SlideShare uma empresa Scribd logo
  S Expressão da Sexualidade na Adolescência
Sexualidade    é... A necessidade de buscar sensações bem-estar, prazer, afeto, contato, carinho, que todo ser humano tem. AS  A SEXUALIDADE  É  NATURAL !
A Sexualidade se    expressa positivamente ... De várias formas: . bem-estar, alegria, estímulo . desejos, fantasias  . curiosidade do outro, relacionamentos . amizade, amor . afeto, carinho . contato físico, sexo . sensibilidade, prazer S A  SEXUALIDADE  TEM POSSIBILIDADES  INFINITAS !
Em todas as fases da vida: antes do nascimento quando bebês em criança na adolescência na juventude na vida adulta na maturidade quando envelhecemos A Sexualidade    está presente... S A SEXUALIDADE  É  UNIVERSAL !
A Sexualidade   se desenvolve... Durante os momentos em que: estamos dentro do útero nascemos mamamos eliminamos excreções aprendemos a falar, brincar no contato com nosso corpo no desenvolvimento físico e emocional no contato com os outros S A  SEXUALIDADE  ACUMULA SENSAÇÕES!
S Não se costuma falar    em Sexualidade... Porque as pessoas: não foram educadas a conhecê-la aprendem que é feia/errada/perigosa se sentem com vergonha ou tímidas desconhecem seu próprio corpo a tratam de forma superficial não sabem como abordá-la A SEXUALIDADE  É  SAUDÁVEL !
Os adultos definem que as crianças, pré-adolescentes e adolescentes... Se comportem dentro do que é definido como PADRÃO CORRETO –  no jeito de ser no seu comportamento no seu sentir IDÉIA DE PUREZA  ASSEXUADA S A SEXUALIDADE INFANTIL, PRÉ-ADOLESCENTE E ADOLESCENTE É IGNORADA
Na pré-   adolescência... Os hormônios sexuais e de crescimento modificam o corpo e a forma de sentir e perceber as coisas: o corpo se transforma inicia a mudança dos órgãos sexuais ocorre a ativação  do feromônio – buscar  surge o interesse pelo OUTRO Surge a vontade de contato  surge o desejo sexual S É HORA FALAR SOBRE O CUIDADO CONSIGO E COM OS OUTROS! A PARTIR DA PUBERDADE
São os risco, problemas, doenças ou inconvenientes que podem ser vividos pelo indivíduo, por vários motivos: Questões pessoais  (vulnerabilidade individual) Questões sócio-culturais  (vulnerabilidade social) Questões político-programáticas  (vulnerabilidade programática) Vulnerabilidade Sexual... CONCEITO   6
Porquê: É um período de mudanças físicas e adaptação ao novo jeito de ser; É um momento de mudanças psíquicas de construção da identidade; Os interesses sociais passam a estar fora de casa e do âmbito da família, no convívio com pares semelhantes; Ainda há inabilidade e inexperiência da pessoa para lidar com as situações; A sobrecarga hormonal produz sensação de agitação, instabilidade segurança, atração física e instabilidade. Adolescência Vulnerável    sexualmente...
São basicamente: Gravidez Não-Planeja, que pode ou não tornar-se indesejada; Casos de aborto; Casos de abandono do bebê; Infecção por doenças sexualmente transmissíveis, incluindo a AIDS, que podem resultar em: infecções, abortos, esterilidade, perda de órgãos, câncer, mal-formação fetal e aborto. Riscos ligados à prática    sexual...
Se impõem mais fortemente a cultura: Crianças e pré- adolescentes vinham sendo vistos como assexuados; Adolescência é vista como um problema; Sociedade acha que sexualidade na adolescência é errada e deve ser evitada; Machismos A dificuldade de orientações, espaços, acesso a métodos. Enquanto isso, a resposta social... SOMA-SE A ISSO A SITUAÇÃO DE  DEPENDÊNCIA FINANCEIRA .
