SlideShare uma empresa Scribd logo
Toyotismo
Continuação




      Universidade Federal da Paraíba
      Campus I – Centro de Tecnologia
      Curso de Graduação em Engenharia de Produção
      Prof. MSc. Marcel de Gois Pinto
      Profª. MSc. Mariana Moura Nóbrega
Nas aulas anteriores vimos...
Nas aulas anteriores vimos...
  O Toyotismo procura combinar as vantagens da
  produção artesanal com as da produção em massa
Nas aulas anteriores vimos...
    O Toyotismo procura combinar as vantagens da
    produção artesanal com as da produção em massa
                                                          Fabril
                                         Manufa-
                             Artesanal             Produção Produção
                                         tureiro
                                                   em massa      enxuta
Volume de produção

Versatilidade ferramentas,
máquinas e equipamentos

Conteúdo do trabalho

Qualificação da MDO

Variedade de produtos
Nas aulas anteriores vimos...
    O Toyotismo procura combinar as vantagens da
    produção artesanal com as da produção em massa
                                                          Fabril
                                         Manufa-
                             Artesanal             Produção Produção
                                         tureiro
                                                   em massa      enxuta
Volume de produção

Versatilidade ferramentas,
máquinas e equipamentos

Conteúdo do trabalho

Qualificação da MDO

Variedade de produtos
Nas aulas anteriores vimos...
 Bases da Produção Enxuta
Nas aulas anteriores vimos...
  Bases da Produção Enxuta
Princípio do
não custo


Just-in-time - JIT



Autonomação -
Jidoka


Envolvimento da
força de trabalho


Processo X
Operação
Nas aulas anteriores vimos...
  Bases da Produção Enxuta
                                           O objetivo da Produção Enxuta
Princípio do
                     LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da
não custo
                                           eliminação das perdas.

Just-in-time - JIT



Autonomação -
Jidoka


Envolvimento da
força de trabalho


Processo X
Operação
Nas aulas anteriores vimos...
  Bases da Produção Enxuta
                                           O objetivo da Produção Enxuta
Princípio do
                     LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da
não custo
                                           eliminação das perdas.

Just-in-time - JIT    Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no
                     momento certo, na quantidade certa e no local certo.

Autonomação -
Jidoka


Envolvimento da
força de trabalho


Processo X
Operação
Nas aulas anteriores vimos...
  Bases da Produção Enxuta
                                           O objetivo da Produção Enxuta
Princípio do
                     LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da
não custo
                                           eliminação das perdas.

Just-in-time - JIT    Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no
                     momento certo, na quantidade certa e no local certo.

                      Máquinas e operadores têm autonomia para interromper
Autonomação -
                     a produção quando a quantidade programada é atingida
Jidoka
                     ou alguma anomalia é detectada.

Envolvimento da
força de trabalho


Processo X
Operação
Nas aulas anteriores vimos...
  Bases da Produção Enxuta
                                           O objetivo da Produção Enxuta
Princípio do
                     LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da
não custo
                                           eliminação das perdas.

Just-in-time - JIT    Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no
                     momento certo, na quantidade certa e no local certo.

                      Máquinas e operadores têm autonomia para interromper
Autonomação -
                     a produção quando a quantidade programada é atingida
Jidoka
                     ou alguma anomalia é detectada.
                      Emprego vitalício, remuneração por tempo de serviço,
Envolvimento da
                     participação nos lucros, treinamento, multifuncionalidade,
força de trabalho
                     comprometimento, trabalho em equipe

Processo X
Operação
Nas aulas anteriores vimos...
  Bases da Produção Enxuta
                                           O objetivo da Produção Enxuta
Princípio do
                     LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da
não custo
                                           eliminação das perdas.

Just-in-time - JIT    Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no
                     momento certo, na quantidade certa e no local certo.

