SlideShare uma empresa Scribd logo
O que vos sugerem estas imagens?!
A Aprendizagem Cooperativa
A Aprendizagem Cooperativa Benefícios
Sociais Psicológicos
Académicos na Avaliação
A Aprendizagem Cooperativa
DIMENSÕES
 Estimula e desenvolve as relações interpessoais;
 Promove respostas sociais positivas
 Encoraja a responsabilidade pelos outros;
 Maior número de relações heterogéneas positivas;
 Estabelece uma atmosfera de cooperação e de ajuda em toda a
escola;
 Os alunos desenvolvem o espírito crítico e o respeito pela opinião dos
outros;
Benefícios Sociais
A Aprendizagem Cooperativa
DIMENSÕES
 Fomenta o espírito de equipa e a abordagem da equipa para a
resolução de problemas;
 Fomenta a prática do desenvolvimento de competências de liderança;
 Ajuda os professores a tornarem-se mais facilitadores da
aprendizagem, permitindo passar da aprendizagem centrada no
professor para a aprendizagem centrada no aluno.
Benefícios Sociais
A Aprendizagem Cooperativa
DIMENSÕES
 Promove o aumento da autoestima;
 Melhora a satisfação do aluno com as experiências de aprendizagem;
 Encoraja os alunos a procurar ajuda e a aceitar a tutoria dos outros
colegas;
 A ansiedade nos testes é significativamente reduzida;
 Cria uma atitude mais positiva dos alunos em relação aos
professores;
 Estabelece elevadas expetativas para alunos e professores.
Benefícios Psicológicos
A Aprendizagem Cooperativa
DIMENSÕES
 Estimula o pensamento crítico e ajuda os alunos a clarificar as ideias
através da discussão e do debate;
 Desenvolve as competências de comunicação oral;
 Fomenta as competências metacognitivas nos alunos;
 Cria um ambiente de aprendizagem ativo, envolvente e investigativo;
 Ajuda os alunos a deixarem de considerar os professores como as
únicas fontes de conhecimento e saberes;
Benefícios Académicos
A Aprendizagem Cooperativa
DIMENSÕES
 Melhora o rendimento escolar dos alunos e a assiduidade às aulas;
 Aumenta a persistência dos alunos na conclusão dos exercícios e a
probabilidade de serem bem-sucedidos na conclusão dos mesmos;
 Os alunos permanecem mais tempo na tarefa e apresentam menos
problemas disciplinares;
 Permite a atribuição de tarefas mais desafiadoras sem tornar a carga
de trabalho excessiva;
Benefícios Académicos
A Aprendizagem Cooperativa
DIMENSÕES
 Os alunos mais fracos melhoram o seu desempenho quando se
juntam com colegas que têm melhor rendimento escolar;
 Leva à produção de mais e melhores questões na aula;
 Os alunos exploram soluções alternativas para os problemas num
ambiente seguro;
 Permite atender às diferenças de estilos de aprendizagem dos alunos.
Benefícios Académicos
A Aprendizagem Cooperativa
DIMENSÕES
 Proporciona formas de avaliação alternativas tais como a observação
de grupos, avaliação do espírito de grupo e avaliações individuais
escritas curtas;
 Proporciona feedback imediato aos alunos e ao professor sobre a
eficácia de cada turma e sobre o progresso dos alunos, a partir da
observação do trabalho individual e em grupo;
 Os grupos são mais fáceis de supervisionar do que os alunos
individualmente.
Benefícios na Avaliação
A Aprendizagem Cooperativa Tipos de interdependência
positiva
Interdependência
positiva de objetivos
Interdependência
positiva de tarefas
Interdependência
positiva de papéis
Interdependência
positiva na recompensa
ou na celebração
Interdependência
positiva de recursos
Interdependência
positiva na identidade
Interdependência
positiva de objetivos
A Aprendizagem Cooperativa
 Ocorre quando o grupo toma consciência de que só
atingirá os objetivos pretendidos se todos os elementos
do grupo o conseguirem e que “os participantes
trabalham para a realização de um objetivo comum – o
de terminar a tarefa”.
(Lopes e Silva, 2008, p. 15).
Interdependência
positiva na recompensa
ou na celebração
A Aprendizagem Cooperativa
 Acontece quando os objetivos do trabalho são atingidos,
o que leva a que os elementos do grupo se sintam
recompensados;
 Recompensas extrínsecas como forma de gratificação,
no entanto, não é recomendado utilizar demasiadas
vezes recompensas materiais.
(Lopes e Silva, 2008, p. 16).
Interdependência
positiva de tarefas
A Aprendizagem Cooperativa
 Acontece quando os alunos se organizam de forma a
repartir a tarefa para que cada aluno tenha
responsabilidade na realização da mesma;
 Normalmente isto acontece quando um tema é
subdividido e uns alunos fazem um tipo de pesquisa e
outros fazem outro.
(Lopes e Silva, 2008, p. 16).
Interdependência
positiva de recursos
A Aprendizagem Cooperativa
 Necessidade de haver a partilha de materiais para a
realização das tarefas, quando apenas alguns dos elementos
do grupo detêm os recursos, a informação ou os materiais
essenciais para que o grupo alcance os objetivos pretendidos;
 Deve ser fornecido material suficiente para que as crianças
não o tirem umas às outras, mas limitá-lo para que sejam
obrigadas a compartilhá-lo e a esperarem pela sua vez para o
utilizar.
(Lopes e Silva, 2008, p. 15).
Interdependência
positiva de papéis
A Aprendizagem Cooperativa
 Acontece quando a cada elemento do grupo se
designam papéis complementares e interrelacionados
que especificam as responsabilidades necessárias do
grupo para que ele complete uma tarefa conjunta.
(Lopes e Silva, 2008, p. 16).
Interdependência
positiva na identidade
A Aprendizagem Cooperativa
 Ocorre quando os elementos do grupo cooperativo são
capazes de se identificar como elementos do mesmo,
manifestando sentimentos de pertença para com este.
(Fontes e Freixo, 2004, p. 31)
Interdependência
positiva na identidade
A Aprendizagem Cooperativa
 A responsabilidade individual/grupo decorre do facto de
nos trabalhos em grupos cooperativos haver que atribuir
responsabilidade ao trabalho de todos e de cada um, os
elementos mais fracos são fortalecidos, aprendendo em
conjunto com os que são mais capazes, sem que se
aproveitem das capacidades dos mesmos, algo que é
muito questionado nos trabalhos de grupo tradicionais.
(Lopes e Silva, 2008, p. 16)
Alguns métodos de
aprendizagem cooperativa
A Aprendizagem Cooperativa
Saber-Querer-AprenderA Aprendizagem Cooperativa
 Antes de um filme, lição ou leitura, pôr os alunos a trabalhar em grupos de 3
para escreverem sobre o que já sabem sobre o assunto e o que gostariam de
aprender sobre o mesmo. A seguir mostrar o filme, dar a lição ou envolver ou
envolver o grupo na leitura de um texto. Pôr cada trio:
- A sintetizar informações que já sabem ou conhecem que foi abordada;
- A colocar asteriscos nas questões que foram respondidas na lista que
elaboraram;
- A acrescentar outras coisas que aprenderam em resultado do filme, da lição
ou da leitura.
Saber-Querer-AprenderA Aprendizagem Cooperativa
Aprendendo juntosA Aprendizagem Cooperativa
 Principal objetivo: compreender e favorecer as interações positivas nos
grupos e a aquisição ou desenvolvimento das competências sociais, não
descura a aprendizagem dos conteúdos.
 A sua utilização é indicada para diferentes áreas curriculares: matemática,
português, ciências…
 Aplicação do método:
 São constituídos grupos de alunos com 4-5 elementos, de seguida, são
entregues fichas de trabalho, que são elaboradas em conjunto.
 É entregue apenas uma ficha pela qual o grupo será avaliado.
Aprendendo juntosA Aprendizagem Cooperativa
 Não são atribuídas recompensas extrínsecas, uma vez que se pretende
potenciar a interdependência positiva e não apenas os bons resultados
escolares;
 Cabe ao professor encontrar as estratégias mais adequadas para a
ocorrência de interdependência positiva, sendo que a atribuição de papéis se
apresenta como um bom recurso.
Jigsaw ou
Quebra-Cabeças
A Aprendizagem Cooperativa
 A partir dos 5-6 anos de idade;
 Os alunos são divididos em grupos heterogéneos de 5 ou 6 elementos –
chamados de grupos de base;
 A cada elemento do grupo é entregue, pelo professor, os conteúdos (que poderá
ser relativa a diversas áreas) escolares divididos consoante o número de
elementos de cada grupo. É entregue, ainda, uma ficha com os tópicos que
orientam a leitura que deve ser feita da informação entregue.
Jigsaw ou
Quebra-Cabeças
A Aprendizagem Cooperativa
 Após efetuarem uma leitura dos tópicos, os alunos com a mesma informação
juntam-se em grupos de peritos, para discutirem e prepararem a matéria que, de
seguida, será apresentada aos seus colegas do grupo de base;
 A avaliação é feita individualmente através de um miniteste e a pontuação obtida
por cada aluno é contabilizada para a pontuação do grupo, o que favorece a
interdependência entre os elementos do grupo.
A Aprendizagem Cooperativa
 O n.º de elementos por grupo deverá ser de 4 alunos;
 Podem ser utilizados os materiais habituais da área curricular, não havendo a