Portanto, a própria cultura da sociedade “empurra” os adolescentes” para viver situações de risco: Vão ter relações sem planejar; Não vão estar portanto ou usando contraceptivos (principalmente as meninas; Não vão estar portando preservativos (já que serviços dificultam acesso) e eles têm pouco dinheiro; Vão transar quando e onde der. Vivência do Risco SOMA-SE A ISSO A SITUAÇÃO DE  DEPENDÊNCIA FINANCEIRA .
Nossas bisavós:   gravidez entre 14 e 16 anos Índias:  gravidez entre 13 e 15 anos Tribos africanas:  gravidez entre 13 e 15 anos  Povos do Oriente:  gravidez entre 14 e 16 anos  Esquimós : gravidez entre 15 e 16 anos
No Brasil 70% da população vivia no campo até 1940: Ter filhos no campo: .....é só plantar mais que há comida
De 1970 até hoje: Migração para a cidade:   .....70% da população vive nos grandes centros urbanos Filhos na cidade:   ...têm que haver trabalho e salário para comprar comida  ... é muito custoso ...precisa de creches
Por isso as populações urbanas sempre desenvolveram formas de prevenir a gravidez cedo: Na Europa:  urbanização ocorreu 200 anos antes que no Brasil (1700 e pouco) Brasil:  1900 e pouco
Formas de prevenção em cima da repressão à mulher   Propagar a virgindade: “sexo é feio/pecado” Manter a mulher dentro de casa  Vigiar meninas com parentes ou empregados Impedi-las de estudar e participar da vida pública  Separação das escolas por sexo Grávidas eram casadas a força para escondê-las da sociedade
Não há  Cidadania  e  nem  Direitos Humanos   para a mulher com essas formas unilaterais de prevenção à gravidez   Meninos continuaram a poder fazer sexo:  ... com escravas, empregadas, prostitutas
Para manter uma maioria  de mulheres adolescentes e jovens sem sexo: ...a sociedade fez vista-grossa  para o USO de  algumas  mulheres  só para o sexo ( isso dissociou a responsabilidade dos homens com relação à gravidez, contracepção e cuidado com os filhos)
Formas de prevenção mais  democráticas,  ... envolvendo tanto a mulher quanto o homem Orientar o uso de métodos e técnicas acumulados pelo conhecimento humano O que fazer Hoje?
Educação Sexual:  impacto de 20% de redução nas gestações indesejadas  Informação e acesso a métodos contraceptivos:  impacto de 60% de redução nas gestações não-planejadas Métodos e Técnicas Acumuladas pelo Ser Humano para Prevenção da Gravidez:
DIREITOS SEXUAIS  E REPRODUTIVOS:   É a garantia de acesso ao bem-estar e ao exercício da sexualidade prazerosa por todas as pessoas durante toda a vida: - Direito à Informação   - Autonomia e Decisão   - Liberdade de Vivências    - Garantia à Saúde   - Respeito e Segurança 9 O S DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS  SÃO DIREITOS HUMANOS!  CONCEITO  7
Ajudar os Adolescentes a se tornarem Pessoas Sexualmente  conscientes e independentes... Na vida adulta, toda pessoa deve poder ter condições para: refletir sobre sua sexualidade escolher COMO vai exercer sua sexualidade decidir com QUEM vai dividir sua sexualidade ter acesso a informações e meios para desfrutar da sexualidade da melhor forma possível S ISSO FAZ COM QUE A PESSOA SE TORNE UM SUJEITO SEXUAL!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescência
Lilia Braga
 