                      Máquinas e operadores têm autonomia para interromper
Autonomação -
                     a produção quando a quantidade programada é atingida
Jidoka
                     ou alguma anomalia é detectada.
                      Emprego vitalício, remuneração por tempo de serviço,
Envolvimento da
                     participação nos lucros, treinamento, multifuncionalidade,
força de trabalho
                     comprometimento, trabalho em equipe

Processo X           Para maximizar a eficiência da produção, melhorar
Operação             primeiro o processo, depois as operações.
Nas aulas anteriores vimos...
  Bases da Produção Enxuta
                                           O objetivo da Produção Enxuta
Princípio do
                     LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da
não custo
                                           eliminação das perdas.

Just-in-time - JIT    Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no
                     momento certo, na quantidade certa e no local certo.

                      Máquinas e operadores têm autonomia para interromper
Autonomação -
                     a produção quando a quantidade programada é atingida
Jidoka
                     ou alguma anomalia é detectada.
                      Emprego vitalício, remuneração por tempo de serviço,
Envolvimento da
                     participação nos lucros, treinamento, multifuncionalidade,
força de trabalho
                     comprometimento, trabalho em equipe

Processo X           Para maximizar a eficiência da produção, melhorar
Operação             primeiro o processo, depois as operações.
Nas aulas anteriores vimos...
 As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA)
Nas aulas anteriores vimos...
 As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA)




                     Superprodução
Nas aulas anteriores vimos...
 As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA)




    Estoque          Superprodução
Nas aulas anteriores vimos...
 As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA)




    Estoque            Superprodução




                 Defeitos
Nas aulas anteriores vimos...
 As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA)




    Estoque            Superprodução

                              Transporte




                 Defeitos
Nas aulas anteriores vimos...
 As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA)




    Estoque            Superprodução        Espera

                              Transporte




                 Defeitos
Nas aulas anteriores vimos...
 As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA)
                              Movimentação




    Estoque            Superprodução         Espera

                              Transporte




                 Defeitos
Nas aulas anteriores vimos...
 As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA)
                                Movimentação

              Processamento
              desnecessário




    Estoque              Superprodução         Espera

                                Transporte




                   Defeitos
Toyotismo
Críticas ao Toyotismo

 Busca pela perfeição através de custos sempre declinantes, ausência de
  estoques e itens defeituosos e com uma alta variedade de produtos.
 Estrutura flexível: contratação de trabalhadores pouco qualificados,
  temporários ou subcontratados.
 Aprendizagem exigida no processo ocorrer em poucos dias, pois o serviço
  oferecido geralmente é simples e padronizado
 Multifuncionalidade
     Diversas funções simples e padronizadas
     Aumento da intensidade do trabalho
     Aumento da responsabilidade => stress
     De acordo com o autor, ao invés do trabalhador polivalente se sentir mais
      seguro, ao ter um maior acesso aos “macetes” e conseqüentemente um
      poder maior do próprio meio de trabalho, o contrário ocorre, uma vez
Toyotismo
Continuação




      Universidade Federal da Paraíba
      Campus I – Centro de Tecnologia
      Curso de Graduação em Engenharia de Produção
      Prof. MSc. Marcel de Gois Pinto
      Profª. MSc. Mariana Moura Nóbrega

Mais conteúdo relacionado

Destaque

7 Toyotismo
7 Toyotismo7 Toyotismo
7 Toyotismo
Philippe Elias
 
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
Philippe Elias
 
12 Classificação de Sistemas - Parte 2
12 Classificação de Sistemas - Parte 212 Classificação de Sistemas - Parte 2
12 Classificação de Sistemas - Parte 2
Philippe Elias
 
APLITEC - Supplier Park - Fiat Chrysler Jeep - Goiana, Pernambuco
APLITEC - Supplier Park - Fiat Chrysler Jeep - Goiana, PernambucoAPLITEC - Supplier Park - Fiat Chrysler Jeep - Goiana, Pernambuco
APLITEC - Supplier Park - Fiat Chrysler Jeep - Goiana, Pernambuco
Philippe Elias
 