necessidade de se realizarem textos específicos;
 A pontuação de cada aluno integrará a pontuação global do grupo, sendo os
resultados expostos, posteriormente, num jornal de parede ou boletim
informativo;
 Este método é bom para trabalhar tarefas e temas mais abertos à discussão e
interpretações como é o caso das ciências sociais, ou quando se pretende que
os alunos realizem projetos de investigação em bibliotecas.
Jigsaw II
Grupos de Trabalho
para o Sucesso (STAD)
A Aprendizagem Cooperativa
 Pode ser utilizado com alunos a partir do 2.º ano de escolaridade, com
diferentes conteúdos, nas diferentes áreas;
 Os grupos devem ser heterogéneos e constituídos por 4 a 5 elementos.
 O STAD compreende quatro fases:
Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4
Grupos de Trabalho
para o Sucesso (STAD)
A Aprendizagem Cooperativa
Apresentação da matéria e treino: após o momento de explicação dos
conteúdos por parte do professor, o grupo trabalha em conjunto sobre os
mesmos, recorrendo à tutoria entre pares, ou seja, alunos com melhores
capacidades ajudam aqueles que apresentam maiores dificuldades.
Fase 1
Avaliação: os alunos são avaliados, individualmente, através de testes
de aquisição dos conhecimentos sendo-lhes atribuída uma pontuação.
Fase 2
Grupos de Trabalho
para o Sucesso (STAD)
A Aprendizagem Cooperativa
Pontuações de melhoria: cada aluno tem a possibilidade de melhorar a
partir de resultados anteriores. Após cada duas avaliações, as
pontuações-base dos alunos são recalculadas, visto que o que interessa
é verificar-se uma evolução do desempenho atual do aluno em relação
ao seu desempenho passado.
Grupos de Trabalho
para o Sucesso (STAD)
A Aprendizagem Cooperativa
Fase 3
Reforço: são utilizadas formas de reconhecimento social, como
certificados ou outras recompensas. Estas recompensas servem como
forma de reconhecimento do grupo pelo seu bom desempenho.
Fase 4
Grupos de Trabalho
para o Sucesso (STAD)
A Aprendizagem Cooperativa
TGT (Team Game
Tournments)
A Aprendizagem Cooperativa
 Há, numa fase inicial, a apresentação dos conteúdos à turma, pelo
professor;
 Há trabalho de grupo em que se recorre à tutoria entre pares tal como no
STAD;
 Este método difere na fase seguinte, em que se realizam torneios,
geralmente no final de cada semana de trabalho;
TGT (Team Game
Tournments)
A Aprendizagem Cooperativa
 Nos torneiros distribuem-se os alunos com capacidades semelhantes por mesas
onde são feitas perguntas relacionadas com os conteúdos trabalhados, utilizando
cartões com questões numeradas. Os torneios correspondem assim à avaliação
dos conhecimentos adquiridos pelos alunos;
 Os 3 alunos com as classificações mais altas vão para a mesa 1, de seguida, os
três com classificações abaixo vão para a mesa 2 e assim sucessivamente;
 Cada aluno escolhe um cartão e responde à questão, que deverá ser simples e
sobre aspetos relevantes do que está a aprender. A pontuação das equipas é
calculada através da soma dos pontos obtidos pelos elementos do grupo nos
torneios.
Senhas para falarA Aprendizagem Cooperativa
 O (a) educador (a) ou as crianças escolhem um tema para discutir e são
distribuídas um conjunto de senhas para falar;
 Estas senhas permitem que as crianças participem na discussão do tema em
questão;
 Todas as crianças têm que esgotar as suas senhas e não podem utilizar a senha
seguinte sem que todos os elementos do grupo tenham utilizado uma antes;
 Este método permite desenvolver competências relacionadas com a linguagem
oral, o pensamento criativo e a igual participação.
Cabeças Numeradas
Juntas
A Aprendizagem Cooperativa
 Permite desenvolver competências ao nível do processamento da informação,
comunicação, desenvolvimento do pensamento, revisão da matéria, verificação
dos conhecimentos anteriores, escuta ativa e falar num tom de voz baixo.
 Atribui-se um número de 1 a 4 a cada criança;
 O(a) educador(a) coloca uma questão, que deve ser respondida por todos os
elementos do grupo. As crianças pensam em conjunto para responderem à
questão;
 Após dar um tempo para que as crianças pensem nas respostas, o(a)
educador(a) escolhe um número correspondente a um dos elementos do grupo,
para que seja este a dar a resposta.
Filas ordenadasA Aprendizagem Cooperativa
 Este método possibilita a participação simultânea de toda a turma em tarefas
que envolvem aprendizagem e consolidação de conceitos, desenvolvimento da
linguagem e desenvolvimento do espírito de grupo/turma e da responsabilidade
individual, através do envolvimento dos alunos em tarefas que requerem
organização de sequencias numa ordem indicada.
Filas ordenadasA Aprendizagem Cooperativa
 Aplicação do método com atividades que envolvam os alunos na organização
cronológica de acontecimentos, de números por ordem crescente e decrescente,
de diferentes etapas de ocorrência de um determinado fenómeno ou
acontecimento…
 Para pôr em prática este método, o(a) Educador(a)/Professor(a) distribui às
crianças/alunos cartões relativos a uma determinada tarefa;
Filas ordenadasA Aprendizagem Cooperativa
 As crianças movimentam-se na sala na posse dos cartões até que o(a)
Educador(a)/Professor(a) diga STOP ou GELO. As crianças/alunos param de se
movimentar;
 O(a) Educador(a)/Professor(a) pede-lhes que olhem para o conteúdo dos seus
cartões e dá indicação do procedimento que têm de seguir;
 Os alunos organizam-se em fila de acordo com a indicação dada pelo professor.
CantosA Aprendizagem Cooperativa
 Permite que as crianças aprendam a justificar as suas escolhas e que, ao
mesmo tempo, aprendam a ouvir os outros;
 A cada canto da sala o(a) Educador(a)/Professor(a) faz corresponder uma
perspetiva diferente sobre o mesmo assunto, que deverá ser facilmente
identificada pela criança através, por exemplos, de cartazes;
 Cada criança irá para o canto escolhido de acordo com a sua opção;
 Em cada um dos cantos formam-se pares onde cada criança de cada par explica
ao colega as razões da sua escolha;
CantosA Aprendizagem Cooperativa
 Um colega será responsável por parafrasear os motivos da escolha do outro
colega;
 As crianças de cada canto deverão ser capazes de identificar as razões que
levaram os colegas a optar por cada um dos diferentes cantos;
 Este método desenvolve, entre outras competências, o observar, visualizar,
classificar, categorizar, pedir e oferecer ajuda e estabelecer acordos.
Mesa redondaA Aprendizagem Cooperativa
 Pode ser utilizado em atividades como assinalar fonemas, números, completar
imagens, atividades de expressão plástica…;
 Organizar grupos de três ou quatro elementos, distribuir um lápis e uma folha de
papel por grupo e apresentar uma tarefa que requeira mais que uma resposta;
 O(a) Professor(a)/Educador(a) estipula um tempo para a realização da atividade
e o tempo para que cada criança possa escrever uma resposta ou ideia sobre o
assunto e passar o papel no sentido dos ponteiros do relógio ao colega seguinte;
 Quando terminar o tempo, o grupo compartilha o produto final com toda a turma.
Par GeladoA Aprendizagem Cooperativa
 Útil para a discussão de diversos assuntos;
 Potencia o relacionamento de todos os alunos da turma e desenvolve
competências ao nível da partilha de conhecimentos, espírito criativo,
entreajuda …
 Quando o(a) educador(a)/professor(a) disser “Misturar” as crianças
circulam pela sala, até que este diga STOP ou GELO, altura em que
terão que parar. De seguida, diz “pares” e as crianças formam um par
com o colega que estiver mais próximo;
Par GeladoA Aprendizagem Cooperativa
 Nesta altura, o(a) educador(a)/professor(a) anuncia o assunto da
discussão ou tarefa e indica o tempo de realização. Os pares discutem o
assunto ou realizam a tarefa.
 As crianças misturam-se e formam novos pares para discutirem um novo
assunto ou realizarem uma nova tarefa.
Círculos concêntricosA Aprendizagem Cooperativa
 Permite que as crianças tenham uma discussão estruturada entre si, num curto
período de tempo, desenvolvendo competências como a partilha de informações
e ideias, conhecimento mútuo, comunicação, escuta ativa, fazer perguntas…;
 As crianças sentam-se em dois círculos concêntricos, frente a frente, e partilham
informações com o colega da frente ou colocam-lhe questões;
 Ao sinal do(a) educador(a)/professor(a), as crianças do círculo interior avançam
um lugar no sentido dos ponteiros do relógio. Nesta altura, as crianças
comunicam ao novo parceiro o que foi discutido com o parceiro anterior. Caso
seja necessário, os passos de implementação podem ser repetidos.
Grafiti coletivoA Aprendizagem Cooperativa
 Agrupar as crianças em volta de uma folha dividida de acordo com o número de
elementos de cada grupo;
 Cada criança dispõe de um espaço para executar o trabalho pretendido e deverá
