SlideShare uma empresa Scribd logo
9   desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico
SUMÁRIO
1. DESENHO ARQUITETÔNICO....................................................................................3
2. NORMALIZAÇÃO .......................................................................................................6
3. ELEMENTOS DO DESENHO .....................................................................................8
3.1.LINHAS..................................................................................................................9
3.2. CONVENÇÕES ..................................................................................................10
3.3. HACHURAS........................................................................................................11
3.4.FOLHAS...............................................................................................................11
3.5. LEGENDAS ........................................................................................................12
4. MATERIAIS DE DESENHO ......................................................................................14
5. O DESENHO EM CADA UMA DAS ETAPAS DE UM PROJETO............................18
6. PROJETO ARQUITETÔNICO: REPRESENTAÇÃO E NOMENCLATURA.............21
6.1 – PLANTA............................................................................................................22
6.2 - PLANTA DO PAVIMENTO ................................................................................22
6.3 - PLANTA DE LOCAÇÂO ....................................................................................25
6.4- ELEVAÇÃO / FACHADA ....................................................................................26
6.5- CORTES.............................................................................................................28
6.6 - PLANTA DE SITUAÇÃO....................................................................................31
6.7. COBERTURA .....................................................................................................31
6.8.TITULO ................................................................................................................31
6.9. PERSPECTIVA...................................................................................................31
6.10. ESTATÍSTICA DO PROJETO...........................................................................32
7. ESPECIFICAÇÕES DE MEDIDAS ...........................................................................34
8. ESCALAS NUMÉRICAS E GRÁFICAS....................................................................37
9. COMPONENTES E ESPECIFICAÇÕES...................................................................42
10. SÍMBOLOS GRÁFICOS..........................................................................................45
11. COBERTURAS .......................................................................................................54
12. CIRCULAÇÃO VERTICAL......................................................................................69
12.1. ESCADAS .........................................................................................................70
12.2. RAMPAS...........................................................................................................77
12.3. ELEVADORES..................................................................................................79
ROTEIRO PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO....................................88
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ............................................................................101
1
DESENHO ARQUITETÔNICO
HISTÓRIA
O desenho arquitetônico é rigorosamente uma especialização do desenho técnico
normatizado voltada à execução e a representação de projetos de Arquitetura. Em
uma perspectiva mais ampla, porém, o desenho de arquitetura poderia ser encarado
como todo o conjunto de registros gráficos produzidos por arquitetos ou outros
profissionais durante ou não o processo de projeto arquitetônico. O desenho de
arquitetura, portanto, manifesta-se como um código para uma linguagem, estabelecida
entre o emissor (o desenhista ou projetista) e o receptor (o leitor do projeto). Dessa
forma, seu entendimento envolve um certo nível de treinamento. Por este motivo, este
tipo de desenho costuma ser uma disciplina importante nos primeiros períodos das
faculdades de arquitetura. Também costuma se constituir em uma profissão própria,
sendo os desenhistas técnicos comuns nos escritórios de projeto.
Com a Revolução Industrial, os projetos das máquinas passaram a demandar maior
rigor e precisão e consequentemente os diversos projetistas necessitavam agora de um
meio comum para se comunicar e com tal eficiência que evitasse erros grosseiros de
execução de seus produtos. Desta forma, instituíram-se a partir do século XIX as
primeiras normas técnicas de representação gráfica de projetos, as quais incorporavam
os estudos feitos durante o período de desenvolvimento da geometria descritiva, no
século anterior.
Imagem de uma prancheta de
desenho, método de trabalho tornado
obsoleto após a criação do CAD.
Detalhe de um projeto produzido no século
XIX
O desenho começou a ser usado como meio
preferencial de representação do projeto arquitetônico a
partir do Renascimento. Apesar disso, ainda não havia
conhecimentos sistematizados de geometria descritiva,
o que tornava o processo mais livre e sem nenhuma
normatização.
Por este motivo, o desenho técnico (e, portanto, o desenho de arquitetura) era naquele
momento considerado um recurso tecnológico imprescinível ao desenvolvimento
econômico e industrial.
A normatização hoje está mais avançada e completa, embora o desenho arquitetônico
tenha passado a ser executado predominantemente em ambiente CAD (ou seja, de
forma eletrônica). Por outro lado, para grande parte dos profissionais, o desenho à mão
ainda é a génese e o principal meio para a elaboração de um projeto.
2
NORMALIZAÇÃO
A representação gráfica do desenho em si corresponde a uma norma internacional (sob
a supervisão da ISO). Porém, geralmente, cada país costuma possuir suas próprias
versões das normas, adaptadas por diversos motivos.
 No Brasil, as normas são editadas pela ABNT, sendo a: NBR-6492 -
Representação de projetos de arquitetura - a principal para o desenho
arquitetonico.
 A Norma Brasileira de Desenho Técnico é a NB 8 R , que trata de
assuntos que serão estudados adiante como : Legendas , convenções de
traços , sistema de representação , cotas , escalas .
3
ELEMENTOS DO DESENHO
Para que a (futura) realidade do projeto seja bem representada, faz-se uso dos
diversos instrumentos disponíveis no desenho tradicional, na geometria euclidiana e na
geometria descritiva. Basicamente, o desenho arquitetônico manifesta-se
principalmente através de linhas e superfícies preenchidas (hachuras).
Costuma-se diferenciar no desenho duas entidades: uma é o próprio desenho (o objeto
representado, um edifício, por exemplo) e o outro é o conjunto de símbolos, signos,
cotas e textos que o complementam.
As principais categorias do desenho de arquitetura são: as plantas, os cortes e seções
e as elevações (ou alçados, eventualmente chamadas também como fachadas).
3.1.LINHAS
As linhas de um desenho normatizado devem ser regulares, legíveis (visíveis) e devem
possuir constraste umas com as outras.
I . ESPESSURA
Linha grossa
Linha média (metade da anterior)
Linha fina (metade da anterior)
II .TIPOS DE LINHA
A-Linhas auxiliares (finas: cota, ladrilhos, etc.)
B- Linhas gerais (média)
C- Linhas principais (grossa)
D- Partes invisíveis _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
E- Eixos de simetria
F- Seções ou cortes
G- Interrupções
Pesos e categorias de linhas
Normalmente ocorre uma hierarquização das linhas, obtida através do diâmetro da
pena (ou do grafite) utilizados para executá-la. Tradicionalmente usam-se quatro pesos
de pena:
Linhas complementares - Pena 0,1. Usada basicamente para registrar
elementos complementares do desenho, como linhas de cota, setas,
linhas indicativas, linhas de projeção, etc.
 Linha fina - Pena 0,2 (ou 0,3). Usada para representar os elementos em
vista.
 Linha média - Pena 0.4 (ou 0,5). Usada para representar os elementos
que se encontram imediatamente a frente da linha de corte.
 Linha grossa - Pena 0.6 (ou 0,7). Usada para representar elementos
especiais, como as linhas indicativas de corte (eventualmente é usada
para representar também elementos em corte, como a pena anterior).
3.2. CONVENÇÕES
Caracterização no projeto, das partes a conservar, a demolir e a construir: na
representação de uma reforma é indispensável diferenciar muito bem o que existe e o
que será demolido ou acrescentado. Estas indicações podem ser feitas usando as
seguintes convenções:
obs. Essa pintura deve ser feita , na cópia heliográfica , contínua e em tom suave;
ou diretamente no desenho feito com o AUTOCAD .
3.3. HACHURAS
Os elementos que em um desenho projetivo estão sendo cortados aparecem com um
peso maior no desenho. Além da linha mais grossa, esses elementos costumam estar
preenchidos por uma determinada hachura. Cada material é representado por uma
hachura diversa.
3.4.FOLHAS
Normalmemente, as folhas mais usadas para o desenho técnico são do tipo sulfite.
Anteriormente à popularização do CAD, normalmente desenvolvia-se os desenhos em
papel manteiga (desenhados à grafite) e eles eram arte-finalizados em papel vegetal
(desenhados à nanquim).
Tamanho das folhas
Tamanhos de folhas (mm)
A4 210 X 297
A3 297 X 420
A2 420 X 594
A1 594 X 841
A0 841 X 1189
A
2
A
3
A
4
A
1
A
4
A0
Concreto
Concreto aparente
Madeira
Terra
As folhas devem seguir os mesmos padrões do desenho técnico. No Brasil, a ABNT
adota o padrão ISO: usa-se um módulo de 1 m² (um metro quadrado) cujas dimensões
seguem uma proporção equivalente a raiz quadrada de 2 (841 x 1189 mm). Esta é a
chamada folha A0 (a-zero). A partir desta, obtém-se múltiplos e submúltiplos (a folha
A1 corresponde à metade da A0, assim como a 2ª0 corresponde ao dobro daquela.
A maioria dos escritórios utiliza predominantemente os formatos A1 e A0, devido à
escala dos desenhos e à quantidade de informação. Os formatos menores em geral
são destinados a desenhos ilustrativos, catálogos, etc. Apesar da normatização
incentivas o uso das folhas padronizadas, é muito comum que os desenhistas
considerem que o módulo básico seja a folha A4 ao invés da A0. Isto costuma se dever
ao fato de que qualquer folha obtida a partir desde móculo pode ser dobrada e
encaixada em uma pasta neste tamanho, normalmente exigida pelos órgãos públicos
de aprovação de projetos.
3.5. LEGENDAS
A legenda ou identificação na gíria profissional chama-se Carimbo, que tem a
finalidade de uniformizar as informações que devem acompanhar os desenhos. Os
tamanhos e formatos dos carimbos obedecem à tabela dos formatos A. Recomenda-se
que o carimbo seja usado junto à margem, no canto inferior direito. Esta colocação é
necessária para que haja boa visibilidade quando os desenhos são arquivados. O
carimbo deve possuir as seguintes informações principais, ficando, no entanto, a
critério do escritório, o acréscimo ou a supressão de outros dados:
a- Nome do escritório , Companhia etc. ;
b- Título do projeto ;
c- Nome do arquiteto ou engenheiro ;
d- Nome do desenhista e data ;
e- Escalas ;
f- Número de folhas e número da folha ;
g- Assinatura do responsável técnico pelo projeto e execução da obra ;
h- Nome e assinatura do cliente ;
i- Local para nomenclatura necessária ao arquivamento do desenho;
j- Conteúdo da prancha
4
MATERIAIS DE DESENHO
Com a ampla difusão do desenho auxiliado pelo computador, a lista de materiais que
tradicionalmente se usava para executar desenhos de arquitetura tem se tornado cada
dia mais obsoleta. Alguns desses materiais, no entanto, ainda são eventualmente
usados para checar algum problema com os desenhos impressos, ou no processo de
treinamento de futuros desenhistas técnicos.
A execução de desenhos de arquitetura no computador em geral exige a operação
programas gráficos do tipo CAD que normalmente demandam equipamentos potentes
em termos de capacidade de processamento, memória e hardware em geral. Hoje, o
principal programa para lidar com estes tipos de desenho é o AutoCad, um software
produzido pela empresa americana Autodesk. Seu formato de arquivos, o .dwg, é
considerado o padrão “de facto” no mercado da construção civil para troca de
informações de projeto. Existem diversos softwares de CAD para arquitetura. Além de
programas CAD destinados ao desenho técnico de uma forma geral, como o AutoCAD
e o Microstation, também existem softwares designados especificamente para o
trabalho de projeto arquitetônico, como o ArchiCAD, o Autodesk Architectural Desktop,
entre outros.
CAD
Desenho gerado em um programa do tipo CAD
Desenho à mão
A seguinte lista apresenta os materiais mais tradicionais no que concerne o desenho
instrumentado à mão. Ressalta-se, porém, que muitos destes materiais estão se
tornando raros nos escritórios de arquitetura, dada a sua informatização.
 Prancheta de desenho. Uma mesa, normalmente inclinável, na qual seja
possível manter pranchas de desenho em formatos grandes (como o A0) e onde se
possam instalar reguas T ou paralelas.
 Regua T ou Regua paralela. Instrumentos para traçado de retas
parelelas e perpendiculares, a serem usadas juntamente de um par de esquadros.
 Par de esquadros. Elementos para auxiliar o traçado de retas em
ângulos pré-desenhados, como 30º, 45º, 60º e 90º.
 Escalímetro. Um tipo especial de regua, normalmente com seção
triangular, com a qual podem ser medidas diversas escalas diferentes.
 Lapiseiras ou lápis. Adequados às espessuras desejadas.
 canetas nanquim. Para execução do desenho final.
 Mata-gato. Instrumento que auxilia o uso da borracha em locais
determinados do desenho.
 Borracha. Podendo ser a comum ou a elétrica.
 Conjunto de normógrafo e reguas caligráficas. Auxiliam a escrita de
blocos de texto padronizados e com caligrafia técnica.
 Lâmina e borracha de areia. Permitem a correção de desenhos errados
efetuados à nanquim.
 Gabaritos. Pequenas placas plásticas que possuem elementos pré-
desenhados vazados e auxiliam seu traçado, como instalações sanitárias,
circunferências, etc.
 Curva francesa. Um tipo especial de gabarito composto apenas por
curvas.
Um par de esquadros
Curvas francesas em
tamanhos diversos
Exemplos de
gabaritos
Gabaritos
caligráficos
Diversos materiais de
traçado Exemplo de um compasso
5
O DESENHO EM CADA UMA DAS
ETAPAS DE UM PROJETO
Normalmente a complexidade e quantidade de informações de um desenho variam de
acordo com a etapa do projeto. Apesar de existirem etapas intermediárias de projeto,
as apresentadas a seguir normalmente são as mais comuns, pelas quais passam
praticamente todos os grandes projetos.
. Estudo Preliminar
Cabe ao cliente dizer os objetivos que pretende atingir com sua construção, fornecer
um programa ou lista de necessidades, fixar o tempo que gastará para construir e o
custo máximo para a obra.
No diálogo cliente - engenheiro vão surgindo problemas e soluções. Ao mesmo tempo
o engenheiro estará fazendo suas pesquisas e anotações de modo a orientar suas
primeiras idéias (croquis).
A partir da localização do terreno (lote, quadra e bairro), faz-se a consulta prévia na
prefeitura, que é um documento obrigatório para aprovação de projetos. Este
documento fornece os parâmetros mínimos recomendados pela prefeitura, como:
recuos, altura máxima da edificação, taxa de ocupação, coeficiente de
aproveitamento...
Logo depois o projeto vai tomando forma em esboços. O estudo preliminar, que
envolve a análise das várias condicionantes do projeto, normalmente materializa-se em
uma série de croquis e esboços que não precisam necessariamente seguir as regras
tradicionais do desenho arquitetônico. É um desenho mais livre, constituído por um
traço sem a rigidez dos desenhos típicos das etapas posteriores.
.Anteprojeto.
Do esboço passado a limpo surge o anteprojeto. Nesta etapa, com as várias
características do projeto já definidas, (implantação, estrutura, elementos construtivos,
organização funcional, partido, etc), o desenho já abrange um nível maior de rigor e
detalhamento. No entanto, não costuma ser necessário informar uma quantidade muito
grande, nem muito trabalhada, de detalhes da construção. Em um projeto residencial,
por exemplo, costuma-se trabalhar nas escalas 1:100 ou 1:200.Nesta etapa ainda são
anexadas perspectivas internas e externas feitas à mão ou produzidas em ambiente
gráfico-computacional, em cores ou preto e branco, com localização de mobílias, para
permitir melhor compreensão do projeto.
.Projeto legal.
Discutido o anteprojeto junto com o cliente, e feito as modificações necessárias, parte-
se para o desenho definitivo o projeto, que corresponde ao conjunto de desenhos que
é encaminhado aos órgãos públicos de fiscalização de edifícios.
Por este motivo, possui algumas regras próprias de apresentação, variando de cidade
em cidade. Costuma-se trabalhar nas mesmas escalas do anteprojeto.
.Projeto executivo.
Esta etapa corresponde à confecção dos desenhos que são encaminhados à obra,
sendo, portanto, a mais trabalhada. Devem ser desenhados todos os detalhes do
edifício, com um nível de complexidade adequado à realização da construção. O
projeto básico costuma ser trabalhado em escalas como 1:50 ou 1:100, assim como
seu detalhamento é elaborado em escalas como 1:20, 1:10, 1:5 e eventualmente, 1:1.
O projeto completo deve ser acompanhado de detalhes construtivos (portas, janelas,
balcões, armários, e outros) e de especificações de materiais ( piso , parede , forros ,
peças sanitárias , coberturas, ferragens ,etc. ) . Com estes dados preparam-se o
orçamento de materiais, e os projetos complementares como: projetos estrutural,
elétrico, telefônico, hidro-sanitário, prevenção contra incêndio e outros.
Todos estes projetos, chamados de originais, chegam à construção sob forma de
cópias, em geral feitas em papel heliográfico ou sulfite (AUTOCAD). O papel
heliográfico (tipo azul ou preto) é o resultado da ação química do amoníaco em
presença da luz ou vice-versa.
6
PROJETO ARQUITETÔNICO:
REPRESENTAÇÃO E
NOMENCLATURA
O PROJETO ARQUITETÔNICO é a solução de um problema de edificação,
equacionando com arte e técnica, os elementos fixos e variáveis existentes, visando a
obtenção do objetivo desejado, determinado por um programa estabelecido.
Elementos fixos: terrenos / programa / verba / exigências institucionais.
Elementos variáveis: programa / partido arquitetônico / funcionabilidade / estética /
volumetria.
De acordo com a LEI COMPLEMENTAR Nº 84 DE 06 DE JULHO DE 1993, toda
construção, reforma, ampliação de edifícios, bem como demolição parcial ou total,
efetuados por particulares ou entidade pública, a qualquer título, é regulada pela
presente lei complementar, obedecidas, no que couberem, as disposições federais e
estaduais relativas à matéria e as normas vigentes da ABNT.
Um projeto arquitetônico completo é composto por
6.1 – PLANTA
É o desenho do objeto visto na sua projeção sobre o plano horizontal.
6.2 - PLANTA DO PAVIMENTO
é o corte horizontal feito acima do piso, a distância variável, a fim de mostrar no
desenho, todos os componentes do pavimento, como paredes, vãos de portas e
janelas, equipamentos fixos e móveis (opcionais), de modo a dar uma perfeita
compreensão das divisões, circulação, iluminação e ventilação do pavimento, na escala
adequada, devidamente cotada, com as dimensões dos ambientes, sua destinação e
área, além da indicação dos níveis dos pisos.
Para representação da planta devemos observar os seguintes itens:
a). Representação das paredes ( altas com traço grosso contínuo , e paredes baixas
com traço médio continuo com a altura correspondente ) ;
b). Colocar todas as cotas necessárias a cada pavimento, telhado, dependências a
construir, modificar ou sofrer acréscimo. As cotas constantes dos projetos deverão
ser escritas em caracteres claros e facilmente legíveis. Essas medidas
prevalecerão no caso de divergência com as medidas tomadas no desenho;
c). Indicar os destinos e as áreas correspondentes de cada compartimento em m2;
d). Colocar o tipo de piso de cada compartimento ;
e). Indicar as portas e janelas com suas medidas correspondentes ( base x altura X
peitoril) de acordo com a simbologia adotada ;
f). Representar piso cerâmico ou similar com quadrículas ( linha fina ) ;
g). Indicar desníveis se houver ;
h). Representar todas as peças sanitárias , tanque , pia de cozinha (obrigatório );
i). Com linha pontilhada , indicar o beiral ( linha invisível );
j). Indicar a posição de todas as divisas do lote;
l). Indicar onde passam os cortes longitudinal e transversal ( traço e ponto com linha
grossa ) e o sentido de observação , colocando letras ou números que correspondem
aos cortes.
Para o exercício seguinte, utilize as seguintes medidas:
Muro e paredes internas = 0.15m
Paredes externas = 0,20m
Muro alinhamento = 0,30 m
Jl = 2,00 x 1,20 X 0,90 m
J2 = 1,50 X 1,20 X 0,90 m
J3 = 0,60 X 0,60 X 1,50 m
J4=1,60 X 1,00m X1,10 m
muro h=1.60m 10.00
muroh=1.60m20,00
muroh=1.60m20,00
+.20
+.32 +.33
6.00
1.50
J3
proj. da cobertura
J4
+.33
+.35
+.30
+.20
muro h=1.60m 10.00
Alinhamento
principal
Portão de correr
RampaSobe
calçada
Planta Baixa
5.00
5.00
Jj2j2J2
J1
P1
5.90
2.50
1.204.55
2.50
1.20
2.65 2.80
2.80
2.65
1.00
1.50
8.95
2.50
0.50
P2
P2
P3
abrigo
dormitório
12.05m
2
sala
16.52m
2
cozinha
7.00m
2
a.serv.
4.48m
2
banho.
4.48m
2
A A’
J3
J3
P1
P2
em escala
6.3 - PLANTA DE LOCAÇÂO
Indica a posição da construção dentro do terreno. Pode-se fazer um desenho único
com a locação e a planta de cobertura. A planta de locação não se limita a casa ou
construção. Para locar uma obra é necessário representar o local exato que ocupará no
lote. Para isso necessita - se da obtenção de todos os dados que caracterizam o
terreno, na prefeitura, suas dimensões, recuos de todos os elementos salientes,
reentrantes, áreas e poços, além de todo elemento existente no passeio fronteiriço; Ela
deve mostrar os muros, portões, postes, árvores existentes ou a plantar, a calçada ou
passeio e, se necessário às construções vizinhas.
a- Representa-se a projeção da obra sem contar com os beirais, do muro até a
parede, Não seria correto indicar o afastamento entre o muro e a extremidade
da cobertura;
b- Representar todas as cotas necessárias.
c- É necessário a representação da calçada ( tipo de material ) ;
O nome da rua que passa na frente da obra ;
Indicação do norte magnético ;
locação de fossas , caixas de gordura , caixas de inspeção , ou saída
para o esgoto publico, localização da entrada de energia elétrica e água;
Cotas de nível (meio fio, calçada, obra...);
Indicação da localização do lixo.
As escalas indicadas para a planta de locação são as 1:100 ou 1:200.
6.4- ELEVAÇÃO / FACHADA
É o desenho do objeto visto na sua projeção sobre um plano vertical. Um objeto pode
ficar claramente representado por uma só vista ou projeção (ex. lâmpada
incandescente). Outros ficarão bem mais representados por meio de 3 projeções ou
vistas. Haverá casas ou objetos que somente serão definidos com o uso de maior
numero de vistas. Num lote de meio de quadra é obrigatória a representação de pelo
menos uma fachada. No caso de lote de esquina é obrigatória a representação de pelo
menos duas fachadas com a respectiva indicação dos materiais a serem utilizados.
Recuo lateral esquerdo Recuo lateral direito
DIVISA DE FUNDO
FRENTE DO LOTE
DIVISALATERALESQUERDA
DIVISALATERALDIREITA
Recuodofundo
Recuodefrente
calçada ou passeio
meio fio ou guia
RUA
PROJEÇÃO DA
EDIFICAÇÃO
alinhamento
Obs.: as projeções ortogonais da Geometria Descritiva são usadas no desenho
arquitetônico apenas mudando os termos técnicos.
Para a representação da fachada é necessário observar :
a. A fachada não deve constar cotas como no corte , somente em alguns casos
excepcionais;
b. Indicar através de setas o tipo de material a ser empregado no revestimento , pintura
...
c. Desenhar as paredes mais próximas ao observador com traço grosso contínuo;
d. Desenhar as paredes ou partes mais distantes ao observador com traço médio e
fino;
e. Ao contrário do corte , na fachada é representada detalhes das portas e janelas com
traço fino.
Damos a seguir, a disposição das quatro fachadas de uma construção, relacionando-as
com a planta. Notar a aplicação da convenção para os traços nas fachadas. As partes
mais próximas do observador são desenhadas com traço grosso.
Reduzir a espessura dos traços na medida em que eles estão mais distantes
a.
serviço
cozinha
livingdormitório
FACHADA PRINCIPAL
FACHADALATERALESQUERDA
FACHADALADERALDIREITA
abrigo
para
auto
banho
6.5- CORTES
São obtidos por planos verticais que interceptam as paredes, janelas, portas e lajes,
com a finalidade de permitir esclarecimentos que venham facilitar a execução da obra.
As linhas indicando onde devem ser feitos os cortes são traçadas SEMPRE nas plantas
do projeto.
Se desenharmos a vista do edifício secionado em um plano vertical, teremos um
desenho demonstrativo das diferentes alturas de peitoris, janelas, portas, vergas e das
espessuras das lajes do piso, do forro, dos detalhes de cobertura e dos alicerces.
O corte vertical corta a edificação desde a sua fundação até a sua cobertura, como
mostra a figura:
Quase sempre uma única seção não é suficiente para demonstrar todos os detalhes do
interior de um edifício, sendo necessários, no mínimo dois cortes. Por esse motivo,
sempre que se apresenta um projeto, representamos duas seções: LONGITUDINAL E
TRANSVERSAL.
Deve-se sempre passar um dos cortes por um dos compartimentos ladrilhados, cujas
