SlideShare uma empresa Scribd logo
Ciências Humanas e suas
Tecnologias - Geografia
Ensino Médio, 3ª Série
A HIDROSFERA E SUA DINÂMICA
Planeta Água
Guilherme Arantes
Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão...
Águas escuras dos rios
Que levam
A fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da
população...
Águas que caem das pedras
No véu das cascatas
Ronco de trovão
E depois dormem tranquilas
No leito dos lagos
No leito dos lagos...
Água dos igarapés
Onde Iara, a mãe d'água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão...
Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris
Sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes, são lágrimas
Na inundação...
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra...
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água...
Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão...
Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao
sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população...
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra...
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água...(2x)
Água
A água é uma
substância abundante
no planeta Terra e
cobre,
aproximadamente, três
quartos da superfície
do planeta.
Imagem: Saperaud / GNU Free Documentation License.
Origem da água
Resfriamento e
aquecimento da terra,
eram expelidos
hidrogênio e oxigênio.
Condensação de
vapor em forma
de chuva.
Formação dos
oceanos primitivos.
Onde encontramos ?
ÁGUA
oceanos e
calotas polares;
na atmosfera
sob
a forma
de nuvens;
nos continentes:
em rios,
lagos,
glaciares e
aquíferos;
contida em
todos
os organismos
vivos.
Recurso Hídrico
“Podemos considerar os recursos hídricos sob três aspectos
distintos, em função de sua utilidade:
• Como elemento ou componente físico da natureza;
• Como ambiente para a vida (ambiente aquático);
• Como fator indispensável para a manutenção da vida
terrestre.” (Branco, 2003, p. 58-59).
Imagem: Zocky /Soca isonzo river near its mouth / GNU Free Documentation License.
Água, fonte de vida
“Quando falo da água como
fonte de vida, não estou me
referindo, primeiramente, à
água distribuída pelos três
reservatórios principais, os
oceanos, os continentes e a
atmosfera, eu me refiro à
água que está dentro de mim,
como parte da minha
existência corporal.” (Nunes
& Saconi, 2005, p. 119)
MAIS DE 70 %
DO NOSSO
ORGANISMO É
COMPOSTO DE
ÁGUA
CÉREBRO – 75%
CORAÇÃO – 75%
PULMÕES – 86%
FÍGADO – 86%
RINS – 83%
SANGUE- 81%
MÚSCULOS-75%
Imagem: Osteomyoamare / Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
Disponibilidade de água no mundo
Ciclo hidrológico
O ciclo hidrológico ou
ciclo da água é o
movimento que a água
faz na natureza. Este
movimento é infinito e
circular, pois ocorre
através do processo de
evaporação das águas
da superfície (rios,
lagos, oceanos, etc.) do
planeta Terra e também
pela transpiração dos
seres vivos (1). Imagem: Ciclo hidrológico em Português, traduzido por Maria Helena Alves /
John M. Evans/USGS-USA Gov / Public Domain.
Oceanos
• O planeta Terra possui extensão territorial de
aproximadamente 510 milhões de
quilômetros quadrados, dos quais 70,7% são
ocupados pelos oceanos. Essa grande massa
de água foi formada há cerca de 4 bilhões
de anos, através da condensação de
vapores-d’água da atmosfera que atingiram a
superfície terrestre em forma de chuva (2).
Oceanos
• A topografia da Terra fez com que as águas se
deslocassem para os terrenos mais baixos,
formando, assim, os oceanos. O sal,
característica marcante dos oceanos, é
oriundo de erupções vulcânicas que
espalharam os sais das profundezas da Terra e,
ao atingirem a superfície, foram arrastados
pelas águas das chuvas até os oceanos (3).
Importância dos Oceanos
Importância dos
Oceanos
Aspectos naturais:
manutenção da
vida no planeta;
extração de
Minerais;
influencia o clima;
abriga cerca de
80% das
espécies de
vida da Terra .
Importância dos Oceanos
Importância dos
Oceanos
Aspectos naturais:
Pesca;
regula a
temperatura do
planeta;
deslocamento de
navios cargueiros;
entre outros.
Quais são os oceanos?
Oceano
Glacial
Ártico
14 milhões de km²
Oceano
Índico
73 milhões de km²
Profundidade média – 4 000
m
Oceano Atlântico
82,2 milhões de km²
Profundidade média – 3 300 m
Oceano Pacífico
165,3 milhões de km²
Profundidade média – 4000 m
Ponto mais profundo – 11 524 m
Relevo Submarino
continente
continente
Esquema do perfil do relevo submarino
ilha
bacia
oceânica
talude
plataforma
continental
dorsal
oceânica fossa
abissal
metros
2000 –
0 –
-2000 –
-4000 –
-6000 –
-8000 –
-10000–
Salinidade
• O principal tipo de mineral encontrado nas águas
marinhas é o cloreto de sódio (NaCl), conhecido
como sal de cozinha.
• O valor médio da salinidade dos oceanos é 35%.
• A salinidade da água marinha não é uniforme, varia
conforme o volume de água doce despejado, a
temperatura, a profundidade, a quantidade de
evaporação e de chuvas.
• O maior índice de salinidade encontrado está no Mar
Morto.
Temperatura
• Depende da quantidade de calor recebido e varia de
acordo com a posição geográfica do oceano.
• Nas áreas próximas ao Equador, a temperatura das
águas é mais elevada devido a uma maior incidência
de raios solares.
• A água dos oceanos na Terra está, cada vez mais,
quente. De acordo com o Centro Nacional de Dados
Climáticos dos Estados Unidos (NCDC, na sigla em
inglês), a temperatura média dos mares atingiu 17
graus Celsius em julho(2009) - a mais alta já
registrada desde que as medições tiveram início, em
1880 (4).
Mares
• Mares abertos ou costeiros: estão diretamente ligados aos
oceanos que se encontram nas proximidades.
• Mares mediterrâneos, interiores ou continentais: existem
restritas passagens que possibilitam uma conexão com os
oceanos, a ligação ocorre por meio dos estreitos.
Exemplos: Mar Mediterrâneo e Mar vermelho.
• Mares fechados ou isolados: são aqueles que se encontram
nos interiores dos continentes, desse modo, não apresentam
uma ligação de maneira direta com os oceanos, como, por
exemplo, o mar de Aral e o mar Cáspio.
Mares
Mar mediterrâneo,
interiores ou isolados.
Mares abertos
ou costeiros.
Mares fechados ou isolados.
OCEANO
ATLÂNTICO
MAR
MEDITEÂNEO
MAR
NEGRO MAR
CÁSPIO
Imagem:
Pluribus
Anthony
/
GNU
Free
Documentation
License.
Ondas
