SlideShare uma empresa Scribd logo
A DITADURA MILITAR
BRASILEIRA
(1964 – 1985)
ALTO COMANDO REVOLUCIONÁRIO
DEPUTADO RANIERI MAZZILI - 1964 - 1965
Ato Institucional Nº 1 (AI – 1) - 1964





Eleições indiretas para presidente
Cassação de parlamentares do governo Jango
Afastamento de políticos e funcionários “subversivos”
Intervenção na UNE, sindicatos e ligas camponesas

Termo frequentemente
Termo frequentemente
utilizado pelos militares
utilizado pelos militares
para designar
para designar
possíveis ameaças ao
possíveis ameaças ao
governo, geralmente
governo, geralmente
tidos como comunistas
tidos como comunistas

Os atos institucionais foram amplamente usados pelo regime militar como forma de legalizar o aparato
Os atos institucionais foram amplamente usados pelo regime militar como forma de legalizar o aparato
repressivo
repressivo
Divisões entre os militares
SORBONNE (OU CASTELLISTAS)


Oriundos da ESG (Escola
Superior de Guerra),
intelectuais ligados a 2ª
guerra mundial. Tinham
aproximação ideológica com
os EUA, pregavam o
anticomunismo e o
fortalecimento do poder
executivo. Acreditavam na
ideia de “intervenção
cirúrgica” do governo.

LINHA DURA


Grupo radical,
anticomunista, nacionalista
e contrário a qualquer tipo
de democracia. Objetivaram
permanecer no poder por
tempo indeterminado.
Médici

Os
presidentes

Geisel

Figueiredo
Costa e Silva

Castello
Branco
O GOVERNO DE CASTELLO
BRANCO
1964 - 1967
Ato Institucional Nº 2 (AI – 2) - 1965





Suspensão da estabilidade de funcionários públicos
Extinção de partidos políticos
Lei orgânica dos partidos – bipartidarismo
Autorização para fechar orgãos legislativos
ARENA
ARENA
(Aliança Renovadora
(Aliança Renovadora
Nacional)
Nacional)
militare
s

MDB
MDB
(Movimento Democrático
(Movimento Democrático
Brasileiro)
Brasileiro)
oposição
Quem foi pra onde?
Mais atos institucionais






AI – 3 (FEV/1966)
Eleições indiretas para governadores e indicação de prefeitos
de cidades estratégicas
AI – 4 (DEZ/1966)
Convocação de nova assembleia constituinte para incorporar
os AI’s.
Constituição de 1967
•Fortalecimento do executivo
•Emendas constitucionais a cargo
exclusivo do presidente
•Incorporação dos AI’s
•Lei de Segurança Nacional –
defesa da pátria contra uma
possível “ameaça comunista”
•Lei da imprensa
PAEG (Plano de Ação Econômica
Governamental)












Corte de gastos
Aumento de tarifas e impostos
Criação do FGTS
Aumento salarial (1x por ano, abaixo da inflação)
Restrição de crédito
O que é bom
O que é bom
Arrocho salarial e desemprego
para os EUA, é
para os EUA, é
Novos empréstimos
bom para o
bom para o
Brasil
Privatizações
Brasil
Renegociação da dívida externa
Aproximação cada vez maior com os EUA
Criação do BNH – Banco Nacional de Habitação Magalhães –
Juracy
ministro das
relações exteriores.
SNI – Serviço Nacional de Informação


Inteligência militar contra opositores, O
SNI estabelecia uma ligação direta com
as entidades federais, estaduais e
municipais, além da colaboração de
instituições privadas. Possuía em seus
arquivos informações sigilosas e
dossiês de cidadãos brasileiros e
estrangeiros. O SNI se organizava de
forma profissional, imprimindo relatórios
sobre várias atividades da sociedade,
inclusive religiosas: Ao todo há cerca de
469 livros, 15.926 iconografias, 774
documentos
cartográficos,
241
micrográficos,
178
sonoros,
9
audiovisuais e 6 digitais.
Aliança para o progresso




Linha de crédito para
investimentos
Construção da Vila Aliança e Vila
Kennedy
O contexto da Guerra Fria aproximou
O contexto da Guerra Fria aproximou
diplomaticamente os EUA do Brasil:
diplomaticamente os EUA do Brasil:
transferindo investimentos para cá, a
transferindo investimentos para cá, a
ameaça comunista poderia ser banida
ameaça comunista poderia ser banida
do país com segurança
do país com segurança

EUA
A Frente Ampla
JK + Jango + Carlos Lacerda se unem contra o governo, exigindo a
redemocratização
A ideia de “intervenção cirúrgica” do governo se
A ideia de “intervenção cirúrgica” do governo se
desfaz
desfaz

