SlideShare uma empresa Scribd logo
A estrutura social e as desigualdades

As desigualdades sociais aparecem, de imediato, em elementos materiais,
como a moradia, as roupas, os meios de locomoção. Mas elas também se
manifestam no acesso à educação e aos bens culturais, os chamados bens
simbólicos.

As desigualdades se evidenciam no dia a dia pelos contrastes entre a
riqueza e a pobreza, que podemos constatar com nossos próprios olhos
ou mediantes as estatísticas e os meios de comunicação.

      Estrutura e estratificação social

Estrutura social é o que define determinada sociedade. A estrutura social
se constitui da relação entre os vários fatores – econômicos, históricos,
sociais, religiosos, culturais – que caracterizam cada sociedade.

Uma das características da ESTRUTURA DE UMA SOCIEDADE é sua
ESTRATIFICAÇÃO, ou seja, a maneira como os diferentes indivíduos e
grupos são classificados em estratos(= camadas) sociais e o modo como
ocorre mobilidade de um nível para outro.

A estratificação social foi analisada, em diferentes sociedades, com base
na forma como os indivíduos organizam a produção econômica e o poder
político . Para estudar a estratificação é necessário que se verifique COMO
SE ORGANIZAM AS ESTRUTURAS DE APROPRIAÇÃO (ECONÔMICA) E
DOMINAÇÃO (POLÍTICA).
Entretanto, essas estruturas são atravessadas por outros elementos –
como a religião, a etnia, o sexo, a tradição e a cultura -, que, de uma
forma ou de outra, influem no processo de divisão social do trabalho e no
processo de hierarquização.

A estratificação social e as desigualdades decorrentes são produzidas
HISTORICAMENTE, ou seja, são geradas por situações diversas e se
expressam na organização das sociedades em sistemas de castas, de
estamentos ou de classes.
AS SOCIEDADES ORGANIZADAS EM CASTAS
O sistema de castas é uma configuração social de que se tem registro em
diferentes tempos e lugares, mas é na Índia que está a expressão mais
acabada desse sistema.

A sociedade indiana começou a se organizar em castas e subcastas há
mais de 3 mil anos, adotando uma hierarquização baseada em religião,
etnia, cor, hereditariedade e ocupação, que definem a organização do
poder político e a distribuição da riqueza gerada pela sociedade.

Apesar de haver na Índia, hoje, uma ESTRUTURA DE CLASSES, o sistema de
castas permanece mesclado a ela. O sistema sobrevive por força de
tradição, pois legalmente foi abolido em 1950.

Existem QUATRO grandes castas na Índia:

- BRÂMANES: casta sacerdotal, superior a todas as outras;
- XÁTRIAS: casta intermediária, formada formalmente pelos guerreiros,
que se encarregam do governo e da administração pública;
- VAIXÁS: casta dos comerciantes, artesãos e camponeses, que se situam
abaixo dos xátrias;
- SUDRAS: casta dos inferiores, na qual se situam aqueles que fazem
trabalhos manuais considerados servis.

Os PÁRIAS são os que não pertencem a nenhuma casta e vivem, portanto,
fora das regras existentes.
(Há, ainda, um sistema de castas regionais que subdividem em outras
tantas subcastas).

O sistema de castas caracteriza-se por relações muito ISOLADAS. Não há,
portanto, MOBILIDADE SOCIAL nesse sistema.
Os elementos mais visíveis da IMOBILIDADE SOCIAL são:
- Hereditariedade;
- Endogamia (casamentos só entre membros da mesma casta);
- Regras relacionadas à alimentação (só pode-se ter refeições com os
membros da própria casta e alimentos preparados por elas mesmas);
-Proibição do contato físico entre membros das castas inferiores e
superiores.
As palavras chaves para definir o sistema de castas são REPULSÃO,
HIERARQUIA E ESPECIALIZAÇÃO HEREDITÁRIA.

Embora seja proibido, as castas inferiores adotam costumes, ritos e
crenças dos brâmanes, e isso cria uma certa homogeneidade de costumes
entre castas. A rigidez das regras também é relativizada por casamentos
entre membros de castas diferentes (menos com os brâmanes), o que não
é comum, mas ocorre.