colocar por baixo do seu trabalho o seu nome;
 Depois do tempo estabelecido, a folha roda numa posição e cada criança realiza
o seu trabalho, de acordo com a nova instrução, até que a folha rode e volte à
posição inicial;
 As competências que este método permite desenvolver são o afirmar-se,
partilhar e comparar ideias, ocupar o seu espaço pessoal, obedecer a instruções
ou ordens e defender as suas ideias.
Distribuição de papéisA Aprendizagem Cooperativa
a) Cada membro da equipa deve desempenhar um papel;
b) Todos os papéis são igualmente importantes, nenhum papel é
mais importante que o outro;
c) As crianças devem compreender que terão oportunidade de
desempenhar todos os papéis.
Lopes e Silva (2008, p. 29)
Distribuição de papéisA Aprendizagem Cooperativa
- Comentador/observador - regista o desempenho dos elementos do grupo
na realização do seu papel e apresenta observações e os progressos
realizados pelo grupo;
- Conciliador ou harmonizador - Encoraja e felicita o trabalho do grupo,
previne e concilia eventuais conflitos e dá sugestões para a resolução de
problemas;
- Facilitador de comunicação - lê e recorda as instruções do trabalho, faz
com que os elementos do grupo desempenhem o papel que lhes foi atribuído
e incita a participação de todos os elementos do grupo;
Distribuição de papéisA Aprendizagem Cooperativa
- Intermediário - Solicita a ajuda do professor e dos colegas para
esclarecimentos relacionados com a realização da tarefa e expõe a todo o
grupo os resultados desta solicitação.
- Verificador - Certifica-se de que o grupo terminou o trabalho e que está a ser
corretamente elaborado, regista as respostas e arquiva o material produzido
pelo grupo;
Funções do professor durante
o trabalho de grupo
A Aprendizagem Cooperativa
• Garantir que cada aluno conhece os objetivos do grupo;
• Verificar se se realiza o intercâmbio necessário dentro do grupo e controlar a
rotatividade dos papéis;
• Estimular o intercâmbio de explicações e justificações que tenham a ver com
a realização das tarefas;
• Assegurar a disponibilidade dos recursos básicos para a realização do
trabalho;
• Garantir o sucesso dos elementos mais fracos;
Funções do professor durante
o trabalho de grupo
A Aprendizagem Cooperativa
• Fornecer ao grupo critérios e instrumentos de avaliação do seu trabalho;
• Controlar o tempo que o grupo ocupa na realização das tarefas;
• Responder apenas a questões que tenham a ver com decisões do grupo e
que não se tenham resolvido com razoabilidade; Dar ênfase ao papel que
cada um desempenha dentro do grupo;
• Estimular a argumentação dentro do grupo sempre que haja opiniões
divergentes.
Fases de implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa
Para que os alunos adquiram hábitos de trabalho cooperativo, o professor
deverá ainda observar algumas etapas:
a) os alunos deverão começar por trabalhar juntos algumas vezes sem lhes
ser atribuído qualquer papel;
b) os papéis devem ser introduzidos gradualmente de acordo com o seu grau
de dificuldade;
c) os papéis devem rodar dentro do grupo para que todos os elementos
desempenhem o maior número de vezes possível o mesmo papel;
d) devem ser atribuídos papéis referentes ao funcionamento do grupo;
e) o professor pode conjugar papéis de diferentes categorias e elevar o seu
grau de dificuldade.
Fases de implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa
Fase de pré-implementação Fase de implementação
Fase de pós-implementação
Fase de pré-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa
1. Explicar a metodologia, identificando os benefícios e resultados
conseguidos com esta utilização;
2. Determinar o tamanho do grupo e distribuir os alunos pelos grupos, quer
sejam heterogéneos ou homogéneos, os grupos devem manter alguma
estabilidade uma vez que é necessário que o grupo se conheça para que se
possa potenciar o desenvolvimento do espírito de coesão e pertença);
3. Atribuir papéis aos elementos do grupo, cabe ao professor assegurar a
rotatividade de papéis por forma a potenciar o desenvolvimento de
competências nos alunos);
Fase de pré-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa
4. Organizar a sala de forma a facilitar as interações entre os alunos, quando
estiverem a trabalhar em grupo, possível existência de elementos que
favoreçam o desenvolvimento desta metodologia como é o caso de quadros
com regras, construídos pelos alunos ou relógios que permitam controlar o
tempo nas atividades cooperativas;
5. Planificar materiais de ensino para promover a interdependência na
realização das tarefas, para que cada aluno possa, individualmente, dar um
contributo único e significativo para o sucesso do grupo;
Fase de pré-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa
6. Distribuir tarefas e selecionar o método mais adequado ao
desenvolvimento das mesmas, para que sejam interessantes, variadas,
motivadoras e significativas;
7. Estabelecer os critérios de sucesso e informar os grupos de quais as
competências que serão alvo de avaliação, utilizando, para esse efeito, um
instrumento que pode requerer a participação dos alunos para avaliarem o
trabalho de grupo e o trabalho produzido;
Fase de pré-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa
8. Estruturar a interdependência positiva e a responsabilidade, organizando
grupos pequenos, para que cada elemento dê o seu contributo para a realização
do trabalho, e colocando questões individualmente e ao grupo para testar o
conhecimento que possuem e que vão desenvolvendo ao longo da realização
da tarefa;
9. Estabelecer os comportamentos desejados, ensinando aos alunos como
trabalhar em grupo.
Fase de implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa
1. Circular pela sala para verificar de que forma os grupos trabalham;
2. Intervir se necessário, caso o professor se depare com eventuais conflitos
no grupo;
3. Prestar ajuda, caso ache necessário, fornecendo recursos, pontos de vista
adicionais e incentivos;
4. Elogiar individualmente, e em grupo, as boas práticas de trabalho que
tenha identificado, dando conhecimento aos alunos se realizaram o trabalho.
Fase de pós-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa
1. Pedir aos grupos que sintetizem os seus trabalhos e façam uma
apresentação à turma.
2. Avaliar o trabalho produzido por cada grupo, assim como a forma como os
alunos trabalharam em grupo. As grelhas que o professor utilizar para esta
avaliação deverão ser feitas na fase de pré-implementação, com o contributo
dos alunos.
3. Promover a reflexão sobre o trabalho desenvolvido, a partir de registos do
que foi trabalhado. Estes registos devem ser partilhados com os alunos e o
professor deverá reformular as suas aulas com base na reflexão e feedback
fornecidos pelos alunos.
BibliografiaA Aprendizagem Cooperativa
1. ARENDS, Richard (2008). “Aprender a ensinar”. (7.ª Edição). Modelos de ensino interactivo
centrados no professor.
2. CARDOSO, Jorge (2013). “O professor do Futuro”. Guerra e Paz, Editores, S.A.
3. COSME, Ariana e TRINDADE, Rui. (2001). “Área de Projecto - Percursos com sentidos”. Porto.
Edições Asa.
4. COSME, Ariana e TRINDADE, Rui. (2006). “Manual de Sobrevivência para Professores”. Porto.
Edições Asa.
5. GILLERAN, Anne e KEARNEY, Caroline (2014). “Desenvolver as competências dos alunos através
do eTwinning”. Edição: Serviços Centrais de Apoio eTwinning.
6. LOPES, José e SILVA, Helena Santos (2015). “Eu, Professor, Pergunto – 1”. Lisboa. PACTOR –
Edições de Ciências Socias, Forenses e da Educação.
BibliografiaA Aprendizagem Cooperativa
7. LOPES, José e SILVA, Helena Santos (2015). “Eu, Professor, Pergunto – 2”. Lisboa. PACTOR –
Edições de Ciências Socias, Forenses e da Educação.
8. LOPES, José e SILVA, Helena Santos (2009). “A Aprendizagem Cooperativa na Sala de Aula - Um
guia prático para o professor”. Lidel Edições.
9. LOPES, José e SILVA, Helena Santos (2009). “Métodos de Aprendizagem Cooperativa para o
Jardim-de-Infância”. Areal Editores.
10. FORMOSINHO, Júlia Oliveira e GAMBÔA, Rosário (2011). “O Trabalho de Projeto na Pedagogia-
em-Participação”. Porto Editora.
11. NIZA, Sérgio (2009). “Contextos Cooperativos e Aprendizagem Profissional. A Formação no
Movimento da Escola Moderna.” In J. Formosinho (coord) Formação de Professores –
Aprendizagem profissional e ação docente (pp. 345-362). Porto: Porto Editora.
13. VEIGA, Feliciano H. (2013). “Psicologia da Educação. Teoria, Investigação e Aplicação.
Envolvimento dos alunos na escola. Ensinar para a Aprendizagem Escolar 12.” 495 – 542.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Acnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasAcnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivas
Sandra Evt
 