Lacerd
a
JK
O GOVERNO COSTA E SILVA
Os anos de chumbo (1967 – 1969)
Crescimento de movimentos de
oposição
Contexto
internacional

Maio de 68 na
Maio de 68 na
França
França

Movimento
Movimento
feminista
feminista

Woodstoc
Woodstoc
kk

Movimentos Civis nos
Movimentos Civis nos
EUA
EUA
1968: um ano
crítico
Morte do estudante
Morte do estudante
secundarista Edson Luis
secundarista Edson Luis
no Restaurante
no Restaurante
Calabouço
Calabouço
Manchete do Jornal
Manchete do Jornal
dos Sports
dos Sports
Polícia cerca a candelária e
Polícia cerca a candelária e
confronta protestantes na
confronta protestantes na
missa de sétimo dia de
missa de sétimo dia de
Edson Luís
Edson Luís
Greves de trabalhadores em Osasco e
Greves de trabalhadores em Osasco e
Contagem
Contagem
Passeata dos Cem Mil
Passeata dos Cem Mil
(RJ)
(RJ)
Discurso de Márcio Moreira Alves
(2/09/1968)
 O deputado incentiva a população a
não comemorar o 7 de setembro
 Aconselha às mulheres a não
namorarem membros das forças
armadas
Ato Institucional Nº 5 (AI – 5) - 1968

•
•
•
•
•
•

O mais brutal instrumento repressivo da ditadura militar
Fechamento do poder legislativo
Suspensão de direitos políticos e individuais – habeas corpus
Intervenção em Estados e Municípios
Pena de morte e prisão perpétua
Censura prévia
Prazo de validade indeterminado
O Governo Emílio Médici
1969 – 1974
Ampliação do aparato repressor


DOI-CODI (Destacamento de operações e informações /
Comando de operações e defesa interna)

 O DOI-CODI surgiu a partir da Operação Bandeirante (OBAN), criada em
1969 em São Paulo, com o objetivo de coordenar e integrar as ações dos
órgãos de repressão a indivíduos ou organizações (mais especificamente
os grupos da esquerda armada) que representassem ameaça à
manutenção da segurança interna.
 DOPS (Departamento de Ordem Pública e Social)

 Criado para manter o controle do cidadão e vigiar as manifestações políticas
na ditadura pós-64 instaurada pelos militares no Brasil.
 O DOPS perseguia, acima de tudo, as atividades intelectuais, sociais,
políticas w partidárias de cunho comunista.
 O órgão em São Paulo foi fundado em 1924 e teve vários nomes (delegacia,
superintendência), até ser extinto no início de 1983. A sua designação no
período final era Deops – Departamento Estadual de Ordem Política e
Social, como consta em seus arquivos. Contudo, a sigla "Dops" é a que
ficou na história.
CCC (Comando de Caça ao Comunismo)

o CCC, algumas vezes identificado como Comando de Caça aos Estudantes
Comunistas, tem sua origem antes mesmo da ditadura militar. O grupo foi formado
para combater os defensores da ideologia comunista e suas manifestações, sendo
que entre os integrantes do Comando estavam estudantes e intelectuais. Segundo
relatos, quando ocorreu o golpe militar no Brasil, os integrantes do CCC invadiram a
Rádio MEC, no Rio de Janeiro, e destruíram tudo que encontraram pela frente.
Marcando-se então como a primeira ação oficial do grupo como defensores da
ditadura militar.
O conflito na rua Maria Antônia
(SP)
A ação dos movimentos guerrilheiros
 VPR – Vanguarda Popular Revolucionária

 Liderada pelo ex-capitão Carlos Lamarca, morto em 1971
Sequestro do embaixador suíço Enrico Bucher (1970)
Capturado no RJ, o embaixador ficou sob posse de
Lamarca e seus companheiros por mais de 1 mês.
Exigiram como recompensa, a liberdade de 70
presos políticos,  Como adendo, queriam também o
congelamento geral dos preços por noventa dias e a
liberação das roletas nas estações de trem do Rio de
Janeiro. Na época, foi o mais alto preço cobrado pela
libertação de um diplomata sequestrado
O governo se negou a libertar 13 dos 70 presos,
gerando conflitos nas negociações, Bucher quase é
morto pelos sequestradores e é salvo por intervenção
de Lamarca.
Bucher aproximou-se muito de Lamarca nesse
período e ao ser solto, não delatou nenhum membro
da guerrilha nos interrogatórios.
A ação dos movimentos guerrilheiros
Guerrilha do Araguaia