A urbanização e a industrialização crescentes e a introdução dos padrões
comportamentais do Ocidente têm levado elementos de diferentes castas
a se relacionarem, o que vai contraa persistência dos padrões mais
tradicionais, pois, no sistema capitalista, no qual a Índia está fortemente
inserida, a estruturação societária anterior só se mantém se é
fundamental para a sobrevivência do próprio sistema.

Assim, no caso da Índia, o sistema de castas está sendo gradativamente
desintegrado, o que não significa, entretanto, que as normas e os
costumes relacionados com a diferenciação em castas tenham
desaparecido do cotidiano das pessoas. Isso é confirmado pela existência
de programas de cotas de inclusão para as castas consideradas inferiores
nas universidades públicas.

      Nas palavras de BOUGLÉ

A palavra “CASTA” não faz pensar, apenas, nos trabalhos
hereditariamente divididos, e sim também nos direitos desigualmente
repartidos.

Os vários grupos dos quais essa sociedade é composta se repelem, em vez
de atrair-se, que cada um desses grupos se dobra sobre si mesmo, se isola
faz quanto pode para impedir seus membros de contrair aliança ou, até,
de entrar em relação com os membros dos grupos vizinhos.

Repulsão, hierarquia, especialização hereditária, o espírito de casta reúne
essas três tendências. Cumpre retê-las a todas se se quiser chegar a uma
definição completa do regime de castas.
AS SOCIEDADES ORGANIZADAS POR ESTAMENTOS
O sistema de ESTAMENTOS ou ESTADOS constitui outra forma de
ESTRATIFICAÇÃO.
(Ex. SOCIEDADE FEUDAL. França no século XVIII era dividida em três
estados: nobreza, clero e terceiro estado, que incluía todos os outros
membros da sociedade.).

A sociedade estamental não se revela e explica apenas no nível das
estruturas de poder e apropriação.
Para compreender os ESTAMENTOS (em si e em suas relações
hierárquicas), é indispensável compreender o modo pelo qual categorias
tais como tradição, linhagem, vassalagem, honra e cavalheirismo parecem
predominar no pensamento e na ação das pessoas.

Assim, o que identifica um estamento é também o que o diferencia, ou
seja, um conjunto de direitos e deveres, privilégios e obrigações que são
aceitos como naturais e são publicamente reconhecidos, mantidos e
sustentados pelas autoridades oficiais e também pelos tribunais.

Em uma sociedade estamental, a condição dos indivíduos e dos grupos em
relação ao poder e à participação na riqueza produzida pela sociedade não
é só uma questão de fato, mas também de direito. Assim, a desigualdade,
além de existir, torna-se um direito.

A possibilidade de MOBILIDADE de um estamento para outro existia, mas
era muito controlada – alguns chegavam a conseguir títulos de nobreza, o
que, no entanto, não significava obter o bem maior da época, a TERRA.
A propriedade da terra definia o prestígio, a liberdade e o poder dos
indivíduos. Os que não a possuíam eram DEPENDENTES, economicamente
e politicamente além de SOCIALMENTE INFERIORES.

O que explica, entretanto, a relação entre os estamentos é a
reciprocidade.
(Ex. SOCIEDADE FEUDAL: Obrigação dos servos para com os senhores
(trabalho) e destes para com aqueles (proteção), ainda que os
camponeses e servos estivessem sempre em uma condição de
inferioridade).
Entre os proprietários de terras, havia uma relação de outro tipo: um
senhor feudal (suserano) exigia serviços militares e outros dos senhores a
ele subordinados (vassalos). Formava-se, então, uma REDE DE
OBRIGAÇÕES RECÍPROCAS, como também de fidelidade, observando-se
uma HIERARQUIS EM CUJO TOPO ESTAVAM OS QUE DISPUNHAM DE MAIS
TERRAS E MAIS HOMENS ARMADOS.