• As ondas são movimentos provocados
pelo vento, que sopra sobre a superfície
das águas oceânicas. Quando as ondas se
aproximam do litoral, elas se dobram e se
quebram. Áreas de mar aberto
apresentam ondas maiores. No Havaí,
por exemplo, formam-se ondas
gigantescas que atingem até 10 metros
de altura.
• As tsunamis são ondas gigantes, com
grande concentração de energia, que
podem ocorrer nos oceanos. Elas são
provocadas por um grande deslocamento
de água que ocorre após uma
movimentação de placas tectônicas
abaixo dos oceanos (5).
Imagem: Pöllö / Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
Correntes Marítimas
• As correntes marítimas são massas menores de água que se
deslocam por distintas direções, mantendo suas
características de cor, salinidade e temperatura, isso quer
dizer que elas não se misturam. Esse deslocamento é
proveniente da ação dos ventos e também do movimento de
rotação da Terra. Por causa disso, as correntes marítimas
realizam deslocamentos distintos de acordo com os
hemisférios em que se encontram.
• No mundo existem dois tipos de corrente marítima, são elas:
correntes quentes e correntes frias. As primeiras, originam-se
na zona tórrida da Terra e se dirigem rumo às zonas polares.
As segundas, formam-se nas zonas polares e deslocam-se em
direção à zona intertropical da Terra (6).
Correntes Marítimas
Imagem: NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration / Public Domain.
Aquíferos
Aquífero é uma formação
geológica subterrânea que
funciona como reservatório
de água. As águas das
chuvas infiltram no subsolo
e abastecem esse
reservatório. Suas rochas
têm características porosas
e permeáveis, com
capacidade de reter e ceder
água. Os aquíferos
abastecem poços e
nascentes e são
responsáveis por sua
manutenção.
Imagem: Hans Hillewaert / United States Geological Survey,United States
Department of Interior / Public Domain. (Tradução Nossa).
Transpiração
da Vegetação
Mesa d´agua
Riacho
Água não confinada
Água confinada
Mesa d´agua
Zona Insaturada
Aquífero de alta condutividade hidráulica
Unidade confinada de baixa
condutividade hidráulica
Direção do fluxo de água
Leito de pedra com baixíssima
condutividade hidráulica
Tipos de Aquíferos
 Porosos - a água circula através de poros. As formações
geológicas podem ser detríticas (Ex.: Areias limpas),
por vezes consolidadas por um cimento (Ex.: Arenitos,
conglomerados, etc.).
 Fraturados e/ou fissurados - a água circula através de
fracturas ou pequenas fissuras. As formações podem
ser granitos, gabros, filões de quartzo
 Cársticos - a água circula em condutas que resultaram
do alargamento de diaclases por dissolução (7).
Aquíferos
Aquífero no Brasil
O aquífero Guarani é o principal
manancial de água doce da
América do Sul, formado entre
200 milhões e 132 milhões de
anos atrás, nos períodos Triássico,
Jurássico e Cretáceo Inferior .
É o maior manancial de água doce
subterrânea transfronteiriço do
mundo. Sua maior ocorrência se
dá em território brasileiro (2/3 da
área total), abrangendo os Estados
de Goiás, Mato Grosso do Sul,
Minas Gerais, São Paulo, Paraná,
Santa Catarina e Rio Grande do
Sul.
Imagem: Nathan Sodré Salvatierra / Aquífero Guaraní / Public Domain.
Hidrografia - Rios
• Rio é um curso de
água que corre
naturalmente de uma
área mais alta para
uma mais baixa do
relevo, geralmente
deságua em outro
rio, lago ou no mar.
• Esses cursos de água se formam a partir
da chuva, que é absorvida pelo solo até
atingir áreas impermeáveis no subsolo
onde se acumula, constituindo o que
chamamos de lençol freático.
• Quando o lençol freático aflora na
superfície, dá origem à nascente de um
rio. Apesar dessa definição, há rios que
se formam de outras maneiras, como
por exemplo, a partir do degelo em
picos montanhosos, além de alguns
originarem de águas de lagos (9).
Características dos Rios
Tipos de
Foz
Delta Estuário Mista
Tipos de Foz
Delta/Estuário do Rio do Amazonas
Delta do Rio Ganges
Estuário do Rio Paraíba
Imagens:
(a)
Terra
Brasilis
/
Creative
Commons
-
Atribuição
-
Partilha
nos
Mesmos
Termos
3.0
Não
Adaptada
,
(b)
(b)
NASA
/
Public
Domain
e
(c)
NASA
/
Public
Domain.
Características dos Rios
Tipos de
Regime:
Pluvial
(água das
Chuvas);
Nival
(Derretimento
das geleiras);
Pluvional
(Ambos).
Tipos de
Drenagem :
Exorreica
(Deságua
no
oceano);
Endorreica
(Deságua
dentro do
Continente)
;
Arreica
(Não tem
Direção
Definida).
Características dos Rios
Tipo de Relevo
que percorrem:
Planaltos Planícies
Condições
Climáticas:
Perenes
(não secam)
Intermitentes
(secam em
determinado
período)
Hidrografia do Brasil
• A Hidrografia do Brasil envolve o conjunto de
recursos hídricos do território brasileiro, as bacias
hidrográficas, o Oceano Atlântico, os rios, lagos, as
lagoas, os arquipélagos, os golfos, as baías, as
cataratas, as usinas hidrelétricas, as barragens etc.
De acordo com os órgãos governamentais, existem
no Brasil doze grandes bacias hidrográficas, sendo
que sete têm o nome de seus rios principais:
Amazonas, Paraná, Tocantins, São Francisco,
Parnaíba, Paraguai e Uruguai (10).
Bacias Hidrográficas do Brasil
Imagem:
CIA
/
Bemoeial2/
Imagem
adaptada
/
Public
Domain.
Amazônica
Paraguai
Paraná
Uruguai
Atlântico
Sul
Atlântico
Sudeste
Atlântico
Leste
Atlântico NE
Ocidental
Atlântico NE
Oridental
Parnaíba
Tocantins
Araguaia
Rio Amazonas
• O Rio Amazonas nasce na cordilheira dos Andes, no Peru.
Possui 6.868 km, sendo que 3.165 km estão em território
brasileiro. Sua vazão média é da ordem de 109.000 m³/s e
290.000 m³/s na estação de chuvas. É um rio típico
de planície, ele e muitos de seus afluentes são
navegáveis, o que é muito importante para a população
da Amazônia, que se serve do rio como meio de
locomoção.
• O rio é divido em três partes:
ainda nos países andinos, é chamado de rio Marañón,
ao entrar no Brasil, é chamado de rio Solimões,
ao receber as águas do rio Negro, passa a ser chamado
de rio Amazonas (11).
Rio Amazonas
Imagem:
Secretaria
Executiva
do
Ministério
dos
Transportes
/
PublicDomain.
Rio São Francisco
• O rio São Francisco é um dos mais importantes cursos
d'água do Brasil e de toda a América do Sul. Nasce em Minas
Gerais.
• O rio também atravessa o estado da Bahia, fazendo sua divisa ao
norte com Pernambuco, constituindo, ainda, a divisa natural dos
