SlideShare uma empresa Scribd logo
NOTA CIENTÍFICA
Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1131-1133, jul. 2007
Introdução
A espécie Calypthrantes clusiifolia (Miq.) O. Berg,
pertencente à Família Myrtaceae, e conhecida
popularmente por Araçarana, tem ocorrência nos estados
de São Paulo e Minas Gerais. O florescimento ocorre de
março a abril e seus frutos amadurecem de junho a julho.
Seus frutos são drupas globosas, glabra, brilhantes, de
polpa carnosa, cor vermelha quando madura e
geralmente com uma única semente [1]. No estado de
São Paulo pode ser encontrada nos seguintes tipos de
vegetação: floresta estacional semidecidual, matas
ciliares, floresta ombrófila densa e cerrado, (SMA 47/03,
2003). Em razão da sua importância na recuperação de
áreas degradadas, ela também tem despertado interesse
na melhoria de produção de mudas de espécies nativas.
Este trabalho procurou levantar dados referentes ao
ponto de maturação dos frutos, buscando de forma
prática, qual seria a coloração e o ponto ideal para
realizar a colheita.
Material e métodos
O experimento foi conduzido no Laboratório de
análises de sementes e na área de campo do Viveiro de
Mudas Camará-Ibaté-SP.
As sementes de Calypthrantes clusiifolia., foram
colhidas na cidade de Ibaté–SP, em Floresta Estacional
Semi-decidual em agosto-2005.
A colheita foi realizada em várias matrizes, onde
foram colhidos os galhos com os frutos. Observamos que
esta espécie apresenta, no mesmo ramo, frutos em
diferentes estágios de maturação. Os ramos colhidos
foram encaminhados para beneficiamento e em seguida
foram separados os frutos de acordo com a sua coloração
(Figura 1B).
No caso das sementes despolpadas por pássaros, elas
foram colhidas em lonas colocadas no chão na projeção
da copa durante um dia, ou seja, na data da instalação
dos testes.
Após a separação dos frutos, eles foram despolpados
e lavados em água, passando por uma pré-secagem em
papel toalha, retirando o excesso de umidade em seguida
foi realizado o teste para determinar o teor de água. O
método utilizado para obtenção do teor de água foi o de
estufa 105°C por 24 horas, de acordo com a RAS [2].
Para os frutos verdes não houve despolpamento,
pois não se conseguiu fazer a retirada da polpa dos
frutos.
Os tratamentos utilizados foram:
T1- Frutos de coloração verde;
T2- Frutos de coloração amarela;
T3- Frutos de coloração laranja;
T4- Frutos de coloração vermelha;
T5- Sementes despolpadas por pássaros.
No experimento de laboratório as sementes foram
testadas entre papel filtro (Fig. 1C) e acondicionadas em
embalagens plásticas para evitar o ressecamento,
colocadas em Câmara climática com alternância de
temperatura, sendo 12 horas à 27°C e 12 horas à 20°C,
com fotoperíodo de 12 horas de luz, concomitante com o
tempo de maior temperatura.
No campo, os tratamentos foram instalados em casa
de sombra coberta com tela, com luminosidade de 70%.
As sementes foram semeadas em tubetes preenchidos
com substrato orgânico à base de casca de pinus e
cobertura com vermiculita de granulometria fina (Figura
1A). As temperaturas ocorridas na permanência do
experimento em campo foram: Média mínima de 15,5
°C, com uma amplitude de 12°C à 18°C e Média
máxima de 30,25 °C, com amplitude de 22°C a 38°C.
O delineamento estatístico utilizado foi o de blocos
casualizados, para o campo: cinco tratamentos com oito
repetições com 44 sementes, para laboratório: cinco
tratamentos com seis repetições de 50 sementes.
Para as análises do IVG em laboratório foram
realizadas contagens da germinação quando as sementes
apresentaram radícula de 5 mm de comprimento,
realizado diariamente até 30 dias; para o campo as
avaliações iniciaram-se quando as sementes começaram
a emergir do substrato, também com freqüência diária de
até 30 dias.
Os cálculos utilizados foram: %G = ∑ X 100 / N, %G
= % de germinação, onde: ∑ = nº de plantas germinadas;
N = nº de sementes colocadas para germinar; e para o
índice de velocidade de germinação (IVG) = (G1 / N1) +
Coloração dos Frutos como
Indicador de Maturação de Sementes de Araçarana
(Calypthrantes clusiifolia (Miq.) O. Berg).
Carlos Nogueira Souza Júnior1
, Vladimir Bernardo1
, José Marcos Barbosa3
,
Gabriela Sotelo Castan4
e Zildamara dos Reis Howvack Menegucci5
________________
1. Biólogo do Viveiro Câmara/SP e Aluno de Pós-Graduação do Instituto de Botânica de São Paulo. Caixa Postal 35, CEP 14.815.000, Ibaté, SP.
E-mail: câmara@mudasflorestais.com.br
2. Pesquisador Científico do Instituto de Botânica de São Paulo, Chefe da Seção de Sementes e Melhoramento Vegetal, Av. Miguel Estéfano, 3687,
São Paulo, SP, CEP 04301-912. E-mail: josemarcobarbosa@terra.com.br
3. Estagiária da Seção de Sementes e Melhoramento Vegetal do Instituto de Botânica de São Paulo. Av. Miguel Estéfano, 3687, São Paulo, SP,
CEP: 04301-012. E-mail: gabicastan@yahoo.com.br
4. Bióloga e aluna de Pós-Graduação da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS. Caixa Postal 549, CEP 79070-900, Campo Grande,
MS. E-mail: zildamara@ibest.com,br
Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1131-1133, jul. 2007
1132
(G2 / N2 ) + .... + (Gn / Nn), onde: G1, G2, Gn = número de
plântulas germinadas na 1ª, 2ª e últimas contagens; N1,
N2, Nn = tempo em dias da data de semeadura da 1ª, 2ª e
últimas contagens, de acordo com RAS [2].
Para a avaliação de plântulas normais e anormais foi
considerada a presença das seguintes estruturas: radícula,
caulículo e plúmula.
Os dados de porcentagem de germinação e índice de
velocidade de germinação foram submetidos ao
