SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE
              CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE
                   CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS




                         Anna Carolina Zaia Rodrigues

                               Luiz Fábio Dimov

                            Marielle da Silva Neves




A influência do funcionamento das fontes de energia sobre o meio ambiente




                                       Trabalho       apresentado    à    disciplina
                                       Projetos Educacional para o Ensino de
                                       Ciências,     como   parte   dos   requisitos
                                       exigidos para a conclusão do Curso de
                                       Licenciatura      Plena      em     Ciências
                                       Biológicas.




Supervisão: Prof. Dra. Magda Medhat Pechliye




                                   São Paulo
                                     2011
2




ÍNDICE




1.DESCRIÇÃO DA ESCOLA E DO PÚBLICO ALVO...........................................................3

2.PROBLEMATIZAÇÃO..........................................................................................................3

3.JUSTIFICATIVA....................................................................................................................3

4.OBJETIVO GERAL................................................................................................................3

5.OBJETIVOS ESPECIFICOS...................................................................................................3

6.CONTEÚDOS A SEREM TRABALHADOS........................................................................4

7.PROCECIMENTOS METODOLÓGICOS.............................................................................4

8.RECURSOS...........................................................................................................................19

9.CRONOGRAMA...................................................................................................................20

10. PRODUTO FINAL ............................................................................................................21

11.AVALIAÇÃO......................................................................................................................23

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................................................................................23

ANEXO 1..................................................................................................................................25

APÊNDICE 1............................................................................................................................28
3




   1. DESCRIÇÃO DA ESCOLA E DO PÚBLICO ALVO

       Esse projeto de sequência didática de ciências foi proposto para atender como
público alvo turmas de 9º anos com aproximadamente 30 alunos e com três aulas
semanais de ciências. A escola em questão é uma escola pública e possui uma
Associação de Pais e Mestres (APM) participativa.

   2. PROBLEMATIZAÇÃO

       De onde vêm os diferentes tipos de energia e qual o seu impacto sobre o meio
ambiente?

   3. JUSTIFICATIVA

       Como a energia tradicionalmente é abordada de forma fragmentada, nós
queremos integrá-la trazendo-a para o cotidiano do aluno.

       Visamos que o aluno decodifique seu mundo, a partir da aplicação desse
conhecimento, de forma que ele tenha autonomia (Fourez, 2003) e consiga
participar, de maneira crítica, em debates sobre o tema (Jacques, 2008).

       Sabemos que durante essas aulas não será possível abordar todo o conteúdo
de Energia, porém temos a meta de iniciar a formação de pessoas críticas e
reflexivas, sobre o tema da tecnologia, visando que os alunos consigam aplicar
esses conhecimentos em seu cotidiano (Jacques, 2008).

   4. OBJETIVO GERAL

        Relacionar os diferentes tipos de energia e o uso de cada uma delas.

   5. OBJETIVOS ESPECIFICOS

   •    Identificar qual o potencial do Brasil para produção de diferentes tipos de
        energia.
   •    Avaliar os prós e contras do uso de usinas hidrelétricas no país e das demais
        fontes de energia.
4



          •   Compreender a produção e a transmissão de energia elétrica.
          •   Compreender o caminho percorrido pela energia elétrica, desde a sua
              geração até o consumo.
          •   Calcular   e   comparar    o    consumo   de    eletricidade   em   diferentes
              eletrodomésticos.
          •   Examinar uma conta de luz e entender como o consumo foi medido e como
              ele é cobrado pela empresa de fornecimento.
          •   Saber estimar o consumo de energia elétrica mensal de uma residência
          •   Construção de um aquecedor solar de material reciclado, como alternativa de
              economizar energia.

          6. CONTEÚDOS A SEREM TRABALHADOS

          •   Conceito de energia
          •   Funcionamento das usinas: Hidrelétrica, eólicas, solar, nuclear e biomassa.
          •   Histórico, impactos ambientais e utilização no Brasil e no mundo das
              diferentes usinas de energia.
          •   Geração de energia e sua trajetória até as casas.
          •   Consumo de energia elétrica em kWh e em reais.
          •   Características de uma conta de luz

          7. PROCECIMENTOS METODOLÓGICOS

AULAS CIÊNCIAS
1ª AULA     Começar a aula perguntando para os alunos “O que é Energia?”. Colocar
         as respostas, em tópicos na lousa. Espera-se que eles respondam: luz, elétron,
         força, etc. Depois disso, juntamente com os alunos organizar, em uma tabela as
         palavras mais próximas.

                 Depois dessa organização, perguntar: “De onde vem a energia?”. Como
         na pergunta anterior, anotar na lousa e organizar as respostas dos alunos.

                 Em seguida, entregar para os alunos a ficha (Apêndice 1), e explicar que
         esta tem um quadro, com as usinas a serem trabalhadas. Eles devem colocá-las
         em ordem de preferência, de 1 a 5, sendo a 1 a predileta, e escrever sucintamente
5




         o que eles entendem por cada uma delas, e por último eles devem colocar se há
         outro tipo de usina que eles gostariam de estudar.

                  Depois explicar que os grupos serão formados seguindo as preferências,
         e que serão 5 grupos de 6 alunos.

                  Momento de sensibilização, levantamento inicial e organização de
        conhecimentos (BRASIL, 1998).
2ª AULA        Mostrar para os alunos como ficou disposta a formação dos grupos, e
         também os tópicos que devem ser pesquisados: história, utilização no Brasil e/ou
         no mundo e impactos ambientais.

                  O professor deve falar que essa pesquisa será utilizada num júri simulado,
         onde eles defenderão a energia que escolheram, e os argumentos devem ser
         baseados em noticias de jornal, sites, etc.

                  Marcar com eles a data de entrega (para após duas aulas). A pesquisa
         será livre, sem indicação de sites ou livros.

                  Depois disso o professor iniciará a explicação do funcionamento de uma
         usina hidrelétrica, por meio de duas aulas (2 e 3) expositivas-dialogadas. Essas
         aulas deverão ter como fundamento, perguntas que o professor fará, e a partir das
         respostas dos alunos, dar continuidade à matéria.

                  Para auxiliar na compreensão, será utilizada uma apresentação de slides.
         Esta deve conter algumas perguntas e tópicos que estimulem outras dúvidas dos
         alunos, como por exemplo, como eles acham que se constrói esse tipo de usina e
         quais os impactos da sua construção.

                  Ao final da aula será mostrado um vídeo, para a realização da síntese.

                  Juntamente com o professor de Geografia, será abordada a localidade
         dessa usina no Brasil.

                  Momento de organização de conhecimentos e desenvolvimento (BRASIL,
         1998).
6



3ª AULA           O professor vai começar a aula a partir do ponto que ele parou na aula
          anterior. Dando continuidade à explicação do funcionamento de uma usina
          hidrelétrica. Essa aula deverá ter como fundamento, perguntas que o professor
          fará, e a partir das respostas dos alunos, dar continuidade à matéria.

                  Para auxiliar na compreensão, será utilizada uma apresentação de slides.
          Esta deve conter algumas perguntas e tópicos que estimulem as perguntas dos
          alunos, como por exemplo, como eles acham que se constrói esse tipo de usina e
          quais os impactos da sua construção.

                  Nas aulas de Geografia, o professor integrará esse conteúdo com a
          localidade da usina no Brasil.

                  Momento de organização de conhecimentos e desenvolvimento e síntese
        (BRASIL, 1998).
4ª AULA        Para explicar o funcionamento da usina nuclear, será utilizado o texto no
          Anexo 1.

                  Este é sobre o processo de produção de energia, e também deixa em
          aberto quais são os impactos que da usina causa no ambiente. Então o professor
          deve falar aos alunos que, o grupo que trabalhará a usina nuclear, terá de saber
          os seus impactos, e depois explica-los aos colegas, e isso ocorrerá durante o Júri
          Simulado.

                  Depois da leitura, o professor deve fazer perguntas orais relacionadas a
          ele, para verificar se os alunos compreenderam o texto.

                  Nas aulas de Geografia, o professor integrará esse conteúdo com a
          localidade da usina no Brasil.

                  Momento de levantamento inicial e organização de conhecimentos
          (BRASIL, 1998).
5ª AULA          Para a continuação da explicação, será utilizado um texto no Apêndice 2
          (JAPÃO, 2011).

                  Depois da leitura, o professor deve fazer perguntas orais relacionadas a
7




          ele, para verificar se os alunos compreenderam o texto.

                  Juntamente com o professor de Geografia, será abordada a localidade
          dessa usina no Brasil.

                  Momento de levantamento inicial e organização de conhecimentos
          (BRASIL, 1998).
6ª AULA          Para explicar o funcionamento da usina solar, o professor deve perguntar
          como os alunos acham que funciona esse tipo de usina, e a partir das respostas
          fazer outros comentários e mostrar o vídeo (ECODESENVOLVIMENTO, 2011)

                  Para explicar o funcionamento da usina de biomassa, será passado um
          vídeo (BRASIL, 2009). Primeiramente o professor deve perguntar como os alunos
          acham que se constrói esse tipo de energia.

                  Momento de levantamento inicial e organização de conhecimentos
          (BRASIL, 1998).
7ª AULA          Essa aula será iniciada continuando a explicação do funcionamento da
          usina de biomassa.

                  Depois, para explicar o funcionamento da usina eólica será utilizado o
          texto em Apêndice 3. Primeiramente o professor deve perguntar aos alunos: “De
          onde vem o vento?”, e como eles acham que funciona uma usina eólica.

                  Momento de levantamento inicial e organização de conhecimentos
        (BRASIL, 1998).
8ª AULA        O professor deve iniciar a aula, pedindo aos alunos que socializem, entre
          os integrantes do grupo, os dados coletados, e que eles devem formar uma
          opinião sobre os prós e contras da usina estudada.

                  O professor deve atender os grupos, verificando se há erros conceituais
          na pesquisa, e conduzi-los ao objetivo da aula, que é eles tenham base para a
          discussão no júri.

                  Será atribuída uma nota individual nesta aula.

                  Momento      de   problematizarão,    organização   de   conhecimentos   e
8




        desenvolvimento (BRASIL, 1998).
9ª AULA        Avisar que na próxima aula será feito um júri simulado, na qual o
         professor trará problemas e cada grupo deverá defender a sua energia.

                  O professor deve atender os grupos, verificando se há erros conceituais
         na pesquisa, e conduzi-los ao objetivo da aula, que é eles terem base s para a
         discussão no júri.

                  Momento     de   problematizarão,   organização   de   conhecimentos   e
         desenvolvimento (BRASIL, 1998).
10ª             Júri simulado. A intenção é que os grupos defendam a utilização da sua
AULA     usina, por meio de problemas que o professor vai trazer, e os outros grupos
         poderão opinar, concordando ou criticando o funcionamento daquela usina.

                  A sala ficará em roda. Orientar que os alunos fiquem na seguinte
         disposição: hidrelétrica, nuclear, eólica, solar e biomassa. Sendo que alunos do
         mesmo grupo não fiquem lado a lado. Assim, é mais provável que todos os
         integrantes do grupo falem, e não apenas um deles.

                  O professor trará problemas que criem discussões sobre a utilização e
         implementação de todas as usinas pesquisadas. As perguntas serão para a usina
         solar:

            ·O valor para produzir uma placa solar é economicamente viável?

            ·E quando este valor é comparado com o valor de produção de outras
         energias?

            ·A energia gerada é poluente?

            ·É uma energia esgotável?

            ·As placas solares são eficientes em todas as latitudes? Essa pergunta será
         feita visando estimular uma discussão em que se critica o uso dessa energia
         como, por exemplo, em países com latitudes muito altas.
9




        As perguntas sobre a usina eólica serão:

  ·Temos o problema da intermitência. Como se garante que o vento vai soprar
todo momento em que se necessita da energia?

  ·É uma energia esgotável?

  ·Uma usina eólica interfere no ecossistema? Essa pergunta foi feita visando
discutir que o barulho de uma usina acaba expulsando animais, principalmente
aves, da região.

        As perguntas sobre usina nuclear serão:

  ·É uma energia limpa?

  ·É uma energia renovável?

  ·A geração da energia nuclear causa problemas ambientais?

  ·Alterações climáticas futuras podem trazer alterações no regime de chuvas e
ventos. A energia nuclear possui essa desvantagem?

  ·É seguro produzir energia nuclear. E os acidentes?

  ·É facilisolar o lixo nuclear que é radioativo?

        As perguntas sobre usina hidrelétrica serão:

  ·É uma energia limpa? Ela é renovável?

  ·São necessárias características ambientais favoráveis para que a usina tenha
um funcionamento eficiente? Essa pergunta será feita visando estimular uma
discussão em que se conteste que são necessários ambientes com grandes
vazões de águas para que a usina tenha uma rentabilidade viável.