estados de Sergipe e Alagoas, e, por fim, deságua no Oceano
Atlântico.
• Existe uma polêmica, atualmente, com relação à verdadeira
nascente. Conforme estudos, sua nascente real e geográfica está
localizada no município de Medeiros - MG, segundo alguns
estudiosos. Na Serra da Canastra, no município de São Roque de
Minas – MG, encontra-se a aproximadamente 1200 metros de
altitude a nascente histórica, que, por muito tempo, se pensou
ser a nascente real. Mas essa definição, ainda, não é oficial e
também não está atualizada nos livros didáticos.
Rio São Francisco
Imagem:
Jurema
Oliveira
Rio São Francisco
• De acordo com o engenheiro agrônomo Geraldo Gentil Vieira
(Codevasf), a verdadeira nascente do rio São Francisco está no
Planalto de Araxá, no município de Medeiros. Segundo o
estudioso, o rio Samburá não é um afluente. Ao contrário, os
pesquisadores defendem que o "Velho Chico", na verdade,
seria o afluente do Samburá. Do planalto de Araxá até o ponto
de confluência dos dois rios, no cânion de São Leão, a
distância é de 147,30 quilômetros. Já a distância do cânion até
a nascente oficial do São Francisco, na Serra da Canastra, é de
apenas 98,12 quilômetros. “Como um rio maior pode ser
afluente do menor?” (12).
Transposição do Rio São Francisco
• O projeto de transposição do Rio São Francisco é um
tema bastante polêmico, pois tem por objetivo uma
suposta tentativa de solucionar o problema da seca
que afeta as populações do semiárido brasileiro.
• Torna-se um projeto delicado, do ponto de vista
ambiental, pois, segundo alguns ambientalistas, irá
afetar profundamente um dos rios mais importantes
de nosso país, tanto pela sua extensão e importância
na manutenção da biodiversidade, quanto pela sua
utilização em transportes e abastecimento.
Bacia Hidrográfica do Rio da Prata
• O Rio da Prata tem origem no encontro dos
rios Paraná, Uruguai e Paraguai, na fronteira
entre a Argentina e Uruguai. Esses quatro rios
são os principais formadores dessa bacia, de
1.397.905,5 km² - a segunda maior do país - e
se estende entre Brasil, Uruguai, Bolívia,
Paraguai e Argentina. O Rio Paraná com 2.940
km nasce na junção dos rios Paranaíba e
Grande, na divisa de Mato Grosso do Sul,
Minas Gerais e São Paulo. Apresenta o maior
aproveitamento hidrelétrico do Brasil,
abrigando, por exemplo, a Usina de Itaipu. Em
1999, foi inaugurada, no Rio Paraná, a Usina
Hidrelétrica de Porto Primavera - a segunda
maior do Estado de São Paulo. Os afluentes do
Paraná (Tietê e Paranapanema) têm grande
potencial para geração de energia. Com
relação às hidrovias, a Tietê-Paraná é a mais
antiga do país, atualmente com 2.400km de
extensão (13).
Imagem: Rio Prata, fotografia tirada via satélite / NASA /
Domínio Público.
Poluição
Rios
Esgoto
doméstico
Lixo sólido
Esgotos
industriais
Mares e
Oceanos
Esgotos
Industriais
Vazamentos
de Navios
Petroleiros,
Oleodutos
Lixo sólido
Esgoto
Doméstico
Imagem:
khyk54
/
Creative
Commons
Attribution
2.0
Generic.
Bibliografia
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares
Nacionais. Apresentação dos Temas Transversais. Brasília: MEC/SEF,
1998.
Branco, Samuel Gurgel. Água: Origem, Uso e Preservação. São Paulo,
Moderna, 2003.
NUNES, Marcos Roberto & Saconi, Arminda. Água: Fonte de Vida. Recife:
Unicap, 2005.
VESENTINI, J. W. . Brasil: Sociedade e Espaço. 32. ed. São Paulo: Ática,
2006.
Sites Consultados
• http://www.brasil.gov.br/sobre/meio-ambiente/recursos-
hidricos
• http://www.ibge.gov.br/ibgeteen/datas/agua/home.html
• http://www.ibama.gov.br
• http://www.mma.gov.br/sitio/
• http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
3 Saperaud / GNU Free Documentation License. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Eis-
3.jpg
07/05/2012
6 Zocky /Soca isonzo river near its mouth / GNU
Free Documentation License.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Soca_is
onzo_near_its_mouth.jpeg
07/05/2012
7 Osteomyoamare / Creative Commons
Attribution 3.0 Unported.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Anoto
mical_Position_Sketch.png
07/05/2012
9 Ciclo hidrológico em Português, traduzido por
Maria Helena Alves / John M. Evans/USGS-USA
Gov / Public Domain.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ciclo_d
a_%C3%A1gua.jpg
07/05/2012
19 Pluribus Anthony / GNU Free Documentation
License.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:BlankM
ap-World-1985.png
07/05/2012
20 Pöllö / Creative Commons Attribution 3.0
Unported.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Wave_
hitting_rock_on_Finnish_gulf.jpg
07/05/2012
22 NOAA - National Oceanic and Atmospheric
Administration / Public Domain.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Ocean_surf
ace_currents.jpg
07/05/2012
23 Hans Hillewaert / United States Geological
Survey,United States Department of Interior /
Public Domain.
http://en.wikipedia.org/wiki/File:Aquifer_en.svg 07/05/2012
25 Nathan Sodré Salvatierra / Aquífero Guaraní /
Public Domain.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Aquiferogu
arani.jpg
07/05/2012
28a (a) Terra Brasilis / Creative Commons -
Atribuição - Partilha nos Mesmos Termos 3.0
Não Adaptada
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Rio_Para%
C3%ADba_do_Norte.png
07/05/2012
Tabela de Imagens
Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do
Acesso
28b (b) NASA / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ganges
_88.08434E_21.69247N.jpg
07/05/2012
28c (c) NASA / Public Domain http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Mouths_of
_amazon_geocover_1990.png
07/05/2012
32 CIA / Bemoeial2/ Imagem adaptada / Public
Domain.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Brazil-
map-blank.png
07/05/2012
34 Secretaria Executiva do Ministério dos
Transportes / PublicDomain.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bcamaz
onica.jpg
07/05/2012
36 Jurema Oliveira http://en.wikipedia.org/wiki/File:Bacia_sao_fran
cisco.jpg
07/05/2012
39 Rio Prata, fotografia tirada via satélite / NASA /
Domínio Público.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:River_Plate
.jpg
07/05/2012
40 khyk54 / Creative Commons Attribution 2.0
Generic.
http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Nairobi
_river_pollution.jpg
07/05/2012
Tabela de Imagens