15 Objetivos de Desempenho
15 Objetivos de Desempenho15 Objetivos de Desempenho
15 Objetivos de Desempenho
Philippe Elias
 
10 conceito de sistema e sistemas de produção - imagens compactadas
10   conceito de sistema e sistemas de produção - imagens compactadas10   conceito de sistema e sistemas de produção - imagens compactadas
10 conceito de sistema e sistemas de produção - imagens compactadas
Philippe Elias
 
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Philippe Elias
 
Conceito de Sistemas e Sistemas de Produção
Conceito de Sistemas e Sistemas de ProduçãoConceito de Sistemas e Sistemas de Produção
Conceito de Sistemas e Sistemas de Produção
Philippe Elias
 
11 Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
11 Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 111 Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
11 Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Philippe Elias
 
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 2
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 2Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 2
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 2
Philippe Elias
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
BWS Contabilidade, Consultoria e Perícias
 

Destaque (11)

7 Toyotismo
7 Toyotismo7 Toyotismo
7 Toyotismo
 
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
13 - Tipos de Processos x Arranjo Físico
 
12 Classificação de Sistemas - Parte 2
12 Classificação de Sistemas - Parte 212 Classificação de Sistemas - Parte 2
12 Classificação de Sistemas - Parte 2
 
APLITEC - Supplier Park - Fiat Chrysler Jeep - Goiana, Pernambuco
APLITEC - Supplier Park - Fiat Chrysler Jeep - Goiana, PernambucoAPLITEC - Supplier Park - Fiat Chrysler Jeep - Goiana, Pernambuco
APLITEC - Supplier Park - Fiat Chrysler Jeep - Goiana, Pernambuco
 
15 Objetivos de Desempenho
15 Objetivos de Desempenho15 Objetivos de Desempenho
15 Objetivos de Desempenho
 
10 conceito de sistema e sistemas de produção - imagens compactadas
10   conceito de sistema e sistemas de produção - imagens compactadas10   conceito de sistema e sistemas de produção - imagens compactadas
10 conceito de sistema e sistemas de produção - imagens compactadas
 
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
 
Conceito de Sistemas e Sistemas de Produção
Conceito de Sistemas e Sistemas de ProduçãoConceito de Sistemas e Sistemas de Produção
Conceito de Sistemas e Sistemas de Produção
 
11 Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
11 Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 111 Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
11 Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
 
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 2
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 2Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 2
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 2
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
 

Semelhante a 7 Toyotismo - Continuação

MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptxMATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
Alessandro M da Rocha
 
Gestao da producao
Gestao da producaoGestao da producao
Gestao da producao
jboli2010
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
José Cruz
 
Modelo japonês de administração
Modelo japonês de administraçãoModelo japonês de administração
Modelo japonês de administração
Andrea Gomes
 
OEE Eficiência Global de Equipamento
OEE Eficiência Global de EquipamentoOEE Eficiência Global de Equipamento
OEE Eficiência Global de Equipamento
jboli2010
 
Capacidade de-producao
Capacidade de-producaoCapacidade de-producao
Capacidade de-producao
Kris Podovec
 
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Unidade 7  - novas ferramentas de gestãoUnidade 7  - novas ferramentas de gestão
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Daniel Moura
 
Aula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de ProduçãoAula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de Produção
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Aula 02 just in time e kanban 1
Aula 02   just in time e kanban 1Aula 02   just in time e kanban 1
Aula 02 just in time e kanban 1
josmar faria
 
Introdução ao Lean manufacturing
Introdução ao Lean manufacturingIntrodução ao Lean manufacturing
Introdução ao Lean manufacturing
Edomar Hornburg
 
Just in-time-kaizen-shigeo-shingo
Just in-time-kaizen-shigeo-shingoJust in-time-kaizen-shigeo-shingo
Just in-time-kaizen-shigeo-shingo
Gilberto Lopes Brito
 