José Souza Martins:
“Um nobre pobre, na consciência social da época e na realidade das
relações sociais, valia dezesseis vezes um pobre que não era nobre,
porque as necessidades de um nobre pobre eram completamente
diferentes das necessidades sociais de um pobre apenas pobre”.

Basicamente é isso que distingue estamento de classe social: não se levam
em consideração as origens das pessoas, e sim as condições econômicas.

Atualmente, muitas vezes utilizamos o termo ESTAMENTO para designar
determinada categoria ou atividade profissional que tem regras muito
precisas para que se ingresse nela ou para que o indivíduo se desenvolva
nela, como um rígido código de hora e de obediência. Assim, usar as
expressões “estamento militar” ou “estamento médico”, significa afirmar
as características que definiam as relações na sociedade estamental.
POBREZA: CONDIÇÃO DE NASCENÇA, DESGRAÇA, DESTINO
A pobreza é a expressão mais visível das desigualdades em nosso
cotidiano, recebendo diferentes explicações ao longo da história.

No período medieval, o pobre era uma personagem complementar ao
rico. Não eram critérios econômicos ou sociais que definiam a pobreza,
mas a CONDIÇÃO DE NASCENÇA, como afirmava a IGREJA CATÓLICA, que
predominava na Europa ocidental.

Havia até uma visão positiva da pobreza, pois esta despertava a caridade e
a compaixão. E não se tratava de uma situação fixa, pois, como havia uma
moral positiva, podiam ocorrer situações compensatórias em que o ricos
eram considerados “POBRES EM VIRTUDES” e, os pobres, “RICOS EM
QUALIDADES”. De acordo com essa visão cristã de mundo, os ricos tinham
a obrigação moral de ajudar os pobres;

Outra explicação paralela, corrente no mesmo período, atribuía a pobreza
a uma DESGRAÇA decorrente das GUERRAS ou ADVERSIDADES como
doenças ou deformidades físicas.

Isso tudo mudou a partir do século XVI, quando se iniciou uma nova
ordem, na qual o indivíduo se tornou o centro das atenções. O pobre
passava a encarnar uma ambiguidade: representava a pobreza de Cristo e,
ao mesmo tempo, era um perigo para a sociedade. Sendo uma ameaça
social, a solução era a DISCIPLINA e ENQUADRAMENTO. Assim, o Estado
herdou a função de CUIDAR dos pobres, o que antes era função dos ricos.

Com o crescimento da produção e do comércio, principalmente na
Inglaterra, houve necessidade crescente de mão de obra, e a pobreza e a
miséria passaram a ser interpretadas como resultado da PREGUIÇA e da
INDOLÊNCIA dos indivíduos que não queriam trabalhar, uma vez que havia
muitas oportunidades de emprego. Essa justificativa tinha por finalidade
fazer com que as grandes massas se submetessem às condições do
trabalho industrial emergente.

No final do éculo XVIII, com o fortalecimento do LIBERALISMO, outra
justificativa foi formulado: as pessoas eram responsáveis pelo seu próprio
DESTINO e ninguém era obrigado a dar trabalho ou assistência aos mais
pobres. Muito ao contrário, dizia-se que era necessário manter o medo à
fome para que os trabalhadores realizassem bem suas tarefas.

Segundo THOMAS MALTHUS, a população crescia mais que os meios de
subsistência e, assim, afirmava que toda assistência social aos pobres era
REPUDIÁVEL, uma vez que os estimularia a ter mais filhos, aumentando
assim a sua miséria.

Posteriormente, apareceram recomendações e orientações de abstinência
sexual e casamento tardio para os pobres, pois desse modo teriam menos
filhos.

