SlideShare uma empresa Scribd logo
A AMEAÇA DE RACIONAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA É MAIS UM
CASO DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL

Fernando Alcoforado*

A ameaça de racionamento de energia elétrica resulta não apenas da falta de chuvas,
mas, sobretudo, da má gestão do setor energético nacional que fizeram o Brasil chegar a
uma situação crítica no setor elétrico. O desabastecimento de energia elétrica se soma ao
provável desabastecimento de combustíveis (gasolina, álcool e gás natural) que foi
abordado em nosso artigo neste blog sob o título Desabastecimento de combustíveis -
sinal de incompetência gerencial e falta de planejamento eficaz do governo federal no
setor petrolífero (Ver o site <http://fernando.alcoforado.zip.net>). O racionamento de
energia elétrica pode resultar, de um lado, da elevação da demanda de eletricidade e, de
outro, da insuficiência da produção pelas hidrelétricas que estão gerando menos energia
do que são capazes, porque há pouca água disponível em seus reservatórios, e as
termelétricas estarem operando à plena capacidade.

O racionamento de energia elétrica tende a ser inevitável porque os reservatórios das
usinas hidrelétricas do Brasil estão no nível mais baixo dos últimos dez anos -- apenas
29,8% do total. A previsão do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) para os
próximos meses é de uma quantidade de chuvas menor do que nos anos anteriores. Para
evitar o racionamento, todas as termelétricas do País foram ligadas e estão operando a
plena capacidade a um custo bastante elevado. Atualmente, 20% da energia gerada no
Brasil são oriundos das usinas térmicas. Essas usinas são movidas a gás, carvão ou óleo
diesel ou combustível, sendo o gás o insumo mais barato e mais limpo. O Brasil importa
gás natural da Bolívia, além de gás liquefeito de outros países, que suprem a demanda
industrial, comercial, residencial e a produção de energia termelétrica. Qualquer
aumento de demanda de gás natural pelas usinas térmicas pode levar ao
desabastecimento dos setores industrial, comercial e residencial afetando, em
consequência, a economia nacional.

A questão do racionamento de energia elétrica é apenas um entre inúmeros casos de
incompetência gerencial e falta de planejamento eficaz do governo federal que se
caracteriza há anos pela improvisação. O planejamento eficaz é aquele que é
desenvolvido com vários anos de antecedência e baseado em estudos técnicos e
econômicos. A gestão competente tem que ser baseada no planejamento de longo prazo
e com visão sistêmica. O planejamento energético de longo prazo no Brasil, por
exemplo, ainda não considera os potenciais impactos das mudanças climáticas no
sistema energético brasileiro. Portanto, sem a cultura do planejamento e a não utilização
de profissionais competentes nas ações do governo federal, o resultado só poderia ser o
que vem se registrando no setor elétrico sujeito a “apagões” que se multiplicam e à
ameaça de racionamento de eletricidade. Não se poderia esperar outro resultado para a
infraestrutura de energia do Brasil porque este setor é comandado por um liderado do
senador José Sarney, o ministro Edson Lobão, que é leigo no assunto.

O setor de energia no Brasil é largamente baseado no uso de fontes renováveis. Em
2007, as usinas hidrelétricas respondiam por 85,6% da geração de energia elétrica no
País. Além disso, a bioenergia está se tornando cada vez mais importante, tanto para a
geração de eletricidade como para a produção de biocombustíveis líquidos. A
disponibilidade e a confiabilidade de tais fontes renováveis, porém, dependem de

                                                                                       1
condições climáticas. O sistema brasileiro de energia é, portanto, altamente vulnerável
às mudanças climáticas. O Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa
de Engenharia (Coppe) acaba de finalizar o estudo “Mudanças climáticas e segurança
energética no Brasil”, desenvolvido com o apoio da Embaixada do Reino Unido. Coube
a professores e pesquisadores do Programa de Planejamento Energético da Coppe
iniciar a investigação das possíveis vulnerabilidades do setor brasileiro de energia aos
efeitos         da         mudança          climática        (Ver          o         site
http://mudancasclimaticas.cptec.inpe.br/~rmclima/pdfs/destaques/CLIMA_E_SEGURA
NCA-EnERGETICA_FINAL.pdf).