paredes sejam revestidas por azulejos. Indicamos as seções nas plantas por traços
grossos interrompidos por pontos e terminados por setas que indicam a situação do
observador em relação ao plano da seção. Assinalamos os cortes por letras
maiúsculas. As paredes secionadas devem ser representadas tal como aparecem nas
plantas.
Para a representação do corte é necessário observar os seguintes itens :
a. Representação das paredes em que o plano vertical está cortando com traço
grosso ;
b. Representação das paredes em que o plano vertical não corta , com traço fino;
c. Representação de portas e janelas conforme a simbologia adotada , com as
devidas medidas ( altura );
d. Indicação somente das cotas verticais , indicando alturas de peitoris , janelas,
portas , pé direito , forro ...
e. Representação da cobertura (esquemática );
f. Representação e indicação do forro . Se for laje a espessura é de 10 cm;
g. Representação esquemática da fundação com o lastro de 10 cm;
h. Indicação de desníveis se houver ( verificar simbologia );
i. Indicar revestimento ( azulejos ) com a altura correspondente;
j. Indicar os compartimentos que o plano vertical está cortando ( geralmente indica-
se um pouco acima do piso );
k. Indicar o desvio do corte , quando houver ,através de traço e ponto com linha
média;
l. Indicar o beiral , platibandas , marquises , rufos e calhas se houver necessidade;
m.Indicar o tipo de telha e a inclinação correspondente
VISTA EM CORTE PERSPECTIVADO
DA RESIDÊNCIA (sem escala)
CO
RTE
AA
CO
ZI
NH
A
A.S
ER
VIÇ
O
6.6 - PLANTA DE SITUAÇÃO
É a representação do lote dentro da quadra.
a- É necessário indicar e numerar todos os lotes da quadra, ressaltando-se o lote em
questão, assim como o seu numero e o numero da quadra.
b- Colocar os nomes de todas as ruas que circundam a quadra,
c- Indicar também o norte magnético.
obs. É cotado somente o lote em questão .
6.7. COBERTURA
A planta de cobertura é uma vista superior da obra necessitando assim a
representação de todos os detalhes relativos à coberta, como:
a - tipo de telha;
b - inclinação correspondente ao tipo de telha,
c - se houver, indicar beiral, platibanda, rufos, marquises...
d - Determinar as cotas parciais e totais da edificação.
6.8.TITULO
O título do projeto geralmente é a finalidade da obra, ou seja, se a construção é para
fins residenciais, comerciais, assistências, religiosos..., seguido da localização da
obra (lote / quadra / bairro / cidade /estado).
Ex.: Projeto destinado a construção de uma residência em alvenaria, situado sobre
o lote X, quadra Y, bairro W, Cidade/Estado.
6.9. PERSPECTIVA
É o desenho do objeto visto bi-dimensionalmente, isto é, em projeções sobre dois
planos verticais ortogonais. No mínimo representa-se 2 cortes , passando
principalmente onde proporcione maiores detalhes ao executor da obra ou dos projetos
complementares.
6.10. ESTATÍSTICA DO PROJETO
Segundo a LEI COMPLEMENTAR Nº 387 DE 13 DE ABRIL DE 2.000 a ocupação do
solo fica condicionada a índices urbanísticos definidos a partir do estabelecimento
de:
I. lote mínimo (Área do lote em m2) para efeito de parcelamento;a metragem
quadrada do terreno, constante do título de propriedade, deve ser verificada com
levantamento topográfico que mostrará a geometria do lote.
II. Taxa de ocupação máxima do lote, representada pelo percentual da área do
lote que pode receber edificação ( área da construção térrea : área do lote ) x
100 %
III. coeficiente de aproveitamento máximo do lote representado pelo número de
vezes que sua área pode ser reproduzida em área construída (área da
construção total : área do lote)
IV. recuos mínimos que a edificação deve obedecer em relação aos limites do lote
e entre edificações no mesmo lote.
Obs.: Caso haja construções existentes, indicar também a área correspondente com o
respectivo número do protocolo de aprovação.
Além de constar estes índices, a legenda deve informar também:
- Área da construção (térreo, superiores..., todos em separado) em m2;
- Área total da construção em m2
Orientações para o projeto:
PÉ-DIREITO: é a altura livre entre o piso e o teto de um compartimento.
ALINHAMENTO: é a linha projetada, marcada ou indicada pela Prefeitura Municipal,
para fixar o limite do lote do terreno em relação ao logradouro público.
RECUO: é a distância da construção a divisa considerada (recuo de frente, recuo de
fundo e recuos laterais direito e esquerdo ou como costuma ser denominado
“afastamento lateral direito ou esquerdo”).
NIVEL: o sinal gráfico da indicação de nível pode ser:
 um círculo dividido em quatro setores iguais (quadrantes), com cheios e vazios
alternados, comumente usado em plantas
 um triângulo com um vértice apontando a indicação do nível de referência
escolhido, comumente usado em cortes.
0.0
0
0.0
0
7
ESPECIFICAÇÕES DE MEDIDAS
COTAS: Representam sempre dimensões reais do objeto e não dependem,
portanto, da escala em que o desenho está executado. São os números que
correspondem às medidas.
Obs. As cotas devem ser escritas na posição horizontal, de modo que sejam lidas
com o desenho em posição normal, colocando-se o leitor do lado direito da prancha.
Para localizar exatamente uma cota e indicar qual a parte ou elemento do objeto a
que ela se refere é necessário recorrer a dois tipos de linhas que são:
a) linhas de chamada (ou de extensão ou, ainda linha de referencia)
b) linhas de cota (ou de medida).
As setas podem ser substituídas por:
PRINCÍPIOS GERAIS:
1. Tanto as linhas de chamada como as linhas de cota se desenham com traço
contínuo fino. As linhas de chamada devem, em princípio, ser perpendiculares ao
elemento a cotar, mas em casos excepcionais, pode haver conveniências em que
sejam desenhadas obliquamente, preferindo-se nesses casos inclinações de 60
ou 75;
2. As linhas de cota não devem ser escritas muito próximas das linhas de contorno,
dependendo a distancia a que se colocam as dimensões do desenho e do
tamanho do algarismo das cotas.
3. Os ângulos serão medidos em graus, exceto em coberturas e rampas que se
indicam em porcentagem (%).
4. As linhas de cota paralelas devem ser espaçadas igualmente.
5. Colocar as linhas de referencia de preferência fora da figura.
6. Evitar repetições de cota.
7. Todas as cotas necessárias serão indicadas.
8. Não traçar linha de cota como continuação de linha da figura.
9. As cotas prevalecem sobre as medidas calculadas no desenho.
10. As cotas de um desenho devem ser expressas na mesma unidade.
11. A altura dos algarismos é uniforme dentro do mesmo desenho. Em geral usa-se
2.5 a 3mm .
12. No caso de divergência entre cotas de desenhos diferentes, prevalece a cota do
desenho feito na escala maior .
13. As linhas de cota são desenhadas paralelas à direção de medida.
8
ESCALAS NUMÉRICAS E
GRÁFICAS
ESCALA: é a relação entre cada medida do desenho e a sua dimensão real no
objeto.
A escala é uma razão: ____Medida do desenho___
Medida real correspondente
A necessidade do emprego de uma escala na representação gráfica, surgiu da
impossibilidade de representarmos, em muitos casos, em verdadeira grandeza; certos
objetos cujas dimensões não permitem o uso dos tamanhos de papel recomendados
pelas Normas Técnicas. Nesses casos empregamos escalas de redução; quando
necessitamos obter representações gráficas maiores que os objetos utilizamos escalas
de ampliação.
No desenho de arquitetura geralmente só se usam escalas de redução, a não ser em
detalhes, onde aparece algumas vezes a escala real.
A escolha de uma escala deve ter em vista:
1. O tamanho do objeto a representar
2. As dimensões do papel
3. A clareza do desenho
As escalas devem ser lidas 1:50 (um por cinqüenta), 1:10 (um por dez), 1:25 (um por
vinte e cinco), 10:1 (dez por um), etc.
ESCALA GRÁFICA: é a representação da escala numérica. A escala gráfica
correspondente a 1:50 é representada por segmentos iguais a 2 cm, pois 1 metro
dividido por 50 é igual a 0,02 m. Escalas utilizadas para desenhos arquitetônicos:
 1:200 ou 1:100 = rascunhos / estudos (papel manteiga)
 1:100 = anteprojeto – plantas, fachadas, cortes perspectivas
 1:100 = projeto legal - plantas, fachadas, cortes, perspectivas
 1:50 = projeto executivo (desenhos bem cotados), fundações, estrutura,
instalações, etc
 1:10, 1:20 e 1:25 = detalhes
 1:200/ 1:500 = planta de Localização
 1:1000 e 1:2000 = planta de Situação
obs: A escala não dispensará a indicação de cotas .
Para solucionarmos problemas de escalas, as medidas devem estar na mesma
unidade. Transforme-as, se necessário!
Exp.: Um canteiro de 2 metros foi desenhado com 4 cm. Qual é a escala do desenho?
Transforme: 2 m = 200 cm
Efetue a operação: 4 cm = 1 / 4x = 200 / x = 50 /
200 cm x
A escala do desenho é de = 1: 50.
EXERCÍCIOS
ATENÇÃO
1 – exercício que não apresente cálculo, quando solicitado, não será considerado.
2 – exercícios iguais, ambos terão nota ZERO.
3 – projeto final igual (mesmo de outro semestre, pois temos os projetos
catalogados), os alunos envolvidos serão reprovados.
1º. A seção transversal recomendada para o leito carroçável de uma Via Principal é
de 10,50 m. Qual a sua dimensão num projeto que foi desenhado na escala 1:50?
RESP.:_______
2º. Num projeto de execução foi desenhado o detalhe de uma janela de correr na
escala 1:20, cuja altura mede 9,0 cm e largura 14,0 cm . Qual a verdadeira medida
da janela?RESP.: __________
3º. Um objeto foi desenhado no formato A3 (420 mm x 297 mm) em escala 1:50. Foi
reduzido proporcionalmente para o formato A4 (210 mm x 297 mm)
 Qual a nova escala do desenho?
RESP.: __________
 Qual o comprimento do objeto no novo formato se mede 8,40 m em sua verdadeira
grandeza?
RESP.: __________
4º. A largura recomendável de um banheiro é de 1,20 m. Num desenho feito na
escala 1:25, qual será essa medida? RESP.: __________________
5º. Um edifício de 50m de altura por 15 m de largura foi desenhado com as
seguintes medidas: 12,5 cm de altura e 3,75 cm de largura. Qual é a escala do
desenho?
6º. A prancha de uma carteira escolar é um retângulo que mede 70 cm por 50 cm.
Desenhe-a na escala 1:25:
7º. Uma geladeira que mede 1,50 m de altura por 0,60 m de largura foi desenhada
com 15 cm e 10 cm respectivamente.
Qual foi a escala utilizada no desenho?_______________.
O que ocorreu?__________________________________.
Qual a conseqüência disso?________________________.
Agora, desenhe corretamente a geladeira na escala 1:50.
8º. A planta acima, pg. 13, foi desenhada SEM ESCALA, copiar TODOS os detalhes da
planta na escala 1:50. Depois representar a planta de locação, o CORTE AA’ e a
elevação principal, na mesma escala.
9º. Representar as perspectivas correspondentes dos seguintes dados:
PLANTA PLANTA PLANTA PLANTA PLANTA PLANTA
PLANTA
EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL
EL.FRONTAL
EXEMPLO DE RESPOSTA PARA:
EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL
PLANTA PLANTA PLANTA
a. ou
a. b. c. d. e. f.
g.
9
COMPONENTES E ESPECIFICAÇÕES
LEVANTAMENTO: topográfico / planialtimétrico
FUNDAÇÕES: exame do terreno / sondagem
Diretas: sapatas / baldrame
corrido
Concreto armado, bloco armado pedra
Indiretas ou profundas: estacas
Madeira, mista, concreto armado, concreto
centrifugado, perfis de aço, Strauss, Franki, tubulões
ESTRUTURAS
Rígidas Concreto armado, aço
Semi-rígidas
Elevações, blocos armados, pré-moldados, alvenaria auto
portante, tijolos, blocos
COBERTURAS
Estrutura Madeira, aço, alumínio, concreto armado pré-moldado
Telhados
Telha cerâmica: francesa, colonial, escama, esmaltada, mista,
plan ou capa canal
Fibrocimento, alumínio, concreto pré-moldado, pvc, translúcida,
ardósia
IMPERMEABILIZAÇÃO
Fria Líquida, polímeros, películas, mantas
Quente Asfáltica, mantas
FORROS
Madeira, lambris, treliça, gesso, estuque, alumínio, chapa, pvc
VEDOS
Alvenarias estruturais
Pedras, tijolos cozidos, bloco de concreto, adobes,
taipas, pau à pique
Alvenarias auto-portantes:
divisórias / painéis
Madeira, metal, concreto, papel, fibrocimento, vidro,
tecidos, plásticos, blocos
PISOS
Frios
Ladrilho cerâmico, mosaico, cimentado, polímeros, granitine,
cerâmica esmaltada, borracha, plástico, fórmica, pedras naturais,
mármore, granito, arenito, ardósia, basalto
Quentes
Tacos (acabamento para madeira: raspagem, calafetar, cera,
sinteko), assoalhos, carpetes, forrações, carpete de madeira
REVESTIMENTOS / MAMPOSTERIA
Chapisco, emboço (massa grossa), reboco (massa fina), massa corrida (acabamento)
Cozida, esmaltada, vitrificada, azulejos (lisos ou decorados) – com junta à prumo ou
amarrada
Naturais, mármore, granito, ardósia, basalto
Madeira, compensado, laminados, fórmica, fibrocimento, chapa metálica, alumínio,
vidro, fibra
Caiação, látex, acrílica, pva, especiais, resinas, vernizes
Tecidos / Vidros / Carpetes / Forrações
INSTALAÇÕES
Hidráulicas
Água fria: pvc marrom, galvanizado, ferro
Água quente: cobre, pvc especial
Esgoto: pvc branco, ferro
Proteção contra incêndio: tubo galvanizado, hidrantes, detectores de
fumaça, splinkers
Água pluvial: pvc branco, ferro, fibrocimento, chapa galvanizada
Elétricas
Iluminação / Tomadas / Ar condicionado / chuveiro elétrico
Telefonia / Intercomunicadores / Lógica / Som / Vídeo / Rádio / Pára-
raios
ESQUADRIAS DE MADEIRA
Batentes
Portas Maciças, almofadadas, relhadas, lisas, folhadas, revestidas, especiais
Janelas Vidro, veneziana, persiana
CAIXILHOS METÁLICOS
Contramarcos / Alumínio
Portas e
Janelas
Alumínio anodizado, ferro e chapa galvanizada, vidro / veneziana,
persiana / metálica
Sistema de
abertura
De abrir, de correr, basculante, guilhotina, max-ar, pivotante,
sanfonada, pantográfica, de enrolar
PINTURA
Caiação, látex, pva, acrílico, óleo, têmpera, epoxi, borracha clorada
VIDROS
Lisos, pontilhados, comuns, cristais, temperados, laminados (acabamento: incolor ou
transparente, colorido, espelhado)
LIMPEZA GERAL DA OBRA / PAISAGISMO
Jardim, jardineira, vasos, floreiras
10
SÍMBOLOS GRÁFICOS
O desenho arquitetônico, por ser feito em escala reduzida e por abranger áreas
relativamente grandes, é obrigado a recorrer a símbolos gráficos. Assim utilizaremos
as simbologias para definir, como por exemplo, as paredes, portas, janelas, louças
sanitárias, telhas, concreto...
I . PAREDES
Normalmente as paredes internas são representadas com espessura de 15 cm, mesmo
que na realidade a parede tenha 14 cm ou até menos. Nas paredes externas o uso de
paredes de 20 cm de espessura é o recomendado, mas não obrigatório. É, no entanto
obrigatório o uso de paredes de 20 cm de espessura quando esta se situa entre dois
vizinhos (de apartamento, salas comerciais...).
Convenciona-se para paredes altas (que vão do piso ao teto) traço grosso contínuo, e
para paredes a meia altura, com traço médio contínuo, indicando a altura
correspondente.
II. PORTAS
II.1. Porta interna - Geralmente a comunicação entre dois ambientes não há
diferença de nível, ou seja, estão no mesmo plano, ou ainda, possuem a
mesma cota.
II.2. Porta externa - A comunicação entre os dois ambientes ( externo e
interno ) possuem cotas diferentes , ou seja o piso externo é mais baixo .
Nos banheiros a água alcança a parte inferior da porta ou passa para o ambiente
vizinho; os dois inconvenientes são evitados quando há uma diferença de cota nos
pisos de 1 a 2 cm pelo menos . Por esta razão as portas de sanitários desenham se
como as externas .
II.3.Outros tipos de porta :
- De correr ou corrediça
- Porta pantográfica
- Porta pivotante
- Porta basculante
- Porta de enrolar
III . JANELAS
O plano horizontal da planta corta as janelas com altura do peitoril até 1.50m , sendo
estas representadas conforme a figura abaixo , sempre tendo como a primeira
dimensão a largura da janela pela sua altura e peitoril correspondente . Para janelas
em que o plano horizontal não o corta , a representação é feita com linhas invisíveis.
9   desenho arquitetônico
9   desenho arquitetônico
V. MÓVEIS - SALA/QUARTO/COZINHA
VI. NA ÁREA DE SERVIÇO
11
COBERTURAS
A proteção zenital é detalhe importante num projeto. A escolha de solução para a
cobertura, determina o equilíbrio no conjunto, economia de material e de mão-de-obra.
Quanto ao sistema construtivo classifica-se em:
1. cobertura por elementos apoiados – telhas e similares;
2. cobertura por elementos estruturados – laje (convenientemente impermeabilizado)
Quanto a forma as coberturas podem possuir:
1. um só declividade (uma água ou pano), dois, três, quatro (a mais comum);
2. forma poligonal;
3. forma especial.
TELHADOS USUAIS
TIPO DA TELHA N.º / m² PESO COM
MADEIRAMENTO (kg / m²)
INCLINAÇÃO
(graus)
DECLIVIDADE
(%)
Francesa 13 a 15 40 / 50 16 a 25 30 a 45
Colonial 18 a 25 50 / 70 13 a 16 25 a 30
Ondulada
(fibrocimento)
07 a 10 13 a 16
Em telhados de duas declividades, de igual comprimento, o cálculo da porcentagem
da mesma deve ser feito considerando a metade do vão total.
Exemplo : p = h / m
30% = h/ 700
h = 2.10 m
h
m
Maiores informações quanto às coberturas, devem ser obtidas nos catálogos dos
fabricantes.
Os elementos de cobertura (telhas) se apóiam em estruturas de madeira (as mais
usuais), de ferro, de alumínio ou de concreto.
As tesouras comuns são as peças principais das estruturas de madeira e que irão
suportar o peso dos elementos da cobertura (telhas) que serão fixados nas ripas, e
estas nos caibros que se apóiam nas terças que por sua vez são apoiadas nas pernas
(ou empenas) da tesoura.
cumeeira
pendural
escoratirante
terça
empena
caibro 5 x 16 cm
ripa 1 x 5 cm
frechal linha ou tensor
estribo
C/8
C/4 C/4
C/4
1
2
3
4
1/4 1/4 1/4 1/4
 Ripas...............................peças de madeira pregadas sobre os caibros, atuando
como apoios das telhas de cerâmica;
 Caibros............................peças de madeira, apoiadas sobre as terças atuando por
sua vez como suporte das ripas;
 Terças.............................peças de madeira, apoiadas sobre as tesouras, sobre
pontaletes ou ainda sobre paredes, funcionando como sustentação dos caibros;
 Frechal............................viga de madeira colocada no topo das paredes, com a
função de distribuir as cargas concentradas provenientes de tesouras, vigas
principais ou outras peças de madeira da estrutura; costuma-se chamar também de
frechal a terça da extremidade inferior do telhado;
 Terça de cumeeira.........terça da parte mais alta do telhado;
 Pontaletes......................peças de madeira dispostas verticalmente, constituindo
pilares curtos sobre os quais apoiam-se as vigas principais ou as terças;
 Tesoura.........................treliça de madeira que ser de apoio para a trama.
ESFORÇOS QUE ATUAM NOS ELEMENTOS DE UMA TESOURA DE MADEIRA
Esquematicamente a figura abaixo mostra esses esforços. Sendo as peças:
1. Empena
2. Escora
3. Linha ou tensor
4. Pendural
Temos que as peças 1 e 2 (empena e escora) trabalham em compressão (flexo-
pressão) e que as peças 3 e 4 (tensor e pendural) trabalham em tração.
Os esforços que atuam em cada peça de uma tesoura, podem ser determinados com o
uso do Diagrama de Cremona (da Grafostática) e da fórmula de Euler.
A pressão do vento, considerando-se a direção do mesmo inclinada de 10 º em relação
a horizontal, pode ser admitida como carga adicional a carga permanente, o que é
permitido para pequenas inclinações e uma vez que as águas do telhado, nos casos
das telhas francesas e coloniais, têm pequenas inclinações.
Peso Próprio Vento Água da Chuva Total
Telhas Francesas
 = 25 (inclinação) e p
= 45% (declividade)
45 kg / m² 62 kg / m² 13 kg / m² 120 kg / m²
Telhas Coloniais
 = 15 (inclinação) e
p = 25% (declividade)
90 kg / m² 45 kg / m² 15 kg / m² 150 kg / m²
TRAÇADO USUAL DOS TELHADOS
As águas, panos, sendo de igual inclinação, a solução baseia-se no seguinte
teorema:
“A interseção de dois planos de igual inclinação é a bissetriz do ângulo formado
pelas horizontais de mesma cota dos planos”.
FORMAS USUAIS DOS TELHADOS
As linhas principais de um telhado são:
 Água:...............................................superfície plana inclinada de um telhado;
 Beiral:..............................................projeção do telhado para fora do alinhamento da
parede;
 Cumeeira.........................................aresta horizontal delimitada pelo encontro entre
duas águas, geralmente localizada na parte mais alta do telhado, divisor da água
horizontal;
 Espigão............................................aresta inclinada delimitada pelo encontro entre
duas águas que formam um ângulo saliente, isto é, o espigão é um divisor de águas
inclinado;
 Água-furtada (ou rincão)..................aresta inclinada delimitada pelo encontro entre
duas águas que formam um ângulo reentrante, isto é, o rincão é um captador de
águas;
 Rufo....................peça complementar de arremate entre o telhado e uma parede.
O telhado de duas águas tem duas empenas ou oitões, isto é, a superfície de apoio
(que faz a vez da tesoura) no final da cobertura e formando parte da fachada.
cumeeira
cumeeira
água-furtada
espigão
espigão
Ao projetarmos um telhado devemos nos lembrar de algumas regras práticas:
1. As águas-furtadas (ou rincões) formam ângulos de 45º com as projeções das
paredes e saem dos cantos internos. São o encontro de dois planos (águas);
2. Os espigões formam ângulos de 45º com as projeções das paredes e saem dos
cantos externos;
3. As cumeeiras são linhas paralelas a uma direção das paredes e perpendiculares
a outra direção;
Tendo em atenção as 3 regras práticas a, pode-se traçar qualquer projeto de telhado
por mais recortado e complicado que seja.
A seguir, vários exemplos de traçados (a seta indica o sentido do caimento da água).
oitão
OITÃO
caimento
Telhado com 3
águas
ELEVAÇÃO 1
ELEVAÇÃO2
ELEVAÇÃO 3
ELEVAÇÃO 1 ELEVAÇÃO 2 ELEVAÇÃO 3
PLANTA
9   desenho arquitetônico
COBERTURA DE SUPERFÍCIES TRIANGULARES
As três bissetrizes indicadas na figura abaixo são as interseções, denominadas
“espigões”, dos planos, com igual declividade e contendo os lados horizontais AB, BC e
CA do triângulo ABC.
Analogicamente, na figura abaixo temos uma cobertura irregular onde as bissetrizes
dos ângulos das horizontais são os cinco espigões do telhado.
COBERTURA DE SUPERFÍCIES QUADRADAS
Para cobertura dessas superfícies com telhado clássico, há quatro soluções para
uma certa declividade: tipo duas águas, tipo quatro espigões ou as outras duas
indicadas abaixo:
SUPERFÍCIE COM PÁTIO INTERNO OU JARDINS
pátio
interno
PEÇAS COMPLEMENTARES
TIPO DESCRIÇÃO FUNÇÃO
Beiral
É a distância entre a parte
externa da parede e a
extremidade do telhado
Evita o excesso de umidade
nas paredes
Platibanda
Parede de pouca altura e
acima da cobertura
Destinada a encobrir o
telhado
Rufo
Peça de arremate entre as
telhas ou calhas e a parede
Vedação, evitar infiltração de
água
Calha
Cano que lembra um sulco
Recebe as águas pluviais,
especialmente as do telhado
Condutor
Cano que sai da calha até o
solo
Escoar as águas pluviais
que vêm do telhado
platibanda
rufo
calha pluvial
CORTE ESQUEMÁTICO
DETALHE B
telha
platiband
aaa
calha pluvial
PLANTA DO TELHADO COM
PLATIBANDA
DET.B
A seguir são apresentados exemplos ilustrados dessas peças para melhor
compreensão.
CORTE ESQUEMÁTICO DETALHE A
calha pluvial
cachorro
condutor
pluvial
beiral
telha
Beiral
PLANTA DO TELHADO COM
BEIRAL
proj. edif.
DET. A
EXEMPLO DE FECHAMENTO DE TELHADO
EXERCÍCIOS
Resolver a planta dos telhados abaixo e representar suas 4 elevações.
9   desenho arquitetônico
12
CIRCULAÇÃO VERTICAL
Escadas / Rampas / Elevadores
A concentração das construções nas grandes cidades criou exigências de
aproveitamento cada vez maior dos terrenos. Assim expandiu-se a construção de
edifícios com pavimentos superpostos servidos por uma circulação vertical.
12.1 - ESCADAS
1. Piso é a parte horizontal do degrau (p)
2. Espelho é a parte vertical do degrau, perpendicular ao piso (h)
3. Bocel é a saliência (balanço) do piso sobre o espelho (b)
4. Banzo é a peça ou viga lateral de uma escada.
Dados experimentais fizeram concluir que:
 A altura recomendável para o espelho de uma escada deve ser no máximo de
0,18 m (dezoito centímetros).
 A profundidade recomendável deve ser no mínimo de 0,25 m (vinte e cinco
centímetros).
Blondell, arquiteto francês, estabeleceu uma fórmula empírica que permite calcular a
largura do piso em função da altura do espelho e vice-versa. Esta fórmula é a seguinte:
2h + p = 0,64 m
Onde:
h = espelho P = piso a ser determinado 0,64 = constante
CÁLCULO DE UMA ESCADA
Deve-se considerar:
 Altura do pé-direito;
 Espessura do piso superior (laje).
 Soma-se a altura do pé-direito + a espessura da laje do piso superior = pé-
esquerdo
 Divide-se o resultado encontrado por 0,18 m (altura máxima permitida para espelho)
Por exemplo, considerando:
 Altura do pé-direito = 2,70 m
 Espessura da laje do piso superior = 0,15 m
 Temos: 2,70 m + 0,15 m = 2,85 m (pé-esquerdo)
2,85 m : 0,18 m (máximo permitido para h) = 15,83 (arredondar SEMPRE para mais) =
16 degraus
 Logo:
2,85 m (pé-esquerdo) : 16 degraus = 0,178
m (NUNCA arredondar esse valor) = h
(altura do espelho)
Isto é, o número de degraus é igual a altura do pé-direito mais a espessura do piso
superior, dividido pela altura do espelho.
 Assim:
2,85 m : 0,178
m = 16 degraus
 Calcula-se em seguida, pela fórmula de Blondell, a largura do piso do degrau (p).
2h (altura do espelho) + p (piso do degrau) = 0,64 (constante)
2 x 0,178
m + p = 0,64 0,356
m + p = 0,64 p = 0,64 – 0,356
m p =
0,284
m
Finalizando temos uma escada com:
16 degraus, espelho (h) =0,178 m e piso (p) = 0,284 m
Para completar o cálculo da escada devemos determinar a distância em projeção
horizontal, entre o primeiro e o último degrau.
Ora, uma escada de n degraus possui n – 1 pisos; logo a distância d será igual ao
produto da largura do piso encontrado pelo número de degraus menos 1.
Segundo a LEI COMPLEMENTAR Nº 387 DE 13 DE ABRIL DE 2.000 das normas
técnicas das edificações em geral, fica estabelecido que:
piso
superior
7
piso
inferior
d
4
3
2
1
6
5
Tem-se: d = (n - 1)p