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a A Hidrosfera e sua Dinâmica - Ensino Fundamental

Distribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
Distribuiição e importancia das Águas do planeta TerraDistribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
Distribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
AlexOliveira739128
 
Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasilHidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil
Cica2010
 
Aula introdução a hidrologia
Aula   introdução a hidrologiaAula   introdução a hidrologia
Aula introdução a hidrologia
Omar Fürst
 
Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil
Kenedy dos Santos
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdfhidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
ROSANGELABAHLS
 
Hidrografia Geral e do Brasil
Hidrografia Geral e do BrasilHidrografia Geral e do Brasil
Hidrografia Geral e do Brasil
Dário Melo
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptxhidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
alessandraoliveira324
 
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptxhidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
alessandraoliveira324
 
Caminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdfCaminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdf
potiragomes27
 
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remotoBACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
sw4kfysgx7
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Recursos Hídricos e Oferta vs. Demanda de Áágua
Recursos Hídricos e Oferta vs. Demanda de ÁáguaRecursos Hídricos e Oferta vs. Demanda de Áágua
Recursos Hídricos e Oferta vs. Demanda de Áágua
Edimilson Junior
 
6ºano cap12e cap13_2016
6ºano cap12e cap13_20166ºano cap12e cap13_2016
6ºano cap12e cap13_2016
Christie Freitas
 
Hidrografia e suas particularidades
Hidrografia e suas particularidadesHidrografia e suas particularidades
Hidrografia e suas particularidades
Eliena Leal
 
Revisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º anoRevisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º ano
eunamahcado
 
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.pptconteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
LucianoPrado15
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
Roberta Sumar
 
Cap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosferaCap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosfera
Acácio Netto
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
Luana Aragão
 
