SlideShare uma empresa Scribd logo
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
O Céu
Inferno
e o
Que mundo
é este?
A Terra a 6 bilhões de quilômetros...
A Terra a 1 bilhão de quilômetros...
A Terra a 400 mil quilômetros...
A Terra vista da estação espacial internacional...
A Terra vista da terra...
A Terra...
Qual o seu ponto de vista?
Deus
Espíritos Matéria
Fluido
Universal
Capítulo 1 – DEUS | O Livro dos Espíritos
DEUS
“Deus é soberanamente justo e bom”
“A sabedoria providencial se manifesta nas leis divinas.”
Capítulo 1 – DEUS | O Livro dos Espíritos
A justiça divina segundo o
espiritismo.
Avida após a morte, com foco nas
consequências das ações humanas.
Lançado em 1º de agosto de 1865
Cerca de 400 páginas divididas em
duas partes:
- Doutrina (nove capítulos)
- Exemplos (oito capítulos)
DESTINO APÓS A MORTE
▪ Vivemos, pensamos e agimos, mas a morte é certa.
▪ Todas as religiões consideram a felicidade ou infelicidade da alma
após a morte.
▪ Que seremos após a morte? Existiremos ou não?
▪ Três alternativas: o nada, a absorção no todo ou a individualidade
da alma antes e depois da morte.
▪ Livre-arbítrio X Responsabilidade X Justiça.
TEMOR DA MORTE
▪ O temor da morte decorre da noção insuficiente da vida futura.
▪ Reflete o receio da destruição total.
▪ Anseio secreto pela sobrevivência da alma.
▪ Os espíritas não temem a morte, pois compreendem a
continuidade da existência após o desencarne.
▪ A dúvida sobre o futuro desaparece, e a morte é encarada como
uma libertação.
O CÉU
▪ O paraíso eterno, situado nas regiões superiores. “Campos Elísios”
dos gregos.
▪ Haveria vários céus superpostos acima da Terra, sendo o último a
residência do Todo-Poderoso.
▪ Visão influenciada pelo conhecimento limitado da Astronomia –
Geocentrismo (Ptolomeu) – e pela Igreja.
▪ Após Copérnico, 1543 – Heliocentrismo –, avanço da ciência e visão
ampliada do universo; não há em cima nem em baixo no espaço.
▪ O céu foi deslocado da região estelar. Onde ele está?
O CÉU
VISÃO ESPÍRITA
▪ O homem compõe-se de corpo e Espírito, decorrendo dois
mundos: o corporal e o espiritual.
▪ Os Espíritos estão por toda parte, os mundos são de preferência os
seus centros de atração, em virtude da afinidade entre eles e os
que os habitam. Em torno dos mundos adiantados abundam
Espíritos superiores, como em torno dos mundos atrasados
pululam Espíritos inferiores.
▪ Para os Espíritos Superiores, o “céu” está em toda a parte.
O INFERNO
▪ O Local de suplícios eternos. Estaria nas regiões inferiores.
▪ O inferno dos pagãos era composto pelos Campos Elíseos (morada
dos justos) e o Tártaro (local de punição).
▪ A Igreja cristã criou seu próprio inferno, exagerando o dos pagãos.
▪ Demônios ou Espíritos não evoluídos?
▪ O “inferno” e o “céu” implicam num Destino definitivo ,
incompatível com a Lei de Progresso.
▪ “Há muitas moradas na casa do meu Pai” (João, 14:2)
O PURGATÓRIO
▪ O Evangelho não faz menção ao purgatório, que só foi admitido
pela Igreja Católica em 593.
▪ => Não adianta progredir => Livramento por preces => comércio de
indulgências (causa primária da Reforma Protestante; Lutero,
século XVI)
O LIMBO
▪ Cultura grega => Reino de Hades, terra dos mortos, o local para
onde a alma das pessoas se dirigiria após a morte. Nesse local as
almas passariam por um julgamento, onde seu destino seria
decidido.
▪ Dividido em “Campos Elíseos” (o paraíso da mitologia grega),
“Tártaro” (lugar de eterno tormento e sofrimento); “Érebo” (por
onde os mortos teriam de passar imediatamente depois da morte
para entrar no submundo); “Campo de Asfódelos” (lugar onde
ficariam vagando todas as almas que, depois de seu julgamento,
não foram consideradas nem más, nem boas).
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
FINALIZANDO
▪ O “céu” e o “inferno” foram influenciados pela visão pagã.
▪ Mesmo a justiça Terrena, com todas suas falhas, apresenta penas
individualizadas e ajustadas ao tipo de delito.
▪ O destino eterno, seja da bem-aventurança ou do sofrimento,
conflita com a bondade e a justiça divina.
▪ A reencarnação, conforme o Espiritismo, possibilita a correção das
imperfeições e a evolução em direção ao Amor de Deus, pela Lei do
Progresso.
FINALIZANDO
▪ As zonas umbralinas são decorrentes dos Espíritos que ali estão. O
estado mental do Espírito antecede o local habitado. Este local é
plasmado pelas ideias e formações mentais do conjunto de
Espíritos que se aproximam por sintonia vibratória.
▪ Em razão das próprias condições evolutivas, sobretudo as de ordem
moral, os Espíritos não têm acesso livre às diferentes regiões do
plano espiritual.
▪ A “salvação” é compreender as Leis Divinas e se alinhar a elas,
evoluindo e aproximando-se da felicidade. Ao contrário, a
transgressão das Leis de Deus leva à estagnação e ao sofrimento.
Ao “céu” ou ao “inferno”.
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf

150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno
Escola da Vida
 
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
Jorge Luiz dos Santos
 
Palestra Pluralidade Mundos Habitados
Palestra Pluralidade Mundos HabitadosPalestra Pluralidade Mundos Habitados
Palestra Pluralidade Mundos Habitados
cab3032
 
Depois da morte - para onde vamos?
Depois da morte - para onde vamos?Depois da morte - para onde vamos?
Depois da morte - para onde vamos?
Leonardo Pereira
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
JPS Junior
 
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
Leonardo Pereira
 
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
Marta Gomes
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Bruno Cechinel Filho
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
O CéU E O Inferno
O CéU E O InfernoO CéU E O Inferno
O CéU E O Inferno
Grupo Espírita Cristão
 
A genese cap. xi
A genese cap. xiA genese cap. xi
A genese cap. xi
Dalila Melo
 
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Lucia Andrade
 
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentososA Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
Eder Freyre
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
Ponte de Luz ASEC
 
Inferno ApresentaçãO1
Inferno   ApresentaçãO1Inferno   ApresentaçãO1
Inferno ApresentaçãO1
Sergio Menezes
 
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidosGenese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Fernando Pinto
 
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).pptENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
RobsonTeles6
 

Semelhante a A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf (20)

150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno150 anos do ceu e o inferno
150 anos do ceu e o inferno
 
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
150 ANOS DE "O CÉU E O INFERNO"
 
Palestra Pluralidade Mundos Habitados
Palestra Pluralidade Mundos HabitadosPalestra Pluralidade Mundos Habitados
Palestra Pluralidade Mundos Habitados
 
Depois da morte - para onde vamos?
Depois da morte - para onde vamos?Depois da morte - para onde vamos?
Depois da morte - para onde vamos?
 
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos HabitadosD 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 7 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
O ceu, o inferno, o medo da morte e o desencarne na visão espirita-Marcelo do...
 
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07  Pluralidade dos Mundos HabitadosD 07  Pluralidade dos Mundos Habitados
D 07 Pluralidade dos Mundos Habitados
 
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
A questão do inferno, das penas eternas e do sofrimento sob a ótica da doutri...
 
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos2.4.2   encarnacao nos diferentes mundos
2.4.2 encarnacao nos diferentes mundos
 
Regeneração
RegeneraçãoRegeneração
Regeneração
 
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5   diferentes categorias de mundos habitadosRoteiro 5   diferentes categorias de mundos habitados
Roteiro 5 diferentes categorias de mundos habitados
 
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
O CéU E O Inferno
O CéU E O InfernoO CéU E O Inferno
O CéU E O Inferno
 
A genese cap. xi
A genese cap. xiA genese cap. xi
A genese cap. xi
 
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
Palestra pluralidade-mundos-habitados-1211296550779779-8
 
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentososA Doutrina Espírita e os fatos momentosos
A Doutrina Espírita e os fatos momentosos
 
Pluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitadosPluralidade de mundos habitados
Pluralidade de mundos habitados
 
Inferno ApresentaçãO1
Inferno   ApresentaçãO1Inferno   ApresentaçãO1
Inferno ApresentaçãO1
 
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidosGenese cap 11 parte 3 de 3   2018 Imig e Emig Anjos decaidos
Genese cap 11 parte 3 de 3 2018 Imig e Emig Anjos decaidos
 
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).pptENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
ENCARNAÇÃO NOS DIFERENTES MUNDOS (1).ppt
 

