SlideShare uma empresa Scribd logo
1
SEF - Sociedade Espírita Fraternidade
Estudo Teórico-Prático da Doutrina Espírita
Ä A Prece:
A quem conteste a eficácia da Prece. Dizem: conhecendo Deus as nossas
necessidades, inútil se torna mostrá-la.
A verdade é que a prece proporciona a quem ora, um bem estar incalculável já
que aproxima a Criatura do Criador.
“A prece é o orvalho Divino que aplaca o calor excessivo das paixões”.
Não existe qualquer fórmula para orar.
O Espiritismo reconhece como boas as preces de todos os cultos, quando
ditas de coração e não somente com os lábios.
A qualidade da prece é ser clara simples e concisa.
A prece pode ter como objeto um pedido, um agradecimento ou uma
glorificação.
As preces feitas a Deus, escutam-nas os Espíritos incumbidos da execução de
suas vontades (de Deus).
Ä Tipos de Prece:
No livro "Estudando a Mediunidade" (psicografado por Francisco Cândido
Xavier, pelo Espírito de André Luiz), p. 174 à 176, são mencionados os seguintes tipos
de preces:
Vertical - expressa aspirações elevadas.
Horizontal - encontra ressonância entre aqueles Espíritos ainda ligados aos problemas
terrestres, vivendo, portanto, horizontalmente.
Descendente - a essa não daremos a denominação de “prece”, substituindo-a por
“invocação”, consoante aconselha o Ministro Clarêncio no livro "Entre a Terra e
Céu" (psicografado por Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito de André Luiz). Nesta
a resposta virá de entidades de baixo tom vibratório.
Nossas preces encontrarão sempre a resposta dos nossos afins, dos que
comungam conosco tais ou quais idéias, tais ou quais objetivos.
Quando Jesus nos disse: “Tudo o que pedirdes com fé, em oração, vós o
recebereis” (Mateus, 21:22).
Desta afirmação, podemos concluir que:
“Concedido vos será o que quer que pedirdes pela prece”
Seria ilógico deduzir que basta pedir para obter, bem como, também seria injusto
acusar a Providência de não atender a toda súplica que se lhe faça.
É como procede um pai criterioso que recusa ao filho o que seja contrário aos
seus interesses.
Unidade 2
Tema: A COMUNHÃO COM DEUS
A Prece. A fé e o seu poder. O Homem e o Sentimento
Religioso. Amor a Deus. Adoração. Vida Contemplativa.
2
O santuário doméstico que encontre criaturas amantes da oração e dos
sentimentos elevados, converte-se em campo sublime das mais belas florações e
colheitas espirituais.
Falamos a Deus dos nossos problemas, suplicamos que Ele nos ilumine o
entendimento, para que saibamos receber dignamente as decisões.
Em verdade, todos nós podemos endereçar a Deus, em qualquer parte e em
qualquer tempo, as mais variadas preces; no entanto, nós todos precisamos cultivar
paciência e humildade, para esperar e compreender as respostas de Deus.
“Orando, o Cristo falava ao Pai. No intervalo da oração, escutava Deus.”
A prece, em verdade, não pode mudar as leis imutáveis; ela não poderia, de
maneira alguma, mudar nossos destinos; seu papel é proporcionar-nos socorro e luzes
que nos tornem mais fácil o cumprimento da nossa tarefa terrestre.
Pergunta 658 de “O Livro dos Espíritos”: A prece é agradável a Deus?
R. - A prece é sempre agradável a Deus, quando ditada pelo coração, porque a
intenção é tudo para Ele...
Pergunta 660 de “O Livro dos Espíritos”: A prece torna o homem melhor?
R. - Sim, porque aquele que faz a prece com fervor e confiança se torna mais
forte contra as tentações do mal, e Deus lhe envia bons Espíritos para o assistir. É um
socorro jamais recusado, quando o pedimos com sinceridade.
O essencial não é orar muito, mas orar bem.
A prece não pode ter o efeito de mudar os desígnios de Deus, mas a alma pela
qual se ora experimenta alívio, porque é um testemunho de interesse que se lhe dá e
porque o infeliz é sempre consolado, quando encontra almas caridosas que
compartilham as suas dores...
Ä A Fé e o seu poder:
Fé, no sentido comum, corresponde à confiança em si mesmo. Fé, crença desta
ou daquela religião: fé judaica, fé budista, fé católica etc.
Existe também a fé pura, difícil de ser encontrada, por ser uma conquista lenta,
fruto de experiências de várias vidas.
Conseguir a fé é alcançar a possibilidade de não mais dizer:
“Eu creio , mas afirmar, eu sei”.
A fé pode ser Raciocinada ou Cega.
Fé Cega: aceita sem verificação nenhuma, assim o verdadeiro como o falso.
levado ao excesso, produz o fanatismo.
Fé Raciocinada: se baseia na verdade, garante o futuro, porque nada tem a