Recursos Hidricos.ppt
Recursos Hidricos.pptRecursos Hidricos.ppt
Recursos Hidricos.ppt
RicardoNeto60
 

Semelhante a A Hidrosfera e sua Dinâmica - Ensino Fundamental (20)

Distribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
Distribuiição e importancia das Águas do planeta TerraDistribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
Distribuiição e importancia das Águas do planeta Terra
 
Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasilHidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil
 
Aula introdução a hidrologia
Aula   introdução a hidrologiaAula   introdução a hidrologia
Aula introdução a hidrologia
 
Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil Hidrografia geral e do brasil
Hidrografia geral e do brasil
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdfhidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
hidrosfera-140825140645-phpapp02.pdf
 
Hidrografia Geral e do Brasil
Hidrografia Geral e do BrasilHidrografia Geral e do Brasil
Hidrografia Geral e do Brasil
 
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptxhidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
hidrosfera-140825140645-phpapp02 (1).pptx
 
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptxhidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
hidrosfera-140825140645-phpapphidrosfera02.pptx
 
Caminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdfCaminho das Águas - .pdf
Caminho das Águas - .pdf
 
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remotoBACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
BACIAS HIDROGRÁFICAS - Geografia 2 - Ensino remoto
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Recursos Hídricos e Oferta vs. Demanda de Áágua
Recursos Hídricos e Oferta vs. Demanda de ÁáguaRecursos Hídricos e Oferta vs. Demanda de Áágua
Recursos Hídricos e Oferta vs. Demanda de Áágua
 
6ºano cap12e cap13_2016
6ºano cap12e cap13_20166ºano cap12e cap13_2016
6ºano cap12e cap13_2016
 
Hidrografia e suas particularidades
Hidrografia e suas particularidadesHidrografia e suas particularidades
Hidrografia e suas particularidades
 
Revisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º anoRevisão de prova de geografia 1º ano
Revisão de prova de geografia 1º ano
 
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.pptconteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
 
Hidrografia
HidrografiaHidrografia
Hidrografia
 
Cap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosferaCap. 8 - A hidrosfera
Cap. 8 - A hidrosfera
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Recursos Hidricos.ppt
Recursos Hidricos.pptRecursos Hidricos.ppt
Recursos Hidricos.ppt
 

