SlideShare uma empresa Scribd logo
A concepção de contos estudada
na obra de J. K. Rowling “Os contos
de Beedle, o Bardo”
In:
http://isuba.s8.com.br/produtos/01/00/item/6750/7
/6750731SZ.jpg
A autora J. K. Rowling é
mundialmente conhecida por sua
grande obra de 7 livros e que
resultou na série de 8 filmes em
que Harry Potter é o personagem
principal.
Durante o último livro da série, J. K.
Rowling usa a citação do livro “Os
contos de Beedle, o Bardo” como
as instruções que Dumbledore
oferece aos amigos Harry,
Hermione e Rony sobre como
destruir “Aquele-que-não-deve-
ser-nomeado”.
Durante uma visita ao pai de uma
de suas amigas, o sr. Lovegood, os
três discutem sobre o conto
intitulado “O conto do três irmãos”
que se encontra disponível no livro
“Os contos de Beedle o Bardo” em
suas páginas 85 a 91.
Os contos são as formas literárias
presentes durante grande parte da
vida dos estudantes. Muitas mães
divertem seus filhos pequenos com
esse tipo de texto.
Assim sendo, quando iniciam sua
vida escolar, as crianças já
conhecem histórias e podem
interferir no desenvolvimento das
aulas. No entanto, é só nos últimos
anos do ensino fundamental que o
aluno terá contato com a definição
de conto.
O próximo slide apresentará uma
das definições para conto.
Os contos, assim como as lendas, os mitos e as fábulas são tipos de narrativas
originárias desde as mais antigas civilizações. Esses povos, através das histórias que
contavam, passavam ensinamentos e preservavam sua cultura. Graças à tradição oral
e, mais tarde, ao texto impresso, a arte de contar histórias foi passada de geração a
geração, constituindo, até os dias de hoje, importantes fontes de informações para
entendermos a história das civilizações. Dentro deste contexto é importante perceber
o trabalho dos compiladores desse gênero literário que, até então, se mantinha no
ideário popular, como: Homero com sua Odisséia (poeta grego – séc. VIII a.C.; Charles
Perrault (França – séc. XVIII); os irmãos Grimm (Jacob e Wilhelm – Alemanha - séc.
XVIII) e tantos outros, pois, esses escritos, além de preservar a memória histórica de
um povo, emocionam, por lidar com o imaginário, divertem, criam suspense, mostram
verdades e revelam sentimentos e valores de uma época.
Em cada país, surgiram novas modalidades de contos, regidos de acordo com a época
e os movimentos artísticos que este momento histórico-cultural provocou e
adquiriram forma literária e estética. Assim, leem-se hoje, contos de amor, de humor,
contos fantásticos, de mistério e terror, contos realistas, psicológicos, sombrios, todos
com estilos próprios daqueles que os escreveram.
Fonte: http://www.smec.salvador.ba.gov.br/site/documentos/espaco-virtual/espaco-
cenap/publicacoes/caderno%20de%20Apoio%20a%20pratica%20pedagogica%20cont
os%20classicos%20mitologicos%20e%20modernos.pdf
No contexto da história os contos
fazem parte do ideário infantil, das
histórias contadas a eles durante a
infância com o intuito de entreter ou
até mesmo ensinar algumas lições,
Harry Potter não conhece o texto pois
fora criado fora do mundo bruxo e
com isso conhece apenas a realidade
dos homens comuns conhecidos como
“trouxas”.
Aquela tarde é a primeira vez que
ele tem contato com a história, ao
passo que Rony e Hermione já a
conheciam.
Os contos, como citado anteriormente,
são pequenos textos, com poucos
personagens e que normalmente eram
passados oralmente entre as gerações.
Para criar então uma história mais
verídica, a autora “inventa” contos
infantis para criar um pano de fundo
para sua história maior.
Entre eles: O bruxo e o
caldeirão saltitante, a fonte da
sorte, o coração peludo do mago,
Babbitty, a coelha e seu toco
gargalhante.
A história do “Conto dos Três
Irmãos” é apresentada a seguir,
mas também pode ser encontrada
no filme “Harry Potter e as
Relíquias da Morte” Parte 2:
http://fadehharrypotter.blogspot.com.br/2013/06/o-conto-dos-tres-irmaos.html
A concepção de contos estudada na obra de J. K. Rowling
Era uma vez três irmãos que
estavam viajando por uma estrada
deserta e tortuosa ao anoitecer...
Depois de algum tempo, os irmãos
chegaram a um rio fundo demais
para vadear e perigoso demais