  ·O valor para se produzir energia a partir de hidrelétricas é economicamente
viável? Em todos os pais?
10




          ·Para se construir uma hidrelétrica se inunda extensas áreas de biomas. O que
       isso pode causar? Essa pergunta foi feita visando estimular uma discussão em
       que se abordem problemas como desapropriações, inundações de florestas e
       comunidades ribeirinhas (gerando impactos ambientais).

                   As perguntas sobre usina de biomassa serão:

          ·Do ponto de vista ambiental, a biomassa é favorável quanto redução das
       emissões de gases poluentes?

          ·É uma energia que possui um baixo custo de aquisição, porém o material
       partícula do que é gerado na atmosfera precisa ser removido. Então é
       economicamente viável?

          ·Qual o risco ambiental que essa energia causa?

          ·É fácil ou difícil estocar essa energia?

                   Momento    de   problematizarão,   organização   de   conhecimentos   e
       desenvolvimento e síntese e finalização (BRASIL, 1998).
11ª           Continuação do Júri Simulado. Essa aula terá inicio na discussão da aula
AULA   anterior.

                   As perguntas serão para a usina solar:

          ·O valor para produzir uma placa solar é economicamente viável?

          ·E quando este valor é comparado com o valor de produção de outras
       energias?

          ·A energia gerada é poluente?

          ·É uma energia esgotável?

          ·As placas solares são eficientes em todas as latitudes? Essa pergunta será
       feita visando estimular uma discussão em que se critica o uso dessa energia
11




como, por exemplo, em países com latitudes muito altas.

        As perguntas sobre a usina eólica serão:

  ·Temos o problema da intermitência. Como se garante que o vento vai soprar
todo momento em que se necessita da energia?

  ·É uma energia esgotável?

  ·Uma usina eólica interfere no ecossistema? Essa pergunta foi feita visando
discutir que o barulho de uma usina acaba expulsando animais, principalmente
aves, da região.

        As perguntas sobre usina nuclear serão:

  ·É uma energia limpa?

  ·É uma energia renovável?

  ·A geração da energia nuclear causa problemas ambientais?

  ·Alterações climáticas futuras podem trazer alterações no regime de chuvas e
ventos. A energia nuclear possui essa desvantagem?

  ·É seguro produzir energia nuclear. E os acidentes?

  ·É facilisolar o lixo nuclear que é radioativo?

        As perguntas sobre usina hidrelétrica serão:

  ·É uma energia limpa? Ela é renovável?

  ·São necessárias características ambientais favoráveis para que a usina tenha
um funcionamento eficiente? Essa pergunta será feita visando estimular uma
discussão em que se conteste que são necessários ambientes com grandes
vazões de águas para que a usina tenha uma rentabilidade viável.

  ·O valor para se produzir energia a partir de hidrelétricas é economicamente
12




       viável? Em todos os pais?

          ·Para se construir uma hidrelétrica se inunda extensas áreas de biomas. O que
       isso pode causar? Essa pergunta foi feita visando estimular uma discussão em
       que se abordem problemas como desapropriações, inundações de florestas e
       comunidades ribeirinhas (gerando impactos ambientais).

                 As perguntas sobre usina de biomassa serão:

          ·Do ponto de vista ambiental, a biomassa é favorável quanto redução das
       emissões de gases poluentes?

          ·É uma energia que possui um baixo custo de aquisição, porém o material
       partícula do que é gerado na atmosfera precisa ser removido. Então é
       economicamente viável?

          ·Qual o risco ambiental que essa energia causa?

          ·É fácil ou difícil estocar essa energia?

                 Momento    de   problematizarão,     organização   de    conhecimentos   e
       desenvolvimento e síntese e finalização (BRASIL, 1998).

                 Será atribuída uma nota individual nas aulas 10 e 11.
12ª              Ida à informática para a mediação do preenchimento dos quadros, que
AULA   terão o mesmo layout (elaborado pelo professor, assim padronizando-as). O
       quadro conterá: História, Prós e Contras da utilização da usina.

                 Essa mediação será feita da seguinte maneira: o professor vai perguntar
       aos alunos quais os pontos mais discutidos no Júri Simulado, focando nos prós e
       contras do funcionamento das usinas. O professor durante a aula passará nos
       grupos sanando dúvidas e verificando se existem erros conceituais.

                 Ao final da aula os alunos devolverão as tabelas para que o professor as
       avalie.

                 Momento de síntese e finalização (BRASIL, 1998).
13



13ª            Devolução do quadro, para que os alunos arrumem o que estiver errado.
AULA
               Ida à informática para a finalização dos quadros.

               Ao final da aula, essa tabela será entregue para o professor, e fará parte
       da avaliação.

               Momento de síntese e finalização (BRASIL, 1998).
14ª            Para realização desta atividade é necessário que o aluno conheça outras
AULA   fontes de energia solar, eólica, biomassa, nucleares, mas o destaque será nas
       hidrelétricas pelo fato de ser a principal fonte geradora de energia para o Brasil.

               O início da aula será com uma pergunta: Como é que a energia elétrica
       chega até a sua casa ou na escola? Como é que luz acende? Provavelmente os
       alunos responderão que é por causa da energia, que sai das fontes de energia e
       chegarão aos fios.

               Outras perguntas serão feitas como:

               O computador, televisão, nossos chuveiros, da onde vem essa energia
       que faz funcionar?

               E de onde vem a energia elétrica do Brasil? Os conteúdos que eles já
       estudaram nas aulas anteriores serão trabalhando.

               Após a discussão será apresentado um vídeo ”De onde vem a energia
       elétrica” (BRASIL)

               Em seguida os alunos responderão individualmente questões cinco
       questões que servirá como atividade avaliativa.

               1)Quais são as possíveis fontes geradoras de energia elétrica?

               2) Qual é fonte de energia elétrica mais utilizada no Brasil? Por quê?

               3) Como a energia elétrica chega até a nossa casa?
14




                4) Explique sucintamente o funcionamento de uma Usina Hidrelétrica.

                5) Qual a importância da energia elétrica para nossa sociedade?

                Momento de sensibilização e levantamento inicial e de síntese e
       finalização (BRASIL, 1998).
15ª             Os alunos serão separados em grupos de 5 alunos de 6 alunos e vão
AULA   confeccionar uma história em quadrinho, quando os trabalhos estiverem prontos,
       serão levados pelo professor a uma gráfica que ilustrará o trabalho dos alunos e
       transformando em um livro.

                A história será desenvolvida na sala de aula com a ajuda da professora de
       ciências que disponibilizará duas aulas para que os alunos construam a história e
       façam os desenhos. A professora de Língua Portuguesa ajudará os alunos com o
       texto.

                Na primeira aula os alunos devem elaborar a história e fazer um esboço
       dos desenhos. É importante lembrar os alunos de trazer lápis de cor, canetinha,
       folha de sulfite, borracha, glitter e outros materiais que desejarem.

                A professora passará de grupo em grupo mediando e orientando os
       alunos. Prevê-se que os alunos terminarão pelo menos o texto, na próxima aula
       eles trabalharão os desenhos.

                Momento de organização do conhecimento e desenvolvimento e de
       síntese e finalização (BRASIL, 1998).
16ª            Nessa aula os alunos confeccionarão as histórias em quadrinho, como
AULA   texto já estará pronto, eles irão desenhar e pintar. Caso não terminem nesta aula,
       poderão terminar em casa e entregar na próxima semana. Durante a aula a
       professora passará nos grupos para observar o andamento do trabalho, e se
       propor a ajudá-los em caso de dúvidas.

                Após um mês o professor mostrará o trabalho pronto, depois de voltar da
       gráfica com capa, nomes dos autores. É preponderante mostrar lhes o resultado
       para se sentirem motivados e satisfeitos com seu trabalho.
15




                  Momento de organização do conhecimento e desenvolvimento e de
       síntese e finalização (BRASIL, 1998).
17ª            O professor falará aos alunos que já estudaram algumas fontes de
AULA   energia, e viram como a energia elétrica chega aos domicílios, escolas etc. Assim,
       perguntará aos alunos o que gasta energia em suas casas.

                  O que gasta energia na sua casa? E de onde vem essa energia?

                  Neste momento será esperado que os alunos falem dos eletrodomésticos
       que são comuns em suas casas, do chuveiro, de lâmpadas entre outros. Para que
       seja discutido que a fonte dessa energia é a energia elétrica (talvez algum aluno
       possa ter em sua casa como fonte de energia a solar em aquecedores, por
       exemplo, que poderá ser mencionada).

                  Na sua casa como é medido o consumo de energia elétrica?

                  Após identificar os conhecimentos prévios dos alunos e discutir o que
       consome energia elétrica, será perguntado aos alunos como que se mede esse
       consumo. Para tanto, espera-se que os alunos falem que na conta de luz há essa
       informação. O professor discutira que o empresa fornecedora verifica o consumo
       em um relógio de energia que há em todas as residências (como isso é feito será
       estudado nas próximas aulas).

                  Qual a unidade de medida de consumo de energia que a conta de luz
       utiliza?

                  Se o professor não obtiver a resposta correta, o kWh. Ele terá que discutir
       com os alunos até chegar a essa resposta.

                  Para a próxima aula será pedido que os alunos levem uma tabela com as
       potências de eletrodomésticos, lâmpadas e etc., e o tempo médio que se utiliza
       esses aparelhos diariamente ou semanalmente para aparelhos que se utilizam
       poucas vezes por semana. Sendo essas informações estipuladas, com a ajuda de
       seus pais, sobre o consumo de energia de suas residências.

                  Será ensinado como verificar as potências nos aparelhos, através de
16




       exemplos    de      observação   em   plaquinhas    que   estão    presentes    nos
       eletrodomésticos.

               Momento de sensibilização e levantamento inicial (BRASIL, 1998).
18ª            No inicio dessa aula será discutido com os alunos o que representa a
AULA   unidade de medida kWh. Considerando que já foi dada uma sequência didática
       referente à potência, trabalho, força, aceleração, velocidade e movimento relativo.

               Em resumo seria discutido que a potência tem como unidade de medida o
       Watt e que o tempo tem a hora. E que são essas duas características que
       influenciam diretamente no consumo de energia, ou seja, aparelhos com potência
       alta e/ou é utilizado por várias horas por dias consomem mais energia que
       aparelhos com potências menores e/ou são utilizados por poucos minutos por dia.

               Assim, após relembrar a potência elétrica poderá se trabalhar a
       elaboração de prováveis consumos de energia elétrica em salas hipotéticas que
       possuem determinados equipamentos elétricos (de acordo com as informações
       trazidas pelos alunos) em um mês. É importante falar aos alunos que através
       desse exercício se pode estipular o consumo de energia mensal de uma
       residência, escola e qualquer outro ambiente.

               Obs.: Na aula não será calculado um estimativa mensal de consumo de
       energia em uma residência, porque necessitaria de mais tempo e mais
       informações. Porém será calculado o consumo de uma sala hipotética com as
       informações que os alunos trouxeram. Que em outras proporções pode ser feito a
       uma residência.

               Os hipotéticos consumos de energias serão calculados, em duplas ou
       trios, e entregues ao professor e considerados como parte da avaliação.

               No fim desta aula o professor pedirá aos alunos que tragam uma conta de
       luz para a próxima aula.

               Momento de organização do conhecimento e desenvolvimento e síntese e
       finalização (BRASIL, 1998).
19ª             Nesta aula os alunos serão divididos em grupos de cinco ou seis pessoas
17



AULA   (união de duplas e/ou trios da aula passada). Com os grupos formados o
       professor pedirá que peguem e observem a conta de luz que foi pedida para
       trazer. Então, o professor perguntará aos alunos quais as principais informações
       que uma conta de luz possui.

               Serão anotados na lousa o que os alunos falaram, sendo que cinco
       tópicos serão selecionados para serem trabalhados.

                          1. Consumo de energia em kWh
                          2. Valor a pagar de energia consumida
                          3. Tributos
                          4. Histórico de consumo
                          5. Medidor de consumo.

               Antes de começar a trabalhar com os dados observados, o professor
       informará os alunos que no fim dessas próximas discussões será pedido um
       relatório (texto) que contenha o que se foi discutido nesses principais tópicos
       como parte da avaliação do aluno. E que para tanto anotem tudo que foi discutido.

               Será pedido aos grupos que discutem sobre os tópicos selecionados e
       anotem o que foi discutido. Nesse momento o professor passará entre os grupos
       para observar o que e como os alunos estão trabalhando.

               No fim da aula será pedido aos alunos que visualizem em suas
       residências como é um relógio de luz.

               Momento        de   problematização,   organização   do   conhecimento    e
       desenvolvimento (BRASIL, 1998).
20ª           Esta aula finalizará esse bloco de aulas sobre consumo de energia
AULA   elétrica. Para tantos, os alunos se reunirão nos grupos e o professor conduzirá
       aula na lousa dialogando com eles sobre as discussões dos tópicos.