Último

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 

A Hidrosfera e sua Dinâmica - Ensino Fundamental

  • 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3ª Série A HIDROSFERA E SUA DINÂMICA
  • 2. Planeta Água Guilherme Arantes Água que nasce na fonte Serena do mundo E que abre um Profundo grotão Água que faz inocente Riacho e deságua Na corrente do ribeirão... Águas escuras dos rios Que levam A fertilidade ao sertão Águas que banham aldeias E matam a sede da população... Águas que caem das pedras No véu das cascatas Ronco de trovão E depois dormem tranquilas No leito dos lagos No leito dos lagos... Água dos igarapés Onde Iara, a mãe d'água É misteriosa canção Água que o sol evapora Pro céu vai embora Virar nuvens de algodão... Gotas de água da chuva Alegre arco-íris Sobre a plantação Gotas de água da chuva Tão tristes, são lágrimas Na inundação... Águas que movem moinhos São as mesmas águas Que encharcam o chão E sempre voltam humildes Pro fundo da terra Pro fundo da terra... Terra! Planeta Água Terra! Planeta Água Terra! Planeta Água... Água que nasce na fonte Serena do mundo E que abre um Profundo grotão Água que faz inocente Riacho e deságua Na corrente do ribeirão... Águas escuras dos rios Que levam a fertilidade ao sertão Águas que banham aldeias E matam a sede da população... Águas que movem moinhos São as mesmas águas Que encharcam o chão E sempre voltam humildes Pro fundo da terra Pro fundo da terra... Terra! Planeta Água Terra! Planeta Água Terra! Planeta Água...(2x)
  • 3. Água A água é uma substância abundante no planeta Terra e cobre, aproximadamente, três quartos da superfície do planeta. Imagem: Saperaud / GNU Free Documentation License.
  • 4. Origem da água Resfriamento e aquecimento da terra, eram expelidos hidrogênio e oxigênio. Condensação de vapor em forma de chuva. Formação dos oceanos primitivos.
  • 5. Onde encontramos ? ÁGUA oceanos e calotas polares; na atmosfera sob a forma de nuvens; nos continentes: em rios, lagos, glaciares e aquíferos; contida em todos os organismos vivos.
  • 6. Recurso Hídrico “Podemos considerar os recursos hídricos sob três aspectos distintos, em função de sua utilidade: • Como elemento ou componente físico da natureza; • Como ambiente para a vida (ambiente aquático); • Como fator indispensável para a manutenção da vida terrestre.” (Branco, 2003, p. 58-59). Imagem: Zocky /Soca isonzo river near its mouth / GNU Free Documentation License.
  • 7. Água, fonte de vida “Quando falo da água como fonte de vida, não estou me referindo, primeiramente, à água distribuída pelos três reservatórios principais, os oceanos, os continentes e a atmosfera, eu me refiro à água que está dentro de mim, como parte da minha existência corporal.” (Nunes & Saconi, 2005, p. 119) MAIS DE 70 % DO NOSSO ORGANISMO É COMPOSTO DE ÁGUA CÉREBRO – 75% CORAÇÃO – 75% PULMÕES – 86% FÍGADO – 86% RINS – 83% SANGUE- 81% MÚSCULOS-75% Imagem: Osteomyoamare / Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
  • 9. Ciclo hidrológico O ciclo hidrológico ou ciclo da água é o movimento que a água faz na natureza. Este movimento é infinito e circular, pois ocorre através do processo de evaporação das águas da superfície (rios, lagos, oceanos, etc.) do planeta Terra e também pela transpiração dos seres vivos (1). Imagem: Ciclo hidrológico em Português, traduzido por Maria Helena Alves / John M. Evans/USGS-USA Gov / Public Domain.
  • 10. Oceanos • O planeta Terra possui extensão territorial de aproximadamente 510 milhões de quilômetros quadrados, dos quais 70,7% são ocupados pelos oceanos. Essa grande massa de água foi formada há cerca de 4 bilhões de anos, através da condensação de vapores-d’água da atmosfera que atingiram a superfície terrestre em forma de chuva (2).
  • 11. Oceanos • A topografia da Terra fez com que as águas se deslocassem para os terrenos mais baixos, formando, assim, os oceanos. O sal, característica marcante dos oceanos, é oriundo de erupções vulcânicas que espalharam os sais das profundezas da Terra e, ao atingirem a superfície, foram arrastados pelas águas das chuvas até os oceanos (3).
  • 12. Importância dos Oceanos Importância dos Oceanos Aspectos naturais: manutenção da vida no planeta; extração de Minerais; influencia o clima; abriga cerca de 80% das espécies de vida da Terra .
  • 13. Importância dos Oceanos Importância dos Oceanos Aspectos naturais: Pesca; regula a temperatura do planeta; deslocamento de navios cargueiros; entre outros.
  • 14. Quais são os oceanos? Oceano Glacial Ártico 14 milhões de km² Oceano Índico 73 milhões de km² Profundidade média – 4 000 m Oceano Atlântico 82,2 milhões de km² Profundidade média – 3 300 m Oceano Pacífico 165,3 milhões de km² Profundidade média – 4000 m Ponto mais profundo – 11 524 m
  • 15. Relevo Submarino continente continente Esquema do perfil do relevo submarino ilha bacia oceânica talude plataforma continental dorsal oceânica fossa abissal metros 2000 – 0 – -2000 – -4000 – -6000 – -8000 – -10000–
  • 16. Salinidade • O principal tipo de mineral encontrado nas águas marinhas é o cloreto de sódio (NaCl), conhecido como sal de cozinha. • O valor médio da salinidade dos oceanos é 35%. • A salinidade da água marinha não é uniforme, varia conforme o volume de água doce despejado, a temperatura, a profundidade, a quantidade de evaporação e de chuvas. • O maior índice de salinidade encontrado está no Mar Morto.
  • 17. Temperatura • Depende da quantidade de calor recebido e varia de acordo com a posição geográfica do oceano. • Nas áreas próximas ao Equador, a temperatura das águas é mais elevada devido a uma maior incidência de raios solares. • A água dos oceanos na Terra está, cada vez mais, quente. De acordo com o Centro Nacional de Dados Climáticos dos Estados Unidos (NCDC, na sigla em inglês), a temperatura média dos mares atingiu 17 graus Celsius em julho(2009) - a mais alta já registrada desde que as medições tiveram início, em 1880 (4).
  • 18. Mares • Mares abertos ou costeiros: estão diretamente ligados aos oceanos que se encontram nas proximidades. • Mares mediterrâneos, interiores ou continentais: existem restritas passagens que possibilitam uma conexão com os oceanos, a ligação ocorre por meio dos estreitos. Exemplos: Mar Mediterrâneo e Mar vermelho. • Mares fechados ou isolados: são aqueles que se encontram nos interiores dos continentes, desse modo, não apresentam uma ligação de maneira direta com os oceanos, como, por exemplo, o mar de Aral e o mar Cáspio.