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodosDireitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Tharas On Line
 
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Fábio Fernandes
 
Educação sexual e prevenção slides
Educação sexual e prevenção   slidesEducação sexual e prevenção   slides
Educação sexual e prevenção slides
Valentinacarvalho
 
Educacao sexual preventiva. buzios
Educacao sexual preventiva. buziosEducacao sexual preventiva. buzios
Educacao sexual preventiva. buzios
Vitória S
 
Psicologia slide sexualidade 2
Psicologia slide sexualidade 2Psicologia slide sexualidade 2
Psicologia slide sexualidade 2
Patrick Santos
 
Projeto educação Sexual
Projeto educação SexualProjeto educação Sexual
Projeto educação Sexual
Luana Santos
 
Educação sexual na_escola_jovens_2014
Educação sexual na_escola_jovens_2014Educação sexual na_escola_jovens_2014
Educação sexual na_escola_jovens_2014
SMEdeItabaianinha
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Alinebrauna Brauna
 
Trabalho sobre Sexualidade
Trabalho sobre SexualidadeTrabalho sobre Sexualidade
Trabalho sobre Sexualidade
Cocax8
 
Educação sexual
Educação sexualEducação sexual
Educação sexual
Fernnandaok
 
OrientaçãO Sexual
OrientaçãO SexualOrientaçãO Sexual
OrientaçãO Sexual
Maristela Couto
 
Dimensões da sexulidade estereotipos de género
Dimensões da sexulidade estereotipos de géneroDimensões da sexulidade estereotipos de género
Dimensões da sexulidade estereotipos de género
José António Farias
 
Namoro na adolescencia
Namoro na adolescenciaNamoro na adolescencia
Namoro na adolescencia
Vilcelino Phiuki
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
Felipe Spessatto
 
8º ano
8º ano8º ano
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovoA sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
Vera Gama
 
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Thiago de Almeida
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
Yanomami Lima Marinho
 
Adolescencia e sexualidade (1)
Adolescencia e sexualidade (1)Adolescencia e sexualidade (1)
Adolescencia e sexualidade (1)
Lulusinhah
 

Mais procurados (20)

A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescência
 
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodosDireitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
Direitos sexuais, direitos reprodutivos e métodos
 
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
Direitos reprodutivos e direitos sexuais.
 
Educação sexual e prevenção slides
Educação sexual e prevenção   slidesEducação sexual e prevenção   slides
Educação sexual e prevenção slides
 
Educacao sexual preventiva. buzios
Educacao sexual preventiva. buziosEducacao sexual preventiva. buzios
Educacao sexual preventiva. buzios
 
Psicologia slide sexualidade 2
Psicologia slide sexualidade 2Psicologia slide sexualidade 2
Psicologia slide sexualidade 2
 
Projeto educação Sexual
Projeto educação SexualProjeto educação Sexual
Projeto educação Sexual
 
Educação sexual na_escola_jovens_2014
Educação sexual na_escola_jovens_2014Educação sexual na_escola_jovens_2014
Educação sexual na_escola_jovens_2014
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
 
Trabalho sobre Sexualidade
Trabalho sobre SexualidadeTrabalho sobre Sexualidade
Trabalho sobre Sexualidade
 
Educação sexual
Educação sexualEducação sexual
Educação sexual
 
OrientaçãO Sexual
OrientaçãO SexualOrientaçãO Sexual
OrientaçãO Sexual
 
Dimensões da sexulidade estereotipos de género
Dimensões da sexulidade estereotipos de géneroDimensões da sexulidade estereotipos de género
Dimensões da sexulidade estereotipos de género
 
Namoro na adolescencia
Namoro na adolescenciaNamoro na adolescencia
Namoro na adolescencia
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
 
8º ano
8º ano8º ano
8º ano
 
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovoA sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
 
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
 
Orientacao sexual
Orientacao sexualOrientacao sexual
Orientacao sexual
 
Adolescencia e sexualidade (1)
Adolescencia e sexualidade (1)Adolescencia e sexualidade (1)
Adolescencia e sexualidade (1)
 

Destaque

Questões objetivas enem 8 a
Questões objetivas   enem 8 aQuestões objetivas   enem 8 a
Questões objetivas enem 8 a
Diego Prezia
 
A importância dos conceitos.
A importância dos conceitos.A importância dos conceitos.
A importância dos conceitos.
Fábio Fernandes
 