Neste estudo da Coppe, ficou evidenciado que é preciso projetar no Brasil o impacto
sobre as vazões de cada usina do sistema interligado do regime de chuvas na geração de
energia hidrelétrica. O ciclo hidrológico de um rio é um fenômeno global de circulação
fechada da água entre a superfície do planeta e a atmosfera. A água proveniente da
precipitação que atinge o solo está sujeita a infiltração, percolação e evaporação. A
porção que não se infiltra, não evapora e nem é capturada pela vegetação é drenada para
os cursos d’água, resultando na vazão usada para a geração de eletricidade. O estudo da
relação entre a precipitação pluviométrica e as vazões é probabilístico sendo bastante
complexo porque requer grande quantidade de dados e amplo levantamento das
características individuais de cada bacia fluvial. Um levantamento tão detalhado levaria
tempo excessivamente longo, pois somente o Sistema Interligado Nacional (SIN) tem
nada menos que 148 hidrelétricas. A dificuldade consiste em examinar a relação entre
precipitação pluviométrica e vazão fluvial para calcular com precisão quanto a chuva
contribui para a vazão em cada reservatório. No Brasil, o estudo desta relação se limita
às bacias dos rios Paraná, Paranaíba e Iguaçu.

O estudo da Coppe propõe medidas para aumentar o uso racional e a eficiência
energética, expandir a oferta de eletricidade por meio do uso de combustíveis
alternativos como resíduos sólidos urbanos e bagaço de cana; e para a gestão da
demanda e o aumento da oferta de biocombustíveis, sobretudo do biodiesel. São
também apontadas as lacunas no conhecimento dos formuladores do planejamento
energético do Brasil, que aumentam a vulnerabilidade do setor energético diante das
mudanças climáticas e que precisam ser preenchidas por novos estudos e pesquisas,
para garantir a segurança energética do país. Este estudo identificou limitações na
disponibilidade de dados sobre clima e nas ferramentas de modelagem utilizadas no
setor elétrico para a realização de simulações e projeções. Essas limitações e as
incertezas inerentes às mudanças climáticas recomendam a formulação de estratégias de
pesquisa específicas para o setor, tais como, o aperfeiçoamento e aumento da
disponibilidade das bases de dados históricos de chuvas, o desenvolvimento de modelos
para o setor de energia capazes de levar em conta os cenários de mudança climática, de
modo a aumentar a confiabilidade dos resultados das simulações realizadas.

Além das lacunas de conhecimento técnico, conforme aponta o estudo da Coppe, que
impedem os formuladores do planejamento energético do Brasil de fazerem frente às
incertezas associadas ao clima e evitar o esvaziamento dos reservatórios das
hidrelétricas, constata-se também a incompetência na gestão do sistema elétrico em seu
planejamento e na sua operação como principais causas da ameaça de racionamento de
energia elétrica. O governo federal não traçou um plano alternativo para a hipótese de
queda na produção hidrelétrica. Este plano alternativo deveria considerar o uso da
energia eólica que dispõe de um potencial de 143,5 GW, equivalente à potência

                                                                                       2
hidrelétrica instalada no País, a utilização do grande potencial de energia solar existente
no Brasil através de painéis fotovoltaicos, que deveriam ser amplamente disseminados
em comunidades isoladas na zona rural onde o custo do suprimento de eletricidade em
rede é mais elevado e, também, de painéis termossolares que deveriam ser utilizados no
aquecimento de água em domicílios, hospitais, hotéis, etc. nas cidades, o uso de
resíduos urbanos que poderiam abastecer 30% da demanda de eletricidade do Brasil e
da biomassa estimada em 10 TWh/ano (10 mil GWh/ano), bem como a adoção de
políticas de economia de energia que poderia alcançar 413 TWh/ano (413 mil GWh).

*Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional
pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico,
planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos
livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem
Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000),
Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de
Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento
(Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos
Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the
Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller
Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe
Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e
combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e
Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre
outros.