Em meados do século XIX, difundiu-se a ideia de que os trabalhadores
eram perigosos por duas razões:
- Eles poderiam transmitir doenças porque vivam em condições precárias
de saneamento e de saúde
- Podiam se rebelar, fazer movimentos sociais e revoluções, questionando
os privilégios das outras classes, que possuíam riqueza e poder.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
ProfessorRogerioSant
 
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Paula Meyer Piagentini
 
O significado e o valor do trabalho
O significado  e o valor do trabalhoO significado  e o valor do trabalho
O significado e o valor do trabalho
Edenilson Morais
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
Paulo Medeiros
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
Moacyr Anício
 
Atividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades comte, marx, weber, durkheimAtividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades Diversas Cláudia
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
João Marcelo
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividade subjetiva contratualismo 3º ano
Atividade subjetiva contratualismo 3º anoAtividade subjetiva contratualismo 3º ano
Atividade subjetiva contratualismo 3º ano
Thayro Soares da Paixão
 
Aula 2 Mercado de trabalho e desigualdades - 2º Sociologia - Prof. Noe Assu...
Aula 2   Mercado de trabalho e desigualdades - 2º Sociologia - Prof. Noe Assu...Aula 2   Mercado de trabalho e desigualdades - 2º Sociologia - Prof. Noe Assu...
Aula 2 Mercado de trabalho e desigualdades - 2º Sociologia - Prof. Noe Assu...
Prof. Noe Assunção
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
Marcelo Freitas
 
Exercícios de Sociologia (Correntes Sociológicas)
Exercícios de Sociologia (Correntes Sociológicas)Exercícios de Sociologia (Correntes Sociológicas)
Exercícios de Sociologia (Correntes Sociológicas)
Paula Meyer Piagentini
 
O papel das mídias sociais na construção da identidade do sujeito pós-moderno
O papel das mídias sociais na construção da identidade do sujeito pós-moderno O papel das mídias sociais na construção da identidade do sujeito pós-moderno
O papel das mídias sociais na construção da identidade do sujeito pós-moderno
Larissa Martins
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Darlan Campos
 
O jogo da ética
O jogo da éticaO jogo da ética
O jogo da ética
Chrys Souza
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Perguntas de Sociologia (Jogo de Tabuleiro)
Perguntas de Sociologia (Jogo de Tabuleiro)Perguntas de Sociologia (Jogo de Tabuleiro)
Perguntas de Sociologia (Jogo de Tabuleiro)
Paula Meyer Piagentini
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
Luciano Carvalho
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
Karina Moreira
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Beatriz cerqueira frança
 

Mais procurados (20)

Slide Ética e Moral
Slide Ética e MoralSlide Ética e Moral
Slide Ética e Moral
 
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
Jogo de Tabuleiro Sociologia - Correntes Sociológicas
 
O significado e o valor do trabalho
O significado  e o valor do trabalhoO significado  e o valor do trabalho
O significado e o valor do trabalho
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Atividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades comte, marx, weber, durkheimAtividades comte, marx, weber, durkheim
Atividades comte, marx, weber, durkheim
 
Conceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl MarxConceitos de Karl Marx
Conceitos de Karl Marx
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
 
Atividade subjetiva contratualismo 3º ano
Atividade subjetiva contratualismo 3º anoAtividade subjetiva contratualismo 3º ano
Atividade subjetiva contratualismo 3º ano
 
Aula 2 Mercado de trabalho e desigualdades - 2º Sociologia - Prof. Noe Assu...
Aula 2   Mercado de trabalho e desigualdades - 2º Sociologia - Prof. Noe Assu...Aula 2   Mercado de trabalho e desigualdades - 2º Sociologia - Prof. Noe Assu...
Aula 2 Mercado de trabalho e desigualdades - 2º Sociologia - Prof. Noe Assu...
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Exercícios de Sociologia (Correntes Sociológicas)
Exercícios de Sociologia (Correntes Sociológicas)Exercícios de Sociologia (Correntes Sociológicas)
Exercícios de Sociologia (Correntes Sociológicas)
 
O papel das mídias sociais na construção da identidade do sujeito pós-moderno
O papel das mídias sociais na construção da identidade do sujeito pós-moderno O papel das mídias sociais na construção da identidade do sujeito pós-moderno
O papel das mídias sociais na construção da identidade do sujeito pós-moderno
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
O jogo da ética
O jogo da éticaO jogo da ética
O jogo da ética
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
 