Junior achievement
Junior achievementJunior achievement
Junior achievement
Wellington Oliveira
 
Administração de Produção II
Administração de Produção IIAdministração de Produção II
Administração de Produção II
Romilson Cesar
 
Vantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin timeVantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin time
Danny Moura
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Just in time (jit)
Just in time (jit)Just in time (jit)
Just in time (jit)
Robson Costa
 
A visão dos pomares de macieiras para 2020 será mesmo a mecanização?
A visão dos pomares de macieiras para 2020 será mesmo a mecanização?A visão dos pomares de macieiras para 2020 será mesmo a mecanização?
A visão dos pomares de macieiras para 2020 será mesmo a mecanização?
fruticultura
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
Jose Donizetti Moraes
 
Papo de produção #4: OEE na prática
Papo de produção #4: OEE na práticaPapo de produção #4: OEE na prática
Papo de produção #4: OEE na prática
Nomus Software Industrial
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Anderson Pontes
 

Semelhante a 7 Toyotismo - Continuação (20)

MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptxMATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
MATERIAL GENÉRICO DE APOIO A MENTALIDADE_ENXUTA_ALT.pptx
 
Gestao da producao
Gestao da producaoGestao da producao
Gestao da producao
 
Microeconomia
MicroeconomiaMicroeconomia
Microeconomia
 
Modelo japonês de administração
Modelo japonês de administraçãoModelo japonês de administração
Modelo japonês de administração
 
OEE Eficiência Global de Equipamento
OEE Eficiência Global de EquipamentoOEE Eficiência Global de Equipamento
OEE Eficiência Global de Equipamento
 
Capacidade de-producao
Capacidade de-producaoCapacidade de-producao
Capacidade de-producao
 
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Unidade 7  - novas ferramentas de gestãoUnidade 7  - novas ferramentas de gestão
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
 
Aula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de ProduçãoAula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de Produção
 
Aula 02 just in time e kanban 1
Aula 02   just in time e kanban 1Aula 02   just in time e kanban 1
Aula 02 just in time e kanban 1
 
Introdução ao Lean manufacturing
Introdução ao Lean manufacturingIntrodução ao Lean manufacturing
Introdução ao Lean manufacturing
 
Just in-time-kaizen-shigeo-shingo
Just in-time-kaizen-shigeo-shingoJust in-time-kaizen-shigeo-shingo
Just in-time-kaizen-shigeo-shingo
 
Junior achievement
Junior achievementJunior achievement
Junior achievement
 
Administração de Produção II
Administração de Produção IIAdministração de Produção II
Administração de Produção II
 
Vantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin timeVantagens e desvantagens do justin time
Vantagens e desvantagens do justin time
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
Just in time (jit)
Just in time (jit)Just in time (jit)
Just in time (jit)
 
A visão dos pomares de macieiras para 2020 será mesmo a mecanização?
A visão dos pomares de macieiras para 2020 será mesmo a mecanização?A visão dos pomares de macieiras para 2020 será mesmo a mecanização?
A visão dos pomares de macieiras para 2020 será mesmo a mecanização?
 
Apresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean ManufacturingApresentação Lean Manufacturing
Apresentação Lean Manufacturing
 
Papo de produção #4: OEE na prática
Papo de produção #4: OEE na práticaPapo de produção #4: OEE na prática
Papo de produção #4: OEE na prática
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
 

Mais de Philippe Elias

Apresentacao supplier park rev2
Apresentacao   supplier park rev2Apresentacao   supplier park rev2
Apresentacao supplier park rev2
Philippe Elias
 
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do ProdutoDesign e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Philippe Elias
 
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Philippe Elias
 
Estimativas de Observações de Tempos
Estimativas de Observações de TemposEstimativas de Observações de Tempos
Estimativas de Observações de Tempos
Philippe Elias
 