                                                                                                        3

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Jim Naturesa
 
Fontes de energia alternativa
Fontes de energia alternativa Fontes de energia alternativa
Fontes de energia alternativa
Silvino1
 
Trabalho Portugues
Trabalho PortuguesTrabalho Portugues
Trabalho Portugues
Carolinamsb
 
Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da Am...
Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da Am...Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da Am...
Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da Am...
ProjetoBr
 
Energiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasilEnergiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasil
lucimurilo
 
Fontes de energia 2011
Fontes de energia 2011Fontes de energia 2011
Fontes de energia 2011
telmamedeiros2010
 
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEARSEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
Leonam Guimarães
 
II Jornada Acadêmica do Campus do Sertão - 23/05/2019
II Jornada Acadêmica do Campus do Sertão - 23/05/2019II Jornada Acadêmica do Campus do Sertão - 23/05/2019
II Jornada Acadêmica do Campus do Sertão - 23/05/2019
Agnaldo Santos
 
A05v30n1
A05v30n1A05v30n1
Aproveitamento
AproveitamentoAproveitamento
Aproveitamento
Victor Rodrigues Correa
 
2012 adoção da energia solar fotovoltaica em hospitais
2012   adoção da energia solar fotovoltaica em hospitais2012   adoção da energia solar fotovoltaica em hospitais
2012 adoção da energia solar fotovoltaica em hospitais
sergiodevito
 
Viterbo Artigo Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Viterbo   Artigo   Sinergia Entre Eolica E PetroleoViterbo   Artigo   Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Viterbo Artigo Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Jean Viterbo
 
Biomassa brasil
Biomassa brasilBiomassa brasil
Biomassa brasil
Ana Paula Schunemann
 
Enegep2008 tn sto_077_541_11890
Enegep2008 tn sto_077_541_11890Enegep2008 tn sto_077_541_11890
Enegep2008 tn sto_077_541_11890
Ana Cristina Coelho
 
Aula 2 revista fapesp
Aula 2 revista fapespAula 2 revista fapesp
Aula 2 revista fapesp
USP
 
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
MaisoDias
 
Tc 02
Tc 02Tc 02
ENERGIA: PROBLEMA DE TODOS. A CONTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS NA MATRIZ...
ENERGIA: PROBLEMA DE TODOS. A CONTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS NA MATRIZ...ENERGIA: PROBLEMA DE TODOS. A CONTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS NA MATRIZ...
ENERGIA: PROBLEMA DE TODOS. A CONTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS NA MATRIZ...
Ramalho_tavares
 
Biocombustíveis oportunidades e desafios.pdf2
Biocombustíveis   oportunidades e desafios.pdf2Biocombustíveis   oportunidades e desafios.pdf2
Biocombustíveis oportunidades e desafios.pdf2
siepex
 
Prova de geo
Prova de geoProva de geo
Prova de geo
Gabriel Vegas
 

Mais procurados (20)

Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
Agrener 2010 jim_adriana_v4_10
 
Fontes de energia alternativa
Fontes de energia alternativa Fontes de energia alternativa
Fontes de energia alternativa
 
Trabalho Portugues
Trabalho PortuguesTrabalho Portugues
Trabalho Portugues
 
Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da Am...
Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da Am...Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da Am...
Etanol e biodiesel como recursos energéticos alternativos: perspectivas da Am...
 
Energiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasilEnergiae meioambientenobrasil
Energiae meioambientenobrasil
 
Fontes de energia 2011
Fontes de energia 2011Fontes de energia 2011
Fontes de energia 2011
 
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEARSEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
SEGURANÇA ENERGÉTICA e GERAÇÃO NUCLEAR
 
II Jornada Acadêmica do Campus do Sertão - 23/05/2019
II Jornada Acadêmica do Campus do Sertão - 23/05/2019II Jornada Acadêmica do Campus do Sertão - 23/05/2019
II Jornada Acadêmica do Campus do Sertão - 23/05/2019
 
A05v30n1
A05v30n1A05v30n1
A05v30n1
 
Aproveitamento
AproveitamentoAproveitamento
Aproveitamento
 
2012 adoção da energia solar fotovoltaica em hospitais
2012   adoção da energia solar fotovoltaica em hospitais2012   adoção da energia solar fotovoltaica em hospitais
2012 adoção da energia solar fotovoltaica em hospitais
 