 Atuou um TO, AM e MA, com liderança de Orlando da Costa (PC do B)
A ação dos movimentos guerrilheiros
 ALN – Aliança Libertadora Nacional
 Liderada por Carlos Marighella, morto em 1969.
 Escreveu o mini-manual do guerrilheiro urbano
13 dos 15 guerrilheiros prontos para embarcar rumo ao México, no aeroporto do
Galeão.
Movimentos culturais


O tropicalismo
Movimentos culturais


Teatro de arena e teatro do oprimido
Movimentos culturais


O cinema novo
Movimentos culturais


A jovem guarda

Splish Splash = indústria
cinematográfica
Meu calhambeque = indústria
automobilística
É proibido fumar = indústria
tabagista
A copa do mundo de 1970
• Médici interfere na escolha do
técnico da seleção e na
escalação do time
• A vitória no mundial cria a
sensação de estabilidade
nacional e euforia
• O governo utiliza ampla
propaganda para legitimar seu
“O futebol é o
sucesso
ópio do povo”

Millôr Fernandes Jornalista

Carlos
Alberto

Médici
O milagre brasileiro (1970)





Amplo crescimento do PIB (11%)
Controle de preços e salários
Atração do capital estrangeiro
Aumento de importação e exportação
As Obras Faraônicas
A ponte presidente Costa e
Silva
 Participação da empresa
britânica Rothschild & Sons
A rainha Elizabeth II
participa da inauguração
das obras
Projeto estimado em U$
400 milhões
As Obras Faraônicas

A rodovia
transamazônica
projeto superfaturado
desmatou um enorme
contingente da floresta
amazônica
matou uma série de
trabalhadores
nunca foi concluída
As Obras Faraônicas
A Usina de Itaipu
Acordos entre Brasil e
Paraguai (“ata do Iguaçu”)
Gerou impactos ambientais
Custo de U$ 12 bilhões
O governo paraguaio só
ajudou com U$ 50 milhões
Efeitos do milagre
 Aumento da dívida externa
 Concentração de renda extrema
 Desproporcionalidade entre PIB e IDH
 Arrocho salarial
Tem que deixar o
bolo crescer pra
depois reparti-lo
entre todos

Delfim Neto – ministro da
fazenda
Milagre pra quem?
“Pa ra nó s , o p e rá rio s , m ila g re é c o ns e g uir s o bre vive r c o m o s
ba ix o s s a lá rio s q ue re c e be m o s . Pa ra is s o , s o m o s o brig a d o s a
tra ba lha r 1 2 a 1 3 ho ra s p o r d ia , e m uito s tra ba lha m a o s
d o m ing o s , o q ue s ig nific a , na p rá tic a , o fim d e um a d a s m a io re s
c o nq uis ta s d a c la s s e o p e rá ria : a jo rna d a d e 8 ho ra s e o d e s c a ns o
s e m a na l. ” 
(Manifesto da Oposição Metalúrgica de São
Paulo)
O esgotamento do milagre (1973)


•

1ª crise do petróleo – Guerra do Yom Kippur (“dia do perdão”
judaico)
Árabes x Israel
OPEP

EUA

• Boicote da OPEP aos países aliados dos
EUA
• Barril de petróleo – U$ 3 para U$5
O Governo Ernesto Geisel
1974 – 1979
Distensão lenta,
gradual e segura
Abertura política







Insatisfações populares + vitórias do MDB no legislativo
Revogação da censura e do AI-5
A lei falcão (1978)
Controle da propaganda eleitoral (beneficia a ARENA)
O pacote de Abril
Conjunto de decretos estabelecendo um novo calendário eleitoral
1979: eleições indiretas,
presidente militar por 6 anos



1984: eleições indiretas,
presidente civil por 5 anos

1989: eleições diretas,
presidente civil por 5 anos

Mesmo número de deputados para cada estado e ainda 1/3 do
senado reservado para indicação do governo (os “senadores
Política energética






O pró-álcool (1975)
Em resposta à crise do petróleo, incentiva-se a substituição de
combustíveis.
Acordo nuclear com a Alemanha
Proposta de construir 8 usinas nucleares até 1990
O Governo João Batista Figueiredo
1979 – 1985



Lei da Anistia (1979)
Abrangia tanto os guerrilheiros e exilados políticos, como
também os membros da repressão.