programa estatístico Sisvar 4.3, realizando a análise de
variância e a comparação de médias pelo teste de Tukey
a 5% de probabilidade.
Resultdos e Discussão
Na Tabela 1 e 2, pode-se observar os valores de Teor
de água obtidos pelas sementes de Calypthrantes
clusiifolia (Miq.) O. Berg, por ocasião do início das
instalações dos testes de germinação.
Observando os resultados em condição de campo
(Tabela 2) referente à porcentagem de germinação, pode-
se constatar que o tratamento T1 apresentou valores
inferiores aos demais tratamentos. Observa-se ainda que
os maiores valores de germinação foram obtidos nos
tratamentos (T2), (T3) e (T4), com valores de 80,68%,
75,28% e 71,87%, respectivamente. Esta superioridade
verificada pode estar atribuída ao teor de água e
consequentemente ao estádio de maturação das sementes
observadas nos tratamentos (T3) e (T4), correspondendo
às colorações laranja e vermelha.
No caso do tratamento T1, onde os frutos foram
colhidos verdes, a diferença na germinação deve estar
voltada também ao ponto de maturação fisiológica dos
frutos, onde pode-se observar, que o teor de água é bem
superior aos demais tratamentos (47,80 %).
No laboratório os resultados obtidos foram diferentes
do campo somente nos valores, mas a performance
estatística dos tratamentos foram iguais, exceto o
tratamento T5 que em laboratório se equivaleu aos
tratamentos (T2), (T3) e (T4). Esta igualdade está
relacionada as condições de temperatura e umidade, pois
em germinador essas condições são controlados com
maior facilidade, quando comparada ao campo.
Na avaliação de plântulas normais e anormais
observou-se que o tratamento T1 (65,92 %), apresentou
maior número de plântulas anormais, ou seja, má
formação no sistema radicular, plúmula ou hipocótilo,
pode estar relacionado ao ponto de maturação dos frutos.
Também foi observado que o Índice de
Velocidade de Germinação (IVG) está relacionado à
coloração dos frutos, pois o tratamento T1 (0,4201)
verde apresentou IVG inferior aos demais tratamentos
nos dois ambientes testados.
O tratamento T2 (1,3005) de coloração amarela
apresentou o melhor resultado em campo, os demais
tratamentos exceto o tratamento T1 apresentaram índices
satisfatórios.
Em laboratório todos os tratamentos exceto o
tratamento T1, tiveram resultados semelhantes.
Com esse experimento, podemos concluir que a
colheita de Araçarana (Calypthrantes clusiifolia (Miq.)
O. Berg, deve ser realizada quando a maior parte dos
frutos estiverem de coloração amarela à vermelha, e as
sementes verdes devem ser descartadas.
As sementes despolpadas por pássaros podem ser
utilizadas para semeadura, desde que seja submetida ao
teste de umidade, efetuando-se um tratamento prévio das
sementes para controle fitossanitário, para verificar se os
níveis estão superiores a 33%.
É importante ressaltar que esse estudo vem
contribuir com a melhoria da produção desta espécie em
viveiros, mas seriam necessários outros estudos para
melhorar a performance desta espécie no
armazenamento, quanto ao ponto de maturação dos
frutos e identificar qual teor limite de água na semente
para germinação.
Referências
[1] LORENZI, H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação
e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nossa Odessa:
Plantarum, 2ª ed, p. 262.
[2] SÃO PAULO (Estado). 2003. .Resolução SMA 47. São Paulo:
Secretaria do Meio Ambiente (Documentos ambientais).
[3] BRASIL. 1992. Ministério da Agricultura. Regras para análise
de sementes. Brasília: Departamento de Produção Vegetal,
divisão de Sementes e Mudas. 365p.
Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1131-1133, jul. 2007
1133
Tabela 1 – Valores Médios de Índice de velocidade de germinação (IVG) e de Porcentagens de Teor de
água, Germinação (G) e de Sementes Deterioradas (D) obtidos através dos experimentos em condições de
campo.
Tratamentos Teor de água (%) IVG G (%) D (%)
T1- Frutos de coloração verde 47,80 0,4201 a 33,24 a 66,76 a
T2- Frutos de coloração amarela 42,80 1,3005 c 80,68 c 19,32 c
T3- Frutos de coloração laranja 39,70 1,0601 b 75,28 bc 24,71 bc
T4- Frutos de coloração vermelha 39,20 1,0180 b 71,87 bc 28,12 bc
T5- Frutos despolpados por pássaros 33,30 0,9338 b 66,40 b 33,52 b
CV (%) ____ 14,28 11,80 22,39
Obs.: na coluna, médias seguidas pela mesma letra não diferem entre si ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de
Tukey.
Tabela 2 – Valores Médios de Índice de velocidade de germinação (IVG) e de Porcentagens de Teor de
água, Germinação (G), Plântulas Normais (N), Plântulas Anormais (A) e Sementes Deterioradas (D), obtidos
através dos experimentos de laboratório.
Tratamento Teor de água (%) IVG G (%) N (%) A (%) D (%)
T1- Frutos de coloração verde 47,80 1,1710 a 53,67 a 65,92 a 34,08 a 46,33 a
T2- Frutos de coloração amarela 42,80 2,6131 b 89,00 b 92,73 b 2,27 b 11,00 b
T3- Frutos de coloração laranja 39,70 2,2546 b 91,67 b 99,27 b 0,73 b 8,33 b
T4- Frutos de coloração vermelha 39,20 2,2422 b 89,33 b 98,59 b 1,41 b 10,67 b
T5-Frutos despolpados por pássaros 33,30 2,3180 b 89,00 b 97,91 b 2,08 b 11,00 b
CV (%) ____ 11,29 7,99 9,51 76,65 37,77
Obs.: na coluna, médias seguidas pela mesma letra não diferem entre si ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de
Tukey.
Figura 1. Espécie Calypthrantes clusiifolia. Fig. 1A, Vista parcial do experimento em campo; Fig. 1B, Coloração
dos frutos utilizados no experimento; Fig. 1C, Rolos de papel-filtro embalados em sacos plásticos para evitar
ressecamento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tretrazólio
TretrazólioTretrazólio
Tretrazólio
aloisiobie
 