Viterbo Artigo Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Viterbo   Artigo   Sinergia Entre Eolica E PetroleoViterbo   Artigo   Sinergia Entre Eolica E Petroleo
Viterbo Artigo Sinergia Entre Eolica E Petroleo
 
Biomassa brasil
Biomassa brasilBiomassa brasil
Biomassa brasil
 
Enegep2008 tn sto_077_541_11890
Enegep2008 tn sto_077_541_11890Enegep2008 tn sto_077_541_11890
Enegep2008 tn sto_077_541_11890
 
Aula 2 revista fapesp
Aula 2 revista fapespAula 2 revista fapesp
Aula 2 revista fapesp
 
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE ABASTECIMENTO DO ESTADO...
 
Tc 02
Tc 02Tc 02
Tc 02
 
ENERGIA: PROBLEMA DE TODOS. A CONTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS NA MATRIZ...
ENERGIA: PROBLEMA DE TODOS. A CONTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS NA MATRIZ...ENERGIA: PROBLEMA DE TODOS. A CONTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS NA MATRIZ...
ENERGIA: PROBLEMA DE TODOS. A CONTRIBUIÇÃO DOS MUNICÍPIOS PAULISTAS NA MATRIZ...
 
Biocombustíveis oportunidades e desafios.pdf2
Biocombustíveis   oportunidades e desafios.pdf2Biocombustíveis   oportunidades e desafios.pdf2
Biocombustíveis oportunidades e desafios.pdf2
 
Prova de geo
Prova de geoProva de geo
Prova de geo
 

Semelhante a A ameaça de racionamento de energia elétrica é mais um caso de incompetência do governo federal

Artigo final
Artigo finalArtigo final
Artigo final
Yure Temistocles
 
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfCOMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
Faga1939
 
A insustentabilidade do modelo energético do brasil
A insustentabilidade do modelo energético do brasilA insustentabilidade do modelo energético do brasil
A insustentabilidade do modelo energético do brasil
Fernando Alcoforado
 
Impactos Ambientais do Trecho de Vazão Reduzida em Hidrelétricas
Impactos Ambientais do Trecho de Vazão Reduzida em HidrelétricasImpactos Ambientais do Trecho de Vazão Reduzida em Hidrelétricas
Impactos Ambientais do Trecho de Vazão Reduzida em Hidrelétricas
Fernanda Souza Cruz Buenaga
 
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Fernando Alcoforado
 
Um sistema interligado hidroeólico para o brasil
Um sistema interligado hidroeólico para o brasilUm sistema interligado hidroeólico para o brasil
Um sistema interligado hidroeólico para o brasil
jose vieira
 
A interdependência entre energia e água
A interdependência entre energia e águaA interdependência entre energia e água
A interdependência entre energia e água
Leonam Guimarães
 
Definição do programa nuclear brasileiro
Definição do programa nuclear brasileiroDefinição do programa nuclear brasileiro
Definição do programa nuclear brasileiro
Leonam Guimarães
 
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No BrasilCrise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
ProjetoBr
 
Viterbo - revista o setor eletrico
Viterbo  - revista o setor eletricoViterbo  - revista o setor eletrico
Viterbo - revista o setor eletrico
Jean Carlo Viterbo
 
energias limpas introdução.pptx
energias limpas introdução.pptxenergias limpas introdução.pptx
energias limpas introdução.pptx
Erica Dos Anjos
 
A energia renovada pela ética social
A energia renovada pela ética socialA energia renovada pela ética social
A energia renovada pela ética social
Antonio Carlos Porto Araujo
 
Energia eolica
Energia eolicaEnergia eolica
Energia eolica
Maxsuel Trindade
 
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
António Oliveira
 
Uma reflexão sobre as atuais fontes de energia (Revista Rumos nº 271 - Setemb...
Uma reflexão sobre as atuais fontes de energia (Revista Rumos nº 271 - Setemb...Uma reflexão sobre as atuais fontes de energia (Revista Rumos nº 271 - Setemb...
Uma reflexão sobre as atuais fontes de energia (Revista Rumos nº 271 - Setemb...
Leonam Guimarães
 
