9436-1-pb2800 9436-1-pb
2800 9436-1-pb
 
Neuropsicopedagogia novas perspectivas para a aprendizagem
Neuropsicopedagogia novas perspectivas para a aprendizagemNeuropsicopedagogia novas perspectivas para a aprendizagem
Neuropsicopedagogia novas perspectivas para a aprendizagem
 
Funcoes cerebrais-superiores
Funcoes cerebrais-superioresFuncoes cerebrais-superiores
Funcoes cerebrais-superiores
 
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
Basesneurolgicas prbr-101017150753-phpapp01
 
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leituraINTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA  - leitura
INTRODUÇÃO À NEUROPSICOPEDAGOGIA - leitura
 
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdfIntrodução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
Introdução-à-Neuropsicopedagogia-e-Neurofarmacologia.pdf
 
NEUROCIENCIA I (1).ppt aula explicativa 1
NEUROCIENCIA I (1).ppt aula explicativa 1NEUROCIENCIA I (1).ppt aula explicativa 1
NEUROCIENCIA I (1).ppt aula explicativa 1
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
 
Redescoberta da mente
Redescoberta da menteRedescoberta da mente
Redescoberta da mente
 
Memória - Psicologia
Memória - PsicologiaMemória - Psicologia
Memória - Psicologia
 
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
A Prática da Atividade Física e Sua Relação Com o Aprimoramento da Memória: U...
 
Dança além do movimento
Dança além do movimentoDança além do movimento
Dança além do movimento
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdfPROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
PROCESSOS PSICOLOGICOS BASICOSMEMÓRIA PPB.pdf
 
Como aprende o cerebro
Como aprende o cerebroComo aprende o cerebro
Como aprende o cerebro
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
 

Último

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 

Último (20)

EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 

A Neurociência e os Transtornos de Aprendizagem

  • 1. A NEUROCIÊNCIA e os TRANSTORNOS de APRENDIZAGEM O Conceito de Neurociência e Suas Correntes A Neuroplasticidade e as Funções Cerebrais As Funções Mentais Relacionadas à Aprendizagem A Dislexia e Seus Transtornos à Aprendizagem A Disgrafia e os Exercícios Grafomotores
  • 2. O Conceito de Neurociência Neurociências é um termo novo que engloba várias disciplinas que estudam o cérebro e tem na interdisciplinaridade desses estudos o ponto forte para abordar o cérebro e suas funções Existiam 2 fortes correntes científicas que abordavam de que forma o cérebro funcionava: 1ª) A Corrente Localizacionista: É um conceito que identifica áreas específicas do cérebro responsáveis pelas funções mentais 2ª) A Corrente Holista (ou Unitarista): É uma concepção que descarta a possibilidade de áreas específicas do cérebro controlarem as funções mentais Essa discussão teórica rendeu muitos debates entre ambas e foi solucionada a partir de um dos maiores cientistas da modernidade (Luria), o qual estabeleceu os 3 conceitos de “Sistemas Funcionais”:
  • 3. O 1º conceito regula a vigília e o tônus cortical e depende de estruturas como a formação reticular e áreas do sistema límbico O 2º se encarrega de receber, processar e armazenar as informações que chegam do mundo externo e interno e está situado em áreas do córtex cerebral localizadas posteriormente ao sulco central Já o 3º regula e verifica as estratégias comportamentais e a própria atividade mental, sendo constituído pelo córtex cerebral (situado nas regiões anteriores do cérebro) e organiza-se também hierarquicamente, em áreas corticais primária, secundária e terciária Essa teoria da organização funcional do cérebro é a mais amplamente aceita atualmente, quando pensamos na forma como o cérebro funciona e seus aspectos psíquicos que são estudados pela Neuropsicologia
  • 4. O Cérebro: Possui 3 divisões (o cerebelo, os hemisférios cerebrais e o tronco cerebral), cada uma agindo de forma interligada processando as informações recebidas pelos sistemas nervosos autônomo e periférico Não existe sensação humana que não passe pelo cérebro e pelo sistema nervoso e, um bom exemplo é a dor, pois ela não existe sem que o cérebro processe esta informação. Este é o princípio da anestesia, que interrompe a circulação da informação entre a medula espinal e o cérebro Medula Espinal: Estrutura recoberta pelos ossos da coluna vertebral que é responsável pela condução das informações sensórias ao encéfalo, por meio de 31 pares de nervos espinais Não existe informação, sensação, aprendizagem que não tenha passado antes pelo Sistema Nervoso Central e, conhecer seu funcionamento, como ele atua em relação às informações recebidas pelo corpo, como são transmitidas pelos neurônios e como são processadas pelo cérebro, contribui para a compreensão dos processos de ensino e aprendizagem
  • 5. NEUROPLASTICIDADE Durante décadas prevaleceu a hipótese de especialização de áreas do cérebro que carregava consigo outra hipótese: a de que uma vez afetada a área responsável por uma função cerebral, esta estava incapacitada para sempre Posteriormente conclui-se que, se é verdade que existem áreas do cérebro responsáveis por funções específicas, existe a possibilidade de regeneração dessas áreas e também existe uma atuação funcional influenciada pelas questões ambientais (a Ontogênese) O cérebro passa por modificações por todo o ciclo humano e, dessa forma, quando se fala de plasticidade fala-se de Desenvolvimento Humano e de Aprendizagem, num movimento que envolve trocas entre o organismo e o meio ambiente onde está inserido Significa que, pensar num processo de adaptação permanente de sinapses, estamos sendo estimulados de forma constante. Quando a criança nasce seu cérebro ainda não está desenvolvido, é suscetível aos estímulos e ligado ao desenvolvimento dos neurônios. Então, tanto novas aprendizagens quanto possíveis danos nesta fase da vida podem ocorrer de forma bem mais rápida, do que em outras fases do desenvolvimento humano
  • 6. Pesquisas demonstram a importância para o desenvolvimento humano dos 3 primeiros anos de vida, embora não queira dizer que nas outras fases não haja desenvolvimento, mas que do ponto de vista orgânico esse é um momento único Pesquisas demonstram que neurônios de outras áreas “migram” para áreas afetadas e reestabelecem as funções afetadas pelas lesões, mesmo em idade adulta Esses avanços advindos das Neurociências contribuem para que psicólogos, educadores e pais a elaborarem políticas públicas para crianças, jovens, adultos e idosos a fim de prevenir, estimular ou até sanar problemas de aprendizagem O conceito de Plasticidade demonstra que podemos fortalecer as conexões cerebrais que já temos e, ao mesmo tempo, estabelecer novas conexões, pois o cérebro está em constante desenvolvimento. Importante saber que o inverso também é verdadeiro