Na figura: d = 6p
 As escadas ou rampas devem ter largura mínima de 90 cm (noventa centímetros) e
passagem com altura mínima nunca inferior a 2,00 m (dois metros), salvo
disposição contrária existente em norma técnica.
 As escadas e rampas de uso comum ou coletivo e as escadas de incêndio devem
ser dotadas de corrimão e obedecer às exigências contidas na NBR 9077.
 Em caso de uso secundário ou eventual, será permitida a redução de sua largura
até o mínimo de 60 cm (sessenta centímetros).
 A instalação de elevador em uma edificação não dispensa a construção de escada
ou rampa.
Algumas recomendações:
 nas escadas com mais de 19 (dezenove) degraus, será obrigatório intercalar um
patamar, com a profundidade mínima igual a largura da escada.
 as escadas deverão ter as seguintes larguras mínimas úteis:
 0,90 m em edifícios residenciais unifamiliares
 1,20 m em edifícios residenciais com até três pavimentos
 1,50 m em edifícios de mais de três pavimentos, destinados a locais de reunião com
capacidade de até 150 (cento e cinqüenta) pessoas
 as escadas deverão ter as seguintes alturas de espelho:
 0,18 m em escadas internas
 0,15 m em escadas externas
Obs.: consultar o Código de Edificações e de Posturas do Município de Montes
Claros.
ALTURA LIVRE
Nos projetos de escada é necessário examinar a altura livre de passagem. Trata-se
da distância, medida na vertical, entre o piso do degrau e o teto. Ou seja, a laje
intermediária entre um pavimento e o outro. Esta Altura nunca deve ser inferior a 2,00
CAIXA DE ESCADA
É o compartimento em que a escada é colocada. As suas dimensões dependem do
desenvolvimento da escada e, por conseguinte, do pé-direito do edifício. Deve ser
amplamente iluminada com luz direta do exterior através de janelas em plano vertical.
Piso superior
Piso
inferior
2,20
Planta
esquemática
Sem escala
sob
e
REPRESENTAÇÃO
As escadas são obrigatoriamente representadas nos cortes e na planta de cada um
dos pavimentos. Indicar sempre na planta com uma seta a direção de subida da
escada. Representar também, na planta do pavimento de onde parte a escada, apenas
quatro ou cinco degraus com traço cheio, pois se obtém a planta por uma seção feita a
mais ou menos um metro do piso. Os degraus acima da seção devem ser tracejados.
TIPOS DE ESCADA
A seguir, algumas plantas de escadas de tipos diferentes.
LINHA DE CORTE PARA A PLANTA DO PAVIMENTO SUPERIOR
LINHA DE CORTE PARA A
PLANTA DO PAVIMENTO
TÉRREO
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
DESCE
12345678910111213141516
PAVIMENTO SUPERIOR
CORREMÃO
SOBE
PAVIMENTO TÉRREO
12345678910111213141516
CORTE ESQUEMÁTICO DE ESCADA
ESCADAS ENCLAUSURADAS OU DE SEGURANÇA
Essas escadas devem ser projetadas em edifícios residenciais e comerciais que
tenham mais de 5 andares, respeitando o Código de Obras de cada município e devem
ser aprovadas pelo Corpo de Bombeiros previamente.
À seguir, dois exemplos de escada enclausurada:
ESCADA COM ILUMINAÇÃO NATURAL
0,15
1,20 1,20
8
7
6
5
4
3
2
1
9
10
11
12
13
14
15
16
pp
Blondel:
2h+p=0,64
1,20
1,20
1,20 1,20
circulação
elevador elevador
sem escala
S D
ESCADA INTERNA
Blondel:2h+p=0,64
pp
1,201,20
0,15
1,20 1,20
8
7
6
5
4
3
2
1
9
1,80
1,20
1,20
1,20
ante
câmara
Hall de serviço
elevador
S D
sem escala
10
11
12
13
15
16
14
12.2. RAMPAS
Declive. Superfície inclinada que constitui, dentro ou fora dos edifícios, elemento de
circulação vertical. Substituindo a escada tradicional, exige, no entanto, muito maior
espaço para seu desenvolvimento. Para pedestres, sua inclinação máxima tolerável é
de 15%. Inclinações maiores são possíveis nos acessos a garagens.
Segundo a LEI COMPLEMENTAR Nº 387 DE 13 DE ABRIL DE 2.000 das normas
técnicas das edificações em geral, fica estabelecido que:
 As escadas ou rampas devem ter largura mínima de 90 cm (noventa
centímetros) e passagem com altura mínima nunca inferior a 2,00 m (dois
metros), salvo disposição contrária existente em norma técnica.
 As escadas e rampas de uso comum ou coletivo e as escadas de incêndio
devem ser dotadas de corrimão e obedecer às exigências contidas na NBR
9077.
 Em caso de uso secundário ou eventual, será permitida a redução de sua
largura até o mínimo de 60 cm (sessenta centímetros).
 O elevador em uma edificação não dispensa a construção de escada ou rampa.
 O piso das rampas deve ser revestido com material antiderrapante e obedecer
às seguintes declividades máximas:
 I - 12% (doze por cento) se o uso for destinado a pedestres;
 II - 25% (vinte e cinco por cento) se o uso for exclusivo de veículos automotores.
As rampas de acordo com a sua inclinação, classificam-se em:
1. Rampas de pouca inclinação, de até 6º, que não requerem um pavimento
especial contra o deslizamento;
2. Rampas de média inclinação, de 6º a 12º, que requerem um pavimento rugoso
que evita o deslizamento;
3. Rampas inclinadas, de 12º a 25º, que exigem um pavimento com ressaltos
transversais ou a subdivisão do plano da rampa em largos degraus de pouca
inclinação. A separação entre os ressaltos transversais deve ser constante ao longo
da rampa e igual ao comprimento do passo normal.
EXEMPLO: ao calcularmos uma rampa para automóveis, a declividade aconselhada é
de 20%, se precisarmos vencer uma altura de + 1,40 m tendo como referência o nível
0,00 da rua:
 Teoricamente: Sen  = B onde Sen 12º = 1,40 0,20 = 1,40
A A A
 Na prática:
Regra de 3: 1,40m = 20% x = 14,00m : 20% x = 7,00m
x 100%
Temos ainda: 100% : 20% = 5 multiplicar esse valor pela altura a
ser vencida, ou seja: 1,40 m x 5 = 7,00 m
12.3. ELEVADORES
Segundo a LEI COMPLEMENTAR Nº 387 DE 13 DE ABRIL DE 2.000 das normas
técnicas das edificações em geral, fica estabelecido que:
 É obrigatória a instalação de, no mínimo, um elevador nas edificações de mais de
três pavimentos acima do térreo, e de, no mínimo, dois elevadores, no caso de
mais de sete pavimentos acima do térreo.
0.00
+ 1.40 m
7,00 m
A
B = 1,40
 = 12º
A = 7,00 m
 Na contagem do número de pavimentos não é computado o último, quando de uso
exclusivo do penúltimo, ou destinado a dependências de uso comum do condomínio
ou, ainda, dependências de zelador.
 Os espaços de acesso ou circulação fronteiriços às portas dos elevadores devem
ter dimensão não inferior a 1,50 m (um metro e cinqüenta centímetros).
 Além destas exigências deve ser apresentado projeto de instalação e cálculo de
tráfego, compatíveis com as normas da ABNT.
Para o projeto da caixa de elevadores e das casas de máquinas é necessário antes
de tudo, definir a capacidade (lotação da cabina) e a velocidade dos elevadores.
Esse cálculo de tráfego deve obedecer a Norma NB-596 da ABNT (Associação
Brasileira de Normas Técnicas).
Devem ser consultadas também as empresas fornecedoras dos elevadores.
Dimensões mínimas para caixa de elevador para um edifício residencial:
1,70
0,80
1,70
0,23
PLANTA DO POÇO DO ELEVADOR
Escala 1:25
Dimensões mínimas para casa de máquinas referente a um elevador para edifício
residencial
PLANTA DA CASA DE MÁQUINAS PARA 01 ELEVADOR
Escala 1:50
Dimensões mínimas para casa de máquinas referente a dois elevadores para edifício
residencial.
PLANTA DA CASA DE MÁQUINAS PARA 02 ELEVADORES
Escala 1:50
1,50
m
P
0,80m x 2,10m
0,90
m
1,00m
1,00m
1,00m
1,00m
proj. do poço do elevador
1,50
m
P
0,80m x 2,10m
1,50m
1,00m
1,00m
1,00m
1,00m
proj. do poço do elevador
Exemplos de dimensões mínimas verticais para o poço do elevador e casa de
máquinas
VELOCIDADE MIN. MIN. MIN.
m / min. m / s P (mm) Q (mm) H (mm)
60 1,00 1.500 4.500 2.500
75 1,25 1.500 4.500 2.500
90 1,50 1.500 4.500 2.500
105 1,75 1.900 4.500 2.500
120 2,00 1.900 4.500 2.500
PÉ DIREITO MÍNIMO:
Espaço Técnico = 1,50 m
Casa de Máquinas = 2,50 m
ÚLTIMA PARADA
Casa de
Máquinas
Q(dopisodaúltimaparadaaopisodacasademáquinasmín.=
4,50)
2,10m
T=percursoP
Espaço
Técnico
H(pdmínimo2,50m)
Para informações detalhadas, projetos
definitivos ou cálculos de tráfego é
necessário consultar técnicos de
empresas especializadas.
DESENHO ESQUEMÁTICO DAS PLANTAS DO ÁTICO (sem escala)
11
9
5
10
14
6
circulação
casa de máquinas
A A’
caixa d’água
Capacidade
= _______
Ático – pav. superiorsem escala
d
1
2
3
4
7
8
15
13
12
16
barrilete espaço técnico
sA A’
circulação
Ático – pav. inferiorsem escala
8
7
6
2
4
1
3
5
10
15
13
12
9
11
16
14
DESENHO ESQUEMÁTICO DO CORTE DO ÁTICO (sem escala)
Primeira parada do elevador
Poçodoelevador
barrilete espaço técnicocirc.
casa de máquinasCaixa d’água
telhado telhado
circulação
Corte AA’
sem escala
ÚLTIMA PARADA DO
ELEVADOR
1,50
EXERCÍCIOS
APRESENTAR OS CÁLCULOS EM TODAS AS QUESTÕES
1º. Calcular a extensão das seguintes rampas:
a. Para acesso de deficiente físico ao piso do pavimento térreo que está no
nível +1.20m em relação a rua (0.00 m) com inclinação de 10%.
Cálculo
b. Para acesso de automóvel ao piso do subsolo que está no nível -1.40m
em relação a rua (0.00 m) com inclinação de 20 %.
Cálculo
2º. Calcular as escadas de uma loja comercial de três pavimentos,
considerando:
 espessura da laje = 0,18 m
* pé-direito do segundo pavimento
= 3.00 m
Resposta
Resposta
Cálculo
Resposta:
Do térreo ao 1º pavimento
Nº de
degraus:
Espelho do
degrau (e):
Piso do
degrau (p):
Do 1º ao 2º pavimento
Nº de
degraus:
Espelho do
degrau (e):
Piso do
degrau (p):
3º. Abaixo estão representadas as plantas dos pavimentos térreo e superior de uma
residência unifamiliar, projetar uma escada na sala e fazer o que se pede:
a. Calcular a escada considerando:
 Pé-direito = 2,85 m
 Espessura da laje = 0.15 m
Cálculo
7.36
4.18
0.00* pé-direito do primeiro pavimento
= 4.00 m
Resposta:
Nº de
degraus:
Espelho do
degrau (e):
Piso do
degrau (p):
b. Projetar a escada no lugar onde você considera o ideal representando-a no
pavimento térreo e no pavimento superior na escala 1:100.
Elementos mínimos da escada: degraus, corrimão, sentido de subida e descida,
numeração dos degraus, cotas, indicação de corte horiz. (térreo), guarda corpo
(superior).
c. Traçar uma linha de corte (AA’) passando somente pela escada em ambas as
plantas.
d. Desenhar a nova planta e o corte AA’ em outra folha de papel na escala 1:50.
PAVIMENTO TÉRREO PAVIMENTO SUPERIOR
4,45
13
ROTEIRO PARA O
DESENVOLVIMENTO DE UM
PROJETO
LEIA ATENTAMENTE ESTE ROTEIRO ANTES DE INICIAR SEU PROJETO
CÁLCULO DA ÁREA DO TERRENO (m2
)
Divida seu terreno em formas que facilitem o cálculo da metragem quadrada
ou = lado x lado
= base x altura
2
= base maior + base menor x h
2
1. DEFINIR OS RECUOS MÍNIMOS PERMITIDOS
Depois de escolher o número de pavimentos do seu projeto, ver os recuos
mínimos permitidos por lei.
Marcando esses recuos no lote, você estará definindo a LÂMINA do seu projeto.
Ou seja o espaço onde será projetado o pavimento tipo.
2. TAXA DE OCUPAÇÃO MÁXIMA DO LOTE
Ou seja: a área calculada do seu lote x a porcentagem de ocupação máxima permitida
de acordo com a zona onde o lote está situado = o máximo permitido a ocupar do lote.
ATENÇÃO: esse valor de ocupação máxima do lote deve ser igual ou menor que a
LAMINA definida anteriormente.
Área do lote x % permitida = ocupação máxima permitida do lote
3. COEDICIENTE DE APROVEITAMENTO MÁXIMO DO LOTE
Ou seja: a área calculada do seu lote x o coeficiente de aproveitamento máximo
permitido de acordo com a zona onde o lote está situado = o máximo permitido de
área total construída
ATENÇÃO: esse valor de aproveitamento máximo do lote deve ser igual ou menor a
LAMINA definida anteriormente (itens 2 e 3) multiplicada pelo número de andares do
seu projeto
4. PAVIMENTO TIPO
 unidade(s) habitacionais;
 hall social com elevador social e corredor a sua frente de no mínimo 1,50 m
 hall de serviço com elevador de serviço e corredor a sua frente de no mínimo
1,50m, compartimento para lixo e caixa de escada (enclausurada ou não, de
acordo com o partido do projeto)
Estando definida a LÂMINA do seu projeto, é necessário marcar a área de circulação
vertical (escada e elevador).
 Agora determine quantos apartamentos serão por andar e projete-os.
CONDIÇÕES MÍNIMAS DOS COMPARTIMENTOS
Iluminação Ventilação
Pé
direito
Inscrição de
círculo
Área mínima
Área total do lote x índice de ocupação = total de área construída permitida
UTILIZAÇÃO
PROLONGADA
dormitórios e
salas em geral
Voltada para
o exterior
Voltada para
o exterior
2,70 m 2,00 m
sala + dormitório,
quando juntos ou
separados
20,00 m2
UTILIZAÇÃO
TRANSITÓRIA
vestíbulos
corredores
caixas de escada
salas de espera
gabinetes sanitários
áreas de serviço e
cozinhas
natural 2,50 m
 Cozinhas 1,60 m2
 Demais 0,90 m2
ou 1,40 m2
quando utilizado
por deficiente
físico
Cozinha 4,00 m2
Área de serviço 2,50 m2
Bacia 1,20 m2
Lavatório, chuveiro e
mictório
0,81 m2
por peça
Bacia e lavatório 1,50 m2
Bacia, lavatório e
chuveiro
2,00 m2
Bacia p/ uso de
deficiente físico
2,24 m2
UTILIZAÇÃO
ESPECIAL
Adegas
Câmaras escuras
Caixas fortes
câmaras frigoríficas,
saunas, garagens e
congêneres.
Devem obedecer às normas técnicas vigentes, especificamente, para o uso pretendido
ATENÇÃO: SEMPRE consultar o Plano Diretor Físico, Código de Edificações,
Código de Posturas do Município de Montes Claros.
5. PAVIMENTO TÉRREO
 hall social com elevador social e corredor a sua frente de no mínimo 1,50 m;
 hall de serviço com elevador de serviço e corredor a sua frente de no mínimo
1,50m, caixa de escada (enclausurada ou não, de acordo com o partido do
projeto);
 entrada social do prédio (guarita, acessos, jardim, etc.);
 rampa de acesso ao térreo para deficiente físico com inclinação de 10% e largura
mínima = 1,20 m ;
 rampa de acesso ao térreo e subsolo para automóveis com inclinação de 20% e
largura mínima de 3,00 m ;
 apartamento para zelador com aproximadamente 40 m2
composto no mínimo de
sala, quarto, cozinha e banheiro (pode ser projetado também no mezanino ou junto
com o ático – conforme partido arquitetônico);
 depósito de lixo (mínimo 4 m2
);
 centro de medições distante do recuo frontal até 15 m (mínimo 6,00 m²);
 depósito para material de limpeza (mínimo 2,00 m²);
 vestiário/sanitário para funcionários (mínimo 6,00 m²);
 abrigo para botijões de gás com abertura frontal FORA da projeção do edifício
(min3,00 m²) (pode ser locado no recuo frontal);
 salão(ões) de festas e jogos (opcional);
 play-ground / área de lazer de 2,00 m2
por unidade habitacional
 01 vaga de automóvel por apartamento (mínimo) = 2,50 m por 4,80);
 projeção no recuo frontal da caixa d’água subterrânea .
6. SUBSOLO
 Subsolo poderá ocupar o espaço total do terreno com exceção do recuo frontal
(no caso do terreno ser de esquina, é necessário respeitar os dois recuos)
 elevador social e corredor a sua frente de no mínimo 1,50 m (OPCIONAL);
 elevador de serviço e corredor a sua frente de no mínimo 1,50m;
 caixa de escada;
 01 vaga de automóvel por apartamento (mínimo) = 2,50 m por 4,80 m ;
 caixa d’água inferior.
7. MEZANINO (opcional)
 hall social com elevador social e corredor a sua frente de no mínimo 1,50 m
 hall de serviço com elevador de serviço e corredor a sua frente de no mínimo
1,50m, caixa de escada ;
 rampa de acesso vindo do térreo para automóveis com inclinação de 20% e
largura mínima de 3,00 m ;
 01 vaga de automóvel por apartamento (mínimo) = 2,50 m por 4,80 m
 apartamento para zelador com aproximadamente 40 m2
composto no mínimo de
sala, quarto, cozinha e banheiro (pode ser projetado na cobertura ou junto com
o ático – conforme partido arquitetônico);
 salão(ões) de festas e jogos (opcional);
 play-ground/área de lazer de 2,00 m2
por unidade habitacional.
8. ÁTICO
É a parte técnica do edifício composta de:
1º pavimento com:
 caixa de escada (enclausurada ou não);
 cobertura social particular ou coletiva (OPCIONAL);
 apartamento para zelador com aproximadamente 40 m2
composto no mínimo de
sala, quarto, cozinha e banheiro (OPCIONAL);
 espaço técnico - local imediatamente abaixo da casa de máquinas onde o
técnico faz a manutenção do(s) carro(s) do elevador(es);
 barrilete - local imediatamente abaixo da caixa d’água onde existe o
encanamento de distribuição da água para as unidades habitacionais;
 fechamento do telhado do último pavimento tipo.
2º pavimento com:
 caixa de escada (enclausurada ou não, de acordo com o partido do projeto)
 casa de máquinas - local onde fica o motor e guincho de sustentação do(s)
carro(s) do(s) elevador(es), deve ter iluminação e ventilação diretas;
 caixa d’água – deve ser dividida em duas partes para a limpeza periódica e
seus cantos chanfrados para que não aconteça o acúmulo de impurezas .
CÁLCULO DAS CAIXAS D’ÁGUA
É necessário definir o número de pessoas que um edifício plurihabitacional pode
abrigar, considerando-se o número de dormitórios de cada apartamento inclusive o
dormitório de empregada e apartamento do zelador:
1 dormitório = duas pessoas
2 dormitórios = três pessoas
3 dormitórios = cinco pessoas
4 dormitórios = sete pessoas
5 dormitórios = nove pessoas etc.
Para uso comercial adota-se:
 sala de área = 14,00 m² será equiparada a um dormitório
 sala de área superior a 14,00 m², terá seus índices calculados na base de um
habitante por 7,00 m² ou fração.
CÁLCULO DA CAPACIDADE DAS CAIXAS D´ÁGUA
1º. n.º de habitantes por aptº x n.º de aptos
por andar x n.º andares + 2 habitantes
zeladoria = USUÁRIOS
2º. USUÁRIOS x 200 litros x 2 dias (sem água) = CAPACIDADE TOTAL DAS
CAIXAS D’ÁGUA
3º. Caixa d’água superior = 40% da capacidade total + 10.000 de segurança
(incêndio)
Caix
a
d’água
inferior
= 60%
da capacidade total
DENSIDADE DEMOGRÁFICA
N.º de habitantes do edifício : área total do lote = habitantes por metro
quadrado
9. ILUMINAÇÃO E VENTILAÇÃO
Todo compartimento deve ter, em plano vertical, ao menos uma abertura para o
exterior. Essas aberturas devem ser dotadas de persianas ou dispositivos que
permitam a renovação do ar. Nos compartimentos destinados a dormitórios, não
será permitido o uso de material translúcido, pois é necessário assegurar nesse
compartimento sombra e ventilação simultaneamente.
As áreas dessas aberturas serão proporcionais às áreas dos compartimentos a
iluminar e ventilar, e variáveis conforme o destino dos cômodos.
As frações que representam as relações entre áreas de piso e de esquadrias que
apresentaremos, são as mínimas. Por isso sempre que houver disponibilidade
econômica, os vãos devem ter as maiores áreas possíveis.
Os vãos de janelas deverão ter:
I. DORMITÓRIOS (local de permanência prolongada, noturna)
A área das aberturas não deverá ser inferior a 1/5 da área do piso,quando derem
para áreas abertas ou diretamente para o exterior.
Pôr exemplo: uma sala de 2,50 m x 4,80 m, tem 12,00 m², logo não poderá ter
janelas cuja área seja menor que 1/5 de 12,00 m², ou seja 2,40 m².
II. SALAS DE ESTAR, REFEITÓRIOS, COPA, COZINHA, BANHEIRO, WC etc. (
local de permanência transitória diurna )
A área das aberturas não deverá ser inferior a 1/6 da área do piso de cada
compartimento quando derem para áreas abertas ou diretamente para o exterior.
Pôr exemplo: uma cozinha de 2,00 m x 3,00 m, tem 6,00 m², logo não poderá ter
janelas cuja área seja menor que 1/6 de 6,00 m², ou seja 1,00 m².
Essas relações serão de 1/5 e 1/7, respectivamente, quando os vãos abrirem para
áreas cobertas ou varandas e não houver parede oposta a esses vãos a menos de
1.50 m do limite da cobertura dessas áreas.
Estas relações só se aplicam às varandas, alpendres e marquises, cujas coberturas
excedam a 1.00 m e desde que não exista parede nas condições indicadas:
a. A relação passará para ¼ e 1/5 respectivamente , quando houver a referida
parede a menos de 1.50 m do limite da cobertura .
b. As aberturas nos dormitórios que derem para áreas cobertas são consideradas
de valor nulo para efeito de iluminação e ventilação .
c. Em hipótese alguma serão permitidas aberturas destinadas a ventilar e iluminar
compartimentos com menos de
 1,20 m2
para áreas de utilização prolongada
 0,60 m2
para áreas de utilização transitória
d. Também não serão considerados como iluminados e ventilados os pontos que
distarem mais de 2 vezes o valor do pé direito , quando o vão abrir para área
fechada , e 2 vezes e meia para os demais casos.
- As janelas devem, se possível, ficar situadas no centro das paredes, por uma questão
de equilíbrio na composição interior.
- Quando houver mais de uma janela em uma mesma parede, a distância
recomendável entre elas deve ser menor ou igual a ¼ (um quarto) da largura da janela,
a fim de que a iluminação se torne uniforme.
- Com janelas altas consegue-se iluminar melhor as partes mais afastadas da abertura.
- A iluminação e ventilação por meio de clarabóias serão toleradas em compartimentos
destinados a escadas, copa, despensa, oficina, e armazém para depósito, desde que a
área de iluminação e ventilação efetiva seja igual à metade da área total do
compartimento.
- Quando a iluminação do compartimento se verificar por uma só de suas faces, não
deverá existir nessa face pano de parede que tenha largura maior que 2 vezes e meia
a largura da abertura ou a soma das aberturas .
- As escadas serão iluminadas em cada pavimento por meio de janelas ou de vitrais os
mais alto possível e que podem ser parcialmente fixos.
- As oficinas bem iluminadas geralmente possuem janelas altas , de pequena altura de
verga e de grande altura de peitoril .
TABELA DE DIMENSIONAMENTO MÍNIMO PARA VÃOS DE PORTAS
Altura mínima livre 2,00 m
Uso privativo para acesso a unidade 0,80 m
Uso comum/coletivo ou de acordo com norma da ABNT 1,20 m
Acesso a gabinetes sanitários, banheiros e armários
privativos
0,60 m
0,90 m p/ def. físico
Demais 0,70 m
Quanto à iluminação e à ventilação, e iluminação artificial e indireta, SEMPRE consultar
o Plano Diretor Físico, Código de Edificações, Código de Posturas do Município de
Montes Claros.
Para detalhes consultar NBR 6492 - Representação de projetos de arquitetura
Exemplo de legenda para dimensionamento de esquadrias:
TABELA DE VÃOS
PORTAS JANELAS
DESCR. QT. LARG. (m) ALT.(m) DESCR. QT. LARG. (m) ALT.(m) PEITORIL(m)
P1 J1
P2 J2
P3 J3
P4 J4
Exercícios :
1.Um quarto tem ( 3.00 x 4.00 ) m , possui pé direito de 2.80 m . Calcular a área de
iluminação e ventilação mínima, sabendo - se que a altura máxima da janela deverá ser
a mesma da altura da porta ( 0.80 x 2.10 )m.
2.Qual o coeficiente de iluminação e ventilação de uma sala com (4.20 x5.30) m e 2
janelas de ( 1.00 x 1.80 ) m cada uma ?
3. Calcular uma janela com formato circular para um banheiro de (2.50 x 1.20)m,
sabendo se que o coeficiente de iluminação e ventilação é de 1/8.
10.ESTATÍSTICA
A estatística do projeto geralmente é colocada pouco acima da legenda, se possível.
Nela colocamos :
a. Área do lote em m2
b. Área da construção ( térreo , superiores ... , todos em separado ) em m2;
c. Área total da construção em m2
d. coeficiente de aproveitamento = área da construção total : área do lote
e. Taxa de ocupação = ( área da construção térrea : área do lote ) x 100 %
Obs.: Caso haja construções existentes, indicar também a área correspondente
com o respectivo número do protocolo de aprovação.
EXERCÍCIOS
1.Relacionar as colunas:
( 1) Elevações
( 2) Corte
( 3) Ático
( 4) Subsolo
( 5) Tipo
( 6) Mezanino
( 7) Térreo
( 8) Cobertura
( ) barrilete
( ) telhado
( ) garagens
( ) fachadas
( ) salão de jogos
( ) guarita
( ) caixa d’água
( ) demarcação de
recuos
( ) apartamentos
( ) centro de
medição
( ) salão de festas
( ) apto. zelador
( ) casa de
máquinas
( ) depósito de lixo
( )salão de
ginástica
( )vestiário p/
funcionários
( ) depósito de gás
( ) sauna
( ) play ground
( ) piscina
( ) área de lazer
( ) espaço técnico
( ) cotas verticais
( ) rampa para
deficiente físico
3. A planta a seguir foi desenhada SEM ESCALA, copiar TODOS os detalhes da
planta na escala 1:50. Depois calcular a área de cada compartimento e representar
o CORTE AA’ na escala 1:50, não é necessário desenhar o telhado.
Considerar:
Paredes externas e internas = 0,20 m Portas = 0,60m x 2,10m (banheiro)
Muro = 0,15 m (larg.) e 1,80 (altura) 0,80m x 2,10m (demais)
Pé-direito = 3,00 m Janelas = 3,00m x 1,20m x 1,20m (sala)
Espessura da laje = 0,15 m 1,60m x 1,20m x 1,20m (coz.)
Beiral do telhado = 0,60 m 1,50m x 1,20m x 1,20m(dorm.)
1,50m x 0,90m x 1,50m (banh.)
CORRER
10.50
15.10
1.502.50
5.00
3.00
0.00
+0.20
+0.25
A’
A
3.20
1.50
2.70
ARMÁRIO
1.00
0.80
2.004.50
SALA
DORMITÓRIO
COZINHA
BANH.
0.60
3.00
+0.30
+0.30
+0.25
+0.25
3.20
5.00
ALINHAMENTO
MEIO FIO
PROJEÇÃO TELHADO
ABRIGO
RS
PLANTA
sem escalas
Referência Bibliográfica
 MONTENEGRO, Gildo A.; Desenho arquitetônico; São Paulo: Edgar
Blucher, 2001; ISBN 8521202911
 CHING; Francis D. K.; Representação gráfica em arquitetura; Porto
Alegre: Bookman Editora; ISBN 8573075260
 CHING; Francis D. K.; Técnicas de Construção Ilustradas; Porto
Alegre: Bookman Editora; ISBN 8573075279
 BORGES, Alberto Campos, MONTEFUSO, Elizabeth e LEITE,
Jaime.Prática das Pequenas Construções - São Paulo - Editora Edgard
Blucher, 1996.
 NEIZEL, Ernest Desenho Técnico para a Construção Civil - São Paulo
- EDUSP, 1974.
 OBERG, L.Desenho Arquitetônico - Rio de Janeiro - Editora Ao Livro
Técnico, 1976.
 CORONA, Eduardo, LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. Dicionário da
arquitetura brasileira. São Paulo: Companhia das Artes, 1998 - 474p.
 NBR 6492 - Representação de projetos de arquitetura
 NBR 8196 - Emprego de escalas em desenho técnico
 NBR 8402 - Execução de caractere para escrita em desenho técnico
 NBR 8403 - Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das
linhas
 NBR 10067 - Princípios gerais de representação em desenho técnico
 NBR 10068 - Folha de desenho - leiaute e dimensões
 NBR 10647 - Desenho técnico
 NBR 12298 - Representação de área de corte por meio de hachuras em
desenho técnico
 NBR 13142 – Dobramento de cópia de desenho técnico.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila de desenho jsj cap i e ii
Apostila de desenho jsj cap i e iiApostila de desenho jsj cap i e ii
Apostila de desenho jsj cap i e ii
FACULDADE SÃO FRANCISCO DE BARREIRAS - FASB
 