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos SustentáveisEmpreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
Jim Naturesa
 
A política energética sustentável requerida para o brasil
A política energética sustentável requerida para o brasilA política energética sustentável requerida para o brasil
A política energética sustentável requerida para o brasil
Fernando Alcoforado
 
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdfO FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf
Faga1939
 
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdfTEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
ManoelRicardoVilhena1
 
Energia hidraulica
Energia hidraulicaEnergia hidraulica
Energia hidraulica
Lígia Góis
 

Semelhante a A ameaça de racionamento de energia elétrica é mais um caso de incompetência do governo federal (20)

Artigo final
Artigo finalArtigo final
Artigo final
 
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdfCOMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
COMO O GOVERNO DO BRASIL PODERÁ TORNAR SUSTENTÁVEL O SETOR DE ENERGIA.pdf
 
A insustentabilidade do modelo energético do brasil
A insustentabilidade do modelo energético do brasilA insustentabilidade do modelo energético do brasil
A insustentabilidade do modelo energético do brasil
 
Impactos Ambientais do Trecho de Vazão Reduzida em Hidrelétricas
Impactos Ambientais do Trecho de Vazão Reduzida em HidrelétricasImpactos Ambientais do Trecho de Vazão Reduzida em Hidrelétricas
Impactos Ambientais do Trecho de Vazão Reduzida em Hidrelétricas
 
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
Novas fontes de energia e eficiência energética para evitar a catastrófica mu...
 
Um sistema interligado hidroeólico para o brasil
Um sistema interligado hidroeólico para o brasilUm sistema interligado hidroeólico para o brasil
Um sistema interligado hidroeólico para o brasil
 
A interdependência entre energia e água
A interdependência entre energia e águaA interdependência entre energia e água
A interdependência entre energia e água
 
Definição do programa nuclear brasileiro
Definição do programa nuclear brasileiroDefinição do programa nuclear brasileiro
Definição do programa nuclear brasileiro
 
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No BrasilCrise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
Crise Financeira, Energia E Sustentabilidade No Brasil
 
Viterbo - revista o setor eletrico
Viterbo  - revista o setor eletricoViterbo  - revista o setor eletrico
Viterbo - revista o setor eletrico
 
energias limpas introdução.pptx
energias limpas introdução.pptxenergias limpas introdução.pptx
energias limpas introdução.pptx
 
A energia renovada pela ética social
A energia renovada pela ética socialA energia renovada pela ética social
A energia renovada pela ética social
 
Energia eolica
Energia eolicaEnergia eolica
Energia eolica
 
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
Etanol e Bioeletricidade (UNICA)
 
Uma reflexão sobre as atuais fontes de energia (Revista Rumos nº 271 - Setemb...
Uma reflexão sobre as atuais fontes de energia (Revista Rumos nº 271 - Setemb...Uma reflexão sobre as atuais fontes de energia (Revista Rumos nº 271 - Setemb...
Uma reflexão sobre as atuais fontes de energia (Revista Rumos nº 271 - Setemb...
 
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos SustentáveisEmpreendimentos Energéticos Sustentáveis
Empreendimentos Energéticos Sustentáveis
 
A política energética sustentável requerida para o brasil
A política energética sustentável requerida para o brasilA política energética sustentável requerida para o brasil
A política energética sustentável requerida para o brasil
 
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdfO FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf
O FUTURO DA ENERGIA REQUERIDO PARA O BRASIL.pdf
 
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdfTEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
TEMA 3 HIDRELÉTRICAS, Histórico Tendências.pdf
 
Energia hidraulica
Energia hidraulicaEnergia hidraulica
Energia hidraulica
 

Mais de Fernando Alcoforado

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
Fernando Alcoforado
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
Fernando Alcoforado
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
Fernando Alcoforado
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
Fernando Alcoforado
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
Fernando Alcoforado
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
Fernando Alcoforado
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
Fernando Alcoforado
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
Fernando Alcoforado
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
Fernando Alcoforado
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
Fernando Alcoforado
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
Fernando Alcoforado
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
Fernando Alcoforado
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
Fernando Alcoforado
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
Fernando Alcoforado
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
Fernando Alcoforado
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
Fernando Alcoforado
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
Fernando Alcoforado
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
Fernando Alcoforado
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
Fernando Alcoforado
 