Seminario caracterizacao aroeira
Seminario caracterizacao aroeiraSeminario caracterizacao aroeira
Seminario caracterizacao aroeira
EduardoEmiliano
 
Marcela artigo
Marcela artigoMarcela artigo
Marcela artigo
avisaassociacao
 
Teste de germinação de cucumis melo l
Teste de germinação de cucumis melo lTeste de germinação de cucumis melo l
Teste de germinação de cucumis melo l
Juliana Arantes
 
2581 8935-1-pb
2581 8935-1-pb2581 8935-1-pb
2581 8935-1-pb
Igor Bulhões
 
INOCULAÇÃO
INOCULAÇÃOINOCULAÇÃO
INOCULAÇÃO
nayara moraes
 
2004 cbf poster crioconservação
2004 cbf poster crioconservação2004 cbf poster crioconservação
2004 cbf poster crioconservação
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
4 microbiota na soja
4 microbiota na soja4 microbiota na soja
4 microbiota na soja
Geancarlo Ribeiro
 
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
558 2009-2-pb
558 2009-2-pb558 2009-2-pb
558 2009-2-pb
Thiago Galvão
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Jose Carvalho
 
Relatório de farmacobotânica
Relatório de farmacobotânicaRelatório de farmacobotânica
Relatório de farmacobotânica
Samuel
 
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Bruno Rodrigues
 
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLADOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
Bruno Rodrigues
 
Ervas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungoErvas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungo
mvezzone
 
Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição a...
Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição a...Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição a...
Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição a...
Simone Coulaud
 
Artigo bioterra v17_n1_09
Artigo bioterra v17_n1_09Artigo bioterra v17_n1_09
Artigo bioterra v17_n1_09
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Rac 81 nov_2010 pag- 85 a 87
Rac 81 nov_2010 pag- 85 a 87Rac 81 nov_2010 pag- 85 a 87
Rac 81 nov_2010 pag- 85 a 87
Aleksander Westphal Muniz
 

Mais procurados (19)

Tretrazólio
TretrazólioTretrazólio
Tretrazólio
 
Seminario caracterizacao aroeira
Seminario caracterizacao aroeiraSeminario caracterizacao aroeira
Seminario caracterizacao aroeira
 
Marcela artigo
Marcela artigoMarcela artigo
Marcela artigo
 
Teste de germinação de cucumis melo l
Teste de germinação de cucumis melo lTeste de germinação de cucumis melo l
Teste de germinação de cucumis melo l
 
2581 8935-1-pb
2581 8935-1-pb2581 8935-1-pb
2581 8935-1-pb
 
INOCULAÇÃO
INOCULAÇÃOINOCULAÇÃO
INOCULAÇÃO
 
2004 cbf poster crioconservação
2004 cbf poster crioconservação2004 cbf poster crioconservação
2004 cbf poster crioconservação
 
4 microbiota na soja
4 microbiota na soja4 microbiota na soja
4 microbiota na soja
 
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
Altas diluições de Natrum muriaticum e cálcio, e cloreto de sódio sobre o des...
 
558 2009-2-pb
558 2009-2-pb558 2009-2-pb
558 2009-2-pb
 
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sobUtilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
Utilização de substratos orgânicos na produção de pimentão, sob
 
Relatório de farmacobotânica
Relatório de farmacobotânicaRelatório de farmacobotânica
Relatório de farmacobotânica
 
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
Sá et al. 2011 roteiro prático da disciplina de produção e tecnologia de seme...
 
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLADOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
DOSES DE UM COMPLEXO DE ANTAGONISTAS NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
 
Manual de análise de sementes
Manual de análise de sementesManual de análise de sementes
Manual de análise de sementes
 
Ervas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungoErvas medicinais controle fungo
Ervas medicinais controle fungo
 
Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição a...
Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição a...Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição a...
Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek, Celastraceae. Contribuição a...
 