temer do progresso das luzes, dado que o que é verdadeiro na obscuridade,
também o é à luz meridiana.
A principal condição da verdadeira fé é, pois, ser raciocinada.
Outra condição é prender-se à verdade, não se compactuando, nunca, com a
mentira.
3
A fé verdadeira não se conquista de uma hora para outra. É trabalho do tempo,
de experiências vivenciadas.
Em certas pessoas, a fé parece de algum modo inata, sinal evidente de anterior
progresso. Em outras pessoas, ao contrário, elas dificilmente penetram, estão com a
educação por fazer.
Inspiração Divina, a fé desperta todos os instintos nobres que encaminham o
homem para o bem. É a base da Regeneração.
Fé sincera: empolgante, contagiosa, comunicativa.
Fé aparente: é indiferente, apenas usa de palavras sonoras que deixam frio
quem as escuta.
Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as
épocas da humanidade.
Em Mateus (Evangelista Mateus) Cap. 17, versículos 14-20, Marcos Cap.9
v.v.14-29, Lucas Cap. 9, v.v. 37-93.
Um certo pai procura Jesus, pedindo para curar seu filho obsidiado, já que os
discípulos não conseguiram.
Jesus cura o enfermo.
Os discípulos perguntaram: porque não pudemos curá-lo, Jesus respondeu: -
por causa da vossa incredulidade.
Se tivésseis a fé do tamanho de um grão de mostarda, diríeis a esta montanha:
transporta-te daí para ali e ela se transportaria, e nada seria impossível...
“Tudo é possível àquele que crê” o pai do menino do relato acima exclama
“Creio, Senhor! ajuda a minha incredulidade!
Ä O Homem e o Sentimento Religioso:
O sentimento religioso, nasce com o indivíduo. Existiu em todos os povos, se
bem que sob formas diferentes.
Podemos dizer que nunca existiram povos ateus, pois este sentimento é inato no
ser humano.
Ora, por medos decorrentes das forças desorganizadas das eras primeiras da
vida. Dessas forças, surgiram as diferentes formas da apaziguar a fúria dos seus
responsáveis.
Mediantes cultos que se transformariam em Religiões com as suas variadas
cerimonias, cada vez mais complexas e sofisticadas...
Nas raças bárbaras proliferaram as idéias terroristas de um Deus, cuja cólera
destruidoras se abrandaria à custa de sacrifício humanos.
Hoje, mais facilmente entendemos que “a adoração verdadeira é do coração”.
E posto que Deus é Amor, não há como adorá-lo senão: amando-nos uns aos
outros”, pois como sabiamente nos ensina João o apóstolo Cap.4:v.v. 20):
- Se o homem não ama a seu irmão, que lhe está próximo, como pode amar a Deus, a
quem não vê?
Ä Amor a Deus, Adoração:
O conhecimento da verdade sobre Deus, sobre o mundo e a vida é o que há de
mais essencial, de mais necessário, porque é ele que nos sustenta, nos inspira e nos
dirige, mesmo à nossa revelia.
4
“(...) Deus é o Espírito de Sabedoria, de Amor e de Vida, o poder infinito que
governa o mundo (...)
Só gradualmente vamos entendendo Deus na sua essência, na medida que
desenvolvemos as nossas capacidades perceptivas.
Deus é o princípio, é o absoluto, o infinito, o eterno. Deus é conceito e
matéria, principio e forma, causa e efeito...
O homem que nega a Deus encontra-se, transitoriamente, envolvido pelo manto
da ignorância.
Da paternidade de Deus decorre a fraternidade humana.
Espíritos mais evoluídos adoram Deus em Espírito.
Os involuídos, necessitam de uma imagem material, não é uma mentira
consciente. É uma tradução da linguagem espiritual, que lhe é incompreensível, em
uma linguagem concreta, a ele acessível.
assim ele pode ver e tocar as imagens de Deus.
A evolução leva cada vez mais a sentir Deus, não apenas transcendente, mas
também imanente.
O indivíduo espiritualizado acabará por sentir a presença Dele não somente em
si, mas em torno de si.
Então se descobrirá que Deus está em toda parte, que o seu templo é o
universo, seu altar pode ser o coração do homem.
Ä Vida Contemplativa:
Nenhum mérito trás a vida contemplativa. Portanto, se é certo que não fazem o
mal, também o é que não fazem o bem, são inúteis.
Demais, não fazer o bem já é um mal. Há momentos na vida que se faz
necessário a prática da meditação.
São momentos breves, dentro do cotidiano da nossa existência. Deus quer que
o homem pense nele mas não quer que só nele pense, pois lhe impôs deveres a
cumprir na terra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A graça e o dever de ser espiritual
A graça e o dever de ser espiritualA graça e o dever de ser espiritual
A graça e o dever de ser espiritual
Silvio Dutra
 