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
Fernando Alcoforado
 

Mais de Fernando Alcoforado (20)

O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO   O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
O INFERNO DAS CATÁSTROFES SOFRIDAS PELO POVO BRASILEIRO
 
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIENL'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
L'ENFER DES CATASTROPHES SUBIS PAR LE PEUPLE BRÉSILIEN
 
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
LE MONDE VERS UNE CATASTROPHE CLIMATIQUE?
 
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
AQUECIMENTO GLOBAL, MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL E SEUS IMPACTOS SOBRE A SAÚDE HU...
 
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTHGLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
GLOBAL WARMING, GLOBAL CLIMATE CHANGE AND ITS IMPACTS ON HUMAN HEALTH
 
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
LE RÉCHAUFFEMENT CLIMATIQUE, LE CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL ET SES IMPACTS ...
 
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIALINONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
INONDATIONS DES VILLES ET CHANGEMENT CLIMATIQUE MONDIAL
 
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGECITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
CITY FLOODS AND GLOBAL CLIMATE CHANGE
 
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBALINUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
INUNDAÇÕES DAS CIDADES E MUDANÇA CLIMÁTICA GLOBAL
 
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022 CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE SÃO AS ESCOLHAS DO POVO BRASILEIRO NAS ELEIÇÕES DE 2022
 
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
CIVILISATION OU BARBARIE SONT LES CHOIX DU PEUPLE BRÉSILIEN AUX ÉLECTIONS DE ...
 
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
CIVILIZATION OR BARBARISM ARE THE CHOICES OF THE BRAZILIAN PEOPLE IN THE 2022...
 
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
COMO EVITAR A PREVISÃO DE STEPHEN HAWKING DE QUE A HUMANIDADE SÓ TEM MAIS 100...
 
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
COMMENT ÉVITER LA PRÉVISION DE STEPHEN HAWKING QUE L'HUMANITÉ N'A QUE 100 ANS...
 
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLDTHE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
THE GREAT FRENCH REVOLUTION THAT CHANGED THE WORLD
 
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
LA GRANDE RÉVOLUTION FRANÇAISE QUI A CHANGÉ LE MONDE
 
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDOA GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
A GRANDE REVOLUÇÃO FRANCESA QUE MUDOU O MUNDO
 
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUELLES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
LES RÉVOLUTIONS SOCIALES, LEURS FACTEURS DÉCLENCHEURS ET LE BRÉSIL ACTUEL
 
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZILSOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
SOCIAL REVOLUTIONS, THEIR TRIGGERS FACTORS AND CURRENT BRAZIL
 
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
AS REVOLUÇÕES SOCIAIS, SEUS FATORES DESENCADEADORES E O BRASIL ATUAL
 

A ameaça de racionamento de energia elétrica é mais um caso de incompetência do governo federal