Art. 1º : É concedida anistia a todos quantos, no período compreendido entre 2 de
setembro de 1961 e 15 de agosto de 1979, cometeram crimes políticos ou conexo com
estes, crimes eleitorais, aos que tiveram seus direitos políticos suspensos e aos servidores da
Administração Direta e Indireta, de fundações vinculadas ao poder público, aos Servidores
dos Poderes Legislativo e Judiciário, aos Militares e aos dirigentes e representantes sindicais,
punidos com fundamento em Atos Institucionais e Complementares

Pode isso, Arnaldo?
Atentado da Linha Dura (30/04/1981)



Ataque frustrado = operação falha
Bomba deveria explodir no pavilhão do Riocentro durante
comemoração do dia do trabalho
O rearranjo partidário
Ulysses Guimarães

Brizola

Jânio Quadros

Lula
Eleições diretas (vereador e governador)
1982


Vitórias importantes da oposição em SP, RJ e MG

Tancredo Neves
PMDB

Franco Montoro
PMDB
Leonel Brizola
PDT
Diretas Já! (1983)


Movimento de pressão pela antecipação das eleições diretas a
presidente – emenda Dante de Oliveira.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O APARTHEID NA ÁFRICA DO SUL
O APARTHEID NA ÁFRICA DO SULO APARTHEID NA ÁFRICA DO SUL
O APARTHEID NA ÁFRICA DO SUL
Marcio Silva
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
Isabel Aguiar
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
Fábio Paiva
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
Daniel Alves Bronstrup
 
Redemocratização brasil
Redemocratização brasilRedemocratização brasil
Redemocratização brasil
Fabiana Tonsis
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
eiprofessor
 
Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
Elton Zanoni
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Edilene Ruth Pereira
 
Povos nativos da América.
Povos nativos da América.Povos nativos da América.
Povos nativos da América.
Camila Brito
 
O imperialismo estadunidense
O imperialismo estadunidenseO imperialismo estadunidense
O imperialismo estadunidense
profnelton
 
História e Cultura Africana - Aula 1 - O mundo muçulmano em África
História e Cultura Africana - Aula 1 - O mundo muçulmano em ÁfricaHistória e Cultura Africana - Aula 1 - O mundo muçulmano em África
História e Cultura Africana - Aula 1 - O mundo muçulmano em África
Mario Filho
 
Ditaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - ResumoDitaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - Resumo
Alinnie Moreira
 
O golpe de 1964
O golpe de 1964O golpe de 1964
O golpe de 1964
Edenilson Morais
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
Daniel Alves Bronstrup
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
josafaslima
 
África Colonização e Descolonização
África  Colonização e DescolonizaçãoÁfrica  Colonização e Descolonização
África Colonização e Descolonização
Rodrigo Baglini
 
Ditaduras na america latina
Ditaduras na america latinaDitaduras na america latina
Ditaduras na america latina
Isabel Aguiar
 
Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
Isaquel Silva
 
Independência da áfrica
Independência da áfricaIndependência da áfrica
Independência da áfrica
Matheus Cruz
 

Mais procurados (20)

O APARTHEID NA ÁFRICA DO SUL
O APARTHEID NA ÁFRICA DO SULO APARTHEID NA ÁFRICA DO SUL
O APARTHEID NA ÁFRICA DO SUL
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASILABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
ABOLIÇÃO E REPÚBLICA NO BRASIL
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
 
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
3º ano - Brasil de 1945 a 1964.
 
Redemocratização brasil
Redemocratização brasilRedemocratização brasil
Redemocratização brasil
 
Revolucão Francesa
Revolucão FrancesaRevolucão Francesa
Revolucão Francesa
 
Conquista e colonização da América
Conquista e colonização da AméricaConquista e colonização da América
Conquista e colonização da América
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
Povos nativos da América.
Povos nativos da América.Povos nativos da América.
Povos nativos da América.
 
O imperialismo estadunidense
O imperialismo estadunidenseO imperialismo estadunidense
O imperialismo estadunidense
 
História e Cultura Africana - Aula 1 - O mundo muçulmano em África
História e Cultura Africana - Aula 1 - O mundo muçulmano em ÁfricaHistória e Cultura Africana - Aula 1 - O mundo muçulmano em África
História e Cultura Africana - Aula 1 - O mundo muçulmano em África
 
Ditaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - ResumoDitaduras na América Latina - Resumo
Ditaduras na América Latina - Resumo
 
O golpe de 1964
O golpe de 1964O golpe de 1964
O golpe de 1964
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
 
PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917PPT - Revolução Russa de 1917
PPT - Revolução Russa de 1917
 
África Colonização e Descolonização
África  Colonização e DescolonizaçãoÁfrica  Colonização e Descolonização
África Colonização e Descolonização
 
Ditaduras na america latina
Ditaduras na america latinaDitaduras na america latina
Ditaduras na america latina
 
Descolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásiaDescolonização da áfrica e ásia
Descolonização da áfrica e ásia
 
Independência da áfrica
Independência da áfricaIndependência da áfrica
Independência da áfrica
 