Pedi obtereis
Pedi obtereis    Pedi obtereis
Pedi obtereis
Ponte de Luz ASEC
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
Izabel Cristina Fonseca
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareis
Helio Cruz
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
elanojose
 
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEMA fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
Quebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidaçãoQuebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidação
EdevaldoCMonteiro
 
Fé e Obras
Fé e Obras Fé e Obras
Fé e Obras
Ceile Bernardo
 
2 maneira-de-orar
2 maneira-de-orar2 maneira-de-orar
Conversando o Evangelho - Como funciona a prece
Conversando o Evangelho - Como funciona a preceConversando o Evangelho - Como funciona a prece
Conversando o Evangelho - Como funciona a prece
Fatoze
 
A fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 eseA fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 ese
ctollin
 
A prece estudo mediunico
A prece  estudo mediunicoA prece  estudo mediunico
A prece estudo mediunico
Alice Lirio
 
PRINCÍPIOS DA FÉ BÍBLICA
PRINCÍPIOS DA FÉ BÍBLICAPRINCÍPIOS DA FÉ BÍBLICA
3.a experiência do andar no espírito
3.a experiência do andar no espírito3.a experiência do andar no espírito
3.a experiência do andar no espírito
Jr Buzinely
 
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divinaPalestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Divulgador do Espiritismo
 
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
Palestra modo de orar 2015   nosso larPalestra modo de orar 2015   nosso lar
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
Rodrigo Spinosa
 
O poder da Prece
O poder da PreceO poder da Prece
O poder da Prece
Cleuta Fraga
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
guest713ad8
 
Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016
Ricardo Azevedo
 
Quem domina a sua mente
Quem domina a sua menteQuem domina a sua mente
Quem domina a sua mente
Vilma Longuini
 

Mais procurados (20)

A graça e o dever de ser espiritual
A graça e o dever de ser espiritualA graça e o dever de ser espiritual
A graça e o dever de ser espiritual
 
Pedi obtereis
Pedi obtereis    Pedi obtereis
Pedi obtereis
 
O Poder da Prece
O Poder da PreceO Poder da Prece
O Poder da Prece
 
Buscai e achareis
Buscai e achareisBuscai e achareis
Buscai e achareis
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
 
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEMA fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
A fé transporta montanhas-marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
Quebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidaçãoQuebrando as cadeias da intimidação
Quebrando as cadeias da intimidação
 
Fé e Obras
Fé e Obras Fé e Obras
Fé e Obras
 
2 maneira-de-orar
2 maneira-de-orar2 maneira-de-orar
2 maneira-de-orar
 
Conversando o Evangelho - Como funciona a prece
Conversando o Evangelho - Como funciona a preceConversando o Evangelho - Como funciona a prece
Conversando o Evangelho - Como funciona a prece
 
A fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 eseA fe transporta montanhas cap 19 ese
A fe transporta montanhas cap 19 ese
 
A prece estudo mediunico
A prece  estudo mediunicoA prece  estudo mediunico
A prece estudo mediunico
 
PRINCÍPIOS DA FÉ BÍBLICA
PRINCÍPIOS DA FÉ BÍBLICAPRINCÍPIOS DA FÉ BÍBLICA
PRINCÍPIOS DA FÉ BÍBLICA
 
3.a experiência do andar no espírito
3.a experiência do andar no espírito3.a experiência do andar no espírito
3.a experiência do andar no espírito
 