para atravessar a nado.
Os irmãos, porém, eram versados
em magia, então simplesmente
agitaram as mãos e fizeram
aparecer uma ponte sobre as
águas traiçoeiras. Já estavam na
metade da travessia quando viram
o caminho bloqueado por um vulto
encapuzado.
E a Morte falou. Estava zangada
por terem lhe roubado três vítimas,
porque o normal era os viajantes se
afogarem no rio. Mas a morte foi
astuta. Fingiu cumprimentar os três
irmãos por sua magia, e disse que cada
um ganhara um prêmio por ter sido
inteligente o bastante para lhe escapar.
Então, o irmão mais velho, que
era um homem combativo, pediu a
varinha mais poderosa que
existisse: uma varinha que sempre
vencesse os duelos para seu dono,
uma varinha digna de um bruxo
que derrotara a Morte!
Ela atravessou a ponte e se
dirigiu a um vetusto sabugueiro na
margem do rio, fabricou uma
varinha de um galho da árvore e
entregou-a ao irmão mais velho.
Então, o segundo irmão, que
era um homem arrogante, resolveu
humilhar ainda mais a Morte e
pediu o poder de restituir a vida
aos que ela levara. Então a Morte
apanhou uma pedra da margem do
rio e entregou-a ao segundo irmão,
dizendo-lhe que a pedra tinha o
poder de ressuscitar os mortos.
Então, a Morte perguntou ao
terceiro e mais moço dos irmãos o que
queria. O mais moço era o mais
humilde também o mais sábio dos
irmãos, e não confiou na Morte. Pediu,
então, algo que lhe permitisse sair
daquele lugar sem ser seguido por ela.
E a Morte, de má vontade lhe
entregou a própria capa da
invisibilidade.
Então, a Morte se afastou para o
lado e deixou os três irmãos
continuarem a viagem e foi o que
eles fizeram, comentando,
assombrados, a aventura que
tinhas vivido e admirando os
presentes da morte.
No devido tempo, os irmãos se
separaram, cada um tomou um
destino diferente.
O primeiro irmão viajou uma semana
ou mais e ao chegar a uma aldeia
distante, procurou um colega bruxo
com quem tivera uma briga. Armado
com a varinha de sabugueiro, a
varinha das varinhas, ele não poderia
deixar de vencer o duelo que se
seguiu.
Deixando o inimigo morto no chão,
o irmão mais velho dirigiu-se a
uma estalagem, onde se gabou, em
altas vozes, da poderosa varinha
que arrebatara da própria morte. E
de que a arma o tornava
invencível.
Na mesma noite, outro bruxo
aproximou-se sorrateiramente do
irmão mais velho enquanto dormia
em sua cama, embriagado pelo
vinho. O ladrão levou a varinha e,
para se garantir, cortou a garganta
do irmão mais velho.
Assim, a Morte levou o
primeiro irmão.
Entrementes, o segundo irmão
viajou para a própria casa, onde vivia
sozinho. Ali, tomou a pedra que tinha
o poder de ressuscitar os mortos e
virou-a três vezes na mão. Para sua
surpresa e alegria, a figura de uma
moça que tivera a esperança de
desposar antes de sua morte precoce
surgiu instantaneamente diante dele.
Contudo, ela estava triste e fria,
como que separada dele por um véu.
Embora tivesse retornado ao mundo
dos mortais, seu lugar não era ali, e ela
sofria. Diante disso, o segundo irmão,
enlouquecido pelo desesperado
desejo, matou-se para poder
verdadeiramente se unir a ela.
Assim, a Morte levou o segundo
irmão.
Embora a Morte procurasse o
terceiro irmão durante muitos anos,
jamais conseguiu encontra-lo.
Somente quando atingiu uma idade
avançada foi que o irmão mais moço
despiu a Capa da Invisibilidade e deu-a
de presente ao filho. Acolheu, então a
Morte como uma velha amiga e
acompanhou-a de bom grado, e,
iguais, partiram desta vida.
FIM
Para o conhecimento do conceito
de conto, pode-se contar com a
evolução da literatura e aproveitar
as novidades que interessam aos
jovens.
Autora: Ana Lúcia Duarte
Professora de Língua Portuguesa.
Créditos nos slides.
Obrigada.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revista Literatura e Música-Especial livro Black Wings
Revista Literatura e Música-Especial livro Black WingsRevista Literatura e Música-Especial livro Black Wings
Revista Literatura e Música-Especial livro Black Wings
Raquel Alves
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestina Felicidade clandestina
Felicidade clandestina
Escola Estadual Joaquim Abarca -
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestina
Seed - PR
 