Perguntas de Sociologia (Jogo de Tabuleiro)
Perguntas de Sociologia (Jogo de Tabuleiro)Perguntas de Sociologia (Jogo de Tabuleiro)
Perguntas de Sociologia (Jogo de Tabuleiro)
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 

Semelhante a A estrutura social e as desigualdades

Aulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 anoAulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdadesIECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
profrodrigoribeiro
 
Castas, estamentos e classes sociais
Castas, estamentos e classes sociaisCastas, estamentos e classes sociais
Castas, estamentos e classes sociais
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Classes sociais e estratifica
Classes sociais e estratificaClasses sociais e estratifica
Classes sociais e estratifica
VitoriaNunes
 
Desigualdades 2 as formas de estratificação
Desigualdades 2   as formas de estratificaçãoDesigualdades 2   as formas de estratificação
Desigualdades 2 as formas de estratificação
José Amaral
 
Movimento conflitos sociais e estratificação
Movimento   conflitos sociais e estratificaçãoMovimento   conflitos sociais e estratificação
Movimento conflitos sociais e estratificação
Wilton Moretto
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Carlos Henrique Tavares
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 07 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 07 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 07 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 07 do Tomazi
pascoalnaib
 
Capítulo 7 sociologia
Capítulo 7   sociologiaCapítulo 7   sociologia
Capítulo 7 sociologia
Miro Santos
 
Formas de estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
Formas de  estratificação: Castas, Estamentos e Classes SociaisFormas de  estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
Formas de estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
Carlos Danilo
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Wilton Moretto
 
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e EstratificaçãoResumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
Fabio Salvari
 
2ano_sociologia.pptx
2ano_sociologia.pptx2ano_sociologia.pptx
2ano_sociologia.pptx
czarfilsofo
 
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- ResumosEuropa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Nome Sobrenome
 
Estados del arte 2
Estados del arte 2Estados del arte 2
Estados del arte 2
Universidad de la Empresa UDE
 
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIACLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
Claudinei Leite
 
A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)
Janaína Almeida
 
Victor Turner_liminaridade e comunitas.pdf
Victor Turner_liminaridade e comunitas.pdfVictor Turner_liminaridade e comunitas.pdf
Victor Turner_liminaridade e comunitas.pdf
AnaCampos513433
 
Avaliação 5 sociologia
Avaliação 5 sociologiaAvaliação 5 sociologia
Avaliação 5 sociologia
orim84
 
Sociedade da índia
Sociedade da índiaSociedade da índia
Sociedade da índia
mateus-silveira
 

Semelhante a A estrutura social e as desigualdades (20)

Aulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 anoAulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
Aulas de sociologia ensino médio para o 3 ano
 
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdadesIECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
 
Castas, estamentos e classes sociais
Castas, estamentos e classes sociaisCastas, estamentos e classes sociais
Castas, estamentos e classes sociais
 
Classes sociais e estratifica
Classes sociais e estratificaClasses sociais e estratifica
Classes sociais e estratifica
 
Desigualdades 2 as formas de estratificação
Desigualdades 2   as formas de estratificaçãoDesigualdades 2   as formas de estratificação
Desigualdades 2 as formas de estratificação
 
Movimento conflitos sociais e estratificação
Movimento   conflitos sociais e estratificaçãoMovimento   conflitos sociais e estratificação
Movimento conflitos sociais e estratificação
 
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democraciaArea integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
Area integracao - subtema 2_3 - A construcao da democracia
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 07 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 07 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 07 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 07 do Tomazi
 
Capítulo 7 sociologia
Capítulo 7   sociologiaCapítulo 7   sociologia
Capítulo 7 sociologia
 
Formas de estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
Formas de  estratificação: Castas, Estamentos e Classes SociaisFormas de  estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
Formas de estratificação: Castas, Estamentos e Classes Sociais
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e EstratificaçãoResumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
 
2ano_sociologia.pptx
2ano_sociologia.pptx2ano_sociologia.pptx
2ano_sociologia.pptx
 
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- ResumosEuropa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
 
Estados del arte 2
Estados del arte 2Estados del arte 2
Estados del arte 2
 
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIACLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA
 