               O que será esperado (dos alunos) e/ou informado (pelo professor) para
       discutir os tópicos:

               Consumo de energia em kWh e valor a pagar de energia consumida:
       Nesse tópico o consumo de energia observado em kWh tem a mesma origem do
18




       estipulado e discutido na segunda aula. A partir dele se obtém o valor (em reais),
       cobrado pela empresa de fornecimento, da energia consumida. Como isso é feito?
       Através do cálculo do consumo multiplicado pela tarifa.

               Tributos:

               Como a conta a ser paga não se refere apenas ao consumo de energia
       serão discutidos os três impostos cobrados na conta de luz: PIS/PASEP, COFINS,
       ICMS e a cada um deles se referem.

               Histórico de consumo:

               Nesse item será discutido que os valores de consumo de energia variam
       durante o ano e quais são os fatores que contribuem para um mês ter consumo
       alto e outro baixo. Como por exemplo, férias escolares e estação do ano.

               Medidor de consumo:

               O professor representará na lousa como é um relógio de energia com a
       ajuda dos alunos que visualizaram os de suas residências. Para que seja discutido
       como se faz a medição de energia consumida, a partir do relógio.

               Momento de organização do conhecimento e desenvolvimento e de
       síntese e finalização (BRASIL, 1998).
21ª            Início do Produto Final.
AULA
               Nesta aula será entregue aos alunos o texto (Apêndice X) para informar a
       eles quem foi o inventor desse aquecedor e onde se encontra o manual que
       explica seu funcionamento e como construí-lo.

               Após a leitura será explicado como o aquecedor funciona, e explicado as
       etapas para a construção do equipamento.

               Momento de problematizarão e de organização do conhecimento e
       desenvolvimento (BRASIL, 1998).
22ª           Construção do aquecedor.
AULA
19




                    Momento síntese e finalização (BRASIL, 1998).
23ª                 Construção do aquecedor.
AULA
                    Momento síntese e finalização (BRASIL, 1998).




          8. RECURSOS

          Serão apresentados a seguir os materiais que serão utilizados durante o projeto,
       já a lista daqueles para a construção do Produto Final está disponível no link que dá
       acesso ao manual sobre a construção e instalação do aquecedor solar.

          -   Caneta
          -   Lápis e lápis de cor
          -   Canetinha
          -   Borracha
          -   Caderno dos alunos
          -   Jornais
          -   PowerPoint
          -   Jornais
          -   Cartazes
          -   Computador
          -   Vídeos
          -   Folha de Sulfite
          -   Borracha
          -   Glitter
          -   Conta de luz
          -   Tabelas
          -   Lousa
          -   Giz
          -   Textos
          -   Imagens
20



    9. CRONOGRAMA

AULA CIÊNCIAS            HISTÓRIA      GEOGRAFIA         PORTUGUÊS   ARTES
1ª   -o      que     é
     energia?
     -formação de
     grupos
2ª   -                                 -localização de
     funcionamento                     usinas       no
     da          usina                 Brasil
     hidrelétrica
3ª   -                                 -localização de
     funcionamento                     usinas       no
     da          usina                 Brasil
     hidrelétrica
4ª   -                                 -localização de
     funcionamento                     usinas       no
     da          usina                 Brasil
     nuclear
5ª   -                                 -localização de
     funcionamento                     usinas       no
     da          usina                 Brasil
     nuclear
6ª   -
     funcionamento
     da usina solar
     e biomassa
7ª   -
     funcionamento
     da          usina
     biomassa        e
     eólica.
8ª   -mediação nos
     grupos
     -avaliação
9ª   -mediação nos
     grupos
     -avaliação
10 ª -júri simulado
     -avaliação
11 ª -júri simulado
     -avaliação
12 ª -construção         -construção
     quadro              quadro
     comparativo         comparativo
     -avaliação
13 ª -construção         -construção
     quadro              quadro
     comparativo         comparativo
21



         -avaliação
14 ª     -caminho     da               -caminho  da
         energia,     da               energia,  da
         usina até     a               usina até a
         casa.                         casa.
         -avaliação
15 ª     -montagem    da                                -montagem da
         história     em                                história   em
         quadrinhos                                     quadrinhos
         -avaliação                                     (texto)
16 ª     -montagem    da                                                 -montagem
         história     em                                                 da história
         quadrinhos                                                      em
         -avaliação                                                      quadrinhos
                                                                         (desenho e
                                                                         pintura)
17 ª     -o que gasta
         energia?
18 ª     -potência dos
         aparelhos
19 ª     -conta de luz
         -avaliação
20 ª     -relatório
         individual
21 ª     -início produto
         final
         -avaliação
22 ª     -construção do                                 -construção do -construção
         aquecedor                                      aquecedor      do
         -avaliação                                                    aquecedor
23 ª     -construção do                                 -construção do -construção
         aquecedor                                      aquecedor      do
         -avaliação                                                    aquecedor




       10. PRODUTO FINAL

        O produto final será a produção de um aquecedor solar feito de garrafas PET e
 caixas Tetra Pak para ser instalado nas dependências da escola. A água aquecida
 será utilizada pela cozinha da escola e pela casa do caseiro. A vantagem deste
 aquecedor, é que o Sol aquecerá a água a temperatura desejada para um banho,
 por exemplo. E se caso ela não for a desejada, o próprio chuveiro aquecerá o
 quanto necessário, porém ressaltando que necessitará de menos energia para
 aquecer a água do que se ela não tivesse o equipamento instalado. Portanto o
22



objetivo desse aquecedor é economizar energia e não substituir a energia elétrica
em algum equipamento.

     Quanto à água consumida na cozinha da escola, vale destacar que a água
seria aquecida em um fogão para fazer a comida, por exemplo. E se a água já sair
da torneira quente, ela precisará de menos gás de cozinha para alcançar a
temperatura de fervura.

     Para que o produto final seja confeccionado nas aulas 18 e 19 e nas próximas
duas aulas de artes e geografia, será apresentado aos alunos o projeto do
aquecedor na aula 17. Nessa apresentação será entregue o texto (em anexo). Para
informar os alunos quem foi o inventor desse aquecedor e onde se encontra o
manual que explica seu funcionamento e como construí-lo. Também será explicado
aos alunos como funciona o aquecedor.

     A produção do aquecedor será feita em duas manhãs, que serão escolhidas
conforme os dias que tiverem mais aulas de geografia, artes e ciências.

     Para que o aquecedor seja produzido será pedido aos alunos com dois meses
de antecedência que levem para a escola garrafas PET e embalagem Tetra Pak,
devidamente lavadas e secas, que serão armazenadas na própria escola.

     Para tanto, além dessas embalagens que serão reutilizadas, são necessários
matérias como conexões “T”, tubos PVC e tintas para a produção do aquecedor.
Esses materiais serão obtidos pela APM e por recursos da própria escola para
infraestrutura. Sendo que também será contratada uma pessoa que instale o
equipamento na caixa d´água.

Link para acesso ao Manual Sobre a Construção e Instalação do Aquecedor Solar
Composto de Embalagens Descartáveis:

http://openinnovatio.org/wp-content/uploads/downloads/2010/02/manual-aquecedor-
solar.pdf
23



   11. AVALIAÇÃO

     Aula 8 e 9: A nota individual desta aula terá peso 0,5 e será considerado se o
aluno trouxe o material, se ele está participando da discussão do grupo, a autonomia
do grupo nas organização das ideias e discussões, comportamento e foco no
assunto.

     Aula 10 e 11: A avaliação do júri simulado terá peso 1,0. O professor
incentivará que todos participem das argumentações. Os critérios serão: a clareza
da expressão dos argumentos, a participação do aluno no júri e se eles utilizaram as
anotações que fizeram.

     Aula 12 e 13: O quadro terá peso 2,0. Este quadro é o produto final de uma das
etapas do projeto e representará a síntese de quatro aulas. Será avaliada a
coerência, a clareza do texto, o quanto dos prós e contras os alunos escreveram e a
correção dos erros apontados na primeira entrega.

     Aula 14: As respostas das questões terão peso 0,5. Será considerada a clareza
na organização das ideias e se os conceitos escritos estão corretos;

     Aula15 e 16: A história em quadrinhos terá peso 1,5. Será considerado o
trabalho em grupo e se ela possui coerência, clareza, organização, originalidade e
capricho e presença (quantidade) de erros conceituais.

     Aula 19: O relatório individual terá peso 1,0.

     Aula 21, 22 e 23: O produto final terá peso 2,0, serão considerados como
critérios de avaliação: empenho, responsabilidade (se levaram os materiais),
comportamento, trabalho em grupo, organização.

     Auto avaliação (em anexo) terá peso 1,5. A ficha está no Apêndice 4.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Banco Internacional de Objetos Educacionais. 2009. Disponível em:
<http://objetoseducacionais2.mec.gov.br/handle/mec/14494>.         Acesso        em
08/11/2011.
24



BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e
quarto ciclos do ensino fundamental: Ciências da Natureza. Secretaria de
Educação Básica. – Brasília: MEC/SEF,            1998. Disponível na    WEB em:
<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf>. Acesso em 08/11/2011.

BRASIL. Portal Domínio Público. De onde vem a energia?. Disponível em: < http://
www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?
select_action=&co_obra=19776>. Acesso em 08/11/2011.

ECODESENVOLVIMENTO           Informação   para    um   mundo    sustentável.   2011.
Disponível       em:         <http://www.ecodesenvolvimento.org.br/ecodtv/energia-
solar.mp4/video_view>. Acesso em 08/11/2011.

INFOESCOLA. Navegando e Aprendendo. Energia Eólica. 2008. Disponível em:
<http://www.infoescola.com/tecnologia/energia-eolica/>. Acesso em 08/11/2011.

JAPÃO prevê fechamento de Fukushima daqui a 30 anos. Época. 2011. Disponível
em: <http://revistaepoca.globo.com/Mundo/noticia/2011/10/japao-preve-fechamento-
de-fukushima-daqui-30-anos.html>. Acesso em: 08/11/2011.
25




                                   ANEXO 1




Aluno_______________________________________________ No: _______
Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______
Professor:
                             ENERGIA NUCLEAR

      Em agosto de 1945, a explosão de duas bombas atômicas no Japão destruiu
as cidades de Hiroxima e Nagasaki, pondo fim à Segunda Guerra Mundial.
26



       Nas bombas atômicas, o processo usado é o da fissão nuclear, que significa
quebra ou divisão do núcleo do átomo pelo bombardeamento, com nêutrons, dos
átomos de urânio ou de tório.

       Quando os átomos de urânio ou de tório são bombardeados por nêutrons,
seus núcleos se fragmentam, liberando enorme quantidade de energia. Os nêutrons
dos átomos fragmentados, por sua vez, vão bombardear outros núcleos de átomos,
que também se quebram e assim sucessivamente, numa reação em cadeia.

       Na reação em cadeia, a fissão nuclear é rápida e descontrolada. Mas, depois
da destruição de Hiroxima e Nagasaki, o homem aprendeu a “domar” o átomo, de tal
forma que a fissão também pode ser controlada. Isso acontece nas usinas
nucleares, onde o calor que resulta da desintegração do átomo é usado para
aquecer certa quantidade de água, até vaporizá-la. É a força desse vapor que tem
utilidades práticas, como por exemplo, mover as turbinas de geradores de
eletricidade.

       Em 1954 começou a funcionar na Rússia a primeira usina nuclear do mundo,
com a finalidade de produzir eletricidade. Até então, existiam apenas as usinas
hidrelétricas (que dependem da existência de rios volumosos e com quedas-d’água)
e as usinas térmicas (alimentadas por carvão, óleo, etc.). A partir daquele ano, foi
aumentando o número de usinas nucleares, as quais são responsáveis por grande
parte da produção de eletricidade no mundo. No Brasil, está em funcionamento uma
usina nuclear em Angra dos Reis (Angra 1).

       Embora a energia nuclear possa ser usada para fins bélicos, como a
fabricação de bombas atômicas e da movimentação de submarinos nucleares, ela
também pode ser empregada para fins pacíficos. Além da produção de eletricidade,
serve para movimentar navios, controlar a qualidade de peças nas indústrias,
estudar e controlar plantas para a obtenção de espécies com melhor rendimento,
etc. Outra importante aplicação da energia nuclear acontece na medicina, com os
aparelhos que pesquisam, diagnosticam e tratam diversas enfermidades.