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divinaPalestra Espírita - A fé humana e a fé divina
Palestra Espírita - A fé humana e a fé divina
 
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
Palestra modo de orar 2015   nosso larPalestra modo de orar 2015   nosso lar
Palestra modo de orar 2015 nosso lar
 
O poder da Prece
O poder da PreceO poder da Prece
O poder da Prece
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
 
Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016Pedi e Obtereis 2016
Pedi e Obtereis 2016
 
Quem domina a sua mente
Quem domina a sua menteQuem domina a sua mente
Quem domina a sua mente
 

Semelhante a A comunhão com deus (sef)

Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces Espíritas
Nilson Almeida
 
Apresentação Cosmovisão bíblica cos1.pdf
Apresentação Cosmovisão bíblica cos1.pdfApresentação Cosmovisão bíblica cos1.pdf
Apresentação Cosmovisão bíblica cos1.pdf
DboraPatrycia
 
A Prece
A PreceA Prece
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
Leonardo Pereira
 
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefíciosAs 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
Freekidstories
 
Estudo do livro Roteiro Lição 10
Estudo do livro Roteiro Lição 10Estudo do livro Roteiro Lição 10
Estudo do livro Roteiro Lição 10
Candice Gunther
 
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEMPedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Marcelo do Nascimento Rodrigues
 
La Oración Personal a Dios
La Oración Personal a DiosLa Oración Personal a Dios
La Oración Personal a Dios
Estudiantes Urantia
 
Universalismo crístico apostila - 026 - 2011 - lar
Universalismo crístico   apostila - 026 - 2011 - larUniversalismo crístico   apostila - 026 - 2011 - lar
Universalismo crístico apostila - 026 - 2011 - lar
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 
Pedi e obtereis
Pedi e obtereisPedi e obtereis
Pedi e obtereis
Ponte de Luz ASEC
 
A prece
A preceA prece
A prece
Marta Gomes
 
Conduta Espírita
Conduta EspíritaConduta Espírita
Conduta Espírita
Izabel Cristina Fonseca
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
elanojose
 
Palavras de chico_xavier_-_emmanuel
Palavras de chico_xavier_-_emmanuelPalavras de chico_xavier_-_emmanuel
Palavras de chico_xavier_-_emmanuel
Serginho Lopes Ator
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
manumino
 
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
Tiago de Souza
 
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely LageO que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
Igreja Presbiteriana Renovada de Castelo Branco
 
42. a oração
42. a oração42. a oração
42. a oração
pohlos
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e RespostaSérie Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Ricardo Azevedo
 
Palestra Prece
Palestra PrecePalestra Prece
Palestra Prece
Grupo Espírita Cristão
 

Semelhante a A comunhão com deus (sef) (20)

Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces Espíritas
 
Apresentação Cosmovisão bíblica cos1.pdf
Apresentação Cosmovisão bíblica cos1.pdfApresentação Cosmovisão bíblica cos1.pdf
Apresentação Cosmovisão bíblica cos1.pdf
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefíciosAs 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
As 12 Pedras do Alicerce — Aula 2B - O Espíritu Santo - Dons e benefícios
 
Estudo do livro Roteiro Lição 10
Estudo do livro Roteiro Lição 10Estudo do livro Roteiro Lição 10
Estudo do livro Roteiro Lição 10
 
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEMPedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
La Oración Personal a Dios
La Oración Personal a DiosLa Oración Personal a Dios
La Oración Personal a Dios
 
Universalismo crístico apostila - 026 - 2011 - lar
Universalismo crístico   apostila - 026 - 2011 - larUniversalismo crístico   apostila - 026 - 2011 - lar
Universalismo crístico apostila - 026 - 2011 - lar
 
Pedi e obtereis
Pedi e obtereisPedi e obtereis
Pedi e obtereis
 
A prece
A preceA prece
A prece
 
Conduta Espírita
Conduta EspíritaConduta Espírita
Conduta Espírita
 
A fé transporta montanhas
A fé transporta montanhasA fé transporta montanhas
A fé transporta montanhas
 