A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)A questão da estratificação social (1)
A questão da estratificação social (1)
 
Victor Turner_liminaridade e comunitas.pdf
Victor Turner_liminaridade e comunitas.pdfVictor Turner_liminaridade e comunitas.pdf
Victor Turner_liminaridade e comunitas.pdf
 
Avaliação 5 sociologia
Avaliação 5 sociologiaAvaliação 5 sociologia
Avaliação 5 sociologia
 
Sociedade da índia
Sociedade da índiaSociedade da índia
Sociedade da índia
 

A estrutura social e as desigualdades

  • 1. A estrutura social e as desigualdades As desigualdades sociais aparecem, de imediato, em elementos materiais, como a moradia, as roupas, os meios de locomoção. Mas elas também se manifestam no acesso à educação e aos bens culturais, os chamados bens simbólicos. As desigualdades se evidenciam no dia a dia pelos contrastes entre a riqueza e a pobreza, que podemos constatar com nossos próprios olhos ou mediantes as estatísticas e os meios de comunicação. Estrutura e estratificação social Estrutura social é o que define determinada sociedade. A estrutura social se constitui da relação entre os vários fatores – econômicos, históricos, sociais, religiosos, culturais – que caracterizam cada sociedade. Uma das características da ESTRUTURA DE UMA SOCIEDADE é sua ESTRATIFICAÇÃO, ou seja, a maneira como os diferentes indivíduos e grupos são classificados em estratos(= camadas) sociais e o modo como ocorre mobilidade de um nível para outro. A estratificação social foi analisada, em diferentes sociedades, com base na forma como os indivíduos organizam a produção econômica e o poder político . Para estudar a estratificação é necessário que se verifique COMO SE ORGANIZAM AS ESTRUTURAS DE APROPRIAÇÃO (ECONÔMICA) E DOMINAÇÃO (POLÍTICA). Entretanto, essas estruturas são atravessadas por outros elementos – como a religião, a etnia, o sexo, a tradição e a cultura -, que, de uma forma ou de outra, influem no processo de divisão social do trabalho e no processo de hierarquização. A estratificação social e as desigualdades decorrentes são produzidas HISTORICAMENTE, ou seja, são geradas por situações diversas e se expressam na organização das sociedades em sistemas de castas, de estamentos ou de classes.
  • 2. AS SOCIEDADES ORGANIZADAS EM CASTAS O sistema de castas é uma configuração social de que se tem registro em diferentes tempos e lugares, mas é na Índia que está a expressão mais acabada desse sistema. A sociedade indiana começou a se organizar em castas e subcastas há mais de 3 mil anos, adotando uma hierarquização baseada em religião, etnia, cor, hereditariedade e ocupação, que definem a organização do poder político e a distribuição da riqueza gerada pela sociedade. Apesar de haver na Índia, hoje, uma ESTRUTURA DE CLASSES, o sistema de castas permanece mesclado a ela. O sistema sobrevive por força de tradição, pois legalmente foi abolido em 1950. Existem QUATRO grandes castas na Índia: - BRÂMANES: casta sacerdotal, superior a todas as outras; - XÁTRIAS: casta intermediária, formada formalmente pelos guerreiros, que se encarregam do governo e da administração pública; - VAIXÁS: casta dos comerciantes, artesãos e camponeses, que se situam abaixo dos xátrias; - SUDRAS: casta dos inferiores, na qual se situam aqueles que fazem trabalhos manuais considerados servis. Os PÁRIAS são os que não pertencem a nenhuma casta e vivem, portanto, fora das regras existentes. (Há, ainda, um sistema de castas regionais que subdividem em outras tantas subcastas). O sistema de castas caracteriza-se por relações muito ISOLADAS. Não há, portanto, MOBILIDADE SOCIAL nesse sistema. Os elementos mais visíveis da IMOBILIDADE SOCIAL são: - Hereditariedade; - Endogamia (casamentos só entre membros da mesma casta); - Regras relacionadas à alimentação (só pode-se ter refeições com os membros da própria casta e alimentos preparados por elas mesmas); -Proibição do contato físico entre membros das castas inferiores e superiores.