Artigo bioterra v17_n1_09
Artigo bioterra v17_n1_09Artigo bioterra v17_n1_09
Artigo bioterra v17_n1_09
 
Rac 81 nov_2010 pag- 85 a 87
Rac 81 nov_2010 pag- 85 a 87Rac 81 nov_2010 pag- 85 a 87
Rac 81 nov_2010 pag- 85 a 87
 

Destaque

Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 rodatras
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 rodatrasManual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 rodatras
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 rodatras
Thiago Huari
 
Complexo metropolitano expandido de são paulo - URCA 2016.1
Complexo metropolitano expandido de são paulo - URCA 2016.1Complexo metropolitano expandido de são paulo - URCA 2016.1
Complexo metropolitano expandido de são paulo - URCA 2016.1
ElinaldoMS
 
Jornal do Centro | 758
Jornal do Centro | 758Jornal do Centro | 758
Jornal do Centro | 758
Victor Silva
 
Modelo Pós Graduação EaD
Modelo Pós Graduação EaDModelo Pós Graduação EaD
Modelo Pós Graduação EaD
Henrique Oliveira
 
Paradojas De Nuestro Tiempo
Paradojas De Nuestro TiempoParadojas De Nuestro Tiempo
Paradojas De Nuestro Tiempo
Valors & Persones
 
ENIGMA PROJECT Compro copy
ENIGMA PROJECT Compro copyENIGMA PROJECT Compro copy
ENIGMA PROJECT Compro copy
ENIGMA PROJECT
 
BRAND BOOK - SUELEN A. PETRY
BRAND BOOK - SUELEN A. PETRYBRAND BOOK - SUELEN A. PETRY
BRAND BOOK - SUELEN A. PETRY
LUCIANO ISHI PORTO
 
Escuela Nueva Laboratorio: Filosofía
Escuela Nueva Laboratorio: FilosofíaEscuela Nueva Laboratorio: Filosofía
20161015_CURRÍCULO_TIAGO GRANATO RODRIGUES
20161015_CURRÍCULO_TIAGO GRANATO RODRIGUES20161015_CURRÍCULO_TIAGO GRANATO RODRIGUES
20161015_CURRÍCULO_TIAGO GRANATO RODRIGUES
Tiago Granato Rodrigues
 
Reto rentabilizar 5 euros
Reto rentabilizar 5 eurosReto rentabilizar 5 euros
Reto rentabilizar 5 euros
Juan Antonio Mariblanca Rullo
 
Jornal sintracom maio final
Jornal sintracom maio finalJornal sintracom maio final
Jornal sintracom maio final
Aluane
 
Tatic solutions for telecom
Tatic solutions for telecomTatic solutions for telecom
Tatic solutions for telecom
Joselyto Riani
 
Competencias de gestores de projetos voltadas para uma lideranca sustentavel
Competencias de gestores de projetos voltadas para uma lideranca sustentavelCompetencias de gestores de projetos voltadas para uma lideranca sustentavel
Competencias de gestores de projetos voltadas para uma lideranca sustentavel
Matheus Lucinski, Eng.
 
5 boas práticas para se aplicar em testes de aceitação
5 boas práticas para se aplicar em testes de aceitação5 boas práticas para se aplicar em testes de aceitação
5 boas práticas para se aplicar em testes de aceitação
Lindomar Peixinho Reitz
 
Estatistica Basica para Saude Aula 1
Estatistica Basica para Saude Aula 1Estatistica Basica para Saude Aula 1
Estatistica Basica para Saude Aula 1
ValorP Consultoria e Cursos
 
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 supl-nx4-falcon
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 supl-nx4-falconManual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 supl-nx4-falcon
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 supl-nx4-falcon
Thiago Huari
 

Destaque (16)

Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 rodatras
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 rodatrasManual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 rodatras
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 rodatras
 
Complexo metropolitano expandido de são paulo - URCA 2016.1
Complexo metropolitano expandido de são paulo - URCA 2016.1Complexo metropolitano expandido de são paulo - URCA 2016.1
Complexo metropolitano expandido de são paulo - URCA 2016.1
 
Jornal do Centro | 758
Jornal do Centro | 758Jornal do Centro | 758
Jornal do Centro | 758
 
Modelo Pós Graduação EaD
Modelo Pós Graduação EaDModelo Pós Graduação EaD
Modelo Pós Graduação EaD
 
Paradojas De Nuestro Tiempo
Paradojas De Nuestro TiempoParadojas De Nuestro Tiempo
Paradojas De Nuestro Tiempo
 
ENIGMA PROJECT Compro copy
ENIGMA PROJECT Compro copyENIGMA PROJECT Compro copy
ENIGMA PROJECT Compro copy
 
BRAND BOOK - SUELEN A. PETRY
BRAND BOOK - SUELEN A. PETRYBRAND BOOK - SUELEN A. PETRY
BRAND BOOK - SUELEN A. PETRY
 
Escuela Nueva Laboratorio: Filosofía
Escuela Nueva Laboratorio: FilosofíaEscuela Nueva Laboratorio: Filosofía
Escuela Nueva Laboratorio: Filosofía
 
20161015_CURRÍCULO_TIAGO GRANATO RODRIGUES
20161015_CURRÍCULO_TIAGO GRANATO RODRIGUES20161015_CURRÍCULO_TIAGO GRANATO RODRIGUES
20161015_CURRÍCULO_TIAGO GRANATO RODRIGUES
 
Reto rentabilizar 5 euros
Reto rentabilizar 5 eurosReto rentabilizar 5 euros
Reto rentabilizar 5 euros
 
Jornal sintracom maio final
Jornal sintracom maio finalJornal sintracom maio final
Jornal sintracom maio final
 