Palavras de chico_xavier_-_emmanuel
Palavras de chico_xavier_-_emmanuelPalavras de chico_xavier_-_emmanuel
Palavras de chico_xavier_-_emmanuel
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
 
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
[Desintoxicando a Alma] Pensamentos toxicos
 
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely LageO que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
O que Jesus espera da igreja? O poder de Deus (2ª parte) by Pr. Suely Lage
 
42. a oração
42. a oração42. a oração
42. a oração
 
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e RespostaSérie Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
Série Evangelho no Lar - Cap. 18 - Petição e Resposta
 
Palestra Prece
Palestra PrecePalestra Prece
Palestra Prece
 

Mais de Ricardo Akerman

Mediunidade na bíblia (cefak)
Mediunidade na bíblia (cefak)Mediunidade na bíblia (cefak)
Mediunidade na bíblia (cefak)
Ricardo Akerman
 
Gotas de paz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
Gotas de paz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)Gotas de paz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)
Gotas de paz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
Ricardo Akerman
 
Gotas de luz (psicografia chico xavier espírito casimiro cunha)
Gotas de luz (psicografia chico xavier   espírito casimiro cunha)Gotas de luz (psicografia chico xavier   espírito casimiro cunha)
Gotas de luz (psicografia chico xavier espírito casimiro cunha)
Ricardo Akerman
 
Fonte viva (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
Fonte viva (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)Fonte viva (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)
Fonte viva (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
Ricardo Akerman
 
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
Ricardo Akerman
 
Manual Serviço Motor AP2000 ( Volkswagen )
Manual Serviço Motor AP2000 ( Volkswagen )Manual Serviço Motor AP2000 ( Volkswagen )
Manual Serviço Motor AP2000 ( Volkswagen )
Ricardo Akerman
 
Curso Arcondicionado Automotivo ( Senai )
Curso Arcondicionado Automotivo ( Senai )Curso Arcondicionado Automotivo ( Senai )
Curso Arcondicionado Automotivo ( Senai )
Ricardo Akerman
 
Biblia do carro by DG
Biblia do carro by DGBiblia do carro by DG
Biblia do carro by DG
Ricardo Akerman
 
Motor de Partida ( Automotivo )
Motor de Partida ( Automotivo )Motor de Partida ( Automotivo )
Motor de Partida ( Automotivo )
Ricardo Akerman
 
Motores de Partida e Alternadores ( Delco Remy )
Motores de Partida e Alternadores ( Delco Remy )Motores de Partida e Alternadores ( Delco Remy )
Motores de Partida e Alternadores ( Delco Remy )
Ricardo Akerman
 
Alternadores ( Delco Remy )
Alternadores  ( Delco Remy )Alternadores  ( Delco Remy )
Alternadores ( Delco Remy )
Ricardo Akerman
 
Motores de Partida 37 MT e 41 MT ( Delco Remy )
Motores de Partida 37 MT e 41 MT ( Delco Remy )Motores de Partida 37 MT e 41 MT ( Delco Remy )
Motores de Partida 37 MT e 41 MT ( Delco Remy )
Ricardo Akerman
 
Motores de Partida 28 MT ( Delco Remy )
Motores de Partida 28 MT ( Delco Remy )Motores de Partida 28 MT ( Delco Remy )
Motores de Partida 28 MT ( Delco Remy )
Ricardo Akerman
 
Alternador 21 Si ( Delco Remy )
Alternador 21 Si ( Delco Remy )Alternador 21 Si ( Delco Remy )
Alternador 21 Si ( Delco Remy )
Ricardo Akerman
 
Baterias (completa)
Baterias (completa)Baterias (completa)
Baterias (completa)
Ricardo Akerman
 
Baterias ( Delphi )
Baterias ( Delphi )Baterias ( Delphi )
Baterias ( Delphi )
Ricardo Akerman
 
Eletricidade Automotiva
Eletricidade AutomotivaEletricidade Automotiva
Eletricidade Automotiva
Ricardo Akerman
 
Sistema de carga e partida ( Elétrica Automotiva )
Sistema de carga e partida ( Elétrica Automotiva )Sistema de carga e partida ( Elétrica Automotiva )
Sistema de carga e partida ( Elétrica Automotiva )
Ricardo Akerman
 
Elétrica básica ( Delco remy )
Elétrica básica ( Delco remy ) Elétrica básica ( Delco remy )
Elétrica básica ( Delco remy )
Ricardo Akerman
 