       Apesar de as usinas nucleares já terem sido consideradas a solução para os
problemas energéticos da humanidade no futuro, tem diminuído sua construção no
27



mundo todo. A Alemanha, inclusive, discute um programa para desativar todas as
suas usinas nucleares.
28




                                APÊNDICE 1




Aluno_______________________________________________ No: _______
Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______
Professor:


    Tipos de energia                       Coluna 1                       Coluna 2
      Hidrelétrica
29



       Nuclear


        Eólica


        Solar


      Biomassa



  1) Preencha o quadro acima da seguinte maneira: na coluna 1 explique bem
     sucintamente o que você entende por cada um dos tipos de energia. Na
     coluna 2 numere de 1 a 6 segundo a ordem que você gostaria de estudar (o
     número 1 é o primeiro lugar, o 2, segundo lugar, o 3 terceiro lugar e assim por
     diante). O critério para ordenar é o interesse pelo assunto.
  2) Há algum outro tipo de energia que não tenha sido citada, mas você gostaria
     de estudar? Qual?
__________________________________________________________________
__________________________________________________________________
30




                                 APÊNDICE 2




Aluno_______________________________________________ No: _______
Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______
Professor:

           Japão prevê fechamento de Fukushima daqui a 30 anos.




    Vista aérea da usina de Fukushima, no norte do Japão.
31




O acidente na usina ocorreu após a passagem de um tsunami, em março de 2011.

      Um comitê nuclear criado pelo governo do Japão afirmou no dia 28/10 que o
fechamento da usina de Fukushima não será concluído antes de 30 anos. A usina foi
atingida por um terremoto seguido de tsunami em março, e houve vazamento de
material nuclear após o tremor, causando o pior acidente atômico desde Chernobyl,
em 1986.

           Segundo o comitê, esse prazo é o estimado para que todo o combustível
nuclear seja retirado e, com isso, haver condições de desativar os reatores da
central, que operava desde a década de 1970. Por enquanto, o objetivo é começar a
retirar o combustível do interior dos reatores o mais rápido possível. Cerca de 80 mil
famílias em um raio de 80 quilômetros da usina estão desabrigadas.

           O governo japonês e a Tokyo Electric Power, operadora da usina, afirmam
que os níveis de radioatividade têm diminuído gradualmente e esperam levar os
reatores danificados ao estado de "parada fria" antes do fim do ano. É previsto antes
de três anos a retirada do combustível utilizado nas piscinas dos reatores 1, 2, 3 e 4,
que será levado a uma piscina de armazenamento comum.

        Esses reatores sofreram uma fusão parcial de seus núcleos quando o
tsunami paralisou os sistemas de refrigeração da usina, que tinha quatro de suas
seis unidades ativas. Os especialistas querem também que o combustível que está
no interior do núcleo dos reatores 1, 2 e 3, os mais danificados pelo tsunami de
março, comecem a ser retirados antes de dez anos.



Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Mundo/noticia/2011/10/japao-preve-
fechamento-de-fukushima-daqui-30-anos.html
32
33



                                  APÊNDICE 3




Aluno_______________________________________________ No: _______
Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______
Professor:

                                     Energia Eólica

      A energia eólica é uma forma indireta de obtenção de energia do sol, os
ventos são elementos muito importantes dos sistemas atmosféricos, sendo que a
atmosfera é acamada gasosa externa de nosso planeta. Ocorre que o ar, assim
como a água, é mau condutor de calor. Para compreender como se formam os
ventos, é importante também saber que o calor irradiante do sol não aquece a
atmosfera diretamente; ele passa por ela sem aquecê-la, aquece a Terra e esta, por
sua vez, devolve parte de seu calor para o espaço por irradiação e por convecção. É
34



este último fenômeno que nos interessa, pois a convecção gera um tipo de vento
denominado vento convectivo, e grande parte do calor transportado pelos mesmos
fica retido na atmosfera pelos gases do efeito estufa (CO2, metano e vapor d'água).

       Como já foi dito, o ar é mal condutor de calor, algumas partes da atmosfera
aquecerão mais rápido que outras; o ar aquecido fica mais leve e sobe, baixando a
pressão atmosférica, e o ar menos quente de regiões adjacentes, com pressões
atmosféricas mais altas, se desloca, sob a forma de ventos, para ocupar o espaço
deixado pela subida do ar mais quente. Esses dois fenômenos naturais explicam a
maior parte dos ventos. Para completar, é importante citar uma terceira causa de
formação dos ventos: o fato de a água dos oceanos ter um elevado calor específico;
isso significa que, durante o dia, a terra se aquece mais rápido que os oceanos e o
ar quente sobre ela sobem, causando ventos que sopram do mar para a terra
durante o dia (a famosa "brisa marítima"); mas, durante a noite, o elevado calor
específico da água faz com que esta retenha mais calor que a terra, ficando mais
quente que esta, e os ventos então mudam de direção e passam a soprar da terra
para o mar.

       A geração de energia elétrica ou mecânica (em moinhos ou cata-ventos para
a realização de trabalhos mecânicos como o bombeamento da água) através dos
ventos se dá pela conversão da energia cinética de translação pela energia cinética
de rotação através do emprego de turbinas eólicas, quando o objetivo é gerar
eletricidade, ou moinho e cata-ventos, quando o objetivo é a realização de trabalhos
mecânicos.

       Sua exploração comercial teve início a mais ou menos na década de 70
quando ocorreu a crise do petróleo e os países europeus começaram a investir em
outras formas de energia. No Brasil, o custo da geração de energia através dos
ventos é de cerca de US$70 a US$80 por MWh, o que a torna competitiva com a
energia nuclear e termoelétrica. Só no nordeste brasileiro potencial eólico existente é
de 6.000 MW, sendo a região brasileira que apresenta o maior potencial. Até 2003 a
Aneel havia registrado cerca de 90 empreendimentos não iniciados para ao
aproveitamento de energia eólica que agregariam 6.500 MW a produção nacional de
energia elétrica.
35



      O único ponto fraco das turbinas que geram energia através dos ventos é a
poluição sonora e a poluição visual. Esta última é menos impactante, e depende
mais do ponto de vista particular de cada um. Mas a poluição sonora gerada pelas
turbinas, de acordo com a especificação do equipamento, pode inviabilizar a
construção destes sistemas muito próximos de regiões habitadas por causar
desconforto aos moradores.
36




Fonte: Planetasustentável.abril.com.br
37




                                   APÊNDICE 4




Aluno_______________________________________________ No: _______
Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______
Professor:


                                  Auto avaliação
       Esta auto avaliação terá peso 2 na nota final do Projeto “A influência do
funcionamento das fontes de energia sobre o meio ambiente”. A nota será uma
média de todos os critérios abaixo, os quais você deve atribuir um valor de 0 a 5 (os
pesos dos critérios estão entre parênteses). É de grande importância a sua você
seriedade.
                                                                            Nota:
       Critérios                       O que considerar.                    0 a 5.
38




 Pontualidade      Você foi pontual em todas as aulas ou chegou
     (1)           atrasado alguma vez ou várias vezes?


                   Você faltou em algumas, várias ou nenhuma
Assiduidade (1)
                   aula?

Comportament
                   Você cumpriu com as comanda das aulas?
   o (3)

                   Você se empenhou (comprometeu) nas tarefas
 Empenho (3)
                   (de casa e na sala)?


Material na aula   Você trouxe todas as aulas o material
      (2)          programado, ou esqueceu algum dia?

 Trabalhos de
                   Você fez os trabalhos de casa?
     casa (2)
  Respeitar a
                   Você respeitou as opiniões, ideias e sugestões
  opinião dos
                   de seus colegas?
    outros (2)
Participação no    Você participou ativamente (opinando e
s trabalhos de     sugerindo) em todos, alguns ou nenhum dos
    grupo (2)      trabalhos em grupo?
 Expressão de      Você opinou, com clareza, durante as
  opiniões (2)     discussões do grupo?
Superação das      Você procurou resolver os problemas que
dificuldades (2)   apareceram durante os trabalhos?
                   Você teve autonomia na realização dos
Autonomia (3)
                   trabalhos?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário MGME Ciências - CATANDUVA
Seminário MGME Ciências - CATANDUVASeminário MGME Ciências - CATANDUVA
Seminário MGME Ciências - CATANDUVA
Centro de Estudos e Tecnologias Educacionais
 
1⺠ano 1⺠b.
1⺠ano  1⺠b.1⺠ano  1⺠b.
1⺠ano 1⺠b.
Jacqueline Alexandrino
 
Plano de aula quimica curso
Plano de aula quimica cursoPlano de aula quimica curso
Plano de aula quimica curso
Rodrigo Xavier Da Silva Xavier da Silva
 
Monografia Donivaldo Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Donivaldo Pedagogia Itiúba 2012Monografia Donivaldo Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Donivaldo Pedagogia Itiúba 2012
Biblioteca Campus VII
 
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
prangel251
 
Plano de ensino quimica e medio 1
Plano de ensino quimica e medio 1Plano de ensino quimica e medio 1
Plano de ensino quimica e medio 1
sergioviroli
 
Ecologia 10
Ecologia 10Ecologia 10
Ecologia 10
aqmedeiros
 
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano   1° bimestrePlanejamento de química do 2° ano   1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
spereirasantos
 
3bim 9ano ciencias-professor
3bim   9ano ciencias-professor3bim   9ano ciencias-professor
3bim 9ano ciencias-professor
marilene lúcia rosa
 
Biologia geologia 10
Biologia geologia 10Biologia geologia 10
Biologia geologia 10
Paulo Ventura
 
Plano de ensino fisica
Plano de ensino fisica Plano de ensino fisica
Plano de ensino fisica
Secretaria Assistencia Social
 
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO
 
IEA - Eventos 2011
IEA - Eventos 2011IEA - Eventos 2011
157 523-1-pb
157 523-1-pb157 523-1-pb
157 523-1-pb
Vanin De Souza
 
Expensquim vol4
Expensquim vol4Expensquim vol4
Expensquim vol4
con_seguir
 
Planejamento Ciencias Arariba
Planejamento Ciencias AraribaPlanejamento Ciencias Arariba
Planejamento Ciencias Arariba
Maria de Lourdes Ribeiro
 
As diferentes abordagens sobre fenômenos químicos nos livros da 8ª série (9º ...
As diferentes abordagens sobre fenômenos químicos nos livros da 8ª série (9º ...As diferentes abordagens sobre fenômenos químicos nos livros da 8ª série (9º ...
As diferentes abordagens sobre fenômenos químicos nos livros da 8ª série (9º ...
Flávia Vasconcelos
 
Upe ementa pós graduação
Upe ementa pós graduaçãoUpe ementa pós graduação
Upe ementa pós graduação
Wesclay Oliveira
 
Artigo, pibid pasquale, astronomia e astronautica
Artigo, pibid pasquale, astronomia e astronauticaArtigo, pibid pasquale, astronomia e astronautica
Artigo, pibid pasquale, astronomia e astronautica
fisicadu
 

Mais procurados (20)

Seminário MGME Ciências - CATANDUVA
Seminário MGME Ciências - CATANDUVASeminário MGME Ciências - CATANDUVA
Seminário MGME Ciências - CATANDUVA
 
1⺠ano 1⺠b.
1⺠ano  1⺠b.1⺠ano  1⺠b.
1⺠ano 1⺠b.
 
Plano de aula quimica curso
Plano de aula quimica cursoPlano de aula quimica curso
Plano de aula quimica curso
 
Monografia Donivaldo Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Donivaldo Pedagogia Itiúba 2012Monografia Donivaldo Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Donivaldo Pedagogia Itiúba 2012
 
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
 
Plano de ensino quimica e medio 1
Plano de ensino quimica e medio 1Plano de ensino quimica e medio 1
Plano de ensino quimica e medio 1
 
Ecologia 10
Ecologia 10Ecologia 10
Ecologia 10
 
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano   1° bimestrePlanejamento de química do 2° ano   1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
 
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
Plano de aula prática sobre misturas homogêneas e heterogêneas e separação de...
 
3bim 9ano ciencias-professor
3bim   9ano ciencias-professor3bim   9ano ciencias-professor
3bim 9ano ciencias-professor
 
Biologia geologia 10
Biologia geologia 10Biologia geologia 10
Biologia geologia 10
 
Plano de ensino fisica
Plano de ensino fisica Plano de ensino fisica
Plano de ensino fisica
 
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
 
IEA - Eventos 2011
IEA - Eventos 2011IEA - Eventos 2011
IEA - Eventos 2011
 
157 523-1-pb
157 523-1-pb157 523-1-pb
157 523-1-pb
 
Expensquim vol4
Expensquim vol4Expensquim vol4
Expensquim vol4
 
Planejamento Ciencias Arariba
Planejamento Ciencias AraribaPlanejamento Ciencias Arariba
Planejamento Ciencias Arariba
 
As diferentes abordagens sobre fenômenos químicos nos livros da 8ª série (9º ...
As diferentes abordagens sobre fenômenos químicos nos livros da 8ª série (9º ...As diferentes abordagens sobre fenômenos químicos nos livros da 8ª série (9º ...
As diferentes abordagens sobre fenômenos químicos nos livros da 8ª série (9º ...
 