203629 apostila desenho arquitetônico 01
203629 apostila desenho arquitetônico 01203629 apostila desenho arquitetônico 01
203629 apostila desenho arquitetônico 01
Poly Martins de Sousa
 
Desenho arquitetônico introdução, conceitos de projetos
Desenho arquitetônico   introdução, conceitos de projetosDesenho arquitetônico   introdução, conceitos de projetos
Desenho arquitetônico introdução, conceitos de projetos
Eduardo Stogmüller
 
4 representaã§ã£o grã¡fica na arquitetura
4 representaã§ã£o grã¡fica na arquitetura4 representaã§ã£o grã¡fica na arquitetura
4 representaã§ã£o grã¡fica na arquitetura
Andrea de Souza
 
Desenho tecnico aula 1
Desenho tecnico aula 1Desenho tecnico aula 1
Desenho tecnico aula 1
IMIDIO KALITE
 
Apostila desenho arquitetura fag (1)
Apostila desenho   arquitetura fag (1)Apostila desenho   arquitetura fag (1)
Apostila desenho arquitetura fag (1)
Wanderley Martins
 
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
Gia Cawele
 
Dtb e geometria descritiva poligrafo parobe
Dtb e geometria descritiva poligrafo parobeDtb e geometria descritiva poligrafo parobe
Dtb e geometria descritiva poligrafo parobe
412n1
 
Aula.3.normas.abnt
Aula.3.normas.abntAula.3.normas.abnt
Aula.3.normas.abnt
Lucas Barbosa
 
Apostila des basico de carlos kleber
Apostila des basico de carlos kleberApostila des basico de carlos kleber
Apostila des basico de carlos kleber
Claudio Mesquita mesquita
 
Curso desenho técnico
Curso   desenho técnicoCurso   desenho técnico
Curso desenho técnico
Heromo
 
Fundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnicoFundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnico
leobispo28
 
Desenho de projetos de edificaes
Desenho de projetos de edificaesDesenho de projetos de edificaes
Desenho de projetos de edificaes
andryellebatista
 

Mais procurados (13)

Apostila de desenho jsj cap i e ii
Apostila de desenho jsj cap i e iiApostila de desenho jsj cap i e ii
Apostila de desenho jsj cap i e ii
 
203629 apostila desenho arquitetônico 01
203629 apostila desenho arquitetônico 01203629 apostila desenho arquitetônico 01
203629 apostila desenho arquitetônico 01
 
Desenho arquitetônico introdução, conceitos de projetos
Desenho arquitetônico   introdução, conceitos de projetosDesenho arquitetônico   introdução, conceitos de projetos
Desenho arquitetônico introdução, conceitos de projetos
 
4 representaã§ã£o grã¡fica na arquitetura
4 representaã§ã£o grã¡fica na arquitetura4 representaã§ã£o grã¡fica na arquitetura
4 representaã§ã£o grã¡fica na arquitetura
 
Desenho tecnico aula 1
Desenho tecnico aula 1Desenho tecnico aula 1
Desenho tecnico aula 1
 
Apostila desenho arquitetura fag (1)
Apostila desenho   arquitetura fag (1)Apostila desenho   arquitetura fag (1)
Apostila desenho arquitetura fag (1)
 
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
 
Dtb e geometria descritiva poligrafo parobe
Dtb e geometria descritiva poligrafo parobeDtb e geometria descritiva poligrafo parobe
Dtb e geometria descritiva poligrafo parobe
 
Aula.3.normas.abnt
Aula.3.normas.abntAula.3.normas.abnt
Aula.3.normas.abnt
 
Apostila des basico de carlos kleber
Apostila des basico de carlos kleberApostila des basico de carlos kleber
Apostila des basico de carlos kleber
 
Curso desenho técnico
Curso   desenho técnicoCurso   desenho técnico
Curso desenho técnico
 
Fundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnicoFundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnico
 
Desenho de projetos de edificaes
Desenho de projetos de edificaesDesenho de projetos de edificaes
Desenho de projetos de edificaes
 

Destaque

Pavilhao trabalho
Pavilhao trabalhoPavilhao trabalho
Pavilhao trabalho
Felipe Lopes
 
Intervenções Urbanas - Bangkok
Intervenções Urbanas - BangkokIntervenções Urbanas - Bangkok
Intervenções Urbanas - Bangkok
Pedro Henrique Coimbra
 
Arquitetura Efemera Exemplos
Arquitetura Efemera ExemplosArquitetura Efemera Exemplos
Arquitetura Efemera Exemplos
Pedro Henrique Coimbra
 
Geodesic dome with bamboo and lashings
Geodesic dome with bamboo and lashingsGeodesic dome with bamboo and lashings
Geodesic dome with bamboo and lashings
Fernanda Aiex * ATENA arquitetura
 
Simbolos transductores sensores detectores
Simbolos transductores sensores detectoresSimbolos transductores sensores detectores
Simbolos transductores sensores detectores
Pedro Bortot
 
Slides PavilhãO
Slides PavilhãOSlides PavilhãO
Slides PavilhãO
Larissa Pereira Mayer
 
Pavilhão Chinês
Pavilhão ChinêsPavilhão Chinês
Pavilhão Chinês
complementoindirecto
 
Módulo 4 salas e pavilhões desportivos
Módulo 4   salas e pavilhões desportivosMódulo 4   salas e pavilhões desportivos
Módulo 4 salas e pavilhões desportivos
CatarinaNeivas
 
Elevador - dados técnicos
Elevador - dados técnicosElevador - dados técnicos
Elevador - dados técnicos
Carlos Elson Cunha
 
Desenho Técnico - Planta Baixa, Cortes, Fachada e Cobertura.
Desenho Técnico - Planta Baixa, Cortes, Fachada e Cobertura.Desenho Técnico - Planta Baixa, Cortes, Fachada e Cobertura.
Desenho Técnico - Planta Baixa, Cortes, Fachada e Cobertura.
Jean Paulo Mendes Alves
 
28 planta baixa e corte- passo a passo
28 planta baixa e corte- passo a passo28 planta baixa e corte- passo a passo
28 planta baixa e corte- passo a passo
Família Schmidt
 

Destaque (11)

Pavilhao trabalho
Pavilhao trabalhoPavilhao trabalho
Pavilhao trabalho
 
Intervenções Urbanas - Bangkok
Intervenções Urbanas - BangkokIntervenções Urbanas - Bangkok
Intervenções Urbanas - Bangkok
 
Arquitetura Efemera Exemplos
Arquitetura Efemera ExemplosArquitetura Efemera Exemplos
Arquitetura Efemera Exemplos
 
Geodesic dome with bamboo and lashings
Geodesic dome with bamboo and lashingsGeodesic dome with bamboo and lashings
Geodesic dome with bamboo and lashings
 
Simbolos transductores sensores detectores
Simbolos transductores sensores detectoresSimbolos transductores sensores detectores
Simbolos transductores sensores detectores
 
Slides PavilhãO
Slides PavilhãOSlides PavilhãO
Slides PavilhãO
 
Pavilhão Chinês
Pavilhão ChinêsPavilhão Chinês
Pavilhão Chinês
 
Módulo 4 salas e pavilhões desportivos
Módulo 4   salas e pavilhões desportivosMódulo 4   salas e pavilhões desportivos
Módulo 4 salas e pavilhões desportivos
 
Elevador - dados técnicos
Elevador - dados técnicosElevador - dados técnicos
Elevador - dados técnicos
 
Desenho Técnico - Planta Baixa, Cortes, Fachada e Cobertura.
Desenho Técnico - Planta Baixa, Cortes, Fachada e Cobertura.Desenho Técnico - Planta Baixa, Cortes, Fachada e Cobertura.
Desenho Técnico - Planta Baixa, Cortes, Fachada e Cobertura.
 