Ana caroline
Ana carolineAna caroline
Ana caroline
Silvia Fernandes
 
A tribuna alma
A tribuna almaA tribuna alma
A tribuna alma
Carlota Cafiero
 
Paulo Barros, um exímio contista
Paulo Barros, um exímio contistaPaulo Barros, um exímio contista
Paulo Barros, um exímio contista
César Oliveira
 
Clarice lispector
Clarice lispector Clarice lispector
Clarice lispector
Luciano Ferraz
 
Contosfluminenses
ContosfluminensesContosfluminenses
Contosfluminenses
Joao Maria John Sincero
 
O cavaleiro sem cabeça rodrigo
O cavaleiro sem cabeça   rodrigoO cavaleiro sem cabeça   rodrigo
O cavaleiro sem cabeça rodrigo
fantas45
 
Milagrário pessoal
Milagrário pessoalMilagrário pessoal
Milagrário pessoal
Thepatriciamartins12
 
Dia das mulheres
Dia das mulheresDia das mulheres
Contacto março 2014
Contacto  março 2014Contacto  março 2014
Contacto março 2014
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Em petiz de tarde
Em petiz   de tardeEm petiz   de tarde
Em petiz de tarde
aramalho340
 
Rei Arthur
Rei ArthurRei Arthur
Rei Arthur
liviafariaa
 
Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didática
MEROLAY MARIA MICHELS
 
Clarice na Cabeceira - Crônicas
Clarice na Cabeceira - CrônicasClarice na Cabeceira - Crônicas
Clarice na Cabeceira - Crônicas
GQ Shows e Eventos
 
Lispector, c. clarice na cabeceira
Lispector, c. clarice na cabeceiraLispector, c. clarice na cabeceira
Lispector, c. clarice na cabeceira
Juliane Cristine
 
59 sexta categoria - segundo subgrupo - caso 05
59   sexta categoria - segundo subgrupo - caso 0559   sexta categoria - segundo subgrupo - caso 05
59 sexta categoria - segundo subgrupo - caso 05
Fatoze
 
85 16-05094-7
85 16-05094-785 16-05094-7
85 16-05094-7
Suraia El-kaddoum
 
Lit rubem fonseca
Lit rubem fonsecaLit rubem fonseca
Lit rubem fonseca
Natiely Faedo
 

Mais procurados (20)

Revista Literatura e Música-Especial livro Black Wings
Revista Literatura e Música-Especial livro Black WingsRevista Literatura e Música-Especial livro Black Wings
Revista Literatura e Música-Especial livro Black Wings
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestina Felicidade clandestina
Felicidade clandestina
 
Felicidade clandestina
Felicidade clandestinaFelicidade clandestina
Felicidade clandestina
 