Objetivos de Desempenho - Parte 1
Objetivos de Desempenho - Parte 1Objetivos de Desempenho - Parte 1
Objetivos de Desempenho - Parte 1
Philippe Elias
 
Toyotismo - Primeira Parte
Toyotismo - Primeira ParteToyotismo - Primeira Parte
Toyotismo - Primeira Parte
Philippe Elias
 

Mais de Philippe Elias (6)

Apresentacao supplier park rev2
Apresentacao   supplier park rev2Apresentacao   supplier park rev2
Apresentacao supplier park rev2
 
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do ProdutoDesign e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
Design e Estética do Produto - Planejamento e Projeto do Produto
 
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
Monografia TCC Eng Produção - Desenvolvimento de um Aplicativo Móvel para Aná...
 
Estimativas de Observações de Tempos
Estimativas de Observações de TemposEstimativas de Observações de Tempos
Estimativas de Observações de Tempos
 
Objetivos de Desempenho - Parte 1
Objetivos de Desempenho - Parte 1Objetivos de Desempenho - Parte 1
Objetivos de Desempenho - Parte 1
 
Toyotismo - Primeira Parte
Toyotismo - Primeira ParteToyotismo - Primeira Parte
Toyotismo - Primeira Parte
 

Último

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (7)

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

7 Toyotismo - Continuação

  • 1. Toyotismo Continuação Universidade Federal da Paraíba Campus I – Centro de Tecnologia Curso de Graduação em Engenharia de Produção Prof. MSc. Marcel de Gois Pinto Profª. MSc. Mariana Moura Nóbrega
  • 3. Nas aulas anteriores vimos... O Toyotismo procura combinar as vantagens da produção artesanal com as da produção em massa
  • 4. Nas aulas anteriores vimos... O Toyotismo procura combinar as vantagens da produção artesanal com as da produção em massa Fabril Manufa- Artesanal Produção Produção tureiro em massa enxuta Volume de produção Versatilidade ferramentas, máquinas e equipamentos Conteúdo do trabalho Qualificação da MDO Variedade de produtos
  • 5. Nas aulas anteriores vimos... O Toyotismo procura combinar as vantagens da produção artesanal com as da produção em massa Fabril Manufa- Artesanal Produção Produção tureiro em massa enxuta Volume de produção Versatilidade ferramentas, máquinas e equipamentos Conteúdo do trabalho Qualificação da MDO Variedade de produtos
  • 6. Nas aulas anteriores vimos...  Bases da Produção Enxuta
  • 7. Nas aulas anteriores vimos...  Bases da Produção Enxuta Princípio do não custo Just-in-time - JIT Autonomação - Jidoka Envolvimento da força de trabalho Processo X Operação
  • 8. Nas aulas anteriores vimos...  Bases da Produção Enxuta O objetivo da Produção Enxuta Princípio do LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da não custo eliminação das perdas. Just-in-time - JIT Autonomação - Jidoka Envolvimento da força de trabalho Processo X Operação
  • 9. Nas aulas anteriores vimos...  Bases da Produção Enxuta O objetivo da Produção Enxuta Princípio do LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da não custo eliminação das perdas. Just-in-time - JIT  Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no momento certo, na quantidade certa e no local certo. Autonomação - Jidoka Envolvimento da força de trabalho Processo X Operação
  • 10. Nas aulas anteriores vimos...  Bases da Produção Enxuta O objetivo da Produção Enxuta Princípio do LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da não custo eliminação das perdas. Just-in-time - JIT  Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no momento certo, na quantidade certa e no local certo.  Máquinas e operadores têm autonomia para interromper Autonomação - a produção quando a quantidade programada é atingida Jidoka ou alguma anomalia é detectada. Envolvimento da força de trabalho Processo X Operação