28 planta baixa e corte- passo a passo
28 planta baixa e corte- passo a passo28 planta baixa e corte- passo a passo
28 planta baixa e corte- passo a passo
 

Semelhante a 9 desenho arquitetônico

1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
Fernando Azevedo
 
Apostila projeto arquitetônico
Apostila projeto arquitetônicoApostila projeto arquitetônico
Apostila projeto arquitetônico
Michel Franco
 
mini-curso-interpretacao-projetos-arquitetonicos-1.pdf
mini-curso-interpretacao-projetos-arquitetonicos-1.pdfmini-curso-interpretacao-projetos-arquitetonicos-1.pdf
mini-curso-interpretacao-projetos-arquitetonicos-1.pdf
marumjose
 
LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS
LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOSLEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS
LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS
ssusere56b8e
 
Desenho técnico udesc
Desenho técnico udescDesenho técnico udesc
Desenho técnico udesc
Silvio Gomes
 
Mat24022010183930
Mat24022010183930Mat24022010183930
Mat24022010183930
Profjorge Silva
 
Apostila de desenho tecnico 01
Apostila de desenho tecnico 01Apostila de desenho tecnico 01
Apostila de desenho tecnico 01
Luana Simone
 
Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Introdução ao desenho_técnico_parte_1Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Rafinha Pereira
 
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnicoCap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
roger_alves
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
Luciano Otavio
 
Introdução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnicoIntrodução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnico
Renaldo Adriano
 
Apostila de Desenho Técnico para as turmas de edificações
Apostila de Desenho Técnico para as turmas de edificaçõesApostila de Desenho Técnico para as turmas de edificações
Apostila de Desenho Técnico para as turmas de edificações
EsdrasMenezes1
 
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdfDesenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
instthiagoceep
 
Apostila auto cad 2d 2012
Apostila auto cad 2d 2012Apostila auto cad 2d 2012
Apostila auto cad 2d 2012
UniCeub
 
Apostila desenho-tecnico ifc
Apostila desenho-tecnico ifcApostila desenho-tecnico ifc
Apostila desenho-tecnico ifc
rvaidelloalves
 
NOÇÕES BÁSICAS E ANALISE DESENHO TÉCNICO
NOÇÕES BÁSICAS  E ANALISE DESENHO TÉCNICONOÇÕES BÁSICAS  E ANALISE DESENHO TÉCNICO
NOÇÕES BÁSICAS E ANALISE DESENHO TÉCNICO
MarcellusPinheiro1
 
Desenho 2
Desenho 2Desenho 2
Desenho 2
weltoOn
 
Desenho 02
Desenho 02Desenho 02
Desenho 02
weltoOn
 
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Keyth do Nascimento
 
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
Excellence Educacional
 

Semelhante a 9 desenho arquitetônico (20)

1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
1º encontro -_graf-_cc4_-_apostila_leitura_e_interpretao_de_projetos_arquitet...
 
Apostila projeto arquitetônico
Apostila projeto arquitetônicoApostila projeto arquitetônico
Apostila projeto arquitetônico
 
mini-curso-interpretacao-projetos-arquitetonicos-1.pdf
mini-curso-interpretacao-projetos-arquitetonicos-1.pdfmini-curso-interpretacao-projetos-arquitetonicos-1.pdf
mini-curso-interpretacao-projetos-arquitetonicos-1.pdf
 
LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS
LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOSLEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS
LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS
 
Desenho técnico udesc
Desenho técnico udescDesenho técnico udesc
Desenho técnico udesc
 
Mat24022010183930
Mat24022010183930Mat24022010183930
Mat24022010183930
 
Apostila de desenho tecnico 01
Apostila de desenho tecnico 01Apostila de desenho tecnico 01
Apostila de desenho tecnico 01
 
Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Introdução ao desenho_técnico_parte_1Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Introdução ao desenho_técnico_parte_1
 
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnicoCap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
 
Introdução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnicoIntrodução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnico
 
Apostila de Desenho Técnico para as turmas de edificações
Apostila de Desenho Técnico para as turmas de edificaçõesApostila de Desenho Técnico para as turmas de edificações
Apostila de Desenho Técnico para as turmas de edificações
 
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdfDesenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
Desenho Arquitetônico (EEEP - Ceará).pdf
 
Apostila auto cad 2d 2012
Apostila auto cad 2d 2012Apostila auto cad 2d 2012
Apostila auto cad 2d 2012
 
Apostila desenho-tecnico ifc
Apostila desenho-tecnico ifcApostila desenho-tecnico ifc
Apostila desenho-tecnico ifc
 
NOÇÕES BÁSICAS E ANALISE DESENHO TÉCNICO
NOÇÕES BÁSICAS  E ANALISE DESENHO TÉCNICONOÇÕES BÁSICAS  E ANALISE DESENHO TÉCNICO
NOÇÕES BÁSICAS E ANALISE DESENHO TÉCNICO
 
Desenho 2
Desenho 2Desenho 2
Desenho 2
 
Desenho 02
Desenho 02Desenho 02
Desenho 02
 
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
 
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
 

Mais de antonio ferreira

kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
  kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus   kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
antonio ferreira
 
A unçao dos ancioes ..O pai o filho o espirito santo transmissores de gloria
 A unçao dos ancioes ..O pai o filho o espirito santo transmissores de gloria  A unçao dos ancioes ..O pai o filho o espirito santo transmissores de gloria
A unçao dos ancioes ..O pai o filho o espirito santo transmissores de gloria
antonio ferreira
 
Don gossett há poder em suas palavras
Don gossett   há poder em suas palavrasDon gossett   há poder em suas palavras
Don gossett há poder em suas palavras
antonio ferreira
 
como-deus-pode-e-vai-salvar-seu-casamento
  como-deus-pode-e-vai-salvar-seu-casamento  como-deus-pode-e-vai-salvar-seu-casamento
como-deus-pode-e-vai-salvar-seu-casamento
antonio ferreira
 
jorge-linhares-artimanhas-das-trevas-e-do-o-inimigo
  jorge-linhares-artimanhas-das-trevas-e-do-o-inimigo  jorge-linhares-artimanhas-das-trevas-e-do-o-inimigo
jorge-linhares-artimanhas-das-trevas-e-do-o-inimigo
antonio ferreira
 
evidencia-que-exige-um-veredito-josh-mc-dowell
 evidencia-que-exige-um-veredito-josh-mc-dowell evidencia-que-exige-um-veredito-josh-mc-dowell
evidencia-que-exige-um-veredito-josh-mc-dowell
antonio ferreira
 
Carta de amor de deus
Carta de amor de deusCarta de amor de deus
Carta de amor de deus
antonio ferreira
 
Características do sacerdócio de samuel
Características do sacerdócio de samuelCaracterísticas do sacerdócio de samuel
Características do sacerdócio de samuel
antonio ferreira
 
Caracteristicas da pessoa sob influência de jezabel
Caracteristicas da pessoa sob influência de jezabelCaracteristicas da pessoa sob influência de jezabel
Caracteristicas da pessoa sob influência de jezabel
antonio ferreira
 
Cara de leão
Cara de leãoCara de leão
Cara de leão
antonio ferreira
 
Campanha obede edom terceira semana
Campanha obede edom terceira semanaCampanha obede edom terceira semana
Campanha obede edom terceira semana
antonio ferreira
 
Buscar me-eis e me achareis
Buscar me-eis e me achareisBuscar me-eis e me achareis
Buscar me-eis e me achareis
antonio ferreira
 
Caminho no meio do mar
Caminho no meio do marCaminho no meio do mar
Caminho no meio do mar
antonio ferreira
 
Benefícios da obediência
Benefícios da obediênciaBenefícios da obediência
Benefícios da obediência
antonio ferreira
 
Bençãos em cristo
Bençãos em cristoBençãos em cristo
Bençãos em cristo
antonio ferreira
 
Benção e maldição ml 1
Benção e maldição ml 1Benção e maldição ml 1
Benção e maldição ml 1
antonio ferreira
 
Benção das alianças 2010
Benção das alianças 2010Benção das alianças 2010
Benção das alianças 2010
antonio ferreira
 
Avidaquevence 110324204737-phpapp02
Avidaquevence 110324204737-phpapp02Avidaquevence 110324204737-phpapp02
Avidaquevence 110324204737-phpapp02
antonio ferreira
 
Benção apostólica
Benção apostólicaBenção apostólica
Benção apostólica
antonio ferreira
 
Autoridade
AutoridadeAutoridade
Autoridade
antonio ferreira
 

Mais de antonio ferreira (20)

kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
  kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus   kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
kathryn-kuhlman-nada-e-impossivel-para-Deus
 
A unçao dos ancioes ..O pai o filho o espirito santo transmissores de gloria
 A unçao dos ancioes ..O pai o filho o espirito santo transmissores de gloria  A unçao dos ancioes ..O pai o filho o espirito santo transmissores de gloria
A unçao dos ancioes ..O pai o filho o espirito santo transmissores de gloria
 
Don gossett há poder em suas palavras
Don gossett   há poder em suas palavrasDon gossett   há poder em suas palavras
Don gossett há poder em suas palavras
 
como-deus-pode-e-vai-salvar-seu-casamento
  como-deus-pode-e-vai-salvar-seu-casamento  como-deus-pode-e-vai-salvar-seu-casamento
como-deus-pode-e-vai-salvar-seu-casamento
 
jorge-linhares-artimanhas-das-trevas-e-do-o-inimigo
  jorge-linhares-artimanhas-das-trevas-e-do-o-inimigo  jorge-linhares-artimanhas-das-trevas-e-do-o-inimigo
jorge-linhares-artimanhas-das-trevas-e-do-o-inimigo
 
evidencia-que-exige-um-veredito-josh-mc-dowell
 evidencia-que-exige-um-veredito-josh-mc-dowell evidencia-que-exige-um-veredito-josh-mc-dowell
evidencia-que-exige-um-veredito-josh-mc-dowell
 
Carta de amor de deus
Carta de amor de deusCarta de amor de deus
Carta de amor de deus
 
Características do sacerdócio de samuel
Características do sacerdócio de samuelCaracterísticas do sacerdócio de samuel
Características do sacerdócio de samuel
 
Caracteristicas da pessoa sob influência de jezabel
Caracteristicas da pessoa sob influência de jezabelCaracteristicas da pessoa sob influência de jezabel
Caracteristicas da pessoa sob influência de jezabel
 
Cara de leão
Cara de leãoCara de leão
Cara de leão
 
Campanha obede edom terceira semana
Campanha obede edom terceira semanaCampanha obede edom terceira semana
Campanha obede edom terceira semana
 
Buscar me-eis e me achareis
Buscar me-eis e me achareisBuscar me-eis e me achareis
Buscar me-eis e me achareis
 
Caminho no meio do mar
Caminho no meio do marCaminho no meio do mar
Caminho no meio do mar
 
Benefícios da obediência
Benefícios da obediênciaBenefícios da obediência
Benefícios da obediência
 
Bençãos em cristo
Bençãos em cristoBençãos em cristo
Bençãos em cristo
 
Benção e maldição ml 1
Benção e maldição ml 1Benção e maldição ml 1
Benção e maldição ml 1
 
Benção das alianças 2010
Benção das alianças 2010Benção das alianças 2010
Benção das alianças 2010
 
Avidaquevence 110324204737-phpapp02
Avidaquevence 110324204737-phpapp02Avidaquevence 110324204737-phpapp02
Avidaquevence 110324204737-phpapp02
 