Upe ementa pós graduação
Upe ementa pós graduaçãoUpe ementa pós graduação
Upe ementa pós graduação
 
Artigo, pibid pasquale, astronomia e astronautica
Artigo, pibid pasquale, astronomia e astronauticaArtigo, pibid pasquale, astronomia e astronautica
Artigo, pibid pasquale, astronomia e astronautica
 

Destaque

Texto e atividades para trabalhar impostos no Ensino Fundamental
Texto e atividades para trabalhar impostos no Ensino FundamentalTexto e atividades para trabalhar impostos no Ensino Fundamental
Texto e atividades para trabalhar impostos no Ensino Fundamental
Letras Mágicas
 
Guia do Saneamento Básico Perguntas e Respostas
Guia do Saneamento Básico Perguntas e RespostasGuia do Saneamento Básico Perguntas e Respostas
Guia do Saneamento Básico Perguntas e Respostas
Ministério Público de Santa Catarina
 
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10   plano de ação pastoral - exemploTexto 10   plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Paulo Dias Nogueira
 
Proteção contra incêndio
Proteção contra incêndioProteção contra incêndio
Proteção contra incêndio
Shirlene Maciel Rafino
 
De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...
De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...
De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...
Claudinéia Barbosa
 
Prova 4 ano atividade 4 ano
Prova 4 ano atividade 4 anoProva 4 ano atividade 4 ano
Prova 4 ano atividade 4 ano
keillacr
 

Destaque (6)

Texto e atividades para trabalhar impostos no Ensino Fundamental
Texto e atividades para trabalhar impostos no Ensino FundamentalTexto e atividades para trabalhar impostos no Ensino Fundamental
Texto e atividades para trabalhar impostos no Ensino Fundamental
 
Guia do Saneamento Básico Perguntas e Respostas
Guia do Saneamento Básico Perguntas e RespostasGuia do Saneamento Básico Perguntas e Respostas
Guia do Saneamento Básico Perguntas e Respostas
 
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10   plano de ação pastoral - exemploTexto 10   plano de ação pastoral - exemplo
Texto 10 plano de ação pastoral - exemplo
 
Proteção contra incêndio
Proteção contra incêndioProteção contra incêndio
Proteção contra incêndio
 
De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...
De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...
De gotinha em gotinha descobrindo como economizar água e preservar o meio amb...
 
Prova 4 ano atividade 4 ano
Prova 4 ano atividade 4 anoProva 4 ano atividade 4 ano
Prova 4 ano atividade 4 ano
 

Semelhante a A influência do funcionamento das fontes de energia sobre o meio ambiente

Plano de aula 5º série energia elétrica
Plano de aula 5º série energia elétricaPlano de aula 5º série energia elétrica
Plano de aula 5º série energia elétrica
Alessandra Ferreira
 
Webquest física
Webquest físicaWebquest física
Webquest física
Instituto Crescer
 
Radioatividade 2014 v4
Radioatividade 2014 v4Radioatividade 2014 v4
Radioatividade 2014 v4
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Planode aulanº 3 claudenice
Planode aulanº 3 claudenicePlanode aulanº 3 claudenice
Planode aulanº 3 claudenice
familiaestagio
 
Tema gerador ll
Tema gerador llTema gerador ll
Tema gerador ll
Elizabeth Vieira
 
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
Paulo Cezar Rangel de Lima
 
Componente 2 maquina aula 1.pptx
Componente 2 maquina aula 1.pptxComponente 2 maquina aula 1.pptx
Componente 2 maquina aula 1.pptx
CludiaLovato
 
Plano semanal 3
Plano semanal 3Plano semanal 3
Plano semanal 3
wil
 
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia ElétricaSituação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Jeanne Jimenes
 
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia ElétricaSituação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Jeanne Jimenes
 
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
GernciadeProduodeMat
 
ProdutoEducacional_CarlosAugusto_PROFIS_So.pdf
ProdutoEducacional_CarlosAugusto_PROFIS_So.pdfProdutoEducacional_CarlosAugusto_PROFIS_So.pdf
ProdutoEducacional_CarlosAugusto_PROFIS_So.pdf
ANTONIO PEREIRA
 
Livro u1
Livro u1Livro u1
Livro u1
Carolina Teles
 
2º a.física marcio-pdf
2º a.física marcio-pdf2º a.física marcio-pdf
2º a.física marcio-pdf
Fatima Moraes
 
Plano de Aula: Matéria e sua Natureza
Plano de Aula: Matéria e sua NaturezaPlano de Aula: Matéria e sua Natureza
Plano de Aula: Matéria e sua Natureza
Neusa Fialho
 
Unid 3 ativ_2_kadjamaisa
Unid 3 ativ_2_kadjamaisaUnid 3 ativ_2_kadjamaisa
Unid 3 ativ_2_kadjamaisa
KadjaM
 
PLANO DE ENSINO
PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO
PLANO DE ENSINO
Junior Sousa
 
PLANO PRATICA METABOLISMO.pdf
PLANO PRATICA METABOLISMO.pdfPLANO PRATICA METABOLISMO.pdf
PLANO PRATICA METABOLISMO.pdf
André Luiz Jacob da Silva Jacob
 
Aproveitamento das energias renovaveis no Liceu Welwitschia Mirabils
Aproveitamento das energias renovaveis no Liceu Welwitschia MirabilsAproveitamento das energias renovaveis no Liceu Welwitschia Mirabils
Aproveitamento das energias renovaveis no Liceu Welwitschia Mirabils
Jony Culo
 
Planejamento de aula sobre geradores elétricos
Planejamento de aula sobre geradores elétricosPlanejamento de aula sobre geradores elétricos
Planejamento de aula sobre geradores elétricos
Matheus Barros
 

Semelhante a A influência do funcionamento das fontes de energia sobre o meio ambiente (20)

Plano de aula 5º série energia elétrica
Plano de aula 5º série energia elétricaPlano de aula 5º série energia elétrica
Plano de aula 5º série energia elétrica
 
Webquest física
Webquest físicaWebquest física
Webquest física
 
Radioatividade 2014 v4
Radioatividade 2014 v4Radioatividade 2014 v4
Radioatividade 2014 v4
 
Planode aulanº 3 claudenice
Planode aulanº 3 claudenicePlanode aulanº 3 claudenice
Planode aulanº 3 claudenice
 
Tema gerador ll
Tema gerador llTema gerador ll
Tema gerador ll
 
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
Caderno ativ auto_reguladas-alunos-2ªsérie-3ºbim2014
 
Componente 2 maquina aula 1.pptx
Componente 2 maquina aula 1.pptxComponente 2 maquina aula 1.pptx
Componente 2 maquina aula 1.pptx
 
Plano semanal 3
Plano semanal 3Plano semanal 3
Plano semanal 3
 
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia ElétricaSituação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
 
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia ElétricaSituação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
Situação de Aprendizagem: Fontes e Produção de Energia Elétrica
 
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
QUÍMICA - 3ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT203) D3
 
ProdutoEducacional_CarlosAugusto_PROFIS_So.pdf
ProdutoEducacional_CarlosAugusto_PROFIS_So.pdfProdutoEducacional_CarlosAugusto_PROFIS_So.pdf
ProdutoEducacional_CarlosAugusto_PROFIS_So.pdf
 
Livro u1
Livro u1Livro u1
Livro u1
 
2º a.física marcio-pdf
2º a.física marcio-pdf2º a.física marcio-pdf
2º a.física marcio-pdf
 
Plano de Aula: Matéria e sua Natureza
Plano de Aula: Matéria e sua NaturezaPlano de Aula: Matéria e sua Natureza
Plano de Aula: Matéria e sua Natureza
 
Unid 3 ativ_2_kadjamaisa
Unid 3 ativ_2_kadjamaisaUnid 3 ativ_2_kadjamaisa
Unid 3 ativ_2_kadjamaisa
 
PLANO DE ENSINO
PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO
PLANO DE ENSINO
 
PLANO PRATICA METABOLISMO.pdf
PLANO PRATICA METABOLISMO.pdfPLANO PRATICA METABOLISMO.pdf
PLANO PRATICA METABOLISMO.pdf
 
Aproveitamento das energias renovaveis no Liceu Welwitschia Mirabils
Aproveitamento das energias renovaveis no Liceu Welwitschia MirabilsAproveitamento das energias renovaveis no Liceu Welwitschia Mirabils
Aproveitamento das energias renovaveis no Liceu Welwitschia Mirabils
 
Planejamento de aula sobre geradores elétricos
Planejamento de aula sobre geradores elétricosPlanejamento de aula sobre geradores elétricos
Planejamento de aula sobre geradores elétricos
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 