Practica 12
Practica 12Practica 12
Practica 12
Looye
 
Informativo IAB Chile Noviembre 2008
Informativo IAB Chile Noviembre 2008Informativo IAB Chile Noviembre 2008
Informativo IAB Chile Noviembre 2008
IAB Chile
 
Deber Andrea Gordillo
Deber Andrea GordilloDeber Andrea Gordillo
Deber Andrea Gordillo
Andrea Gordillo
 
Criação e Redação 005
Criação e Redação 005Criação e Redação 005
Criação e Redação 005
Rafael Naruto
 
Informativo IAB Chile Junio 2010
Informativo IAB Chile Junio 2010Informativo IAB Chile Junio 2010
Informativo IAB Chile Junio 2010
IAB Chile
 
Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.
Fábio Fernandes
 
Regras da sala
Regras da salaRegras da sala
Regras da sala
Diego Prezia
 
GUÍA DE LECTURA PARA O VERÁN
GUÍA DE LECTURA PARA O VERÁNGUÍA DE LECTURA PARA O VERÁN
GUÍA DE LECTURA PARA O VERÁN
iesmarquesdesargadelos
 
Lagarta comilona[1]
Lagarta comilona[1]Lagarta comilona[1]
Lagarta comilona[1]
Milena Castro
 
¿Te has preguntado qué están diciendo de tu marca en este momento? Claudio Bruna
¿Te has preguntado qué están diciendo de tu marca en este momento? Claudio Bruna¿Te has preguntado qué están diciendo de tu marca en este momento? Claudio Bruna
¿Te has preguntado qué están diciendo de tu marca en este momento? Claudio Bruna
IAB Chile
 
Unidade 1 – capítulo 1 9's
Unidade 1 – capítulo 1 9'sUnidade 1 – capítulo 1 9's
Unidade 1 – capítulo 1 9's
Diego Prezia
 
Practica 21
Practica 21Practica 21
Practica 21
Looye
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
JoJuGame
 
Livro de Iniciação da SOUST
Livro de Iniciação da SOUSTLivro de Iniciação da SOUST
Livro de Iniciação da SOUST
Observatório Sideral
 
Proyecto
ProyectoProyecto
Proyecto
AngieLoranca
 
Come bien come_de_todo
Come bien come_de_todoCome bien come_de_todo
Come bien come_de_todo
las4guais
 

Destaque (20)

Questões objetivas enem 8 a
Questões objetivas   enem 8 aQuestões objetivas   enem 8 a
Questões objetivas enem 8 a
 
A importância dos conceitos.
A importância dos conceitos.A importância dos conceitos.
A importância dos conceitos.
 
Practica 12
Practica 12Practica 12
Practica 12
 
Informativo IAB Chile Noviembre 2008
Informativo IAB Chile Noviembre 2008Informativo IAB Chile Noviembre 2008
Informativo IAB Chile Noviembre 2008
 
Deber Andrea Gordillo
Deber Andrea GordilloDeber Andrea Gordillo
Deber Andrea Gordillo
 
Criação e Redação 005
Criação e Redação 005Criação e Redação 005
Criação e Redação 005
 
Informativo IAB Chile Junio 2010
Informativo IAB Chile Junio 2010Informativo IAB Chile Junio 2010
Informativo IAB Chile Junio 2010
 
Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.Educação, raça e gênero.
Educação, raça e gênero.
 
