SlideShare uma empresa Scribd logo
PSICOLOGIA B 
TEMA 2 
EU: A MENTE E OS PROCESSOS MENTAIS 
CAPÍTULO 4 
MENTE, PENSAMENTO E IDENTIDADE 
A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO
A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO 
Em cada indivíduo convergem múltiplas influências de 
ordem biológica, social e cultural. 
A nossa identidade é fruto do modo como integramos 
numa totalidade interativa as experiências que, 
sobre um fundo biológico e socio-cultural, marcaram 
o nosso desenvolvimento.
A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO 
Vários aspetos da identidade: 
• É uma estrutura, uma totalidade dotada de organização e não uma 
simples acumulação de diversos aspectos 
• Não é um dado mas uma construção ativa, um processo 
• É dotada de consistência, é uma maneira singular e relativamente 
constante de comportamento, de resposta às situações. Por isso ela é um 
padrão psíquico e comportamental. 
• Exprime um modo consistente de relação com o mundo e com os outros. 
Torna, em certa medida, previsível a interação social de um determinado 
indivíduo. 
• Exprime-se de múltiplas formas: através de comportamentos, 
pensamentos e sentimentos.
A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO 
A construção da nossa identidade é uma constante da 
vida, um processo que dura todo o ciclo vital.
A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO 
Atribuindo especial importância à adolescência mas 
não reduzindo a formação da identidade a esse 
período, Erikson é um autor incontornável no estudo 
do desenvolvimento.
ERIKSON: A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO 
A construção da identidade tem uma base biológica (a 
maturação física abre novas possibilidades e ao 
mesmo tempo suscita novas exigências sociais) mas 
sobre essa base atua a educação e o modo como o 
indivíduo pertencente a uma dada família e a uma 
determinada cultura reage aos problemas, ao 
sucesso e ao insucesso.
ERIKSON: A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO 
• Erikson entende que o desenvolvimento do nosso 
sentimento de identidade abrange oito estádios ou idades. 
Os quatro primeiros estádios decorrem durante a infância, 
os quatro seguintes durante a adolescência e a idade adulta. 
O percurso vital de cada indivíduo desenrola-se no contexto 
de uma cultura específica.
ERIKSON: A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO 
Cada estádio é o momento de uma crise psicossocial ou 
conflito. 
A crise, que pode ser relativamente longa, designa mais a crucial 
importância do que está em jogo do que uma pressão 
temporal, uma urgência. 
Cada crise é uma luta entre alcançar uma qualidade psicológica 
ou falhar esse objectivo, ou seja, cada conflito confronta duas 
possibilidades como pares de qualidades psicológicas. Um dos 
pares é adaptativo e o outro designa um certo grau de 
desadaptação.
ERIKSON: A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO 
Erikson dividiu o desenvolvimento em oito estádios 
psicossociais a que chamou “idades da vida”. Deu especial 
atenção ao período da adolescência.
ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA 
IDENTIDADE 
Problema mais importante que o adolescente tem de 
enfrentar. 
Construir uma identidade pessoal e um papel social, 
destacando-se do universo pré-adolescente e acedendo ao 
mundo dos adultos.
ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA 
IDENTIDADE 
Problema mais importante que o adolescente tem de enfrentar. 
Construir uma identidade pessoal e um papel social, destacando-se do 
universo pré-adolescente e acedendo ao mundo dos adultos. 
Qualidades que deve exibir para ser bem sucedido 
1 – Adquirir confiança. 2 – Adquirir autonomia. 
3 – Ter iniciativa. 4 – Mostrar diligência.
ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA 
IDENTIDADE 
Fases no processo de formação da identidade do adolescente 
1.Difusão da identidade (nenhum compromisso, nenhuma 
crise) 
Os indivíduos evitam compromissos, não consideram seriamente 
nenhuma opção. Sentem pouca confiança em si mesmos, 
parecem à deriva, sem objetivos, confusos ou intimidados pela 
tarefa de encontrar uma identidade própria, não desenvolvendo 
esforços nesse sentido. Podem, contudo, ter experimentado 
diversas identidades sem se fixarem em nenhuma.
ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA 
IDENTIDADE 
Fases no processo de formação da identidade do adolescente 
2.Identidade outorgada (compromisso sem crise) 
Os indivíduos possuem uma identidade maioritariamente 
determinada pelos adultos e não pela exploração pessoal de 
alternativas. Há compromisso com uma vocação profissional ou 
com posições ideológicas mas não parecem ter passado por 
nenhuma crise de identidade. A sua identidade não é uma 
construção pessoal mas a adopção de padrões identitários 
definidos pelos adultos.
ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA 
IDENTIDADE 
Fases no processo de formação da identidade do adolescente 
3.Moratória psicossocial (crise mas ainda sem um 
compromisso) 
Os indivíduos encontram-se ainda numa fase de experimentação 
de alternativas e possibilidades, não desenvolveram uma 
identidade própria mas procuram-na ativamente. Moratória não 
significa espera passiva pelo momento da decisão mas dar 
tempo a esse momento. O adolescente pode parecer à deriva 
mas, no fundo, está à procura do que é e vai ser .
ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA 
IDENTIDADE 
Fases no processo de formação da identidade do adolescente 
4.Realização da identidade (crise que conduz a um 
compromisso) 
Exploradas diversas alternativas, escolheu-se, deliberadamente, 
uma determinada identidade. Ponderou-se a escolha a fazer e 
agora trata-se de tentar realizar o objetivo definido.
ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA 
IDENTIDADE 
1.O período da adolescência é o momento charneira neste 
processo de construção de uma imagem pessoal. 
2. O processo de construção da identidade que envolve 
sempre os outros, continua para lá da adolescência, apesar da 
intensidade com que é sentido nesta fase ou “idade da vida”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
Silvia Revez
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
Silvia Revez
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
Silvia Revez
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
Joana Filipa Rodrigues
 