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Ricardo Akerman
 

Mais de Ricardo Akerman (20)

Mediunidade na bíblia (cefak)
Mediunidade na bíblia (cefak)Mediunidade na bíblia (cefak)
Mediunidade na bíblia (cefak)
 
Gotas de paz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
Gotas de paz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)Gotas de paz (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)
Gotas de paz (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
 
Gotas de luz (psicografia chico xavier espírito casimiro cunha)
Gotas de luz (psicografia chico xavier   espírito casimiro cunha)Gotas de luz (psicografia chico xavier   espírito casimiro cunha)
Gotas de luz (psicografia chico xavier espírito casimiro cunha)
 
Fonte viva (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
Fonte viva (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)Fonte viva (psicografia chico xavier   espírito emmanuel)
Fonte viva (psicografia chico xavier espírito emmanuel)
 
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)Fonte de paz (psicografia chico xavier   espíritos diversos)
Fonte de paz (psicografia chico xavier espíritos diversos)
 
Manual Serviço Motor AP2000 ( Volkswagen )
Manual Serviço Motor AP2000 ( Volkswagen )Manual Serviço Motor AP2000 ( Volkswagen )
Manual Serviço Motor AP2000 ( Volkswagen )
 
Curso Arcondicionado Automotivo ( Senai )
Curso Arcondicionado Automotivo ( Senai )Curso Arcondicionado Automotivo ( Senai )
Curso Arcondicionado Automotivo ( Senai )
 
Biblia do carro by DG
Biblia do carro by DGBiblia do carro by DG
Biblia do carro by DG
 
Motor de Partida ( Automotivo )
Motor de Partida ( Automotivo )Motor de Partida ( Automotivo )
Motor de Partida ( Automotivo )
 
Motores de Partida e Alternadores ( Delco Remy )
Motores de Partida e Alternadores ( Delco Remy )Motores de Partida e Alternadores ( Delco Remy )
Motores de Partida e Alternadores ( Delco Remy )
 
Alternadores ( Delco Remy )
Alternadores  ( Delco Remy )Alternadores  ( Delco Remy )
Alternadores ( Delco Remy )
 
Motores de Partida 37 MT e 41 MT ( Delco Remy )
Motores de Partida 37 MT e 41 MT ( Delco Remy )Motores de Partida 37 MT e 41 MT ( Delco Remy )
Motores de Partida 37 MT e 41 MT ( Delco Remy )
 
Motores de Partida 28 MT ( Delco Remy )
Motores de Partida 28 MT ( Delco Remy )Motores de Partida 28 MT ( Delco Remy )
Motores de Partida 28 MT ( Delco Remy )
 
Alternador 21 Si ( Delco Remy )
Alternador 21 Si ( Delco Remy )Alternador 21 Si ( Delco Remy )
Alternador 21 Si ( Delco Remy )
 
Baterias (completa)
Baterias (completa)Baterias (completa)
Baterias (completa)
 
Baterias ( Delphi )
Baterias ( Delphi )Baterias ( Delphi )
Baterias ( Delphi )
 
Eletricidade Automotiva
Eletricidade AutomotivaEletricidade Automotiva
Eletricidade Automotiva
 
Sistema de carga e partida ( Elétrica Automotiva )
Sistema de carga e partida ( Elétrica Automotiva )Sistema de carga e partida ( Elétrica Automotiva )
Sistema de carga e partida ( Elétrica Automotiva )
 
Elétrica básica ( Delco remy )
Elétrica básica ( Delco remy ) Elétrica básica ( Delco remy )
Elétrica básica ( Delco remy )
 
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
Apostila atual eletricidade e eletrônica Básica ( automotiva )
 

Último

Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 

Último (15)

Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 

A comunhão com deus (sef)