Destaque

Economia Brasileira - Da Economia Cafeeira ao Plano Real
Economia Brasileira - Da Economia Cafeeira ao Plano RealEconomia Brasileira - Da Economia Cafeeira ao Plano Real
Economia Brasileira - Da Economia Cafeeira ao Plano Real
Diana Sampaio
 
Nova república brasileira
Nova república brasileiraNova república brasileira
Nova república brasileira
Gabriel Feitosa
 
Principais medidas do governo costa e silva
Principais medidas do governo costa e silvaPrincipais medidas do governo costa e silva
Principais medidas do governo costa e silva
abrao souza da silva
 
Reforma política brasileira
Reforma política brasileiraReforma política brasileira
Reforma política brasileira
Sidney Pedrosa
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
edsonfgodoy
 
Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasil
brunourbino
 
História da economia brasileira
História da economia brasileiraHistória da economia brasileira
História da economia brasileira
Thaina007
 
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do BrasilEconomia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Vinicius Spader
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
História da educação resumo
História da educação resumoHistória da educação resumo
História da educação resumo
zildamisseno
 

Destaque (11)

Economia Brasileira - Da Economia Cafeeira ao Plano Real
Economia Brasileira - Da Economia Cafeeira ao Plano RealEconomia Brasileira - Da Economia Cafeeira ao Plano Real
Economia Brasileira - Da Economia Cafeeira ao Plano Real
 
Nova república brasileira
Nova república brasileiraNova república brasileira
Nova república brasileira
 
Principais medidas do governo costa e silva
Principais medidas do governo costa e silvaPrincipais medidas do governo costa e silva
Principais medidas do governo costa e silva
 
Reforma política brasileira
Reforma política brasileiraReforma política brasileira
Reforma política brasileira
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
 
Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012Brasil ditadura militar 2012
Brasil ditadura militar 2012
 
A Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No BrasilA Ditadura Militar No Brasil
A Ditadura Militar No Brasil
 
História da economia brasileira
História da economia brasileiraHistória da economia brasileira
História da economia brasileira
 
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do BrasilEconomia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
 
Slide história da educação - pdf
Slide   história da educação - pdfSlide   história da educação - pdf
Slide história da educação - pdf
 
História da educação resumo
História da educação resumoHistória da educação resumo
História da educação resumo
 

Semelhante a A ditadura militar brasileira

Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Lú Carvalho
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Lú Carvalho
 
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASILBRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
Diego Bian Filo Moreira
 
Regime militar
Regime militarRegime militar
Regime militar
Laércio Góes
 
A ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no BrasilA ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no Brasil
Matheus Kielek
 
Música popular brasileira
Música popular brasileiraMúsica popular brasileira
Música popular brasileira
Jose Humberto Rodrigues
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985   pdfBrasil ditadura militar 1964 a 1985   pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Lú Carvalho
 
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
RobsonAbreuProfessor
 
Slides webquest
Slides webquestSlides webquest
Slides webquest
ilzeh
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Kerol Brombal
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
Daniel Alves Bronstrup
 
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
Daniel Alves Bronstrup
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
Daniel Alves Bronstrup
 
Regime militar2
Regime militar2Regime militar2
Regime militar2
Bruno E Geyse Ornelas
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
Elaine Bogo Pavani
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
João Gonçalves Macedo
 
Ditadura militar no Brasil
Ditadura militar no BrasilDitadura militar no Brasil
Ditadura militar no Brasil
Fábio Luiz de Souza
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar

Semelhante a A ditadura militar brasileira (20)

Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASILBRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
 
Regime militar
Regime militarRegime militar
Regime militar
 
A ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no BrasilA ditadura militar no Brasil
A ditadura militar no Brasil
 
Música popular brasileira
Música popular brasileiraMúsica popular brasileira
Música popular brasileira
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985   pdfBrasil ditadura militar 1964 a 1985   pdf
Brasil ditadura militar 1964 a 1985 pdf
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
3ano-ditaduraedemocracianobrasil-210929030546.pptx
 
Slides webquest
Slides webquestSlides webquest
Slides webquest
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
3º ano - Ditadura Militar e República Nova.
 