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019 Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
SalaAmarelaJIGradil
 
Observação sala de aula pedro reis
Observação sala de aula pedro reisObservação sala de aula pedro reis
Observação sala de aula pedro reis
sitedcoeste
 
Elaborar biografia
Elaborar biografiaElaborar biografia
Elaborar biografia
amelasa
 
Projeto roda de leitura
Projeto roda de leituraProjeto roda de leitura
Projeto roda de leitura
Grupo "FG"
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
Arte Tecnologia
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
Magda Marques
 
Exemplo_Documento_ACS.docx
Exemplo_Documento_ACS.docxExemplo_Documento_ACS.docx
Exemplo_Documento_ACS.docx
Carlos Dias
 
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxRECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
EsterLeite4
 
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Atividades da Biblioteca EscolarPlano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico
João Manuel
 
Grelha de avaliação dos trabalhos vazia
Grelha de avaliação dos trabalhos vaziaGrelha de avaliação dos trabalhos vazia
Grelha de avaliação dos trabalhos vazia
Sara Costa
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Mario Amorim
 
Projeto de leitura
Projeto de leitura Projeto de leitura
Projeto de leitura
cacau flamengo
 
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
Graça Sousa
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricular
Karen Araki
 
Projeto leitura
Projeto leituraProjeto leitura
Projeto leitura
Jaiza Nobre
 
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
pipatcleopoldina
 
Registros - Caderno de Campo e Portfólio- Apresentação para a III feira Munic...
Registros - Caderno de Campo e Portfólio- Apresentação para a III feira Munic...Registros - Caderno de Campo e Portfólio- Apresentação para a III feira Munic...
Registros - Caderno de Campo e Portfólio- Apresentação para a III feira Munic...
Sara Cristina
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
Claudia Elisabete Silva
 

Mais procurados (20)

Acnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivasAcnd sinteses descritivas
Acnd sinteses descritivas
 
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019 Relatório Auto-avaliação Docente 2019
Relatório Auto-avaliação Docente 2019
 
Observação sala de aula pedro reis
Observação sala de aula pedro reisObservação sala de aula pedro reis
Observação sala de aula pedro reis
 
Elaborar biografia
Elaborar biografiaElaborar biografia
Elaborar biografia
 
Projeto roda de leitura
Projeto roda de leituraProjeto roda de leitura
Projeto roda de leitura
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Exemplo_Documento_ACS.docx
Exemplo_Documento_ACS.docxExemplo_Documento_ACS.docx
Exemplo_Documento_ACS.docx
 
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptxRECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
RECOMPOSIÇÃO DAS APRENDIZAGENS.pptx
 
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Atividades da Biblioteca EscolarPlano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
Plano Anual de Atividades da Biblioteca Escolar
 
Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico Retrato físico e psicológico
Retrato físico e psicológico
 
Grelha de avaliação dos trabalhos vazia
Grelha de avaliação dos trabalhos vaziaGrelha de avaliação dos trabalhos vazia
Grelha de avaliação dos trabalhos vazia
 
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
Métodos de Ensino - Texto de Libâneo (1994)
 
Projeto de leitura
Projeto de leitura Projeto de leitura
Projeto de leitura
 
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
50 Ideias e Sugestões de Atividades e Jogos Para Suas Aulas
 
Adaptação curricular
Adaptação curricularAdaptação curricular
Adaptação curricular
 
Projeto leitura
Projeto leituraProjeto leitura
Projeto leitura
 
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
 
Registros - Caderno de Campo e Portfólio- Apresentação para a III feira Munic...
Registros - Caderno de Campo e Portfólio- Apresentação para a III feira Munic...Registros - Caderno de Campo e Portfólio- Apresentação para a III feira Munic...
Registros - Caderno de Campo e Portfólio- Apresentação para a III feira Munic...
 
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
 

Destaque

Aprendiz Online
Aprendiz OnlineAprendiz Online
Aprendiz Online
Fernando Pimentel
 
A P R E N D I Z A G E M
A P R E N D I Z A G E MA P R E N D I Z A G E M
A P R E N D I Z A G E M
fmazzolla
 
Tecnologia
TecnologiaTecnologia
Apresentação ac 2_site
Apresentação ac 2_siteApresentação ac 2_site
Apresentação ac 2_site
ramalhorolim
 
Apresentação ac 1_site
Apresentação ac 1_siteApresentação ac 1_site
Apresentação ac 1_site
ramalhorolim
 
Aprendizagem cooperativa
Aprendizagem cooperativaAprendizagem cooperativa
Aprendizagem cooperativa
psicologiaestoi
 
Aprendizagem cooperativa II abril 2015
Aprendizagem cooperativa II abril 2015Aprendizagem cooperativa II abril 2015
Aprendizagem cooperativa II abril 2015
ramalhorolim
 
Trabalho colaborativo
Trabalho colaborativoTrabalho colaborativo
Trabalho colaborativo
rverardi
 
TRABALHO COLABORATIVO. EU, TU, NÓS.
TRABALHO COLABORATIVO. EU, TU, NÓS.TRABALHO COLABORATIVO. EU, TU, NÓS.
TRABALHO COLABORATIVO. EU, TU, NÓS.
lucavao2010
 
Trabalho colaborativo3 ppt
Trabalho colaborativo3 pptTrabalho colaborativo3 ppt
Trabalho colaborativo3 ppt
peacel
 
Apresentação sobre os pilares da educação.
Apresentação sobre os pilares da educação.Apresentação sobre os pilares da educação.
Apresentação sobre os pilares da educação.
Liz de Oliveira Mendes Francisco
 
Trabalho Colaborativo
Trabalho ColaborativoTrabalho Colaborativo
Trabalho Colaborativo
Márcia Castilho de Sales
 
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
Sofia Cavaco
 
Google Docs: Aprendizagem Colaborativa
Google Docs: Aprendizagem ColaborativaGoogle Docs: Aprendizagem Colaborativa
Google Docs: Aprendizagem Colaborativa
Grupo 5
 
Aprendizagem cooperativa UFC
Aprendizagem cooperativa UFCAprendizagem cooperativa UFC
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de AprendizagemPlataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Carina Mano
 
Apresentação sobre os pilares da educação.
Apresentação sobre os pilares da educação.Apresentação sobre os pilares da educação.
Apresentação sobre os pilares da educação.
professorjoaomoreira1
 
Aprendizagem colaborativa
Aprendizagem colaborativaAprendizagem colaborativa
Aprendizagem colaborativa
Maria de los Dolores J Peña
 
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Sandra Oliveira
 
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
Alba Mate Mate
 

Destaque (20)

Aprendiz Online
Aprendiz OnlineAprendiz Online
Aprendiz Online
 
A P R E N D I Z A G E M
A P R E N D I Z A G E MA P R E N D I Z A G E M
A P R E N D I Z A G E M
 
Tecnologia
TecnologiaTecnologia
Tecnologia
 
Apresentação ac 2_site
Apresentação ac 2_siteApresentação ac 2_site
Apresentação ac 2_site
 
Apresentação ac 1_site
Apresentação ac 1_siteApresentação ac 1_site
Apresentação ac 1_site
 
Aprendizagem cooperativa
Aprendizagem cooperativaAprendizagem cooperativa
Aprendizagem cooperativa
 
Aprendizagem cooperativa II abril 2015
Aprendizagem cooperativa II abril 2015Aprendizagem cooperativa II abril 2015
Aprendizagem cooperativa II abril 2015
 
Trabalho colaborativo
Trabalho colaborativoTrabalho colaborativo
Trabalho colaborativo
 
TRABALHO COLABORATIVO. EU, TU, NÓS.
TRABALHO COLABORATIVO. EU, TU, NÓS.TRABALHO COLABORATIVO. EU, TU, NÓS.
TRABALHO COLABORATIVO. EU, TU, NÓS.
 
Trabalho colaborativo3 ppt
Trabalho colaborativo3 pptTrabalho colaborativo3 ppt
Trabalho colaborativo3 ppt
 
Apresentação sobre os pilares da educação.
Apresentação sobre os pilares da educação.Apresentação sobre os pilares da educação.
Apresentação sobre os pilares da educação.
 
Trabalho Colaborativo
Trabalho ColaborativoTrabalho Colaborativo
Trabalho Colaborativo
 
Aprendizagem Colaborativa
Aprendizagem ColaborativaAprendizagem Colaborativa
Aprendizagem Colaborativa
 
Google Docs: Aprendizagem Colaborativa
Google Docs: Aprendizagem ColaborativaGoogle Docs: Aprendizagem Colaborativa
Google Docs: Aprendizagem Colaborativa
 
Aprendizagem cooperativa UFC
Aprendizagem cooperativa UFCAprendizagem cooperativa UFC
Aprendizagem cooperativa UFC
 
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de AprendizagemPlataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
 
Apresentação sobre os pilares da educação.
Apresentação sobre os pilares da educação.Apresentação sobre os pilares da educação.
Apresentação sobre os pilares da educação.
 