Benção apostólica
Benção apostólicaBenção apostólica
Benção apostólica
 
Autoridade
AutoridadeAutoridade
Autoridade
 

9 desenho arquitetônico

  • 3. SUMÁRIO 1. DESENHO ARQUITETÔNICO....................................................................................3 2. NORMALIZAÇÃO .......................................................................................................6 3. ELEMENTOS DO DESENHO .....................................................................................8 3.1.LINHAS..................................................................................................................9 3.2. CONVENÇÕES ..................................................................................................10 3.3. HACHURAS........................................................................................................11 3.4.FOLHAS...............................................................................................................11 3.5. LEGENDAS ........................................................................................................12 4. MATERIAIS DE DESENHO ......................................................................................14 5. O DESENHO EM CADA UMA DAS ETAPAS DE UM PROJETO............................18 6. PROJETO ARQUITETÔNICO: REPRESENTAÇÃO E NOMENCLATURA.............21 6.1 – PLANTA............................................................................................................22 6.2 - PLANTA DO PAVIMENTO ................................................................................22 6.3 - PLANTA DE LOCAÇÂO ....................................................................................25 6.4- ELEVAÇÃO / FACHADA ....................................................................................26 6.5- CORTES.............................................................................................................28 6.6 - PLANTA DE SITUAÇÃO....................................................................................31 6.7. COBERTURA .....................................................................................................31 6.8.TITULO ................................................................................................................31 6.9. PERSPECTIVA...................................................................................................31 6.10. ESTATÍSTICA DO PROJETO...........................................................................32 7. ESPECIFICAÇÕES DE MEDIDAS ...........................................................................34 8. ESCALAS NUMÉRICAS E GRÁFICAS....................................................................37 9. COMPONENTES E ESPECIFICAÇÕES...................................................................42 10. SÍMBOLOS GRÁFICOS..........................................................................................45 11. COBERTURAS .......................................................................................................54 12. CIRCULAÇÃO VERTICAL......................................................................................69 12.1. ESCADAS .........................................................................................................70 12.2. RAMPAS...........................................................................................................77 12.3. ELEVADORES..................................................................................................79 ROTEIRO PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO....................................88 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ............................................................................101
  • 5. O desenho arquitetônico é rigorosamente uma especialização do desenho técnico normatizado voltada à execução e a representação de projetos de Arquitetura. Em uma perspectiva mais ampla, porém, o desenho de arquitetura poderia ser encarado como todo o conjunto de registros gráficos produzidos por arquitetos ou outros profissionais durante ou não o processo de projeto arquitetônico. O desenho de arquitetura, portanto, manifesta-se como um código para uma linguagem, estabelecida entre o emissor (o desenhista ou projetista) e o receptor (o leitor do projeto). Dessa forma, seu entendimento envolve um certo nível de treinamento. Por este motivo, este tipo de desenho costuma ser uma disciplina importante nos primeiros períodos das faculdades de arquitetura. Também costuma se constituir em uma profissão própria, sendo os desenhistas técnicos comuns nos escritórios de projeto. Com a Revolução Industrial, os projetos das máquinas passaram a demandar maior rigor e precisão e consequentemente os diversos projetistas necessitavam agora de um meio comum para se comunicar e com tal eficiência que evitasse erros grosseiros de execução de seus produtos. Desta forma, instituíram-se a partir do século XIX as primeiras normas técnicas de representação gráfica de projetos, as quais incorporavam os estudos feitos durante o período de desenvolvimento da geometria descritiva, no século anterior. Imagem de uma prancheta de desenho, método de trabalho tornado obsoleto após a criação do CAD. Detalhe de um projeto produzido no século XIX O desenho começou a ser usado como meio preferencial de representação do projeto arquitetônico a partir do Renascimento. Apesar disso, ainda não havia conhecimentos sistematizados de geometria descritiva, o que tornava o processo mais livre e sem nenhuma normatização.
  • 6. Por este motivo, o desenho técnico (e, portanto, o desenho de arquitetura) era naquele momento considerado um recurso tecnológico imprescinível ao desenvolvimento econômico e industrial. A normatização hoje está mais avançada e completa, embora o desenho arquitetônico tenha passado a ser executado predominantemente em ambiente CAD (ou seja, de forma eletrônica). Por outro lado, para grande parte dos profissionais, o desenho à mão ainda é a génese e o principal meio para a elaboração de um projeto.
  • 8. A representação gráfica do desenho em si corresponde a uma norma internacional (sob a supervisão da ISO). Porém, geralmente, cada país costuma possuir suas próprias versões das normas, adaptadas por diversos motivos.  No Brasil, as normas são editadas pela ABNT, sendo a: NBR-6492 - Representação de projetos de arquitetura - a principal para o desenho arquitetonico.  A Norma Brasileira de Desenho Técnico é a NB 8 R , que trata de assuntos que serão estudados adiante como : Legendas , convenções de traços , sistema de representação , cotas , escalas .
  • 10. Para que a (futura) realidade do projeto seja bem representada, faz-se uso dos diversos instrumentos disponíveis no desenho tradicional, na geometria euclidiana e na geometria descritiva. Basicamente, o desenho arquitetônico manifesta-se principalmente através de linhas e superfícies preenchidas (hachuras). Costuma-se diferenciar no desenho duas entidades: uma é o próprio desenho (o objeto representado, um edifício, por exemplo) e o outro é o conjunto de símbolos, signos, cotas e textos que o complementam. As principais categorias do desenho de arquitetura são: as plantas, os cortes e seções e as elevações (ou alçados, eventualmente chamadas também como fachadas). 3.1.LINHAS As linhas de um desenho normatizado devem ser regulares, legíveis (visíveis) e devem possuir constraste umas com as outras. I . ESPESSURA Linha grossa Linha média (metade da anterior) Linha fina (metade da anterior) II .TIPOS DE LINHA A-Linhas auxiliares (finas: cota, ladrilhos, etc.) B- Linhas gerais (média) C- Linhas principais (grossa) D- Partes invisíveis _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ E- Eixos de simetria F- Seções ou cortes G- Interrupções
  • 11. Pesos e categorias de linhas Normalmente ocorre uma hierarquização das linhas, obtida através do diâmetro da pena (ou do grafite) utilizados para executá-la. Tradicionalmente usam-se quatro pesos de pena: Linhas complementares - Pena 0,1. Usada basicamente para registrar elementos complementares do desenho, como linhas de cota, setas, linhas indicativas, linhas de projeção, etc.  Linha fina - Pena 0,2 (ou 0,3). Usada para representar os elementos em vista.  Linha média - Pena 0.4 (ou 0,5). Usada para representar os elementos que se encontram imediatamente a frente da linha de corte.  Linha grossa - Pena 0.6 (ou 0,7). Usada para representar elementos especiais, como as linhas indicativas de corte (eventualmente é usada para representar também elementos em corte, como a pena anterior). 3.2. CONVENÇÕES Caracterização no projeto, das partes a conservar, a demolir e a construir: na representação de uma reforma é indispensável diferenciar muito bem o que existe e o que será demolido ou acrescentado. Estas indicações podem ser feitas usando as seguintes convenções:
  • 12. obs. Essa pintura deve ser feita , na cópia heliográfica , contínua e em tom suave; ou diretamente no desenho feito com o AUTOCAD . 3.3. HACHURAS Os elementos que em um desenho projetivo estão sendo cortados aparecem com um peso maior no desenho. Além da linha mais grossa, esses elementos costumam estar preenchidos por uma determinada hachura. Cada material é representado por uma hachura diversa. 3.4.FOLHAS Normalmemente, as folhas mais usadas para o desenho técnico são do tipo sulfite. Anteriormente à popularização do CAD, normalmente desenvolvia-se os desenhos em papel manteiga (desenhados à grafite) e eles eram arte-finalizados em papel vegetal (desenhados à nanquim). Tamanho das folhas Tamanhos de folhas (mm) A4 210 X 297 A3 297 X 420 A2 420 X 594 A1 594 X 841 A0 841 X 1189 A 2 A 3 A 4 A 1 A 4 A0 Concreto Concreto aparente Madeira Terra
  • 13. As folhas devem seguir os mesmos padrões do desenho técnico. No Brasil, a ABNT adota o padrão ISO: usa-se um módulo de 1 m² (um metro quadrado) cujas dimensões seguem uma proporção equivalente a raiz quadrada de 2 (841 x 1189 mm). Esta é a chamada folha A0 (a-zero). A partir desta, obtém-se múltiplos e submúltiplos (a folha A1 corresponde à metade da A0, assim como a 2ª0 corresponde ao dobro daquela. A maioria dos escritórios utiliza predominantemente os formatos A1 e A0, devido à escala dos desenhos e à quantidade de informação. Os formatos menores em geral são destinados a desenhos ilustrativos, catálogos, etc. Apesar da normatização incentivas o uso das folhas padronizadas, é muito comum que os desenhistas considerem que o módulo básico seja a folha A4 ao invés da A0. Isto costuma se dever ao fato de que qualquer folha obtida a partir desde móculo pode ser dobrada e encaixada em uma pasta neste tamanho, normalmente exigida pelos órgãos públicos de aprovação de projetos. 3.5. LEGENDAS A legenda ou identificação na gíria profissional chama-se Carimbo, que tem a finalidade de uniformizar as informações que devem acompanhar os desenhos. Os tamanhos e formatos dos carimbos obedecem à tabela dos formatos A. Recomenda-se que o carimbo seja usado junto à margem, no canto inferior direito. Esta colocação é necessária para que haja boa visibilidade quando os desenhos são arquivados. O carimbo deve possuir as seguintes informações principais, ficando, no entanto, a critério do escritório, o acréscimo ou a supressão de outros dados: a- Nome do escritório , Companhia etc. ; b- Título do projeto ; c- Nome do arquiteto ou engenheiro ; d- Nome do desenhista e data ; e- Escalas ; f- Número de folhas e número da folha ; g- Assinatura do responsável técnico pelo projeto e execução da obra ; h- Nome e assinatura do cliente ;
  • 14. i- Local para nomenclatura necessária ao arquivamento do desenho; j- Conteúdo da prancha
  • 16. Com a ampla difusão do desenho auxiliado pelo computador, a lista de materiais que tradicionalmente se usava para executar desenhos de arquitetura tem se tornado cada dia mais obsoleta. Alguns desses materiais, no entanto, ainda são eventualmente usados para checar algum problema com os desenhos impressos, ou no processo de treinamento de futuros desenhistas técnicos. A execução de desenhos de arquitetura no computador em geral exige a operação programas gráficos do tipo CAD que normalmente demandam equipamentos potentes em termos de capacidade de processamento, memória e hardware em geral. Hoje, o principal programa para lidar com estes tipos de desenho é o AutoCad, um software produzido pela empresa americana Autodesk. Seu formato de arquivos, o .dwg, é considerado o padrão “de facto” no mercado da construção civil para troca de informações de projeto. Existem diversos softwares de CAD para arquitetura. Além de programas CAD destinados ao desenho técnico de uma forma geral, como o AutoCAD e o Microstation, também existem softwares designados especificamente para o trabalho de projeto arquitetônico, como o ArchiCAD, o Autodesk Architectural Desktop, entre outros.
  • 17. CAD Desenho gerado em um programa do tipo CAD Desenho à mão A seguinte lista apresenta os materiais mais tradicionais no que concerne o desenho instrumentado à mão. Ressalta-se, porém, que muitos destes materiais estão se tornando raros nos escritórios de arquitetura, dada a sua informatização.  Prancheta de desenho. Uma mesa, normalmente inclinável, na qual seja possível manter pranchas de desenho em formatos grandes (como o A0) e onde se possam instalar reguas T ou paralelas.  Regua T ou Regua paralela. Instrumentos para traçado de retas parelelas e perpendiculares, a serem usadas juntamente de um par de esquadros.  Par de esquadros. Elementos para auxiliar o traçado de retas em ângulos pré-desenhados, como 30º, 45º, 60º e 90º.
  • 18.  Escalímetro. Um tipo especial de regua, normalmente com seção triangular, com a qual podem ser medidas diversas escalas diferentes.  Lapiseiras ou lápis. Adequados às espessuras desejadas.  canetas nanquim. Para execução do desenho final.  Mata-gato. Instrumento que auxilia o uso da borracha em locais determinados do desenho.  Borracha. Podendo ser a comum ou a elétrica.  Conjunto de normógrafo e reguas caligráficas. Auxiliam a escrita de blocos de texto padronizados e com caligrafia técnica.  Lâmina e borracha de areia. Permitem a correção de desenhos errados efetuados à nanquim.  Gabaritos. Pequenas placas plásticas que possuem elementos pré- desenhados vazados e auxiliam seu traçado, como instalações sanitárias, circunferências, etc.  Curva francesa. Um tipo especial de gabarito composto apenas por curvas. Um par de esquadros Curvas francesas em tamanhos diversos Exemplos de gabaritos Gabaritos caligráficos Diversos materiais de traçado Exemplo de um compasso
  • 19. 5 O DESENHO EM CADA UMA DAS ETAPAS DE UM PROJETO
  • 20. Normalmente a complexidade e quantidade de informações de um desenho variam de acordo com a etapa do projeto. Apesar de existirem etapas intermediárias de projeto, as apresentadas a seguir normalmente são as mais comuns, pelas quais passam praticamente todos os grandes projetos. . Estudo Preliminar Cabe ao cliente dizer os objetivos que pretende atingir com sua construção, fornecer um programa ou lista de necessidades, fixar o tempo que gastará para construir e o custo máximo para a obra. No diálogo cliente - engenheiro vão surgindo problemas e soluções. Ao mesmo tempo o engenheiro estará fazendo suas pesquisas e anotações de modo a orientar suas primeiras idéias (croquis). A partir da localização do terreno (lote, quadra e bairro), faz-se a consulta prévia na prefeitura, que é um documento obrigatório para aprovação de projetos. Este documento fornece os parâmetros mínimos recomendados pela prefeitura, como: recuos, altura máxima da edificação, taxa de ocupação, coeficiente de aproveitamento... Logo depois o projeto vai tomando forma em esboços. O estudo preliminar, que envolve a análise das várias condicionantes do projeto, normalmente materializa-se em uma série de croquis e esboços que não precisam necessariamente seguir as regras tradicionais do desenho arquitetônico. É um desenho mais livre, constituído por um traço sem a rigidez dos desenhos típicos das etapas posteriores. .Anteprojeto. Do esboço passado a limpo surge o anteprojeto. Nesta etapa, com as várias características do projeto já definidas, (implantação, estrutura, elementos construtivos, organização funcional, partido, etc), o desenho já abrange um nível maior de rigor e detalhamento. No entanto, não costuma ser necessário informar uma quantidade muito grande, nem muito trabalhada, de detalhes da construção. Em um projeto residencial, por exemplo, costuma-se trabalhar nas escalas 1:100 ou 1:200.Nesta etapa ainda são anexadas perspectivas internas e externas feitas à mão ou produzidas em ambiente gráfico-computacional, em cores ou preto e branco, com localização de mobílias, para permitir melhor compreensão do projeto.
  • 21. .Projeto legal. Discutido o anteprojeto junto com o cliente, e feito as modificações necessárias, parte- se para o desenho definitivo o projeto, que corresponde ao conjunto de desenhos que é encaminhado aos órgãos públicos de fiscalização de edifícios. Por este motivo, possui algumas regras próprias de apresentação, variando de cidade em cidade. Costuma-se trabalhar nas mesmas escalas do anteprojeto. .Projeto executivo. Esta etapa corresponde à confecção dos desenhos que são encaminhados à obra, sendo, portanto, a mais trabalhada. Devem ser desenhados todos os detalhes do edifício, com um nível de complexidade adequado à realização da construção. O projeto básico costuma ser trabalhado em escalas como 1:50 ou 1:100, assim como seu detalhamento é elaborado em escalas como 1:20, 1:10, 1:5 e eventualmente, 1:1. O projeto completo deve ser acompanhado de detalhes construtivos (portas, janelas, balcões, armários, e outros) e de especificações de materiais ( piso , parede , forros , peças sanitárias , coberturas, ferragens ,etc. ) . Com estes dados preparam-se o orçamento de materiais, e os projetos complementares como: projetos estrutural, elétrico, telefônico, hidro-sanitário, prevenção contra incêndio e outros. Todos estes projetos, chamados de originais, chegam à construção sob forma de cópias, em geral feitas em papel heliográfico ou sulfite (AUTOCAD). O papel heliográfico (tipo azul ou preto) é o resultado da ação química do amoníaco em presença da luz ou vice-versa.
  • 23. O PROJETO ARQUITETÔNICO é a solução de um problema de edificação, equacionando com arte e técnica, os elementos fixos e variáveis existentes, visando a obtenção do objetivo desejado, determinado por um programa estabelecido. Elementos fixos: terrenos / programa / verba / exigências institucionais. Elementos variáveis: programa / partido arquitetônico / funcionabilidade / estética / volumetria. De acordo com a LEI COMPLEMENTAR Nº 84 DE 06 DE JULHO DE 1993, toda construção, reforma, ampliação de edifícios, bem como demolição parcial ou total, efetuados por particulares ou entidade pública, a qualquer título, é regulada pela presente lei complementar, obedecidas, no que couberem, as disposições federais e estaduais relativas à matéria e as normas vigentes da ABNT. Um projeto arquitetônico completo é composto por 6.1 – PLANTA É o desenho do objeto visto na sua projeção sobre o plano horizontal. 6.2 - PLANTA DO PAVIMENTO é o corte horizontal feito acima do piso, a distância variável, a fim de mostrar no desenho, todos os componentes do pavimento, como paredes, vãos de portas e janelas, equipamentos fixos e móveis (opcionais), de modo a dar uma perfeita compreensão das divisões, circulação, iluminação e ventilação do pavimento, na escala
  • 24. adequada, devidamente cotada, com as dimensões dos ambientes, sua destinação e área, além da indicação dos níveis dos pisos. Para representação da planta devemos observar os seguintes itens: a). Representação das paredes ( altas com traço grosso contínuo , e paredes baixas com traço médio continuo com a altura correspondente ) ; b). Colocar todas as cotas necessárias a cada pavimento, telhado, dependências a construir, modificar ou sofrer acréscimo. As cotas constantes dos projetos deverão ser escritas em caracteres claros e facilmente legíveis. Essas medidas prevalecerão no caso de divergência com as medidas tomadas no desenho; c). Indicar os destinos e as áreas correspondentes de cada compartimento em m2; d). Colocar o tipo de piso de cada compartimento ; e). Indicar as portas e janelas com suas medidas correspondentes ( base x altura X peitoril) de acordo com a simbologia adotada ; f). Representar piso cerâmico ou similar com quadrículas ( linha fina ) ; g). Indicar desníveis se houver ; h). Representar todas as peças sanitárias , tanque , pia de cozinha (obrigatório ); i). Com linha pontilhada , indicar o beiral ( linha invisível ); j). Indicar a posição de todas as divisas do lote; l). Indicar onde passam os cortes longitudinal e transversal ( traço e ponto com linha grossa ) e o sentido de observação , colocando letras ou números que correspondem aos cortes. Para o exercício seguinte, utilize as seguintes medidas: Muro e paredes internas = 0.15m Paredes externas = 0,20m Muro alinhamento = 0,30 m Jl = 2,00 x 1,20 X 0,90 m J2 = 1,50 X 1,20 X 0,90 m J3 = 0,60 X 0,60 X 1,50 m J4=1,60 X 1,00m X1,10 m
  • 25. muro h=1.60m 10.00 muroh=1.60m20,00 muroh=1.60m20,00 +.20 +.32 +.33 6.00 1.50 J3 proj. da cobertura J4 +.33 +.35 +.30 +.20 muro h=1.60m 10.00 Alinhamento principal Portão de correr RampaSobe calçada Planta Baixa 5.00 5.00 Jj2j2J2 J1 P1 5.90 2.50 1.204.55 2.50 1.20 2.65 2.80 2.80 2.65 1.00 1.50 8.95 2.50 0.50 P2 P2 P3 abrigo dormitório 12.05m 2 sala 16.52m 2 cozinha 7.00m 2 a.serv. 4.48m 2 banho. 4.48m 2 A A’ J3 J3 P1 P2 em escala
  • 26. 6.3 - PLANTA DE LOCAÇÂO Indica a posição da construção dentro do terreno. Pode-se fazer um desenho único com a locação e a planta de cobertura. A planta de locação não se limita a casa ou construção. Para locar uma obra é necessário representar o local exato que ocupará no lote. Para isso necessita - se da obtenção de todos os dados que caracterizam o terreno, na prefeitura, suas dimensões, recuos de todos os elementos salientes, reentrantes, áreas e poços, além de todo elemento existente no passeio fronteiriço; Ela deve mostrar os muros, portões, postes, árvores existentes ou a plantar, a calçada ou passeio e, se necessário às construções vizinhas. a- Representa-se a projeção da obra sem contar com os beirais, do muro até a parede, Não seria correto indicar o afastamento entre o muro e a extremidade da cobertura; b- Representar todas as cotas necessárias. c- É necessário a representação da calçada ( tipo de material ) ; O nome da rua que passa na frente da obra ; Indicação do norte magnético ; locação de fossas , caixas de gordura , caixas de inspeção , ou saída para o esgoto publico, localização da entrada de energia elétrica e água; Cotas de nível (meio fio, calçada, obra...); Indicação da localização do lixo. As escalas indicadas para a planta de locação são as 1:100 ou 1:200.
  • 27. 6.4- ELEVAÇÃO / FACHADA É o desenho do objeto visto na sua projeção sobre um plano vertical. Um objeto pode ficar claramente representado por uma só vista ou projeção (ex. lâmpada incandescente). Outros ficarão bem mais representados por meio de 3 projeções ou vistas. Haverá casas ou objetos que somente serão definidos com o uso de maior numero de vistas. Num lote de meio de quadra é obrigatória a representação de pelo menos uma fachada. No caso de lote de esquina é obrigatória a representação de pelo menos duas fachadas com a respectiva indicação dos materiais a serem utilizados. Recuo lateral esquerdo Recuo lateral direito DIVISA DE FUNDO FRENTE DO LOTE DIVISALATERALESQUERDA DIVISALATERALDIREITA Recuodofundo Recuodefrente calçada ou passeio meio fio ou guia RUA PROJEÇÃO DA EDIFICAÇÃO alinhamento
  • 28. Obs.: as projeções ortogonais da Geometria Descritiva são usadas no desenho arquitetônico apenas mudando os termos técnicos. Para a representação da fachada é necessário observar : a. A fachada não deve constar cotas como no corte , somente em alguns casos excepcionais; b. Indicar através de setas o tipo de material a ser empregado no revestimento , pintura ... c. Desenhar as paredes mais próximas ao observador com traço grosso contínuo; d. Desenhar as paredes ou partes mais distantes ao observador com traço médio e fino; e. Ao contrário do corte , na fachada é representada detalhes das portas e janelas com traço fino. Damos a seguir, a disposição das quatro fachadas de uma construção, relacionando-as com a planta. Notar a aplicação da convenção para os traços nas fachadas. As partes mais próximas do observador são desenhadas com traço grosso. Reduzir a espessura dos traços na medida em que eles estão mais distantes
  • 29. a. serviço cozinha livingdormitório FACHADA PRINCIPAL FACHADALATERALESQUERDA FACHADALADERALDIREITA abrigo para auto banho 6.5- CORTES São obtidos por planos verticais que interceptam as paredes, janelas, portas e lajes, com a finalidade de permitir esclarecimentos que venham facilitar a execução da obra. As linhas indicando onde devem ser feitos os cortes são traçadas SEMPRE nas plantas do projeto.
  • 30. Se desenharmos a vista do edifício secionado em um plano vertical, teremos um desenho demonstrativo das diferentes alturas de peitoris, janelas, portas, vergas e das espessuras das lajes do piso, do forro, dos detalhes de cobertura e dos alicerces. O corte vertical corta a edificação desde a sua fundação até a sua cobertura, como mostra a figura: Quase sempre uma única seção não é suficiente para demonstrar todos os detalhes do interior de um edifício, sendo necessários, no mínimo dois cortes. Por esse motivo, sempre que se apresenta um projeto, representamos duas seções: LONGITUDINAL E TRANSVERSAL. Deve-se sempre passar um dos cortes por um dos compartimentos ladrilhados, cujas paredes sejam revestidas por azulejos. Indicamos as seções nas plantas por traços grossos interrompidos por pontos e terminados por setas que indicam a situação do