  • 19. Mares Mar mediterrâneo, interiores ou isolados. Mares abertos ou costeiros. Mares fechados ou isolados. OCEANO ATLÂNTICO MAR MEDITEÂNEO MAR NEGRO MAR CÁSPIO Imagem: Pluribus Anthony / GNU Free Documentation License.
  • 20. Ondas • As ondas são movimentos provocados pelo vento, que sopra sobre a superfície das águas oceânicas. Quando as ondas se aproximam do litoral, elas se dobram e se quebram. Áreas de mar aberto apresentam ondas maiores. No Havaí, por exemplo, formam-se ondas gigantescas que atingem até 10 metros de altura. • As tsunamis são ondas gigantes, com grande concentração de energia, que podem ocorrer nos oceanos. Elas são provocadas por um grande deslocamento de água que ocorre após uma movimentação de placas tectônicas abaixo dos oceanos (5). Imagem: Pöllö / Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
  • 21. Correntes Marítimas • As correntes marítimas são massas menores de água que se deslocam por distintas direções, mantendo suas características de cor, salinidade e temperatura, isso quer dizer que elas não se misturam. Esse deslocamento é proveniente da ação dos ventos e também do movimento de rotação da Terra. Por causa disso, as correntes marítimas realizam deslocamentos distintos de acordo com os hemisférios em que se encontram. • No mundo existem dois tipos de corrente marítima, são elas: correntes quentes e correntes frias. As primeiras, originam-se na zona tórrida da Terra e se dirigem rumo às zonas polares. As segundas, formam-se nas zonas polares e deslocam-se em direção à zona intertropical da Terra (6).
  • 22. Correntes Marítimas Imagem: NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration / Public Domain.
  • 23. Aquíferos Aquífero é uma formação geológica subterrânea que funciona como reservatório de água. As águas das chuvas infiltram no subsolo e abastecem esse reservatório. Suas rochas têm características porosas e permeáveis, com capacidade de reter e ceder água. Os aquíferos abastecem poços e nascentes e são responsáveis por sua manutenção. Imagem: Hans Hillewaert / United States Geological Survey,United States Department of Interior / Public Domain. (Tradução Nossa). Transpiração da Vegetação Mesa d´agua Riacho Água não confinada Água confinada Mesa d´agua Zona Insaturada Aquífero de alta condutividade hidráulica Unidade confinada de baixa condutividade hidráulica Direção do fluxo de água Leito de pedra com baixíssima condutividade hidráulica
  • 24. Tipos de Aquíferos  Porosos - a água circula através de poros. As formações geológicas podem ser detríticas (Ex.: Areias limpas), por vezes consolidadas por um cimento (Ex.: Arenitos, conglomerados, etc.).  Fraturados e/ou fissurados - a água circula através de fracturas ou pequenas fissuras. As formações podem ser granitos, gabros, filões de quartzo  Cársticos - a água circula em condutas que resultaram do alargamento de diaclases por dissolução (7).
  • 25. Aquíferos Aquífero no Brasil O aquífero Guarani é o principal manancial de água doce da América do Sul, formado entre 200 milhões e 132 milhões de anos atrás, nos períodos Triássico, Jurássico e Cretáceo Inferior . É o maior manancial de água doce subterrânea transfronteiriço do mundo. Sua maior ocorrência se dá em território brasileiro (2/3 da área total), abrangendo os Estados de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Imagem: Nathan Sodré Salvatierra / Aquífero Guaraní / Public Domain.
  • 26. Hidrografia - Rios • Rio é um curso de água que corre naturalmente de uma área mais alta para uma mais baixa do relevo, geralmente deságua em outro rio, lago ou no mar. • Esses cursos de água se formam a partir da chuva, que é absorvida pelo solo até atingir áreas impermeáveis no subsolo onde se acumula, constituindo o que chamamos de lençol freático. • Quando o lençol freático aflora na superfície, dá origem à nascente de um rio. Apesar dessa definição, há rios que se formam de outras maneiras, como por exemplo, a partir do degelo em picos montanhosos, além de alguns originarem de águas de lagos (9).
  • 27. Características dos Rios Tipos de Foz Delta Estuário Mista
  • 28. Tipos de Foz Delta/Estuário do Rio do Amazonas Delta do Rio Ganges Estuário do Rio Paraíba Imagens: (a) Terra Brasilis / Creative Commons - Atribuição - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada , (b) (b) NASA / Public Domain e (c) NASA / Public Domain.
  • 29. Características dos Rios Tipos de Regime: Pluvial (água das Chuvas); Nival (Derretimento das geleiras); Pluvional (Ambos). Tipos de Drenagem : Exorreica (Deságua no oceano); Endorreica (Deságua dentro do Continente) ; Arreica (Não tem Direção Definida).
  • 30. Características dos Rios Tipo de Relevo que percorrem: Planaltos Planícies Condições Climáticas: Perenes (não secam) Intermitentes (secam em determinado período)
  • 31. Hidrografia do Brasil • A Hidrografia do Brasil envolve o conjunto de recursos hídricos do território brasileiro, as bacias hidrográficas, o Oceano Atlântico, os rios, lagos, as lagoas, os arquipélagos, os golfos, as baías, as cataratas, as usinas hidrelétricas, as barragens etc. De acordo com os órgãos governamentais, existem no Brasil doze grandes bacias hidrográficas, sendo que sete têm o nome de seus rios principais: Amazonas, Paraná, Tocantins, São Francisco, Parnaíba, Paraguai e Uruguai (10).
  • 32. Bacias Hidrográficas do Brasil Imagem: CIA / Bemoeial2/ Imagem adaptada / Public Domain. Amazônica Paraguai Paraná Uruguai Atlântico Sul Atlântico Sudeste Atlântico Leste Atlântico NE Ocidental Atlântico NE Oridental Parnaíba Tocantins Araguaia
  • 33. Rio Amazonas • O Rio Amazonas nasce na cordilheira dos Andes, no Peru. Possui 6.868 km, sendo que 3.165 km estão em território brasileiro. Sua vazão média é da ordem de 109.000 m³/s e 290.000 m³/s na estação de chuvas. É um rio típico de planície, ele e muitos de seus afluentes são navegáveis, o que é muito importante para a população da Amazônia, que se serve do rio como meio de locomoção. • O rio é divido em três partes: ainda nos países andinos, é chamado de rio Marañón, ao entrar no Brasil, é chamado de rio Solimões, ao receber as águas do rio Negro, passa a ser chamado de rio Amazonas (11).