Aprendizagem colaborativa
Aprendizagem colaborativaAprendizagem colaborativa
Aprendizagem colaborativa
 
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
Plataformas Colaborativas e de Aprendizagem
 
1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem1.processo de ensino e aprendizagem
1.processo de ensino e aprendizagem
 

Semelhante a A Aprendizagem Cooperativa na escola

Aula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1aAula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1a
Carlos Alberto Bonatto
 
Método PBL - Problem Based Learning FGV
Método PBL - Problem Based Learning FGVMétodo PBL - Problem Based Learning FGV
Método PBL - Problem Based Learning FGV
FAIR PLAY AD / @VeronicaRRSouza
 
50 ideias para começar o ano
50 ideias para começar o ano50 ideias para começar o ano
50 ideias para começar o ano
eliasdemoch
 
Pauta
PautaPauta
50 ideias para coordenação
50 ideias para coordenação50 ideias para coordenação
50 ideias para coordenação
Claudia Ramos
 
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
Viotto advocacia
 
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
ProfCibellePires
 
Andragogia apresentação
Andragogia apresentaçãoAndragogia apresentação
Andragogia apresentação
Elisabete DSOP
 
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Alexandra Carneiro
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
Natalia384006
 
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenave
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenaveComo escolher e organizar atividades de ensino bordenave
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenave
Elisa Maria Gomide
 
Organização em função dos objetivos
Organização em função dos objetivosOrganização em função dos objetivos
Organização em função dos objetivos
formacaodecoordenadores
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Profª Fabi Sobrenome
 
atitudes operativas em espaços de educação.pptx
atitudes operativas em espaços de educação.pptxatitudes operativas em espaços de educação.pptx
atitudes operativas em espaços de educação.pptx
psicomaraferreira
 
Organizacao e Trabalho em Projetos de Grupo
Organizacao e Trabalho em Projetos de GrupoOrganizacao e Trabalho em Projetos de Grupo
Organizacao e Trabalho em Projetos de Grupo
Alex Sandro C. Sant'Ana
 
A avaliação deve orientar a aprendizagem
A avaliação deve orientar a aprendizagemA avaliação deve orientar a aprendizagem
A avaliação deve orientar a aprendizagem
Roberto Costa
 
CARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdfCARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdf
GiselleMoreira13
 
Apresentação g2 final
Apresentação g2   finalApresentação g2   final
Apresentação g2 final
Paulo de Freitas
 
Jornadas pedagogicas.pdf
Jornadas pedagogicas.pdfJornadas pedagogicas.pdf
Jornadas pedagogicas.pdf
FtimaCortes4
 
C 02 bd-aprender estudar distancia
C 02 bd-aprender estudar distanciaC 02 bd-aprender estudar distancia
C 02 bd-aprender estudar distancia
Jo Josinha
 

Semelhante a A Aprendizagem Cooperativa na escola (20)

Aula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1aAula 2 unidade 1a
Aula 2 unidade 1a
 
Método PBL - Problem Based Learning FGV
Método PBL - Problem Based Learning FGVMétodo PBL - Problem Based Learning FGV
Método PBL - Problem Based Learning FGV
 
50 ideias para começar o ano
50 ideias para começar o ano50 ideias para começar o ano
50 ideias para começar o ano
 
Pauta
PautaPauta
Pauta
 
50 ideias para coordenação
50 ideias para coordenação50 ideias para coordenação
50 ideias para coordenação
 
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
50 dicas para professores começarem bem o ano letivo
 
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
 
Andragogia apresentação
Andragogia apresentaçãoAndragogia apresentação
Andragogia apresentação
 
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
Observação de aulas em parceria - uma experiência de formação
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
 
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenave
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenaveComo escolher e organizar atividades de ensino bordenave
Como escolher e organizar atividades de ensino bordenave
 
Organização em função dos objetivos
Organização em função dos objetivosOrganização em função dos objetivos
Organização em função dos objetivos
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
atitudes operativas em espaços de educação.pptx
atitudes operativas em espaços de educação.pptxatitudes operativas em espaços de educação.pptx
atitudes operativas em espaços de educação.pptx
 
Organizacao e Trabalho em Projetos de Grupo
Organizacao e Trabalho em Projetos de GrupoOrganizacao e Trabalho em Projetos de Grupo
Organizacao e Trabalho em Projetos de Grupo
 
A avaliação deve orientar a aprendizagem
A avaliação deve orientar a aprendizagemA avaliação deve orientar a aprendizagem
A avaliação deve orientar a aprendizagem
 
CARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdfCARTILHA TUTORIA.pdf
CARTILHA TUTORIA.pdf
 
Apresentação g2 final
Apresentação g2   finalApresentação g2   final
Apresentação g2 final
 
Jornadas pedagogicas.pdf
Jornadas pedagogicas.pdfJornadas pedagogicas.pdf
Jornadas pedagogicas.pdf
 
C 02 bd-aprender estudar distancia
C 02 bd-aprender estudar distanciaC 02 bd-aprender estudar distancia
C 02 bd-aprender estudar distancia
 

Mais de EBS/PE da Calheta

FINALIDADES EDUCATIVAS EM CRECHE_22-23.pdf
FINALIDADES EDUCATIVAS EM CRECHE_22-23.pdfFINALIDADES EDUCATIVAS EM CRECHE_22-23.pdf
FINALIDADES EDUCATIVAS EM CRECHE_22-23.pdf
EBS/PE da Calheta
 
Gosto muito de sopas saladas coloridas
Gosto muito de sopas saladas coloridasGosto muito de sopas saladas coloridas
Gosto muito de sopas saladas coloridas
EBS/PE da Calheta
 
Riscos e rabiscos
Riscos e rabiscosRiscos e rabiscos
Riscos e rabiscos
EBS/PE da Calheta
 
Rimas
RimasRimas
Encontro "Ambientes Inovadores de Aprendizagem (12-01-2018)
Encontro "Ambientes Inovadores de Aprendizagem (12-01-2018)Encontro "Ambientes Inovadores de Aprendizagem (12-01-2018)
Encontro "Ambientes Inovadores de Aprendizagem (12-01-2018)
EBS/PE da Calheta
 
Trabalho a pares: o sistema solar
Trabalho a pares: o sistema solarTrabalho a pares: o sistema solar
Trabalho a pares: o sistema solar
EBS/PE da Calheta
 
Níveis de pensamento de bloom ferramentas web
Níveis de pensamento de bloom ferramentas webNíveis de pensamento de bloom ferramentas web
Níveis de pensamento de bloom ferramentas web
EBS/PE da Calheta
 
Cartas andarilhas
Cartas andarilhasCartas andarilhas
Cartas andarilhas
EBS/PE da Calheta
 
Exemplos de fichas de papéis (trabalho cooperativo)
Exemplos de fichas de papéis (trabalho cooperativo)Exemplos de fichas de papéis (trabalho cooperativo)
Exemplos de fichas de papéis (trabalho cooperativo)
EBS/PE da Calheta
 
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
EBS/PE da Calheta
 
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
EBS/PE da Calheta
 
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
EBS/PE da Calheta
 
Tarefa de Aplicação para o fonema p, b, d, f...
Tarefa de Aplicação para o fonema p, b, d, f...Tarefa de Aplicação para o fonema p, b, d, f...
Tarefa de Aplicação para o fonema p, b, d, f...
EBS/PE da Calheta
 
Cartão com o fonema t e r
Cartão com o fonema t e rCartão com o fonema t e r
Cartão com o fonema t e r
EBS/PE da Calheta
 
Anexo - cartões para a TAF dos cantos e saco
Anexo - cartões para a TAF dos cantos e sacoAnexo - cartões para a TAF dos cantos e saco
Anexo - cartões para a TAF dos cantos e saco
EBS/PE da Calheta
 
Identificação de imagens com o som P, R, S
Identificação de imagens com o som P, R, SIdentificação de imagens com o som P, R, S
Identificação de imagens com o som P, R, S
EBS/PE da Calheta
 
Texto papo de vento
Texto papo de ventoTexto papo de vento
Texto papo de vento
EBS/PE da Calheta
 
Avaliar para aprender
Avaliar para aprenderAvaliar para aprender
Avaliar para aprender
EBS/PE da Calheta
 
Procedimentos para conhecer os estilos de aprendizagem dos seus alunos
Procedimentos para conhecer os estilos de aprendizagem dos seus alunosProcedimentos para conhecer os estilos de aprendizagem dos seus alunos
Procedimentos para conhecer os estilos de aprendizagem dos seus alunos
EBS/PE da Calheta
 
Como tornar as aulas didáticas ou memoráveis
Como tornar as aulas didáticas ou memoráveisComo tornar as aulas didáticas ou memoráveis
Como tornar as aulas didáticas ou memoráveis
EBS/PE da Calheta
 

Mais de EBS/PE da Calheta (20)

FINALIDADES EDUCATIVAS EM CRECHE_22-23.pdf
FINALIDADES EDUCATIVAS EM CRECHE_22-23.pdfFINALIDADES EDUCATIVAS EM CRECHE_22-23.pdf
FINALIDADES EDUCATIVAS EM CRECHE_22-23.pdf
 
Gosto muito de sopas saladas coloridas
Gosto muito de sopas saladas coloridasGosto muito de sopas saladas coloridas
Gosto muito de sopas saladas coloridas
 
Riscos e rabiscos
Riscos e rabiscosRiscos e rabiscos
Riscos e rabiscos
 
Rimas
RimasRimas
Rimas
 
Encontro "Ambientes Inovadores de Aprendizagem (12-01-2018)
Encontro "Ambientes Inovadores de Aprendizagem (12-01-2018)Encontro "Ambientes Inovadores de Aprendizagem (12-01-2018)
Encontro "Ambientes Inovadores de Aprendizagem (12-01-2018)
 
Trabalho a pares: o sistema solar
Trabalho a pares: o sistema solarTrabalho a pares: o sistema solar
Trabalho a pares: o sistema solar
 
Níveis de pensamento de bloom ferramentas web
Níveis de pensamento de bloom ferramentas webNíveis de pensamento de bloom ferramentas web
Níveis de pensamento de bloom ferramentas web
 
Cartas andarilhas
Cartas andarilhasCartas andarilhas
Cartas andarilhas
 
Exemplos de fichas de papéis (trabalho cooperativo)
Exemplos de fichas de papéis (trabalho cooperativo)Exemplos de fichas de papéis (trabalho cooperativo)
Exemplos de fichas de papéis (trabalho cooperativo)
 
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
 
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
 
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
Tarefa de avaliação - fonema p, b, d, f...
 
Tarefa de Aplicação para o fonema p, b, d, f...
Tarefa de Aplicação para o fonema p, b, d, f...Tarefa de Aplicação para o fonema p, b, d, f...
Tarefa de Aplicação para o fonema p, b, d, f...
 