Cultura
CulturaCultura
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 
Genética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Genética - Cérebro - Cultura - Relações PrecocesGenética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Genética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Arnaldo Parente
 
Tema 1 genética
Tema 1   genéticaTema 1   genética
Tema 1 genética
davidaaduarte
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
psicologiaazambuja
 
Hereditariedade e meio
Hereditariedade e meioHereditariedade e meio
Hereditariedade e meio
Arnaldo Parente
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
davidaaduarte
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
Jorge Barbosa
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
Maria Oliveira
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1
Silvia Revez
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
psicologiaazambuja
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
Silvia Revez
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
Universidade Católica Portuguesa
 
A formação de impressões
A formação de impressõesA formação de impressões
A formação de impressões
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teoria humanista de Carl Rogers
Teoria humanista de Carl RogersTeoria humanista de Carl Rogers
Teoria humanista de Carl Rogers
Kátia Regina Domingos
 
Pensamento Convergente e Divergente
Pensamento Convergente e DivergentePensamento Convergente e Divergente
Pensamento Convergente e Divergente
Carlos Pessoa
 

Mais procurados (20)

Teste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia BTeste formativo 2 de psicologia B
Teste formativo 2 de psicologia B
 
Ficha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia BFicha Formativa de Psicologia B
Ficha Formativa de Psicologia B
 
Psicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepçãoPsicologia b – tema 2 percepção
Psicologia b – tema 2 percepção
 
Psicologia 12º
Psicologia 12ºPsicologia 12º
Psicologia 12º
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
Genética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Genética - Cérebro - Cultura - Relações PrecocesGenética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
Genética - Cérebro - Cultura - Relações Precoces
 
Tema 1 genética
Tema 1   genéticaTema 1   genética
Tema 1 genética
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Hereditariedade e meio
Hereditariedade e meioHereditariedade e meio
Hereditariedade e meio
 
Psicologia: a cultura
Psicologia: a culturaPsicologia: a cultura
Psicologia: a cultura
 
Filogénese e Ontogénese
Filogénese e OntogéneseFilogénese e Ontogénese
Filogénese e Ontogénese
 
Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º Relações precoces psicologia 12º
Relações precoces psicologia 12º
 
Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1Correcção da ficha formativa1
Correcção da ficha formativa1
 
O esquecimento
O esquecimentoO esquecimento
O esquecimento
 
Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4Correcção do teste de psicologia nº 4
Correcção do teste de psicologia nº 4
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
A formação de impressões
A formação de impressõesA formação de impressões
A formação de impressões
 
Teoria humanista de Carl Rogers
Teoria humanista de Carl RogersTeoria humanista de Carl Rogers
Teoria humanista de Carl Rogers
 
Pensamento Convergente e Divergente
Pensamento Convergente e DivergentePensamento Convergente e Divergente
Pensamento Convergente e Divergente
 