Regras da sala
Regras da salaRegras da sala
Regras da sala
 
GUÍA DE LECTURA PARA O VERÁN
GUÍA DE LECTURA PARA O VERÁNGUÍA DE LECTURA PARA O VERÁN
GUÍA DE LECTURA PARA O VERÁN
 
Presentación1s
Presentación1sPresentación1s
Presentación1s
 
Lagarta comilona[1]
Lagarta comilona[1]Lagarta comilona[1]
Lagarta comilona[1]
 
¿Te has preguntado qué están diciendo de tu marca en este momento? Claudio Bruna
¿Te has preguntado qué están diciendo de tu marca en este momento? Claudio Bruna¿Te has preguntado qué están diciendo de tu marca en este momento? Claudio Bruna
¿Te has preguntado qué están diciendo de tu marca en este momento? Claudio Bruna
 
Unidade 1 – capítulo 1 9's
Unidade 1 – capítulo 1 9'sUnidade 1 – capítulo 1 9's
Unidade 1 – capítulo 1 9's
 
Practica 21
Practica 21Practica 21
Practica 21
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Cuento
CuentoCuento
Cuento
 
Livro de Iniciação da SOUST
Livro de Iniciação da SOUSTLivro de Iniciação da SOUST
Livro de Iniciação da SOUST
 
Proyecto
ProyectoProyecto
Proyecto
 
Come bien come_de_todo
Come bien come_de_todoCome bien come_de_todo
Come bien come_de_todo
 

Semelhante a 4sexualidade carlette

SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
Jose Camara
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
EdnaBaslio
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
NaiaraMendes13
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
NaiaraMendes13
 
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescênciaSexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
AnaMoura323023
 
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovensSexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
AnaMoura323023
 
Workshop sexualidade e deficiência
Workshop  sexualidade e deficiênciaWorkshop  sexualidade e deficiência
Workshop sexualidade e deficiência
SER_2011
 
faça bonito 18 de maio - Copia.pptx
faça bonito 18 de maio - Copia.pptxfaça bonito 18 de maio - Copia.pptx
faça bonito 18 de maio - Copia.pptx
FernandoPimenta19
 
Oficina sexualidade ot
Oficina sexualidade otOficina sexualidade ot
Oficina sexualidade ot
georgerlanio
 
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Fernanda Rezende Pedroza
 
Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
Dhilma Freitas
 
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.110   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
E.E Profª Laurentina Lorena Correa da Silva e Professor Edson Batista
 
Adole sc entes - prevenção à violência sexual
Adole sc entes - prevenção à violência sexualAdole sc entes - prevenção à violência sexual
Adole sc entes - prevenção à violência sexual
Onésimo Remígio
 
Slide erotização
Slide erotizaçãoSlide erotização
Slide erotização
kady2014
 
2ºc
2ºc2ºc
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptxPSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
MaysaCarlaDaConceioS
 
Pes palestra eduacacao_sexual_para-pais
Pes palestra eduacacao_sexual_para-paisPes palestra eduacacao_sexual_para-pais
Pes palestra eduacacao_sexual_para-pais
Pelo Siro
 
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptxSexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
PatriciaDaSilvaMunho
 
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptxgravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
PauloEmerson5
 
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Pastora Vanessa
 

Semelhante a 4sexualidade carlette (20)

SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
 
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptxadolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
adolescencia(s) juventudes(s) final.pptx
 
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescênciaSexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
 
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovensSexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
 
Workshop sexualidade e deficiência
Workshop  sexualidade e deficiênciaWorkshop  sexualidade e deficiência
Workshop sexualidade e deficiência
 
faça bonito 18 de maio - Copia.pptx
faça bonito 18 de maio - Copia.pptxfaça bonito 18 de maio - Copia.pptx
faça bonito 18 de maio - Copia.pptx
 
Oficina sexualidade ot
Oficina sexualidade otOficina sexualidade ot
Oficina sexualidade ot
 
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
 
Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
 
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.110   of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
0 of.pedagogica-pmec diversidade-sexual-03.5.11
 
Adole sc entes - prevenção à violência sexual
Adole sc entes - prevenção à violência sexualAdole sc entes - prevenção à violência sexual
Adole sc entes - prevenção à violência sexual
 
Slide erotização
Slide erotizaçãoSlide erotização
Slide erotização
 
2ºc
2ºc2ºc
2ºc
 
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptxPSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
PSICOLOGIA DA EDUCACAO - SEXUALIZACAO.pptx
 