Tatic solutions for telecom
Tatic solutions for telecomTatic solutions for telecom
Tatic solutions for telecom
 
Competencias de gestores de projetos voltadas para uma lideranca sustentavel
Competencias de gestores de projetos voltadas para uma lideranca sustentavelCompetencias de gestores de projetos voltadas para uma lideranca sustentavel
Competencias de gestores de projetos voltadas para uma lideranca sustentavel
 
5 boas práticas para se aplicar em testes de aceitação
5 boas práticas para se aplicar em testes de aceitação5 boas práticas para se aplicar em testes de aceitação
5 boas práticas para se aplicar em testes de aceitação
 
Estatistica Basica para Saude Aula 1
Estatistica Basica para Saude Aula 1Estatistica Basica para Saude Aula 1
Estatistica Basica para Saude Aula 1
 
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 supl-nx4-falcon
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 supl-nx4-falconManual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 supl-nx4-falcon
Manual de serviço ms nx 4 falcon - 00 x6b-mcg-002 supl-nx4-falcon
 

Semelhante a 905-3074-1-PB

11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb
Bruno Rodrigues
 
Alelopatia (Renata Pontes Araújo 201103535-8)
Alelopatia   (Renata Pontes Araújo 201103535-8)Alelopatia   (Renata Pontes Araújo 201103535-8)
Alelopatia (Renata Pontes Araújo 201103535-8)
Renata Araújo
 
Eapt 2012-903
Eapt 2012-903Eapt 2012-903
Eapt 2012-903
Bruno Rodrigues
 
Germinação in vitro e ex vitro de sementes de pequi
Germinação in vitro e ex vitro de sementes de pequiGerminação in vitro e ex vitro de sementes de pequi
Germinação in vitro e ex vitro de sementes de pequi
Bruno Gomes
 
ESTUDO DA VIABILIDADE DA PODA, NA CULTURA DO PIMENTEIRO (Capsicum annuum L.),...
ESTUDO DA VIABILIDADE DA PODA, NA CULTURA DO PIMENTEIRO (Capsicum annuum L.),...ESTUDO DA VIABILIDADE DA PODA, NA CULTURA DO PIMENTEIRO (Capsicum annuum L.),...
ESTUDO DA VIABILIDADE DA PODA, NA CULTURA DO PIMENTEIRO (Capsicum annuum L.),...
Armindo Rosa
 
Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Cultura sem solo morango
Cultura sem solo   morangoCultura sem solo   morango
Cultura sem solo morango
Armindo Rosa
 
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Jose Carvalho
 
Efeito das condições de armazenamento sobre a germinação das sementes de maca...
Efeito das condições de armazenamento sobre a germinação das sementes de maca...Efeito das condições de armazenamento sobre a germinação das sementes de maca...
Efeito das condições de armazenamento sobre a germinação das sementes de maca...
AcessoMacauba
 
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerradoManejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
daviagr
 
POSIÇÕES DA SEMEADURA E TRATAMENTO FÍSICO DA SEMENTE NA GERMINAÇÃO E CRESCIME...
POSIÇÕES DA SEMEADURA E TRATAMENTO FÍSICO DA SEMENTE NA GERMINAÇÃO E CRESCIME...POSIÇÕES DA SEMEADURA E TRATAMENTO FÍSICO DA SEMENTE NA GERMINAÇÃO E CRESCIME...
POSIÇÕES DA SEMEADURA E TRATAMENTO FÍSICO DA SEMENTE NA GERMINAÇÃO E CRESCIME...
Ana Aguiar
 
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Centro de Ciências Agrárias - CECA / Universidade Federal de Alagoas - UFAL
 
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLACOMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLÂNTULA DE GOIABEIRA SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E...
EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLÂNTULA DE GOIABEIRA SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E...EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLÂNTULA DE GOIABEIRA SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E...
EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLÂNTULA DE GOIABEIRA SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E...
Ana Aguiar
 
Avaliação de caracteristicas fisiológicas em progênies de macaúba com vistas ...
Avaliação de caracteristicas fisiológicas em progênies de macaúba com vistas ...Avaliação de caracteristicas fisiológicas em progênies de macaúba com vistas ...
Avaliação de caracteristicas fisiológicas em progênies de macaúba com vistas ...
AcessoMacauba
 
Melancia em substrato de lã de rocha
Melancia em substrato de lã de rochaMelancia em substrato de lã de rocha
Melancia em substrato de lã de rocha
Armindo Rosa
 
CONTROLE DE Cerconota anonella (SEPP.) (LEP.: OECOPHORIDAE) E DE Bephratelloi...
CONTROLE DE Cerconota anonella (SEPP.) (LEP.: OECOPHORIDAE) E DE Bephratelloi...CONTROLE DE Cerconota anonella (SEPP.) (LEP.: OECOPHORIDAE) E DE Bephratelloi...
CONTROLE DE Cerconota anonella (SEPP.) (LEP.: OECOPHORIDAE) E DE Bephratelloi...
Ysa35
 
Corr soja
Corr sojaCorr soja
Corr soja
Renato Soares
 
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondôniaTeor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Jose Carvalho
 
Uniformidade de maturação dos frutos no cacho de macaúbas nativas do pantanal...
Uniformidade de maturação dos frutos no cacho de macaúbas nativas do pantanal...Uniformidade de maturação dos frutos no cacho de macaúbas nativas do pantanal...
Uniformidade de maturação dos frutos no cacho de macaúbas nativas do pantanal...
AcessoMacauba
 