Último

Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 

A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf

  • 4. A Terra a 6 bilhões de quilômetros...
  • 5. A Terra a 1 bilhão de quilômetros...
  • 6. A Terra a 400 mil quilômetros...
  • 7. A Terra vista da estação espacial internacional...
  • 8. A Terra vista da terra...
  • 9. A Terra... Qual o seu ponto de vista?
  • 10. Deus Espíritos Matéria Fluido Universal Capítulo 1 – DEUS | O Livro dos Espíritos
  • 11. DEUS “Deus é soberanamente justo e bom” “A sabedoria providencial se manifesta nas leis divinas.” Capítulo 1 – DEUS | O Livro dos Espíritos
  • 12. A justiça divina segundo o espiritismo. Avida após a morte, com foco nas consequências das ações humanas. Lançado em 1º de agosto de 1865 Cerca de 400 páginas divididas em duas partes: - Doutrina (nove capítulos) - Exemplos (oito capítulos)
  • 13. DESTINO APÓS A MORTE ▪ Vivemos, pensamos e agimos, mas a morte é certa. ▪ Todas as religiões consideram a felicidade ou infelicidade da alma após a morte. ▪ Que seremos após a morte? Existiremos ou não? ▪ Três alternativas: o nada, a absorção no todo ou a individualidade da alma antes e depois da morte. ▪ Livre-arbítrio X Responsabilidade X Justiça.
  • 14. TEMOR DA MORTE ▪ O temor da morte decorre da noção insuficiente da vida futura. ▪ Reflete o receio da destruição total. ▪ Anseio secreto pela sobrevivência da alma. ▪ Os espíritas não temem a morte, pois compreendem a continuidade da existência após o desencarne. ▪ A dúvida sobre o futuro desaparece, e a morte é encarada como uma libertação.
  • 15. O CÉU ▪ O paraíso eterno, situado nas regiões superiores. “Campos Elísios” dos gregos. ▪ Haveria vários céus superpostos acima da Terra, sendo o último a residência do Todo-Poderoso. ▪ Visão influenciada pelo conhecimento limitado da Astronomia – Geocentrismo (Ptolomeu) – e pela Igreja. ▪ Após Copérnico, 1543 – Heliocentrismo –, avanço da ciência e visão ampliada do universo; não há em cima nem em baixo no espaço. ▪ O céu foi deslocado da região estelar. Onde ele está?
  • 16. O CÉU VISÃO ESPÍRITA ▪ O homem compõe-se de corpo e Espírito, decorrendo dois mundos: o corporal e o espiritual. ▪ Os Espíritos estão por toda parte, os mundos são de preferência os seus centros de atração, em virtude da afinidade entre eles e os que os habitam. Em torno dos mundos adiantados abundam Espíritos superiores, como em torno dos mundos atrasados pululam Espíritos inferiores. ▪ Para os Espíritos Superiores, o “céu” está em toda a parte.
  • 17. O INFERNO ▪ O Local de suplícios eternos. Estaria nas regiões inferiores. ▪ O inferno dos pagãos era composto pelos Campos Elíseos (morada dos justos) e o Tártaro (local de punição). ▪ A Igreja cristã criou seu próprio inferno, exagerando o dos pagãos. ▪ Demônios ou Espíritos não evoluídos? ▪ O “inferno” e o “céu” implicam num Destino definitivo , incompatível com a Lei de Progresso. ▪ “Há muitas moradas na casa do meu Pai” (João, 14:2)
  • 18. O PURGATÓRIO ▪ O Evangelho não faz menção ao purgatório, que só foi admitido pela Igreja Católica em 593. ▪ => Não adianta progredir => Livramento por preces => comércio de indulgências (causa primária da Reforma Protestante; Lutero, século XVI)
  • 19. O LIMBO ▪ Cultura grega => Reino de Hades, terra dos mortos, o local para onde a alma das pessoas se dirigiria após a morte. Nesse local as almas passariam por um julgamento, onde seu destino seria decidido. ▪ Dividido em “Campos Elíseos” (o paraíso da mitologia grega), “Tártaro” (lugar de eterno tormento e sofrimento); “Érebo” (por onde os mortos teriam de passar imediatamente depois da morte para entrar no submundo); “Campo de Asfódelos” (lugar onde ficariam vagando todas as almas que, depois de seu julgamento, não foram consideradas nem más, nem boas).
  • 21. FINALIZANDO ▪ O “céu” e o “inferno” foram influenciados pela visão pagã. ▪ Mesmo a justiça Terrena, com todas suas falhas, apresenta penas individualizadas e ajustadas ao tipo de delito. ▪ O destino eterno, seja da bem-aventurança ou do sofrimento, conflita com a bondade e a justiça divina. ▪ A reencarnação, conforme o Espiritismo, possibilita a correção das imperfeições e a evolução em direção ao Amor de Deus, pela Lei do Progresso.
  • 22. FINALIZANDO ▪ As zonas umbralinas são decorrentes dos Espíritos que ali estão. O estado mental do Espírito antecede o local habitado. Este local é plasmado pelas ideias e formações mentais do conjunto de Espíritos que se aproximam por sintonia vibratória. ▪ Em razão das próprias condições evolutivas, sobretudo as de ordem moral, os Espíritos não têm acesso livre às diferentes regiões do plano espiritual. ▪ A “salvação” é compreender as Leis Divinas e se alinhar a elas, evoluindo e aproximando-se da felicidade. Ao contrário, a transgressão das Leis de Deus leva à estagnação e ao sofrimento. Ao “céu” ou ao “inferno”.