Pes palestra eduacacao_sexual_para-pais
Pes palestra eduacacao_sexual_para-paisPes palestra eduacacao_sexual_para-pais
Pes palestra eduacacao_sexual_para-pais
 
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptxSexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
Sexualidade infantil_ como abordar o tema na escola.pptx
 
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptxgravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
gravideznaadolescencia-130713014950-phpapp01.pptx
 
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
Cartilha prevenção ao abuso sexual_sedh_1512
 

4sexualidade carlette

  • 1. S Expressão da Sexualidade na Adolescência
  • 2. Sexualidade é... A necessidade de buscar sensações bem-estar, prazer, afeto, contato, carinho, que todo ser humano tem. AS A SEXUALIDADE É NATURAL !
  • 3. A Sexualidade se expressa positivamente ... De várias formas: . bem-estar, alegria, estímulo . desejos, fantasias . curiosidade do outro, relacionamentos . amizade, amor . afeto, carinho . contato físico, sexo . sensibilidade, prazer S A SEXUALIDADE TEM POSSIBILIDADES INFINITAS !
  • 4. Em todas as fases da vida: antes do nascimento quando bebês em criança na adolescência na juventude na vida adulta na maturidade quando envelhecemos A Sexualidade está presente... S A SEXUALIDADE É UNIVERSAL !
  • 5. A Sexualidade se desenvolve... Durante os momentos em que: estamos dentro do útero nascemos mamamos eliminamos excreções aprendemos a falar, brincar no contato com nosso corpo no desenvolvimento físico e emocional no contato com os outros S A SEXUALIDADE ACUMULA SENSAÇÕES!
  • 6. S Não se costuma falar em Sexualidade... Porque as pessoas: não foram educadas a conhecê-la aprendem que é feia/errada/perigosa se sentem com vergonha ou tímidas desconhecem seu próprio corpo a tratam de forma superficial não sabem como abordá-la A SEXUALIDADE É SAUDÁVEL !
  • 7. Os adultos definem que as crianças, pré-adolescentes e adolescentes... Se comportem dentro do que é definido como PADRÃO CORRETO – no jeito de ser no seu comportamento no seu sentir IDÉIA DE PUREZA ASSEXUADA S A SEXUALIDADE INFANTIL, PRÉ-ADOLESCENTE E ADOLESCENTE É IGNORADA
  • 8. Na pré- adolescência... Os hormônios sexuais e de crescimento modificam o corpo e a forma de sentir e perceber as coisas: o corpo se transforma inicia a mudança dos órgãos sexuais ocorre a ativação do feromônio – buscar surge o interesse pelo OUTRO Surge a vontade de contato surge o desejo sexual S É HORA FALAR SOBRE O CUIDADO CONSIGO E COM OS OUTROS! A PARTIR DA PUBERDADE
  • 9. São os risco, problemas, doenças ou inconvenientes que podem ser vividos pelo indivíduo, por vários motivos: Questões pessoais (vulnerabilidade individual) Questões sócio-culturais (vulnerabilidade social) Questões político-programáticas (vulnerabilidade programática) Vulnerabilidade Sexual... CONCEITO 6
  • 10. Porquê: É um período de mudanças físicas e adaptação ao novo jeito de ser; É um momento de mudanças psíquicas de construção da identidade; Os interesses sociais passam a estar fora de casa e do âmbito da família, no convívio com pares semelhantes; Ainda há inabilidade e inexperiência da pessoa para lidar com as situações; A sobrecarga hormonal produz sensação de agitação, instabilidade segurança, atração física e instabilidade. Adolescência Vulnerável sexualmente...
  • 11. São basicamente: Gravidez Não-Planeja, que pode ou não tornar-se indesejada; Casos de aborto; Casos de abandono do bebê; Infecção por doenças sexualmente transmissíveis, incluindo a AIDS, que podem resultar em: infecções, abortos, esterilidade, perda de órgãos, câncer, mal-formação fetal e aborto. Riscos ligados à prática sexual...