  • 7. As Funções Mentais Relacionadas à Aprendizagem As Funções Mentais (Cognitivas) são consideradas funções corticais superiores, estando ligadas às funções visuo-espaciais, memória, atenção, linguagem, funções verbais e funções executivas. Todas podem ser avaliadas por testes específicos Para um profissional da área educacional, a compreensão do funcionamento de algumas dessas funções é de grande ajuda, na preparação de sua atuação nos processos de ensino e aprendizagem Uma das definições para a Aprendizagem é a mudança de comportamento a partir de experiências acumuladas em nossa memória. Imagine uma situação na qual uma criança enfia o dedo numa tomada e recebe uma descarga elétrica. Se a mesma não desenvolver, reter a memória das sensações relativas ao fato ocorrido, ela repetirá a experiência sempre Entre a informação sensorial que recebemos e a memória de longa duração que processamos, existem várias áreas do cérebro atuando. Tais como:
  • 8. Memória de Trabalho: envolve processos para armazenar e manipular informações temporariamente e é processada no córtex pré-frontal. Sua característica é não durar muito e seu esquecimento não é considerado como um esquecimento real Memória de longa duração: recebe as informações da memória de curto prazo e as armazena. Em relação ao conteúdo, a memória é classificada como explícita ou declarativa e implícita ou não declarativa Memória Declarativa: Permite serem declaradas como são (como rostos, poemas ou incidentes) e pode ser evocada de forma consciente por palavras, podendo ainda ser semânticas (que contêm um conhecimento sobre o mundo ou símbolos) Memória Episódica (ou Autobiográfica): Permite a evocação e/ou retenção de eventos passados e vivenciados. Tem na infância seu ápice e na velhice sua degradação OBSERVAÇÃO: A memória é fundamental em todo processo de aprendizado humano, existindo métodos que podem ajudar no processo de aprendizagem e memorização, como os mapas mentais, os quais consistem em uma interligação de vários eventos e as respectivas ações que possibilitam a sua execução
  • 9. A ATENÇÃO Trata-se de um dos princípios fundamentais para a memória, sendo a nossa capacidade de inibir ou acolher estímulos que nos são significativos, A atenção exige a consciência para a sua existência, sendo um processo de seleção e exclusão simultâneo no qual decidimos o que manter. De outra maneira não conseguiríamos nos orientar e direcionar nossa ação A atenção se relaciona aos processos mentais e sensoriais, sendo necessário que ela esteja intacta para que os processos cognitivos ocorram a contento. Contribuem para este processo o estado de alerta, a percepção, a memória, os afetos e a motivação Em relação à atenção, existem, pelo menos, 5 (cinco) modalidades amplamente aceitas: Atenção Focada: Permite uma resposta simples a uma ação, como virar o rosto ao ser estimulado por um som Atenção Alternada: permite a realização de tarefas simultaneamente, como dirigir e ouvir música
  • 10. Atenção Sustentada: Está diretamente ligada à memória de curto prazo e se relaciona com a capacidade de vigilância; ou seja, manter o foco por um determinado prazo Atenção Seletiva: É a capacidade de manter a atenção diante de eventos que se contrapõem ou são disruptivos. É executada no córtex, tálamo e tronco cerebral Atenção Alternada: permite a mudança de atenção para situações distintas, como ouvir o palestrante e anotar suas falas. Contribuem para a mesma memória de trabalho As Emoções: Estão diretamente relacionadas às ações; ou seja, possibilitam a realização de ações ou as inibem. Diferente do senso comum, as emoções são sociais e auxiliam nos mais diversos aspectos dos relacionamentos humanos e no processo de socialização Os aspectos emocionais que envolvem o processo de Ensino e Aprendizagem devem ser o foco de uma observação mais atenção
  • 11. A Dislexia e os Transtornos na Aprendizagem É um termo utilizado para descrever os problemas de aprendizado referentes às dificuldades de leitura e de escrita, apesar do nível de inteligência da pessoa ser “normal ou estar acima da média” Ocorre conjuntamente a outros distúrbios como os de memória, orientação esquerda- direita, orientação temporal, imagem corporal, escrita e soletração, distúrbios topográficos ou no padrão motor, podendo também ser hereditária Os distúrbios de memória atrelados à dislexia ocorrem quando a criança não consegue recordar o som ou a grafia de uma letra e, o distúrbio de memória sequencial, se refere à memorização da sequência das letras ao formar uma palavra Existem também os seguintes distúrbios: Direita-esquerda: o qual a criança não reconhece as orientações e direções Orientação temporal: a qual a criança não consegue se localizar no tempo (dia da semana, hora, mês)
  • 12. Imagem corporal: quando a criança não consegue se desenhar como uma figura humana Topográficos: se dá ao fato da criança não conseguir “ler” mapas ou gráficos Padrão motor: Quando a criança não consegue se manter equilibrada, andar ou pular normalmente Outros distúrbios apresentados podem ser os problemas graves na leitura que afetam a escrita, além da não realização da soletração Todas essas características precisam ser analisadas caso a caso, pois até os 7 anos é normal a criança apresentar algumas dificuldades. Um dos sinais para diagnosticar se há dislexia é o atraso na fala, pois mesmo a criança aprendendo a falar, ainda assim ela continua com uma linguagem inferior à idade apresentada Esse problema também pode ser observado na alfabetização, quando as crianças se interessam pelo processo de aprender a escrever seus nomes e interpretar textos. Porém, a desmotivação por essa atividade pode ser reflexo da Dislexia