Semelhante a 905-3074-1-PB (20)

11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb
 
Alelopatia (Renata Pontes Araújo 201103535-8)
Alelopatia   (Renata Pontes Araújo 201103535-8)Alelopatia   (Renata Pontes Araújo 201103535-8)
Alelopatia (Renata Pontes Araújo 201103535-8)
 
Eapt 2012-903
Eapt 2012-903Eapt 2012-903
Eapt 2012-903
 
Germinação in vitro e ex vitro de sementes de pequi
Germinação in vitro e ex vitro de sementes de pequiGerminação in vitro e ex vitro de sementes de pequi
Germinação in vitro e ex vitro de sementes de pequi
 
ESTUDO DA VIABILIDADE DA PODA, NA CULTURA DO PIMENTEIRO (Capsicum annuum L.),...
ESTUDO DA VIABILIDADE DA PODA, NA CULTURA DO PIMENTEIRO (Capsicum annuum L.),...ESTUDO DA VIABILIDADE DA PODA, NA CULTURA DO PIMENTEIRO (Capsicum annuum L.),...
ESTUDO DA VIABILIDADE DA PODA, NA CULTURA DO PIMENTEIRO (Capsicum annuum L.),...
 
Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03
 
Cultura sem solo morango
Cultura sem solo   morangoCultura sem solo   morango
Cultura sem solo morango
 
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
Parâmetros genéticos para germinação de sementes e produção de raízes de ceno...
 
Efeito das condições de armazenamento sobre a germinação das sementes de maca...
Efeito das condições de armazenamento sobre a germinação das sementes de maca...Efeito das condições de armazenamento sobre a germinação das sementes de maca...
Efeito das condições de armazenamento sobre a germinação das sementes de maca...
 
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerradoManejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
Manejo e-praticas-culturais-e-fitossanitario-em-gravioleira-no-cerrado
 
POSIÇÕES DA SEMEADURA E TRATAMENTO FÍSICO DA SEMENTE NA GERMINAÇÃO E CRESCIME...
POSIÇÕES DA SEMEADURA E TRATAMENTO FÍSICO DA SEMENTE NA GERMINAÇÃO E CRESCIME...POSIÇÕES DA SEMEADURA E TRATAMENTO FÍSICO DA SEMENTE NA GERMINAÇÃO E CRESCIME...
POSIÇÕES DA SEMEADURA E TRATAMENTO FÍSICO DA SEMENTE NA GERMINAÇÃO E CRESCIME...
 
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
Viabilidade de sementes de Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz var....
 
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLACOMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
COMPLEXO DE ANTAGONISTAS E FERTILIZANTES FOLIARES NO MANEJO DE TRIPES EM CEBOLA
 
EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLÂNTULA DE GOIABEIRA SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E...
EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLÂNTULA DE GOIABEIRA SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E...EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLÂNTULA DE GOIABEIRA SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E...
EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLÂNTULA DE GOIABEIRA SOB DIFERENTES SUBSTRATOS E...
 
Avaliação de caracteristicas fisiológicas em progênies de macaúba com vistas ...
Avaliação de caracteristicas fisiológicas em progênies de macaúba com vistas ...Avaliação de caracteristicas fisiológicas em progênies de macaúba com vistas ...
Avaliação de caracteristicas fisiológicas em progênies de macaúba com vistas ...
 
Melancia em substrato de lã de rocha
Melancia em substrato de lã de rochaMelancia em substrato de lã de rocha
Melancia em substrato de lã de rocha
 
CONTROLE DE Cerconota anonella (SEPP.) (LEP.: OECOPHORIDAE) E DE Bephratelloi...
CONTROLE DE Cerconota anonella (SEPP.) (LEP.: OECOPHORIDAE) E DE Bephratelloi...CONTROLE DE Cerconota anonella (SEPP.) (LEP.: OECOPHORIDAE) E DE Bephratelloi...
CONTROLE DE Cerconota anonella (SEPP.) (LEP.: OECOPHORIDAE) E DE Bephratelloi...
 
Corr soja
Corr sojaCorr soja
Corr soja
 
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondôniaTeor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
Teor de macronutrientes e produção de biomassa de adubos verdes em rondônia
 
Uniformidade de maturação dos frutos no cacho de macaúbas nativas do pantanal...
Uniformidade de maturação dos frutos no cacho de macaúbas nativas do pantanal...Uniformidade de maturação dos frutos no cacho de macaúbas nativas do pantanal...
Uniformidade de maturação dos frutos no cacho de macaúbas nativas do pantanal...
 