A influência do funcionamento das fontes de energia sobre o meio ambiente

  • 1. UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Anna Carolina Zaia Rodrigues Luiz Fábio Dimov Marielle da Silva Neves A influência do funcionamento das fontes de energia sobre o meio ambiente Trabalho apresentado à disciplina Projetos Educacional para o Ensino de Ciências, como parte dos requisitos exigidos para a conclusão do Curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas. Supervisão: Prof. Dra. Magda Medhat Pechliye São Paulo 2011
  • 2. 2 ÍNDICE 1.DESCRIÇÃO DA ESCOLA E DO PÚBLICO ALVO...........................................................3 2.PROBLEMATIZAÇÃO..........................................................................................................3 3.JUSTIFICATIVA....................................................................................................................3 4.OBJETIVO GERAL................................................................................................................3 5.OBJETIVOS ESPECIFICOS...................................................................................................3 6.CONTEÚDOS A SEREM TRABALHADOS........................................................................4 7.PROCECIMENTOS METODOLÓGICOS.............................................................................4 8.RECURSOS...........................................................................................................................19 9.CRONOGRAMA...................................................................................................................20 10. PRODUTO FINAL ............................................................................................................21 11.AVALIAÇÃO......................................................................................................................23 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS......................................................................................23 ANEXO 1..................................................................................................................................25 APÊNDICE 1............................................................................................................................28
  • 3. 3 1. DESCRIÇÃO DA ESCOLA E DO PÚBLICO ALVO Esse projeto de sequência didática de ciências foi proposto para atender como público alvo turmas de 9º anos com aproximadamente 30 alunos e com três aulas semanais de ciências. A escola em questão é uma escola pública e possui uma Associação de Pais e Mestres (APM) participativa. 2. PROBLEMATIZAÇÃO De onde vêm os diferentes tipos de energia e qual o seu impacto sobre o meio ambiente? 3. JUSTIFICATIVA Como a energia tradicionalmente é abordada de forma fragmentada, nós queremos integrá-la trazendo-a para o cotidiano do aluno. Visamos que o aluno decodifique seu mundo, a partir da aplicação desse conhecimento, de forma que ele tenha autonomia (Fourez, 2003) e consiga participar, de maneira crítica, em debates sobre o tema (Jacques, 2008). Sabemos que durante essas aulas não será possível abordar todo o conteúdo de Energia, porém temos a meta de iniciar a formação de pessoas críticas e reflexivas, sobre o tema da tecnologia, visando que os alunos consigam aplicar esses conhecimentos em seu cotidiano (Jacques, 2008). 4. OBJETIVO GERAL Relacionar os diferentes tipos de energia e o uso de cada uma delas. 5. OBJETIVOS ESPECIFICOS • Identificar qual o potencial do Brasil para produção de diferentes tipos de energia. • Avaliar os prós e contras do uso de usinas hidrelétricas no país e das demais fontes de energia.
  • 4. 4 • Compreender a produção e a transmissão de energia elétrica. • Compreender o caminho percorrido pela energia elétrica, desde a sua geração até o consumo. • Calcular e comparar o consumo de eletricidade em diferentes eletrodomésticos. • Examinar uma conta de luz e entender como o consumo foi medido e como ele é cobrado pela empresa de fornecimento. • Saber estimar o consumo de energia elétrica mensal de uma residência • Construção de um aquecedor solar de material reciclado, como alternativa de economizar energia. 6. CONTEÚDOS A SEREM TRABALHADOS • Conceito de energia • Funcionamento das usinas: Hidrelétrica, eólicas, solar, nuclear e biomassa. • Histórico, impactos ambientais e utilização no Brasil e no mundo das diferentes usinas de energia. • Geração de energia e sua trajetória até as casas. • Consumo de energia elétrica em kWh e em reais. • Características de uma conta de luz 7. PROCECIMENTOS METODOLÓGICOS AULAS CIÊNCIAS 1ª AULA Começar a aula perguntando para os alunos “O que é Energia?”. Colocar as respostas, em tópicos na lousa. Espera-se que eles respondam: luz, elétron, força, etc. Depois disso, juntamente com os alunos organizar, em uma tabela as palavras mais próximas. Depois dessa organização, perguntar: “De onde vem a energia?”. Como na pergunta anterior, anotar na lousa e organizar as respostas dos alunos. Em seguida, entregar para os alunos a ficha (Apêndice 1), e explicar que esta tem um quadro, com as usinas a serem trabalhadas. Eles devem colocá-las em ordem de preferência, de 1 a 5, sendo a 1 a predileta, e escrever sucintamente
  • 5. 5 o que eles entendem por cada uma delas, e por último eles devem colocar se há outro tipo de usina que eles gostariam de estudar. Depois explicar que os grupos serão formados seguindo as preferências, e que serão 5 grupos de 6 alunos. Momento de sensibilização, levantamento inicial e organização de conhecimentos (BRASIL, 1998). 2ª AULA Mostrar para os alunos como ficou disposta a formação dos grupos, e também os tópicos que devem ser pesquisados: história, utilização no Brasil e/ou no mundo e impactos ambientais. O professor deve falar que essa pesquisa será utilizada num júri simulado, onde eles defenderão a energia que escolheram, e os argumentos devem ser baseados em noticias de jornal, sites, etc. Marcar com eles a data de entrega (para após duas aulas). A pesquisa será livre, sem indicação de sites ou livros. Depois disso o professor iniciará a explicação do funcionamento de uma usina hidrelétrica, por meio de duas aulas (2 e 3) expositivas-dialogadas. Essas aulas deverão ter como fundamento, perguntas que o professor fará, e a partir das respostas dos alunos, dar continuidade à matéria. Para auxiliar na compreensão, será utilizada uma apresentação de slides. Esta deve conter algumas perguntas e tópicos que estimulem outras dúvidas dos alunos, como por exemplo, como eles acham que se constrói esse tipo de usina e quais os impactos da sua construção. Ao final da aula será mostrado um vídeo, para a realização da síntese. Juntamente com o professor de Geografia, será abordada a localidade dessa usina no Brasil. Momento de organização de conhecimentos e desenvolvimento (BRASIL, 1998).
  • 6. 6 3ª AULA O professor vai começar a aula a partir do ponto que ele parou na aula anterior. Dando continuidade à explicação do funcionamento de uma usina hidrelétrica. Essa aula deverá ter como fundamento, perguntas que o professor fará, e a partir das respostas dos alunos, dar continuidade à matéria. Para auxiliar na compreensão, será utilizada uma apresentação de slides. Esta deve conter algumas perguntas e tópicos que estimulem as perguntas dos alunos, como por exemplo, como eles acham que se constrói esse tipo de usina e quais os impactos da sua construção. Nas aulas de Geografia, o professor integrará esse conteúdo com a localidade da usina no Brasil. Momento de organização de conhecimentos e desenvolvimento e síntese (BRASIL, 1998). 4ª AULA Para explicar o funcionamento da usina nuclear, será utilizado o texto no Anexo 1. Este é sobre o processo de produção de energia, e também deixa em aberto quais são os impactos que da usina causa no ambiente. Então o professor deve falar aos alunos que, o grupo que trabalhará a usina nuclear, terá de saber os seus impactos, e depois explica-los aos colegas, e isso ocorrerá durante o Júri Simulado. Depois da leitura, o professor deve fazer perguntas orais relacionadas a ele, para verificar se os alunos compreenderam o texto. Nas aulas de Geografia, o professor integrará esse conteúdo com a localidade da usina no Brasil. Momento de levantamento inicial e organização de conhecimentos (BRASIL, 1998). 5ª AULA Para a continuação da explicação, será utilizado um texto no Apêndice 2 (JAPÃO, 2011). Depois da leitura, o professor deve fazer perguntas orais relacionadas a
  • 7. 7 ele, para verificar se os alunos compreenderam o texto. Juntamente com o professor de Geografia, será abordada a localidade dessa usina no Brasil. Momento de levantamento inicial e organização de conhecimentos (BRASIL, 1998). 6ª AULA Para explicar o funcionamento da usina solar, o professor deve perguntar como os alunos acham que funciona esse tipo de usina, e a partir das respostas fazer outros comentários e mostrar o vídeo (ECODESENVOLVIMENTO, 2011) Para explicar o funcionamento da usina de biomassa, será passado um vídeo (BRASIL, 2009). Primeiramente o professor deve perguntar como os alunos acham que se constrói esse tipo de energia. Momento de levantamento inicial e organização de conhecimentos (BRASIL, 1998). 7ª AULA Essa aula será iniciada continuando a explicação do funcionamento da usina de biomassa. Depois, para explicar o funcionamento da usina eólica será utilizado o texto em Apêndice 3. Primeiramente o professor deve perguntar aos alunos: “De onde vem o vento?”, e como eles acham que funciona uma usina eólica. Momento de levantamento inicial e organização de conhecimentos (BRASIL, 1998). 8ª AULA O professor deve iniciar a aula, pedindo aos alunos que socializem, entre os integrantes do grupo, os dados coletados, e que eles devem formar uma opinião sobre os prós e contras da usina estudada. O professor deve atender os grupos, verificando se há erros conceituais na pesquisa, e conduzi-los ao objetivo da aula, que é eles tenham base para a discussão no júri. Será atribuída uma nota individual nesta aula. Momento de problematizarão, organização de conhecimentos e
  • 8. 8 desenvolvimento (BRASIL, 1998). 9ª AULA Avisar que na próxima aula será feito um júri simulado, na qual o professor trará problemas e cada grupo deverá defender a sua energia. O professor deve atender os grupos, verificando se há erros conceituais na pesquisa, e conduzi-los ao objetivo da aula, que é eles terem base s para a discussão no júri. Momento de problematizarão, organização de conhecimentos e desenvolvimento (BRASIL, 1998). 10ª Júri simulado. A intenção é que os grupos defendam a utilização da sua AULA usina, por meio de problemas que o professor vai trazer, e os outros grupos poderão opinar, concordando ou criticando o funcionamento daquela usina. A sala ficará em roda. Orientar que os alunos fiquem na seguinte disposição: hidrelétrica, nuclear, eólica, solar e biomassa. Sendo que alunos do mesmo grupo não fiquem lado a lado. Assim, é mais provável que todos os integrantes do grupo falem, e não apenas um deles. O professor trará problemas que criem discussões sobre a utilização e implementação de todas as usinas pesquisadas. As perguntas serão para a usina solar: ·O valor para produzir uma placa solar é economicamente viável? ·E quando este valor é comparado com o valor de produção de outras energias? ·A energia gerada é poluente? ·É uma energia esgotável? ·As placas solares são eficientes em todas as latitudes? Essa pergunta será feita visando estimular uma discussão em que se critica o uso dessa energia como, por exemplo, em países com latitudes muito altas.
  • 9. 9 As perguntas sobre a usina eólica serão: ·Temos o problema da intermitência. Como se garante que o vento vai soprar todo momento em que se necessita da energia? ·É uma energia esgotável? ·Uma usina eólica interfere no ecossistema? Essa pergunta foi feita visando discutir que o barulho de uma usina acaba expulsando animais, principalmente aves, da região. As perguntas sobre usina nuclear serão: ·É uma energia limpa? ·É uma energia renovável? ·A geração da energia nuclear causa problemas ambientais? ·Alterações climáticas futuras podem trazer alterações no regime de chuvas e ventos. A energia nuclear possui essa desvantagem? ·É seguro produzir energia nuclear. E os acidentes? ·É facilisolar o lixo nuclear que é radioativo? As perguntas sobre usina hidrelétrica serão: ·É uma energia limpa? Ela é renovável? ·São necessárias características ambientais favoráveis para que a usina tenha um funcionamento eficiente? Essa pergunta será feita visando estimular uma discussão em que se conteste que são necessários ambientes com grandes vazões de águas para que a usina tenha uma rentabilidade viável. ·O valor para se produzir energia a partir de hidrelétricas é economicamente viável? Em todos os pais?
  • 10. 10 ·Para se construir uma hidrelétrica se inunda extensas áreas de biomas. O que isso pode causar? Essa pergunta foi feita visando estimular uma discussão em que se abordem problemas como desapropriações, inundações de florestas e comunidades ribeirinhas (gerando impactos ambientais). As perguntas sobre usina de biomassa serão: ·Do ponto de vista ambiental, a biomassa é favorável quanto redução das emissões de gases poluentes? ·É uma energia que possui um baixo custo de aquisição, porém o material partícula do que é gerado na atmosfera precisa ser removido. Então é economicamente viável? ·Qual o risco ambiental que essa energia causa? ·É fácil ou difícil estocar essa energia? Momento de problematizarão, organização de conhecimentos e desenvolvimento e síntese e finalização (BRASIL, 1998). 11ª Continuação do Júri Simulado. Essa aula terá inicio na discussão da aula AULA anterior. As perguntas serão para a usina solar: ·O valor para produzir uma placa solar é economicamente viável? ·E quando este valor é comparado com o valor de produção de outras energias? ·A energia gerada é poluente? ·É uma energia esgotável? ·As placas solares são eficientes em todas as latitudes? Essa pergunta será feita visando estimular uma discussão em que se critica o uso dessa energia