Destaque

Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
Isabelctx
 
Discriminação étnico racial
Discriminação étnico racialDiscriminação étnico racial
Discriminação étnico racial
Marcia Miranda
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
Luis De Sousa Rodrigues
 
Educação etnico-racial
Educação etnico-racialEducação etnico-racial
Educação etnico-racial
Márcia Leão
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3
Rolando Almeida
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Freud 7
Freud 7Freud 7
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
Luis De Sousa Rodrigues
 
A dimensão biossociocultural da mente
A dimensão biossociocultural da menteA dimensão biossociocultural da mente
A dimensão biossociocultural da mente
Luis De Sousa Rodrigues
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
HelenaBray
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
As atitudes
As atitudesAs atitudes
O estádio sensório motor
O estádio sensório   motorO estádio sensório   motor
O estádio sensório motor
Luis De Sousa Rodrigues
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 

Destaque (20)

Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
Discriminação étnico racial
Discriminação étnico racialDiscriminação étnico racial
Discriminação étnico racial
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Educação etnico-racial
Educação etnico-racialEducação etnico-racial
Educação etnico-racial
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 
Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3Aprendizagem 12º3
Aprendizagem 12º3
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
A dimensão biossociocultural da mente
A dimensão biossociocultural da menteA dimensão biossociocultural da mente
A dimensão biossociocultural da mente
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Kuhn e a noção de paradigma
Kuhn e a noção de paradigmaKuhn e a noção de paradigma
Kuhn e a noção de paradigma
 
As atitudes
As atitudesAs atitudes
As atitudes
 
O estádio sensório motor
O estádio sensório   motorO estádio sensório   motor
O estádio sensório motor
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 

Semelhante a A identidade e a sua construção

Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia
Sara Avelinos
 
Adolescência e identidade
Adolescência e identidadeAdolescência e identidade
Adolescência e identidade
ariadnemonitoria
 
A construção da_identidade_em_adolescentes
A construção da_identidade_em_adolescentesA construção da_identidade_em_adolescentes
A construção da_identidade_em_adolescentes
Everton Araújo
 
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial eriksonTeoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Geiza F. Barbosa
 
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptxaula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
GabrielaCordeiro34
 
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na AdolescênciaDesenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Psicologia_2015
 
Slides fases erikson
Slides fases eriksonSlides fases erikson
Slides fases erikson
Kriska Vieira
 
Aplicações da psicanálise à educação
Aplicações da psicanálise à educaçãoAplicações da psicanálise à educação
Aplicações da psicanálise à educação
PriscillaTomazi2015
 
Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536
apolonianunes
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTOPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
UFMA e UEMA
 
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptxResumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
BeatrizVieira226546
 
EBOOK PROFISSÃO DOCENTE FINAL.pdf
EBOOK PROFISSÃO DOCENTE FINAL.pdfEBOOK PROFISSÃO DOCENTE FINAL.pdf
EBOOK PROFISSÃO DOCENTE FINAL.pdf
FrancinaldoMyosk
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
Carlos Pessoa
 
Teoria de Erikeson
Teoria de Erikeson Teoria de Erikeson
Teoria de Erikeson
MartaCatarinaMachado
 
Teoria de Erikeson
Teoria de ErikesonTeoria de Erikeson
Teoria de Erikeson
MartaCatarinaMachado
 
123353457_teoria_do_ciclo_vital.ppt
123353457_teoria_do_ciclo_vital.ppt123353457_teoria_do_ciclo_vital.ppt
123353457_teoria_do_ciclo_vital.ppt
claudiamarques84245
 
437
437437
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
cs31998
 
Erik Erickson.pptx.pdf
Erik Erickson.pptx.pdfErik Erickson.pptx.pdf
Erik Erickson.pptx.pdf
Marcel A. M. Ferraz
 
Estádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonEstádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de erikson
marco14cdc
 

Semelhante a A identidade e a sua construção (20)

Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia Adolescência parte I trabalho de psicologia
Adolescência parte I trabalho de psicologia
 
Adolescência e identidade
Adolescência e identidadeAdolescência e identidade
Adolescência e identidade
 
A construção da_identidade_em_adolescentes
A construção da_identidade_em_adolescentesA construção da_identidade_em_adolescentes
A construção da_identidade_em_adolescentes
 
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial eriksonTeoria do desenvolvimento psicossocial erikson
Teoria do desenvolvimento psicossocial erikson
 
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptxaula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
aula 02 psico adolescencia vida adulta.pptx
 