  • 31. observador em relação ao plano da seção. Assinalamos os cortes por letras maiúsculas. As paredes secionadas devem ser representadas tal como aparecem nas plantas. Para a representação do corte é necessário observar os seguintes itens : a. Representação das paredes em que o plano vertical está cortando com traço grosso ; b. Representação das paredes em que o plano vertical não corta , com traço fino; c. Representação de portas e janelas conforme a simbologia adotada , com as devidas medidas ( altura ); d. Indicação somente das cotas verticais , indicando alturas de peitoris , janelas, portas , pé direito , forro ... e. Representação da cobertura (esquemática ); f. Representação e indicação do forro . Se for laje a espessura é de 10 cm; g. Representação esquemática da fundação com o lastro de 10 cm; h. Indicação de desníveis se houver ( verificar simbologia ); i. Indicar revestimento ( azulejos ) com a altura correspondente; j. Indicar os compartimentos que o plano vertical está cortando ( geralmente indica- se um pouco acima do piso ); k. Indicar o desvio do corte , quando houver ,através de traço e ponto com linha média; l. Indicar o beiral , platibandas , marquises , rufos e calhas se houver necessidade; m.Indicar o tipo de telha e a inclinação correspondente VISTA EM CORTE PERSPECTIVADO DA RESIDÊNCIA (sem escala) CO RTE AA CO ZI NH A A.S ER VIÇ O
  • 32. 6.6 - PLANTA DE SITUAÇÃO É a representação do lote dentro da quadra. a- É necessário indicar e numerar todos os lotes da quadra, ressaltando-se o lote em questão, assim como o seu numero e o numero da quadra. b- Colocar os nomes de todas as ruas que circundam a quadra, c- Indicar também o norte magnético. obs. É cotado somente o lote em questão . 6.7. COBERTURA A planta de cobertura é uma vista superior da obra necessitando assim a representação de todos os detalhes relativos à coberta, como: a - tipo de telha; b - inclinação correspondente ao tipo de telha, c - se houver, indicar beiral, platibanda, rufos, marquises... d - Determinar as cotas parciais e totais da edificação. 6.8.TITULO O título do projeto geralmente é a finalidade da obra, ou seja, se a construção é para fins residenciais, comerciais, assistências, religiosos..., seguido da localização da obra (lote / quadra / bairro / cidade /estado). Ex.: Projeto destinado a construção de uma residência em alvenaria, situado sobre o lote X, quadra Y, bairro W, Cidade/Estado. 6.9. PERSPECTIVA
  • 33. É o desenho do objeto visto bi-dimensionalmente, isto é, em projeções sobre dois planos verticais ortogonais. No mínimo representa-se 2 cortes , passando principalmente onde proporcione maiores detalhes ao executor da obra ou dos projetos complementares. 6.10. ESTATÍSTICA DO PROJETO Segundo a LEI COMPLEMENTAR Nº 387 DE 13 DE ABRIL DE 2.000 a ocupação do solo fica condicionada a índices urbanísticos definidos a partir do estabelecimento de: I. lote mínimo (Área do lote em m2) para efeito de parcelamento;a metragem quadrada do terreno, constante do título de propriedade, deve ser verificada com levantamento topográfico que mostrará a geometria do lote. II. Taxa de ocupação máxima do lote, representada pelo percentual da área do lote que pode receber edificação ( área da construção térrea : área do lote ) x 100 % III. coeficiente de aproveitamento máximo do lote representado pelo número de vezes que sua área pode ser reproduzida em área construída (área da construção total : área do lote) IV. recuos mínimos que a edificação deve obedecer em relação aos limites do lote e entre edificações no mesmo lote. Obs.: Caso haja construções existentes, indicar também a área correspondente com o respectivo número do protocolo de aprovação. Além de constar estes índices, a legenda deve informar também: - Área da construção (térreo, superiores..., todos em separado) em m2; - Área total da construção em m2 Orientações para o projeto: PÉ-DIREITO: é a altura livre entre o piso e o teto de um compartimento. ALINHAMENTO: é a linha projetada, marcada ou indicada pela Prefeitura Municipal, para fixar o limite do lote do terreno em relação ao logradouro público.
  • 34. RECUO: é a distância da construção a divisa considerada (recuo de frente, recuo de fundo e recuos laterais direito e esquerdo ou como costuma ser denominado “afastamento lateral direito ou esquerdo”). NIVEL: o sinal gráfico da indicação de nível pode ser:  um círculo dividido em quatro setores iguais (quadrantes), com cheios e vazios alternados, comumente usado em plantas  um triângulo com um vértice apontando a indicação do nível de referência escolhido, comumente usado em cortes. 0.0 0 0.0 0
  • 36. COTAS: Representam sempre dimensões reais do objeto e não dependem, portanto, da escala em que o desenho está executado. São os números que correspondem às medidas. Obs. As cotas devem ser escritas na posição horizontal, de modo que sejam lidas com o desenho em posição normal, colocando-se o leitor do lado direito da prancha. Para localizar exatamente uma cota e indicar qual a parte ou elemento do objeto a que ela se refere é necessário recorrer a dois tipos de linhas que são: a) linhas de chamada (ou de extensão ou, ainda linha de referencia) b) linhas de cota (ou de medida). As setas podem ser substituídas por: PRINCÍPIOS GERAIS: 1. Tanto as linhas de chamada como as linhas de cota se desenham com traço contínuo fino. As linhas de chamada devem, em princípio, ser perpendiculares ao elemento a cotar, mas em casos excepcionais, pode haver conveniências em que sejam desenhadas obliquamente, preferindo-se nesses casos inclinações de 60 ou 75; 2. As linhas de cota não devem ser escritas muito próximas das linhas de contorno, dependendo a distancia a que se colocam as dimensões do desenho e do tamanho do algarismo das cotas. 3. Os ângulos serão medidos em graus, exceto em coberturas e rampas que se indicam em porcentagem (%). 4. As linhas de cota paralelas devem ser espaçadas igualmente. 5. Colocar as linhas de referencia de preferência fora da figura.
  • 37. 6. Evitar repetições de cota. 7. Todas as cotas necessárias serão indicadas. 8. Não traçar linha de cota como continuação de linha da figura. 9. As cotas prevalecem sobre as medidas calculadas no desenho. 10. As cotas de um desenho devem ser expressas na mesma unidade. 11. A altura dos algarismos é uniforme dentro do mesmo desenho. Em geral usa-se 2.5 a 3mm . 12. No caso de divergência entre cotas de desenhos diferentes, prevalece a cota do desenho feito na escala maior . 13. As linhas de cota são desenhadas paralelas à direção de medida.
  • 39. ESCALA: é a relação entre cada medida do desenho e a sua dimensão real no objeto. A escala é uma razão: ____Medida do desenho___ Medida real correspondente A necessidade do emprego de uma escala na representação gráfica, surgiu da impossibilidade de representarmos, em muitos casos, em verdadeira grandeza; certos objetos cujas dimensões não permitem o uso dos tamanhos de papel recomendados pelas Normas Técnicas. Nesses casos empregamos escalas de redução; quando necessitamos obter representações gráficas maiores que os objetos utilizamos escalas de ampliação. No desenho de arquitetura geralmente só se usam escalas de redução, a não ser em detalhes, onde aparece algumas vezes a escala real. A escolha de uma escala deve ter em vista: 1. O tamanho do objeto a representar 2. As dimensões do papel 3. A clareza do desenho As escalas devem ser lidas 1:50 (um por cinqüenta), 1:10 (um por dez), 1:25 (um por vinte e cinco), 10:1 (dez por um), etc. ESCALA GRÁFICA: é a representação da escala numérica. A escala gráfica correspondente a 1:50 é representada por segmentos iguais a 2 cm, pois 1 metro dividido por 50 é igual a 0,02 m. Escalas utilizadas para desenhos arquitetônicos:  1:200 ou 1:100 = rascunhos / estudos (papel manteiga)  1:100 = anteprojeto – plantas, fachadas, cortes perspectivas  1:100 = projeto legal - plantas, fachadas, cortes, perspectivas  1:50 = projeto executivo (desenhos bem cotados), fundações, estrutura, instalações, etc  1:10, 1:20 e 1:25 = detalhes  1:200/ 1:500 = planta de Localização  1:1000 e 1:2000 = planta de Situação obs: A escala não dispensará a indicação de cotas .
  • 40. Para solucionarmos problemas de escalas, as medidas devem estar na mesma unidade. Transforme-as, se necessário! Exp.: Um canteiro de 2 metros foi desenhado com 4 cm. Qual é a escala do desenho? Transforme: 2 m = 200 cm Efetue a operação: 4 cm = 1 / 4x = 200 / x = 50 / 200 cm x A escala do desenho é de = 1: 50. EXERCÍCIOS ATENÇÃO 1 – exercício que não apresente cálculo, quando solicitado, não será considerado. 2 – exercícios iguais, ambos terão nota ZERO. 3 – projeto final igual (mesmo de outro semestre, pois temos os projetos catalogados), os alunos envolvidos serão reprovados. 1º. A seção transversal recomendada para o leito carroçável de uma Via Principal é de 10,50 m. Qual a sua dimensão num projeto que foi desenhado na escala 1:50? RESP.:_______ 2º. Num projeto de execução foi desenhado o detalhe de uma janela de correr na escala 1:20, cuja altura mede 9,0 cm e largura 14,0 cm . Qual a verdadeira medida da janela?RESP.: __________ 3º. Um objeto foi desenhado no formato A3 (420 mm x 297 mm) em escala 1:50. Foi reduzido proporcionalmente para o formato A4 (210 mm x 297 mm)  Qual a nova escala do desenho? RESP.: __________
  • 41.  Qual o comprimento do objeto no novo formato se mede 8,40 m em sua verdadeira grandeza? RESP.: __________ 4º. A largura recomendável de um banheiro é de 1,20 m. Num desenho feito na escala 1:25, qual será essa medida? RESP.: __________________ 5º. Um edifício de 50m de altura por 15 m de largura foi desenhado com as seguintes medidas: 12,5 cm de altura e 3,75 cm de largura. Qual é a escala do desenho? 6º. A prancha de uma carteira escolar é um retângulo que mede 70 cm por 50 cm. Desenhe-a na escala 1:25: 7º. Uma geladeira que mede 1,50 m de altura por 0,60 m de largura foi desenhada com 15 cm e 10 cm respectivamente. Qual foi a escala utilizada no desenho?_______________. O que ocorreu?__________________________________. Qual a conseqüência disso?________________________. Agora, desenhe corretamente a geladeira na escala 1:50. 8º. A planta acima, pg. 13, foi desenhada SEM ESCALA, copiar TODOS os detalhes da planta na escala 1:50. Depois representar a planta de locação, o CORTE AA’ e a elevação principal, na mesma escala.
  • 42. 9º. Representar as perspectivas correspondentes dos seguintes dados: PLANTA PLANTA PLANTA PLANTA PLANTA PLANTA PLANTA EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL EXEMPLO DE RESPOSTA PARA: EL.FRONTAL EL.FRONTAL EL.FRONTAL PLANTA PLANTA PLANTA a. ou a. b. c. d. e. f. g.
  • 44. LEVANTAMENTO: topográfico / planialtimétrico FUNDAÇÕES: exame do terreno / sondagem Diretas: sapatas / baldrame corrido Concreto armado, bloco armado pedra Indiretas ou profundas: estacas Madeira, mista, concreto armado, concreto centrifugado, perfis de aço, Strauss, Franki, tubulões ESTRUTURAS Rígidas Concreto armado, aço Semi-rígidas Elevações, blocos armados, pré-moldados, alvenaria auto portante, tijolos, blocos COBERTURAS Estrutura Madeira, aço, alumínio, concreto armado pré-moldado Telhados Telha cerâmica: francesa, colonial, escama, esmaltada, mista, plan ou capa canal Fibrocimento, alumínio, concreto pré-moldado, pvc, translúcida, ardósia IMPERMEABILIZAÇÃO Fria Líquida, polímeros, películas, mantas Quente Asfáltica, mantas FORROS Madeira, lambris, treliça, gesso, estuque, alumínio, chapa, pvc VEDOS Alvenarias estruturais Pedras, tijolos cozidos, bloco de concreto, adobes, taipas, pau à pique Alvenarias auto-portantes: divisórias / painéis Madeira, metal, concreto, papel, fibrocimento, vidro, tecidos, plásticos, blocos PISOS Frios Ladrilho cerâmico, mosaico, cimentado, polímeros, granitine, cerâmica esmaltada, borracha, plástico, fórmica, pedras naturais, mármore, granito, arenito, ardósia, basalto Quentes Tacos (acabamento para madeira: raspagem, calafetar, cera, sinteko), assoalhos, carpetes, forrações, carpete de madeira REVESTIMENTOS / MAMPOSTERIA
  • 45. Chapisco, emboço (massa grossa), reboco (massa fina), massa corrida (acabamento) Cozida, esmaltada, vitrificada, azulejos (lisos ou decorados) – com junta à prumo ou amarrada Naturais, mármore, granito, ardósia, basalto Madeira, compensado, laminados, fórmica, fibrocimento, chapa metálica, alumínio, vidro, fibra Caiação, látex, acrílica, pva, especiais, resinas, vernizes Tecidos / Vidros / Carpetes / Forrações INSTALAÇÕES Hidráulicas Água fria: pvc marrom, galvanizado, ferro Água quente: cobre, pvc especial Esgoto: pvc branco, ferro Proteção contra incêndio: tubo galvanizado, hidrantes, detectores de fumaça, splinkers Água pluvial: pvc branco, ferro, fibrocimento, chapa galvanizada Elétricas Iluminação / Tomadas / Ar condicionado / chuveiro elétrico Telefonia / Intercomunicadores / Lógica / Som / Vídeo / Rádio / Pára- raios ESQUADRIAS DE MADEIRA Batentes Portas Maciças, almofadadas, relhadas, lisas, folhadas, revestidas, especiais Janelas Vidro, veneziana, persiana CAIXILHOS METÁLICOS Contramarcos / Alumínio Portas e Janelas Alumínio anodizado, ferro e chapa galvanizada, vidro / veneziana, persiana / metálica Sistema de abertura De abrir, de correr, basculante, guilhotina, max-ar, pivotante, sanfonada, pantográfica, de enrolar PINTURA Caiação, látex, pva, acrílico, óleo, têmpera, epoxi, borracha clorada VIDROS Lisos, pontilhados, comuns, cristais, temperados, laminados (acabamento: incolor ou transparente, colorido, espelhado) LIMPEZA GERAL DA OBRA / PAISAGISMO Jardim, jardineira, vasos, floreiras
  • 47. O desenho arquitetônico, por ser feito em escala reduzida e por abranger áreas relativamente grandes, é obrigado a recorrer a símbolos gráficos. Assim utilizaremos as simbologias para definir, como por exemplo, as paredes, portas, janelas, louças sanitárias, telhas, concreto... I . PAREDES Normalmente as paredes internas são representadas com espessura de 15 cm, mesmo que na realidade a parede tenha 14 cm ou até menos. Nas paredes externas o uso de paredes de 20 cm de espessura é o recomendado, mas não obrigatório. É, no entanto obrigatório o uso de paredes de 20 cm de espessura quando esta se situa entre dois vizinhos (de apartamento, salas comerciais...). Convenciona-se para paredes altas (que vão do piso ao teto) traço grosso contínuo, e para paredes a meia altura, com traço médio contínuo, indicando a altura correspondente. II. PORTAS II.1. Porta interna - Geralmente a comunicação entre dois ambientes não há diferença de nível, ou seja, estão no mesmo plano, ou ainda, possuem a mesma cota.
  • 48. II.2. Porta externa - A comunicação entre os dois ambientes ( externo e interno ) possuem cotas diferentes , ou seja o piso externo é mais baixo . Nos banheiros a água alcança a parte inferior da porta ou passa para o ambiente vizinho; os dois inconvenientes são evitados quando há uma diferença de cota nos pisos de 1 a 2 cm pelo menos . Por esta razão as portas de sanitários desenham se como as externas . II.3.Outros tipos de porta : - De correr ou corrediça
  • 49. - Porta pantográfica - Porta pivotante - Porta basculante
  • 50. - Porta de enrolar III . JANELAS O plano horizontal da planta corta as janelas com altura do peitoril até 1.50m , sendo estas representadas conforme a figura abaixo , sempre tendo como a primeira dimensão a largura da janela pela sua altura e peitoril correspondente . Para janelas em que o plano horizontal não o corta , a representação é feita com linhas invisíveis.
  • 53. V. MÓVEIS - SALA/QUARTO/COZINHA
  • 54. VI. NA ÁREA DE SERVIÇO
  • 56. A proteção zenital é detalhe importante num projeto. A escolha de solução para a cobertura, determina o equilíbrio no conjunto, economia de material e de mão-de-obra. Quanto ao sistema construtivo classifica-se em: 1. cobertura por elementos apoiados – telhas e similares; 2. cobertura por elementos estruturados – laje (convenientemente impermeabilizado) Quanto a forma as coberturas podem possuir: 1. um só declividade (uma água ou pano), dois, três, quatro (a mais comum); 2. forma poligonal; 3. forma especial. TELHADOS USUAIS TIPO DA TELHA N.º / m² PESO COM MADEIRAMENTO (kg / m²) INCLINAÇÃO (graus) DECLIVIDADE (%) Francesa 13 a 15 40 / 50 16 a 25 30 a 45 Colonial 18 a 25 50 / 70 13 a 16 25 a 30 Ondulada (fibrocimento) 07 a 10 13 a 16 Em telhados de duas declividades, de igual comprimento, o cálculo da porcentagem da mesma deve ser feito considerando a metade do vão total. Exemplo : p = h / m 30% = h/ 700 h = 2.10 m h m
  • 57. Maiores informações quanto às coberturas, devem ser obtidas nos catálogos dos fabricantes. Os elementos de cobertura (telhas) se apóiam em estruturas de madeira (as mais usuais), de ferro, de alumínio ou de concreto. As tesouras comuns são as peças principais das estruturas de madeira e que irão suportar o peso dos elementos da cobertura (telhas) que serão fixados nas ripas, e estas nos caibros que se apóiam nas terças que por sua vez são apoiadas nas pernas (ou empenas) da tesoura. cumeeira pendural escoratirante terça empena caibro 5 x 16 cm ripa 1 x 5 cm frechal linha ou tensor estribo
  • 58. C/8 C/4 C/4 C/4 1 2 3 4 1/4 1/4 1/4 1/4  Ripas...............................peças de madeira pregadas sobre os caibros, atuando como apoios das telhas de cerâmica;  Caibros............................peças de madeira, apoiadas sobre as terças atuando por sua vez como suporte das ripas;  Terças.............................peças de madeira, apoiadas sobre as tesouras, sobre pontaletes ou ainda sobre paredes, funcionando como sustentação dos caibros;  Frechal............................viga de madeira colocada no topo das paredes, com a função de distribuir as cargas concentradas provenientes de tesouras, vigas principais ou outras peças de madeira da estrutura; costuma-se chamar também de frechal a terça da extremidade inferior do telhado;  Terça de cumeeira.........terça da parte mais alta do telhado;  Pontaletes......................peças de madeira dispostas verticalmente, constituindo pilares curtos sobre os quais apoiam-se as vigas principais ou as terças;  Tesoura.........................treliça de madeira que ser de apoio para a trama. ESFORÇOS QUE ATUAM NOS ELEMENTOS DE UMA TESOURA DE MADEIRA Esquematicamente a figura abaixo mostra esses esforços. Sendo as peças: 1. Empena 2. Escora 3. Linha ou tensor 4. Pendural
  • 59. Temos que as peças 1 e 2 (empena e escora) trabalham em compressão (flexo- pressão) e que as peças 3 e 4 (tensor e pendural) trabalham em tração. Os esforços que atuam em cada peça de uma tesoura, podem ser determinados com o uso do Diagrama de Cremona (da Grafostática) e da fórmula de Euler. A pressão do vento, considerando-se a direção do mesmo inclinada de 10 º em relação a horizontal, pode ser admitida como carga adicional a carga permanente, o que é permitido para pequenas inclinações e uma vez que as águas do telhado, nos casos das telhas francesas e coloniais, têm pequenas inclinações. Peso Próprio Vento Água da Chuva Total Telhas Francesas  = 25 (inclinação) e p = 45% (declividade) 45 kg / m² 62 kg / m² 13 kg / m² 120 kg / m² Telhas Coloniais  = 15 (inclinação) e p = 25% (declividade) 90 kg / m² 45 kg / m² 15 kg / m² 150 kg / m² TRAÇADO USUAL DOS TELHADOS As águas, panos, sendo de igual inclinação, a solução baseia-se no seguinte teorema: “A interseção de dois planos de igual inclinação é a bissetriz do ângulo formado pelas horizontais de mesma cota dos planos”. FORMAS USUAIS DOS TELHADOS As linhas principais de um telhado são:
  • 60.  Água:...............................................superfície plana inclinada de um telhado;  Beiral:..............................................projeção do telhado para fora do alinhamento da parede;  Cumeeira.........................................aresta horizontal delimitada pelo encontro entre duas águas, geralmente localizada na parte mais alta do telhado, divisor da água horizontal;  Espigão............................................aresta inclinada delimitada pelo encontro entre duas águas que formam um ângulo saliente, isto é, o espigão é um divisor de águas inclinado;  Água-furtada (ou rincão)..................aresta inclinada delimitada pelo encontro entre duas águas que formam um ângulo reentrante, isto é, o rincão é um captador de águas;  Rufo....................peça complementar de arremate entre o telhado e uma parede. O telhado de duas águas tem duas empenas ou oitões, isto é, a superfície de apoio (que faz a vez da tesoura) no final da cobertura e formando parte da fachada. cumeeira cumeeira água-furtada espigão espigão
  • 61. Ao projetarmos um telhado devemos nos lembrar de algumas regras práticas: 1. As águas-furtadas (ou rincões) formam ângulos de 45º com as projeções das paredes e saem dos cantos internos. São o encontro de dois planos (águas); 2. Os espigões formam ângulos de 45º com as projeções das paredes e saem dos cantos externos; 3. As cumeeiras são linhas paralelas a uma direção das paredes e perpendiculares a outra direção; Tendo em atenção as 3 regras práticas a, pode-se traçar qualquer projeto de telhado por mais recortado e complicado que seja. A seguir, vários exemplos de traçados (a seta indica o sentido do caimento da água). oitão OITÃO caimento Telhado com 3 águas ELEVAÇÃO 1 ELEVAÇÃO2 ELEVAÇÃO 3 ELEVAÇÃO 1 ELEVAÇÃO 2 ELEVAÇÃO 3 PLANTA
  • 63. COBERTURA DE SUPERFÍCIES TRIANGULARES As três bissetrizes indicadas na figura abaixo são as interseções, denominadas “espigões”, dos planos, com igual declividade e contendo os lados horizontais AB, BC e CA do triângulo ABC. Analogicamente, na figura abaixo temos uma cobertura irregular onde as bissetrizes dos ângulos das horizontais são os cinco espigões do telhado. COBERTURA DE SUPERFÍCIES QUADRADAS Para cobertura dessas superfícies com telhado clássico, há quatro soluções para uma certa declividade: tipo duas águas, tipo quatro espigões ou as outras duas indicadas abaixo:
  • 64. SUPERFÍCIE COM PÁTIO INTERNO OU JARDINS pátio interno
  • 65. PEÇAS COMPLEMENTARES TIPO DESCRIÇÃO FUNÇÃO Beiral É a distância entre a parte externa da parede e a extremidade do telhado Evita o excesso de umidade nas paredes Platibanda Parede de pouca altura e acima da cobertura Destinada a encobrir o telhado Rufo Peça de arremate entre as telhas ou calhas e a parede Vedação, evitar infiltração de água Calha Cano que lembra um sulco Recebe as águas pluviais, especialmente as do telhado Condutor Cano que sai da calha até o solo Escoar as águas pluviais que vêm do telhado
  • 66. platibanda rufo calha pluvial CORTE ESQUEMÁTICO DETALHE B telha platiband aaa calha pluvial PLANTA DO TELHADO COM PLATIBANDA DET.B A seguir são apresentados exemplos ilustrados dessas peças para melhor compreensão. CORTE ESQUEMÁTICO DETALHE A calha pluvial cachorro condutor pluvial beiral telha Beiral PLANTA DO TELHADO COM BEIRAL proj. edif. DET. A
  • 67. EXEMPLO DE FECHAMENTO DE TELHADO
  • 68. EXERCÍCIOS Resolver a planta dos telhados abaixo e representar suas 4 elevações.
  • 71. Escadas / Rampas / Elevadores A concentração das construções nas grandes cidades criou exigências de aproveitamento cada vez maior dos terrenos. Assim expandiu-se a construção de edifícios com pavimentos superpostos servidos por uma circulação vertical. 12.1 - ESCADAS 1. Piso é a parte horizontal do degrau (p) 2. Espelho é a parte vertical do degrau, perpendicular ao piso (h) 3. Bocel é a saliência (balanço) do piso sobre o espelho (b) 4. Banzo é a peça ou viga lateral de uma escada. Dados experimentais fizeram concluir que:  A altura recomendável para o espelho de uma escada deve ser no máximo de 0,18 m (dezoito centímetros).  A profundidade recomendável deve ser no mínimo de 0,25 m (vinte e cinco centímetros).
  • 72. Blondell, arquiteto francês, estabeleceu uma fórmula empírica que permite calcular a largura do piso em função da altura do espelho e vice-versa. Esta fórmula é a seguinte: 2h + p = 0,64 m Onde: h = espelho P = piso a ser determinado 0,64 = constante CÁLCULO DE UMA ESCADA Deve-se considerar:  Altura do pé-direito;  Espessura do piso superior (laje).  Soma-se a altura do pé-direito + a espessura da laje do piso superior = pé- esquerdo  Divide-se o resultado encontrado por 0,18 m (altura máxima permitida para espelho) Por exemplo, considerando:  Altura do pé-direito = 2,70 m  Espessura da laje do piso superior = 0,15 m  Temos: 2,70 m + 0,15 m = 2,85 m (pé-esquerdo) 2,85 m : 0,18 m (máximo permitido para h) = 15,83 (arredondar SEMPRE para mais) = 16 degraus  Logo: 2,85 m (pé-esquerdo) : 16 degraus = 0,178 m (NUNCA arredondar esse valor) = h (altura do espelho)
  • 73. Isto é, o número de degraus é igual a altura do pé-direito mais a espessura do piso superior, dividido pela altura do espelho.  Assim: 2,85 m : 0,178 m = 16 degraus  Calcula-se em seguida, pela fórmula de Blondell, a largura do piso do degrau (p). 2h (altura do espelho) + p (piso do degrau) = 0,64 (constante) 2 x 0,178 m + p = 0,64 0,356 m + p = 0,64 p = 0,64 – 0,356 m p = 0,284 m Finalizando temos uma escada com: 16 degraus, espelho (h) =0,178 m e piso (p) = 0,284 m Para completar o cálculo da escada devemos determinar a distância em projeção horizontal, entre o primeiro e o último degrau. Ora, uma escada de n degraus possui n – 1 pisos; logo a distância d será igual ao produto da largura do piso encontrado pelo número de degraus menos 1. Segundo a LEI COMPLEMENTAR Nº 387 DE 13 DE ABRIL DE 2.000 das normas técnicas das edificações em geral, fica estabelecido que: piso superior 7 piso inferior d 4 3 2 1 6 5 Tem-se: d = (n - 1)p Na figura: d = 6p