  • 11. 11 como, por exemplo, em países com latitudes muito altas. As perguntas sobre a usina eólica serão: ·Temos o problema da intermitência. Como se garante que o vento vai soprar todo momento em que se necessita da energia? ·É uma energia esgotável? ·Uma usina eólica interfere no ecossistema? Essa pergunta foi feita visando discutir que o barulho de uma usina acaba expulsando animais, principalmente aves, da região. As perguntas sobre usina nuclear serão: ·É uma energia limpa? ·É uma energia renovável? ·A geração da energia nuclear causa problemas ambientais? ·Alterações climáticas futuras podem trazer alterações no regime de chuvas e ventos. A energia nuclear possui essa desvantagem? ·É seguro produzir energia nuclear. E os acidentes? ·É facilisolar o lixo nuclear que é radioativo? As perguntas sobre usina hidrelétrica serão: ·É uma energia limpa? Ela é renovável? ·São necessárias características ambientais favoráveis para que a usina tenha um funcionamento eficiente? Essa pergunta será feita visando estimular uma discussão em que se conteste que são necessários ambientes com grandes vazões de águas para que a usina tenha uma rentabilidade viável. ·O valor para se produzir energia a partir de hidrelétricas é economicamente
  • 12. 12 viável? Em todos os pais? ·Para se construir uma hidrelétrica se inunda extensas áreas de biomas. O que isso pode causar? Essa pergunta foi feita visando estimular uma discussão em que se abordem problemas como desapropriações, inundações de florestas e comunidades ribeirinhas (gerando impactos ambientais). As perguntas sobre usina de biomassa serão: ·Do ponto de vista ambiental, a biomassa é favorável quanto redução das emissões de gases poluentes? ·É uma energia que possui um baixo custo de aquisição, porém o material partícula do que é gerado na atmosfera precisa ser removido. Então é economicamente viável? ·Qual o risco ambiental que essa energia causa? ·É fácil ou difícil estocar essa energia? Momento de problematizarão, organização de conhecimentos e desenvolvimento e síntese e finalização (BRASIL, 1998). Será atribuída uma nota individual nas aulas 10 e 11. 12ª Ida à informática para a mediação do preenchimento dos quadros, que AULA terão o mesmo layout (elaborado pelo professor, assim padronizando-as). O quadro conterá: História, Prós e Contras da utilização da usina. Essa mediação será feita da seguinte maneira: o professor vai perguntar aos alunos quais os pontos mais discutidos no Júri Simulado, focando nos prós e contras do funcionamento das usinas. O professor durante a aula passará nos grupos sanando dúvidas e verificando se existem erros conceituais. Ao final da aula os alunos devolverão as tabelas para que o professor as avalie. Momento de síntese e finalização (BRASIL, 1998).
  • 13. 13 13ª Devolução do quadro, para que os alunos arrumem o que estiver errado. AULA Ida à informática para a finalização dos quadros. Ao final da aula, essa tabela será entregue para o professor, e fará parte da avaliação. Momento de síntese e finalização (BRASIL, 1998). 14ª Para realização desta atividade é necessário que o aluno conheça outras AULA fontes de energia solar, eólica, biomassa, nucleares, mas o destaque será nas hidrelétricas pelo fato de ser a principal fonte geradora de energia para o Brasil. O início da aula será com uma pergunta: Como é que a energia elétrica chega até a sua casa ou na escola? Como é que luz acende? Provavelmente os alunos responderão que é por causa da energia, que sai das fontes de energia e chegarão aos fios. Outras perguntas serão feitas como: O computador, televisão, nossos chuveiros, da onde vem essa energia que faz funcionar? E de onde vem a energia elétrica do Brasil? Os conteúdos que eles já estudaram nas aulas anteriores serão trabalhando. Após a discussão será apresentado um vídeo ”De onde vem a energia elétrica” (BRASIL) Em seguida os alunos responderão individualmente questões cinco questões que servirá como atividade avaliativa. 1)Quais são as possíveis fontes geradoras de energia elétrica? 2) Qual é fonte de energia elétrica mais utilizada no Brasil? Por quê? 3) Como a energia elétrica chega até a nossa casa?
  • 14. 14 4) Explique sucintamente o funcionamento de uma Usina Hidrelétrica. 5) Qual a importância da energia elétrica para nossa sociedade? Momento de sensibilização e levantamento inicial e de síntese e finalização (BRASIL, 1998). 15ª Os alunos serão separados em grupos de 5 alunos de 6 alunos e vão AULA confeccionar uma história em quadrinho, quando os trabalhos estiverem prontos, serão levados pelo professor a uma gráfica que ilustrará o trabalho dos alunos e transformando em um livro. A história será desenvolvida na sala de aula com a ajuda da professora de ciências que disponibilizará duas aulas para que os alunos construam a história e façam os desenhos. A professora de Língua Portuguesa ajudará os alunos com o texto. Na primeira aula os alunos devem elaborar a história e fazer um esboço dos desenhos. É importante lembrar os alunos de trazer lápis de cor, canetinha, folha de sulfite, borracha, glitter e outros materiais que desejarem. A professora passará de grupo em grupo mediando e orientando os alunos. Prevê-se que os alunos terminarão pelo menos o texto, na próxima aula eles trabalharão os desenhos. Momento de organização do conhecimento e desenvolvimento e de síntese e finalização (BRASIL, 1998). 16ª Nessa aula os alunos confeccionarão as histórias em quadrinho, como AULA texto já estará pronto, eles irão desenhar e pintar. Caso não terminem nesta aula, poderão terminar em casa e entregar na próxima semana. Durante a aula a professora passará nos grupos para observar o andamento do trabalho, e se propor a ajudá-los em caso de dúvidas. Após um mês o professor mostrará o trabalho pronto, depois de voltar da gráfica com capa, nomes dos autores. É preponderante mostrar lhes o resultado para se sentirem motivados e satisfeitos com seu trabalho.
  • 15. 15 Momento de organização do conhecimento e desenvolvimento e de síntese e finalização (BRASIL, 1998). 17ª O professor falará aos alunos que já estudaram algumas fontes de AULA energia, e viram como a energia elétrica chega aos domicílios, escolas etc. Assim, perguntará aos alunos o que gasta energia em suas casas. O que gasta energia na sua casa? E de onde vem essa energia? Neste momento será esperado que os alunos falem dos eletrodomésticos que são comuns em suas casas, do chuveiro, de lâmpadas entre outros. Para que seja discutido que a fonte dessa energia é a energia elétrica (talvez algum aluno possa ter em sua casa como fonte de energia a solar em aquecedores, por exemplo, que poderá ser mencionada). Na sua casa como é medido o consumo de energia elétrica? Após identificar os conhecimentos prévios dos alunos e discutir o que consome energia elétrica, será perguntado aos alunos como que se mede esse consumo. Para tanto, espera-se que os alunos falem que na conta de luz há essa informação. O professor discutira que o empresa fornecedora verifica o consumo em um relógio de energia que há em todas as residências (como isso é feito será estudado nas próximas aulas). Qual a unidade de medida de consumo de energia que a conta de luz utiliza? Se o professor não obtiver a resposta correta, o kWh. Ele terá que discutir com os alunos até chegar a essa resposta. Para a próxima aula será pedido que os alunos levem uma tabela com as potências de eletrodomésticos, lâmpadas e etc., e o tempo médio que se utiliza esses aparelhos diariamente ou semanalmente para aparelhos que se utilizam poucas vezes por semana. Sendo essas informações estipuladas, com a ajuda de seus pais, sobre o consumo de energia de suas residências. Será ensinado como verificar as potências nos aparelhos, através de
  • 16. 16 exemplos de observação em plaquinhas que estão presentes nos eletrodomésticos. Momento de sensibilização e levantamento inicial (BRASIL, 1998). 18ª No inicio dessa aula será discutido com os alunos o que representa a AULA unidade de medida kWh. Considerando que já foi dada uma sequência didática referente à potência, trabalho, força, aceleração, velocidade e movimento relativo. Em resumo seria discutido que a potência tem como unidade de medida o Watt e que o tempo tem a hora. E que são essas duas características que influenciam diretamente no consumo de energia, ou seja, aparelhos com potência alta e/ou é utilizado por várias horas por dias consomem mais energia que aparelhos com potências menores e/ou são utilizados por poucos minutos por dia. Assim, após relembrar a potência elétrica poderá se trabalhar a elaboração de prováveis consumos de energia elétrica em salas hipotéticas que possuem determinados equipamentos elétricos (de acordo com as informações trazidas pelos alunos) em um mês. É importante falar aos alunos que através desse exercício se pode estipular o consumo de energia mensal de uma residência, escola e qualquer outro ambiente. Obs.: Na aula não será calculado um estimativa mensal de consumo de energia em uma residência, porque necessitaria de mais tempo e mais informações. Porém será calculado o consumo de uma sala hipotética com as informações que os alunos trouxeram. Que em outras proporções pode ser feito a uma residência. Os hipotéticos consumos de energias serão calculados, em duplas ou trios, e entregues ao professor e considerados como parte da avaliação. No fim desta aula o professor pedirá aos alunos que tragam uma conta de luz para a próxima aula. Momento de organização do conhecimento e desenvolvimento e síntese e finalização (BRASIL, 1998). 19ª Nesta aula os alunos serão divididos em grupos de cinco ou seis pessoas
  • 17. 17 AULA (união de duplas e/ou trios da aula passada). Com os grupos formados o professor pedirá que peguem e observem a conta de luz que foi pedida para trazer. Então, o professor perguntará aos alunos quais as principais informações que uma conta de luz possui. Serão anotados na lousa o que os alunos falaram, sendo que cinco tópicos serão selecionados para serem trabalhados. 1. Consumo de energia em kWh 2. Valor a pagar de energia consumida 3. Tributos 4. Histórico de consumo 5. Medidor de consumo. Antes de começar a trabalhar com os dados observados, o professor informará os alunos que no fim dessas próximas discussões será pedido um relatório (texto) que contenha o que se foi discutido nesses principais tópicos como parte da avaliação do aluno. E que para tanto anotem tudo que foi discutido. Será pedido aos grupos que discutem sobre os tópicos selecionados e anotem o que foi discutido. Nesse momento o professor passará entre os grupos para observar o que e como os alunos estão trabalhando. No fim da aula será pedido aos alunos que visualizem em suas residências como é um relógio de luz. Momento de problematização, organização do conhecimento e desenvolvimento (BRASIL, 1998). 20ª Esta aula finalizará esse bloco de aulas sobre consumo de energia AULA elétrica. Para tantos, os alunos se reunirão nos grupos e o professor conduzirá aula na lousa dialogando com eles sobre as discussões dos tópicos. O que será esperado (dos alunos) e/ou informado (pelo professor) para discutir os tópicos: Consumo de energia em kWh e valor a pagar de energia consumida: Nesse tópico o consumo de energia observado em kWh tem a mesma origem do
  • 18. 18 estipulado e discutido na segunda aula. A partir dele se obtém o valor (em reais), cobrado pela empresa de fornecimento, da energia consumida. Como isso é feito? Através do cálculo do consumo multiplicado pela tarifa. Tributos: Como a conta a ser paga não se refere apenas ao consumo de energia serão discutidos os três impostos cobrados na conta de luz: PIS/PASEP, COFINS, ICMS e a cada um deles se referem. Histórico de consumo: Nesse item será discutido que os valores de consumo de energia variam durante o ano e quais são os fatores que contribuem para um mês ter consumo alto e outro baixo. Como por exemplo, férias escolares e estação do ano. Medidor de consumo: O professor representará na lousa como é um relógio de energia com a ajuda dos alunos que visualizaram os de suas residências. Para que seja discutido como se faz a medição de energia consumida, a partir do relógio. Momento de organização do conhecimento e desenvolvimento e de síntese e finalização (BRASIL, 1998). 21ª Início do Produto Final. AULA Nesta aula será entregue aos alunos o texto (Apêndice X) para informar a eles quem foi o inventor desse aquecedor e onde se encontra o manual que explica seu funcionamento e como construí-lo. Após a leitura será explicado como o aquecedor funciona, e explicado as etapas para a construção do equipamento. Momento de problematizarão e de organização do conhecimento e desenvolvimento (BRASIL, 1998). 22ª Construção do aquecedor. AULA
  • 19. 19 Momento síntese e finalização (BRASIL, 1998). 23ª Construção do aquecedor. AULA Momento síntese e finalização (BRASIL, 1998). 8. RECURSOS Serão apresentados a seguir os materiais que serão utilizados durante o projeto, já a lista daqueles para a construção do Produto Final está disponível no link que dá acesso ao manual sobre a construção e instalação do aquecedor solar. - Caneta - Lápis e lápis de cor - Canetinha - Borracha - Caderno dos alunos - Jornais - PowerPoint - Jornais - Cartazes - Computador - Vídeos - Folha de Sulfite - Borracha - Glitter - Conta de luz - Tabelas - Lousa - Giz - Textos - Imagens
  • 20. 20 9. CRONOGRAMA AULA CIÊNCIAS HISTÓRIA GEOGRAFIA PORTUGUÊS ARTES 1ª -o que é energia? -formação de grupos 2ª - -localização de funcionamento usinas no da usina Brasil hidrelétrica 3ª - -localização de funcionamento usinas no da usina Brasil hidrelétrica 4ª - -localização de funcionamento usinas no da usina Brasil nuclear 5ª - -localização de funcionamento usinas no da usina Brasil nuclear 6ª - funcionamento da usina solar e biomassa 7ª - funcionamento da usina biomassa e eólica. 8ª -mediação nos grupos -avaliação 9ª -mediação nos grupos -avaliação 10 ª -júri simulado -avaliação 11 ª -júri simulado -avaliação 12 ª -construção -construção quadro quadro comparativo comparativo -avaliação 13 ª -construção -construção quadro quadro comparativo comparativo
  • 21. 21 -avaliação 14 ª -caminho da -caminho da energia, da energia, da usina até a usina até a casa. casa. -avaliação 15 ª -montagem da -montagem da história em história em quadrinhos quadrinhos -avaliação (texto) 16 ª -montagem da -montagem história em da história quadrinhos em -avaliação quadrinhos (desenho e pintura) 17 ª -o que gasta energia? 18 ª -potência dos aparelhos 19 ª -conta de luz -avaliação 20 ª -relatório individual 21 ª -início produto final -avaliação 22 ª -construção do -construção do -construção aquecedor aquecedor do -avaliação aquecedor 23 ª -construção do -construção do -construção aquecedor aquecedor do -avaliação aquecedor 10. PRODUTO FINAL O produto final será a produção de um aquecedor solar feito de garrafas PET e caixas Tetra Pak para ser instalado nas dependências da escola. A água aquecida será utilizada pela cozinha da escola e pela casa do caseiro. A vantagem deste aquecedor, é que o Sol aquecerá a água a temperatura desejada para um banho, por exemplo. E se caso ela não for a desejada, o próprio chuveiro aquecerá o quanto necessário, porém ressaltando que necessitará de menos energia para aquecer a água do que se ela não tivesse o equipamento instalado. Portanto o