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na AdolescênciaDesenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
Desenvolvimento Cognitivo e da Personalidade na Adolescência
 
Slides fases erikson
Slides fases eriksonSlides fases erikson
Slides fases erikson
 
Aplicações da psicanálise à educação
Aplicações da psicanálise à educaçãoAplicações da psicanálise à educação
Aplicações da psicanálise à educação
 
Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536Ppt iefp ufcd 3536
Ppt iefp ufcd 3536
 
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTOPSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO
 
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptxResumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
Resumo sobre Psi_D.H_-_Adolescencia.pptx
 
EBOOK PROFISSÃO DOCENTE FINAL.pdf
EBOOK PROFISSÃO DOCENTE FINAL.pdfEBOOK PROFISSÃO DOCENTE FINAL.pdf
EBOOK PROFISSÃO DOCENTE FINAL.pdf
 
Identidade Pessoal Personalidade
Identidade Pessoal   PersonalidadeIdentidade Pessoal   Personalidade
Identidade Pessoal Personalidade
 
Teoria de Erikeson
Teoria de Erikeson Teoria de Erikeson
Teoria de Erikeson
 
Teoria de Erikeson
Teoria de ErikesonTeoria de Erikeson
Teoria de Erikeson
 
123353457_teoria_do_ciclo_vital.ppt
123353457_teoria_do_ciclo_vital.ppt123353457_teoria_do_ciclo_vital.ppt
123353457_teoria_do_ciclo_vital.ppt
 
437
437437
437
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Erik Erickson.pptx.pdf
Erik Erickson.pptx.pdfErik Erickson.pptx.pdf
Erik Erickson.pptx.pdf
 
Estádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de eriksonEstádios de desenvolvimento de erikson
Estádios de desenvolvimento de erikson
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
Luis De Sousa Rodrigues
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
Luis De Sousa Rodrigues
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
Luis De Sousa Rodrigues
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 5
Freud 5Freud 5
Freud 4
Freud 4Freud 4
Freud 3
Freud 3Freud 3
Freud 2
Freud 2Freud 2
Freud 1
Freud 1Freud 1
Filogénese
FilogéneseFilogénese
Fatores do conformismo e da obediência
Fatores do conformismo e da obediênciaFatores do conformismo e da obediência
Fatores do conformismo e da obediência
Luis De Sousa Rodrigues
 
Estereótipos e preconceitos
Estereótipos e preconceitosEstereótipos e preconceitos
Estereótipos e preconceitos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Estruturas subcorticais
Estruturas subcorticaisEstruturas subcorticais
Estruturas subcorticais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Esquecimento
EsquecimentoEsquecimento

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 5
Freud 5Freud 5
Freud 5
 
Freud 4
Freud 4Freud 4
Freud 4
 
Freud 3
Freud 3Freud 3
Freud 3
 
Freud 2
Freud 2Freud 2
Freud 2
 
Freud 1
Freud 1Freud 1
Freud 1
 
Filogénese
FilogéneseFilogénese
Filogénese
 
Fatores do conformismo e da obediência
Fatores do conformismo e da obediênciaFatores do conformismo e da obediência
Fatores do conformismo e da obediência
 
Estereótipos e preconceitos
Estereótipos e preconceitosEstereótipos e preconceitos
Estereótipos e preconceitos
 
Estruturas subcorticais
Estruturas subcorticaisEstruturas subcorticais
Estruturas subcorticais
 