Cartão com o fonema t e r
Cartão com o fonema t e rCartão com o fonema t e r
Cartão com o fonema t e r
 
Anexo - cartões para a TAF dos cantos e saco
Anexo - cartões para a TAF dos cantos e sacoAnexo - cartões para a TAF dos cantos e saco
Anexo - cartões para a TAF dos cantos e saco
 
Identificação de imagens com o som P, R, S
Identificação de imagens com o som P, R, SIdentificação de imagens com o som P, R, S
Identificação de imagens com o som P, R, S
 
Texto papo de vento
Texto papo de ventoTexto papo de vento
Texto papo de vento
 
Avaliar para aprender
Avaliar para aprenderAvaliar para aprender
Avaliar para aprender
 
Procedimentos para conhecer os estilos de aprendizagem dos seus alunos
Procedimentos para conhecer os estilos de aprendizagem dos seus alunosProcedimentos para conhecer os estilos de aprendizagem dos seus alunos
Procedimentos para conhecer os estilos de aprendizagem dos seus alunos
 
Como tornar as aulas didáticas ou memoráveis
Como tornar as aulas didáticas ou memoráveisComo tornar as aulas didáticas ou memoráveis
Como tornar as aulas didáticas ou memoráveis
 

Último

Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsxGuerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Guerra e Paz Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

