SlideShare uma empresa Scribd logo
4.2 A entrada na Piscina
A entrada na piscina pode ser feita por vários métodos entre eles estão:
. Degraus;
. Rampas;
. Guindastes;
. Lateral.
Os degraus que conduzem para dentro da piscina devem estar situados na
extremidade mais rasa e devem ser confinados a esse local, de modo que a área de
trabalho da piscina seja mantida livre. Skinner e Thomson defendem um tamanho de
degrau de 15 cm de altura por 30 cm de profundidade e largura de 60 cm. De modo
que seja possível segurar nos corrimões em ambos os lados da escada. As bordas
anteriores devem estar marcadas de forma clara, preferencialmente por azulejos com
cores diferentes. A piscina elevada por outro lado aconselha o uso de uma plataforma
no topo dos degraus e outro lance de degraus para o deque.
As rampas ocupam um espaço considerável e tendem a dispersar a água,
aumentando a turbulência. No entanto podem facilitar a entrada na água de cadeiras
de rodas. A inclinação não deve ser escorregadia.
Existe 3 tipos principais de guindastes que são o Mecânico, Hidráulico e
Elétrico. E podem encaixar uma maca, um assento ou ambos, de Maneira ideal para
que sejam operados.
- Guindastes Mecânicos:Não são utilizados de maneira tão comum atualmente,
mas podem ser valiosos em áreas de piscinas pequenas ou quando a verba é limitada.
- Guindastes Hidráulicos: Podem ser lentos para a sua utilização na sua suspen-
são ou abaixamento podendo representar dificuldades durante uma emergência em
que a remoção de uma pessoa da água é vital.
Independente de qual é utilizado é necessário que ele esteja na parte mais rasa
da piscina e possua um espaço livre ao redor, permitindo um giro completo de 360º.
A entrada Lateral do paciente a piscina, sendo elas:
- Entrada Sentada: o paciente fica sentado na borda da piscina enquanto
o fisioterapeuta já se encontra dentro desta, fazendo com que o paciente estique
os braços para frente apoiando as mãos no ombro do fisioterapeuta, as mãos do
fisioterapeuta são posicionadas nas costas, logo abaixo da borda inferior da escapula
do paciente, trazendo – o parafrente.
- Entrada mãos sobre mãos: Paciente senta na borda da piscina e o fisiote-
rapeuta se coloca em uma posição de investida diagonal a um lado do paciente. O
fisioterapeuta, segura o braço do paciente do lado oposto ao qual ele está de pé,com
o braço que está mais próximo dela. Realiza um apoio com a mão em forma de concha,
posicionando embaixo do braço superior do paciente, então ele coloca a mão sobre o
braço do Fisioterapeuta.
Entre essas formas existem também a Entrada Sentada com lacuna entre
as mãos do paciente e as do fisioterapeuta, Entrada Independente caindo para frente
e a Entrada Independente com rotação lateral sobre as costas. Entrada – Rotação
combinada.
A entrada de pessoas onde exista patologia severaoFisioterapeutaseencontra
na água em uma posição de investida. O pé anterior está próximo da parede e sustenta
o peso do corpo. O paciente é trazido para a borda da piscina por um movimento de
balanço em que o peso do corpo é transferido de um lado para o outro. Quando o peso
do corpo for retirado de um quadril o fisioterapeuta facilitará um movimento para frente
daquele quadril e perna.
E este pode também entrar se não existir patogenia pela escada da piscina
em que o fisioterapeuta irá entrar primeiramente, o auxiliando a cada degrau que o
paciente descer, e o ‘pegar’, quando esta estiver totalmente dentro da piscina.
Os arredores da piscina devem ser suficientemente amplos para acomodar
cadeiras de rodas e macas, que necessitam de um diâmetro para variar de 2m, sendo
fornecido em dois lados da piscina e estas áreas devem estar livres de quaisquer riscos.
A inclinação da superfície antideslizante vai assegurar que a água seja drenada da
borda da piscina.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 4.2+entrada++aps

Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Cleanto Santos Vieira
 
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptxAula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
NadjaAndrade5
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
Ana Karoline
 
Natacao.paula romão.sílvinapais
Natacao.paula romão.sílvinapaisNatacao.paula romão.sílvinapais
Natacao.paula romão.sílvinapais
Maria João Vasconcelos
 
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de EnfermagemCentro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
Jandresson Soares de Araújo
 
Manual de bolso de gesso
Manual de bolso de gessoManual de bolso de gesso
Manual de bolso de gesso
thiagoaugusto_100
 
Apostila quiropraxia-2010
Apostila quiropraxia-2010Apostila quiropraxia-2010
Apostila quiropraxia-2010
Luís Filipe Araújo Longo
 
Pop facenf-transporte-e-mobilizações-n.-081
Pop facenf-transporte-e-mobilizações-n.-081Pop facenf-transporte-e-mobilizações-n.-081
Pop facenf-transporte-e-mobilizações-n.-081
KleberFerreira28
 
S.b.v. (afogamento) slides
S.b.v. (afogamento)   slidesS.b.v. (afogamento)   slides
S.b.v. (afogamento) slides
Denisson Passos
 
Contfin2013
Contfin2013Contfin2013
Contfin2013
aluisiobraga
 
Os 10 mandamentos do socorrista
Os 10 mandamentos do socorristaOs 10 mandamentos do socorrista
Os 10 mandamentos do socorrista
NRFACIL www.nrfacil.com.br
 