  • 1. A AMEAÇA DE RACIONAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA É MAIS UM CASO DE INCOMPETÊNCIA DO GOVERNO FEDERAL Fernando Alcoforado* A ameaça de racionamento de energia elétrica resulta não apenas da falta de chuvas, mas, sobretudo, da má gestão do setor energético nacional que fizeram o Brasil chegar a uma situação crítica no setor elétrico. O desabastecimento de energia elétrica se soma ao provável desabastecimento de combustíveis (gasolina, álcool e gás natural) que foi abordado em nosso artigo neste blog sob o título Desabastecimento de combustíveis - sinal de incompetência gerencial e falta de planejamento eficaz do governo federal no setor petrolífero (Ver o site <http://fernando.alcoforado.zip.net>). O racionamento de energia elétrica pode resultar, de um lado, da elevação da demanda de eletricidade e, de outro, da insuficiência da produção pelas hidrelétricas que estão gerando menos energia do que são capazes, porque há pouca água disponível em seus reservatórios, e as termelétricas estarem operando à plena capacidade. O racionamento de energia elétrica tende a ser inevitável porque os reservatórios das usinas hidrelétricas do Brasil estão no nível mais baixo dos últimos dez anos -- apenas 29,8% do total. A previsão do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) para os próximos meses é de uma quantidade de chuvas menor do que nos anos anteriores. Para evitar o racionamento, todas as termelétricas do País foram ligadas e estão operando a plena capacidade a um custo bastante elevado. Atualmente, 20% da energia gerada no Brasil são oriundos das usinas térmicas. Essas usinas são movidas a gás, carvão ou óleo diesel ou combustível, sendo o gás o insumo mais barato e mais limpo. O Brasil importa gás natural da Bolívia, além de gás liquefeito de outros países, que suprem a demanda industrial, comercial, residencial e a produção de energia termelétrica. Qualquer aumento de demanda de gás natural pelas usinas térmicas pode levar ao desabastecimento dos setores industrial, comercial e residencial afetando, em consequência, a economia nacional. A questão do racionamento de energia elétrica é apenas um entre inúmeros casos de incompetência gerencial e falta de planejamento eficaz do governo federal que se caracteriza há anos pela improvisação. O planejamento eficaz é aquele que é desenvolvido com vários anos de antecedência e baseado em estudos técnicos e econômicos. A gestão competente tem que ser baseada no planejamento de longo prazo e com visão sistêmica. O planejamento energético de longo prazo no Brasil, por exemplo, ainda não considera os potenciais impactos das mudanças climáticas no sistema energético brasileiro. Portanto, sem a cultura do planejamento e a não utilização de profissionais competentes nas ações do governo federal, o resultado só poderia ser o que vem se registrando no setor elétrico sujeito a “apagões” que se multiplicam e à ameaça de racionamento de eletricidade. Não se poderia esperar outro resultado para a infraestrutura de energia do Brasil porque este setor é comandado por um liderado do senador José Sarney, o ministro Edson Lobão, que é leigo no assunto. O setor de energia no Brasil é largamente baseado no uso de fontes renováveis. Em 2007, as usinas hidrelétricas respondiam por 85,6% da geração de energia elétrica no País. Além disso, a bioenergia está se tornando cada vez mais importante, tanto para a geração de eletricidade como para a produção de biocombustíveis líquidos. A disponibilidade e a confiabilidade de tais fontes renováveis, porém, dependem de 1
  • 2. condições climáticas. O sistema brasileiro de energia é, portanto, altamente vulnerável às mudanças climáticas. O Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) acaba de finalizar o estudo “Mudanças climáticas e segurança energética no Brasil”, desenvolvido com o apoio da Embaixada do Reino Unido. Coube a professores e pesquisadores do Programa de Planejamento Energético da Coppe iniciar a investigação das possíveis vulnerabilidades do setor brasileiro de energia aos efeitos da mudança climática (Ver o site http://mudancasclimaticas.cptec.inpe.br/~rmclima/pdfs/destaques/CLIMA_E_SEGURA NCA-EnERGETICA_FINAL.pdf). Neste estudo da Coppe, ficou evidenciado que é preciso projetar no Brasil o impacto sobre as vazões de cada usina do sistema interligado do regime de chuvas na geração de energia hidrelétrica. O ciclo hidrológico de um rio é um fenômeno global de circulação fechada da água entre a superfície do planeta e a atmosfera. A água proveniente da precipitação que atinge o solo está sujeita a infiltração, percolação e evaporação. A porção que não se infiltra, não evapora