  • 13. Existem outros sinais que podem indicar o aparecimento do distúrbio da Dislexia, tais como: Dispersão / Fraco desenvolvimento da atenção / Atraso do desenvolvimento da fala e da linguagem / Dificuldade de aprender rimas e canções Fraco desenvolvimento da coordenação motora / Dificuldade com quebra- cabeças / Falta de interesse por livros impressos Há ainda outros sinais que se apresentam na idade escolar, os quais podem ser um pouco mais facilmente identificados por se tratarem de comportamentos relacionados à escola e ao desenvolvimento dos estudos: Dificuldade na aquisição da leitura e da escrita / Pobre conhecimento de rimas / Desatenção e dispersão / Dificuldade em copiar de livros e lousas / Dificuldade na coordenação motora fina (letras, desenhos, pinturas etc.) e/ou grossa (ginástica, dança etc.) / Confusão para nomear entre esquerda e direita / Dificuldade em manusear mapas, dicionários, listas telefônicas etc. Vocabulário pobre, com sentenças curtas e imaturas ou longas e vagas
  • 14. Outros sinais podem aparecer durante a fase escolar, os quais podem ser divididos nas seguintes fases: Pré-escolar: Falta de interesse pelas rimas; palavras mal pronunciadas; deficiência em saber o nome das letras de seu próprio nome. Falar mais tarde do que a maioria das crianças. Ter mais dificuldade do que outras crianças ao pronunciar as palavras. Ser lento para adicionar novas palavras de vocabulário e ser incapaz de recordar a palavra certa. Ter dificuldade em aprender o alfabeto, números, dias da semana, cores, formas, como soletrar e como escrever seu nome Jardim de Infância até a 4ª série: Dificuldade em entender que as palavras podem ser divididas em partes. Dificuldade em associar letras a sons; reclamações de o quanto é difícil ler; histórico de problemas de leitura presente nos pais e irmãos Dificuldade em ler palavras simples que não estão cercadas por outras palavras / Demora para aprender a conexão entre letras e sons
  • 15. Ensino Fundamental: Possuir discurso não fluente (pausas ou hesitações frequentes, muitos “hummm...”). Não ser capaz de encontrar as palavras corretas, confundindo as que tenham a sonoridade semelhante; problema ao lembrar datas, nomes, números de telefone, listas; medo de ler em voz alta; desempenho fraco em testes de múltipla escolha. Ter dificuldade em terminar provas no tempo estabelecido; problemas na leitura dos enunciados dos problemas matemáticos; leitura lenta e cansativa. Apresentar deveres de casa incompletos; necessitar de ajuda para ler o enunciado; extrema dificuldade para aprender uma língua estrangeira Ensino Médio e Faculdade: Ler muito lentamente com muitas imprecisões. Continuar a soletrar incorretamente, ou soletrar frequentemente a mesma palavra diferentemente em uma única parte de escrita Evitar testes que exigem leitura e escrita e procrastinar tarefas de leitura e escrita. Ter dificuldade em preparar resumos para as aulas. Trabalhar intensamente em tarefas de leitura e escrita. Ter poucas habilidades de memória e completar o trabalho atribuído mais lentamente do que o esperado. Ter um vocabulário inadequado e ser incapaz de armazenar muita informação da leitura
  • 16. DISGRAFIA É uma dificuldade que acomete crianças com inteligência normal, mas que possuem uma escrita ilegível ou lenta, o que lhe traz dificuldades de aprendizagem na escola, como a falta de entendimento do que está escrevendo, levando-as a uma leitura pausada, o que prejudica o que está sendo lido e até a criação de ideias e desenvolvimento intelectual pela falta de linearidade na absorção do conteúdo O curioso é que a Disgrafia se apresenta de diversas formas e, portanto, pode haver casos de uma sala possuir vários alunos com esse problema de aprendizagem, apresentando diferentes características E o que pode ser feito para desenvolver a habilidade do aluno? O 1º passo é reconhecer que o estudante tem a Disgrafia e jamais forçá-lo a algo que ele provavelmente não dará conta. Depois, é preciso estabelecer as metodologias que melhor se adéquam ao caso da criança, tais como: Exercícios Grafomotores: São ideais para a criança trabalhar acompanhada de um profissional, melhorando a coordenação motora e o domínio das mãos ao movimentar um lápis sobre o papel. Os exercícios podem conter desenhos pontilhados, que incentivarão a criança a desenvolver a habilidade, ou outras atividades que ligam um ponto a outro, etc.
  • 17. Caligrafia: a criança pode, aqui, ter a habilidade da escrita desempenhada para que ela tenha maior domínio na escrita. É importante lembrar que as etapas são cruciais para notar a melhora do desenvolvimento do manuseio na hora de escrever. Seguindo essa linha, o profissional pode aplicar exercícios que induzam a reaprendizagem da forma das letras e o espaçamento necessário entre elas Pincel: o uso do instrumento é ideal na fase inicial do treinamento, principalmente para que a criança consiga trabalhar a pressão que é exercida sobre a folha de papel. Aqui, o profissional pode indicar traços retos para que a criança possa desenvolver sua coordenação Posição ao Escrever: a maneira a qual a criança segura o lápis é determinante e causa dor e fadiga nas mãos. Neste caso, o aluno precisa ser orientado à forma mais adequada para desenvolver a escrita sem prejudicar seus membros. Além disso, a posição do papel também reflete a maneira que a criança escreve