  • 35. Rio São Francisco • O rio São Francisco é um dos mais importantes cursos d'água do Brasil e de toda a América do Sul. Nasce em Minas Gerais. • O rio também atravessa o estado da Bahia, fazendo sua divisa ao norte com Pernambuco, constituindo, ainda, a divisa natural dos estados de Sergipe e Alagoas, e, por fim, deságua no Oceano Atlântico. • Existe uma polêmica, atualmente, com relação à verdadeira nascente. Conforme estudos, sua nascente real e geográfica está localizada no município de Medeiros - MG, segundo alguns estudiosos. Na Serra da Canastra, no município de São Roque de Minas – MG, encontra-se a aproximadamente 1200 metros de altitude a nascente histórica, que, por muito tempo, se pensou ser a nascente real. Mas essa definição, ainda, não é oficial e também não está atualizada nos livros didáticos.
  • 37. Rio São Francisco • De acordo com o engenheiro agrônomo Geraldo Gentil Vieira (Codevasf), a verdadeira nascente do rio São Francisco está no Planalto de Araxá, no município de Medeiros. Segundo o estudioso, o rio Samburá não é um afluente. Ao contrário, os pesquisadores defendem que o "Velho Chico", na verdade, seria o afluente do Samburá. Do planalto de Araxá até o ponto de confluência dos dois rios, no cânion de São Leão, a distância é de 147,30 quilômetros. Já a distância do cânion até a nascente oficial do São Francisco, na Serra da Canastra, é de apenas 98,12 quilômetros. “Como um rio maior pode ser afluente do menor?” (12).
  • 38. Transposição do Rio São Francisco • O projeto de transposição do Rio São Francisco é um tema bastante polêmico, pois tem por objetivo uma suposta tentativa de solucionar o problema da seca que afeta as populações do semiárido brasileiro. • Torna-se um projeto delicado, do ponto de vista ambiental, pois, segundo alguns ambientalistas, irá afetar profundamente um dos rios mais importantes de nosso país, tanto pela sua extensão e importância na manutenção da biodiversidade, quanto pela sua utilização em transportes e abastecimento.
  • 39. Bacia Hidrográfica do Rio da Prata • O Rio da Prata tem origem no encontro dos rios Paraná, Uruguai e Paraguai, na fronteira entre a Argentina e Uruguai. Esses quatro rios são os principais formadores dessa bacia, de 1.397.905,5 km² - a segunda maior do país - e se estende entre Brasil, Uruguai, Bolívia, Paraguai e Argentina. O Rio Paraná com 2.940 km nasce na junção dos rios Paranaíba e Grande, na divisa de Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo. Apresenta o maior aproveitamento hidrelétrico do Brasil, abrigando, por exemplo, a Usina de Itaipu. Em 1999, foi inaugurada, no Rio Paraná, a Usina Hidrelétrica de Porto Primavera - a segunda maior do Estado de São Paulo. Os afluentes do Paraná (Tietê e Paranapanema) têm grande potencial para geração de energia. Com relação às hidrovias, a Tietê-Paraná é a mais antiga do país, atualmente com 2.400km de extensão (13). Imagem: Rio Prata, fotografia tirada via satélite / NASA / Domínio Público.
  • 40. Poluição Rios Esgoto doméstico Lixo sólido Esgotos industriais Mares e Oceanos Esgotos Industriais Vazamentos de Navios Petroleiros, Oleodutos Lixo sólido Esgoto Doméstico Imagem: khyk54 / Creative Commons Attribution 2.0 Generic.
  • 41. Bibliografia BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Apresentação dos Temas Transversais. Brasília: MEC/SEF, 1998. Branco, Samuel Gurgel. Água: Origem, Uso e Preservação. São Paulo, Moderna, 2003. NUNES, Marcos Roberto & Saconi, Arminda. Água: Fonte de Vida. Recife: Unicap, 2005. VESENTINI, J. W. . Brasil: Sociedade e Espaço. 32. ed. São Paulo: Ática, 2006.
  • 42. Sites Consultados • http://www.brasil.gov.br/sobre/meio-ambiente/recursos- hidricos • http://www.ibge.gov.br/ibgeteen/datas/agua/home.html • http://www.ibama.gov.br • http://www.mma.gov.br/sitio/ • http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm
  • 43. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 3 Saperaud / GNU Free Documentation License. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Eis- 3.jpg 07/05/2012 6 Zocky /Soca isonzo river near its mouth / GNU Free Documentation License. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Soca_is onzo_near_its_mouth.jpeg 07/05/2012 7 Osteomyoamare / Creative Commons Attribution 3.0 Unported. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Anoto mical_Position_Sketch.png 07/05/2012 9 Ciclo hidrológico em Português, traduzido por Maria Helena Alves / John M. Evans/USGS-USA Gov / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ciclo_d a_%C3%A1gua.jpg 07/05/2012 19 Pluribus Anthony / GNU Free Documentation License. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:BlankM ap-World-1985.png 07/05/2012 20 Pöllö / Creative Commons Attribution 3.0 Unported. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Wave_ hitting_rock_on_Finnish_gulf.jpg 07/05/2012 22 NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration / Public Domain. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Ocean_surf ace_currents.jpg 07/05/2012 23 Hans Hillewaert / United States Geological Survey,United States Department of Interior / Public Domain. http://en.wikipedia.org/wiki/File:Aquifer_en.svg 07/05/2012 25 Nathan Sodré Salvatierra / Aquífero Guaraní / Public Domain. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Aquiferogu arani.jpg 07/05/2012 28a (a) Terra Brasilis / Creative Commons - Atribuição - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Rio_Para% C3%ADba_do_Norte.png 07/05/2012 Tabela de Imagens
  • 44. Slide Autoria / Licença Link da Fonte Data do Acesso 28b (b) NASA / Public Domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ganges _88.08434E_21.69247N.jpg 07/05/2012 28c (c) NASA / Public Domain http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Mouths_of _amazon_geocover_1990.png 07/05/2012 32 CIA / Bemoeial2/ Imagem adaptada / Public Domain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Brazil- map-blank.png 07/05/2012 34 Secretaria Executiva do Ministério dos Transportes / PublicDomain. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bcamaz onica.jpg 07/05/2012 36 Jurema Oliveira http://en.wikipedia.org/wiki/File:Bacia_sao_fran cisco.jpg 07/05/2012 39 Rio Prata, fotografia tirada via satélite / NASA / Domínio Público. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:River_Plate .jpg 07/05/2012 40 khyk54 / Creative Commons Attribution 2.0 Generic. http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Nairobi _river_pollution.jpg 07/05/2012 Tabela de Imagens