Esquecimento
EsquecimentoEsquecimento
Esquecimento
 

A identidade e a sua construção

  • 1. PSICOLOGIA B TEMA 2 EU: A MENTE E OS PROCESSOS MENTAIS CAPÍTULO 4 MENTE, PENSAMENTO E IDENTIDADE A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO
  • 2. A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO Em cada indivíduo convergem múltiplas influências de ordem biológica, social e cultural. A nossa identidade é fruto do modo como integramos numa totalidade interativa as experiências que, sobre um fundo biológico e socio-cultural, marcaram o nosso desenvolvimento.
  • 3. A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO Vários aspetos da identidade: • É uma estrutura, uma totalidade dotada de organização e não uma simples acumulação de diversos aspectos • Não é um dado mas uma construção ativa, um processo • É dotada de consistência, é uma maneira singular e relativamente constante de comportamento, de resposta às situações. Por isso ela é um padrão psíquico e comportamental. • Exprime um modo consistente de relação com o mundo e com os outros. Torna, em certa medida, previsível a interação social de um determinado indivíduo. • Exprime-se de múltiplas formas: através de comportamentos, pensamentos e sentimentos.
  • 4. A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO A construção da nossa identidade é uma constante da vida, um processo que dura todo o ciclo vital.
  • 5. A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO Atribuindo especial importância à adolescência mas não reduzindo a formação da identidade a esse período, Erikson é um autor incontornável no estudo do desenvolvimento.
  • 6. ERIKSON: A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO A construção da identidade tem uma base biológica (a maturação física abre novas possibilidades e ao mesmo tempo suscita novas exigências sociais) mas sobre essa base atua a educação e o modo como o indivíduo pertencente a uma dada família e a uma determinada cultura reage aos problemas, ao sucesso e ao insucesso.
  • 7. ERIKSON: A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO • Erikson entende que o desenvolvimento do nosso sentimento de identidade abrange oito estádios ou idades. Os quatro primeiros estádios decorrem durante a infância, os quatro seguintes durante a adolescência e a idade adulta. O percurso vital de cada indivíduo desenrola-se no contexto de uma cultura específica.
  • 8. ERIKSON: A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO Cada estádio é o momento de uma crise psicossocial ou conflito. A crise, que pode ser relativamente longa, designa mais a crucial importância do que está em jogo do que uma pressão temporal, uma urgência. Cada crise é uma luta entre alcançar uma qualidade psicológica ou falhar esse objectivo, ou seja, cada conflito confronta duas possibilidades como pares de qualidades psicológicas. Um dos pares é adaptativo e o outro designa um certo grau de desadaptação.
  • 9. ERIKSON: A IDENTIDADE E A SUA CONSTRUÇÃO Erikson dividiu o desenvolvimento em oito estádios psicossociais a que chamou “idades da vida”. Deu especial atenção ao período da adolescência.
  • 10. ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE Problema mais importante que o adolescente tem de enfrentar. Construir uma identidade pessoal e um papel social, destacando-se do universo pré-adolescente e acedendo ao mundo dos adultos.
  • 11. ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE Problema mais importante que o adolescente tem de enfrentar. Construir uma identidade pessoal e um papel social, destacando-se do universo pré-adolescente e acedendo ao mundo dos adultos. Qualidades que deve exibir para ser bem sucedido 1 – Adquirir confiança. 2 – Adquirir autonomia. 3 – Ter iniciativa. 4 – Mostrar diligência.
  • 12. ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE Fases no processo de formação da identidade do adolescente 1.Difusão da identidade (nenhum compromisso, nenhuma crise) Os indivíduos evitam compromissos, não consideram seriamente nenhuma opção. Sentem pouca confiança em si mesmos, parecem à deriva, sem objetivos, confusos ou intimidados pela tarefa de encontrar uma identidade própria, não desenvolvendo esforços nesse sentido. Podem, contudo, ter experimentado diversas identidades sem se fixarem em nenhuma.
  • 13. ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE Fases no processo de formação da identidade do adolescente 2.Identidade outorgada (compromisso sem crise) Os indivíduos possuem uma identidade maioritariamente determinada pelos adultos e não pela exploração pessoal de alternativas. Há compromisso com uma vocação profissional ou com posições ideológicas mas não parecem ter passado por nenhuma crise de identidade. A sua identidade não é uma construção pessoal mas a adopção de padrões identitários definidos pelos adultos.
  • 14. ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE Fases no processo de formação da identidade do adolescente 3.Moratória psicossocial (crise mas ainda sem um compromisso) Os indivíduos encontram-se ainda numa fase de experimentação de alternativas e possibilidades, não desenvolveram uma identidade própria mas procuram-na ativamente. Moratória não significa espera passiva pelo momento da decisão mas dar tempo a esse momento. O adolescente pode parecer à deriva mas, no fundo, está à procura do que é e vai ser .
  • 15. ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE Fases no processo de formação da identidade do adolescente 4.Realização da identidade (crise que conduz a um compromisso) Exploradas diversas alternativas, escolheu-se, deliberadamente, uma determinada identidade. Ponderou-se a escolha a fazer e agora trata-se de tentar realizar o objetivo definido.
  • 16. ERIKSON: A ADOLESCÊNCIA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE 1.O período da adolescência é o momento charneira neste processo de construção de uma imagem pessoal. 2. O processo de construção da identidade que envolve sempre os outros, continua para lá da adolescência, apesar da intensidade com que é sentido nesta fase ou “idade da vida”.