Ana caroline
Ana carolineAna caroline
Ana caroline
 
A tribuna alma
A tribuna almaA tribuna alma
A tribuna alma
 
Paulo Barros, um exímio contista
Paulo Barros, um exímio contistaPaulo Barros, um exímio contista
Paulo Barros, um exímio contista
 
Clarice lispector
Clarice lispector Clarice lispector
Clarice lispector
 
Contosfluminenses
ContosfluminensesContosfluminenses
Contosfluminenses
 
O cavaleiro sem cabeça rodrigo
O cavaleiro sem cabeça   rodrigoO cavaleiro sem cabeça   rodrigo
O cavaleiro sem cabeça rodrigo
 
Milagrário pessoal
Milagrário pessoalMilagrário pessoal
Milagrário pessoal
 
Dia das mulheres
Dia das mulheresDia das mulheres
Dia das mulheres
 
Contacto março 2014
Contacto  março 2014Contacto  março 2014
Contacto março 2014
 
Em petiz de tarde
Em petiz   de tardeEm petiz   de tarde
Em petiz de tarde
 
Rei Arthur
Rei ArthurRei Arthur
Rei Arthur
 
Sequência didática
Sequência didáticaSequência didática
Sequência didática
 
Clarice na Cabeceira - Crônicas
Clarice na Cabeceira - CrônicasClarice na Cabeceira - Crônicas
Clarice na Cabeceira - Crônicas
 
Lispector, c. clarice na cabeceira
Lispector, c. clarice na cabeceiraLispector, c. clarice na cabeceira
Lispector, c. clarice na cabeceira
 
59 sexta categoria - segundo subgrupo - caso 05
59   sexta categoria - segundo subgrupo - caso 0559   sexta categoria - segundo subgrupo - caso 05
59 sexta categoria - segundo subgrupo - caso 05
 
85 16-05094-7
85 16-05094-785 16-05094-7
85 16-05094-7
 
Lit rubem fonseca
Lit rubem fonsecaLit rubem fonseca
Lit rubem fonseca
 

Semelhante a A concepção de contos estudada na obra de J. K. Rowling

Papeis Avulsos (TRABALHO)
Papeis Avulsos (TRABALHO)Papeis Avulsos (TRABALHO)
Papeis Avulsos (TRABALHO)
1701001701
 
Luis Sepúlveda
Luis SepúlvedaLuis Sepúlveda
Luis Sepúlveda
Isabel Martins
 
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisTrabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Marcus Rodrigues
 
PESQUISA DE LIVROS de Mulheres atuais latinas
PESQUISA DE LIVROS de Mulheres atuais latinasPESQUISA DE LIVROS de Mulheres atuais latinas
PESQUISA DE LIVROS de Mulheres atuais latinas
CaioVitor52
 
Leitura+
Leitura+Leitura+
Leitura+
BibliotecaESDS
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
Teresa Pombo
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
Teresa Pombo
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
Ana Borges
 
Noite na taverna - análise
Noite na taverna - análiseNoite na taverna - análise
Noite na taverna - análise
jasonrplima
 
Análise de contos de fada branca de neve
Análise de contos de fada   branca de neveAnálise de contos de fada   branca de neve
Análise de contos de fada branca de neve
Ana Faracini
 
Sinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiro
Susana Frikh
 
Obras do Plano Nacional de Leitura
Obras do Plano Nacional de LeituraObras do Plano Nacional de Leitura
Obras do Plano Nacional de Leitura
Paula Morgado
 
Contacto março 2014
Contacto   março 2014Contacto   março 2014
Contacto março 2014
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Monstros de Nossa Juventude
Monstros de Nossa JuventudeMonstros de Nossa Juventude
Monstros de Nossa Juventude
momengtonoticia
 
10 livros essenciais
10 livros essenciais10 livros essenciais
10 livros essenciais
Wallace Truyts
 
Famosos do século XX
Famosos do século XXFamosos do século XX
Famosos do século XX
momengtonoticia
 