  • 12. Se impõem mais fortemente a cultura: Crianças e pré- adolescentes vinham sendo vistos como assexuados; Adolescência é vista como um problema; Sociedade acha que sexualidade na adolescência é errada e deve ser evitada; Machismos A dificuldade de orientações, espaços, acesso a métodos. Enquanto isso, a resposta social... SOMA-SE A ISSO A SITUAÇÃO DE DEPENDÊNCIA FINANCEIRA .
  • 13. Portanto, a própria cultura da sociedade “empurra” os adolescentes” para viver situações de risco: Vão ter relações sem planejar; Não vão estar portanto ou usando contraceptivos (principalmente as meninas; Não vão estar portando preservativos (já que serviços dificultam acesso) e eles têm pouco dinheiro; Vão transar quando e onde der. Vivência do Risco SOMA-SE A ISSO A SITUAÇÃO DE DEPENDÊNCIA FINANCEIRA .
  • 14. Nossas bisavós: gravidez entre 14 e 16 anos Índias: gravidez entre 13 e 15 anos Tribos africanas: gravidez entre 13 e 15 anos Povos do Oriente: gravidez entre 14 e 16 anos Esquimós : gravidez entre 15 e 16 anos
  • 15. No Brasil 70% da população vivia no campo até 1940: Ter filhos no campo: .....é só plantar mais que há comida
  • 16. De 1970 até hoje: Migração para a cidade: .....70% da população vive nos grandes centros urbanos Filhos na cidade: ...têm que haver trabalho e salário para comprar comida ... é muito custoso ...precisa de creches
  • 17. Por isso as populações urbanas sempre desenvolveram formas de prevenir a gravidez cedo: Na Europa: urbanização ocorreu 200 anos antes que no Brasil (1700 e pouco) Brasil: 1900 e pouco
  • 18. Formas de prevenção em cima da repressão à mulher Propagar a virgindade: “sexo é feio/pecado” Manter a mulher dentro de casa Vigiar meninas com parentes ou empregados Impedi-las de estudar e participar da vida pública Separação das escolas por sexo Grávidas eram casadas a força para escondê-las da sociedade
  • 19. Não há Cidadania e nem Direitos Humanos para a mulher com essas formas unilaterais de prevenção à gravidez Meninos continuaram a poder fazer sexo: ... com escravas, empregadas, prostitutas
  • 20. Para manter uma maioria de mulheres adolescentes e jovens sem sexo: ...a sociedade fez vista-grossa para o USO de algumas mulheres só para o sexo ( isso dissociou a responsabilidade dos homens com relação à gravidez, contracepção e cuidado com os filhos)
  • 21. Formas de prevenção mais democráticas, ... envolvendo tanto a mulher quanto o homem Orientar o uso de métodos e técnicas acumulados pelo conhecimento humano O que fazer Hoje?
  • 22. Educação Sexual: impacto de 20% de redução nas gestações indesejadas Informação e acesso a métodos contraceptivos: impacto de 60% de redução nas gestações não-planejadas Métodos e Técnicas Acumuladas pelo Ser Humano para Prevenção da Gravidez:
  • 23. DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS: É a garantia de acesso ao bem-estar e ao exercício da sexualidade prazerosa por todas as pessoas durante toda a vida: - Direito à Informação - Autonomia e Decisão - Liberdade de Vivências - Garantia à Saúde - Respeito e Segurança 9 O S DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS SÃO DIREITOS HUMANOS! CONCEITO 7
  • 24. Ajudar os Adolescentes a se tornarem Pessoas Sexualmente conscientes e independentes... Na vida adulta, toda pessoa deve poder ter condições para: refletir sobre sua sexualidade escolher COMO vai exercer sua sexualidade decidir com QUEM vai dividir sua sexualidade ter acesso a informações e meios para desfrutar da sexualidade da melhor forma possível S ISSO FAZ COM QUE A PESSOA SE TORNE UM SUJEITO SEXUAL!