e nem é capturada pela vegetação é drenada para os cursos d’água, resultando na vazão usada para a geração de eletricidade. O estudo da relação entre a precipitação pluviométrica e as vazões é probabilístico sendo bastante complexo porque requer grande quantidade de dados e amplo levantamento das características individuais de cada bacia fluvial. Um levantamento tão detalhado levaria tempo excessivamente longo, pois somente o Sistema Interligado Nacional (SIN) tem nada menos que 148 hidrelétricas. A dificuldade consiste em examinar a relação entre precipitação pluviométrica e vazão fluvial para calcular com precisão quanto a chuva contribui para a vazão em cada reservatório. No Brasil, o estudo desta relação se limita às bacias dos rios Paraná, Paranaíba e Iguaçu. O estudo da Coppe propõe medidas para aumentar o uso racional e a eficiência energética, expandir a oferta de eletricidade por meio do uso de combustíveis alternativos como resíduos sólidos urbanos e bagaço de cana; e para a gestão da demanda e o aumento da oferta de biocombustíveis, sobretudo do biodiesel. São também apontadas as lacunas no conhecimento dos formuladores do planejamento energético do Brasil, que aumentam a vulnerabilidade do setor energético diante das mudanças climáticas e que precisam ser preenchidas por novos estudos e pesquisas, para garantir a segurança energética do país. Este estudo identificou limitações na disponibilidade de dados sobre clima e nas ferramentas de modelagem utilizadas no setor elétrico para a realização de simulações e projeções. Essas limitações e as incertezas inerentes às mudanças climáticas recomendam a formulação de estratégias de pesquisa específicas para o setor, tais como, o aperfeiçoamento e aumento da disponibilidade das bases de dados históricos de chuvas, o desenvolvimento de modelos para o setor de energia capazes de levar em conta os cenários de mudança climática, de modo a aumentar a confiabilidade dos resultados das simulações realizadas. Além das lacunas de conhecimento técnico, conforme aponta o estudo da Coppe, que impedem os formuladores do planejamento energético do Brasil de fazerem frente às incertezas associadas ao clima e evitar o esvaziamento dos reservatórios das hidrelétricas, constata-se também a incompetência na gestão do sistema elétrico em seu planejamento e na sua operação como principais causas da ameaça de racionamento de energia elétrica. O governo federal não traçou um plano alternativo para a hipótese de queda na produção hidrelétrica. Este plano alternativo deveria considerar o uso da energia eólica que dispõe de um potencial de 143,5 GW, equivalente à potência 2
  • 3. hidrelétrica instalada no País, a utilização do grande potencial de energia solar existente no Brasil através de painéis fotovoltaicos, que deveriam ser amplamente disseminados em comunidades isoladas na zona rural onde o custo do suprimento de eletricidade em rede é mais elevado e, também, de painéis termossolares que deveriam ser utilizados no aquecimento de água em domicílios, hospitais, hotéis, etc. nas cidades, o uso de resíduos urbanos que poderiam abastecer 30% da demanda de eletricidade do Brasil e da biomassa estimada em 10 TWh/ano (10 mil GWh/ano), bem como a adoção de políticas de economia de energia que poderia alcançar 413 TWh/ano (413 mil GWh). *Fernando Alcoforado, 73, engenheiro e doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona, professor universitário e consultor nas áreas de planejamento estratégico, planejamento empresarial, planejamento regional e planejamento de sistemas energéticos, é autor dos livros Globalização (Editora Nobel, São Paulo, 1997), De Collor a FHC- O Brasil e a Nova (Des)ordem Mundial (Editora Nobel, São Paulo, 1998), Um Projeto para o Brasil (Editora Nobel, São Paulo, 2000), Os condicionantes do desenvolvimento do Estado da Bahia (Tese de doutorado. Universidade de Barcelona, http://www.tesisenred.net/handle/10803/1944, 2003), Globalização e Desenvolvimento (Editora Nobel, São Paulo, 2006), Bahia- Desenvolvimento do Século XVI ao Século XX e Objetivos Estratégicos na Era Contemporânea (EGBA, Salvador, 2008), The Necessary Conditions of the Economic and Social Development- The Case of the State of Bahia (VDM Verlag Dr. Müller Aktiengesellschaft & Co. KG, Saarbrücken, Germany, 2010), Aquecimento Global e Catástrofe Planetária (P&A Gráfica e Editora, Salvador, 2010), Amazônia Sustentável- Para o progresso do Brasil e combate ao aquecimento global (Viena- Editora e Gráfica, Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo, 2011) e Os Fatores Condicionantes do Desenvolvimento Econômico e Social (Editora CRV, Curitiba, 2012), entre outros. 3