Bram stoker -_o_monstro_branco
Bram stoker -_o_monstro_brancoBram stoker -_o_monstro_branco
Bram stoker -_o_monstro_branco
Ariovaldo Cunha
 
OLHOS D'ÁGUA DE CONCEIÇÃO EVARISTO.pptx
OLHOS D'ÁGUA DE CONCEIÇÃO EVARISTO.pptxOLHOS D'ÁGUA DE CONCEIÇÃO EVARISTO.pptx
OLHOS D'ÁGUA DE CONCEIÇÃO EVARISTO.pptx
MarcelaPrates5
 
literatura infantil
literatura infantilliteratura infantil
literatura infantil
JAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedo
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedoAnálise de noite na taverna, de álvares de azevedo
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedo
ma.no.el.ne.ves
 

Semelhante a A concepção de contos estudada na obra de J. K. Rowling (20)

Papeis Avulsos (TRABALHO)
Papeis Avulsos (TRABALHO)Papeis Avulsos (TRABALHO)
Papeis Avulsos (TRABALHO)
 
Luis Sepúlveda
Luis SepúlvedaLuis Sepúlveda
Luis Sepúlveda
 
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos ReisTrabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
Trabalho de Marcus Vinicius Rodrigues dos Reis
 
PESQUISA DE LIVROS de Mulheres atuais latinas
PESQUISA DE LIVROS de Mulheres atuais latinasPESQUISA DE LIVROS de Mulheres atuais latinas
PESQUISA DE LIVROS de Mulheres atuais latinas
 
Leitura+
Leitura+Leitura+
Leitura+
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
 
Sugestões PNL
Sugestões PNLSugestões PNL
Sugestões PNL
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
 
Noite na taverna - análise
Noite na taverna - análiseNoite na taverna - análise
Noite na taverna - análise
 
Análise de contos de fada branca de neve
Análise de contos de fada   branca de neveAnálise de contos de fada   branca de neve
Análise de contos de fada branca de neve
 
Sinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiro
 
Obras do Plano Nacional de Leitura
Obras do Plano Nacional de LeituraObras do Plano Nacional de Leitura
Obras do Plano Nacional de Leitura
 
Contacto março 2014
Contacto   março 2014Contacto   março 2014
Contacto março 2014
 
Monstros de Nossa Juventude
Monstros de Nossa JuventudeMonstros de Nossa Juventude
Monstros de Nossa Juventude
 
10 livros essenciais
10 livros essenciais10 livros essenciais
10 livros essenciais
 
Famosos do século XX
Famosos do século XXFamosos do século XX
Famosos do século XX
 
Bram stoker -_o_monstro_branco
Bram stoker -_o_monstro_brancoBram stoker -_o_monstro_branco
Bram stoker -_o_monstro_branco
 
OLHOS D'ÁGUA DE CONCEIÇÃO EVARISTO.pptx
OLHOS D'ÁGUA DE CONCEIÇÃO EVARISTO.pptxOLHOS D'ÁGUA DE CONCEIÇÃO EVARISTO.pptx
OLHOS D'ÁGUA DE CONCEIÇÃO EVARISTO.pptx
 
literatura infantil
literatura infantilliteratura infantil
literatura infantil
 
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedo
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedoAnálise de noite na taverna, de álvares de azevedo
Análise de noite na taverna, de álvares de azevedo
 

Último

Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 

Último (20)

Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 

A concepção de contos estudada na obra de J. K. Rowling

  • 1. A concepção de contos estudada na obra de J. K. Rowling “Os contos de Beedle, o Bardo” In: http://isuba.s8.com.br/produtos/01/00/item/6750/7 /6750731SZ.jpg
  • 2. A autora J. K. Rowling é mundialmente conhecida por sua grande obra de 7 livros e que resultou na série de 8 filmes em que Harry Potter é o personagem principal.
  • 3. Durante o último livro da série, J. K. Rowling usa a citação do livro “Os contos de Beedle, o Bardo” como as instruções que Dumbledore oferece aos amigos Harry, Hermione e Rony sobre como destruir “Aquele-que-não-deve- ser-nomeado”.
  • 4. Durante uma visita ao pai de uma de suas amigas, o sr. Lovegood, os três discutem sobre o conto intitulado “O conto do três irmãos” que se encontra disponível no livro “Os contos de Beedle o Bardo” em suas páginas 85 a 91.
  • 5. Os contos são as formas literárias presentes durante grande parte da vida dos estudantes. Muitas mães divertem seus filhos pequenos com esse tipo de texto.
  • 6. Assim sendo, quando iniciam sua vida escolar, as crianças já conhecem histórias e podem interferir no desenvolvimento das aulas. No entanto, é só nos últimos anos do ensino fundamental que o aluno terá contato com a definição de conto.
  • 7. O próximo slide apresentará uma das definições para conto.
  • 8. Os contos, assim como as lendas, os mitos e as fábulas são tipos de narrativas originárias desde as mais antigas civilizações. Esses povos, através das histórias que contavam, passavam ensinamentos e preservavam sua cultura. Graças à tradição oral e, mais tarde, ao texto impresso, a arte de contar histórias foi passada de geração a geração, constituindo, até os dias de hoje, importantes fontes de informações para entendermos a história das civilizações. Dentro deste contexto é importante perceber o trabalho dos compiladores desse gênero literário que, até então, se mantinha no ideário popular, como: Homero com sua Odisséia (poeta grego – séc. VIII a.C.; Charles Perrault (França – séc. XVIII); os irmãos Grimm (Jacob e Wilhelm – Alemanha - séc. XVIII) e tantos outros, pois, esses escritos, além de preservar a memória histórica de um povo, emocionam, por lidar com o imaginário, divertem, criam suspense, mostram verdades e revelam sentimentos e valores de uma época. Em cada país, surgiram novas modalidades de contos, regidos de acordo com a época e os movimentos artísticos que este momento histórico-cultural provocou e adquiriram forma literária e estética. Assim, leem-se hoje, contos de amor, de humor, contos fantásticos, de mistério e terror, contos realistas, psicológicos, sombrios, todos com estilos próprios daqueles que os escreveram. Fonte: http://www.smec.salvador.ba.gov.br/site/documentos/espaco-virtual/espaco- cenap/publicacoes/caderno%20de%20Apoio%20a%20pratica%20pedagogica%20cont os%20classicos%20mitologicos%20e%20modernos.pdf
  • 9. No contexto da história os contos fazem parte do ideário infantil, das histórias contadas a eles durante a infância com o intuito de entreter ou até mesmo ensinar algumas lições, Harry Potter não conhece o texto pois fora criado fora do mundo bruxo e com isso conhece apenas a realidade dos homens comuns conhecidos como “trouxas”.
  • 10. Aquela tarde é a primeira vez que ele tem contato com a história, ao passo que Rony e Hermione já a conheciam.
  • 11. Os contos, como citado anteriormente, são pequenos textos, com poucos personagens e que normalmente eram passados oralmente entre as gerações. Para criar então uma história mais verídica, a autora “inventa” contos infantis para criar um pano de fundo para sua história maior.
  • 12. Entre eles: O bruxo e o caldeirão saltitante, a fonte da sorte, o coração peludo do mago, Babbitty, a coelha e seu toco gargalhante.
  • 13. A história do “Conto dos Três Irmãos” é apresentada a seguir, mas também pode ser encontrada no filme “Harry Potter e as Relíquias da Morte” Parte 2:
  • 16. Era uma vez três irmãos que estavam viajando por uma estrada deserta e tortuosa ao anoitecer... Depois de algum tempo, os irmãos chegaram a um rio fundo demais para vadear e perigoso demais para atravessar a nado.
  • 17. Os irmãos, porém, eram versados em magia, então simplesmente agitaram as mãos e fizeram aparecer uma ponte sobre as águas traiçoeiras. Já estavam na metade da travessia quando viram o caminho bloqueado por um vulto encapuzado.
  • 18. E a Morte falou. Estava zangada por terem lhe roubado três vítimas, porque o normal era os viajantes se afogarem no rio. Mas a morte foi astuta. Fingiu cumprimentar os três irmãos por sua magia, e disse que cada um ganhara um prêmio por ter sido inteligente o bastante para lhe escapar.
  • 19. Então, o irmão mais velho, que era um homem combativo, pediu a varinha mais poderosa que existisse: uma varinha que sempre vencesse os duelos para seu dono, uma varinha digna de um bruxo que derrotara a Morte!
  • 20. Ela atravessou a ponte e se dirigiu a um vetusto sabugueiro na margem do rio, fabricou uma varinha de um galho da árvore e entregou-a ao irmão mais velho.
  • 21. Então, o segundo irmão, que era um homem arrogante, resolveu humilhar ainda mais a Morte e pediu o poder de restituir a vida aos que ela levara. Então a Morte apanhou uma pedra da margem do rio e entregou-a ao segundo irmão, dizendo-lhe que a pedra tinha o poder de ressuscitar os mortos.
  • 22. Então, a Morte perguntou ao terceiro e mais moço dos irmãos o que queria. O mais moço era o mais humilde também o mais sábio dos irmãos, e não confiou na Morte. Pediu, então, algo que lhe permitisse sair daquele lugar sem ser seguido por ela. E a Morte, de má vontade lhe entregou a própria capa da invisibilidade.
  • 23. Então, a Morte se afastou para o lado e deixou os três irmãos continuarem a viagem e foi o que eles fizeram, comentando, assombrados, a aventura que tinhas vivido e admirando os presentes da morte.
  • 24. No devido tempo, os irmãos se separaram, cada um tomou um destino diferente. O primeiro irmão viajou uma semana ou mais e ao chegar a uma aldeia distante, procurou um colega bruxo com quem tivera uma briga. Armado com a varinha de sabugueiro, a varinha das varinhas, ele não poderia deixar de vencer o duelo que se seguiu.
  • 25. Deixando o inimigo morto no chão, o irmão mais velho dirigiu-se a uma estalagem, onde se gabou, em altas vozes, da poderosa varinha que arrebatara da própria morte. E de que a arma o tornava invencível.
  • 26. Na mesma noite, outro bruxo aproximou-se sorrateiramente do irmão mais velho enquanto dormia em sua cama, embriagado pelo vinho. O ladrão levou a varinha e, para se garantir, cortou a garganta do irmão mais velho. Assim, a Morte levou o primeiro irmão.
  • 27. Entrementes, o segundo irmão viajou para a própria casa, onde vivia sozinho. Ali, tomou a pedra que tinha o poder de ressuscitar os mortos e virou-a três vezes na mão. Para sua surpresa e alegria, a figura de uma moça que tivera a esperança de desposar antes de sua morte precoce surgiu instantaneamente diante dele.
  • 28. Contudo, ela estava triste e fria, como que separada dele por um véu. Embora tivesse retornado ao mundo dos mortais, seu lugar não era ali, e ela sofria. Diante disso, o segundo irmão, enlouquecido pelo desesperado desejo, matou-se para poder verdadeiramente se unir a ela. Assim, a Morte levou o segundo irmão.
  • 29. Embora a Morte procurasse o terceiro irmão durante muitos anos, jamais conseguiu encontra-lo. Somente quando atingiu uma idade avançada foi que o irmão mais moço despiu a Capa da Invisibilidade e deu-a de presente ao filho. Acolheu, então a Morte como uma velha amiga e acompanhou-a de bom grado, e, iguais, partiram desta vida.
  • 30. FIM
  • 31. Para o conhecimento do conceito de conto, pode-se contar com a evolução da literatura e aproveitar as novidades que interessam aos jovens.
  • 32. Autora: Ana Lúcia Duarte Professora de Língua Portuguesa. Créditos nos slides. Obrigada.