Semelhante a 4.2+entrada++aps (11)

Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leitoPrimeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
Primeiros Socorros - posição restrição e movimentação no leito
 
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptxAula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
Aula 8 Cuidados na Fisioterapia do Idoso.pptx
 
Afogamento
AfogamentoAfogamento
Afogamento
 
Natacao.paula romão.sílvinapais
Natacao.paula romão.sílvinapaisNatacao.paula romão.sílvinapais
Natacao.paula romão.sílvinapais
 
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de EnfermagemCentro de educação profissional   ltda - CEL-  fundamentos de Enfermagem
Centro de educação profissional ltda - CEL- fundamentos de Enfermagem
 
Manual de bolso de gesso
Manual de bolso de gessoManual de bolso de gesso
Manual de bolso de gesso
 
Apostila quiropraxia-2010
Apostila quiropraxia-2010Apostila quiropraxia-2010
Apostila quiropraxia-2010
 
Pop facenf-transporte-e-mobilizações-n.-081
Pop facenf-transporte-e-mobilizações-n.-081Pop facenf-transporte-e-mobilizações-n.-081
Pop facenf-transporte-e-mobilizações-n.-081
 
S.b.v. (afogamento) slides
S.b.v. (afogamento)   slidesS.b.v. (afogamento)   slides
S.b.v. (afogamento) slides
 
Contfin2013
Contfin2013Contfin2013
Contfin2013
 
Os 10 mandamentos do socorrista
Os 10 mandamentos do socorristaOs 10 mandamentos do socorrista
Os 10 mandamentos do socorrista
 

Último

karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 

4.2+entrada++aps

  • 1. 4.2 A entrada na Piscina A entrada na piscina pode ser feita por vários métodos entre eles estão: . Degraus; . Rampas; . Guindastes; . Lateral. Os degraus que conduzem para dentro da piscina devem estar situados na extremidade mais rasa e devem ser confinados a esse local, de modo que a área de trabalho da piscina seja mantida livre. Skinner e Thomson defendem um tamanho de degrau de 15 cm de altura por 30 cm de profundidade e largura de 60 cm. De modo que seja possível segurar nos corrimões em ambos os lados da escada. As bordas anteriores devem estar marcadas de forma clara, preferencialmente por azulejos com cores diferentes. A piscina elevada por outro lado aconselha o uso de uma plataforma no topo dos degraus e outro lance de degraus para o deque. As rampas ocupam um espaço considerável e tendem a dispersar a água, aumentando a turbulência. No entanto podem facilitar a entrada na água de cadeiras de rodas. A inclinação não deve ser escorregadia. Existe 3 tipos principais de guindastes que são o Mecânico, Hidráulico e Elétrico. E podem encaixar uma maca, um assento ou ambos, de Maneira ideal para que sejam operados. - Guindastes Mecânicos:Não são utilizados de maneira tão comum atualmente, mas podem ser valiosos em áreas de piscinas pequenas ou quando a verba é limitada. - Guindastes Hidráulicos: Podem ser lentos para a sua utilização na sua suspen- são ou abaixamento podendo representar dificuldades durante uma emergência em que a remoção de uma pessoa da água é vital. Independente de qual é utilizado é necessário que ele esteja na parte mais rasa da piscina e possua um espaço livre ao redor, permitindo um giro completo de 360º. A entrada Lateral do paciente a piscina, sendo elas: - Entrada Sentada: o paciente fica sentado na borda da piscina enquanto o fisioterapeuta já se encontra dentro desta, fazendo com que o paciente estique os braços para frente apoiando as mãos no ombro do fisioterapeuta, as mãos do fisioterapeuta são posicionadas nas costas, logo abaixo da borda inferior da escapula do paciente, trazendo – o parafrente. - Entrada mãos sobre mãos: Paciente senta na borda da piscina e o fisiote- rapeuta se coloca em uma posição de investida diagonal a um lado do paciente. O
  • 2. fisioterapeuta, segura o braço do paciente do lado oposto ao qual ele está de pé,com o braço que está mais próximo dela. Realiza um apoio com a mão em forma de concha, posicionando embaixo do braço superior do paciente, então ele coloca a mão sobre o braço do Fisioterapeuta. Entre essas formas existem também a Entrada Sentada com lacuna entre as mãos do paciente e as do fisioterapeuta, Entrada Independente caindo para frente e a Entrada Independente com rotação lateral sobre as costas. Entrada – Rotação combinada. A entrada de pessoas onde exista patologia severaoFisioterapeutaseencontra na água em uma posição de investida. O pé anterior está próximo da parede e sustenta o peso do corpo. O paciente é trazido para a borda da piscina por um movimento de balanço em que o peso do corpo é transferido de um lado para o outro. Quando o peso do corpo for retirado de um quadril o fisioterapeuta facilitará um movimento para frente daquele quadril e perna. E este pode também entrar se não existir patogenia pela escada da piscina em que o fisioterapeuta irá entrar primeiramente, o auxiliando a cada degrau que o paciente descer, e o ‘pegar’, quando esta estiver totalmente dentro da piscina. Os arredores da piscina devem ser suficientemente amplos para acomodar cadeiras de rodas e macas, que necessitam de um diâmetro para variar de 2m, sendo fornecido em dois lados da piscina e estas áreas devem estar livres de quaisquer riscos. A inclinação da superfície antideslizante vai assegurar que a água seja drenada da borda da piscina.