3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil3ºano ditadura e democracia no brasil
3ºano ditadura e democracia no brasil
 
Regime militar2
Regime militar2Regime militar2
Regime militar2
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 
Ditadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no BrasilDitadura Militar no Brasil
Ditadura Militar no Brasil
 
Ditadura militar no Brasil
Ditadura militar no BrasilDitadura militar no Brasil
Ditadura militar no Brasil
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 

A ditadura militar brasileira

  • 2. ALTO COMANDO REVOLUCIONÁRIO DEPUTADO RANIERI MAZZILI - 1964 - 1965
  • 3. Ato Institucional Nº 1 (AI – 1) - 1964     Eleições indiretas para presidente Cassação de parlamentares do governo Jango Afastamento de políticos e funcionários “subversivos” Intervenção na UNE, sindicatos e ligas camponesas Termo frequentemente Termo frequentemente utilizado pelos militares utilizado pelos militares para designar para designar possíveis ameaças ao possíveis ameaças ao governo, geralmente governo, geralmente tidos como comunistas tidos como comunistas Os atos institucionais foram amplamente usados pelo regime militar como forma de legalizar o aparato Os atos institucionais foram amplamente usados pelo regime militar como forma de legalizar o aparato repressivo repressivo
  • 4. Divisões entre os militares SORBONNE (OU CASTELLISTAS)  Oriundos da ESG (Escola Superior de Guerra), intelectuais ligados a 2ª guerra mundial. Tinham aproximação ideológica com os EUA, pregavam o anticomunismo e o fortalecimento do poder executivo. Acreditavam na ideia de “intervenção cirúrgica” do governo. LINHA DURA  Grupo radical, anticomunista, nacionalista e contrário a qualquer tipo de democracia. Objetivaram permanecer no poder por tempo indeterminado.
  • 6. O GOVERNO DE CASTELLO BRANCO 1964 - 1967
  • 7. Ato Institucional Nº 2 (AI – 2) - 1965     Suspensão da estabilidade de funcionários públicos Extinção de partidos políticos Lei orgânica dos partidos – bipartidarismo Autorização para fechar orgãos legislativos ARENA ARENA (Aliança Renovadora (Aliança Renovadora Nacional) Nacional) militare s MDB MDB (Movimento Democrático (Movimento Democrático Brasileiro) Brasileiro) oposição
  • 8. Quem foi pra onde?
  • 9. Mais atos institucionais     AI – 3 (FEV/1966) Eleições indiretas para governadores e indicação de prefeitos de cidades estratégicas AI – 4 (DEZ/1966) Convocação de nova assembleia constituinte para incorporar os AI’s.
  • 10. Constituição de 1967 •Fortalecimento do executivo •Emendas constitucionais a cargo exclusivo do presidente •Incorporação dos AI’s •Lei de Segurança Nacional – defesa da pátria contra uma possível “ameaça comunista” •Lei da imprensa
  • 11. PAEG (Plano de Ação Econômica Governamental)            Corte de gastos Aumento de tarifas e impostos Criação do FGTS Aumento salarial (1x por ano, abaixo da inflação) Restrição de crédito O que é bom O que é bom Arrocho salarial e desemprego para os EUA, é para os EUA, é Novos empréstimos bom para o bom para o Brasil Privatizações Brasil Renegociação da dívida externa Aproximação cada vez maior com os EUA Criação do BNH – Banco Nacional de Habitação Magalhães – Juracy ministro das relações exteriores.
  • 12. SNI – Serviço Nacional de Informação  Inteligência militar contra opositores, O SNI estabelecia uma ligação direta com as entidades federais, estaduais e municipais, além da colaboração de instituições privadas. Possuía em seus arquivos informações sigilosas e dossiês de cidadãos brasileiros e estrangeiros. O SNI se organizava de forma profissional, imprimindo relatórios sobre várias atividades da sociedade, inclusive religiosas: Ao todo há cerca de 469 livros, 15.926 iconografias, 774 documentos cartográficos, 241 micrográficos, 178 sonoros, 9 audiovisuais e 6 digitais.
  • 13. Aliança para o progresso   Linha de crédito para investimentos Construção da Vila Aliança e Vila Kennedy O contexto da Guerra Fria aproximou O contexto da Guerra Fria aproximou diplomaticamente os EUA do Brasil: diplomaticamente os EUA do Brasil: transferindo investimentos para cá, a transferindo investimentos para cá, a ameaça comunista poderia ser banida ameaça comunista poderia ser banida do país com segurança do país com segurança EUA
  • 14. A Frente Ampla JK + Jango + Carlos Lacerda se unem contra o governo, exigindo a redemocratização A ideia de “intervenção cirúrgica” do governo se A ideia de “intervenção cirúrgica” do governo se desfaz desfaz Lacerd a JK