  • 74.  As escadas ou rampas devem ter largura mínima de 90 cm (noventa centímetros) e passagem com altura mínima nunca inferior a 2,00 m (dois metros), salvo disposição contrária existente em norma técnica.  As escadas e rampas de uso comum ou coletivo e as escadas de incêndio devem ser dotadas de corrimão e obedecer às exigências contidas na NBR 9077.  Em caso de uso secundário ou eventual, será permitida a redução de sua largura até o mínimo de 60 cm (sessenta centímetros).  A instalação de elevador em uma edificação não dispensa a construção de escada ou rampa. Algumas recomendações:  nas escadas com mais de 19 (dezenove) degraus, será obrigatório intercalar um patamar, com a profundidade mínima igual a largura da escada.  as escadas deverão ter as seguintes larguras mínimas úteis:  0,90 m em edifícios residenciais unifamiliares  1,20 m em edifícios residenciais com até três pavimentos  1,50 m em edifícios de mais de três pavimentos, destinados a locais de reunião com capacidade de até 150 (cento e cinqüenta) pessoas  as escadas deverão ter as seguintes alturas de espelho:  0,18 m em escadas internas  0,15 m em escadas externas Obs.: consultar o Código de Edificações e de Posturas do Município de Montes Claros. ALTURA LIVRE
  • 75. Nos projetos de escada é necessário examinar a altura livre de passagem. Trata-se da distância, medida na vertical, entre o piso do degrau e o teto. Ou seja, a laje intermediária entre um pavimento e o outro. Esta Altura nunca deve ser inferior a 2,00 CAIXA DE ESCADA É o compartimento em que a escada é colocada. As suas dimensões dependem do desenvolvimento da escada e, por conseguinte, do pé-direito do edifício. Deve ser amplamente iluminada com luz direta do exterior através de janelas em plano vertical. Piso superior Piso inferior 2,20 Planta esquemática Sem escala sob e
  • 76. REPRESENTAÇÃO As escadas são obrigatoriamente representadas nos cortes e na planta de cada um dos pavimentos. Indicar sempre na planta com uma seta a direção de subida da escada. Representar também, na planta do pavimento de onde parte a escada, apenas quatro ou cinco degraus com traço cheio, pois se obtém a planta por uma seção feita a mais ou menos um metro do piso. Os degraus acima da seção devem ser tracejados. TIPOS DE ESCADA A seguir, algumas plantas de escadas de tipos diferentes. LINHA DE CORTE PARA A PLANTA DO PAVIMENTO SUPERIOR LINHA DE CORTE PARA A PLANTA DO PAVIMENTO TÉRREO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 DESCE 12345678910111213141516 PAVIMENTO SUPERIOR CORREMÃO SOBE PAVIMENTO TÉRREO 12345678910111213141516 CORTE ESQUEMÁTICO DE ESCADA
  • 77. ESCADAS ENCLAUSURADAS OU DE SEGURANÇA Essas escadas devem ser projetadas em edifícios residenciais e comerciais que tenham mais de 5 andares, respeitando o Código de Obras de cada município e devem ser aprovadas pelo Corpo de Bombeiros previamente. À seguir, dois exemplos de escada enclausurada: ESCADA COM ILUMINAÇÃO NATURAL 0,15 1,20 1,20 8 7 6 5 4 3 2 1 9 10 11 12 13 14 15 16 pp Blondel: 2h+p=0,64 1,20 1,20 1,20 1,20 circulação elevador elevador sem escala S D
  • 79. 12.2. RAMPAS Declive. Superfície inclinada que constitui, dentro ou fora dos edifícios, elemento de circulação vertical. Substituindo a escada tradicional, exige, no entanto, muito maior espaço para seu desenvolvimento. Para pedestres, sua inclinação máxima tolerável é de 15%. Inclinações maiores são possíveis nos acessos a garagens. Segundo a LEI COMPLEMENTAR Nº 387 DE 13 DE ABRIL DE 2.000 das normas técnicas das edificações em geral, fica estabelecido que:  As escadas ou rampas devem ter largura mínima de 90 cm (noventa centímetros) e passagem com altura mínima nunca inferior a 2,00 m (dois metros), salvo disposição contrária existente em norma técnica.  As escadas e rampas de uso comum ou coletivo e as escadas de incêndio devem ser dotadas de corrimão e obedecer às exigências contidas na NBR 9077.  Em caso de uso secundário ou eventual, será permitida a redução de sua largura até o mínimo de 60 cm (sessenta centímetros).  O elevador em uma edificação não dispensa a construção de escada ou rampa.  O piso das rampas deve ser revestido com material antiderrapante e obedecer às seguintes declividades máximas:  I - 12% (doze por cento) se o uso for destinado a pedestres;  II - 25% (vinte e cinco por cento) se o uso for exclusivo de veículos automotores. As rampas de acordo com a sua inclinação, classificam-se em: 1. Rampas de pouca inclinação, de até 6º, que não requerem um pavimento especial contra o deslizamento; 2. Rampas de média inclinação, de 6º a 12º, que requerem um pavimento rugoso que evita o deslizamento; 3. Rampas inclinadas, de 12º a 25º, que exigem um pavimento com ressaltos transversais ou a subdivisão do plano da rampa em largos degraus de pouca inclinação. A separação entre os ressaltos transversais deve ser constante ao longo da rampa e igual ao comprimento do passo normal.
  • 80. EXEMPLO: ao calcularmos uma rampa para automóveis, a declividade aconselhada é de 20%, se precisarmos vencer uma altura de + 1,40 m tendo como referência o nível 0,00 da rua:  Teoricamente: Sen  = B onde Sen 12º = 1,40 0,20 = 1,40 A A A  Na prática: Regra de 3: 1,40m = 20% x = 14,00m : 20% x = 7,00m x 100% Temos ainda: 100% : 20% = 5 multiplicar esse valor pela altura a ser vencida, ou seja: 1,40 m x 5 = 7,00 m 12.3. ELEVADORES Segundo a LEI COMPLEMENTAR Nº 387 DE 13 DE ABRIL DE 2.000 das normas técnicas das edificações em geral, fica estabelecido que:  É obrigatória a instalação de, no mínimo, um elevador nas edificações de mais de três pavimentos acima do térreo, e de, no mínimo, dois elevadores, no caso de mais de sete pavimentos acima do térreo. 0.00 + 1.40 m 7,00 m A B = 1,40  = 12º A = 7,00 m
  • 81.  Na contagem do número de pavimentos não é computado o último, quando de uso exclusivo do penúltimo, ou destinado a dependências de uso comum do condomínio ou, ainda, dependências de zelador.  Os espaços de acesso ou circulação fronteiriços às portas dos elevadores devem ter dimensão não inferior a 1,50 m (um metro e cinqüenta centímetros).  Além destas exigências deve ser apresentado projeto de instalação e cálculo de tráfego, compatíveis com as normas da ABNT. Para o projeto da caixa de elevadores e das casas de máquinas é necessário antes de tudo, definir a capacidade (lotação da cabina) e a velocidade dos elevadores. Esse cálculo de tráfego deve obedecer a Norma NB-596 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Devem ser consultadas também as empresas fornecedoras dos elevadores. Dimensões mínimas para caixa de elevador para um edifício residencial: 1,70 0,80 1,70 0,23 PLANTA DO POÇO DO ELEVADOR Escala 1:25
  • 82. Dimensões mínimas para casa de máquinas referente a um elevador para edifício residencial PLANTA DA CASA DE MÁQUINAS PARA 01 ELEVADOR Escala 1:50 Dimensões mínimas para casa de máquinas referente a dois elevadores para edifício residencial. PLANTA DA CASA DE MÁQUINAS PARA 02 ELEVADORES Escala 1:50 1,50 m P 0,80m x 2,10m 0,90 m 1,00m 1,00m 1,00m 1,00m proj. do poço do elevador 1,50 m P 0,80m x 2,10m 1,50m 1,00m 1,00m 1,00m 1,00m proj. do poço do elevador
  • 83. Exemplos de dimensões mínimas verticais para o poço do elevador e casa de máquinas VELOCIDADE MIN. MIN. MIN. m / min. m / s P (mm) Q (mm) H (mm) 60 1,00 1.500 4.500 2.500 75 1,25 1.500 4.500 2.500 90 1,50 1.500 4.500 2.500 105 1,75 1.900 4.500 2.500 120 2,00 1.900 4.500 2.500 PÉ DIREITO MÍNIMO: Espaço Técnico = 1,50 m Casa de Máquinas = 2,50 m ÚLTIMA PARADA Casa de Máquinas Q(dopisodaúltimaparadaaopisodacasademáquinasmín.= 4,50) 2,10m T=percursoP Espaço Técnico H(pdmínimo2,50m) Para informações detalhadas, projetos definitivos ou cálculos de tráfego é necessário consultar técnicos de empresas especializadas.
  • 84. DESENHO ESQUEMÁTICO DAS PLANTAS DO ÁTICO (sem escala) 11 9 5 10 14 6 circulação casa de máquinas A A’ caixa d’água Capacidade = _______ Ático – pav. superiorsem escala d 1 2 3 4 7 8 15 13 12 16 barrilete espaço técnico sA A’ circulação Ático – pav. inferiorsem escala 8 7 6 2 4 1 3 5 10 15 13 12 9 11 16 14
  • 85. DESENHO ESQUEMÁTICO DO CORTE DO ÁTICO (sem escala) Primeira parada do elevador Poçodoelevador barrilete espaço técnicocirc. casa de máquinasCaixa d’água telhado telhado circulação Corte AA’ sem escala ÚLTIMA PARADA DO ELEVADOR 1,50
  • 86. EXERCÍCIOS APRESENTAR OS CÁLCULOS EM TODAS AS QUESTÕES 1º. Calcular a extensão das seguintes rampas: a. Para acesso de deficiente físico ao piso do pavimento térreo que está no nível +1.20m em relação a rua (0.00 m) com inclinação de 10%. Cálculo b. Para acesso de automóvel ao piso do subsolo que está no nível -1.40m em relação a rua (0.00 m) com inclinação de 20 %. Cálculo 2º. Calcular as escadas de uma loja comercial de três pavimentos, considerando:  espessura da laje = 0,18 m * pé-direito do segundo pavimento = 3.00 m Resposta Resposta
  • 87. Cálculo Resposta: Do térreo ao 1º pavimento Nº de degraus: Espelho do degrau (e): Piso do degrau (p): Do 1º ao 2º pavimento Nº de degraus: Espelho do degrau (e): Piso do degrau (p): 3º. Abaixo estão representadas as plantas dos pavimentos térreo e superior de uma residência unifamiliar, projetar uma escada na sala e fazer o que se pede: a. Calcular a escada considerando:  Pé-direito = 2,85 m  Espessura da laje = 0.15 m Cálculo 7.36 4.18 0.00* pé-direito do primeiro pavimento = 4.00 m
  • 88. Resposta: Nº de degraus: Espelho do degrau (e): Piso do degrau (p): b. Projetar a escada no lugar onde você considera o ideal representando-a no pavimento térreo e no pavimento superior na escala 1:100. Elementos mínimos da escada: degraus, corrimão, sentido de subida e descida, numeração dos degraus, cotas, indicação de corte horiz. (térreo), guarda corpo (superior). c. Traçar uma linha de corte (AA’) passando somente pela escada em ambas as plantas. d. Desenhar a nova planta e o corte AA’ em outra folha de papel na escala 1:50. PAVIMENTO TÉRREO PAVIMENTO SUPERIOR 4,45
  • 90. LEIA ATENTAMENTE ESTE ROTEIRO ANTES DE INICIAR SEU PROJETO CÁLCULO DA ÁREA DO TERRENO (m2 ) Divida seu terreno em formas que facilitem o cálculo da metragem quadrada ou = lado x lado = base x altura 2 = base maior + base menor x h 2 1. DEFINIR OS RECUOS MÍNIMOS PERMITIDOS Depois de escolher o número de pavimentos do seu projeto, ver os recuos mínimos permitidos por lei. Marcando esses recuos no lote, você estará definindo a LÂMINA do seu projeto. Ou seja o espaço onde será projetado o pavimento tipo. 2. TAXA DE OCUPAÇÃO MÁXIMA DO LOTE Ou seja: a área calculada do seu lote x a porcentagem de ocupação máxima permitida de acordo com a zona onde o lote está situado = o máximo permitido a ocupar do lote. ATENÇÃO: esse valor de ocupação máxima do lote deve ser igual ou menor que a LAMINA definida anteriormente. Área do lote x % permitida = ocupação máxima permitida do lote
  • 91. 3. COEDICIENTE DE APROVEITAMENTO MÁXIMO DO LOTE Ou seja: a área calculada do seu lote x o coeficiente de aproveitamento máximo permitido de acordo com a zona onde o lote está situado = o máximo permitido de área total construída ATENÇÃO: esse valor de aproveitamento máximo do lote deve ser igual ou menor a LAMINA definida anteriormente (itens 2 e 3) multiplicada pelo número de andares do seu projeto 4. PAVIMENTO TIPO  unidade(s) habitacionais;  hall social com elevador social e corredor a sua frente de no mínimo 1,50 m  hall de serviço com elevador de serviço e corredor a sua frente de no mínimo 1,50m, compartimento para lixo e caixa de escada (enclausurada ou não, de acordo com o partido do projeto) Estando definida a LÂMINA do seu projeto, é necessário marcar a área de circulação vertical (escada e elevador).  Agora determine quantos apartamentos serão por andar e projete-os. CONDIÇÕES MÍNIMAS DOS COMPARTIMENTOS Iluminação Ventilação Pé direito Inscrição de círculo Área mínima Área total do lote x índice de ocupação = total de área construída permitida
  • 92. UTILIZAÇÃO PROLONGADA dormitórios e salas em geral Voltada para o exterior Voltada para o exterior 2,70 m 2,00 m sala + dormitório, quando juntos ou separados 20,00 m2 UTILIZAÇÃO TRANSITÓRIA vestíbulos corredores caixas de escada salas de espera gabinetes sanitários áreas de serviço e cozinhas natural 2,50 m  Cozinhas 1,60 m2  Demais 0,90 m2 ou 1,40 m2 quando utilizado por deficiente físico Cozinha 4,00 m2 Área de serviço 2,50 m2 Bacia 1,20 m2 Lavatório, chuveiro e mictório 0,81 m2 por peça Bacia e lavatório 1,50 m2 Bacia, lavatório e chuveiro 2,00 m2 Bacia p/ uso de deficiente físico 2,24 m2 UTILIZAÇÃO ESPECIAL Adegas Câmaras escuras Caixas fortes câmaras frigoríficas, saunas, garagens e congêneres. Devem obedecer às normas técnicas vigentes, especificamente, para o uso pretendido ATENÇÃO: SEMPRE consultar o Plano Diretor Físico, Código de Edificações, Código de Posturas do Município de Montes Claros. 5. PAVIMENTO TÉRREO  hall social com elevador social e corredor a sua frente de no mínimo 1,50 m;  hall de serviço com elevador de serviço e corredor a sua frente de no mínimo 1,50m, caixa de escada (enclausurada ou não, de acordo com o partido do projeto);  entrada social do prédio (guarita, acessos, jardim, etc.);
  • 93.  rampa de acesso ao térreo para deficiente físico com inclinação de 10% e largura mínima = 1,20 m ;  rampa de acesso ao térreo e subsolo para automóveis com inclinação de 20% e largura mínima de 3,00 m ;  apartamento para zelador com aproximadamente 40 m2 composto no mínimo de sala, quarto, cozinha e banheiro (pode ser projetado também no mezanino ou junto com o ático – conforme partido arquitetônico);  depósito de lixo (mínimo 4 m2 );  centro de medições distante do recuo frontal até 15 m (mínimo 6,00 m²);  depósito para material de limpeza (mínimo 2,00 m²);  vestiário/sanitário para funcionários (mínimo 6,00 m²);  abrigo para botijões de gás com abertura frontal FORA da projeção do edifício (min3,00 m²) (pode ser locado no recuo frontal);  salão(ões) de festas e jogos (opcional);  play-ground / área de lazer de 2,00 m2 por unidade habitacional  01 vaga de automóvel por apartamento (mínimo) = 2,50 m por 4,80);  projeção no recuo frontal da caixa d’água subterrânea . 6. SUBSOLO  Subsolo poderá ocupar o espaço total do terreno com exceção do recuo frontal (no caso do terreno ser de esquina, é necessário respeitar os dois recuos)  elevador social e corredor a sua frente de no mínimo 1,50 m (OPCIONAL);  elevador de serviço e corredor a sua frente de no mínimo 1,50m;  caixa de escada;  01 vaga de automóvel por apartamento (mínimo) = 2,50 m por 4,80 m ;  caixa d’água inferior. 7. MEZANINO (opcional)  hall social com elevador social e corredor a sua frente de no mínimo 1,50 m  hall de serviço com elevador de serviço e corredor a sua frente de no mínimo 1,50m, caixa de escada ;  rampa de acesso vindo do térreo para automóveis com inclinação de 20% e largura mínima de 3,00 m ;
  • 94.  01 vaga de automóvel por apartamento (mínimo) = 2,50 m por 4,80 m  apartamento para zelador com aproximadamente 40 m2 composto no mínimo de sala, quarto, cozinha e banheiro (pode ser projetado na cobertura ou junto com o ático – conforme partido arquitetônico);  salão(ões) de festas e jogos (opcional);  play-ground/área de lazer de 2,00 m2 por unidade habitacional. 8. ÁTICO É a parte técnica do edifício composta de: 1º pavimento com:  caixa de escada (enclausurada ou não);  cobertura social particular ou coletiva (OPCIONAL);  apartamento para zelador com aproximadamente 40 m2 composto no mínimo de sala, quarto, cozinha e banheiro (OPCIONAL);  espaço técnico - local imediatamente abaixo da casa de máquinas onde o técnico faz a manutenção do(s) carro(s) do elevador(es);  barrilete - local imediatamente abaixo da caixa d’água onde existe o encanamento de distribuição da água para as unidades habitacionais;  fechamento do telhado do último pavimento tipo. 2º pavimento com:  caixa de escada (enclausurada ou não, de acordo com o partido do projeto)  casa de máquinas - local onde fica o motor e guincho de sustentação do(s) carro(s) do(s) elevador(es), deve ter iluminação e ventilação diretas;  caixa d’água – deve ser dividida em duas partes para a limpeza periódica e seus cantos chanfrados para que não aconteça o acúmulo de impurezas . CÁLCULO DAS CAIXAS D’ÁGUA É necessário definir o número de pessoas que um edifício plurihabitacional pode abrigar, considerando-se o número de dormitórios de cada apartamento inclusive o dormitório de empregada e apartamento do zelador: 1 dormitório = duas pessoas 2 dormitórios = três pessoas
  • 95. 3 dormitórios = cinco pessoas 4 dormitórios = sete pessoas 5 dormitórios = nove pessoas etc. Para uso comercial adota-se:  sala de área = 14,00 m² será equiparada a um dormitório  sala de área superior a 14,00 m², terá seus índices calculados na base de um habitante por 7,00 m² ou fração. CÁLCULO DA CAPACIDADE DAS CAIXAS D´ÁGUA 1º. n.º de habitantes por aptº x n.º de aptos por andar x n.º andares + 2 habitantes zeladoria = USUÁRIOS 2º. USUÁRIOS x 200 litros x 2 dias (sem água) = CAPACIDADE TOTAL DAS CAIXAS D’ÁGUA 3º. Caixa d’água superior = 40% da capacidade total + 10.000 de segurança (incêndio) Caix a d’água inferior = 60% da capacidade total DENSIDADE DEMOGRÁFICA N.º de habitantes do edifício : área total do lote = habitantes por metro quadrado
  • 96. 9. ILUMINAÇÃO E VENTILAÇÃO Todo compartimento deve ter, em plano vertical, ao menos uma abertura para o exterior. Essas aberturas devem ser dotadas de persianas ou dispositivos que permitam a renovação do ar. Nos compartimentos destinados a dormitórios, não será permitido o uso de material translúcido, pois é necessário assegurar nesse compartimento sombra e ventilação simultaneamente. As áreas dessas aberturas serão proporcionais às áreas dos compartimentos a iluminar e ventilar, e variáveis conforme o destino dos cômodos. As frações que representam as relações entre áreas de piso e de esquadrias que apresentaremos, são as mínimas. Por isso sempre que houver disponibilidade econômica, os vãos devem ter as maiores áreas possíveis. Os vãos de janelas deverão ter: I. DORMITÓRIOS (local de permanência prolongada, noturna) A área das aberturas não deverá ser inferior a 1/5 da área do piso,quando derem para áreas abertas ou diretamente para o exterior. Pôr exemplo: uma sala de 2,50 m x 4,80 m, tem 12,00 m², logo não poderá ter janelas cuja área seja menor que 1/5 de 12,00 m², ou seja 2,40 m². II. SALAS DE ESTAR, REFEITÓRIOS, COPA, COZINHA, BANHEIRO, WC etc. ( local de permanência transitória diurna ) A área das aberturas não deverá ser inferior a 1/6 da área do piso de cada compartimento quando derem para áreas abertas ou diretamente para o exterior. Pôr exemplo: uma cozinha de 2,00 m x 3,00 m, tem 6,00 m², logo não poderá ter janelas cuja área seja menor que 1/6 de 6,00 m², ou seja 1,00 m². Essas relações serão de 1/5 e 1/7, respectivamente, quando os vãos abrirem para áreas cobertas ou varandas e não houver parede oposta a esses vãos a menos de 1.50 m do limite da cobertura dessas áreas. Estas relações só se aplicam às varandas, alpendres e marquises, cujas coberturas excedam a 1.00 m e desde que não exista parede nas condições indicadas:
  • 97. a. A relação passará para ¼ e 1/5 respectivamente , quando houver a referida parede a menos de 1.50 m do limite da cobertura . b. As aberturas nos dormitórios que derem para áreas cobertas são consideradas de valor nulo para efeito de iluminação e ventilação . c. Em hipótese alguma serão permitidas aberturas destinadas a ventilar e iluminar compartimentos com menos de  1,20 m2 para áreas de utilização prolongada  0,60 m2 para áreas de utilização transitória d. Também não serão considerados como iluminados e ventilados os pontos que distarem mais de 2 vezes o valor do pé direito , quando o vão abrir para área fechada , e 2 vezes e meia para os demais casos. - As janelas devem, se possível, ficar situadas no centro das paredes, por uma questão de equilíbrio na composição interior. - Quando houver mais de uma janela em uma mesma parede, a distância recomendável entre elas deve ser menor ou igual a ¼ (um quarto) da largura da janela, a fim de que a iluminação se torne uniforme. - Com janelas altas consegue-se iluminar melhor as partes mais afastadas da abertura. - A iluminação e ventilação por meio de clarabóias serão toleradas em compartimentos destinados a escadas, copa, despensa, oficina, e armazém para depósito, desde que a área de iluminação e ventilação efetiva seja igual à metade da área total do compartimento. - Quando a iluminação do compartimento se verificar por uma só de suas faces, não deverá existir nessa face pano de parede que tenha largura maior que 2 vezes e meia a largura da abertura ou a soma das aberturas . - As escadas serão iluminadas em cada pavimento por meio de janelas ou de vitrais os mais alto possível e que podem ser parcialmente fixos. - As oficinas bem iluminadas geralmente possuem janelas altas , de pequena altura de verga e de grande altura de peitoril .
  • 98. TABELA DE DIMENSIONAMENTO MÍNIMO PARA VÃOS DE PORTAS Altura mínima livre 2,00 m Uso privativo para acesso a unidade 0,80 m Uso comum/coletivo ou de acordo com norma da ABNT 1,20 m Acesso a gabinetes sanitários, banheiros e armários privativos 0,60 m 0,90 m p/ def. físico Demais 0,70 m Quanto à iluminação e à ventilação, e iluminação artificial e indireta, SEMPRE consultar o Plano Diretor Físico, Código de Edificações, Código de Posturas do Município de Montes Claros. Para detalhes consultar NBR 6492 - Representação de projetos de arquitetura Exemplo de legenda para dimensionamento de esquadrias: TABELA DE VÃOS PORTAS JANELAS DESCR. QT. LARG. (m) ALT.(m) DESCR. QT. LARG. (m) ALT.(m) PEITORIL(m) P1 J1 P2 J2 P3 J3 P4 J4 Exercícios :
  • 99. 1.Um quarto tem ( 3.00 x 4.00 ) m , possui pé direito de 2.80 m . Calcular a área de iluminação e ventilação mínima, sabendo - se que a altura máxima da janela deverá ser a mesma da altura da porta ( 0.80 x 2.10 )m. 2.Qual o coeficiente de iluminação e ventilação de uma sala com (4.20 x5.30) m e 2 janelas de ( 1.00 x 1.80 ) m cada uma ? 3. Calcular uma janela com formato circular para um banheiro de (2.50 x 1.20)m, sabendo se que o coeficiente de iluminação e ventilação é de 1/8. 10.ESTATÍSTICA A estatística do projeto geralmente é colocada pouco acima da legenda, se possível. Nela colocamos : a. Área do lote em m2 b. Área da construção ( térreo , superiores ... , todos em separado ) em m2; c. Área total da construção em m2 d. coeficiente de aproveitamento = área da construção total : área do lote e. Taxa de ocupação = ( área da construção térrea : área do lote ) x 100 % Obs.: Caso haja construções existentes, indicar também a área correspondente com o respectivo número do protocolo de aprovação. EXERCÍCIOS 1.Relacionar as colunas:
  • 100. ( 1) Elevações ( 2) Corte ( 3) Ático ( 4) Subsolo ( 5) Tipo ( 6) Mezanino ( 7) Térreo ( 8) Cobertura ( ) barrilete ( ) telhado ( ) garagens ( ) fachadas ( ) salão de jogos ( ) guarita ( ) caixa d’água ( ) demarcação de recuos ( ) apartamentos ( ) centro de medição ( ) salão de festas ( ) apto. zelador ( ) casa de máquinas ( ) depósito de lixo ( )salão de ginástica ( )vestiário p/ funcionários ( ) depósito de gás ( ) sauna ( ) play ground ( ) piscina ( ) área de lazer ( ) espaço técnico ( ) cotas verticais ( ) rampa para deficiente físico 3. A planta a seguir foi desenhada SEM ESCALA, copiar TODOS os detalhes da planta na escala 1:50. Depois calcular a área de cada compartimento e representar o CORTE AA’ na escala 1:50, não é necessário desenhar o telhado. Considerar: Paredes externas e internas = 0,20 m Portas = 0,60m x 2,10m (banheiro) Muro = 0,15 m (larg.) e 1,80 (altura) 0,80m x 2,10m (demais) Pé-direito = 3,00 m Janelas = 3,00m x 1,20m x 1,20m (sala) Espessura da laje = 0,15 m 1,60m x 1,20m x 1,20m (coz.) Beiral do telhado = 0,60 m 1,50m x 1,20m x 1,20m(dorm.) 1,50m x 0,90m x 1,50m (banh.)
  • 102. Referência Bibliográfica  MONTENEGRO, Gildo A.; Desenho arquitetônico; São Paulo: Edgar Blucher, 2001; ISBN 8521202911  CHING; Francis D. K.; Representação gráfica em arquitetura; Porto Alegre: Bookman Editora; ISBN 8573075260  CHING; Francis D. K.; Técnicas de Construção Ilustradas; Porto Alegre: Bookman Editora; ISBN 8573075279  BORGES, Alberto Campos, MONTEFUSO, Elizabeth e LEITE, Jaime.Prática das Pequenas Construções - São Paulo - Editora Edgard Blucher, 1996.  NEIZEL, Ernest Desenho Técnico para a Construção Civil - São Paulo - EDUSP, 1974.  OBERG, L.Desenho Arquitetônico - Rio de Janeiro - Editora Ao Livro Técnico, 1976.  CORONA, Eduardo, LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. Dicionário da arquitetura brasileira. São Paulo: Companhia das Artes, 1998 - 474p.  NBR 6492 - Representação de projetos de arquitetura  NBR 8196 - Emprego de escalas em desenho técnico  NBR 8402 - Execução de caractere para escrita em desenho técnico  NBR 8403 - Aplicação de linhas em desenhos - Tipos de linhas - Larguras das linhas  NBR 10067 - Princípios gerais de representação em desenho técnico  NBR 10068 - Folha de desenho - leiaute e dimensões  NBR 10647 - Desenho técnico  NBR 12298 - Representação de área de corte por meio de hachuras em desenho técnico  NBR 13142 – Dobramento de cópia de desenho técnico.