  • 3. As palavras chaves para definir o sistema de castas são REPULSÃO, HIERARQUIA E ESPECIALIZAÇÃO HEREDITÁRIA. Embora seja proibido, as castas inferiores adotam costumes, ritos e crenças dos brâmanes, e isso cria uma certa homogeneidade de costumes entre castas. A rigidez das regras também é relativizada por casamentos entre membros de castas diferentes (menos com os brâmanes), o que não é comum, mas ocorre. A urbanização e a industrialização crescentes e a introdução dos padrões comportamentais do Ocidente têm levado elementos de diferentes castas a se relacionarem, o que vai contraa persistência dos padrões mais tradicionais, pois, no sistema capitalista, no qual a Índia está fortemente inserida, a estruturação societária anterior só se mantém se é fundamental para a sobrevivência do próprio sistema. Assim, no caso da Índia, o sistema de castas está sendo gradativamente desintegrado, o que não significa, entretanto, que as normas e os costumes relacionados com a diferenciação em castas tenham desaparecido do cotidiano das pessoas. Isso é confirmado pela existência de programas de cotas de inclusão para as castas consideradas inferiores nas universidades públicas. Nas palavras de BOUGLÉ A palavra “CASTA” não faz pensar, apenas, nos trabalhos hereditariamente divididos, e sim também nos direitos desigualmente repartidos. Os vários grupos dos quais essa sociedade é composta se repelem, em vez de atrair-se, que cada um desses grupos se dobra sobre si mesmo, se isola faz quanto pode para impedir seus membros de contrair aliança ou, até, de entrar em relação com os membros dos grupos vizinhos. Repulsão, hierarquia, especialização hereditária, o espírito de casta reúne essas três tendências. Cumpre retê-las a todas se se quiser chegar a uma definição completa do regime de castas.
  • 4. AS SOCIEDADES ORGANIZADAS POR ESTAMENTOS O sistema de ESTAMENTOS ou ESTADOS constitui outra forma de ESTRATIFICAÇÃO. (Ex. SOCIEDADE FEUDAL. França no século XVIII era dividida em três estados: nobreza, clero e terceiro estado, que incluía todos os outros membros da sociedade.). A sociedade estamental não se revela e explica apenas no nível das estruturas de poder e apropriação. Para compreender os ESTAMENTOS (em si e em suas relações hierárquicas), é indispensável compreender o modo pelo qual categorias tais como tradição, linhagem, vassalagem, honra e cavalheirismo parecem predominar no pensamento e na ação das pessoas. Assim, o que identifica um estamento é também o que o diferencia, ou seja, um conjunto de direitos e deveres, privilégios e obrigações que são aceitos como naturais e são publicamente reconhecidos, mantidos e sustentados pelas autoridades oficiais e também pelos tribunais. Em uma sociedade estamental, a condição dos indivíduos e dos grupos em relação ao poder e à participação na riqueza produzida pela sociedade não é só uma questão de fato, mas também de direito. Assim, a desigualdade, além de existir, torna-se um direito. A possibilidade de MOBILIDADE de um estamento para outro existia, mas era muito controlada – alguns chegavam a conseguir títulos de nobreza, o que, no entanto, não significava obter o bem maior da época, a TERRA. A propriedade da terra definia o prestígio, a liberdade e o poder dos indivíduos. Os que não a possuíam eram DEPENDENTES, economicamente e politicamente além de SOCIALMENTE INFERIORES. O que explica, entretanto, a relação entre os estamentos é a reciprocidade. (Ex. SOCIEDADE FEUDAL: Obrigação dos servos para com os senhores (trabalho) e destes para com aqueles (proteção), ainda que os camponeses e servos estivessem sempre em uma condição de inferioridade).