  • 11. Nas aulas anteriores vimos...  Bases da Produção Enxuta O objetivo da Produção Enxuta Princípio do LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da não custo eliminação das perdas. Just-in-time - JIT  Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no momento certo, na quantidade certa e no local certo.  Máquinas e operadores têm autonomia para interromper Autonomação - a produção quando a quantidade programada é atingida Jidoka ou alguma anomalia é detectada.  Emprego vitalício, remuneração por tempo de serviço, Envolvimento da participação nos lucros, treinamento, multifuncionalidade, força de trabalho comprometimento, trabalho em equipe Processo X Operação
  • 12. Nas aulas anteriores vimos...  Bases da Produção Enxuta O objetivo da Produção Enxuta Princípio do LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da não custo eliminação das perdas. Just-in-time - JIT  Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no momento certo, na quantidade certa e no local certo.  Máquinas e operadores têm autonomia para interromper Autonomação - a produção quando a quantidade programada é atingida Jidoka ou alguma anomalia é detectada.  Emprego vitalício, remuneração por tempo de serviço, Envolvimento da participação nos lucros, treinamento, multifuncionalidade, força de trabalho comprometimento, trabalho em equipe Processo X Para maximizar a eficiência da produção, melhorar Operação primeiro o processo, depois as operações.
  • 13. Nas aulas anteriores vimos...  Bases da Produção Enxuta O objetivo da Produção Enxuta Princípio do LUCRO = PREÇO – CUSTO é aumentar os lucros através da não custo eliminação das perdas. Just-in-time - JIT  Cada processo deve ser suprido com os itens certos, no momento certo, na quantidade certa e no local certo.  Máquinas e operadores têm autonomia para interromper Autonomação - a produção quando a quantidade programada é atingida Jidoka ou alguma anomalia é detectada.  Emprego vitalício, remuneração por tempo de serviço, Envolvimento da participação nos lucros, treinamento, multifuncionalidade, força de trabalho comprometimento, trabalho em equipe Processo X Para maximizar a eficiência da produção, melhorar Operação primeiro o processo, depois as operações.
  • 14. Nas aulas anteriores vimos...  As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA)
  • 15. Nas aulas anteriores vimos...  As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA) Superprodução
  • 16. Nas aulas anteriores vimos...  As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA) Estoque Superprodução
  • 17. Nas aulas anteriores vimos...  As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA) Estoque Superprodução Defeitos
  • 18. Nas aulas anteriores vimos...  As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA) Estoque Superprodução Transporte Defeitos
  • 19. Nas aulas anteriores vimos...  As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA) Estoque Superprodução Espera Transporte Defeitos
  • 20. Nas aulas anteriores vimos...  As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA) Movimentação Estoque Superprodução Espera Transporte Defeitos
  • 21. Nas aulas anteriores vimos...  As 7 categorias de perdas ou desperdícios (MUDA) Movimentação Processamento desnecessário Estoque Superprodução Espera Transporte Defeitos
  • 22. Toyotismo Críticas ao Toyotismo  Busca pela perfeição através de custos sempre declinantes, ausência de estoques e itens defeituosos e com uma alta variedade de produtos.  Estrutura flexível: contratação de trabalhadores pouco qualificados, temporários ou subcontratados.  Aprendizagem exigida no processo ocorrer em poucos dias, pois o serviço oferecido geralmente é simples e padronizado  Multifuncionalidade  Diversas funções simples e padronizadas  Aumento da intensidade do trabalho  Aumento da responsabilidade => stress  De acordo com o autor, ao invés do trabalhador polivalente se sentir mais seguro, ao ter um maior acesso aos “macetes” e conseqüentemente um poder maior do próprio meio de trabalho, o contrário ocorre, uma vez
  • 23. Toyotismo Continuação Universidade Federal da Paraíba Campus I – Centro de Tecnologia Curso de Graduação em Engenharia de Produção Prof. MSc. Marcel de Gois Pinto Profª. MSc. Mariana Moura Nóbrega