  • 1. 1 SEF - Sociedade Espírita Fraternidade Estudo Teórico-Prático da Doutrina Espírita Ä A Prece: A quem conteste a eficácia da Prece. Dizem: conhecendo Deus as nossas necessidades, inútil se torna mostrá-la. A verdade é que a prece proporciona a quem ora, um bem estar incalculável já que aproxima a Criatura do Criador. “A prece é o orvalho Divino que aplaca o calor excessivo das paixões”. Não existe qualquer fórmula para orar. O Espiritismo reconhece como boas as preces de todos os cultos, quando ditas de coração e não somente com os lábios. A qualidade da prece é ser clara simples e concisa. A prece pode ter como objeto um pedido, um agradecimento ou uma glorificação. As preces feitas a Deus, escutam-nas os Espíritos incumbidos da execução de suas vontades (de Deus). Ä Tipos de Prece: No livro "Estudando a Mediunidade" (psicografado por Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito de André Luiz), p. 174 à 176, são mencionados os seguintes tipos de preces: Vertical - expressa aspirações elevadas. Horizontal - encontra ressonância entre aqueles Espíritos ainda ligados aos problemas terrestres, vivendo, portanto, horizontalmente. Descendente - a essa não daremos a denominação de “prece”, substituindo-a por “invocação”, consoante aconselha o Ministro Clarêncio no livro "Entre a Terra e Céu" (psicografado por Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito de André Luiz). Nesta a resposta virá de entidades de baixo tom vibratório. Nossas preces encontrarão sempre a resposta dos nossos afins, dos que comungam conosco tais ou quais idéias, tais ou quais objetivos. Quando Jesus nos disse: “Tudo o que pedirdes com fé, em oração, vós o recebereis” (Mateus, 21:22). Desta afirmação, podemos concluir que: “Concedido vos será o que quer que pedirdes pela prece” Seria ilógico deduzir que basta pedir para obter, bem como, também seria injusto acusar a Providência de não atender a toda súplica que se lhe faça. É como procede um pai criterioso que recusa ao filho o que seja contrário aos seus interesses. Unidade 2 Tema: A COMUNHÃO COM DEUS A Prece. A fé e o seu poder. O Homem e o Sentimento Religioso. Amor a Deus. Adoração. Vida Contemplativa.
  • 2. 2 O santuário doméstico que encontre criaturas amantes da oração e dos sentimentos elevados, converte-se em campo sublime das mais belas florações e colheitas espirituais. Falamos a Deus dos nossos problemas, suplicamos que Ele nos ilumine o entendimento, para que saibamos receber dignamente as decisões. Em verdade, todos nós podemos endereçar a Deus, em qualquer parte e em qualquer tempo, as mais variadas preces; no entanto, nós todos precisamos cultivar paciência e humildade, para esperar e compreender as respostas de Deus. “Orando, o Cristo falava ao Pai. No intervalo da oração, escutava Deus.” A prece, em verdade, não pode mudar as leis imutáveis; ela não poderia, de maneira alguma, mudar nossos destinos; seu papel é proporcionar-nos socorro e luzes que nos tornem mais fácil o cumprimento da nossa tarefa terrestre. Pergunta 658 de “O Livro dos Espíritos”: A prece é agradável a Deus? R. - A prece é sempre agradável a Deus, quando ditada pelo coração, porque a intenção é tudo para Ele... Pergunta 660 de “O Livro dos Espíritos”: A prece torna o homem melhor? R. - Sim, porque aquele que faz a prece com fervor e confiança se torna mais forte contra as tentações do mal, e Deus lhe envia bons Espíritos para o assistir. É um socorro jamais recusado, quando o pedimos com sinceridade. O essencial não é orar muito, mas orar bem. A prece não pode ter o efeito de mudar os desígnios de Deus, mas a alma pela qual se ora experimenta alívio, porque é um testemunho de interesse que se lhe dá e porque o infeliz é sempre consolado, quando encontra almas caridosas que compartilham as suas dores... Ä A Fé e o seu poder: Fé, no sentido comum, corresponde à confiança em si mesmo. Fé, crença desta ou daquela religião: fé judaica, fé budista, fé católica etc. Existe também a fé pura, difícil de ser encontrada, por ser uma conquista lenta, fruto de experiências de várias vidas. Conseguir a fé é alcançar a possibilidade de não mais dizer: “Eu creio , mas afirmar, eu sei”. A fé pode ser Raciocinada ou Cega. Fé Cega: aceita sem verificação nenhuma, assim o verdadeiro como o falso. levado ao excesso, produz o fanatismo. Fé Raciocinada: se baseia na verdade, garante o futuro, porque nada tem a temer do progresso das luzes, dado que o que é verdadeiro na obscuridade, também o é à luz meridiana. A principal condição da verdadeira fé é, pois, ser raciocinada. Outra condição é prender-se à verdade, não se compactuando, nunca, com a mentira.