905-3074-1-PB

  • 1. NOTA CIENTÍFICA Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1131-1133, jul. 2007 Introdução A espécie Calypthrantes clusiifolia (Miq.) O. Berg, pertencente à Família Myrtaceae, e conhecida popularmente por Araçarana, tem ocorrência nos estados de São Paulo e Minas Gerais. O florescimento ocorre de março a abril e seus frutos amadurecem de junho a julho. Seus frutos são drupas globosas, glabra, brilhantes, de polpa carnosa, cor vermelha quando madura e geralmente com uma única semente [1]. No estado de São Paulo pode ser encontrada nos seguintes tipos de vegetação: floresta estacional semidecidual, matas ciliares, floresta ombrófila densa e cerrado, (SMA 47/03, 2003). Em razão da sua importância na recuperação de áreas degradadas, ela também tem despertado interesse na melhoria de produção de mudas de espécies nativas. Este trabalho procurou levantar dados referentes ao ponto de maturação dos frutos, buscando de forma prática, qual seria a coloração e o ponto ideal para realizar a colheita. Material e métodos O experimento foi conduzido no Laboratório de análises de sementes e na área de campo do Viveiro de Mudas Camará-Ibaté-SP. As sementes de Calypthrantes clusiifolia., foram colhidas na cidade de Ibaté–SP, em Floresta Estacional Semi-decidual em agosto-2005. A colheita foi realizada em várias matrizes, onde foram colhidos os galhos com os frutos. Observamos que esta espécie apresenta, no mesmo ramo, frutos em diferentes estágios de maturação. Os ramos colhidos foram encaminhados para beneficiamento e em seguida foram separados os frutos de acordo com a sua coloração (Figura 1B). No caso das sementes despolpadas por pássaros, elas foram colhidas em lonas colocadas no chão na projeção da copa durante um dia, ou seja, na data da instalação dos testes. Após a separação dos frutos, eles foram despolpados e lavados em água, passando por uma pré-secagem em papel toalha, retirando o excesso de umidade em seguida foi realizado o teste para determinar o teor de água. O método utilizado para obtenção do teor de água foi o de estufa 105°C por 24 horas, de acordo com a RAS [2]. Para os frutos verdes não houve despolpamento, pois não se conseguiu fazer a retirada da polpa dos frutos. Os tratamentos utilizados foram: T1- Frutos de coloração verde; T2- Frutos de coloração amarela; T3- Frutos de coloração laranja; T4- Frutos de coloração vermelha; T5- Sementes despolpadas por pássaros. No experimento de laboratório as sementes foram testadas entre papel filtro (Fig. 1C) e acondicionadas em embalagens plásticas para evitar o ressecamento, colocadas em Câmara climática com alternância de temperatura, sendo 12 horas à 27°C e 12 horas à 20°C, com fotoperíodo de 12 horas de luz, concomitante com o tempo de maior temperatura. No campo, os tratamentos foram instalados em casa de sombra coberta com tela, com luminosidade de 70%. As sementes foram semeadas em tubetes preenchidos com substrato orgânico à base de casca de pinus e cobertura com vermiculita de granulometria fina (Figura 1A). As temperaturas ocorridas na permanência do experimento em campo foram: Média mínima de 15,5 °C, com uma amplitude de 12°C à 18°C e Média máxima de 30,25 °C, com amplitude de 22°C a 38°C. O delineamento estatístico utilizado foi o de blocos casualizados, para o campo: cinco tratamentos com oito repetições com 44 sementes, para laboratório: cinco tratamentos com seis repetições de 50 sementes. Para as análises do IVG em laboratório foram realizadas contagens da germinação quando as sementes apresentaram radícula de 5 mm de comprimento, realizado diariamente até 30 dias; para o campo as avaliações iniciaram-se quando as sementes começaram a emergir do substrato, também com freqüência diária de até 30 dias. Os cálculos utilizados foram: %G = ∑ X 100 / N, %G = % de germinação, onde: ∑ = nº de plantas germinadas; N = nº de sementes colocadas para germinar; e para o índice de velocidade de germinação (IVG) = (G1 / N1) + Coloração dos Frutos como Indicador de Maturação de Sementes de Araçarana (Calypthrantes clusiifolia (Miq.) O. Berg). Carlos Nogueira Souza Júnior1 , Vladimir Bernardo1 , José Marcos Barbosa3 , Gabriela Sotelo Castan4 e Zildamara dos Reis Howvack Menegucci5 ________________ 1. Biólogo do Viveiro Câmara/SP e Aluno de Pós-Graduação do Instituto de Botânica de São Paulo. Caixa Postal 35, CEP 14.815.000, Ibaté, SP. E-mail: câmara@mudasflorestais.com.br 2. Pesquisador Científico do Instituto de Botânica de São Paulo, Chefe da Seção de Sementes e Melhoramento Vegetal, Av. Miguel Estéfano, 3687, São Paulo, SP, CEP 04301-912. E-mail: josemarcobarbosa@terra.com.br 3. Estagiária da Seção de Sementes e Melhoramento Vegetal do Instituto de Botânica de São Paulo. Av. Miguel Estéfano, 3687, São Paulo, SP, CEP: 04301-012. E-mail: gabicastan@yahoo.com.br 4. Bióloga e aluna de Pós-Graduação da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul – UFMS. Caixa Postal 549, CEP 79070-900, Campo Grande, MS. E-mail: zildamara@ibest.com,br