  • 15. O GOVERNO COSTA E SILVA Os anos de chumbo (1967 – 1969)
  • 16. Crescimento de movimentos de oposição Contexto internacional Maio de 68 na Maio de 68 na França França Movimento Movimento feminista feminista Woodstoc Woodstoc kk Movimentos Civis nos Movimentos Civis nos EUA EUA
  • 17. 1968: um ano crítico Morte do estudante Morte do estudante secundarista Edson Luis secundarista Edson Luis no Restaurante no Restaurante Calabouço Calabouço
  • 18. Manchete do Jornal Manchete do Jornal dos Sports dos Sports
  • 19. Polícia cerca a candelária e Polícia cerca a candelária e confronta protestantes na confronta protestantes na missa de sétimo dia de missa de sétimo dia de Edson Luís Edson Luís
  • 20. Greves de trabalhadores em Osasco e Greves de trabalhadores em Osasco e Contagem Contagem
  • 21. Passeata dos Cem Mil Passeata dos Cem Mil (RJ) (RJ)
  • 22. Discurso de Márcio Moreira Alves (2/09/1968)  O deputado incentiva a população a não comemorar o 7 de setembro  Aconselha às mulheres a não namorarem membros das forças armadas
  • 23. Ato Institucional Nº 5 (AI – 5) - 1968  • • • • • • O mais brutal instrumento repressivo da ditadura militar Fechamento do poder legislativo Suspensão de direitos políticos e individuais – habeas corpus Intervenção em Estados e Municípios Pena de morte e prisão perpétua Censura prévia Prazo de validade indeterminado
  • 24. O Governo Emílio Médici 1969 – 1974
  • 25. Ampliação do aparato repressor  DOI-CODI (Destacamento de operações e informações / Comando de operações e defesa interna)  O DOI-CODI surgiu a partir da Operação Bandeirante (OBAN), criada em 1969 em São Paulo, com o objetivo de coordenar e integrar as ações dos órgãos de repressão a indivíduos ou organizações (mais especificamente os grupos da esquerda armada) que representassem ameaça à manutenção da segurança interna.
  • 26.
  • 27.  DOPS (Departamento de Ordem Pública e Social)  Criado para manter o controle do cidadão e vigiar as manifestações políticas na ditadura pós-64 instaurada pelos militares no Brasil.  O DOPS perseguia, acima de tudo, as atividades intelectuais, sociais, políticas w partidárias de cunho comunista.  O órgão em São Paulo foi fundado em 1924 e teve vários nomes (delegacia, superintendência), até ser extinto no início de 1983. A sua designação no período final era Deops – Departamento Estadual de Ordem Política e Social, como consta em seus arquivos. Contudo, a sigla "Dops" é a que ficou na história.
  • 28. CCC (Comando de Caça ao Comunismo) o CCC, algumas vezes identificado como Comando de Caça aos Estudantes Comunistas, tem sua origem antes mesmo da ditadura militar. O grupo foi formado para combater os defensores da ideologia comunista e suas manifestações, sendo que entre os integrantes do Comando estavam estudantes e intelectuais. Segundo relatos, quando ocorreu o golpe militar no Brasil, os integrantes do CCC invadiram a Rádio MEC, no Rio de Janeiro, e destruíram tudo que encontraram pela frente. Marcando-se então como a primeira ação oficial do grupo como defensores da ditadura militar.
  • 29. O conflito na rua Maria Antônia (SP)
  • 30. A ação dos movimentos guerrilheiros  VPR – Vanguarda Popular Revolucionária  Liderada pelo ex-capitão Carlos Lamarca, morto em 1971
  • 31. Sequestro do embaixador suíço Enrico Bucher (1970) Capturado no RJ, o embaixador ficou sob posse de Lamarca e seus companheiros por mais de 1 mês. Exigiram como recompensa, a liberdade de 70 presos políticos,  Como adendo, queriam também o congelamento geral dos preços por noventa dias e a liberação das roletas nas estações de trem do Rio de Janeiro. Na época, foi o mais alto preço cobrado pela libertação de um diplomata sequestrado O governo se negou a libertar 13 dos 70 presos, gerando conflitos nas negociações, Bucher quase é morto pelos sequestradores e é salvo por intervenção de Lamarca. Bucher aproximou-se muito de Lamarca nesse período e ao ser solto, não delatou nenhum membro da guerrilha nos interrogatórios.
  • 32. A ação dos movimentos guerrilheiros Guerrilha do Araguaia  Atuou um TO, AM e MA, com liderança de Orlando da Costa (PC do B)
  • 33. A ação dos movimentos guerrilheiros  ALN – Aliança Libertadora Nacional  Liderada por Carlos Marighella, morto em 1969.  Escreveu o mini-manual do guerrilheiro urbano
  • 34.