  • 5. Entre os proprietários de terras, havia uma relação de outro tipo: um senhor feudal (suserano) exigia serviços militares e outros dos senhores a ele subordinados (vassalos). Formava-se, então, uma REDE DE OBRIGAÇÕES RECÍPROCAS, como também de fidelidade, observando-se uma HIERARQUIS EM CUJO TOPO ESTAVAM OS QUE DISPUNHAM DE MAIS TERRAS E MAIS HOMENS ARMADOS. José Souza Martins: “Um nobre pobre, na consciência social da época e na realidade das relações sociais, valia dezesseis vezes um pobre que não era nobre, porque as necessidades de um nobre pobre eram completamente diferentes das necessidades sociais de um pobre apenas pobre”. Basicamente é isso que distingue estamento de classe social: não se levam em consideração as origens das pessoas, e sim as condições econômicas. Atualmente, muitas vezes utilizamos o termo ESTAMENTO para designar determinada categoria ou atividade profissional que tem regras muito precisas para que se ingresse nela ou para que o indivíduo se desenvolva nela, como um rígido código de hora e de obediência. Assim, usar as expressões “estamento militar” ou “estamento médico”, significa afirmar as características que definiam as relações na sociedade estamental.
  • 6. POBREZA: CONDIÇÃO DE NASCENÇA, DESGRAÇA, DESTINO A pobreza é a expressão mais visível das desigualdades em nosso cotidiano, recebendo diferentes explicações ao longo da história. No período medieval, o pobre era uma personagem complementar ao rico. Não eram critérios econômicos ou sociais que definiam a pobreza, mas a CONDIÇÃO DE NASCENÇA, como afirmava a IGREJA CATÓLICA, que predominava na Europa ocidental. Havia até uma visão positiva da pobreza, pois esta despertava a caridade e a compaixão. E não se tratava de uma situação fixa, pois, como havia uma moral positiva, podiam ocorrer situações compensatórias em que o ricos eram considerados “POBRES EM VIRTUDES” e, os pobres, “RICOS EM QUALIDADES”. De acordo com essa visão cristã de mundo, os ricos tinham a obrigação moral de ajudar os pobres; Outra explicação paralela, corrente no mesmo período, atribuía a pobreza a uma DESGRAÇA decorrente das GUERRAS ou ADVERSIDADES como doenças ou deformidades físicas. Isso tudo mudou a partir do século XVI, quando se iniciou uma nova ordem, na qual o indivíduo se tornou o centro das atenções. O pobre passava a encarnar uma ambiguidade: representava a pobreza de Cristo e, ao mesmo tempo, era um perigo para a sociedade. Sendo uma ameaça social, a solução era a DISCIPLINA e ENQUADRAMENTO. Assim, o Estado herdou a função de CUIDAR dos pobres, o que antes era função dos ricos. Com o crescimento da produção e do comércio, principalmente na Inglaterra, houve necessidade crescente de mão de obra, e a pobreza e a miséria passaram a ser interpretadas como resultado da PREGUIÇA e da INDOLÊNCIA dos indivíduos que não queriam trabalhar, uma vez que havia muitas oportunidades de emprego. Essa justificativa tinha por finalidade fazer com que as grandes massas se submetessem às condições do trabalho industrial emergente. No final do éculo XVIII, com o fortalecimento do LIBERALISMO, outra justificativa foi formulado: as pessoas eram responsáveis pelo seu próprio
  • 7. DESTINO e ninguém era obrigado a dar trabalho ou assistência aos mais pobres. Muito ao contrário, dizia-se que era necessário manter o medo à fome para que os trabalhadores realizassem bem suas tarefas. Segundo THOMAS MALTHUS, a população crescia mais que os meios de subsistência e, assim, afirmava que toda assistência social aos pobres era REPUDIÁVEL, uma vez que os estimularia a ter mais filhos, aumentando assim a sua miséria. Posteriormente, apareceram recomendações e orientações de abstinência sexual e casamento tardio para os pobres, pois desse modo teriam menos filhos. Em meados do século XIX, difundiu-se a ideia de que os trabalhadores eram perigosos por duas razões: - Eles poderiam transmitir doenças porque vivam em condições precárias de saneamento e de saúde - Podiam se rebelar, fazer movimentos sociais e revoluções, questionando os privilégios das outras classes, que possuíam riqueza e poder.