  • 2. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1131-1133, jul. 2007 1132 (G2 / N2 ) + .... + (Gn / Nn), onde: G1, G2, Gn = número de plântulas germinadas na 1ª, 2ª e últimas contagens; N1, N2, Nn = tempo em dias da data de semeadura da 1ª, 2ª e últimas contagens, de acordo com RAS [2]. Para a avaliação de plântulas normais e anormais foi considerada a presença das seguintes estruturas: radícula, caulículo e plúmula. Os dados de porcentagem de germinação e índice de velocidade de germinação foram submetidos ao programa estatístico Sisvar 4.3, realizando a análise de variância e a comparação de médias pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Resultdos e Discussão Na Tabela 1 e 2, pode-se observar os valores de Teor de água obtidos pelas sementes de Calypthrantes clusiifolia (Miq.) O. Berg, por ocasião do início das instalações dos testes de germinação. Observando os resultados em condição de campo (Tabela 2) referente à porcentagem de germinação, pode- se constatar que o tratamento T1 apresentou valores inferiores aos demais tratamentos. Observa-se ainda que os maiores valores de germinação foram obtidos nos tratamentos (T2), (T3) e (T4), com valores de 80,68%, 75,28% e 71,87%, respectivamente. Esta superioridade verificada pode estar atribuída ao teor de água e consequentemente ao estádio de maturação das sementes observadas nos tratamentos (T3) e (T4), correspondendo às colorações laranja e vermelha. No caso do tratamento T1, onde os frutos foram colhidos verdes, a diferença na germinação deve estar voltada também ao ponto de maturação fisiológica dos frutos, onde pode-se observar, que o teor de água é bem superior aos demais tratamentos (47,80 %). No laboratório os resultados obtidos foram diferentes do campo somente nos valores, mas a performance estatística dos tratamentos foram iguais, exceto o tratamento T5 que em laboratório se equivaleu aos tratamentos (T2), (T3) e (T4). Esta igualdade está relacionada as condições de temperatura e umidade, pois em germinador essas condições são controlados com maior facilidade, quando comparada ao campo. Na avaliação de plântulas normais e anormais observou-se que o tratamento T1 (65,92 %), apresentou maior número de plântulas anormais, ou seja, má formação no sistema radicular, plúmula ou hipocótilo, pode estar relacionado ao ponto de maturação dos frutos. Também foi observado que o Índice de Velocidade de Germinação (IVG) está relacionado à coloração dos frutos, pois o tratamento T1 (0,4201) verde apresentou IVG inferior aos demais tratamentos nos dois ambientes testados. O tratamento T2 (1,3005) de coloração amarela apresentou o melhor resultado em campo, os demais tratamentos exceto o tratamento T1 apresentaram índices satisfatórios. Em laboratório todos os tratamentos exceto o tratamento T1, tiveram resultados semelhantes. Com esse experimento, podemos concluir que a colheita de Araçarana (Calypthrantes clusiifolia (Miq.) O. Berg, deve ser realizada quando a maior parte dos frutos estiverem de coloração amarela à vermelha, e as sementes verdes devem ser descartadas. As sementes despolpadas por pássaros podem ser utilizadas para semeadura, desde que seja submetida ao teste de umidade, efetuando-se um tratamento prévio das sementes para controle fitossanitário, para verificar se os níveis estão superiores a 33%. É importante ressaltar que esse estudo vem contribuir com a melhoria da produção desta espécie em viveiros, mas seriam necessários outros estudos para melhorar a performance desta espécie no armazenamento, quanto ao ponto de maturação dos frutos e identificar qual teor limite de água na semente para germinação. Referências [1] LORENZI, H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nossa Odessa: Plantarum, 2ª ed, p. 262. [2] SÃO PAULO (Estado). 2003. .Resolução SMA 47. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente (Documentos ambientais). [3] BRASIL. 1992. Ministério da Agricultura. Regras para análise de sementes. Brasília: Departamento de Produção Vegetal, divisão de Sementes e Mudas. 365p.
  • 3. Revista Brasileira de Biociências, Porto Alegre, v. 5, supl. 2, p. 1131-1133, jul. 2007 1133 Tabela 1 – Valores Médios de Índice de velocidade de germinação (IVG) e de Porcentagens de Teor de água, Germinação (G) e de Sementes Deterioradas (D) obtidos através dos experimentos em condições de campo. Tratamentos Teor de água (%) IVG G (%) D (%) T1- Frutos de coloração verde 47,80 0,4201 a 33,24 a 66,76 a T2- Frutos de coloração amarela 42,80 1,3005 c 80,68 c 19,32 c T3- Frutos de coloração laranja 39,70 1,0601 b 75,28 bc 24,71 bc T4- Frutos de coloração vermelha 39,20 1,0180 b 71,87 bc 28,12 bc T5- Frutos despolpados por pássaros 33,30 0,9338 b 66,40 b 33,52 b CV (%) ____ 14,28 11,80 22,39 Obs.: na coluna, médias seguidas pela mesma letra não diferem entre si ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de Tukey. Tabela 2 – Valores Médios de Índice de velocidade de germinação (IVG) e de Porcentagens de Teor de água, Germinação (G), Plântulas Normais (N), Plântulas Anormais (A) e Sementes Deterioradas (D), obtidos através dos experimentos de laboratório. Tratamento Teor de água (%) IVG G (%) N (%) A (%) D (%) T1- Frutos de coloração verde 47,80 1,1710 a 53,67 a 65,92 a 34,08 a 46,33 a T2- Frutos de coloração amarela 42,80 2,6131 b 89,00 b 92,73 b 2,27 b 11,00 b T3- Frutos de coloração laranja 39,70 2,2546 b 91,67 b 99,27 b 0,73 b 8,33 b T4- Frutos de coloração vermelha 39,20 2,2422 b 89,33 b 98,59 b 1,41 b 10,67 b T5-Frutos despolpados por pássaros 33,30 2,3180 b 89,00 b 97,91 b 2,08 b 11,00 b CV (%) ____ 11,29 7,99 9,51 76,65 37,77 Obs.: na coluna, médias seguidas pela mesma letra não diferem entre si ao nível de 5% de probabilidade pelo teste de Tukey. Figura 1. Espécie Calypthrantes clusiifolia. Fig. 1A, Vista parcial do experimento em campo; Fig. 1B, Coloração dos frutos utilizados no experimento; Fig. 1C, Rolos de papel-filtro embalados em sacos plásticos para evitar ressecamento.