  • 35. 13 dos 15 guerrilheiros prontos para embarcar rumo ao México, no aeroporto do Galeão.
  • 37. Movimentos culturais  Teatro de arena e teatro do oprimido
  • 39. Movimentos culturais  A jovem guarda Splish Splash = indústria cinematográfica Meu calhambeque = indústria automobilística É proibido fumar = indústria tabagista
  • 40. A copa do mundo de 1970 • Médici interfere na escolha do técnico da seleção e na escalação do time • A vitória no mundial cria a sensação de estabilidade nacional e euforia • O governo utiliza ampla propaganda para legitimar seu “O futebol é o sucesso ópio do povo” Millôr Fernandes Jornalista Carlos Alberto Médici
  • 41. O milagre brasileiro (1970)     Amplo crescimento do PIB (11%) Controle de preços e salários Atração do capital estrangeiro Aumento de importação e exportação
  • 42. As Obras Faraônicas A ponte presidente Costa e Silva  Participação da empresa britânica Rothschild & Sons A rainha Elizabeth II participa da inauguração das obras Projeto estimado em U$ 400 milhões
  • 43. As Obras Faraônicas A rodovia transamazônica projeto superfaturado desmatou um enorme contingente da floresta amazônica matou uma série de trabalhadores nunca foi concluída
  • 44. As Obras Faraônicas A Usina de Itaipu Acordos entre Brasil e Paraguai (“ata do Iguaçu”) Gerou impactos ambientais Custo de U$ 12 bilhões O governo paraguaio só ajudou com U$ 50 milhões
  • 45. Efeitos do milagre  Aumento da dívida externa  Concentração de renda extrema  Desproporcionalidade entre PIB e IDH  Arrocho salarial Tem que deixar o bolo crescer pra depois reparti-lo entre todos Delfim Neto – ministro da fazenda
  • 46. Milagre pra quem? “Pa ra nó s , o p e rá rio s , m ila g re é c o ns e g uir s o bre vive r c o m o s ba ix o s s a lá rio s q ue re c e be m o s . Pa ra is s o , s o m o s o brig a d o s a tra ba lha r 1 2 a 1 3 ho ra s p o r d ia , e m uito s tra ba lha m a o s d o m ing o s , o q ue s ig nific a , na p rá tic a , o fim d e um a d a s m a io re s c o nq uis ta s d a c la s s e o p e rá ria : a jo rna d a d e 8 ho ra s e o d e s c a ns o s e m a na l. ”  (Manifesto da Oposição Metalúrgica de São Paulo)
  • 47. O esgotamento do milagre (1973)  • 1ª crise do petróleo – Guerra do Yom Kippur (“dia do perdão” judaico) Árabes x Israel OPEP EUA • Boicote da OPEP aos países aliados dos EUA • Barril de petróleo – U$ 3 para U$5
  • 48. O Governo Ernesto Geisel 1974 – 1979 Distensão lenta, gradual e segura
  • 49. Abertura política       Insatisfações populares + vitórias do MDB no legislativo Revogação da censura e do AI-5 A lei falcão (1978) Controle da propaganda eleitoral (beneficia a ARENA) O pacote de Abril Conjunto de decretos estabelecendo um novo calendário eleitoral 1979: eleições indiretas, presidente militar por 6 anos  1984: eleições indiretas, presidente civil por 5 anos 1989: eleições diretas, presidente civil por 5 anos Mesmo número de deputados para cada estado e ainda 1/3 do senado reservado para indicação do governo (os “senadores
  • 50. Política energética     O pró-álcool (1975) Em resposta à crise do petróleo, incentiva-se a substituição de combustíveis. Acordo nuclear com a Alemanha Proposta de construir 8 usinas nucleares até 1990
  • 51. O Governo João Batista Figueiredo 1979 – 1985
  • 52.   Lei da Anistia (1979) Abrangia tanto os guerrilheiros e exilados políticos, como também os membros da repressão. Art. 1º : É concedida anistia a todos quantos, no período compreendido entre 2 de setembro de 1961 e 15 de agosto de 1979, cometeram crimes políticos ou conexo com estes, crimes eleitorais, aos que tiveram seus direitos políticos suspensos e aos servidores da Administração Direta e Indireta, de fundações vinculadas ao poder público, aos Servidores dos Poderes Legislativo e Judiciário, aos Militares e aos dirigentes e representantes sindicais, punidos com fundamento em Atos Institucionais e Complementares Pode isso, Arnaldo?
  • 53. Atentado da Linha Dura (30/04/1981)   Ataque frustrado = operação falha Bomba deveria explodir no pavilhão do Riocentro durante comemoração do dia do trabalho
  • 54. O rearranjo partidário Ulysses Guimarães Brizola Jânio Quadros Lula
  • 55. Eleições diretas (vereador e governador) 1982  Vitórias importantes da oposição em SP, RJ e MG Tancredo Neves PMDB Franco Montoro PMDB Leonel Brizola PDT
  • 56. Diretas Já! (1983)  Movimento de pressão pela antecipação das eleições diretas a presidente – emenda Dante de Oliveira.