A Aprendizagem Cooperativa na escola

  • 1. O que vos sugerem estas imagens?!
  • 3. A Aprendizagem Cooperativa Benefícios Sociais Psicológicos Académicos na Avaliação
  • 4. A Aprendizagem Cooperativa DIMENSÕES  Estimula e desenvolve as relações interpessoais;  Promove respostas sociais positivas  Encoraja a responsabilidade pelos outros;  Maior número de relações heterogéneas positivas;  Estabelece uma atmosfera de cooperação e de ajuda em toda a escola;  Os alunos desenvolvem o espírito crítico e o respeito pela opinião dos outros; Benefícios Sociais
  • 5. A Aprendizagem Cooperativa DIMENSÕES  Fomenta o espírito de equipa e a abordagem da equipa para a resolução de problemas;  Fomenta a prática do desenvolvimento de competências de liderança;  Ajuda os professores a tornarem-se mais facilitadores da aprendizagem, permitindo passar da aprendizagem centrada no professor para a aprendizagem centrada no aluno. Benefícios Sociais
  • 6. A Aprendizagem Cooperativa DIMENSÕES  Promove o aumento da autoestima;  Melhora a satisfação do aluno com as experiências de aprendizagem;  Encoraja os alunos a procurar ajuda e a aceitar a tutoria dos outros colegas;  A ansiedade nos testes é significativamente reduzida;  Cria uma atitude mais positiva dos alunos em relação aos professores;  Estabelece elevadas expetativas para alunos e professores. Benefícios Psicológicos
  • 7. A Aprendizagem Cooperativa DIMENSÕES  Estimula o pensamento crítico e ajuda os alunos a clarificar as ideias através da discussão e do debate;  Desenvolve as competências de comunicação oral;  Fomenta as competências metacognitivas nos alunos;  Cria um ambiente de aprendizagem ativo, envolvente e investigativo;  Ajuda os alunos a deixarem de considerar os professores como as únicas fontes de conhecimento e saberes; Benefícios Académicos
  • 8. A Aprendizagem Cooperativa DIMENSÕES  Melhora o rendimento escolar dos alunos e a assiduidade às aulas;  Aumenta a persistência dos alunos na conclusão dos exercícios e a probabilidade de serem bem-sucedidos na conclusão dos mesmos;  Os alunos permanecem mais tempo na tarefa e apresentam menos problemas disciplinares;  Permite a atribuição de tarefas mais desafiadoras sem tornar a carga de trabalho excessiva; Benefícios Académicos
  • 9. A Aprendizagem Cooperativa DIMENSÕES  Os alunos mais fracos melhoram o seu desempenho quando se juntam com colegas que têm melhor rendimento escolar;  Leva à produção de mais e melhores questões na aula;  Os alunos exploram soluções alternativas para os problemas num ambiente seguro;  Permite atender às diferenças de estilos de aprendizagem dos alunos. Benefícios Académicos
  • 10. A Aprendizagem Cooperativa DIMENSÕES  Proporciona formas de avaliação alternativas tais como a observação de grupos, avaliação do espírito de grupo e avaliações individuais escritas curtas;  Proporciona feedback imediato aos alunos e ao professor sobre a eficácia de cada turma e sobre o progresso dos alunos, a partir da observação do trabalho individual e em grupo;  Os grupos são mais fáceis de supervisionar do que os alunos individualmente. Benefícios na Avaliação
  • 11. A Aprendizagem Cooperativa Tipos de interdependência positiva Interdependência positiva de objetivos Interdependência positiva de tarefas Interdependência positiva de papéis Interdependência positiva na recompensa ou na celebração Interdependência positiva de recursos Interdependência positiva na identidade
  • 12. Interdependência positiva de objetivos A Aprendizagem Cooperativa  Ocorre quando o grupo toma consciência de que só atingirá os objetivos pretendidos se todos os elementos do grupo o conseguirem e que “os participantes trabalham para a realização de um objetivo comum – o de terminar a tarefa”. (Lopes e Silva, 2008, p. 15).
  • 13. Interdependência positiva na recompensa ou na celebração A Aprendizagem Cooperativa  Acontece quando os objetivos do trabalho são atingidos, o que leva a que os elementos do grupo se sintam recompensados;  Recompensas extrínsecas como forma de gratificação, no entanto, não é recomendado utilizar demasiadas vezes recompensas materiais. (Lopes e Silva, 2008, p. 16).
  • 14. Interdependência positiva de tarefas A Aprendizagem Cooperativa  Acontece quando os alunos se organizam de forma a repartir a tarefa para que cada aluno tenha responsabilidade na realização da mesma;  Normalmente isto acontece quando um tema é subdividido e uns alunos fazem um tipo de pesquisa e outros fazem outro. (Lopes e Silva, 2008, p. 16).
  • 15. Interdependência positiva de recursos A Aprendizagem Cooperativa  Necessidade de haver a partilha de materiais para a realização das tarefas, quando apenas alguns dos elementos do grupo detêm os recursos, a informação ou os materiais essenciais para que o grupo alcance os objetivos pretendidos;  Deve ser fornecido material suficiente para que as crianças não o tirem umas às outras, mas limitá-lo para que sejam obrigadas a compartilhá-lo e a esperarem pela sua vez para o utilizar. (Lopes e Silva, 2008, p. 15).
  • 16. Interdependência positiva de papéis A Aprendizagem Cooperativa  Acontece quando a cada elemento do grupo se designam papéis complementares e interrelacionados que especificam as responsabilidades necessárias do grupo para que ele complete uma tarefa conjunta. (Lopes e Silva, 2008, p. 16).
  • 17. Interdependência positiva na identidade A Aprendizagem Cooperativa  Ocorre quando os elementos do grupo cooperativo são capazes de se identificar como elementos do mesmo, manifestando sentimentos de pertença para com este. (Fontes e Freixo, 2004, p. 31)
  • 18. Interdependência positiva na identidade A Aprendizagem Cooperativa  A responsabilidade individual/grupo decorre do facto de nos trabalhos em grupos cooperativos haver que atribuir responsabilidade ao trabalho de todos e de cada um, os elementos mais fracos são fortalecidos, aprendendo em conjunto com os que são mais capazes, sem que se aproveitem das capacidades dos mesmos, algo que é muito questionado nos trabalhos de grupo tradicionais. (Lopes e Silva, 2008, p. 16)
  • 19. Alguns métodos de aprendizagem cooperativa A Aprendizagem Cooperativa
  • 20. Saber-Querer-AprenderA Aprendizagem Cooperativa  Antes de um filme, lição ou leitura, pôr os alunos a trabalhar em grupos de 3 para escreverem sobre o que já sabem sobre o assunto e o que gostariam de aprender sobre o mesmo. A seguir mostrar o filme, dar a lição ou envolver ou envolver o grupo na leitura de um texto. Pôr cada trio: - A sintetizar informações que já sabem ou conhecem que foi abordada; - A colocar asteriscos nas questões que foram respondidas na lista que elaboraram; - A acrescentar outras coisas que aprenderam em resultado do filme, da lição ou da leitura.
  • 22. Aprendendo juntosA Aprendizagem Cooperativa  Principal objetivo: compreender e favorecer as interações positivas nos grupos e a aquisição ou desenvolvimento das competências sociais, não descura a aprendizagem dos conteúdos.  A sua utilização é indicada para diferentes áreas curriculares: matemática, português, ciências…  Aplicação do método:  São constituídos grupos de alunos com 4-5 elementos, de seguida, são entregues fichas de trabalho, que são elaboradas em conjunto.  É entregue apenas uma ficha pela qual o grupo será avaliado.
  • 23. Aprendendo juntosA Aprendizagem Cooperativa  Não são atribuídas recompensas extrínsecas, uma vez que se pretende potenciar a interdependência positiva e não apenas os bons resultados escolares;  Cabe ao professor encontrar as estratégias mais adequadas para a ocorrência de interdependência positiva, sendo que a atribuição de papéis se apresenta como um bom recurso.
  • 24. Jigsaw ou Quebra-Cabeças A Aprendizagem Cooperativa  A partir dos 5-6 anos de idade;  Os alunos são divididos em grupos heterogéneos de 5 ou 6 elementos – chamados de grupos de base;  A cada elemento do grupo é entregue, pelo professor, os conteúdos (que poderá ser relativa a diversas áreas) escolares divididos consoante o número de elementos de cada grupo. É entregue, ainda, uma ficha com os tópicos que orientam a leitura que deve ser feita da informação entregue.
  • 25. Jigsaw ou Quebra-Cabeças A Aprendizagem Cooperativa  Após efetuarem uma leitura dos tópicos, os alunos com a mesma informação juntam-se em grupos de peritos, para discutirem e prepararem a matéria que, de seguida, será apresentada aos seus colegas do grupo de base;  A avaliação é feita individualmente através de um miniteste e a pontuação obtida por cada aluno é contabilizada para a pontuação do grupo, o que favorece a interdependência entre os elementos do grupo.
  • 26. A Aprendizagem Cooperativa  O n.º de elementos por grupo deverá ser de 4 alunos;  Podem ser utilizados os materiais habituais da área curricular, não havendo a necessidade de se realizarem textos específicos;  A pontuação de cada aluno integrará a pontuação global do grupo, sendo os resultados expostos, posteriormente, num jornal de parede ou boletim informativo;  Este método é bom para trabalhar tarefas e temas mais abertos à discussão e interpretações como é o caso das ciências sociais, ou quando se pretende que os alunos realizem projetos de investigação em bibliotecas. Jigsaw II
  • 27. Grupos de Trabalho para o Sucesso (STAD) A Aprendizagem Cooperativa  Pode ser utilizado com alunos a partir do 2.º ano de escolaridade, com diferentes conteúdos, nas diferentes áreas;  Os grupos devem ser heterogéneos e constituídos por 4 a 5 elementos.  O STAD compreende quatro fases: Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4
  • 28. Grupos de Trabalho para o Sucesso (STAD) A Aprendizagem Cooperativa Apresentação da matéria e treino: após o momento de explicação dos conteúdos por parte do professor, o grupo trabalha em conjunto sobre os mesmos, recorrendo à tutoria entre pares, ou seja, alunos com melhores capacidades ajudam aqueles que apresentam maiores dificuldades. Fase 1
  • 29. Avaliação: os alunos são avaliados, individualmente, através de testes de aquisição dos conhecimentos sendo-lhes atribuída uma pontuação. Fase 2 Grupos de Trabalho para o Sucesso (STAD) A Aprendizagem Cooperativa
  • 30. Pontuações de melhoria: cada aluno tem a possibilidade de melhorar a partir de resultados anteriores. Após cada duas avaliações, as pontuações-base dos alunos são recalculadas, visto que o que interessa é verificar-se uma evolução do desempenho atual do aluno em relação ao seu desempenho passado. Grupos de Trabalho para o Sucesso (STAD) A Aprendizagem Cooperativa Fase 3
  • 31. Reforço: são utilizadas formas de reconhecimento social, como certificados ou outras recompensas. Estas recompensas servem como forma de reconhecimento do grupo pelo seu bom desempenho. Fase 4 Grupos de Trabalho para o Sucesso (STAD) A Aprendizagem Cooperativa
  • 32. TGT (Team Game Tournments) A Aprendizagem Cooperativa  Há, numa fase inicial, a apresentação dos conteúdos à turma, pelo professor;  Há trabalho de grupo em que se recorre à tutoria entre pares tal como no STAD;  Este método difere na fase seguinte, em que se realizam torneios, geralmente no final de cada semana de trabalho;
  • 33. TGT (Team Game Tournments) A Aprendizagem Cooperativa  Nos torneiros distribuem-se os alunos com capacidades semelhantes por mesas onde são feitas perguntas relacionadas com os conteúdos trabalhados, utilizando cartões com questões numeradas. Os torneios correspondem assim à avaliação dos conhecimentos adquiridos pelos alunos;  Os 3 alunos com as classificações mais altas vão para a mesa 1, de seguida, os três com classificações abaixo vão para a mesa 2 e assim sucessivamente;  Cada aluno escolhe um cartão e responde à questão, que deverá ser simples e sobre aspetos relevantes do que está a aprender. A pontuação das equipas é calculada através da soma dos pontos obtidos pelos elementos do grupo nos torneios.
  • 34. Senhas para falarA Aprendizagem Cooperativa  O (a) educador (a) ou as crianças escolhem um tema para discutir e são distribuídas um conjunto de senhas para falar;  Estas senhas permitem que as crianças participem na discussão do tema em questão;  Todas as crianças têm que esgotar as suas senhas e não podem utilizar a senha seguinte sem que todos os elementos do grupo tenham utilizado uma antes;  Este método permite desenvolver competências relacionadas com a linguagem oral, o pensamento criativo e a igual participação.
  • 35. Cabeças Numeradas Juntas A Aprendizagem Cooperativa  Permite desenvolver competências ao nível do processamento da informação, comunicação, desenvolvimento do pensamento, revisão da matéria, verificação dos conhecimentos anteriores, escuta ativa e falar num tom de voz baixo.  Atribui-se um número de 1 a 4 a cada criança;  O(a) educador(a) coloca uma questão, que deve ser respondida por todos os elementos do grupo. As crianças pensam em conjunto para responderem à questão;  Após dar um tempo para que as crianças pensem nas respostas, o(a) educador(a) escolhe um número correspondente a um dos elementos do grupo, para que seja este a dar a resposta.