  • 3. 3 A fé verdadeira não se conquista de uma hora para outra. É trabalho do tempo, de experiências vivenciadas. Em certas pessoas, a fé parece de algum modo inata, sinal evidente de anterior progresso. Em outras pessoas, ao contrário, elas dificilmente penetram, estão com a educação por fazer. Inspiração Divina, a fé desperta todos os instintos nobres que encaminham o homem para o bem. É a base da Regeneração. Fé sincera: empolgante, contagiosa, comunicativa. Fé aparente: é indiferente, apenas usa de palavras sonoras que deixam frio quem as escuta. Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da humanidade. Em Mateus (Evangelista Mateus) Cap. 17, versículos 14-20, Marcos Cap.9 v.v.14-29, Lucas Cap. 9, v.v. 37-93. Um certo pai procura Jesus, pedindo para curar seu filho obsidiado, já que os discípulos não conseguiram. Jesus cura o enfermo. Os discípulos perguntaram: porque não pudemos curá-lo, Jesus respondeu: - por causa da vossa incredulidade. Se tivésseis a fé do tamanho de um grão de mostarda, diríeis a esta montanha: transporta-te daí para ali e ela se transportaria, e nada seria impossível... “Tudo é possível àquele que crê” o pai do menino do relato acima exclama “Creio, Senhor! ajuda a minha incredulidade! Ä O Homem e o Sentimento Religioso: O sentimento religioso, nasce com o indivíduo. Existiu em todos os povos, se bem que sob formas diferentes. Podemos dizer que nunca existiram povos ateus, pois este sentimento é inato no ser humano. Ora, por medos decorrentes das forças desorganizadas das eras primeiras da vida. Dessas forças, surgiram as diferentes formas da apaziguar a fúria dos seus responsáveis. Mediantes cultos que se transformariam em Religiões com as suas variadas cerimonias, cada vez mais complexas e sofisticadas... Nas raças bárbaras proliferaram as idéias terroristas de um Deus, cuja cólera destruidoras se abrandaria à custa de sacrifício humanos. Hoje, mais facilmente entendemos que “a adoração verdadeira é do coração”. E posto que Deus é Amor, não há como adorá-lo senão: amando-nos uns aos outros”, pois como sabiamente nos ensina João o apóstolo Cap.4:v.v. 20): - Se o homem não ama a seu irmão, que lhe está próximo, como pode amar a Deus, a quem não vê? Ä Amor a Deus, Adoração: O conhecimento da verdade sobre Deus, sobre o mundo e a vida é o que há de mais essencial, de mais necessário, porque é ele que nos sustenta, nos inspira e nos dirige, mesmo à nossa revelia.
  • 4. 4 “(...) Deus é o Espírito de Sabedoria, de Amor e de Vida, o poder infinito que governa o mundo (...) Só gradualmente vamos entendendo Deus na sua essência, na medida que desenvolvemos as nossas capacidades perceptivas. Deus é o princípio, é o absoluto, o infinito, o eterno. Deus é conceito e matéria, principio e forma, causa e efeito... O homem que nega a Deus encontra-se, transitoriamente, envolvido pelo manto da ignorância. Da paternidade de Deus decorre a fraternidade humana. Espíritos mais evoluídos adoram Deus em Espírito. Os involuídos, necessitam de uma imagem material, não é uma mentira consciente. É uma tradução da linguagem espiritual, que lhe é incompreensível, em uma linguagem concreta, a ele acessível. assim ele pode ver e tocar as imagens de Deus. A evolução leva cada vez mais a sentir Deus, não apenas transcendente, mas também imanente. O indivíduo espiritualizado acabará por sentir a presença Dele não somente em si, mas em torno de si. Então se descobrirá que Deus está em toda parte, que o seu templo é o universo, seu altar pode ser o coração do homem. Ä Vida Contemplativa: Nenhum mérito trás a vida contemplativa. Portanto, se é certo que não fazem o mal, também o é que não fazem o bem, são inúteis. Demais, não fazer o bem já é um mal. Há momentos na vida que se faz necessário a prática da meditação. São momentos breves, dentro do cotidiano da nossa existência. Deus quer que o homem pense nele mas não quer que só nele pense, pois lhe impôs deveres a cumprir na terra.