  • 22. 22 objetivo desse aquecedor é economizar energia e não substituir a energia elétrica em algum equipamento. Quanto à água consumida na cozinha da escola, vale destacar que a água seria aquecida em um fogão para fazer a comida, por exemplo. E se a água já sair da torneira quente, ela precisará de menos gás de cozinha para alcançar a temperatura de fervura. Para que o produto final seja confeccionado nas aulas 18 e 19 e nas próximas duas aulas de artes e geografia, será apresentado aos alunos o projeto do aquecedor na aula 17. Nessa apresentação será entregue o texto (em anexo). Para informar os alunos quem foi o inventor desse aquecedor e onde se encontra o manual que explica seu funcionamento e como construí-lo. Também será explicado aos alunos como funciona o aquecedor. A produção do aquecedor será feita em duas manhãs, que serão escolhidas conforme os dias que tiverem mais aulas de geografia, artes e ciências. Para que o aquecedor seja produzido será pedido aos alunos com dois meses de antecedência que levem para a escola garrafas PET e embalagem Tetra Pak, devidamente lavadas e secas, que serão armazenadas na própria escola. Para tanto, além dessas embalagens que serão reutilizadas, são necessários matérias como conexões “T”, tubos PVC e tintas para a produção do aquecedor. Esses materiais serão obtidos pela APM e por recursos da própria escola para infraestrutura. Sendo que também será contratada uma pessoa que instale o equipamento na caixa d´água. Link para acesso ao Manual Sobre a Construção e Instalação do Aquecedor Solar Composto de Embalagens Descartáveis: http://openinnovatio.org/wp-content/uploads/downloads/2010/02/manual-aquecedor- solar.pdf
  • 23. 23 11. AVALIAÇÃO Aula 8 e 9: A nota individual desta aula terá peso 0,5 e será considerado se o aluno trouxe o material, se ele está participando da discussão do grupo, a autonomia do grupo nas organização das ideias e discussões, comportamento e foco no assunto. Aula 10 e 11: A avaliação do júri simulado terá peso 1,0. O professor incentivará que todos participem das argumentações. Os critérios serão: a clareza da expressão dos argumentos, a participação do aluno no júri e se eles utilizaram as anotações que fizeram. Aula 12 e 13: O quadro terá peso 2,0. Este quadro é o produto final de uma das etapas do projeto e representará a síntese de quatro aulas. Será avaliada a coerência, a clareza do texto, o quanto dos prós e contras os alunos escreveram e a correção dos erros apontados na primeira entrega. Aula 14: As respostas das questões terão peso 0,5. Será considerada a clareza na organização das ideias e se os conceitos escritos estão corretos; Aula15 e 16: A história em quadrinhos terá peso 1,5. Será considerado o trabalho em grupo e se ela possui coerência, clareza, organização, originalidade e capricho e presença (quantidade) de erros conceituais. Aula 19: O relatório individual terá peso 1,0. Aula 21, 22 e 23: O produto final terá peso 2,0, serão considerados como critérios de avaliação: empenho, responsabilidade (se levaram os materiais), comportamento, trabalho em grupo, organização. Auto avaliação (em anexo) terá peso 1,5. A ficha está no Apêndice 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRASIL. Banco Internacional de Objetos Educacionais. 2009. Disponível em: <http://objetoseducacionais2.mec.gov.br/handle/mec/14494>. Acesso em 08/11/2011.
  • 24. 24 BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Ciências da Natureza. Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível na WEB em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf>. Acesso em 08/11/2011. BRASIL. Portal Domínio Público. De onde vem a energia?. Disponível em: < http:// www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do? select_action=&co_obra=19776>. Acesso em 08/11/2011. ECODESENVOLVIMENTO Informação para um mundo sustentável. 2011. Disponível em: <http://www.ecodesenvolvimento.org.br/ecodtv/energia- solar.mp4/video_view>. Acesso em 08/11/2011. INFOESCOLA. Navegando e Aprendendo. Energia Eólica. 2008. Disponível em: <http://www.infoescola.com/tecnologia/energia-eolica/>. Acesso em 08/11/2011. JAPÃO prevê fechamento de Fukushima daqui a 30 anos. Época. 2011. Disponível em: <http://revistaepoca.globo.com/Mundo/noticia/2011/10/japao-preve-fechamento- de-fukushima-daqui-30-anos.html>. Acesso em: 08/11/2011.
  • 25. 25 ANEXO 1 Aluno_______________________________________________ No: _______ Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______ Professor: ENERGIA NUCLEAR Em agosto de 1945, a explosão de duas bombas atômicas no Japão destruiu as cidades de Hiroxima e Nagasaki, pondo fim à Segunda Guerra Mundial.
  • 26. 26 Nas bombas atômicas, o processo usado é o da fissão nuclear, que significa quebra ou divisão do núcleo do átomo pelo bombardeamento, com nêutrons, dos átomos de urânio ou de tório. Quando os átomos de urânio ou de tório são bombardeados por nêutrons, seus núcleos se fragmentam, liberando enorme quantidade de energia. Os nêutrons dos átomos fragmentados, por sua vez, vão bombardear outros núcleos de átomos, que também se quebram e assim sucessivamente, numa reação em cadeia. Na reação em cadeia, a fissão nuclear é rápida e descontrolada. Mas, depois da destruição de Hiroxima e Nagasaki, o homem aprendeu a “domar” o átomo, de tal forma que a fissão também pode ser controlada. Isso acontece nas usinas nucleares, onde o calor que resulta da desintegração do átomo é usado para aquecer certa quantidade de água, até vaporizá-la. É a força desse vapor que tem utilidades práticas, como por exemplo, mover as turbinas de geradores de eletricidade. Em 1954 começou a funcionar na Rússia a primeira usina nuclear do mundo, com a finalidade de produzir eletricidade. Até então, existiam apenas as usinas hidrelétricas (que dependem da existência de rios volumosos e com quedas-d’água) e as usinas térmicas (alimentadas por carvão, óleo, etc.). A partir daquele ano, foi aumentando o número de usinas nucleares, as quais são responsáveis por grande parte da produção de eletricidade no mundo. No Brasil, está em funcionamento uma usina nuclear em Angra dos Reis (Angra 1). Embora a energia nuclear possa ser usada para fins bélicos, como a fabricação de bombas atômicas e da movimentação de submarinos nucleares, ela também pode ser empregada para fins pacíficos. Além da produção de eletricidade, serve para movimentar navios, controlar a qualidade de peças nas indústrias, estudar e controlar plantas para a obtenção de espécies com melhor rendimento, etc. Outra importante aplicação da energia nuclear acontece na medicina, com os aparelhos que pesquisam, diagnosticam e tratam diversas enfermidades. Apesar de as usinas nucleares já terem sido consideradas a solução para os problemas energéticos da humanidade no futuro, tem diminuído sua construção no
  • 27. 27 mundo todo. A Alemanha, inclusive, discute um programa para desativar todas as suas usinas nucleares.
  • 28. 28 APÊNDICE 1 Aluno_______________________________________________ No: _______ Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______ Professor: Tipos de energia Coluna 1 Coluna 2 Hidrelétrica
  • 29. 29 Nuclear Eólica Solar Biomassa 1) Preencha o quadro acima da seguinte maneira: na coluna 1 explique bem sucintamente o que você entende por cada um dos tipos de energia. Na coluna 2 numere de 1 a 6 segundo a ordem que você gostaria de estudar (o número 1 é o primeiro lugar, o 2, segundo lugar, o 3 terceiro lugar e assim por diante). O critério para ordenar é o interesse pelo assunto. 2) Há algum outro tipo de energia que não tenha sido citada, mas você gostaria de estudar? Qual? __________________________________________________________________ __________________________________________________________________
  • 30. 30 APÊNDICE 2 Aluno_______________________________________________ No: _______ Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______ Professor: Japão prevê fechamento de Fukushima daqui a 30 anos. Vista aérea da usina de Fukushima, no norte do Japão.
  • 31. 31 O acidente na usina ocorreu após a passagem de um tsunami, em março de 2011. Um comitê nuclear criado pelo governo do Japão afirmou no dia 28/10 que o fechamento da usina de Fukushima não será concluído antes de 30 anos. A usina foi atingida por um terremoto seguido de tsunami em março, e houve vazamento de material nuclear após o tremor, causando o pior acidente atômico desde Chernobyl, em 1986. Segundo o comitê, esse prazo é o estimado para que todo o combustível nuclear seja retirado e, com isso, haver condições de desativar os reatores da central, que operava desde a década de 1970. Por enquanto, o objetivo é começar a retirar o combustível do interior dos reatores o mais rápido possível. Cerca de 80 mil famílias em um raio de 80 quilômetros da usina estão desabrigadas. O governo japonês e a Tokyo Electric Power, operadora da usina, afirmam que os níveis de radioatividade têm diminuído gradualmente e esperam levar os reatores danificados ao estado de "parada fria" antes do fim do ano. É previsto antes de três anos a retirada do combustível utilizado nas piscinas dos reatores 1, 2, 3 e 4, que será levado a uma piscina de armazenamento comum. Esses reatores sofreram uma fusão parcial de seus núcleos quando o tsunami paralisou os sistemas de refrigeração da usina, que tinha quatro de suas seis unidades ativas. Os especialistas querem também que o combustível que está no interior do núcleo dos reatores 1, 2 e 3, os mais danificados pelo tsunami de março, comecem a ser retirados antes de dez anos. Fonte: http://revistaepoca.globo.com/Mundo/noticia/2011/10/japao-preve- fechamento-de-fukushima-daqui-30-anos.html
  • 32. 32
  • 33. 33 APÊNDICE 3 Aluno_______________________________________________ No: _______ Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______ Professor: Energia Eólica A energia eólica é uma forma indireta de obtenção de energia do sol, os ventos são elementos muito importantes dos sistemas atmosféricos, sendo que a atmosfera é acamada gasosa externa de nosso planeta. Ocorre que o ar, assim como a água, é mau condutor de calor. Para compreender como se formam os ventos, é importante também saber que o calor irradiante do sol não aquece a atmosfera diretamente; ele passa por ela sem aquecê-la, aquece a Terra e esta, por sua vez, devolve parte de seu calor para o espaço por irradiação e por convecção. É
  • 34. 34 este último fenômeno que nos interessa, pois a convecção gera um tipo de vento denominado vento convectivo, e grande parte do calor transportado pelos mesmos fica retido na atmosfera pelos gases do efeito estufa (CO2, metano e vapor d'água). Como já foi dito, o ar é mal condutor de calor, algumas partes da atmosfera aquecerão mais rápido que outras; o ar aquecido fica mais leve e sobe, baixando a pressão atmosférica, e o ar menos quente de regiões adjacentes, com pressões atmosféricas mais altas, se desloca, sob a forma de ventos, para ocupar o espaço deixado pela subida do ar mais quente. Esses dois fenômenos naturais explicam a maior parte dos ventos. Para completar, é importante citar uma terceira causa de formação dos ventos: o fato de a água dos oceanos ter um elevado calor específico; isso significa que, durante o dia, a terra se aquece mais rápido que os oceanos e o ar quente sobre ela sobem, causando ventos que sopram do mar para a terra durante o dia (a famosa "brisa marítima"); mas, durante a noite, o elevado calor específico da água faz com que esta retenha mais calor que a terra, ficando mais quente que esta, e os ventos então mudam de direção e passam a soprar da terra para o mar. A geração de energia elétrica ou mecânica (em moinhos ou cata-ventos para a realização de trabalhos mecânicos como o bombeamento da água) através dos ventos se dá pela conversão da energia cinética de translação pela energia cinética de rotação através do emprego de turbinas eólicas, quando o objetivo é gerar eletricidade, ou moinho e cata-ventos, quando o objetivo é a realização de trabalhos mecânicos. Sua exploração comercial teve início a mais ou menos na década de 70 quando ocorreu a crise do petróleo e os países europeus começaram a investir em outras formas de energia. No Brasil, o custo da geração de energia através dos ventos é de cerca de US$70 a US$80 por MWh, o que a torna competitiva com a energia nuclear e termoelétrica. Só no nordeste brasileiro potencial eólico existente é de 6.000 MW, sendo a região brasileira que apresenta o maior potencial. Até 2003 a Aneel havia registrado cerca de 90 empreendimentos não iniciados para ao aproveitamento de energia eólica que agregariam 6.500 MW a produção nacional de energia elétrica.
  • 35. 35 O único ponto fraco das turbinas que geram energia através dos ventos é a poluição sonora e a poluição visual. Esta última é menos impactante, e depende mais do ponto de vista particular de cada um. Mas a poluição sonora gerada pelas turbinas, de acordo com a especificação do equipamento, pode inviabilizar a construção destes sistemas muito próximos de regiões habitadas por causar desconforto aos moradores.
  • 37. 37 APÊNDICE 4 Aluno_______________________________________________ No: _______ Disciplina: Ciências Data: ___/___/____ Ensino Fundamental 9°ano ______ Professor: Auto avaliação Esta auto avaliação terá peso 2 na nota final do Projeto “A influência do funcionamento das fontes de energia sobre o meio ambiente”. A nota será uma média de todos os critérios abaixo, os quais você deve atribuir um valor de 0 a 5 (os pesos dos critérios estão entre parênteses). É de grande importância a sua você seriedade. Nota: Critérios O que considerar. 0 a 5.
  • 38. 38 Pontualidade Você foi pontual em todas as aulas ou chegou (1) atrasado alguma vez ou várias vezes? Você faltou em algumas, várias ou nenhuma Assiduidade (1) aula? Comportament Você cumpriu com as comanda das aulas? o (3) Você se empenhou (comprometeu) nas tarefas Empenho (3) (de casa e na sala)? Material na aula Você trouxe todas as aulas o material (2) programado, ou esqueceu algum dia? Trabalhos de Você fez os trabalhos de casa? casa (2) Respeitar a Você respeitou as opiniões, ideias e sugestões opinião dos de seus colegas? outros (2) Participação no Você participou ativamente (opinando e s trabalhos de sugerindo) em todos, alguns ou nenhum dos grupo (2) trabalhos em grupo? Expressão de Você opinou, com clareza, durante as opiniões (2) discussões do grupo? Superação das Você procurou resolver os problemas que dificuldades (2) apareceram durante os trabalhos? Você teve autonomia na realização dos Autonomia (3) trabalhos?