  • 36. Filas ordenadasA Aprendizagem Cooperativa  Este método possibilita a participação simultânea de toda a turma em tarefas que envolvem aprendizagem e consolidação de conceitos, desenvolvimento da linguagem e desenvolvimento do espírito de grupo/turma e da responsabilidade individual, através do envolvimento dos alunos em tarefas que requerem organização de sequencias numa ordem indicada.
  • 37. Filas ordenadasA Aprendizagem Cooperativa  Aplicação do método com atividades que envolvam os alunos na organização cronológica de acontecimentos, de números por ordem crescente e decrescente, de diferentes etapas de ocorrência de um determinado fenómeno ou acontecimento…  Para pôr em prática este método, o(a) Educador(a)/Professor(a) distribui às crianças/alunos cartões relativos a uma determinada tarefa;
  • 38. Filas ordenadasA Aprendizagem Cooperativa  As crianças movimentam-se na sala na posse dos cartões até que o(a) Educador(a)/Professor(a) diga STOP ou GELO. As crianças/alunos param de se movimentar;  O(a) Educador(a)/Professor(a) pede-lhes que olhem para o conteúdo dos seus cartões e dá indicação do procedimento que têm de seguir;  Os alunos organizam-se em fila de acordo com a indicação dada pelo professor.
  • 39. CantosA Aprendizagem Cooperativa  Permite que as crianças aprendam a justificar as suas escolhas e que, ao mesmo tempo, aprendam a ouvir os outros;  A cada canto da sala o(a) Educador(a)/Professor(a) faz corresponder uma perspetiva diferente sobre o mesmo assunto, que deverá ser facilmente identificada pela criança através, por exemplos, de cartazes;  Cada criança irá para o canto escolhido de acordo com a sua opção;  Em cada um dos cantos formam-se pares onde cada criança de cada par explica ao colega as razões da sua escolha;
  • 40. CantosA Aprendizagem Cooperativa  Um colega será responsável por parafrasear os motivos da escolha do outro colega;  As crianças de cada canto deverão ser capazes de identificar as razões que levaram os colegas a optar por cada um dos diferentes cantos;  Este método desenvolve, entre outras competências, o observar, visualizar, classificar, categorizar, pedir e oferecer ajuda e estabelecer acordos.
  • 41. Mesa redondaA Aprendizagem Cooperativa  Pode ser utilizado em atividades como assinalar fonemas, números, completar imagens, atividades de expressão plástica…;  Organizar grupos de três ou quatro elementos, distribuir um lápis e uma folha de papel por grupo e apresentar uma tarefa que requeira mais que uma resposta;  O(a) Professor(a)/Educador(a) estipula um tempo para a realização da atividade e o tempo para que cada criança possa escrever uma resposta ou ideia sobre o assunto e passar o papel no sentido dos ponteiros do relógio ao colega seguinte;  Quando terminar o tempo, o grupo compartilha o produto final com toda a turma.
  • 42. Par GeladoA Aprendizagem Cooperativa  Útil para a discussão de diversos assuntos;  Potencia o relacionamento de todos os alunos da turma e desenvolve competências ao nível da partilha de conhecimentos, espírito criativo, entreajuda …  Quando o(a) educador(a)/professor(a) disser “Misturar” as crianças circulam pela sala, até que este diga STOP ou GELO, altura em que terão que parar. De seguida, diz “pares” e as crianças formam um par com o colega que estiver mais próximo;
  • 43. Par GeladoA Aprendizagem Cooperativa  Nesta altura, o(a) educador(a)/professor(a) anuncia o assunto da discussão ou tarefa e indica o tempo de realização. Os pares discutem o assunto ou realizam a tarefa.  As crianças misturam-se e formam novos pares para discutirem um novo assunto ou realizarem uma nova tarefa.
  • 44. Círculos concêntricosA Aprendizagem Cooperativa  Permite que as crianças tenham uma discussão estruturada entre si, num curto período de tempo, desenvolvendo competências como a partilha de informações e ideias, conhecimento mútuo, comunicação, escuta ativa, fazer perguntas…;  As crianças sentam-se em dois círculos concêntricos, frente a frente, e partilham informações com o colega da frente ou colocam-lhe questões;  Ao sinal do(a) educador(a)/professor(a), as crianças do círculo interior avançam um lugar no sentido dos ponteiros do relógio. Nesta altura, as crianças comunicam ao novo parceiro o que foi discutido com o parceiro anterior. Caso seja necessário, os passos de implementação podem ser repetidos.
  • 45. Grafiti coletivoA Aprendizagem Cooperativa  Agrupar as crianças em volta de uma folha dividida de acordo com o número de elementos de cada grupo;  Cada criança dispõe de um espaço para executar o trabalho pretendido e deverá colocar por baixo do seu trabalho o seu nome;  Depois do tempo estabelecido, a folha roda numa posição e cada criança realiza o seu trabalho, de acordo com a nova instrução, até que a folha rode e volte à posição inicial;  As competências que este método permite desenvolver são o afirmar-se, partilhar e comparar ideias, ocupar o seu espaço pessoal, obedecer a instruções ou ordens e defender as suas ideias.
  • 46. Distribuição de papéisA Aprendizagem Cooperativa a) Cada membro da equipa deve desempenhar um papel; b) Todos os papéis são igualmente importantes, nenhum papel é mais importante que o outro; c) As crianças devem compreender que terão oportunidade de desempenhar todos os papéis. Lopes e Silva (2008, p. 29)
  • 47. Distribuição de papéisA Aprendizagem Cooperativa - Comentador/observador - regista o desempenho dos elementos do grupo na realização do seu papel e apresenta observações e os progressos realizados pelo grupo; - Conciliador ou harmonizador - Encoraja e felicita o trabalho do grupo, previne e concilia eventuais conflitos e dá sugestões para a resolução de problemas; - Facilitador de comunicação - lê e recorda as instruções do trabalho, faz com que os elementos do grupo desempenhem o papel que lhes foi atribuído e incita a participação de todos os elementos do grupo;
  • 48. Distribuição de papéisA Aprendizagem Cooperativa - Intermediário - Solicita a ajuda do professor e dos colegas para esclarecimentos relacionados com a realização da tarefa e expõe a todo o grupo os resultados desta solicitação. - Verificador - Certifica-se de que o grupo terminou o trabalho e que está a ser corretamente elaborado, regista as respostas e arquiva o material produzido pelo grupo;
  • 49. Funções do professor durante o trabalho de grupo A Aprendizagem Cooperativa • Garantir que cada aluno conhece os objetivos do grupo; • Verificar se se realiza o intercâmbio necessário dentro do grupo e controlar a rotatividade dos papéis; • Estimular o intercâmbio de explicações e justificações que tenham a ver com a realização das tarefas; • Assegurar a disponibilidade dos recursos básicos para a realização do trabalho; • Garantir o sucesso dos elementos mais fracos;
  • 50. Funções do professor durante o trabalho de grupo A Aprendizagem Cooperativa • Fornecer ao grupo critérios e instrumentos de avaliação do seu trabalho; • Controlar o tempo que o grupo ocupa na realização das tarefas; • Responder apenas a questões que tenham a ver com decisões do grupo e que não se tenham resolvido com razoabilidade; Dar ênfase ao papel que cada um desempenha dentro do grupo; • Estimular a argumentação dentro do grupo sempre que haja opiniões divergentes.
  • 51. Fases de implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa Para que os alunos adquiram hábitos de trabalho cooperativo, o professor deverá ainda observar algumas etapas: a) os alunos deverão começar por trabalhar juntos algumas vezes sem lhes ser atribuído qualquer papel; b) os papéis devem ser introduzidos gradualmente de acordo com o seu grau de dificuldade; c) os papéis devem rodar dentro do grupo para que todos os elementos desempenhem o maior número de vezes possível o mesmo papel; d) devem ser atribuídos papéis referentes ao funcionamento do grupo; e) o professor pode conjugar papéis de diferentes categorias e elevar o seu grau de dificuldade.
  • 52. Fases de implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa Fase de pré-implementação Fase de implementação Fase de pós-implementação
  • 53. Fase de pré-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa 1. Explicar a metodologia, identificando os benefícios e resultados conseguidos com esta utilização; 2. Determinar o tamanho do grupo e distribuir os alunos pelos grupos, quer sejam heterogéneos ou homogéneos, os grupos devem manter alguma estabilidade uma vez que é necessário que o grupo se conheça para que se possa potenciar o desenvolvimento do espírito de coesão e pertença); 3. Atribuir papéis aos elementos do grupo, cabe ao professor assegurar a rotatividade de papéis por forma a potenciar o desenvolvimento de competências nos alunos);
  • 54. Fase de pré-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa 4. Organizar a sala de forma a facilitar as interações entre os alunos, quando estiverem a trabalhar em grupo, possível existência de elementos que favoreçam o desenvolvimento desta metodologia como é o caso de quadros com regras, construídos pelos alunos ou relógios que permitam controlar o tempo nas atividades cooperativas; 5. Planificar materiais de ensino para promover a interdependência na realização das tarefas, para que cada aluno possa, individualmente, dar um contributo único e significativo para o sucesso do grupo;
  • 55. Fase de pré-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa 6. Distribuir tarefas e selecionar o método mais adequado ao desenvolvimento das mesmas, para que sejam interessantes, variadas, motivadoras e significativas; 7. Estabelecer os critérios de sucesso e informar os grupos de quais as competências que serão alvo de avaliação, utilizando, para esse efeito, um instrumento que pode requerer a participação dos alunos para avaliarem o trabalho de grupo e o trabalho produzido;
  • 56. Fase de pré-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa 8. Estruturar a interdependência positiva e a responsabilidade, organizando grupos pequenos, para que cada elemento dê o seu contributo para a realização do trabalho, e colocando questões individualmente e ao grupo para testar o conhecimento que possuem e que vão desenvolvendo ao longo da realização da tarefa; 9. Estabelecer os comportamentos desejados, ensinando aos alunos como trabalhar em grupo.
  • 57. Fase de implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa 1. Circular pela sala para verificar de que forma os grupos trabalham; 2. Intervir se necessário, caso o professor se depare com eventuais conflitos no grupo; 3. Prestar ajuda, caso ache necessário, fornecendo recursos, pontos de vista adicionais e incentivos; 4. Elogiar individualmente, e em grupo, as boas práticas de trabalho que tenha identificado, dando conhecimento aos alunos se realizaram o trabalho.
  • 58. Fase de pós-implementaçãoA Aprendizagem Cooperativa 1. Pedir aos grupos que sintetizem os seus trabalhos e façam uma apresentação à turma. 2. Avaliar o trabalho produzido por cada grupo, assim como a forma como os alunos trabalharam em grupo. As grelhas que o professor utilizar para esta avaliação deverão ser feitas na fase de pré-implementação, com o contributo dos alunos. 3. Promover a reflexão sobre o trabalho desenvolvido, a partir de registos do que foi trabalhado. Estes registos devem ser partilhados com os alunos e o professor deverá reformular as suas aulas com base na reflexão e feedback fornecidos pelos alunos.
  • 59. BibliografiaA Aprendizagem Cooperativa 1. ARENDS, Richard (2008). “Aprender a ensinar”. (7.ª Edição). Modelos de ensino interactivo centrados no professor. 2. CARDOSO, Jorge (2013). “O professor do Futuro”. Guerra e Paz, Editores, S.A. 3. COSME, Ariana e TRINDADE, Rui. (2001). “Área de Projecto - Percursos com sentidos”. Porto. Edições Asa. 4. COSME, Ariana e TRINDADE, Rui. (2006). “Manual de Sobrevivência para Professores”. Porto. Edições Asa. 5. GILLERAN, Anne e KEARNEY, Caroline (2014). “Desenvolver as competências dos alunos através do eTwinning”. Edição: Serviços Centrais de Apoio eTwinning. 6. LOPES, José e SILVA, Helena Santos (2015). “Eu, Professor, Pergunto – 1”. Lisboa. PACTOR – Edições de Ciências Socias, Forenses e da Educação.
  • 60. BibliografiaA Aprendizagem Cooperativa 7. LOPES, José e SILVA, Helena Santos (2015). “Eu, Professor, Pergunto – 2”. Lisboa. PACTOR – Edições de Ciências Socias, Forenses e da Educação. 8. LOPES, José e SILVA, Helena Santos (2009). “A Aprendizagem Cooperativa na Sala de Aula - Um guia prático para o professor”. Lidel Edições. 9. LOPES, José e SILVA, Helena Santos (2009). “Métodos de Aprendizagem Cooperativa para o Jardim-de-Infância”. Areal Editores. 10. FORMOSINHO, Júlia Oliveira e GAMBÔA, Rosário (2011). “O Trabalho de Projeto na Pedagogia- em-Participação”. Porto Editora. 11. NIZA, Sérgio (2009). “Contextos Cooperativos e Aprendizagem Profissional. A Formação no Movimento da Escola Moderna.” In J. Formosinho (coord) Formação de Professores – Aprendizagem profissional e ação docente (pp. 345-362). Porto: Porto Editora. 13. VEIGA, Feliciano H. (2013). “Psicologia da Educação. Teoria, Investigação e Aplicação. Envolvimento dos alunos na escola. Ensinar para a Aprendizagem Escolar 12.” 495 – 542.